Page 1

Contos Fantรกsticos o. 6 Ano C 2009


Queridos Leitores, Este livro é o produto do Projeto de Leitura e Escrita de Contos Fantásticos realizado pelos alunos dos 6os. Anos de 2009 da Escola Projeto Vida, em São Paulo. Ao longo de três meses fizemos uma incursão pelo mundo da literatura fantástica. fa Oss alunos puderam passear pelos mundos criados por grandes mestres da literatura universal e nacional como Edgar Alan Poe, Gabriel García Marquez, Horacio Quiroga, Jorge Luis Borges, Murilo Rubião. Mas o que é o fantástico na literatura? Segundo Segund Filipe Furtado, "o o Fantástico é um gênero nero que questiona a razão, este é utilizado utilizad a fim de localizar o leitor em uma área flutuante, onde o sobrenatural e o insólito são potencializados não pela sua manifestação, mas pela tentativa

de

enquadrá enquadrá-los

em

esferas eras

racionais racionais"

(Furtado, 1980). Familiarizados e apropriando-se apropriando se das características do gênero, o próximo passo foi planejar, em pequenos grupos, as histórias que os alunos queriam nos contar. Durante o processo de escrita pedimos a ajuda do professor Matheus atheus Giovarotti,, que ministra as aulas de Artes Visuais, para que ele apresentasse aos meninos o fantástico através de outras artes. Neste momento as turmas tiveram uma aula especial sobre Surrealismo, e Página 2


receberam as primeiras orientações para realizar as a ilustrações dos contos. Escrever uma história não é algo simples, requer de cada um que se aventura a essa tarefa dedicação, concentração, inspiração, pensar sobre as palavras escolhidas, as imagens que desejamos formar nos leitores, como tornar a narrativa narrativa interessante. Os contos que vocês lerão são fruto de muito trabalho,

de

desafios

cumpridos,

porém

ao

nos

depararmos com o resultado final, tivemos uma sensação deliciosa de realização. Após várias escritas, reescritas e leituras chegamos aos textos que vocês terão o prazer de conhecer. Desejo a todos uma excelente leitura. Márcia Alves de Souza Ovalle Professora de Língua Portuguesa

Página 3


ÍNDICE DAGON

7

• Gustavo Vidal de Abreu • Leon Brandão Lauton

A FÁBRICA VIRTUAL

10

• Gabriel Bispo dos Santos • Guilherme João G. Montes

GUERRA DE GALFHT

19

• João Alex de Sá Bugelli • Lucas Jacob França CRIANÇ .27 NO CANTINHO DO UNIVERSO, O PLANETA DAS CRIANÇAS •

Juliana de Souza Costa

Vivian Barrinuevo Sakamoto

O ROUBO DO SÉCULO.

36

• Camila Carpi Correa • Lucas Magosso Moredo • Pedro Carvalho Ramos

SORTE E REVÉS

41

• André Machado Mattedi • Vinícius de Lima Aoyama Alves Página 4


VAMPIROS

E

HUMANOS

47

• Aline Mayume Saito Yamakado • Bárbara Casado • Giovana Rodrigues

VINTE E CINCO HORAS EM UM MUNDO MUNDO DIFERENTE 52 • Julia Peres Ávila • Lais Naomi Naraoka Taminato

VULCÃO EXPLOSIVO

62

• Gabriel Bispo dos Santos • Rodrigo torres Augusto Ferreira

Página 5


DAGON Gustavo Vidal de Abreu Leon Brandão Lauton

Era uma noite chuvosa, De La Cruz havia saído para caçar e eu estava sozinho aturando os bebês vampiros chatos que ficavam mamando e me pedindo dinheiro. -Me Me dê dinheiro seu pobre chupa-cabra chupa cabra fedido! – gritava Lucas, o bebê mais tosco e mercenário de todos. -Cala a boca! – gritei. Nesse momento ouvi um barulho de carro. arro. Não poderia ser o De La Cruz, ele não ia caçar de carro Página 6


Vi que na porta parava um homem de preto com uma arma em sua mão. Falei para os bebês se armarem, enquanto eu fugi por uma passagem secreta que levava até o túmulo vazio de Alfred De La Cruz, o maior vampiro de todos os séculos e pai de Victor De La Cruz. -De La Cruz! – eu gritava – Corra! -O O que aconteceu Guillermo? – perguntou De La Cruz aparecendo atrás de mim. -Um Um cara de preto, invadiu a minha casa... mas ele não parecia ser da polícia. – respondi. De La Cruz me puxou pelo braço e me jogou dentro de uma lápide. -Fique Fique aqui e não faça barulho. Eu já volto. – Depois de um bom tempo esperando De La Cruz voltou, mas junto com seu pai. -Leve Leve Del Toro para bem longe daqui – disse Alfred. De La a Cruz segurou em meu braço e me levou para minha casa. Acordei e vi De La Cruz parado ao meu lado. -Guillermo... Guillermo... finalmente acordou. – disse De La Cruz sem se virar para mim. -Você Você é um anormal, que tem um demônio dentro do corpo, e Isaacs quer matar esse es demônio. – disse De La Cruz. -E E como é possível matar um demônio? – perguntei, confuso. -Existem Existem dois jeitos de matar um demônio: é possível tirar o demônio do corpo da pessoa e matámatá-lo, e o jeito

Página 7


mais fácil é exterminá-lo exterminá lo dentro do seu corpo, mas você acaba morrendo junto. – explicou De La Cruz. -Então Então eu vou mo..aasshhhh – senti uma sensação de que eu havia morrido. -Guillermo! – gritou De La Cruz. Mas era inútil. O demônio já havia me possuído e eu não tinha mais controle sobre meu corpo. Você está muito diferente de quando -De La Cruz?Você nos conhecemos. Mas eu nunca te conheci, a menos que... você não me -Mas conheceu, conheceu o meu pai! -Então Então você não é Alfred, é o filho dele? – disse, confuso, o demônio. Nesse momento, Alfred De La Cruz apareceu no quarto rto e disse umas palavras numa língua estranha, até que o demônio começou a falar na mesma língua que ele. -Pai Pai quem é ele?ele? perguntou De La Cruz. O pai não respondeu, ainda continuava a falar na língua estranha. O demônio tirou uma faca de seu bolso. bolso -De De La Cruz saia daqui. Gritou o pai. Logo depois, Alfred começou a sufocar o demônio, que se transformou em um lobisomem e mordeu o vampiro. Os dois começaram uma luta sangrenta, e quando o demônio em forma de lobisomem foi esfaqueá-lo, esfaqueá seu corpo evaporou aporou e eu voltei a ter posse sobre meu corpo. -Alfred... Alfred... mate o demônio. – gritei, sendo sufocado pelo demônio que tentava tomar posse de meu corpo. Página 8


-Force-o o a sair, Del Toro, e matarei Dagon. – disse Alfred. -Aaaahh!!! – comecei passar mal, fiquei quente e senti algo evaporar de mim e meu corpo esfriar.Fiquei fraco e, desmaiei. -Guillermo, Guillermo, acorde. – ouvi a voz de De La Cruz, e abri os olhos. Victor, seu pai matou o demônio? E quem é Dagon? – -Victor, perguntei confuso. -Dagon Dagon é o demônio, e sim, meu pai o matou. – respondeu Victor calmamente. Pensei por um momento, tentando descobrir como foi a morte de Dagon. -Como Como eu queria ser vampiro, ou ter poderes legais, como você e seu pai. – comentei com Victor. -Mas Mas você tem – nesse momento Alfred apareceu do d meu lado. – não é qualquer um que consegue expulsar um demônio do próprio corpo e sobreviver. Você é um Anoptichthys, é de uma raça que tem poderes psíquicos, invisibilidade e inteligência muito avançada. – fiquei muito feliz ao saber que era um Anoptichthys Anoptichthys e que tinha ótimos poderes.

