Page 1

A BIBLIOTECA  ESCOLAR:  DESAFIOS  E  OPORTUNIDADES  NUM  CONTEXTO  DE  MUDANÇA   –  TAREFA  N.º  1  –  FÓRUM  1     TABELA  MATRIZ     Nota  prévia:  Por  uma  questão  de  organização  e  de  uniformização  dos  documentos  e  procedimentos  que  são  actualmente  produzidos  /  observados  no   âmbito  da  trabalho  da  BE,  parte-­‐se,  no  preenchimento  desta  tabela  matriz,  do  MAABE;  não  obstante,  apenas  aqui  são  referidos  os  itens  que  mais   directamente  se  relacionavam  com  o  tema  deste  trabalho  (desafios,  inovação  e  mudança  nas  BE)  e/ou  aos  quais  era  dado  destaque  na  bibliografia   que  contextualizava  e  originava  este  trabalho.  

Áreas de  intervenção  referidas  nos   textos  e  implicadas  na  mudança  

Funções do   professor   bibliotecário  

O que  a  minha  biblioteca  já   faz  

Factores favoráveis/   Obstáculos  à   mudança  

O que  é  preciso   mudar  -­‐  acções   a  implementar  

APOIO AO   DESENVOLVIMENTO   CURRICULAR1     1)  Articulação   curricular  da   biblioteca  escolar  (BE)   com  as  estruturas  de   coordenação  e   supervisão  pedagógica   e  com  os  docentes.  2    

“Representar a   biblioteca  escolar  no   conselho  pedagógico,   nos  termos  do   regulamento  interno.”   (Portaria  756/2009)     “Promover  a   articulação  das   actividades  da   biblioteca  com   os  objectivos  do   projecto  educativo,  do   projecto  curricular  de   agrupamento/escola  

A BE  colabora:     .  com  o  conselho  pedagógico  (CP)  no   sentido  de  se  integrar  no  projecto   educativo  (PE),  no  regulamento   interno  (RI)  e  no  plano  anual  de   actividades  (PAA).     .  com  os  departamentos  curriculares/   áreas  disciplinares  para  conhecer  os   diferentes  currículos,  programas  e   orientações  curriculares,  visando   integrar-­‐se  nas  suas  planificações.       .  com  os  coordenadores  de  

A cooperação  com  as   estruturas  indicadas   faz-­‐se   essencialmente  nas   reuniões  de  conselho   pedagógico  e  em   contactos  informais,   pois  nem  sempre   tem  sido  possível   estar  presente  nas   reuniões  (de   departamento,   conselho  de   docentes,  etc.)  pelo   facto  de  ser  PB  em  

A professora   bibliotecária  (PB)   deverá  participar   periodicamente  nas   reuniões  de   planificação  das   estruturas  de   coordenação   educativa  e  de   supervisão   pedagógica.    

Cooperação da  BE   com:       a)  As  estruturas  de   coordenação   educativa  e   supervisão   pedagógica.    

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


e dos  projectos   curriculares  de   turma”.  (Portaria   756/2009)    

b) Os  docentes  na   concretização  das   actividades   curriculares   desenvolvidas  no   espaço  da  BE  ou   tendo  por  base  os   seus  recursos.  

estabelecimento de  educação  e   ensino,  os  conselhos  de  turma  e  os   docentes  titulares  das  turmas,  com  o   objectivo  de  conhecer  os  diferentes   projectos  curriculares  e  de  se   envolver  no  planeamento  das   respectivas  actividades,  estratégias  e   recursos.   “Apoiar  as  actividades   O  plano  de  actividades  da  BE  inclui   curriculares  e   actividades  de  apoio  curricular  a   favorecer  o   turmas.     desenvolvimento     dos  hábitos  e   A  equipa  da  BE  auxilia  no   competências  de   acompanhamento  de  grupos/   leitura,  da   turmas/  alunos  em  trabalho   literacia  da   orientado  na  BE  (da  equipa  da  BE   informação  e  das   fazem  parte  elementos  provenientes   competências  digitais,   de  áreas  disciplinares  variadas  e  com   trabalhando   formações  diferenciadas).     colaborativamente     com  todas  as   A  BE  produz  /  colabora  com  os   estruturas  do   docentes  na  elaboração  de  materiais   agrupamento  ou   pedagógicos  e  formativos  e  de  apoio   escola  não  agrupada.”   às  diferentes  actividades.     (Portaria  756/2009)       A  BE  divulga  os  materiais  que  produz   Desenvolver  um   /  de  que  dispõe,  através  do  seu   “trabalho  de   blogue   proximidade  e   (http://castelodelivros.blogs.sapo.pt),   articulação  com  os   da  sua  página  no  Facebook  e  através   professores  que   da  newsletter  que  envia  regularmente   trabalham   (através  de  uma  lista  de  difusão   directamente  com  as   interna)  com  materiais  e  recursos  da  

meio horário  e,   portanto,  ter   reuniões  de   departamento,   conselhos  de  turma,   etc..     Os  docentes   mostram-­‐se  abertos   à  articulação  e   agradados  com  as   relações  e  parcerias   que  a  BE  procura   estabelecer,  mas,   depois,  na  prática,  a   utilização  da  BE   ainda  não  é  tão   rentabilizada  pelos   docentes  no  âmbito   das  suas  actividades   educativas  /  lectivas   e  de  apoio,  como   seria  desejável.     O   envio   das   newsletters   fez   com   que   o   conhecimento   dos   docentes   dos   recursos  que  existem   na   BE   fosse   muito   bom,   como   atestaram   os  

