Page 1

ANO LXXXVIII • N.º 1183 de 1 de Março de 2014 • 1,00 € • Taxa Paga • Sesimbra - Portugal (Autorizado a circular em invólucro de plástico Aut. • DE00722014RCMS/RL)

Os Desafios e Oportunidades do Carnaval de Sesimbra Página 7

Finisterra 38 países marcam presença no festival Página 13

Campeonato Nacional de Canoagem

Clube Naval foi o grande vencedor

Página 19

Especial Carnaval 2014

Páginas centrais


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

2

EDITORIAL

Contactos uteis nBombeiros Voluntários de Sesimbra Piquete de Sesimbra: 21 228 84 50 Piquete da Quinta do Conde: 21 210 61 74 nGNR Sesimbra: 21 228 95 10 Alfarim: 21 268 88 10 Quinta do Conde: 21 210 07 18 nPolícia Marítima 21 228 07 78 nProtecção Civil (CMS) 21 228 05 21 nCentros de Saúde Sesimbra: 21 228 96 00 Santana: 21 268 92 80 Quinta do Conde: 21 211 09 40 nHospital Garcia d’Orta Almada 21 294 02 94 nComissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Sesimbra 21 268 73 45 nPiquete de Águas (CMS) 21 223 23 21 / 93 998 06 24 nEDP (avarias) 800 50 65 06 nSegurança Social (VIA) 808 266 266

nServiço de Finanças de Sesimbra 212 289 300 nNúmero Europeu de Emergência 112 (Grátis) nLinha Nacional de Emergência Social 144 (Grátis) nSaúde 24 808 24 24 24 nIntoxicações - INEM 808 250 143 nAssembleia Municipal 21 228 85 51 nCâmara Municipal de Sesimbra 21 228 85 00 (geral) 800 22 88 50 (reclamações) nJunta de Freguesia do Castelo 21 268 92 10 nJunta de Freguesia de Santiago 21 228 84 10 nJunta de Freguesia da Quinta do Conde 21 210 83 70 nCTT Sesimbra: 21 223 21 69 Santana: 21 268 45 74

nAnulação de cartões SIBS (Sociedade Interbancária de Serviços) 808 201 251 217 813 080 Caixa Geral de Depósitos 21 842 24 24 707 24 24 24 Santander Totta 707 21 24 24 21 780 73 64 Millennium BCP 707 50 24 24 91 827 24 24 BPI 21 720 77 00 22 607 22 66 Montepio Geral 808 20 26 26 Banif 808 200 200 BES 707 24 73 65 Crédito Agrícola 808 20 60 60 Banco Popular 808 20 16 16 Barclays 707 30 30 30

Farmácias de Serviço

Com o apoio:

Farmácia da Cotovia

212 681 685

Avenida João Paulo II, 52-C, Cotovia

Farmácia de Santana

212 688 370

Estrada Nacional 378, Santana

Farmácia Leão

212 288 078

Avenida da Liberdade, 13, Sesimbra

Farmácia Lopes

212 233 028

Rua Cândido dos Reis, 21, Sesimbra

Edição publicada segundo o novo acordo ortográfico

Boas Vindas ao Carnaval e às Sugestões dos Sesimbrenses! Há muito que O Sesimbrense com 87 anos e a Liga dos Amigos de Sesimbra, sua proprietária, não estavam tão vivos. Estamos em sintonia com a energia contagiante que se sente por todo o concelho nas centenas de sambistas. Temos 21 novos homens e mulheres, dos 25 aos 89 anos, voluntários do conselho editorial, direção e demais órgãos associativos. Com o apoio de muitos que se tem vindo e venham a juntar, quebraremos a perda constante de associados dos últimos anos (mesmo antes da crise). Esta queda ameaçava um Jornal património de Sesimbra, cuja Liga tem por obrigação estatutária defender. Por isso a tomada de posse da direção coincidiu com a nomeação de um conselho editorial diversificado em género, idade e etnia, liderado pelo prestigiado Dr. David Sequerra. Este conselho de imediato cumpriu a obrigação estatutária de oferecer sugestões à direção do Jornal. O empenho de todos em dar vida aos estatutos deparou-se com a emergência da súbita demissão do diretor do jornal. Assim o recém eleito presidente da liga foi inesperadamente forçado a ser também arrais do jornal. Resgatámos para porto seguro o barco com a ajuda de um filho de arrais de Sesimbra, Mário Chagas, e de toda a restante equipa da Liga, desde o presidente da assembleia geral Pedro Filipe à crucial Fátima Rodrigues, jornalista voluntária do conselho editorial que fez a agenda e muitas peças. Os órgãos associativos da Liga querem um Sesimbrense aberto à comunidade e suas sugestões. Auscultámos as diversas preferências dos leitores do Castelo à Quinta do Conde para sermos apelativos e inclusivos. Procurámos uma panóplia de colaboradores, alguns já nesta edição e outros “contratados” para as próximas. Secções populares no passado, entretanto perdidas, serão também recuperadas brevemente por sugestão dos leitores. Para encarnar esta abertura à comunidade acabámos de escolher uma excelente futura diretora com formação em comunicação social; fez estágio na Liga e vive no

Zambujal, descendente de família da vila. Será uma refrescante surpresa para os leitores já na próxima edição. Sabe o que é o sucesso construído com humildade e escutando sugestões. Foi nos recomendada após reunião com uma empresa local que conhece bem os ingredientes para o triunfo, na sequência do apelo que também fizemos a varias outras personalidades e entidades para nos sugerirem candidatos. A Liga, respeitando os seus estatutos, caminhará sempre em simbiose com O Sesimbrense e vice versa. Tivemos um intenso primeiro mês de mandato em que além de conseguirmos levar a bom porto O Sesimbrense, iniciámos o programa para que fomos eleitos. Reunimo-nos com leitores e anunciantes, poderes locais e nacionais, empresários das pescas aos hotéis, bancos, autoridade marítima, coletividades, terceiro sector, escolas, figuras nacionais e internacionais com ligação a Sesimbra. Promovemos um dialogo frutífero e independente entre todos, impulsionado pela sociedade civil e com respeito pelos poderes eleitos, juntos navegando em prol do paraíso de Sesimbra. Produzimos já um debate profundo sobre os desafios e oportunidades do carnaval de Sesimbra com a presença tertuliana de especialistas, universidades, escolas de samba, população e órgãos autárquicos. Aqui vos apresentamos as conclusões desse tema bem como o vosso Sesimbrense de sempre, virado para o futuro mas honrando o passado. Bons sambas, boas leituras e um apelo para que todos os amigos de Sesimbra continuem a participar nos debates da liga para assinalar o paraíso que é o nosso concelho. Saudações piscosas! p.s. Regressei a Sesimbra depois de décadas a estudar e trabalhar nos Estados Unidos da América porque nunca me esqueci da felicidade máxima de sentir o mar do paraíso em criança, no barco e apartamento da família na falésia (foto do meu primo João Brito quando éramos crianças). Pedro Caetano, Presidente da Liga dos Amigos de Sesimbra


ATUALIDADE

O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

3

Explosão provoca ferido ligeiro No passado dia 22 de fevereiro, por volta das 08h00, uma residência na Almoinha, em Sesimbra, ficou parcialmente destruída, devido a uma explosão, provocada por uma fuga de gás. Deste incidente, segundo

Docapesca promove aulas de culinária

“Polvo foi rei em Sesimbra”

fonte da GNR, resultou um ferido ligeiro, uma jovem de 26 anos, com queimaduras de primeiro grau, que terá sido encaminhada para o Hospital de São Bernardo, em Setúbal. Até ao encerramento da edição não obtivemos mais informações.

Idoso encontrado morto após incêndio

O Mercado Municipal de Sesimbra e o Mercado Municipal da Quinta do Conde acolheram nos dias 14 e 15 de fevereiro, respetivamente, ações de promoção do consumo do polvo, organizadas pela Docapesca, em colaboração com o Município de Sesimbra. A iniciativa que tinha como mote “o polvo”, dividia-se em dois momentos. O primeiro era a realização de duas aulas de culinária gratuitas e o segundo as degustações. No dia 14 de fevereiro no Mercado Municipal de Sesimbra, esteve presente na acção, o presidente da Câmara de Sesimbra, Augusto Pólvora, bem como, um dos elementos da Administração da Docapesca, Isabel Guerra, e o diretor da Delegação Centro Sul, João Pólvora.

Na iniciativa e nos dois dias estiveram presentes o Chef José Serrano e alunos da Escola de Hotelaria e turismo de Setúbal, No dia 15 de fevereiro no mercado da Quinta do Conde, esteve presente no certame, o diretor da Delegação Centro Sul, bem como um representante da Câmara Municipal de Sesimbra, Ana Antunes. A iniciativa contou no âmbito geral, com cerca de 60 participantes que aprenderam a confecionar duas receitas de polvo.

Esta iniciativa enquadrase no âmbito do projeto CCL– Comprovativo de Compra em Lota, cuja etiqueta, com as cores da Bandeira Nacional, permite identificar, junto do consumidor final, a lota onde o pescado foi transacionado e é garantia do cumprimento das normas de higiene e segurança alimentar, identificando ainda a arte de pesca utilizada. É um selo de informação ao consumidor, distinguindo um produto do mar e de confiança.

BES fecha balcão em Alfarim

Alfarim vai ter caixa multibanco No passado dia 1 de fevereiro o balcão do Banco Espirito Santo de Alfarim encerrou as suas portas. Clientes e população sentem que perderam um serviço que lhes era de extrema utilidade. O balcão que servia a freguesia do Castelo e que segundo a população, faz

Um incêndio destruiu uma habitação, no dia 24 de fevereiro, na Rua Elias Garcia, em Sesimbra. O único morador, com cerca de 90 anos, conhecido pelos vizinhos por Sr. Gaspar, encontrava-se na residência quando foi dado o alerta, por volta das 08h30. Segundo fonte próxima da vítima, o fogo terá sido provocado por um aquece-

dor, que terá incendiado. Quando os bombeiros chegaram ao local, o idoso estava inconsciente. “Foi efectuada manobra de reanimação, e de seguida transportámo-lo para o hospital São Bernardo, em Setúbal” acrescentou fonte dos BVS. Até ao fecho da edição, não obtivemos informações sobre a causa do falecimento do idoso.

falta dada a sua localização junto da restauração e demais comércio, bem como restantes residentes. Com a saída do balcão a população viu-se ainda privada da utilização do multibanco, o que leva a que agora tenha de se deslocar cerca de seis quilómetros até à Cotovia, para fazer as suas operações financeiras. Segundo informações do gabinete de comunicação do BES o encerramento deve-se a uma estratégia de gestão de recursos e dada

a proximidade do balcão da Cotovia, os seus clientes poderiam deslocar-se com alguma facilidade ao balcão. Segundo a mesma fonte a caixa multibanco vai voltar para Alfarim, não para o mesmo local, mas para junto do restaurante Alfa, com o qual já foram formalizadas as questões formais do processo, pois, segundo o gabinete de comunicação do banco este é o serviço que a população mais necessita no local.


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

POLÍTICA

4

O desemprego é um tema de extrema importância para a população de Sesimbra e para o país. Atualmente são muito as famílias os jovens que abandonam Portugal à procura de alguma realização profissional e financeira. O Sesimbrense desafiou os partidos com assento na Assembleia Municipal a falar sobre este problema.

Bloco de Esquerda

A taxa de Desemprego desceu pela 10ª vez consecutiva, concorda com os valores apresentados? Segundo dados oficiais o desemprego em 2013 atingiu 16,4%, sendo que no último trimestre de 2013 era de 15,3%. Contudo, estes números não reflectem o número real de desempregados no país. A taxa de desemprego calculada pelo INE resulta da proporção entre pessoas desempregadas inscritas nos centros de emprego e o total da população activa. Não contempla os desempregados com inscrição “inactiva”, aqueles que já desistiram de procurar emprego, os desempregados de longa duração que há muito deixaram de ter qualquer apoio pela situação de desemprego ou ainda os desempregados com inscrição “ocupado” por estarem inseridos em programas de formação e contratos de emprego e inserção (que não são empregos e têm uma duração limitada). Consequentemente, a taxa de desemprego pode diminuir por vários motivos: 1) emigração; 2) se mais pessoas tiverem desistido de procurar activamente trabalho ou 3) se houver mais pessoas em situação de subemprego, trabalhando horas reduzidas a baixos salários ou inseridas em programas CEI/CEI+ e formação profissional. Nos últimos dois anos registou-se a maior vaga de emigração desde a década de 60. Em 2012 atingiu-se um novo máximo histórico ao saírem do país 121.418 pessoas (apenas em 1964 se tinha registado um número próximo: 120.239). Também as situações de emprego parcial, com 2 a 10 horas de trabalho semanal têm crescido retirando das estatísticas oficiais de desemprego milhares de trabalhadores com rendimentos miseráveis e que estariam disponíveis para

trabalhar mais horas. Se contarmos com toda esta gente, a taxa de desemprego real dispara para perto de 23%. De referir ainda que mais de metade dos desempregados oficiais não recebem qualquer tipo de apoio para a situação de desemprego. Esta é a retoma económica da Troika e do governo PSD-CDS. Que medidas tomaria o seu partido de forma a minimizar o desemprego no concelho? A recessão está intimamente relacionada com a quebra de investimento e com a queda brutal do consumo - motivada pela redução de pensões e salários, pelo aumento brutal de impostos e pela consequente diminuição do poder de compra. Esta recessão não poderá ser compensada pelo sector das exportações que continua dependente das importações e anula assim o seu efeito no PIB e no equilíbrio da balança comercial. A relação entre austeridade e desemprego é indiscutível e só revertendo estas políticas que nos têm governado será possível dinamizar a economia e a criação de emprego. É por isso urgente garantir a recuperação da procura interna: investimento e consumo. O aumento do salário mínimo nacional, a reposição dos salários e pensões cortados e a redução da taxa de IVA (sobretudo na restauração e nos serviços de primeira necessidade como água e electricidade) são indispensáveis à dinamização da procura na economia. O Bloco de Esquerda apre-

sentou já diversas medidas que permitem a criação directa de emprego através do investimento na reabilitação urbana e nos serviços de apoio social. Estes seriam também investimentos geradores de emprego no concelho de Sesimbra. Acresce ainda a revitalização da pesca e agricultura, do turismo sustentável e do comércio local. Quais as medidas e incentivos existentes no concelho para empresas e trabalhadores a nível do desemprego? Não São conhecidas medidas explicitamente dirigidas à criação de emprego no concelho de Sesimbra à excepção das medidas nacionais e dos GIP’s (Gabinetes de Inserção Profissional) e de alguns cursos de formação profissional, em muitos casos desadequados à procura do mercado e às competências dos desempregados. Sandra Cunha

