Issuu on Google+

Contos Fantรกsticos os. 6 Ano B

2008

Pรกgina 1


Queridos Leitores, Este livro é o produto do Projeto de Leitura e Escrita de Contos Fantásticos realizado pelos alunos dos 6os. Anos da Escola Projeto Vida, em São Paulo. Ao longo de três meses fizemos uma incursão pelo mundo da literatura fantástica. Os Os alunos puderam passear pelos mundos criados por grandes mestres da literatura universal e nacional como Edgar Alan Poe, Gabriel García Marquez, Horacio Quiroga, Jorge Luis Borges, Murilo Rubião. Mas o que é o fantástico na literatura? Segundo Filipe Furtado, "o o Fantástico é um gênero que questiona a razão, esta é utilizada a fim de localizar o leitor em uma área flutuante, e, onde o sobrenatural e o insólito são potencializados não pela sua manifestação, mas pela tentativa

de

enquadrá los enquadrá-los

em

esferas

racionais racionais"

(Furtado, 1980). Familiarizados e apropriando-se apropriando se das características do gênero, o próximo passo foi planejar, em pequenos pe grupos, as histórias que os alunos queriam nos contar. Durante o processo de escrita pedimos a ajuda do professor Matheus Giovarotti,, que ministra as aulas de Artes Visuais, para que ele apresentasse aos meninos o fantástico através de outras artes. artes. Neste momento as Página 2


turmas tiveram uma aula especial sobre Surrealismo, e receberam as primeiras orientações para realizar as ilustrações dos contos. Para

que

pudéssemos

tornar

público

esse

conhecimento sobre língua e literatura, os meninos se apropriaram de conhecimentos tecnológicos, que foram desde a digitação e formatação no editor de textos, aos caminhos e descobertas de publicação no blog da turma, para isso a dedicação da equipe pedagógica de Educação Tecnológica da escola foi fundamental. Escrever uma história não é algo simples, requer de cada um que se aventura a essa tarefa dedicação, concentração, inspiração, pensar sobre as palavras escolhidas, as imagens que desejamos formar nos leitores, como tornar a narrativa interessante. Os contos que vocês lerão são fruto de muito trabalho,

de

desafios

cumpridos,

porém

ao

nos

depararmos com o resultado final, tivemos uma sensação deliciosa de realização. Após várias escritas, reescritas e leituras chegamos aos textos que vocês terão o prazer de conhecer. Desejo a todos uma excelente leitura. Márcia Alves de Souza Ovalle Professora de Língua Portuguesa Página 3


Índice

A CARTA MALIGNA

6

• Gabriel Leria Sanches • Fernando Augusto Amado

O CLONE

9

• Giovanna Innamorato da Silva • Renata Esteves Alves Jordão

O DIA EM QUE O MENINO FOI AO CINEMA

13

• Caique Picceli Costa • Daniel Guerra

A ESPINHA GIGANTE

17

• Julia Aires Labritz • Maria Rita Silva Miranda

A GALINHA QUE DAVA LEITE LEI

19

• Arthur Akira Leguiramon Higashi • Pedro Vilela Sbampatto

O GUARDIÃO DA ARCA

23

• Fabrício Glingani Magnoli • Murilo Bondezan Guimarães • Pedro Rodante Vicente

Página 4


A NOVA BRANCA DE NEVE

28

• Isabela Lanças Fagundes • Gabriela Galego Teixeira

PASSADO NO FUTURO

33

• Ana Luiza Greco Almeida • Fernanda Greco Atie

OS PODERES ESCONDIDOS NO BAÚ

36

• Camila Catellani Balazs Vieira • Isabella Mesquita Mitre

REMÉDIO AMALDIÇOADO

41

• Fernando Palomera Ferrarini Spinola • Jonas Bortman

Página 5


A CARTA MALIGNA Gabriel Leria Sanches Fernando Augusto Amado

Há dez anos eu tinha 29 hoje sou professora de Língua Portuguesa onde morava tinha dois mendigos e um barbudo que sempre ficava ali na esquina. Página 6


