Page 1

Maranduba, Janeiro 2018

-

Disponível na Internet no site www.jornalmaranduba.com.br

-

Ano 8 - Edição 104 Foto: Adelina Fernandes

Verão 2018


Página 2

Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Cantor faz paródia com desafios do verão em Ubatuba G1 Vale do Paraíba e Região Com bom humor, um cantor fez uma paródia sobre os desafios encontrados pelos turistas que visitam Ubatuba na alta temporada. Um vídeo com a música inspirada na canção “Trem Bala” - de Ana Vilela - foi publicado nas redes sociais do artista na tarde deste domingo (31) e alcançou cerca de 27 mil visualizações em dois dias (assista acima). O cantor Rafinha Acústico, de Taubaté, conta que a inspiração surgiu quando fez uma série apresentações em um bar de Ubatuba e, por isso, ficou hospedado na cidade e começou a reparar na rotina dos turistas. “Estava chovendo, com muito trânsito, muita gente disputando espaço nas praias e todo mundo estava feliz, se divertindo. E eu pensei que eu mesmo já vim muitas vezes e foi assim. No final, a cidade é tão linda que a gente acaba voltando”, disse. Inspirado, ele escreveu a paródia em cerca de 15 minutos e resolveu apresentar para o público. “Eu nem esperava que ia fazer tanto sucesso, todo mundo se identificou. Não esperava toda repercussão na internet também. Muita gente compartilhou”, completou Rafinha. Confira versão da música:

Editado por: Litoral Virtual Produção e Publicidade Ltda. Fones: (12) 3849.5784 (12) 99714.5678 e-mail: jornal@maranduba.com.br Tiragem: 3.000 exemplares - Periodicidade: mensal Editor: Emilio Campi Jornalista Responsável: Ezequiel dos Santos - MTB 76477/SP Editora de Variedades: Adelina Fernandes Rodrigues Consultor Ambiental - Fernando Novais - Engº Florestal CREA/SP 5062880961 Consultor de Marketing - Luiz Henrique dos Santos - Publicitario Consultor Jurídico - Dr. Michel Amauri OAB/SP 324961 Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião da direção deste informativo

Trem bala - Versão Ubatuba Nao é sobre vir todos os anos sempre pra Ubatuba É sobre achar que vai tomar sol, mas só tomar chuva É sobre querer andar pela praia e dar uma relaxada Mas fica mais tempo, puto, estressado, parado na estrada A gente é meio insistente Vai pra praia já não acha vaga e nem onde sentar E quando acha um canto tranquilo Vem um corno do lado e põe funk só pra me irritar Não é sobre trabalhar o ano inteiro e juntar quase nada É sobre gastar metade da grana comendo na estrada Chegando na praia já vai pro quiosque que tem promoção A porção de batata é R$ 50, esquece o camarão No fundo sempre vale a pena Os momentos com quem a gente ama é o que vamos levar Azar de quem levou a sogra Porque o trânsito ruim pra vir, é pior pra voltar Eu volto reclamando na estrada Tô sem grana e ainda faltam 10 horas pra chegar em casa Mas no fundo tô feliz também Já juntando diniheiro pra voltar no ano que vem


Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Página 3

Ubatuba terá Taxa de Preservação Ambiental para turistas COMUNICAÇÃO PMU Com o objetivo de fomentar a preservação à natureza, Ubatuba vai implementar, a partir de 2018, a Taxa de Proteção Ambiental (TPA). O Projeto de Lei, de autoria do Executivo, foi aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores na última sessão ordinária do ano, realizada no dia 12 de dezembro. A cidade tem 80% de seu território inserido em área de preservação ambiental – Parque Estadual da Serra do Mar- além de contar com 102 praias, totalizando 105 km de extensão. Toda essa demanda, atualmente, é atendida por apenas um fiscal lotado na secretaria de Meio Ambiente – o que não é suficiente para fiscalizar as ações de degradação ambiental do município. De acordo com o secretário de Assuntos Jurídicos e secretário interino de Meio Ambiente da Prefeitura de Ubatuba, Anthero Mendes, a taxa tem como base o cálculo do custo estimado da atividade administrativa em função da degradação e impacto ambiental. “ Entre as aplicações do recurso, estão a implantação de projetos ambientais educativos, questões de saneamento básico, recuperação de matas ciliares e áreas degradadas, dentre outras. A taxa vai contribuir para revertemos esse quadro, pois a maior riqueza de Ubatuba é sua exuberante beleza, reconhecida internacionalmente, e que deve ser preservada tanto para o turista como para o morador”, complementou Mendes. Ainda segundo o secretário, serão realizados estudos, audiências públicas e reuniões com o Conselho de Meio Ambiente para aprimorar a viabilidade da aplicação da norma, que deverá ser regulamentada por

Decreto. “Há um novo percurso a ser corrido. Se não enviássemos o projeto este ano, seria inviável a cobrança em 2018 pois seria necessário esperar o ano tributável. Demos o primeiro passo a toque de caixa e agora iremos aparar as arestas, estabelecendo detalhes sobre como será feita a cobrança, inclusive, recebendo sugestões da população durante as audiências”, reforçou. É importante lembrar que a legislação não vai entrar em vigor para a temporada 2017/208 e que o município não é pioneiro na implantação da TPA. Cidades como Fernando de Noronha, Bombinhas, Ilhabela já efetuam a cobrança. O não recolhimento da taxa implicará em multa de R$ 200,00. Isenção A norma não prevê a cobrança de nenhum munícipe local, bem como de veículos com placas das cidades que compõe o Litoral Norte de São Paulo – Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela. Além disso, prevê isenção de pessoas que efetivamente trabalham em nosso município, ambulâncias, veículos adaptados dentre outras hipóteses. Impactos Os impactos do aumento populacional na temporada refletem em diversos aspectos. Um deles é a quantidade de lixo produzido, que aumenta de 3 para 7,5 toneladas de dezembro a fevereiro. Além disso, a “Operação Réveillon Praia Limpa”, realizada de 1h30 às 9h de 1º de janeiro, retirou cerca de 75 toneladas de lixo – um total resultante das praias da Picinguaba, Almada Ubatumirim, Estaleiro, Itamambuca, Perequê-Açu, Cruzeiro, Itaguá, Tenório, Praia Grande, Toninhas, Ense-

