Page 1


Dia Mundial da Luta Contra o Câncer

Conheça Emily VanCamp

Pág. 30

Psi: O novo sucesso da HBO

Pág. 10

O amor em How I Met Your Mother

Pág. 34

Calendário

Tirinhas In-Dicas Clique

Ponto a Ponto Rory, a devoradora de livros de Gilmore Girls

Pág. 24

Coluna

Pág. 10

A França em Les Revenants

Telas

Perfil

Pág. 6

Pelo Mundo Pág. 48

Sabe o que é streaming? Conheça os mais variados catálogos

Pág. 26

Pág. 20

Guto Aeraphe

Carimbo

Seções Mensagens Antenados Vitrine Pixels

Entrevista

Pág. 44

Ser ou não ser? Qual o perfil da industria audiovisual no Brasil?

Por que gostamos tanto de séries policiais?

Pág. 16

Capa

Veronica Mars, um sonho que virou realidade


Redação Ana Flávia Miranda Gabriela Pagano Maísa França Maria Clara Lima Mariela Assmann Paulinha Alves

Sonhos

Editorial

Já era tarde e fui dormir com uma missão: escrever o editorial da Edição Zero da Revista Pixel TV. Sim, zero! Estamos falando do ponta pé inicial de um sonho que uniu um monte de gente bacana, e que agora está aqui, sendo lançada ao vento para ser tragada pelas traças virtuais. Um sonho. O sonho é o ponto de partida para grandes realizações, disse alguém mais esperto do que eu, que pensou nisso e se apropriou de um conceito tão óbvio. O sonho nunca é o fim, é sempre o ponto inicial. Fica fácil definir a “Pixel”, como a chamamos por aqui, de sonho. Já que por definição do tal Michaelis: pixel pi.xel (cs) sm (ingl) É a menor unidade ou ponto de um monitor de vídeo cuja cor ou brilho podem ser controlados; elemento de imagem. Não sei bem se o Aurélio disse o mesmo, mas para nós, pixel é um sonho em ondas longas que ultrapassam as esferas do espaço e tempo. O pixel é um ponto de partida, divertido e sério, versátil e duradouro. Mas todo sonho só se realiza quando vira realidade, e foi assim que chegamos aqui. Pixel virou uma revista

Redação Online Amanda Pioli Jéssica Nakamura Larissa Lofuto Chefe de Redação e Direção de Pauta Gabriela Pagano Editoras Gabriela Pagano Maísa França Maria Clara Lima Editora Online Mirele Ribeiro Marketing Maísa França Revisão Raquel Perez Capa e Ilustrações Marcos da Mata Projeto Gráfico e Diagramação Wellington Pereti Arte Rayssa Bevilaqua

que traz como destaque em sua edição especial de lançamento uma matéria sobre o filme da série Veronica Mars. Um filme feito para os fãs. O sonho de fazer um filme da série veio depois do cancelamento repentino da história, e por anos, a ideia ficou suspensa no ar, restrita aos murmúrios de grupos e comunidades na internet. Até que alguém ouviu esse sonho e com a ajuda de milhares de fãs, o tornou realidade. Então, vamos brindar a isso, aos sonhos e às grandes realizações, por que

Diretora Executiva Maria Clara Lima Contato contato@revistapixel.com.br Publicidade anuncie@revistapixel.com.br Redação redacao@revistapixel.com.br

como diria Carl Sandburg: “Nada acontece que não tenha sido antes um sonho”. E não acontece mesmo.

Maria Clara Lima Editora Executiva

Revista Pixel TV edição #0 - abril de 2014. Essa publicação é distribuída via web para você carregar onde quer que for. Seja no celular, no Ipad, na telinha do computador. Para isso, basta acessar o nosso Issuu! http://issuu.com/revistapixeltv


Cartas do Leitor Mande uma mensagem para a gente com seu nome completo, profissão, cidade e série preferida. contato@revistapixel.com.br

Outros Pixels issuu.com/revistapixeltv

Sociedade Alternativa Acompanhe nossos passos nas redes sociais facebook.com/revistapixeltv

FACEBOOK TWITTER -

Mensagens

twitter.com/@RevistaPixelTV

PINTEREST -

pinterest.com/pixeltv

GOOGLE PLUS -

google.com/+RevistapixelBr

Bem vindos à origem da origem. Ao pixel da pixel. Está no ar a primeira edição da Revista Pixel TV. Logo, esse cantinho colorido e sossegado ainda não mostrou a

Contato

que veio. Mas ele será o nosso espaço de interação. Queremos

Redação

ouvir

Envie sua sugestão, comentários, dúvidas

vocês,

saber

suas

opiniões sobre nossas seções,

(existenciais ou não), correio elegante e

textos, posts e aventuras. E

contribuição para contato@revistapixel.com.br - a

apesar de não sermos um

revista mais antenada da galáxia!

divã, esperamos que vocês desabafem também: abram o

Anuncie

coraçãozinho para a Revista

Moderna e charmosa, seu anúncio vai ficar lindo

Pixel TV! Ficaremos felizes em

nas páginas da revista.

esclarecer dúvidas ou corrigir

Acesse o site

eventuais erros ou equívocos. E

mande um email no anuncie@revistapixel.com.br

revistapixel.com.br/anuncie ou

e aqui que nos encontraremos para esse gostoso bate-papo

Colabore

todos os meses.

Se você quer escrever para a Revista Pixel TV ou

E como fazer isso? Manda

para o nosso blog precisa ter em mente uma

uma mensagem por e-mail,

coisinha ou duas: a união faz de um pixel uma

e garantimos que vamos ler

obra de arte. Escreva para nós! Acesse o site e

todas elas.

saiba como!

revistapixel.com.br/colabore


CARIMBO

Psi: De louco, todo mundo tem um pouco Nota: 9,5 Por Maria Clara Lima

O novo drama da HBO Brasil acerta em criatividade e qualidade, e transporta para as telas os fantasmas psicológico do cotidiano. A história mostra a vida do Dr. Carlo Antonini (Emílio de Mello), um “psi” em tempo integral, que é tragado pelos mistérios do ser, pela cidade de São Paulo, e pelas pessoas que o cercam. Personagem recorrente dos romances do psicanalista Contardo Calligaris, Dr. Antonini é uma espécia de Dr. House brasileiro, e conquista a todos com sua franqueza e paixão pela mente humana.

O primeiro episódio da série prova que as produções nacionais

da HBO tem a marca do canal. A excelência vai desde a fotografia até a escolha do elenco, que traz nomes como Claudia Ohana, Raul Barreto, Otávio Martins e Aida Leiner. Já a direção é assinada por Marcus Baldini, o homem por trás das câmeras de Preamar e Bruna Surfistinha, e responsável por trazer a tona uma sensibilidade incrível para as cenas de Psi. Ficha Técnica:

Título: Psi

pelo fato da história se passar em São Paulo, não é isso. Mas sim

Duração: 106

por você conseguir realmente se deslocar pela metrópole, como se o

Gênero: Drama

cenário e a vida fossem parte de uma só peça. A cidade personagem

Censura: 16

mais esquizofrênica do que um paciente do tal doutor.

Direção: Marcus Baldini

Roteiro: Contardo

espécie de drama procedural psicológico, que tem como tema central

Calligaris e Thiago Dottori

as loucuras do dia a dia. Tudo gira em torno de Carlo e como ele

Elenco: Emilio de Mello,

lida com seu conhecimento, seja clínico ou variado. A interação com

Aída Leiner, Igor Armucho,

os demais personagens é provocador. Uma ex-mulher que é muito

Bianca Vedovato, Otávio

presente, enteados que são como filhos, uma amiga que mais podia

Martins, Victor Mendes,

ser uma amante, e desconhecidos, que preenchem a vida de Antonini

Claudia Ohana, Camila

mesmo sem ele querer. A dinâmica tem tudo para dar certo, e render

Leccioli.

muitas temporadas no canal.

Ano de produção: 2013

País de origem: Brasil

HBO Brasil. Passa lá!

Imagens Divulgação

6

• PIXEL TV | Abril 2014

As locações também chamam bastante atenção. Não apenas

Cada história é amarrada em um personagem central, uma

O episódio de estreia da série está disponível online no site da hbomax.tv/psi/


ANTENADOS

Pop toys: sempre cabe mais um Por Mariela Assmann

Pequenininhos, cabeçudos e com um olhar encantador. Você com certeza já ouviu falar de um pop toy! Os bonequinhos da Funko que encantam até os corações mais gelados e já

Uma caixinha de surpresas

se tornaram itens obrigatórios nas prateleiras de quem gosta de

Pensando na expansão da linha

seriados ou coleciona coisas bacanas. É pensando nisso que a

dos colecionáveis de seriados, a

empresa tem investido cada vez mais em coleções inspiradas em

Funko está lançando os Mistery

seriados: The Walking Dead, Supernatural, Sons of Anarchy, Game

Minis, bonequinhos ainda

of Thrones e The Big Bang Theory são algumas das séries que já

menores, com cerca de 6 cm, e

tem uma coleção inteira para chamar de sua.

que vem dentro de um envelope

A maior delas é a de Game of Thrones, que além de já ter

lacrado. Ou seja: você só

mais de 20 pop toys, está em franca expansão. A Funko, inclusive,

descobre qual figura comprou

observa a evolução dos personagens, e acaba fazendo mais de uma

após abrir a embalagem. As

versão deles. Tem o Tyrion com e sem a cicatriz, Daenerys com e sem

primeiras coleções Mistery Minis

dragão, Jon Snow com o uniforme da Patrulha da Noite e uma outra

chegam com 15 personagem

versão diferente. Até os White Walkers entraram na brincadeira –

de Game of Thrones, 12

assim como alguns personagens-zumbi de The Walking Dead.

bonequinhos de The Walking

É fácil se apaixonar pelos bonequinhos. Difícil é saciar esse

Dead (e 11 de The Big Bang

amor, já que aqui no Brasil ainda é complicado achar as figuras. Não

Theory. As figuras “surpresa”

são muitas as lojas que comercializam o produto. Nas importadoras,

serão vendidas ao preço médio

além dos poucos modelos, os preços são bem salgados. Enquanto

de U$7 cada. Logo, o espaço na

nos EUA se paga cerca de U$10 (em torno de R$ 25), aqui no Brasil

estante será pequeno demais

cada pop toy chega a custar R$ 60.

