Page 1

Currículum Vitae + Portefólio de Arquitetura Marco Costa


01 Curriculum Vitae


Marco Costa 06.01.1993 rua dr. domingos delgado n.129 3720-443 - Oliveira de Azeméis +351 910 578 304 marcocosta129@gmail.com https://www.facebook.com/marcocosta129

Educação e Formação: 2008-2011 | curso de artes visuais na escola Secundária Serafim Leite. 2011-2014 | licenciatura em artes edificatórias pela Universidade de Coimbra. 2014-2015 | 1º ano de mestrado pela Universidade de Coimbra. 2015-2016 | 2º ano de mestrado pela Universidade de Limerick. 2016-2017 | dissertação de mestrado intitulada como “Reabilitar cidade a partir de um complexo industrial” pela Universidade de Coimbra. Experiência profissional: 2011 | Monitor num campo de férias: trabalhei nas férias de verão como monitor num campo de férias com crianças entre os 7 e 13 anos, onde coordenei um grupo de crianças e organizei um conjunto de atividades programadas ao longo do verão.

2014 | estágio no atelier do arq. João Mendes Ribeiro em Coimbra. 2017 | elaboração de um projeto para a construção de um alpendre. Prémios e publicações: 2016 | Mosteiro de Santa Marida de Maceira do Dão em Mangualde _publicado na revista Joelho 07. 2016| exposição da maquete do Mercado de Lobito de Francisco Castro Rodrigues_publicado na exposição Le suniversalistes. 50 ans d’architecture portugaise, em Paris


Competências pessoais: comunicação: forte capacidade de apresentação de projetos, apreendida ao nível curricular. disciplina: capacidade de líder, pontual e metódico, com caráter organizador e pro ativo no trabalho em equipa, tornando-se numa mais valia para o desenvolvimento do projeto. polivalência: devido à prática de vários trabalhos nas férias de Verão ao longo dos anos tornou-me numa pessoa polivalente e versátil adaptando-me a qualquer tipo de serviço sem restrições. línguas: língua portuguesa como materna. Relativamente a outras línguas sobressaí o inglês, onde desenvolvi um curso através da faculdade de letras da Universidade de Coimbra e obtive o nível B1. Em 2014, com a oportunidade de ir de Erasmus para a Irlanda acabei por torná-lo mais consistente. informática: ao longo do percurso curricular fui explorando alguns programas de forma autónoma que se tornaram cruciais para a execução e projeção dos meus projetos. A baixo deixo alguns dos programas mais utilizados e a sua facilidade de uso.

Viagens: 2005 | Suíça: Genebra, Romont, Berna, Friburgo, Neuchatel. 2009 | Espanha: Salamanca, Zamora. 2011 | Itália: Roma. 2014 | Holanda: Amesterdão. 2015 | Alemanha: Berlim. 2015 | Irlanda: Limerick, Dublin, Galway, Belfast, Kilkenny, Corn, Nenagh, Dingle, Killarney. 2016 | Inglaterra: Londres. Conferências: 2012 | Ciclo de conferências: Cosa Mentale: Conferência “Drawing from Constraints” por Jean Paul Jaccaud e Conferência “Architecture as City” por Florian Beigel e Philip Christou.

2012 | Conferência Fernando Távora - Modernidade Permanente 2014 | Ciclo de Conferências NU: Conferência com Atelier FALA e Atelier Corvo. 2014 |I Encontro nacional de estudantes de Arquitetura


02 Portefólio Projetos selecionados: 01 | Hotel Baixa de Coimbra 02 | Intervenção no Mosteiro Quinn 03 | Habitação Coletiva 04 | Reinterpretação e Evolução do Mosteiro de Maceira do Dão 05 | Ampliação das Instalações da Bluepharma 06 | Pavilhão Expositivo 07 | Modelação 3d e Renderização


01 Hotel Baixa de Coimbra Localização: Coimbra, Portugal, 2014-2015 Tipo de projeto: académico Orientação: Arq. José Fernando Gonçalves & Arq.António Bettencourt

CONTEXTO

PROPOSTA

O projeto situa-se na baixa da cidade de Coimbra, mais concretamente, na margem Este do rio Mondego. Esta zona encontra-se com problemas, quanto à relação da cidade com o rio devido à existência da linha de comboio que tem vindo a impedir essa relação mais direta e também em parte ao abandono de equipamentos fabris, o que tem proporcionado uma degradação da área.

