Page 1

43

Edição 43 Ano 8 Fevereiro 2017 Santa Maria de Jetibá - ES

O jornal do cooperado da:

INOVAÇÃO NA AVICULTURA

Cooperados assinam contratos e formam o 1º Condomínio Avícola para postura do Brasil

Cooperativa recebe proposta de aquisição para 51 cotas na primeira abertura de inscrições para o Condomínio Avícola

pág. 6 e 7

Premiação para os melhores cafés produzidos por cooperados aconteceu em Santa Maria pág. 3

Cafés especiais de cooperados expostos para o público da Feira Sabores 2016 pág. 5

Campanha de Natal #DoeLivros arrecadou cerca de 4 mil livros em um mês pág. 10


2

Por Dentro da Coopeavi

Palavra da Diretoria

Inovar é preciso para continuar ano de 2017 come- seguiu aglutinar forças todos os envolvidos di- em um mês, cerca de 4 O çou e trouxe consi- e reuniu um grupo de retamente com a mes- mil livros. No entanto, go diversas mudanças empreendedores para ma. Quando falamos de a campanha foi muito que nos desafiam. Esta é a primeira edição do Coope Notícias do ano e por isso, gostaríamos de falar um pouco sobre como enfrentamos as mudanças e o porquê são importantes para o nosso crescimento. Quando tudo está mudando é sinal de evolução, as maiores descobertas do mundo não aconteceram em meio a um período de instabilidade. O Brasil viveu um 2016 recheado de alterações e 2017 não será diferente. Para acompanhar essas mudanças é necessário ter a capacidade de unir forças para se adaptar às novas realidades. No último mês de janeiro, a Coopeavi con-

colocar em prática o todos, estamos referinprojeto do primeiro gal- do aos colaboradores, pão no sistema de Con- aos prestadores de serdomínio Avícola, uma viços e, acima de tudo, inovação para o seg- aos cooperados. Vimos mento avícola essa união do agronegóna abertura cio brasileiro. das inscriInovar é precições para o Temos so! Trabalhar consciência que Condomínio com a filoso- as necessidades Avícola ao fia de melho- dos cooperados receber proria contínua postas para faz a coopera- muda a cada preencher 51 novo dia tiva crescer e cotas. agregar valor Também aos diversos vimos essa negócios dos união na produtores rurais asso- Campanha de Natal ciados. #DoeLivros. Vimos o Ver as pessoas se quanto as pessoas estão unindo por acreditar dispostas a fazer parte no trabalho da coopera- de um movimento pela tiva gera uma satisfação leitura, pela educação muito grande e aumen- e por contribuir com ta a responsabilidade de o próximo. Reunimos,

além, alcançamos cerca de 25 mil pessoas nas redes sociais. Parabéns especial para as filiais que mais arrecadaram livros. Temos consciência de que as necessidades dos cooperados muda a cada novo dia, por isso, com o intuito de aproximar e dialogar com os cooperados, a Coopeavi fará quatro Pré-Assembleias no mês de março: Venda Nova do Imigrante (06/03), Caratinga (07/03), Conselheiro Pena (08/03) e Vila Valério (09/03). E claro, no dia 25 de março a Assembleia Geral Ordinária (AGO), em Santa Maria de Jetibá. Participe!

EDITAL DE CONVOCAÇÃO - ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA (AGO) COOPEAVI O Presidente da COOPEAVI – Cooperativa Agropecuária Centro Serrana – CNPJ: 27.942.085/000183, NIRE de n.º 32.4.0000065-9, no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto Social em seu art. 26, convoca os senhores cooperados para se reunirem em Assembleia Geral Ordinária que se realizará no Ginásio de Esportes Hermann Roelke – Rua Alfredo Potratz, s/n – Centro – Santa Maria de Jetibá – ES – ES, CEP: 29.645-000, não sendo realizado em sua sede social devido a falta de espaço físico confortável para acomodar o quadro social, no dia 25 (vinte e cinco) de março de 2017, em primeira convocação às 12h (doze horas), com presença de 2/3 dos cooperados, em segunda

convocação às 13h (treze horas) no mesmo dia e local com presença de metade mais um do total de cooperados e, persistindo a falta de quórum legal, em terceira e última convocação às 14h (quatorze horas) com presença mínima de 10 (dez) cooperados, a fim de deliberarem sobre a seguinte: ORDEM DO DIA I. Prestação de contas do exercício de 2016. II. Destinação das sobras apuradas. III. Eleição dos componentes do Conselho Fiscal. IV. Fixação dos honorários para os Conselhos de Administração e Fiscal.

V. Autorização para contrair empréstimos para investimentos, capital de giro e outros, se necessário. VI. Outros assuntos. Nota: Para efeito de quórum, declara-se que o número de cooperados em condições de votar nesta data é de 11.387 (onze mil, trezentos e oitenta e sete) cooperados. Santa Maria de Jetibá-ES, 22 de fevereiro de 2017. ARNO POTRATZ DIRETOR-PRESIDENTE

Informativo Bimestral da Coopeavi Santa Maria de Jetibá - ES Ano VIII – Nº 43 Diretoria Executiva

Arno Potratz Presidente

Denilson Potratz Vice-Presidente

Argêo João Uliana Diretor Administrativo Comercial

Avelino Hell, Cláudio Novelli, Ederson Jacob, Edival Corteletti, Fábio Fösh e Willian Espíndula Conselho ADMINISTRATIVO

