Page 1

Grátis //Setembro de 2016 // Número 1 // Directora: Samira Pereira

Mindelact 2O16 A 22ª Viagem

Morna Jazz Festival Novos crioulos: Gigi

“Eu nasci para viver nesta terra”


Editorial Teatro de Mund na Soncent: é assim o mês de Setembro no Mindelo, cidade onde cabe este mundo e o outro mas, neste mês, é o mundo que sobe aos palcos da cidade: Centro Cultural do Mindelo, Jotamonte, ALAIM e claro, as ruas, o espaço público. Na cidade palco do Monte Cara, continuam as exposições, os passeios, os mergulhos na Laginha nas tardes longas de verão. Os finais de semana oferecem surf e sombras no Calhau. Noites musicais e Festivais. Festival de Desporto, Festival de Teatro, Festival Morna Jazz na Zona Libertada. É que a cidade é cultural e os

Índice

mindelenses não conseguem parar de criar alternativas fora de casa para todos os gostos e idades. Todo o mindelense ama e cuida a sua cidade para poder usufruir dela 365 dias por ano, as iniciativas (ao contrário do que dizem as más línguas) não são apenas de sabura mas também de cidadania, como é exemplo a iniciativa da provedoria do Mindelo. Soncent é sab… é sab…

Ficha Técnica Propriedade e Edição O2, Lda. Coordenação de Projecto PENÉLOPE DE MELO

4 Prostituição no Mindelo - do Cavoquinho, ao Lombo

6 8 9 11 12 14 15

Calhau, entre vales e vulcões Vox Pop Somá Cambá, seis anos respirando teatro Shopping: Terra no Boutique Nanny Os Tubarões Mindelenses, por Rocca Vera Cruz Mindelo 12h. Mindelo, onde o descanso é sinónimo de movimento AGENDA CULTURAL DESTACÁVEL

21 Novos Crioulos: Gigi 23 Mindelact, a 22ª viagem 24 “Duo”, a surpresa de Grace Évora 25 Provedoria do Mindelo: acção virtual por uma acção real

27 Lazareto Games Festival 28 Bodyboard Team League 29 Infantil: Livros infanto-juvenis da literatura

Gestor de conteúdos SUZY ANDRADE Designer REVAN ALMEIDA

cabo-verdiana

30 Ribeira Bote, Setembro com Morna Jazz Festival

Gestor Comercial HIPÓLITO RAMOS

31 32 33 34 35

Gestor Financeiro ALDINA SIMÃO Office Manager VANISIA FORTES

Infos úteis Restaurantes & Cafés Mindelo by night Onde dormir

Calendário anual de eventos

Foto Capa TÓ GOMES +238 987 47 14 | +238 356 39 96 marialeopoldinacv@gmail.com vilaleopoldinacv

Esta publicação não está conforme o novo acordo ortográfico, respeitando assim os textos de autor.


© coraçãodmar

Prostituição no Mindelo Do Cavoquinho, ao Lombo

Muito se fala da prostituição no Mindelo. Uma

Inicialmente, a zona do Lombo era o lugar aonde

realidade que não dá para esconder e que desde

as pessoas iam buscar palha para os animais.

sempre esteve ligada às actividades económicas

Por isso se chama de Lombo de Palha. Com o

da ilha do Monte Cara, e à própria história do Porto

comércio sexual criou-se ali uma comunidade.

Grande, entreposto de navios vindos de várias latitudes e dos seus marinheiros. Tudo isto, aliado ao desemprego que sempre assolou a ilha, está

As prostitutas possuíam cadernetas. Que efeitos tinham?

na génese do surgimento do Lombo. Conheça

Todas

um pouco da história deste emblemático espaço

legalmente, provado por meio de uma caderneta.

da cidade, através do mestre em ciências sociais,

Uma autorização para exercer a profissão e que

Daniel Cardoso.

afastava os policiais das raparigas, a menos que

Que factores estiveram na base do surgimento do Lombo?

as

prostitutas

exerciam

a

profissão

saíssem do círculo do Lombo. Como é que funcionava a actividade na cidade?

A prostituição no Mindelo surgiu na década de 20/30, do século passado. E ao contrário do que

Havia dois tipos de prostitutas: as encartadas (com

se pensa, não começou no Lombo, mas sim na rua

caderneta) e as não encartadas (Mocretas), que

do Cavoquinho. Mais tarde, passou para o Lombo.

não queriam caderneta. Faziam a sua actividade, mas clandestinamente. Eram protegidas pelas

As prostitutas possuíam cadernetas. Que efeitos tinham?

encartadas e em troca desta protecção, as encartadas recebiam uma comissão.

Com o início do transporte dos depósitos de carvão, do mar para terra firme, os barcos abasteciam-

As

se no Mindelo e os marinheiros, também. Esses

semanais

marinheiros passavam muito tempo no mar alto,

doenças sexualmente transmissíveis e, se isso

sem mulheres, e, naturalmente, ao chegar ao

acontecesse, eram afastadas por completo da

Porto Grande procuravam mulheres. A partir daí

profissão.

nasce a prostituição.

4

mulheres para

eram

submetidas

afastar

a

a

exames

possibilidade

de


Como é que funcionava a actividade na cidade?

Quando e porquê que o Lombo caiu?

