Page 1

Coopeavi é a 7ª maior empresa do agronegócio capixaba

SANTA MARIA DE JETIBÁ ANO 7 Nº 40 ......................................

A cooperativa ganho 21 posições no ranking das 400 Maiores do Agronegócio brasileiro, divulgado pela revista Exame.

JULHO 2016 UMA PUBLICAÇÃO DA COOPEAVI AGRONEGÓCIOS

Leia mais na página 2

Coopeavi inaugura Condomínio Avícola no município de Santa Teresa Leia mais na página 06

Cafeicultores de Venda Nova do imigrante srecebem visita de baristas internacionais Leia mais na página 3

Dia de Cooperar: várias ações em uma corrente do bem

Dia de Campo sobre produção técnica de silagem de milho

Leia mais na página 10

Leia mais na página 4


2

Por dentro da Coopeavi

Prezado cooperado, Iniciamos a segunda parte deste ano sentindo, ainda, os impactos da crise econômica e hídrica.Por outro lado, comemorando alguns resultados de reconhecimento do nosso trabalho focado em oferecer soluções para os cooperados. A cooperativa não para de buscar soluções para os produtores rurais e, por meio de parcerias, compartilhando conhecimento. Um exemplo claro deste esforço foi a realização do I Dia de Campo da Pecuária, sobre produção de silagem, em parceria com o IFES de Colatina (campus Itapina). Também há de se destacar as visitas que recebemos nos últimos meses de cooperativas do Piauí e de representantes alemães para conhecerem o nosso jeito de trabalhar. São inúmeras iniciativas de valorização e aproximação do produtor rural ao consumidor final, visando valorização do seu trabalho, realizadas pela cooperativa. No final deste mês de julho recebemos a visita dos principais baristas do mundo em propriedades dos cooperados de Venda Nova do Imigrante (ES). Estamos buscando caminhos para nos fortalecer em meio a tantas dificuldades impostas. Inovação não é só uma palavra, mas sim uma alternativa inteligente desenvolvida com a participação de todos, adequada para oferecer novas soluções capazes de estimular os envolvidos com a cooperativa. O nosso condomínio avícola está sendo um dos assuntos mais comentados no cenário estadual, pois é uma inovação capaz de transformar o modo de geração de receitas para os pequenos avicultores na nossa região. Estamos sempre buscando inspiração para trazer novidades, contudo, sempre buscamos referência na experiência acumulada da cooperativa ao longo das décadas. Acreditamos na essência inicial para a fundação da cooperativa: a união das pessoas, por meio do cooperativismo, é capaz de mudar qualquer situação de dificuldade.

Boa leitura!

ARNO POTRATZ

DENILSON POTRATZ

ARGÊO ULIANA

PRESIDENTE

VICE-PRESIDENTE

DIR.ADM.COMERCIAL

Editorial - Informativo Bimestral da Coopeavi Santa Maria do Jetibá- (ES) - Ano VIII - Nº 40 Diretoria Executiva - Arno Potratz (Presidente), Denilson Potratz (Vice-Presidente) e Argêo Uliana (Diretor Administrativo Comercial). Conselho Vogal - Avelino Hell, Claúdio Novelli, Ederson Jacob, Edival Corteletti, Fábio Foesch e Willian Espíndula. Conselho Fiscal - Solimar Plaster, Horário Muller e Sigmar Miertschkink Gerência Executivas- Carlos A. Lima, Daniel Piazzini, Luís C. Brandt e Marcelino Bellardt. Diagramação - Thiara Nascimento Textos -Domicio Faustino Foto de Capa - Gabriel Lordello e Domicio Faustino Revisão - Domicio Faustino, Daniel Piazzini Fale Conosco - (27) 3263 4750 - ramal 4830 imprensa@coopeavi.coop.br

Tiragem: 3.000

Avenida Francisco Schwartz, nº 88, Centro, Santa Maria de Jetibá-ES CEP: 29645-000 www

.Coopeavi.coop.br /CoopeaviAgronegócios /Coopeavi

Coopeavi é a 7ª maior empresa do agronegócio capixaba A revista Exame publicou a edição especial sobre as Maiores e Melhores empresas do país. Junto com este ranking, também foi publicado a listagem das 400 Maiores do Agronegócio brasileiro, onde a Coopeavi figurou no 300º lugar, vinte e uma posições acima, em relação a edição publicada em 2015. O ranking ainda mostra a Coopeavi em primeiro lugar entre as cooperativas agropecuárias do Espírito Santo e na listagem geral de empresas capixabas citadas, a Coopeavi subiu uma posição e agora é a sétima maior empresa agro do Estado. O anuário é uma das publicações mais esperadas no mundo corporativo, pois destaca as

principais empresas de vários segmentos econômicos e seus resultados. A Coopeavi cresceu 5,1% no último ano e faturou R$ 355,2 milhões. Além disso, o número de produtores rurais associados à cooperativa já ultrapassa a marca de 11 mil. Em cinco anos, de 2011 até 2016, a cooperativa ganhou 85 posições no ranking, já o faturamento cresceu 190,7%.

