Page 1

Porto do Parto Dedico este livro Ă s abelhas

1


2


3


Kakaih Machado Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida, seja por meios mecânicos, eletrônicos, seja cópia xerográfica, sem autorização prévia do autor.

Capa e projeto gráfico: Márcio Pereira Impressão: Contato: kakaihmachado@hotmail.com

Macahado, kakaih Parto: poesia / kakaih Machado. Belo Horizonte, 2018 p. 130

1- Poesia brasileira. 2 - Haikai, 3 - Aforismos, 4 CDD-67487w8 Índices para catálogo sistemático: Literatura brasileira 1. Poesia: 4


Kakaih Machado

Parto

1ª edição

Belo Horizonte Edição do autor 2018

5


6


Apresenta-se um parto, Kakaih nasceu! Poeta da vida, fotógrafo da liberdade, cantando e fotografando a tristeza, mas também parindo alegria. Com sua alma sensível, vivendo a plenitude da vida, vai surfando pelas ondas do mar, um sonho de amor, num mundo carente de ternura. Vai nosso poeta, espalhando luz!                                                                   Renateca

7


8


Aproveite o pouco muito...

9


10


11


12


O Amor e o Perdão são uma Fênix que faz brotar vida das cinzas

13


Talvez

Penso no instante No tempo No agora No repente Canto de cantiga Lavadeiras de rio Histórias de vida Trabalho e cio Rezo o terço Na sala de minha avó Enterneço Hoje estou presente Amanhã não sei Talvez...

14


Surdos onipresentes

Surdos sem sentidos Sentimentos sintonizados Seminários semanários Sentinelas sentadas Precipícios perversos Prestações perdas Perplexos parentes Passados presentes Horas de hoje Honras horríveis Homens hostis Ouvidos ouvirão Ouros olvidos Ontem onipresente

15


Abismo e percepção (lembranças de Blake)

Os abismos nos levarão Às portas do paraíso Então os dias chegarão O momento do juízo Se encontramos ou não Será nossa escolha Os sentimentos do coração Fecharão as portas da bolha Da ilusão em que vivemos Nada restará além nada As portas nos dirão Abramos os ouvidos Agucemos os sentidos As portas da percepção

16


Cais do porto

O cais do caos O porto sem barco Lavam as mรฃos Sem rumo parto Sem seguranรงa sem adeus sem esperanรงa sem Zeus Conto comigo canto um conto ao lado do abismo estou tonto Zonzo perdido quase pronto para o destino...

17


Abismos do medo

De costas para o abismo A coragem falta A dimensão do autismo Alguma genialidade inata Ontem num passado remoto Armadura de coragem Enfrentava maremoto Hoje bate o medo O desânimo assustador A dúvida sem amor Mãe dos sonhos do menino Onde estão as rimas raras Que compunham seu destino?

18


Chama e pavio

Uma última palavra No último andar Um punhal que crava No coração secular O mundo no último minuto Um instante final O tempo de um segundo Acabou o carnaval Depois o nada e nada Parece ter resposta Quem ganhará a aposta? Eu não sei Mas desconfio Tudo é chama e pavio...

19


O poeta esquecido

O cansaço esgota o sorriso As pernas não respondem Não ouvem o aviso Do seu desdém As coisas passam pelo passo O caminho fica para trás O passarinho cai no laço Onde está Minas Gerais? Pedintes esmolam por migalhas O poeta fica triste Queima-se nas fornalhas do tempo Ele está esgotado Não mais acredita no homem Está amargurado Até já esqueceu seu nome

20


O frio das grandes cidades

O frio da velha cidade Corta fibras cardíacas O coração da liberdade Alimenta muitas vidas Sentir tanto frio Nos sentidos coletivos Apaga o pavio Eles olham pros umbigos Alteridade já não existe Deslocar-se em sentido ao outro Só por interesse palpite A cidade Ice Berg Congela consciências Propaga demências Decadências

21


Ocasos e silêncios

Os silêncios do ocaso Vêm com dolorosos sinais A senitude toma o caso Por episódios fatais Poetas que Chiam Outros que lamentam Confortos que viciam Facilidades que atormentam O que dizer do fim? Camões não explica Freud sim? Talvez silêncios sejam Sinais mudos do tempo Bocas que apenas bocejam

22


Estradas abertas em Lisboa

As casas em ruínas são adoecidos os sentidos terras longe de Minas olhares perdidos Ruas que passam sobre pessoas pessoas que passam apressadas (...) enfurecidas estão as casas a lembrar vidas passadas O poeta caolho abriu os olhos e o Pessoa já não tem Mar Mães de Portugal o que há? Um menino passeia pelas ruas da menina poesia de estradas abertas no coração poeta

23


Sentimento lisboeta

Caminho sobre os telhados Lisboa está a dormir Meus sonhos estão entalhados Na madeira do porvir O calor escalda a alma Lisboa está a ferver Minha realidade não é calma Já posso perceber Um estrangeiro na “Lusitânia” Que guarda passados meus Contesta a divindade de Zeus Eu sou estrangeiro no planeta Cheio de fronteiras perversas E muita gente careta

