Page 1

MARCO ANTONIO NUNES DA SILVA

CASA DE JAZZ Espaço para Entretenimento e Lazer

Vol.02/N°22 ISSN: 2019-022 CDD: 720


REVISTA TFG - Arquitetura e Urbanismo (recurso eletrônico) / Núcleo Docente Estruturante de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de Marília - Vol. 02, n°022 (nov/dez. 2019). Marília: UNIMAR 2019. TRIMESTRAL Endereço Eletrônico: http://www.unimar.com.br/cursos/arquitetura/ ISSN 2019-022 versão eletrônica 1.Jazz 2.Música 3.Arquitetura 4.Construção

CDD: 720


REVISTA TFG - ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE MARÍLIA - UNIMAR ARQUITETURA E URBANISMO

ISSN 2019 - 022 REVISTA TFG

VOL. 02

CDD 720 NOV 2019


UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Reitor MARCIO MESQUITA SERVA Vice - Reitora REGINA LÚCIA OTTAIANO LOSASSO SERVA Pró-Reitoria e Pós-Graduação FERNANDA MESQUITA SERVA Pró-Reitor de Administração MARCO ANTONIO TEIXEIRA Pró-Reitor de Graduação JOSÉ ROBERTO MARQUES DE CASTRO Pró-Reitora de Ação Comunitária FERNANDA MESQUITA SERVA Curso de Arquitetura e Urbanismo FERNANDO NETTO


NDE - NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE MS. DR. MS. MS. MS.

FERNANDO NETTO - COORDENADOR / ARQUITETO E URBANISTA IRAJÁ GOUVEIA - DOCENTE / ARQUITETO E URBANISTA WALNYCE O. SCALISE - DOCENTE / ARQUITETO E URBANISMO SÔNIA C. BOCARDI MORAES - DOCENTE / ARQUITETO E URBANISTA WILTON F. CAMOLESE AUGUSTO - DOCENTE / ARQUITETO E URBANISTA

NIPEX - NÚCLEO INTEGRADO DE PESQUISA E EXTENSÃO DRA. WALKIRIA MARTINEZ HEINRICH FERRER - COORDENAÇÃO

CPA - COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DRA. ANDRÉIA INSTITUCIONAL

C.

F.

BARALDI

LABEGALINI

-

PESQUISADORA

COMISSÃO EDITORIAL - REVISTA TFG MS. FERNANDO NETTO - COORDENADOR / ARQUITETO E URBANISTA MS. WILTON F. CAMOLESE AUGUSTO - DOCENTE / ARQUITETO E URBANISTA MS. SÔNIA C. BOCARDI MORAES - DOCENTE / ARQUITETO E URBANISTA DRA. WALKIRIA MARTINEZ HEINRICH FERRER - COORDENAÇÃO FERNANDO MARTINS - JORNALISTA / MTB 76 . 753

COORDENAÇÃO - ARQUITETURA E URBANISMO MS. FERNANDO NETTO - ARQUITETO E URBANISTA


MARCO ANTONIO NUNES DA SILVA DISCENTE DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIMAR - UNIVERSIDADE DE MARÍLIA


SUMÁRIO 09

10

11

12

15

Bandas Instrumentais

A IMPORTÂNCIA DA ACÚSTICA PARA OS AMBIENTES DE APRESENTAÇÕES MUSICAIS

17

18

27

PROJETOS CORRELATOS

PROPOSTA PROJETUAL

37

Bar Riviera, Na Mata Café, Bona Casa de Música

O terreno, Programa de Necessidades, Pré-Dimensionamento, Organograma, Fluxograma, Partido Arquitetônico