A PB  /  Equipa   deverá:     ·  Continuar  a   apresentar  aos   docentes  sugestões   de  trabalho   conjunto  em  torno   do  tratamento  de   diferentes  unidades   de  ensino  ou  temas.       .  Reforçar  a   cooperação  e  o   diálogo  com  todos   os  docentes,   fazendo-­‐os   “entender  (...)  que  a   biblioteca  cumpre   objectivos   semelhantes   àqueles  em  que  toda   a  restante  escola  se   empenha  e  que   algum  do  sucesso  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


c) Parceria  da  BE   com  os  docentes   responsáveis  pelas   áreas  curriculares   não  disciplinares   (ACND).  

turmas, para  a   programação  de   experiências  de   aprendizagem   autênticas  e  para  a   preparação  de   instrumentos  de   avaliação  do   conhecimento  dos   alunos  que  integrem   as  capacidades  de  uso   da  informação   e  comunicação   previstas  nos   objectivos   curriculares.”  4  

BE relacionados  com  as  diversas   áreas  curriculares.  Paralelamente,   também  envia  mensagens  por  correio   electrónico  aos  docentes  com   sugestões  de  materiais  /recursos   destinados  às  suas  actividades  (o   facto  de  ser  um  agrupamento  de   pequena  dimensão  possibilita  um   conhecimento  mais  próximo  das   actividades  que  se  encontram  a   desenvolver).      

Semelhantes às   anteriores.  

A BE  colabora  com  os  docentes  das   turmas  e/  ou  directores  de  turma   (DT)  na  concepção,  realização  e   avaliação  de  actividades  no  âmbito   das  ACND,  disponibilizando  os  seus   espaços  e  recursos.    

resultados dos   inquéritos   do   ano   lectivo  passado.     A   BE   lançou   no   ano   lectivo   passado   dois   serviços   de   referência   -­‐   “Pergunte:   a   BE   responde”   e   "Par   pedagógico   com   um   elemento   da   equipa   da   BE"   –   que   não   obtiveram   qualquer   pedido   de   colaboração   durante   o   último   ano,   mas   que,     este   ano,   já   registaram   solicitações   por   parte  dos  docentes.     A  procura  /  a  adesão   dos  docentes  aos   recursos  /  serviços   da  BE  é  muito  mais   visível  nestas  áreas   curriculares  não   disciplinares  do  que   nas  áreas   disciplinares.   É  mais  fácil  a  equipa   recorrer  à  internet  e  

obtido tem  a  sua   participação”.3     .  Manter  e  reforçar   os  serviços   “Pergunte:  a  BE   responde”  e  "Par   pedagógico  com  um   elemento  da  equipa   da  BE".    

. Continuar  a   apresentar  aos   docentes  das  ACND   propostas  e   sugestões  de   trabalho  conjunto,   na  medida  em  que   as  ACND  podem  ser   palco  de  actividades     em  que  sejam   bastantes  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


d) Ligação  da  BE  ao   Plano  Tecnológico   da  Educação  (PTE).  

“Apoiar as  actividades   curriculares  e   favorecer  o   desenvolvimento   dos  hábitos  e   competências  de   leitura,  da   literacia  da   informação  e  das   competências  digitais,   trabalhando   colaborativamente   com  todas  as   estruturas  do   agrupamento  ou   escola  não  agrupada.”   (Portaria  756/2009)  

A BE  participa  no  PTE  e  no  plano  das   tecnologias  de  informação  e   comunicação  (TIC)  no  sentido  de   promover  a  utilização  das  TIC  no   contexto  das  actividades  curriculares   (a  professora  bibliotecária,  que  é  a   coordenadora  da  equipa  pedagógica,   faz  parte  da  Equipa  PTE,  de  acordo   com  a  legislação  em  vigor).    

encontrar lá  os   recursos  de  que  não   dispõe,  fisicamente,   na  BE,  para  estas   áreas  do  que  para  as   curriculares.   A  utilização  da  BE  é   rentabilizada  pelos   docentes  em   actividades   curriculares  e   formativas   relacionadas  com  a   utilização  das  TIC  e  o   desenvolvimento  de   outros  programas  e   projectos,  porém   essa  utilização  é  por   vezes  prejudicada   pelo  mau  estado  das   redes  e   equipamentos   existentes  na  BE,  que   necessitam  de  muita   manutenção  por   técnicos   especializados.     A  qualidade  do   serviço  de  internet   não  é  a  desejável   para  o   desenvolvimento  das  

visíveis os  papéis   Informacional,   Transformativo  e   Formativo  da  BE  5.  