Página 9


A FÁBRICA VIRTUAL Gabriel Bispo dos Santos Guilherme João G. Montes

Em uma cidade muito distante, existiam dois amigos, Joseph e Clodovil.. Quando começavam a jogar computador entravam no “mundo virtual”, porque eles eram viciados em computador. Em

plena

segunda segunda-feira

oss

dois

amigos

combinaram de ir À casa de Ronaldo para jogar. Quando entraram no universo virtual o computador explodiu. Os dois ficaram chocados com o fato do computador ter quebrado. Página 10


Ficaram muitas semanas semanas sem fazer nada, nada pois eles só gostavam de jogar computador, quando um dia tiveram uma grande ideia de criar uma fábrica fá de chocolate que os funcionários eram robôs robôs por isso era chamada de fábrica virtual. Depois pois de muitos anos criando robôs, robô ficaram conhecidos no mundo inteiro como “Os reis da cocada preta”. Ficaram muito ricos com essa fábrica e um dia chamaram seus substitutos, porque eles ele iriam viajar para Nova York com seu jatinho particular. Chegando lá os jornalistas locais rodiaram os dois amigos gos cheios de perguntas, mas a pergunta que não quer calar era “Qual é o seu nome verdadeiro” - Clodovil dos Santos Pereira. Compraram uma casa gigantesca para morar com a família em Nova York. Quando sua família chegou, ele deu uma festa imensa, convidou convidou o Obama e muitos outros amigos de Nova York. A festa foi muito divertida com danças anças e músicas. músicas. Mas no final algo sobrenatural aconteceu, apareceu uma luz amarela dentro do quarto de Joseph. Ficaram impressionados com a luz que se mexia de um lado para o outro, olharam-se se um ao outro e viraram os olhos para a

Página 11


janela, e viram o Rusell um menino aventureiro da floresta e filho de Joseph. Quando chegaram no topo do dinheiro resolveram comprar um computador novo. Foram em uma loja que por fora era velha pequena ena mas por dentro era imensa e perecia ter um rio dentro da loja, loja pois para se locomover de um lado para o outro, eles andavam andavam de barcos, lanchas e jetski. Ficaram admirados com a loja, e perguntaram para um funcionário como ele tinha construído constru esta loja a com um rio dentro e jetskis jetskis e coisas assim. O funcionário rio disse para os dois que o dono tinha viajado e que aquilo não era um rio era uma espécie de rio trasnsparente, que tinha saído sa de um robô obô que tinha quebrado e saiu um líquido estranho do corpo dele, provavelmente era ácido eólico. eó Quando sairam resolveram voltar para sua cidade natal para relembrar sua infância, inf ncia, e como eram muito ricos falaram com o prefeito para ver se podiam reformar a cidade, o prefeito disse: -Tudo Tudo bem, vocês podem construir qualquer qualquer coisa, mas não destrua as casas. Combinado?

Página 12


- Combinado. Mas nós podemos fazer alguma coisa fántastica na cidade tipo assim: alguma loja flutuante, parques de briquedos divertidos (igual a Disney, D por exemplo) ou também construir uma loja com um rio ri dentro. Após muitos meses e anos reformando a cidade finalmente um dia acabou. Todos amaram a reforma e aquilo tornou-se se a ser um ponto túristico do Mundo ou até

uma

das

sete

meravilhas

do

mundo

(era

impressionante, fantástico fantá e magnífico). Os dois ficaram aram conhecidos de novo como “os reis da

cocada

preta”

outra

vez,

mas

agora,

estão

conhecidos no mundo inteirinho. Durante

anos

ficaram ficaram

conhecidos,

e

foram

aperfeiçoando oando seus conhecimentos a cada dia. Viraram atores de televisão, cinema cinema e muitas outras coisas. co Foram até lixeiro ros por causa de sua “reforma” na cidade, e até um dia eles pediam esmola no farol, farol mas até

hoje

eles

conhecimentos

estão na

vivos

e

biblioteca,

aperfeiç aperfeiçoando fazendo

seus

exercícios

físicos. Agora eles são mais ricos que o Bill Gates e compraram

a

Microsoft icrosoft

e

inventaram

novos

computadores. Página 13


Depois

de

tudo

isso,

muito

cansaço,

muito

trabalho, entraram em uma escola. O Clodovil era muito esperto, mas o Joseph era muito burro. Um dia o Clodovil cansou de estudar porque ser C.D.F. era muito muito chato, todos te zuavam, e ele não tinha nenhum amigo porque só estudava, deste dia em diante, Clodovil só começou a tirar notas ruins mas, por outro lado começou a ter novos amigos. Um dia chegou seu boletim a seus pais. Era tudo D-,, D, D+,

C, ou seja, seja, cansou de ser esperto

mesmo. Mas como era muito C.D.F. conseguiu entrar dentro do servidor da escola e começou a mudar suas notas, e seus pais acreditaram com o ele fez. Outro dia nós viajamos para uma casa no lago que tinha tudo, mais o filho não gostou gostou porque ele só jogava computador e lá não tinha energia mas ele tinha um primo doidão que o pai dele deu uma arma de paintball e alguns fogos de artificio, mas naquela cidade era proibido lançar estes fogos, porque era só para profissionais. Um dia, estava chovendo muito, ele, seu primo, e os gemeos que eram filhos do irmao do pai dele, os dois eram viciados em video game e uma dia sua irma Página 14


viu um jogo de alienigenas e a irma acho que era realista, ligou para o policial e denunciou o fato disto ser real. A polócia foi até a casa deles para dar uma multa para o pai pois aquilo era crime mas a mãe chamou o policial para jantar

em sua casa, o policial acabou

ficando e esqueceu de dar a

multa pela gentileza da

mulher mais do mesmo jeito ficou muito triste tris com a atitude das crianças. No final do jantar o doidão mostrou os fogos de artificio para o policial, mesmo sendo proibido o policial acendeu os fogos de artificio com seu esqueiro, com eles. Adoraram a noite que estava linda e os fogos também ajudaram m a noite ficar mais maralilhosa ainda. Depois de tudo isso uma noite noite muito cansativa e prolongada, eles foram dormir exeto exeto o policial que tinha que fazer ronda pela cidade. No dia seguinte todos acordaram bem tarde, tarde porque

estavam

com

muito muito,

mas

muito

sono.

Almoçaram, brincaram, e fizeram tudo o que poderiam fazer. Quando iram voltar para a cidade estava um temporal tão grande que não conseguiram ver nada e Página 15


acabaram não indo e só conseguiram voltar depois de muitos dias. Quando voltaram para a casa deles del perceberam que várias coisas tinham mudado, por exemplo, Clodovil que gostava tanto de eletrônico eletrô não usou muito a eletricidade pois usou vários briquedos que tinha quardado na sala de brinquedos e brincou muito até cansar e quando terminaram de construir constru viram que estava todo destruido pela irmã irmã nova deles dois. Eles brigaram muito com a irmã, irmã, pois eles queriam

contruir

uma

casa

gigante,

era

muito

importante portante para eles, eles porque eles iram participar de um festival que tinha na rua deles deles e também para o fera de ciências, ncias, e ele acabou não ganhando porque a irma tinha destruido metade to trabalho deles. Depois de tudo o que aconteceu, Clodovil e Joseph voltaram para a casa (mansão) descansaram muito e comeram muito e voltaram a trabalhar como todos. A cada dia ia o trabalho ia dificultndo e a cada dia eles iam ficando mais velhos e com mais cansaço, preguiça a e chatos pela idade. -Crianças, Crianças, saiam do meu gramado. Disse o Clodovil gritando para as crianças que de fato estavam no gramado dele porque logo depois ia ter uma festa de

Página 16


comemoração ao aniversário de Joseph e era o dia que os dois fundaram a fábrica virtual. Convidaram todas as pessoas da fábrica e os famliares e muitos outros conhecidos da rua, de outros países e dos pais dos amigos dos filhos deles que um ano antes deles irem á Australia, Clodovil teve seu filho Clodovil Jr. Cinco meses depois de irem á Australia Joseph levou seu filho Rusell a conhecer novos animais e novas culturas. No gramado da casa do Clodovil saiu um líquido com a mesma cor que terra, t quando Clodovil viu o líquido achou estranho aquilo porque não existia e nunca tinha visto algo parecido com aquilo, era de fato

estranho.

