Page 1

32ª edição

3ª edição

4ª edição


Editorial

Expo Brasil Feira Oportunidade e bons negócios As empresas que se destacam são as que aproveitam as oportunidades de modo a aumentar a produtividade e ações que possibilitam reativar e conquistar novos clientes. A participação em feiras pode ser melhor aproveitada, visto que é a maior quantidade de visitantes à procura de um produto mais eficiente e com melhor custo benefício, momento de estreitar laços de parceria, buscar novos mercados, conquistar fatias de mercado. Cabe às empresas expositoras buscarem estratégias eficazes para se destacarem junto à concorrência, além de poder ver de perto como as outras marcas estão se comportando perante o mercado. A palavra de ordem é fomentar o mercado. A promotora não mede esforços para que a cada edição os envolvidos no processo sintam-se confortáveis para prática de bons negócios; estimulamos ao máximo expositores a apresentarem novidades e condições especiais durante os quatro dias de feira. Divulgação em massa é praticada a todo o momento: Anunciamos na Veja (edição 2463 – 03/02/2016); foram espalhados diversos pai-

néis rodoviários nas estradas do estado de São Paulo; outdoors nas principais cidades do Brasil são anunciados; enviamos 40 mil malas-diretas, dentre outros. Ações de marketing e comunicação são desenvolvidas na busca contínua de promover o encontro entre comprador, representante comercial e expositor. O site Expo Brasil Feira é uma excelente ferramenta de divulgação, recebemos mais de 25 mil consultas de produtos nos últimos 5 anos, cabe ao expositor manter suas fotos atualizadas no site para que realize ótimos negócios ao longo do ano. 2016 é um ano especial para a Expo Brasil Feira, ultrapassamos fronteiras e pela primeira vez será realizada uma edição do evento em Recife (PE). O Centro de Convenção de Pernambuco abrigará a feira de variedades que mais cresce no país. Anote: de 31 de Julho a 02 de Agosto de 2016. Caro expositor, estamos com a planta de Recife, bem como a de Setembro/2016 aberta na administração do evento. Venha tomar um café conosco e escolher um lugar de destaque para a Expo Brasil Feira.

Gestor da Expo Brasil Feira: Alexandre Torres de Carvalho Gerente de Marketing: Paula Geraissati Pires – paula@alpy.com.br (design, criação de anúncios e capa) Depto. Comercial: Fernanda Gióia – fernanda@expobrasilfeiras.com.br Depto. de Marketing: Marcelo Pinto e Silva – marcelo@expobrasilfeiras.com.br; Iris Souza - iris@alpy.com.br Jornalista Responsável: Fátima Gonçalves (MTb 15.805) - fatima@revistazn.com.br Impressão: Gráfica IGIL - Tiragem: 15.000 Produção Gráfica e Editorial: CONEXÃO ARTES - Rua Aureliano Leal, 46 l Água Fria - São Paulo l CEP 02334-090 - Telefones: (11) 2979-0705 l (11) 2950-5016 l (11) 2283-4166

EXPO BRASIL

4

A Revista Expo Brasil é uma publicação semestral da Expo Brasil Feiras e Eventos Ltda, com distribuição gratuita durante o evento. A reprodução total ou parcial de qualquer matéria só é permitida mediante autorização. A citação da fonte é obrigatória. Os artigos assinados não expressam necessariamente a opinião da revista.

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Sumário 8

Por que o foco é fundamental para o bom resultado de seu negócio

12 Orçamento, uma ferramenta estratégica de gestão empresarial 16 Um exército de aliados que faz a diferença 20 É tempo de motivar 22 Aspectos culturais do consumo 26 Cidades do interior estimularão consumo nos próximos anos 28 Oportunidades

EXPO BRASIL

6

36 Os desafios de se relacionar com um cliente cada vez mais exigente

RECIFE/16

I

40 Zein projeta crescimento de 15% em 2016 44 Inovar: o gatilho do sucesso. Sempre! 46 Como o CRM pode melhorar o resultado de sua empresa 48 Instagram e as imagens do sucesso 52 Slogan, a identidade da empresa 54 Acreditem, o cliente nunca mais volta! 56 Planta da Feira 58 Calendário 60 Marcas confirmadas

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Poder do foco EXPO BRASIL

8

Por que o foco é fundamental para o bom resultado de seu negócio

Para quem tem um dia atribulado, com muitas tarefas a cumprir, sabe muito bem o quanto o foco é imprescindível. Afinal, são tantas coisas ao redor que facilmente distraem a mente daquilo que realmente importa, como e-mails, mensagens no celular, bate-papo um pouco mais prolongado no café e tantos outros desafios a serem superados para dar conta de realizar tudo o que foi planejado. O foco é importante para as atividades do dia a dia, mas também é fundamental na rotina da empresa. E é desse foco profissional que queremos falar.

RECIFE/16

I

As pessoas que conquistam sucesso profissional ou pessoal não são necessariamente as mais inteligentes ou geniais. Mas certamente são pessoas mais motivadas, persistentes e comprometidas com os objetivos e metas que traçaram para suas vidas. E não se desviam deles, ou seja, conseguem manter o foco no que realmente almejam. A boa notícia é que todos podem treinar para manter o foco e, consequentemente, conseguir melhores resultados nas tarefas e objetivos a que se pro-

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


busca por aprimorar o foco, precisamos tornar novas ações em hábitos, que serão internalizados pela área ascendente de nosso cérebro, responsável pelas ações quase automáticas e independentes que realizamos. Mas antes do hábito se tornar algo natural, é preciso estar muito motivado e concentrado. Há alguns pequenos exercícios que podemos praticar para aumentar a capacidade de foco. O primeiro deles é perceber a divagação. Divagar é natural do ser humano, fazemos isso com muita frequência. Mas é preciso perceber quando começamos a divagar e trazer a mente de volta para a ação que precisa de foco. Com o tempo e a prática, esse será um ato fácil de ser realizado. O segundo exercício é aprender a se desconectar. Antes de tudo, é preciso reconhecer que o excesso de informação a que estamos expostos, somada com a nossa necessidade de foco, gera uma fadiga mental. Desconectar-se é importante. O melhor lugar para se recuperar da fadiga do dia a dia não é em frente a uma televisão ou celular, e sim em contato com a natureza. Ir ao parque e fazer alguma atividade ao ar livre é a melhor forma de recuperar a mente depois de muito esforço cognitivo. E o terceiro exercício talvez seja o mais desafiador. Pensamento positivo. Pensar o tempo todo no lado negativo das coisas não traz nada além de ansiedade e até depressão, em alguns casos. Por isso, emoções positivas precisam ser trabalhadas para que a atenção seja expandida. Segundo Goleman, o pensamento positivo ativa circuitos de recompensa do cérebro. “Ricos em dopamina, esses circuitos são os condutores dos sentimentos positivos, da luta pelos objetivos e dos desejos”.

põem realizar. De acordo com o psicólogo Daniel Goleman, autor do livro Foco, enquanto lemos um texto, nossa mente divaga entre 20% e 40% do tempo de leitura. “Para aproximar o trabalhador desmotivado do campo do foco, é preciso elevar sua motivação e seu entusiasmo, evocando um senso de propósito e acrescentando uma dose de pressão”, ensina. A atenção do ser humano funciona como um músculo. Quanto mais se pratica, mais se habitua a ela. Para o psicólogo, para ser bem sucedido na

Quando nosso foco permanece em questões negativas, como por exemplo, numa tarefa que precisa ser feita num espaço de tempo bastante curto, a ansiedade gerada por esse negativismo ganha uma força extra, diminuindo ainda mais a energia utilizada para a realização daquela tarefa. Essa mesma tarefa pode e será mais facilmente realizada se se mantiver o foco e determinação em sua realização. Toda energia que é colocada em movimento em uma única direção ganha uma força extraordinária. É assim na vida profissional e na pessoal também. Quando o foco está limitado a um conjunto de sensações ruins, a capacidade de ter uma visão mais ampla, de encontrar soluções e superar dificuldades fica comprometida. As emoções positivas exercem o efeito oposto, elas ampliam a capacidade de raciocínio e a percepção e, ao fazer isso, ajuda a construir

www.expobrasilfeiras.com.br

EXPO BRASIL

9


Poder do foco uma própria fonte de recursos internos para lidar com as dificuldades e manter o foco. Não há sucesso sem foco. Ele é fundamental para que se alcance objetivos traçados. O sucesso pressupõe pelo menos três elementos fundamentais: querer, ser e fazer bem. É necessário manterse informado, mostrar interesse e compromisso com tudo o que se propõe a realizar. Manter o foco no que realmente

10

RECIFE/16

I

é importante e trabalhar a motivação sem receios de parecer ousado é um caminho bastante interessante para se alcançar o sucesso. O foco permitirá que se veja com maior nitidez a solução para os desafios que são colocados. Como afirmava Steve Jobs, “Algumas pessoas acham que foco significa dizer sim para a coisa em que você irá se focar. Mas não é nada disso. Significa dizer não às centenas de boas ideias que existem. Você precisa selecionar cuidadosamente”. “Selecionar o que se deseja” deve ser entendido como uma ação de filtragem de estímulos e informações que serão ou não percebidas. Agora, para reflexão e ação, responda: - No que está o seu foco atualmente? - Em que você pensa a maior parte do tempo? - Você está focando no seu objetivo ou está se deixando levar por coisas circunstanciais e urgentes? Talvez o que precise ser mudado para alcançar um objetivo seja justamente aprender a focar no positivo e manter o foco no que realmente é mais importante naquele momento. Portanto, a dica é começar por definir os objetivos e prioridades pessoais, profissionais e financeiros. Esse é um primeiro passo. O segundo é elaborar um plano de ações estratégicas e começar a agir.•

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Orçamento

Orçamento, uma ferramenta estratégica de gestão empresarial Por definição, orçamento é um plano econômico empresarial para determinado período. Nesse orçamento devem estar contempladas todas as entradas (receitas) e saídas (custos e despesas). Esta é uma tarefa fundamental dentro de uma empresa, seja ela pequena, média ou grande, porque nela estão previstas as metas, as receitas e despesas que irão nortear aquela empresa no ano seguinte – quando a empresa optar por um orçamento anual. É por meio do orçamento que o empresário estabelece metas claras e objetivas quanto à previsão de percentual de crescimento da empresa no próximo exercício, a projeção de custos e despesas operacionais, investimentos e também perspectivas de expansão, contratação de novos funcionários, ou seja, é por meio desse estudo que é possível acompanhar o desempenho da empresa e o cumprimento dos objetivos traçados e fazer os ajustes necessários, se for o caso.