ada, Perequê-Mirim, Lázaro e Maranduba, além de toda região central de Ubatuba. “Diante do déficit público do cofre municipal, que em janeiro de 2017 ultrapassava os 20 milhões de reais, é correto afirmar que a TPA será uma importante ferramenta para garantir investimentos nesse importante segmento, sem onerar o equilíbrio fiscal almejado para 2018”, afirmou o

prefeito Délcio Sato (PSD). Valores Motocicletas, R$ 3,00; R$ 10,00 para veículos de pequeno porte, R$ 15,00 para utilitários (caminhonetes e kombis). Dos veículos de excursão serão cobrados R$ 30,00; R$ 45,00 para micro-ônibus e caminhões e R$ 70,00 para ônibus acima de 25 passageiros. Tais veículos ditos de excur-

são já pagam uma taxa cobrada pela Companhia Municipal de Turismo (Comtur) a título de acesso e uso de estacionamentos públicos municipais, que variam de R$ 1.000,00 para ônibus acima de 25 passageiros a R$ 200,00 para vans. Ônibus ou vans trazendo participantes de eventos oficiais, religiosos, esportivos ou culturais não pagarão a taxa.

A ilegalidade da taxa de preservação ambiental Michel Amauri Recentemente foi aprovado em Ubatuba a Taxa de Preservação Ambiental (taxa de turismo). A aprovação se deu sem ouvir os órgãos cabíveis, tais como população, comerciantes, órgãos de classe ambiental e OAB e etc. A Taxa de Preservação Ambiental tem como referência um contribuinte ou grupo determinável de contribuinte aqueles que possuíam placas de veículos automotores de outra cidade. As taxas só podem serem criadas, seja pelo exercício do poder de polícia

ou prestação do serviço público, com o caráter retribuível do município, no caso em comento não há. A natureza da taxa criado pelo executivo municipal longe está de ter como base a preservação ambiental, mas meramente arrecadatório, ou seja taxa turismo, cobrar do veículos que circulam na cidade na temporada, estando ai sua ilegalidade, pois restringe e viola a liberdade de trafego assegurado nos artigos 5º, inciso XI e 150º, inciso V, da Constituição Federal.

Lembrando que a cidade já cobra a zona azul para aqueles que se utilizam das praias de Ubatuba e, também cobram as taxas de ônibus de turismo que circulam na comarca. Sabemos que Ubatuba vive do turismo, metade dos imóveis são de veraneio. O IPTU é um dos mais caros do Brasil, porém não há o retorno pela administração, há apenas buracos, borrachudos, falta de infraestrutura, etc. A ver navios... Consulte sempre um advogado (a).


Página 4

Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Sem larvicida, Ubatuba sofre com borrachudos

Município afirma que não aplica produto desde julho, quando parou de recebê-lo do Estado; governo afirma que vai retomar fornecimento ESTADÃO UBATUBA - “Lá você não consegue ficar 30 segundos sem repelente, a perna fica preta de borrachudos.” A declaração da comerciante Isabela Monteiro, de 27 anos, pode parecer exagerada, mas não é. Mesmo usando repelente e vestindo calça jeans, a reportagem saiu com dezenas de picadas de mosquito ao visitar duas cachoeiras do bairro Sertão da Quina, em Ubatuba, no litoral norte paulista. Segundo relatos, a quantidade de pernilongos e mosquitos na região aumentou neste ano, afetando também quem visita a praia Maranduba, a menos de 4 quilômetros das cachoeiras. A explicação, segundo a prefeitura, é a interrupção, em julho, no fornecimento do larvicida BTI pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB). A substância costumava ser aplicada para combater a proliferação dos mosquitos, especialmente os da espécie Simuliidae, popularmente chamados de borrachudos. Desde segunda-feira em Maranduba, a estudante Isabella Rades, de 16 anos, ficou com as mãos e as pernas inchadas logo que chegou à praia. Segundo a mãe

da adolescente, a professora de História Patrícia Rades, de 46 anos, que frequenta a região há 20 anos, os insetos são comuns, mas a quantidade aumentou visivelmente neste ano. “Tem até na beira da praia. Não percebia isso antes.” Em frente ao calçadão de Maranduba, Josias Serra, de 54 anos, gerente de uma drogaria, conta que a procura por repelente aumentou neste ano. No local, oito marcas do produto ocupam o mesmo espaço que os protetores solares. Segundo as estimativas do gerente, o estoque de cerca de 140 unidades de seis marcas não vai durar até a virada de ano. Serra teme a perda de turistas. “A gente vive aqui só de turismo. Se a pessoa vem e precisa gastar trocentos vidros de repelente, ela não volta.” Na região, o produto também é procurado por quem trabalha na praia, como o vendedor de picolés Rubens Nalia, de 65 anos, que usa duas embalagens por mês. Também vendedor de sorvetes, Antonio Carlos, de 62 anos, está com as pernas repletas de feridas de picadas. Pela primeira vez em Maranduba, Maria Valentina,

de 6 meses, tem marcas nas mãos, nas pernas e nos braços. “Nunca vi nada parecido, nem de perto, bateu recorde (a quantidade de borrachudos)”, diz o pai, o padeiro Cannan Pombo, de 23 anos. Entre os moradores, a rotina para diminuir as picadas envolve fechar a casa cedo, aplicar inseticidas e também usar repelentes 24 horas por dia. Para a comerciante Isabela Monteiro, de 27 anos, a gota d’água foi há duas semanas,

quando o filho Rafael, de 2 anos, se coçou sem parar, transformando as picadas em feridas. Isabela criou o abaixo-assinado online Chega de Borrachudos. Solução. A prefeitura de Ubatuba afirmou que está em processo de compra do larvicida. “Estamos aguardando que os fornecedores retornem do recesso de fim de ano”, informou o município, que diz ter alertado o Estado. Outras duas prefeituras, de Caraguatatuba e

Ilhabela, também não receberam o produto – a primeira vai comprar e a segunda já adquiriu. Segundo o governo do Estado, o fornecimento de larvicidas é obrigatório apenas para vetores de doenças e a compra nos últimos anos ocorreu de forma “totalmente voluntária”. O Estado afirmou, no entanto, que vai adquirir o larvicida em caráter emergencial e distribui-lo às prefeituras em janeiro.

