Page 1

Arquitetura e urbanismo Marina Accioly Teixeira


“Quando a arquitetura está ligada a coletividade é bonita, porque serve e continua a viver.” (Lina Bo Bardi)

Arquitetura está na relação entre o espaço e a ocupação do mesmo pela comunidade. A poética está na interação.


Currículo .......................... 3-4 Quintal ........................... 5-10 Bigode bar .................... 11-13

Sumário Portifólio 2019

Edifício Cidade .............. 14-16 Território escolar .............17-19 Cap Ferrat ......................... 20 Abrigo emergencial ....... 21-22


Sobre mim: Nascida no Brasil, carioca e tenho 22 anos. Sou estudante de arquitetura e urbanismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (FAU-UFRJ) e técnica em Edificações pelo Centro Federal de Educação Tecnológica (CEFET-RJ).

Marina Accioly Teixeira Informações pessoais: Nascimento: 12/08/1996 Estado civil: solteira Endereço: Rua Constante Ramos 70 Copacabana - Rio de Janeiro - Rj Telefone: 21 969843532 Email: mariacciolyt@gmail.com Profissão: estudante de arquitetura e urbanismo Redes sociais: Facebook: www.facebook.com/marinaccioly Instagram: @marinaccioly Hobbies: Fotografia Filmes e documentários

Graduação em processo: Curso de Arquitetura e Urbanismo iniciado em 2015.2, na instituição UFRJ Campus Fundão, Cidade Universitária Ensino técnico: Técnico em Edificações. Conclusão em 2015, instituição CEFET - RJ - Campus Maracanã. Experiências profissionais: Estágio na empresa Di Filippo Arquitetura (2016 - 17 - 18) Desempenhava a função de estágiária em arquitetura e urbanismo. Participação direta no desenvolvimentos dos projetos, acompanhamento de obras e elaboração de representações gráficas projetuais por meio de Autocad, SketchUp e Photoshop. Projeto publicado: Projeto de retrofit do edifício Cap Ferrat, situado na Viera Souto - Ipanema, teve como arquiteto Juan Carlos Di Filippo. Link: https://www.cosentino.com/en-nz/case-studies/cap-ferrat-building-with-dekton-by-cosentino/ Estágio na empresa CASFS (2017) Desempenhava a função de cadista para realizar recadastramentos imóbiliários.


Experiências acadêmicas: Monitoria na disciplina Projeto de Arquitetura 2 com o professor João Folly. 10 horas semanais durante um período de 6 meses auxiliando e aprendendo sobre projeto de arquitetura, em especial voltado para o tema de arquitetura contemporânea e edifícios de uso misto. Exposição Ateliê Integrado I (AI1) Trabalho realizado em dupla com Luana Viegas Mileto, visava a construção de um edifício de uso misto na região da Penha, subúrbio do Rio de Janeiro. O trabalho foi análisado e avaliado por 6 professores sobre o olhar de suas respectivas disciplinas e selecionado para exposição de graduação. Trabalho acadêmico publicado no livro “Reflexões sobre o ensino integrado do projeto de arquitetura.” - (Adriana Sansão Fontes, Andrea Queiroz Rego e Carlos Feferman). Idiomas:

Português - nativo

Inglês - A2 (Intermediário)

Francês - básico

wizard (2009-2014) curiosidade e força de vontade

4 anos de francês básico no ensino fundamental (2008-11) aulas partculares em 2019 força de vontade e paixão

Conhecimento de software: Curso Cura (Sp) - curso de diagramação e expressão gráfica digital


Quintal

“ Igual a como quando eu passo no subúrbio Eu muito bem, vindo de trem de algum lugar E aí me dá como uma inveja dessa gente Que vai em frente sem nem ter com quem contar São casas simples com cadeiras na calçada E na fachada escrito em cima que é um lar Pela varanda, flores tristes e baldias Como a alegria que não tem onde encostar...” Chico Buarque de Hollanda

3D digital - Perspectiva quintal


Árvore frutíferas nos quintais da região

Vista para comunidade da caixa d’água Revestimento cerâmico, característica local