38

40

RESUMO

O JAZZ E A INFLUÊNCIA NA MÚSICA BRASILEIRA

REFERÊNCIAS

ABSTRACT

PROJETO

INTRODUÇÃO

NORMAS E LEGISLAÇÕES

CONCLUSÃO


RESUMO O presente trabalho tem o intuito de demonstrar, com o seu desenvolvimento, a criação de uma casa de shows, que utilize-se de apresentações musicais instrumentais ao vivo como ferramenta principal de entretenimento, tendo como foco primordial o jazz, música originária dos americanos, com o objetivo de exibi-la para a sociedade que raramente tem conhecimento do estilo musical, devido ao fato de ser pouco divulgado e de não ser tão comercial quanto aos mais novos, que surgem cada vez mais para atender a demanda do mercado. A Casa de Jazz, por sua vez, tem o propósito de oferecer serviços como “food trucks“ na área externa; bares em ambos os pavimentos; shows musicais com bandas; espaços mais reservados de convívio para que o frequentador tenha, além de uma casa de shows, algo mais discreto sem precisar sair do ambiente. Também traz como intenção, a valorização do entorno através da arquitetura empregada em sua construção, viabilizando assim a sua implantação no local pretendido. O projeto foi proposto para Garça-SP e para o progresso deste trabalho, foram levantados dados históricos do jazz focando em seu surgimento pelas primeiras bandas instrumentais e em sua influência na musicalidade brasileira, que gerou a criação da Bossa Nova. As pesquisas conduziram-se também, nas técnicas acústicas a serem utilizadas para que se tenha melhor qualidade nas apresentações instrumentais das bandas; nas normas e leis vigentes, referentes ao tipo de edificação e necessárias para o seu perfeito funcionamento no que diz respeito à acessibilidade para deficientes físicos, segurança dos usuários e aos aspectos construtivos a serem adotados no projeto arquitetônico do prédio. Também foram realizados alguns levantamentos de estudos de projetos correlatos, nos quais puderam ser utilizados no trabalho para mostrar a aplicação do que está sendo proposto, em outros lugares e regiões, com técnicas parecidas e que obtiveram êxito em sua execução. Palavras-chave: Jazz. Música. Arquitetura. Construção.

09


ABSTRACT The present work aims to demonstrate, with its development, the creation of a concert hall, which uses live instrumental performances as the main entertainment tool, having as its primary focus jazz, music originating from the Americans, with the aim of showing it to society, which is rarely aware of the style of music, due to the fact that it is little publicized and not as commercial as the younger ones, which has emerged more and more to meet market demand. . The Jazz House, in turn, has the purpose of offering services such as food trucks in the outdoor area; bars on both floors; musical shows with bands; more reserved spaces for conviviality so that the visitor has, besides a concert hall, something more reserved without having to leave the environment. It also has as intention, the valorization of the surroundings through the architecture used in its construction, thus enabling its implantation in the intended place. The project was proposed for Garรงa-SP and for the progress of this work; historical data of jazz were raised focusing on its emergence by the first instrumental bands and its influence on Brazilian musicality, which generated the creation of Bossa Nova. Research was also conducted on the acoustic techniques to be used in order to have better quality in instrumental performances with bands; the current rules and laws regarding the type of building and necessary for its perfect functioning with regard to accessibility for the disabled, user safety and the constructive aspects to be adopted in the architectural design of the building. Some surveys of related project studies were also conducted, which could be used in the work to show the application of what is being proposed, in other places and regions, with similar techniques and that were successful in their execution. Keyboards: Jazz. Music. Architecture. Construction

10


1 - INTRODUÇÃO Justificativa A música sempre teve um papel importante na sociedade, pois é através dela que se consegue alcançar os diferentes tipos de classes sociais, evidenciar cuturas de diferentes povos e raças, além de proporcionar o prazer e trazer benefícios ao serhumano. O jazz, estilo musical proveniente dos negros norte-americanos, tornou-se comercial no decorrer da sua história onde revelou vários artistas, bandas e músicos, o que faz com que permaneça vivo até hoje com sua musicalidade ímpar, sendo levado tanto para os grandes shows, quanto para os espaços mais reservados, como são os casos dos restaurantes, boates, discotecas, casas de shows, entre outros. Lugares para lazer que utilizam o jazz como entretenimento artístico-musical, são muito importantes para o desenvolvimento cultural e social de uma cidade, pois trazem em si uma bagagem histórica muito grande, além de proporcionarem a oportunidade do contato com um estilo musical pouco explorado atualmente.

Problemática O maior obstáculo ao propor a criação de uma casa de jazz, está justamente na sua pouca apreciação, devido à falta de conhecimento e contato com o estilo musical do público em geral, pois com o crescimento dos grandes eventos ao redor do mundo, a música deixou de nascer através da história ou cultura de uma região e começou a ser criada através de uma necessidade do mercado. Devido a esse fato, muitos estilos foram surgindo para atender a demanda comercial, esquecendo-se dos que fizeram história no passado, portanto, inserir o jazz através do entretenimento se torna algo essencial, pois além de resgatá-lo neste meio, também o apresenta para as novas gerações.

