Issuu on Google+

roberto

cavalcanti s e n a d o r

d a

r e p Ăş b l i c a


2

s e n a d o r

R o b e r t o

C a v a l c a n t i


Convivo diariamente com o senador Roberto Cavalcanti, admiro sua liderança, parceria na votação de projetos de interesse do país e o trabalho para fazer da Paraíba um estado forte e próspero. Como senadores da República temos responsabilidades com nossos estados e respeito para com as pessoas que nos deram o privilégio de exercer um mandato parlamentar. Para mim é uma satisfação tê-lo na nossa base de apoio ao Governo Lula”. Senadora Ideli Salvatti (PT-SC) Líder do Governo no Congresso 3

r e l a t ó r i o

2 0 0 7 - 2 0 1 0


4

s e n a d o r

R o b e r t o

C a v a l c a n t i


proposições 5

r e l a t ó r i o

2 0 0 7 - 2 0 1 0


proposiçþes

6

s e n a d o r

R o b e r t o

C a v a l c a n t i


O senador Roberto Cavalcanti (PRB) assumiu o mandato há 120 dias focando uma meta: realizar uma política de resultados. Ao longo dos últimos quatro meses, perseguiu o objetivo. Subiu à tribuna, apresentou projetos, provocou debates que permitissem acender a discussão em torno de uma pauta que viabilize projetos estruturantes para a Paraíba. “O pensamento político não pode ser apenas política por política. Tem que ser política por conseqüência, política por resultados”, diz o senador paraibano. Freqüentador assíduo do plenário, presença constante nas comissões, Cavalcanti já emplacou reconhecimento por parte dos seus pares no Senado. “Vossa Excelência honra o seu partido, o PRB”, disse semana passada na tribuna o senador Francisco Dornelles (PP-RJ), ex-ministro nos governos Sarney e FHC. “Sou um funcionário público remunerado, tenho que honrar a Paraíba e justificar o salário que a União me paga”, resume o senador paraibano. Confira, a seguir, os números, as idéias e a repercussão do mandato de Roberto Cavalcanti, que levou para o Senado experiências acumuladas em 40 anos de atuação como economista e empresário de sucesso.

r e l a t ó r i o

2 0 0 7 - 2 0 1 0

Meu foco tem sempre

sido as atividades parlamentares, entendendo que desse jeito

posso contribuir de forma mais efetiva pela Paraíba

7


proposições

Projeto regulamenta profissão do artesão Autor do projeto, senador Roberto Cavalcanti destaca criação de carteira profissional, abertura de financiamentos e implantação da Escola Técnica do Artesanato.

8

s e n a d o r

R o b e r t o

C a v a l c a n t i


A Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal aprovou nesta quarta-feira, em caráter terminativo, projeto de lei do senador Roberto Cavalcanti (PRB-PB) que regulamenta a profissão do artesão. O PLS (136/2009) cria Carteira Nacional do Artesão, define critérios para aposentadoria, abre linhas especiais de crédito e estimula a implantação de uma escola técnica federal do artesanato (veja principais pontos abaixo). O projeto também caracteriza a profissão que, apesar de milenar, ainda não havia sido regulamentada, o que - segundo destacou o autor da matéria -, “alijava os profissionais de projetos e financiamentos”. “Era uma profissão esquecida das instituições oficiais”, reforça o senador, destacando porém que, na contramão da oficialidade, os profissionais vem ganhando espaço dentro da economia nacional. Citando dados de pesquisa feita pelo Instituto Vox Populi, o parlamentar informa que o segmento agrega 8,5 milhões de brasileiros – mais de 5 mil somente na Paraíba. Juntos faturam, desde 2005, em torno de 52 bilhões/ano. “Estes dados reforçam que, não fosse o artesanato, a linha de exclusão social e econômica no Brasil seria ampliada consideravelmente, impondo aumento de recursos destinados à programas de proteção social como o Bolsa-Família”, aponta o senador. A pesquisa mostra ainda que, de 2008 para 2009, o artesão aumentou o seu faturamento em quase

r e l a t ó r i o

2 0 0 7 - 2 0 1 0

30% - o plus, porém, foi conquistado mais em função da redução dos custos da matéria prima do que por incremento de comercialização. “Os números mostram a necessidade de reforçar o crédito destes profissionais para dar novo fôlego a produção e levar a arte nacional mais longe”, reforça Cavalcanti. Além de reconhecimento, o parlamentar acredita que o PLS incrementará a divulgação e o fluxo de exportações, valorizando os produtos que, segundo ele, figuram como “patrimônio cultural do País”.