Carlos Alberto Roldi Filho, Josélio Kruger e Solimar Plaster Conselho Fiscal

Carlos A. Lima, Daniel Piazzini, Luís C. Brandt e Marcelino Bellardt Gerência Executivas

Fred Colnago projeto gráfico e Diagramação

Domicio Faustino Textos

Simone Holz Loose e Domicio Faustino Revisão

Simone Holz Loose Arquivo Coopeavi Fotos de Capa

Tiragem: 3.000 Fale Conosco (27) 3263-4750 – ramal 4830 imprensa@coopeavi.coop.br

Rua Francisco Schwartz, 88 - Centro Santa Maria de Jetibá - ES CEP: 29.645-000 Fb.com/coopeaviagronegocios Twitter.com/Coopeavi www.coopeavi.coop.br

Matérias sobre a Coopeavi ganham 10 prêmios entrega do 10º PrêA mio de Jornalismo Cooperativista aconte-

Coopeavi em destaque na mídia

ceu no dia 09 de dezembro, no Ilha Shows, em Vitória (ES). Entre as 30 matérias finalistas, onze eram referentes ao trabalho da Coopeavi junto com seus cooperados, ou seja, cerca de 36% dos trabalhos jornalísticos na final. O objetivo do Prêmio de Jornalismo Cooperativista é aproximar o cooperativismo da imprensa do Estado, valorizar seu trabalho e estimular a produção de

matérias bem desenvolvidas e ricas em detalhes sobre o cooperativismo. O Prêmio tem contribuído diretamente para que a população capixaba entenda o que realmente é o sistema cooperativista e quais são as cooperativas que estão em crescimento contínuo, se tornando cada vez mais importantes para o desenvolvimento econômico e social do Espírito Santo. Três matérias de cada categoria (telejornalismo, jornalismo impresso, rádio jornalismo; web jornalismo; foto

jornalismo e cinegrafia) foram premiadas após a avaliação do júri técnico. Também houve premiação para o melhor trabalho desenvolvido por estudante e prêmio por voto popular à matéria mais votada pela internet. Ao todo foram distribuídos 20 prêmios à mídia capixaba. A Coopeavi mais uma vez foi a cooperativa mais citada nas matérias vencedoras, foram dez prêmios para nove trabalhos jornalísticos, isto é, 50% de todos os premiados.


Negócio Café

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

3

Cafeicultores de nove municípios foram premiadas em 2016

Afonso Cláudio, Castelo e Itarana conquistam o Prêmio Pio Corteletti 2016 O resultado final do Concurso de Qualidade premiou os melhores cafés, arábica e conilon, produzidos no Espírito Santo

U

m dos momentos mais esperados do ano para os cafeicultores capixabas, a entrega do Prêmio Pio Corteletti, aconteceu na noite do dia 10 de dezembro, em Santa Maria de Jetibá. Foram premiados os melhores cafés arábica, categoria cereja descascado, e conilon, categorias cereja descascado e natural. Os produtores Marcos Tomazini (Castelo), Geovane César Seringer (Itarana) e Jeorge Delpupo (Afonso Cláudio) foram os grandes campeões da noite. O Prêmio Pio Corteletti é um dos concursos de qualidade de café mais tradicionais do Espírito Santo (ES). Organizado pela Coopeavi, desde 2012, os produtores da espécie arábica e coni-

lon são premiados no mês de dezembro. Este ano foram distribuídos 16 mil reais em dinheiro para os três primeiros colocados das três categorias citadas, além de ágios no ato da comercialização do café com a cooperativa. A cerimônia de premiação aconteceu no pátio da Loja Matriz da Coopeavi e contou com a presença da Diretoria Coopeavi, autoridades locais e cerca de 170 produtores rurais com seus familiares. Um dos principais fatores que influenciou negativamente na produção de cafés de qualidade foi o clima. A falta de chuvas relevantes nos períodos necessários impactou na formação dos grãos e, por consequência, no resultado final do concurso. O impacto maior foi na produção de conilon, pois grande parte do volume é produzido nas regiões de clima mais quente do ES. Já os grãos produzidos nas montanhas capixabas se destacaram,

Premiamos os melhores cafés em dezembro, para dar oportunidade à todos produtores de participar Giliarde Cardoso, gerente do Negócio Café da Coopeavi

em números

16 mil reais

foi distribuido como prêmios aos melhores cafés, além de ágios na comercialização.

170 cooperados

participaram da cerimônia de entrega dos prêmios.

pois, a região possui um clima mais ameno, se comparado com o restante do Estado. Mesmo com todas as dificuldades climáticas, os produtores acreditaram e deram sequência no trabalho de melhoria da qualidade. O resultado do concurso destacou Afonso Claudio com o principal munícipio produtor de grãos finos. Além disso, destacou um crescente resultado de qualidade para os cafés produzidos em Itarana, Vargem Alta e Castelo. A fase final de degustação dos cafés foi realizada em Venda Nova do Imigrante e contou com a presença de dez degustadores. Além disso, o Concurso contou com um auditor externo, o analista de mercado da OCB/Sescoop-ES Alexandre Ferreira. Todos os degustadores foram homenageados e receberam um certificado de participação no Pio Corteletti 2016. Confira ao lado os nomes dos cooperados premiados na edição 2016 do Concurso de Qualidade Pio Corteletti.