Comitiva alemã visita a Coopeavi visando projeto de cooperação Uma comitiva da Alemanha esteve no Espírito Santo e visitou a Coopeavi no dia 13 de junho. O objetivo maior da visita foi realizar um diagnóstico do setor no estado, elaborar e implantar um projeto de cooperação entre DGRV (Confederação Nacional do Setor Cooperativo Alemão) e Sistema OCB-SESCOOP (Organização das Cooperativas Brasileiras e Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo). “Se eles entenderem que o ES, PR e SP possam entrar no projeto,

assim como aconteceu com o Rio Grande do Sul, trazendo aporte financeiro para aplicar nessas áreas de tecnologia, gestão e capacitação, é muito bem-vindo, pois nós estamos precisando disso, as cooperativas do ramo Agro precisam disso. Temos que ter uma gestão mais profissionalizada, com foco em resultado, em custo e essa parceria irá agregar muito; além de abrir oportunidades de fazermos negócios com a Alemanha”, analisou o vice-presidente da Coopeavi, Denilson Poatratz.


Negócio Café

3

Cafés finos das Montanhas Capixabas estarão na Olimpíada Rio 2016 Os cafés são de associados da Coopeavi, única cooperativa capixaba com representação na RIO 2016 Os cafés produzidos nas montanhas capixabas estarão presentes na Olimpíada e Paraolimpíada do Rio de Janeiro. A Coopeavi selecionou os melhores grãos produzidos por seus cooperados para exposição e degustação no Espaço Arte do Café, na Casa Brasil, construída no Píer Mauá, região turística do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro (RJ). Os grãos ficarão expostos do dia 4 de agosto até 18 de setembro. Os Jogos Olímpicos serão uma grande oportunidade para apresentar o que o Brasil tem de melhor. Por isso, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-

Brasil), juntamente com a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA), criou o “Espaço Arte do Café” na cidade do Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos deste ano, para apresentar ao mundo os melhores cafés produzidos em solo brasileiro. O local funcionará como uma cafeteria, onde estarão expostos vários tipos de café e de diferentes regiões, como Sul de Minas, Mantiqueira, Cerrado Mineiro, Norte Pioneiro do Paraná e Montanhas Capixabas. Também serão realizadas apresentações diárias sobre a história do café e das regiões produtoras e sobre as características

dos cafés disponibilizados aos turistas. Ao final de cada apresentação, os visitantes poderão degustar a bebida da região específica apresentada. A Coopeavi, que possui em seu quadro social cafeicultores com referência em qualidade, tanto na variedade arábica, quanto na conilon, será a única cooperativa capixaba que irá expor a produção de seus associados. Os grãos de cafés arábica selecionados são de produtores da região das montanhas do Espírito Santo e serão representados pela marca Pronova. A Coopeavi fará a apresentação da região das Montanhas Capixabas no dia 10 de setembro.

“Para a Coopeavi, é muito gratificante fazer parte deste momento e o mais importante é ter a oportunidade de apresentar o trabalho realizado por nossos cooperados para os turistas, que virão ao Brasil em função da Olimpíada”, disse o Diretor Comercial Administrativo da Coopeavi, Argêo João Uliana. Essa é uma das estratégias do Governo Federal para recepcionar os turistas com o que temos de melhor, afinal o Brasil é a “Nação do Café”. Com a iniciativa, os visitantes poderão conhecer as diversas realidades das regiões brasileiras produtoras de cafés finos.

Cafeicultores de Venda Nova recebem visita de baristas internacionais Profissionais dos Estados Unidos, Japão, Itália, Taiwan e Canadá estiveram em propriedades de Venda Nova do Imigrante a fim de conhecer o modo de produção do café de alta qualidade. A visita, que aconteceu por meio da Pronova/Coopeavi, foi promovida pela trading do grupo Montesanto Tavares, Ally Coffee, que atua como importadora de café nos Estados Unidos e Europa, Atlântica Coffee, Cafebrás e InterBrasil Coffee. "O Espírito Santo é um lugar diferenciado, especial, com cafés de alta qualidade e muito conceituados lá fora. Trouxemos para cá os melhores torradores e baristas dos Estados Unidos e do mundo. “Este ano conseguimos antecipar o trabalho, apresentamos condições