Existiam casas próprias para isso. O marinheiro,

O Lombo foi encerrado com o 25 de Abril de 1968,

quando chegava, tinha um guia (cicerone) que o

mas a prostituição continuou. O espaço do Lombo

levava até uma prostituta que estivesse de serviço,

acabou por virar um local que foi sujeito a políticas

à sua escolha. Enquanto o marinheiro estivesse

de urbanização e higienização da cidade e as

em terra, o cicerone, que era um agente municipal,

pessoas de posse desapropriaram as famílias que

ficava responsável por ele.

viviam no Lombo, para construir negócios naquela

O cicerone era quem mais ganhava com a prostituição: ganhava do marinheiro, e ganhava comissão da mulher. Isso levou-me a concluir que esta prática era uma forma de exploração feminina. Mas a cidade ganhava com a prostituição. Mais de 50 barcos aportavam na Baía do Porto Grande,

área. Na altura, construiu-se uma farmácia, casas modernas, salão de cabeleireiro, e até uma boate entre outras infra-estruturas. Isso tudo, aliado à falta de clientes, que eram sobretudo os marinheiros e os militares em guerra, acabou por ditar o fim do Lombo.

o que fazia movimentar o sistema mercantil e económico.

setembro

vale 50% desconto Válido para menu à la carte, marisco e bebidas não incluido, até dia 30 de setembro com apresentação desta revista impressa ou digital

Add a little bit of body text

2 32 72 75 AVENIDA 5 DE JULHO | CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE | 232 72 75

RESTAURANTE | PIZZARIA | BAR CAFÉ | SOWARMA | FAST FOOD

Válido para menu à la carte, marisco e bebidas não incluido, até dia 30 de setembro com apresentação desta revista impressa ou digital.

5


Calhau Entre vales e vulcões

Hoje vamos ao Calhau. A nossa viagem começa

“Deskansados” seguimos viagem rumo ao Calhau, que fica situado a 15 km da cidade do Mindelo. Calhau é uma aldeia piscatória, a leste da ilha, que pertence ao “Vale”, isto é Ribeira de Calhau.

na Praça Estrela, na paragem de autocarros e

No Calhau, uma pequena praia e um porto

hiaces para o interior da cidade. Chegando à

chamam a nossa atenção, mas ainda não é hora

paragem, uma fila de carros em frente à lavandaria

de parar. Seguimos viagem rumo ao Solte para

Lavomatic. Entre no primeiro e se estiver vazio

um banho salgado. Antes disso, sabes nadar? Se

não se preocupe, 10 minutos de espera e já estará

não souberes, convém ficares pela praia do porto,

com o pé na estrada, rumo à zona dos vales e

mesmo. Apesar de linda, é mais segura para

vulcões.

banhistas que não sabem nadar.

A viagem demora cerca de 15 a 20 minutos. Uma viagem tranquila e divertida. “Como está o marido, mulher e filhos?” são perguntas chave para início de conversa, que termina sempre num julgamento político. Não fora este ano eleitoral e logo com três eleições. Tem dúvidas em que candidato votar? Uma viagem ao Calhau resolve.

Calhau é cheio de encantos. Em dias menos nublados, é possível avistar ao longe, a partir do pequeno porto do Calhau, a ilha de Santa Luzia, sozinha e solitária. Também solitário está o extinto vulcão Viana, a cerca de 4 km para o sul da zona piscatória.

De paragem, em paragem, chegamos ao Calhau.

O relógio biológico apita, é hora do almoço. Várias

Mas antes de chegarmos uma pequena pausa na

opções, mas, hoje, o escolhido é o bar “Returna

Deskansá. Na fronteira entre Madeiral e Ribeira

de Tony”. Um bar localizado na rotunda que dá

de Calhau encontramos um restaurante com o

acesso ao Calhau. O prato principal de hoje é um

nome Deskansá. Um aperitivo, um grelhado e

delicioso bife de atum ou polvo com batatas fritas.

uma bebida fresca justificam qualquer paragem,

Se pretende ficar na vila, o hotel Goa é uma óptima

coroada ainda com banho de tanque.

opção para descansar, de olhos postos no mar. Até à próxima viagem.

6

© edson silva

“Calhau é cheio de encantos. Em dias menos nublados, é possível avistar ao longe, a partir do pequeno porto do Calhau, a ilha de Santa Luzia, sozinha e solitária.”


p o P x Vo

Festival Mindelact, é ou já foi orgulho para a cidade? É Setembro e Mindelo respira teatro. Por toda a cidade sente-se o frenesim anunciando a 22ª edição do Festival Mindelact, com data marcada entre 16 e 22 de Setembro. Por isso, a Vila Leopoldina saiu à rua para saber o que os Mindelenses pensam deste festival que, anualmente, traz “teatro d’mund pa Soncent”. O Mindelact é como um bébe que vimos nascer e, agora, tornou-se um adulto, que orgulha toda a nossa cidade. Isto porque traduz-se na melhor e maior mostra dos nossos artistas. E é, sem dúvida, um dos melhores eventos culturais de Cabo Verde, tanto pela logística como pelo

Belinda Duarte

cuidado, com um produto final que orgulha todos os Mindelenses.

O Mindelact é um prefácio da cidade do Mindelo. Admiro a coragem e fibra da organização, que cruza o deserto para realizar este evento, muitas vezes sem grandes patrocínios. A realização do Mindelact é motivo de orgulho, mais do que aquilo que parece, para todos os Mindelenses.

Eric Neves Como apreciadora de teatro, tenho um enorme orgulho do Festival Mindelact fazer parte da cidade do Mindelo. Um lindo festival que eleva a fasquia cultural da cidade.

Kátia Araújo 8


“Somá Cambá” seis anos respirando teatro Há seis anos atrás nascia no Mindelo a companhia

O grupo que comemora o seu aniversário a 9 de

teatral Somá Cambá. Traduzido para português

setembro, conta hoje com 15 membros ativos,

seria “aparecer e desaparecer”. Uma companhia

com idades compreendidas entre os 15 e os 25

composta por jovens que participaram no projeto

anos. Um grupo diversificado, composto também

“Teatro nas Escolas”, uma iniciativa da professora

por estudantes universitários e trabalhadores.

Patrícia Silva, que, em parceria com Dy Fortes, juntou alunos do Liceu Jorge Barbosa e da Escola Técnica para trabalharem a peça “E porque não?”, que fez a abertura do festival Mindelact em 2011.