Mas se você se encantou com a versão pop toy do seu

personagem preferido e quer muito uma dessas fofuras, uma dica é visitar as lojas virtuais ou sites gringos. Apesar do frete e impostos,

Imagens Divulgação

vale muito a pensa.

para tanta fofura.


ANTENADOS

Decorando com estilo Quem disse que um hobby precisa, necessariamente, ser apenas um hobby? Para as gaúchas Dierli Santos e a Roberta Reis, a paixão por seriados virou um negócio lucrativo. A dupla de jornalistas resolveu levar o que viam na tela da TV para a parede do apartamento que dividem Porto Alegre. Como? Criando quadros temáticos dos programas favoritos das duas. Foi assim que surgiu Minha Série na Parede, uma lojinha virtual que está dando o que falar.

“Todo mundo que nos visitava elogiava os quadros,

Foi assim que surgiu a ideia de comercializar as telas”, revelou Dierli. E com um pouco de imaginação e algumas pitadas de dedicação, as “gurias” criaram um um Tumblr para de 80 fotos - para os futuros compradores. A ideia caiu no gosto dos amigos e amigos-de-amigos e amigos-de-amigos-de-amigos… agora, muita gente já divide o espaço branco de suas paredes com séries como Friends, Breaking Bad, entre outros suscessos.

Está pensando em decorar sua casa com essas divertidas telas? São dois tamanhos à venda: o

médio, de 21X29 cm, que custa R$30, e o grande, que mede 29X42 cm e custa R$40. E você ainda pode escolher o que combina mais com sua decoração: moldura preta ou branca.

A boa novidade é o catálago de imagens está sempre em expansão e Dierli e Roberta estão

sempre pensando em novas imagens para pendurar na parede. Já pensou em qual quadrinho você quer encomendar? Não perca tempo, dá uma passada na loja virtual das “gurias” antenadas, e leve um pouco de estilo seriador para dentro de casa. Minha Série na Parede,

minhaserienaparede.tumblr.com

Roteiristas A Oficina de Escrita Criativa é um lugar onde sonhos viram… roteiros! E depois, séries de TV. Já pensou transformar aquela ideia genial em algo totalmente real? Essa é a proposta da escola que tem um programa de estudos para iniciantes baseado em exercícios práticos, leitura de roteiros, discussão de projetos e exibição de dezenas de trechos de séries, sitcoms e webséries. A escola existe desde 2010 e está localizada em Pinheiros, na capital paulista. O curso é ministrado pelo André Rodrigues, roteirista, criador e showrunner de Que Talento!, primeira série inédita produzida no Brasil para o Disney Channel. oficinadeescritacriativa.com.br

8

• PIXEL TV | Abril 2014

Imagens Divulgação

disponibilizar as imagens e servir de catálogo - hoje com mais


Beber na fonte (e com estilo) Canecas são uma unanimidade, não? Não!? Serve para qualquer tipo de ocasião. Serve como presente para o chefe, como chamego para um amigo querido ou até mesmo como objeto de decoração. Afinal de contas, a variedade delas é o mais apelativo. Que fã de Friends não quer tomar aquele café em uma caneca do Central Perk? Ou que tal beber um chá bem inglês em uma caneca com a Tardis? Ou, ainda, ler Arthur Conan Doyle bebericando em uma caneca de Sherlock? Os preços desse objeto tão útil e necessário são bem variados, vai de R$15 a R$ 30 (sem frete). Tem pra todos os bolsos e gostos. geekmania.com.br cultbazar.com.br redhotmug.com

Imagens Red Hot Mug/Divulgação

A nova roupa do Rei Um certo dia um alfaiate disse

do rei Chico . A marca trabalha

para o rei que ele poderia fazer

com temas, cores e formas que

a roupa mais bela e mais cara,

dialogam com um público muito

mas que só o mais inteligentes

mais amplo. Fãs de cultura

poderiam vê-la. O rei, vaiodoso,

pop em geral, o seriados são

aceitou a proposta e acabou

temas constantes nas estampas

peladão perante seus súditos.

do

A famosa história do Rei Nú

nosso público também pensa

é bem diferente do Chico Rei

assim, fazendo com que esta

lá das Minas Gerais. Por lá,

categoria figure entre os 3

ninguém precisa fingir que está

temas mais vendidos na Chico

dentro da moda. Há seis anos

Rei!”, disse. Os fãs de seriados

no mercado virtual, a empresa

podem

de Juiz de Fora começou com a

bacanérrimos e super exclusivos,

vontade de inovar. “Criávamos

com preços que variam entre

camisetas que tínhamos vontade

R$ 45,00 e R$ 66,00. Curtiu?

de vestir, mas que dificilmente

Passa no site da loja e entre na

encontrávamos em lojas”, revela

moda do Rei! Tem para todos

Tiago Vieira, parte da equipe

os gostos.

reinado.

“Felizmente

encontrar

modelos

Imagens Chico Rei/Divulgação

Abril 2014 | PIXEL TV •

9


CALENDÁRIO


O Grande C da Questão 8 de abril é Dia do Combate Contra o Câncer, dia de lembrar daqueles que superaram a doença ou que deixaram como legado a sua história de luta pela vida. E como dizem que a arte imita a vida – ou viceversa – o tema é retratado a cada dia mais nos programas de TV Por Maísa Fança

Imagens Divulgação

Abril 2014 | PIXEL TV •

11


O

Personagens diagonisticados com a doença

12

vilão

da

história

turbulenta e isso faz com que as

pode

atacar

qualquer

reações à descoberta da doença

um.

Altos,

magros,

sejam as mais diversas possíveis.

rico e inteligentes. Ele mata

das mais diversas formas, e na

caso do Walter White (Brian

maioria das vezes, chega sem

Cranston), da aclamada série

ser notado. Não, não estamos

Breaking

falando de um personagem de

com câncer de pulmão em um

ficção, esse malvado avassalador

estado avançado – curiosamente,

é uma doença que segundo

esse é o tipo de câncer que mais

um relatório da Organização

mata no mundo. A doença

Mundial da Saúde (OMS), deve

é o ponto de partida para o

tirar a vida de cerca de 13 milhões

desenvolvimento da trama, que

até 2030. Apesar do medo que

segue o protagonista professor

ele causa, é importante lembrar

de química na produção e

que a prevenção e o diagnóstico

venda de metanfetamina. O

avançado

lucro obtido com a venda da

são

uma

arma

Um exemplo disse é o

Bad,

diagnosticado

poderosa contra o câncer.

droga era usado para pagar seu

O estilo de vida atual,

tratamento e, também, garantir

repleto de consumos errôneos

que a família tivesse como se

e desenfreados, é o principal

sustentar por um tempo após a

responsável

surgimento

sua morte. Sua vida ia de mal a

da doença. De 80% a 90%

pior e o diagnóstico da doença

dos casos diagnosticados estão

serviu como uma espécie de

associados à fatores ambientais

recomeço para o personagem,

e ao estilo de vida atual: abuso

o obrigando a sair da inércia.

de

álcool

pelo

e

tabaco,

dieta

O diagnóstico de câncer

inadequada e falta de atividades

muda radicalmente a vida de

físicas são uns dos principais

muitas pessoas, não só as com

vilões e grandes responsáveis

a doença mas de todas ao seu

Lynette (Desperate Housewives)

pelo nível crescente da doença.

redor. A doença muitas vezes

Samantha (Sex and the City)

Roteiristas, produtores e

é vista como um castigo mas,

Izzie (Grey’s Anatomy)

toda a equipe envolvida tentam

para muitas, uma oportunidade

Kitty (Brothers & Sisters)

dar uma abordagem diferente

de dar valor ao que realmente

Naomi (Skins)

para cada tipo de diagnóstico

importa. Quando o caso é mais

Wilson (House MD)

mostrando que, como na vida

delicado e o estágio avançado –

Kristina Braverman (Parenthood)

real,

mas não só - a cura é, geralmente,

Michael Scofield (Prison Break)

mais são do que humanos.

vista

Cece Rhodes (Gossip Girl)

Geralmente, a aceitação do

chance, uma nova vida. É o que

Carol (Sessão de Terapia)

diagnóstico é difícil e muito

aconteceu com Cathy (Laura

• PIXEL TV | Abril 2014

os

personagens

nada

como

uma

segunda


Imagens Divulgação

Na vida real

Linney), de The Big C. Assim

doença muda a vida de muita

como em Breaking Bad, o ponto

gente, por um outro há pessoas

de partida para a história de The

que continuam tão ranzinzas

Big C é o diagnóstico de câncer

quanto antes. Um dos melhores

de pele em estágio avançado. A

exemplos, nesse caso, é a

série acompanha os estágios de

personagem

choque, aceitação e a renovação

Perkins), de Weeds. Implicante

da personagem, que até certo

como só ela conseguia ser, dizem

Atores consagrados como Ian

ponto,

no

que o diagnóstico da doença

McKellen (Vicious) e Michael

tratamento da doença. Quando

veio para servir de lição para a

C. Hall (Dexter) venceram

seus familiares descobrem sua

personagem. O único problema

o câncer de próstata e um

situação, a personagem começa

é que, mesmo com a vitória

linfoma, respectivamente. Já o

a experimentar um novo tipo

sobre a doença, a personagem

ator Andy Whitfield (Spartacus)

de sentimento: a esperança.

continuou pessimista e implicante

foi vencido pela doença. Em

Esse que, talvez, seja um dos

quanto antes.

2010 foi diagnosticado com

únicos sentimento presente em

todos os diagnosticados com

propensos

a doença. Até mesmo aqueles

doença

mais durões. Se

por

acreditava

um

lado,

a

Como

(Elizabeth

todos

idealizamos – também não estão a salvos da doença.

um linfoma – tipo de câncer no sistema linfático – e as gravações

pessimismo,

de Spartacus foram suspensas.

por favor – o melhor a fazer é

Em 2011, dezoito meses após o

se prevenir.

desenvolver

famosos – que nós tanto

a

a

estamos

vilões da humanidade, os

sem

diagnóstico, o ator faleceu.