Quando

chamou

Joseph,

Clodovil

encostou o dedo no líquido para ver o que era, era gosmento, cheirava mau e se mexia. m Dias depois começou a sentir uma dor no dedo, quando viu seu dedo estava derretendo e começou a sair sangue azul e verde até ele ir ao hospital e fazer várias as cirurgias, mas de fato não aguentou aguentou e ligou para o Joseph que não iria voltar para casa e pedir um dinheirinho eirinho para ele comer seu último hamburguer com queijo e salada. Página 17


Então Joseph chamou a esposa de Clodovil para dar o recado para ela. Eles saíram sa ram correndo e foram para o hospital, mas quando chegaram lá Clodovil estava muito mau e morreu. Por isso a mulher de Clodovil se casou com Joseph e tiveram muitos filhos. Joseph ficou com duas esposas e feliz para sempre. Até té se separar das duas e se casar de novo com outra mulher, a mais famosa do mundo.

Página 18


GUERRA DE GALFHT João Alex de Sá Bugelli Lucas Jacob França

Em XXI a.C. começou uma guerra entra dois pais distantes

chamados

Luminera

e

Solaris.

Que

se

localizavam em um deserto nas ilhas de Galfht. O coronel de Luminera era Belfht que tinha dois filhos Astrel e Awssi que moravam em uma casa cas de madeira no litoral da ilha. Os meninos não tinham nada para fazer, pois estavam se escondendo das bombas e Página 19


tiros, pois eram muito novos para entrar para o exército como seu pai. Eles tinham que completar 18 anos para entrar. Como não tinham nada para fazer começaram a inventar uma história e essa história tinha monstros e um novo mundo. Essa história foi se passando, passando e passando ate que eles completaram 18 anos de vida e entraram para o exército. exército. Depois de uma semana foi a sua 1° guerra. Como equipamento eles tinham armaduras, escudos, espadas, botas, amuletos, anéis, capacete e calças. Cada roupa representava um Deus a armadura era do Deus Crow Armor, o escudo Medusa Shield, espadas Double Axe, Air Botes, amuleto Loss, anéis Ring of King, capacete cete Warrior Hellmet e a calça Knight Legs. Chegou o dia da guerra os exércitos estavam se alinhando para começar. Os dois coronéis vieram à frente eles deram o sinal: -Atacar!!! -Atacar!!! E assim a guerra começou, o coronel de Solaris mandou os arqueiros ros atacarem as flechas de fogo metade do exército de Luminera morreu. Mas os meninos conseguiram escapar, escapar mas o Awssi não teve muita sorte levou uma no braço esquerdo e deixou se escudo cair no Página 20


chão vem isso seu irmão Astrel correu para ajudá-lo ajud e então estava stava todo sangrando. Astrel o segurou no ombro em quanto lutava. Então pra piorar começou a chover granizo gigante. Mas continuou lutando com sua bravura e coragem ate que um granizo atingiu um amigo de Astrel e o levou para dentro da terra então também foi f socorrêlo, mas ele já estava morto. Eles começaram a ouvir um barulho ensurdecedor quem vinha de dentro de uma caverna. Então decidiram entram para ver, pois eram muitos curiosos. Lá estava muito escuro e molhado e caíram em um buraco, só depois de horas ras acordaram. Eles viram que não estavam em um lugar comum estavam em um lugar diferente ate que uma pessoa foi ate eles e fez uma referencia devolveram e então eles disseram: -Ola Ola meu nome é Tom eu sou um habitante de Ayanna. -O O que é Ayanna? Disse Astrel. Ast -Ayanna Ayanna é onde vocês estão, estão esta cidade, eu morro aqui já faz 10 décadas é uma cidade normal como as outras. Hei vocês estão com fome. -Sim. Sim. Disseram eles com presa. Então Tom os levou para sua casa aonde comeram e beberam enquanto quanto Tom contava a história hi ria de Aynna. Página 21


Depois Tom os levou para conhecer a cidade viram muitas coisas estranhas como bichos e monstros, mas o mais estranho foi que tudo que tinha lá estava na sua historia, mas acharam que era apenas coincidência. Depois lembraram que a cidade deles deles estava em guerra. E perguntaram ao Tom como saia de lá e então ele disse que só tinha um jeito eles tinham que passar dos Dragões, Behemoths, Demons, e Giant Spider e então podem sair não vai ser fácil vocês precisam se esforçar para conseguirem sair da caverna mais ninguém tinha saído de lá faz anos só uma pessoa e ele chama Belfht e agora ele para nos é um Deus. E depois nos nunca vimos ele mas ele foi o mais corajoso de todos os que tentaram saiam correndo. Mas vocês podem conseguir se vocês se esforçarem esf e treinarem todos os dias, mais não vai ser fácil. -Onde Onde podemos descansar agora. Disse Astrel com sono. -Descansar? Descansar? Disse ele desapontado. -Sim Sim descansar -Ué Ué eu achei que vocês queriam sair daqui. -Am... Am... Ta vamos começar, o que fazemos? Então tão ele o explicou e foram fazer o que o Tom falou que era para treinar matando os bichos que na verdade Página 22


eram mais monstros. Como eles já tinham pratica para o trabalho, pois seu pai os treinara para quando fizerem 18 anos poderem batalhar. Primeiro começaram começaram a matar bichos pequenos e depois bichos maiores mais isso demorou e o tempo se passava depois de meses eles já estavam bons mais não era o bastante para conseguir sair. Enquanto ficavam lá ficaram na casa do Tom até que um dia eles acharam que estava na na hora de tentarem. Tom não gostou muito da idéia. -Eu Eu não acho que é uma boa idéia. Disse Tom aflito. Não se preocupe conosco nos já estamos bons -Não para conseguirmos sair. Disse Astrel com coragem. -Eu Eu acho que é bom, pois

não podemos se

machucar. Disse e Belfht com um pouco de medo. -Ah Ah para com isso vamos. Awwsi mesmo com medo aceitou Mais sabia que não seria fácil e o caminho também será difícil mais Tom os ajudara se preciso o primeiro bicho era Dragon mais pra eles não foi tão difícil só tiveram alguns machucados mais estão bons, depois de passarem pelos Dragon foram para as Giant Spider e então que o perigo começou, eles começaram a levar muitos golpes e então quanto estavam quase desistindo conseguiram porem estavam muito Página 23


machucados e decidiram descansar quando ouviram um barulho e Tom disse: -Esse Esse barulho é de um, Behemoth ele pode estar próximo e melhor nos sairmos daqui, pois se ele conseguir chegar aqui pode matar-los. matar -Viu Viu eu disse que não era uma boa idéia, mas você insiste né. Disse Awssi Aw zangado. E começou uma discussão e decidiram ir embora depois de um tempo e o barulho ia ficando cada vez, mais alto. E então o som sumiu os meninos descansaram o dia todo, pois estavam muito cansados para treinarem então só treinaram no dia seguinte. E começaram a treinar mais regidamente,

pois

estavam

tristes

por

que

não

conseguiram sair durante seis messes. Só acordavam tomavam café e iam treinar ate a hora do almoço e treinavam ate depois da janta iam treinar ate não aquentarem mais. Ate que um dia dia uma bola de luz caiu e apareceram muitos bichos. E então eles lutaram ate a noite e conseguiram

derrotá los. derrotá-los.

E

então

conversaram

e

decidiram tentar de novo foram ate lá e quando chegaram conseguiram matar todos os

Dragons. Depois

dos

Drangons foram para as Giant Spider não levaram nenhum golpe mataram elas com coragem e sem medo. Depois Página 24


foram para os Behomoth que nunca tinham visto um e então ficaram com medo e começaram a matar mais. Não era fácil, mais depois de 10 horas conseguiram matar todos com sono e medo. E então chegou a hora de ir para os Demons eles respiraram fundo e foram. Eles começam a matar porem Awssi estava levando muitos ataques Awssi quase morreu. Quando os Demons foram atrás dele. Vendo isso Tom foi tentar ajuda-lo ajuda lo foi lá e entrou no meio eio dos monstros para atacá-los. atacá los. Tom começou matar mais fazia tempo que ele não treinava. E então depois de um tempo de muita batalha aconteceu uma coisa desastrosas. Tom morreu. Eles ficaram sozinhos contra muitos bichos. Estavam tristes e começaram a lutar lut mais forte e melhor, mas não era o bastante para derrotá-los. derrotá Quando estavam muitos fracos uma luz fluorescente apareceu e dentro dela saiu Belfht que voltou para ajudáajudá los a matar os bichos, pois era um Deus e era muito forte e poderoso. Matou todos os os bichos e os ajudou então Astrel foi ajudar seu irmão, Belfht curou-o curou o e já estava bom. Então eles o agradeceram: -Obrigado Obrigado pela sua ajuda nos estamos precisando. Disse Astrel.