A PB  deverá:     .  Promover  reuniões   com  os  responsáveis   pelos  diferentes   programas  e   projectos  e  estudar   formas  de   colaboração.       .  Reforçar,  junto  da   equipa  PTE,  a   necessidade  de   apoio  técnico  às   redes  e   equipamentos   existentes  na  BE,   que  se  deterioram  /   avariam  com   facilidade  devido  ao   uso  continuado.     .  Continuar  a   desenvolver   actividades  que  já   desenvolve,  no   âmbito  do  PTE,  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


e) Integração  da  BE   no  plano  de   ocupação  dos   tempos  escolares   (OTE).  

actividades pretendidas  e   juntamente  com  a   frequência  com  que   surgem  avarias  de   difícil  reparação  nos   PC  constituem   constrangimentos  na   elaboração  de   trabalhos  com   qualidade  e  um   factor  dissuasor  da   presença  dos  alunos   na  BE.   “Apoiar  actividades   A  BE  apoia  o  plano  de  ocupação  dos   A  procura  dos   livres,   tempos  escolares  (OTE)  do   materiais  /  recursos   extracurriculares  e  de   agrupamento  na  medida  em  que   e  do  próprio  espaço   enriquecimento   oferece  um  conjunto  de  recursos  que   da  BE  atesta  que  o   curricular  incluídas   os  alunos  podem  explorar  de  forma   que  se  disponibiliza   no  plano  de   autónoma  ou  em  aulas  de   encontra,  junto  de   actividades   substituição,  sob  a  orientação  do   alunos  e  professores,   ou  projecto  educativo   professor  responsável  (materiais   um  acolhimento   do  agrupamento  ou   como  os  livros  do  Ler+,  revistas,   bastante   da  escola  não   filmes  em  DVD/VHS,  computadores,   significativo,  no   agrupada”.  (Portaria   jogos  matemáticos,  jogos  de  tabuleiro,   entanto,  dada  a   756/2009)   com  ou  sem  competições   diversidade  de   organizadas,  Jogo  do  24,  etc.).   actividades     existentes  (o   Paralelamente,  a  BE  criou  este  ano   agrupamento  dispõe   um  Clube  de  Leitura,  no  âmbito  do   de  dez  clubes,  de  um   plano  de  OTE.   mapa  de  aulas  de   substituição,  etc.),  é   difícil  a  BE  dispor  de  

como sejam  a   formação  “Avaliar   páginas  Web”,  o   concurso   “NetPaper”,  o    Blogue  “Castelo  de   Livros”,  a  página  da   BE  no  Facebook,  o   Bibliotim,  os     Biblio_desafios,  o   recurso  ao   multimédia  na  Hora   do  Conto,  etc..     A  equipa  deverá:     .  Apresentar  aos   docentes  sugestões   de  actividades   conjuntas.       .  Produzir,  em   colaboração  com  os   docentes,  materiais   e  sugestões  de   actividades  e   recursos  que  sirvam   a  OTE,  de  forma  a   ultrapassar  a   escassez  de   recursos.    

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


APOIO AO   DESENVOLVIMENTO   CURRICULAR     2)  Promoção  das   literacias  da   informação,   tecnológica  e  digital  

a) Organização  de   actividades  de   formação  de   utilizadores.  

Promover recursos  e   actividades  que   tenham  em  conta,   mais  do  que  a   “transmissão   ou  transferência  de   informação”,  “as   dimensões  humanas   de  escolha  e  uso   da  informação”.  6  

A BE  procura  apoiar  os  docentes  no   desenvolvimento  de  outros   programas  e  projectos  –  Plano   Nacional  de  Leitura  (cuja  acção  no   agrupamento  a  BE  coordena),  Plano   de  Acção  da  Matemática,  Educação   para  a  Saúde,  em  Ensino   Experimental  das  Ciências,  Desporto   Escolar.   O  plano  de  trabalho  da  BE  inclui   actividades  de  formação  de   utilizadores  com  as  turmas  no  sentido   de  promover  o  valor  da  BE,  motivar   para  a  sua  utilização,  esclarecer  sobre   as  formas  como  está  organizada  e   ensinar  a  utilizar  os  diferentes   serviços.       Alunos  e  docentes  desenvolvem   competências  para  o  uso  da  BE   revelando  um  maior  nível  de   autonomia  na  sua  utilização  após  as   sessões  de  formação  de  utilizadores.       A  BE  produz  materiais  informativos   de  apoio  à  formação  dos  utilizadores:   .  Guia  do  utilizador  destinado  a  alunos   do  1.ºCEB  (explorado  pelos  alunos,  na  

uma abrangência  e   qualidade  de   materiais  que  dê   resposta  a  todas  as   solicitações.    

Apesar de  os  alunos   mostrarem  interesse   pelas  actividades   que  visam  a  sua   formação  enquanto   utilizadores  da  BE,   nem  sempre  eles   tomam  a  iniciativa   de,  no  dia-­‐a-­‐dia,   procurar  /  localizar   os  materiais  na  BE  e,   talvez  por  algum   facilitismo,  solicitam   a  ajuda  da  equipa,   não  se  tornando   muito  autónomos.  