Imagens Divulgação

não

Celia

Se o câncer é um dos grandes


Imagens Divulgação

PELO MUNDO


FRANÇA

Seriado francês conquista o mundo com temática existencial Por Gabriela Pagano

Você provavelmente já deve ter ouvido falar da série Les Revenants. Uma produção francesa do Canal Plus, exibida no Brasil pelo HBO Max, e que virou sensação no mundo inteiro desde que foi lançada, em 2012. Motivo? A morte é a estrela da história.

A trama se passa em uma aconchegante cidade no interior da

França e os cenários fazem com que o espectador seja transportado para um estonteante cenário, que dita um tom de mistério para a história. É nesse quase vilarejo que os mortos voltam à vida.

Les Revenants, que em português quer dizer “aqueles que

voltaram”, foi criada por Fabrice Gobert (Simon Werner Desapareceu), e tem no elenco alguns nomes conhecidos do cinema e da televisão francesa. Dentre eles, estão os jovens Pierre Perrier (American Translation) e Clotilde Hesme (Canções de Amor), além dos veteranos Anne Consigny (O Escafandro e a Borboleta) e Frédéric Pierrot (Jovem e Bela).

Simon morreu no dia do casamento com Adèle.

O personagens mortos-vivos aparecem ao longo de cada

episódio, que quase sempre é focado em um deles. Uma das histórias mais comoventes é a de Simon, um rapaz que cometeu suicídio no dia do casamento. Uma coisa é certa: o caminho de volta não é fácil

Camille é a primeira a retornar para a família.

para ninguém, pois os entes queridos seguiram com a vida depois de chorarem a morte daqueles que, presumidamente, se foram.

Difícil mesmo está o retorno do programa. Apesar de ainda

não haver uma data oficial, a segunda temporada deve estrear apenas em 2015. É que filmagens, que deveriam ter começado em fevereiro desse ano, foram adiadas para setembro por falta de roteiro.

Les Revenants ganhou o Emmy, em 2013, como melhor série

de drama. E a TV americana está de olhos bem abertos: o canal A&E já anunciou uma versão própria do seriado francês e a ABC desenvolveu uma produção com uma premissa bastante semelhante. Resurrection, eles juram de pé juntos, não se trata de um remake… Imagens Divulgação

Abril 2014 | PIXEL TV •

15


Ser ou não ser?

A indústria audiovisual no Brasil está em plena expensão. Por causa da Lei da TV Paga, o mercado aqueceu, agora as produtoras estão em busca de profissionais com qualidade

Por Gabriela Pagano


É quase de um storytelling perfeito. Quando a Lei da TV Paga foi aprovada – ela obriga que os canais por assinatura dediquem 3h30 semanais de sua programação a conteúdos nacionais –, profissionais do audiovisual comemoraram diante de um iminente aquecimento de mercado. Afinal, as emissoras teriam que investir em novas produções brasileiras para cumprir a cota estabelecida. Mas, se a lei de fomento era a “mocinha” da história, logo surgiu uma grande vilã: a falta de mão de obra qualificada.

É antiga a conversa de que brasileiro não tem experiência em

cinema ou televisão e de que falta maturidade às obras produzidas aqui. Para Minom Pinho, sócio-diretora da Casa Redonda, organização que busca entender e discutir as iniciativas culturais e as inovações em rede no país, este é, sim, um fator a ser pensado. “A política pública aponta os caminhos e fomenta, mas nós - mercado de TV, sociedade civil, empresas e profissionais - também precisamos fazer a nossa parte”, diz a pesquisadora, que vê nos cursos de formação profissional um meio valioso rumo ao aperfeiçoamento.

Para quem deseja entrar na indústria, entretanto, a tarefa não

é simples. O mercado de cinema e TV é “fechado” no mundo inteiro e networking ajuda a abrir portas. A boa notícia é que profissionais com conhecimento, capacidade de inovação e articulação encontrarão espaço mesmo em ambientes nem tão propícios.

Em contrapartida, o fato de as produções se centralizarem

em um polo (o eixo Rio-São Paulo) é tipicamente brasileiro. “Existe, historicamente, uma concentração econômica e de know-how nesta região”, avalia. “É importante ressaltar que a regulamentação da Lei da TV Paga, bem como as novas linhas do Fundo Setorial do Audiovisual, que amparam e auxiliam o atendimento aos critérios da Lei, trazem oportunidades e regulamentações que tentam reverter essa condição”, assegura Minom, que também colabora com a formulação de políticas e debates nesta área.

Além disso, é necessário investir em cursos de formação e

empreendedorismo nas outras regiões. O surgimento de agências de fomento estaduais, como a SPCine e a Riofilme - que possuem atribuições parecidas com o que a Ancine (Agência Nacional do Cinema) realiza em âmbitos nacionais - também contribuem com o processo de democratização.

Já o barateamento de equipamentos de imagem e som e o

acesso à Internet impulsionam o mercado independente. Este é o caso do Portas dos Fundos, que exibe na web um tipo de humor,

Abril 2014 | PIXEL TV •

17


que provavelmente, não teria espaço na TV aberta. Mas não importa em que plataforma a série é veiculada, é preciso pensar em narrativas e conteúdos próprios para ela. “Embora existam séries que sejam veiculadas em várias janelas, cada janela tem suas especificidades, seus limites orçamentários e seus públicos. Compreender estas limitações e exigências pode ser a chave para a viabilização de um projeto”, ensina. Se o produto audiovisual não consegue estabelecer esse diálogo, então, não há tecnologia capaz de vencer as barreiras.

Arte versus mercado

Quando o dinheiro fala mais alto que a criatividade é a obra

que acaba por perder valor. Isso porque tendemos a pensar de forma cartesiana, como se tivéssemos que escolher entre o mercado ou a criação. “Não se trata de ser isso ou aquilo. É isso e aquilo. É preciso equilibrar estes dois universos e convergir os sentidos da nossa criação com os sentidos do público e dos parceiros envolvidos”, aponta Minom, enaltecendo o “pensar coletivo”.

Um exemplo disso é a série Larica Total, do Canal Brasil. “A

produção é barata, os roteiros são muito interessantes, atende ao novo modelo de séries character driven, é genuinamente brasileira, remetendo ao anti-herói tupiniquim - tal qual o Macunaíma de Mário de Andrade -, é inteligente, divertida e soube encontrar seu público”, reconhece a produtora.

Estereótipos regionais

Ainda assim, qualidades narrativas, técnicas e estéticas

devem prevalecer sobre as intenções políticas. “Sou nordestina, não sou branca, não sou rica e atuo junto a diversas causas sociais e culturais. Mas acho arriscada a politização intencional dos conteúdos audiovisuais”, conta.

Minom acredita que a melhor militância é produzir conteúdos

definitivos ao invés de simplesmente criticar. E ela recorre ao cinema, citando as produções pernambucanas premiadas internacionalmente Amarelo Manga, O Som ao Redor e Baixio das Bestas, para ilustrar. “A melhor resposta é sempre a qualidade da obra. Isso cria valor.”

NetLabTV

Minom Pinho é, também, diretora-executiva do concurso

NetlabTV, uma parceria entre a Casa Redonda e a NET Serviços, que premiou vários roteiristas no final de 2013. Apesar de o concurso

18

• PIXEL TV | Abril 2014


dar oportunidade à gente estreante, o resultado foi criticado por Laranjinha e Acerola eram os protagonistas de Cidade dos Homens

parte dos usuários, nas redes sociais, ao contemplar profissionais já com alguma bagagem. “Não havia promessa de premiar iniciantes. Alguns possuíam experiência profissional, outros, não”, explica. “Tivemos, entre os vencedores, uma série de autores da Paraíba e outra de autores do Pernambuco. As demais séries vencedoras eram de autores do eixo Rio-São Paulo, mas atribuímos em parte à concentração de cursos, universidades e mercados nesta região”. Além disso, a comissão de organizadores do concurso já estuda soluções para a próxima edição do NetLabTV.

Paulo Tiefenthaler vive um cozinheiro peculiar em Larica Total

Para quem planeja tentar, Minom aconselha que o aspirante

a roteirista não confie apenas em dom natural e talento. Criatividade e improviso, sozinhos, não são capazes de sustentar argumentos consistentes e, por isso, é imprescindível investir em formação com qualidade e pesquisa. Ah... “um pouco de teimosia, bastante determinação e ampla capacidade de diálogo” também são de valia, admite a diretora do projeto.

Sucesso internacional

Nas mãos de quem? O presidente da Associação de Roteiristas, Newton Cannito,

Num momento da indústria

concorda que a profissão exige treinamento diário e diz que não

em que produções de fora dos

faltam roteiristas no mercado do Brasil. “O que faltam são produtores

Estados Unidos e Inglaterra

dispostos a pagar os roteiristas”, garante.

Segundo Cannito – responsável por séries consagradas,

como 9mm: São Paulo, da Fox, e Cidade de Homens, da TV Globo -, o problema está no modelo de produção brasileiro. Enquanto, em Hollywood, o cargo de showrunner – o “todo poderoso” de uma série, que toma as decisões finais – foi criado para dar poder ao roteirista, na indústria nacional acontece o aposto. “Nos Estados Unidos, é o roteirista que vira produtor. No Brasil é o contrário. É o produtor ou diretor que tem uma ideia qualquer e acha que aquilo segura o projeto. O resultado é pífio.”

Mas, de tanto cometer erros, na tentativa de escrever séries

eles mesmos, os produtores se verão obrigados a dar liberdade aos roteiristas – quem Cannito prefere chamar de autores. “Então, o mercado vai realmente abrir”, prevê ele, que ainda critica a prática de se contratar estagiários precarizados, sedentos por oportunidades. “Hoje, dá para viver porcamente como roteirista no Brasil. Pessoas experientes estão cansando e desistindo. Mas o mercado é real e tem grana”, conclui.

conquistam público no mundo inteiro – é o caso da francesa Les Revenants e da escandinava The Killing -, Newton Cannito acredita que o Brasil também tenha potencial para lançar sucessos internacionais. Mas, para isso, precisa inovar. “As series que mais exportam são inovadoras. O Brasil ainda fica preso ao que acha que vai dar certo, pois as TVs pensam apenas no mercado interno.” Para ele, a indústria nacional ainda privilegia as produções de comédia. Os outros gêneros, como terror, sci-fi, suspense, erótico, deveriam ser mais explorados.