diferenciadas desde o início do ano”, comenta Giliarde Cardoso, gerente do negócio café da Coopeavi. No mês de março a cooperativa comercializou cafés arábica finos a um preço superior do praticado no mercado e conseguiu exportar a primeira remessa de cafés para os Estados Unidos. “Dependendo do padrão, o produtor pode receber até o dobro por uma saca de café de qualidade”, explica Cardoso. Um dos cafeicultores que recebeu a visita dos baristas foi o cooperado Gilberto Brioschi, para ele a cooperativa tem um papel fundamental no seu processo de comercialização. “Fazer um produto de qualidade e não ter contato lá fora é muito difícil, como somos pequenos produtores não temos este contato, mas a cooperativa consegue

fazer essa ponte entre o produtor e os compradores. É interessante demais ter estes profissionais dos Estados Unidos, Japão... vendo as minhas estruturas, eles veem as dificuldades e como é feito o nosso trabalho”, comenta.

Duas décadas de caminhada

A história dos cafés de qualidade das montanhas do Espírito Santo já tem duas décadas de caminhada. Produzir um grão especial depende de técnicas apropriadas de colheita e pós-colheita, que pouco influenciam no preço de produção. Planejamento é a palavra-chave. "Este projeto começou há 20 anos e mostra que, com um bom trabalho, há resultado. É um processo de persistência e aprendizado e que se consolidou ao longo do tempo. Deixamos de

vender apenas café e passamos a vender uma marca, um conceito", explicou o deputado federal Evair de Melo, um dos apoiadores do projeto Café das Montanhas do Espírito Santo. A manutenção dos trabalhos de fomento da qualidade dos grãos na região foi um dos compromissos da Coopeavi ao incorporar a Pronova. “Sempre buscamos gerar mais experiências ao produtor, fortalecendo o elo entre o consumidor e o cafeicultor, por isso, buscamos soluções para melhorar o valor da produção dos nosso cooperados e é exatamente isso que estamos fazendo ao viabilizar, através de parceiros, mercados para comercialização e reconhecimento do trabalho árduo do dia-a-dia deles”, conclui o vice-presidente da Coopeavi Denilson Potratz.


4

Nutrição Animal Fotos: Domicio Faustino

Dia de Campo sobre produção técnica de silagem de milho o Evento reuniu cerca de 100 produtores no Campus do IFES em Itapina (Colatina-ES) A Coopeavi e o Instituto Federal do Espírito Santo (IFES – campus Itapina), com apoio da Biomatrix, realizaram o 1º Dia de Campo sobre produção técnica de silagem de milho. O evento aconteceu em Itapina (Colatina) no dia 11 de junho e contou com a presença de aproximadamente 100 produtores da região. Os produtores da bacia leiteira do Rio Doce estão sofrendo muito com a falta de chuvas relevantes desde 2014, por isso, as pastagens estão cada vez mais sem a capacidade adequada de forragem para alimentar o gado. Na dieta equilibrada de ruminantes, a forragem é essencial para o desenvolvimento esperado dos animais, por isso, não basta ter um concentrado de altíssimo nível sem uma forrageira. “Não existe produção de ruminantes sem a produção de forrageira, a dieta de uma vaca é composta por forragem e concentrados (rações Coopeavi)”, afirma o zootecnista da Coopeavi Filipe Ton. A silagem é a solução mais comum para suprir a falta de pastagem disponível nos períodos de seca, mas a produção de um material de qualidade é um desafio para os produtores. O controle para evitar perdas no final do processo começa na escolha da semente, passa pelo plantio, colheita, trituração, compactação e vedação do material. Além disso, a manutenção

Fotos: Domicio Faustino

Fotos: Domicio Faustino

dos equipamentos influencia no resultado final da silagem. Para explicar para aos produtores todos esses passos, a organização do Dia de Campo dividiu o parque experimental de plantio de milho do IFES em quatro partes com tendas temáticas. Na primeira tenda, o produtor teve informações sobre a mecanização com foco no plantio e sobre a regulagem da plantadeira de milho. Na segunda tenda, a Biomatrix apresentou três cultivares de milho, sendo dois de ciclo normal e um de ciclo super precoce. Na terceira tenda, o tema foi a mecanização da colheita e a importância da manutenção dos equipamentos durante o processo. Já na última tenda, o professor Nilson Nunes explicou o processo de ensilagem e relembrou o motivo de todos os cuidados anteriores com o material adequado para ter uma silagem com máxima eficiência. Para o vice-presidente da Coopeavi Denilson Potratz, a busca de parcerias para gerar conteúdo novo e relevante para os produtores é o grande diferencial no mercado da cooperativa. “O nosso foco é contribuir com como os cooperados e clientes da melhor maneira possível, produzimos e comercializamos rações, mas também levamos conhecimento para auxiliar os produtores no momento que mais precisam, queremos construir parcerias relevantes para toda a região”, conclui.