Um dia de sol levei minha amiga Carol para casa aonde conhecemos melhor os mendigos e o barbudo o dia foi ótimo. ‘sempre achei achei que o barbudo escondia alguma coisa ‘. Não e que eu estava certa - O que e isso?-e isso? e ou ouvi uma voz falando: - Quem uem e essa? – disse o barbudo - Que?- respondi - O que e isso? - É uma a carta de meu irmão Vilelão tenho que pegar ele no aeroporto amanhã manhã, quer vir? - Sim valeu. - De nada. - ☺. Vilelão pareceu legal, mas as aparências enganam. enganam Naquela mesma noite Vilelão rouba no museu um rubi de Pedro Álvares Cabral. Cabra

Página 7


Mas o resto é agora. agora Começou ou a guerra. guerra Então todo mundo virou o F.B.I I [federação dos baixinhos irritantes]. Enquanto Vilelão voava com sua jaqueta a jato e atirava com sua três oitão até que chegou Orocard o único vampiro que trabalha para igreja e tem uma arma que pesa 16 kg e tem treze milímetros que da um tiro em Vilelão ilelão que morre. Mas a carta viu não dava para ser pior ou eu mim enganei por que como vai ser daqui a 10 anos?

Página 8


O CLONE Giovanna Innamorato da Silva Renata Esteves Alves Jordão

Bruna é uma adolescente rebelde com cabelos castanhos, olhos castanhos e lábios vermelho da cor de Página 9


tomate. Bruna trabalha em um restaurante chamado “Dona Zilda”, restaurante de sua mãe ele odiava seu trabalho mas mesmo assim trabalhava para ajudar sua mãe nas despesas da casa. Sua mãe muito sozinha, não permitia itia que sua filha fosse as baladas, já cansada com essa proibição Bruna foge ge de casa com seu amigo Lucas - moreno de olhos verdes ,ele era muito gato, realmente irresistível,mas Bruna só tinha olhares para Felipe, gentil, cavalheiro, loiro de olhos azuis, azuis mas tinha uma cara de bobão, do mesmo jeito lindo. lindo Coincidentemente oincidentemente Felipe passa na mesma rua que Bruna esta ela se distrai e bate o carro em um ônibus escolar, seu amigo pula do carro antes e se salva, mas Bruna não consegue. De repente ela se lembra de toda sua vida, seus erros, conquistas, méritos mas o que não percebe é que esta no mundo de Kleber Kleber conforme passa os dias percebe que não está na sua cidade,ele não não via sua mãe e nem seus amigos. Página 10


Lá á era bonito, mas era estranho, pequeno poucas pessoas um lugar calmo, calmo mas era sempre calor ,castelo casa de campo,florestas campo,floresta encantadas. Enquanto isso, isso no maior castelo dessa cidade. O homem,

chamado

Valdemar,

o

cara

mais

mandão,

mesquinho, egoísta, feio, magrelo, dentuço, fraco, pão duro da cidade, tramava um plano para matar Bruna, ele pensava que era o mais lindo dali e entã então tinha que dominar a cidade. Como Bruna era linda, simpática e encantava todo mundo, Valdemar ficou com inveja, ele mandou a manicure mais malvada malvad que ele conhecia, para envenenar suas unhas. has. Bruna do outro lado da floresta se espanta em ver uma menina igualzinha, a si mesma, mesma mas em outras condições de vida estava suja, magra demais, demais roupas fedorentas, mal se podia ficar perto. Bruna como boa pessoa foi ajudá-la. la. se conheceram e ficaram aram melhores m amigas uma contava tudo a outra.

Página 11


O clone (como vou chamar a menina), menina) sempre se perguntava como eram tão iguais? O clone além de ser igual a forma física de Bruna, era também por dentro. Dava Dava dicas como forma de agradecimento como: •

Gabriela - como vou chamar o clone de Bruna - deu

várias dicas como – não fazer a unha com manicure esquisita •

Não se aproximar do castelo

Não ir para a floresta Maus Momentos

Sempre visitar a camponesa Lindalva Mas o que Bruna não entendia o porque não visitar o

castelo de Valdemar. Bruna como era, muito rebelde logo quis saber o que tinha lá, esperou dois dias inteiros e então foi visitá-lo. visitá Chegando lá ele tratou-a tratou a como sua filha, não viu nada de maldade. Sua vida foi melhorando cada vez mais e como se não tivesse ouvido ouvido nada. E Valdemar depois conheceu Bruna virou um homem muito bom. Página 12


