Issuu on Google+

Politicos brasileiros são inocentes ou arrogantes? Não sei, talvez as duas coisas. Um secretário de Ministério disse que o Marco Civil da Internet é “referência mundial”. Ora, com certeza é, mas referência mundial para quê? Como os gringos não são bobos estão dando corda para os políticos brasileiros se enforcarem na própria presunção. Aliás, no final de tudo eles vão é enforcar a gente, claro. Filme repetido. Imagine você. Ninguém no mundo quis fazer coisa semelhante aí vem uns vermelhinhos fazem o negócio e antes mesmo que entre em prática o troço já é referência!

Onde já se viu alguma coisa que não foi testada ser boa referência de algo? Entretanto ainda temos a grande chance de ser uma péssima referência, a julgar como tem andado a política nacional. Disseram que grandes empresários da informática elogiaram o Marco Civil e, na cabeça dos políticos e da grande mídia, por isso, o Marco Civil é bom. Fala sério! Quando grandes corporações com poder de controlar todos os dados do mundo aplaudem uma “regulação da internet” às vésperas de eleições, é melhor colocar as barbas de molho, e ficar de olho bem arregalado.

Em todo lugar do mundo jornalismo não é feito por profissionais, mas por pessoas com vocação jornalística. No Brasil não é assim, um tipo de repressão do mercado, por isso esta revista não é de cunho jornalístico. É apenas opinativa sobre as coisas do dia a dia. Outro dia fui numa banca do centro do Rio de Janeiro e encontrei jornais de vários estados brasileiros. Comprei R$

"Temos que contar piada para os turistas"

15,00 de jornal pensando que veria notícias diferentes em cada região. Que nada! Tudo igual! Para quem não sabe existe a tal da agência de notícia. É uma empresa grande que prepara um catatal de notícias e vende para todos os jornais do Brasil. A maioria dos jornalistas só reescrevem o que a Agencia de Notícias mandou prontinho. Por isso que notícia é tudo igual, tirando talvez apenas a parte

O site eumerepresento.com.br fez um calculo, ainda que superficial, do número de bolsas família concedidas e relacionou com o emprego no Brasil. O deputado Jair Bolsonaro levou calculo semelhante, senão o mesmo, ao Congresso Nacional e de repente as estatísticas de desemprego foram para a gaveta. IBGE não pode divulgar o resultado da pesquisa antes das eleições. Ora, se não pode divulgar, é sinal que o saldo de desemprego é muito pior! No calculo do eumerepresento.com.br, faz-se uma conta básica. Para que alguém receba o bolsa família é requisito que a renda por pessoa da família seja de R$ 70,00. Ora, com um salário mínimo de R$ 724,00 somente uma família de 10 pessoas preencheria o requisito. Famílias de 10 pessoas são raras há muito tempo no Brasil, por outro lado, o censo do IBGE (lembra dele?) diz que a grande maioria das famílias

policial, o resto não tem diferença. Mas notícia é coisa de jornalista. Nós não vamos dar notícias, vamos expressar opiniões sobre elas, afinal, a liberdade de expressão é garantida na Constituição e não é exclusividade de jornalistas. Qualquer jornal que você ler vai ser a mesma coisa, a diferença é que um escreve mais emproado que outro. É tudo

brasileiras é formada por 3 pessoas. Se temos 190 milhões de brasileiros e 14 milhões de famílias recebe bolsa família, multiplique por 3 e verá que temos cerca de 42 milhões de pessoas em situação de penúria, ou desempregadas, ou subempregadas. Mais de 30% de desemprego galopante! Mas a maior pérola veio de um telejornal situacionista que declarou “o desemprego aumentou, mas tem menos gente procurando emprego”. Ora, isso é ma ofensa! Nosso povo é trabalhador, pode até ser que o pessoal da grande mídia não procure emprego, pois recebem uma verba regada do governo, mas o povão gosta de trabalhar. Nosso problema é desemprego mesmo e o Brasil não vai crescer quase nada esse ano. Falaram tão mal dos produtores rurais e quem segura nossa balança comercial são eles. Sem a produção de soja nossas exportações sairiam no vermelho, literalmente.

notícia, mas o povo quer mais do que notícia, quer opinião, portanto, este é apenas um pasquim e não um jornal. Venha conhecer nossa opinião e participar do debate democrático que alguns, sempre pautaram pela crítica, mas quando o alvo da crítica são eles, ficam vermelhos de raiva.

"Eu sou muito bem informada! Leio todos os jornais do dia! Claro, tem agência de notícia...


Muita gente perdeu dinheiro investindo em ações supervalorizadas da PETROBRÁS e agora se arrepende. E muito! E não adianta vir um bozó dizer “eu não tinha dinheiro lá, então eu não tive prejuízo”, claro que

Depois de negócios mal feitos abandono da infraestrutura dos portos brasileiros e investimento em portos de ditadores, ainda querem que acreditemos...

Protesto de pescadores na Bahia de Guanabara Foto: Tânia Rego / Agência Brasil

Uma fala engraçada de certa política brasileira (é uma mulher e não substantivo abstrato, por favor) foi de que não deixaria ninguém falar mal da PETROBRÁS, no caso dos negócios muito mal feitos por esta empresa sob administração vermelha. Ora, essa senhora deveria saber

que não estamos falando mal da PETROBRÁS, estamos querendo salvála de gente que não sabe administrar a coisa pública. Ninguém fala mal da PETROBRÁS. Amamos a PETROBRÁS e temos orgulho dela, mas não de nossos políticos! Nossos políticos fazem acordos

bizonhos que prejudicam a PETROBRÁS, mas constroem excelente porto em CUBA enquanto os nossos caem aos pedaços. E ainda queriam bancar outro porto no Paraguai, parece, enquanto o Brasil tem quase 30% de desempregados! Além da PETROBRÁS

levar prejuízo sob administração de políticos, quer dizer o Brasil perde dinheiro, os nosso políticos perdoam dívidas de outros países para conosco como se fosse a casa da mãe Joana. Vai ver se alguém perdoou dívida brasileira. Nem a mãe Joana perdoou!

teve, o dinheiro dos acionistas é que movem a empresa gerando empregos e riquezas para milhões de brasileiros. Não esqueçamos que a PETROBRÁS é uma empresa de economia mista mista, quer dizer, é

meio Estatal e meio privada. Só que privada não é o que os políticos pensam nessa história. O que a gente pode fazer para mudar isso? Votando direito. Não queremos dizem em quem você deveria votar,

queremos que você reflita em opiniões diferentes da grande mídia e escolha os seus candidatos não pelo partido, mas pela competência!


Eu me represento primeiro pasquim