Desde a sua criação, os elementos têm vindo a dinamizar inúmeras atividades no domínio do teatro, desde a montagem de espetáculos e

Mas porquê “Somá Cambá”? Elton Delgado,

adaptações de grandes autores, nomeadamente

jovem encenador do grupo explica que o nome

Harold Pinter, Plínio Marcos e Victor Martins. Além

não surgiu do nada. Isto porque é também o nome

da interpretação, deram um grande passo na

do espaço da antiga esquadra do Mindelo, atual

criação de um festival nacional de teatro, o Somá

casa do grupo. Somá Cambá é o nome do espaço,

Teatro, que já vai na segunda edição.

do grupo e também de uma peça teatral do grupo Craq’Otchod, a primeira a ser apresentada no

O festival Somá Teatro pretende dar continuidade

espaço da ex-esquadra.

à dinamização do teatro em Cabo Verde, de forma a criar mais uma “praça” de encontro entre os

Elton Delgado conta que um ano após a sua

artistas, e toda a comunidade amante do teatro.

criação, o grupo já estava formalizado e com

Em seis anos de estrada, com 11 produções,

ensaios regulares orientados por Patrícia Silva, Dy

críticas não faltam ao grupo, o que Elton assegura

ortes e Moisés Delgado. Como todos sabemos, os

que só faz aumentar a responsabilidade.

filhos criam asas e querem voar e para o grupo não foi diferente. Entre finais de 2012 e início de 2013, depois da apresentação da peça “Just in time”, o grupo ganhou asas e começou a voar embora sempre sob o olhar atento de antigos professores e orientadores.

9


AKUABA África | Cabo Verde . raízes

Pub

exposição arte africana

14 Julho . 14 Set. 2016 M_EIA . CNAD . Alternativa galeria

Design & impressão: Lab. Artes Digitais - M_EIA JULHO 2016

M_EIA

Instituto Universitário de Arte, Tecnologia e Cultura

AKUABA gallery


Na rubrica Shopping desta edição, a Vila

Confira

Leopoldina foi espreitar as novidades

fotografias de Bob Lima, que integram parte

estas

belíssimas

peças

nas

na boutique Nanny Bijou, situada na

da coleção do catálogo “Terra”.

Avenida Baltasar Lopes da Silva, no Mindelo.

E para estar sempre por dentro das novidades, consulte a página do Facebook

Uma

loja

que

simplicidade,

e

alia que

o

glamour tem

à

“ Nanny Bijou Boutiques”.

sempre

novidades para todos os gostos. E porque estamos no verão seguem umas sugestões bem frescas e elegantes. © bob lima

Shopping

Terra na boutique Nanny

11


Os Tubarões

Para sempre “Labanta Braçu bu grita bu liberdadi”

Fevereiro de 1969. Praia Maria, Santiago, Cabo

novamente. Ninguém esperava que, após 21

Verde. Surge na capital um quinteto musical

anos, a Câmara Municipal de Lisboa colocasse

composto por Chindo, Duia, Zézé, Mike e Fortinho.

na mesa a proposta de reunir num único palco

Aos ritmos da morna, coladeira e funaná, o grupo

os elementos da banda, num evento histórico. Os

deu os primeiros passos rumo ao sucesso.

Tubarões foram convidados para atuar na festa

Com a entrada de Ildo Lobo, como vocalista da banda, lançaram dois álbuns em 1976. “Pepe Lopi” e “Tchon di Morgado”, marcaram o início de um conjunto de oito discos gravados ao longo dos 25 anos de carreira. Uma carreira que está intimamente ligada ao período da independência de Cabo Verde, com o hino “Labanta Braçu bu grita bu liberdadi”. O sucesso do grupo ecoou em todos os cantos das ilhas e da diáspora e, durante 25 anos, viveuse a lenda. Embora com grande sucesso, 1994 marcou o fim da carreira do grupo. Compromissos pessoais fizeram com que os elementos seguissem caminhos diferentes. Nos fãs ficou o desejo de ver e ouvir as sonoridades únicas que identificavam o grupo, associado ao timbre de Ildo Lobo. Um desejo alimentado por anos, mas deitado por terra com a morte de Ildo em 2004.

de São Jorge, em comemoração dos 40 anos da Independência de Cabo Verde, antiga colónia portuguesa. Um contive recebido com surpresa e pudor, pelos sobreviventes. Afinal eram 20 anos longe dos palcos. Além disso, o grupo estava desfalcado. Motivos não faltavam para dizer não, mas os elementos do grupo não negaram a raça e aceitaram o desafio. Depois deste regresso lendário, em Portugal, seguiram-se vários concertos em Cabo Verde. Primeiro no Festival Gamboa e, depois, uma série de convites para diversos palcos do país e da diáspora. Agora, em Agosto passado, pisaram o palco da 32ª edição do Festival Baía das Batas, em São Vicente. Um regresso marcante, após 25 anos. Para os mais jovens foi até o primeiro contacto ao vivo com as músicas dos Tubarões. Um primeiro contacto muito aplaudido, não fossem os Tubarões, um dos

banda, tornou-se impossível ver a banda reunida

grupos mais lendários da música das ilhas.

12

© edson silva

Com a morte de Ildo Lobo e outros elementos da


Crónica Mindelenses Por: Rocca Vera Cruz

Já não me lembro porquê, mas tínhamos sido

No caminho, azar dos azares, encontramos o

convidados para um baile no Derby. Depois

Zé Bufo, que, claro, não podia saber das nossas

da festa, por acaso bem animada, ao estilo do

intenções. Não havia forma do rapaz nos largar,

Mindelo cortês de outrora, hoje irreconhecível,

pelo que, ao menos, fomos aproveitando

entramos, eu e mais dois amigos, num

para saber novidades. O preço do vestido de

botequim de esquina, onde agora, sinal dos

noiva da (O) era uma fortuna, o filho que a

tempos, instalou-se um chinês.

(R) esperava afinal era do (T) e não do (E), o gerente da casa (H) tinha oferecido um carro à

No botequim demos de cara com um aviso

amante, etc.

com ar de ameaça: ‘Fiado só amanhã’. Completando a decoração, uma foto meio

Para tentarmos arranjar uma forma de escapar

amarelada da equipa do Benfica e uma

do Bufo, entrámos num barzinho onde só

bandeira do PAIGC.

havia uma senhora já de idade bem avançada.