Cansados de esperar, moradores “pavimentam” a própria rua

Raell Nunes/Tamoio News Moradores nas imediações da estrada principal do bairro Sesmaria, em Ubatuba, tomaram uma iniciativa inusitada nessa semana. Cansados de esperar, eles colocaram definitivamente a mão na massa e foram à luta e taparam diversos buracos da via – com enxadas, carrinhos e pás. As condições desfavoráveis das ruas em Ubatuba estão gerando diversas reclamações de munícipes, como aponta a reportagem do Tamoios News desse mês. No entanto, o prefeito da cidade, Délcio José Sato (PSD) garante que haverá uma

“Operação Tapa Buraco” para melhorar a conjuntura das ruas. A ação de iniciativa popular no Sesmaria deu origem a vários comentários nas redes sociais e levantou muitas questões no que concerne ao serviço público e os direitos do cidadão. “O povo consciente, fazendo o papel que é obrigação da administração”, comenta o residente Carlos Lisboa. Já outros têm um tom mais firme e usam as palavras para protestar. “Mês que vem tem IPTU, todos moradores devem ir à Prefeitura e fazer manifestação”, diz Adelton Pinto.

As piadas também são corriqueiras. Cinéas Viana, por exemplo, fez um comparativo com a nova lei criada pelo Executivo, que cria a Taxa de Preservação Ambiental (TPA). “Vamos cobrar uma taxa para os políticos entrarem no bairro para pedirem votos”, ironiza. Em contraponto, a Secretaria de Serviços de Infraestrutura Pública (obras) informou que ao longo da semana vem fazendo diversos trabalhos de zeladoria no município, tais como: manutenção em locais públicos e até nivelamento de ruas na região norte.

Fotos: Elisangela Santos/ Divulgaçao


Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Página 5

Prefeitura cria regras para quem aluga a própria casa para temporada INFORMAR UBATUBA O setor hoteleiro de Ubatuba conseguiu uma importante vitória contra as locações informais de quartos e residências por temporada e os aplicativos e sites que facilitam esses negócios, como o popular AirBNB. Aluguel “por temporada” na definição da lei seria aluguel por um período de até 45 dias ininterruptos. Incluído de última hora na pauta da sessão da última terça-feira (12), junto com outros projetos polêmicos, o projeto aprovado cria uma série de exigências aos quais os proprietários de imóveis com mais de três acomodações com leitos disponíveis deverão se adequar caso queiram oferecê-los para alugar. Os sites de agenciamento de hospedagem que aceitarem imóveis não autorizados pela Prefei-

tura sofrerão multa diária por imóvel anunciado. Quando entrar em vigor, para oferecer hospedagem nas modalidades Cama e Café (ou Bad and Breakfast) e residencial será preciso abrir uma empresa, inscrevê-la no Cadastur do Ministério do Turismo, conseguir alvarás do Corpo de Bombeiros e dos órgãos de Vigilância Sanitária, pagar as taxas dos sindicatos patronal e laboral. A empresa deve ainda possuir seguro com cobertura para os hóspedes e ter procedimentos para combater a exploração sexual infantil. Em trinta dias após a publicação da Lei, a Prefeitura deverá regulamentar as taxas que serão cobradas desses “empreendimentos” que passarão a ser considerados imóveis comerciais.

Os proprietários deverão ainda fornecer ao município relatórios mensais sobre suas atividades. O projeto aprovado por unanimidade na Câmara prevê ainda que caso o imóvel fique dentro de um condomínio, será preciso que conste no estatuto do mesmo a autorização para que os proprietários aluguem os imóveis por temporada. É preciso ainda que o mesmo ato constitutivo autorize expressamente a entrada da fiscalização no condomínio. Na justificativa do projeto, o Secretário de Turismo, Luiz Antonio Bischof, afirma que o Município “tem o dever e objetivo de proporcionar um turismo adequado aos visitantes face às suas belezas naturais, de forma responsável e de qualidade”. Segundo ele, o objetivo do projeto seria “es-

tabelecer os mínimos padrões de segurança e confiabilidade na execução dos serviços”. Segundo o site da Prefeitura, Luiz Antonio Bischof “é empresário do setor turístico, desde 1982 e também do ramo da construção civil, desde 1970. É diretor financeiro do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Litoral Norte há três

gestões. Bischof já foi funcionário da Secretaria de Turismo no período de 1968 a 1970. Entre suas diversas ocupações em órgãos ligados ao turismo destacam-se a presidência da Companhia Municipal de Turismo na gestão 2001/2003, o cargo de Delegado da Federação de Hotéis do Estado de São Paulo.”

A Responsabilidade civil por acidentes causados em buracos nas vias municipais

Michel Amauri Um dos maiores problemas que assolam as cidades do Brasil é a falta de infraestruturas nas vias municipais. Alguns poucos municípios possuem suas vias com boa qualidade de infraestrutura e asfalto com constante manutenção, enquanto outras cidades nem asfalto possuem. Sabemos que o Brasil é o campeão em tributos, paga-se por tudo. O IPTU caríssimo que pagamos nem sempre volta como retorno em melhorias. Em Ubatuba não é diferente, temos um dos mais caro IPTU do Brasil, porém podemos notar que os governos não se utilizaram dele em benefício das vias municipais ou da população, basta andar pelas ruas da cidade onde notamos o desleixo e a falta infraestrutura e manutenção, as vias estão abandonadas

com enormes buracos podendo ocasionar os mais graves acidentes. A regra geral, de que tem o dever de indenizar em caso de acidente ocasionado em buracos da via pública municipal é o município, bastando que a vítima demonstre o nexo de causalidade entre a conduta do agente público e o dano por ele causado, tal dever se dá em decorrência da omissão, inercia representada pelo “não fazer” do agente público. O artigo 37§ 6º da Constituição Federal diz que a administração pública responde pelos danos que seus agentes vierem a causar a terceiros, por ação ou omissão, na prestação de serviços públicos, cuja execução se espera eficiência e segurança, devendo tomar todas e quaisquer medidas necessárias

afastar os danos, no nosso caso de vetar os buracos nas vias públicas.