. Continuar  a   inserir  acções   destes  programas  e   projectos  no  plano   de  actividades  da   BE.      

Organizar  com  os   directores  de  turma   e  os  docentes   titulares  das  turmas   um  calendário  de   sessões  de  formação   de  utilizadores  com   as  respectivas   turmas  ao  longo  do   ano,  para  não  se   ficar  apenas  pelas   sessões  que  são   organizadas  na   abertura  do  ano   lectivo.     Reforçar  /  clarificar   a  informação  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


b) Promoção  do   ensino  em  contexto   de  competências  de   informação.  

Promover recursos  e   actividades  que   tenham  em  conta,   mais  do  que  a   “transmissão   ou  transferência  de   informação”,  “as   dimensões  humanas   de  escolha  e  uso   da  informação”.  

BE, pela  professora  bibliotecária,  com   a  colaboração  dos  docentes);   .  Guia  do  utilizador  destinado  a  alunos   dos  2.º  e  3.º  CEB  (explorado  pelos   docentes  responsáveis  pelas  ACND,   que  colaboraram  com  a  BE  nesse   sentido);   .  Guia  do  utilizador  destinado  a   educadores  /  professores.     A  BE  propõe  um  modelo  de  pesquisa   de  informação  a  ser  usado  por  toda  a   escola  e  estimula  a  inserção,  nas  aulas   das  disciplinas  e  das  ACND,  bem   como  noutras  actividades,  do  ensino  e   treino  contextualizado  de   competências  de  informação  com   recurso  a  esse  modelo,  de  forma  a  que   os  alunos  não  acedam  apenas  à   informação,  mas  sejam  capazes  de  a   recuperar  de  forma  pessoal  e  crítica.       A  BE  promove  uma  formação  que   procura  apoiar  os  utilizadores  na   selecção  e  utilização  de  recursos   electrónicos  e  media,  de  acordo  com   as  suas  necessidades,  intitulada   “Avaliar  páginas  Web”  e  que  e  dirigida   a  todas  as  turmas  do  5.º  ao  9.º  ano.    

exposta, visando  a   autonomia  dos   utilizadores.    

Alguns conselhos  de   turma  aceitaram  o   repto  da  BE  e   solicitaram  aos   alunos  a  elaboração   de  um  trabalho,  sob   orientação  do   professor  e  com  base   no  Guião  de  Pesquisa   e  Tratamento  da   Informação  (GPTI)   fornecido  pelos   serviços  da  BE   (explorado  pelos   directores  de  turma   e/ou  pelos   professores  de   ACND;  utilizado  na   elaboração  de   trabalhos  pelas   turmas,  sob  a   orientação  do   professor),  porém,  

A PB  deverá:   .  Reforçar,  junto  dos   conselhos  de  turma,   a  elaboração  de   trabalhos  pelos   alunos  com  recurso   ao  GPTI.       .  Sensibilizar  os   docentes  para  as   vantagens  de  um   planeamento   antecipado  e   conjunto  dos   trabalhos  de   pesquisa  a  realizar   na  BE  (promovendo   a  “instrução   integrada”  e  o   “currículo   integrado”)  7.     .  Fornecer    

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


essa ainda  não  foi   uma  prática  que  se   tivesse  estendido  a   todas  as  turmas.     Constatamos   diariamente,  quer  na   BE,  quer  em   reuniões  com  as   diversas  estruturas   pedagógicas  do   agrupamento,  que  as   dificuldades  dos   alunos  não  residem   tanto  na  pesquisa  da   informação  como  na   apropriação  da   informação,  isto  é,  os   alunos  vão  sendo   cada  vez  mais   autónomos  na   selecção  da   informação  de  que   precisam  mas   continuam  a  revelar   muitas  dificuldades   na  transformação   dessa  informação  em   conhecimento,  ou,   melhor  ainda,  em   “conhecimento  com   relevância  pessoal”   (no  dizer  de  Bertram  

aos alunos,  quando   estes  se  encontram   a  desenvolver   trabalhos  na  BE,   orientação  e  apoio   para  um  maior   desempenho  na   pesquisa,  selecção  e   tratamento  da   informação.       .  Continuar  a   promover  a   formação  “Avaliar   páginas  Web”.  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


c) Promoção  do   ensino  em  contexto   de  competências   tecnológicas  e   digitais.  

d) Impacto  da  BE   nas  competências   tecnológicas,  digitais   e  de  informação  dos   alunos.  10  

Brookes 8  ).   Promover  as  “quatro   O  GPTI  a  que  atrás  se  aludiu  inclui  um   Não  obstante  a   competências  sócio-­‐ breve  conjunto  de  orientações  para  o   informação  de  que   cognitivas  que  podem   uso  proficiente  e  responsável  dos   os  alunos  dispõem,  é   e  devem  ser   recursos  de  informação.   visível  na  BE  que  as   rentabilizadas  na   competências   Internet:  aprender  a   tecnológicas  e   procurar  informação   digitais  dos  alunos,   e  a  aprender,   sobretudo  dos   aprender  a   alunos  mais  novos   comunicar,  aprender   (1.º  e  2.º  ciclos)   a  colaborar  e   necessitam  de  muita   aprender  a  participar   orientação  e   9   na  sociedade”.   acompanhamento.      