Abril 2014 | PIXEL TV •

19


A espiã, os marshmallows e uma história de amor

Como foi possível trazer a vida a Veronica Mars, e transformar a história em um exemplo de dedicação dos fãs e da equipe da série. Estivemos na estreia do filme e contamos como foi! Por Maria Clara Lima Muito tempo atrás, em

chamados - e, sim, uma curiosa

2007, a rede americana

espectadora.

The CW resolveu que seria

como o filme foi feito e resolveu

melhor encerrar a exibição da

conferir de perto o que movia

história da jovem espiã. No dia 22

tanta paixão. “Não sabia nada

de maio daquele ano, Veronica

sobre a série, então antes do ir

Mars

ao cinema, pesquisei um pouco

estava

cancelada,

deixando

fãs

do

soube

de

sobre a história”, contou.

mundo todo desolados. Não foi

um fim qualquer, todos sentiam

nossa

que aqueles personagens ainda

cinema fez muita gente ficar

tinham muito o que contar.

boquiaberta ano passado. O

O final deixava em aberto um

projeto colaborativo para o filme

infinito de possibilidades, o que

de Veronica Mars ultrapassou

fez muita gente pedir para que

a marca de US$ 5 milhões

a série continuasse em um filme.

arrecadados em uma campanha

Sete anos depois, no dia

no site de financiamento coletivo

14 de março, Dora Micussi estava

Kickstarter, ou “chute inicial”.

sentada na poltrona vermelha do

O pedido dos fãs havia sido

AMC de Stony Brook, em Nova

ouvido pelo criador da série Rob

York. Veronica Mars: O Filme ia

Thomas, que se juntou com parte

começar. “Cheguei ao cinema às

do elenco, e tocou o projeto do

6:42 para o filme que começaria

filme para frente. Com a ajuda

às 7:05. Já estava com meu

de parte do elenco, incluindo a

ingresso em mãos, a espectativa

protagonista Kristen Bell e o ator

era grande”, disse a brasileira

Jason Dohring, Rob fez um vídeo

meio novaiorquina, de 31 anos,

para a internet e lançou um

e fã de televisão.

desafio: se eles conseguissem

O que levou Dorinha, agente

infiltrada,

ao

uma

juntar 2 milhões de dólares, a

marshmallow - como os fãs

Warner Bros aceitaria produzir o

da série são carinhosamente

filme. E foi aí que a mágica dos

Imagem Divulgação

oficialmente

Ela

Dora

não

é


marshmallows aconteceu, em

gritos de felicidade, ao sair da sala

filme teria que atingir a marca

apenas dez horas de campanha,

de cinema, ela notou que muita

do 12 milhões de dólares para

o valor já ultrapassava a meta,

gente permaneceu no local. Os

se tornar lucrativo, e quem sabe,

e no final de 30 dias, o projeto

sorrisos eram visíveis enquanto

conquistar a possibilidade de

batia o recorde de mais bem

as pessoas comentavam sobre

uma continuação.

sucedido pelo site. No total,

o filme. O clima parecia ser de

91.585 doadores colaboraram

satisfação pela maneira que o

terminou por aqui, Rob Thomas

para tornar o sonho do filme em

filme honrou a série que a plateia

ainda cogita a possibilidade da

realidade.

tanto gostava. Ela perguntou ao

série ganhar um spin-off ou

Então a pipoca deu lugar

casal que estava ao seu lado o

de continuar em serviços de

ao doce branco e pegajoso que os

que eles tinham achado do filme

streaming como a Netflix e a

fãs da série tanto gostam. “Pela

e a resposta foi única: “Two

Amazon. Em uma entrevista

atitude relaxada das pessoas no

thumbs up”, disse a jovem.

ao site The Wrap, o criador da

cinema, não me parecia que elas

Em seu final de semana

série falou sobre a possibilidade

eram realmente devotas da série

de estreia nos Estados Unidos,

e mandou um recado: “Somos

até o filme começar e Veronica

o filme arrecadou 2 milhões

baratos,

anunciar-se como marshmallow.

de dólares, até o fim do mês o

poderíamos fazer filmes como

Foi uma comoção geral”, revelou.

montante havia chegado aos

esse a cada dois ou três anos”.

No fim do filme, Dora

3.2 milhões de dólares. Segundo

Alguém aí encara mais um

conta que houve palmas e alguns

o site americano Buzzfeed, o

desafio?

Para você que acha que

então

acho

que

Como funciona o KickStarter? Dizem por aí que para algo se concretizar, é preciso dar apenas um primeiro passo. Certo? E se esse chute inicial é dinheiro, o Kickstarter parece ser uma boa solução. O site funciona como uma espécie de “vaquinha online”, juntando patrocinadores, fãs, entusiastas e produtores em uma só lugar Lançado em 2009, o Kickstarter é considerado um sucesso, e qualquer pessoa pode se cadastrar no site e ter um projeto financiado. As regras são simples: deve-se publicar os dados do projeto, estipular um valor mínimo para o “chute inicial” e o prazo para as arrecadações. Em troca do investimento, as pessoas que auxiliarem financeiramente o projeto vão receber recompensas de acordo com o valor fornecido. Em muitos casos, a gratificação é uma cópia do produto anunciado, por exemplo. No caso de Veronica Mars, camisetas, DVDs e até encontro com os atores da série foram colocados como “prêmios”. Imagem Reprodução

Mas antes de sair por aí fazendo campanhas no KickStarter, o site dá a dica: elabore bem o projeto, prove para todos que ele é importante e que as pessoas precisam fazer parte dele.

Abril 2014 | PIXEL TV •

21


ENTREVISTA

Aquele que amamos odiar

Logan

Echols

é

um

personagem controverso. De vilão a queridinho, ele conquistou boa parte dos fãs da série. O ator Jason Dohring, interprete

do

“bad

boy”,

conversou com a Revista Pixel TV sobre o filme, seu papel e ainda mandou um recadinho para os fãs do Brasil.

22

• PIXEL TV | Abril 2014 Imagem Assessoria de Imprensa


Pixel TV - Você alguma vez sentiu como Veronica Mars fosse

PTV - Você está em The Squeeze, um filme

um trabalho terminado?

independente descrito como parte drama e

>> Jason Dohring - Acho que eu estava esperando que não foi

parte comédia, e também, muita jogatina.

completamente terminado. Era um papel tão divertido e eu sempre

Sabemos que você gosta de esportes…

gostei dos altos e baixos da minha personagem.

>> J.D. - Meu personagem é um campeão de golfe amador, e eu adoro de jogar golfe, então,

PTV - Qual foi a sua reação quando a campanha do Kickstarter

literalmente, agarrei a oportunidade! Tenho que

atingiu a meta? Foi muito rápido...

admitir que eu tentei dar uma fugidinha das

>> J.D. - Acho que todos nós estávamos completamente chocados!

filmagens para jogar um pouco! O empresário

Nós nunca pensamos que seríamos capaz de gerar esse tipo de

Steve Wynn teve a gentileza de nos deixar usar

comoção, nem em um milhão de anos. Todo o elenco e eu estamos

um dos seus campos (The Wynn , em Las Vegas

verdadeiramente honrado por aquilo que os nossos fãs fizeram por

), que nunca havia sido aberto a qualquer equipe

nós!

de filmagem antes.

PTV - E o que te fez realmente querer estar no filme da série?

O ator terminou a entrevista mandando um recado

>> J.D. - Conseguir interpretar o Logan como um “ adulto “ era

para os fãs do Brasil. “Nós amamos vocês! Muito

algo que eu realmente estava ansioso para fazer!

obrigado por nos ajudar a tornar o nosso filme uma realidade. E… Ronaldinho , Kaká , Pelé....

PTV - E como foi a experiência?

como é que vocês fazem isso? Estou ansioso pela

>> J.D. - Eu gostava de interpretar o personagem! Foi provavelmente

Copa do Mundo de 2014!”, disse.

um dos papéis mais divertidos que eu tive a oportunidade de fazer, e compartilhar essa experiência com Rob e o resto do elenco

Quem sabe não o veremos por aqui nos próximos

novamente foi um dos pontos altos da minha vida!

meses? Não custa sonhar.

PTV - Na estréia do filme, você teve a oportunidade de conhecer alguns dos fãs que apoiaram a campanha… >> J.D. - Sim, foi incrível! Não esperávamos que as pessoas se preocupassem tão profundamente para este “ showzinho “ que filmamos em San Diego... e tê-los no filme com a gente foi incrível. Os fãs fizeram este filme para nós. Estaremos sempre em dívida para com eles! PTV - Você tem sido a de “bad boy todo mundo adora odiar “ na TV nos últimos anos. Você se considera como um garoto mal? >> J.D. - É sempre mais divertido de fazer o “bad boy” e, claro , há um pouco disso em mim! Eu tenho que dizer, no entanto, que foi bom se concentrar na parte romântica da história também no filme, especialmente - dois grandes momentos de um grande papel! Quero continuar a interpretar estes personagens mais “envolvidos”... eles dão mais liberdade para um ator.

Imagem Assessoria de Imprensa


COLUNA

PONTO A PONTO

O desafio de leitura da Rory Gilmore Por Paulinha Alves

Para

garota

Gilmore, uma devoradora de

Gilmore é preciso ter

contos, romances, biografias e

muita referência sobre a

artigos de jornais. Ao longo do

cultura pop. Gostar de junkie

seriado, muitos autores foram

food e música dos anos 80

citados e muitas obras foram

também faz parte do cenário.

lidas pela a menina, que, mais

Lorelai e Rory são um prato

tarde, estudou em Yale - uma

cheio para quem curte aprender

universidade

- e muito - sobre tudo e nada.