Página 25


E os despediram dele. Pegaram uma pedra e quando abriram os olhos viram que estavam estavam na batalha na chuva que voltou a ser uma chuva normal Astrel e Awssi continuaram lutando. Para eles a guerra não foi difícil, pois tinha treinado bastante

quando

estavam

fora.

Depois

de

horas

conseguiram conquistar o grande palácio por eles terem matado a maior parte de seu exército tiveram a vingança de colocar o rei dentro de uma jaula com dois leões que não comem a uma semana. Depois foram para a cidade e terminaram a historia que estavam fazendo e contaram para o pai já sabia de tudo, pois quando ndo era jovem tinha acontecido com ele na sua primeira guerra. Então ele mostrou as suas primeiras armas que usou e então continuaram lutando ate que quando Belfht fez 76 aposentou-se, aposentou depois de 4 anos morreu e então os dois filhos mataram a cidade vizinha e a comandou e depois nunca mais teve guerra entre as cidades e a paz estava no ar.

Página 26


NO

CANTINHO

DO

UNIVERSO,

O

PLANETA

DAS

CRIANÇAS. Juliana de Souza Costa Vivian Barrinuevo Sakamoto

Bola,

peteca.

Lápis,

boneca.

Carinho,

pijama.

Escorregador, peão. Rio, Rio, Lama. Piscina, calção. Corda, Papel. Pulseira, Anel. Tanque de areia, Pirata, sereia. Pega - pega Amarelinha. Pique esconde, casinha. Patins Patinete. Chantili, chiclete. Caramelo, jujuba. Pirulito puxa – puxa. E Muita Brincadeira Já pensou? Tudo isso só para você e suas melhores amigas? Em um planeta com tudo e muito mais, sem Página 27


regras, hora pra acabar, legumes, e principalmente, sua mãe para mandar em você. Essa é a história de uma menina chamada Mandy Buston e das amigas Sarah Bubbles e Annie Bardo. Reuniram-se se para fazer uma noite do pijama, Na casa de Mandy. Essas amigas são muito graciosas, bonitas, curiosas, companheiras e fiéis. Sra. Buston, mãe de mandy se descreve em duas palavras: Mandona e Brava. Em uma fria tarde de outono, suas amigas acabavam acabav de chegar na casa de Sra. Buston: uma casa muito monocromática.

Cheia

de

regras

,

empregados

e

mordomos. Mobília cara. Típica de casa chique na capital da Rússia, Moscou. A pequena Mandy se arrumava no quarto. Penteava seus brilhantes e sedosos cabelos loiros encaracolados. Seus brilhantes olhos verdes cristalinos pregavam na linda nova camisola. Vestiu–a a quartos

sua

e enfiou rapidamente suas meias três

preferidas ao ouvir a campainha. Ao atender, sua

mãe reclamava: - Mandy Buston! O que você está pensando? pensa Como pode receber suas amigas, vestida assim desse jeito, sem combinar, você parece uma mendiga arco íris! - Ah, mamãe, me sinto bem assim, deixe de ser certinha! As cores estão na moda! Página 28


Annie entrava sorridente, com um belo vestido roxo rodado e Sarah, h, gargalhando, com um vestido rosa e um chamativo laço branco na cabeça. - Mas porque estão tão rindo assim? – interrogou Mandy – Por que estão tão energéticas? - Porque pensamos em um MONTE de idéias que a gente podia fazer hoje. Vamos brincar de escondeescond esconde, pega-pega, pega, amarelinha, cabeleireiro, maquiagem, vamos comer doces, vamos pular na cama e... - Mas NEM pensar! – já pensaram – Ninguem vai correr na MINHA casa! Voces vão acabar com meu jardim, sujar o chão de terra, e ficar suadas e fedidas! – interrompe Sra. Cascavel. Tristes, as meninas ignoram e voltam cabisbaixas para o quarto. Tudo que deu para fazer foi contar segredos, ver televisão, jogos de tabuleiro e brincar de casinha. Ao anoitecer, Cascavel logo reclama: - Meninas, Neste Momento. Jantar, Jantar, e não se esqueçam dos legumes, escovar os dentes, banho, pijama e cama! As meninas guardaram a bagunça e obedeceram.

Página 29


À Noite, mas bem tarde, muito tarde da noite, as meninas deitaram começaram conversarconversar Brincamos muito pouco – começou Annie – O Dia passou muito rápido. - Tudo por causa da sua mãe. Porque ela é tão mandona? – acrescentou Sarah - Não sei. – exclamou Mandy - Ela está estranha. Normalmente ela é mais brava. - Não Acredito! – disse Annie – sabe do que a gente precisa? De Um mundo. Só para nós brincarmos. Cheio de doces,

brincadeiras,

diversão,

jogos,

bonecas,

e

brinquedos. - Isso é verdade. Precisamos de um lugar só nosso. Um lugar onde possamos fazer o que quiser. Sem regras, hora pra acabar, legumes e verduras. Um lugar distante. Um Planeta! eta! “O Planeta das crianças”. - Sim! – Sarah Bubbles se animou - Se só nós soubéssemos onde fica. Ninguém descobriria, no canto do Sistema

Solar!

que

ninguém

pode

descobrir...

Imaginem. Do jeito que nós quisermos. - CAMA! – disse Sra. Buston. – já está tarde! - Já vamos! As Três sentaram e deram as mãos fecharam os olhos e imaginaram o lugar tão especial. Sarah Imaginava tudo como sua personalidade, tudo rosa. E tudo feito de Página 30


algodão doce, ou tudo muito fofo, ou tudo doce. Ursos Pandas, que era seu animal animal preferido. Pirulitos de morango para todo lado. Annie tinha quase o mesmo gosto. A única diferença, é que ela gostava mais, era de roxo. E seus doces preferidos eram chicletes. Já Mandy preferia as coisas muito coloridas, todas as coisas. Gostava mais de balas coloridas, mas é claro: Sra. Buston não deixava as meninas comerem nada assim. Assim, as três disseram ao mesmo tempo: - Um lugar... – parecia um coro – Nosso... – quando menos se imaginava, elas já estavam dormindo. Entraram em transe. Nada as acordaria. acordaria. Nenhum terremoto, nenhuma batida, buzina ou congestionamento, para ser mais esclarecido, as acordaria. De repente, como se fosse impossível, uma leve chuva acordou as três. Uma chuva diferente. Estranha, anormal, de outro mundo, cheirosa... saborosa, saborosa, colorida e muito boa. Chuva de doces! As três piscaram, piscaram mais, mais uma vez, até se beliscaram, mas a verdade era essa... Estavam em outra rua, em outro bairro, outro município, em outra cidade, em outro estado, em outro país, em outro planeta, planeta, em outra órbita. Era possível?! Verdade?! Um chão cor – de – rosa. Com textura Página 31


diferente. Fofa. Meio elástica. Como um pulapula pula. Mais estranho. Desafiava as leis da física. Elas pulavam como se não tivesse gravidade. Mas se mantiam no chão como se fosse e uma terra normal. Como assim?! Não era?! É. Não era. As três esfregavam os olhos sem parar. Era tudo como elas imaginaram Rosa, roxo, fofo, doce, pirulito, chiclete, bala, mais que isso. Doce para tudo quanto é lado. Cores, diversão e barulho. Um grande resumo de tudo isso nesse lugar: tudo que três crianças, ou melhor, crianças meninas, ou bem corretamente, três crianças meninas da capital da Rússia de oito anos desejaram. Sim. Tudo que você imagina. Então as três meninas se encontraram com uma enorme placa pl no meio do parque, no meio de tudo do estranho lugar. “Uma placa com letras grandes, chamativas e grossas, onde dizia: “você está no planeta das crianças” embaixo dizia: “Regras: Não é permitido regras nesse PLANETA. Muito menos adultos, e é obrigatório obrigatório ser feliz, se não suas vidas correm perigo”. Elas já estranharam, não por causa da última parte, mas sim que nem tinham reparado que estavam era em um PLANETA, longe da Terra, e longe até do seu país. Subitamente viraram e viram todos os planetas de seu Sistema Solar, como estavam aprendendo astronomia. Página 32


Contaram, repararam no tamanho, e tinham concluído que sua professora de ciências havia errado em alguma parte ao ensiná-las. las. Mercúrio parecia mais era uma bolinha de gude. Vênus parecia uma bolinha de golfe. golfe.

