Issuu on Google+

O PENTÁGONO DA SUSTENTABILIDADE MARCOS RECHTMAN(*)

Uma visão holística, que respeita os três pilares da Sustentabilidade (econômico, social e ambiental), foi proposta por 240 empresas que se candidataram através da inscrição de CASOS EMPRESARIAIS , ao Prêmio IBEF de Sustentabilidade ao longo dos últimos 3 anos ,tendo como respaldo técnico e prático, a obra Avaliação de Investimentos Sustentáveis1. Como resultado, foram consideradas VENCEDORAS as seguintes organizações: Em 2011,Canal Futura em Valorização, PREVI em Gestão,CPFL em Governança,Confederação Brasileira de Voleibol em Administração de Conflitos e Pão de Açúcar em Estrutura da Operação. Em 2012,João Fortes em Valorização, Instituto Vital Brazil em Gestão, INFRAPREV em Governança e IBM em Administração de Conflitos e Karsten em Estrutura da Operação. Em 2013,Correios e Reserva Real em Valorização, Sá Cavalcanti e i9 em Gestão, Votorantim Industrial e E-AMBIENTAL em Governança e Petrobras Distribuidora e AgroTools na categoria Administração de Conflitos e Grupo segurador Banco do Brasil MAPFRE e Saúde Criança na categoria Estrutura da Operação. Cada vértice do pentágono é composto por uma série de indicadores quantitativos e não somente qualitativos. Inclusive, muitas vezes se tratam de indicadores reconhecidos internacionalmente, citados em teorias clássicas, e que foram cuidadosamente organizados com uma cadência adequada para atingir o objetivo de avaliar investimentos sustentáveis. Assim, o prêmio também serviu para tornar a demonstrar a adequação do método para toda sorte de empreendimento. Independente do seu porte financeiro ou setor de atuação, organizações se beneficiam da ampliação do olhar para a sustentabilidade. O tripé da sustentabilidade deve ser visto sob todos os prismas na ordem mais adequada para a própria organização. Por exemplo, uma organização social tem como pressuposto a missão de contribuir para o desenvolvimento humano. Porém, para ser viável e sustentável, deve se estabelecer sobre alicerces econômicos sólidos sem prejudicar o uso dos recursos naturais para as futuras gerações. No mesmo sentido, uma empresa privada trabalha com a ótica lucrativa, mas não alcançará a 1 Rechtman, Marcos. Avaliação de investimentos sustentáveis / Marcos Rechtman, Carlos Eduardo Frickmann Young. – Rio de Janeiro: Navona, 4ª edição, 2013. Também disponível gratuitamente no site do IBEF-Rio.


sustentabilidade se deixar de atender as demandas fundamentais de todos os seus públicos e não projetar a forma menos comprometedora de operar respeitando a dignidade das futuras gerações. O pentágono da sustentabilidade é formado por cinco vértices: análise de investimentos, gestão, governança, administração de conflitos e estrutura da operação. Essas cinco variáveis funcionando bem, ao longo prazo, levam as organizações a se perpetuarem. São organizações que conciliam a viabilidade financeira com o máximo atendimento dos requisitos de responsabilidade socioambiental. Se organização de vida longa é reconhecida como sustentável, consequentemente, também é valorizada por seu público. Hoje já são as “queridinhas” dos entusiastas da sustentabilidade, mas também são preferidas pelos investidores e cada dia mais são privilegiadas por clientes e consumidores conscientes. Estes são os maiores benefícios diretos que podem ser apontados quando as organizações se esmeram no seu desenvolvimento sustentável. O primeiro vértice da Metodologia do Pentágno faz a análise do investimento. É o potencial de valorização do negócio que é auferido. Negócio, neste contexto, tem um significado amplo, simbolizando o escopo ou o objeto principal das atividades da instituição. Por isto, a análise sob este aspecto é válida tanto para a esfera privada ou quanto para a esfera pública. Perguntas diretas são realizadas para conduzir esta avaliação,. envolvendo aferir o grau de competividade de uma organização ao longo do tempo A empresa que hoje mais nos chama a atenção neste aspecto são os Correios. Por sempre ter se posicionado como uma empresa de logística, a era digital não abalou o valor de suas atividades. As inovações tecnológicas foram bem apropriadas e sua oferta de produtos e serviços são atuais e competitivas até hoje. Foi um dos destaques do Premio IBEF de Sustentabilidade . No vértice de gestão, adota-se a metodologia chamada Nova Estrutura. O objetivo é evidenciar a capacidade técnica dos executivos bem como sua rapidez em fornecer decisões rápidas e acertadas. Assim, pode-se determinar a possibilidade ou não dos executivos adicionarem valor à empresa, realizando o plano proposto e alcançando as metas acordadas. Vale destacar o Grupo Sá Cavalcante. Nasceu como uma empresa familiar de pequeno porte, mas incorporou estratégias de gestão profissionais, justas e objetivas que levaram ao seu crescimento e fortalecimento exponencial em poucos anos. Sua missão não está relacionada ao lucro, mas ao desenvolvimento humano. Uma visão holística, um foco local e um pensamento global que mereceu todas as honras recebidas com o prêmio de sustentabilidade. A avaliação do nível de Governança de uma empresa assegura sua perpetuidade em função do cumprimento dos seis princípios básicos: Equidade, Transparência, Prestação de Contas, Ética, Cumprimento das Leis e Responsabilidade Socioambiental. São princípios que sempre foram usados para sustentar atividades de toda natureza com objetivando o melhor desempenho por mais tempo. Por um tempo, foram relegadas ao segundo plano no chamado capitalismo selvagem, sendo necessária a retomada do seu valor nos negócios e a sua codificação por meio de inúmeras teorias que dizem respeito à nova economia mundial.