CONILON NATURAL

Posição Produtor

Município

1

Jeorge Delpupo

Afonso Cláudio

2

Luciano Tonole

Afonso Cláudio

3

Mariceia A P B Pancini

C. de Itapemirim

4

João Delpupo

Afonso Cláudio

5

Erivelton Carline

Itaguaçu

6

Laurindo Tonole

Afonso Cláudio

7

Fabricio Zuin

Castelo

8

Romario P. N. Pancini

C. de Itapemirim

9

Zenomar Zandonadi

Afonso Cláudio

10

Ivonete Maria Carlini

Itaguaçu

CONILON CEREJA DESCASCADO

Posição Produtor

Município

1

Geovane Cesar Seringer

Itarana

2

Arthur Ludke

Afonso Cláudio

3

Querope Cunha do N.

Afonso Cláudio

4

João Delpupo

Afonso Cláudio

5

Valtamiro Ludke

Afonso Cláudio

6

Luciano Tonole

Afonso Cláudio

7

Florentino Brandt

Afonso Cláudio

8

José Arnaldo Zandonaide

Afonso Cláudio

9

Elivelton Sotele Carlini

Itaguaçu

10

Adair Batista Borges

Alto Rio Novo

11

Marcelo Sergio Mognato

Santa Teresa

12

Jonezio S Carline

Itaguaçu

13

Eliadir Souza Mendonça

Afonso Cláudio

ARÁBICA CEREJA DESCASCADO

Posição

Produtor

Município

1

Marcos Tomazini

Castelo

2

Anilton Afonso Miniguete Vargem Alta

3

Luciano D Pimenta

Afonso Cláudio

4

Antonio Carlos D Delpupo Afonso Cláudio

5

Silvanius Kuts

Itarana

6

Valeriano Nalli

Vargem Alta

7

Valdeir Cezati

Castelo

8

Geraldo Casagrande

Itaguaçu

9

Danilo Guilherme Dones

Santa M. Jetibá

10

Sidney Grunewald

Itarana

11

José Rubens Zandonaide

V. N. do Imigrante

12

Jonezio S Carline

Itaguaçu

13

Eliadir Souza Mendonça

Afonso Cláudio


4

Negócio Café

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

Venda Nova receberá concurso internacional de cafés em 2017 A Coopeavi é uma das parceiras para viabilizar a realização do principal concurso de qualidade de café do mundo no ES Campus Venda O Nova do Imigrante do Instituto Federal do

Espírito Santo (IFES), receberá, em 2017, um dos mais importantes eventos na área de cafés especiais: o Cup of Excellence. O concurso é realizado anualmente em vários países e premia os melhores cafés de cada local. A edição brasileira do evento está prevista para acontecer no campus entre 22 e 28 de outubro deste ano, com a participação de 30 a 40 importadores de cafés especiais e também juízes de várias partes do mundo, como Ásia, América do Norte, e Europa. Esta será a segunda vez que o Cup of Excellence acontecerá no Espírito Santo – a primeira foi em 2004. O concurso é realizado desde o ano 2000. O professor Lucas Louzada Pereira, coordenador de Pesquisa do Campus é um dos articuladores para a realização do evento no local, explica que o concurso é promovido pela Aliance for Coffee Excellence e,

O Cup Of Excellence acontecerá em outubro deste ano no IFES de Venda Nova do Imigrante

no Brasil, a organização é feita pela Brazilian Specialty Coffee Association (BSCA). Ele conta que são realizadas, ao longo de toda a semana de evento, as provas de “cupping”, em que os juízes fazem as avaliações sensoriais dos cafés. São juízes altamente treinados e chamados de Q-Graders. Na fase de cupping, não é permitida a participação do público externo, em função de as avaliações e protocolos exigirem concentração,

silêncio e destreza. No último dia, o concurso é aberto ao público e aos produtores para a degustação dos 10 melhores cafés do grupo de “naturais” e “pulped” (lavados). É feito um ranking dos melhores cafés especiais de cada país participante e, posteriormente, há um leilão. “Para o Ifes, o concurso proporcionará a entrada no circuito internacional dos cafés especiais, tendo em vista que externaremos

ao mundo nossa capacidade de organizar grandes eventos que tenham processos exitosos de ensino, pesquisa e extensão”, comentou. Ele lembra que o Cup of Excellence também permitirá a aproximação e intercâmbio entre as instituições. São também parceiros do evento o Governo Federal, Secretaria de Estado da Agricultura, Incaper, Embrapa Café, Sebrae-ES, Fazenda Camocim, Sicoob e Coopeavi.

A vinda deste evento para o ES mostra a importância da nossa região para o cenário dos cafés especiais Denilson Potratz, vice-presidente da Coopeavi

Cafeicultores cooperados são premiados em Castelo Mais de 200 pessoas participaram da premiação do “10º Concurso de Qualidade do Café de Castelo” que divulgou os melhores cafés produzidos no município. O evento, realizado no Espaço S&B, na noite de quarta-feira, dia 28 de dezembro, contou com a presença do Jair Ferraço (Prefeito de Castelo), Victor Emanuel Schettino (Secretário Municipal de Agricultura), Giliarde Cardoso (Gerente do Negócio Café da Coopeavi), de vereadores, entre outras

autoridades. Durante o jantar festivo, dez cafeicultores castelenses, sendo cinco na categoria arábica e cinco na categoria conilon receberam a premiação em dinheiro, nos valores de R$ 500 a R$ 3 mil. Durante o concurso, que acontece entre os meses de agosto e dezembro foram degustadas 87 amostras de cafés, e pré-selecionadas 33, sendo 24 da categoria arábica e nove da categoria conilon. Dos premiados, cinco são cooperados da Coopeavi.