A Terra

parecia uma Bola de Vôlei cheia de formiguinhas andando. Marte parecia uma bola de tênis. Júpiter, como se não bastasse, uma enorme bola de Boliche. Saturno uma bola de Basquete. Urano, uma bola de Beisebol. Netuno, uma de handball, e a Bola que que estava mais perto, que já não é considerada um planeta: Plutão,parecia um disco de Rockey. Estranho, mas parecia que, como disse, desafiava as leis da física, pois não havia atmosfera no planeta, elas conseguiam ver todos os planetas, e o espaço. Sem pensar nsar duas vezes, brincaram

de tudo o que era possível.

Brincaram, brincaram mais, mais uma vez, e mais um monte de vezes. Brincaram e não se cansaram. Dançaram muito. Se divertiram, e quando percebiam que já havia se passado um dia inteiro, deitaram ofegantes, ofegantes, pensando em brincar mais. Já havia se passado alguns minutos e pararam para conversar, o quanto estavam solitárias. Pois só estavam as três no planeta. Por um momento se entristeceram.

Página 33


E como era proibido nesse planeta, o chão começou a tremer, um centro ntro começou a rachar, uma luz brotou de seu solo, e a cada momento a luz cintilava mais, mais, mais e mais, como se uma estrela estivesse nascendo. Piscava. Um leve arrepio correu em cada uma e o sangue pulsava cada vez mais rápido em suas veias. E a luz Começou a fazer um efeito de um raiar do dia. Ouviu – se naquele momento um estrondo muito forte, um barulho muito irritante, que atordoava nossos ouvidos, um despertador: “ trrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrriiiiim” Também ouviram a insuportável voz da Sra. Buston: B - Maaaaaaandy! Acorde nesse instante! Mande suas amigas descerem neste instante para tomar Café! Estou mandando! Melancólica a corrente que tomou conta do quarto. Desapontadas perceberam: Meu deus! Será mesmo?! Toda essa diversão não passara de um sonho?! sonho?! E toda a aventura eletrizante havia sido ilusão. Mas, ao lado de suas camas, nas cabeceiras, havia uma pilha de doces de todos os tipos! Como se fosse possível, no cantinho do universo, a mágica açucarada acontece fora da vida real, mas uma coisa é certa: no cantinho do universo, há um lugar só para as crianças: Página 34


O Planeta das crianรงas!!!

Pรกgina 35


O ROUBO DO SÉCULO. Camila Carpi Correa Lucas Magosso Moredo Pedro Carvalho Ramos

Estava com minha família dentro de um cassino com todoss os jogadores rendidos. rendido ”Se alguém se mexer me mato todos. Filho, pega a grana”.”Tá, grana”.” pai” vamos logo.Vamos peguei. Entramos na vã e explodimos o cassino.Meu nome é Antonio Todos que estavam lá morreram. Nós N s roubamos ro mais de 200 mil dólares. lares.

Página 36


Um mês depois, estávamos eu e minha mulher m de madrugada no o banco central de Nova York, Yor , roubando ro 30 milhões de dólares e colocando uma bomba para explodir este maldito cassino. Mas quando ia sair o alarme tocou, corremos orremos para o carro! Mas a polícia polícia já estava atrás há muito tempo, aceleramos o carro rro e começou a perseguição. amos marido, marido acelera. Eles les estão na nossa cola”. - Vamos Depois de uma preseguição horrenda paramos em um posto para abastecer. abastecer Foram oito horas oras direto, mas o detetive Antonio ia me pegar, mas eu não ia deixar. Estávamos no Texas, Te , de repente ouvimos a sirene de um carro de polícia. Entrei Entrei no carro com a minha mulher, e deixei uma granada no chão, chão uma surpresinha, surpresinha e explodimos o posto, posto, foi como uma bomba nuclear. nu Mas o problema era maior do que eu pensava, pensava tinham tinha muitos carros, eles começaram a atirar, atirar e um único tiro acertou minha amada mulher, não tínhamos como estancar pois o tiro foi em seu ombro. Ela infelizmente morreu, não havia como enterrar enterra seu belo e sensível corpo. Então a deixei na estrada para tirar o peso de minha consciência, cia, e continuei a minha fuga! Estava um Sol de rachar, e meu carro não tinha mais gasolina, e o único posto da região, regi por um acaso explodiu. Andando, ou melhor, melhor rastejando encontrei por ali perto uma pousadinha. adinha. Eu estiava sem dinheiro, o dono da pousadinha não queria deixar eu ficar, eu sem querer Página 37


deixei cair o seu troféu de boliche em sua cabeça. cabeça Ele, morreu de convulsão, convulsão depois fiz uma fogueira com seu corpo, e os hóspedes de continuação continuação para o fogo não abaixar. Mas Helena, filha do dono da pousada, ligou para a polícia e depois a peguei por trás e lhe dei um beijo junto com um tiro em sua cabeça. Rapidamente eu fugi na moto, de seu amado pai. Mas, não foi o bastante para fugir da polícia, cia, pois eles eram muitos, muito , me taquei da moto e cai em um canil cheio de pit bul que me rasgaram rasgaram a pele. Saí vivo. Cruzei com a dona do canil, em seu carro carro ela era velha acabada com uns 80 anos. Aproveitei e pequei seu se carro, e deixei ela lá com 10 quilo de ‘’tnt’’ E estava com a detonador na mão sai de perto e cabum - desintegrei sintegrei-a a e sai rindo. Mais uma pista eu deixei para a polícia, polícia, com marcas de explosão. Depois de dois longos anos, eu já j estava casado com uma vida linda muito boa. Novamente tive dois filhos um casal de gênios. Katarina e Matheus. E minha ha mulher, Luciana que era doce como o mel e linda como a noite, mas não tive tempo, pois a polícia estava atrás de mim porque p já estava envolvido com drogas, e também também já tinha roubado um banco muito famoso em Tókio onde eu estava morando. Mais 30 dias se se passaram e foi como fugir da minha mãe para não apanhar apanha mais da minha inha mãe não a polícia.Agora a situação era muito séria, sé mesmo a polícia

Página 38


de 15 países estavam atrás de mim. Hum, quanto eu soube dei risada. Mas não ligava. Quando meus filhos fizeram 3 anos a minha esposa morreu com uma bala perdida perdi na cara. Chorei orei como nunca. Fui matar o folgado fol Eu fui preso, era só uma armadilha: minha mulher era policial ,mais acabei de me dar um tiro no ombro. Não adiantou ela me pediu desculpas mais não adiantava meu amor por ela era muito grande mais não me convenceu. A matei assim que sai do hospital, e os meus filhos foram comigo. Seguir a vida que eu nunca queria para eles, eles mas fazer o quê??.. Do mesmo jeito, eu os amava. Mas um ex amigo meu, era policial ele atirou neles mais só minha linda filha resistiu, infelizmente o meu filho morreu. Fiquei com com muita raiva tirei o meu revolver revol e comecei a atirar nos policiais,matei dois menos o capitão Maik. Fugi com minha filha no banco de traz sangrado infelizmente ela não resistiu e morreu.Corri para meu AP e peguei o meu jatinho e fugipara fugi Madagascar. Consegui escapar, escapar mas eles já sabiam onde estava. estava Quando uando desci no aeroporto eles já estavam lá. lá Saquei minha metralha,, pulei atrás de um banco, e comecei a atirar e vários os inocentes morreram. morreram Continuei ntinuei atirando, atirando pois pensei eu ainda tinha a granada. Então a ataquei para não deixá de lado.Voaram lado.Vo muitos policiais e um caiu em e cima de mim todo arrebentado e queimado,mais não foi Página 39


suficiente então apelei corri atá at a saída. Quinei uinei um louco e roubei um carro e acelerei. Consegui fugir por pouco tempo, eles ainda estavam atrás de mim. Brequei o carro e entrei em um restaurante para me esconder, entrei lá como alguém normal, mas os estúpidos policiais invadiram o restaurante também,me também,me viram e começaram a atiram ,as pessoas que estavam lá l morreram por balas perdidas.Eu sai pelos fundos sai de fininho sem que eles percebessem. Quando eles perceberam foram atrás de mim ,mas ai eu já estava longe de la pegando o navio para a África Áfric do Sul. Foram oito horas de viagem quando cheguei chegue decidi que eu tinha me cansado ca de fugir, então me taquei na turbina de um avião com cem quilo de tnt.