Av. Lobo Júnior próxima a principal via do Rio de Janeiro, Av. Brasil

Imagem: entorno com a maquete física

Penha, subúrbio carioca. A ideia primordial surge de uma visada do terreno e análise do sítio. A partir dela percebemos que os aspectos mais interessantes daquela região encontram-se reunidos em um único complexo: a favela. Com base nisso, trazemos para o projeto particularidades existentes e perdidas no processo infinito da construção desse organismo. Esse locus abriga uma diversidade de espaços e funções que, apesar de caóticos, são capazes de cumprir seu papel dentro de uma lógica interna. Da mesma forma que fisiologicamente um organismo só funciona através das interações entre suas estruturas, nos deparamos com um processo similar no que tange à nossa arquitetura. Esse organismo, ao qual nos referimos, nasce em um contexto complexo, onde a carência de espaços livres se faz presente. Por outro lado, esse mesmo sítio oferece também a vivência das casas suburbanas e seus quintais com um modo de vida menos acelerado: a conversa com o vizinho na calçada, a experiência da rua como extensão da casa, opondo-se ao que é oferecido nos grandes empreendimentos imobiliários que nascem diariamente. Sendo assim esse sistema busca interagir com seu contexto de maneiras diferentes, enfatizando mais as relações entre seus elementos arquitetônicos do que eles próprios isoladamente. Portanto, afirmamos a heterogeneidade desse sistema, a diferença entre as escalas que se relacionam com o entorno e os usos de acordo com necessidades diferentes, assim possibilitando o convívio de usuários e atividades diversificados, conforme o programa proposto.

1º tentativa: forma, empilhamento da célula habitacional

CAOS Dificuldade na gorganização do programa C O W O R K I N G

CASAS QUINTAL

COMÉRCIO

C I R C V E R T I C A L

2º tentativa: funcional, solução do programa no terreno

Rebatimento da solução do programa no terreno com ao relação entorno

1ª perspectiva do objeto

Organização da célula habitacional


Detalhe Jardineira

3D digital - Perspectiva do edifĂ­cio

Detalhe apartamento


3D digital - Perspectiva quintal

Corte AA - Av. Lobo JĂşnior

Corte BB - R. Bernardo


A intenção projetual busca a construção de um sistema caracterizado pela sua multiplicidade e complexidade. A partir da consolidação dessa ideia surge um complexo arquitetônico reconhecido pela estética espacial do movimento e sua riqueza formal, por meio da marcação de planos e volumes reconhecidos. O processo construtivo reconhece a favela como território de produção espontânea, onde o conjunto se consolida a partir de cada unidade individual. A implantação ocupa as duas empenas do terreno, e se desenvolve em torno de um pátio central privado de uso coletivo, criando uma articulação entre dois elementos distintos: as casas e o edifício. O espaço livre como extensão do morar A proposta paisagística segue a mesma lógica do sistema, expressando-se através de formas orgânicas, prezando os percursos e permitindo que os itinerários sejam definidos pelos próprios passos dos visitantes. Assim o espaço público apresenta fluidez dos caminhos e oferece entre eles pequenas áreas de permanência e serviço aos usuários dando liberdade a ocupação livre e espontânea com traços de informalidade. O pátio funciona como extensão das unidades, tanto das casas e apartamentos quanto do coworking. Além do pátio quintal, a extensão das unidades não se restringe a ele, a ideia de verticalização confronta com o predomínio das casas do bairro e seus quintais, assim a ideia de continuidade desses espaços mesmo que verticalizados apresentam-se como elementos arquitetônicos: as jardineiras e varandas coletivas. Plano de massas


3D digital - Perspectiva edifĂ­cio


Bigode bar

Bar situado na zona norte do Rio de Janeiro, no subúrbio carioca, no bairro de Vista Alegre, foi inaugurado em 2018 com o desáfio de se tornar um espaço de referência pela sua musicalidade: o samba. Sua composição arquitetônica faz refêrencia aos bares caracteristísco da região da grande Penha. Deste modo, a ideia projetual foi paltada com o intuito de ressaltar essas caractéricas buscando ao máximo valorizar a cultura do samba e do subúrbio. O bar tornou-se extensão das casas, quintais, calçadas e das ruas de Vista Alegre. E com sucesso o bar é ocupado pelo povo e pelo samba.

3D digital - Perspectiva bar


3D digital - Perspectiva bar

Fotos bar

Painel de fotos para porta do bar


3D digital - Perspectiva bar

Planta humanizada do bar

Fotos bar


3D - perspectiva edifício

Edifício cidade


O objeto arquitetônico foi desenvolvido durante as aulas de PA4, qual tinha como proposta a construção de um edifício para trabalho no Centro da cidade do Rio de Janeiro, ao longo da Av. Presidente Antônio Carlos. O primeiro passo para desenvolver o programa foi análisar o entorno, deste modo foi possível identificar as carências e necessidades do local. O exercício trouxe reflexões interessantes sobre o ambiente de trabalho ao longo da história e sobre as diferentes profissões. Respondendo a multiplissidade dos modos de trabalhar a arquitetura se apresentou com espaços diversos e adaptáveis.