24


Lisboa

Bom dia Lisboa Sol e Sombra Luz boa “Fartura” e sobra O que lhe falta Lisboa É alegria O que lhe sobra É culpa Nada lhe falta Lisboa És cheia de luz Tire-o da Cruz Assim a alegria volta As ruas cantarão A sua ressurreição (...) Bom dia Lisboa Adeus Lisboa Um dia eu volto

25


As máscaras de toda gente

Quando as palavras não falam A boca não articula A pessoa não faz sala Entrega-se à amargura O triste sorri lágrimas Gargalha a dor As puras lástimas De um mundo sem cor Não há alento pra solidão Quer estejamos sozinhos Ou em meio à multidão Vestimos a roupa aparente nos despimos da verdade nos mascaramos de gente

26


Não sei o que dizer, mas digo

O mundo da exploração, a tortura da carne, o mundo sem perdão, a humanidade em pane. A tecnologia entorpece as mentes deslumbradas, e toda vida fenece, em sombrias baladas. As inocentes almas, nada ingênuas, são calmas fontes de perdão. Somos explorados, somos exploradores, nós nada somos além de impostores. Raça estranha demente... Mas ainda há humanos em meio a essa gente? Há muitos seres iluminados, há bondade, há amor, há seres encantados, há sim senhor! Mas a opressão é suja, e ela é poderosa. O poeta a acusa e exorciza com um botão de rosa. Sem violência, sem agressão, os seres encantados libertam a alma sem ação. Eles são mágicos, sutilmente poderosos, seres fantásticos, milagrosos. 27


Alegria não morre

O doce menino ilumina O dia além da caverna O velho esconde sua sina A vida não erra A menina alegria ficou Triste de dar dó O menino chorou A corda deu o nó Mas não foi o fim A menina despertou O velho Serafim Mensageiro do amor A alegria nunca morre Ela é menina eterna A tudo comove Viva a alegria de viver Viva o caminho Desperte para o Ser

28


Seres do não ser

Às vezes avançar é retroceder O futuro pode reproduzir Passados para esquecer (...) Presentes para reluzir Generalizações enganam Mentes desavisadas As diferenças emanam Estradas demarcadas Pelo ódio e violência Pelo amor e amizade Lucidez e demência Seres da guerra Seres da paz Paz na terra Terra na paz

29


Terra Maria

Mãe terra Terra boa Mãe senhora Dá pessoa (...) De Maria amada Mãe divina A flamejante espada Do amor e da justiça Maria mãe do Cristo Jesus em nós Por ela existo Maria nossa voz Sonho & realidade Vida em primavera Terra Maria Maria Terra Eterna

30


Algumas coisas

Raras palavras, pessoas raras, loucos de espadas desembainhadas Poemas em pedaços, de rosas cálidas, poesias em laços, histórias pálidas Sonetos em métricas, medidas sem medida, coisas patéticas A raridade do dito, em pequenos silêncios, um incontido grito Na metade do papel rasgado, escrevo o segredo, a sina, o relevo São letras apagadas, ilegíveis garatujas, projetos quebrados, palavras sujas Na metade do caminho, escutei a voz, Um sininho...

31


Tempo de se libertar

Disquisição do despejo Nos fundos da casa Ainda vejo Minha partida asa Idos tempos não se foram (alforram) Ainda somos todos Escravizados entre nós Em antigos novos modos A carne ainda vem Nos porões dos navios Da exploração que se perpetua Aonde o lugar? Aonde o horizonte? O tempo de se libertar?

32


Decadência

Escravizados pelo desejo Humanos são marionetes Não resistem ao apego Aos venenos e pestes Humanos são idólatras Dependentes da aparência São seres hipócritas Não respeitam a inocência Quem são os humanos? Que raça é essa? Quais são seus enganos? Eu critico esses terráqueos Apesar de ser um deles Filho da sua decadência

33


Já não há mais

Escrevo sobre um horizonte Despedaçado em ácidos Azedos amargos podres Crenças mofadas seculares O castelo pegou fogo E ninguém deu sinal A vida cobre o jogo E apaga o farol Escrevo bobagens Sem nexos Sem bagagens Já não há Sonhos por aqui Tristeza é o que há

34


Gaivotas

No jardim do senhor Já não há Maria Nas terras do amor Acabou-se a magia Já não sou o menino Eu ainda sou o velho Sempre serei o menino Metido num velho terno O que sou Não sei ser Seu doutor O que estou não sei estar já voou

35


Destinos

Um dois três Já sei contar Agora é sua vez De mergulhar No mar sem água No céu sem estrelas No sol sem calor No pastor das ovelhas O carnaval acabou As sombras tomaram A luz do sol Sem destino volto Ao ponto de partida Ao início da vida Parto

36


Seres mal-amados

Não leio mais poemas Não beijo mais sua boca Não quero mais fonemas Quero o silêncio da voz louca Não digo mais palavras Não falo mais de amor Com esse ser em lavras Que me causa tanta dor Não tenho ilusões A máscara caiu Torturas nos porões Das fazendas de escravizados Dores aos borbotões Dos seres mal-amados