As taxas ambientais podem ser criadas e cobradas com o fim de dar infraestrutura e ma-

nutenção as vias municipais, muito embora alguns defenda sua inconstitucionalidade.


Página 6

Times da Região Sul participam da 81ª Cup Ubatuba de Futebol, alcançam seleção do evento e vice campeonato Entre os últimos dias 11 a 15 de dezembro Ubatuba sediou a 81ª Cup Ubatuba e Futebol e 32ª Cup Futsal de Ubatuba com participação de atletas de todo país e fora dele. Por conta de uma melhor organização e disposição dos times a região sul participou com todas as categorias em duas equipes: Sertão da Quina e Maranduba. No circuito nacional o evento é considerado o melhor torneio de futebol e futsal de base do território brasileiro. Em Ubatuba participaram centenas de atletas das categorias sub-11, sub-13, sub-15 e sub-17. Durante o ano os jogos aconteceram em Águas de Lindóia/SP, Monte Sião/MG, Lindóia/SP, Serra Negra/SP e Ubatuba/SP. Na pagina da internet dos organizadores o seguinte comentário sobre Ubatuba “para fechar o ano de 2017, em dezembro teremos a Cup de Futebol e a Cup de Futsal na Cidade de Ubatuba de 11 á 15 de dezembro, cidade do litoral norte de São Paulo, com praias belíssimas”. Embora a equipe do Sertão da Quina liderada pelo professor Afonso não alcançou resultados expressivos, o time deu muito trabalho as varias equipes sendo algumas de renome nacional. Já o time da Maranduba liderados pelo professor Pérsio Jordano – categoria sub 17 – alcançou o vice campeonato frente ao campeão CTI Itaguá. A surpresa maior ocorreu quando de seu quadro de atletas três jogadores foram escolhidos para a seleção do evento: Erick da Silva

Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

(Pajé), Alex Quintino (Leleco) e Ângelo da Mata (Tico). Todos receberam troféus, medalhas e certificados além das felicitações dos familiares, amigos e comunitários. O evento é o único que recebe delegações de ou-

tros países, que encaminha jogadores a times de ponta e a única em que todas as equipes são tratadas com a mesma importância, começando e terminando a competição ao mesmo tempo, independente dos resultados em campo.

Boleto para pagamento do IPTU 2018 já pode ser emitido

COMUNICAÇÃO PMU A secretaria municipal de Fazenda de Ubatuba informa que o boleto para pagamento da cota única do IPTU 2018 ou da primeira parcela já pode ser emitido pelo portal de serviços da Prefeitura no link: http:// servicos.ubatuba.sp.gov.br/ Para este ano, não houve reajuste. Portanto, o valor do imposto permanece o mesmo que em 2017. A cota única deverá ser paga até o dia 24 de janeiro. Quem quitar o IPTU até essa data se beneficiará do desconto progressivo, que varia entre 10% e 20% do valor do IPTU. Após essa data, somente poderá ser realizado o pagamento parcelado sem desconto que, em 2018, será feito em 11 vezes, com vencimentos entre 10 de fevereiro e 10 de dezembro. O contribuinte pode efetuar o pagamento do IPTU 2018 nos caixas eletrônicos ou pelo internet banking do Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econô-

mica Federal, Itaú, Santander ou em seus correspondentes bancários, como as casas lotéricas. Atenção: o pagamento diretamente na boca de caixa só é possível para as agências da Caixa Econômica Federal. A versão impressa dos carnês do imposto será entregue pelos Correios a partir da segunda quinzena de janeiro. Para quem quiser antecipar o pagamento, além da opção de emitir a segunda via pela internet, é possível também solicitá-la diretamente na Divisão de Tributos Imobiliários da Prefeitura, no Centro, ou no Espaço Cidadão, na Maranduba, de segunda a sexta-feira, das 9 às 16h. É preciso apresentar o número da inscrição do imóvel. Serviço Divisão de Tributos Imobiliários – Rua Dona Maria Alves, 865 – Centro – Tel. (12) 38341012 Espaço Cidadão – Rua Oscar Rossin, 10 – Maranduba – Tel. (12) 3849-8480

ANUNCIE: (12) 99714.5678 - 3849.5784 Jornal Maranduba News


Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Página 7

Centro de Integração Rural no Araribá apresenta a “Festa do Verde - Brasil/Japão” Nos últimos dias 9 e 10 de dezembro o Sítio Recanto da Paz/Sitio do Gengibre, no bairro do Araribá, promoveu a Festa do Verde – Brasil/Japão. O evento recebeu cerca de 300 pessoas durante o dia e a noite. Foram varias as atrações como exposição e vendas, flores, orquídeas, plantas, verduras, legumes e artesanato, além de comidas típicas como yakissoba, sushi, temaki. Deliciosos quitutes de gengibre como o sorvete, por exemplo, não puderam faltar. Também deliciosos salgados, doces, pastéis e bolos foram oferecidos aos visitantes. O evento contou pula-pula e muito espaço para as crianças explorarem, correr e brincar como antigamente. As manhãs um grande bazar beneficente atraiu a vizinhança e visitantes, a noite um show de prêmios a preços acessíveis também chamou a atenção de todos. O evento contou com musica

ao vivo ao som e voz de Tião e Lima, performance country infantil com Amanda e Ana, apresentação de capoeira do grupo Guele e muita animação. O grupo de capoeira informou que na retomada das aulas estará atendendo a comunidade na escola municipal Sebastiana Luiza no bairro do Araribá a partir das 18:20 hs de segunda, quarta e sexta e que todos podem participar. Em nota o Centro de Integração Rural “agradece a todos pelo apoio e colaboração na Festa do Verde Brasil-Japão e bazar beneficente, realizados nos dias 9 e 10/12/17. Agradecimentos especiais aos patrocinadores: Hinomoto Alimentos, Lojas Flórida, Gengibre de Ubatuba, Gráfica Litograf e família Kamiyama. Agradece também às entidades e pessoas da comunidade local e aos voluntários que trabalharam incansavelmente. A renda do Bazar foi destinado a pessoas carentes ,

projetos assistenciais de Igrejas Cristãs e casas de repouso para Idosos. Assinam a nota Amarildo Pa-

zelli da Silva, Maria de Fátima Ferreira Moreira e Anne Kamiyama. Quem participou manifestou sua satisfação, outros

aguardam a próxima edição contando que no premio principal continue a ser mais um leitão para o natal.