O DIA EM QUE O MENINO FOI AO CINEMA Caique Picceli Costa Daniel Guerra

Um menino chamado Rafael tinha 11 anos, tinha o cabelo ruivo e cacheado e nunca tinha ido ao cinema. Certo dia ele estava namorando uma menina ruiva, de

Pรกgina 13


cabelo liso e de pele bem branca, seu nome era Rafaela mais conhecida por Rafa, R na vilinha. Duas semanas depois, lá naquela cidadezinha uma inauguração de um cinema cinema novo, foi uma festa gigantesca naquela vilinha minúscula, e sabe como ele a chamou para ir? Foi assim: - Rafa ... - Que? Eu tenho dois ingressos para o novo cinema então... -Eu -Então, o que? -Vo-vo-você você que-quer que ir comigo? -Claro -Tchau chau até amanhã

Chegaram no dia seguinte lá no cinema à uma hora e só conseguiram entrar às duas horas. Era uma coisa linda que só vendo ,entraram, sentaram, e o filme estava quase começando quando o Rafael falou:

Página 14


-Ai caramba! Este cinema é tão bonito que me distraí e esqueci queci de comprar a pipoca. Ele foi até uma porta grande e marrom que estava escrito ’’PELO AMOR DE DEUS, NÃO ENTRE’’. O Rafael para ficar mais bonito para sua namorada, tinha ido ao cinema sem os óculos, ele leu uma coisa estranha e pensou ’’Deve ser essa’’ essa’ e entrou. Ele viu que era uma sala estranha com as paredes avermelhadas o chão verde com musgo por todo lado, no começo foi estranho, mas depois ele se acostumou. Ai voltou por outra porta que deu no cinema, ele viu que tinha um menino sentado com a sua namorada, ele ficou vermelho que nem um tomate, e foi até lá dando passos barulhentos e largos, chegando lá ficou fi ou paralisado, o menino era ele mesmo, e ele percebeu que ninguém notava sua presença ali, então que ele começou a passar muito mal. Até que ele teve a idéia de sair pelo mesmo lugar que ele tinha entrado. Ele saiu normalmente pela Página 15


primeira porta, quando chegou na segunda s percebeu que ela não abria e estava diminuindo e percebeu que tudo estava diminuindo menos ele, até que viu uma coisa brilhante no chão, era a chave. Abriu a porta e deu um salto pelos últimos espaços se deparando com o lanterninha, que disse: -O O que você está fazendo aí? O cinema já fechou! -Já-já es to-tou tou de sa-saída. sa -Humpf - a lanterninha bufou –Tááááááá, Tááááááá, dessa vez passa. E depois dessa experiência anunciaram no dia seguinte no jornal o desaparecimento de um menino, cabelo cacheado, ruivo, 11 anos de idade e seu nome era RAFAEL.

Página 16


A ESPINHA GIGANTE Julia Aires Labritz Maria Rita Silva Miranda

Havia uma menina muito patricinha que se chamava Lucicleide ela era uma menina muito bonita, mas em compensação ela era muito arrogante. Seu sonho era ir para Londres, no seu aniversário realizou-se. realizou se. Em Londres ganhou uma espinha em seu rosto. No começo nem aparecia, aparecia mas conforme me foi passando produtos sua espinha foi aumentando. Não dava mais para esconder. Um belo dia, a espinha de tão grande, dominou o mundo, quem tocasse nela iria ter apenas sete dias para tirar - lá se não essa pessoa iria morrer.

Página 17


Depois quando o presidente de Londres morreu por causa da espinha, Maurício [filho do presidente] resolveu acabar com a espinha gigante. Pegou

a

Lucicleide

para

tirar

a

espinha

no

laboratório dele . Era uma máquina gigante que ia tirar a espinha ,nem pra ser testado foi! De tão desesperado desesperado que estava Maurício . No meio da experiência mais doida da vida dela ,ela morre! Todos ficaram inconformados ,mas pelo menos a espinha parou de matar pessoas. E o mundo viveu feliz para sempre!!!