Objetivo Em Garça, onde o projeto foi proposto, não há nenhuma casa noturna, restaurante temático, ou algum local que utilize esse tipo de apresentação musical, sendo assim a implantação de uma casa de jazz traria para o local benefícios ainda hoje inexistentes. Além disso, a cidade é tida como de interesse turístico e em certas épocas do ano é frequentada por muitas pessoas de municípios vizinhos, proporcionando assim uma nova atividade de entretenimento, não somente local, mas também regional. O desenvolvimento deste trabalho, visa mostrar a importância da implantação do projeto para a determinada área, destacando os materiais envolvidos, o estilo arquitetônico empregado, a acústica para as apresentações musicais e também os espaços comuns, onde os frequentadores poderão usufruir de um local aconxegante e sofisticado enquanto assistem as apresentações e conhecem um pouco da história do jazz.

11


2 - O JAZZ E A SUA INFLUÊNCIA NA MÚSICA BRASILEIRA Conforme Casanova (1990), o jazz se tornou corrente, apesar de não se ter informações concretas sobre a data do seu surgimento, por volta de 1915 pelos negros nas cidades dos Estados Unidos, com destaque principal para à cidade de New Orleans. Nos primórdios do seu surgimento, as apresentações se davam em ruas, bares e em salões de baile, sendo que a primeira banda a gravar o estilo musical foi a Original Dixieland Band.

Original Dixieland Band

Disponível em: <https://bit.ly/2YvZE7L>. 23 de maio de 2019

12


No Brasil, uma das maiores influências do jazz americano está na criação da Bossa Nova, que se fortaleceu entre os anos de 1950 e 1960. Era um samba feito por rapazes de elevada classe social que se reuniam em um apartamento de Nara Leão, em Copacabana no Rio de Janeiro, para discutir sobre o novo estilo musical. Os responsáveis por essas reuniões eram os músicos Roberto Manescal e Ronaldo Bôscoli juntamente com Antônio Carlos Jobim, João Gilberto e Vinicius de Moraes. (PAIM, 2011)

Antonio Carlos Jobim, Vinicius de Moraes, Ronaldo Bôscoli, Roberto Menescal e Carlos Lyra

Disponível em: <https://bit.ly/2YvZE7L>. 23 de maio de 2019

13


2.1 - Bandas instrumentais Desde a sua primeira aparição, o jazz caracterizou-se por suas apresentações com bandas instrumentais como é o exemplo da já citada, Original Dixieland Band. Esses conjuntos musicais eram compostos por vários instrumentos sendo que cada um deles exercia uma função: O trompete assumiu o papel de liderar o tom da banda, seguido do clarinete que efetuava ornamentos de contraponto; por sua vez, o trombone assumia a missão de intermediar o baixo. Todos acompanhavam a seção rítmica, composta pela tuba, que indicava o tom e marcava o ritmo com toques firmes e fixos; pelo bumbo, caixas e pratos (posteriormente substituídos pela bateria), que desenvolviam o desenho rítmico da música; e pelo banjo, acompanhando o ritmo da tuba num registo mais agudo. O piano, quando foi acrescentado, foi muito bem aceito, atuando na marcação rítmica e fazendo insinuações melódicas. (Aguiar; Borges, 2004, p.128) Benny Goodman - Clarinetista de Jazz