Celebração de Natal tem apresentação da Infância Missionária e Grupo de Folia de Reis No último dia 24, na capela Nossa Senhora das Graças no Sertão da Quina, a celebração de natal contou com a presença de integrantes dos Arautos do Evangelho. Tudo por conta do número de atividades natalinas na região para apenas dois padres locais. Aos paroquianos o celebrante comenta que se sentiu agraciado e que realiza a missa no local com grande satisfação. Mesmo com o calor do verão todos se mantiveram firmes no propósito espiritual e religiosos e se solidarizaram com as palavras

proferidas pelo celebrante falando do papel de Cristo na vida das pessoas, além de que, a data celebrada nada tem a ver com bens ou presentes materiais. Já no final, com as luzes da capela apagadas, o grupo da Infância e Adolescência Missionária realizou uma bela apresentação e canto de natal aos paroquianos e visitantes. Em seguida os olhos se viraram para a manjedoura montada ao fundo da capela e ao som de viola, cavaquinho e violão na tradicional e emocionante homenagem aos santos reis.

Após a apresentação todos foram aplaudidos e receberam o elogio do padre convidado. Ao final o celebrante estendeu o convite para que todos possam também participar das celebrações na capela dos Arautos no morro do Pulso na estrada pra Caçandoca. Também recebeu da comunidade os devidos agradecimentos pela disposição. Os turistas que lá estavam receberam uma salva de palmas como receptividade calorosa em nome das comunidades da paróquia da região.


Página 8

Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Onde comer na Região Sul de Ubatuba

Para os turistas e veranistas que frequentam as praias da Região Sul de Ubatuba, preparamos um roteiro gastronômico onde você pode escolher desde econômicas marmitex (quentinhas) até sofisticados pratos à lá carte a base de frutos do mar.

Bar do Ary

Onde você encontra sempre aquela cerveja gelada e aperitivos em geral. Ponto de encontro dos moradores locais e visitantes. Av. Marginal 1190 - Maranduba - Tel: (12) 98142.6582

Boêmio Bar

Tradicional quiosque a beira mar que oferece deliciosas porções, batidas, drinks, sucos e bebidas em geral. Av. Marginal - Praia da Maranduba - 3849.8060

Lanche na Baguete

Oferece deliciosos lanches na baguete e hambúrguer artesanal. Deliciosa feijoada as quartas e sábados. Delivery. Rua Sgto. Geraldo Berti 135 - Maranduba - Tel: 3849.5516 - (12) 99775.6967

Bar do Pedro

Restaurante self-service por quilo, a la carte e pratos executivo. Serve porções, sucos, batidas e drinks em geral. Oferece também deliciosas pizzas a partir das 18h. Av. Marginal 1261 - Maranduba - Tel: 3849.5745

Casa da Quentinha

Com dois endereços à disposição, oferece deliciosos pratos variados diariamente. Além de servir nos próprios estabelecimentos, também faz entrega através de Delivery. Av. Manoel B. da Silva 568 - Maranduba - Tel: ou 3849.8269. Av. Colonial 582 - Lagoinha - Tel: 3843.3030

Petit Poa

Barzinho da Praia

Este barzinho à beira mar oferece deliciosos pasteis e porções, além de sucos naturais e refrescantes aperitivos. Rua Seis 227 - Balneário Santa Cruz - Tel: (12) 99724.4668

Conveniência Canto da Sereia

Onde você pode saborear deliciosos salgados e tomar aquele cafezinho expresso com qualidade e bom atendimento. Rua Ten Manoel Barbosa da Silva 50 - Maranduba - Tel: 3849.8321

Restaurante self-service por quilo, oferece também prato-feito, marmitex, lanches e a partir das 18 horas pizzas. Rod. Rio Santos Km 81 (posto Frediani) - Delivery: 3849.8655 - (12) 99728-2689


Janeiro 2018

Página 9

Jornal MARANDUBA News

As melhores opções gastronômicas da região

A região da Maranduba e Lagoinha oferecem ótimas opções gastronômicas para todps os gostos e bolsos. Confira as melhores opções da região e bom apetite!

Quiosque Valerine

Pizzaria e Sorveteria Mar Virado

Um ambiente agradável onde você pode saborear deliciosas pizzas elaboradas com ingredientes de primeira qualidade, além dos sorvetes feitos artesanalmente com arte e bom gosto. Av. Marginal 382 - Maranduba - Tel: 3843.1280

O mais antigo quiosque da Maranduba com mais de 30 anos de tradição. Atendimento super eficiente, deliciosas porções, salgados e lanches, além de refrescantes drinks. Av. Marginal 1845 - Maranduba - 3849.8572

Restaurante e Pizzaria Nonna II

Ambiente agradável, oferece várias opções de pratos da cozinha brasileira e também deliciosas pizzas a partir das 18h. Oferece o serviço de Delivery. Av. Marginal 960 - Maranduba - Tel: 3843.3277 - 3843.3275

Restaurante Tropical

Também conhecido como “Recanto dos Pássaros” pela diversidade de aves que habitam o local. O destaque culinário são os pratos a base de frutos do mar e da cozinha brasileira. Rod. SP-55 km 72,5 - Condomínio Samola - Tel: 3843.3165

Trem da Tapioca

O “trem” do ambulante Hugo Churros oferece novidade aos frequentadores da praia da Maranduba: pizza de tapioca. São várias opções de recheios sobre uma deliciosa massa a base de tapioca. Praia da Maranduba - Tel: (12) 99766.6762