CDU

A taxa de Desemprego desceu pela 10ª vez consecutiva, concorda com os valores apresentados? A taxa de desemprego recuou para 15,4% em Dezembro de 2013, o que representa de facto a 10ª queda consecutiva do número de desempregados. Este é o valor mais baixo desde Maio de 2012 e representa os dados oficiais o que, em tempos normais seriam uma boa notícia. Lamentavelmente, estes não são tempos normais e não podemos desassociar estes números, aqueles da emigração. Sabemos, também por fontes oficiais que no ano de 2012 emigraram mais de 120 mil portugueses e que no ano de 2013 emigraram mensalmente cerca de 10 mil concidadãos nossos, dados estes, com peso enorme na taxa de desemprego. Assim, estes dados relativos à taxa de desemprego escondem uma realidade bem

mais dramática e inaceitável que vêm contrariar a propaganda eleitoralista do governo PSD-CDS de que a taxa de desemprego não baixa pelo facto de a economia absorver estas pessoas, mas sim porque elas optam por procurar fora do país aquilo que o país lhes nega. Que medidas tomaria o seu partido de forma a minimizar o desemprego no concelho? Convém ter presente que para haver emprego é preciso haver “crescimento económico”. O crescimento económico pode acontecer através do impulso ao mercado interno (procura interna) e através das exportações. Temos assistido nestes últimos 3 anos á degradação do mercado interno provocado pelas gravosas medidas de austeridade implementadas pelo governo PSD-CDS refletidas no brutal aumento de impostos diretos e indiretos, cortes nos salários e subsídios entre muitas das medidas tomadas asfixiando os clientes das empresas, ou seja, todos nós. Por outro lado, as exportações têm vindo a crescer graças aos produtos petrolíferos refinados que saem diretamente da refinaria de Sines. Mas, este impulso por si não é suficiente. A nível local temos vindo a assistir ao mesmo sufoco por parte dos empresários e das empresas. Porém, a CM Sesimbra tem ao longo destes dois mandatos e mesmo antes que a crise se instalasse, tentado dinamizar o concelho e desenvolver a sua economia. Falo da CM Sesimbra pois tem sido a CDU a governar os destinos do município, como é bem sabido e logo, o trabalho realizado traduz um programa que tem por base os ideais do PCP e do partido ecologista os verdes (CDU). Assim, o esforço da autarquia tem sido no sentido de melhorar a qualidade de vida dos munícipes e dessa forma também criar condições de maior atratividade do concelho, através da construção de espaços verdes, infraestruturas desportivas e recreativas, recuperação de património, melhoramento na rede de saneamento básico e rede rodoviária etc… também com o sentido de trazer mais gente para o nosso concelho e consequentemente mais desenvolvimento social e económico. Mas a Cm Sesimbra tem atuado de forma mais dire-

ta com vista ao desenvolvimento económico do nosso concelho e assim disponibiliza apoio ao empresário, através do gabinete de apoio ao empresário, tem criado o gabinete de apoio às pescas e ruralidade, gabinete de feiras e mercados, tem baixado taxas municipais de licenciamento de publicidade e taxa de ocupação do espaço público, relativamente a suportes publicitários, tem baixado os valores pagos pelos espaços de venda nos mercados municipais com vista também a valorizar o pequeno comercio e o escoamento dos produtos locais, em parceria com as juntas de freguesias do concelho tem organizado e desenvolvido várias atividades/eventos no sentido de promover a sua terra e os seus produtos, como sendo a Quinzena Gastronómica das Sopas do Mar, Festival da Serra e do Mar, Zimbramel, Zimbr arte, Quinzena Gastronómica do Espadarte, Semana Gastronómica Sabores de Outono e Cond’Arte - Feira de Artesanato entre outras, tem desenvolvido as hortas urbanas. A CM Sesimbra tem organizado e apoiado inventos/feiras locais no sentido de promover produtos regionais, onde a Zimbramel tem tido maior expressão e participado em feiras nacionais e internacionais como é o caso da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL). Com vista a promover ainda mais o turismo, foi criada a marca Sesimbra é peixe e foi também possível criar condições para chamar e manter o festival de música Super Bock Super Rock que acontece no verão (Meco) e que também pretende impulsionar a economia local. A outro nível tem desenvolvido o dossiê Mata de Sesimbra – sul, que visa trazer para o concelho um investimento avultado e dessa forma promover sem margem para duvidas o emprego. Estes são exemplos concretos e atividades postas no terreno mas, quero aproveitar para convidar todos os leitores a navegar no site da Cm Sesimbra e verificar mais iniciativas desenvolvidas e/ou a desenvolver por parte do município, logo dos eleitos da CDU. Quais as medidas e incentivos existentes no concelho para empresas e trabalhadores a nível do desemprego? A resposta a esta pergunta está contida na pergunta n.º 2. Alain Monteiro


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

MSU

A taxa de Desemprego desceu pela 10ª vez consecutiva, concorda com os valores apresentados? Segundo o gabinete oficial de estatísticas comunitário, a taxa de desemprego em Portugal baixou em Dezembro de 2013, pelo décimo mês consecutivo, para os 15,4%, a maior redução homóloga da União Europeia, a par da Irlanda e da Letónia. Todavia, ao contrário do que vem sendo veiculado pelo Governo, esta aparente descida do desemprego, não atesta a evolução da economia portuguesa, nem a recuperação das empresas no país, pois em Janeiro de 2014, o número de pessoas inscritas nos centros de emprego aumentou, ascendendo a mais de 700.000, dado que demonstra que a economia nacional ainda está longe de reverter o ciclo negativo e a espiral descendente dos últimos anos. Num país com cerca de 2.750.000 pobres, as políticas de austeridade do Governo têm incrementado o desemprego, não surpreendendo que os recursos valiosos do país optem por procurar oportunidades de trabalho em países onde as suas capacidades e competências sejam devidamente valorizadas. Em suma, a pretensa descida da taxa de desemprego é puro engano, pois desconsidera o crescente fluxo de emigração, maioritariamente jovem, não sendo por acaso que o FMI continua a apontar o elevado desemprego em Portugal como motivo de preocupação. Que medidas tomaria o seu partido/grupo de cidadãos de forma a minimizar o desemprego no concelho? O aumento do desemprego no concelho é, a par de fatores como a ruína das actividades económicas da construção e do imobiliário, fruto da ausência, nas das últimas décadas, de políticas centradas no desenvolvimento económico do concelho. Os que teimam em analisar o flagelo do desemprego a uma escala nacional, sem atender às especificidades do concelho de Sesimbra, tal como o fizeram em relação à anormal taxa de abstenção que se verificou nas últimas eleições autárquicas, estão a desferir um profundo ataque à inteligência dos cidadãos e munícipes de Sesimbra. Para reverter esta situação de marasmo económico, necessitamos de uma política de melhor aproveitamento dos recursos

humanos, naturais e materiais do concelho que aposte no turismo como sector impulsionador da economia local, planeada de uma forma organizada e em conjunto com os comerciantes de Sesimbra, devendose deixar em segundo plano todas as obras não essenciais às populações. Uma das actividades que sempre foi e será um pólo de atracção turística é o Carnaval, devendo-se criar condições para a auto-sustentação das várias colectividades envolvidas, de modo a acabar com a “subsídio-dependência” em relação à autarquia, podendo-se inclusive pensar na criação de um Museu do Traje de Carnaval dotado de salas de espectáculos, e de exposição de trajes de carnaval e outros símbolos do carnaval de Sesimbra, onde se conte a história do nosso Carnaval, com receitas a reverterem para as Escolas de Samba Uma actividade que traz tantos turistas ao concelho deverá ser explorada ao máximo, para que em torno da mesma se possa criar riqueza, mais projectos empresariais e, com eles, mais emprego para as populações. Outra actividade com grande projecção a nível concelhio diz respeito às festividades religiosas, devendo a autarquia incentivar ao desenvolvimento do artesanato alusivo às festas religiosas do concelho, e promover o turismo religioso de grande escala, com um itinerário de peregrinação com paragem no santuário do Cabo Espichel. E porque a prioridade deve ser o crescimento económico do concelho, é fundamental a criação de pacotes turísticos integrados que incluam estadia em hotel, refeições em restaurantes, prova de vinhos, visitas guiadas pelo património arquitectónico, viagem de barco e outras actividades relacionadas com o mar e natureza, lançando mão de mecanismos eficazes de publicitação de Sesimbra e de tudo o que tem para oferecer. Urge incentivar o empreendedorismo, apoiando-se os negócios que invistam na área cultural, em especial na Quinta do Conde. Criandose uma nova dinâmica, com envolvimento de todos os cidadãos, beneficiarão os produtores locais, a pesca, e outros sectores produtivos e, por maioria de razão, o emprego. Quais as medidas e incentivos existentes no concelho para empresas e trabalhadores a nível do desemprego? Salientamos o trabalho desenvolvido pelos Gabinetes de Inserção Profissional (GIP), em prol da empregabilidade e do estímulo à reinserção no mercado de trabalho dos ativos em situação de desemprego, mas é um trabalho que está condicionado pela contínua estagnação da economia local. Do mesmo modo, os programas de estágios profissionais, apesar de contribuírem positivamente para a inserção profissional de

5 desempregados e de jovens à procura do primeiro emprego, acabam por não ter continuidade, se não se garantir a criação e manutenção de postos de trabalho ao nível das organizações beneficiárias. Em matéria de incentivos a empresas para a contratação de trabalhadores, além dos programas a nível nacional, cremos que a nível local continua a faltar apoios relevantes. São por isso necessárias políticas eficazes e ajustadas à realidade local. Nuno Miguel Ribeiro

PS

A taxa de Desemprego desceu pela 10ª vez consecutiva, concorda com os valores apresentados? Há muito que se especula sobre esta matéria, em particular sobre a veracidade da informação que vai passando nos media, se esta é real ou se eventualmente poderá estar a ser manipulada, ou não… No momento atual, esta questão não poderia ser diferente se considerarmos a maior taxa de desemprego conhecida das últimas décadas, acompanhada da maior taxa de emigração de que há memória em Portugal, resultado das (a)políticas deste governo e da sua mandatária para as questões financeiras, a nossa conhecida Troika, que resultou no maior flagelo de sempre em termos de desemprego no nosso país! Assim, considerando que quando se efetua um estudo rigoroso com base na taxa de desemprego, devese anexar nesse estudo, duas rubricas fundamentais para que a informação seja o mais abrangente possível, desde logo, as pessoas consideradas inativas e disponíveis, mas que não procuram trabalho e, as pessoas inativas que procuram trabalho, mas não estão disponíveis… Estas pessoas, sem trabalho e “riscadas” dos registos por “não estarem disponíveis” ou por terem “deixado” de procurar trabalho, ficam fora das “contas” de somar para a avaliação final da referida taxa de desemprego no país! Estamos a falar de cerca de 290 mil pessoas que a somar à população desempregada e ativa sem trabalho, passaria de 923 mil pessoas sem trabalho para 1,2 milhões de pessoas sem ativi-

dade profissional, passando a taxa conhecida e normalmente divulgada de cerca de 16, 9% para uns reais 21% de taxa de desemprego em Portugal! Que medidas tomaria o seu partido de forma a minimizar o desemprego no concelho? Antes de se tomarem quaisquer medidas, é urgente fazer uma avaliação/estudo da população ativa desempregada no concelho para que se possa responder de forma eficaz às necessidades mais prementes, tendo em conta algumas características da maioria da população desempregada, que em grande parte, trabalhava no setor terciário, maioritariamente na construção civil e obras públicas ou comércio e outros serviços. Um número ainda assim bastante significativo de pessoas com níveis de escolaridade relativamente baixos e experiência de trabalho não certificada, tornando-se ativos com dificuldades acrescidas para fazerem face à competitividade no mercado de trabalho, nomeadamente em outros sectores profissionais da sociedade onde sejam exigidas maiores qualificações… A solução teria que passar pelo incentivo à economia local, nomeadamente no aumento do investimento privado e público, ainda que com dificuldades, mas com uma solicitação à criatividade! Nomeadamente, o apoio ao empreendedorismo por parte da Banca; criação de mecanismos de atratividade à revitalização, quer das atuais e mais necessitadas empresas, quer dos novos projetos geradores de emprego. A reabilitação e a reconstrução de edifícios degradados é uma das possíveis saídas da crise neste setor de atividade. Da mesma forma, a ascensão do turismo em Sesimbra é também uma meta obrigatoriamente a considerar como uma atividade de suporte à empregabilidade neste concelho, mas não pode ser apenas vista como uma atividade sazonal, a aposta terá que ser bem mais ambiciosa neste setor, a exemplo de Lisboa, que acaba de bater um novo record de 10 milhões de turistas (dormidas) na cidade! Aproximação aos empresários locais - levantamento das suas principais preocupações e dificuldades e qual o papel que a CMS poderá ter para tentar minimizar as mesmas. Com o apoio/mediação/ incentivo da Câmara Municipal, tentar atrair o investimento para Sesimbra, a exemplo de muitas outras autarquias no passado recente na zona da grande

