Page 18

e desejos de sol, de tão claras escadas. Ainda não sei, Senhor, como recebê-Lo. Não conheço vigília, não tenho círios nem hóstias para o domingo de algum dia cheio de santos, anjos e glórias. [?Como um desejo que se percebe na pálida luz de um moço, lindo como um hino, que torna desejos em pátrias de inefáveis paisagens, em sublime todo delírio?]

Descordo da Procura Conheço tantos textos e muitos que procuram Seu nome; imagens cálidas que esperam Seu sopro. E meus versos jamais O hospedaram; sons e cores sem torres, nichos, mitras nem asas. Mas muitas veredas sibilaram rastro de aura malta de passos lastro de almas no teto dos olhos: Francisco dos Pássaros e João das Águas do Jordão ancoraram fantasias em meus segredos, cais para derivas. Vieram as febres instigadas pelos sonhos com esses homens que aspergiam albas nos cânticos dos seminaristas: encantamento que feria a quietude que nunca resguardei. Meus olhos entre o torso dos santos e Seus olhos

Poemas desconcertantes

| 16

Profile for Maria Clara Medeiros

SODRÉ, Paulo Roberto. Poemas desconcertantes. Vitória: Estação Capixaba / Cândida, 2017.  

Série ESTAÇÃO CAPIXABA, Volume 5. Edição digital - ISBN 978-85-64258-11-2.

SODRÉ, Paulo Roberto. Poemas desconcertantes. Vitória: Estação Capixaba / Cândida, 2017.  

Série ESTAÇÃO CAPIXABA, Volume 5. Edição digital - ISBN 978-85-64258-11-2.

Advertisement