EXPO BRASIL

12

Nem todas as empresas, no entanto, percebem a importância de se elaborar um orçamento detalhado e, no final das contas, o operacional acaba tomando todo o tempo do empresário e a gestão do negócio fica para segundo plano. Completamente compreensível, haja vista a concorrência cada vez mais acirrada e a necessidade de criar, inovar e trabalhar para se manter – e bem – no mercado. Existem várias técnicas orçamentárias, e optar por uma delas vai depender de fatores como o porte da empresa, a aplicação, o grau de maturidade de gestão, cultura organizacional, familiaridade dos colaboradores com um ou outro método etc., ou seja, a técnica escolhida deve ser aquela que acompanhe a estratégia da empresa, tornando-se uma ferramenta de apoio à tomada de decisão. De acordo com Cecília Dutra, analista de Marketing na Siteware, “alinhar o orçamento à estratégia é a melhor forma de garantir que ele atende aos projetos de crescimento da empresa e também levam em

RECIFE/16

I

consideração os cenários econômicos e de mercado. Portanto, é um erro encarar o orçamento como uma ferramenta financeira. O mais correto é considerá-lo como uma das principais ferramentas de gestão”. A Siteware tem algumas dicas para o empresário elaborar o orçamento de sua empresa: - Baseie-se em um plano de contas contábil que reflita a realidade da sua empresa ou área; - Busque por informações históricas para evitar fazer um orçamento totalmente descolado da realidade; - Não se esqueça de contemplar os encargos sobre a folha de pagamento (FGTS, INSS etc.) e também as provisões (Férias, 13º salário, multa do FGTS); - Respeite as variações sazonais do seu negócio: hotéis em regiões turísticas possuem ocupação maior durante as férias e feriados, boa parte do comércio se aproveita das datas comemorativas e do Natal etc.; - Mantenha o alinhamento com as ações do seu planejamento estratégico: se você irá explorar novos mercados, mensure os valores envolvidos; se lançará novos produtos, lembre-se dos custos de marketing etc. A gestão orçamentária é um processo que, não raro, apresenta alguns desafios. “Deixar um pouco de lado a correria da operação para projetar, acompanhar e envolver os gestores da empresa em um processo de orçamento exige tempo e energia”, diz Gilles B. de Paula, da Treasy – Planejamento e Controladoria. As empresas que querem iniciar o processo de planejamento e acompanhamento verão que os ganhos ficam evidentes em pouco tempo de trabalho, porém os desafios de iniciar um processo de orçamento não são poucos. O primeiro desafio a ser enfrentado é não saber por onde começar. Por isso, a dica é: comece simples. Não é preciso orçar todos os canais de venda, mix de

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


produtos, deduções, contas contábeis e demais frentes de uma só vez. Isso pode ser um exercício mais demorado do que a expectativa de resultados da sua empresa e causar frustrações. Identifique os setores que mais podem ganhar com a adoção do orçamento, ou seja, qual setor mais se beneficia com maior controle e comece por ele. Envolva poucos gestores, trabalhe de maneira mais genérica e não se apegue aos detalhes. Isso dará velocidade à empresa, todos os envolvidos irão aprender muito com o que funciona e o que não funciona tão bem para o modelo da empresa. Esse aprendizado será a base para que se possa expandir o orçamento para outras áreas com menor esforço e com resultados mais rápidos. O segundo desafio está no fato de a empresa não ter uma base histórica. Muitas vezes é difícil começar o orçamento empresarial de uma empresa que não possua muitos registros financeiros estruturados, ou ainda que possua, muitas vezes esses registros não estão na modelagem financeira e orçamentária desejada para a visão projetada de resultados que a empresa deseja adotar. Nesses casos, é possível começar com a implantação do Orçamento Base Zero. Esta metodologia fará com que a empresa estruture seu orçamento e analise conta a conta o valor ideal para alocar, evitando desperdícios e gerando maior conscientização dos gestores. A imprevisibilidade do negócio é o terceiro desafio a ser enfrentado. Em alguns modelos de negócios a adoção da gestão orçamentária anual pode não se apresentar eficaz. Por exemplo, nas empresas que precisam renovar periodicamente seu mix de produtos por uma necessidade de mercado. Nesses casos, o ideal é adotar um orçamento semestral, trimestral ou ainda combinar esses períodos com o orçamento

contínuo. Assim, mesmo com um modelo mais volátil, é possível aprender muito do comportamento da empresa conforme evolui com o orçamento e usufrui de todos os demais benefícios do planejamento. O quarto desafio diz respeito a empresas que possuem um mix de produtos muito grande e não conseguem projetar as vendas. É muito comum começar o orçamento pela projeção da receita de vendas, estimando para cada produto um volume de vendas mês a mês. Para algumas empresas, este tipo de análise já é um desafio justamente por possuírem um número muito grande de itens para orçar, gerando um trabalho grande e que muitas vezes não gera o resultado esperado para a empresa. Para essas situações, uma das dicas é organizar, num primeiro momento, os produtos por famílias, separando por grupos os produtos que possuam características ou preços semelhantes. Pode-se também identificar os produtos “carros-chefe” em vendas e detalhar somente as suas projeções, tratando os demais de maneira mais genérica. Ou então identificando 20% dos produtos que são responsáveis por 80% do faturamento da empresa, detalhando esses produtos e tratando os demais de forma genérica. Não saber ou não ter conhecimento das ferramentas a serem utilizadas na gestão orçamentária é o quinto desafio. Para empresas pequenas, com uma equipe enxuta, poucos departamentos, poucos gestores, um mix de produtos pequeno e um plano de contas simplificado, é possível começar as projeções com o uso de planilhas eletrônicas, encontradas na internet gratuitamente. Depois de implantada a gestão orçamentária, é preciso acompanhar os resultados mês a mês. “O or-

www.expobrasilfeiras.com.br

EXPO BRASIL

13


Orçamento çamento foi feito para ser gerido, e não deixado na gaveta até o próximo ano. É preciso comparar o que foi orçado e o que foi realizado mês a mês, identificando variações e utilizando o orçamento como apoio para tomadas de decisão”, diz Gilles B. de Paula. O orçamento empresarial deve estar integrado ao Planejamento Estratégico da Empresa. E deve envolver todos os funcionários, engajar todos os colaboradores com as metas da organização. A participação de todos no processo orçamentário torna esse instrumento uma verdadeira ferramenta gerencial.

EXPO BRASIL

14

Há de se atentar, no entanto, para alguns aspectos fundamentais na elaboração do orçamento, como o fato de que este deve ser realista, apresentando objetivos que sejam desafiadores e motivadores, e que, dentro da visão da empresa, sejam possíveis de ser alcançados. É preciso também que esteja detalhado por meio de metas cada uma das etapas do orçamento, como por exemplo, quem é o responsável, como será feito e quando. E não esquecer de envolver os colaboradores chaves no processo de preparação do orçamento e no processo de metas e de controles do mesmo. Ele deve ser participativo do início ao fim. E, acima de tudo, essa ferramenta não será de nenhuma finalidade se a empresa não tiver condições de monitorar o seu cumprimento, mediante a comparação entre o que foi orçado e o que foi realizado, buscando justificativas para as variações. O acompanhamento constante do orçamento é fundamental para se evitar desvios de rotas ou a to-

RECIFE/16

I

mada de ações incorretas. Esse processo visa garantir que as ações planejadas ainda são válidas, considerando-se as alterações sofridas pela empresa, pelo mercado e, consequentemente, nas premissas estabelecidas. De acordo com João Carlos Natal, consultor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o orçamento empresarial ajuda a empresa a enxergar suas operações financeiras de forma anualizada e devem ser fundamentadas em números, e não em pressupostos. Elaborar um orçamento empresarial, com a previsão de todas as entradas e saídas que a empresa terá nos meses seguintes, permite que o gestor saiba exatamente o quanto precisará faturar para cobrir todos os seus gastos, o que facilita na hora de planejar ações e estabelecer metas comerciais. Mas nada precisa ser tão engessado, como pode parecer à primeira vista. Ao fazer o acompanhamento do orçamento com o passar das semanas, a empresa pode reavaliar constantemente o andamento das metas e as ações estratégicas quando necessário. “Se eu tenho um gasto maior do que eu tinha previsto com um item, tenho que visualizar de onde eu tenho que tirar esses valores para cobrir isso aqui. Se eu não estou atingindo a meta, quais esforços e ações eu devo tomar para atingir essa meta? Você começa a ter uma visão antecipada das coisas”, afirma. “O empresário deixa de ser o ‘bombeiro’, que só reage, e se torna proativo”, conclui o consultor do Sebrae.•

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Marketing de defensores

Um exército de aliados que faz a diferença Nossa percepção de mundo é mensurada a partir de nossas próprias experiências pessoais e isso acontece desde que o mundo é mundo. Mesmo com produtos e marcas, nossos avós já tinham lá suas preferências e faziam propaganda de suas qualidades. Nada mudou em relação à forma como as pessoas se relacionam e promovem suas escolhas, seja ela um produto, uma característica de personalidade ou uma ideia qualquer sobre o mundo. Também podemos analisar tais manifestações no plano da segmentação – formação de grupos com interesses, preferências ou necessidades comuns. Mesmo num tempo em que não existiam as redes sociais da internet, algumas marcas se consolidaram rapidamente ou foram expurgadas do mercado por conta do tradicional boca a boca. O ser humano de hoje é o mesmo de ontem, o que mudou foi a velocidade do tempo, significativamente acelerada em decorrência da sofisticação do sistema de transporte e, sobretudo, das ferramentas disponíveis para essa interação por meio do

universo digital. Hoje, uma satisfação ou insatisfação pessoal alcança milhões de pessoas segundos após a aquisição de um produto ou serviço pelo consumidor, e isso se dá por conta das redes sociais da internet. Assim, pode-se afirmar, com convicção, que o sujeito da ação de hoje é o mesmo de ontem, o que muda são os meios e formas de ele se relacionar. No tempo em que vivemos, invadido pelas novas tecnologias da informação, influenciamos e somos influenciados 24 horas por dia, e aqueles com quem compartilhamos nosso cotidiano são os melhores referenciais para nossa tomada de decisões, assim como também somos referência. As teorias econômicas são muito ortodoxas e ideológicas ao cravarem que o comportamento do sujeito contemporâneo é moldado pela nova ordem do “consumo sem juízo”, e que o descarte, consubstanciado na tese da obsolescência programada, é sintomático para uma sociedade vulne-

EXPO BRASIL

16

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Para mim, não existe mágica. Ou você tem um ótimo produto, serviço e comunicação transparente ou não terá um consumidor engajado, Adotar uma prática que represente a diferença para consumidores, colaboradores e sociedade pode significar o sucesso da empresa e dos produtos que oferece”, diz Gustavo. rável do ponto de vista da formação de opinião. De acordo com Gustavo Negrini, diretor da agência de publicidade E4, os defensores de marca são definidos pelo marketing como consumidores que, além de estarem satisfeitos com o produto ou serviço, estão engajados com a marca. “O consumidor defende a marca perante outras, enfatiza suas qualidades e potencializa os defeitos dos concorrentes. Ele acredita que a marca faz diferença em sua vida e se propõe a disseminar essa sua preferência em seu meio social”, diz Gustavo. Um defensor de marca é um consumidor socialmente ativo e entende sua importância como referencial. Atualmente, com novos aplicativos para celulares, esse grupo cresce significativamente, assim como os produtos associados à nova dinâmica comportamental. Gustavo destaca que esses são clientes que toda marca sonha em ter, que existe uma ligação emocional entre cliente e marca em algum nível, mas acrescenta que para atrair esse cliente, a empresa deve criar ações de engajamento. “A marca deve gerar campanhas com ideais como transparência na produção, na qualidade, assumir possíveis erros, atendimento humanizado, campanhas de reciclagem, coleta de óleo, ecobags, eventos esportivos. Para mim não existe mágica. Ou você tem um ótimo produto, serviço e comunicação transparente ou não terá um

Gustavo Negrini, diretor da agência de publicidade E4

consumidor engajado. Adotar uma prática que represente a diferença para consumidores, colaboradores e sociedade pode significar o sucesso da empresa e dos produtos que oferece”, diz Gustavo. Hoje, temos diversos produtores e vendedores para um mesmo artigo ou substituto, assim, transformar um consumidor em defensor de marca não é coisa fácil. Tratar o assunto apenas no âmbito da promoção do produto pode resultar negativo. O marketing deve ser pensado a partir do conceito da comunicação integrada, em que empresa, colaborador, ofertas e consumidor devem ser levados em conta simultaneamente. A partir desse pressuposto podemos considerar o cidadão do mundo contemporâneo muito mais incisivo, e com ferramentas para que seu protagonismo altere significativamente o comportamento de seu meio social. Atrair esse consumidor/parceiro, como diz Gustavo Negrini, pode representar a diferença para a sustentabilidade de um negócio. “Um produto ou serviço deve estar associado a uma ideia, um conceito. Temos uma sociedade mais crítica, e isso se traduz no consumo de produtos de qualidade e engajados ideologicamente, o que pode representar resultados surpreendentes”, conclui Gustavo. Desse modo, entender a responsabilidade social de uma empresa apenas a partir da geração de empregos é coisa do passado. O consumidor quer saber se uma empresa tem preocupação social no âmbito da efetiva realização de sua filosofia. O consumidor quer o meio ambiente limpo, colaboradores integrados, capacitados, reconhecidos e um produto honestamente comunicado. Quem já experimentou sabe que o custo x benefício pode surpreender positivamente.•

www.expobrasilfeiras.com.br

EXPO BRASIL

17


Motivação

É tempo de motivar Antes de elencarmos valiosas sugestões para motivar seus colaboradores, vale alguns esclarecimentos acerca da comunicação para situarmos solidamente o assunto. Há quem trate o tema de forma apartada, ou seja, apresenta e discute a empresa como uma ilha próspera, inesgotável e única, independente de quaisquer outros fatores. Esse é o maior dos equívocos da comunicação institucional, matéria que trata o tema. Por menos informado que seja sobre a empresa na qual trabalha, o colaborador é bombardeado diuturnamente sobre política, economia, educação, cidadania e mundo; desse modo, não deve ser subestimado em sua capacidade de análise sobre a inserção da empresa em que trabalha no cenário global, por menor que seja sua capacidade de formar juízo. Mesmo que os negócios da empresa vão muito bem, ela deve se posicionar criticamente em relação a seu meio externo e interno, até como forma de se reposicionar preventivamente, e o diálogo com seus colaboradores deve ser a base fundamental desse processo.