No balcão muita garrafa de grogue de diversas cores e sabores para além de garrafas de whisky com rótulos de medalhas, para enganar cada um. Comia-se, naquele botequim e na altura, a melhor ‘melodia’ da cidade.

Pedimos 4 grogues, pois, a senhora garantiunos que só tinha “grogue velha”, que desenhava colares na boca do copo e tudo. Entusiasmado o Zé Bufo mandou tudo de uma vez só para o estômago. O rapaz revirou os olhos, engasgouse, tossiu, suou, e só depois, quando conseguiu

Após descermos umas cervejas mais ou

falar, voltou-se para a senhora e disse: ‘chiça,

menos quentes (Jaida ê tud ta falhá), e

bôcê desculpa-me, li dent velha ê sô bôcê’. E

depois do lauto repasto, deduzimos os 3

assim nos vimos livres do Zé, que foi doente

que, empanturrados, seria meio complicado

para casa e nós seguimos o nosso rumo.

raciocinar sobre qualquer coisa, pelo que nos traçado, tomamos o caminho do Lombo, marco final de quase todas as madrugadas, naquela hora já salpicado de estrangeiros e bambas.

14

© viajarentreviagens

calámos e, conforme o plano previamente


Mindelo 12H Mindelo: onde o descanso é sinónimo de movimento

7:00

10:00

Acorde cedo, siga a avenida marginal a pé rumo

Praça Estrela. Onde as cores e os cheiros dão

à Laginha, quase vazia: mergulhe e contemple a

a volta ao mundo: bidons d’merca, Holanda e

paisagem recortada por Santo Antão e o silêncio

Portugal com achados em segunda mão, alfaiates

sonoro das ondas. Depois de alimentar a alma, é

low cost e ainda incensos, chás, peixe frito,

tempo de alimentar o corpo. Regresse ao centro

legumes frescos, mot d’chá para o corpo e alma.

e dirija-se ao Ponto d’Encontro: catchupa; meia

É, talvez, um dos pontos mais cosmopolitas da

catchupa; com ou sem linguiça (que infelizmente

cidade, vale a pena sentar numa das tascas da

não é nacional); peixe frito; omolete… catchupa

praça e beber algo fresco, enquanto se observa a

para todos os apetites.

dinâmica deste centro comercial ao ar livre.

9:00

11:00

Downtown. As ruas do centro variam consoante

Rua de Praia: Plurin D’Pexe; Capitania; Praia

a hora do dia, o mês e, claro, a companhia. Saia

d’bote... Se é apreciador de grogue faça um pit

da Rua de Matijim e suba duas ruas em direcção

stop na Boca d’Tubarão (coragem!!!). Visite a

à pracinha d’igreja. Caso goste de partilhar nas

Réplica da Torre de Belém e suba ao topo para

redes sociais, fotos do seu dia perfeito, aqui é

ver uma das incontáveis vistas estonteantes da

um dos hotspots públicos da cidade: ligue-se à

cidade do Monte Cara. Próxima paragem: Ponta

Konekta e partilhe também com o facebook da Vila

d’Praia Gallery. Mais cores e novos formatos mas

Leopoldina. Mas não naufrague na rede, continue

a mesma irreverência no traço que caracterizam

o passeio intercalando as ruas em direcção à

os trabalhos do mindelense Tchalé Figueira. A

Praça Estrela. Artesanato, velharias, barbeiros,

mostra dos trabalhos em papel encontra-se aberta

mercearias, garrafeiras, retrosarias, botecos e

ao público todos os dias de manhã na mítica Casa

muitas histórias para quem sabe fazer conversa e

Figueira, cujo piso térreo alberga a Ponta d’Praia

escutar quem tem muito para contar.

Gallery. © helena moscoso

15


12:00

15:00

Já é meio-dia, o sol está a pique e a fome aperta

A vida volta à cidade e é hora do roteiro cultural:

juntamente com um cansaço que pede conforto.

Centro Cultural do Mindelo; Galeria Alternativa;

No Bettencourt, ainda na Rua de Praia, a comida

Centro Nacional de Artesanato e Design; Palácio

caseira e o ambiente familiar dos clientes habituais

do Povo e Núcleo Museológico Cesária Évora.

(onde não faltam artistas conhecidos da praça) são perfeitos para uma pausa para almoçar. O café não é expresso mas, se acompanhado com uma queijada caseira, o despertar é garantido.

14:00 Com o sol a pique, entre as 13h e as 15h, dirijase à Alliance Française onde, no restaurante La Pergolá, poderá desfrutar da sombra mais fresca da cidade e, se tiver sorte, provar um Sorbet caseiro delicioso. Neste mês pode ainda ver uma exposição fotográfica colectiva intitulada Momentos.

16

19:00 A última deste Mindelo 12h non stop pede um chá e repouso na Galeria Zero Point Art. Certamente esta será também a primeira de outras 12h de Mindelo by Night.


Š helena moscoso

Agenda Cultural

S E T E M B R O


Vila Leopoldina Setembro 01

Pôr do sol num lanche tradicional HOTEL PORTO GRANDE – Bar Lobby 18h

11

Música - Toy Pinto & Banda KALIMBA 19h

02

Txoma minis – show de Sakis di Praia CARAVELA 23h30

12

Workshop Desportivo

Música CAFÉ DEL MAR 20h30

03

Open Sandy SANDY BEACH

07

Lançamento de Numinous - Álbum de Vasco Martins

... a 30

LIVRARIA NHÔ DJUNGA 16h

15

Música - Bau & Kapa LIVRARIA NHÔ DJUNGA 21h

16

Música - Banda Nhô Djunga CCM, CCP, ALAIM 22h

GALERIA ALTERNATIVA Exposição de Fotografia - Momentos ALIANCE FRANÇAISE

...a 24 Mindelact

CCM, ALAIM 21h30

08

Música - Esquerdinha & Banda LIVRARIA NHÔ DJUNGA 21h

09

Música - Titita & Banda CAFÉ DEL MAR 22h

17

... a 18

Lazareto Games Festival PARQUE LAZARETO 16h

18

- Banda Nhô Djunga 10 Música PRASSA3

Promo party Lazareto Games PONT D’ÁGUA 23h

22

22h

Mundos, Positivo Selector - DJ Set LIVRARIA NHÔ DJUNGA Gold Sunset - Bye Bye Summer MARTINI SUNSET 19h Tributu Rasta COLUMBINHO 21h Música - Toy Pinto & Banda BAR LOBBY

Palestra Juventude: mais desporto, melhor saúde!