37


Danças

A dança do Camaleão A política interesseira Massacra o coração De uma gente inteira A menina reclama Da sua indigestão Mas ela não ama Nem entende a situação Sem deixar partir Parto sem meu barco Vejo o horizonte sumir A dança antiga Baila pelo salão Do velho castelo

38


Desabafo dos pés

Desabafo em letras Em canções alegres A alegria de Blake Exorciza dores seculares Vem minha alegria Alimenta minha alma Liberta meu menino Devolve minha calma Energia da luz Ilumina minhas sombras Faz-me esquecer da cruz Andarilhos de Santiago Levam promessas e corpos Em bolhas pelos pés

39


40


41


Exorciza

Exorciza a tristeza Põe o seu café Senta-te à mesa Do tempo de fé Homens falantes demais Cheios de histórias Que dançam valsas Em passos memórias Desencantos decepções Murcham corações Numa dança fúnebre Adeus às margaridas Adeus aos girassóis Às dores de todos nós

42


Enganadores

Frenéticos delírios meus Bailam pelo salão Do castelo de Dom Henrique Em bolas de sabão Já não há reis Nem donzelas ou arautos Nesses novos velhos tempos Que nos tomam de assalto Eu não sou deprimido Sou sensível à dor Aprendiz do amor Sou oprimido e opressor Corpo cansado das misérias Desse mundo enganador

43


A água secou

A minha fúria te alegra A minha dor te apetece Somos uma relação de enganos Medos e assombros Mas eu não sei o que somos A velha ilusão te pescou Num lago sem peixes Onde a água secou Liberta meu coração Livra-me do seu excesso Mas não agora Porque me vou embora Para Pasárgada Lá serei feliz

44


Chamas acesas

Os olhos do interesse escuso De sombras inconfessáveis Sigo sozinho sem direção Por caminhos intermináveis Lá se vai a procissão De velhos costumes De orgulhosos falastrões Bêbados de fel amargo O que vês não sou eu Sou o que não vês Das percepções despercebidas Os gestos e sorrisos São chamas que tentam Se manter acesas

45


A honra de amar

Eu peço perdão Pela falta de culpa Pelo coração livre Sem nenhuma multa Não vou deixar me matar Pelo veneno da sua boca Não morrerei do cansaço De rimas porcas Eu terei força fibra Terei um sorriso amiga Na hora da sua partida Vou viver essa dor Até a última gota Honrarei o amor

46


Painel

Um painel de carcaças Superfícies dolentes De canções mortas Em castelos estranhos Não lerei minha história Nem morrerei de tristeza Eu sou alegre Sou luz filho da beleza De se saber solitário De não se saber sozinho De chorar pelo sangue e pelo vinho Amigos que se foram Recebam o meu abraço O meu conforto Até um dia!

47


Onde estamos?

O fim de tudo é começo do nada dicionário palavra Eu digo silêncios sem vícios doces sem azedos amargos sem tosses catarros A conversa é outra e não é outra conversa “é outro assunto” Quando começamos a falar choramos antes de tudo nada (...) onde estamos?

48


Mendigo da Lua “QI Mundo!”

Um mendigo defeca no meio da praça pública. O pastor aplica-lhe o profeta. Eles vivem na “Terra do Nunca”. O mendigo é O Peter Pan das ilusões viajante. O pastor é do “Deus Tupã”. Eles são chicote e açoite. “Que mundo maravilhoso!” Ironiza a voz do cantor. O mendigo caga choroso para as promessas do “amor”. Sem esperança, ele dorme, ao acordar continua. Nada mais o consome, sua casa é a rua. O mendigo é bebido e consumido pela miséria. Não tem nenhum amigo, sua vida é muito séria. Os “arte-fatos” na mão, desse sujeito estranho, já perderam a emoção. Sua dor não tem tamanho. Quem se habilita a levar o mendigo para casa onde habita? A ser seu amigo? Passamos com o olhar indiferente. Não há nada de belo para se “ver”. Até parece que aquele não é gente. Que também não mereça viver! Continuamos a fechar os olhos. “O problema não é nosso”!? Posso até lhe dar um trocado, rezar-lhe um “Pai nosso”. O mendigo evacua na cara do mundo. E vomita seus vermes nas “ruas da lua”. “QI, Mundo!”

49


Remédios

Espasmos nos olhares Olhos revirados refratários Dissimulados “ventríloquos loucos” Mandatários ordinários Todos com seus discursos Opressores explorados e oprimidos As vidas seguem seus cursos Num frasco de comprimidos Para curar doenças incuráveis Antibióticos podem ser venenos Terapias inaceitáveis E o medo continua a olhar Mesmo cego e sem luz Se afogando no mar Carregando sua cruz

50


O ritual do poeta

Ritual dos elementos, água terra fogo e ar. Mandinga pros sentimentos. Quem ensina amar? O poeta desorienta o amor. Confunde a doce criatura. Azeda o leite da dor. Constrói nova ruptura. O poeta se alimenta das velhas rachaduras que o tempo inventa. O ritual do poeta é carnaval de zombaria. É a busca do asceta. O poeta dança para lua em suas escritas tortas. Aposta que são suas todas as palavras mortas. O poeta é ateu e tem espiritualidade. É rei e plebeu. Prisão, liberdade. O poeta desdenha da vida. Desafia a morte. O ritual do poeta é a loucura. Uma fogueira ardente em brasa. É doença que cura. O remédio que arrasa!

