Issuu on Google+

ARQUITECTURA NOLUGAR DETURISMO ATMOSFERA TERMAL E BALNEAR COMO PARTICULAR FORMA


MOTIVAÇÃO

[...]Num intervalo de uma verdadeira viagem os olhos, e por eles a mente, ganham insuspeita capacidade. Aprendemos desmedidamente; o que aprendemos reaparece, dissolvido nos riscos que depois traçamos[...]

Álvaro Siza Vieira


OBJECTIVOS

ARQUITECTURA I TURISMO I LUGAR

CASOS DE ESTUDO ATMOSFERA TERMAL I BALNEAR


ESTRUTURA

I TURISMO E ARQUITECTURA I TURISMO CULTURA IDENTIDADE I APROXIMAÇÃO AO CONCEITO DE LUGAR I ATMOSFERA TERMAL E BALNEAR I CASOS DE ESTUDO I CASO PRÁTICO


ARQUITECTURA TURISMO AO LONGO DOS TEMPOS E DE CULTURAS


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

ANTIGUIDADE CLÁSSICA TERMAS DA CARCALA I PIRÂMIDES DE GIZÉ


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

IDADE MÉDIA TERMAS DE BATH


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

IDADE MODERNA GRAND TOUR


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

FENÓMENO DE MASSAS REVOLUÇÃO NOS TRANSPORTES


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO TERMAL I TERMAS SPA I TERMAS DE BADEN BADEN

TURISMO TERMAL TERMAS DE BADEN-BADEN I TERMAS DE SPA


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO TERMAL I TERMAS DAS CALDAS DA RAINHA

TURISMO TERMAL TERMAS DAS CALDAS DA RAINHA


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO BALNEAR I PLANOS DE MELHORAMENTOS

[...]os planos Gerais de Melhoramentos seguiam os princípios do urbanismo francês em vigor: grandes eixos viários (boulevards) e rotundas de distribuição viária, praças amplas e regulares e parques periféricos [...] Susana Lobo


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO BALNEAR ESTÂNCIA DO ESTORIL


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO BALNEAR HOTÉS DE MAR I DÉCADA DE 60

[...] afirma-se uma crescente pluralidade e transformação. Entre a ruptura e a nostalgia, o território transforma-se [...]. Ana Tostões


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO BALNEAR PISCINAS DE MAR I DÉCADA DE 60


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO BALNEAR CASAS DE FÉRIAS I DÉCADA DE 60

[...]os materiais, as soluções construtivas, a inserção no terreno e a escala adoptada evidenciam um profundo conhecimento arquitectura vernecular[...] Sérgio Fernandez


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

TURISMO BALNEAR HOTEL DA BALAIA I CONCEIÇÃO SILVA


TURISMO I ARQUITECTURA AO LONGO DOS TEMPOS E CULTURAS

I LUGARES, ESPAÇOS

I CONDUZINDO A UM DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO POLíTICO E SOCIAL

O TURISMO ORIGINOU:

I PERMITINDO AOS ARQUITECTOS E À ARQUITECTURA A POSSIBILIDADE DE SE (RE) INVENTAR I DESDE O ROMANTISMO DOS PALACE HOTEL ATÉ ÀS ÚLTIMAS INTERVENÇÕES

I DEFININDO-SE NUMA ESTRATÉGIA PARA ALCANÇAR O PROJECTO E A SUA ESCALA TERRITORIAL I SENDO O REFLEXO DA PAISAGEM CONSTRUÍDA E DA SUA QUALIDADE NAS SOCIEDADES FUTURAS


GLOBALIZAÇÃO

GLOBALIZAÇÃO HOTEL DA BALAIA I CONCEIÇÃO SILVA

[...] a globalização é um processo de economia e de comunicação, que tem mudado as nossas formas de produzir, consumir, gerir, informar e pensar [...] Bodi Joba e Manuel Castels


TURISMO E GLOBALIZAÇÃO

AMERICANIZAÇÃO STARBUKS I MACDONALD´S I HARD ROCK CAFÉ

[...]neste momento é claro o carácter relaciona das noções de culturas globais e culturas locais [...]

Mike Featherstone


[ DEFINIÇÕES E CONCEITOS]


APROXIMAÇÃO AO LUGAR

LUGAR I NÃO-LUGAR

[ ...] um lugar pode definir-se como identitário, relacional e histórico, um espaço que não pode definir-se nem como identitário, nem como relacional , nem como histórico, definirá um não lugar [...]

Marc Augé


APROXIMAÇÃO AO LUGAR

GENIUS LOCI PÁRTENON I ANFITEATRO DELFOS

[...]um lugar onde o construido dialóga com o natural, numa composição que se completa [...] Norberg-Shulz


APROXIMAÇÃO AO LUGAR

ESTRUTURA ESPAÇO I CARÁCTER

[...] a estrutura do lugar deve ser descrita em termos da paisagem e localização, analisados segundo as categorias de espaço e carácter [...]. Norberg-Shulz


APROXIMAÇÃO AO LUGAR

NATURAL VERSUS ARTIFICIAL CAIXA FÓRUM MADRID I TERMAS GEOMÉTRICAS CHILE


TURISMO E IDENTIDADE

A CONDIÇÃO HUMANA É DOTADA DE SISTEMAS DOS QUAIS DESTACAMOS:

ORIENTAÇÃO INTUIÇÃO

IDENTIDADE CULTURAL

PROGRAMA

SÍMBOLOS

CIDADE REGIÃO VILA

MONUMENTOS PESSOAS INSTITUIÇÕES

SIGNIFICADOS


TURISMO E IDENTIDADE

E SE ESSE LUGAR FOR TURÍSTICO SERÁ I SE UTILIZARMOS REFERÊNCIAS DA CULTURA ENFATIZANDO MEMÓRIAS DO LUGAR A INTERVIR IDENTITÁRIO ?

