Issuu on Google+

Avaliação Fonoaudiológica pré-Implante Coclear

M. Valéria Schmidt Goffi Gomez Grupo de Implante Coclear do HCFMUSP

Avaliaç Avaliação pré pré-implante coclear ADULTOS e CRIANÇ CRIANÇAS

OBJETIVO  Identificar os candidatos precisam do implante coclear para a percepção dos sons de fala por não alcançarem benefícios suficientes com a amplificação convencional;  Identificar o lado do ponto de vista audiológico;  Adequar expectativas para cada caso;  Solidificar o relacionamento entre centro e família (PROTOCOLO LATINOAMERICANO COCHLEAR AMERICAS) Bevilacqua et al., 2000

1


Portaria 1278. 20.10.1999 ADULTOS  pessoas com surdez neuro-sensorial profunda bilateral com código lingüístico estabelecido (casos de surdez pós-lingual ou de surdez pré-lingual, adequadamente reabilitados);  ausência de benefício com prótese auditiva (menos de 30% de discriminação vocal em teste com sentenças);  adequação psicológica e motivação para o uso de implante coclear.

Portaria 1278. 20.10.1999 CRIANÇAS (menores de 18 anos com surdez pré e pós-lingual):

experiência com prótese auditiva, durante pelo menos três meses;  incapacidade de reconhecimento de palavras em conjunto fechado;  família adequada e motivada para o uso do implante coclear;  condições adequadas de reabilitação na cidade de origem. 

2


Portaria 1278. 20.10.1999 CONTRA-INDICAÇÃO  Está contra-indicado o Implante Coclear nos seguintes casos:  surdez pré-lingual em adolescentes e adultos não reabilitados por método oral;  pacientes com agenesia coclear ou do nervo coclear;  contra-indicações clínicas.

Evolução dos Critérios de Indicação 30 surdez

50 0

m eses

dB N A

100

20 0

1980 1990 2000 2009

idade nas crianças

10 1980 1990 2000 2009

100 %

percepção de fala

50 0

1980

2000

3


Avaliação Fonoaudiológica 

Anamnese. Histórico do desenvolvimento e do diagnóstico:   



Audição  

 

Etiologia e comprometimentos associados Acompanhamento fonoaudiológico/Escolar Uso de prótese auditiva (lado) Grau da perda: definição do diagnóstico Aproveitamento da prótese auditiva/acesso aos sons de fala com a prótese

Linguagem Preparo da família

Avaliação da audição e das habilidades auditivas Detecção Discriminação Reconhecimento Compreensão

4


Avaliação da audição e das habilidades auditivas 

Na criança pequena, oferecer o ACESSO aos sons de fala (detecção) pode implicar no desenvolvimento das demais habilidades auditivas

AASI x IC Frequency (in Hz)

Φ

Φ

Φ

X

Φ ΦΦ ΦΦ

↓ ↓

X X

X XX XX ↓↓ ↓↓

5


Avaliaç Avaliação pré pré-implante coclear 

Avaliação Audiológica: Instrumental, Audiometria em Campo (OD /OE com prótese (≠ ≠s modelos), ABR, OAE



Avaliação funcional: MAIS, IT-MAIS e MUSS, percepção auditiva (vogais, sons do Ling, ESP/GASP, monossílabos, sentenças) (OD /OE com prótese (≠ ≠s modelos)



Linguagem: emissão e compreensão



Adultos: Leitura oro-facial

Avaliaç Avaliação da contribuiç contribuição da amplificaç amplificação Categorias de audição       

0. Não detecta fala 1. Detecção de fala, sem diferenciar os estímulos 2. Padrão de percepção: SS 3. Início de identificação de palavras: em conjunto fechado com base na informção fonética (mesma duração) 4. Identificação de palavras por reconhecimento da vogal em conjunto fechado 5. Identificação de palavras por reconhecimento da consoante (pão, mão, cão, chão) 6. Reconhecimento de palavras em conjunto aberto. Identificação de palavras fora de contexto e consegue retirar informação fonêmica só A.

6


Avaliaç Avaliação da contribuiç contribuição da amplificaç amplificação 

Quanto tempo é necessário para ´julgar´ adequada a experiência auditiva com a prótese?? 



O processo de avaliação às vezes é longo justamente porque o uso do AASI é insatisfatório, em horas/dia e em meses de uso, incluindo crianças que só usam para ir à escola.... A avaliação inicial compara as habilidades adquiridas antes e após o uso efetivo, em relação à idade do candidato.