51


Mar

Mar que anda em ondas que venta em águas que sobe em marés que afoga mágoas Mar doido de loucura Mar maremoto em ressaca Mar que perde a compostura Mas não troca de casaca Mar tão praia e areia Mar calmaria e Sereia Mar em lua cheia Mar dos pescadores Mar dos velhos senhores Mar de tantos amores MAR...

52


O velho mistério

Além da montanha sagrada mora um velho senhor. Muitos dizem que é o Nada. Outros juram que é o Amor. Esse velho, segundo alguns, é a menina sabedoria. Para outros, são os sonhos da divina alegria. O fato é que, ninguém sabe quem é o velho. Se dia de verão ou noite de inverno. O velho é o doce amargo mistério...

53


O menino sem asilo (!!!)

O menino morreu Sua vida naufragou No mar Europeu Sua vida terminou Ele fugia da guerra Dos homens sem paz Procurava a terra Dos homens “normais” Que sina do infante Morrer na praia Do mundo distante Da solidariedade humana Não obteve asilo Seu pai perdeu o filho

54


Pedradas na cara de pau

Pedras de sal grosso Descarrego demente De angustias do poço Das neuroses de toda gente Não suporto falatórios Estou nos silêncios Discursos me cansam Devemos ser mais intensos Caos no sofá da sala A televisão queimou Fritou o cérebro cozido Pelo sol cáustico Criado por venenos Paridos por nós...

55


Deusa Maria mãe nossa

Maria concebida Pelo amor bendito Nossa amiga O grande grito De paz e liberdade De pura fúria santa Aquela que na verdade É mãe de todos nós Maria mãe do Cristo És a nossa voz O nosso abrigo Bendita seja ó mãe De puro espírito Ó Deusa do infinito Amor!

56


A força vem da mãe terra

A terra está sugada Ao extremo de suas forças, Mas essa deusa sagrada É mais forte que as ameaças Que os humanos a impõe Ela tem o poder das estrelas De uma criança que sonhe Com a chama das centelhas Que queima todo mal Sacraliza o coração Com a energia do Sal Da terra mãe Somos filhos Ingratos embrutecidos Que ela nos perdoe!

57


Poeta das abelhas

As letras não caem do céu Entornam da boca do poeta Criam fino véu A percepção do profeta O mel se espalha pela boca Derrama seus sabores Afina a voz louca Ilumina os cantores Abelhas polinizam flores O beijo do beija-flor Embala muitos amores O poeta das abelhas É o zangão cantor O menestrel que acende as grelhas Das quenturas do amor Zum Zum Zum Zum Onomatopeias sonoras Que cantam os dias meus Que brincam no jardim de Deus

58


Maria a Deusa

Cantigas longínquas Vozes de mães Doces coloridas Repletas de “Ais” Alegres tristes Quase duais Tons celestes Puros cristais Várias cantigas em uma Mãe super amorosa Em várias mulheres e rosas Traz todo poder Do feminino sagrado Que habita todo ser A deusa mulher santíssima Que completa a trindade É Maria na verdade O sagrado feminino

59


Ave espírito

Que o Mar se abra Que as asas do vento Sobrevoe o firmamento Abra cadabra! A mágica foi feita Pela maga do puro bem Não cometa a desfeita De não embarcar nesse trem A nossa viagem começa Mas jamais terá fim Vamos todos nessa É o admirável mundo novo Pleno de inocentes verdades Que chegou para todo povo A kundalini é o espírito Santo venerável da Deusa A promessa foi entregue A palavra da própria Deusa Ave Espírito Santo Mãe nossa! 60


Sem decretos

Viajei os mares Aportei em terras Por todos os lugares Por todas as eras Beijei sua terra quente Senti seu mar eterno Caí muito doente Chorei um inverno No final o fim Foi um novo começo Descobri que gostavas de mim Hoje somos dois E uma unidade Vivemos o agora Sem depois

61


62


63


Poeta do amor (Agricultor)

As ruas do universo Passeiam por mares De estrelas no verso Voando pelos ares O poeta ganha asas Capina a enxada Suas roças e matas Sua terra tão sonhada Ele vira agricultor De si mesmo Ê dono Cultiva o amor Conserta todo dano Que o capitalista provocou Matando a terra e os rios Sufocando a flor

64


Desfruata do espírito

Bebe o néctar das flores Desfruta o mel da abelha Da calma dos pastores Do calor da centelha O fogo é espírito E ele jamais se apaga Digo-lhe o que sinto “A beleza é espírito” O espírito é beleza A chama imperecível A fonte a delicadeza A virtude da vida O Darma iluminado A água pura da Mina

65


Celebro

Celebro a amizade A voz do cantor O tempo liberdade A canção do amor Celebro o flutuar dos sonhos As correntes marítimas Celebro por estar aqui Nos seus olhos Celebro a brisa fresca A luz da manhã E sua festa Celebro Maria A mãe nossa De todo dia

66


Alquimistas do Bem (para o Zé)