Disponível em: https://img.songfacts.com/calendar/1647. 23 de maio de 2019

14

J.J. Johnson - Trombonista de Jazz

Louis Armstrong - Trompetista de Jazz

Disponível em: https://bit.ly/2HkCZnX, Acesso em 23 de maio de 2019

Disponível em: https://bit.ly/1YufCcp. Acesso em 23 de maio de 2019


3 - A IMPORTÂNCIA DA ACÚSTICA PARA AMBIENTES DE APRESENTAÇÕES MUSICAIS Para que se consiga uma acústica eficiente é necessário que o profissional responsável conheça os conceitos sobre o som e como ele se propaga. Pode-se dizer, resumidamente, que o som é definido por vibrações, que são ondas sonoras geradas por corpos vibrantes, possível de ser escutada pelo ouvido humano. (CARVALHO, 2010 apud DIAS, 2016) Cada fonte sonora tem sua capacidade própria de vibrar em determinada faixa de frequência. Para que isso seja audível ao ouvido humano, as frequências devem se situar entre 20 e 20.000 Hz. As frequências mais altas, com maior número de oscilações temporais, correspondem aos sons mais agudos, enquanto as frequências mais baixas, com menor número de oscilações temporais, aos sons mais graves. (SOUZA, ALMEIDA e BRAGANÇA, 2012, p.26) Sendo assim, cada instrumento tem uma frequência, que pode variar de acordo com as suas características físicas e construtivas: O contrabaixo possui som grave, o que está associado diretamente à extensão do seu braço. Por ser bem maior que do violino, o contrabaixo produz ondas de comprimentos maiores, o que está diretamente ligado também à frequência do som. O violino, menor comprimento de braço, possui ondas com menores comprimentos, que por sua vez vibram muito mais e produzem sons agudos. (MANSUR, 2016, p.28)

15


MATERIAIS CONVENCIONAIS

Os materiais convencionais são aqueles utilizados na construção civíl em geral (bloco cerâmico, bloco de concreto, bloco de sílico calcário, o vidro, a madeira, entre outros.

Sabendo das particularidades de cada instrumento musical, torna-se necessária a preocupação com os espaços e os materiais empregados, pois eles irão interferir diretamente na propagação do som e na sua qualidade. De acordo com Dias (2016), os materiais acústicos podem ser classificados em dois tipos, sendo:

MATERIAIS ISOLANTES ACÚSTICOS Outra característica que deve ser observada é a propagação do som, pois ela está ligada com a forma ou layout do local. Quando a onda atinge uma parede ou outro obstáculo qualquer, parte da energia carregada por essa onda é refletida de volta ao mesmo ambiente, parte é absorvida. Da energia absorvida, uma porcentagem é absorvida pelo material do obstáculo e o restante é transmitido ao ambiente adjacente. (SILVA, 1971 apud TALIN, 2013, p.15)

16

Usados para isolar acusticamente e termicamente os ambientes (lã de vidro, lã de rocha, espumas elastométricas, vermiculita, espuma acústica, painel acústico, cortina acústica, entre outros)


4-NORMAS E LEGISLAÇÕES 4.1 - Decreto 56.819, de 10 de março de 2011 O decreto foi adotado no trabalho com o intuito de fornecer diretrizes para o perfeito funcionamento do prédio no que diz respeito ao controle dos materiais e acabamentos que devem ser utilizados; as saídas, iluminações e sinalizações de emergência; extintores, hidrantes e chuveiros automáticos; brigadas de incêndio; acessos de viaturas; segurança estrutural; compartimentação horizontal e vertical (áreas); plano de emergência, detecção e alarme de incêndio.

4.2 - NBR 9050 A NBR 9050 foi utilizada para atender as necessidades da edificação quanto a acessibilidade, tanto para as instalações físicas presentes na edificação, quanto para os mobiliários e os equipamentos urbanos do entorno.É ela que estabelece as áreas mínimas de circulações, rampas de acessos entre outros que interferem diretamente na mobilidade de pessoas com deficiências físicas ou mobilidade reduzida.

4.3 - NBR 9077 Esta norma refere-se às saídas de emergência das construções, sendo adotada no projeto com o intuito de estabelecer parâmetros quanto a utilização de escadas ou rampas de emergência, paredes corta-fogo entre outros, que interferem diretamente na segurança dos usuários.

4.3 - CÓDIGO DE OBRAS DA CIDADE DE GARÇA Para o tema pretendido o código de obras da cidade de Garça determina padrões referentes a área mínimas dos compartimentos, altura de pé direito, aberturas para ventilação e iluminação, entre outros. O capítulo VII traz instruções técnicas construtivas referentes a locais de reunião (esportivos, recreativos, sociais, culturais e religiosos) que foi consultado para o perfeito desenvolvimento do trabalho.