A proposta surge com o objetivo de dar resposta aos problemas apresentados. Inicialmente num plano mais alargado foi desenhada uma frente-rio, na qual se assumiu a construção do metro do mondego que há muito que tem sido planeada. De modo a dinamizar a área e atrair a população para a zona baixa de Coimbra foi construído um conjunto habitacional criando áreas verdes e espaços de estar. De modo a criar uma maior permeabilidade ao rio foi criada uma zona extensa de pavimentação para uso pedonal onde o automóvel deixa de ser o agente predominante nesta área. É também criado um passadiço sobre o rio ao longo de toda a área da cidade, ligando o parque do choupal ao parque verde do Mondego. O hotel proposto desenha a frente da praça que irá assumir maior importância na zona Baixa de Coimbra devido à sua localização e escala. O volume pretende resolver o confronto de escalas entre os novos edifícios propostos e o existente, assim como, marcar presença pela sua escala e materialidade.

PROGRAMA O projeto surge com a necessidade de repensar a baixa de Coimbra, com o intuito de criar uma maior permeabilidade entre o interior da cidade e o rio. Outro dos objetivos do projeto era a construção de um hotel (de 4 estrelas) bem como, outros equipamentos necessários para que se criasse uma maior valorização da zona.


02 Intervenção no Mosteiro Quin Localização: Quin, Irlanda, 2015-2016 Tipo de projeto: académico Orientação: Arq. Morgan Flynn, Arq. Elizabeth, Arq. Ger

CONTEXTO

PROPOSTA

O projeto situa-se no Mosteiro Quinn na cidade de Quinn, na Irlanda. Este mosteiro encontra-se, atualmente, dotado ao abandono, mas com fortes possibilidades de se tornar um ponto atrativo da vila.

A proposta apresentada pretende criar um espaço de estar no topo da torre. O acesso a esse espaço seria feito por uma escada metálica que se pretende construir ou pelo acesso já existente.

PROGRAMA

No interior do espaço foi criada uma estrutura que se pretende fixar à estrutura existente. Assim, são criados dois espaços com vista para toda a vila, cujo objetivo passa por aproveitar a paisagem e aproveitar o momento para ficar a conhecer um pouco mais da história da vila e do próprio mosteiro através de livros acedidos no interior deste espaço. Com isto, é proposto uma espécie de biblioteca andante, cujo percurso no interior da torre para além de interativo é também pedagógico.

Com o intuito de criar um novo ponto de atração foi solicitado que se projetasse pequenas alterações no mosteiro sem qualquer tipo de restrições ao nível do programa ou funcionalidade.


SECOND FLOOR 4

SECTION 1

SECTION 2

1

SECTION 3

7

FIRST FLOOR

FIRST1FLOOR piso

piso 0

GROUND FLOOR

SECOND piso 2 FLOOR 4

UNIVERSITY OF LIMERICK - SCHOOL OF ARCHITECTURE - UNIVERSITY OF LIMERICK DESIGN STUDIO 4A. PORTFOLIO 15DEC. 2015/2016. MARCO COSTA. 151118479 SCALE 1/20

FIRST FLOOR

GROUND FLOOR

UNIVERSITY OF LIMERICK - SCHOOL OF ARCHITECTURE - UNIVERSITY OF LIMERICK DESIGN STUDIO 4A. PORTFOLIO 15DEC. 2015/2016. MARCO COSTA. 151118479 SCALE 1/20

GROUND FLOOR

UNIVERSITY OF LIMERICK - SCHOOL OF ARCHITECTURE -

DESIGN STUDIO 4A. PORTFOLIO 15DEC. 2015/2016. MAR

AXONOMETRIC

UNIVERSITY OF LIMERICK - SCHOOL OF ARCHITECTURE - UNIVERSITY OF LIMERICK DESIGN STUDIO 4A. PORTFOLIO 15DEC. 2015/2016. MARCO COSTA. 151118479

SC


3

6

8

SECTION 1

UNIVERSITY OF LIMERICK - SCHOOL OF ARCHITECTURE - UNIVERSITY OF

DESIGN STUDIO 4A. PORTFOLIO 15DEC. 2015/2016. MARCO COSTA. 1511


03 Habitação Coletiva Sousa Pinto Localização: Coimbra, Portugal, 2013-2014 Tipo de projeto: académico Orientação: Arq. Catarina Fortuna

CONTEXTO

PROPOSTA

O projeto situa-se na alta da cidade de Coimbra, mais concretamente, no bairro Sousa Pinto. Esta zona que se encontra com sinais visivéis de degradação devido ao abandono de diversos edifícios, propõe-se a sua requalificação ao nível do espaço público de forma a dinamizar a área.

