Issuu on Google+

ECONOMIA

dia a dia

Você vai usar muito etanol para abastecer

VANTAGENS

“Além de ser renovável, é um combustível menos poluente e aquece a economia do país. Gera empregos e sustenta a indústria” _ Leila Harfuch, Pesquisadora

Pesquisa da Fiesp/Icone mostra que preço do combustível vai cair nos próximos anos e que venda de carros flex vai aumentar em todo o Brasil Maria Clara Lima Agência BOM DIA

Aproduçãodecana-de-açúcar no Brasil crescerá 55% nos próximos dez anos. Nesse cenário, quem ganha é o consumidor, que terá etanol mais barato e competitivo. A projeção foi feita a partir de um estudo realizado pela Fiesp (FederaçãodasIndústriasdoEstado de São Paulo) e pelo Icone (Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais) e mostra que o Brasil produzirá quase 1 bilhão de toneladas de cana por ano, sendo 65% destinada à produção de etanol. SegundoodiretordaANP,Allan Kardec, em três anos o etanol voltará a ser competitivo em relação ao álcool. De acordo com Leila Harfuch, pesquisadora sênior do Icone, a demanda por uma produção maior será impulsionada pela mudança de perfil da frota de carro no país. “Trabalhamos com um número de 81% de veículos flex nos próximos dez anos”, expli-

O estado de São Paulo continuará sendo o maior produtor de cana do Brasil

+ l

O futuro do setor canavieiro no Brasil

A projeção mostra que a indústria da cana-deaçúcar crescerá 55% até 2022.

43%

será o aumento da lavoura no país

1,1 bi

de toneladas de cana por ano

65%

da produção será destinada ao etanol

80%

de aumento da participação no consumo interno. O mercado brasileiro deverá consumir 45,8 bilhões de litros de etanol por ano.

Fonte: Fiesp/Icone

Fotos: Arquivo/Agência BOM DIA e Divulgação

81% dos carros do Brasil em 2022 serão flex, diz pesquisadora do Icone

ca a pesquisadora. Por causa disso, o setor de cana-de-açúcar para a produção de etanol deverá se tornar mais competitivo. Para Leila, quanto mais investimentos no setor, melhor. “Além de ser renovável, é um combustível menos poluente e aquece a economia do país. Gera empregos e sustenta a indústria”, diz. A Unica (União da Indústria de Cana-de-açúcar) espera que, nos próximos anos, o investimento no setor ultrapasse R$ 150 bilhões, sendo R$ 110 bilhões para a indústria e R$ 46 bilhões para as lavouras. “Temosqueinvestirparabaratearo custo de produção da cana-deaçúcar no país. Só assim, poderemos oferecer o que a demanda pede”, diz Sérgio Padro, representante da Unica em Ribeirão Preto. Para ele, o desafio do setor será “cruzar a barreira da projeção e da realidade”. Para que esse futuro aconteça, é preciso, além de investimentos, um maior entendimento do governo nas políticas de impostos para o etanol, que estão em 31% para o derivado da cana e 35% para a gasolina, em arrecadação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Hoje, São Paulo tem uma taxa de ICMS para o etanol de 12%, condição para que o etanol seja mais barato no estado em relação a outras regiões. De acordo com a ANP, o preço pago pelos paulistas variam de R$ 1,7 a R$ 2,03, enquanto no Rio de Janeiro o etanol pode chegar R$ 2,53. “O custo de produção da cana é grande por causa da terra e da renovação da cana nas lavouras, além da mão-de-obra”, explica Sérgio Prado. Para o representante da Unica, o etanol deverá ter mais vantagens para o bolso quando houver maior produção e menorcobrançadetributos.“Estamos nos preparando para melhorar a eficiência, plantar mais cana em menos tempo”, diz.

CAMINHO PARA O FUTURO O estudo da Fiesp/Icone mostra uma íntima relação entre a evolução da produção de cana-de-açúcar voltada para o etanol e o aumento de venda de carros flex nos próximos anos.


Etanol mais barato em 4 anos