Maquete física

Maquete física


BB ÁR

EA:

LOJ

A 100 15 ,00

ÁR LOJ EA: A 13 25, 00 m²

11 00 m²

WC

ÁR LOJ EA: A 14 25, 00 m²

LOJ EA: A 25,

ÁR

ÁR LOJ EA: A 12 25, 00 m²

WC

O

VIÇ SER

ÁR LOJ EA: A 10 50, 98 m²

WC

EA:

WC

ÁR

LOJ

LOJ

EA:

EA:

A 39 m² 50 LOJ 40, A: ÁRE

A 25, 5 00

LOJ

A 37 m² 50 LOJ 40, A:

ÁRE

WC

A 25, 3 00

WC

EA:

MU RO TEG PROIPHAN

A 18 m² 28 LOJ 46, A: ÁRE

A 36 m² 50 LOJ 40, A:

IDO

A TEC m² LIO ,63 BIB 370 A:

ÁRE

BB

LOJA 21 ÁREA: 25,00 m²

A 43 m² 20 LOJ 49, A:

LOJA 23 ÁREA: 25,00 m²

A 33 m² 50 LOJ 40, A: ÁRE

ÁRE

LOJA 25 ÁREA: 25,00 m²

LOJA 27 ÁREA: 25,00 m²

A 43 m² 20 LOJ 49, A:

O

A 35 m² 50 LOJ 40, A:

ÁRE

A 34 m² 50 LOJ 40, A:

ÁRE

S

OTI

PIL

LOJA 29 ÁREA: 25,00 m²

ÁRE

PEL

ÁRE A 19 m² 28 LOJ 46, A:

ÁRE

LOJA 31 ÁREA: 25,00 m²

A 43 m² 20 LOJ 49, A:

ÁRE

ÃO EPÇ REC

WC

A 17 m² 44 LOJ 48, A:

ÁRE

ÃO

ÁRE

ÁRE ÁR

A 50, 1 98

A 38 m² 50 LOJ 40, A:

A 16 m² 48 LOJ 43, A:

LOJ

EPÇ

A 25, 2 00

ÁRE

A 40 m² 50 LOJ 40, A:

LOJ

REC

EA:

LOJ A 25, 7 00

ÁRE

LOJ

ÁR

EA:

A 42 m² 50 LOJ 40, A:

ÁRE

A 41 m² 50 LOJ 40, A:

ÁR

ÁR

ÁR

LOJ A 25, 8 00

O

A 25, 6 00

LOJ

A 25, 4 00

VIÇ SER

EA:

EA:

EA:

WC

m² ÁR

ÁR

ÁR

ÃO EPÇ REC

A 25, 9 00

LOJA 24 ÁREA: 25,00 m²

LOJA 26 ÁREA: 25,00 m²

LOJA 28 ÁREA: 25,00 m²

LOJA 30 ÁREA: 25,00 m²

LOJA 22 ÁREA: 25,00 m²

A 43 m² 20 LOJ 49, A:

ÁRE

LOJA 32 ÁREA: 50,98 m²

AA

LOJA 20 ÁREA: 25,00 m²

BB

Plantas do edifício

AA

BB SA LA/ EA: APT 81,

ÁR

10

10 m²

SA LA/ EA: APT 54, 9 50 m²

ÁR

SA LA/ EA: APT 54, 8 50 m²

ÁR

O

VIÇ

SER

SA LA/ EA: APT 54, 7 50 m²

ÁR

WC

SA LA/ EA: APT 54, 6 50 m²

ÁR

WC WC VIÇ SER

SA LA/ EA: APT 54, 5 50 m²

ÁR

O

SA LA/ EA: APT 54, 4 50 m²

ÇÃO

ÁR

OSI

A DE

EXP

SAL

A

COP SA LA/ EA: APT 54, 3 50 m²

WC

REC

ÁR

WC

EPÇ

RIO ITÓ m² SCR ,75 A/E SAL A: 271 ÁRE

WC

ÃO

SA LA/ EA: APT 54, 2 50 m²

ÁR

A TEC m² LIO ,10 BIB 340 A: ÁRE

3D - perspectiva edifício

ÃO

EPÇ

REC

O

NIÃ

REU

SA LA/ EA: APT 54, 1 50 m²

É

ÁR

CAF O

NIÃ

REU

ÇÃO

BB

OSI

A DE

ÇÃO

EXP

OSI

A DE

SAL

COWORKING ÁREA: 348,00 m²

WC

WC

EXP

SAL

WC

AA

AA VARANDA

BB

BB SA EA: LA 10 81, 10 m²

ÁR

ÁR

EA:

ÁR

EA:

SA

LA 54, 9 50 m²

SA

SER

LA 54, 8 50 m²

O

VIÇ

ÁR

EA:

ÁR

EA:

ÁR

EA:

ÁR

EA:

SA

LA 54, 7 50 m²

SA

LA 54, 6 50 m²

SA

LA 54, 5 50 m²

SA

LA 54, 4 50 m²

RIO

ITÓ

SCR

A/E

SAL ÁR

EA:

ÁR

EA:

SA

A

LA 54, 3 50 m²

COP

WC

COWORKING ÁREA: 348,00 m²

SA

LA 54, 2 50 m²

WC

WC

WC

ÃO

WC

EPÇ

REC

ÃO

EPÇ

REC

O

NIÃ

REU

AA ÁR

EA:

SA

AA

VARANDA

LA 54, 1 50 m²

O

NIÃ

REU

RIO

ITÓ

SCR

A/E

SAL

BB

SALA/ESCRITÓRIO

SALA/ESCRITÓRIO

AA

AA

BB

Apartamentos

BB

Salas comerciais SA EA: LA 10 81, 10 m²

ÁR

ÁR

EA:

ÁR

EA:

Lojas

SA

LA 54, 9 50 m²

SA

LA 54, 8 50 m²

SER

BB

O

VIÇ

ÁR

EA:

SA

LA 54, 7 50 m²

WC

ÁR

EA:

Espaço coworking

SA

LA 54, 6 50 m²

WC WC

EA:

EA:

LA 54, 5 50 m²

O

ÁR

ÁR

SA

VIÇ

EA:

EA:

SER

ÁR

ÁR

SA

LA 54, 4 50 m²

EMA

A DE

CIN

SAL

SA

Salas livres (grandes escritórios, salas de reunião, etc.)

A

LA 54, 3 50 m²

COP

WC

LA 54, 2 50 m²

EMA

WC

ÃO

SA

A DE

EPÇ

CIN

SAL

REC

ÃO

EPÇ

REC

O

NIÃ

REU

ÁR

EA:

SA

LA 54, 1 50 m²

O

NIÃ

REU

VAR

Espaços culturais: cinemas, salas culturais, teatros, etc.

EMA

AND

A DE

CIN

A

SAL

ESCRITÓRIO

AA

ESCRITÓRIO

ESCRITÓRIO

ESCRITÓRIO

ESCRITÓRIO

ESCRITÓRIO

ESCRITÓRIO

ESCRITÓRIO

SALA/ESCRITÓRIO

AA

3D - perspectiva edifício


O bairro e a escola:

3D - perspectiva complexo escolar

território escolar

O projeto foi desenvolvido durante as aulas de PA3, o qual trouxe muitas reflexões sobre o espaço arquitetônico escolar e se entorno. O campo de estudo do projeto foi o bairro da Ribeira na Ilha do Governador e suas redondezas, Zumbi e a Colônia de pescadores Z-10. 3D - perspectiva implantaçõa


Corte da situação atual

O trecho escolhido para o projeto foi a orla da Praia do Jequiá, a qual se encontra dominada pelos serviços privados, seja por carros e/ou equipamentos. Nosso projeto pretende oferecer serviços públicos de qualidade e atribuir usos a orla, reafirmando que as calçadas devem ser ocupadas pela comunidade e não pelos carros. A orla funcionou como elemento indispensável de articulação para expandir o território escolar e conectar a colônia z-10 e bairro da ribeira. O projeto de implementação da ciclovia pretende estabelecer fluxos por toda orla, que ficam claros com a implantação de dois equipamentos públicos ao longo desse caminho: a escola e a revitalização das quadras dentro da colônia.

A escolha da implantação da escola sob a baía está relacionada com as ideias de “criação de pontes” e descoberta de “novos horizontes”, analogias que se fazem no campo do aprendizado. A construção de uma escola em um mar poluído, suspensa por um píer, aproxima a comunidade com o uso dessa água que já não havia mais contato e apreço. A implantação da escola ao longo do píer faz referência a barcos atracados na orla, oferecendo uma relação clara entre a arquitetura, contexto e paisagem.

Esquema 3D situação atual

Esquema 3D projeto orla

Corte do novo projeto de orla


A tipologia arquitetônica da escola está estritamente relacionada à tentativa de romper com sistema educacional vigente, que se dá por antiquado e ineficiente na contemporaneidade. A escala do equipamento escolar, de um pavimento, aproxima o contato e a ótica infantil, a fim promover identificação da criança com o espaço, além de oferecer atributos de acessibilidade. Ao desalinhar as salas foi possível quebrar a grande e rígida circulação, afastando do espaço escolar o conceito de controle totalitário, e trazendo fluidez e liberdade no caminhar.