Por dentro da Coopeavi

5

Avicultores buscam alternativas para esterco Visita de representantes de cooperativas do Piauí A Coopeavi recebeu a visita de 30 líderes cooperativistas do Piauí para um intercâmbio. A visita faz parte do Prodelcoop - Programa de Desenvolvimento de Líderes Cooperativistas do Piauí, que está permitindo aos participantes aperfeiçoamento técnico em gestão e governança por meio de aulas presenciais e essa missão de estudos. “Escolhemos o cooperativismo do ES porque além de eu conhecer algumas pessoas daqui, sei do ótimo

trabalho que as cooperativas capixabas desempenham e seus números. As cooperativas daqui também tem formas de atuação parecidas com as do Piauí, são pequenos produtores, que podem se tornar grandes através de suas cooperativas. Aqui tem cooperativas grandes de pequenos produtores e por isso escolhemos as terras capixabas e estamos muito satisfeitos”, explicou Flodoaldo Alves de Alencar, gestor do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Piauí.

Com o objetivo de conhecer novas possibilidades para geração de energia através do esterco, no dia 14/06, produtores de Postura Comercial de Santa Maria de Jetibá assistiram à palestra: Biogás Dejeto em energia – Realidade, Oportunidade e Viabilidade, ministrada pelo Engenheiro Ambiental Vitor Grigullda Eco Energia do Brasil. O evento aconteceu no auditório do Instituto Coopeavi e reuniu um total de 22 participantes. Vitor também falou sobre o potencial energético que esses dejetos possuem. “No Brasil existe uma variedade de dejetos com um poder energético enorme. Este sistema se torna muito positivo na Postura Comercial, principalmente porque no substrato sólido derivado das aves há muita matéria orgânica, item necessário para

produção elevada do biogás”, enfatiza. De modo geral, o grande objetivo da usina é fazer com que o avicultor se torne um produtor de energia, podendo assim minimizar seus custos durante a sua produção. Um fato interessante é que não há necessidade de diluição do dejeto com água para que o mesmo possa fluir dentro do sistema. Ao final do processo, também se pode obter um fertilizante de alta qualidade, com ótimo valor comercial agregado. Os produtores capixabas farão uma viagem a Europa ainda esse ano, para verificar o que existe de novidade na geração de bioenergia. Na ocasião, visitarão a sede da Eco Energia na Alemanha, onde poderão ver de perto o funcionamento da usina apresentada pelo Engenheiro Ambiental Vitor Grigull.


Fotos: Gabriel Lordello

6

Negócio Avicultura

Coopeavi inaugura Condomínio Avícola no município de Santa Teresa Com investimento de R$ 6,5 milhões, o primeiro Condomínio Avícola para produção de ovos do Brasil é uma inovação que beneficiará a atividade para o pequeno produtor A Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi), pioneira em produção de ovos no estado e a maior cooperativa agropecuária capixaba inaugurou, no dia 22 de julho, o primeiro “Condomínio Avícola para postura comercial” do Brasil. O projeto é uma iniciativa inédita, que está sendo implementada em Alto Caldeirão, no município de Santa Teresa, e consiste no alojamento de aves com cotas de participação dos pequenos produtores, em um segundo momento. Com investimento de R$ 6,5 milhões, inicialmente serão alojadas 100 mil aves no local. A propriedade tem capacidade para alojar até 2,2 milhões de galinhas. O objetivo é construir os demais galpões de acordo com a demanda de aquisição das cotas por parte dos cooperados. “Com essa iniciativa, a Coopeavi reafirma o seu compromisso de contribuir para a sustentabilidade da avicultura para os pequenos avicultores, com a padronização de qualidade e de volume ofertado ao mercado, fortalecendo assim todos os elos da atividade”, destaca Denilson Potratz, Vice-presidente da Coopeavi.

Fotos: Gabriel Lordello

Momento do descerramento da placa inaugural do Condomínio Avícola Coopeavi, Alto Caldeirão, Santa Teresa-ES Fotos: Gabriel Lordello

Este novo empreendimento funcionará no sistema de condomínio, ou seja, cada cooperado interessado poderá adquirir uma cota de galinhas a ser alojadas nos galpões automáticos construídos pela cooperativa. A expectativa é ter um segundo galpão em atividade, com 100 mil aves dos cooperados, no início de 2017. De acordo com o “Perfil da Avicultura Capixaba”, publicado no início deste ano pela a Associação de Avicultores do Espírito Santo (AVES), 70% dos produtores são classificados como micro produtores e os mesmos são atendidos pela Coopeavi. O Condomínio foi um investimento idealizado pela cooperativa para padronizar o manejo e garantir uma escala de produção para viabilizar o atendimento da demanda de mercados. Este novo modelo de negócio possibilitará a diversificação da atividade rural dos cooperados que atuam em outros segmentos do agronegócio como cafeicultura, hortaliças, bovinocultura de corte ou leite, entre outros. Todos os cooperados, independente do seu negócio rural, poderão adquirir cotas e se tornar avicultores sem a necessidade de


Negócio Avicultura O processo de secagem é feito por um misturador programado para revolver todo o material e prepará-lo para ser transportado para as propriedades agrícolas. O fertilizante produzido em granjas é muito procurado na região por ser de altíssima qualidade para uso em cultivos de hortaliças, cafeicultura, entre outras culturas.