Quiosque Ilha Vitória

Quiosque da praia de Maranduba totalmente excelente. Porções muito boas, cerveja gelada, bons drinks, preço justo e o principal: funcionários sempre com sorriso no rosto. Av. Marginal 1613 - Maranduba - Tel: (12) 99792.3109

Restaurante Sinha

Sistema Self-service por quilo, além de lanches e porções. Também fornece marmitex para viagem a retirar. Não possui Delivery. Considerada uma das melhores opções da Maranduba. R. Sarg. Alcídes de Oliveira, 70 - Maranduba - Tel: 3849.8693

Wasabi Sushibar

Ambiente aconchegante e a entrega em domicilio, Wasabi oferece sushi, sashimi, hot roll, yakissoba, muslitos del mar e outras iguarias da cozinha oriental. Aberto a partir das 18 horas. Rua Sgto. Rubens Leite 103 - Tel: 3843.1609 - (12) 99606.2263


Página 10

Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Força e Fé

Éric Fabiano Scarabelin A Fé é o abstrato sendo aceito e amado, o amar um Deus invisível aos olhos, mas sentido no coração. É a Força motivacional nos momentos de aflição, impulsionado pela Fé. Um Deus que ama sua criação, não pune, educa da maneira que se faça necessário, uma infinita devoção do criador à criatura, pouco compreendida e retribuída pela criação. Fácil é frequentar um templo religiosamente diariamente, difícil é colocar em prática o Amor Supremo ao nosso semelhante. Inúmeros são os momentos de cólera e mágoa, não me sinto evoluído o suficiente para estar imune. Como qualquer ser pecador e em evolução busco o aprimo-

Jornal MARANDUBA News

TODO MUNDO LÊ. ANUNCIE: (12) 99714.5678

ramento e redenção de todos os pecados. Pecador infiel aos princípios religiosos no início da jornada, agora buscando recuperar o tempo perdido. O tempo é como a areia fina que escorre por entre nossos dedos, impossível de retornar à posição inicial. Um Deus que nos ama incondicionalmente, aceitando nossos defeitos e como o pai carinhoso, nos coloca no colo e afaga os cabelos até adormecer. O Pai severo e carinhoso, áustero e doce, capaz de repreender sem machucar e de amar sem mimar. Que Deus seja sempre o nosso guia e mestre e Jesus o nosso Mentor e amigo. Um forte abraço fraterno e fiquem com Deus.


Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Ubatuba tem espetinho no balde, barca de churrasco e marmita de bala de coco ‘Prato-feito de espetinhos’ inclui três tipos de carnes e batata frita servidas em um balde. Marmita com meio quilo de bala de coco sai a R$ 25.

G1 Vale do Paraíba e Região Nem só de porções tradicionais vivem os turistas que frequentam as praias de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo. Para poupar o bolso e encher a barriga, opções como espetinho no balde, barca de churraco com arroz e farofa e até ‘marmita de bala de coco’ têm caído no gosto dos banhistas. Segundo os comerciantes, criadores dos pratos, a iniciativa busca atender o público que vem em grupo e quer gastar pouco. O bar próximo à praia Grande, a mais movimentada da cidade, estampa na fachada opções tamanho família. Uma delas é o balde de espetos. São cerca de dez espetinhos de sabores variados servidos dentro de um balde com uma porção generosa de batata frita. O combo é vendido por R$ 35,90 e ainda acompanha um refrigerante ou cerveja. Segundo o gerente, Leandro Camargo, a porção é uma das mais pedidas do verão. Ele disse que chega a vender 70 baldes por noite. No estabelecimento outra febre é a barca de churrasco. O

prato traz espetinhos, arroz, farofa e salada servidos em uma barca e custa R$ 9,99. “Os dois são como uma refeição. Por causa da quantidade, servem bem até três pessoas. Com isso, vira a pedida do pessoal que vem de galera para comer na praia e quer economizar”, disse Lean-

Jornal Maranduba News

ANUNCIE

(12) 99714-5678 / 3849.5784

dro Camargo. Bala de coco na marmita é uma outra moda no litoral norte. A porção generosa de bala de coco artesanal é servida com recheios que variam da receita tradicional apenas com coco, até os mais sofisticados com nozes e mousse de limão. O doce é armazenado em um recipiente de marmitex e vendido a R$ 25. A receita está no litoral há cerca de seis anos e ganhou fama recentemente. Segundo o produtor, Luiz Armando Sitta, ele passou de ambulante para empresário nos últimos anos com a venda do doce inusitado nas areais da cidade. “É um doce simples e que pode ser refinado. É fresco e por isso ideal para ser comido na praia e servimos porções tamanho família, atendendo aos grupos, por isso a embalagem de marmitex”, conta. Durante a temporada são vendidas 1800 unidades divididos entre as cidades de Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Paraty. A bala é servida em 18 sabores diferentes.

Página 11


Página 12

Jornal MARANDUBA News

Janeiro 2018

Azul-marinho: a banana que muda de cor

Para quem acha que banana é apenas sobremesa, se engana ao atracar na magnífica cidade de Ubatuba, contemplada com o inesquecível prato azul-marinho. Um peixe suculento cozido com banana nanica verde e muito bem temperado, servido com arroz e pirão feito com o próprio caldo do peixe. Essa comida típica de nossa cidade, é sem sombra de dúvida resquício do hábito de nossos antepassados indígenas que tinham a banana como um dos principais alimentos. O peixe já sustentava muitas aldeias litorâneas, tanto que a palavra pirão é de origem tupi, pirau onde pira significa peixe e u comida. No entanto, devemos considerar a influência de nossos colonizadores na criação do prato, pois a banana nanica foi introduzida no país por eles, aqui os índios desfrutavam da banana pakova e branca. Mas azul, por acaso, é cor de comida? Neste caso, sim. O caldo do

peixe, bem como todos os componentes do cozido apresentam um tom azulado, por conta da banana. Apesar de ser verde, neste estágio de vida, a banana é rica em uma substância chamada tanino. O tanino, ao ser liberado durante o cozimento se associa às proteínas do peixe e forma um composto que tem cor azul. Além disso, há quem diga que o verdadeiro azul-marinho é feito em panela de ferro, o que propicia a formação de mais pigmentos azulados, pois os taninos se ligam fortemente aos derivados do ferro e outros metais. O tanino também é responsável pelo sabor dos frutos verdes, a sensação de “amarrar a boca”, corretamente denominado adstringência, é um mecanismo que a planta usa para evitar o ataque de animais herbívoros (que se alimentam de vegetais), uma vez que torna o alimento impalatável e pode prejudicar a digestão de insetos e outros