Categoria Arábica

Produtor 1º Valdeir D. Tomazini 2º Pedro Correia Selva 3º Domingos Sávio Lopes 4º Valdinei Fim 5º Marco Antonio Nalli Categoria CONILON

Produtor 1º Dilma Cecote Fim 2º Arlindo Thiengo 3º Vagner Sena Dável 4º João dos Santos 5º Francisco Fim


Negócio Café

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

5

Incentivo à qualidade para produção de café

Os cafés Pronova ficaram expostos no estande do SEBRAE-ES

Cafés finos são comercializados na Feira Sabores A população teve contato com os melhores cafés produzidos pelos cooperados Coopeavi nas Montanhas Capixabas 10ª Feira Sabores A aconteceu nos dias 16 a 18 de dezembro, na Praça do Papa, em Vitória, e recebeu mais de 50 mil visitantes. A Coopeavi disponibilizou ao público visitante os melhores cafés FALA

Neste evento tivemos a oportunidade apresentar à população da Grande Vitória os nossos melhores cafés

João Elvídio Galimberti, Especialista em Mercado de Café Coopeavi

produzidos por cooperados nas Montanhas Capixabas, os cafés Pronova. Com entrada franca, a Feira organizada pela Associação de Agroturismo do Espírito Santo (Agrotures) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-ES), chamou a atenção dos moradores da região metropolitana, que tiveram a oportunidade de conhecer diversos produtos genuinamente capixabas. Café premiado O visitante da Feira Sabores teve acesso a uma edição limitada com identificação do produtor, tratava-se de um catuaí amarelo, que alcançou nota 90,25 no Concurso de Qualidade Single Origin, produzido pelo cooperado Sivanius Kutz, na região de Barra Encoberta, município de Itarana. Para o gerente do

negócio Café, Giliarde Cardoso, o evento foi uma oportunidade para apresentar ao público urbano os melhores cafés produzidos na região serrana. “Estar na Feira Sabores faz parte do trabalho de dar visibilidade para as pessoas que produzem. A Coopeavi incentiva o cafeicultor a produzir com qualidade e também faz o trabalho de promoção do resultado deste esforço. Trabalhamos sempre para valorizar o homem do campo”, disse.

Qualidade Single Origin O Concurso Qualidade Single Origin (Origem única) foi uma premiação realizada durante a 5ª Semana Tecnológica do Agronegócio, em Santa Teresa, com o objetivo de premiar os melhores grãos das primeiras catas realizadas pelos cafeicultores cooperados. Este concurso de micro lotes reuniu mais de 174 amostras e premiou os melhores cafés da variedade arábica e conilon.

Silvanius Kutz na premiação do concurso Single Origin

Um dos projetos de incentivo à qualidade no café desenvolvido pela Coopeavi é a Implantação de Boas Práticas Agrícolas no Setor Cafeeiro. O projeto visa adequar as propriedades capixabas produtoras de café ao Currículo de Sustentabilidade do Café instituído pelo Ministério da Agricultura, em 2013. Além disso, preparando os cafeicultores para as principais certificações presentes no mercado. A Coopeavi é uma das cooperativas parceiras neste projeto apoiado pelo SEBRAE. Por meio do Serviço em Inovação e Tecnologia (SEBRAETEC), os cafeicultores recebem uma consultoria focada em melhorar os processos internos da propriedade, implantando assim as boas práticas agrícolas na produção de café. Dentro da Coopeavi, o projeto é coordenado pelo Instituto Coopeavi e a Consultoria Técnica. No mês de dezembro, a propriedade do cooperado Zózimo Carlini recebeu a visita de uma equipe do Sebrae Nacional para conhecer de perto o trabalho desenvolvido pela Coopeavi e a equipe do SEBRAE -ES. “O cooperado Zózimo é uma referência para os outros produtores integrantes deste projeto, pois além de seguir as normas ele valoriza o apoio de sua cooperativa e a do Sebrae”, disse a bióloga Marcela Takiguti, coordenadora do projeto no Instituto Coopeavi.

Equipe do SEBRAE e Coopeavi junto com o cooperado Zózimo


6

Negócio Ovo

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

INOVAÇÃO NA AVICULTURA

Cooperados assinam contratos e formam o 1º Condomínio Avícola no ES Cooperativa recebe proposta de aquisição de 51 cotas na primeira abertura de inscrições para o Condomínio Avícola o dia 31 de janeiro N treze cooperados assinaram os contratos de investimento e constituíram oficialmente o primeiro Condomínio Avícola para postura do Brasil. Na primeira abertura de inscrições para participar do empreendimento, a cooperativa recebeu propostas para aquisição de 51 cotas, de cinco mil aves cada.