O princípio é dádiva O fim é também O meio é dádiva O supremo bem As pessoas santas estão aqui Elas transitam pelo planeta Na cantiga do alecrim Na pena do poeta Se encontrares essas santas Pessoas de luz amorável Terás belezas tantas Que não poderás conta-las Os alquimistas do bem ad eternum Estão a construir o novo mundo Eles são seres do mistério profundo A percepção santa A inocência dos olhos A vida que alimenta Os nossos sonhos

67


Sinos Sinais Caminhos

Caminhos de sonhos Realidades Estradas de estranhos Lugares Já fiz caminhos Fiquei pelo caminho Hoje sigo destinos Nunca estou sozinho Os poemas me acompanham São poesias do ar Aonde vou encontro muitos amigos Árvores frutos gentes Ouço todos os sinos

68


Ave Mãe Maria

Mãe santa mãe, protege seu filho, que não sabe aonde vai. Retira todo empecilho, dá-lhe um caminho de paz. Mãe que traz o milagre, que dá vida, ampara seu filho, não o deixe sem saída. Ó mãe que fortalece, ilumina meus passos, me dê sua prece. Eu estou perdido, com o peito carregado, cheio de dores e mágoas. Ensina-me o perdão, protege-me dos nadas. Da solidão me afasta, dê-me um trabalho digno, tudo que me basta. Pacifica as terras do coração, acende a luz da paz. A liberdade do perdão. Ave mãe Maria!

69


Parto

Na morte do menino Parto no tempero do sal Rumo para meu destino Porto ao nascer do sol Parto para parir Porto para partir Parto de nascimento Porto da morte Parto do porto Porto do parto Morro mato Parturiente faz pacto Corta umbigo RecĂŠm-nato RecĂŠm-nascido Mundo inteiro Mundo partido Parto

70


O Tear do Tempo

Os olhos do porto ainda esperam pelo viajante navegador anseia por seus beijos O navegante viaja pelas estrelas do tempo aporta sua nave na estação do amor Os olhos são aves de rapina o viajante aventureiro o porto é espera A estação floresce o tempo pensa o destino tece [...]

71


Para Ser Doe o tempo, doe a vida Dê o tudo que lhe falta Doe o amor que não finda Dê à virgem mata A luz dos seus dias Toque sua flauta Acorde as folias A misteriosa pauta O medo de doar faz sangrar As asas da liberdade A vastidão do mar Dar a vida pela vida Seguir o milagre do sol Para ser

72


Sobrevoo dos sonhos

Ao deitar enxugo as lágrimas dos olhos, ao acordar, desnudo a máscara dos sonhos. São rebeldes os olhos meus, são livres os sonhos teus. Juntos eles dançam a ciranda de Deus. Nuvens bailarinas libertam cantigas do coração aprisionado. Corcel negro alado, cavalo voador das estrelas, príncipe encantado de ardentes centelhas. Eu voo nas asas dos sonhos, sobrevoo as casas dos demônios. Tenho asas, tenho poesias, tenho a montanha, tenho o espírito. Eu nada tenho. Linhas coloridas de carretéis, meninos tintas e pincéis. Fontes de água límpida gota que se precipita. Os algozes tormentos mastigam sofrimentos. A necessidade determina o “Ouro da Mina”. Sonhos são amantes da lua e do sol, da forca e do anzol. Quantos querem morrer por não terem o que sonharam! Tudo está dito e posto. E não é para causar desgosto. Mas no final é o fim. Menos para o espírito que canta dentro de si...

73


O que você busca?

Vejo que não enxergo Nem muito nem pouco Se disser que sim nego Que estou ficando louco Escalo a cordilheira Sigo o caminho dos Andes Sou nascido por parteira Discípulo de Mahatma Gandhi Não aceito a violência Nego a podre corrupção Que mata a inocência Na verdade estou mentira Em busca de libertação De uma arma que não fira Da luz do perdão... O que você busca?

74


A lei é justa pra quem?

O caminho do justo é o certo O caminho da lei o deserto O justo é divino a lei é do homem Justiça é inocência a lei indecência O justo é liberdade a lei prisão Justiça é fraternidade a lei contradição Não há justiça na lei não há lei na justiça a lei é distorcível A justiça é de Deus O poder manda na lei Na justiça ninguém manda a lei semeia ódio A justiça semeia amor

75


Viva!

Por detrás dos montes Se esconde o segredo O mistério dos elefantes O Karma do medo A ignorância é perigosa A ciência também A primeira é venenosa A segunda também A cura está em Deus A solução é a Deusa A rainha da Paz Viva Maria Deusa mãe Alegria!

