Issuu on Google+

 

A minha rua Durante a nossa vida podemos viver em inúmeras casas, habitar em vários locais. Mas, cada humano identifica-se com uma rua, como sendo a sua rua. A Rua Padre Ferraz Estrela, que se localiza em Coimbra, na freguesia de Santo António dos Olivais é de facto a minha rua. Maria Conceição Cera Lóio, de 78 anos, explica-nos: “A Rua tem o nome de Padre Estrela Ferraz, porque houve um padre chamado Estrela Ferraz que morou no Largo durante várias décadas. Vivia numa moradia acompanhado pelas suas sobrinhas. Foi um Padre que exerceu a sua vocação durante umas longas décadas. Era bastante respeitado, honrado e enriqueceu a freguesia dos Olivais. Toda a população gostava dele. Decidiram homenageá-lo pondo a rua com o seu nome”. Ainda acrescenta: “Penso que a população que ainda hoje reside na mesma rua, como eu há quarenta e cinco anos, nunca se vai esquecer do Padre Estrela”. Isabel Cordeiro, de 45 anos, vive nessa rua há quarenta e três anos. “Fui com dois anos para o Largo Padre Estrela Ferraz e permaneço na mesma rua e na mesma casa. É de facto uma alegria para mim!”, afirma-nos Isabel Cordeiro. “Estou na Rua Largo Padre Estrela Ferraz há mais de cinquenta anos. Quando me casei mudei-me para cá com a minha esposa. Desde aí, os nossos filhos e netos já passaram por esta rua”, diz-nos José Franco de 73 anos. Como qualquer lugar muda com o passar dos anos, a rua onde nasci não é excepção e Isabel Cordeiro comprova: “Sem dúvida está completamente diferente. Antigamente no Largo passava todo o trânsito, desde automóveis, autocarros, e actualmente, esse trânsito foi retirado substituído por um Largo de lazer. Houve bastantes modificações, o Largo foi totalmente calcetado. Embora agora seja um lugar de repouso, não significa que está menos bonito. Mas o antigamente ficou e ficará sempre na memória”. Acrescenta: “Foram demolidas várias casas para que pudesse passar uma circular externa”. Segundo Anabela Mateus: “Terem demolido diversas habitações e quintas, foi o que mais me custou, perdeu-se a vizinhança. Modificaram bastante o Largo, ao princípio não vou negar que foi bastante doloroso ver as diferenças, mas agora já me familiarizei e gosto de como está.” A rua Largo Padre Estrela Ferraz é uma rua bastante conhecida, não só pelo monumento que tem, a Igreja dos Olivais como pela Feira do Espírito Santo. Isabel Cordeiro conta-nos: “Outrora, uma das grandes atracções para a população de Coimbra e arredores era sem dúvida a Feira do Espírito Santo dos Olivais, que se realizava e continua-se a realizar todas as primaveras. Lembro-me que era uma feira com diversas barracas de todo o tipo, desde comida típica, a acessórios, artesanato,


entre outras. A feira ocupava na altura a rua Padre Estrela e a rua paralela, Rua da Calçada do Gato”. A feira sofreu algumas transformações muitíssimo notórias, Isabel Cordeiro acrescenta: “Actualmente, ficou reduzida tanto a nível de barracas como geograficamente, ocupa apenas a Rua Largo Padre Estrela Ferraz. Nem os carrosséis que eram fortemente atractivos, nomeadamente para as crianças mantiveram-se. Havia bastante diversidade. Nos dias que decorrem, existem no máximo dois a três carrosséis, não há grandes opções. Recordo-me que era uma feira enorme, cheia de energia, movimentação, alegria e agora, está bastante pobre e desinteressante. Isso vê-se na quantidade de pessoas que a frequentam”. José Franco revela-nos: “Qualquer pessoa que seja uma antiguidade, como eu nesta rua, pode afirmar que não se compara aos tempos remotos aos de agora. Não perdeu toda a movimentação, mas para mim deixou para trás muita alegria, muitas festas comemorativas e boa disposição”. Segundo José Franco, de 73 anos o que mais lhe custou perder foi, sem dúvida, a companhia dos seus amigos de rua, longos companheiros da sua vida. Relata: “Deixa a saudade de ir depois de almoço para o café/restaurante que existe há décadas na minha rua, encontrávamo-nos frequentemente para jogamos uma cartada, conversávamos, discutíamos desde a política ao futebol”. Ainda acrescenta: “Alguns desses grandes companheiros ainda estão presentes na minha vida, e continuam na nossa ruazinha. Outros vizinhos foram obrigados a mudarem de casa, na altura em que se construiu uma estrada no meio do Largo. Outros faleceram entretanto”. Isabel Cordeiro fala-nos da sua rua: “Claramente que a rua Padre Estrela Ferraz é a minha rua. Além de ter sido a rua onde nasci, ainda continuo a permanecer nela. Todas as fases da minha vida foram passadas aqui. Brinquei, corri, saltei, chateei-me, namorei, convivi bastante e ainda contínuo a conviver. As pessoas com idade superior à minha, algumas ainda moram nas suas casas e damo-nos todos bem. Posso afirmar que conheço 87% dos moradores da minha rua, alguns há umas duradouras décadas e os restantes que não conheço enquadram-se nos estudantes universitários, que estão nas casas alugadas”. Isabel salienta: “Sinto-me acarinhada pelas pessoas da minha rua”. José Franco revela: “É a minha rua, e sempre será. Conheço todos os habitantes da rua onde moro há décadas. Estamos presentes em quase todos os momentos das suas vidas”. Acrescenta: “Vimos e vemos crescer as gerações, desde os nossos filhos, aos netos e até já há quem tenha bisnetos, como o meu caso. É uma alegria! É muito bonito deparamo-nos cada vez mais com a população a crescer”. “É uma felicidade sair à rua e ver as crianças, adolescentes a brincarem às escondidas, jogarem futebol, a gritarem, correrem, andar de patins, bicicleta, skate entre outras modalidades. Revemos os momentos em que os nossos filhos brincavam no largo. Vem-me à memória lembranças desses tempos”, revela-nos José Franco com um sorriso de orelha a orelha. Segundo Isabel Cordeiro: “um dos elementos que mais embeleza a Rua Padre Estrela Ferraz, é o monumento da Igreja Santo António”.


Para Anabela Mateus: “As noites quentes de Junho e Julho são uma atracção. Não só pela actuação de fados de Coimbra no final das escadas da Igreja dos Olivais, como podem visitar a Feira do Espírito Santos dos Olivais”. A rua que se localiza na freguesia de Santo António dos Olivais, é uma rua muitíssimo antiga, englobando as pessoas que residem como o monumento da Igreja dos Olivais. E vai manter sempre as suas histórias.


A Minha Rua