Meio Ambiente Seguindo rigorosamente as determi-nações da legislação ambiental e preser vando as peculiaridades ambientais locais, o Condomínio Avícola Coopeavi, possui gerenciamento de resíduos sólidos, sistema de tratamento de efluentes, drenagem de águas pluviais e armazenamento de água da chuva. Dentro da propriedade de 59 hectares foram construídas várias caixas-secas para evitar erosões e reter a água da chuva para abastecer o lençol freático da localidade.

Vice-presidente da Coopeavi Denilson Potratz na área interna do Condomínio Avícola

Autoridades e diretores da Coopeavi presentes na inauguração do Condomínio

Um investimento participativo desde o início O início do empreendimento aconteceu diretamente com a participação coletiva. A ideia inicial de viabilizar um sistema de condomínio como investimento estratégico dentro da cooperativa partiu de um cooperado. O avicultor Horácio Muller sugeriu à cooperativa que desenvolvesse uma solução para manter o sonho vivo do pequeno produtor continuar imobilizar capital em estrutura avícola, adaptar a propriedade às exigências legais ou até mesmo ter conhecimento aprofundado em avicultura. A cooperativa fornecerá todos os insumos para a atividade (frangas, rações, medicamentos e consultoria técnica), realizará o investimento na infraestrutura necessária (instalação de galpões, aquisição de equipamentos e contratação de mão de obra), fará todo o manejo, processará a produção em seu Entreposto e realizará a comercialização dos ovos, prestando contas mensalmente aos cooperados investidores acerca do desempenho econômico e também zootécnico do lote de aves. Os avicultores interessados em fazer parte do novo empreendimento já

podem procurar a cooperativa para conhecer as regras de investimento.

Automatização Um dos principais problemas enfrentados em atividade de produção em larga escala é a mão de obra. Por isso, toda a produção do novo empreendimento é automática, desde a coleta de ovos até a secagem do esterco. Todos os ovos são transportados por esteiras mecânicas até a sala de embalagem. A redução da mão de obra é de aproximadamente 90%, se comparado com os sistemas convencionais em galpões californianos. Já o esterco é retirado diariamente por uma esteira e secado dentro da mesma propriedade em uma unidade de compostagem de última geração.

7

competitivo na atividade. Com isso, iniciou dentro da cooperativa um estudo de viabilidade para avaliar a sugestão. Em 2014, a cooperativa fez a busca por um terreno capaz de atender todas as exigências para iniciar a construção do primeiro sistema de condomínio avícola para produção de ovos do Brasil. “Vejo como uma grande oportunidade de as pessoas revitalizarem a avicultura. O (projeto) realizado ficou muito maior do que aquele sonho, daquela ideia inicial, é gratificante ver o empenho das pessoas para fazer isso virar uma realidade”, comenta Muller. Para ele o setor avícola é um ramo muito caro, desde a construção de um galpão dentro das exigências dos órgãos públicos até a manutenção das aves em produção, mas com a união das pessoas por meio do cooperativismo é possível realizar investimentos mais ousados para viabilizar a permanência dos sonhos de pequenos produtores. “O papel do cooperativismo é fundamental, eu não vejo a possibilidade de participar e ter um investimento da magnitude dessa aqui sem a união, o custo é muito elevado, no entanto, a união abre as portas e facilita para todas as pessoas interessadas”, explica. “Construir tudo isso é a parte mais difícil, agora cabe a nós cooperados aproveitar para se estruturar no que está aqui”, sintetiza Muller.


8

Negócio Avicultura

Coopeavi acompanha o 57º Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos O médico veterinário da Coopeavi Nielton Cezar Ton acompanhou o principal evento de qualidade de ovos do Brasil para trazer novidades ao II Concurso de Qualidade de Ovos no ES Visando estimular maior qualidade na produção de ovos no Espírito Santo (ES), a Coopeavi promoveu, em 2015, o primeiro Concurso de Qualidade de Ovos, durante a Semana Tecnológica do Agronegócio. Este ano acontecerá a segunda edição do Concurso, mas para aprimorar as técnicas de avaliação, a cooperativa acompanhou de perto a principal competição de qualidade do país, em Bastos (SP). O município de Santa Maria de Jetibá é o segundo maior produtor do Brasil, são produzidos mensalmente cerca 800 mil caixas de ovos. Além disso, os avanços tecnológicos foram relevantes para o desenvolvimento da avicultura no ES. Santa Maria

de Jetibá foi o município brasileiro que mais registrou avanços na produção de ovos nos últimos dez anos, ficando atrás apenas de Bastos. No município paulista é produzido 216 ovos por segundo, há cerca de 22 milhões de poedeiras em produção. O ponto mais alto da Festa do Ovo, realizada no mês de julho, foi a cerimônia de entrega dos troféus e prêmios aos avicultores que venceram o 57º Concurso de Qualidade de Ovos de Bastos.