Depois das etapas de triagem previstas no edital, treze produtores adquiriram as 20 cotas disponíveis neste primeiro momento. Para o vice-presidente da Coopeavi, Denilson Potratz, essa grande adesão de interessados mostrou que o cooperado abraçou o projeto. “Essa iniciativa surgiu da participação do cooperado e a adesão que tivemos mostrou que o associado acredita na atividade, mas faltava esse apoio da cooperativa. Com essa oportunidade do Condomínio, o produtor veio em massa

e aderiu a iniciativa, que é inédita na avicultura de postura”, disse. A assinatura dos contratos, ocorrida no dia 31 de janeiro de 2017, é considerada um marco para a avicultura, capixaba e brasileira, e para o cooperativismo. Neste novo modelo a cooperativa oferece aos cooperados uma oportunidade de entrar em uma modalidade de investimento nas diretrizes do associativismo. Após a assinatura dos contratos, os novos cotistas visitaram o complexo produtivo na região de Caldeirão, mu-

nícipio de Santa Teresa. Ao ver o primeiro galpão produzindo e o segundo galpão em plena construção, o avicultor Elimar Schwambach ficou animado com o futuro do empreendimento e destacou os benefícios que o motivou a fazer parte do condomínio. “Em um investimento como esse tudo fica mais fácil para buscar novos mercados e brigar por preços, fora que conseguimos fugir dos caloteiros. O mais importante mesmo é a união dos avicultores para formar as cotas”, comenta Schwambach.

Saiba mais O primeiro Condomínio Avícola para Postura Comercial foi inaugurado no início do segundo semestre de 2016, em Alto Caldeirão, município de Santa Teresa (ES). A iniciativa que surgiu da participação de um cooperado, nasceu com o intuito de democratizar uma produção em alta escala para pequenos avicultores cooperados da Coopeavi.

OS ASSOCIADOS COTISTAS DO PRIMEIRO GALPÃO DO CONDOMÍNIO AVÍCOLA

Em um investimento como esse tudo fica mais fácil para buscar novos mercados e brigar por preços Elimar Schwambach, cooperado avicultor de Santa Maria de Jetibá

Sempre buscamos a diversificação das atividades, devido a variação bianual na produção do café João Sperandio Cott, cooperado cafeicultor de Baixo Guandu

É uma coisa maravilhosa ter a oportunidade de participar deste empreendimento Braz Henrique Fiorot, cooperado cafeicultor de Jaguaré

É um investimento onde o associado participa junto com a cooperativa para continuar as atividades Argêo Uliana, diretor Administrativo Comercial da Coopeavi

Ao concretizar esse primeiro Galpão damos um passo para levar mais tecnologia ao pequeno avicultor Arno Potratz, Presidente da Coopeavi


Negócio Ovo

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

7

INOVAÇÃO NA AVICULTURA

Como funcionará o Condomínio Avícola

sistema de ConO domínio proposto pela Coopeavi visa

de modernizar o setor avícola, priorizando principalmente os pequenos avicultores, que não teria condições construir uma estrutura toda automatizada, reduzindo a mão de obra, como é a proposta da estrutura desenvolvida pela cooperativa. O Galpão com investimento compartilhado está em construção e a previsão é alojar 100 mil aves em meados de junho deste ano. “O Condomínio funcionará em sistema de cotas, da qual o associado poderá investir nessas cotas e a cooperativa oferecerá toda a infraestrutura de galpão, assistência

técnica, granja de recria, fábrica de rações, classificação e comercialização dos ovos. O condomínio chega para resolver alguns problemas dos cooperados, como a sucessão familiar e mão de obra. Além disso, contribuirá para diversificar a atividade do produtor, tanto avicultor quanto cafeicultor, pecuarista, entre outros ligados a alguma atividade econômica rural”, explica Potratz em números

100 mil aves

serão alojadas neste primeiro Galpão no sistema de condomínio

13 cooperados adquiriram as 20 cotas disponibilizadas

Cooperado João Cott e seu filho João Marcos nome dos cotistas em ordem alfabética

Cooperado

Cidade

Ademar Beilke

Santa Teresa

Alfeu Scota

Santa Teresa

Argeo Joao Uliana

Santa Maria de Jetibá

Arno Potratz

Santa Maria de Jetibá

Braz Henrique Fiorot

Jaguaré

Dainimara Behrend Berger

Santa Maria de Jetibá

Denilson Potratz

Santa Maria de Jetibá

Elimar Schwambach

Santa Maria de Jetibá

Elisabeth Boldt Lemke

Santa Maria de Jetibá

Horacio Antonio Muller

Santa Maria de Jetibá

João Luís Sperandio Cott

Baixo Guandu

Sivaldo Gums

Santa Maria de Jetibá

Valerio Gums

Santa Maria de Jetibá

Cooperados cotistas visitaram as obras do 1° Galpão no sistema de Condomínio

Diversificação Cooperado de Jaguaré das atividades torna-se cotista do 1º Galpão econômicas na Essa primeira unidade conta também com zona rural a participação de proA diversificação das atividades rurais é o que busca o cooperado João Luís Sperandio Cott, produtor de café da região de Baixo Guandu. “Sou filho de produtores de café, por isso continuei na atividade, mas sempre buscando a diversificação das atividades, devido a variação bianual na produção do café”, disse. De acordo com ele, essa oportunidade de diversificar seus investimentos como produtor rural, o motivou a ser cotista neste primeiro galpão. Ele também ficou surpreso com o tamanho das estruturas e saiu do complexo produtivo com a certeza de ter realizado a coisa certa ao investir junto com cooperativa que ele faz parte há mais de cinco anos. “É mais que eu esperava antes de chegar aqui, achei que a coisa fosse menor, fiquei surpreso com o tamanho do negócio, agora a gente fica com mais expectativa. Esse investimento é muito interessante pois vamos trabalhar juntos, é um empreendimento participativo”, comenta.