O PB  deve  avaliar  o   impacto  do  seu   trabalho  /  e  do   trabalho  da  BE  em   resultados   concretos.10  

Os alunos  revelam,  em  cada  ano  e  ao   longo  de  cada  nível/ano  de   escolaridade,  progressos  no  uso  de   competências  tecnológicas,  digitais  e   de  informação  nas  diferentes   disciplinas  e  áreas  curriculares/áreas   de  conteúdo  (como  atestam  os   resultados  de  inquéritos  que  foram   no  ano  passado  aplicados,  no  âmbito   da  avaliação  da  BE  no  domínio  A  do   MAABE.      

Apesar dos   progressos   assinalados  na   coluna  à  esquerda,   ainda  são  evidentes   dificuldades  de   compreensão  dos   problemas  éticos,   legais  e  de   responsabilidade   social  associados  ao   acesso,  avaliação  e   uso  da  informação  e   das  tecnologias,  por   parte  dos  alunos.  

A PB  vai  propor  à   equipa  PTE  que,   durante  os   intervalos  para   almoço,  um   professor  da  equipa   faça  breves  sessões   de  formação,  para   os  alunos,  no   domínio  da  literacia   tecnológica  e  digital   (sessões  de  quinze   minutos  e  dirigidas   a  grupos  de  doze   alunos,  de  forma  a   ficarem  dois  alunos   por  computador).   A  BE  deverá:     .  Insistir  na  adopção   do  modelo  de   pesquisa  uniforme   para  toda  a  escola   (GPTI).     .  Reforçar  a   articulação  entre  a   BE  e  o  trabalho  de   sala  de  aula.      

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


e) Impacto  da  BE  no   desenvolvimento  de   valores  e  atitudes   indispensáveis  à   formação  da   cidadania  e  à   aprendizagem  ao   longo  da  vida.11    

O PB  deve  avaliar  o   impacto  do  seu   trabalho  /  e  do   trabalho  da  BE  em   resultados   concretos.10  

Os  alunos  aplicam  modalidades  de   Não  obstante  a   trabalho  diversificadas  –  individual,  a   evidência  apontada   pares  ou  em  grupo  –  e  realizam   na  coluna  à   tarefas  diferenciadas,  de  acordo  com   esquerda,  os  alunos   a  estruturação  espacial  e  funcional  da   nem  sempre:     BE.       .  cumprem  normas   Os  alunos  revelam  curiosidade  pelas   de  actuação,  de   exposições,  pelos  conteúdos   convivência  e  de   apresentados  no  ecrã,  pelo   trabalho,  inerentes   Biblio_desafio  (desafios  curriculares   ao  sistema  de   semanais),  pelo  Bibliotim  (boletim   organização  e   informativo  da  BE  destinado   funcionamento  da   preferencialmente  a  alunos)  e  pelo   BE;   blogue,  o  que  confirma  a  existência  de     alguma  apetência  pelo  saber.   .  revelam  valores  de     cooperação,   Alguns  alunos  (em  número  menor)   autonomia  e   sugerem  a  aquisição  de  livros,   responsabilidade,   aderem  às  actividades  propostas  e   conformes  a  uma   voluntariam-­‐se  para  actividades   aprendizagem   como  a  leitura  de  histórias  na  Hora  do   autónoma,  activa  e   Conto,  o  que  também  é  revelador  de   colaborativa;   uma  disponibilidade  para  a  vida     cívica.   .  demonstram   atitudes  de  reflexão   crítica,  necessárias  a   uma  aprendizagem   baseada  em  recursos   e  apostada  na   autonomia.    

A equipa  pedagógica   deverá:       ·  Procurar  mobilizar   a  escola  para  a   criação  e  aplicação   de  um  código  de   conduta,  coerente  e   de  aplicação   generalizada,  indo   ao  encontro  do   projecto  (presente   no  PE  e  do  PAA)   “Desculpe,  Com   licença,  Faz  Favor”.    

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


GESTÃO DA   a)  Resposta  da  BE  às   12 BIBLIOTECA  ESCOLAR   necessidades  da   escola.     1)  Acesso  e  serviços   prestados  pela  BE.    

“Garantir a   organização  do   espaço  e  assegurar  a   gestão   funcional  e   pedagógica  dos   recursos  materiais   afectos  à   biblioteca.”  (Portaria   756/2009)     “Definir  e   operacionalizar  uma   política  de  gestão  dos   recursos  de   informação,   promovendo  a  sua   integração  nas   práticas  de   professores  e  alunos.”   (Portaria  756/2009)  

A BE  está  aberta  das  8h45  às  17h30   (todo  o  período  lectivo),  sem   qualquer  interrupção  e  têm  acesso  à   BE  alunos,  professores,  pessoal  não   docente  e  pais  /  encarregados  de   educação  /  outros  elementos  da   comunidade  educativa  em  situações   excepcionais  como  sejam  actividades   abertas  à  comunidade  educativa.     Os  recursos  e  serviços  da  BE   procuram  responder  às  metas  e   estratégias  definidas  no  PE  e  no  PCA.       A  BE  cria  condições  e  é  usada  como   recurso  e  como  local  de  lazer  e  de   trabalho.       A  BE  apoia  os  utilizadores  no  acesso  à   colecção,  aos  equipamentos,  à  leitura,   à  pesquisa  e  ao  uso  da  informação,   bem  como  a  bens  culturais.  