Concurso de Qualidade de Ovos Coopeavi Este acontecerá uma nova edição do Concurso em terras capixabas. Por isso, a Coopeavi viabilizou a ida do

seu médico veterinário, Nielton Cezar Ton, à Bastos para acompanhar todo o processo de avaliação do concurso paulista. “Estou participando para adquirir experiência e levar novidades para o Concurso de Qualidade Coopeavi, aprimorando os critérios de avaliação e organização para premiar o cooperado que produz um ovo de qualidade”, explica Nielton. Uma das novidades no Concurso de Qualidade de Ovos Coopeavi deste ano é a avaliação de 07 jurados independentes. Além disso, haverá novos critérios de avaliação, como aspectos externos e internos do ovo. O maior peso do julgamento ainda fica por conta das análises feitas pela Digital Egg Test 6000 (DET 6000).

A premiação total para os três melhores ovos produzidos pelos cooperados será de 4,5 mil reais (dois mil reais para o primeiro, 1,5 mil reais para o segundo e mil reais para o terceiro). Para participar do Concurso o avicultor deve preencher uma ficha de inscrição disponível na Loja Matriz da Coopeavi, em Santa Maria de Jetibá. As inscrições ficarão abertas até o dia 16 de agosto. A avaliação do material entregue será avaliada no dia 18 de agosto, no palco principal da Semana Tecnológica do Agronegócio, e o resultado final será divulgado no último dia do evento, dia 20 de agosto, em Santa Teresa.

Encontro Técnico com criadores de galinhas caipiras No dia 22 de junho, a Coopeavi, juntamente com a Associação de Avicultores do Estado do Espírito Santo (AVES), realizou o I Encontro Técnico da Avicultura Caipira, em Castelo, região Sul do Estado. A reunião serviu para fazer uma interação entre os avicultores, levar informações sobre a legislações vigentes, manejos, sanidade, nutrição e ambiência das aves. Além disso, explicar a atuação da cooperativa e a associação na avicultura.

“A região tem um potencial muito grande para o desenvolvimento da avicultura caipira e a Coopeavi juntamente com a AVES estão trabalhando para levar informações aos produtores para que eles exerçam uma atividade sustentável, aumentando sua rentabilidade”, comenta o médico veterinário da cooperativa, Nielton Cezar Ton. Parte deste potencial citado pelo médico veterinário é a tendência mundial de criação de aves livres. Na avicultura caipira as aves já estão

enquadradas neste sistema exigido por grandes empresas em alguns países da Europa. Por outro lado, é necessário ter um controle sanitário muito grande, pois o Espírito Santo é um dos principais polos avícolas do País. “As aves caipiras têm contato direto com o meio ambiente e, consequentemente, com agentes que podem comprometer o setor de avícola de corte e postura comercial com transmissão de doenças, por isso, é necessário fazer um manejo adequado para minimizar

estes riscos”, explica Nielton. Por ser pioneira na produção de ovos no ES e ter uma linha de produtos de que atende todas as necessidades das aves, como a nutrição balanceada e elaborada de acordo com a legislação vigente, a Coopeavi foi procurada pelos avicultores para obter informações técnicas sobre a produção avícola. A cooperativa possui uma filial em Castelo e disponibiliza suporte em todo o processo produtivo da atividade aos produtores da região.


Negócio Avicultura

9

Hy-Line lança a linhagem W-80 na Semana Tecnológica do Agronegócio A Hy-Line comemora 80 anos celebrando a chegada da linhagem Hy-Line W-80 no país para completar o seu portfólio de fornecimento de genética de alto desempenho e eficiência alimentar, marca registrada da Hy-Line no Brasil e no mundo. Mesmo sem estar disponível