EXPO BRASIL

20

O colaborador que ignora o posicionamento crítico de seu contratante frente ao meio em que está inserido, perde de vista a finalidade e importância de seu próprio trabalho. Desse modo, temos três diagnósticos prováveis para esse erro: a comunicação

RECIFE/16

I

entre direção e colaboradores é falha, a filosofia da empresa está em descompasso com a atualidade ou o colaborador foi mal avaliado durante a contratação e não atende o perfil exigido para a função. Via de regra, o melhor vendedor de cadeira de rodas é aquele que faz uso de uma para se locomover. Isso é comunicação integrada, que consiste no conjunto articulado de esforços, ações, estratégias e produtos de comunicação, planejados e desenvolvidos por uma empresa ou entidade com o objetivo de agregar valor para sua marca ou de consolidar sua imagem junto a públicos específicos ou para a sociedade como um todo, como nos mostra Wilson da Costa Bueno, doutor em comunicação social pela Universidade de São Paulo, em seu livro “Comunicação e Gestão Empresarial”. Vale ressaltar, também, que o colaborador contemporâneo é muito mais senhor de sua subjetividade do que em outros tempos históricos. Isso equivale dizer que, no reino da intimidade, o sujeito atual é muito mais refratário, e isso explica a individualização da resposta a determinados estímulos, em que cada indivíduo possui sua própria constituição intelectual e formação de juízo social, com substanciais ganhos qualitativos e quantitativos garantidos pela

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


melhor escolarização dos últimos anos, somados ao extraordinário avanço das novas tecnologias da informação. Assim, o estímulo que vale para determinado sujeito pode não valer para outro. De acordo com Maria Terezinha Perez, consultora de recursos humanos do Sebrae São Paulo, a motivação deve ser estimulada pelo líder da equipe de forma individualizada. “A comunicação eficaz da liderança é essencial para estabelecer um clima favorável de estímulo à motivação da equipe e, para ajudar podemos elencar ações e dicas como: realizar reuniões regulares ou sempre que necessário; utilizar quadros de avisos para comunicar notícias da empresa; utilizar linguagem adequada para cada plataforma; disponibilizar informações sobre os benefícios que a empresa oferece; reconhecer, publicamente, os resultados positivos de colaboradores e equipes; adotar comunicação informal e de abertura ao diálogo; reforçar o sentimento de cooperação entre colaboradores; dar o famoso feedback (retorno) para equipe e individual e criar programa de aprimoramento”. O mundo mudou substancialmente nesse novo milênio, e as novas tecnologias não só dominam todos os processos de comunicação como mistura tudo. Não há, por mais que alguns analistas ainda atribuam, distinção entre meio externo e interno e, nesse cenário de “descontrole”, quem se curva às novas ferramentas colhe melhores resultados. Horizontalizar é a palavra do novo século. Um bom começo é criar ferramentas básicas por onde a comunicação possa fluir em dois sentidos. Os meios tradicionais podem cumprir muito bem finalidade de comunicação institucional, mas é vertical e isso, em certa medida, isola a direção dos colaboradores. Segundo Terezinha, selecionar uma pessoa que conheça e goste do universo digital é essencial para tornar possível essa interação entre redes interna e externa. Criar um site mais moderno e com linguagem menos técnica pode ser um excelente início. Através dessa janela, a direção já pode mapear o posicionamento da empresa junto ao público externo e inovar expondo sua relação positiva, transparente e participativa com colaboradores. Por meio dessa ferramenta básica, a empresa pode centralizar a demanda de seu público nas redes sociais e interagir em tempo real, tanto com manifestações de insatisfação como de elogios (que também existem). O cliente bem atendido e satisfeito se manifesta positivamente. As redes sociais são bons termômetros até mesmo para a empresa se reposicionar, ocupando o lugar de um concorrente que, por diversas razões, não consegue atender seu público. Nesse particular, a empresa

que monitora o mercado pode até mesmo identificar o bom colaborador do concorrente mal posicionado. Desse modo, criar uma comunicação horizontal e de qualidade é essencial para a perenidade dos negócios. Como já foi dito, o cenário do mercado se alterou profundamente, e a velocidade das mudanças tende a ser ainda maior no futuro próximo. Também a imagem de um negócio não se consolida apenas com boas ações externas como, por exemplo, apoiar projetos sociais vinculados à marca. De nada adianta investir em iniciativas com o propósito de construir uma imagem positiva quando o colaborador, sobretudo aquele que está no corpo a corpo com o cliente, está insatisfeito por não ser percebido ou reconhecido pela direção. O discurso contraditório pode fazer desmoronar todo o arsenal de ferramentas para comunicar e construir a imagem de uma marca. Ouvir o que os colaboradores pensam e premiar boas sugestões de melhoria e bom desempenho é tão importante quanto a qualidade do produto e a boa imagem externa da marca. Cada vez mais o consumidor leva em conta o resultado global, no qual o consumo egoísta cede vez para o olhar solidário do cliente, que se sente mais satisfeito ao saber que sua aquisição promove o bem-estar de quem lhe atende. A inserção do negócio na internet e suas diversas redes como: facebook, linkedin, instagran, twitter, pheed e whatsapp, entre outras, pode ser muito positiva. Algumas redes possuem um perfil pouco institucional, mas seus clientes e colaboradores também estão por lá, sendo assim, misturar tudo é muito bom, mesmo porque os primeiros defensores de seu negócio serão colaboradores e clientes. Um colaborador, cujo trabalho é reconhecido e acredita na política da empresa permanecerá vigilante, mas não por seus interesses pessoais, cuidará da reputação da empresa por se reconhecer como parte dela. Além das sugestões dadas pela Maria T. Perez, utilizar a plataforma de internet que a empresa administra para incentivar o talento de colaboradores é muito positivo. Premiar e divulgar trabalhos artísticos desses profissionais, por exemplo, é uma política de benefícios de baixo custo e grande retorno. O mesmo vale para sugestões sobre técnicas de administração que agreguem benefícios para a empresa. Mas tudo isso em rede aberta. Intranet deve ser utilizada apenas para assuntos técnicos da empresa. O mundo mudou, homens e mulheres mudaram, e os negócios devem se adaptar à nova realidade virtual. Temos um arsenal enorme de ferramentas para a comunicação direta com o cliente e o colaborador, não há razões para não utilizá-las.•

www.expobrasilfeiras.com.br

EXPO BRASIL

21


Estratégia

Aspectos culturais do consumo Um dos maiores clássicos da propaganda de todos os tempos, Miopia em Marketing, escrito por Theodore Levitt em 1960, nos oferece um arsenal de exemplos de como pensar nosso negócio. Na época em que foi escrito, o cinema conflitava com a televisão e as ferrovias com as rodovias, entre outros exemplos que a obra oferece. Segundo Levitt, as ferrovias não perderam clientes para as rodovias por oferecerem um serviço ruim, perderam importância e clientes por venderem seu negócio como ferrovia. Levitt foi categórico ao afirmar que se os “trilhos” fossem vendidos como meio de transporte, não teriam entrado em declínio. Se, ao invés de combater a televisão, a indústria cinematográfica tivesse incorporado a nova tecnologia e montado uma grande indústria de entretenimento, o solavanco sofrido não teria abalado suas estruturas naquele momento.

EXPO BRASIL

22

temos um mundo completamente mudado e evoluído. O trem bala alcança algo próximo dos 500 km/h e ganha em preferência entre os meios de transporte terrestre de massa e a televisão vende o cinema. Quanto às mercearias, ainda sobrevivem onde o tempo custa a passar. Em recente estudo com consumidores sobre sua percepção na disputa entre dois pesos distintos do mesmo segmento comercial, realizado pelos pesquisadores Neeru Paharia, da Universidade de Georgetown e Jill Avery e Anat Keinan, da Universidade de Harvard, constatou-se que o consumidor não enxerga diferença entre o grande e o pequeno varejista, e que os dois, segundo os entrevistados, oferecem produtos

Theodor Levitt também apresenta em seu texto um caso muito curioso de concorrência entre dois pesos distintos do mesmo segmento, os supermercados e as mercearias. Um típico caso de miopia do marketing. De acordo com o texto de Levitt, os empresários que controlavam as mercearias trataram o novo modelo de negócio com desdenho, duvidaram que os supermercados fossem atrair seus clientes, que esses não iriam se deslocar por longas distâncias para adquirir os mesmos produtos que eles vendiam nas esquinas, vizinhos aos clientes. Percebida a migração da clientela, os proprietários das mercearias avaliaram que as promoções dos supermercados iriam acabar em breve, e o negócio não se sustentaria por muito tempo. Esse exemplo, em particular, se passou na década de 1930, e o conceito de supermercado não apenas prosperou como evoluiu. Mas essa evolução não se deu por ser um modelo imbatível. Em primeira análise, segundo Levitt, se consolidou por não ter tido concorrentes com visão estratégica e, em segundo plano, pelo que aprendemos com suas lições, por não ter tido outro modelo capaz de confrontar o conceito. Quase cem anos após esse último exemplo de Theodore Levitt,

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


em nível de qualidade, preço e serviço semelhantes. Todavia, quando a competição entra no campo da rivalidade, seja provocada pelo grande ou pelo pequeno, a tendência do consumidor é se posicionar ao lado do mais fraco. De acordo com o estudo, existe a percepção, por parte dos entrevistados, de que eles têm o papel de moldar o cenário de oferta. Se eles deixarem o pequeno negócio na mão, seu destino será selado pelas grandes redes dominantes. Mas o caldo desse debate pode ser engrossado com outro ingrediente não menos importante, os aspectos culturais do consumo. Voltando ao exemplo das mercearias de Levitt, o perfil do consumidor da década de 1930 é substancialmente diferente do perfil do consumidor pesquisado por Paharia, Avery e Keinan. Em Levitt, o consumidor não é considerado como agente ativo do processo, tanto que sequer é mencionado como elo de determinação na relação. Já nos estudos das universidades de Georgetow e Harvard, o consumidor determina sua escolha. Embora não tenhamos estudos sobre o assunto,

temos um caso de competição entre pesos distintos que podemos associar aos dois estudos anteriores. Caso bem parecido com o exemplo de Levitt, mas com diagnóstico que nos remete às conclusões da pesquisa mais recente citada. No Brasil, a expansão das mercearias acontece no contexto histórico da colonização e exploração da mão de obra escrava e, posteriormente, numa relação de trabalho ligeiramente evoluída entre colonos e proprietários de terra, em que esses últimos eram os provedores de todas as necessidades de seus empregados. As mercearias eram mantidas e controladas pelos proprietários, e as compras realizadas nas mesmas eram relacionadas em cadernetas, com o efetivo pagamento descontado diretamente do salário dos trabalhadores. Mesmo na era da tecnologia digital essa prática ainda persiste no interior do país e mesmo nas periferias dos grandes centros urbanos. É bem verdade que a figura dos provedores absolutos é cada vez mais rara, mantendo-se viva apenas nas regiões mais remotas.