Lisboa, seja por via da redução de taxas, seja por via de incentivos à fixação no local. Apresentação de todas as medidas de empregabilidade que existem atualmente e quais os benefícios que terão em contratar desempregados inscritos no Centro de emprego. Esta ação contribuiria para a redução da necessidade do recurso à chamada “economia paralela”, ou seja, a contratação de trabalhadores de forma ilegal, sem contrato, seguro de trabalho, entre outros. Quais as medidas e incentivos existentes no concelho para empresas e trabalhadores a nível do desemprego? As medidas e incentivos existentes no concelho são as mesmas que existem a nível nacional ao abrigo das medidas de apoio à contratação promovidos pelo IEFP, nomeadamente os contratos de emprego e inserção (CEI), os apoios à contratação, a formação profissional, entre outros, que de alguma forma conjuntamente com os GIP´s, muitas vezes, constituem a 1ª base de apoio e mediação entre entidade patronal e candidatos a emprego, ou seja, entre a procura e a oferta. Pedro Mesquita

PSD

A taxa de Desemprego desceu pela 10ª vez consecutiva, concorda com os valores apresentados? Obviamente que concordamos com os dados oficiais sobre a taxa de desemprego em Portugal neste momento, 15.3%, como concordamos no passado, as nossas instituições, (INE e IEFP) dispõem de técnicos dos mais qualificados, pelo que nos sentimos confortáveis com as suas previsões e com as suas estatísticas. Outra coisa é dizer que nos sintamos satisfeitos, claro que não, ninguém se pode sentir confortável sabendo que centenas de milhares de trabalhadores não podem dar o seu contributo para a recuperação deste pais, depois de termos sido atirados para o abismo por políticas desastradas e políticos sem visão, para lá do seu umbigo. Ainda temos um longo caminho a percorrer contra


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

6 (Continuação) a este maleficio social que é o desemprego, e a que o governo do PSD está a dar resposta, não só com medidas ativas de emprego e formação, mas também no apoio às empresas, elas sim criadoras de emprego, aliás dados que são referidos internacionalmente como relevantes da recuperação da nossa economia. Que medidas tomaria o seu partido de forma a minimizar o desemprego no concelho? O desemprego no concelho de Sesimbra, segundo os dados do IEFP, desceu nos últimos seis meses de 2857 desempregados para 2496 ou seja menos 361, o que é significativo porque não tem haver com a sazonalidade mas reflete uma recuperação sustentável, mas muito caminho temos ainda de percorrer O desemprego não pode ser visto com medidas avulsas e aplicadas concelho a concelho ou empresa a empresa, o combate ao desemprego faz-se, dinamizando a economia, dando incentivos fiscais e outros às empresas e Sesimbra como destino turístico de eleição deve ter uma politica estratégica que atraia empresas e eventos de forma a dinamizar toda uma economia local muito focada no turismo e nas suas atividades. Será uma prioridade quer para a autarquia quer para

a Região de Turismo de Lisboa, o promover as atividades e eventos ao longo do ano, que tragam para Sesimbra empresas e consumidores. Quais as medidas e incentivos existentes no concelho para empresas e trabalhadores a nível do desemprego? Em Sesimbra, existem exatamente as mesmas medidas que existem no restante território, não somos uma ilha e aplicam-se às empresas e aos trabalhadores os mesmos programas que aos restantes trabalhadores Portugueses, e enunciando alguns, podemos referir a Operação Desempregados desenvolvida pelo IEFP através do centro protocolar da UGT o CEFOSAP e o programa Vida Ativa do IEFP, o programa Impulso Jovem e o programa Garantia Jovem, vão ser fundamentais para a descida do desemprego jovem. Aliás gostaríamos de dizer que em local próprio já procuramos saber das razões da saída dos técnicos do IEFP em Sesimbra, tendo agora os nossos Munícipes com necessidades de formação de se deslocar ao Seixal, esperamos que a situação se possa reverter, bem como ajudar a que se faça formação profissional póslaboral e em horário laboral em Sesimbra, evitando assim incómodos e despesas com transportes aos nossos Munícipes. Joaquim Mendes Dias

Assembleia Municipal Decorreu no passado dia 14 de Fevereiro no Auditório Conde de Ferreira, em Sesimbra, uma sessão ordinária da Assembleia Municipal, aquela que seria uma noite tradicionalmente ligada a namoros, serviu para a apresentação de uma moção oriunda da bancada do PS e uma outra da bancada da CDU. O PSD, por seu turno, apresentaria uma recomendação à Assembleia. O momento serviu para um extenso debate entre as várias bancadas, onde nem sempre se gera consenso, mas se cria o ambiente propicio à apresentação e defesa da linha de pensamento proveniente de cada força política ou movimento com representação neste fórum político. Porém, no período de antes da ordem do dia (PAOD) foi aprovado um voto de pesar pelo falecimento do ex-autarca Joaquim Manuel Martelo Ferreira, bem como, a aprovação de uma saudação à ArtesanalPesca pela inauguração da sua Unidade Congeladora. CDU – Na sequência da apresentação dos documentos originários das diversas bancadas, a CDU vê aprovada a sua Moção “contra a privatização dos serviços públicos” dirigindo-se em concreto contra a privatização da EGF, en-

tidade que detém 51% do capital da Amarsul, a par da maioria dos municípios da Península de Setúbal que detêm 49% do capital, que assim viriam entregue os destinos da empresa a um grupo privado. PS – O Partido Socialista, em clara discordância com a linha de reajustamento dos serviços da justiça planeado pelo governo PSD, em concreto para o que se pretende para Sesimbra, nomeadamente a deslocalização de uma das valências do Tribunal de Sesimbra para Alcácer do Sal, assume-se contra esta posição governativa e apresenta uma Moção relativa ao “Mapa Judiciário - Uma solução inaceitável para Sesimbra”. No entanto, após a apresentação do documento e face à reação dos restantes Grupos, os quais não se consideravam suficientemente esclarecidos, foi sugerido que o documento baixasse à Comissão de Líderes para melhor avaliação e análise do seu conteúdo, sugestão aceite pelo PS, tendo em conta a importância de se aprofundar o diálogo com todas as forças políticas e com os agentes da Justiça. PSD – Na sua Recomendação – “Cemitério para animais”, o PSD sugere à Câmara Municipal de Sesimbra que pondere a construção de um cemitério para

animais, numa das Freguesias, até final do ano de 2014, classificando-o como uma ação da comunidade, que se quer civilizada e respeitosa para com os animais e o ambiente, evitando deste modo, a possível contaminação dos solos, bem como, a proliferação de doenças. Augusto Pólvora, enquanto responsável pelo município e, já no período da ordem do dia (POD), fez uma pequena apresentação do que tinha sido a atividade municipal desde a última sessão desta Assembleia em que este ponto esteve na ordem de trabalhos. Dos quatro pontos seguintes da ordem de trabalhos, nomeadamente o empréstimo de curto prazo – cláusulas contratuais; o Conselho municipal da Educação – Constituição; o Projeto de Lei nº 472/ XII/3.ª – Limites territoriais entre os concelhos de Sesimbra e do Seixal e o Programa dos 40 anos do 25 de Abril, todos com votação favorável por unanimidade, embora com declaração de voto do PS, quanto ao Programa dos 40 anos do 25 de Abril pela forma como estará a ser organizado e desenvolvido este programa, que vinca a passagem de 40 anos após a conquista da democracia em Portugal.


Os Desafios e Oportunidades do Carnaval de Sesimbra

A actual direcção da Liga dos Amigos de Sesimbra eleita para biénio 2014/15 criou uma nova estrutura que mereceu a designação: Observatório Local para o Desenvolvimento Sustentável. Um dos objectivos deste observatório consiste em fomentar o debate com toda comunidade local, incentivando a partilha de experiências, com vista ao Desenvolvimento Sustentável no con-

celho de Sesimbra. No âmbito do Observatório Local para o Desenvolvimento Sustentável vai assegurar-se a publicação mensalmente de um artigo no jornal o Sesimbrenses que reflectirá as afirmações recolhidas em cada debate mensal. As opiniões e informações recolhidas em cada debate são referenciadas através de uma Análise SWOT (forças, fraquezas,

oportunidades e ameaças). Trata-se de uma metodologia para fazer análise de cenário, utilizada como suporte para gestão e planeamento estratégico. O 1.º debate abordou “ Os Desafios e Oportunidades do Carnaval de Sesimbra” no passado dia 22 de Fevereiro pelas 16h00 nas instalações do grémio de Sesimbra, do qual resultou a seguinte Análise SWOT:

Pontes Fortes

Pontes Fracos

• Tradição • Organização (realização) • Escolas e Associações • Baia • Sol

• Organização (Comissão) • Espaço • Envolvimento dos agentes económicos • Envolvimento da população

Ameaças

Oportunidades

• Financiamento • Espaço • Legislação (criação de taxas turísticas) • Condições climáticas (ex. chuva)

• Abertura ao mundo • Maior envolvimento da população • Mais Sesimbra no carnaval • Inovação (criação de novos produtos) • Mais iniciativas ao longo do ano Dr. Jose Ramalho, Coordenar do OLDS

De Igual Modo

7

LAS

- Observatório

O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

David Sequerra

Um adeus ao “Chico da Cooperativa”

Parece lógico poder dizer-se, em sonante exclamação: até que enfim! Referimo-nos à recuperação integral da casa popularizada como a do “Chico da Cooperativa”, vizinha especial da Igreja Matriz, histórico ponto de encontro de “pêxitos” e “banhistas”, em plena época estival de há bem mais de meio século. Pode dizer-se, convictamente, que o Senhor denominado, amigavelmente, como o “Chico da Cooperativa”, Coelho de seu apelido, constitui-se como figura emblemática da 1ª metade do séc. XX, quando Sesimbra começou a ser “invadida” por turistas de diversas procedências, finlandeses e franceses, em predomínio. O estabelecimento comercial que todos conheciam, correntemente, como o “Chico da Cooperativa”, beneficiava da sua proximidade do “Largo das Camionetas”, ponto final das “carreiras” dos Covas e do “Caretas” que tinham sempre quem os esperasse após uma longa hora de viagem, de Cacilhas até à “Piscosa”. Para “matar” o tempo de espera, uma boa solução apontava para o “Chico da Cooperativa” para um

refresco, um típico malacueco, um meloso “Eduardinho” ou uma partida de “Négus”, aquela espécie de mini-snoocker hoje desaparecido. E havia a cavaqueira agradável sobre a “bola”, com a fusão e o Belenenses como temas fulcrais dos “bate-papos” assistidos pelo Senhor Chico e, frequentemente, pelo seu muito comunicativo filho Amílcar. À porta do acolhedor estabelecimento havia, ainda, uma muito importante “personagem” – o papagaio, de coloridas cores, que sabia dizer bom dia. Um brevíssimo parêntesis para evocar que esse vistoso papagaio durou mais de 80 anos, tendo falecido muito recentemente, para intenso desgosto do seu principal protector – o Amílcar Coelho. Voltando, porém, às lembranças do “Chico da Cooperativa” enquanto estabelecimento comercial, é de referir que se manteve por largas décadas até cair num triste abandono que tem agora o seu fim. Mal parecia que às portas da “Piscosa” aquele recanto de esquina apresentasse tão mau aspecto. Entre a saudade dos bons velhos tempos de uma jogatana do “Négus” ou dos divertidos diálogos com o papagaio, quedamo-nos na expectativa de apurar o que vai sair da obra em curso onde não ficaria mal, queremos crer, uma pequena lápide indicativa do que ali existiu por tantos anos – o local de encontro popularizado como o “Chico da Cooperativa”. À atenção do dono da obra com a boa intenção de um velho e saudoso cliente.