76


Aproximações do Tempo

A distância aproxima O perto pode estar longe O fim é começo Nada termina Mesmo assim tudo pode Se transformar em nada O cordeiro virar bode O choro virar risada A vida é livro aberto A morte é porto O coração deserto O viajante encontra barco O vento sopra mar O tempo faz parto

77


78


79


Deusa Mãe

É chegado o dia do novo império Da Deusa mãe Da revelação do mistério O puro desejo de Deus É sagrado e feminino O poder criador Que emana do divino Mulheres do mundo Assumam seu papel Vós sois parte e parcela da Deusa A casa do céu Benditas sejam todas vós Os poderes femininos de Deus Que habitam entre nós A Deusa mãe nos abençoa Conecta-nos como espíritos Em toda parte boa Estamos protegidos

80


O Coração é a Morada do Espírito

Desapega da ilusão Distancia do jogo Não cede à tentação A verdade não é a voz do povo Mergulha em si Voa ao sol Canta em mim O seu arrebol Nasce a cada instante Renasce da luz Venera Jesus e o Elefante Assim serás livre Terás asas fortes A força de tudo que vive Não temerás as mortes Fica sem pensamento Medita em Maria No coração do espírito O silêncio é o grito...

81


Canções Para a Deusa

Um fio de memória Numa gota de orvalho Uma lágrima histórica No fundo do olho nú Nenhum arrependimento O passado valeu A juventude sobrevive Ao tempo veloz carrossel Longos cabelos rebeldes Anárquicos pensamentos Revisitam o presente apático As cicatrizes são armas Forjadas a espadas Na truculência dos nadas O esplendor da força Se alimenta das eras De toda experiência nossa Transmutada em primaveras

82


Estados de sítio farrapos Guerras por liberdades Programas fantásticos Tudo meias verdades O sol abraça a lua Canta a velha canção Vós sois espírito Eis a revolução Perplexos humanos perdidos Em escrituras enganosas Pastores padres patriotas vendidos Vendem palavras “milagrosas” A revolução verdadeira É a do espírito O resto é pura besteira Deus é o infinito Ainda há tempo para amar A Deusa mãe Maria É a canção de libertar

83


Espírito Santo (A Casa das Esperanças)

Muitas línguas Falam pessoas Correm milhas Coisas ruins e boas Nessa torre de babel Há uma grande confusão Há inferno e céu Ódio sem perdão Por isso saúdo Maria A mãe do Cristo Deusa da Alegria Ela é a mãe Fátima Protetora das crianças O santo atma A casa das esperanças

84


Aquela que sempre Esteve em toda parte Que liberta nossa mente É a mãe Arte Shri Saraswati Aquela luz divina Que canta dentro de nós A energia de tudo que respira Por favor mãe eterna Coloque seu amor em nós Nos tire da caverna!

85


Sat Chi Ananda

Sorriso largo aberto Um silêncio grande intenso Tá tudo certo O mundo é mais imenso Cantigas que dançam Alegrias que brilham Em nuvens que passam Mas são eternas As crianças na ciranda A vida das crianças Sat Chi Ananda Olhos voam sem asas Espíritos livres viajam Sobrevoam os nadas

86


Mãe Divina

Mãe me cura o coração Retira toda depressão e insegurança Fortalece em mim a coragem a confiança Desperta o espirito em meu coração Mãe Maria Faça-me instrumento afinado No diapasão do vosso amor Perdoa a culpa que ainda sinto Abre a porta do meu discernimento Quero ser mestre de mim mesmo

87


Quero Mais

Voa primavera Idade das flores Tempo e espera Alegria dos pastores Pousa ave de rapina Nos altos cumes Nos sonhos da menina Nas asas dos vagalumes Canta o Condor A Águia dança Na estação do amor Os altos e baixos Fazem o caminho As alegrias e percalços Ninguém está sozinho Flores borboletas Orvalhos lágrimas Eu quero mais...

88


Holocaustos

Imagens num grande museu Pessoas de cera Nada mais abaixo do céu Apenas cenas de um mundo cruel Holocaustos de Hitler Genocídios de Stalin Carnificinas nas Américas Massacres no oriente Rastros da violência Rasto de homens Pegadas da indecência Até quando a miséria? Até quando a mentira? Até quando mãe terra?

89


Artes

Pinturas cheias vazias Desenhos navios Paisagens fugidias Desejos cios Cores em papel Retrato branco e preto Literatura de Cordel Proclama respeito A arte é popular O mercado é pop Um fala português O outro é escroque Coração cor sangue Pulsa vida abundante Pescador paciente Paz

90


Arrebol

O caminhante pára O mundo corre A vida é rara Nada morre No ponto final Não mora fim Todo instante fatal Grita em mim Sou presente no aqui Estou demente Ai de mim! Os anos passam A vida passa O tempo passa Nós passamos No outro lado de lá Canto uma canção em sol Nascer e morrer é Arrebol

91


Pedra e Poesia

Inquietudes, medos, sombras Indecisos sentimentos Ficar, partir? Corações, juventudes Palavras, gritos Angustias, asfixias Lendas, mitos Incertezas minhas Cabeças de pedras Duras incertas Erram distraídas O abismo vertical Hipnotiza mentes Num falso carnaval

92


Capitalismo: fábrica de ladrões O lucro do capitalismo Grita aberrações A hipocrisia do cinismo Dilacera corações P F prato feito De indigestas explorações Sistema imperfeito Fanatismo das religiões Que vendem Deus No mercado de capitais Espetáculos imorais Canto de sereia Para as multidões Fábrica de ladrões