23

... a 30

Música - Mário Coronel LIVRARIA NHÔ DJUNGA 22h Mini Lazareto Games - para crianças PARQUE LAZARETO 14h Feira Artesanato PRAÇA PADRE FILIPE 16h Festival - Mornajazz World Music + Feira Juntá - Artesanato AVENIDA CAPITÃO AMBRÓSIO 17h

26

Cinema de Rua PRAÇA PADRE FILIPE 20h

30

Encerramento Festival - Mornajazz PRAÇA PADRE FILIPE 18h

O2 - Cultura & Comunicação marialeopoldinacv@gmail.com

Produtores, promotores, criadores e gestores culturais enviem-nos informações sobre as vossas actividades até o dia 15 do mês anterior.


Cultura & Comunicação


Novos Crioulos

G

“Eu nasci para viver nesta terra”

igi é o nominha de Ana Vírginia. Portuguesa,

Embora não tenha conseguido nada em cinco

descendente de um cabo-verdiano, que

anos, Gigi não perde a esperança de um dia, por

aos 60 anos de idade decidiu aventurar-se no

obra do acaso, encontrar alguém que saiba falar-

desconhecido, Cabo Verde, à procura de uma avó

lhe sobre a avó e, quiçá, encontrar algum familiar

ou alguém que lhe falasse sobre as suas raízes.

ligado a ela.

A nossa nova crioula conta que sempre soube

Além do bom humor das pessoas, do clima

das suas raízes cabo-verdianas, por parte do pai,

deste pequeno país, a nossa nova crioula é fã

embora pouco soubesse sobre Cabo Verde. A

da cachupa. “Tirem-me tudo, mas não me tirem a

não ser pelas vagas histórias contadas pelo pai

cachupa”. Não dispensa também uma boa moreia

que, para Gigi, eram muito distantes. “Não sabia

frita, acompanhada de uma cerveja crioula gelada.

nenhuma palavra em crioulo, porque o meu pai nunca me ensinou crioulo, o que me deixa muita

Gigi possui sangue Mindelense nas veias, mas

falta, agora que vivo cá, pois não percebo tudo.”

não se sente ainda como tal, por ainda não saber falar crioulo. “Eu peço para falarem comigo em

A procura pela avó ou algo que a identificasse

crioulo, mas não adianta. Como eu, às vezes, não

continua, cinco anos após a decisão de deixar o

percebo à primeira, chateiam-se e falam comigo

país que a viu nascer. A única coisa certa, para

em português. “

Gigi, é que a avó era da ilha da Boa Vista e o avô de São Vicente. O pai, embora tenha nascido no Mindelo, fora para Lisboa ainda pequeno e regressava à terra algumas vezes. Aos 60 anos, reunidas as condições, saiu então à procura da avó e ao chegar a Cabo Verde ficou

O amor pela cidade do Mindelo, e pelo país, fazem Gigi afirmar que esta é a terra que nasceu para viver. “Quando eu vim para cá, vi que, realmente, esta é que era a terra. Eu nasci para viver aqui e não naquela terra, com aquele frio e com aquela gente mal disposta.”

encantada com o clima, as pessoas, a terra e o maravilhoso mar. Tal foi o encanto que, dois anos mais tarde, Gigi convenceu o marido e vieram viver para São Vicente. Venderam a casa que tinham em Portugal, arrumaram tudo, incluindo cães e gatos e partiram.

Gigi

21


Mindelact: A 22ª viagem A Nave está pronta para decolar. Sob o comando

Nas cabines, os comissários de bordo, os anjos,

da Associação Artística e Cultural Mindelact, temos

as bilheteiras, e o coordenador de cada sector,

a bordo 7 países, 40 espectáculos, e diversos

estão prontos para arranhar um português,

palcos para uma viagem artística de 9 dias, de

francês e inglês. E se chegar um Coreano? Calma,

16 a 24 de Setembro. O destino final é Soncent, o

comunicar nunca foi um problema. Aqui, todos

Festival Internacional de Teatro, Mindelact.

os continentes já tiveram vez, por isso, através de palavras, gestos ou energias, chega-se ao

Com ingressos na mão, ou como rusgas habituais,

entendimento.

a tripulação reserva aos passageiros uma viagem cheia de cultura, com bons espectáculos, tanto

Não fica de fora da “Nave”, o rádio operador - a

infantis,

estreias

Comunicação Social, que com ajuda da equipa

absolutas agendadas, música e dança, bem

de comunicação interna, OII Cabo Verde, leva o

ao estilo de Cesária Évora, um baile dos pés

Mindelact ao mundo através de várias plataformas

descalços.

digitais.

Mas, antes de iniciar a viagem, apresento-vos

E

a tripulação desta “Nave”, que há 22 anos faz

“Nave” e suas viagens, passe pelo Centro de

esta viagem. No comando está o “piloto” Daniel

Documentação e Investigação Teatral (CEDIT),

Monteiro e o “co-piloto” João Branco, que, após o

situado no primeiro andar do mercado municipal.

término de cada viagem, junta-se à sua tripulação

A assistente de bordo, Romina, espera-o com as

para preparar o ano seguinte. De sublinhar que,

devidas indicações.

como

performances.

Três

embora com muitas dificuldades financeiras, a viagem anual nunca foi interrompida desde o seu início, em 1994. Em regime voluntariado, os mecânicos de voo fazem do impossível, uma viagem possível. São eles as camareiras, a equipa de limpeza,

para

conhecer

melhor

a

história

desta

Acompanhe ainda as viagens do Mindelact na sua página de facebook, ou pelo site oficial, com o mesmo nome. Tenha uma boa viagem. Mindelact: Teatro de mund na Soncent.

carpinteiros, cozinheiros, assistentes de palco, entre outros. Vestem seus uniformes, numa

© artefactos

correria contra o tempo, o humor e “esquisitices” de cada passageiro que entra na “Nave” Mindelact, não fossem eles artistas!