(Goffi-Gomez et al., 2004)

Avaliação para o IC - HCFMUSP 

Importância do uso de AASI:   

Para a ‘descoberta’ Para a escolha da orelha Para a manutenção da estimulação em ambas as orelhas



Importância da Leitura Oro-Facial (LOF) (adultos)   



Garantia da compreensão do paciente sobre o processo; Indicativo que o paciente trabalha com poucas pistas; Independente de ser considerado apto ao IC, é um importante auxílio na comunicação; Pode ser o ´carro-chefe´ da comunicação, mesmo após o IC (resultado só auditivo ´imprevisível´ em alguns casos)

7


Seleção DO LADO a ser implantado quando as condições médicas forem semelhantes  DNS profunda

bilateral sem benefício AASI escolher a melhor orelha (av. traços suprasegmentais, orelha mais recentemente acometida / maior estimulação auditiva).

 DNS profunda

bilateral com benefício AASI, ou quando a perda for assimétrica, escolher a pior orelha (desde que mostre sinais de condução neural).

(Goffi-Gomez et al., 2004)

Indicaç Indicação do Implante Bilateral  Quando

não houver residuo auditivo útil em ambas as orelhas.

Balkany et al. (2008). Consenso para indicação bilateral. Otology & Neurotology 29:107-108.

8


Linguagem 

Linguagem Funcional: uso de códigos e estrutura linguística 



Reprodução de modelos (verbais e não verbais)

Habilidades de comunicação:  

Intenção comunicativa/interação com o interlocutor/atenção ao (rosto do) falante Funções comunicativas: meios verbais e não verbais

Preparo da família O que é possível ´prometer´/esperar em cada caso Resultados das crianças implantadas nas mesmas condições pré-op norteiam a adequação de expectativas

9


IMPLANTE. Como funciona?

Porquê o IC consegue atingir as orelhas com perda profunda que o AASI não consegue? Qual a grande diferença entre usar ou ouvir por uma prótese convencional e usar ou ouvir por um implante coclear?

? 10


Idade ao Implante 

ESTAMOS DIANTE DE UMA CRIANÇA com deficiência auditiva que já tem as limitações impostas pela privação até o implante = O fechamento do ´GAP´ implicará que a cada ano cronológico ela desenvolva + de 1 ANO.

10 8 6 4 2 0 1 2 3 4 5 6 7 8 ouvinte IC aos 2

IC aos 2 IC aos 6

Implantadas mais tarde Depende da LINGUAGEM/limites/estimulação e motivação para falar/atenção  Eventuais ´gaps´ identificados na avaliação não excluem a criança da possibilidade de realização do Implante para a obtenção de maior input auditivo, mas são MARCADORES importantes de adequação de expectativas (Holt & Svirsky, Ear & Hearing 2008;29;492–511). 

11


Fatores que interferem no prognóstico que devem ser pontuados no preparo do paciente e da família...       

Aspectos médico-cirúrgicos (inserção satisfatória dos eletrodos), Etiologia Mapa no processador de fala Memória auditiva/experiência auditiva e código linguístico Quantidade de fibras do nervo auditivo viáveis SNAC = reabilitação Escola + família Motivação (SOBRETUDO NOS ADOLESCENTES) Geers (2003)

Resumindo...

12


CANDIDATOS AO IMPLANTE COCLEAR HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FMUSP Critérios para iniciar o processo:

Critérios para a indicação do implante

DSN bilateral severa/profunda (restos moderados em graves)

Adultos Reconhecimento de sentenças > 40% em OPEN-SET (A)*

experiencia auditiva efetiva com BOA prótese

Crianças Sem ganho funcional a partir de 2kHz Idade linguística compatível com idade cronológica

código linguístico estabelecido

Indicação ´ideal´ Crianças menores do que 2 anos de idade  Sem comprometimentos associados  Família equilibrada  Reabilitação oralista com enfoque no desenvolvimento da linguagem 

13


Avaliação para o IC - HCFMUSP O uso de sinais (LIBRAS) não impossibilita a indicação do Implante Coclear, desde que a linguagem oral e a percepção auditiva tenham sido desenvolvidas. A CRIANÇ CRIANÇA PRECISA TER CÓ CÓDIGO LINGUÍ LINGUÍSTICO (mesmo em desenvolvimento)

(Goffi-Gomez et al., 2004)

Avaliação para o IC - HCFMUSP Indicação em Casos Específicos Casos de múltiplas deficiências, desde que a equipe tenha preparo para tal;  Casos em uma mesma família  Neuropatias 

14


Avaliação para o IC - HCFMUSP CUIDADOS  a inclusão de um candidato no programa de avaliação para o Implante Coclear não implica que ele SERÁ implantado  a indicação de um candidato deve obedecer alguns critérios do centro ao qual está sendo encaminhado o(a) paciente/criança

Avaliação para o IC - HCFMUSP OS CRITÉRIOS PODEM VARIAR DE ACORDO COM OS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DOS EQUIPAMENTOS  OS RESULTADOS DOS ATUAIS USUÁRIOS SÃO OS PARÂMETROS DE COMPARAÇÃO PARA AS EXPECTATIVAS e CRITÉRIOS 

15


gomez_avaliacao_cmic_2011