Issuu on Google+

Colégio Salesiano Itajaí Como Dom Bosco, presença alegre e fraterna, por uma vida saudável.

Livro de

5º ano C - 2012 Professora Ecilda


Apresentação As fábulas são textos de conhecimento universal, justamente por tratarem de questões importantes da vida do ser humano, representado nesse gênero textual por animais e suas características peculiares. Nas fábulas, o perfil de cada um dos animais representa, simbolicamente, nossas virtudes, desejos e fraquezas, tão bem resumidas, na verdade, na moral da história. Assim como as parábolas bíblicas, as fábulas se destacam, sobretudo, pelo ensinamento de seus enredos. Nem sempre, no entanto, esse ensinamento é revelado de maneira óbvia nesses textos. Basta conhecer um pouco da origem das fábulas para entender como são complexas, apesar de curtas. Esopo (séc. VI a.C.) e La Fontaine (séc. XVII d.C.) usaram a fábula como instrumento para denunciar a hipocrisia das sociedades desiguais que viveram utilizando a metáfora e a ironia como principais recursos retóricos e linguísticos. Uma das estratégias utilizadas na Unidade II do livro de Língua Portuguesa (RSE) é desafiar os alunos do 5º ano a entrar em contato com os principais autores de fábulas, conhecer alguns textos e desenvolver sua própria fábula. Portanto, esperamos que apreciem o nosso trabalho e... Boa leitura! Professora Ecilda


Índice A zebra e o leão....................................................................................... 04 O Tatu e a Formiga.................................................................................. 05 O tubarão e o cavalo marinho.................................................................. 06 O cachorro e o Gato................................................................................ 07 O Grufalo e ratinho.................................................................................. 08 A gata e o cachorro.................................................................................. 10 O boi e o pássaro..................................................................................... 11 O passarinho e o gato.............................................................................. 12 A raposa e o rato...................................................................................... 13 O macaco e o coelho............................................................................... 14 Polvilho e Cigano.................................................................................... 15 A Coruja e a Cobra.................................................................................. 16 O gavião e a cobra................................................................................... 17 A vespa e o sapo...................................................................................... 18 As formigas e o pássaro........................................................................ 19 A floresta misteriosa.............................................................................. 20 O elefante, o rato e a girafa...................................................................... 21 Os dois ratos........................................................................................... 22 A girafa e o elefante................................................................................. 23 O Rato e o Cachorro................................................................................ 24 O Rato e o Elefante................................................................................. 25 O tigre e a Raposa.................................................................................. 26 O Gorila e a Tartaruga.............................................................................. 27 Os ratinhos primos......................................................... 28 O cachorro Lupi....................................................................................... 29 O urso e as abelhas................................................................................. 30 A raposa e o sapo.....................................................................................31


A zebra e o leão Um dia a zebra foi andar. Quando ela foi lá no gelo estava triste porque ninguém gostava de brincar com ela. Então encontrou um leão passeando e perguntou: - Quer brincar comigo? Ele falou: - Não, eu não quero brincar com você. Passou um mês e já estava verão e o leão foi brincar sozinho. Mas o gelo começou a derreter. Ele ia cair na água, a zebra viu e pegou uma corda e o puxou. O leão falou: - Muito obrigado, você é uma pessoa legal! MORAL: “Nunca deixe de ser amigo de uma pessoa.” Autor: Gabriel Wolff

04


O Tatu e a Formiga O Tatu estava dormindo e percebeu que uma formiga estava passando em sua frente. O tatu pegou a formiga quando ia comê-la a formiga implorou que o tatu a soltasse e o tatu a soltou. Aliviada, a formiga disse: - Estou te devendo essa. Um tempo depois, graças à formiga, o tatu foi solto das garras de um Leão. MORAL: “Sempre ajude seus amigos, sendo pequenos ou grandes.” Autor: Marcelo Henrique Lohmeyer Péres

05


O tubarão e o cavalo marinho Um dia, um cavalo marinho chamado Guga estava na praia. Lá havia um tubarão chamado João que vivia zoando Guga, dizendo que ele estava grávido já que ele era esquisito. Então vieram os outros animais aquáticos e disseram: - Você só “se acha” porque é o rei do mar, na verdade você não é de nada! Então ele disse: - É verdade, eu sou um chato! MORAL: “Nunca se gabe.” AUTOR: João Vitor Gois Gaya

