Page 1

3 percepções para uma trilogia As diferentes relações de fãs com a saga familiar O Poderoso Chefão

Ato I

O sujeito não precisa ter sangue italiano correndo nas veias ou ser entendido de cinema, nem mesmo precisa ter assistido toda a trilogia. Bastam as primeiras notas do famoso tema de Nino Rota para identificar: “Essa não é a música de O Poderoso Chefão?”. A obra virou referência na cultura pop, inspirou games, resultou em diversas compilações de extras, álbuns de fotos e todo tipo de memorabilia, até foi citado em seriados de TV, como A Família Soprano e Os Simpsons. Sucesso de crítica e de público, a sequência entrou para a seleta lista de clássicos cinematográficos incorporados ao imaginário popular. Que pistas que O Poderoso Chefão pode nos dar para entender o alcance dessa obra ganhadora de três Oscars? A trilogia O Poderoso Chefão é uma adaptação do romance do escritor Mario Puzo e foi dirigida por Francis Ford Coppola. O diretor conta a saga da família siciliana (e mafiosa) Corleone, chefiada pelo patriarca Don Vito, que divide com outras “famiglias” o controle do crime organizado e de negócios ilegais em Nova York. No primeiro filme, Don Vito se vê às voltas com a sucessão do seu legado entre os filhos. O mais novo, Michael, acaba por herdar o seu império. Na segunda parte, Coppola conta duas histórias paralelas: a ascensão de Michael ao posto de Don, assumindo os negócios da família, e a chegada do jovem Vito Corleone à América. Por fim, no terceiro e último filme, um Michael Corleone amargurado pensa em sua sucessão, retorna à Sicília de seus pais e tem um final melancólico e trágico. Achou o roteiro meio dramático? Pois saiba que o caráter fatídico das trilogias não é receita nova e remonta à Grécia Antiga.

Ato II

Ésquilo, primeiro dramaturgo grego, conhecido como “o pai da tragédia”, foi pioneiro nesta jogada. Escreveu a trilogia chamada A Orestéia, conjunto das três tragédias Agamêmnon, As Coéforas e As Eumênides. “As trilogias eram poemas dramáticos compostos por três tragédias, que apresentavam uma temática em comum,


com temas interligados, em que as personagens evoluíam dramaticamente dentro das narrativas”, explica a professora do curso de Letras da Unisinos Maria Helena Campos de Bairros. De acordo com Maria Helena, as trilogias remetem à ideia de começo, meio e fim, mas essa dinâmica não impede que as histórias possam também ser lidas isoladamente. Ainda seguindo na tradição grega, talvez a mais conhecida tragédia tenha sido a trilogia tebana formada por Édipo Rei, Édipo em Colono e Antígona. Quem não ouviu falar pelo menos uma vez da clássica tragédia do filho Édipo que mata seu pai e casa com sua mãe? O pai da psicanálise Sigmund Freud foi um que bebeu da fonte da mitologia grega para construir o conceito de Complexo de Édipo. Dando um pulo gigante na linha do tempo, podemos encontrar na literatura brasileira algumas incursões no universo das trilogias. A referencial saga familiar O Tempo e o Vento é um bom exemplo deste tipo de obra. Dividido entre O Continente, O Retrato e O Arquipélago, o romance tem como pano de fundo a formação do Estado do Rio Grande do Sul através da trajetória das famílias Terra e Cambará. Pelo visto, saga familiar é um tema caro para trilogias em qualquer época e apaixona fãs através das gerações. Felipe, Lucas e Eduardo estão aí para provar isso.

Ato III

Felipe Nabinger é um exemplo de fã tardio de O Poderoso Chefão. No caso desse jornalista de 28 anos, o interesse pela história não foi precoce. Ao contrário de outros admiradores da sequência, a vontade de conhecer os Corleone não foi fruto de uma consciência que muitas vezes bate à porta de certos adolescentes que decidem que precisam assistir aos clássicos fundamentais do cinema antes de se tornarem adultos. Nessa época, Felipe não queria apreciar uma obra-prima. Ele estava jogando bola com a gurizada, formando uma banda de post-grunge para conquistar meninas, aprimorando a habilidade em lutas no game Street Figther. Depois que o “Lipe” chegou a 1,90m de altura e perdeu alguns cabelos, resolveu ler o romance de Puzo e aí foi fisgado ao ponto de recorrer à filmografia. Felipe não é dado a discursos engajados, nunca gostou muito nem de diretório acadêmico, mas acredita que existe no O Poderoso Chefão I – o seu favorito da trilogia – certo teor ideológico. “Antes de ser uma história sobre máfia, temos ali uma história sobre família, responsabilidades, lealdade e, por que não, uma crítica ao sistema político