A ideia para este projeto baseou-se em criar um módulo que pudesse ser repetido e criar um conjunto habitacional uniforme. Para tal foi desenhado um módulo de T3+T1 que se repetiria ao longo da rua desenhando assim uma nova frente rua que ha muito se perdera com um conjunto de demolições a que foi sujeia. O espaço público no interior do quarteirão proposto preveligiaria o uso de espaços verdes divididos em patamares e com percursos pedonais em diferentes nivéis. O nível térreo daria acesso ao comércio e habitações de rés do chão já existentes e o piso superior em estrutura metálica que daria acesso aos novos edifícios propostos bem como às duas reabilitações propostas. O desenho dos módulos tenta recuperar a identidade perdidade deste local através da sua volumetria e composição. 76.8

76

79

PROGRAMA

77

78

perfil B

76

O programa passou por construir um complexo de habitação coletiva constituído por tipologias T3 e T1 num total de 16 habitações novas e duas reabilitações, assim como espaços comerciais ao nível do piso térreo.

78

79

RUA

CASTRO

77

MATOSO

perfil C

praça antónio luis gomes

perfil A

perfil B

PROJECTO III . ANO LECTIVO 2013-2014 . 2ºEXERCÍCIO [25 Junho] . Marco Costa . TURMA C 1/200 planta cota 80 e perfil A e B-bairro sousa pinto

1

76.8 76 79

81 80

77

78

79

perfil D

76

82

81

80 79

78 RUA

CASTRO

MATOSO

77

perfil C praça antónio luis gomes

perfil A

perfil B


8 9

9

9

2

3

corte A

7

4

6

5

11

9

piso 1

piso tĂŠrreo

planta piso 1

planta piso 1

piso 2

12

9

10

planta piso 2


04 Reinterpretação e evolução do Mosteiro de Maceira do Dão Localização: Coimbra, Portugal, 2014-2015 Tipo de projeto: académico Orientação: Arq. Rui Lobo Colaboração: Ana Margarida, André Sousa, Eva Paiva, Inês Pnheiro , João Mendes

CONTEXTO

PROPOSTA

O Real Mosteiro de Santa Maria de Maceira do Dão, foi fundado em 1161, por D. Soeiro de Teodoniz e localiza-se na freguesia de Macieira do Dão no distrito de Viseu. O Mosteiro encontra-se envolvido numa paisagem verde, num vale com três encostas e a ribeira de frades, marcando uma posição central no território envolvente.

O trabalho consistiu na reintepretação das várias fases construtivas do Mosteiro. O atual mosteiro foi sofrendo diversas alterações ao longo dos anos. Este iniciou-se com a construção de uma torre defensiva medieval. Mais tarde, entre os sécs. XVI-XVII construíram a igreja associada à torre. Em 1913, surge a construção do claustro. Em 1963, no seguimento das visitações aos mosteiros cistercienses, são levadas a cabo obras de renovação do claustro e dependências conventuais, e posteriormente, o acrescento de uma nova portaria. Por fim, no séc. XVIII foi construída uma nova igreja mas nesta altura de origem barroca. Atualmente, pode-se verificar as várias camadas temporais: a torre medieval, o claustro, dependências conventuais e portaria, e a igreja barroca e os respetivos anexos.


05 Ampliação das instalações da Bluepharma Localização: Coimbra, Portugal, 2014 Tipo de projeto: estágio Colaboração: Atelier João Mendes Ribeiro

CONTEXTO

PROPOSTA

O novo edifício da Bluepharma situa-se em São Martinho do Bispo, numa encosta de declive relativamente acentuado e ocupa um lote delimitado, a norte, pelas actuais instalações da empresa e, a poente, por um arruamento privado de acesso e respectiva portaria de controlo.

De modo a responder ao pretendido, o edifício desenvolvese num corpo longitudinal de dois braços, elevado do solo e suportado apenas por um único pilar e um volume de embasamento, correspondente à fachada principal. A ideia de suspensão pretende qualificar a volumetria do edifício, bem como permite a valorização do tecido arbóreo e do ambiente natural do lado nascente. Outro conceito preponderante no desenvolvimento da proposta foi a transparência do edifício levando para a opção de estrutura metálica. No seu interior proposta desenvolve-se em três espaços a entrada, sala polivalente, e arrecadação e áreas técnicas.

PROGRAMA O programa consistia no aumento das instalações da fábrica Bluepharma, para servir de sala de refeições.


piso 1

piso cave

piso tĂŠrreo


06 Pavilhão expositivo Localização: Coimbra, Portugal, 2015-2016 Tipo de projeto: concurso Colaboração: Ana Margarida Figueiredo Pais - FCTUC

CONTEXTO

PROPOSTA

O concurso proposto tinha como objetivo a construção de uma estrutura éfemera com uma área útil de 50m quadrados para acolher o evento da 18ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra durante cerca de 30 a 45 dias. A estrutura seria inserida na alta de Coimbra sob a passagem coberta entre as Químicas e as Físicas. Essa estrutura deveria ser autoportante e seria valorizada a contenção de custos.