Página 40


SORTE E REVÉS André Machado Mattedi Vinícius de Lima Aoyama Alves

Naquele dia, como todos os outros, outros, ele não sabia que sua vida estava preste a mudar. Pensava que aquilo era normal, perder na loteria, ter um salário pequeno e seu carro não funcionar. Era roubado todo mês exatamente no dia do pagamento, ainda bem que guardava metade do dinheiro no banco! Página 41


Ficou surpreso quando foi seqüestrado e foi jogado no mar e ficou à deriva durante 10 dias, no dia 11 ele avistou

um

redemoinho,

tentou

nadar

na

direção

contrária, mas não deu certo, ele morreu no dia 15/4........ -Ei Ei ! Eu não morri estou aqui, na minha casa, com meu azar e tudo mais.-Disse Disse eleele Naquele dia eu desmaiei com uma luz dentro do redemoinho, e parece que a cada dia eu tenho menos azar. Ele tinha ganho na loteria!!!! Comprou um carro novo!!!!! E foi promovido a gerente de sua empresa!!!!! empresa!!!! E sempre quando acontecia algo de bom ele via aquela luz! E começou a investigar o que era aquilo, procurou em sua cidade inteira (que era muito grande) E tudo o que encontrou foi a luz dos postes e o farol dos carros, no final do dia. Uma noite, enquanto enquanto ele estava dormindo, a luz entrou na sua casa, e quando ele acordou viu um pote de ouro na sua cama e uma mensagem escrita com letras estranhas que mais pareciam triângulos e foi direto para um tradutor (Ele não era burro) e o tradutor traduziu rapidamente idamente ( Ele era tradutor, só faltava ele errar) e o homem correndo para casa pensando... pensando.. errrrr o escritor ficou com câimbra,, então teremos que esperar em como

Página 42


deixar aquele demônio calmo, ele deve estar muito bravo, pensou. No dia seguinte ele se levantou levantou e não tomou café ou escovou os dentes, foi direto para a loja de magia e comprou uma oferenda, e a levou para o demônio ele (o demônio) não gostou do presente e lançou uma maldição no homem, e disse “Se você me der mais um presente de humano você morrerá rrerá na mesma hora, eu quero o cetro de Odín ! ”. O homem não sabia o que fazer, não sabia como sair da cova do demônio, pois a porta foi soterrada de terra quando ele entrou, e também não sabia como encontrar o cetro Odín, então perguntou para o demônio: demônio: -Onde Onde encontro esse tal de cetro de Odín? -Lá! – Disse o demônio. -Lá onde ?- perguntou o homem. -Lá, Lá, na montanha de Odín! -Nome Nome original... original - ironizou o homem. -Não ironize Odín, Mortal!!!! -Então, Então, esse tal de Odin é real. -É É claro, e não é Odin, é Odín. -Tá bom! E ele saiu de lá correndo para chegar o mais rápido possível, pois o demônio havia dado a ele somente um dia Página 43


para chegar em sua cova com o cetro. cetro E você leitor deve estar se perguntando, como ele saiu da cova?? cova?? O demônio fez um buraco na porta suficiente para o homem passar. passar Continuando ontinuando a história, ele estava indo para a montanha de Odin, quer dizer Odín. Quando chegou na porta do castelo (de Odín) ele bateu, mas não teve resposta bateu de novo, e de novo não teve resposta, então arroubou(com oubou(com o pé é claro) a porta do castelo (de você sabe quem) e entrou(é claro!). Lá dentro ele encontrou três portas ele entrou na do meio, e lá encontrou uma estátua e disse : - Deve ser de Odin. E se ouve de longe o demônio: - É Odín, Odín, com acento!!! acen “É melhor eu não falar mais nisso”,pensou o homem nervoso. Saiu da porta do meio, e entrou na porta da direita e viu Odín e lhe pediu o cetro. Odín lhe deu um desafio, sobreviver 45 dias no mundo dos mortos, e ele aceitou. O mundo dos mortos era horrendo horrendo e só se via destruição

e

medo,

os

serviçais

da

morte

eram

horrendos, tinham capas e luvas e não mostravam seus seu corpos,, a única coisa que se via era seus olhos vermelhos cor de morte, tinham um bico pequeno que só podia ser visto quando olhavam, e tinham tinham foices pretas e quando as Página 44


balançavam o ar viçava gélido e uma fumaça negra se soltava no ar , dentro de suas luvas se via um relevo que pareciam ossos, suas luvas eram totalmente negras e capas

que

flutuavam

rasgadas

e

totalmente,

inevitavelmente NEGRAS NEGRAS , se deslocavam flutuando mesmo tendo pernas, e quando passavam perto dele mostravam seus olhos e só paravam de olhar para ele quando ficavam a mais de um metro de distância tinham no segundo dia ele como refém e disseram a Odín com a sua voz gélida como o o Ártico: -Queremos mais serviçais para nós!!! -Não! Nenhum serviçal até ele passar no teste, e não o matem, senão vocês vão sofrer ao mesmo destino!! E as horas passam como se fossem anos e os dias como se fossem séculos. Quando faltavam apenas dois dias, ele já estava louco e se comportava como um monstro. No último dia uma porta branca se abriu e uma voz saiu de lá: -Você Você tem um dia para passar por essa porta e se salvar. O tempo estava quase acabando quando uma pedra caiu na cabeça dele e ele recuperou recuperou sua consciência e começou a correr até o portal, e por muito pouco passou na borda do portal quando ele estava fechando. Voltou a Página 45


Odín e pediu o cetro, Odín lhe deu mas disse para usa-lo usa com respeito e o homem se salvou mas disse exatamente isso para a o demônio: -Tome Tome o cetro, mas não quero mais a luz, eu quero que todas as pessoas do mundo tenham no mínimo um pouco de sorte.

Página 46


VAMPIROS E HUMANOS Aline Mayume Saito Yamakado Bárbara Casado Giovana Rodrigues

Eu estava vivendo um dia normal, fui à escola. Fui para a diretoria por ter ameaçado uma menina à morte, aquela garota tinha um cheiro de sangue bom (doce), o nome dela é Kisten. Fui para a aula e o professor me mandou, sentar ao lado da Kisten.