17


PROJETOS CORRELATOS

18


PROJETO I BAR RIVIERA

O espaço foi projetado em um edifício na Avenida Paulista em São Paulo. Sua fachada é feita de tijolos de vidro, o que permite iluminação natural para quase toda a edificação. Pode-se observar que o responsável pelo projeto utilizou o prédio já existente da melhor forma possível, utilizando as suas formas em favor do projeto. Vê-se também a utilização de linhas curvas tanto no exterior quanto no interior do prédio, ideia essa que se estende para as mobílias utilizadas em ambos os pavimentos. No térreo está localizada a entrada principal, onde existe um balcão que atende todos os lados do ambiente. É neste mesmo pavimento que fica a área de serviços; carga e descarga de materiais; entrada de funcionários e ambientes para descanso, almoço e sanitários, porém a sua entrada está localizada do outro lado do prédio, separada da entrada de clientes."

Imagens disponíveis em: https://bit.ly/2Bg6ofI. Acesso em 17 de outubro de 2019.

19


PLANTA BAIXA TÉRREO

Disponível em: https://bit.ly/2FyduxR. 28 de maio de 2019

LEGENDA

20

1 Entrada principal

5 Vestiário feminino funcionários

9 Depósito de secos

2 Bar

6 Vestiário masculino funcionários

10

Depósito

3 Sanitários clientes

7 Câmara-fria do bar

11

Escritório

4 Estar funcionários

8 Câmara-fria da cozinha

12

Acesso funcionários


O pavimento superior é onde fica o restaurante e o palco de apresentações, nele se pode observar a separação dos ambientes através de uma madeira curvilínea, utilizada como parede, onde ficam a cozinha, o caixa, um bar de apoio, a mesa de som e luz e o acesso de funcionários. Para melhor acústica do ambiente, foi utilizado um forro de madeira que se estende em todo o pavimento superior. Para os usuários do restaurante existem banheiros feminino e masculino e há apenas um acesso ao local, que funciona como entrada e saída, tanto para o térreo quanto para o próximo pavimento.

PLANTA BAIXA SUPERIOR

Disponível em: https://bit.ly/2HU2Vbh. 28 de maio de 2019

LEGENDA

13 Salão superior

17 Mesa de som e iluminação

14 Cozinha

18 Entrada funcionário

15 Caixa

19 Sanitário clientes

16 Bar

20 Palco

21


PROJETO II NA MATA CAFÉ

O edifício que abriga o Na Mata Café, está localizado no Bairro Iatím Bibi em São Paulo. Observa-se a utilização de concreto aparente e vidro em sua fachada, que permite trazer a atenção de quem olha para o interno do ambiente. Percebe-se que foi utilizado o mesmo contraste de cores em toda a parte interna da edificação, trazendo a sensação de unidade no prédio.No layout do pavimento térreo, podese ver a separação entre o restaurante e a casa de shows, tornando-os independentes um do outro, porém para quem quer acessar a área de apresentações musicais deve, obrigatoriamente, passar por todo o resto da edificação, pois só há uma entrada de acesso, que também serve como saída.

Imagens disponíveis em: https://bit.ly/2FIAhZ7. Acesso em 17 de outubro de 2019.

22


PLANTA BAIXA TÉRREO

Disponível em: https://bit.ly/2U8pQXK. 28 de maio de 2019

LEGENDA

1 Entrada principal

6 Espaço vago

2 Hall de entrada

7 Bar de apoio casa de shows

3 Banheiros funcionários e escada de acesso à área de

8 Pista de dança

serviço e depósito

4 Bar principal com mesas para clientes 5 Banheiros masculino e feminino

9 Palco de apresentações 10 Camarim no subsolo

O pavimento superior é de acesso exclusivo da casa de shows, onde um mezanino cerca toda a pista de dança servindo como camarote. Nesse local existe um bar de apoio e um espaço mais reservado, porém, como já citado anteriormente, só existe um acesso que vem do térreo e serve tanto como entrada, quanto como saída.