Euclydes Cardoso Jr., diretor da DZ1 Comunicação

EXPO BRASIL

www.expobrasilfeiras.com.br

23


Estratégia Mais que um costume feudal introduzido por portugueses no Brasil Colônia, ainda que na Europa já se respirava os bons ares da industrialização, o modelo se espraia rapidamente pelo Brasil Império, se consolida na velha república e se mantém firme durante todo o século XX como processo cultural. Na atualidade, representa uma tática de sobrevivência para os pequenos negócios dessa natureza.

EXPO BRASIL

24

Mais uma vez as relações de consumo são alteradas de forma significativa, e o modelo de pequenos negócios de mercearias que se mantém vivo há séculos, inspira outros segmentos, afinal, a demanda é crescente e o mercado acolhe e gera negócios para todos. De acordo com o especialista Cardoso Junior, diretor da DZ1 Comunicações, o negócio é ruim quando está mal posicionado, e um gigante não avança de forma predatória sobre um pequeno. Ele cria suas estratégias de marketing para conquistar seu público-alvo com foco em seu concorrente direto e proporcional, que não é o pequeno, é o grande. É esse que atende seu público-alvo ou seduz seu cliente já conquistado, e cita um caso de sucesso de crescimento, o Supermercado Andorinha. “Acompanhei a trajetória de crescimento desse negócio e posso testemunhar que a estratégia de comunicação foi perfeita para o que se pretendia. Com poucos recursos, transformaram um pequeno negócio num gigante, falando diretamente com seu público-alvo. Evidente que ainda não se compara com grandes redes nacionais, mas já se posiciona como tal”.

RECIFE/16

I

Cardoso diz que um pequeno tem todas as ferramentas para enfrentar um grande. “Para responder a uma investida em seu cliente, mesmo sendo pequeno, basta conhecer seu negócio, seu cliente e desenvolver ferramentas de comunicação adequadas para o que se pretende. Um simples folheto com as promoções da semana pode significar a diferença entre manter ou perder um cliente. Se um grande pode representar ameaças, o pequeno também pode morder, ele também tem o dente afiado. Se não tem tanto poder econômico, tem mais agilidade e conhece seu público como ninguém, mas o que não pode é se acomodar. Caso o administrador do negócio se posicionar na zona de conforto, não precisará nem do grande para levar seu cliente, ele vai embora sozinho”, conclui Cardoso. Como podemos ver, por mais que os estudos identifiquem o espírito de autopreservação do consumidor ao eleger o mais frágil em uma disputa, se o protegido não se mover nem adotar estratégias adequadas, pode morrer de inanição, ainda que mãos parceiras o alimentem. O exemplo de Levitt nos mostra que não se pode apenas ficar observando os movimentos do concorrente, tem que agir, a começar por identificar precisamente o que faz seu negócio e qual seu público-alvo. Ainda, de acordo com esse autor, uma administração que vende ferrovia não transporta coisa alguma e, para sobreviver, corre o risco de ter de vender os trilhos e fechar as portas por falta de meios de realizar sua principal atividade. O transporte.•

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Consumo

Cidades do interior estimularão consumo nos próximos anos O crescimento desordenado dos grandes centros urbanos brasileiros levou, nos últimos anos, a uma descentralização da economia, com muitas empresas, grandes, médias e até pequenas, a se deslocar para municípios próximos -com distância entre 75 e 200 km- das grandes cidades, o que os levará, de acordo com o estudo da consultoria McKinsey & Company, a um protagonismo inédito no país. Serão eles que promoverão o consumo interno no país, que ainda segundo a consultoria, será de R$ 813 bilhões até o ano de 2024. Esse incremento será possível uma vez que essas cidades irão se beneficiar da infraestrutura e dos negócios gerados pela capital, mas com maior potencial por terem um desenvolvimento ainda menor. De acordo com Fabio Stul, sócio-diretor da McKinsey, o custo de vida menor e a mão de obra mais barata se manterão nos próximos anos, o que estimula um ambiente positivo de negócios nessas cidades.

EXPO BRASIL

26

E não estamos falando apenas das cidades mais desenvolvidas do país, na região sudeste. Em estados como Piauí, Sergipe e Pará, as cidades do cinturão de crescimento tendem a registrar alta anual de consumo

RECIFE/16

I

em torno de dois pontos percentuais acima de Teresina, Aracaju e Belém, capitais dos estados, respectivamente. De acordo com a consultoria, apesar da instabilidade econômica pela qual o país passa atualmente, há boas razões para manter o otimismo no retorno ao crescimento em médio prazo. Uma das razões são as próprias condições do país. Explicando: hoje, e pelos próximos anos, a população em idade apta ao trabalho é bem superior ao número de idosos e crianças. Outro ponto é que o brasileiro, independente do momento econômico, continua interessado em fazer compras. O resultado dessa pesquisa elaborada pela consultoria reflete a análise atualizada da ferramenta CityNav Brazil, que mostrou uma fotografia do consumo interno brasileiro. A base de dados dessa pesquisa ganhou a inclusão de novas categorias de produtos e um grupo de estatísticos trabalha nas projeções das oportunidades de crescimento dessas novas categorias em todo o Brasil. Ainda segundo a consultoria, planejar o crescimento da empresa pensando apenas no momento atual do país é um equívoco. Outro erro comum a

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


muitos varejistas é concentrar os planos apenas nas grandes capitais, que pode restringir o crescimento, principalmente se considerarmos que o Brasil conta com centenas de cidades médias e grandes com potencial de crescimento. A pesquisa da McKinsey mostra exatamente isso. Basta entender para onde é viável expandir os negócios, seja um supermercado, uma loja ou um comércio de produtos diversos, e chegar lá atendendo necessidades e desejos específicos do local. Dessa forma, por que as pessoas sairiam de suas cidades para as capitais para fazer compras, se ali mesmo elas encontram tudo o que precisam? Lembrando sempre que é imprescindível identificar as categorias de produtos importantes na região para atender bem o público daquela cidade. Fabio Stul sabe que muitos varejistas ajustam a oferta de mercadorias em momentos de incertezas de mercado. É uma decisão natural, já que em muitos locais os consumidores passam a comprar versões mais básicas de certos produtos ou até trocam algumas categorias na cesta de compras para pagar menos. Mas o executivo lembra que, passado o momento ruim, acontece o efeito contrário. Nas decisões para

o médio prazo, portanto, a dica é considerar que a sofisticação de consumo continua valendo. Exemplo disso é que, no cenário nacional, o CityNav mostra que itens de alto valor agregado se mantêm com forte tendência de crescimento em vendas. Por essas razões e pelas boas perspectivas para os próximos anos, este é o momento propício para o varejista planejar a expansão ou a mudança de seu negócio e conhecer bem a cidade em que pretende atuar, se a ideia for sair dos grandes centros, não esquecendo de estudar as especificidades locais, ou seja, quais são as demandas dos consumidores, os produtos mais procurados e tudo o que ainda pode ser explorado para garantir o sucesso nas vendas e um crescimento saudável. Neste momento em que a situação econômica não tem apresentado bons resultados, a pesquisa da McKinsey deixa claro que há espaço para faturar mais sabendo escolher onde investir e quais produtos privilegiar. “O consumo não é uniforme. Nas dimensões de geografia e categoria, mesmo em épocas mais magras, é possível crescer entendendo o mapa de ouro do consumo”, conclui Stul. •

EXPO BRASIL

www.expobrasilfeiras.com.br

27


Relacionamento com o cliente

Os desafios de se relacionar com um cliente cada vez mais exigente

EXPO BRASIL

36

O Código de Defesa do Consumidor, em vigência desde o ano 2000, foi transformando o cliente brasileiro em um cidadão mais conhecedor e exigente de seus direitos. Ele está aprendendo que deve receber exatamente o que comprou, seja em produtos ou serviços. Por conta disso, as empresas foram obrigadas a se adaptar e criar canais de comunicação para atender esse cliente, além de estratégias para fidelizá-lo. Essas estratégias passam por questões como treinamento dos colaboradores, melhoria na qualidade dos produtos e serviços, e algumas técnicas para fazer com que esse cliente seja um parceiro da empresa, na sempre funcional propaganda boca a boca. Há tempos os empresários já constataram que é

RECIFE/16

I

mais fácil e barato manter um cliente que já comprou com sua empresa do que ir atrás de novos. Porque um cliente satisfeito compra mais e indica a empresa para outros potenciais clientes. E o perigo a ser evitado: o inverso também pode acontecer. Em tempos de consumo refreado, em que o consumidor pondera muito antes de consumir além do básico, vivemos um momento em que se faz necessário buscar a profissionalização no atendimento, justamente para buscar esse cliente que, ainda ciente da contenção de gastos, tem o hábito de consumir. O brasileiro, de acordo com a pesquisa realizada pela consultoria McKinsey & Company, sempre tem a

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


intenção de consumir (Veja matéria sobre Consumo nesta edição). Mas como manter a confiança do cliente e tratá-lo verdadeiramente como alguém que é a razão de ser da empresa? Há um conjunto de ações e políticas de gestão de relacionamento com o cliente que podem ser adotadas pelas empresas para que estas atendam o cliente, mantendo-os satisfeitos e bem longe dos órgãos de reclamação dos direitos do consumidor. Seguem algumas dicas de como transformar o atendimento ao cliente na porta da entrada do seu negócio em relacionamento eficaz com esse cliente. - Atendimento empático Se você fosse o cliente, gostaria de ser tratado da maneira com que a sua empresa o trata? É preciso atender e se relacionar com o cliente, pensando no cliente, e não apenas em como a sua empresa é maravilhosa e seria ótimo para o cliente fazer negócios com você. Sente-se na cadeira do cliente e veja se o seu discurso está focado na sua empresa ou se está focado na real necessidade em servir o cliente. Não pressione o cliente durante o atendimento. - Foco no longo prazo Relacionamento é sempre algo de longo prazo. Se, no primeiro atendimento, a sua empresa tentar empurrar algo para o cliente, certamente ele irá assustar. As empresas não podem “obrigar” o cliente a comprar algo, sem ter a certeza de que é isso que ele precisa. Muito menos sem a certeza de que o produto que ela tem fará uma diferença positiva na vida dele. - Tudo se resume, ou se prolonga, por conta do atendimento O atendimento pode ser um atalho ou vínculo permanente. É a porta de entrada de uma empresa. É por meio dele que negócios podem ser encurtados ou prolongados. Portanto, o atendimento, o serviço ao cliente e a cultura da empresa são as grandes ferramentas no dia a dia dos negócios. - Capriche na exposição do produto Deixe seu produto à vista, saiba expô-lo de forma adequada nas vitrines e prateleiras. Permitir que as pessoas vejam adequadamente seus produtos já é uma forma eficaz de divulgá-los. Apenas a visão do produto pode ser responsável pelo desencadeamento maior de vendas.