A ideia para este concurso surge da necessidade de criar algo modular e capaz de se adaptar aos diferentes tipos de elementos que possam ser expostos na semana cultural. Deste modo criou-se uma forma tripartida, através do conjunto de três módulos cúbicos de três metros e sessenta, com o intuito de se poderem mover pelo espaço adaptandose tanto ao espaço como ao que se pretende expôr. A sua materialidade consiste num ripado de madeira (150x3600x50mm) de modo a facilitar a montagem e que represente a leveza de elementos pré-fabricados que possibilitem a facilidade de montagem e do movimento. O seu sistema é constantemente repetido pelos diversos módulos, sendo que este método é um princípio de junção e união de peças de madeira. O que aqui se demonstra é um sistema capaz de se adaptar às necessidade, podendo ser alterado e refeito. Toda a peça foi projetada de forma a ser totalmente alterada valorizando o funcionamento construtivo e o objeto expositivo final.

PLANTA IMPLANTAÇÃO


MONTAGEM DOS MÓDULOS. O módulo cúbico de 360X360cm é composto por 210 ripas de madeira de 360X15X5cm, comprimentoXlarguraXespessura respectivamente. Assim, o método consiste em juntar duas ripas na perpendicular, unindo-as com barras de aço roscado na ponta. Assim, a sua construção consiste em encaixar todas as peças intercaladas de modo a criar rasgos de luz vertical que criarão um ambiente divertido.

O princípio do sistema construtivo consiste na ideia de se juntar peças intercaladas, na vertical e na horizontal, onde se faz duas aberturas de transversais, na junção das ripas de madeira, de modo a travar os movimentos possíveis, criando uma estrutura estável. No fim da sua montagem, as barras de aço roscado na ponta serão travadas por um sistema de aperto com porcas.

MONTAGEM DAS RIPAS DO ALÇADO LATERAL. De modo a obter em todos os alçados ripas de madeira na vertical intercaladas por 5cm, foi desenhado um sistema de encaixe de peças de modo a não perder a estabilização principal. Estas ripas, que se encontram nos alçados laterais, devem ser colocadas primeiro que as ripas finais de cobertura, de modo a serem encaixadas e aparafusadas umas às outras.

MONTAGEM DOS MÓDULOS COM MOBILIÁRIO. O sistema proposto tem como principal característica a multiplicidade de formas e volumes relativos a objectos interiores criados através do mesmo sistema de ripas de madeira. No entanto, o seu desenho deve ser pensado à priori da construção final dos módulos, de modo a que à medida que se vá construindo o módulo, se vá dispondo o mobiliário conforme desejado, desde bancos, mesas e prateleiras intercaladas de modo a criar rasgos de luz vertical que criarão um ambiente divertido.

Assim, de modo a demonstrar a construção da mesa proposta, a imagem acima ilustra o mesmo sistema, de elementos de ripas de madeiras unidos por barras de aço roscados na ponta sendo uma construção contínua, como é a desta mesa longitudinal. Marcando o local onde o mobiliário se encontra, não tirando o caminho de passagem dos utilizadores, unem-se as ripas, criando peças intercaladas que se suportam umas às outras.

Por fim, junta-se outra ripa na horizontal com o intuito de travar qualquer tipo de movimento e criando um espaço estável para se poder pousar obras de arte, peças ou outro tipo de objecto que poderia ser demonstrado na Semana Cultural. Assim, a estabilidade e facilidade de construção prevalece este sistema construtivo de modo a também possibilitar o seu fácil transporte.


07 Modelação 3d e Renderização Localização: Coimbra, Portugal, 2014-2015 Tipo de projeto: académico Orientação: Arq. Mauro Costa

PROPOSTA A criação desta composição abstrata inciou-se com a criação de 3 volumes ao qual se acrescentou uma estrutura algo abstrata e sem grandes restrições, onde apenas dois desses volumes se conectassem. De seguida surgiu a ideia de tentar materializar os objetos ainda que de forma abstrata mas tentando dar algum sentido às formas apresentadas, procurando contextualizálas num ambiente real.


+351 910 578 304 marcocosta129@gmail.com

Marco costa portefólio  

portefólio de arquitetura

Marco costa portefólio  

portefólio de arquitetura

Advertisement