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

PESCA

8

Traineira Sesimbrense de Pereira Simões & Cardoso

Pescaria Sensacional A nossa habitual menção às pescas mensais relata nesta edição, um comentário extraordinário, devido a um feito de uma traineira local de cerco ter sido distinguida na elevada captura de peixe na nossa costa, após uma pequena folga dos vendavais. Trata-se de “A Sesimbrense” sob a direcção do Mestre José Carlos Martelo. Ao fazer-se ao mar em dois dias, entre 17 e 18 do mêsde fevereiro, próximo de Arcanzil a Sudoeste do Cabo Espichel deparou-se com um grande

cardume de sardinhas, carapau, sargos, crutas, que caíram nas suas redes, numa profusão que deixou os próprios pescadores estupefactos, contentes e satisfeitos. Sobretudo por já há alguns dias terem jejuado de pescar devido às maresias que lhes têm “atrasado a vida”… Os rendimentos na Lota foram muito bons mas, dada a muita abundância do pescado, exportaram, por terra, para outras Lotas no Norte. Caros leitores, nós os sesimbrenses aqui nascidos, conhecemos bem os

Pesca. Porque não? “Vara-me essa Aiola” Este será o primeiro texto que tentará dar resposta ao repto que me foi lançado pela direcção da Liga dos Amigos de Sesimbra, de escrever sobre pesca nas páginas do seu jornal. Como pexito orgulhoso que sou, vou usar uma típica expressão pexita para nomear esta minha rubrica, que tudo farei por manter com regularidade. Escrever n’O Sesimbrense assume para mim redobrada importância, pois foi o primeiro jornal que publicou textos meus. Já passaram alguns anos desde que aqui escrevi pela primeira vez umas crónicas de cariz satírico, que a direcção do jornal da época teve a amabilidade de publicar. Este é um momento particularmente difícil para as pescas sesimbrenses e nacionais, em virtude das difíceis condições de mar que se têm verificado desde o final do ano passado. Parece-me, também por isso, importante deixar um sinal positivo e de esperança neste meu primeiro texto. Eu e muitos da minha geração cresceram a ou-

vir expressões dos mais velhos, sobretudo daqueles que nos eram próximos e que nos queriam bem, como “o mar é um poço!”; “Não queira ir para o mar!”, “Filho meu não vai para o mar!”. Sem querer desvalorizar as boas intenções dessas afirmações, nem fazer juízos de valor sobre quem as proferiu, a verdade é que hoje temos um reflexo mais ou menos visível deste tipo de tomadas de posição. A escassa entrada de jovens no sector. Por ter crescido nesse meio, mentiria se dissesse que não compreendia essas atitudes, no contexto em que foram proferidas. Na geração dos meus pais e das que os antecederam, ser pescador não era uma opção. Ou melhor, ser pescador era a única opção. Não sei se se poderá dizer que os jovens eram forçados a “ir para o mar”, mas na grande maioria dos casos essa era a saída natural. Tenho dito e reafirmado em vários fóruns, e faço-o obviamente por essa ser uma convicção, que ser pescador não é uma profissão, é uma forma de vida. Nesses anos idos, os jovens

altos e baixos desta dura profissão e traz-nos à lembrança o motivo porque Camões a cognominou de “Piscosa Sesimbra”; D. Carlos I, rei de Portugal, aqui fez grandes estudos desta rica e produtora costa, onde 113 espécies de peixes do mundo aqui se procriam; Raúl Brandão referiu-se aos pescadores como elementos de muito mérito e grande capacidade de pescar; mais tarde Luis Saldanha grande biólogo nacional aqui aprofundou seus conhecimentoso, os quais lhe valeram uma homenagem com o seu nome neste malfadado Parque Marinho que nos caiu em cima! Um Parque Marítimo de Sesimbra que em 1920 a 1924 por influência de um estudioso francês, Pierre Closterman que, com o beneplácito dos pescadores locais, afirmou ser uma Costa de Ouro que teria de ser preservada, encontrando aqui grande apoio, sobretudo da parte dos maiores entusiastas: Os

Apesar de ser Inverno, Janeiro não teve a habitual intempérie da época e por isso não houve grande alteração nas capturas e totais gerais, que se registaram até ao final do mês de janeiro. Já no mês de fevereiro, não se pode dizer o mesmo. A invernia que se tem feito sentir tem impedido a pesca artesanal do peixe-espada

preto, e assim, por tabela, a nossa excelente Artesanal Pesca tem sentido os seus efeitos, tendo dificuldade em cumprir os compromissos habituais de produção. Recorde-se que esta é de momento, a nossa melhor indústria, empregando cerca de sete dezenas de funcionários. Pedro Filipe

cresciam entre os anzóis e as redes, saíam da escola e iam para as “lojas de companha” ajudar a preparar as artes. Esse processo de iniciação introduzia os jovens no sector. Aos poucos iam aprendendo da arte, iam-se enturmando com os “camaradas” do barco. Ao fim e ao cabo iam tornando-se pescadores quase sem dar por isso. A dureza da vida de pescador, somada com o repúdio inconsciente de não terem tido opção, fez com que os pais desincentivassem os seus filhos a seguirem essa vida. Isso não é forçosamente mau, nem como disse atrás deve ser criticado, era reflexo da experiência de vida e de um determinado contexto. No entanto, terá ajudado a estigmatizar a profissão. Algo que nem os que tudo faziam para afastar os filhos do mar pretendiam, pois não conheço nenhum pescador que não se orgulhe de o ser. Foi uma espécie de reflexo indesejado. Não só pelas razões que relatei, é certo, mas também e em boa parte por elas, a realidade actual é que existem poucos jovens no mar. Há, efectivamente, poucos jovens com carteira

profissional a exercer a actividade, leia-se, pescadores com cédula marítima. Existem ainda menos com habilitações superiores. Ou seja, para além da falta de pescadores, ainda se sente mais a falta de arrais, mestres, contramestres, mecânicos, etc. E era aqui que queria chegar para falar do sinal positivo e da mensagem de esperança que queria deixar com este texto. Na vida tenho a máxima de que se formos competentes naquilo que fazemos, seremos bem sucedidos. É assim nas empresas, na escola, no desporto, nas artes, etc. Na pesca também é assim. A falta de activos pode e deve ser vista por muitos jovens desempregados ou em início de carreira como uma oportunidade. Nomeadamente, com a possibilidade de, com trabalho e dedicação, existir a necessidade de sangue novo para ocupar as hierarquias superiores das embarcações. Obviamente que não existe uma linha de ascensão directa, é preciso fazer o caminho e percorrer todos os trilhos necessários até ao topo. Mas existe um espaço por ocupar, com uma aliciante

particularmente determinante nas sociedades modernas. Aqueles que forem competentes e revelarem capacidade para assumir os destinos duma embarcação, são remunerados em consonância com as responsabilidade e a dureza do trabalho, podendo auferir remunerações muito acima da média nacional. Felizmente não digo isto como mero exercício teórico, pois existem, infelizmente poucos, jovens nestas condições em embarcações da pesca artesanal de Sesimbra. As condições das embarcações são hoje muito melhores, os níveis de mecanização do trabalho é muito maior, o nível de equipamento de navegação e segurança é incomparavelmente melhor. Desengane-se quem achar que existem percursos simples, ou “el dorados”, mas gostaria que cada vez mais os nossos jovens se perguntassem: Pesca. Porque não?

saudosos António Anacleto; Rafael Monteiro; Dr. José Braz Roquete e tantos outros que viam neste projecto uma salvação para esta zona costeira, privilegiada pela sua invejável posição, entre os estuários do rio Tejo e rio Sado, onde as espécies se vêm espraiar nesta acalmia

de mar e caírem nas redes e anzóis dos nossos “arteiros” e competentes pescadores sesimbrenses. Com o 25 de Abril as convulsões próprias da revolução terminaram com este grande projecto que não saiu das gavetas do poder dominante. Pedro Filipe

Pescas - Janeiro ARTES QUANTIDADES (kg) VALORES (€) 63.359,8

129.887,96

Artesanal

613.945,5

1.612.744,10

Cerco

945.824,5

439.001,67

Totais

1.623.129,8

2.181.633,73

Arrasto

Carlos Alexandre Macedo varamessaiola.blogspot. com


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

9

O carnaval de Sesimbra assume-se como uma das maiores festas do concelho trazendo à avenida junto ao mar milhares de visitantes e desfilantes que prometem um fim de semana animado. Para além dos tradicionais desfiles o carnaval conta ainda com outros momentos altos, como as Cegadas que são uma das muitas formas de manifestação de crítica social, que revelam o sentido satírico e humorístico do nosso povo, num cenário de celebrações cíclicas. Também as cavalhadas em Alfarim uma tradição da época medieval que remonta a uma das tradições mais antigas do país. Estas são duas tradições que se festejam há mais de 100 anos. Este ano, a Cegada de Alfarim tem como tema Namoro de Conveniência e a Cegada do Zambujal apresenta Caldeirada de Hortaliça. O Largo das Forças Armadas, em Alfarim, recebe as tradicionais Cavalhadas, atividade que recria tradições medievais que testavam a perícia dos cavaleiros. O programa de Carnaval de Sesimbra encerra na quarta-feira de cinzas com o Enterro do Bacalhau, realiza-se a seguir à Quaresma, e o que se fazia após o Carnaval era o Enterro do Entrudo. Para outros não houve distinção dos enterros e ambos não deixam de ser o mesmo, realizando-se na quarta-feira de Cinzas.

Grupo Recreativo Escola de Samba Saltaricos do Castelo

“Os Quatro elementos da Natureza” Os saltaricos do castelo prometem revolucionar a avenida da Liberdade com os seus elementos da natureza. Segundo a direcção o intuito é surpreender o visitante a animar um fim de semana que promete ser de alegria. a bateria levam armações de cabeças, sem contar com as armações de braços e cintura que algumas alas levam, bem como o pessoal que está a elaborar o carro alegórico, têm tido um empenho e dedicação como não há igual. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época? A Escola de Samba Saltaricos do Castelo vai ter a desfilar na avenida cerca de 150 desfilantes, entre passistas e bateria. Que tipo de iniciativas vão realizar? Para além dos desfiles, a nossa escola já gravou na Sic o programa "Especial de Carnaval" do programa "Gos-

desfile traz muito população e turismo nesta época que, faz movimentar o comércio da vila. Sabemos que desde o início dos tempos da existência de desfiles carnavalescos em Sesimbra e essencialmente a existência de Escolas de Samba no concelho, o paradigma do carnaval tem vindo a mudar. Se no início eram os grupos que saíam à noite e por estarem muito engraçados, começaram a sair durante o dia, hoje o desfile de carnaval é um "Espetáculo" pensado, preparado, organizado e levado a cabo na essência do espetáculo em si e como tal poderia ou deveria ser apoiado como qualquer companhia de dança ou teatro por exemplo. Qual o convite que deixam à população do concelho? Quanto ao convite que deixamos à população em geral e essencialmente à população do concelho é que venha participar quer enquanto espetador mas acima de tudo, que venha também experimentar a época connosco, venham desfilar, venham aprender a tocar um instrumento de percursão, tragam a família a ver os nossos ensaios e apoiem "O Samba e o Carnaval de Sesimbra"

Associação Tripa

Santiago

Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Os trabalhos de preparação, construção do carro alegórico, e fantasias têm ocupado os fins de semana todos desde outubro bem como os finais de dia e muitas vezes até bem tarde todos os dias da semana desde o início de Janeiro. Há que ressalvar o trabalho das costureiras, de cada elemento da escola com a aplicação de penas e pedras em cada uma das suas fantasias, os nossos soldadores que este ano fizeram tantas armações de cabeças quantos os desfilantes, pois em todas as alas, inclusive os mirins e

to Disto", gravou ainda o um spot publicitário da Sic "Especial Carnaval", que está a passar desde domingo passado e, no dia 28 de Fevereiro vamos ao programa "Queridas Manhãs" também da SIC. Para a época de carnaval não temos de momento mais iniciativas, temos já algumas marcações mas mais para o verão. Que dificuldades sentiram? As nossas principais dificuldades são a nível financeiro, apesar do apoio que temos da autarquia, que normalmente vem já muito próximo ao carnaval e como devem calcular as aquisições têm necessariamente de ser feitas com alguma antecipação, para que se consigam produzir as fantasias atempadamente. Temos também o apoio de alguns patrocínios do comércio local, o qual agradecemos e esperamos retribuir com um excelente espetáculo na avenida, no entanto o número de patrocinadores é um pouco reduzido. Era bom que o comércio e serviços locais de uma forma generalizada e sobretudo o comércio e serviço da vila de Sesimbra fosse sensível e apoiasse um pouco mais este espetáculo que é o desfile de carnaval de Sesimbra. Pois o

“Axé, O ritmo que balança” A Associação Tripa salienta-se pela sua irreverencia e vida nos desfiles. Criada em 1996 apenas com elementos masculinos, actualmente sai à rua com dois grupos uma forma de ter carnaval no feminino. A direcção conta-nos como vai ser 2014.

Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Estão a correr bem e conforme planeado, esperamos ter tudo terminado uma semana antes do desfile. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época? A Tripa Cagueira vai sair para a rua com cerca 80 elementos e Tripa Mijona 45 elementos. O nosso mote de carnaval é: Axé, O ritmo que balança. Uma fantasia repleta de alegria. E a Tripa com o mote “Com um toque de magia”. Que tipo de iniciativas vão realizar? Vamos fazer as habituais iniciativas, o desfile na Avenida

da Liberdade no fim de semana e na terça feira de carnaval. Que dificuldades sentiram? Temos tido algum esforço financeiro para conseguirmos trabalhar no Carnaval 2014 visto que a verba da autarquia mesmo sabendo ser certa, não chega com a antecedência devida. Qual o convite que deixam à população do concelho? Que venham assistir aos desfiles não só domingo e terça mas também sábado, pois temos um grande carnaval não precisamos de gente famosa, sendo gratuita a assistência todos deviam aproveitar. Por nós pelo menos a animação e alegria está garantida, não se vão arrepender, vai valer a pena!

Tripa Associação

A tripa Associação foi fundada a 22 de Novembro de 1996 pelo pequeno grupo de amigos que gostavam de brincar ao Carnaval, mas queriam fazer de forma diferente de todas as outras Associações já existentes. Assim, foi decidido que este Grupo ia ser constituído por elementos do sexo masculino. Surgindo de surpresa na Avenida com alguns instrumentos improvisados, pintados de preto e com uma T-Shirts às riscas vermelhas e brancas, com um ritmo contagiante. Foi um sucesso e a adesão ao grupo no ano seguinte foi elevada, conseguindo criar uma bateria com cerca de 40 elementos e compor uma música jamais esquecida pelo povo “Aí Sesimbra”. Os anos seguintes sempre virados para a crítica social, fizeram deste pequeno Grupo o único e o maior Grupo “Afro-Axé” de Portugal, conseguindo ter uma bateria de 180 elementos. Com o nome de guerra “Tripa Cagueira”. Hoje são cerca de 100 elementos na bateria, contudo a associação criou outras vertentes tais como: O Grupo de Palco “Olodum Maré” que faz qualquer tipo de espectáculos; um Grupo formado só por elementos femininos à imagem da “Tripa Cagueira”, a “Tripa Mijona” que desfila no sábado de Carnaval com temos bem alegres e divertidos.