93


Religação Ouça Shiva Escuta Maria Dança Gira Canta Alegria

94


Tempo Tempo senhor De tudo que passa Da vida da menina Da senhora sem graça Tempo que é Kala De todas as horas Tempo de fala Tempo que cala O silêncio do tempo O barulho dos homens A ciranda do vento Tempo finda Tempo recomeça Histórias vidas Partidas

95


Insanidades

Bobos dançam no palácio Bocas pra lá de porcas Gritam impropérios Elas não percebem os mistérios Gentileza é coisa rara Hoje em dia é noite Eles querem ganhar na marra À base do açoite Falta educação Falta respeito Falta amor Sobra violência Palavras faladas Ao vento se vão Tudo superficial São vidas tortas Mentes alquebradas Insanidades mortas

96


A Dança desumana

Pressões dor de cabeça Opressões dor de consciência Teatro e peça Morte da inocência Peixe fisgado No anzol do capital Dinheiro marcado Ilusão de carnaval Dança o dinheiro Nos braços do poder Cova e coveiro Os vermes devoram A carne e o sangue Não importa o nome O meu lugar no mundo É o não lugar As botas do vagabundo Não escolhem onde pisar

97


Contra Medo Coragem

É estranho o medo Das mudanças na vida O barco que sai do porto Fica à deriva Ficamos sem certezas Somos tomados pela insegurança Nos entregamos às tristezas Perdemos o compasso da dança Se o medo nos toma Ficamos paralisados Entramos em coma O remédio é coragem Para mudar A si e o mundo

98


Estetas e Poetas Bodas de estrelas Danças da luz Como concebê-las Feridas e pus Caem planetas Sobem aos ares Muitos estetas Sobre seus calcanhares Asas abertas Abraçam a vida Alados poetas Bebem da alegria Das inocentes crianças Da poderosa magia Da terra das esperanças

99


Palhaços

Palhaços pintados Vestem alegrias Humanos espantados São levados pela ventania Quem bebe da alegria Toma água da fonte Quem venera Maria Atravessa a ponte A mãe é pura É forte singela Amor e brandura Somos todos palhaços Uns riem outros choram Ocupando os espaços

100


Porto e Parto

Em andanças por vielas, ruas, assombros, abismos do mundo, me perdi. Peguei um barco invisível num porto que não existe, e viajei por cenários incríveis. Lisboas perdidas, Mumbais enlouquecidas, Santiagos de Chiles e Compostelas. Aportei em um não lugar. Descobri que não existo. Foi então que percebi os primeiros nadas da minha não vida. A partir desse Parto fui parido. A partir desse Porto fui partido em muitos pedaços. Hoje vou de partida, nascido que estou para a vida, e para a morte...

101


Hippy é Maravilhoso

Canta a liberdade No coração Hippy Voa pela eternidade O desejo livre Sem nostalgia Reverencio esse povo Que teve coragem De viver sua alegria Hoje viajo em outras estrelas Navego outras estações Busco outras sutilezas Nada contra Os remanescentes Sou a favor dessas gentes Hippy é maravilhoso!

102


Sutilezas

Acima de qualquer imaginação Além de qualquer conceito Está o não dito O primordial respeito Mais alto que as estrelas Num lugar intocável Está o sutil mistério Não tem explicação Não tem inteligência que decifre O segredo da criação

103


Perdão Falam em nome de Deus Pecam em nome do capeta São puritanos os fariseus Humanos de proveta A humildade é inocente A liberdade pacífica O capitalista é indecente O capital fascista A grande mídia mente É perversa inconsequente Alienadora de mentes Proclamam o medo da falta Botam o terror no povo Mas a igreja apascenta Não há nada de novo De novo a caça às bruxas Uma nova inquisição Da ode ao ódio contra o perdão Perdão

104


Dá vida

Na última página da vida escrevo o nada. O papel fica em branco. Na existência não existi. Tantos olhares para o morto! No entanto, ele não percebe. Seus olhos estão cerrados. Seus lábios indeléveis. A vida não tem páginas menina! Isso é história de poeta. Ela também não tem destino! Isso tudo é uma grande treta. Uma invenção, um jogo...

105


Jesus Cristo Sabedoria da Liberdade

És passo do ar Nas estantes do tempo Instante eterno Que aplaca sofrimento Os passos passarão Além das nuvens Da sexta feira da paixão Suas pegadas são feitas De luz etérea Cristo Jesus Divindade tão bela Não mais cruz Não mais religião Apenas sua luz Transmutada em perdão Sem ritual ou fanatismo O Cristo é amor Não é abismo

106


Segue Mar aberto para liberdade Voa o tempo nos pés Ventam assombros na cidade Canta a vida outro viés Se as lágrimas correm Seu sonho corre atrás Se as palavras morrem A vida pede mais Livre das amarras segue Bebe a água da fonte Nada te persegue Viaja na velocidade da luz És protegida pelo amor Vindo de Maria e Jesus

107


Tempo Passa

Tanto se disse Sobre o tempo O senhor absoluto De todas as coisas Tempo Chronos Tempo kaiós Tempo kalas Ai de nós! Acorda tempo que dorme Toda sensatez do mundo Acorda a criança no adulto Perdoe o insulto Da minha fragilidade Perante vós Eu não sou Eu não sei Do seu tempo Da sua lei

108


Os Andes e o Condor

As grandes Asas Abrem-se sobre nós O Condor passa Em seu voo veloz Ele desce dos Andes Sobre nossas cabeças Num céu de Duendes Exorciza as bestas Vem saudar a neve A triunfal chegada Da estação gelada Nos Andes Tudo anda calmo Só o Condor voa

109


Outra Coisa

Eu gosto do final de tarde assim: Roubando o que sobrou do dia AtĂŠ ser engolido Pela noite e pela chuva fria...