Página 47


No final da aula saí desesperadamente, pois, p não podia sentir o cheiro do sangue da Kisten - aquele aroma maravilhoso. Fui para a minha casa, casa, estava com sede então resolvi caçar. Acordei de manhã pensando em Kisten. Depois disso não fui para a aula durante vários dias, dias não agüentava sentir aquele aquele cheiro de sangue, sangue em meus 107 anos de vida nunca senti um cheiro de sangue como aquele antes, antes, eu precisava daquele sangue mais do que ninguém. Acordei de manhã, fui para a aula tive que sentar do lado da Kisten, resolvi me apresentar: -Oi, Oi, peço desculpas desculpas por não ter me apresentado na semana passada, é que fui viajar com a minha família. -Você Você está diferente, o seu olho mudou de cor, cor por quê? Eu saí correndo, não respondi a pergunta dela, dela se eu respondesse a pergunta dela ia ser mais um passo para descobrir cobrir que eu era um vampiro, tinha medo que as pessoas descobrissem o que eu era, tinha medo que me tratassem diferente ferente pelo fato de eu um ser um vampiro,, medo de sair daqui dessa cidade ensolarada, ensolarada cheia de árvores, e muitos animais e insetos. insetos Aqui era um m local perfeito para se caçar, caçar aqui era um local com mata fechada, um dos melhores lugares para caçar ninguém nos via, pois po onde a gente caçava era em um Página 48


local muito perigoso, perigoso tinha animais em que somente com uma mordida em seu pescoço pode arrancar e matar a pessoa. Fui para o hospital encontrar o Crapen para contar a ele o que aconteceu na escola com a conversa com Kisten,, para o alertá-lo alert lo que já descobriram que o nosso olho muda de cor. Entrei rápido no hospital, nem deu para ouvir as vozes “Bom dia Patisson” que falavam às às pessoas que trabalhavam no hospital. Logo perguntei onde estava Crapen. Ass pessoas nem responderam, responderam, mas nem era preciso de respostas, respostas em poucos segundos ele já estavam na minha frente, frente logo começamos a conversar. -Crapen,, vamos sair sair daqui, não dá mais, já começaram a descobrir quem somos nós. – disse-lhe com presa. -Não, Pattison on não dá. d – disse-me como se não tivesse mais nada para fazer. -Como Como não dá? Se Se descobrirem quem somos nós, vão querer nos matar. matar Não ão vai dar mais para nós n ficarmos aqui, ou em nenhum outro lugar -Não Não vai dar Pattison. - Disse ele nervoso. No dia seguinte fiquei o dia inteiro com Kisten. ela fez outra pergunta estúpida.repetições estúpida.repetições De noite em casa falei para Crapen que não n dava para ficar nessa cidade, por causa de Kisten que logo ia descobrir os monstros que nós somos, e daí não ia Página 49


dar mais para viver matando e iríamos ir amos morrer de sede. No dia seguinte, na escola reparei que Kisten era er mais bonita do que eu pensava, e tentei puxar conversa. -Oi – faleii não muito animado com a conversa . Não sabia se puxava conversa, pois a Kisten não falava nada, ela ficava mais silenciosa. Foi quando eu percebi que pedir a Kisten como a minha namorada não era uma boa ide id ia, pois de qualquer jeito eu ia estragar tudo, do, de qualquer forma eu a mataria. Contei para minha família de umas 8 pessoas todas vampiros assassinosassassinos que Kisten iria morrer. -Não Não Pattison, Pattison deixe que Kisten viva mais um pouco, pois a vida dos humanos é curta, e passa muito rápido, a cada a segundo, segund a cada minuto,, a cada hora, a cada dia, a cada semana, a cada mês e a cada ano, eles estão mais perto da mortemorte disse ele como se ele ia morrer fora Ao chegar à escola chamei Kisten para fora. Antes que ela falasse fala algo minha família chegou do teto, das portas tas e do céu, céu, para poder vigiar . Foi logo que eu fui mordê-la,, olhei bem no fundo dos seus olhos, e cravei meus dentes em seu pescoço. pescoço Comecei a chupar aquele sangue doce.

Página 50


Depois que eu chupei todo o seu sangue, levei-a levei para um penhasco para jogรก-la, jogรก para ra nรฃo lembrar mais dela .

Pรกgina 51


VINTE E CINCO HORAS EM UM MUNDO MUNDO DIFERENTE Julia Peres Ávila Lais Naomi Naraoka Taminato

-Fe, Fe, Luca, venham aqui! -Já Já estamos saindo! -Para Para onde vocês vão? -Nos Nos vamos no... -Ah!Já Ah!Já sei!SPA ante Fernanda nojenta e gosmenta!!! gosmenta! -Seu Seu tonto! Manheee! -Já Já chega! Parem os dois! -Vamos Vamos voltar meia noite e dez quero vocês na cama. - Mãe, o Felipe já esta chegando. -A A Laura também. Página 52


-O que? -Ok, Ok, mas onde eles vão dormir ?? -Mãe Mãe relaxa que a Laura vai dormir no meu supersuper quarto, já o Felipe tenho dó,vai ter que dormir no chão, mas bem provável que ele tenha que dormir na varanda e acho que o Bob fez xixi lá. -Sua Sua patricinha! -Melhor Melhor ser patricinha do que ser um lixo igual a você!! Se vocês continuarem a brigar ninguém vai dormir d -Se aqui. -Ta bom mãe. -Já Já estamos indo. -Tchau beijos. Depois de um tempo Felipe e Laura chegaram.Eles se divertiram muito e quando viram já eram era dez horas,todos subiram para os quartos e fecharam as portas. -Fe, você pode trazer um copo se água para mim?? Por favor!! -Claro Claro tudo bem Fernanda desceu as escadas foi a cozinha e pegou dois copos de água e bolachas e o telefone tocou. tocou Claro que Fernanda atendeu, era a polícia -Não Não fui eu, não fui eu juro sempre fui boa garota -Não Não é nada disso. Por um acaso você é filha do Sr.Akamatsu. -Sim Sim com muito orgulho, sabia que ele é dono da Apple! E sabia que... Página 53


-Claro Claro que eu sei disso, eu devo muito para seu pai... -ótimo é só isso?Minha Minha amiga está me esperando! -Acho Acho que sua amiga vai ter que esperar espe mais um pouco -Por quê? - Teve um incêndio no Teatro Municipal Municipal e seus pais estava lá, infelizmente ...Sinto muito seus pais morreram. -Quê?! Quê?! Isso é mentira você é adulto não pode mentir você é nosso exemplo. -Não Não é mentira. mentira Sabem abem que eu queria que fosse seus pais fomos ótimos amigos . -Tutututututu Tutututututu -Alô? ? Tem alguém Ai? Fernanda desligou o telefone e foi procurar seu irmão. Quando ela deu a na notícia,os not ,os dois entraram em desespero,depois contaram para seus amigos e foi um desespero total. Depois de um tempo algum a campainha tocou : Era a polícia e o orfanato. Olharam pelo olho mágico e começaram, a gritar. Pensaram Pensaram rápido e pularam pela janela e foram para a casa de Felipe e* Laura*.Não contaram nada a mãe de Felipe e foram para os quartos dormir. No dia seguinte foram para a escola como sempre. Aula foi normal como sempre na hora da saída o negócio começou a ficar feio,várias feio,vá pessoas do orfanato foram lá na escola procurar por eles um dos enfermeiros gritou -Os Os achei, achei-os achei Página 54


-Fujam! Como o os quatro eram muito rápidos conseguiram fugir, pularam o muro do colégio e saíram correndo pela rua a fora, nisso entraram num beco sem saída. De repente nte quando eles viraram para trás encontram velhinho inho magro com barba branca. -Olá crianças, venham COMIGO CO -NÃO NÃO nos sabemos que você e do orfanato e quer nos levar!!!! O velhinho estendeu a mão e falou -Eu Eu sei que vocês estão infelizes aqui venham comigo. Me encontrem na rua BRANCO DE TORRES, TORRES, número 153. Mas prestem atenção no que eu vou dizer agora: me encontrem m nesta rua às à 25:00. -Você está louco?! Perceberam que o velinho tinha desaparecido. Foram para a casa de Laura, comeram estrogonofe de carne e beberam coca-cola. cola. Enquanto comiam Laura pensava atentamente no que o velinho havia avia dito a eles. Laura L disse a ele que ela não queria abandonar sua família. Mas Fernanda disse que iria de qualquer jeito Luca e Felipe concordaram com ela.Na hora que eles iam começar a brigar acharam um papel escrito pelo velhinho:Crianças vocês devem estar pensando que que eu estou louco, lo mas não estou. Vocês terão que ir de qualquer maneira!!! -Mas por quê?!--disse Laura -Eu Eu vou, para esse lugar não quero ficar aqui - Nós também Página 55