A articulação entre as salas e pátios faz parte de uma estratégia arquitetônica que visa oferecer a escola um dinamismo, incentivando o ato de “sair da caixa” e expandir a sala de aula. Os fluxos entre salas busca promover relações diferentes de contato e aprendizado, estimulando as relações humanas de grupo.

3D - perspectiva complexo escolar


Edifício Cap Ferrat Fotos do edifício residêncial Cap Ferrat, localizado em Ipanema, bairro da zona sul carioca. O projeto tinha como foco principal a reforma de fachada, a qual se encontrava em estado de deteriorização. A solução adotada foi revestir o edifício com placas de dekton, compondo um grande painel ventilado.

Fotos: Link: https://www.cosentino.com/en-nz/case-studies/cap-ferrat-building-with-dekton-by-cosentino/


2.07 J1

0.83

B

1.13

+0.50

PAREDE VENTILADA

PLACA OSB BOLSA DE AR PLACA OSB

VIGA ESTRUTURAL EM VISTA VIGA ESTRUTURAL EM PROJ. CALHA

Abrigo

0.13

1.00

0.10

Emergencial Projeto arquiteônico elaborado durante o curso da disciplina de PA 1, trouxe como questionamento o importante papel da arquitetura e do arquiteto diante às catástrofes naturais, guerras cívis e movimentos migratórios. O projeto foi pensado para atender as necessidades minímas de uma família de quatro integrantes, visando ecoeficiência, facilidade na montagem e baixo custo de material. Os materiais foram escolhidos tendo conhecimento que os abrigos de emergênciais podem ser instalados em qualquer lugar do mundo, deste modo se encontram em abundância e atendem os parâmetros do conforto humano ambiental. 00.00

Maquete física

SOLO

1


A

A J2

J2

QUADRO DE ESQUADRIAS

QUADRO DE ESQUADRIAS

P1 PORTA DE PLACA OSB.

0,90 x 2.10 cm

P2 PORTA SANFONADA DE PVC.

0,60 x 2,10 cm

J1 JANELA DE PLACA OSB.

0,72 x 1,25 cm

JANELA DE PLACA J2 OSB.

1,10 x 1,25 cm

J2

P1 PORTA DE PLACA OSB.

0,90 x 2.10 cm

P2 PORTA SANFONADA DE PVC.

0,60 x 2,10 cm

J1 JANELA DE PLACA OSB.

0,72 x 1,25 cm

JANELA DE PLACA OSB.

1,10 x 1,25 cm

J2

2.07

+0.52

3.50

+0.52 J1

J1

J2 P2

ESTANTE DE MADEIRA

0.00

0.10

6.00

1.24

0.15

ESTANTE DE MADEIRA

CISTERNA

VIGA ESTRUTU EM VISTA

VIGA ES PROJ.

VIGA ESTRUTURAL EM VISTA

0.10

1.00

VIGA ESTRUTURAL EM PROJ.

CAIXA DE CERVEJA

0.13

CALHA

+0.32

0.13

CALHA 0.00

0.13

1.00

A

TA BAIXA CASA LA: 1/25

BOLSA DE AR PLACA OSB

P1

ACESSO

1.10

PLACA OSB

B

0.15

CERVEJA

PLACA OSB BOLSA DE AR +0.32 PLACA OSB

1.13

PAREDE CAIXA DE VENTILADA

+

PAREDE VENTILADA

P2

P1

+0.50

1.10

B

B

1.24

0.83

0.83

3.50

J2

0.10

1.10

0.10

1.10

0.10

ACESSO

1.10

0.10

1.00

0.13

6.00 Maquete física

Planta baixa

+0.50

PLANTA BAIXA CASA ESCALA: 1/25

A

1

+0.52

00.00

00.00 SOLO

1.0


SOLO

ALICE BALLESTÉ E MARINA ACCIOLY

2

SOLO

CORTE B ESCALA: 1/25

FAU- UFRJ - FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANIS

PROJETO DE ARQUITETURA - LAR EMERGENCIAL - 201 ALICE BALLESTÉ E MARINA ACCIOLY

Profile for Marina Accioly

Marina Accioly | Portfólio ArqeUrb  

Portfólio de arquitetura e urbanismo 2019.1.

Marina Accioly | Portfólio ArqeUrb  

Portfólio de arquitetura e urbanismo 2019.1.

Advertisement