Página 18


A GALINHA QUE DAVA LEITE LEI Arthur Akira Leguiramon Leguiram Higashi Pedro Vilela Sbampatto

Havia uma galinha que adorava leite, só tomava leite. Era leite no café da manha almoço e na janta, tomava leite o dia todo. Página 19


Um dia a galinha botou um ovo. Todo dia ela molhava o ovo com leite, parecia doida, ou melhor, alucinada e depois sentava encima do ovo. Um dia o ovo chocou e de lá saio um pininho, sua mãe a galinha lhe ofereceu leite mais o pintinho recusou, sua mãe ficou espantada, lhe ofereceu de novo o leite, mas o pintinho não queria. A galinha ficou confusa porque não entendia o porquê de seu filho não gostar de leite como ela. A galinha foi envelhecendo e sua filha foi crescendo até que um dia a galinha morreu, e sua filha nem ligou para a morte da mãe dela. Um dia a galinha botou um ovo, ficou encima enc do ovo por um longo tempo e então chocou e dentro do ovo tinha leite e um velho fazendeiro notou e viu que aquela galinha não era normal, e que poderia se dar bem com aquilo. Então pegou a galinha e montou uma barraca com o anuncio que dizia “Venham e comprem ovos de leite”.

Página 20


As pessoas viram e estranharam e acharam que o fazendeiro estava bêbado, mais realmente ele estava bêbado não tinha nenhum ovo pra vender. Um camponês passou e viu e ficou interessado e resolveu ver do que se tratava. Então o camponês camponês que passava por ali notou o anuncio e foi ver do que se tratava. O camponês foi na barraca e disse: Eu quero um ovo de leite. -Eu -Desculpa, Desculpa, mas estão em falta - disse o fazendeirofazendeiro Mas se voltar outro dia quem sabe. -Mas Mas você acabou de abrir-disse abrir o camponês - Como você pode não ter nenhum ovo. -Bem Bem é que a galinha não botou mais ovo - Disse o fazendeiro. Sabia que isso era loucura - disse o camponês. -Sabia Então o camponês saiu da cabana com raiva.

E o

fazendeiro achou que devia deixar a galinha e continuar levando a vida. A galinha voltou para o mato.

Página 21


No dia seguinte não havia ninguém na rua onde o fazendeiro tinha feito à barraca. A galinha não estava bem, parecia estar doente, então caira no chão e morreu.

Página 22


O GUARDIÃO DA ARCA Fabrício Glingani Magnoli Murilo Bondezan Guimarães Pedro Rodante Vicente

Diz a lenda ou a história tanto faz,, que em 1447, Manuel Cabral e toda sua tripulação naufragaram no mar por motivos desconhecidos, desconhecidos logo depois de capturar a grande arca de Arku escondida pelos vikins em 1327 A.C. A. com Helena, a quarta caravela da frota de Pedro Alvarez Cabral, seu grande irmão. Página 23


Apenas uma carta restou que foi encontrada e colocada em operação ultra-secreta ultra secreta em 1996 pelo pe governo. Anos depois, dois cientistas comandam um grupo de especialistas para achar o navio, navio, segundo as informações da carta. Usaram brocas especiais para perfuração no gelo tentam identificar a caravela, achando que não tinham mais chance vão desligar desligar as brocas. Uma delas acaba ficando ligada e rapidamente detecta a caravela e eles correm em sua direção. Era o navio, lindo, chique e impecável. Eles levam o barco para ra o museu onde poderiam analisá-lo. analisá lo. De repente o navio pega fogo e sobra apenas a arca arca lá sem derreter. Nisso Jom Blak e Bob Jow, dois cientistas baixos, baixos nem muito gordos e nem muito magros, magros de cabelo espetado um de cada cor, cor entram no caso para descobrir descobri o acontecimento.