“Implementar processos  de   avaliação  dos  serviços   e  

A BE  implementa  um  sistema  de  auto-­‐ avaliação  contínuo,  agora   padronizado  pelo  MAABE,  e  em  cujo   processo  são  envolvidos  os  órgãos  de  

b) Avaliação  da  BE.  

Embora os  recursos   e  serviços  da  BE   procurem  responder   às  necessidades  do   agrupamento,  o   Fundo  Documental   revela  fragilidades  a   nível  da  proporção   material  livro  /  não   livro  (com  claro   predomínio  do   primeiro)  e  na   proporção  entre  as   diversas  áreas  /   classes,  pelo  facto  de   já  não  receber   verbas  significativas   para  renovação  de   fundos  desde  a  data   da  sua  integração   (2002).  Felizmente,   recebeu   recentemente  uma   verba  da  RBE  e   encontra-­‐se,  neste   momento,  em  fase  de   elaboração  de  uma   proposta  de   aquisição.   Já  há  vários  anos  que   a  BE  se  auto-­‐avaliava   com  regularidade,   através  da  aplicação  

.  Continuar  a  apoiar   os  utilizadores  no   acesso  e  na  procura   e  produção  da   informação,   incentivando  uma   cultura  de  acesso  e   uso  da  BE  e  dos   recursos.       .  Procurar,  através   da  transversalidade   às  diversas   estruturas   pedagógicas  e  de   gestão,  e  áreas   curriculares,  estar   “omnipresente”  no   processo  de  ensino   e  aprendizagem,  de   forma  a  colocar-­‐se   “no  centro  das   aprendizagens  e  da   construção  do   conhecimento”  13.     Decorrente  da   aplicação  do   MAABE:    

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


GESTÃO DA   a)  Liderança  do  PB.   BIBLIOTECA  ESCOLAR     3)  Condições  humanas   e  materiais  para  a   prestação  dos  

elaborar um  relatório   anual  de  auto  -­‐ avaliação  a  remeter   ao   Gabinete   Coordenador  da  Rede   de  Bibliotecas   Escolares   (GRBE).”  (Portaria   756/2009)     Recolher  e  avaliar   evidências:  práticas   que  visem  a   “demonstração   de  impacto  tangível  e   resultados  práticos   dos  serviços  e   iniciativas   desenvolvidos,  e  de   como  estes  se   relacionam  com  o   cumprimento   dos  objectivos  de   aprendizagem  dos   alunos.”  14   O  PB  exerce  uma   liderança  forte  e   eficaz,  promovendo:   .  o  trabalho   sistemático  e  a   comunicação  com  os   órgãos  de  direcção,  

direcção, administração  e  gestão.       Os  resultados  da  auto-­‐avaliação  são   divulgados  junto  dos  órgãos  de   direcção,  administração  e  gestão   (conselho  geral,  director,  conselho   pedagógico),  estruturas  de   coordenação  educativa  e  de   supervisão  pedagógica  e  da  restante   comunidade,  com  o  objectivo  de   promover  e  valorizar  as  mais-­‐valias   da  BE  e  de  alertar  para  os  pontos   fracos  do  seu  funcionamento.       A  auto-­‐avaliação  do  agrupamento   integra  os  resultados  da  auto-­‐ avaliação  da  BE.       A  Avaliação  Externa  das  Escolas  já   avaliou  a  BE,  aquando  da  acção   inspectiva  que  realizou  ao   agrupamento  em  2009.  

de inquéritos,   entrevistas,  através   da  elaboração  de   relatórios,  etc.  Agora,   com  a  aplicação  do   MAABE,  esses   procedimentos   foram  melhorados   pelo  rigor  a  que  o   processo  obriga,  não   obstante  também   tenha  de  ser   apontada  a  excessiva   morosidade  do   processo,  sobretudo   da  redacção  /   elaboração  do   relatório  final.  

· Alterar  práticas  de   acordo  com  a   identificação  dos   pontos  fortes  e   fracos.         ·  Identificar  acções   para  a  melhoria  e   integrá-­‐las  no   processo  de   planeamento.      

A PB  promove  o  trabalho  partilhado  a   que  se  refere  a  coluna  à  esquerda  e   procura  cultivar  um  ambiente  em  que   a  forma  de  trabalho  predominante   seja  a  do  trabalho  colaborativo.  