animais. Ele também serve para proteger a planta contra o apodrecimento, por isso que as bananas são colhidas verdes para amadurecerem na estufa e depois serem vendidas. Alguns pesquisadores tentam comprovar o uso terapêutico dos taninos, porque apresentam ações antiinflamatórias, cicatrizantes, anticancerígenas, e até mesmo atividade anti-HIV, dificultando assim a replicação viral. É por isso que o chá verde é largamente utilizado na cultura oriental, pelas propriedades de seus componentes, particularmente dos taninos. Contudo, não devemos abusar dos frutos verdes, pois em excesso tem efeitos negativos no organismo. Mas certamente, podemos abusar do consumo do famoso azul-marinho, que além de conter os taninos liberados da banana, nos fornecem todos os benefícios que a dieta a base de peixe pode oferecer, tais como proteínas, gordura ômega 3, e sais minerais.

Receita: peixe com banana verde

Peixes como a Garoupa, Tainha Sororoca, Sargo, Carapau, até mesmo o Cação fresco serve para este saboroso prato, geralmente se utiliza peixe grande em pedaços, com postas grandes. Outra banana muito apreciada para o azul marinho é a São Tomé. “Acordei as 4 da manhã e fui tirar a rede de “tresmalho” na beira da costeira, dei sorte, consegui pegar uns dez peixes e dentre eles três carapaus grandes e uma sororoca, coloquei a rede e os peixes na canoa e trouxe para o jundú da praia até o rancho, lavei a rede na água doce da barra. Na praia já havia um pessoal da família e conhecidos para pegar alguns peixes, na casa da comadre Rita colhi alguns coentros grandes e pimenta de cheiro caiçara. Cheguei ainda cedo em casa, coloquei lenha no fogão, pe-

guei uma panela de ferro grande, no quintal tirei uma penca de banana nanica (orgânica), descasquei as bananas, lavei bem para tirar o excesso de cica, coloquei com água, um pouco de sal e o coentrão. Depois de temperar o peixe (carapau) com limão e sal no mínimo por vinte minutos, numa outra panela refoguei o peixe com aqueles tomatinhos (cereja) e cebola branca, depois virei na panela que esta a banana cozinhando, coloquei a pimenta de cheiro caiçara e deixei cozinhar por mais vinte minutos e quando estava qua-

se bom coloquei o cheiro verde. Fiz uma limonada de limão vermelho e esperei. Tirei o caldo com a banana, amassei com a farinha de mandioca, feito no “viamento” do compadre João e fiz o pirão. É que neste dia era o aniversário de minha esposa e como ela foi trocar dia na roça com a comadre Catarina, resolvi fazer para ela o prato que ela tanto gosta. Sei que o sonho dela é ter uma máquina de costura, mas como ainda não tenho condições, vou ajudando nos traba-

lhos de casa. O peixe com banana foi o presente de aniversário que eu pude das para a minha querida esposa.” * * * Este relato é uma história verídica onde os personagens não quiseram ser identificados, por isso os nomes não são os originais. Essas eram atividades corriqueiras até o inicio dos anos de 1980, encerradas com a criação das restrições ambientais que ainda trata estas pessoas como bandidas. * * *


Janeiro 2018

Jornal MARANDUBA News

Página 13

Quilombolas organizam território para período de férias e atendem a determinações do Ministério Público Federal Antecipando o período de férias de verão, integrantes e moradores da associação quilombola da Caçandoca vem trabalhando para implantar melhorias no território tradicional. Em conversa com o Ministério Público Federal em Caraguatatuba vários temas e tratativas foram discutidos, uma delas é a construção de uma casa de taipa tradicional para uso comunitário, o que já foi realizado entre os moradores e está instalada próximo a praia do quilombo. Também a limpeza e melhoria da escola do bairro que levou em media uma semana para sua realização. Outro tema importante é em relação à visita da concessionária de energia e membros da Defensoria Pública Estadual que farão uma visita técnica no próximo dia 17 em atendimento as demandas encaminhadas a última audiência pública dos territórios tradicionais. A associação criou também um grupo de rede social para tratar os assuntos corriqueiros, dúvidas cotidianas, esclarecimentos, avisos e outros temas de interesse comum e que esta agilizando os objetivos levantados principalmente as relacionadas às informações variadas e dúvidas frequentes. O trabalho vem rendendo frutos e as ações, realizadas em regime de mutirão, vem trazendo mídia gratuita e importante as causas quilombolas. O trabalho vem rendendo frutos e as ações, realizadas em regime de mutirão, vem trazendo mídia gratuita e importante as causas quilombolas.

Escola antes e depois do mutirão de limpeza e manutenção

Jornal MARANDUBA News

TODO MUNDO LÊ. ANUNCIE: (12) 99714.5678


Página 14

Jornal MARANDUBA News

Noite de natal a brasileira nas ruas do Sertão No último dia 25, um grupo de familiares, voluntários, amigos e simpatizantes da boa causa se reuniram e caminharam nas ruas do bairro do Sertão da Quina distribuindo alegria e presentes às pessoas, principalmente as crianças. Uma carroça puxada por um burrico foi todo enfeitado, nas rédeas da condução um papai Noel disposto a enfrentar o calor escaldante deste verão, ao redor personagens infantis davam o ar da graça. Foram milhares de abraços e brinquedos distribuídos. Como apoio vários veículos lotados de esperança, em forma de brinquedo, entregues a quem por vez achava que não iria receber brinquedo algum.

Foi uma noite feliz para quem se ofereceu e para quem foi agraciado com a visita do papai Noel a brasileira. Um

Janeiro 2018

Pesca sustentável

trabalho que começou muito antes das festas e que recebe como pagamento um belo sorriso e um muito obrigado!