Página 24


Quatro anos se passam, passam e nem mais uma aranhinha aranhi que está aqui no meio m das páginas ginas desse livro agüenta mais ver esses caras investigando. Cansados, depois de quatro anos procurando a droga da razão de porque o incêndio aconteceu, sentam entam na arca e pensam consigo sigo mesmos: mesmos temos de ter esperança, e de repente a arca se abriu! abr Eles se levantaram levanta m já que estão em cima dela, dela e ela só abre se eles saírem, saírem e veem m que a arca é como uma passagem para um universo paralelo. paralelo Um tipo de fantasma velho, deformado, feio e sei se lá porque careca, sai soltando pum de lá, lá e começa a gritar com eles. - Cala a boca - Diz Jom Blak. - Cala você palhaço! palhaço Eu sou o guardião da arca! arca E suas mentes entes serão sugadas assim que perderem o desafio! - Desafio? Que desafio? - O desafio que eu vou lhes dar! Página 25


- Sério? - Sério! - Estou nem aí! í! Vai! Fala logo o desafio. - Bom primeiro... E o fantasma explica os desafios a eles. Eles conseguem e meio duvidosos perguntam. - Você ocê é o fantasma do Manoel Cabral? - É o que? Eu sou o guardião da arca, arca nada a ver v com o tonto do irmão do Pedro alguma coisa Cabral! - O que você fez com ele? - Bom... om... Digamos que ele não está est mais entre nós. n - Ele morreu! - Não, bocó, sua mente foi sugada! - Ah, tá! Então, Então tá bom, mas queremos que vá embora e nunca mais volte! - Tá doidão? oidão? Você está louco? louco Eu sou o guardião da arca! Não vou embora se não me matarem! matarem! Háháháháhá! E mais um monte de hás.

Página 26


Rapidamente Jom Blak dá d um tiro no fantasma risonho. Ele defende com um tipo de magia! magia Mas sofre danos. E começa a ficar nervoso. Jom blak acha dentro de da arca uma espada da e como última última esperança tenta matar o fantasminha camaradinha (a rima foi sem querer). quere Quando a espada é fincada ele dá d um berro desafinado! desafinado Sua pele escurece e ele explode. A arca some e os dois detetives vão para casa com cara de paisagem. BOM!!! Meus camaradas, camaradas minha gente, ente, meus leitores: a história acabou e a rima não rimou. rimo FIM!

Página 27


A NOVA BRANCA DE NEVE Isabela Lanças Fagundes Gabriela Galego Teixeira

Branca de Neve é uma menina muito bonita e delicada, tão sensível que vive as ordens da madrasta. Tão encantadora que o irresistível príncipe Léo L se apaixonou, pela doce menina! Página 28


Sua madrasta é muito o má e egoísta, que só pensa nela,, e sonha em ser a mulher mais bonita do reino. Ela tem um espelho que lhe conta todas as coisas que interessa. Um belo dia ela perguntou ao seu espelho: - Quem é a mulher mais bonita do reino? E assim, ele respondeu: - A mulher mais bonita, é Branca de Neve. A madrasta ficou com tanta raiva da pobre menina, que chamou seu amigo cabeleireiro Jojo, e mandou cortar os seus cabelos (da Branca de Neve). Jojo obedeceu às ordens da madrasta, e resolveu ir para a floresta, onde ela estava pegando flores. Como ele era muito sensível, ficou com dó de d cortar aqueles cabelos lindos e maravilhosos, e a deixou partir. Logo que a madrasta ficou sabendo que Jojo não cumpriu suas ordens, ela decidiu bolar um plano infalível. Enquanto isso, Branda de Neve, acordava no meio da floresta cheia de bichos em volta: vo Página 29


- Onde estou? Onde estou? - ela perguntava a si mesma. Estava tão cansada, que decidiu procurar um lugar para dormir. Andava, andava, andava, até que avistou uma casa GIGANTE, e decidiu entrar. A casa era uma verdadeira bagunça, e Branca de Neve resolveu solveu fazer uma faxina. A casa estava limpa, cheirosa, arrumada, até que Branca de Neve adormeceu na cama do menor, claro. Enquanto

isso

os

proprietários

da

casa

iam

chegando. OS GIGANTES: -Quem, Quem, arrumou a nossa casa? , ih... Tem alguma coisa estranha ai,, heim?heim exclamou um deles. - Vamos procurar, eu vou ao quarto. - exclamou outro deles. Eles procuraram, procuraram procuraram, até que um exclamou: -Achei, Achei, achei, tem uma estranha aqui no quarto. Branca de Neve acordou aos gritos do gigante: -Ou, Ou, o que esta acontecendo? Página 30