- Saiba usar um discurso persuasivo A pré-venda é a etapa na qual o vendedor fala sobre o produto, é a divulgação verbal das qualidades dele, do que ele oferece de bom e qual a vantagem sobre outros produtos do mesmo segmento. Para isso, o vendedor precisa estar preparado, ter conhecimento suficiente sobre o que vende, expressar-se da melhor forma possível. Não tente obrigar o cliente a adquirir o produto ou serviço. Esteja focado na venda, mas saiba respeitar a opinião e a decisão do cliente. - Fidelize o cliente De nada adianta vender um produto ou serviço para o cliente que terminará com uma má impressão da sua empresa. O importante é fidelizá-lo não apenas no sentido de que ele vá comprar novamente, mas também de que ele indicará seus serviços para outros e se mantenha com uma boa impressão da sua empresa, mesmo que não compre de novo. Isso é feito pensando nas reais necessidades do cliente para o longo prazo. - Resolva os problemas As pessoas gostam daquelas empresas que realmente resolvem seus problemas e este deve ser o foco de qualquer negócio que deseja manter um bom relacionamento com seu cliente. Ter uma equipe treinada, que ofereça soluções, é muito mais importante para a interação do que ter vendedores simpáticos e bons de lábia. Sempre que o cliente apresentar um problema, mostre que sua empresa está disposta a buscar soluções. - Aprenda com os erros Uma das poucas certezas no mundo dos negócios é a seguinte: erros vão acontecer. A forma como sua empresa vai lidar com esses erros é que definirá se será possível ou não ter um bom relacionamento com seu cliente. Quando algum problema acontecer, imediatamente admita o erro e mostre ao cliente como ele será solucionado. E o mais importante: aprenda com esse erro e se assegure com os outros setores da sua empresa de que ele não acontecerá novamente. Se o cliente entender que sua empresa reconheceu o erro e trabalhou com afinco para solucioná-lo, ele pode sair com uma impressão ainda melhor do que tinha anteriormente.

www.expobrasilfeiras.com.br

EXPO BRASIL

37


Relacionamento com o cliente

- Na finalização da venda, agradeça ao cliente Se conseguir efetuar a venda, agradeça ao cliente pela compra, continue dando atenção a ele, mostre-se sempre disposto a servi-lo. Algumas pessoas acham que ao concluírem a venda não têm mais compromisso com o cliente, nem devem reconhecimento a ele. Na verdade, mesmo que a pessoa não compre, ainda assim deverá mostrar-se educado, saber agradecer e pedir que ela retorne outras vezes. - Invista no relacionamento com seu cliente em todas as fases da venda Muito se fala na fidelização do cliente e na necessidade de criar um relacionamento no pós-venda para que ele volte a comprar com sua empresa. Claro que o pós-venda é importante, mas esta não deve ser a única fase em que se foca no relacionamento com seu cliente. A boa interação deve acontecer em todas as fases da venda, desde a prospecção. Qualquer má impressão que cause ao longo do processo poderá ter um impacto negativo.

EXPO BRASIL

38

- Tenha o feedback do cliente como indicador de qualidade As críticas, comentários e sugestões do cliente são o melhor indicador de qualidade. É a análise do cliente sobre o produto que vende, o serviço que presta, o atendimento que dispensa, o preço que oferece. Saiba analisar todos os feedbacks e proceder a mudanças que melhorem seu negócio, satisfazendo

RECIFE/16

I

ainda mais o cliente. Para conseguir mais feedbacks dos clientes, poderá fazer perguntas, elaborar questionários e sistemas de pontuação. - Explore ao máximo o potencial de compra do seu cliente É uma técnica de percepção que está relacionada a tornar seu negócio cada vez mais abrangente, sempre suprindo aquilo que o cliente necessita, seja na forma de novos produtos ou de valor agregado. Por exemplo, em sua empresa é vendido um conjunto de produtos, um kit, por preço X. Mas sempre aparecem clientes interessados em adquirir apenas um ou dois componentes do kit a um preço menor. Talvez seja o caso de vender tanto o kit quanto os produtos em separado e assim atingir um público-alvo maior. - Use as redes sociais a seu favor As redes sociais podem ser grandes aliadas na construção de interações positivas com o cliente. O mais importante é que as redes sociais podem dar a sua empresa uma impressão de maior acessibilidade e proximidade. Ao saber que pode ter fácil e rápido acesso, o cliente terá mais segurança e certamente uma impressão mais positiva do seu negócio. O bom relacionamento com seu cliente deve ser visto como um dos principais ativos do seu negócio. Não somente porque um cliente satisfeito comprará mais, mas porque ele indicará sua empresa para outros potenciais clientes.•

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Case

Zein projeta crescimento de 15% em 2016 Diante de um mercado cada vez mais competitivo e dinâmico, a Zein Importadora está sempre atenta às tendências, de forma ágil e profissional, ampliando constantemente o mix de produtos e investindo sempre, tanto em novos produtos quanto em treinamento e capacitação de seus colaboradores para oferecer o que há de melhor no segmento para seus clientes. E de dinamismo e percepção a empresa conhece bem. No mercado há 50 anos como indústria de confecção e guarda-chuva, a empresa foi obrigada a se reinventar quando, em 1994, o governo abriu o mercado para importação. A decisão foi rápida, como o momento exigia, e a empresa passou a atuar como importadora e distribuidora. Os números mostram que a mudança foi acertada. A Zein tem apresentado o crescimento planejado ano a ano, com muito trabalho e independente do momento econômico do país. Confira a entrevista que fizemos com Zein Atef Sammour, sócio da Zein Importadora e responsável pelo sucesso da empresa. EB- Qual é a origem da empresa? Zein- A empresa surgiu em 1994, aproximadamente, a partir da abertura das importações no Brasil. Nós éramos fabricantes de roupas e guarda-chuva. Para nos manter no mercado começamos a trabalhar com importação de brinquedos e produtos natalinos. E, a partir de 1996 passamos a atuar como atacadista e importadora.

EB- Quantos produtos são comercializados? Zein- Atualmente cerca de oito mil itens. EB- É preciso sempre inovar e ampliar o mix de produtos para atender o cliente? Zein- A diversificação do portfólio permite posicionar a importadora no mercado como uma empresa generalista e multissoluções, promovendo crescimento dos negócios. Nós temos utilidades domésticas, ferramentas, brinquedos, enfeites natalinos, decoração, maquiagem. Podemos afirmar que hoje nós temos a maior variedade de produtos do setor.

EXPO BRASIL

40

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


EB- Como foi feito o planejamento inicial antes de abrir a empresa? Zein- O planejamento inicial se deu, na verdade, mais pela necessidade de sobrevivência do que por um estudo aprofundado de mercado. A maioria das indústrias nacionais perdeu fatias de mercado para os produtos importados. Foi o momento em que nós migramos para a importação. Nós, na verdade, só mudamos o segmento da empresa, a indústria existe há 50 anos. EB- Qual o perfil do consumidor da Zein Importadora? Zein- Lojas de variedades em geral. EB- Por que vocês decidiram atender pessoas jurídicas e não o consumidor final? Zein- Pela cultura da empresa. Como fabricantes, já vendíamos no atacado e mantivemos a estratégia, que já havia se tornado uma característica nossa. EB- Da data da inauguração da Zein até hoje a economia do país vem oscilando entre bons períodos e outros não tão bons, o que afeta diretamente o poder de compra do consumidor. Qual a estratégia da empresa para se manter – e bem – no mercado? Zein- Amplo mix de produtos, preços competitivos, atendimento ao cliente, estrutura comercial, seriedade. Nossos clientes e fornecedores têm uma imagem muito boa da empresa, nós trabalhamos corretamente. Isso se conquista. E quanto a se manter bem no mercado, nós hoje estamos nos profissionalizando, como por exemplo, no segmento de brinquedos, em que estamos nos dedicando para aumentar a linha de produtos para este ano. Parte dessa profissionalização passa pela contratação de colaboradores de mercado em áreas importantes para a empresa, como o Marketing. Acreditamos que uma das estratégias para crescer é melhorar o que já existe e criar novos mercados. No período de três anos, que é aproximadamente o tempo que projetamos nosso planejamento, temos como foco, primeiramente, sermos bons no que fazemos. Melhor do que já somos. EB- Como é a rotatividade dos funcionários? Zein- Hoje eu sei que a nossa rotatividade está mais alta do que o normal, porque como estamos profissionalizando, contratamos um gerente de RH para desenvolver plano de carreira na empresa, treinamento, buscando manter uma rotatividade mais baixa possível, porque a alta rotatividade gera custos adicionais à empresa e temos como meta diminuir esses custos a curto prazo.

www.expobrasilfeiras.com.br

41


Case

EB- A sociedade muda. A economia muda e as necessidades do consumidor também mudam. As empresas devem se adaptar a essas mudanças. O que um bom gestor precisa conhecer para estar sempre atualizado quanto às necessidades do consumidor? Zein- Acompanhar as tendências através da mídia, ouvir pessoas dentro e fora dos negócios da empresa, coletar opiniões diversas, ouvir clientes e equipe comercial/marketing. EB- Transformar desafios em oportunidade. Essa máxima se aplica à empresa? Zein- Sempre. Para continuar competitiva a Zein precisa ser competente, diversificar o mix de produtos periodicamente, manter o bom atendimento, honrar os compromissos, mantendo a qualidade que o mercado cada vez mais seletivo busca. EB- De que forma a empresa toma conhecimento das novidades que estão sendo lançadas? Zein- Viajando, participando de feiras, tanto no Brasil quanto no exterior, estar atento ao mercado e aos fornecedores. EB- Um empresário precisa inovar sempre seu negócio? Zein- Sim, e fazemos essa inovação buscando novidades no mercado através de parceiros estratégicos, ouvindo a opinião de clientes e força de vendas e diversificando o mix de produtos. EB- Como é a comunicação entre a empresa e o cliente? Zein- Estreita e pessoal com total suporte da força de vendas externa e interna, equipe administrativa treinada e capacitada. Feiras promovem encontros com atuais e novos clientes, ações de marketing promovem a marca e seus produtos, calendário sazonal visando antecipar necessidades.

Zein- Trabalhamos com a projeção de 15%. E, antes que alguém diga que estou sendo otimista demais, afirmo que é possível, sim, com muito trabalho. E, pelos números apresentados em janeiro e fevereiro, podemos até superar esse índice. Em janeiro, o crescimento foi de 17%, e na primeira quinzena de fevereiro tivemos um crescimento de 26%. Isso é trabalho. E foco. •

EB- Qual a importância dessa comunicação? Zein- Vital para o sucesso, para entender o perfil e necessidades do cliente. EB- Qual a projeção de crescimento da Zein para 2016?

EXPO BRASIL

42

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Mercados consolidados EXPO BRASIL

44

Inovar:

o gatilho do sucesso. Sempre! No âmbito da macroeconomia como sistema regulador das relações comerciais e trabalho de um Estado, o conceito de economia de mercado é a que melhor se aplica à ideia de livre competição comercial. Há, entretanto, o sistema misto no qual o Estado concede uma relativa liberdade ao mesmo tempo em que regula todas as atividades. A grande depressão econômica e social de 1929 fez surgir, em 1936, a Teoria Geral do Emprego, do economista inglês John Maynard Keynes. Essa teoria ficou conhecida como keynesianismo, e se opõe ao tradicional liberalismo econômico do século XVIII de Adam Smith, que entende o mercado como ente autônomo e livre de qualquer regra fora de si mesmo. Para ser mais exato, essa tese liberal emerge do século XVI, ainda no período da mercantilização ou mundialização da economia, surgida na esteira das navegações e colonização do mundo, por força dos primeiros defensores do liberalismo econômico. De acordo com Keynes, o mercado não seria capaz de se regular por si só, e a crise de 1929 poderia se repetir outras tantas vezes, assim, sua teoria econômica recomenda que o Estado crie mecanismos de proteção do sistema, equilibrando não apenas as relações comerciais, mas criando fórmulas de proteção ao trabalho, bem como uma rede de proteção social básica como educação e saúde. O sistema misto é ainda adotado com menor ou maior grau de intervenção nos países capitalistas, bem como no Brasil. Mesmo em países como EUA ou Inglaterra, berço do liberalismo econômico nos moldes de Adam Smith, a proteção social é bem robusta em razão da grande influência dos sindicatos, um dos pilares do grande acordo para a reorganização da economia mundial pós 1929. No Brasil contemporâneo, o continuado debate entre essas teses em relevo protagonizou e marcou nossa Constituição com um artigo que sintetiza tal disputa. Em seu artigo 5º, inciso XXII, a lei assegura o livre exercício de qualquer trabalho desde que observadas a exigências legais e qualificações. Um texto que expressa a disputa entre as duas correntes econômicas. Do renascimento econômico da Idade Média po-