Pontos principais do projeto ƒƒ Caracteriza o profissional artesão ƒƒ Coloca o artesanato como objeto de política no âmbito da União, com diretrizes de valorização da identidade e cultura ƒƒ Destina linha de crédito especial para o financiamento da comercialização e aquisição de matéria-prima e equipamentos. ƒƒ Integra atividade e outros setores de desenvolvimento econômico e social. ƒƒ Cria certificação da qualidade do artesanato ƒƒ Cria Carteira Nacional do Artesão, com validade de um ano, somente podendo ser renovada com comprovação da contribuição social a Previdência ƒƒ Estimula criação de uma escola técnica federal do artesanato

9


proposiçþes

agricultura familiar Aximporis verumquas 10

s e n a d o r

R o b e r t o

C a v a l c a n t i


Enis untiam qui dolorecatem cus quiae aut ullabor epreprem quam quuntum re moditas perchil ibusapi eniendae ud icipicia culpa parit et verupturem. Eptibus si as et fuga.

A Rundaectum int rerum faceped mos iusdam, officimetus si beariatur acea perum aute dentium, idignistia con cullandunt hiti to officto odis estiatibusa sima doloria dolo volorep erenihi caboremo id mi, quis quassin tiandam rest veruptur, sum ratint, aut optate nonet eum ut autemporpore quiamus eum volorep reiciisquas autem. Et delis eumque es non estori deliquaeprae eum erspedi genist oditatu repudit assimpo rrovidiandae in et volorectur sum a dolut aut omniam, ut dolo endis aut autati optatium in esto venduciis eos sint es rae nonsequ atusdae ventur, nihil ipsumquiae voluptat. Emquae id qui derferf erciur ab iundaerspel et volorion con remque aut plam, sum quiam susande rspereperes non net dolor molorro odi nonsequi accum fugitamus sectas delit asperro reicient laborpor aborpor epudaectur mi, ne porrovid eum quo

r e l a t 贸 r i o

2 0 0 7 - 2 0 1 0

estruptae escil im fuga. Nissequ idebis dolumquame atibus ea sum dolesci miliande et re imus adit, tecae ea cori seribus pe net aut et que cusantias aboreperata numentiorest eaqui aut ant, qui il in rem cuptate re ventiuntur? Qui ullenit dendand itinum inimusdae quatur? Evendicia volestia consequ oditem rae exerferum que volenec eprati audam nulparum lat voles et adic torempora velenis aliquatur modis ea volorum non porepellum aut labores doluptatinus ad magnienihit, sint lacillo remosapiet aperit, nit hicidustist aperuptas susam, ut assime vidit fugiatet la cum essitatis utas re etur asped quidempor moluptaturis esciisqui dollorestrum quam faceaquid mo opta ilique precuptatur, solorias aut la quam inum quation ea quodis nature nos acest, officiur asim faccae ide pos quibus alita dolupti ut quam que optiatur rerum sam veratis quae pe vent quunt qui adit quis a dolendam autem il id molo es dolorum explab iunto conem. Et prorerc hiliquas netur, temporepuda netusci psandeb isquaspe di blabore sequam accus ut que ea sum utemqui ut omnim fugiat. Et magname turepud iaspid molupti busanimin evelis dolut quam, que sequi alicia nam lit etur, sinimo officiam conse sumet exceruptat haritis ut rerchit, quodi veniene

11


12

s e n a d o r

R o b e r t o

C a v a l c a n t i


roberto cavalcanti