Branca de Neve e os gigantes contaram contaram uns aos outros a sua história, história, e acabaram ficando grandes amigos. Enquanto isso, o plano da madrasta já estava em prática: tica: Ela iria dar um chiclete envenenado para a Branca de neve, ela iria desmaiar, e se não recebesse, o beijo do amor verdadeiro até a meia noite ela iria morrer. No dia seguinte, Branca de Neve eve se despediu dos sete gigantes, e eles ele foram trabalhar... De repente aparece uma velha horrível e diz: - Olá,, a senhora deseja experimentar o mais novo sabor do chiclete Trident? - Se possível sim! - exclamou ela. -Mass não seja por isso, tenho uma amostra aqui na minha cesta. Então Branca de Neve mastigou, mastigou, mastigou, mastigou mastigou, mastigou, até que desmaiou. -Hahahahahahaha... ahahahahahaha... Meu plano deu certo! Página 31


E quando os gigantes chegaram a casa deles viram Branca de Neve eve deitada no chão morta. Mais o que era que eles iriam fazer?... Depois de algum tempo... , resolveram resolveram colocá-la colocá em um caixão de vidro mais não enterrar. -Vão Vão buscar o príncipe, só o beijo de amor verdadeiro pode salvá-la, salv mass a magia acaba a meia noite. Os gigantes correram até o castelo e buscaram o príncipe. -Beije-a, a, só o beijo de amor verdadeiro pode salvásalv la, e com certeza esse beijo é seu, o que está e esperando? O príncipe então, beijou-a, e ela acordou com um belo sorriso no rosto. E viveram felizes para sempre. sempre Ah! Jojo também se deu bem casou com Fefe, seu amor verdadeiro.

Página 32


PASSADO NO FUTURO Ana Luiza Greco Almeida Fernanda Greco Atie

Em 1.500, numa vila da Europa, havia um homem que se chamava Manuel e adorava espelhos. Um dia viu um espelho com uma moldura incrĂ­vel, mas quando a tocou, o PĂĄgina 33


espelho o puxou para dentro. E ele só foi ver a luz do sol numa manhã muito quente... Em 2.028... Onde havia um menino muito mal-criado, mal criado, chamado Victor. Quando estava no banheiro se trocando vê uma luz azul pela soleira da porta. Quando abre a porta avista um homem com roupas estranhas, e um cantil entrelaçado em seu corpo, parecia um sacerdote. O menino enino foi muito rude com o homem, mas o homem foi tão gentil com ele que começou a abaixar o tom de voz. O menino começou a fazer amizade com o homem, e ele contou sua historia. O levou para vários lugares, principalmente á um terreno baldiu que o homem estranhou stranhou dizendo: -Ontem Ontem mesmo aqui era um estribo! Mas o menino logo retrucou: -Dãrh

Página 34


-"Dãrh"!Você "Dãrh"!Você

veio

do

passado,

e

as

coisas

antigamente não existem mais. Como ser educado...! -Você Você nunca irá mudar, não é? -Mudar?...Quê? Mudar?...Quê? Manuel abaixou a cabeça e saiu andando a caminho da casa de Victor. O menino então "se tocou" de que ser rude não ajudava em nada. Victor saiu correndo atrás dele, mas quando chegou em casa Manuel não estava estava mais lá. Ele tentou entrar várias rias vezes no espelho, mas só o que conseguiu conseg foi um galo na testa. O menino sentou-se sentou se na cama e começou a chorar, pois perdeu seu único amigo. Aquele que o ajudou quando ele mais precisava.

Página 35


OS PODERES ESCONDIDOS NO BAÚ Camila Catellani Balazs Vieira Isabella Mesquita Mitre

Oi meu nome é Hanna, eu tenho 17 anos e eu tenho uma história inacreditável para contar para vocês! Tinha uma família muito especial, no Texas, bem... Vocês não vão acreditar, mas é verdade, eu juro! Voltando ao assunto... A família tinha super poderes! Mas a ela morreu pelos caçadores de super poderes... Página 36


Vocês não devem conhecê-los, conhecê los, vocês não têm poderes, ou tem? Eu vou começar a historia... Ah quase que eu me esqueço de falar para vocês que a menina era minha melhor amiga! Sinto falta dela... Bem voltando ao assunto à história começa assim:

Havia um casal que já nasceu com super poderes, eles se conheceram em 1962 salvando 50 pessoas de um avião

que

estava

preste

a

cair! Essa cair!-Essa

parte

do

acontecimento é de amor - Então eles se conhecem e namoram por um ano... Bem já era o de se esperar, eles se casaram, tiveram uma filha em 1991 e eu nasci em 1991 também... Eu me mudei para o Texas Texas faz uns 5 anos. Desde que cheguei eles já estavam aqui, aqui era a terra natal deles, a primeira pessoa que eu conheci foi a Jéssica (a menina com poderes), na escola ela era da minha classe, gente fina! Bons tempos! Eu era a melhor amiga dela e vice-versa. Página 37


A menina às vezes tinha uns momentos estranhos, mais isso não me importava gostava mesmo dela, ela não sabia o que acontecia acontecia com ela, quando Jéssica ficou mais velha seus pais contaram a ela toda a verdade, eles tinham escondido o poder da família em um baú, que Jéssica

teria

algum

poder,

ela

fazia

cara

de

desentendida, mas entendia tudo, e ela disse: - Então é por isso que às vezes me dá uma vontade louca de gritar o futuro!? - Já sabemos você pode ver o futuro! - Bem, e sabe por que nós escondemos nossos poderes no baú? -Disse Disse a mãe. - Não. -É É porque...Há pessoas contra esses poderes...poderes... Disse o pai. - Então vocês vão ter que que esconder os meus poderes no baú também? - Filha, sinto muito, mas acho que sim.sim.- Disse-lhe a mãe com uma cara de tristeza. Página 38


- Mas, eu não quero. - Jéssica diz isso com lágrimas no rosto. -Eu Eu já posso ter a minha própria opinião.Já tenho quatorze anos e daqui daqui dois anos vou ter dezesseis e vou poder dirigir...Ficar independente.’ - Não isso não é seguro.. - Vou fugir!- E Jéssica sai correndo em direção as portas dos fundos. -Não!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Não!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

-

disse

o

pai

e

a

mãe

desesperados! – está bem! Nos Nos não tiramos os seus poderes!-disseram disseram os dois correndo para porta. Ela parou, inspirou, bufou e esperou os pais. Eles chegaram e sugeriram; -Tudo bem, você pode ficar com os seus poderes, mas nos prometa que não vai usá-los usá los sem eu e seu pai sabermos e permitirmos! ermitirmos! -Ok, eu aceito! Bom, foi assim que a família dela morreu, pois ela usou seus poderes sem a permissão de seus pais... E foi assim que ela morreu, ela não era forte o suficiente para Página 39


usรก-los, los, ela morreu de fraqueza. Seus pais adoeceram, pela morte te de sua filha e o erro de nรฃo ter escondido seus poderes, mas depois morreram.

Pรกgina 40


REMÉDIO AMALDIÇOADO Fernando Palomera Ferrarini Spinola Jonas Bortman

Um homem bonito, alto, charmoso, loiro e olhos azuis, chamado Stifler foi à farmácia Droga Verde, para comprar um remédio: - Oi, quero um remédio importado do Iraque. - Aqui está, senhor. Página 41


- Quanto custa? - R$200, 00, senhor. - Por que tão caro? - Porque é importado! - Tá bom. Pagou e foi embora para sua casa, chegando lá ligou para sua namorada Kate, para ela ir jantar com ele a luz de velas, para tomarem vinho tinto e comer fondue. Quando ela chegou, Stifler estava com dor de barriga e decidiu tomar o remédio. Quando tomou ficou feio e gordo, então Kate falou: - Você é feio e gordo, não quero mais ficar com você! - Kate eu não sei o que aconteceu eu tomei o remédio porque estava com dor de barriga e fiquei assim. Kate foi embora chorando. Stifler se trocou rapidamente e foi ate a farmácia onde tinha comprado o remédio. Chegou e disse:

Página 42


- Moço, o, hoje eu comprei aqui um remédio e quando eu tomei-o e fiquei assim! -Senhor,

vendemos

o

produto,

não

nos

responsabilizamos pelas conseqüências. Stifler saiu nervoso da farmácia. Quando foi atravessar a rua foi atropelado e morreu.

Página 43


Contos Fantásticos