06


O cachorro e o Gato Um gato estava passeando e sem querer ele pisou no rabo de cachorro. O cachorro pulou em cima dele e disse: - Gato desastrado, por um acaso quer virar espetinho de gato? E o gato assustadíssimo disse: - Não! Não! Eu estava indo ao oculista buscar os meus óculos. E o cachorro deu uma gargalhada e o apelidou de quatro olhos. O gato assustadíssimo e com vergonha saiu correndo. Sempre que o cachorro via o gato o chamava de quatro olhos. Mas um dia o gato viu o cachorro saindo do oculista com uns belos óculos e disse: - Olá quatro olhos, bem vindo ao clube! MORAL: “Aqui se faz aqui se paga.” Autor: Enzo Pacheco Souza Silva

07


O Grufalo e ratinho Um ratinho tinha muito dos animais da floresta, então ele resolveu enfrentar o seu medo e saiu da toca. Lá longe, uma raposa que estava com muita fome viu o ratinho e falou: - Oi seu ratinho, tudo bem? O ratinho morrendo de medo, falou: - Tudo bem dona raposa. - Você quer jantar lá na minha casa hoje? -Não dona raposa, obrigado, mas eu estou esperando o meu amigo Grufalo, ele tem dentes enormes e garras muito afiadas! - Ai seu ratinho, esqueci de levar meus filhotes para a escola. Então ela foi embora... A dona coruja voou lá da árvore, até o ratinho e falou: - Oi seu ratinho, tudo bem? -Tudo bem, dona coruja. - O senhor quer jantar lá em casa hoje? - Não dona coruja obrigado, mas eu estou esperando o meu amigo Grufalo, ele é bem peludo, e cheio de escamas nas costas. - Olha amigo ratinho, eu preciso voltar para casa esquecia panela no fogo. Então, o ratinho andou, andou e nenhum bicho o perturbou. Porém, a certa altura, ele viu um animal gigantesco, aquele grande bicho era o Grufalo! O Grufalo andou em direção ao rato e falou: - Oi, ratinho tudo bem? - Sim, tudo bem. - Você quer jantar comigo? - Não obrigada, vou passear com meus amigos, apesar deles terem medo de mim! - Por que, eles tem medo de você? - Porque eu sou o animal mais feroz da floresta! - Já que você é o “animal mais feroz ” da floresta, posso andar junto de você? - Claro que pode. Os dois saíram pela floresta e viram a dona raposa. - Oi tudo bem dona raposa? - Sim ratinho, tudo bem. Ela olhou para cima e para baixo e falou: - Ratinho, tenho que levar as crianças para o parque, e saiu correndo. Seguindo a viajem, os dois viram a dona coruja. - Oi ratinho tudo bem? - Sim dona coruja. A dona coruja também olhou para cima e para baixo e estando amedrontada falou: - Ai ratinho, preciso ver meu bolo no forno, e saiu. O Grufalo pensou: Já que todos fugiram do ratinho vou perguntar ao ratinho que pratos ele faz com os bichos, e o Grufalo perguntou: - Ratinho, quais pratos você faz com os bichos que fugiram? - Ah, me deixa pensar... Eu gosto de raposa ensopada, coruja empanada e principalmente risoto de Grufalo. - Ratinho, eu tenho que ir para casa, pois tenho que escovar meus dentes e pentear meus pelos. MORAL: “Mesmo sendo pequeno e medroso, você precisa ser esperto e corajoso.”

08

AUTORA: Alana Laus


09


A gata e o cachorro Todo dia um cachorro chamado Rex via uma gata chamada Mial pular o muro. Até que um dia Mial foi pular o muro e escorregou, Rex foi pegá-la e Mial agradeceu: - Muito obrigada, te devo essa! E Rex respondeu: - De nada! Passaram se meses e Mial ainda não tinha cumprido sua promessa. Até que um dia Rex foi pular na janela e tropeçou, quase deixou o vaso de flor cair e Mial ajudou Rex, segurando o vaso de flor. Depois desse dia Mial ensinou Rex a pular nas coisas (sem cair), e Rex ensinou ela a ter mais firmeza nas patas para não escorregar. MORAL: “Sempre ajude seus amigos e eles acabarão te ajudando.” AUTORA: Maria Luiza Provezi de Almeida