ESPECIAL CARNAVAL

Castelo

Folia & Sesimbra


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014 Este ano a Vila Zimbra apresentará aproximadamente 120 figurantes que irão desfilar na avenida, fantasiados a rigor. Um desfile que tem como mote os 130 anos do jardim.

Associação Grupo Recreativo Escola de Samba Unidos de Vila Zimbra

“130 anos do jardim Zoológico em fantasia”

O GRES, Unidos de Vila Zimbra é uma escola de Samba que visa o convívio entre pessoas, bem como manter e respeitar a história e tradição do samba, nas suas raízes. Actualmente para além dos tradicionais desfiles, a Escola já conta com um excelente grupo de palco, quer ao nível musical quer artístico, que muito bem tem levado o samba fora de portas. O Sesimbrense quis saber as novidades para 2014. Frederico Carapinha, explicou como estão a decorrer os trabalhos. Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Os trabalhos para o Carnaval estão a decorrer dentro da normalidade, este ano faremos uma homenagem ao Jardim Zoológico

de Lisboa por completarem 130 anos, estando os trabalhos direccionados para a recreação do Zoo e a sua história. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época?

Que tipo de iniciativas vão realizar? Para além de colaborarmos com as diversas instituições e organizações, iremos participar com o carro de som no Desfile dos Palhaços e iremos realizar pela primeira vez o “Enterro

do Bacalhau”, a celebração de encerramento do carnaval. Uma forma de manter a tradição viva. Que dificuldades sentiram? Relativamente às dificuldades são as mesmas de outros anos, as verbas que escasseiam, os apoios que são cada vez menos, apesar de todos os materiais terem duplicado e triplicado o valor, e a grande dificuldades dos espaços para se poder trabalhar e construir as fan-

tasias e carros alegóricos. Qual o convite que deixam à população do concelho? Grande parte da População do Concelho já conhece o potencial do Carnaval de Sesimbra, e apreciam e valorizam este trabalho, sendo que dever-se-iam unir esforços para trazer mais gente de fora do Concelho a visitar a Vila, não só pelo facto de valorizar a festa, mas também porque é mais um contributo para a valorização da Vila.

Unidos de Vila Zimbra A 24 de Abril do ano de 2005, nasce a Associação Grupo Recreativo Escola de Samba Unidos de Vila Zimbra, numa perspectiva de trazer algo de novo ao já tradicional e mediático Carnaval de Sesimbra. Vindos de outras escolas de samba do Concelho, alguns dos membros fundadores da escola, esforçam-se por manter acesa a chama do Carnaval, assim surgem os Unidos. Quanto à escolha de nome, após várias opiniões decidimos fazer uma homenagem à nossa Vila, tendo como base a mais antiga lenda “Se Zimbra Quiser”. Actualmente para além dos tradicionais desfiles, a Escola já conta com um excelente grupo de palco, quer ao nível musical quer artístico, que muito bem tem levado o samba fora de portas.

Grupo Recreativo Escola de Samba Bota no Rego

“India, um paraíso oriental” A Escola de Samba mais antiga de Portugal nasceu em Sesimbra em 1976, chamase Escola de Samba Bota no Rego e para 2014 promete muita folia e animação. O Sesimbrense acompanhou de perto os seus trabalhos e quis saber junto da direcção, de que forma vão animar este ano o carnaval e a população.

CASTELO

SANTIAGO

ESPECIAL CARNAVAL

10

Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Estamos a tentar cumprir os prazos a que impomos a nós próprios nos últimos anos, tentando acabar todos os trabalhos com um mínimo de 4 dias antes do desfile, o que tem vindo a acontecer. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época? Este ano contamos com 150 desfilantes, numero mínimo que temos levado para a avenida. Este ano o nosso desfile tem como mote, India, um paraíso oriental. Que tipo de iniciativas vão realizar? Para alem dos ensaios individuais de cada ala, aos fins de semana efetuamos ensaios gerais, e 2 ensaios técnico onde englobamos toca a escola, para afinar distancias entre alas, andamento da escola, o canto do samba pelos desfilantes e os tempos de desfile. Que dificuldades sentiram? A maior dificuldade prendesse pelo sim-

ples fato de que o subsídio de apoio entregue pela autarquia não chegar antes do carnaval, estamos a 19 de fevereiro e ainda não foi disponibilizado sequer uma parte. Trata-se de associações sem muitos recursos financeiros, tendo por isso havido da nossa parte algum atrazo na aquisição de materiais e adereços para o carnaval, dai os atrasos, alienada á realidade social existente no nosso país em termos financeiros, refletindo-se diretamente não na planificação mas sim na execução tardia, sem necessidade, de um projeto iniciado em agosto/setembro, o que nos entristece, pois envia uma imagem deturpada do carnaval de Sesimbra e que não corresponde pelo menos da nossa parte, á realidade. Qual o convite que deixam à população do concelho? O carnaval é uma época do ano em que tentamos deixar os problemas para trás e tentamo-nos divertir ao máximo, e divertir todos aqueles que nos visitam nestes dias. Gostaria que levassem em consideração que os maiores promotores deste tipo de evento, são normalmente associações feitas e nascidas do trabalho árduo de crianças, jovens e adultos voluntários, valorizando uma causa nobre que é o associativismo voluntário


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

Que tipo de iniciativas vão realizar? Vamos realizar os tradicionais desfiles e participara ativamente em todas as iniciativas do programa.

Grupo Recreativo Escola de Samba Trepa no Coqueiro

“Era uma vez... o amor” A escola de samba Trepa no Coqueiro é considerada pelos seus membros o “Universo Imaginário”, um hino histórico desta associação que leva o carnaval no sangue dos desfilantes. A direcção da escola explicou ao Sesimbrense de que forma decorreram os trabalhos este ano. Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Os trabalhos para o Carnaval de 2014 estão a decorrer na normalidade, sendo que neste ano grande parte das fantasias se encontram concluídas, feito que em muitos anos não nos foi possível concretizar devido a terceiros, estando fora do nosso

alcance esse feito. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época? Quanto ao número de elementos a desfilar pela nossa Escola, seremos um total de cerca de 120 elementos. O nosso mote para as fantasias é: Era uma vez…. o amor, um projecto repleto de magia e muita animação

Trepa no Coqueiro

Que dificuldades sentiram? As dificuldades sentidas são as mesmas que se vêm arrastando de à uns anos para cá, que é a falta de apoio monetário por parte da Autarquia com relação a esta época festiva. Uma vez que as Escolas de Samba ficam sempre para trás e caso não houvesse a força e o empenho de todos os sócios e simpatizantes era impossível de todo conseguir tudo aquilo que conseguimos realizar sem o devido apoio. Qual o convite que deixam à população do concelho? O convite que gostaríamos de deixar é que por favor não deixem morrer o Carnaval de Sesimbra, o Carnaval da nossa terra.

O grupo foi fundado a 2 de Maio de 1978 por António Paixão, o principal elemento dos Fundadores: Isabel Luz, Rosa Andrade, Fernanda Picão, Fernanda do Carmo, Manuela, Angelina Aguiar, Helena Homem, Eduardo Cunha, Jacinto Jorge, José Carlos Freitas, Victor Leonel, Fernando Sabino. Com fantasias confeccionadas gratuitamente por algumas Mães de desfilantes, assim como alguns dos instrumentos de percussão construídos por elementos da escola, António Paixão funcionário do Hotel do Mar, conta então com o apoio do seu Director-Geral Óscar da Silva, que disponibiliza as instalações do Hotel para as primeiras reuniões e ensaios. Este local foi o ponto de partida para o primeiro Desfile de Carnaval da Escola em 1979, com a participação de 30 elementos. No ano de 1985 o Trepa no Coqueiro inova ao tocar e cantar ao vivo no desfile do Carnaval de Sesimbra, o primeiro samba-de-enredo original “Universo Imaginário”, que se torna um verdadeiro hino da Escola. A primeira sede situava-se no armazém de pesca “Armação da Varanda”. Outras sedes de escolas de samba estavam espalhadas pela vila de Sesimbra, mas em 1987 foi cedida pela Câmara Municipal de Sesimbra a actual sede no Largo 2 de Abril em Sesimbra. Em 1988 desfila com o novo Estandarte, conservando o mesmo símbolo até hoje, cria as suas duas cores oficiais: o verde e o amarelo e adopta as iniciais GRES. Em 1990, os 250 elementos defenderam o enredo “Ora Toma”. A Escola de Samba saltou para as primeiras páginas de todos os meios de comunicação nacionais. Em 2003, cada vez mais “Juntos e Unidos” os cerca de 200 elementos. A partir desta data o lema da escola começa a fazer cada vez mais a fazer sentido…”Juntos e Unidos Somos A Força Do Trepa No Coqueiro”.

Grupo Recreativo Escola de Samba Bigodes de Rato

“O Bloco vai dizer o que?”

ESPECIAL CARNAVAL

e cor.

SANTIAGO

Bota No Rego

O Grupo Recreativo Escola de Samba Bota no Rego é uma escola de samba da vila de Sesimbra, fundada em 5 de Março de 1976, sendo assim a Escola de Samba mais antiga de Portugal. O grupo Bota no Rego foi fundado por um grupo de foliões que se destinavam apenas a se divertir no Carnaval nocturno em Sesimbra. A pedido dos habitantes da Vila de Sesimbra, que acharam as fantasias muito bonitas, começaram a desfilar na terça-feira de Carnaval durante o dia. O Grupo Recreativo Escola de Samba Bota no Rego inaugurou no dia 19 de Janeiro, a sede oficial das suas novas instalações sociais.

SANTIAGO

cada vez mais raro no quotidiano nacional. Eles merecem tanto palmas como criticas, mas levando em consideração que o fazem apenas e só para um bem comum sem nada lugar com isso, divertir e fazer divertir, não pisando ninguém, respeitando tudo e todas e sem descriminar quem quer que seja. Viva o carnaval, viva a música, viva a alegria de viver.

11

A “Bigodes de Rato “ foi criada em 17 de Maio de 1999 por um grupo de simpatizantes do Carnaval do Brasil. Este ano sai à rua com o tema que reflecte os 15 anos da sua existência. O Sesimbrense esteve à conversa com a direcção que nos contou de que forma vai decorrer o carnaval 2014. gode anos presentes e auComo estão a decorrer os sentes. trabalhos para o Carnaval Quantos elementos vão 2014? ter na rua a dançar e a viOs trabalhos estão a dever a época? correr dentro da normalidaA nível de elementos conde, tendo este a ano a épotamos com 60 elementos de ca começado mais cedo do bateria, 10 de Staff e temos que em anos anteriores. O preparados 350 Kits para nosso tema deste Carnaval quem quiser fazer a festa é uma homenagem a quem connosco. fez, faz e fará parte desta Que tipo de iniciativas associação, comemoramos vão realizar? os 15 anos com, O Bloco vai Iremos participar no Baile dizer que??... Havendo uma Trapalhão, desfile das crianças grande preocupação com a (continua na página seguinte) dedicatória a todos nós Bi-


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

Grupo Recreativo Escola de Samba Dá que Falar

“História do brinquedo”

A Escola de Samba Dá que Falar promete, muita animação para este carnaval de 2014. Uma escola que como todas as outras, nasceu pelo amor à folia e de um grupo de familiares e amigos. O Sesimbrense visitou a escola e falou com a direção de forma a entender quais os seus projetos e dificuldades. Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Os trabalhos estão a decorrer bem com normalidade, apenas com muito trabalho. Este ano escolhemos uma história para as nossas fantasias e prometemos cor e vida nos nossos fatos. Os ensaios estão a decorrer como previsto e com muito empenho por parte das pessoas participantes, apesar de todo o esforço que fazem para estar presentes em todas as solicitações. Todos eles são voluntários e amantes do carnaval. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época? Vamos ter a desfilar na avenida cerca de 70 elementos todos fantasiados. Com um carro alegórico, uma festa que promete animar e alegrar com o mote “A história do brinquedo”. Que tipo de iniciativas vão realizar? Este ano apenas vamos participar como habitual nos desfiles de rua, e tentar alegrar os nossos visitantes. O tempo promete ajudar e a festa promete ser animada. Que dificuldades sentiram? A economia está muito má, a maior parte dos desfilantes são de fora o que

acarreta mais despesa. Os materiais também estão mais caros o que leva a um aumento circunstancial das despesas. Os apoios são os habituais, o da autarquia e dos vários patrocinadores que se juntaram a nós nesta iniciativa. Qual o convite que deixam à população do concelho? Venham para a rua ver e apoiar o carnaval de Sesimbra um dos mais antigos do país e que se divirtam. Que apoiem não apenas a nossa escola mas toas, pois, todos trabalharam e merecem o reconhecimento por parte dos visitantes.

“O mar e o carnaval”

A escola Batuque do Conde foi fundada em 11 de Julho de 2008, o Grupo Recreativo Escola de Samba Batuque do Conde, é uma associação sem fins lucrativos. Que se apresenta em espectáculos todo ano em todo o país, levando Sesimbra no coração. O Sesimbrense quis ouvir a direcção do grupo e perceber quais as motivações e dificuldades.

Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Os nossos trabalhos estão a decorrer a bom ritmo, principalmente os carros alegóricos. Estamos motivados e felizes por mais um ano de Carnaval e tradição no conelho. Até agora fizemos cerca de Fizemos 10 ensaios, tanto de bateria como de passistas. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época?

Este ano O Gres Batuque do Conde pensa ter entre 90 a 100 desfilantes, distribuídos entre alas, bateria e staff, mais dois carros alegóricos. As nossas fantasias de carnaval são uma alusão à fauna e flora marítima, inspiradas na pesquisa feita pelo Rei D. Carlos 1º. Que tipo de iniciativas vão realizar? Para além dos desfiles de carnaval, que será três, ainda vamos ter entre dia 28 fevereiro e dia 3 março, varias atuações em associações e bares., onde cotamos levar muita animação e alegria. Que dificuldades sentiram? Para não variar muitas, a maior dificuldade que sen-

timos é a financeira. É uma pena é não haver um reconhecimento merecido por parte das entidades privadas que tanto beneficiam com este espetáculo, e de todo este trabalho levado a cabo pelas escolas de samba do concelho. Qual o convite que deixam à população do concelho? O melhor convite que podemos deixar à população de Sesimbra, e não só, é que apareçam na Quinta do conde no Sabado 1 de março e em Sesimbra no domingo dia 2 de março, porque vai valer a pena. Nós Batuque do Conde estamos a trabalhar imenso e estamos muito motivados para fazer brilhar o carnaval de Sesimbra.

Batuque do Conde

Escola de samba criada em 2008, é uma associação de cariz popular, que se caracteriza pelo canto e dança do samba. A aparição das escolas de samba está ligada à própria história do carnaval carioca em si, bem como da criação do samba moderno. Em Sesimbra só a partir de 1974 foram dados os primeiros passos. Sendo um tipo de associação originário da cidade do Rio de Janeiro, as escolas de samba apresentam-se em espectáculos públicos, em forma de cortejo, onde representam um enredo, ao som de um samba – enredo e acompanhado por uma bateria. Hoje em dia, uma escola de samba, deverá desenvolver outras actividades que visem a participação na dinâmica associativa, abertas à diversidade de ideias, actividades e projectos.

Corvo de Prata

“Marquês do Sapucai”

O Corvo de Prata sai este ano pela primeira vez para a rua desafiando-se numa aventura carnavalesca. A direcção da associação promete folia, alegria e muita música no programa de actividades. Como estão a decorrer os trabalhos para o Carnaval 2014? Os trabalhos estão a decorrer com muita normalidade e a correr de forma bastante positiva. Estamos a prepararmos para sair à rua e

Dá que Falar

A escola surge com o nome Pérolas do Samba em 1984. Uma escola familiar, pequena e com algumas dificuldades. Assim foi até 1997, quando mudou a presidência da Escola para uma profissional de música, a professora Teresa Cláudio. Uma das poucas directoras de bateria do mundo, de nacionalidade portuguesa. A Escola de Samba deu uma reviravolta, com a entrada de novos elementos, e passou a ser lembrada pela sua bateria nota 10. A garra, o swing, a marcação de surdo e contra-surdo fizeram a diferença... Foram dois anos espectaculares: 1998 e 1999. Em 2000, mudam a sua designação para Gres Dá que Falar. Em 2001, surge uma alteração na presidência, tentaram colmatar os problemas financeiros. A partir daí, passaram por várias fases, como qualquer Escola de Samba, mas sempre com muita garra e entrega. O número de elementos durante o Carnaval varia entre 100 e 150 desfilantes, tendo em alguns anos chegado a 200 pessoas.

fazer boa figura na avenida. Quantos elementos vão ter na rua a dançar e a viver a época? Vamos sair para o desfile com cerca de 80 desfilantes cujas fantasias terão como mote é o Marquês do Sapucai. Vamos dar o nosso melhor e alegrar os visitantes Que tipo de iniciativas vão realizar? Várias, ao longo do ano, pois, o nosso intuito visa promover as atividades entre as pessoas e valorizar os laços de amizade e do asso-

QUINTA DO CONDE

A Associação Recreativa “ Bigodes de Rato “ foi criada em 17 de Maio de 1999 por um grupo de simpatizantes do Carnaval do Brasil. Actualmente conta com cerca de 500 associados, dos quais 150 elementos tocam vários instrumentos de percussão e Samba. Das várias iniciativas que desenvolvemos ao longo do ano, quer a nível desportivo, recreativo e cultural, estão essencialmente vocacionados para actividades carnavalescas, nomeadamente a participação nos desfiles de Carnaval, onde criam letras, músicas, fatos, e levamos a população, bem como todos os que nos visitam nos dias de Carnaval a integrar o chamado “Bloco dos Bigodes de Rato”. Para além destas actividades, a associação participa em vários eventos, nomeadamente, no Assalto ao Castelo, Assalto à Fortaleza, na ornamentação da Rua da Galé pelos Santos Populares, o “Bigodes Eléctrico” no Verão, entre outras actividades propostas pela Câmara Municipal de Sesimbra.

Grupo Recreativo Escola de Samba Batuque do Conde

QUINTA DO CONDE

Bigodes de Rato

SANTIAGO

ESPECIAL CARNAVAL

12

ciativismo. Desta forma são inúmeras as actividades que pretendemos organizar no decorrer do ano para que de alguma forma a nossa associação cresça e seja reconhecido no concelho. Que dificuldades sentiram? As dificuldades sentidas são as mesmas de sempre, a crise provoca a falta de apoios e com isto dificuldade para a sobrevivência das associações locais. Qual o convite que deixam à população do concelho? Venham ver o primeiro desfile do Gres Corvo de Prata, que este ano se quis juntar a maior festa de folia de Sesimbra e alegrar as pessoas que nos visitam e que connosco querem divertir-se dançar e a proveitar a bonita paisagem.


TURISMO

O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

13

Um Festival que pretende motivar o turismo e a cultura

Finisterra Chega à Antártida

Até ao momento estão inscritos na 3ª edição do Finisterra cerca de 38 países, completando 161 inscrições. Estes números são considerados pelo responsável da organização, Carlos Sargedas, um sucesso para a iniciativa, para o Turismo e Sesimbra. Que balanço faz desta mostra que conta este ano com a sua 3ª edição? Ao longo destes três anos, foi conseguido aquilo que outros festivais com muitos anos ainda não o conseguiram, o reconhecimento Internacional da qualidade de organização, qualidade dos autores e filmes representados e a excelência de recepção que foi conseguida. Na 1º edição do Finisterra, recebemos como visitante um dos membros da direcção da EUFCN, Associação Internacional das Film Commissions Europeias, que após presenciar o êxito e o bem receber, convidou-me para estar presente em Cannes na edição seguinte que se realizaria em Maio de 2013, dias depois após a 2ª edição do Finisterra. Quase um ano depois fui apresentar o festival, e oficializar a então recém formada Arrábida Film Commision, criada para dar “estrutura” a este festival. Em Cannes foi com surpresa e orgulho que ouvi as maiores referências e elogios ao festival e à forma como recebemos os convidados, organização e programa apresentados, assim como ao programa de promoção turística que durante cinco dias mostrou aos presentes, (premiados, jornalistas de cinema e turismo, presidentes de regiões de turismo, representantes de várias embaixadas e membros do Governo do Dubai, produtores e realizadores convidados) as grandes potencialidades turísticas, gastronómicas e cinematográficas desta região. Na 1º edição contamos com a presença de 18 países com 94 filmes quando éramos desconhecidos e, na 2º edição com 19 países e 96 filmes com a presença de distintas personalidades de embaixadas e governos internacionais, Vejo agora este trabalho ser reconhecido com a participação até ao momento de 38 países. Tivemos contactos de lugares tão distantes como a Antárctica. Sente que existem algumas condicionantes para a realização da mostra, ou tem sentido apoio por parte dos parceiros? As condicionantes existem desde sempre. Tenho a “infeliz” mania de avançar nos projectos quando acredito neles. Quando desde a primeira hora não há dinheiro é muito mais difícil fazer seja o que for. Ao longo da minha vida tenho mostrado que isso não é um impedimento, apenas uma condicionante. Desde o inicio fiz ver e mostrar aos nossos parceiros, que se todos colaborarmos um pouco que seja, conseguimos fazer! Existem coisas que tive que pagar directamente, mas desde sempre sabia que seria assim. Apenas pedi que quem quisesse participar teria que “dar o melhor que tem” pelo menos custo possível e todos em conjunto conseguimos o verdadeiro sucesso que tornou este festival famoso internacionalmente. Chegar a Cannes e virem-me perguntar sobre uma fantástica caldeirada de Sesimbra servido pelo restaurante Ribamar, é de ficar muito orgulhoso. Porém são muitos os que nem respondem aos pedidos de parceria e apoio. Na sua grande maioria querem “vir à boleia” de todo um trabalho e por isso acabam por nunca aderir. Mas felizmente, desde a primeira hora todos os hotéis de Sesimbra, os melhores restaurantes e algumas das melhores empresas de turismo de Sesimbra e de Setúbal. Curiosamente logo após o término da 1ª edição, recebo um contacto do então Dr. Rosa do Céu que me quis felicitar pelo festival e reconhecendo o sucesso inesperado, acabando a TLVT por me reconhecer como “personalidade do ano” devido ao meu trabalho de divulgação da Arrábida. Tendo também, sem qualquer solicitação dado uma pequena colaboração monetária. O mesmo assumiu um apoio na 2ª edição que muito ajudou o festival a crescer e a chegar mais longe. Mesmo assim custou-me muitos milhares do meu bolso e da minha empresa, patrocinadora deste festival. Agora e para meu espanto, após a remodelação da Região de Turismo e a extinção da TLVT, surgindo a ERTL (Entidade regional do Turismo de Lisboa) retiraram o apoio (de 5000,00 €) apesar de reconhecerem o trabalho, o sucesso e o festival, não lhe reconhecem “promoção turística” mas sim “cultural”. Neste momento estou com o mesmo como comecei. Depois tenho o apoio Institucional das 3 autarquias envolvidas e a oferta

de um almoço ou jantar ao pequeno grupo de convidados (premiados e jornalistas internacionais) por parte de duas delas. O restante para o qual não consigo apoio, pago do meu bolso. Tenho ainda o apoio do IPA/ISEC que com a Colorize me dá ajuda na organização da conferência Internacional. Como surgiu a ideia de realizar esta iniciativa? Surgiu quando participei com quatro filmes meus em vários festivais internacionais em diversos países, ganhei uma serie de prémios, nestes filmes apresentei, Sesimbra, Alqueva, Sintra e Lisboa. Filmes como “A Casa dos Espíritos” trouxeram ao Cabo Espichel actores como Jeremy Irons, Meryl Streep ou Glenn Close. “O Circulo Invisível” trouxenos Cameron Diaz e Chistopher Eccleston numa cena dramática do filme. “Hornblower”, um filme realizado na costa de Sesimbra, Arrábida e Cabo Espichel; “As Viagens de Gulliver”, “007 Ao Serviço de Sua Majestade”, entre outros, vieram aumentar a lista de nomes que aqui filmaram. Existem dados e estudos que comprovam o grande impacto e aumento do fluxo turístico a locais que serviram de cenário em produções cinematográficas. O festival pretente promover estes locais para grandes produções cinematográficas, mostrando ao mundo o “nosso” potencial turístico, fortalecendo a imagem internacional da Arrábida, Sesimbra e do Cabo Espichel. No cerne deste festival encontra-se a conferência “Turismo e Cinema” uma oportunidade de desenvolvimento e promoção da investigação sobre a ligação entre o cinema e o turismo, a qual trará até nós pessoas que se encontram de alguma forma ligados aos dois sectores. Para o efeito, estabeleceu-se uma parceria com o IPA – Instituto Superior Autónomo de Estudos Politécnicos que, no âmbito dos seus ciclos de estudos, em particular na pósgraduação em Cinema Documental, tem vindo a desenvolver vários estudos, produzindo conhecimentos e promovendo experiências nas várias áreas de produção de cinema, pós produção, realização, sonorização, imagem e web design, design gráfico e muitos outros. Após o festival comecei a ser convidado para os mostrar também em faculdades e Institutos politécnicos o nosso trabalho. Esta foi também, uma oportunidade de promover a Arrábida e a sua candidatura, pois, tinha sido convidado para pertencer à comissão de honra da candidatura à UNESCO. O que inicialmente se iria chamar de Espichel (devido à minha “luta” pela preservação deste património abandonado por quem devia tratar dele) chamei-lhe Finisterra, porque o Cabo é um finisterra e, juntei-lhe o nome Arrábida, por isso, ficou Finisterra Arrábida Film Art & Tourism Festival. Este não é só uma mostra de filmes mas também uma mostra de varias formas de arte e cultura como o caso das mostras gastronómicas, exposições de fotografia temática, folclore, etc. Já tivemos danças de Grécia, mostra gastronómica de Macau, Musica da China, Fotografias da China, Índia, Macau, Grécia, Marrocos. A este projecto ainda se junta uma Conferência internacional onde o tema é sempre “O Cinema e o Turismo” onde já tivemos alguns dos mais interessantes e variantes temas de relação entre o turismo e o cinema. Como se processa a participação? Inicialmente abríamos as inscrições apenas entre Janeiro a Março, mas após a ida a Cannes senti-me na necessidade de abrir as inscrições em Novembro uma vez que percebi que iríamos “dar um salto” e foi o que aconteceu. Depois aproveitei os contactos que fiz nos vários festivais e agora os novos em Cannes para enviar um convite formal anexando boletim de inscrição e regulamento. Também o fenómeno chamado Facebook que nos liga ao mundo à distância de um clik, tem sido muito importante nos contactos. Depois há ainda a recepção dos filmes, cataloga-los, carrega-los para o canal Vimeo do Festival e depois de fazer as grelhas, enviar para os membros do Júri internacional que estão nos seus países. De realçar que os membros do Júri não se contactam entre si e nenhum sabe quais são filmes premiados. Apenas na cerimónia de entrega de prémios os concorrentes e os membros do Júri sabem os resultados. Apenas o presidente do Júri, eu e algumas pessoas da equipa que fazem a pré-selecção dos filmes, tem conhecimentos mais formais. (continua na página seguinte)