Não são  sentidos   grandes  obstáculos  à   acção,  apenas,   eventualmente,   alguma  instabilidade   na  constituição  da   equipa  pedagógica  

Continuar a  reforçar   a  ideia  da   importância  da   estabilidade  da   equipa  pedagógica   junto  da  direcção  do   agrupamento.  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


serviços.

b) Adequação  dos   computadores  e  

administração e   gestão,   departamentos   curriculares  e  demais   estruturas  de   coordenação   educativa  e   supervisão   pedagógica,  bem   como  com  todos  os   docentes.   .  Uma  gestão   integrada  que   rentabilize  recursos  e   possibilidades  de   trabalho  na  escola,   bem  como  os   recursos  humanos.   .  A  mobilização  das   comunidades   educativa  e  escolar   para  o  valor  e  para  o   trabalho  da/  com  a   BE.     .  O  apoio  a  projectos  e   a  articulação  com   outros  actores  com   intervenção   pedagógica  na  escola   (PTE,  PNEP,  PNL,   outros).   “Garantir  a   Os  equipamentos  são  suficientes,  em   organização  do   número,  para  as  necessidades  locais  e  

de ano  para  ano,   fruto,  na  maior  parte   dos  casos,  das   colocações  dos   professores;  uma   maior  estabilidade   dos  elementos  da   equipa  pedagógica   ajudaria  à   consecução  dos   objectivos  da  PB.  

Nem sempre  os   equipamentos  estão  

A PB  /  equipa   deverão:  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


GESTÃO DA   BIBLIOTECA  ESCOLAR     4)  Gestão  da  colecção/   da  informação  

equipamentos tecnológicos  ao   trabalho  da  BE  e  dos   utilizadores  na   escola.  

espaço e  assegurar  a   gestão   funcional  e   pedagógica  dos   recursos  materiais   afectos  à   biblioteca.”  (Portaria   756/2009)    

para os  serviços  de  biblioteca  que   esta  realiza.     A  PB  procura  rentabilizar   possibilidades  de  afectação  de   recursos  e  de  trabalho  no  contexto  do   desenvolvimento  do  PTE  ou  de  outros   projectos  na  área  das  TIC.     A  BE  recorre  a  diferentes  tipos  de   ferramentas  da  Web  2.0,  para   incentivar  o  diálogo  e  desenvolver   processos  formativos  ou  criativos   com  os  utilizadores  e  com  a  escola   (plataforma  moodle  da  escola,  blogue,   Facebook  e  fiversas  aplicações  e   programas  nos  seus  recursos).  

aptos para   responder  em   actualidade,   adequação  e   funcionalidade  aos   desafios  que  o   paradigma  actual   coloca  e  ao  trabalho   e  uso  da   documentação  em   diferentes  suportes.    

a) Organização  da   informação.   Informatização  da   colecção.  

“Garantir a   organização  do   espaço  e  assegurar  a   gestão   funcional  e   pedagógica  dos   recursos  materiais   afectos  à  

A informação  está  organizada   segundo  regras  e  linguagens   normalizadas  (na  catalogação,   classificação  e  indexação)  que   garantem  a  sua  eficaz  recuperação.       Está  implementado  um  sistema  de   gestão  bibliográfico  automatizado  

Alguns utilizadores   já  vão  sendo  capazes   de  pesquisar   materiais  e  recursos   nos  postos  de   consulta.   O  catálogo,  porém,     apenas  pode  ser  

·  Inventariar   necessidades  em   termos  de  número,   actualização  ou  de   reparação  técnica   dos  equipamentos.       ·  Aprofundar  a   articulação  com  a   equipa  PTE  para   rentabilizar   equipamentos  e   possibilidades  de   trabalho,  tão   necessárias  quer  a   nível  de  formação   dos  alunos  (a  que  já   se  fez  referência),   quer  a  nível  da   reparação  do   hardware  e  do   software  (a  que   também  já  se   aludiu).   A  BE  tem  como   objectivo  próximo   facultar  o     catálogo  em  linha.  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


biblioteca.” (Portaria   756/2009)  

b) Difusão  da   informação  

“Garantir a   organização  do   espaço  e  assegurar  a   gestão   funcional  e   pedagógica  dos   recursos  materiais   afectos  à   biblioteca.”  (Portaria   756/2009)  

que permite  a  simplificação  de  um   conjunto  de  processos  inerentes  ao   circuito  do  documento  e  à  difusão  e   pesquisa  da  informação.       Os  utilizadores  podem  consultar  o   catálogo  a  partir  dos  postos  de   consulta  locais.   A  BE  organiza  e  difunde,  através  da   WEB  2.0,  listagens  de  recursos  de   informação  a  que  já  se  fez  referência   (documentos  impressos,  recursos   digitais  e  em  linha)  adequados  a   temáticas  diversas,  de  âmbito   curricular  ou  associadas  a   determinado  projecto.       A  BE  cria  instrumentos  de  promoção   da  colecção  e  de  divulgação  de   recursos  de  informação,  através  da   WEB  2.0,  a  que  também  já  se  aludiu:  o   boletim  informativo  Bibliotim,  mais   destinado  a  alunos,  a  newsletter  para   professores  e  educadores,  folhetos   com  orientações,  guiões,  etc.   A  BE  recorre  a  estratégias  formativas   e  de  interacção  com  os  utilizadores,   através  de  concursos,  jogos  e  desafios   (já  mencionados),  que  desafiam  a  sua   curiosidade  acerca  de  um  livro  ou   assunto.  

pesquisado na  BE,  o   que  constitui  um   obstáculo.  