Estados Unidos - e se tornou

jornalista! (Uma ótima escolha

Todo

acompanhou

ser

uma

mundo

que

Gilmore

Girls,

prestigiada

dos

de profissão)

- série transmitida aqui no

Brasil entre 2000 e 2007 pela

que terminou, a série deixou

Warner - deve lembrar bem do

muitos fãs, e uma dessas almas

gosto pela leitura, característica

caridosas conseguiu compilar

marcante da protagonista Rory

todos os livros que apareceram

Fato

é

que

depois

Imagem Divulgação


nas sete temporadas de GG,

impedidas devido a suas ideias

o mais recente de 2012! –

gerando,

revolucionárias,

acabou

Anna Karenina fala sobre a

que virou o desafio literário,

sendo liberado da censura e

aristocracia russa Czarista, com

conhecido por aí como The Rory

virou um sucesso de crítica e

destaque para a personagem

Gilmore Reading Challenge.

vendas. Ele é hoje considerado

que dá título ao livro e que trai

espírito

um dos maiores representantes

o marido, um rico funcionário

Gilmore de leitura, comecei o

do movimento beat, ao lado de

do governo. Ao longo das sete

tal desafio há alguns meses,

“On the Road”, de Jack Keroauc.

temporadas da série, são várias

e decidi vir aqui dividir com

Na série, o livro ganha destaque

as referências a esse livro, mas

vocês três dessas obras que

no quinto episódio da segunda

uma das mais importantes talvez

não apenas prometem histórias

temporada (“Nick & Nora/Sid

seja a do episódio vinte e dois

incríveis, como também foram

& Nancy”), quando Luke e seu

da terceira temporada (“Those

muito importantes para a série.

sobrinho que acabou de chegar

are strings, Pinocchio”). É nele

na cidade, Jess, vão até a casa

que acontece a formatura do

The Portable Dorothy Parker

das garotas Gilmore para jantar.

colégio de Rory, e nele também

Lá, Jess vê Rory pela primeira

que ela faz um dos discursos

Dorothy Parker

vez, e olhando sua estante de

mais bonitos e emocionantes já

A obra original é de

livros, ele comenta sobre a obra

vistos em séries. Nele são vários

1944, mas mais de 60 anos

de Allen Ginsberg. No final do

os autores e obras citadas, e

depois a Penguim relançou o

episódio o livro volta a ganhar

Ana Karenina, é claro, não

livro (ainda sem tradução para

destaque, mas não vou contar o

poderia ficar de fora.

o português) que traz uma série

que acontece para não estragar

Para quem ficou curioso

de poesias, histórias, contos e

a surpresa.

com

o

assim,

Tomada

uma

pelo

lista

mas

Reading

ensaios de Dorothy Parker. Em

The

Rory

Challenge

Gilmore e

quer

Gilmore Girls, o livro aparece

Anna Karenina

aderir ao desafio, confira a

no nono episódio da primeira

Liev Tolstói

lista de livros no site da Pixel

temporada

Um clássico da literatura

TV (www.revistapixel.com.br).

quando logo após voltar do

e do cinema – foram cinco

Uma boa leitura para vocês e

primeiro baile de Rory, Dean,

filmes sobre sua história, sendo

até a próxima!

(Rory’s

Dance),

seu primeiro amor na série, descobre um livro na bolsa da menina. O tal livro é claro The Portable Dorothy Parker, que começa a ser lido pelos dois até eles adormecerem.

Howl and other poems Allen Ginsberg o

Logo que foi lançado, livro

teve

suas

vendas

Imagem Divulgação


ENTREVISTA

O Mestre da Web Por Maísa França

Guto Aeraphe é aquele tipo

de

pessoa

que

sonha. Ajusta os sonhos em possibilidades e faz da fantasia algo real. Trabalhando com audiovisual desde 1997, já produziu diversos programas para

TV,

documentários

e

seriados. Mas foi na internet que Guto encontrou o seu lugar,

produzindo

vencedoras

de

webséries prêmios

internacionais e reconhecidas no mundo inteiro por sua criatividade e qualidade. Mesmo assim, o gênero ainda é pouco conhecido no Brasil. Autor do livro Webséries: e

Desenvolvimento,

o diretor cinemtográfico fala sobre os desafios desse tipo de produção e do mercado, que ainda assim, é bastante promissor.

26

• PIXEL TV | Abril 2014

Imagens Divulgação

Criação


Pixel

TV

-

Como

está

o

cenário

para

quem

faz

webséries no Brasil? Podemos dizer que agora é a hora desse tipo de conteúdo? >> Guto Aeraphe - Sem dúvida o mercado está cada vez mais interessado neste novo formato, que permite um custo de produção menor, com elementos narrativos mais ousados, o que possibilita um engajamento maior dos espectadores. Vivemos uma fase de transição, onde ainda há muito espaço para experimentações e o espectador brasileiro ainda está se acostumando a consumir conteúdos que vêm diretamente da internet. Um dos sinais mais evidentes é que praticamente todas as linhas de TV estão saindo de fábrica com a possibilidade de se conectar à rede mundial. As Smart TV, junto com o conceito de segunda tela, estão suprindo aquela antiga promessa da TV digital, que é a interatividade e a diversidade de conteúdo. PTV - O Brasil já tem uma identidade neste tipo de produção ou os grandes exemplos acabam sendo as séries estrangeiras? >> G.A. - Este é um tema difícil e a minha opinião é polêmica. O cinema brasileiro sempre tentou buscar esta “identidade”, o que, na minha opinião, é como se tentasse reinventar a roda. Cinema é uma linguagem universal. O que vai dar o tom local são as histórias que contamos. Meus trabalhos têm uma forte influência estrangeira e não vejo mal algum nisso. Tento fazer com que eles sejam artisticamente interessantes e acessíveis a todos. Isso fica muito claro em Heróis e ApocalipZe. O primeiro por levantar questões como racismo, a ditadura Vargas e o imperialismo dos EUA em várias falas dos personagens. No segundo, colocando em pauta o Pré-Sal e a política externa brasileira. PTV - Quais as principais dificuldades enfrentadas pelos produtores no Brasil? >> G.A. - Produzir audiovisual no Brasil é difícil, não importa o suporte. Mas a internet sofre com preconceitos e ainda é vista pelo mercado como algo menor - o que não é verdade. A questão é que o formato de vídeos para internet não é reconhecido pela a Agência Nacional do Cinema (Ancine), o que torna a prospecção através das leis de incentivo um pouco mais complicada e a maioria das TVs nos enxergam como “inimigos”, que podem tirar a todo momento a audiência delas.

Abril 2014 | PIXEL TV •

27


PTV - House of Cards, produção original da Netflix se tornou a primeira série distribuída pela internet a ser indicada ao Emmy de Melhor Drama. A internet pode substituir a TV ou elas serão, cada vez mais, um complemento? >> G.A. - Há uma grande confusão com o significado da palavra TV. Ela pode ser tanto o aparelho como a forma de transmissão de conteúdo. Por outro lado, temos que entender que a internet é um meio e não um fim. Acredito que o futuro é o da TV conectada em qualquer lugar. Vamos utilizar os dados transmitidos online para veicular nossas produções em qualquer tela, a qualquer momento. PTV - No futuro, TV e Cinema serão a mesma coisa? >> G.A. - Definitivamente, não. São experiências distintas e que vão sobreviver à internet. O que está acontecendo é que as produções estão cada vez mais específicas para cada meio. Os produtos feitos para cinema estão cada vez mais se tornando um espetáculo de efeitos especiais que só fazem sentido dentro de uma sala com uma tela gigantesca e um som poderoso. Já na TV, as produções passaram a ter uma linguagem e um cuidado maior devido à melhoria da qualidade da imagem, mas ainda assim, é um espaço que precisa brigar pela atenção de quem vê. PTV - Suas produções são conhecidas e premiadas internacionalmente mas pouco conhecidas no Brasil. Como você explica essa diferença? >> G.A. - Já meditei muito sobre isso... Na verdade, me deixa um pouco frustrado. Mas acredito que é por uma mistura de três fatores: tecnológico, cultural e econômico. Isso porque nossa internet ainda é lenta e cara e nossas vias públicas não são seguras. Por outro lado, há também a questão das temáticas em que trabalho. No Brasil impera o humor, principalmente o sem limites, onde vale tudo para arrancar algumas risadas descartáveis. Eu trabalho com temas de ação, suspense e drama, que também é muito consumido aqui no Brasil, mas somente aquele em que é falado em inglês. Ainda há muito preconceito com o audiovisual de gênero feito no nosso país. PTV - Quais são as dicas para quem quer entrar no mundo das webséries? >> G.A. - Basicamente, são dois pontos fundamentais: preocupação com a qualidade técnica, já que pode-se assistir tanto em telas

28

• PIXEL TV | Abril 2014


grandes como pequenas, e preocupação com o conteúdo, buscando narrativas que cativem o público – que é sempre o ponto fundamental. O maior erro de quem produz audiovisual é fazer algo sem pensar em quem vai assistir. Em uma visita a uma grande emissora, vi uma vez um quadro que dizia: Em qualquer lugar do mundo onde houver 30% de drama, 24% de traição, 45% de suspense e 1% de felicidade, você faz uma vida detestável ou uma novela adorável! Fica a dica!

VALE A PENA DAR UM CLIQUE HERÓIS Eles morreram em combate na Itália, há 65 anos, em uma batalha desigual com as tropas alemãs e, devido à grande bravura, foram reverenciados até pelos inimigos…

APOCALIPZE

Imagem Divulgação

O Brasil é alvo de um ataque bioterrorista por causa do Pré-sal, mas algo de errado aconteceu! Agora os por agentes paramilitares que estão na cidade para terminar o serviço. Mas a verdade é que nem todos que ali estão realmente mortos...

Imagem Divulgação

sobrevivientes são caçados

Abril 2014 | PIXEL TV •

29


PERFIL

Emily VanCamp Saiba tudo sobre a loirinha multitalentosa que vem conquistando fãs no mundo todo

Imagem Divulgação

Por Ana Flávia Miranda

30

• PIXEL TV | Abril 2014


e

Are You Afraidof the Dark?

um olhar marcante. A

exibida pelo canal Nickelodeon

atriz

Emily

de 2002 a 2006. Também atuou

VanCamp vem se destacando

como Amy Abbott na série de

em

sua

dramática Everwood e participou

versatilidade e talento precoce,

rapidamente da série Law &

que já garantem 14 anos de

Order: Special Victims Unit.

carreira. Agora, a protagonista

de Revenge está conquistando o

a estreia da canadense, agora

mundo no papel de Emily Thorne

nas telonas. Atuou no filme The

- ou seria Amanda Clarke? - e

Ring Two. A namorada de Josh

prometemos, ela também irá

Bowman ganhou o seu primeiro

conquistar você.

papel na ABC. Escalada para

Natural de Pont Perry em

atuar em Brothers & Sisters, foi

Ontário, Emily Irene VanCamp

a segunda parceria dela com o

nasceu em maio de 1986. A irmã

produtor executivo Greg Berlanti,

do meio de uma família com três

que a dirigiu em Everwood.

irmãs Molly, Kate e Alison, desde

Em 2010, VanCamp apareceu

novinha a loirinha demonstrava

em três episódios na quinta

aptidão para as artes. Assim

temporada da série para encerrar

como a multifacetada Emily

a história de sua personagem.