EM QUESTÃO,

I TAIS MEMÓRIAS, SUBLINHARÃO A NOÇÃO DE ‘CIRCUNSTÂNCIA’ TÃO PRESENTES NA DISCIPLINA ARQUITECTÓNICA I COMPETE AO ARQUITECTO CRIAR ESPAÇOS QUE ESTIMULEM SENSORIALMENTE AS EXPERIÊNCIAS, PERMITINDO A IDENTIFICAÇÃO ABRINDO O ESPAÇO AO SIGNIFICADO

I INTERVIR NUM LUGAR DE TURISMO, OBRIGARÁ ASSIM À FORMULAÇÃO DE QUESTÕES TÃO COMPLEXAS COMO ESTRUTURANTES ONDE A : HISTÓRIA I CARÁCTER I MEMÓRIA I SOBRESSÃEM PARA QUE AO PROJECTAR /EQUACIONAR, ESTE SEJA UM EXEMPLO DE UMA TOTAL ORGANIZAÇÃO ESPACIAL E ESTRUTURAL


ATMOSFERA TERMAL I BALNEAR [CASOS DE ESTUDO]


CASOS DE ESTUDO

TERMAS DE VALS_ PETER ZUMTHOR I SUIÇA 1996 PISCINAS DAS MARÉS _ SIZA VIEIRA I LEÇA DA PALMEIRA 1966 CASAS DE FÉRIAS _AIRES MATEUS I COMPORTA 2010

TERMAS GEOMÉTRICAS _GERMÁN DEL SOL I CHILE 2003

LUGAR GEOGRÁFICO I PROGRAMA I CONTEXTO SOCIAL E CULTURAL I MATERIALIDADE E ATMOSFERA I NATURAL VERSUS ARTIFICIAL I RELAÇÃO INTERIOR EXTERIOR


CASOS DE ESTUDO

TERMAS DE VALS SUIÇA 1996I PETER ZUMTHOR


CASOS DE ESTUDO

ÁGUA. PEDRA. MONTANHA MATERIALIDADE E ATMOSFERA


CASOS DE ESTUDO


CASOS DE ESTUDO


CASOS DE ESTUDO


CASOS DE ESTUDO

TERMAS GEOMÉTRICAS CHILE 2003 I GERMÁN DEL SOL


CASOS DE ESTUDO

ÁGUA. MADEIRA. MONTANHA MATERIALIDADE E ATMOSFERA


CASOS DE ESTUDO


CASOS DE ESTUDO

PISCINAS DAS MARÉS PORTO 1966I SIZA VIEIRA


CASOS DE ESTUDO

ROCHA. AREIA. ÁGUA MATERIALIDADE E ATMOSFERA


CASOS DE ESTUDO


CASOS DE ESTUDO

CASAS DE FÉRIAS COMPORTA 2010 I AIRES MATEUS


CASOS DE ESTUDO

ÁGUA. PEDRA. MONTANHA MATERIALIDADE E ATMOSFERA


CASOS DE ESTUDO


CASO PRÁTICO

UM LUGAR TURÍSTICO CAMINHA


CASO PRÁTICO

CASAS DE FÉRIAS CAMINHA 2010 I PROJECTO III


CASO PRÁTICO

ÁGUA. MADEIRA. MONTANHA MATERIALIDADE E ATMOSFERA


CASO PRÁTICO

1 I ESTAÇÃO DE CAMINHOS DE FERRO 2I CONETAÇÃO ENTRA A VILA ANTIGA E A PROPOSTA 3I MURALHA 4I PROPOSTA DA NOVA INTERVENÇÃO


CASO PRÁTICO


CASO PRÁTICO

1 I ESTAÇÃO DE CAMINHOS DE FERRO 2I CONETAÇÃO ENTRA A VILA ANTIGA E A PROPOSTA 3I MURALHA 4I PROPOSTA DA NOVA INTERVENÇÃO


CASO PRÁTICO


CONCLUSÃO CASOS DE ESTUDO

INa esxperiência termal e balnear, os espaços revelam-se extremamente sensoriais, sociais e de emoção provocada pelo momento e pelo lugar. I Não reagem ao espaço de forma desenfreada , tratam cada atmosfera de sentido singular, Conduzindo-nos numa viagem de experiência individual e/ou colectiva . rE

IRevelam em comum, o interesse pelo o que é o natural , a possibilidade do arquiteto projectar novos espaços carregados de simbologias . Focando-se na potencialização do lugar em questão. I Espaços construídos entre na Identidade do Silêncio, da Harmonia e da Beleza.

IA materialidade é um dos factores que une estes arquitetos na aproximação ao lugar. A forma de abordar um projecto turístico no seu particular.


CONCLUSÃO CASOS DE ESTUDO

INo caso das Termas de Vals, entendemos que o projecto é abordado sob uma perspectiva sensorial I No caso das Piscinas de Leça ou nas Termas Geométricas, a linguagem passa entre a coerência e a matéria, entre o elemento natural e artificial.A geometrização e também uma chave na ligação entre natural e artificial rE I No caso das Casas na Areia a obra revela uma constante articulação entre a simplicidade da forma e a materialidade, procurando estabelecer um diálogo entre a contemporaneidade das formas propostas e o eco da memória I Para Peter Zumthor o método escolhido passa pela consonância dos materiais no lugar que se insere. Tomando como prioridade o estudo do carácter do lugar.

Isublinhemos então, o desejo de todos estes arquitetos projectarem uma ideia de permanência , própria do habitar, e de uma relação histórica e futura com os lugares;


PORTO I 2011


Arquitectura e Turismo