Não obstante  o   trabalho  que  vem   sendo  feito  de   organização  de   listagens  de   materiais  por  áreas  /   assuntos,    que  são   enviadas  /  facultadas   aos  docentes,  o   catálogo,  no  seu   todo,  apenas  pode   ser  pesquisado  na   BE.  

A BE  tem  como   objectivo  muito   próximo  facultar  o     catálogo  em  linha.  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


Notas: 1   Cf.   com   a   área-­‐chave   “Integração   na   escola   e   no   processo   de   ensino/   aprendizagem”,   referida   no   texto   da   sessão   “A   Biblioteca   Escolar:   desafios  e  oportunidades  no  contexto  da  mudança”,  p.  3.     2  “A  intervenção  pedagógica  e  curricular  significa  a  superação  de  meras  interacções  casuais  com  a  informação  e  a  transição  para  aproximações   explicitamente  formalizadas  e  sistemáticas,  em  que  a  aprendizagem  é  auxiliada  por  estruturas  e  ferramentas  cognitivas.  Dados  empíricos  de   investigações   conduzidas   até   à   data   indicam   que   intervenções   pedagógicas   planeadas   e   estruturadas   têm   um   impacto   positivo   no   domínio   das   ferramentas  cognitivas  de  processamento  da  informação,  na  forma  de  apreciação  dos  conteúdos  e  nas  atitudes  dos  indivíduos  relativamente  à   auto-­‐aprendizagem  e  à  função  da  educação  em  geral.”  (Ross  Todd,  “Aprendizagem  na  escola  na  era  da  informação:  oportunidades,  resultados  e   caminhos  possíveis”,  pp.  3-­‐4).     3  Retirado  do  texto  da  sessão  “A  Biblioteca  Escolar:  desafios  e  oportunidades  no  contexto  da  mudança”,  pp.  4-­‐5.       4  Ross  Todd,  op.  cit.,  p.  3.     5  V.  texto  da  sessão  “A  Biblioteca  Escolar:  desafios  e  oportunidades  no  contexto  da  mudança”,  pp.  1-­‐2.     6  Ross  Todd,  op.  cit.,  p.  3.     7  Cf.  Ana  Amélia  Cardoso,  “A  Biblioteca  Escolar  2.0:  novas  funções  para  o  professor  bibliotecário”,  p.  5.     8  Apud  Ross  Todd,  op.  cit.,  p.  2.     9  Monereo,  apud  Ana  Amélia  Cardoso,  op.  cit.,  p.  2.     9  “As  bibliotecas  escolares  existem  para  provocar  impacto  e  transformar  a  vida  dos  cidadãos  mais  jovens.”  (Ross  Todd,  op.  cit.,  p.  3).     10   “Na   verdade,   ao   conceito   de   literacia   da   informação   subjaz   a   capacidade   de   criar   experiências   de   aprendizagem   explícitas,   sistemáticas,   integradas   e   contextualizadas   que   promovam   o   desenvolvimento   de   competências   e   sejam   capazes   de   inculcar   nos   alunos   um   conjunto   de  

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010


valores e  atitudes  relacionados  com  o  uso  adequado  da  informação.”  (Ross  Todd,  op.  cit.,  p.  4).  “O  destino  final  da  viagem  não  é  um  aluno  ou   uma  comunidade  proficiente  em  literacias  da  informação,  mas  sim  o  desenvolvimento  de  indivíduos  e  comunidades  educativas  com  capacidade   crítica  e  abertos  ao  conhecimento  “  (idem,  ibidem,  p.  6).     11   Engloba   aspectos   das   áreas-­‐chave   “Condições   de   Acesso.   Qualidade   da   Colecção”   e   “Gestão   da   BE”,   mencionados   no   texto   da   sessão   “A   Biblioteca  Escolar:  desafios  e  oportunidades  no  contexto  da  mudança”,  p.  3.     12  V.  o  texto  da  sessão  “A  Biblioteca  Escolar:  desafios  e  oportunidades  no  contexto  da  mudança”,  p.  2.     13  Ross  Todd,  op.  cit.,  p.  5.     Ainda  sobre  essa  necessária  “omnipresença”  da  BE,  leia-­‐se  o  seguinte  excerto  de  “The  Role  of  the  School  Library  Media  Specialist  in  the  21st   Century   -­‐   ERICDigest”   :   “School   libraries   have   no   boundaries.   The   "library"   is   not   a   place;   rather,   library   is   everywhere.   This   means   that   school   library  media  specialists  should  not  be  cloistered  within  the  walls  of  the  library  and  within  the  constraints  of  scheduled  library  time.  Beyond   the  school  environment,  students  will  need  to  make  library  skills  part  of  their  daily  lives.  Information  problem-­‐solving  skills  help  students  on  a   daily  basis.”    

PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE || MARGARETE L. RODRIGUES || 2010

A BIBLIOTECA ESCOLAR: DESAFIOS E OPORTUNIDADES NUM CONTEXTO DE MUDANÇA  

"PRÁTICAS E MODELOS DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BE " (trabalho n.º 1)

Advertisement