23


“Duo”, a surpresa de Grace Évora Grace Évora, vocalista e compositor cabo-

A tiragem do Duo será mínima. A compra de

verdiano, completa 30 anos de estrada no mundo

CD´s está em desuso, com a era do digital, e a

da música. Uma caminhada iniciada em 1987 na

reprodução pirata de cópias, também não ajuda.

Holanda, país que acolheu durante vários anos

Mas isso não assusta o compositor, que consciente

este artista de Cabo Zouk e Coladeira.

joga com este fator. A tiragem é feita com especial carinho para os amantes do CD, que em colecção

O artista de “Bia” prepara-se para lançar mais

vão ter a coroa dos 30 anos de carreira de Grace

um trabalho “único e especial”, um duplo álbum.

Évora.

Especial

pelo

número,

mas

também

pela

embalagem e sonoridades que, segundo explica,

Grace Évora marcou presença na 32ª edição do

quer tocar “diferentes sensibilidades”.

Festival Baía das Gatas. E mais uma vez o público não desapontou o menino de Soncent. Grace não

Sem revelar muito sobre o álbum, o compositor

esconde que “foi um grande orgulho actuar num

da ilha do Monte Cara garante que os fãs vão

dos maiores eventos musicais do país e sentir o

ouvir o Grace de sempre. Com apenas um toque,

carinho do maravilhoso público de Soncent”.

actualizado, exigido com o tempo e anos de carreira, de forma a agradar a todos.

Para a história ficam álbuns como “Total Love I”, “Total Love II”, “Romance”, “Aventura” ,“Grace Évora Live in Rotterdam” e “The Best Off”. A par

do duplo CD, é composto por vários duetos com

da carreira a solo, Grace Évora foi e é o icónico

artistas nacionais e internacionais. Entre os

baterista do grupo Livity, e fez parte do grupo

artistas que compõem esta constelação estão

Splash, duas das grandes bandas da música das

Nancy Vieira e Dynamo.

ilhas.

© edson silva

O álbum tem como marca o número dois. Além

24


Provedoria do Mindelo: Acção virtual por uma reacção real C

riticar e apontar os males sociais foi sempre

Diversas questões têm chamado a atenção

uma atitude característica do Mindelense.

dos provedores: cultura, saúde, segurança e

Atitude que, por vezes, não dobra uma esquina

urbanismo. Com destaque, no momento, para a

partindo do princípio que as críticas são feitas

cultura, mais propriamente para a banalização do

às escondidas. Ligar uma camera de filmar ou

carnaval, o ouro Mindelense.

gravador é motivo suficiente para acabar com a bravura do bom “mandador de bocas”. Contudo, com o surgimento da rede social Facebook tornou-se possível, com um perfil real ou falso, criticar o errado e ser, aos olhos do mundo, um cidadão exemplar. Não pretendendo ser um cidadão perfeito, mas para zelar pela melhoria da cidade, em diferentes aspectos, surgiu a página oficial do “Provedor do Mindelo” no Facebook.

Levar o carnaval para o Festival Baía das Gatas, não foi visto com bons olhos. Isto porque, segundo explica Nuno, a imagem do carnaval tem sido utilizada para “tudo e qualquer coisa”. O Provedor não é contra o carnaval de verão, pois acredita criar nos emigrantes a ânsia de brincar ao carnaval, mas realça que tudo deve ser feito a seu tempo.

Uma semente lançada no Mindelo, por Deluca

Falar de provedoria num ano eleitoral soa suspeito

Monteiro e Nuno Curado, que deu frutos também

aos ouvidos dos conservadores. Uma questão

nas ilhas do Sal, Boa Vista, Fogo e Santiago.

esclarecida por Nuno Curado. “A Provedoria do

Provedorias que funcionam unicamente na rede

Mindelo não tem nenhuma ligação política e nem

virtual, por meio de denúncias que chegam dos

dá preferência a nenhuma cor política. Temos

cidadãos de cada ilha. O Provedor publica e

como finalidade melhorar a cidade e a ilha”. Prova

espera que sua acção se converta numa reacção

disso, é que a Provedoria do Mindelo está de

na vida real.

férias durante o período eleitoral, de modo a evitar conotações erradas.

25


Lazareto Games Festival Juventude: mais desporto, melhor saúde. Desporto, cultura e acção social são pontos-

A nível cultural, a organização preconiza o

chave da quinta edição do Lazareto Games

despontar de talentos. Isto é, vai dar a oportunidade

Festival organizado pela Câmara Municipal de

aos jovens de apresentarem trabalhos realizados

São Vicente. Um festival juvenil, que acontece de

ao longo do ano, até a data do festival.

9 a 18 de Setembro, no complexo desportivo do Lazareto.

Os pequenitos também têm vez no Lazareto

Na vertente desportiva serão realizados torneios em

diversas

modalidades,

nomeadamente

andebol, futebol, ténis, basquetebol, cricket, entre outros, mas constam também do programa

Games Festival. No domingo, 18 de Setembro, além da entrega dos prémios, acontece o Mini Lazareto Games, exclusivamente dedicado aos pequenos.

actividades formativas com os desportistas locais

O festival marca assim o final das férias escolares

Alexandre Alhinho e Kula Monteiro.

sob o lema “Juventude: mais desporto, melhor

Para além de divulgar a prática do desporto, a

saúde”.

organização pretende também recolher materiais didácticos e brinquedos, para posterior doação a jardins infantis, sob a responsabilidade da Câmara Municipal de São Vicente.

