Page 1

PORTFร“LIO

Mariana Gonรงalves


CURRÍCULO FORMAÇÃO ACADÊMICA

Mariana da Silva Gonçalves Brasileira, solteira, 24 anos mariana.silva.goncalves@usp.br instagram: mariana.arquitetura (11) 992164903

HOBBIES

fev.2013 | jun.2019

Universidade de São Paulo | USP

ago.2017 | fev.2018

Universidade do Porto| UP

jun.2018 | atual

Freelance: Modelagem 3D, desenhos 2D e detalhamento 1:50

Pesquisa “Discursos sobre América Latina na arquitetura do século 20”

jul.2014 | dez.2016

Pesquisa “Acervo Jayme Campelo Fonseca Rodrigues”

mar.2013 | jul.2014

Sketchup

Espanhol

A2Office

ago.2016 | jul.2017

HABILIDADES

Revit Indesign Photoshop V-Ray Maquetaria Pacote Office Qgis Inglês

Estágio: Modelagem 3D, desenhos 2D, detalhamento 1:20 e pós-produção

A2Office, Portugal

ago.2013 | jul.2015

AutoCAD

LW Design Group

jan.2018 | fev.2018

CONCURSOS Projetar.org 018 2016 CBCA 2017 Concurso VER 2017

Faculdade de Arquitectura | Intercâmbio de um semestre

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

mar.2018 | abr.2018

Livros Fotografia Séries e filmes Gastronomia Corrida Jardinagem

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo | Graduação

Estágio de férias: Modelagem 3D e levantamento de edifícios existentes | 300h

Bolsa Cnpq: Iniciação científica com orientação do prof Hugo Segawa

Freelance: Catalogação e organização de acervo para um livro do prof. Hugo Segawa

USP Legal, Núcleo de direitos da USP

Bolsa de extensão universitária: Inspeções de acessibilidade física na Universidade

CursinhoLA, Cursinho Popular de Linguagem Arquitetônica da FAUUSP Monitoria voluntária: aulas de desenho geométrico, bi e tridimensional

CURSOS COMPLEMENTARES fev.2018 | abr.2018 jan.2016 | fev.2016

mar.2014

Curso de representação arquitetônica {CURA}

Softwares envonvidos: Sketchup, V-ray, Photoshop, Indesign| 36h

Instituto Brasileiro de Paisagismo

Curso intensivo de Paisagismo | 200h

Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

Curso de Educação continuada e certificação em acessibilidade | 16h


HABITAÇÃO + CCSP Orientação: Profs. Francisco Spadoni e Oreste Bortolli Grupo: Mariana Gonçalves e Débora Nojiri Local de projeto: Vergueiro, São Paulo, Brasil Demanda: Edifício habitacional com espaços complementares ao Centro Cultural São Paulo Para trazer as atividades mais recorrentes no CCSP, que são a prática de dança por adolescentes e o estudo por vestibulandos, o projeto se organiza em um bloco semienterrado que contém ambiente com mesas de estudo e diferentes espaços informais para ensaios de dança. Essa parte do edifício também faz a adaptação topográfica entre a Rua Vergueiro com seus edifícios altos e a Rua Apeninos, com edifícios de menor porte. Além disso, um bloco transparente pendurado na estrutura de concreto pode ser utilizado para pequenas apresentações. O contraste entre esse bloco leve e o auditório de concreto caracterizam o pátio, que faz parte do caminho para quem cruza a quadra pelo edifício. Esse caminho visa facilitar a mobilidade da região e trazer a essa transposição um caráter cultural, com a presença de ensaios de dança tanto no bloco transparente quanto no auditório com abertura para os dois lados, além de exposições visíveis a partir das escadarias.


Perspectiva do edifĂ­cio com frente para a Rua Vergueiro


11

10

9

8

7 12

5

4

13 6 3

2

1

1. BILHETERIA 2. FOYER 3. AUDITÓRIO 4. ARQUIBANCADA EXTERNA 5. ACESSO À RUA VERGUEIRO

6. ACESSO AO PAVIMENTO VERGUEIRO 7. ACESSO AO PAVIMENTO VERGUEIRO E PAVIMENTO EXPOSITIVO INTERMEDIÁRIO 8. LANCHONETE 9. SANITÁRIOS