10


O boi e o pássaro Era uma vez um boi muito charmoso e rico. Certa vez, este boi olhou pela janela, viu um pássaro muito bonito, então pensou: “Ai como eu queria voar...” Enquanto o boi pensava em como iria voar, aquele lindo pássaro se exibia com suas belas penas. Passaram-se vários dias, semanas até mesmo meses, até que um dia o boi conseguiu descobrir como voar. Quando estava pronto, o boi pulou pela janela, voou por alguns minutos, e caiu no chão. O boi que era mimado, sempre tinha o que queria, não desistiu até que conseguisse. Passaram-se vários anos e o boi ficou velhinho, quase morrendo, então quando conseguiu descobrir como se voava o boi caiu no chão, não respirava e o coração não batia. Mais alguns anos se passaram e começaram a dizer que o boi morreu de tristeza. MORAL: “Não seja invejoso”. AUTORA: Maisa Rocha Vidal.

11


O passarinho e o gato Um passarinho comia minhocas no pasto e não viu um gato que se abaixou atrás de um tronco. Em um bote certeiro o gato agarrou o passarinho. Desesperado, o passarinho pediu para soltá-la, pois tinha um filhote para cuidar, e certamente um dia iria retribuir o favor. O gato deu uma boa risada e disse: - Você retribuir a mim, que sou mais inteligente do que você? O gato soltou o passarinho e ambos foram para casa. Em uma tarde ensolarada o gato tirava um cochilo embaixo de algumas árvores. Uma grande cobra aproximou-se sorrateiramente do gato para comê-lo e nisso o passarinho, que o gato deixou ir embora e que estava numa outra árvore comendo frutas, viu a intenção da cobra. Rapidamente, voou em direção do gato e com seu canto alto acordou o gato que assim foi salvo da cobra. MORAL : “Nunca duvides dos outros”. AUTOR: Annasthasis Dominique Duarte

12


A raposa e o rato Certo dia, uma raposa, andando calmamente, avistou um rato que estava brincando com seus irmãos. A raposa correu para pegá-lo, e quando pegou disse: - Vou te comer, será um belo jantar! O rato suplicou para ela não comê-lo e disse que o levaria para um belo sítio de galinhas. A raposa esperta, aceitou. Quando chegaram lá, o dono do sítio tinha uma armadilha em que a raposa caiu. O rato, de pena, entrou na calça do senhor, caiu em cima da armadilha, virando-a e a raposa saiu. MORAL: Bons amigos são boas pessoas. AUTOR: Vitor Murilo Da Hora Coelho.

13


O macaco e o coelho Era uma vez um macaco e um coelho. Era véspera de inverno e o coelho, como sabia que já estava chegando o inverno, começou a guardar comida. Todos os dias ia procurar comida para guardar, já o macaco ficava brincando e dormindo, afinal ele não estava preocupado com o inverno e nem com a sua comida. Faltava um dia para o inverno e o macaco decidiu procurar comida. Como já estava muito frio, ele procurou comida no chão, nos galhos, em todo o lugar, até que conseguiu achar um cacho de bananas, tentou dar uma mordida em uma das bananas, mas ela estava congelada. Ele viu que se achasse alguma comida, ela estaria congelada e o restante com os outros bichos do bosque. Então ele percebeu que deveria ter procurado comida antes e não ter ficado brincando e dormindo e aí se arrependeu. Como o coelho era generoso, ajudou o macaco e dividiu a comida com ele. Por fim, o macaco aprendeu a lição que nos próximos invernos iria ajudar o coelho a procurar comida MORAL: “Nunca deixe as coisas para última hora, pois o atraso é inimigo da perfeição.” AUTORA: Maria Fernanda Beck