27


d r a o dyb league

Bo

team

As modalidades de surf têm

As equipas são constituídas por oito atletas

conquistado cada vez mais

distribuídos nas categorias de bodyboard open,

adeptos em São Vicente, com grande

bodyboard

feminino,

bodyboard

dropknee

e

destaque para os jovens e crianças, o

bodyboard sub-18. Entretanto, na terceira fase o

que já motivou a abertura de duas escolas de

número de atletas em competição aumentou de 8

surf, que têm conseguido manter um calendário

para 10 elementos.

de vários campeonatos, ao longo do ano, na ilha. Antes as competições aconteciam de forma

Participaram da competição em grupo mais de

individual ou dupla, conforme o formato da

30 atletas, ao longo das três etapas. E fica assim

prova, mas, desde fevereiro de 2016, mudou-

a marca de colocar em uma única competição,

se o panorama das competições com a criação

as diversas categorias em prova. A última prova

do “Bodyboard team league”, que surge como

decorrida em julho foi vencida pela equipa de

uma competição regional que reúne numa única

Swell d´Sul, tendo a equipa da Sabura conseguido

prova, todas as modalidades do surf. Um regional

o segundo lugar do pódio.

inspirado no campeonato mundial Isa world. A iniciativa partiu de Elton Lopes e Augusto

Um circuito que, para os organizadores, pretende

Duarte, dois jovens amantes das ondas, que com

não só dinamizar o desporto sobre as ondas, mas

apoio da associação Skibosurf realizaram um

também engajar mais mulheres na modalidade.

circuito de competições divididas em 3 etapas.

Para o ano há mais e os organizadores esperam

A primeira aconteceu em janeiro deste ano, na

conseguir fazer um circuito aberto a atletas de

Praia Grande; a 2ª nos dias 04 e 05 de julho; e a

outras ilhas.

Beach, a “casa” dos surfistas em São Vicente.

28

© bodyboard team league

última fase de 30 a 31 de julho, na praia de Sandy


Infantil Livros infanto-juvenis da literatura cabo-verdiana

A fita cor-de-rosa, de Dai Varela

O imaginário cabo-verdiano foi sempre marcado

O mundo da fantasia e do amor é também retratado

por estórias, mitos e lendas. Algumas delas foram

na obra “A fita cor-de-rosa”, de Dai Varela. O livro,

transformadas em livros, que Vila Leopoldina

lançado em 2014, desvenda a estória de uma gata

apresenta agora na rubrica Infantil desta edição.

janota que reinava sozinha numa ilha deserta,

Esta é apenas uma parte do resultado de uma

ansiosa por encontrar um amor. Um dia consegue

recolha, por publicações, de escritores nacionais,

capturar o pombo cheio de cores que sempre quis

feita pelo jornalista e escritor Dai Varela.

comer. A ave promete então à gata que se a deixar

Essa

recolha

incluiu

revistas,

livro-CD

e

partir irá voltar com um companheiro para a amar.

publicações de contos em revistas voltadas para a infância. Vila Leopoldina traz aqui algumas dessas publicações que podem ser uma ótima opção para os mais pequenos.

Blimundo, de Leão Lopes Quem se recorda de “ó boi, Senhor rei mandam bem eskob pa ba kasa ma um vakinha de praia”? A letra que dá vida ao Blimundo, personagem e nome

SOLRAC no planeta terra, de Carlos Araújo

da obra escrita por Leão Lopes, em 1982. Uma

Carlos Araújo trouxe em 2015 “SOLRAC no

estória que retrata uma paixão e revolta, recheada

planeta terra”, ilustrado pela bióloga Mindelense,

de

Nathalie Melo.

símbolos que reflectem as preocupações

humanas, numa época em que ainda se falava em escravatura e da desigualdade entre os homens.

Um livro que retrata a estória de uma perso-

A estória de Blimundo

nagem que chega a

pode também ser ouvi-

um lugar cheio de lixo

da pela voz de Celina

e que, com o passar do

Pereira, no áudio livro

tempo, descobre estar

“Estória, Estória - Do

no planeta terra.

Tambor

Blimundo”,

planeta que desapa-

com contos tradicionais

receu há milhares de

a

africanos, acompanha-

Um

anos devido à insensatez dos seus habitantes.

dos de cantigas de roda e mornas.

29


Ribeira Bote Setembro com Morna Jazz Festival

Setembro ficará para sempre marcado na história

O ponto alto das actividades é reservado ao

do bairro de Ribeira Bote em São Vicente. Um

festival de música, Morna Jazz que nesta edição

espaço que, há 42 anos, ouviu um intenso ecoar

homenageia Djack Monteiro. Um músico e

de tiros na noite de 23 de Setembro. Sons da tropa

compositor da ilha do Monte Cara, que carrega

colonial portuguesa a ser expulsa e posta a correr

no peito o símbolo de pertença à zona libertada.

deste bairro periférico do Mindelo, fazendo com

Motivos não faltam para homenagear o trabalho

que esta se tornasse a primeira “zona libertada de

feito por este homem companheiro de andanças

Cabo Verde” antes da independência.

do falecido cantor Bana.

Contudo, em Setembro de 2013, ouviram-se

Para homenagear este músico, Morna Jazz leva

sons bem diferentes no bairro. Vozes, guitarra e

este ano aos palcos do festival músicos como

piano. Era Morna e Jazz, do Morna Jazz Festival

Vasco Martins, Talas e Banda, Cordas do Sol,

organizado pela Associação Morna Jazz Festival

Rebecca Wolsdal, Sakis de Praia, entre outros,

World Music num grito de 38 anos de liberdade.

num total de vinte artistas.

Um festival que não ficou por ali, pois já vai na

Morna Jazz pretende, uma vez mais, dissociar a

sua quarta edição e que conta com um mês

ideia preconcebida de muitos de que o bairro é

de actividades no bairro, de entre as quais

problemático e mostrar assim o carisma, amor e

enquadram-se

de

amizade da população de Ribeira Bote e desta

artesanato, feiras de saúde, cinema ao ar livre,

forma levantar a auto-estima dos residentes de

entre outras.

um bairro que já brotou importantes figuras da ilha

torneios

diversos,

feiras

como Vlu e Capitão Ambrósio que dá nome a uma das ruas do bairro, entre outros.