110


Chuvas de Maria

A tempestade lava As ruas da corrupção Lava as almas Lava o mundo inteiro É a chuva da verdade Que vem lá da fonte Do seio da grande mãe A matriarca liberdade Deus pai e mãe Feminino e masculino Desejo puro, ação Vem tempestade Vem Maria Completa trindade

111


Aurora Boreal (profecias)

Aurora Boreal Tempestades de cor Teatro do Boal Oprimido sem amor “Todo mundo é Arte” E o mundo é tão pequeno Somos o todo e a parte Remédio e veneno Nostradamus profecias Apocalipses de João Mentes em eclipses Jogos de sim e não Nos confins do mundo Lanço meus sonhos Declaro-me vagabundo Entrego meus olhos Para a grande mãe Terra

112


Jesus Menino

O menino tem asas Nos pés velozes Ele sobrevoa as casas Doma ciclones O menino viaja Na velocidade da luz Atravessa a Via Láctea Vestido de Jesus Deus de pura sabedoria Filho primogênito Da virgem Maria Jesus menino De grande Alegria Senhor do destino Deusa Maria Mãe nossa Mãe do menino Jesus em nós

113


As Fotografias se foram

Mala cheia de lama Fotografias em puro barro Imagens do que se ama Veneno porco do cigarro As fotos do menino Morreram afogadas A morte tocou o hino Das vidas despedaçadas Aquele garoto era eu Aquela tristeza era minha Eu era sol que escurecia Tantas lembranças se foram Naufragadas naquela mala O eu menino nunca mais Foi o mesmo Os seus retratos da infância A enchente arrasou Apenas a inocente saudade Continua...

114


Degeneração

Vento que sopra palavras Saudade que arde em brasas Dormem ao relento os fantasmas Cavalos alados sem asas Meu voo solitário é triste Leva todas as mágoas Toda tristeza persiste Mergulhada em nadas Sem ir a lugar algum Metido em mim mesmo Contemplo os infernos Criações mentais De homens degenerados Perturbadores da paz

115


Vazio

Sala vazia Mala de bagagem Nada de alegria Só estrada Na direção do medo Caminho decidido Sina do degredo Nenhum amigo Viajo sem lembranças Não tenho passado Apenas esperanças A cada porto histórias Novidades pessoas Esquecimentos

116


Mundo

Fantasmas do passado Batem às portas Do ser desorientado São pessoas mortas Alienado povo sem céu Violentos filhos da ignorância Fogo de queimar papel Assassinos da esperança Cuidado pessoa de bem O inferno abriu sua porta Paz aqui não tem Os homens da verdade Pais da justiça Não moram aqui

117


Para ir ao Paraíso

Depois do amanhã Me visto de saudade Como a maçã Da inocente verdade Depois do crepúsculo Bebo estrelas Antes do susto Mel de abelhas “De cor” coragem sã Sem ilusões Vou seguir O caminho dos olhos Das inocentes crianças Até o paraíso

118


Feijão com Arroz

Descanso no depois Trabalho no antes Feijão com arroz Amigos amantes Arroz grudado Unidos venceremos Feijão afogado Em bons temperos Corpo no espírito Fôlego e vida Sabor do mito Coletivos do um Um em dois Feijão com arroz

119


O Espetáculo

Tantas histórias boas Não passam na televisão O mal dá espetáculo Promove a confusão Falar do bem não dá ibope A violência é que vende A truculência do BOPE A insanidade demente O bom fica oprimido Fica amordaçado Com o corpo quebrado A imoralidade domina Na TV tem horário nobre A inocência é corrompida O rico escraviza o pobre Eu te digo amigo a solução É começarmos tudo de novo Com amor no coração

120


Poder

A confusão está “Armada” Na porta do Circo A multidão desarmada Perde mais um Ciclo Virtuoso é o tempo Não precisa rimar Preciosa é a vida A vastidão do mar O povo é o poder Mas o poder não é do povo Nesse mundo trevoso O coletivo é a força Mas o mundo está individualista Com o pescoço na forca Sem unidade Sempre irá prevalecer A maldade No pequenino tempo que me resta Quero deixar para trás Tudo que não presta 121


Nada Mais

Parte para nunca mais Silêncios em ventos gelados Sopram vendavais Sobre olhos assombrados Dói a saudade desesperada A conversa cessou Somente o pó da estrada Nada mais ficou Borboletas sobre girassóis Dançam tristes Melancolias cheias de “Ais” A noite fechou a boca O caminho chegou ao fim Nada mais...

122


Sem rumo Sem porto Sem barco Parto...

123


124


125


126

Partokakaihok14  
Partokakaihok14  
Advertisement