Thorne, sua personagem no

No longa Carriers, Emily assume

seriado da TV americana ABC,

um dos papeis de protagonista,

VanCamp

fluentemente

ao lado de Chris Pine e Piper

francês e espanhol, além de

Perabo, onde começa a ganhar

praticar

cada

Um

sorriso

doce

canadense

Hollywood

fala balé,

por

fotografia

e

O ano de 2007, marca

vez

mais

Aos 13 anos, a atriz já esbanjava desenvoltura na série Are You Afraid of the Dark?

notoriedade.

montaria.

VanCamp também participou

A estreia de VanCamp

ativamente de produções como

nas telinhas aconteceu ainda

de Hallmark Hall of Fame e

criança. Aos 13 anos, a atriz já

Beyond the Blackboard.

esbanjava desenvoltura na série

A estreia em Revenge

Abril 2014 | PIXEL TV •

31


acontece em 2011, na pele

O meu namorado… É perfeito!

da socialite Emily Thorne, que

Ele não liga para grife e não

busca incessantemente vingança

se importa quando estou sem

contra

que

maquiagem… Ele sempre me

contribuíram para a condenação

aceitou por tudo aquilo que eu

injusta de seu pai David Clarke. O

represento. Nós rimos muito,

sucesso da primeira temporada

pois estamos sempre na mesma

foi tão grande que a série já

freqüência. É algo incrível”, conta

está na sua terceira temporada,

com o semblante apaixonado.

e com contrato renovado para a

quarto ano, para alívio e alegria

pilates, afirma que quando está

de todos os revengers. No Brasil,

nos intervalos das gravações,

a série exibida pela Rede Globo

aproveita para comer e tirar uns

tem alcançado altos índices de

cochilos. Caseira, não dispensa a

audiência, arrematando cada

companhia da família. “Quando

todos

aqueles

Nós rimos muito, pois estamos sempre na mesma freqüência. É algo incrível

Imagem Divulgação

32

• PIXEL TV | Abril 2014

A atriz, adepta de

estou de férias, aproveito para viajar, visitar a família. Adoro! É quando consigo, finalmente, ter tempo para mim. Sou só eu”, conta ao risos.

vez mais o público jovem.

Diferentemente do ar frio

Capa da revista canadense

e calculista de sua personagem

ELLE de março, Emily VanCamp

em Revenge, Emily VanCamp

revelou alguns detalhes da sua

esbanja simpatia e bom humor

vida pessoal e como tem se

por onde passa. A atriz se diverte

tornado ícone de moda e beleza,

quando conta suas experiências

além de contar um pouquinho

no hóquei e no momento em que

sobre o seu relacionamento

nadou com tubarões. A atriz que

com o ator Josh Bowsman, seu

completa 28 anos em maio é fã

parceiro em Revenge. “Estou no

assumida de The Walkind Dead

meu momento mais confiante.

e The Bachelor, na qual assume


sua afeição por produções que envolvam zumbis.

Eleita recentemente uma

das mulheres mais sexys do mundo, estando em 61º lugar pela revista Maxim, a atriz que mede 1,73m se prepara para colher os frutos de sua atuação da seqüência do filme Capitão América. Estrelado por Chris Evans, Samuel L. Jackson e Scarlett

Capitão

Johansson,

América 2 – O Soldado Invernal tem estreia prevista no Brasil para 11 de abril. VanCamp teve a missão de interpretar Sharon Carter “Agente 13”, antigo interesse amoroso de Steve Rogers (Capitão América) e

intitula

como

incrível

a

oportunidade de contribuir com a franquia. Sim, Emily, estamos ansiosos pela produção!

Imagem Divulgação

Imagem Divulgação


TELAS

Lugares Improvรกveis Dizem que ele estรก no ar. Prefiro pensar que ele estรก em qualquer lugar. O amor, seja como aconteรงa, pode se esconder nas esquinas da vida Fotografia Daniel Von Atzingen Texto Maria Clara Lima


Uma das esquinas mais charmosas de S達o Paulo abriga um misto de magia e simplicidade


Pessoas sempre apressadas n達o se preocupam em observar ao redor


Há 7 bilhões de pessoas na terra. E mesmo assim a solidão ainda assusta. Na cidade de São Paulo, o montante de transeuntes é grande: dizem que já é 11 milhões o montante somado. E mesmo assim, não existe amor em SP. Se o amor fosse uma equação matemática, a vida seria uma eterna adição, mas a conta não bate, diminui, subtrai. A busca pelo amor torna-se, então, essencial para o homem, mulher e adolescente esperançoso, para o idoso nostálgico ou para o adulto, que cansado de dar desculpas, resolveu se apaixonar. Até que um dia, você passa a prestar atenção aos detalhes, às cores, ao sorriso, às esquinas e seus habitantes. Numa dessas, quem sabe você conhece alguém? Dizem que o número de pessoas que escolhem ficar sozinhas cresce, mas nunca confunda amor com ausência da solidão. É preciso amar a si, amar as pequenas coisas da vida, para que um dia, as pequenas coisas da vida sejam únicas, e te amem também.

Crédito do Ensaio: Daniel Von Atzingen é fotografo freelancer, publicitário, paulistano por opção e viajante de coração. Ele fez um ensaio inspirado na série How I Met Your Mother.

Abril 2014 | PIXEL TV •

37


O guarda-chuva amarelo chama atenção quando aberto, mas quase desaparece quando se fecha

A proteção de vidro exprime um sentimento comum aos que tem medo de se expor. É a tal insegurança, quem impede muita gente de encontrar alguém


Suspenso, alguém pode achar que é difícil de encontrar, e mesmo com um cenário propício, óbvio e “na cara”, o amor falha. Ou foge do nosso alcanse


Ou surge como esperança nos corações mais calejados. Como um sol fazendo reluzir até aquela nuvem mais cinza


Locações: Vale do Anhagabaú, Biblioteca Mário de Andrade, Rua da Consolação, Praça 14 Bis e Rua Avanhandava em São Paulo

Produtos: Guarda-chuva amarelo - Tok Stok

Até que ele aparece. Com todas aquelas cores confusas e sem sentido. Mas não se engane, por mais bonito que seja, um arco-iris só dura o suficiente para ser contemplado


IN-DICAS

Para ver: A Caça Quem acompanhou o Oscar, no início do mês, sabe que o filme dinamarquês A Caça (The Hunt / Jagten) era um dos indicados na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. O longa metragem, estrelado por Mads Mikkelsen, o Dr. Lecter da série Hannibal, não foi premiado pela Academia, mas, em 2012, consagrou Mikkelsen, no Festival de Cannes, como Melhor Ator. Na história, ele vive Lucas, um professor infantil que é acusado de pedofilia pela filha de um dos amigos mais próximos. Mesmo inocente, ele vê a cidadezinha em que vive condená-lo brutalmente pelo crime. O longa é dirigido por Thomas Vinterberg, um dos nomes mais importantes do cinema escandinavo e é, também, um dos maiores Imagem Divulgação

sucessos cinematográficos da Dinamarca nos últimos anos. No Brasil, ele já está disponível em DVD e blu-ray.

Na Estante: Quem Sabe Um Dia, de Lauren Graham Nas sete temporadas em que a série Gilmore Girls (Tal Mãe, Tal Filha, no Brasil) ficou no ar, Lauren Graham encantou espectadores do mundo inteiro como a moderna e atrapalhada Lorelai, a matriarca Gilmore. Agora, a atriz americana promete inspirar ainda mais com o livro Quem Sabe Um Dia. A obra, de 368 páginas, chegou ao Brasil em fevereiro pela Editora Record e conta uma história bem parecida com a de Graham, Imagem Divulgação

na vida real. Franny Banks é uma jovem que sonha em ser atriz famosa, mas, até lá, precisa passar por todos os perrengues típicos de qualquer longa jornada. Apesar de não se tratar de uma autobiografia, a atriz-escritora admite que ela e a personagem tenham algumas coisas em comum e quer adaptar o livro para uma série de TV.

Para ouvir: Lea Michele, Louder Não é de hoje que o talento musical de Lea Michele é conhecido e admirado pela enorme base de fãs da série Glee, da Fox. No ano passado, esses mesmos espectadores se comoveram com a dor da atriz ao perder o namorado, Corey Monteith, de 32 anos, que também trabalhava com ela na série. Agora, Michele lança o álbum Louder, que não só marca a estreia dela como cantora, como ainda traz a música If You Say So, que seriam as últimas palavras de Corey para ela. O álbum, com 11 faixas e lançado no último dia 4 de março, coincidiu com outra boa notícia: Michele revelou a uma fã brasileira, em Los Angeles, que vem ao Brasil em junho. O motivo da visita ainda é desconhecido... Imagem Divulgação

Abril 2014 | PIXEL TV •

43


Polícia para quem precisa! Reflexões sobre o cotidiano e fatores psicológicos explicam o sucesso de séries policias no Brasil - e no mundo Por Ana Flávia Miranda

Paixão,

Imagem Divulgação

e

no quesito audiência quanto em

violência. A fórmula pouco

sua repercussão. Emissoras como

varia e parece sempre

a Rede Globo, Rede Record,

dar certo. Com o cotidiano do

Band e SBT têm ou já tiveram

brasileiro como pano de fundo,

em sua grade de programação

filmes como Tropa de Elite 1 e

alguma série do gênero. Na

2 e Cidade de Deus já levaram

Record, por exemplo, a franquia

grande público aos cinemas

americana de CSI, exibida desde

nacionais e até fizeram

2001 pela emissora brasileira, foi

bonito em premiações

considerada um dos programas

ao redor do planeta.

de maior audiência do canal,

E, ao que parece,

em 2011, e uma das mais

agora é a vez dos

populares no país. Mas não são

fãs do gênero serem

só produções estrangeiras que

transportados para o

angariam os fanáticos por séries.

universo da televisão

Desde muito tempo que o Brasil

- que, até então, era

investe em ação nos estúdios

tradicionalmente

nacionais.

dominado

pela

ou ouviu falar de A Justiceira,

comédia. É que, nos

série estrelada por Malu Mader

últimos

em 1997?