23


PLANTA BAIXA SUPERIOR

Disponível em: https://bit.ly/2OviCH8. 28 de maio de 2019

LEGENDA

11 Mezanino com camarotes

14 Área de serviço

12 Bar de apoio ao mezanino

15 Espaço vago

13 Banheiros masculino e feminino do mezanino

Corte Transversal da Edificação

Disponível em: https://bit.ly/2FKuTEZ. 28 de maio de 2019

24


PROJETO III BONA CASA DE MÚSICA O espaço está localizado no bairro Pinheiros em São Paulo. Observa-se que a fachada principal foi dividida em dois ambientes, sendo que um deles faz a conexão com o interior através de uma caixa feita de ferro e vidro e o outro é um deck de madeira que cria um ambiente arborizado fora da casa de música. Na área interna, observa-se uma arquitetura mais simples, com cores mais suaves e em tons claros, que contrasta com a madeira utilizada nos mobiliários e na estrutura aparente do telhado.Analisando a planta baixa do local vê-se que a divisão do ambiente acontece de acordo com a função de cada um, além da área destinada a shows, também há espaços mais privados e sem muito contato com o som da banda que se apresenta, como é o caso do deck externo e oespaço do café.Os espaços destinados a despensa e cozinha, são separados da área dos clientes e há apenas uma entrada principal que também funciona como saída.Pode-se ver que a planta baixa ocupa maior parte do terreno, ou seja a implantação ocorre de forma que a edificação ocupa quase todo o espaço do local.

Imagens disponíveis em: https://bit.ly/2IYV9wf. Acesso em 17 de outubro de 2019.

25


PLANTA BAIXA TÉRREO

Disponível em: https://bit.ly/2P5WB5y. 01 de junho de 2019

LEGENDA

1 Entrada principal

5 Banheiro

2 Deck de madeira

6 Copa/cozinha

3 Café

7 Despensa/depósito

4 Salão de shows e restaurante

26


PROPOSTA PROJETUAL

27


6-PROPOSTA PROJETUAL 6.1 - O Terreno O terreno escolhido para a implantação da Casa de Jazz, está localizado em um dos bairros mais importantes da cidade de Garça, local esse onde se encontra o Lago Artificial Prof. J.K. Williams e ocorrem as principais festas da cidade. É também o lugar onde, em finais de semana, aglomera a maior quantidade de pessoas.

LOCAL DA IMPLANTAÇÃO

Disponível em: https://bit.ly/2UCV0Xe. 29 de maio de 2019

LEGENDA Terreno escolhido Lago artificial Espaco da concha acústica

28


Como observa-se na imagem, o destaque em vermelho é a área de implantação pretendida pelo trabalho, um terreno com área total de 960,00 metros quadrados, medindo 24,00 X 40,00 metros. A área destacada em azul é onde está a concha acústica, lugar onde ocorrem as apresentações em períodos de festas. O lago artificial corresponde a área destacada em amarelo.

TOPOGRAFIA DO LOCAL Observando a topografia do local, vê-se que o aproveitamento do terreno poderá acontecer tranquilamente sem muita movimentação de terra pois, da frente ao fundo, há uma inclinação leve de aproximadamente 2,00 metros.

Fonte: Acervo do autor. 29 de maio de 2019

29


FRENTE DO TERRENO

Disponível em: http://twixar.me/GpTn. 29 de maio de 2019

RUA LUÍS ANTONIO - FRENTE

Disponível em: https://bit.ly/2TRXhKG. 29 de maio de 2019

30


RUA LUÍS ANTONIO - FRENTE

Disponível em: https://bit.ly/2ze23Zn. 29 de maio de 2019

VISTA DA CONCHA ACÚSTICA PARA QUEM OLHA DE FRENTE

Disponível em: https://bit.ly/2ze1nDd. 29 de maio de 2019

31


VIAS DO ENTORNO O trânsito no local acontece da seguinte forma: -Rua Vinte e Sete de Dezembro - via de mão única -Rua Luís Antônio - via de mão única; -Rua Fausto Floriano de Tolêdo - via de mão dupla -Rua Rodolfo Miranda - via de mão dupla.

SENTIDO DAS RUAS DA QUADRA

Disponível em: https://bit.ly/2Gl6xSm, adaptado pelo autor. 29 de maio de 2019

32


6.2 - PROGRAMA DE NECESSIDADES O programa de necessidades da Casa de Jazz conta com setor de administração, setor de serviços, setor social (térreo e mezanino) e setor reservado para bandas e artistas. No setor de administração existe uma recepção com um caixa anexado ao balcão do bar. No setor de serviços está a entrada de funcionários, a sala de descanso, o banheiro para funcionários, o bar, uma cozinha de apoio e o depósito para guardar bebidas e produtos que serão utilizados no bar. O setor social é dividido em dois, onde um será no térreo e o outro no mezanino. O espaço social destinado ao térreo conta com um hall de entrada externo com cobertura, um bar com balcão e mesas de canto, um salão (área para apreciação das apresentações), banheiros públicos, um espaço externo para “food truck” com uma área ao ar livre destinada para clientes. No mezanino está o camarote e um bar de apoio com mesas de canto. No setor reservado para bandas há um camarim com banheiro que dá acesso ao palco (que está de frente para o salão). Essa área será restrita aos componentes da banda e aos funcionários que irão servi-los antes e durante os shows.