dutores rurais de outras regiões do Espírito Santo, como é o caso do cooperado Braz Henrique Fiorot, produtor de café e pimenta do reino na região de Jaguaré. “Eu fiquei sabendo (do Condomínio Avícola) através de outros cooperados, me interessei pelo assunto e comecei a ler as reportagens veiculadas na imprensa. Me interessei ainda mais pelo projeto, porque acredito que a economia compartilhada será o futuro. É uma coisa maravilhosa ter a oportunidade de participar deste empreendimento. Há muitos anos sou fã da comunidade de Santa Maria de Jetibá, é um

Cooperado Braz na visita ao Condomínio

Essa iniciativa surgiu da participação do cooperado e a adesão que tivemos mostrou que o associado acredita Denilson Potratz, vice-presidente da Coopeavi

munícipio muito progressista e, por isso, venho observando a forma deste povo trabalhar. Agora podendo ver essa realização é muito emocionante, eu me sinto parte”, comenta Fiorot


8

Negócio Ovo

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

Artigo do Ovo com Nielton Cezar Ton Médico Veterinário

Projeto de Boas Práticas na Produção de Ovos

C

omeçou em 2015 um projeto diferente e inédito para padronizar um modelo de gestão das boas práticas nas granjas de poedeiras comerciais e a Coopeavi foi convidada a fazer parte desse marco para a avicultura nacional. Os trabalhos com os avicultores começaram no último ano e se estenderá até 2018. Três cooperados avicultores fazem parte desta fase de desenvolvimento dos trabalhos: Elimar Schwambach, Joelma Schultz Rocon e Solimar Berger. O projeto está sendo desenvolvido no Espírito Santo com o apoio de vários parceiros, como a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Associação dos Avicultores do Espírito Santo (AVES), Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Suínos e Aves), Hy-line do Brasil, Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (IDAF), Instituto Ovos Brasil (IOB) e Ministério da Agricultura (MAPA). O principal objetivo do projeto é desenvolver um modelo de gestão da qualidade na produção de ovos baseado nas boas práticas de produção (BPP) e da capacitação de técnicos e produtores. Nesse contexto, a ideia é contribuir para a melhoria e padronização das práticas produtivas e administrativas dos produtores de ovos visando a sustentabilidade do negócio, o bem -estar animal, a segurança do trabalhador e a produção de alimentos seguros. A iniciativa é

destinada aos pequenos produtores e médios avicultores familiares, cuja produção de ovos é oriunda de galinhas em aviários californianos tradicionais. A maioria dos avicultores não possuem controles e métodos para aferir indicadores de eficiência dentro da granja, por exemplo, pela experiência os mesmos sabem a quantidade de água consumida pelo seu lote de galinha, mas eles não possuem um hidrômetro para ter os dados precisos do volume de água consumido diariamente, o que pode estar impactando no resultado financeiro do empreendimento. Por isso, os trabalhos estão sendo conduzidos em duas etapas: a documental e a prática. Documental: visa padronizar os procedimentos operacionais das ações cotidianas necessárias na produção de ovos. Por isso, foram formalizados formulários para registro da execução das atividades, procedimentos técnicos, com orientações sobre a condução de processos internos e para visitantes de unidade produtiva. Além disso, o desenvolvimento de peças de comunicação visual para orientar e

O desafio é atrelar a mudança de procedimentos em plena produção de ovos, pois o projeto está aperfeiçoando algumas práticas comuns dentro das granjas sem parar a atividade. deixar claro para todos os espaços corretos para cada elemento dentro granja. Prática: visa colocar em prática os padrões estabelecidos na fase documental, ou seja, executar os procedimentos operacionais padrão (POPs).

O principal objetivo do projeto é desenvolver um modelo de gestão da qualidade na produção de ovos baseado nas boas práticas de produção e da capacitação de técnicos e produtores Nas duas etapas estão sendo implantados e desenvolvidos alguns controles padrões para as granjas: - Acesso de pessoas e veículos nas granjas; - Gestão de água na granja; - Controle de roedores,

mosca e piolho; - Higiene e limpezas rotineiras nas granjas; - Manejo da ração na granja; - Limpeza, desinfecção e vazio sanitário; - Manejo sanitário da granja; - Controle da produção de ovos; - Gestão Financeira da Granja; - Ambiência da granja; - Destinação de galinhas mortas (compostagem); - Descarte das poedeiras. Com esses dados, será possível realizar o monitoramento padrão das granjas e obter resultado mais assertivos, com isso, disseminar esse modelo para outros núcleos avícolas no Espírito Santo e demais estados do Brasil. “Temos como objetivo estimular os produtores a desenvolver as BPP em suas granjas, levando em conta que isso implicará na aquisição do registro da granja pleiteado pelo produtor junto ao IDAF, além de influenciar na qualidade do plantel avícola e consequente-

mente na qualidade do ovo que será destinado ao consumidor final”, destaca Nielton. Para o pesquisador da Embrapa Suínos e Aves João Dionísio Henn, que é o coordenador do projeto, não basta praticar a qualidade, mas também é preciso comprová-la. “Pretendemos ter, ao final do projeto, uma metodologia para implantação das boas práticas de produção no sistema produtivo de ovos, apto para ser aplicado em várias realidades da produção de ovos e desenvolver diversas estratégias e instrumentos de transferência de tecnologia (publicações, vídeos, podcast, infográficos, aplicativo para smartphone e tablets, seminários, workshop e cursos) para atingir os públicos interessados no modelo de implementação de BPP e conteúdos validados no projeto, para sua replicação posterior para outros produtores”, explica Henn.