• PIXEL TV | Abril 2014

anos,

as

última

nunca

viu

no gosto do povo

tivemos vários outros programas

e

ousa

com essa temática, só para

discordar... Mãos ao alto! Mas é

citar alguns: A Lei e o Crime, da

para se render à nova tendência

Record; Na Forma da Lei e Força

da televisão brasileira.

Tarefa, ambas da TV Globo,

ninguém

Na

Quem

séries policiais caíram

década,

tanto

além de 9MM: São Paulo, da

na TV aberta como nos canais

Fox. Em janeiro desse ano, a

fechados de televisão, as séries

Globo estreou A Teia, uma série

policiais têm dado certo tanto

policial centrada no cotidiano

44

emoção

Disponibilizadas


do delegado Jorge Macedo

explorado pela mídia”, afirma.

nas produções é positiva quando

(João Miguel) e sua tentativa

o

de capturar o criminoso sedutor

vontade de dar um soco em

acertado. “Deve-se pensar que

vivido por Paulo Vilhena. O

alguém ou cometer alguma

projetos

programa, bastante antecipado

espécie de crime… Ou até

produções

pela

carioca,

mesmo ser um herói e prender

muitos casos, uma série ou filme

episódio

alguns bandidos, isso pode ser

pode se beneficiar com pouco

piloto, quando apresentou uma

mais normal do que parece.

dinheiro ou atores amadores.

produção complexa, envolvendo

Segundo

Uma série policial precisa mais

desde perseguições eletrizantes

contexto

os

de investigação do que de ação

de carro e até o uso de

amantes dos seriados policiais

e isso requer mais talento do que

helicópteros.

é

dinheiro”, diz.

Mas por que as séries

“Assistindo às séries policiais,

Ferraz destaca o papel

policiais caíram no gosto do

podemos extravasar os próprios

das

produtoras

povo

sentimentos

pela

na missão de conceber um

bem

nossa conduta social. Através da

produto de qualidade e critica

mais psicológica do que uma

série policial punimos o bandido

os estereótipos sobre o país.

simples questão de gosto. Para

e nos sentimos vingados das

“Atualmente, o nível artístico das

o coordenador de Rádio e TV

armadilhas do nosso dia a dia,

séries estrangeiras - e não apenas

da Fundação Armando Alvares

além de extravasarmos a nossa

americanas - supera, e muito, o

Penteado

Vagner

própria violência”, ressalta. Isso

do cinema pipoca. Os roteiristas

Anselmo Matrone, as séries

é o que muita gente faz quando

são mais comprometidos, e há

policiais fazem sucesso por

joga videogames.

uma vontade maior de criar

vários motivos. “A identificação

O especialista enfatiza

tramas inteligentes, ao invés de

do público com a violência nas

que, apesar do gênero vir

apenas jogar explosões e diálogos

ruas que influi no cotidiano de

agradando,

é

‘espertos’.”, observa, para, logo

cada um é um dos fatores do

exigente com aquilo que assiste.

em seguida, fazer uma crítica.

aumento de público quando

Por isso mesmo, o professor

“O maior problema da indústria

se fala no gênero policial. Não

se mostra confiante quanto as

do entretenimento brasileira é

podemos mais evitar olhar para

produções nacionais. “O público

querer refletir demais a realidade

a violência”, analisa. “Outro

gosta de bons trabalhos com

do país, seja a nível de denúncia,

fator é a necessidade que o

boa direção, boa montagem,

seja para fazer um cartão postal

ser humano tem de saber que

bons roteiros e sobre tudo boa

para os estrangeiros. Isso acaba

existe alguém em pior situação

atuação. Temos tudo para nos

prejudicando os roteiros”, finaliza.

do que ele. Por essa razão

tornarmos

os programas policiais da TV

produtor de séries de todos os

realmente pega por aqui? A

dão audiência. Nos sentimos

gêneros”, salienta.

Pixel TV quer saber: o genêro

confortáveis

Já o escritor e crítico

policial virou febre no Brasil?

não fomos a vítima daquele

de cinema, Matheus Ferraz,

Acesse o site da revista e

sequestro ou de um roubo

argumenta que a perspectiva

responda a enquete.

emissora

surpreendeu

A

nos

no

últimos

explicação

parece

(FAAP),

em

tempos?

saber

que

Então se você já sentiu

o

Matrone, benéfico

tal

fator

outro para

videogame.

reprimidos

o

espectador

um

grande

polo

contexto

apresentado

diferentes

Será

requerem

diferentes.

que

é

Em

brasileiras

a

“polícia”

revistapixel.com.br/o-genero-policial-virou-febre-no-brasil

Abril 2014 | PIXEL TV •

45


TECLA SAP

Conexão Brasil Mark Gatiss, co-criador de Sherlock, visitou o Brasil para contar suas experiências como roteirista, ator e produtor de séries

elegante,

De fã de Doctor Who à

criança, acabaram por inspirar

divertido.

roteirista da série. Uma jornada

os que ele escreve. Seu favorito?

Assim poderia ser descrito

percorrida graças ao grande

The Crimson Horror, passado na

Mark Gatiss. Mas apenas esses

poder criativo do britânico. Ele

Era Vitoriana.

quatro adjetivos não fazem jus

começou publicando histórias

ao britânico, que mostrou o

que corrigiam os problemas

Inglaterra também estão muito

porquê de ser considerado uma

de roteiro da série original, o

presentes também em Sherlock.

das maiores mentes da televisão

que que acabou acarretando

Segundo Mark, o fato da série

da Inglaterra - e do mundo.

no cancelamento de Doctor

se basear na obra de Arthur

Gatiss veio ao Brasil para

Who, lá em 1989. A estratégia

Conan Doyle, o maior escritor

participar do RioContentMarket,

funcionou tão bem, que Gatiss

britânico de todos os tempos,

em março. E aproveitando a

está no time de roteiristas dessa

torna o processo de roteirização

deixa, a Livraria Cultura e a BBC

nova fase do seriado britânico

um pouco diferente: tem que

Worldwide

dois

desde a primeira temporada. A

se preservar o legado. E sua

encontros de fãs com Mark, um

recompensa? Receber o retorno

mente entra, assim, na jornada

no Rio de Janeiro

dos fãs no mundo inteiro.

de adaptar um clássico para

e outro em São

Gatiss confessou que seu

os tempos modernos, sendo

Paulo. O público

processo criativo é baseado em

fiel a essência da trama e dos

ensandecido

três coisas: história, imaginação e

personagens sem deixar de

dava

mostras

ciência. Além de muita pesquisa,

dar seu toque pessoal para a

claras - e bem

é claro! “Não costumo conduzir

coisa toda.

audíveis

do

as histórias para atender aos fãs”,

E

desse

processo

que

disse. Mesmo assim, ele agrada

intrigante

nascem

episódios

seriados

a muitos. Uma de suas marcas

como A Scandal in Belgravia,

tem

registradas é abordar grandes

o favorito do showrunner, e

feito por aqui. E

eventos da historia britânica em

o responsável por colocar fim

foi na pauliceia

seus roteiros. Segundo ele, essa

em uma espera dos fãs que já

desvairada

predileção

justamente

durava quase um ano e meio. E

conversamos

com a serie, ainda na era clássica.

cá entre nos, quantos roteiristas

com o roteirista,

Os episódios que Gatiss mais

conseguem criar um fandom tão

ator e produtor.

gostava de assistir, ainda quando

leal e paciente?

Sarcástico, simpático

e

promoveram

-

sucesso os

britânicos

Imagem Divulgação

46

• PIXEL TV | Abril 2014

que

surgiu

A historia e a cultura da


‘Dancin’ Days’ estreia em abril no VIVA

Dancin’ Days está de volta

Júlia é condenada a vinte e dois

reaparece e vira o centro das

para embalar, não só as

anos de prisão. A protagonista

atenções: a “Frenetic Dancin’

noites de sábado, mas o

cumpre metade da pena e, ao

Days”. Gilberto Braga se inspirou

coração dos mais nostálgicos e

conquistar liberdade condicional,

na discoteca do compositor,

daqueles que têm curiosidade

vai em busca da reconciliação

produtor

de ver um dos maiores sucessos

com sua filha, Marisa, criada

Motta, e levou o estabelecimento

da TV nos anos de 1970, em

por Yolanda. A socialite sempre

para sua trama. As roupas e

plena era da discoteca. A partir

mimou

que

acessórios adotados por Júlia

de 7 de abril, o VIVA passará

herdou o temperamento rebelde

e frequentadoras da casa de

a exibir a novela de segunda a

da mãe. Com receio de perder

eventos

sábado, à meia-noite.

a sobrinha, a vilã faz tudo para

como as meias de lurex coloridas,

Gilberto

dificultar a aproximação das

que eram usadas com sandálias

Braga, exibida em 1978 na TV

duas. Mas a ex-presidiária dribla

de salto alto fino. O visual

Globo, traz atuações memoráveis

as armações e torna-se amiga da

consagrou a trama e era o ícone

como as de Sônia Braga, Joana

menina usando outra identidade.

da geração dos anos 70.

Fomm,

Fagundes,

Decidida a mudar de vida, Júlia

Reginaldo Faria, entre outros.

se casa com Ubirajara (Ary

Gloria Pires e Lauro Corona,

Fontoura),

que contracenam como o jovem

e apaixonado por ela. Mas o

casal Marisa e Beto, também

grande amor de sua vida é

são destaques no folhetim que

Cacá (Antônio Fagundes), um

marcou época. Daniel Filho,

diplomata insatisfeito com a

Gonzaga Blota, Dennis Carvalho,

profissão. A reviravolta na história

Marcos Paulo e José Carlos Pieri

acontece quando a protagonista

assinam a direção.

retorna ao Brasil, depois uma

A rivalidade entre as

viagem à Europa, totalmente

irmãs Júlia Matos (Sônia Braga)

mudada. Ela se transforma em

e Yolanda Pratini (Joana Fomm)

uma mulher elegante e moderna,

é o grande argumento da trama.

despertando a inveja de sua irmã.