6.3 - PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos ambientes foi elaborado de acordo com o estudo e análise de projetos correlatos, onde pode-se aproximar do pretendido pelo trabalho. O terreno conta com uma área de 960,00 metros quadrados e deverá atender a quantidade máxima de 150 pessoas por show, dessa forma obtém-se os seguintes resultados e dimensionamentos:

33


SOCIAL MEZANINO

Mezanino 139,67 m²

ADMINISTRATIVO

Recepção e caixa – 10,00 m²

SOCIAL TÉRREO

Entrada para área social (hall) – 44,50 m² Salão – 149,19 m² Espaço externo para clientes – 189,45 m² Banheiro para clientes – 29,68m²

SETOR DE SERVIÇOS

Entrada de funcionários 18,00 m² Sala de descanso de funcionários 12,18 m² Banheiros para funcionários 4,27 m² Área para coleta de lixo 6,00 m² Cozinha de apoio 9,26 m² Depósito 12,60 m²

BANDAS

Entrada de bandas 53,36 m² Camarim 14,93 m² Banheiros 10,08 m²

34


6.3 - ORGANOGRAMA SETOR ADMNISTRATIVO

SETOR DE SERVIÇOS

SOCIAL TÉRREO

SOCIAL MEZANINO

BANDAS

6.4 - FLUXOGRAMA ENTRADA FUNC.

ENT. SOCIAL

FOOD TRUCKS

ÁREA EXTERNA

MEZANINO

BAR

RECEPÇÃO

DEPÓSITO

SALÃO

WC CLIENTES

PALCO

ENT. BANDAS

CAMARIM

COZINHA

DESCANSO

LIXO

WC FUNC.

WC BANDAS

35


6.5 - PARTIDO ARQUITETÔNICO A Casa de Jazz é um projeto voltado para a área de entretenimento noturno, portanto a acústica é algo que tem de ser muito bem pensado pois, ao redor da edificação existem outros estabelecimentos e residências, que por sua vez não podem sofrer com o som propagado pela casa de shows. O estilo do projeto é contemporâneo, tem uma linguagem inovadora no mesmo momento em que remete em certos pontos a tempos mais tardios, pois o ambiente trás como base um estilo musical com uma rica história e um repertório único, que está sendo usado como característica de alguns pontos da edificação. Para o perfeito desempenho do prédio, as aberturas para iluminação e ventilação obedecem às normas vigentes e também se preocupam com a acústica, utilizando-se de técnicas que não permitem que o local propague o som de forma demasiada, mas que também não perca o sistema de ventilação natural. Foi trabalhada a acústica da área de apresentação musical, utilizando-se de técnicas e materiais que, de certa forma, “segurem” o som ao máximo para o lado de dentro sem perder a qualidade. A entrada principal da edificação fica na rua Luís Antônio, de frente com a cocha acústica e foi trabalhada para permitir o pleno acesso de cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida. Foram trabalhados alguns pontos estratégicos de paisagismos, principalmente nas áreas externas laterias do prédio e nas entradas social e de serviço. Não terá estacionamento dentro da edificação, visto que a rua permite parada de carros, eliminando a necessidade de vagas e permitindo o uso do espaço para outros fins. Também foi desenvolvida uma maneira de se ter um acesso para carga e descarga de equipamentos das bandas e insumos no local, além de um acesso para os “food trucks”, que terão local apropriado para realizarem suas vendas. Para a sua construção utilizou-se como elemento base a alvenaria de tijolos, com paredes nas áreas internas, para separação dos ambientes. Na fachada foram utilizados contrastes na cor preta, com concreto e madeira. A cor dos ambientes ocorreu de forma com que os jogos de luzes e elementos visuais pudessem ficar nítidos sem perder suas características. Além disso o ambiente será “clean”, eliminando a aglomeração de mobiliários, principalmente nas áreas de apresentações onde ocorre as maiores movimentações.