Natal Feliz 2017

No último dia 16, o campo de futebol do Sertão da Quina foi palco do Natal Feliz 2017 com varias atrações, comes e bebes gratuitos a toda a comunidade, principalmente aqueles que não possuíam condições de receber qualquer presente ou abraço. Centenas de pessoas participaram do evento que contou com um time de voluntários e amigos. Quem participou aprovou o evento, quem achou que poderia passar o natal sem presentes acabou tendo uma grata surpresa.

Proteja-se dos borrachudos: use repelente

Nas redes sociais esta bela imagem de pescadores artesanais de Toque Toque Pequeno de São Sebastião que trazem boas recordações as comunidades tradicionais - pesca sustentavel.


Janeiro 2018

Página 15

Jornal MARANDUBA News

Grandioso show da banda Kauze

Coluna da Adelina Fernandes

A noção de férias está ligada a figuras de viagem, esporte, aplicações intensivas do corpo; quase nada a descanso. As pessoas executam durante esse intervalo aquilo que não puderam fazer ao longo do ano; fazem “mais” alguma coisa, de sorte que não há férias, no sentido religioso e romano de suspensão de atividades. Matutando nisso, resolvi tirar férias e gozá-las como devem ser gozadas: sem esforço para torná-las amenas. A idéia de viagem foi expulsa do programa: é das iniciativas mais comprometedoras e tresloucadas que poderia tomar o trabalhador vacante. As viagens ou não existem, como é próprio da era do jato, em que somos transportados em velocidade superior à do nosso poder de percepção e de ruminação de impressões, ou existem demais como burocracia de passaporte, filas, falta de vaga em hotel, atrasos, moeda aviltada, alfândega, pneu estourado no ermo, que mais? Quanto à prática de esportes, sempre julguei de boa política deixá-la entregue a personalidades como Éder Jofre, Maria Ester Bueno ou Pelé, que dão o máximo. A performance desses ases satisfaz plenamente, e não seria eu num mês de férias que iria igualá-los ou sequer realçá-los pelo contraste. Bem sei que o esporte vale por si, não pelos campeonatos; mas também, como passatempo, carece de sentido. Pescar, caçar pequenos bichos

Tirar férias

da mata? Nunca. Se esporte e morte acabam pelo mesmo som, para mim nunca rimaram. Havia também os trabalhos, os famosos trabalhos que a gente deixa para quando repousar dos trabalhos comuns. Organizar originais de um livro. Escrever uma página de sustância (está pronta na cabeça, falta só botar o papel na máquina!). Pesquisar em arquivos. Arrumar papéis. Mudar os móveis de lugar. E os deveres adiados, tipo “visitar o primo reumático de Del Castilho”. A idéia de conhecer o Rio, conhecer mesmo, que nos namora há 20 anos: tomar bondes esdrúxulos, subir morros, descobrir lagoas de madrugada. Por último, o sonho colorido dos gulosos, sacrificados durante o ano: comer desbragadamente pratos extraordinários, sem noção de tempo, saúde, dinheiro. Tudo aboli e fiz a experiência das férias propriamente ditas, que, como eliminação das atividades ordinárias e exteriores, pode parecer estado contemplativo ou exercício de ioga.

Não é nada disso. Exatamente porque abrem mão de tudo, as boas férias não devem tender à concentração espiritual nem à contenção da vontade. São antes um deixar-se estar, sem petrificação. Levantar se mais tarde? Se não fizer calor; um direito nem sempre é um prazer. Ir ao Arpoador? Se ele nos chama realmente, não porque a manhã e a água estão livres. O mesmo quanto a diversões, muitas vezes menos divertidas do que a noção que temos delas. Divertir-se é desviar-se, e não convém que nos desviemos das férias, enchendo o tempo com programas de férias. Deixemos que ele passe, sutil; não o ajudemos a passar. Há uma doçura imprevista em sentir-se flutuar na correnteza das horas, em sentir-se folha, reflexo, coisa levada; coisa que se sabe tal, coisa sabida mas preguiçosa. Se me pedirem para contar o que fiz afinal nestas férias, direi lealmente: ignoro. Aos convites disse não, alegando estar em férias, alegação tão forte como a de estar ocupadíssimo. O pensamento errou entre mil avenidas, não se deteve em nenhuma; cada dia amadureceu e caiu como um fruto. Nada aconteceu? O não acontecimento é a essência das férias. E agora, é trabalhar duro onze meses para merecer as inofensivas e deliciosas férias do não. (Carlos Drummond de Andrade, Cadeira de Balanço)

Jaqueline Martins O dia 30/12 kausou!!! Muita alegria e descontração com seu repertório de reggae e rock e suas músicas autorais como o single “Tô de boa” que está no gosto e na cabeça do público .com seus integrantes Paulo Paiva no vocal, Márcio big no baixo, Gabriel Martins na bateria e os Luiz Paulo e Chris

Vasconcellos nas guitarras . De acordo com a prefeitura municipal de Ubatuba foram 30 mil pessoas que curtiram o réveillon 2017/2018 na Maranduba, onde também se apresentou a dupla Nako e Rafael com o ritmo sertanejo. Acompanhe o trabalho da Kauze! Através do facebook. com/kauzeoficial.

Quilombolas aguardam cumprimento de acordo para recuperação de pontes da Caçandoquinha e Caçandoca

No último dia 14 o presidente da Associação do quilombo da Caçandoca, Mario Gabriel esteve junto com o secretário de Infraestrutura e Serviços, Pedro Tuzino, e o adjunto James Ricardo Guimarães para tratar de parceria para a recuperação de pontes no quilombo. Na ocasião foram tratados dos detalhes sobre a necessi-

dade da benfeitoria e sua atual situação. Com uma ponte de seis metros e outra de 4,5 metros verificou-se a necessidade da rápida manutenção. A prefeitura percebeu que as duas encontram-se em situação crítica de uso e conservação e que foi anunciado um prazo de trinta dias para efetivar a parceria. Comunidade aguarda contando os dias.


Jornal Maranduba News #104  

Notícias da Região Sul de Ubatuba

Jornal Maranduba News #104  

Notícias da Região Sul de Ubatuba

Advertisement