Page 4

4

TERÇA-FEIRA, 17.4.2012 I O DIA

rio de janeiro DIOGO DIAS diogo.dias@odianet.com.br VANIA CUNHA vaniacunha@odianet.com.br

ada vez mais assustados com a onda de crimes que Ctomou conta de Niterói, moradores da cidade buscam alternativas por conta própria para escapar da violência. Apesar do reforço no policiamento e das medidas da Secretaria de Segurança Pública, muitas pessoas passaram a usar rotas alternativas quando anoitece e a evitar ruas onde a incidência de assaltos é maior, além de recorrer a equipamentosde segurança em casa. Ontem, um homem de 22 anos suspeito de assaltar uma residência no bairro de Maria Paula, divisa de Niterói e São Gonçalo, foi morto em confronto com policiais do 12º BPM (Niterói). Algumas ruas da Zona Sul e Região Oceânica estão sendo evitadas por moradores. Um exemplo, é a Estrada Velha de Itaipu, que leva até a Região Oceânica, onde ocorreu pelo menos um arrastão e o fisiote-

Motoristas reclamam de ter quereduzir a velocidade em trecho daEstrada Velha de Itaipu, onde tiro atingiu fisioterapeuta rapeuta Fabiano de Almeida foi baleado na cabeça, dia 7, e corre o risco de ficar cego. Na via, um radar foi retirado, mas a placa de velocidade de 40km/h permanece. Motoristas reclamam de ter que reduzirnotrecho,pois, tememestaremseexpondoa risco.“Pedimos patrulhamento. Após certa hora, as pessoas têm medo de passar lá. Não dá para dizer que é ‘sensação de insegurança’, se as pessoas estão sendo sepultadas”, disse o presidente daCâmara deSegurançada Região Oceânica, Renan Lacerda. A administradora Thaís Pinho, 29, parou de transitar pela Rua Comandante Miguelotte Viana, em Icaraí, após o médico Carlos Vieira ser morto por assaltantes, mês passado. “Não fiquei traumatizada quando fui assaltada, mas o medo apareceu agora com esse surto de crimes”. A jornalista Maria Isabel Alves evita frequentar a casa do namorado, em Icaraí, para não ter que cruzar a Av. Ari Parreiras. “Há dois meses não passo lá”.

Motoristas se queixam que limite de velocidade os expõem a risco na Estrada Velha de Itaipu, onde rapaz foi baleado

Medo da violência muda vidademoradordeNiterói População evita passar em ruas onde ocorreram crimes recentemente e investem em aparelhos de segurança nas casas. Ontem, suspeito de invadir residência foi morto PAULO ALVADIA

Sobe venda de equipamentos de proteção > Outra precaução dos moradores foi o investimento em equipamentos de proteção. Segundo o presidente do Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Frederico Crim, houve aumento de 15% este ano nos pedidos de tecnologia de segurança — como câmeras, cercas e alarmes, entre outros — e de contratação de vigilantes. Somente em uma rua do bairro Pé Pequeno, em Santa Rosa, boa parte das residências conta com algum tipo de segurança. Homem instala grades altas em casa de Niterói: venda de equipamentos de segurança subiu 15% este ano

Jornal O Dia 17/04/2012  

Jornal O Dia 17/04/2012

Jornal O Dia 17/04/2012  

Jornal O Dia 17/04/2012

Advertisement