A ética, por exemplo, foi tema favorito de Aristóteles na Grécia Antiga. Transparência nada mais é do que agir com a verdade. Cumprir as leis nada mais é do que correto. E se apropriar da sua responsabilidade ou função social não deixa de ser um caminho de consciência e humanidade. A CPFL impressiona em atuação neste sentido, com absoluta consistência e perenidade. O quarto vértice do pentágono é a Administração de Conflitos. Neste vértice do pentágono adota-se a metodologia da Diplomacia Corporativa para administrar conflitos de interesses. Em suma, trata-se de identificar os ganhos mútuos a serem obtidos pelas partes evitando-se situações de impasses e propondo soluções. Outro aspecto deste vértice é que os empreendedores devem compreender e aceitar que os conflitos de interesses são intrínsecos a qualquer operação. Portanto, ao invés de negados ou encobertos, devem ser tratados com devida importância e cuidado, evitando impasses que atrapalhem o desenvolvimento global que é o objetivo final de todos os interessados. Neste ponto, destaque para a IBM Brasil. A estrutura da operação talvez seja o aspecto mais difícil sob o ponto de vista cultural para as organizações nacionais. É o conjunto formado pelos documentos que dão a garantia aos envolvidos que uma determinada negociação será implementada da forma que foi combinada. Normalmente, envolve acordos, estatutos sociais, contratos e outras formalidades que asseguram a continuidade dos negócios dentro de um ambiente institucional confiável. A estrutura da operação também contribui para composição das diferenças entre partes interessadas no negócio sobre óticas diferentes. Ela leva confiabilidade de que a estruturação levou em conta o melhor resultado possível para os envolvidos e uma operação viável, sólida e perene. Por isto, a estrutura da operação do Grupo Pão de Açúcar mereceu destaque especial neste vértice. Podemos dizer que a maior novidade que se defrontaram as empresas que se candidataram ao Prêmio IBEF de Sustentabilidade, foi atentar para a Metodologia do Pentágono,que através de parâmetros objetivos, torna possível estabelecer o nível de sustentabilidade de cada organização. Em decorrência,, hoje as organizações passam a dispor da possibilidade de conciliar sua viabilidade financeira com o máximo de atendimento das sua demandas sociais e ambientais. Adicionalmente, a Metodologia do Pentágono fornece subsídios para as organizações a nível de avaliação de performance, uma vez que monitoram as metas departamentais e podem balizar consultas públicas, comprovar capacidade de fornecimento de serviços para o governo ou para recebimento de créditos e incentivos públicos Por fim, um leitor com sensibilidade crítica e apreciador de discursos coerentes, poderia atentar que a Metodologia do Pentágono, também é perene e, portanto, sustentável em razão de três características principais. A primeira, por conter indicadores quantitativos e objetivos e não só qualitativos e subjetivos, como muitas avaliações sobre sustentabilidade costumam se apresentar. Segundo,em


decorrência da sua aplicação em uma amostra significativa de 120 empresas que concorreram ao Prêmio IBEF de Sustentabilidade.Por fim,, a terceira diz respeito a obediência de princípios universais e atemporais , uma vez que se apoiam na premissa de que somente com geração interna de recursos financeiros é que as demandas sociais e ambientais podem ser atendidas pelas organizações ao longo do tempo.

(*)Marcos Rechtman é fundador e sócio da Consultoria Sustentabilidade


Artigo o pentagono da sustentabilidade revista plulare (1)