Negócio Ovo

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

Comitê de Sanidade Avícola tem nova composição A cooperativa conta com dois membros suplentes na nova composição do Comitê: Argêo Uliana e Tarcísio Agostinho

9

FALA

Nélio Hand toma posse como novo presidente

o dia 15/12 foi reaN lizada reunião com os novos membros do

Comitê Estadual de Sanidade Avícola do Espírito Santo (COESA-ES), no Auditório do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (IDAF), no município de Vitória. Além da apresentação dos novos membros da Diretoria do Comitê, o momento também serviu para o alinhamento das Instruções normativas nº 17, 56, 10 e 20 do Ministério da Agricultura (MAPA), que tratam do registro de estabelecimentos avícola, telamento, monitorias, entre outros.

Nélio Hand, Diretor Executivo da AVES, e Presidente empossado do COESA falou sobre o desafio de assumir tal função junto ao Comitê que nos últimos anos tinha à sua frente representantes do serviço oficial. Destacou a importância do trabalho de maneira conjunta e disse querer contar com o apoio de todos os membros,

O Comitê tem uma contribuição importante para especialmente frente à tuação atual do registro deliberar sobre os nova formatação do or- de estabelecimentos cuidados sanitários ganismo. avícolas no Estado do necessários Luciana Fischer, mé- Espírito Santo. dica veterinária do “O Registro de Estabe- na avicultura IDAF, ficou por conta lecimento Avícola Co- capixaba, visando da apresentação das mercial é um certificado a qualidade do Instruções Normativas emitido pelo Órgão de produto final relacionadas ao MAPA Defesa Sanitária EstaUliana, Diretor que dizem respeito ao dual informando que o Argêo Administrativo Comercial da Registro de Estabe- Estabelecimento Avíco- Coopeavi e membro suplente lecimentos Avícolas, la Comercial (Granja de da COESA pela Federação da telamento de galpões, Produção) tem os quesi- Agricultura e Pecuária do Espírito monitorias, etc. Ela tos mínimos de biosse- Santo (FAES) também abordou a si- guridade”, explicou.

AGORA AS NAS LOJ I V A E P O CO

TE N A Z I L I FERT CO ORGÂNI

Vendas, Dúvidas e Informações sobre a Entrega

27 9 9735-5849 27 3263-1119

Aumente o desempenho da sua lavoura!


10

Instituto Coopeavi

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

Campanha de Doação de Livros arrecada cerca de 4 mil livros Os livros arrecadados serão doados para instituições de ensino e bibliotecas públicas nas localidades aonde há filial Coopeavi

Coopeavi mobilizou A os colaboradores e cooperados de toda a

sua área de atuação em uma campanha para arrecadar livros e doá-los às instituições de ensino, incentivando à leitura para jovens e adolescentes. A mobilização contou com uma grande participação da população durante um mês (06 de dezembro a 06 de janeiro) e com isso, arrecadou cerca de 4 mil livros. Várias pessoas fizeram suas doações nas 20 Lojas de Produtos Agropecuários da Coopeavi. Entre elas, o técnico agrícola Aroldo Antônio Zanotti, 42 anos, que realizou uma doação de 85 livros em Várzea Alegre. Já o pedagogo Hermes Soela realizou uma doação de 24 livros, em Vila Valério, e ressaltou a importância da mobilização. “Vejo a necessidade do incentivo à leitura, do conhecimento para todos, em especial para crianças e jovens, que vem se perdendo no mudo das drogas. Sempre vou apoiar e incentivar à leitura”, disse. A campanha teve o objetivo de despertar nas pessoas o espírito cooperativo no período de Natal para incentivar uma discussão entorno o tema “educação e leitura” no interior do Espírito Santo e Leste de Minas Gerais. Essa foi a primeira iniciativa do gênero desenvolvida por uma cooperativa na zona rural capixaba. em números

3.782 livros

foram arrecadados nas 20 Lojas Agropecuárias da Coopeavi, no ES e MG

Várzea Alegre

foi a filial que mais arrecadou livros durante a Campanha

O colaborador Aldo Duzone Cruz mobilizou instituições em São Gabriel da Palha e conseguiu arrecadar um volume expressivo na filial Coopeavi em Vila Valério

Jaqueline Mansur fez doação de livros na filial Coopeavi em Inhapim - MG

Aroldo Zanotti doou 85 livros na filial de Várzea Alegre

“O pilar de uma boa educação é a leitura e as pessoas têm lido cada vez menos, por isso, fizemos essa campanha para mobilizar colaboradores e cooperados entorno deste assunto. Agora vamos fazer a doação dos livros arrecadados para instituições de ensino, como escolas e bibliotecas nas localidades onde temos atuação, contribuindo assim, principalmente, para a educação básica”, comenta o vice-presidente da Coopeavi, De-

nilson Potratz. Para chegar ao público mais jovem, a cooperativa utilizou as redes sociais para interagir e explicar os objetivos do

O pílar de uma boa educação é a leitura, mas as pessoas tem lido cada vez menos, por isso, fizemos essa campanha para despertar o assunto Denilson Potratz, vice-presidente da Coopeavi

Em Itarana, a cooperada Ana Maria Colombo fez questão de fazer parte da mobilização

movimento pela leitura. A adesão foi surpreendente. Em 30 dias houve mais de 1.500 envolvimentos com as publicações sobre a campanha. O resultado também foi percebido no volume arrecadado, ao todo foram 3.782 livros. Agora, a campanha entra na segunda fase, onde serão escolhidas as instituições que receberão os livros. A previsão é que a entrega do volume arrecadado às escolas e bibliotecas aconteça no mês de fevereiro e março.