14


Polvilho e Cigano Era uma vez um polvo que se chamava Polvilho. Ele não comia há dias e estava com muita fome. Quando se deparou com um siri muito saboroso. Polvilho estava preste a comer o siri, ele gritou. - Não! Não! Tenha piedade! - Porque teria piedade de você? - Porque prometo servi-lo sempre que precisar de um amigo - Há-há-há em que você pode me ajudar? Um ser tão pequeno. - Não sei, mas vou te provar que posso! - Tudo bem, gostei de sua coragem. - Obrigada, senhor Polvilho, muito obrigada! E cada um foi para um lado. Meses depois... - Socorro, socorro! Adivinha quem era? Polvilho. Ele foi capturado por pescadores que estavam por ali. O gemido foi tão grande que até Cigano ouviu e reconheceu a voz. Então foi correndo até o local e viu Polvilho numa ponta de metal quebrada com uma linha enorme (era uma vara de pescar). Cigano não contou tempo, foi até o meio da corda e com suas pinças cortou a corda. - Obrigada Cigano, seremos amigos para sempre! MORAL: “Tamanho não é documento.” AUTORA: Helena Cristina Martins da Silva.

15


A Coruja e a Cobra Certo dia, uma coruja passava e viu uma cobra muito apetitosa, e foi correndo pegála. Mas a cobra a pegou primeiro e disse: - Dona coruja, você escolheu a cobra errada para servir de jantar! Mas a coruja não deu ouvidos e quando ela ia morder, a cobra escapou das garras afiadas da coruja e disse: - Dona coruja, a senhora não entendeu, se você me comer irá se envenenar, também tenho cobrinhas para criar e meu marido está doente. Tenha piedade coruja! Então a coruja virou-se para a cobra e sem piedade disse: - Não me renderei as suas súplicas. Quando a coruja ia dar o seu primeiro golpe, chegaram os filhotes da cobra. Ela ouviu os gritos e reconheceu. Voou desesperada ao seu ninho e encontrou o seu filhote sendo atacado por um malvado gavião e depois que ela conseguiu salvar seu filhote, viu que se matasse a cobra, os filhotes e o marido dela iam ficar no mesmo estado em que ela ficou, então pediu desculpas e foi embora. MORAL: “Nunca faça com os outros o que você não quer que seja feito com você.” AUTORA: Luísa de Oliveira Dela Flora

16


O gavião e a cobra Num belo dia, o gavião e a cobra estavam fazendo um trato de não comer os seus filhotes. O gavião concordou, mas a cobra não sabia como iria identificar os filhotes de gavião. O gavião, todo orgulhoso, estufou o peito e disse que eles eram as coisas mais lindas do mundo! Num outro dia, a cobra foi caçar e encontrou um ninho que tinha filhotes muito feios e pensou que não era do gavião e os comeu. O gavião, voando como um foguete foi logo tirar satisfação. Ele não se conformava como a cobra pôde comer filhotes tão lindos! A cobra indignada e ao mesmo tempo assustada não se conformava que aqueles tão feios eram do gavião. MORAL: “Quem ama o feio, bonito lhe parece”. AUTOR: Eduardo Gazaniga Muller

17


A vespa e o sapo Um belo dia, uma vespa estava voando tranquilamente quando caiu uma tempestade. Ela começou a cair. Um sapo que estava se protegendo da chuva pulou e a salvou. A vespa disse que de algum jeito iria retribuir. Nesse mesmo dia quando parou de chover, um caçador pegou o sapo e o colocou na gaiola a vespa viu e picou o caçador que saiu pulando de dor e destruiu a gaiola. Foi assim que o sapo foi libertado. MORAL: “Faça uma coisa boa que você será recompensado.” AUTOR: Pedro Valente Chaves

18


As formigas e o pássaro Em um dia de sol, várias formigas estavam pegando comida. Quando ouviram um barulho, foram correndo para o formigueiro e disseram: - Ai que medo! Deve ser o tamanduá. Quando as formigas saíram do formigueiro, viram que era um pássaro com uma asa machucada. Então foram ajudar e perguntaram: - Porque você está assim? Então o pássaro disse: - Estou assim, pois estava voando e caí, estava ventando demais e não consegui mais comer, pois não alcanço a árvore. As formigas disseram: - Vamos ao meu formigueiro, vamos lhe dar comida. - Ah, muito obrigado! Quando chegaram lá, as formigas deram comida para o pássaro , e consertaram sua asa. O pássaro, muito agradecido e feliz, disse: - Muito obrigado por me ajudarem! Moral: “Sempre preserve as pequenas coisas.” AUTOR: João Marcos Dalçoquio Guimarães