14 (continuação) Sendo vencedores de algum prémio, avisamos o concorrente que o seu filme é premiado, sem que seja informado que prémio venceu. Desta forma terá de vir a Sesimbra receber o prémio. Como realizador, produtor, traz normalmente alguma cobertura jornalística e quando não acontece, fará divulgação para dar relevo ao prémio e com isso dá relevo ao festival e local onde este se realiza. Que mensagem pretende passar com o Finisterra? O Finisterra pretende mostrar as potencialidades cinematográficas deste locais, ao trazer realizadores e produtores até nós, para receber um prémio, durante os dias em que estão cá a custo zero para eles porque ofereço a estadia de hotel e refeições. Fazemos vários tours turísticos pela região da Arrábida, mostramos também alguns locais que já foram e poderão vir a ser utilizados em filmes de grande produção cinematográfica. Em Cannes apresentei Sesimbra, Arrábida e o Cabo Espichel à FOX. Também já fomos contactados por produtores Indianos, Franceses, Brasileiros. Agora criei a Arrábida Film Commission que está a desenvolver ainda os primeiros passos para criar condições mais favoráveis, como parcerias e instituições para incentivar as grandes produções. Quando os nossos autarcas e governantes perceberem o impacto que o cinema tem directamente no crescimento do turismo, irão apoiar estas iniciativas de forma mais directa e interessada. Não é à toa, que ainda este ano a Nova Zelândia que aumentou exponencialmente o fluxo de turistas após o “Senhor dos Anéis”, veio agora apoiar em 25 Milhões cada um dos três filmes que o James Cameron está a fazer de “Avatar”. Ou seja investe 75 Milhões sabendo que o retorno turístico e financeiro é de milhares de milhões. Claro que para nós “APENAS” teríamos que convencer e dar condições para que um “qualquer “James Cameron olhasse para a Arrábida Sesimbra ou Cabo Espichel.

O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014


EDUCAÇÃO

O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

15

Corta-mato Escolar

Apuramento para o nacional Comenius

Promove a comunicação e a compreensão Professores do projecto, num encontro preparatório, a conhecer Sesimbra

Entre os dias 3 e 7 de março, a Escola Secundária de Sampaio (ESS) irá receber uma delegação de alunos e professores oriundos de Espanha, Alemanha e Turquia, no âmbito da sua participação no programa Comenius. Assim, um total de sete professores e dez alunos irá permanecer em Sesimbra para, em conjunto com oito professores e dez alunos da ESS, desenvolverem um conjunto de atividades que integram: uma exposição sobre a vida nos anos 60, que estará patente na Casa do Bispo, entre os

dias 5 e 15 de março; uma peça de teatro protagonizada por um conjunto de alunos da ESS, levada à cena no auditório do Cine-Teatro João Mota, na tarde do dia 5 de março; e uma visita ao Mosteiro da Arrábida e ao Museu Oceanográfico Professor Luís Saldanha. Esta parceria multilateral tem como principais eixos de desenvolvimento a comunicação entre diferentes gerações, em contexto familiar; a cultura dos anos 60, retratada a partir das próprias dimensões que fazem parte da vida dos

alunos e o consequente contraste com a situação vivida nos países parceiros durante essa década. Neste âmbito, será dado especial relevo aos aspetos relacionados com a economia, cultura popular, vida familiar, estereótipos culturais e geracionais, bem como à comunicação entre diferentes géneros e gerações. A finalidade principal desta iniciativa é promover a comunicação e a compreensão mútua entre as diferentes gerações e os diferentes países parceiros.

André Antunes, Rodrigo Pinhal, Ricardo Oliveira, João Fortunato, Diogo Veríssimo, Miguel Parente (equipa de Juvenis Masculinos do AE Sampaio), Cátia Pereira (AE Sampaio) e Alexandre Parada (AE NR Soromenho), são os nomes dos alunos, que representarão o concelho de Sesimbra, no Campeonato Nacional de Corta-mato Escolar, já no próximo dia 15 de Março, em Portalegre. Depois de participarem, cerca de 550 jovens, na 30ª edição concelhia, na Lagoa de Albufeira, e no distrital, no Parque da Paz, em Almada, os alunos ficaram apurados para o nacional, em equipa de Juvenis Masculinos do Agrupamento de Escolas de Sampaio, Infantis B Femininos (3ª lugar) e Infantis B Masculinos (2º lugar), consecutivamente. Embora o escalão de Infantis A não esteja incluído na grelha de participação do campeonato nacional, destaque também para o 3º lugar de Tomás Gomes (AE de Sampaio), no distrital.


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

CULTURA

16

Filipe Ferreira

Disco de Ouro para um fotógrafo Filipe Ferreira, fotógrafo e realizador, a residir em Sesimbra desde os 10 anos, primeiro na Faúlha da Cotovia e atualmente na Corredoura, foi premiado pela editora discográfica Universal Music com um “Disco de Ouro” pelo seu trabalho de fotografia e vídeo, no álbum, “Fado é Amor”, no qual Carlos do Carmo canta em dueto com grandes nomes da nova geração do fado. Filipe Ferreira é filho da Chef Mimi Silva, nasceu na Suiça, e não sabia uma palavra de Português quando veio para Sesimbra. Fez o seu percurso escolar com a professora Maria Angélica, e depois o percurso normal das escolas C+S e Secundária de Sampaio. Foi depois estudar electrónica de computadores no politécnico de Setúbal, embora não muito convencido sobre se seria esse a profissão que desejava: “Estava a meio do curso, com aquela sensação: o que é que eu estou aqui a fazer? Será que é isto? Será que não é?...” O percurso que o levou ao vídeo e depois, também à fotografia, resultou de alguns acasos, embora não tenha sido bem o acaso a causa principal, já que Filipe Ferreira esteve sempre atento às oportunidades, de acordo com um princípio que o guia, e que lhe foi transmitido pela mãe: a ideia de que nada está sempre garantido:

”Se já sei que vou ter um “não”, porque não hei-de perguntar se posso? Ou se devo? E então sempre fui um bocado atrevido nas coisas”.

VIDEO E FOTOGRAFIA Foi assim que um dia, ao ver o making off de um filme onde se falava da técnica edição de vídeo, aquilo prendeu-lhe a atenção e um dia, ao descobrir um workshop sobre montagem de vídeo na escola ETIC, inscreveu-se. Foi um curso de curta duração, mas havia de dar frutos Um dia foi assistir a um Programa da Manhã, na Rádio Comercial, onde conheceu o Nuno Markl: “Demo-nos bem, e ele um dia apresentou-me outra pessoa, o Rui Pedro Tendinha; crítico de cinema, que me falou na possibilidade de um part-time nos canais de Telecine. Pedi-lhe para ir assistir um dia, e então conheci a Arizona Filmes, que foi a minha primeira empresa

onde trabalhei na edição de vídeo.” Nessa altura, saiu do curso que estava a tirar, e atirou-se “de cabeça”: “Tinha descoberto aquilo de que gostava. Depois saí de lá, tornei-me free-lancer, entrei para outra produtora, fui fazendo vários videos, vários programas…” Filipe Ferreira recorda-se do momento exacto em que a fotografia entrou na sua vida, já que não pertence àqueles grupo dos que dizem que “desde pequenino tinha uma câmara”. Aconteceu que um dia ganhou uma entrada para um concerto do David Fonseca, que ia fazer a apresentação dum álbum novo, num espaço mais privado: “Levei a minha máquina e tirei umas fotos. Quando cheguei a casa, olhei para aquilo, e pensei: “Até tem piada. Foi nesse momento que pensei: isto da fotografia é capaz de ser engraçado!” Comprou então uma má-

quina de alguma qualidade, e pôs-se a pensar onde poderia praticar, nomeadamente a fotografia de espectáculos: “Aqui em Sesimbra, no cine-teatro, às vezes há concertos, se calhar vou ali perguntar se eles não se importam que eu vá lá tirar umas fotos, de vez em quando, aos concertos. Disseram que sim, desde que arranjasse as autorizações dos artistas, por nós não há problema.” E foi assim que foi adquirindo experiência, quer de fotografia, que do meio próprio dos artistas e respectivos managers. A reacção foi em geral positiva: “Dos artistas nacionais, nunca tive uma “nega”. Fez ainda um curso da Associação portuguesa de Arte Fotográfica: “Ensinaram-me uma ou outra técnica, mas foi mais uma aprendizagem da história da fotografia, que eu acho que é muito importante.”

TIMIDEZ Fazia também parte do curso o mandarem-no fazer alguns trabalhos práticos: “Isso também foi interessante, porque como fotógrafo e como free-lancer temos de ser um bocado atrevidos, temos de chegar aos sítios e perguntar. Eu sou um bocado tímido nessa parte, mas lá fui, aprendi também um bocadinho disso.” Todo este trabalho “voluntário” acabou por dar os seus frutos: acabou por fotografar, já como trabalho profissional, no 1º concerto que Rita Red Shoes fez solo: “Fotografei os ensaios, o concerto, e no dia a seguir o outro concerto, começou-se a criar uma relação. Depois fotografei também alguns concertos do David Fonseca, cujo manager era o mesmo da Rita Red Shoes”. Outro trabalho que recorda é o do mais recente álbum de Sérgio Godinho Da fotografia passou também a filmar em vídeo e a fazer os denominados “teaser”: pequenos filmes que servem de apresentação a um trabalho discográfico ou

cinematográfico, por exemplo. Começou por fazer “teasers” para o músico David Fonseca: primeiro apenas na montagem, e depois também a filmagem. O seu trabalho nestes “teasers” acabou por chamar a atenção da editora discográfica Universal Music, que finalmente o convidou a filmar o trabalho de gravação do disco de Carlos do Carmo, 10 duetos com os melhores jovens fadistas do presente: “Foi um orgulho pensarem em mim, uma pessoa que ainda não tem uma grande carreira. Era uma grande responsabilidade: Carlos do Carmo é o maior fadista, com uma carreira de 50 anos, e com os maiores fadistas da actualidade: Ana Moura, Mariza, Camané, Ricardo Ribeiro, Carminho, etc. Era um grande desafio. Foi daqueles momentos…” confessa Filipe Ferreira. O trabalho era exclusivamente de vídeo. Mas Filipe não podia deixar de fotografar também: : “Tirei umas fotos, eles gostaram e pediram-me que fizesse também as fotos”. Filipe Ferreira destaca uma das características do seu trabalho: a de “desparecer”, ou seja, de fotografar e filmar discretamente, de moque que “ao fim de 5 minutos estavam completamente à vontade, já não havia aquela presença, aquela “ele está a gravar”. “O meu orgulho é ter apanhado momentos que são naturais, são genuínos, vêse que eles estão a rir de vontade, não há ali um “frete”. Há momentos que são genuínos, o próprio Carlos do Carmo me disse isso E foi assim que, tendo o disco atingido o patamar de Disco de Ouro, a editora considerou que a criatividade de Filipe Ferreira tinha também contribuído para esse sucesso de vendas, e estendeu ao seu trabalho o Disco de Ouro, “um trabalho de que muito me orgulho”, remata Filipe Ferreira. João Agusto Aldeia


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

Quintacondense homenageada por Sociedade Colombiana de Comunicação

Martha Esperanza recebe “Gran Cruz al Merito Antonio Narino”

Foi no passado dia 21 de fevereiro, no salão da Constituição do Capitólio Nacional, no Congresso

da República da Colômbia, que a quintacondense Martha Esperanza Ramos de Echandia, recebeu a

“Gran Cruz Orden al Mérito de la Comunicación Social Iberoamericana Antonio Narino”. Este reconhecimento, surge no resultado da determinação e apoio à democracia, implícitas nos trabalhos de tradução, de quatro obras da literatura e do direito Português, e, é partilhado com a família Machado que, segundo Martha, foi muito preponderante no apoio à tradução da Obra, “Cuentos para mis nietos”. Martha Esperanza vive em Portugal há cerca de 10 anos, tendo obtido nacionalidade portuguesa. É advogada de profissão e é considerada na sociedade por ser muito interventiva. Em 2013 teve duas páginas numa revistas “cor-de-rosa” portuguesa e sempre que se desloca à Colômbia, tenta promover a cultura portuguesa.