36


7-CONCLUSÃO Analisando o presente trabalho, pode-se entender um pouco mais da importância de se ter ambientes que recordem épocas e estilos musicais históricos, sejam eles do âmbito nacional ou internacional. Aplicando o Jazz em um novo contexto e forma de se fazer entretenimento, observa-se também que o estilo, apesar de extremamente musical e único, tem sido esquecido devido ao avanço comercial da música para atender uma demanda que cresce cada vez mais, demostrando que o seu resgate se torna de muita valia. Pôde-se observar todas as técnicas necessárias para o perfeito funcionamento da edificação e a influência desse projeto aplicado na cidade, em um dos pontos mais movimentados e especiais de Garça. Além de tudo mostrou o quanto um empreendimento desse porte pode trazer benefícios, não só para a cidade, mas também para a região, pois não há nenhuma casa noturna por perto que ofereça um serviço especifico como propõe odesenvolvimento deste trabalho.

37


REFERÊNCIAS ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050. Disponível em <https://www.ufpb.br/cia/contents/manuais/abnt-nbr9050edicao-2015.pdf>. Acesso em 01 de abril de 2019. ABNT –ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9077. Disponível em <http://www.cnmp.mp.br/portal/images/Comissoes/DireitosF undamentais/Acessibilidad /NBR_9077_Sa%C3%ADdas_de_emerg%C3%AAncia_em_edif%C 3%ADcios-2001.pdf>. Acesso em 01 de abril de 2019. AGUIAR, M.; BORGES, C. As Raízes do Jazz e a Original Dixieland Jazz Band. In Millenium On-line. Revista do ISPV – Instituto Superior Politécnico de Viseu n. 29, pg. 123 a 135. Disponível em http://www.ipv.pt/millenium/Millenium29/19.pdf. Acesso em 21 de março de 2019. ARCHDAILY. Bar Riviera. Disponível em: <https://www.archdaily.com.br/br/760930/riviera-bar-studiomk27>. Acesso em 23 de março de 2019ARCHDAILY. Bona Restaurante. Disponível em <https://www.archdaily.com.br/br/898034/bona-restaurantefabio-marins-arquitetura>. Acesso em 23 de março de 2019 ARCHDAILY. Na Mata Café. Disponível em: <https://www.archdaily.com.br/br/01-633/na-mata-cafefgmf-arquitetos>. Acesso em 23 de março de 2019

38


CASANOVA, V. "Jazz": História, conteúdos, técnicas. Educação e tecnologia, [S.L.], n. 6, p. 110-121, fev. 1992. CÓDIGO DE OBRAS DE GARÇA. Disponível em: <https://leismunicipais.com.br/codigo-de-obras-garca-sp>. Acesso em 01 de abril de 2019. DECRETO 56.819, DE 10 DE MARÇO DE 2011. Disponível em: <http://www.corpodebombeiros.sp.gov.br/dsci_publicacoes2/ _lib/file/doc/dec_est_56819_10MAR2011.pdf>. Acesso em 01 de abril de 2019. DIAS, A. Complexo de educação musical. 2016. 103f. Trabalho Final de Curso (Graduação em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de Marília, UNIMAR, Marília, 2016. MANSUR, A. Caracterização acústica das salas do curso de música da Universidade do Estado de Santa Catarina em Florianópolis. 2016. 94f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2016. PAIM, H. A influência do jazz na cultura brasileira. Biblioteca Latino-Americana de Cultura e Comunicação, v. 1, n. 1, 2011. SOUZA, L.; ALMEIDA, M.; BRAGANÇA, L. Bê-á-bá da acústica arquitetônica: Ouvindo a arquitetura. 1 ed. São Carlos: Edufscar, 2012. 140 p. TALIN, L. Inter-relações entre aspectos arquitetônicoconstrutivos e a acústica em espaços adaptados para a prática musical. 2013. 118f. Dissertação (Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Viçosa, UFV, Viçosa, 2013.

39


Profile for Marco Nunes

CASA DE JAZZ - ESPAÇO PARA ENTRETENIMENTO E LAZER  

CASA DE JAZZ - ESPAÇO PARA ENTRETENIMENTO E LAZER  

Advertisement