10. LOJA 11. COZINHA DOS FUNCIONÁRIOS 12. APOIO TÉCNICO 13. APOIO AO AUDITÓRIO

1

5

10

PAVIMENTO APENINOS | +01.60m


1

2

3

6 7 4

5 8

11

12 9

10

1. ACESSO AOS MORADORES 2. ACESSO AOS VISITANTES 3. ACESSO À RUA APENINOS 4. APOIO AO ESPAÇO DE ESTUDOS

5. ACESSO AO ESPAÇO EXPOSITIVO 6. PÁTIO DE DANÇA 7. ADMINISTRAÇÃO GERAL 8. SANITÁRIOS

9. BICICLETÁRIO 10. ACESSO AO BLOCO DE APRESENTAÇÕES 11. ESPAÇOS DE ESTUDOS 12. ESPAÇO DE CONVIVÊNCIA

1

5

10

PAVIMENTO VERGUEIRO | +08.60m


CCSP

RUA VERGUEIRO


RUA APENINOS

1

5

CORTE LONGITUDINAL

10


1 1

2 2

3

3

5

5

6

5

5

6

1

1

2

4

2

3

3

1. SALA 4. ESCRITÓRIO 2. COZINHA 5. QUARTO DE CASAL 3. SANITÁRIO/ LAVANDEIRA 6. QUARTO DE SOLTEIRO

1

2

5

BLOCO HABITACIONAL


BLOCO HABITACIONAL

ESPAÇO DOS MORADORES

ESPAÇO COWORKING

BICICLETÁRIO ESPAÇO DE ESTUDOS

EXPOSIÇÕES

LOJA

BLOCO DE APRESENTAÇÕES

CAFÉ | RESTAURANTE

RESPIRO DO METRÔ

AUDITÓRIO

ESPAÇOS PRIVADOS ESPAÇOS SEMI-PÚBLICOS ESPAÇOS PÚBLICOS


Vista do pátio principal do edifício


Escadaria que leva da Rua Apeninos para a Rua Vergueiro

Sala de apoio e reunião disponível para o CCSP


Sala de estudos e local de descanso para estudantes

Proposta de cozinha para apartamento duplex


PARQUE BRASILÂNDIA Orientação: Prof. Euler Grupo: Mariana Gonçalves, Débora Nojiri, Alexandre Hideki, Lucas Cunha, Melina Moscardini e Francesca Tridello Local de projeto: Brasilândia, São Paulo, Brasil Demanda: Responder a demandas populares por espaços de lazer, cultura e recreação na Zona Norte de São Paulo. O crescimento da mancha urbana sobre o terreno do Parque da Brasilândia mostra duas realidades da região: o aumento do número de favelas em locais de risco (por deslizamento e inundações) e a diminuição das áreas verdes com resquícios de Mata Atlântica. Para conter o avanço da ocupação foi necessário contar com um terreno delimitado como ZEIS 2 no Plano Diretor de São Paulo para que a população que atualmente ocupa o parque tivesse sua moradia garantida. Esse cadastro de moradores já foi feito pela prefeitura e o terreno fica em frente à entrada principal do Parque. Para esse projeto propomos recuperação das inúmeras nascentes contidas no terreno, preservação da área de Mata Atlântica ainda existente, proteção das áreas com grande declividade e criação de uma área verde pública e de qualidade para São Paulo, com locais para exercícios físicos, caminhadas, recreação para crianças, equipamento de cultura e com fácil acesso aos moradores da região.


IMAGEM 1 | Colagem com ideia para a escadaria do Parque


PLANO DE UNIÃO DE ÁREAS VERDES NA REGIÃO NORTE 2 LEGENDA Favela Núcleo Loteamento Estação de metro Linha de metrô Terminal de ônibus Rodoanel Ferroanel Proposta de união de áreas verdes ÁREAS DE RISCO Risco 1 Risco 2 Risco 3 Risco 4 50 100 250 500


Vista aĂŠrea do Parque | 2008

Avanço das favelas e loteamentos irregulares | 2017


LOTEAMENTOS IRREGULARES FAVELA PARQUE BRASILÂNDIA E FAVELA VILA PAULISTANO II TERRENO INDICADO COMO ZEIS NO PLANO DIRETOR DE SÃO PAULO

ZEIS 2 30.000 m² 2160 FAMÍLIAS ATENDIDAS 2 QUARTOS/ UNIDADE T.O. 0,7 21.000 m² 50 m² DE ÁREA ÚTIL 6 UNIDADES POR ANDAR C.A. 4,0 120.000 m²

13 ANDARES 28 EDIFÍCIOS

Estudo de ocupação do lote de ZEIS 2 a ser utilizado para provisão de habitação social - processo já iniciado pela Prefeitura.


10500 5100 30 0 3 10

0 30 5 1010

100

PLANO GERAL DO PARQUE COM LIGAÇÃO ENTRE ÁREAS VERDES DA REGIÃO

10 30 50

100


1

A

F

2

C

3

B

4


ENTRADAS

5 E

D

10

30

50

100

1 Praça de entrada principal com escadarias (Imagem 1) Ligação com Av. Cantídio Sampaio, onde passam linhas de ônibus que se conectam com estações de metro 2 Ligação com a escola presente no terreno em frente Quadra poliesportiva 3 Miradouro que aproveita a pré-existência de um platô voltado para o grande vale do terreno do parque (Imagem 2) 4 Continuação de espaço de vivência da comunidade já existente fora do parque, propondo uma continuação dentro dele 5 Praça de entrada com ligação ao Parque do Canivete, continuando a proposta de ligação entre as áreas verdes da região