RECIFE/16

I

demos citar as guildas (corporações de ofício que controlavam o acesso de novos profissionais) ou mesmo as hansas (corporações de comerciantes), que igualmente controlavam a abertura de novos comércios, mas isso também acontecia num momento em que a economia carecia de uma orientação menos restritiva para avançar, inovar e criar novos empregos, portanto, uma situação não muito diferente da que vivemos atualmente. Entretanto, o universo digital do século XXI vem embrulhar e colocar na prateleira da história as guildas e as hansas que ainda se fazem presentes em nossos dias sob outras denominações. De nossa capacidade de observar e adaptar surgem grandes hélices suspensas por gigantescas torres, transformando paisagens sem destruí-las e gerando tal quantidade de energia que até então não fomos capazes de gerar sem que algum outro valor fosse perdido. A energia eólica desponta como grande contribuinte do desenvolvimento do Brasil. Assim como a energia fotovoltaica, aquela resultante da transformação da incidência dos raios solares em energia elétrica por meio de placas solares feitas com silício cristalino ou arseneto de gálio. A energia fotovoltaica ainda tem desempenho tímido, sendo mais utilizada em áreas remotas, embora a nova legislação já propicie sua utilização em grandes centros urbanos, inclusive com venda de excedentes para as concessionárias de distribuição, mas a redução de preços tem atraído o consumidor doméstico podendo incentivar sua expansão, enquanto a eólica, segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) já responde por algo muito próximo a 9 GW, valor equivalente a uma usina hidroelétrica de Tucuruí, a segunda maior em operação no país, depois da gigante Itaipu. O que surpreende é que a capacidade instalada para eólica aconteceu em menos de 10 anos e não para de crescer. A expansão se deu graças à persistência de universidades, sobretudo do Nordeste do país, como a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e empreendedores que pesquisaram e acreditaram nessa matriz energética. Também de nosso cotidiano, podemos citar um

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


novo modelo de transporte como inovador, o Uber, que oferece uma experiência diferenciada e de qualidade para o usuário: por meio de um aplicativo para celulares, o usuário solicita um automóvel, que em poucos minutos chega ao local onde ele se encontra e o transporta até o local combinado. Todos os automóveis do serviço são de luxo e os condutores se apresentam com terno e gravata, além da cor preta ser predominante em todos os automóveis da frota, diferentemente da cor branca obrigatória aos táxis comuns. A inovação encontra resistência por parte de outros condutores de táxis, serviço convencional e padronizado, que entendem o serviço oferecido pelo Uber como ilegal. De acordo com lideranças sindicais e condutores, o Uber não recolhe taxas, nem está sujeito às mesmas regras que os taxistas. Tal conflito tem gerado problemas sérios e, de certo modo, tem arranhado a imagem do serviço convencional. Mas inovar em mercados consolidados nem sempre está relacionado ao confronto. Na atualidade, inovar está muito mais relacionado à somatória, ao agregar forças visando um objetivo comum e que traga benefícios ao cliente. Nunca devemos perder de vista que o cliente do século XXI é o senhor da aquisição, e se a aquisição não corresponder a sua expectativa, ele não apenas deixa de ser cliente como recomenda negativamente o serviço. Em tempos em que o cliente determina o tipo de serviço que deseja, e que já não se mostra mais paciente com cartéis controlados pelo absolutismo econômico, eis que surge, na onda do networking, grupos que adotam a prática de modo contínuo. São grupos de empresários e prestadores de serviço que atuam indicando e sendo indicados pelos parceiros do mesmo grupo. Não há fidelidade messiânica ou imposições; todavia, existem compromissos entre as partes para que o todo alcance seu fim numa relação de ganha-ganha. O grupo Avante de networking constante integra uma rede mundial com substanciais resultados mensurados por resultado de contratos fechados ou vendas. Essa nova modalidade tem assegurado o crescimento de diversos negócios mesmo em períodos de pouca atividade econômica. Assim, podemos observar que a consolidação de mercados é resultante de um processo histórico longo e não de circunstâncias ocasionais. Também podemos entender que, primeiramente, o verbo inovar sempre esteve presente em nossa história; segundo, que sempre teremos inspirações para ousar e exemplos a seguir.•


Gestão de relacionamento (CRM)

Como o CRM pode melhorar o resultado de sua empresa

EXPO BRASIL

46

Com as constantes mudanças na economia e no comportamento do consumidor, as empresas têm buscado inovações para se adaptar de forma apropriada a esse novo cenário. Perda de tempo e dinheiro não fazem parte de nenhum plano empresarial, ao contrário, a economia deles e com qualidade é a fórmula perfeita que toda empresa deseja. Customer relationship management (Gestão de relacionamento com o cliente), ou mais conhecido como CRM, é uma estratégia fundamental para empresas que querem alcançar esta fórmula. A utilização dessa ferramenta melhora o relacionamento com

RECIFE/16

I

os seus clientes a ponto de facilitar o atendimento, entender suas necessidades e aumentar as vendas. Além de a empresa economizar tempo e dinheiro. Para entender melhor a funcionalidade e os benefícios, precisamos saber que Estratégia CRM é diferente de Sistemas de CRM. O Sistema CRM é um software desenvolvido especificamente para as necessidades da Estratégia CRM. Na prática, os atendentes irão registrar todas as informações, conversas e negociações com o cliente. Dessa forma, a empresa consegue entender os perfis de clientes,

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


além de economizar tempo procurando folhas e dados das pessoas. O foco do CRM é a satisfação do cliente, é transformar aquele problema e necessidade em solução, oferecendo um atendimento diferenciado e qualitativo, mantendo os clientes satisfeitos. Assim, as chances de novas compras e indicações são cada vez maiores. Gustavo Paulillo, co-fundador da Agendor, explica como as empresas podem usar CRM a seu favor: “A empresa pode utilizá-lo para segmentar clientes, planejar campanhas e ficar por dentro dos processos de vendas e relacionamento. Quando são analisados os dados de atendimento, o pessoal tem acesso ao histórico de cada cliente, quais casos estão em andamento e quais foram finalizados, quem fez o último atendimento, se os clientes estão satisfeitos com os produtos/serviços oferecidos e a eficiência da equipe de suporte. Aplicado nas vendas, é possível analisar a abrangência dos produtos/ serviços nas áreas de atuação da empresa, fazer um gerenciamento territorial (qual local aceita melhor o produto), gerenciar os melhores contatos e oportunidades de negócio, melhorar as etapas de vendas e identificar vendas casadas. As vendas casadas são aquelas em que um produto pode ser vendido com outro complementar.” Vemos que CRM é crucial para organização e ge-

renciamento de uma empresa que busca acima de tudo qualidade, tanto no atendimento como no produto. Por isso, além de adquirir esta estratégia, as empresas têm que realizar treinamentos para essa nova ferramenta, não apenas na utilização do software, mas saber analisar e como se comportar em cada situação. Por outro lado, ter todas essas informações sobre o cliente, produto e mercado, geram um certo cuidado. Parece que com todo esse poder nada pode dar errado, não é mesmo? Pode sim. A ideia do CRM é suprir a necessidade do cliente ou trazer-lhe satisfação. Porém nunca utilize as informações de forma ameaçadora ou expondo o cliente às consequências por não adquirir o seu produto. Por exemplo, o cliente entra em contato com a empresa na intenção de trocar um serviço por uma categoria menor (serviço de menor valor da mesma empresa) e o atendente expõe excessivamente as consequências dessa mudança, com tom ameaçador, argumentando o quanto ele será prejudicado com essa mudança. Outro comportamento que pode ser negativo é promover a empresa de forma excessiva. A insistência e apelação são pontos negativos na conquista do cliente. E, caso eles já sejam fidelizados, não há a necessidade de ficar manifestando que “qualidade você só encontra aqui”.•

EXPO BRASIL

www.expobrasilfeiras.com.br

47


Até bem pouco tempo atrás, por mais ativo que fosse um empresário, sua atitude para promover seu negócio ficava circunscrita a anunciar suas ofertas em algum meio e aguardar o retorno da iniciativa. Ainda que se distinguisse do concorrente que sequer isso fazia, se tratava de uma ação limitada pela própria conjuntura do tempo. Nessa época, o cliente ainda era um artigo ocasional, de quem nada se podia esperar, exceto quando o preço do peixe na placa à porta batia o concorrente. Ainda assim com muitas ressalvas. E isso não faz muito tempo. As novas tecnologias e seus aplicativos transformam significativamente o consumidor, o empresário e o meio em que ambos estão inseridos. A aquisição cai imediatamente na rede, não raro as provas de roupas, seleções entre modelos e sabores são, também, enviadas dos dispositivos móveis, aparelhos que suportam o aplicativo em questão, para outros milhares ou milhões de usuários. Assim, o cliente se transforma na melhor testemunha da qualidade do produto e do atendimento. Essa característica define, também, o “defensor de marca”, a melhor publicidade do empresário. Mas não se pode negar que esse novo cliente está mais crítico e, desse modo, sua insatisfação é igualmente comunicada a milhões de seguidores.

EXPO BRASIL

48

O Instagram é uma rede social de fotos e vídeos para usuários de Android e iPhone. Basicamente, trata-se de um aplicativo gratuito que pode ser baixado no celular e, a partir do programa, ser possível tirar fotos, aplicar efeitos nas imagens e compartilhar na rede. Criado em 2010 pelo brasileiro Michel Krieger e pelo americano Kevin Systrom, o aplicativo caiu rapidamente no gosto do usuário e contabilizou 25 mil downloads no primeiro dia que foi disponibilizado pela dupla. Dois anos e meio foram suficientes para ser comparado ao Facebook, ao contar com 30 milhões de usuários num espaço de tempo tão curto, tendo sido adquirida pela gigante na Páscoa de 2012 por US$1 bi. Atualmente, a rede já possui 300 milhões de usuários. Tanto Michel Krieger quanto Kevin Systrom seguem trabalhando no “projeto Insta-

RECIFE/16

I

Divulgação

Instagram

Instagram e as imagens do sucesso

Kevim Systrom, CEO e co-fundador do Instagram, com o Papa Francisco, no Vaticano

gram”, agora como empregados do Facebook. E como a melhor propaganda é próprio criador utilizar seu serviço para demonstrar a eficácia, o CEO da Instagram, Kevim Systrom, postou uma foto de seu encontro com o Papa Francisco, assim como o próprio Vaticano também postou uma foto tirada pela assessoria em sua conta do aplicativo. Systrom legendou a foto com a seguinte frase: “Hoje eu tive a honra de conhecer o Papa Francisco. Foi de longe uma das experiências mais memoráveis da minha vida”. O Instagram também pode ser uma excelente ferramenta de negócio. A fabricante Nyke utiliza o seu perfil no aplicativo para publicar fotos de pessoas comuns escalando montanhas, correndo pelas ruas ou praticando esportes e exercícios com seus produtos. O efeito desejado é criar maior identificação com a marca para aumentar o engajamento. É, também, uma ótima plataforma para aumentar o engajamento e criar identidade para a marca. O Instagram tem 15 vezes mais engajamento do que o Facebook, mesmo sendo menor, e a plataforma de fotos ainda estar crescendo. Qualquer tipo de negócio pode usar o Instagram, mas empresas com produtos físicos podem aproveitar melhor o aplicativo; eles podem ser vistos e fotografados, mas isso não quer dizer que outros serviços não possam utilizar a plataforma. Algumas estratégias são bem eficazes para aproximar o cliente:

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


CDL São Paulo

CHEGOU O

SPC MONITORA 2.0 MONITORAMENTO INTELIGENTE E SOB MEDIDA PARA OS SEUS NEGÓCIOS

O SPC Monitora 2.0 identifica oportunidades e riscos da sua carteira de clientes com a máxima segurança, cruzando o banco de dados do SPC e da Serasa, dados cadastrais e registros de CCF.