30


Artesanato Art Cretcheu Akuaba Cap Vert + Art Design

Exposições Centro Cultural do Mindelo Centro Nacional de Artesanato e Design Museu do Mar Núcleo Museológico Cesária Évora Palácio do Povo Quintal das Artes

Música ao Vivo Bar Holanda Casa da Morna Hotel Porto Grande Jazzy Bird Nhô Djunga Ponto G Prassa 3

Bibliotecas/Salas de leitura Alliance Française Biblioteca Municipal Centro Cultural Português Mediateca

Galerias Alternativa Pont d´Água Ponta d´Praia Art Gallery Zero Point Art

Piscinas Aqua Fun Hotel Porto Grande Martini Sunset Pont d’Água

Cinema Cine-clube do Mindelo Uni Mindelo

Infanto Juvenil Brincolândia Parque Lazareto Parque Praça Nhô Roque

Salas de Espectáculo Academia Jotamonte ALAIM Centro Cultural do MIndelo Centro Social de Ribeira de Craquinha

Discos Harmonia

Hiace Val 9842472 Benvindo 9965034 Nilton 9968166

Taxi Sr. Cirik (dia) 9875143 Speed (dia) 9978389 Kiki (noite) 9580680 Yannick (noite) 9993976

Ensino Artístico ALAIM Atelier Mar Escola Municipal de Música M_EIA

Livrarias Centro Cultural do Mindelo Nhô Djunga Semente Terra Nova

Aluguer de Autocarro 9919146

31


32

003 - 2314882 - Morada

La Bodeguita - 9956113 - Alto Miramar

A Taverna - 9512268 - Morada

La Pergola - 9827675 - Morada

ABC - 2311327 – Ribeira Bote

La Pizza - 9195981 - Morada

Archote - 2323916 / 2325917 - Alto S.Nicolau

Le Gout -

Bettencourt - Rua d’ Praia

Mamma Mia - 3531456 - Rua d’ Praia

Burgo Italiano - 9208907 - Laginha

Marina - 2300032 - Rua d’ Praia

Canal Club

Morabeza - 2313082 - Morada

Casa Café Mindelo - 2313735 / 2318731- Morada

Nautilus - 2313626 - Rua d’ Praia

Chave d’Ouro - 2327050 - Morada

O Cocktail - 2327275 - Morada

Chez Loutcha - 2321636 - Morada

Palm - 9583333 - Morada

Colombinho - 2312144 - Morada

Pastelaria Algarve - 2318921 - Morada

D. Domingas - Rua d’ Praia

Pica-Pau - 2328207 - Morada

Dokas - 9989257 - Avenida Marginal

Pont d’Água - 2310112 - Rua d’ Praia

Esplanada Caravela - 2312927 - Laginha

Porta Azul - 9806677 - Morada

Fund d’Mar - 2325772 - Morada

Prassa 3 - 2300809 - Praça Nova

Gabilândia - 9941760 - Laginha

Café Royal - 9941885 - Morada

Guidauss

Simpático - 9103030 - Morada

Hamburgov

Sodad - 2313370 - Morada

Kretcheu - 2300163 - Morada

Web Café

2326112 - Rua d’ Praia


© helder doca

MINdelo by Night Bar Holanda Caravela -

9918616 - Laginha

2312927 - Laginha

Casa da Morna Fund dMar -

2325772 - Morada

Gentleman’s Hashtag -

3621169 - Rua d’ Praia

9915902 - Morada

Não encontro

Jazzy Bird -

9915755 - Morada

La Bodeguita -

9956113 - Alto Miramar

Mon Cherie -

2300163 - Morada

Nhô Djunga -

9822360 - Morada

Pont d’Agua Porta Azul Prassa 3 -

2310112 - Rua d’ Praia

9806677 - Morada

2300809 - Praça Nova

Shisha Louge Sirius -

9830723 - Madeiralzinho

2323190 - Morada

33


Onde Dormir Apart Hotel Avenida - 2323435 - Morada Casa Café Mindelo - 2313735 / 2318731- Morada Chave d Ouro - 2327050 - Morada Chez Loutcha - 2321636 - Morada Colonial - 2318760 - Morada Dom Paco - 2319381 - Morada Hotel Porto Grande - 2323190 - Morada Jenny - 2328969 - Alto São Nicolau Kyra´s - 2300274 - Morada Mindel Hotel - 2328881 - Morada Pensão Kretcheu - 2300163 - Morada Prassa 3 - 2300809 - Praça Nova Residencial Laginha - 9972417 - Laginha Residencial Mindelo - 230 08 63 / 2323216 - Morada Residencial Raiar - 2314740 - Alto São Nicolau Café Royal - 9941885 - Morada

02

34


Janeiro

Agosto

Festividades Populares de Boas Festas pela

Mindel Summer Jazz

Cidade

Carnaval de Verão

22, Dia do Município

Festival Baía das Gatas

Fevereiro

Setembro

Carnaval

Festival Morna Jazz Open Sandy

Março Mês do Teatro

Mindelact – Festival Internacional de Teatro Novembro

Abril

Mês Internacional do Hip Hop

Semana da Juventude

Expomar

30, Dia Internacional do Jazz

Artesanato

Maio MARDRAMA – Encontro Internacional de

FIC – Feira Internacional de Cabo Verde (bianual)

Dramaturgos de Língua Portuguesa

Dezembro

Catchupa Factory

Feira de Artesanato

11, Tributo a Bob Marley

17, Serenata Cesária Évora

Junho MOTIM – Mostra de Teatro Infantil 23, Festas de São João

31, Racordai 31 e 1/1 Fogos de Artifício e Baile Popular na Rua de Lisboa

29, Festas de São Pedro Julho Kavala Fresk Feastival Laginha Summer Fest

Brevemente

^

Novembro, mes Internacional do Hip Hop

35


produzimos.o2@gmail.com

Vila Leopoldina - nº1  

Teatro de Mund na Soncent: é assim o mês de Setembro no Mindelo, cidade onde cabe este mundo e o outro mas, neste mês, é o mundo que sobe ao...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you