PLATÔS A Espaço de permanência com árvores esparsas, bancos, churrasqueiras, mesas, áreas para pequenique B Horta comunitária C Espaço gramado para pequeniques, em clareira Passagem pelo córrego, mostrando a ligação do parque com a água (Imagem 3) D Quadras, churrasqueiras e quiosque com banheiros/vestiários E Ecoponto para recolha de materiais descartados na região FABLAB agindo na tentativa de reaproveitamento desse material F Platô principal, com quadras, espaço de leitura, brinquedos para crianças, aparelhos para exercícios físicos e um equipamento cultural, a Biblioteca Brasilândia, que aproveita a topografia do terreno e proporciona um grande mirante para a área de Mata Atlântica agora preservada pelo Parque


IMAGEM 3 | Colagem com ideia para a relação com a água

IMAGEM 2 | Colagem com ideia mirante da entrada 3


IMAGEM 4 | Corte esquemático da proposta para a Biblioteca Brasilândia


EDIFÍCIO DE USO MISTO Orientação: Álvaro Puntoni Grupo: Mariana Gonçalves, Débora Nojiri e Jéssica Silvério Local de projeto: Mooca, São Paulo, Brasil Demanda: Edifício de uso misto para um projeto de remodelação do bairro da Mooca que tem como premissa a relação com o Rio Tamanduateuí e canais criados a partir dele O ponto principal do projeto, que deveria ocupar um lote de 80x80m, foi o de conformar a quadra a partir do objeto construído para eliminar a necessidades de muro ou grades. Nesse sentido, a quadra possui seu térreo aberto e público, com ligação direta para as ruas ao redor e para o canal a sua frente. A marquise, também pública, promove um passeio com vista elevada sobre a Avenida Principal e dá acesso ao mezanino dos espaços de loja e dos equipamento de cultura e de educação presentes no térreo. A privacidade dos moradores fica garantida com a entrada idependente dos blocos de apartamentos e com o afastamento do térreo, já que os apartamentos começam depois do nível da marquise. Os blocos conformam dois pátios, o principal com uma área de gramado e o lateral, que forma uma alameda para pedestres no meio da quadra. Passarelas dão acesso a todos os apartamentos, conferindo um espaço semi-público para os moradores.


Vista do passeio da marquise


V

V

V

V

V V V

V

V

V

V V V

V

V

V

V

V

V V V

V

V

V

V

V V

V

V V V V V

V

V

V

V V V V V

V

V

V

V

V V V

V

V

V

V V V

V

V

C C V

V

V V C

V

C

V

V

V V

V V

V

V

C

V

V

V

V

V

V

V V

R

V

V

V

V V V

V

V V

V

V V V

V

V

V

C V V

C V V

F

V

V

V

V

V

V

V C

V

V

C R

V

V V

C V

C

V

V

V

C

V

V

V

V

V

V

C

V

V V

V

V V

V

V

R

C C

V V

R

V

V

V

V

V

V V

V

V

V

V

V

V R

V V

V

V

V

V

V

V V V

V

V

V V

V

V

V

V

C

V

V

V V

V V

V

V V

V

V

C

V

V

C

V

V C

C

C

V

V

V

V

V

V

V V

C V

V

C

C

V

V

V

V

V

V

V

V

V R

V V

V

V V

V

V

V V

V

V

V

V V

V V

V

V V

V V

V

V V

R

V

R

V V

V

V

C

V

V V

V

V

V

V

V

V

V

C V

C

C

V V

V

V

V

R V V V V

V

V

V

V V V

V

V

V

V

V

V V

V

V

V

V

V

V

V

V

V V

C

V V V

V V

V

V V

R

V

V V

V

V

V

V

V V

V

V V

V

V

V

V

V

C

C

V

V

V

V

V V

V

V

V

V

V

V

V V

V

V

V

V

V

V

V

V

V

V

C V

V V

V

V V

V

V

C

V

V

F

V

V V

C

C

V

C


R

R

Bloco sólido Conformação de quadra

Quebra de volumetria para formar caminhos Diferentes alturas para manter vista para o canal

Divisão do pátio em duas partes diferentes Formação de praça voltada para o canal

Marquise de ligação entre os blocos Definição de térreo comercial e de serviços


Esquema de volumetrias do bairro


5

5 9

9 5

9

9 11

10

9 5

5

5

8

3 4

2

6 7

1

1. PRAÇA FRONTAL 2. ESCADARIA PARA A MARQUISE 3. ELEVADOR PARA A MARQUISE 4. BICICLETÁRIO

5. ENTRADA PARA MORADORES 6. ÁTRIO PRINCIPAL 7. LOJA 8. PROJEÇÃO DA MARQUISE

9. ESPAÇOS EDUCACIONAIS 10. RESTAURANTE 11. PÁTIO PRINCIPAL

1

5

10

PAVIMENTO TÉRREO


A 1

3

2

1

1

3

2

3 1

2

2 1

3

A

1. ACESSO VERTICAL 2. ACESSO HORIZONTAL 3. VARANDAS PRIVADAS

1

5

10

PAVIMENTO TIPO


1

5

CORTE LONGITUDINAL AA

10


Vista das passarelas de acesso aos apartamentos Pรกtio principal com gramado


2018

PortfolioMariana  
PortfolioMariana  
Advertisement