“Nosso propósito é beneficiar os

para venda, o produto gerou alta

produtores com realidades diferentes,

expectativa no setor, fruto do foco em

com maior produtividade e renta-

conversão alimentar comparado

desempenho e rentabilidade de seus

bilidade dentro de suas unidades

com outras linhagens disponíveis do

produtos. A Hy-Line International

de produção, neste contexto cada

mercado, o que representa melhor

desenvolveu esse produto para somar

vez mais desafiador com oscilações

retorno por ovo produzido. Essa ave é

ao pacote de soluções Hy-Line e

de clima e custos elevados, e assim,

adequada para produtores que sentem

atender aos vários tipos de produção no

viabilizar eficiência e lucratividade”,

a necessidade de uma ave mais eficiente

mercado mundial, em diversos países

reforça Tiago Lourenço, Diretor

frente aos desafios que enfrentam no

e com diferentes tipos de desafios,

Geral da Hy-Line no Brasil.

dia a dia de seu negócio”, esclarece Julio Archangelo, Gerente de Negócios

desde granjas automatizadas de alta

A Hy-Line W-80 é uma ave robusta

tecnologia e ambiente controlado até

para todos os climas e sistemas de

granjas com sistemas convencionais

produção. Além disso, com foco

Na prática, para o produtor de

em climas muito quentes.

voltado para elevada produtividade,

ovos, a Hy-Line W-80 produzirá mais

Adaptada em distintos e desafiantes

a ave tem alto desempenho em

ovos com 5g a menos de alimento, o

sistemas de produção, como é a realidade

condições desafiadoras e com ração

que proporciona uma economia de

do nosso país, a Hy-Line W-80 estará

de baixa densidade, com a vantagem

2 kg de ração/ave/ano por caixa de

disponível aos produtores brasileiros a

competitiva da Eficiência Alimentar.

ovos produzida contra as linhagens

partir de agosto deste ano:

“A Hy-Line W-80 tem melhor

concorrentes disponíveis no mercado.

da Hy-Line do Brasil.

Esse produto oferece maior número de ovos e altos picos de produção, assim como excelente persistência de postura com foco na qualidade de ovos vendáveis. “É um produto altamente competitivo e dentro de um contexto que atende as expectativas dos produtores de ovos brasileiros, tanto no perfil de peso de ovo do nosso mercado, quanto à exigência para uma excelência resistência da casca de ovo”, reafirma Tiago Lourenço. O lançamento oficial da Hy-Line W-80 no Espírito Santo está programado para a 5ª Semana Tecnológica do Agronegócio, na palestra do Qualificaves dia 18 de julho, na cidade de Santa Teresa, Espírito Santo.

Embrapa Aves e Suínos inicia Projeto Boas Práticas Nos dias 28 e 29 de junho houveram reuniões técnicas e visita as granjas. João Dionísio Henn, pesquisador da Embrapa e coordenador do projeto, explica que nesta fase do trabalho está ocorrendo a realização de um diagnóstico das propriedades visitadas. “Realizamos reuniões técnicas para alinharmos e definirmos os objetivos com os produtores e visitamos as três granjas que foram denominadas como Unidades de Referência Tecnológicas através de critérios

verificados pela Coopeavi, onde serão implantadas as ações de boas práticas na produção. Posteriormente estaremos atuando com foco em aspectos de sanidade, manejo e biossegurança. Também daremos um enfoque especial a gestão da água, trabalhando fatores como abastecimento, distribuição e tratamento. De modo geral serão verificadas as práticas rotineiras dentro da granja, como de higiene e biosseguridade por exemplo”, disse.

A Hy-line Brasil é uma das parceiras para realização do Projeto de Boas Práticas no ES


10

Instituto Coopeavi Entrega do material recolhido pelo Núcleo Feminino de Santa Maria de Jetibá à APAE do município

Dia C: várias ações em uma corrente do bem A Coopeavi juntamente com os seus colaboradores e cooperados promoveu diversas ações para contribuir com a população em sua área de atuação. Diversas ações aconteceram nos primeiros dias de julho para comemorar o Dia do Cooperativismo em todo o Brasil. Os colaboradores e cooperados da Coopeavi se juntaram a essa corrente do bem para fazer intervenções, como campanhas de conscientização, arrecadação de alimentos e serviços de saúde e cidadania para a população. Em Santa Maria de Jetibá, aconteceram três ações ao mesmo tempo. No Centro do município os colaboradores da Coopeavi, juntamente com funcionários das demais cooperativas (Coopetranserrana, Escola Cooperação e Sicoob) e da Prefeitura, realizaram no dia 25 de junho um mutirão contra o mosquito Aedes Aegypti, transmissor de doenças como a Dengue, Chikungunya e Zika Vírus. A mobilização reuniu cerca de 150 voluntários. E nos dias 01 e 02 Julho aconteceu uma mobilização na Praça Central da cidade com palestras e serviços de saúde à população. Os Núcleos Femininos Coopeavi fizeram mobilizações na região central e no interior de Santa Maria de Jetibá. As mulheres integrantes do Núcleo Feminino Coopeavi Santa Maria, em sua maioria avicultoras, arrecadaram alimentos e materiais de limpeza e doaram à APAE. O Núcleo Feminino Coopeavi Garrafão, predominantemente formado por