Saiba mais A Campanha #DoeLivros foi uma mobilização de Natal, realizada durante todo o mês de dezembro nas 20 Lojas Agropecuárias da Coopeavi. As Filiais que mais arrecadaram foram Várzea Alegre, Vila Valério, Itaguaçu, Itarana e Baixo Guandu. Juntas, arrecadaram 84% do total de livros no final da Campanha.


CT/Lojas Agro

Informativo Bimestral da Coopeavi • Ano VIII • N. 43

11

Irrigação está proibida em todo o ES durante o dia As temperaturas ficarão acima da média em fevereiro e março e as chuvas tendem a ficar próximas do normal apenas no mês de março

baixo volume de O chuvas no início do ano vem causando a

redução das vazões dos principais rios capixabas que novamente atingiram níveis críticos, principalmente nas regiões Norte e Noroeste, pondo em risco o abastecimento humano. A vazão do Rio Jucu, que abastece os municípios de Vila Velha e Viana, além da região que com-

preende a Ilha de Vitória e parte do município de Cariacica, tem caído de forma muito rápida. O Comitê Hídrico do Governo, formado por várias secretarias e órgãos, monitora a situação e as tomadas de decisão. A Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh) publicou uma resolução reestabelecendo o Cenário de Alerta em todo o Estado, definindo regras específicas de uso de água e recomendando uma série de ações por parte da população, dos produtores rurais, dos serviços de abastecimento, das prefeituras, dos órgãos de

É preciso ter cautela e continuar com a adoção de práticas de uso racional da água no campo e na cidade. Todos os esforços empreendidos na mudança de comportamento da população durante a estiagem e que resultaram em uma importante economia de água devem ser resgatados Antônio de Oliveira Junior, diretorpresidente em exercício da Agerh

licenciamento ambiental e das indústrias. A captação de água para fins que não sejam o abastecimento humano está proibida em todo o Estado durante o dia, das 5 às 18 horas. A captação para irrigação ou produção industrial, por exemplo, somente poderá ser realizada no período noturno. A Resolução 049/2017 também prevê uma série de recomendações aos diversos setores da sociedade. As indústrias devem adaptar seus métodos de produção de forma a promover a sustentabilidade de seus sistemas produtivos,

Semana Campo Limpo em Afonso Claudio Na última semana de dezembro aconteceu em Afonso Claudio uma campanha para recolher embalagens de defensivos agrícolas. A Coopeavi foi uma das instituições que contribuíram para o acontecimento da ação na sede do município, em Tabatinga e em Vila Pontões. Ao todo foram recolhidos 1.475 embala-

gens vazias e 5,5 kg de papelão utilizados como embalagens de produtos fitossanitários. em números

1.475

embalagens vazias de defensivos agrícolas foram retiradas do meio ambiente.

5,5 kg de papelão utilizados como embalagens também foram recolhidos

Separação do material coletado

inclusive, adotando medidas de reúso de água residual. As prefeituras devem adaptar seus Códigos Municipais de Postura/ Conduta, com o objetivo de proibir e penalizar o desperdício de água com lavagem de vidraças, fachadas, calçadas, pisos, muros e veículos com o uso de mangueiras; irrigação de gramados e jardins com água fornecida pelos órgãos e entidades responsáveis pelo abastecimento público; umectação de vias públicas e outras emissões de poeiras, exceto quando a fonte for o reuso de águas residuais.


Pré-Assembleias e Assembleia Geral Ordinária.

Pré-Assembleias Venda Nova do Imigrante-ES

06 de Março - 18:30H Sede da Pronova - Rod. Pedro Cola, S/n, KM 4,5 - Providência

Os resultados da sua cooperativa vão além do campo. Participe das Pré-Assembleias e da Assembleia Geral da Coopeavi. Fique por dentro dos resultados e alinhado com o futuro da sua cooperativa.

Caratinga-MG

07 de Março - 18:30H Salão de Festas Império Hall - Av. João Caetano do Nascimento, 1457 - Centro

Conselheiro Pena-MG

08 de Março - 18:30H Loja Coopeavi - Rua João Siqueira, 35 - Centro

Vila Valério-ES

09 de Março - 18:30H Quadra de Esportes da EMEF "Kaio Fred Daré Grigoleto"- Rua Daniel Pelissari, 50 - Bairro Rafael Thomaz

AGO

Assembleia Geral Ordinária Santa Maria de Jetibá-ES

25 de Março - 14H Ginásio de Esportes Hermann Roelke - Centro

Escolha a Pré-Assembleia mais próxima de sua região. Participe também da AGO e concorra a prêmios!

Coope Notícias - Fevereiro 2017 - ED #43  

Informativo bimestral da Coopeavi.