FLEXIBILIDADE ATÉ NOS PREÇOS Desconto de até 100% no produto base, se selecionados os insumos opcionais*: AÇÕES PARTICIPAÇÃO EM EMPRESAS PROTESTOS *Varia de acordo com a periodicidade selecionada (diária, semanal, quinzenal ou mensal) para o desconto no preço final do produto.

CONTRATE O MONITORA 2.0 COM A ENTIDADE MAIS PRÓXIMA OU ACESSE WWW.SPCBRASIL.ORG.BR


Instagram - Interagir com fotos de fã, premiando as melhores fotos com seus produtos; - Publicar fotos de áreas físicas reservadas da empresa aproxima o cliente, cria intimidade; - Promover concursos e sorteios com fotos dos fãs. Para quem conhece, mas nunca utilizou, vale a experiência. Baixe o Instagram. Se você já possui um perfil em alguma rede social (como Facebook etc), será bem fácil. Dicas de instalação da wiki how Visite a home page do Instagram do seu dispositivo móvel. Na parte inferior da tela, você verá links para as várias versões do Instagram. Para começar, baixe e instale a versão para seu dispositivo. Também é possível comprar o Instagram diretamente, através do Google Play Store, da Apple App Store ou da loja do Windows Phone. Uma vez que o app do Instagram esteja baixado e instalado, abra-o. Na tela inicial, você verá três opções: registrar-se com sua conta do Facebook, registrar-se com seu E-mail e fazer o login. A menos que já possua uma conta no Instagram, você precisará escolher uma das duas primeiras opções. A decisão é sua, porém, se você já tiver o app do Facebook instalado em seu smartphone, inscrever-se usando sua conta do Facebook é provavelmente a opção mais rápida e mais simples.

EXPO BRASIL

50

Outro fator a ser considerado é a possibilidade de se promover. Se você quer que sua fanpage decole, vincular seu Instagram à sua conta do Facebook garante que seus amigos do fiquem por dentro de sua atividade no Instagram.

RECIFE/16

I

Na tela seguinte, você será solicitado a escolher um nome de usuário e senha. Caso opte por se registrar com seu e-mail, você também será solicitado a fornecer um endereço de e-mail válido. Você também pode fornecer seu nome completo e número de telefone, mas isso é opcional. Em comparação com muitos sites de redes sociais, a quantidade de informações que você precisa fornecer ao criar um Instagram é mínima. Visto que você está criando uma fanpage, talvez queira optar por um nome de usuário que remeta à sua celebridade, hobby ou interesse ao qual sua página se dedica. Neste caso, o nome de usuário pode ser simples e direto, como “Belieber2020”, para uma fanpage do Justin Bieber, ou um pouco mais sutil, como “SurfBoard247” (referência à letra de “drunk in love”), para uma fanpage da Beyonce. Na próxima tela, lhe será dada a opção de adicionar seus amigos do Facebook, que também são membros do Instagram à sua nova rede de contatos. Feito isso, a página perguntará se você gostaria de adicionar os contatos da sua agenda no celular. Caso seu objetivo seja tornar sua fanpage a mais bem sucedida possível, provavelmente é uma boa ideia concordar com as duas solicitações, para que seu perfil seja seguido pelo máximo de pessoas possível. Após aceitar (ou recusar) o serviço de busca de amigos do Instagram, você irá visualizar uma lista de “usuários sugeridos”, que você pode verificar. Após navegar por esta lista de usuários, você será levado à tela principal de seu novo perfil do Instagram. Como já percebemos de outras experiências, toda rede social tem seu início, seu auge e seu fim. Dessa forma, utilize toda e qualquer rede para promover e gerar fluxo para seu site.•

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Slogan EXPO BRASIL

52

Slogan, a identidade da empresa Slogan é uma palavra ou frase curta e de fácil memorização, usada com maior frequência em propaganda e publicidade. Do século XVI, tem sua origem nas guerras dos clãs na região montanhesa da Escócia. Vem do gaélico escocês sluagh-gairm, de sluagh, “exército”, e gairm, “grito”, ou seja, significava “grito de guerra”. Hoje, a palavra slogan é usada para indicar uma frase curta que serve de lema na propaganda de produtos ou de políticos.Do ponto de vista dos estudos da linguagem, a semântica explica a relação entre conteúdo textual e significado, sendo que a palavra ou frase escrita assume outro valor que não aquele representado por definição da língua. A título de exemplo para o exato entendimento, podemos recorrer à campanha publicitária do Novo Dicionário Aurélio, carinhosamente chamado de “Pai dos Burros”. Os criadores da campanha se apropriaram dessa forma linguística popular e adjetivaram o produto com a seguinte frase ao lado de um exemplar da publicação que o identificava claramente: “Bom pra Burro”. Evidentemente, o sentido não assume a forma depreciativa da palavra burro, que costuma ser associada ao indivíduo com pouca inteligência. Nesse caso, em particular, o substantivo burro é elevado ao superlativo do adjetivo bom, seria como dizer que o dicionário Aurélio é mais que bom.

que passa a ser indissociável da marca, como a frase criada para vender o analgésico Doril, “Tomou Doril, a dor sumiu”.

O slogan tem exatamente a função de trabalhar com o sentido das palavras e expressões e não com sua representação real. Se analisarmos o exemplo acima isoladamente, ou seja, sem a ilustração do dicionário, somos levados a pensar que se trata de algo bom para os burros, um artigo ou produto para ser adquirido por quem possui um ou mais animais conhecidos carinhosamente por burros. Mas o slogan não é utilizado apenas na criação de peças publicitárias especificamente dirigidas para veículos de comunicação, também é utilizado na política, na religião e mesmo em nosso cotidiano quando queremos produzir efeitos em nossas falas. Ele é parte integrante do discurso e, por se tratar de uma expressão curta e de fácil assimilação pelo interlocutor, representa uma ideia reproduzida de forma prazerosa, engraçada. Muitas vezes a frase ou palavra de um slogan não assume outro sentido que aquele expresso claramente, mas assume uma personalidade tão forte

Muitos slogans não possuem uma comunicação direta e fácil com o público-alvo, mas expressam um conceito ou uma utilidade para além da que se presta diretamente. Esse tipo de slogan contém o sentido subliminar da expressão, em que ela aparentemente não se relaciona diretamente com o produto que vende, mas explica a marca. O slogan da campanha da Bombril, por exemplo, diz que o produto tem 1001 utilidades. A expressão também faz uso de uma expressão popular utilizada quando se pretende referir à realização de diversas coisas ao mesmo tempo. Já o McDonald’s pretende que seu público-alvo lembre-se que em seus pontos de venda ele pode encontrar qualquer lanche que goste e faz com que o cliente passe a gostar demais, amar: “Amo muito tudo isso”. Como podemos ver, são formas de linguagem facilmente assimiladas pelo consumidor, uma bem pensada, estudada e eficiente estratégia de marketing. “Agora você já sabe e confia”.•

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Só existe um chefe: o cliente! EXPO BRASIL

54

Acreditem, o cliente nunca mais volta! Anos atrás, Sam Walton, fundador da maior rede de varejo do mundo, a Wal-Mart, abriu um programa de treinamento para seus funcionários, com muita sabedoria. Quando todos esperavam uma palestra sobre vendas ou atendimento, ele iniciou com as seguintes palavras: “Eu sou o homem que vai a um restaurante, senta-se à mesa e espera pacientemente enquanto o garçom faz tudo, menos anotar o meu pedido. Eu sou o homem que vai a uma loja e espera calado, enquanto os vendedores terminam suas conversas particulares. Eu sou o homem que entra num posto de gasolina e nunca usa a buzina, mas espera pacientemente que o empregado termine a leitura do seu jornal. Eu sou o homem que explica sua desesperada urgência por uma peça, mas não reclama quando a recebe somente após três semanas de espera. Eu sou o homem que, quando entra num estabelecimento comercial, parece estar pedindo um favor, implorando por um sorriso ou esperando apenas ser notado. Você deve estar pensando que sou uma pessoa quieta, paciente, do tipo que nunca cria problemas… Engana-se. Sabe quem eu sou? Eu sou o cliente que nunca mais volta!

RECIFE/16

I

Divirto-me vendo milhões sendo gastos todos os anos em anúncios de toda ordem, para levar-me de novo à sua empresa, sendo que quando fui lá pela primeira vez, tudo o que deveriam ter feito era apenas uma pequena gentileza, simples e barata: tratar-me com um pouco mais de cortesia. Só existe um chefe: O CLIENTE. E ele pode demitir todas as pessoas da empresa, do presidente ao faxineiro, simplesmente levando o seu dinheiro para gastar em outro lugar.”•

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


EXPO BRASIL

56

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Calendário

Calendário de Eventos - Abril/2016 a Setembro/2016 (Favor consultar as datas abaixo no site da promotora responsável) Expo Brasil Feira - Nordeste 31 de Julho a 02 de Agosto de 2016 www.expobrasilfeiras.com.br Centro de Convenção Pernambuco Expo Brasil Feira 20 a 23 de Setembro de 2016 www.expobrasilfeiras.com.br Expo Center Norte - Pavilhão Verde 33ª ABRIN - Feira Brasileira de Brinquedos 05 a 08 de Abril de 2016 www.abrin.com.br Expo Center Norte - Pavilhão Verde e Vermelho Hair Brasil 16 a 19 de Abril de 2016 www.hairbrasil.com.br Expo Center Norte - Pavilhão Verde, Vermelho e Branco APAS 02 a 05 de Maio de 2016 www.feiraapas.com.br Expo Center Norte - Pavilhão Verde, Vermelho, Branco e Azul 22ª ABIMAD - Feira brasileira de móveis e acessórios de alta decoração 12 a 15 de Julho de 2016 www.abimad.com.br Expo Center Norte - Pavilhão Verde e Branco 33ª ABUP SHOW 03 a 07 de Agosto de 2016 www.abup.com.br Centro de Eventos Pro Magno Office Brasil Escolar - Feira Internacional de produtos para papelarias, escritórios e escolas 07 a 11 de Agosto de 2016 www.francal.com.br Feiras e Exposições Anhembi 53ª House & Gift Fair - South América 06 a 09 de Agosto de 2016 www.grafitefeiras.com.br Expo Center Norte - Pavilhão Verde, Vermelho, Branco e Azul

EXPO BRASIL

58

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO


Marcas confirmadas

Empresas e marcas presentes na: 32ª edição da Expo Brasil Feira - 1 A 99 4ª edição do Outlet Grandes Marcas 3ª edição da Expo Bomboniere

Os dados foram verificados junto aos expositores até o fechamento desta edição. Não nos responsabilizamos por eventuais incorreções. Expositores e marcas confirmadas até 02/03/2016

123 Util Localização: Estande - 67 R2/E Produtos: Utilidade Doméstica e ferramentas

Alklin Localização: Estande 23 Av. Fab / 1 www.alklin.com.br Produtos: Vassouras, pano de prato

EXPO BRASIL

60

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO

Amigold Localização: Estande 19 Rua 1 / C Produtos: Utilidades e presente

Analeni Localização: Estande 22 Rua D / 1 Produtos: Panelas e potes de alumínio

Arma Zen Incensos Localização: Estande 109 - Rua 4 www.armazenincensos.com.br Produtos: Incensos

Arte Livre Quadros Localização: Estande 57 Rua B / 3 Produtos: Quadros e porta-retratos

ArteBel Artigos de Presentes Ltda Localização: Estande 39 Av Fab Produtos: Presentes decorados