19


A floresta misteriosa Certa vez numa floresta, passeava a lebre e o rato. Os dois conversavam sobre os perigos que havia lá e sobre a árvore centenária. A raposa que ali passava ouviu a conversa e resolveu tirar proveito pensando no jantar. Parou e falou: - Vocês acreditam nos ruídos? A lebre e o rato pensaram rapidamente de onde ela saiu e responderam: - Claro, não me ouve as noites? Os dois ficaram pensativos. Mas a raposa mentindo falou: -Vamos passear ao lado da árvore centenária. O que você acha? A lebre e o rato acharam que era um acampamento e convidaram todo mundo. E a raposa pensou: “Não posso comer todos eles”. MORAL: “Aqueles que se acham espertos demais, às vezes se dão mal.” AUTOR: Gustavo Henrique Morelli

20


O elefante, o rato e a girafa O elefante, como é muito grande, sempre se achava o maior, e o rato como é pequeno sempre era deixado de lado e não tinha amigos para se divertir. A girafa, como tinha um pescoço muito longo conseguia sempre pegar as melhores comidas, e o elefante comia o capim de gramados perto de sua casa, enquanto o rato comia restos de comida. O elefante se achava muito e não ganhou nada em sua vida e o rato e a girafa conseguiram tudo que queriam. MORAL: “Não se ache porque não ganhará nada na vida.” AUTOR: Lucas Tomaz Corrêa.

21


Os dois ratos Era uma vez, dois ratos que nasceram em ninhos diferentes, mas eram muito amigos. Quando cresceram, um deles foi morar na rua e o outro foi morar em uma casa. Um dia o ratinho que morava na casa passou a não gostar dos ratos de rua. Ele se achava o melhor porque comia comidas gostosas e não lixo. Mas um dia os donos da casa descobriram que tinha um rato em sua casa, então eles botaram uma ratoeira. O ratinho da rua viu tudo. O ratinho da casa foi pegar o queijo pensando que não tinha perigo. O ratinho da rua correu para ajudá-lo, foi então que o rato da casa agradeceu e eles ficaram amigos. MORAL: “Devemos ser amigos de todos.” AUTOR: André Luis Medeiros de Almeida

22


A girafa e o elefante Há muito tempo, existia uma girafa e um elefante. O elefante estava com muita fome, e pediu à girafa para pegar sua comida que estava muito em cima da árvore, mas a girafa o ignorou. Outro dia, um caçador pegou a girafa e o elefante que estava perto, “bateu” e “brigou” com o caçador para salvar a girafa, que saiu ilesa e pensou que o seu comportamento havia sido errado e que o elefante foi muito bom com ela. Como a girafa estava grata pelo o que tinha acontecido, pegou a comida, deu ao elefante e eles ficaram amigos pelo resto de suas vidas. Moral: “Um amigo leal é um tesouro a ser preservado.” AUTOR: Rafael Antonio D'Alascio de Mello.

23


O Rato e o Cachorro Era uma vez um cachorro honesto e que era contente com o que ele recebia. O seu amigo rato perguntou a ele: - Eu posso comer um pouco da tua comida? O cachorro deixou ele comer e depois ele sempre dividia a sua comida com o rato. Mas o cachorro não sabia que o rato tinha muita comida estocada na sua casa. Um dia, o cachorro foi na casa do rato, e ele não estava em casa. O cachorro, procurando o rato, acabou achando muita comida escondida e ficou furioso. No dia seguinte, o rato perguntou mais uma vez ao cachorro: - Eu posso comer um pouco da tua comida? O cachorro respondeu: - Eu não vou dividir minha comida com um rato que já tem tudo o que ele precisa!!! O rato compreendeu o cachorro e parou de pedir comida ao seu amigo. Moral: “Quem tudo quer nada tem”. AUTOR: Lucas Temmerman

24


O Rato e o Elefante Um dia, um elefante estava com vontade de comer um rato. O rato bem esperto enfiou-se num buraco bem pequeno, mas o elefante enfiou sua tromba no buraco e o pegou. O rato tentou escapar, roeu a tromba do elefante e fugiu. O elefante buscando vingança esmagou o rato com seu peso mas ele só conseguiu sair tonto. No dia seguinte o rato viu um leão quase comendo o elefante, então o rato falou: -Vou te salvar! Então elefante disse: - Não precisa, amigo. Mas o rato o salvou roendo todo o pelo do leão. O elefante o agradeceu: - Obrigado, amigo. E os dois saíram para comer. Moral: “Sempre ajude os outros.” AUTOR: Samuel Dos Santos Luft.