Momento da entrega dos alimentos, arrecadados pelo Núcleo Feminino de Garrafão, ao Hospital Concórdia

Em Itarana, a filial da Coopeavi participou junto com as demais cooperativas para levar serviços e informações à população.

mulheres hortifruticultoras, fizeram um movimento para arrecadação de alimentos. Em apenas um dia elas conseguiram arrecadar cerca de 1,5 tonelada de mantimentos, que foram doados para o Hospital Fundação Concórdia (Santa Maria de Jetibá) e Hospital São Vicente (Afonso Cláudio). No município de Afonso Cláudio, o Núcleo Feminino Coopeavi de Pontões conseguiu reunir doações de fralda geriátrica para o Asilo Ninho do Amor, roupas para o CRAS e alimentos para o Hospital São Vicente, em Afonso Cláudio. Já o Núcleo Feminino Coopeavi/Pronova Vila Pontões retirou do meio ambiente os pneus usados e os utilizaram para decorar as ruas do Distrito de Pontões. Na Filial Coopeavi, em Afonso Cláudio, o foco foi a doação de roupas para deixar o inverno das crianças e adolescentes da Casa do Menino mais quente. Em Itarana, a Coopeavi, em parceria com o Sicoob e demais cooperativas, realizou uma ação na Praça Central da cidade, oferecendo serviços de saúde e entretenimento para adultos e crianças durante o sábado. A filial Coopeavi em João Neiva, aproveitou a data para levar mais informações aos produtores rurais da região, além de fazer apresentações culturais e oferecer serviços básicos de saúde para a população.


Instituto Coopeavi

Mutirão contra o Aedes Aegypti reuniu colaboradores das cooperativas e da prefeitura de Santa Maria de Jetibá

Em João Neiva, a filial promoveu apresentações culturais e palestras focadas para produtores rurais

"Álcool e Drogas e suas consequências" foi o tema da palestra pública do primeiro dia do mês de julho, na Praça Central de Santa Maria de Jetibá.

11


12

Semana Tecnológica do Agronegócio

Produtores rurais doam enxoval para Hospital Santa Teresa Com valor arrecado durante a STA 2015, a Coopeavi compra enxoval para Centro Cirúrgico do Hospital Madre Regina Protmann Os produtores rurais que participaram da última edição (2015) da Semana Tecnológica do Agronegócio, em Santa Teresa, se depararam com uma novidade. Ao tomar um cafezinho ou degustar uma salada eram convidados a doar um valor simbólico ao Hospital Madre Regina Protmann. A mobilização conseguiu arrecadar R$ 2.632,00 e com este valor, a Coopeavi comprou um enxoval completo para o Centro Cirúrgico do hospital. “A Coopeavi nos ajuda há muito tempo, sempre tem feito campanhas para contribuir com o hospital, principalmente, com o recolhimento

de alimentos. Desta vez fizeram diferente, com a arrecadação na feira nos ofereceu a oportunidade de escolher o que estávamos precisando, com isso, escolhemos um enxoval para o Centro Cirúrgico, um material mais difícil de conseguir com doação pois é caro”, afirma a diretora executiva do Hospital, Débora Marques. Já o diretor Administrativo e Comercial da Coopeavi, Argêo Uliana, fez questão de lembrar a ligação histórica da cooperativa com Santa Teresa para explicar a importância de contribuir com a população teresense. “A primeira cooperativa incorporada

pela Coopeavi foi a Cooperativa de Cafeicultores de Santa Teresa, em 1975, e em 1979 abrimos a nossa primeira filial. Por isso, esta cidade está no nosso coração e contribuir com a população via instituições, como o hospital, é uma forma de beneficiar toda a população, seja cooperado ou não”, explica Uliana. Todo o material adquirido com a contribuição dos produtores rurais foi entregue ao hospital no dia 16 de junho de 2016. O evento de entrega contou com a presença da diretoria da Coopeavi: Denilson Potratz (VicePresidente) e Argêo Uliana (diretor

Administrativo Comercial); e Diretoria do Hospital: Débora Marques (Diretora Executiva) e a Irmã Adelaide Schledorn (Diretora Geral). Ao todo foi adquirido e entregue um enxoval completo, com toalhas, lençóis, aventais, colchas, entre outros. “Para o hospital é importante ter parceiros como a cooperativa, porque atendemos toda a região que tem cerca de 150 mil habitantes, de Santa Leopoldina até Laranja da Terra, e sempre precisamos de contribuição para manter o serviço de qualidade para a população”, afirma a diretora geral do Hospital, Irmã Adelaide Schledorn.

Coope Notícias - Julho 2016 - ED #40  

Informativo bimestral da Coopeavi.