Acusada pelo atropelamento e

morte de um guarda-noturno,

cenários da novela que Júlia

A

trama

Antônio

de

a

adolescente,

um

homem

e

escritor

lançaram

Nelson

modismos,

rico

E é num dos principais Imagem Divulgação

Abril 2014 | PIXEL TV •

47


Plugue-se: A TV está sempre com você

Fundada em 1997 nos EUA, a Netflix está

precisando nem de cadastro no site. Se você optar

disponível em mais de 40 países ao redor do mundo

por ele, no entanto, o site oferece alguns diferenciais

e, segundo seu site oficial, conta atualmente com

como compartilhamento dos links dos filmes em

mais de 44 milhões de membros. No Brasil, a

redes sociais e organização dos vídeos que você

empresa chegou em 05 de setembro de 2011

deseja assistir em uma lista. O site ainda oferece

trazendo um serviço de streaming de séries, filmes,

filmes dublados e legendados, mas o catálogo não

documentários, programas de TV, etc pelo preço de

é muito extenso e os filmes e séries contam com

R$14,99/mensal (hoje o valor é de R$16,99/mensal),

algumas propagandas ao longo de sua exibição.

Crackle

Por Paulinha Alves

serviço também pode ser visto em alguns videogames

Além de funcionar como uma locadora

(PS3, Wii U, Wii e Xbox 360), smartphones e tablets

online de DVDs e Blu-rays, sem multas, sem prazo de

(Android, IOS, Windows Phone e Ipad), aparelhos

devolução e com mais de 35 mil títulos disponíveis, o

de blu-ray (LG, Panasonic, Philips, Samsung e Sony),

Nemovies oferece também serviço de streaming com

HDTVs (LG, Panasonic, Philips, Samsung, Sharp e

um catálogo de mais de 5 mil filmes - que podem ser

Sony) e decodificadores de sinal (Apple Tv e WD

assistidos em várias plataformas como computador,

TV Live). Ele ainda traz opções para controle dos

smart TV (LG, Samsung, Sony) tablet e smartphones

pais sobre conteúdos vistos pelos filhos, além da

(Android e IOS). Ele foi um dos primeiros sites

configuração da qualidade de reprodução dos vídeos

brasileiros a disponibilizar esse serviço de streaming,

e reprodução de legendas. O catálogo impressiona

mas esse catálogo, no entanto, não costuma trazer

pela quantidade e, recentemente, lançamentos vem

títulos muito recentes. Sua assinatura é também a

chegando à lista de reproduções do Netflix. Um de

mais cara de todas: a partir de R$18,90 ao mês.

Netmovies

Netflix

com o primeiro mês gratuito. Além do computador, o

seus maiores diferenciais, no entanto, fica por conta

Restrito aos assinantes de todos os canais da

séries “Orange is the new black”, “House of Cards”

rede Telecine (sim, é preciso ser assinante dos seis

e o documentário “The Square” - primeira produção

canais: Telecine Premium, Telecine Pipoca, Telecine

exclusiva do Netflix a ser indicada a um Oscar.

Action, Telecine Fun, Telecine Touch e Telecine Cult), o serviço de streaming é de graça e reúne o acervo

O Crackle nasceu no começo de 2007 na

online dos filmes que estão na programação do canal.

Califórnia, e quem está por trás do serviço é a Sony

O catálogo tem mais de 1.500 filmes e é dividido

Pictures Entertainment, o que, logicamente, reduz

em gêneros, atores e diretores, lançamentos, filmes

o catálogo do site a filmes apenas da empresa.

cultuados e categorias especiais como “Vencedores

No entanto, seu maior diferencial em relação a

do Oscar”. O Telecine Play pode ser assistido pelo

qualquer outro serviço aqui listados é que o Crackle

desktop, notebook, Ipad, Iphone e Ipod Touch, além

é totalmente de graça para qualquer pessoa, não

de tablets e smartphones do sistema Android.

Crackle

48

• PIXEL TV | Abril 2014

Telecine Play

das produções criadas pela própria empresa, como as


Já faz um tempo que os serviços de streaming de filmes e séries vem fazendo sucesso, especialmente lá fora. Aqui, apesar da prática nem ser assim tão recente, a impressão que se tem é que finalmente o brasileiro vem cultivando o hábito de ver vídeos online, em serviços pagos ou gratuitos. A evolução tecnológica desse tipo de serviço permite que você assista filmes e séries em alta definição onde quer que você esteja, basta conectar-se a internet e você terá acesso a uma vasta programação. A Pixel TV listou oito desses serviços que mais têm feito sucesso no país e pelo mundo a fora.

Assim como o Telecine Play, o HBO GO é

O Sundaytv é um locadora completa, loja e

restrito apenas aos assinantes do seu canal, porém

serviço de streaming. O que transforma a plataforma

só tem acesso aqueles com “determinados pacotes

em um verdadeiro paraíso de comodidade. Sem sair

HBO e dependendo da disponibilidade da sua

de casa, ou até na rua, o assinante terá um catálogo

operadora. Podem existir outras restrições”, diz o

razoável de filmes, séries, documentários e shows.

site. Ele conta com mais de 1.500 títulos do acervo da

Os preços dos aluguéis estão em torno de R$ 6,90,

HBO, entre filmes, séries, documentários, especiais

um preço acessível. Para quem curte a programação

e programação infantil e adulta. Assim como em

adulta, o serviço tem uma área chamada Nightclub,

outros serviços de streaming, ele disponibiliza um

que permite alugar títulos para maiores de 18 anos.

sistema de “lista de interesses”, mas só pode ser

O ponto fraco do Sunday TV ainda é a qualidade

assistido através do computador, Ipad ou Iphone.

do streaming, em épocas de Smart Tvs fica difícil

Além dos serviços aqui citados, ainda vale lembrar

ter esse tipo de serviço em uma tela de mais de 30

do Vivo Play, que apesar de não ter nenhum vínculo

polegadas se a qualidade não é no mínimo muito

com a operadora, - podendo assim ser assinado por

boa. Além de travar um pouco, pode ocorrer falta

qualquer pessoa - custa R$15,90 ao mês e possui

de sincronia em uma conexão de 10 Mbps, a mais

alguns filmes cobrados à parte; e o Claro Vídeo, que

popular entre os usuários.

Sunday TV

HBO GO

também não depende de vínculo com a Claro, mas além dos R$13,00 mensais também possui alguns

O Itunes talvez seja um dos mais antigos

filmes cobrados à parte.

catálogos de música, filmes e séries da intetnet. A loja virtual da Apple vende e aluga filmes desde os

Se você é um NET, ou assinante da CTBC

e que ser sócio da Blockbuster era quase necessário.

que tenha ao menos um canal Globosat no plano,

O conteúdo do ITunes é bem atualizado, sendo

vai gostar bastante do Muu. O serviço prioriza o

uma boa opção para aqueles que querem ter

conteúdo nacional, e se você gosta de esportes,

acesso primeiro aos títulos que acabaram de ser

programas de variedade, séries e culinária, o Muu

lançados. O conteúdo conta com versões em SD

é um prato cheio. Ele disponibiliza programas dos

(480p) e em alta definição (720p e 1 080p). Além

canais GNT, Multishow, Combate, SporTV, entre

de computador, notebook e outros dispositivos,

outros. A maioria dos programas estão em alta

o serviço roda perfeitamente em aplicativos da

definição, mas o serviço ainda peca um pouco pela

Apple para iMacs, iPhones ou iPads. Os preços são

interface, já que não permite ao usuário um controle

acessíveis. Uma música, por exemplo, custa cerca de

maior: como fazer listas do que quer ver, ou proibir

R$ 2, já a assinatura do Itunes Match (Serviço de

a exibição de conteúdo adulto para as crianças.

compartilhamento de dados) está saindo por US$

Muu

Itunes

tempos que as pessoas realmente iam em locadoras,

24,90 por ano (cerca de R$ 50).

Abril 2014 | PIXEL TV •

49


VITRINE

Produtos indispensáveis para quem gosta de TV A Vitrine da Pixel escolheu seis produtos que vão cair super bem na sua prateleira.

1 Capas estilosas

2 Estilo 8 bit

3 Dexter Final Cut

LiaShop

Evo

Doubleday

R$ 79,90*

R$ 39,78*

R$ 35,79*

liashop.com.br

mercadolivre.com.br

livrariacultura.com.br

4 Game of Thrones

6 Cabe na sua mão

(3ª Temporada)

5 Quem manda em The Walking Dead?

Warner Home Video

Alliance Games

R$ 24,00*

R$ 149,00*

R$ 90,00*

livrariacultura.com.br

livrariasaraiva.com.br

amazon.com

Running Press

*Os preços podem variar

50

• PIXEL TV | Abril 2014


TRAÇADOS

Anteriormente em...

PIXELS

“Tomando café como uma garota Gilmore” Gabi Guimarães - Curitiba/PR - Fã de Gilmore Girls

Mande sua foto para seção Pixels! contato@revistapixel.com.br Nome: Local: Legenda:


CLIQUE

Control C + Control V A atriz Lucélia Santos chamou a atenção na web, em março, após ser ser flagrada andando de ônibus na capital carioca. Os vários comentários - alguns em tom de espanto, outros apoiando a decisão da atriz em usar o transporte público da cidade - casou uma certa irritação em Lucélia. Afinal, não é mais sustentável pegar um ônibus do que andar de carro por aí? Isso não deveria causar tanta euforia, certo? A verdade é que a foto de Lucélia rodou a internet e fez com que mais artistas reproduzissem a postura da atriz e passassem a circular por aí de busão! Bom exemplo é para ser copiado! Imagem Reprodução/Instagram

Gente como a gente Pegando carona na onda de bons exemplos. As celebridades gringas mostram que a moda do transporte público já é antiga, e deveria ser encarada apenas como hábito. O Tumblr “Celebridades no Metrô” captura a simplicidade do dia a dia dos artistas mais badalados do cinema e da TV. Nele, é possível ver cliques super espontâneos de celebridades como Sarah Jessica Parker (Sex and the City), Katherine McPhee (Smash) e Olivia Wilde (House), entre muitas, muitas outras. Já pensou um dia

Imagem Reprodução/Tumblr

sentar ao lado do seu ídolo? Prepare-se e tenha sempre uma câmera em mãos!

52

• PIXEL TV | Abril 2014


Revista Pixel TV  

Publicação digital especializado em televisão

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you