25


O Tigre e a Raposa Um tigre, sendo caçado, é avistado por uma raposa. Ela se esconde, corre atrás do caçador e morde seu pé, o caçador acaba caindo. O tigre foge e a raposa, não. O caçador apanha a raposa e o tigre vê. Ele pensa: “Devo ajudá-la”. Ele pula no caçador. Logo em seguida o tigre fala: - Bons atos merecem em troca bons favores. MORAL: ”Bons atos merecem em troca bons favores.” AUTOR: Mauricio de Mello Heibel

26


O Gorila e a Tartaruga Uma vez houve uma caça ao tesouro na floresta, em que todos os animais participavam,. O gorila JOE estava todo confiante que ia ganhar, de repente BILLY, a cobra, deu o tiro de largada e saíram os animais em direto para a mata fechada. Alguns minutos depois, a tartaruga lerda como era, tinha achado todas as pistas... E a arca estava cheia de frutas. MORAL: “Com inteligência se consegue tudo.” AUTOR: Arthur Couto de Souza

27


Os ratinhos primos Alberto era um ratinho muito esperto e estudioso, mas a época do ano que ele mais gostava era o início do período escolar, pois era quando recebia de seus pais o material novinho. Além disso, outra coisa que muito prazer lhe dava era doar o material usado, mas que ainda estava em bom estado e poderia ser aproveitado ao seu primo Abel. Abel por sua vez sempre ficava contente com a visita de Alberto. Ele aguardava ansioso a ajuda, pois sua família possuía menos recursos. Abel também gostava muito de estudar e de brincar com seu primo. Assim ambos cresciam em amizade e sabedoria. MORAL: ”A união faz a força!” AUTOR: Gilberto Luiz Silveira Constantino

28


O cachorro Lupi Lupi era um cachorro terrível! No pega-pega do bairro, ele era imbatível, embora fosse pequeno gostava muito de correr. Latia muito, mas não era de morder, com o gato dava até dó! Quando se encontravam era só pó! Rolavam um por cima do outro. Um dia, quando corria atrás de Niki no meio da rua, foi atropelado por um carro. Por sorte só pegou de raspão, mas, serviu de lição. Lupi resolveu mudar seu comportamento, pois tanta correria na rua é uma brincadeira muito perigosa. MORAL: Não devemos brincar na rua, pois a rua é lugar de carros passando e é muito perigoso. Também devemos cuidar para atravessar a rua. AUTOR: Gustavo Krischnegg Cozer.

29


O urso e as abelhas O urso passeava pela floresta e viu uma colmeia. Ao se aproximar, as abelhas ficaram com medo. Então pediram que não comesse seu mel, em troca lhe pagariam o favor. Certo dia, um caçador capturou o urso, ele com medo rugiu. As abelhas o ouviram e se aproximaram do caçador. Começaram a picá-lo e o caçador fugiu. O urso agradeceu as abelhas e ficaram amigos. Assim o urso protegia a colmeia e em troca as abelhas lhe davam o mel. MORAL: “Um dia você pode precisar de ajuda de quem você menos espera.” AUTOR: João Guilherme Cassanego Boemer.

30


A raposa e o sapo Um dia a raposa foi na casa do sapo e ele disse: - Raposa, quer brincar de quê? - Sapo, vamos brincar de bicicleta. - Tá bom, raposa. E a raposa disse: - Pode ir na frente e já pega as bicicletas. E enquanto isso a raposa pegou um monte de brinquedos do sapo e encheu sua mochila com as coisas dele. E o sapo gritou: - Raposa já peguei as bicicletas, vamos andar? - Tá, já estou indo. - Disse a raposa. E quando o sapo voltou e a raposa já tinha ido para casa no caminho da volta, o sapo percebeu que a raposa tinha levado todos os seus brinquedos. E eles não se falaram mais por cinco semanas, até que a raposa foi na casa do sapo e disse: - Desculpa. E devolveu todos os brinquedos do sapo. E eles viraram melhores amigos para sempre. Moral: “Amigos brigam, grandes amigos se perdoam.” AUTORA: Izabella Lohmeyer Chaves

31



Livro de Fábulas - 5º ano C