vigente”, acredita. Felipe defende que a condição social da época retratada na obra obrigou os ítalo-americanos a criarem um poder paralelo que os amparasse da falta de oportunidades. Para o leitor que quer começar a assistir O Poderoso Chefão, indico Felipe Nabinger para um primeiro bate-papo sobre o assunto. No entanto, se você já é um fã da saga e está em um patamar de exigência maior para discussões, então recomendo que converse com Lucas Furtado. Aos 19 anos, esse estudante do curso de Realização Audiovisual da Unisinos curte analisar a trilogia pensando na complexidade das narrativas e nos planos parados de Coppola. Quando Lucas fala que O Poderoso Chefão II é o seu preferido entre os três, justifica a escolha apontando o roteiro como o grande destaque. Explica que a narrativa do longametragem foge do padrão mais convencional e estabelece uma quebra na ordem cronológica ao contar de forma paralela duas histórias, a de Michael no presente e a de Don Vito no passado. Essa atenção especial de Lucas com a estrutura das narrativas tem explicação. Ele gosta de escrever. “Sou mais ligado em roteiros”, foi uma das primeiras frases que ele disse quando o contatei por telefone. Talvez por isso que o cuidado com a linguagem cinematográfica chame tanto sua atenção. Lucas não é o tipo de fã espalhafatoso. Ele é um admirador da trilogia mais à moda Tom Hagen, o consigliere dos Corleone: discreto, mas preciso e eficiente nas observações. Com aquele jeito paciente para ouvir, tal qual o braço direito de Don Vito, Lucas atende com educação às perguntas curiosas sobre a tatuagem que tem no antebraço do clássico logotipo da mão manipulando uma estrutura de marionete que estampa os pôsteres dos filmes. E quando descubro que a paixão do Lucas pela sétima arte se manifesta em outros desenhos em seus braços, já não me surpreendo mais com tanto carinho que ele tem ao falar sobre produção cinematográfica: da mesma linhagem do seu tio Jorge, Lucas Furtado começa a trilhar o caminho da sétima arte. Agora, se você é um fã apaixonado, que assistiu a trilogia várias vezes e leu o livro que deu origem ao filme outras tantas, se é do tipo que decorou e recita as falas dos personagens para os amigos, então eu sugiro que combine um café com o jornalista Eduardo Nozari. Uma dica: nesse dia reserve no mínimo uma hora e meia para o encontro. A impressão que dá é que Eduardo passou os seus 23 anos assistindo repetidamente O Poderoso Chefão. Ele é tão detalhista que cita erros técnicos em diferentes cenas, mas se apressa em dizer que tais problemas são insignificantes e que em nada prejudicam o andamento da trama.


Eduardo considera O Poderoso Chefão II uma obra-prima, em função da trama mais complexa e do roteiro que se sustenta mesmo trabalhando com diferentes contextos históricos. Eduardo é cauteloso e lançou os atributos técnicos logo de cara para depois assumir a admiração deslavada por Al Pacino e sua interpretação inspiradíssima de Michael Corleone. Quando o questiono sobre o terceiro filme da saga, que é sempre tão criticado pelos cinéfilos, o jornalista me surpreende ao confessar que por um bom tempo esse foi o longa da trilogia que mais assistiu. “Rolava muito no horário do Corujão”, lembra. Entende que a expectativa gerada entre os fãs depois de um hiato de dezesseis anos entre o segundo e terceiro filme tenha prejudicado a compreensão da obra e considera o desfecho épico. No final da nossa conversa, brinco com a ascendência italiana do seu sobrenome e a relação com a saga. Eduardo de pronto rechaça o estereótipo, diz que na sua família não existe nenhum traço de personalidade mais expansiva e que não cultiva nenhum tipo de tradição do país. Apesar disso, o jornalista tem cidadania italiana e em 2011 passou um mês em Florença fazendo um curso. Eduardo está feliz. Garantiu o ingresso para assistir Al Pacino em um espetáculo na Broadway chamado O Sucesso a Qualquer Preço. “Foi no dia 28 de novembro, às 20h, assento J 106, na última fileira”. O que Eduardo Nozari não sabe é que, enquanto ele conta isso, gesticula alegremente, agitando as mãos no ar, de um jeito característico que dá para imaginar de onde venha.

Camila Kehl  

Reportagem de Camila Kehl para a revista Primeira Impressão.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you