Poesia

Grémio e Liga de Amigos de Sesimbra juntos pela arte

Cores africanas em exposição Pintora moçambicana, Odete Gabriel expõe as suas obras de arte no clube de Sesimbra, conhecido por Grémio até ao final de março. A artista plástica residiu na África do Sul, tendo trabalhado como assistente Social para a Comunidade Portuguesa. Porém o seu amor pelas artes nunca deixou abandonar a pintura e os trabalhos artesanais e criar nova arte. A pintora aceitou o convite do Observatório da Liga de Amigos de Sesimbra para expor os seus trabalhos naquela que é umas das casas mais antigas a nível cultural, o Grémio. Natural de Moçambique a pintora já expôs em vários países e regiões, Johannesburg, Algarve, Lisboa. Sesimbra, Alentejo. Expos ainda na Biblioteca da Amoreira, Biblioteca da Moita, Biblioteca Alhos Vedros. A mostra que vai estar patente até ao final de março é uma das muitas iniciativas que a liga de amigos de Sesimbra, com uma nova direcção pretende fazer ao longo do ano. A entrada da mostra é gratuita e o interior do clube, um local agradável para tomar um chá e apreciar a cultura e arte que ali está patente.

Vendaval Adoro o cheiro ardente, Da maresia… Quando sopra fortemente, A ventania… Bem junto do mar, revoltado, Em vendaval… Gaivotas dançam com encanto a sinfonia… E a noite, o doce canto, Da invernia… É como o hino, entoado Por coral. Álvaro Bizarro

LIVRO DO MÊS

17

Por detrás de um grande homem de Estado como Sebastião José de Carvalho e Melo não está uma grande mulher, mas sim várias. Umas unidas por laços de sangue, como a sua mãe Maria Teresa Luiza de Mendonça e Melo, outras por laços afetivos como as suas duas esposas. A primeira, dez anos mais velha que o jovem Sebastião, foi a viúva Teresa de Mendonça e Almada. O namoro não foi bem aceite, mas Sebastião José não hesitou, raptou a noiva e casou em segredo, escandalizando tudo e todos. Amor ou ambição por um casamento com uma mulher de uma classe superior à sua? O casamento foi curto, a mulher morreu de doença enquanto o jovem ascendia na carreira diplomática. Primeiro Londres, depois Viena. Foi aqui que conheceu a sua segunda mulher, companheira de uma vida e mãe dos seus quatro filhos, Maria Leonor Ernestina Daun. Mas Sebastião José era um homem inteligente, frio, mais dado às suas ambições políticas que às artes do coração. Há uma mulher que fica na história como a grande protetora e responsável pela sua ascensão ao poder: a rainha Maria Ana de Áustria que o colocou ao lado de D. João V e depois do filho D. José I. Mas também foram as mulheres as responsáveis pela sua queda. O seu confronto com a Marquesa de Távora, D. Leonor, o processo sangrento daquela família e o desafeto de D. Maria I por este homem levaram-no à desgraça. A autora bestseller María Pilar Queralt del Hierro traz-nos a história destas mulheres que, de uma forma ou de outra, estiveram presentes na vida do Marquês de Pombal, o estadista ilustrado que soube fazer com que Lisboa renascesse das cinzas em 1755. Viajamos pela sua escrita através do século XVIII, pelos palácios reais, pelas intrigas da corte, pelos salões onde se reuniam escritores, artistas, políticos unidos pelos ventos do Iluminismo, é aqui neste ambiente que conhecemos Teresa Margarida da Silva ou Leonor de Almeida Lorena, Marquesa de Alorna.


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

DESPORTO

18

José Augusto Carvalho e Paulo Pulquério

Dois aventureiros em Santiago Dois sesimbrenses aventuraram-se de forma inédita e pioneira a percorrer o Caminho de Santiago, em bicicleta, a partir de Sesimbra. Uma viagem em que muitas peripécias fizeram deste momento algo a repetir e recordar. José Augusto Carvalho e Paulo Pulquério foram os aventureiros.

A ideia já tinha surgido há algum tempo, através do próprio José Augusto e Mi-

guel da Pia. “O Miguel teve um problema de maior, não pode ir. Como o Delta (como

é conhecido José Augusto) ia sozinho, desafiou-me e aceitei”, reforçou Paulo Pulquério. A viagem teve início no dia 6 de janeiro, saíram da freguesia de Santiago e percorreram 685 km até Santiago de Compostela. À nossa questão do porquê daquela cidade espanhola, José Augusto responde prontamente “porque há uns tempos deram-me uns mapas, com uns caminhos de Santiago. Sabia que os caminhos estavam assinalados, aliás nunca pensei que estivessem tão bem assinalados. Decidimos naquela altura que iriamos só porque sim. Seria com certeza um objectivo a atingir” Durante os sete dias de viagem, os dois amigos percorreram cerca de 100 quilómetros por dia. O percurso foi fora de estrada, mais montanha. Os caminhos que

fazem os peregrinos. Ficavam em hotéis, albergues, pousadas da juventude etc. “Levamos uma mochila às costas, com um porta bagagens pequeno, na bicicleta, os albergues para os peregrinos só fornecem água quente e cama, tínhamos que ter saco cama e nós não tínhamos, afirmou José Augusto, salienetando: “Fomos com o espirito de aventura e levávamos connosco a intensão de atingirmos o nosso objectivo que era chegar a santiago de Compostela”. O momento mais difícil foi de ponte de lima para robians, foi uma passagem por uma serra, “fizemos o caminho real português central.

Próxima aventura Em julho, “vou fazer um Iron Man em franckfurt, é uma prova de triatlo mais difícil do mundo. São quatro quilómetros a nadar, 180quilómetros de bicicleta e 42 quilómetros a correr”, confidenciou, Paulo Pulquério. O próximo passo será repetir esta experiencia com mais gente, “vamos continuar a fazer maratonas, que foi o que sempre fizemos. Gostavam, de fazer o caminho para santiago, mas o francês, “é mais difícil”. Pelo que a aventura continua e está tudo em aberto nos sonhos por concretizar destes aventureiros que em duas rodas promovem o desporto a amizade e o companheirismo.

Leia o Sesimbrense Seja um novo amigo desta Liga Faça-se sócio

Canoagem no Clube Naval de Sesimbra A secção de canoagem do Clube Naval de Sesimbra conta com 14 anos de existência com grande dinâmica e atividade. A equipa tem vindo a crescer em número e em qualidade de atletas, que para além de acumularem excelentes resultados, também reforçam laços de amizade e companheirismo, sendo essa a máxima defendida pelos treinadores desta secção. A prática desta modalidade implica muita insistência e determinação, visto que a adaptação não é fácil e a competitividade tem um nível elevado. Mas os amantes desta modalidade, faça chuva ao faça sol, pegam no Kayak e rumam para o mar, preenchendo com cor e movimento a paisagem magnífica da baía de Sesimbra, uma verdadeira pérola da costa azul. Em época de crise as condições não são as mais favoráveis, sendo necessária uma grande gestão por parte da direção do Clube Naval de Sesimbra, para equilibrar os gastos com as deslocações para provas e outras despesas com os atletas. Fazem falta os apoios externos, para poderem ser feitos investimentos, como a comprar de novas embarcações que mantenham a equipa atualizada e capaz de continuar a conquistar títulos, bem como, para continuar a formar os novos atletas. Atualmente, o Clube Naval de Sesimbra apresenta ótimas condições para a prática desta modalidade. Com uma sede de excelência a escassos metros da água, um hangar espaçoso para arrumar o material, uma sala de treino para compensar as necessidades físicas dos atletas e uma equipa de treinadores experientes e dedicados, a secção de canoagem continua com as portas abertas para receber novos atletas para a prática da modalidade tanto na vertente competitiva como na recreativa. Ângela Batista (Diretora do CNS responsável pela canoagem)


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

19

Horóscopo

Campeonato Nacional de Canoagem

Clube Naval foi o grande vencedor Sesimbra recebeu no dia 15 de fevereiro a 1ª prova do Campeonato Nacional de Canoagem de Mar. A organização da prova foi da responsabilidade do Clube Naval de Sesimbra, que se sagrou o grande vencedor por equipas. A dupla do CN Milfontes, Nuno Silva e Sérgio Jesus, foram os vencedores absolutos com 59:46,73, seguidos de André Santos do CF Vila condense (1º SS1 sénior) com 1:00:51,81 e a fechar o pódio ficou a dupla do Alhandra SC,Rui Câncio e Henrique Cocheno (1º SS2 Vet-A) com 1:01:38,22. Participaram nesta prova nacional 13 clubes, tendo ainda participado um clube espanhol, que não conta para os resultados. A alteração de percurso permitiu encontrar boas condições de vento e ondas para os atletas que, após seis quilómetros contra o vento, regressaram para a che-

gada com vento e ondas a favor, permitindo usufruir das excelentes condições que Sesimbra tem para receber provas de canoagem de mar. O percurso tinha no total cerca de 14 quilómetros. Segundo Guilherme Cabral um dos participantes na organização “a prova foi um sucesso. As desistências foram quase nulas, não tendo havido qualquer problema. Para segurança da prova tínhamos seis embarcações na água para garantir a segurança dos atletas” O percurso teve partida de terra na praia do ouro, junto ao Hotel do Mar e apenas tinha uma bóia de

viragem cerca de 1km antes da praia da baleeira. Segundo o atleta sesimbrense: “O percurso consistia em ir e regressar ao mesmo ponto rondando a bóia”. O clube vencedor foi o Clube Naval de Sesimbra. Os atletas que conseguiram o 1º lugar na prova de Sesimbra foram a Sofia Coelho na categoria de Seniores Femininos, a Ana Duarte na categoria Veteranos A Femininos e o Mário Duarte na categoria Kayak-Mar. A próxima etapa do Campeonato Nacional de Mar é no dia 15 de Março em Lagoa, Algarve na 2ª edição do Praias de Lagoa Downwind.

Campeonato Nacional Canoagem de Mar I Clube 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

278 CNSesimbra 293 CMCostaSol 44 CCSetúbal 307 CCAmora 321 KCCArade 89 CNFão 145 CNMilfontes 12 CFVilacondense 52 AlhandraSC 206 ANAmorense 351 SLBenfica 215 DarqueKC 338 Viking

SS1 Sen

SS1 SS1 SS1 Jun Sen F Jun F

K1 Abs

2272 509 950 813 643 879 752 1671 595

1110 2310 1027 1027

1200

879 950

SS2 Sen

SS2 Jun

879 1110

879 1110 1027

1110 1200 950

1027 0 1200

950

950 1200

1110 0

0

0

0

SS2 OC1 Total Mis 7771 5271 3170 2950 2870 2779 1952 1671 1545 1200 1110 0

Skate Park da Quinta do Conde

Inaugurado no dia 9 de Outubro, o Skate Park, localizado na Quinta do Conde, é diariamente frequentado por jovens, que partilham o gosto pelo Skate, BMX Freestyle e In Line Agressive.

Esta infra-estrutura desportiva, com área total de 1200 metros quadrados, foi projectada pelo arquitecto Francisco Lopez, também praticante de skate. O Parque, foi integrado

na área de requalificação da zona nascente da freguesia da Quinta do Conde, sendo hoje, a par do parque da vila, um dos principais locais de convívio da comunidade juvenil quintacondense. Os trabalhos, executados sob um projeto concebido pelo arquiteto Francisco Lopez, que para além de arquitecto é também praticante de skate.


O SESIMBRENSE | 1 DE MARÇO DE 2014

16

Foto Fantasia

Um projecto da Liga dos Amigos de Sesimbra

A tradição mantem-se a LAS voltou, no dia 27 de fevereiro a fotografar as fantasias das crianças das escolas do concelho. Como é Carnaval, O sesimbrense não podia deixar de destacar algumas das mais felizes e simpáticas máscaras que fotografamos. Foram 135 as crianças, de seis Jardins de infância e ATL do concelho ( Alfarim, Aiana, Azoia, Meco, Quinta do Conde e Sesimbra), que este ano quiseram participar no projecto que promove a ligação entre a liga e a comunidade educativa. A fotofantasia é um projecto que visa a proximidade entre as famílias e os colaboradores da Liga dos Amigos de Sesimbra. E como é Carnaval aqui fica o registo de que a tradição, “ainda é o que era”…

Santiago Carrilho JI do Pinhal do General

Afonso Pereira JI da Azóia

Catarina Cruz JI da Aiana

Miguel Apolinário JI de Sesimbra

Gonçalo Martelo JI da Adeia do Meco

Ana Marta JI de Alfarim

“A importância das pessoasna dinâmica do território” Tomei conhecimento que a Liga dos Amigos de Sesimbra vai promover no próximo dia 29-03-2014 um debate subordinado ao tema: “A importância das pessoas na dinâmica do território”. Por inerência de ofício, tenho estado sempre ligado às questões do ordenamento do território. É evidente, que é a ação humana que transforma o território, mas também é verdade que a transformação se faz em função de interesses económicos poderosos, que esses interesses são silenciosos para a opinião pública e conduzem frequentemente a resultados pouco recomendáveis. O antídoto para este estado de coisas é o ordenamento do território, que tem como objetivo salvaguardar, valorizar e desenvolver aquilo que é de todos nós: o património natural, construído e cultural. O ordenamento do território tende (ou devia tender) a fazer prevalecer aquilo

que é de todos nós, fazer prevalecer o público sobre o privado. No entanto o ordenamento do território está confinado à esfera muito restrita dos técnicos, dos regulamentos e do poder político, muito distante da opinião pública em geral. Mesmo quando é debatido num âmbito mais alargado, raramente ultrapassa a esfera do debate política e partidária. Este alheamento da opinião pública fragiliza a defesa daquilo que é público. O exemplo extremo de alheamento relativamente ao espaço público é o vandalismo. Quem destrói sinais de trânsito e grafita paredes, não sente aqueles objetos como seus. Não há sentimento de pertença relativamente ao espaço público. Esta iniciativa da Liga dos Amigos de Sesimbra tem o mérito de trazer este debate para o público em geral. José Carlos Trindade

Edição Março sesimbrense  

Jornal Regional do Concelho de Sesimbra

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you