Issuu on Google+

Hist贸ria da Arte III-P贸s impressionismo


Pós impressionismo Não foi um movimento em si, tal como foi o Impressionismo. Foi mais um período (últimas duas décadas do século XIX) em que alguns artistas, destacaram-se, entre eles: Cézanne, Van Gogh, Gauguin e Toulouse Lautrec. Em comum, eles admiravam e foram influenciados pelo impressionismo, mas não tinham as mesmas características da pintura impressionista. Na verdade, cada um tinha um jeito bem peculiar de ser e de pintar.

Autorretratos de Cézanne, Van Gogh, Gauguin e Toulouse Lautrec


Paul Cézanne- 1839-1906. Cézanne nasceu e morou a maior parte de sua vida em Aix-enProvance. Seu pai, de origem italiana, foi vendedor de chapéus e tornou-se banqueiro. Queria que Gauguin fosse advogado, mas quando criança deu-lhe uma caixa de tintas e desde então ele se apaixonou pela pintura. Era amigo e colega de escola do escritor Émile Zola. Adorava a natureza e pintou paisagens e naturezas mortas. Demorava para pintar um quadro inteiro (meses, anos). Era tímido, introspectivo, meticuloso e não chegou a ser muito reconhecido em vida, mas pintou a vida inteira. Já mais velho, herdou a casa de seus pais (hoje, um museu em Aix) e a vendeu para construir um atelier mais afastado do centro da cidade, no alto de uma colina (lugar magicamente preservado e lindo). O colorido de seus quadros é muito bonito e os críticos são unânimes em dizer que no mundo da cor, Cézanne foi um dos maiores.


Vincent Van Gogh 1853-1890. Van Gogh nasceu no interior da Holanda, mas escolheu a França para viver. Após inúmeras tentativas de ganhar a vida como vendedor, professor e pregador religioso, resolveu começar a pintar aos 28 anos. Recebia o apoio do irmão Théo e, através da troca de cartas entre eles, conhece-se boa parte de sua história. No entanto, revelou-se através de sua pintura – única, intensa e marcante. Ninguém mais conseguiu pinceladas amplas, fortes e espiraladas. Van Gogh acreditava que a cor, mais que o desenho, era a grande mensagem da pintura. Suas palavras: “Sinto uma relação entre as cores e a música de Wagner... Amarelo e lilás! Essas cores me dão uma extraordinária exaltação”


Paul Gauguin 1848-1903. Muito diferente de Cézanne, que nada gostava do que fazia, Gauguin era descrito como “um pouco pretensioso” e aventureiro. Nasceu em Paris; morou no Perú, quando criança; voltou à Paris; casou e separou-se de uma dinamarquesa, teve cinco filhos; morou no Norte da França (Bretanha), morou um tempo no Sul da França, com Van Gogh, em Arles e, finalmente, mudou-se para o Taiti em busca de uma vida perto da natureza. Gauguin parecia mergulhar no universo por onde andava e assim conseguia representar os lugares de uma forma chamada sintética (pintura mais plana, sem sombras), mas nunca superficial. Sua pintura caracteriza-se pelo uso de cores mais puras e vivas e que nem sempre respeitavam a cor da natureza . Sua temática passou a ser mais simbolista (ver a obra De onde viemos quem somos para onde vamos?).

Retrato que Gauguin fez de Van Gogh, uma cena na Bretanha e no Taiti.


Henri Toulouse Lautrec 1864-1901. Toulouse Lautrec nasceu em Albi (na França) e morou em Paris. A osteogênese imperfeita o fez ficar várias vezes acamado na infância e adolescência pelas diversas fraturas que sofreu. Foi quando começou a desenhar e a pintar aquarelas. Estudou desenho e pintura desde cedo e escolheu Montmartre para viver. Como os impressionistas, gostava de pintar diante das cenas (só que internas), normalmente nos bares e cabarés que costumava frequentar. É dele os primeiros cartazes para o Moulin Rouge (já no estilo Art Nouveau). Sua pintura não cobria totalmente o desenho, o contorno delicado era sua marca registrada e gostava de pintar pessoas.


Tema de casa: 1. As pinturas a seguir são paisagens pintadas por Cézanne (esquerda), Van Gogh (direita) e Gauguin (abaixo). Procure observar as semelhanças e diferenças entre elas e escolha a que pessoalmente você mais gostou.


Tema de casa 2. Copie e cole aqui a paisagem que mais gostou. 3.observe, procure entender e registre os motivos da sua escolha (no estilo “conheça-te a ti mesmo”).


Comentários Os pós impressionistas não formaram propriamente um grupo, um movimento. Tornaram-se artistas por motivos distintos, tiveram histórias de vida marcantes e foram apaixonados pela pintura. Nas suas telas as cores vibravam, talvez como a música, como pretendia Van Gogh. Os pós impressionistas influenciaram os próximos movimentos, do início do século XX: Os Nabis, o Expressionismo, o Fauvismo e o Cubismo. Tratando-se de arte, nossas escolhas são muito pessoais, dependem muito do momento que estamos vivendo, do nosso “estado de espírito”. Minha mãe dizia que um quadro é tão pessoal que a gente não devia dar de presente. Eu concordo - em parte- pois a intenção em dar o presente já acrescenta uma beleza a qualquer tela.


Pós impressionismo