Arts Leles Localização: Estande 140 Rua SC / F www.artsleles.com.br Produtos: Porta-retratos, murais, botons, biscuit Barufe Localização: Estande 141 Rua SC Produtos: incenso indiano Batiki Localização: Estande 101A R Inter / 1 / G www.batiki.com.br Produtos: Malas de viagem, eletroportáteis, utilidade doméstica, linha bebê e linha escolar Bella Festa Brasil Localização: Estande 35 Av Fab / Rua Int www.bellafestabrasil.com.br Produtos: Artigos de epoca, carnaval, halloween, festa junina e copa Belmount Localização: Estande 74 - F / 2 www.belmount.com.br Produtos: Utilidade Doméstica Cansan Indústria de Vasos Localização: Estande 155 R SC / B Produtos: Flores no vaso, arranjos de flores e cachepôs de madeira etc

Cerâmica Regina Localização: Estande 130 Av. SC / 4 / Int www.ceramicaregina.com.br Produtos: canecas, xícaras, cachepôs

www.expobrasilfeiras.com.br

Cg PacK Embalagens Localização: Estande 84 Rua 4 / F / 3 Produtos: Embalagens

CIM Localização: Estande 250 Av Fab / B Produtos: Diversos para 1,99

Comix Plásticos Localização: Estande 83 Rua G / 3 www.comixplasticos.com.br Produtos: Copos plásticos

Cristaleria Bruxelas Localização: Estande 1 Av SQ / D www.cristaleriabruxelas.com.br Produtos: vidros para decoração

Culturama Localização: Estande 42 Av Fab / F www. culturama.com.br Produtos: Livros em Geral

Cupulas Andrea Localização: Estande 138 R SC / F www.cupulasandrea.com.br Produtos: Abajures, cúpulas para abajures e artigo para decoração

Decor & Casa Localização: Estande 136 R SC / G www.decorecasa.com Produtos: Utilidades domésticas

EXPO BRASIL

61


Marcas confirmadas

Diplomat Localização: Estande 70A R2/F/3 Produtos: Artigos de presente em geral e utilidades Dolce Home Localização: Estande 110 RD/4 http://www.dolcehome.com.br Produtos: Utilidade Doméstica Dr. Útil Utensílios Localização: Estande 99 - R 3 www.doutorutil.com.br Produtos: Utensílios domésticos E.Tamer Localização: Estande 96 R3/D/4 Produtos: Panos de copa, toalhas de mesa de várias medidas, capas de botijão de gás, galão d’água, liquidificador, tecidos a metro, jogos de cozinha Ei Brasil Localização: Estande 21 - R 1 / B Produtos: Produtos importados em geral Euroquadros / Fratelli Localização: Estande 47 Rua D / Av. Fab / E www.euroquadros.com/euromirror / www.fratellinox.com.br Produtos: Quadros, Espelhos, Inox e Utilidades Domésticas F. C. Fios e Cabos Localização: Estande 25 - R B Produtos: Fios e Cabos F. Emy Localização: Estande 90 Rua 3 / E / 4 Produtos: Diversos e Importados para 1,99

EXPO BRASIL

62

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO

F.W.B. Imp. e Exp. De artigos para presentes Localização: Estande 50A Av SQ / R Int Produtos: utilidades e presentes

Fabiana Representações Localização: Estande 156 R SC / B vendas@fabianarepresentacoes. com.br Produtos: cerâmica

Fábrica de Quadros GENARO Localização: Estande 148 Rua SC / D Produtos: Quadros

Fenima Localização: Estande 66 R3/D/2 Produtos: Utilidade Doméstica

Fika Localização: Estande 49 Av Fab / D Produtos: Utilidades Domésticas, Presentes e Decoração

Formplast Ind. Plásticos Localização: Estande 104 Rua 2 Produtos: utilidades domésticas em plástico

Ga Cerâmica Localização: Estande 154 R SC / C www.gaceramica.com.br Produtos: cerâmica

Gira Import Localização: Estande 43 Av Fab / F / 1 Produtos: Presentes


Gráfica Sorria Localização: Estande 107 R C/4 Produtos: Embalagens

Guarani Sistemas Localização: Estande 16 Rua S. Queiros www.guaranierp.com.br Produtos: Software

H-100 Com. Imp. e Exp. Ltda Localização: Estande 65 Rua D / 2 www.h100distribuidora.com.br Produtos: tudo em artigos para lojas acima de 1 real

Hogar Útil Localização: Estande 34A Av Fab / R Int www.pegpizza.com.br Produtos: peg pizza, ud importada, representação de brinquedos e ud (HOMEPLAY)

Hot Feet Localização: Estande 26 RE/3 www.meiasfitt.com.br Produtos: meias em geral

Imporiente Localização: Estande 13 Av SQ / C / D Produtos: diversos

Ind. Bandeirante Localização: Estande 52 Av Fab / C Produtos: pote pet decorados e artigos escolares

www.expobrasilfeiras.com.br

Ingá Localização: Estande 46 Av. Fab / E / 2 www.ingaimport.com.br Produtos: Utilidades domésticas em geral

Injetemp Localização: Estande 75A Av. Fab / Inter / 2 Produtos: utilidades domésticas em plásticos

Interponte Localização: Estande 51 Av. Fab / D www.interponterj.com.br ; interpontecom@gmail.com Produtos: Artigos para presentes

Jr Toys Localização: Estande 113 RB/4 Produtos: Brinquedos

Jaya Trade Center Localização: Estande 1 Av SQ / R Int Produtos: Balas, salgadinhos, biscoitos, amendoim, doces e alimentos diversos

Ke Home Localização: Estande 10 R F / SQ / G Produtos: Inox de cozinha e utilidades

Keita Localização: Estande 14 Av SQ / B / C www.keita.com.br Produtos: utilidades domésticas e brinquedos

EXPO BRASIL

63


Marcas confirmadas

Kit Sempreviva Localização: Estande 105 - R SC Produtos: kits para costura 100% nacional Koisas de Kozinhas Localização: Estande 9 Av. Fab / E / 2 Produtos: Plásticos em geral e acrílicos e porcelanas Lig BrinK Localização: Estande 95 - R D / 3 Produtos: Brinquedos e utilidades domésticas Lita Presentes Localização: Estande 36 Av. Fab / Inter www.litapresentes.com.br Produtos: Pelúcias, bonecas de porcelana, palhaços de porcelana e artigos para bazar LMX PET Localização: Estande 69 Rua 2 / F www.lmxpet.com.br Produtos: U.D. M Plast Comércio Localização: Estande 106 Rua SC / C / 4 Produtos: Taças para sorvete, Brinquedos e U.D. Maria Brilhante Localização: Estande 112 Av. SC/ D / 4 www.m.brilhante.com.br Produtos: Importador de guarda-chuvas, pastas para notebook e ventiladores Mega Inox Localização: Estande 58 Av Fab / B Produtos: Produtos de utilidade doméstica em inox

EXPO BRASIL

64

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO

Multiart Localização: Estande 2 - Av. SQ Produtos: Importados Neander Cosméticos Localização: Estande 135 Rua 4 / C Produtos: Cosméticos Outlet Grandes Marcas Localização: Estande 54 Av. Fab / c / 1 Produtos: Variedades P.A Brinquedos Localização: Estande 88 Rua 3 / E / 4 www.pabrinquedos.com.br Produtos: Brinquedos, porta-retratos Patricinha Bijoux Localização: Estande 142 Rua SC / E www.patricinhabijoux.com.br Produtos: Bijuterias Pedra e Cor Localização: Estande117 Rua 4 / E Produtos: Utilidade Doméstica Plastgran Localização: Estande 102 RB/3 Produtos: utilidades domésticas, vassouras Plásticos MB Localização: Estande 53 Av Fab / B Produtos: utilidades domésticas Plastifesta Localização: Estande 82 - R G / 4 www.plastifesta.com.br Produtos: Corneta, marcador de ponto, kit torcida para copa, e kit truco


Plastutti Localização: Estande 134 R SC / G / 4 www.plastutti.com.br Produtos: Utilidades em Plásticos

Prince Importadora Localização: Estande 103 R3/C Produtos: Importados, canecas e porta-retratos

Raner Tecidos Localização: Estande 18B RB/1/C http://www.raner.com.br/ Produtos: Cama, mesa e decoração

Representações Fernanda Localização: Estande 111 Rua 3 / Inter / 2 / G Produtos: Utilidades domésticas, brinquedos e impor­tados

Rio Chens Localização: Estande 10A R F / SQ / G www.riochens.com.br Produtos: Utilidades Domésticas em geral, ferramentas, produtos eletrônicos

Rio de Ouro Localização: Estande 11 Av SQ / E / 1 / F Tel.: (21) 3221-5757 Fax: (21) 2224-5778 www.riodeouro.com.br Produtos: artigos para presentes e utilidades em geral

www.expobrasilfeiras.com.br

Rong Localização: Estande 60 Rua C / 2 www.rongimportados.com.br Produtos: Guarda-chuvas e utilidades domésticas Santa Marta Festas Localização: Estande 93 - Rua 3 Produtos: Artigos de festas e descartáveis em geral Sanxia Comercial Localização: Estande 44 Av Fab / F www.sanxia.com.br Produtos: Resinas, utilidades domésticas, porta-retratos importados Sbrissa & cia Localização: Estande 125 Rua 4 / G www.sbrissa.com.br Produtos: Ud e brinquedos Senior Localização: Estande 87 Rua 3 / F / 4 Produtos: utilidades domésticas

Show House Localização: Estande 94 Rua D / 4 Produtos: Utilidades domésticas SPC Localização: Estande 41 - R 2 / F Produtos: Consultas de CNPJ

SR Santa Rita Localização: Estande 20 Rua 1 / C www.santaritasr.com Produtos: Brinquedos, espelhos, porta-retratos, quadros e relógios

EXPO BRASIL

65


Marcas confirmadas

Suzan Presentes Localização: Estande 38 Av. Fab / G Produtos: Utilidades de cozinha e presentes Suzigan & Talasso Localização: Estande 18 Av Fab / C www.suzigan.com.br Produtos: Kits para cozinha, toalhas de mesa em renda, colchas de cama, cortinas prontas, caminhos e centros

Tia Ajuda Soluções Práticas Localização: Estande 152 Rua SC Produtos: bainha instântanea, remendo mágico e kit kafta Tri-ax Industrial Localização: Estande 61 - R 2 / C Produtos: Espelhos, quadros e porta-retratos Trilharty - A arte de costurar Localização: Estande 150 Rua SC www.trilharty.com.br Produtos: Bolsas, nécessaires, mochilas, estojos, pastas, entre outros União Festas Localização: Estande 8 R Int / 1 Produtos: artigos para festas em geral União Suporte Localização: Estande 100A RC/3 www.uniaosuporte.com.br Produtos: Filtros e Suporte para água

EXPO BRASIL

66

RECIFE/16

I

1a EXPO BRASIL NORDESTE - DE 31 DE JULHO A 2 DE AGOSTO

Unicasa Localização: Estande 47A Rua D / Av. Fab / E www.fratellinox.com.br / www. grupoeuroquadros.com.br Produtos: Quadros, Espelhos, Inox e Utilidades Domésticas Unik Home Localização: Estande 7 R2/C Produtos: Utilidade Doméstica

Unimol Localização: Estande 114 R3/F www.uniterm.com.br Produtos: Utilidade Doméstica VR Acessórios Localização: Estande 151 Rua SC Produtos: Varão para cortina X-Zhang Eletronicos Localização: Estande 15 Av SQ / B Produtos: Eletrônico Y888 Localização: Estande 45 Av Fab / E / 2 www.y888artigos.spaces.live. com Produtos: Artigos de Bazar Zein Importadora Localização: Estande 12 Av Sen. Queiros / D / 2 / E www.zein.com.br Produtos: Utilidades domésticas, ferramentas, natal, brinquedos, escolar, melamina, guarda-chuva, resina e diversos para 1,99


EXPO BRASIL

www.expobrasilfeiras.com.br

67


Revista Expo Brasil Feira - 4ª edição  

Revista com matérias de interesse comum do setor Cases de sucesso

Revista Expo Brasil Feira - 4ª edição  

Revista com matérias de interesse comum do setor Cases de sucesso

Advertisement