-Ta Ta bom eu vou só por sua causa Fe Assim arrumaram as malas e foram para a rua Branco de Torres, número 153, só que quando eles chegaram che não encontraram essa casa 153, pensaram que ele estava louco. Quando iam deixar a rua apareceu uma pessoa atrás da fina neblina era um lindo e maravilhoso adolescente da mesma idade deles -Oi, Oi, tudo bem com c vocês? Desculpe--me nem me apresentei eu me chamo Danilo sou neto do velhinho que vocês conheceram hoje. Não se preocupem com essa viagem cada hora aqui é um dia lá,e seu pais nem vão perceber porque eles iram ver uma miragem de vocês tudo o que vocês fazem,comem... fazem,comem... Eles iram fazer a mesma coisa. -Tchau, Tchau, boa sorte, adorei conhecer vocês. Principalmente você Laura... Você é muito... -Epa, espera ra ai, ai respeito com a minha Irma! - Desculpa esculpa Laura -Tudo Tudo bem, mas tem uma coisa que eu ainda não entendi! -O que?? -Olha- nos já estamos na rua mas tem duas coisas faltando... A primeira é que seu avôo ôo nos disse que era pra nóss encontrarmos nessa rua 153 só que não existe o numero 153 dessa rua só vai ate o numero152e a segunda é não existe a hora 25 seu avô av está LOUCO!!! CO!!!

Página 56


-Ele não está, mas ele confundiu as coisas e não tem nada haver e para vocês entrarem na casa 152 abrirem o guarda roupa e pularem lá dentro - Credo redo pular dentro do guarda roupa sai fora - Confiem onfiem em mim -Ta bom - disse Laura com um olhar de apaixonada. Quando eles se deram conta Danilo tinha sumido igual a seu avô ô .Eles entraram na casa, abriram amo o guarda roupa e pularam dentro, quando abriram os olhos estavam em um lugar totalmente diferente de onde viviam,havia flores animais lindos como como micos leões dourados, dourados baleias, onças pintadas,urso panda entre outros.Enfim era um lugar maravilhoso. - Que lindo!!- disseram disse Laura e Fernanda ao mesmo tempo! De repente ouve-se ouve uma voz - Gostou ostou Laura ? fiz tudo isso pra você - Que fofo –disse disse Fernanda Fern - Fofo ofo nada para de dar em cima da minha Irma - Tá bom, ta bom Eles andaram muito, muito mas tudo valeu a pena, pena porque no meio do caminho eles encontraram um lindo lago com cachoeira e tudo limpinho! Com várias árvores rvores com frutas e também encontrarão dois dois lindos cachorrinho.Laura e Fernanda pegaram os dois com muito carinho com cara de mamãe coruja - Que ue nome vamos dar a eles?

Página 57


- Eu u já sei. já que o meu cachorrinho e menino eu vou chamá-lo de BOB- disse Fernanda - Eu u também já sei, sei, o meu cachorrinho, ops a minha cachorrinha é menina, então o nome dela é ESMERALDA -Que Que fofo o seu cachorrinho Fe - O seu também Laura - Nossa eu estou morrendo de fome- disse Lucas e Felipe -Tudo udo bem,peguem as cestas e comecem a colher as frutas – disse Danilo Que e cestas? Disseram todos eles -Aquelas quelas ali perto dos cachorrinhos Felipe e Lucas saíram correndo pegaram as cestas e começaram a colher - Que loucos- disse Fernanda e Laura rindo Depois de colher as linda frutas começaram a comer - Que delícia - Nunca unca vi nada igual Quando acabaram de comer os meninos viram um enorme campo de futebol, não pensaram duas vezes foram para o campo jogar uma partida. Danilo olhou para Laura, Laura e Laura para Danilo, Fernanda ernanda percebeu e falou: -Bom Bom eu vou deixar os dois dois pombinhos apaixonados aqui,vou dar uma volta por ai depois e eu volto. -Fe! Depois que Fernanda foi embora embora eles ficaram meio sem graça, mas depois eles se acostumaram,quando de Página 58


deram conta já era noite os meninos e Fernanda chegaram - Aqui e o Maximo !!!!!!! - Onde nde vamos dormir?? -Calma Calma ,vamos na minha casa ,na minha não na do meu avô Eles foram andando, quando viram a casa quase caíram ,ela era enorme.quando entrarão a casa parecia 10 vezes maior. odem escolher o seu quartos. - Podem - Esta bem- disse dis eles - Fernanda posso pedir uma coisa? - Depende epende se for o resposta da prova de língua portuguesa não -Não Não é nada disso você pode dormir coma minha Irma porque eu tenho certeza que o Danilo vai dormir com ela! -claro claro não tem problema nenhum -Assim m eu fico mais calmo Depois de jantar e tomarem banho todos foram para a cama dormir. No dia seguinte quando acordaram Danilo estava no corredor dos quartos,Fernanda e Laura abriram a porta na mesma hora que Felipe e Lucas. - Hora ora do café da manha Eless desceram escada abaixo tomaram café depois saíram para brincar se divertiram muito se sujaram pra caramba. Voltaram oltaram para a casa de Danilo e tomaram um belo banho. Na hora da janta Danilo falou que eles teriam

Página 59


que ir embora porque as miragens não durariam muito tempo. eu não quero deixar esse lugar não quero te deixar -eu Danilo! - Somos omos de mundos diferentes diferentes não posso ir de novo para a terra, não sou um humano sou um Laura saiu correndo e corando ao mesmo tempo e Fernanda foi atrás da amiga. Elas entram no quarto e Fernanda começou a cantar até sua amiga dormir ,no dia Fernanda e Laura se arrumaram e foram tomar café da manhã manh ,Felipe e Lucas já estavam na mesa. Danilo tentou conversar com Laura mas ela o ignorou na hora de ir embora eles nem sabiam como voltar para casa -pulem pulem dento do lago, lago vão até a cachoeira e dentro dela haverá um porta. porta Entre tre nele e vocês irão acordar na sua casa dentro do seu quarto deitados na sua cama, cama .mas antes de irem eu tenho um presente para vocês, vocês é um pó mágico com ele você você pode pedir qualquer coisa. Ele deu um pouco para Laura,um pouco para Fernanda,Felipe e por ultimo para Lucas. -Agora Agora podem pedir qualquer coisa em suas mentes. Fernanda e Lucas pediram para seus pais voltarem a vida e ninguém se lembrar o que aconteceu aconteceu aquela noite do teatro.Felipe pediu para ir bem na prova de língua portuguesa ,e Laura pediu para que Danilo viesse com eles para a terra.

Página 60


Entraram no portal. E estavam na mesma rua em que conheceram Danilo e seu avo. Os pais de Fernanda e Lucas os acharam e os levaram para sua casa. - O nosso pedido se realizourealizou sussurrou Lucas para Fernanda . Na hora da prova em vez de Felipe ficar nervoso ele ficou super calmo. Tirou Tirou 10 na prova e pensou:”consegui!” Mas só o pedido de Laura não se realizou, na mesma noite Laura ficou pensando em Danilo Danilo na hora em que ela iria começar a choram ele apareceu e a beijou. Felipe,Laura,Fernanda,Lucas nunca se esqueceram dessa viagem.

Página 61


VULCテグ EXPLOSIVO Gabriel Bispo dos Santos Rodrigo torres Augusto Ferreira

Naquele dia, como todos os outros, na cidade grande havia avia um gordinho chamado Gustavo, ele era

legal,

amigテ。vel, gentil. Comeテァou a ver coisas diferentes. Na segunda-feira feira indo para a escola ele viu um menino atravessar a parede ele achou que estava sonhando.

Pテ。gina 62


Indo para a aula ele viu 10 valentões que começaram a correr atrás dele, e chegou o menino que atravessa parede e uma menina e começaram a defendêlo, quando ele chegou em casa pensou que estava sonhando aquela cena ena era incomum e ele falava. Isso não e possível aquele menino saiu da parede

Página 63

Contos Fantásticos do 6ºC da Escola Projeto Vida - 2009  

Projeto de Escrita de contos fantásticos escritos pelos alunos do 6º Ano C de 2009 da Escola Projeto Vida de São Paulo.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you