Issuu on Google+

Carlos Araujo Carujo Fascículo Especial  Autor Literário: Carlos Araujo Carujo (escritor)  Editoração Artesanal: do Autor  Reprografia: Cópia Circulação Restrita  Blog: carujodiario.blogspot.com.br  Endereço em Castanhal: Av. Barão do Rio Branco, 1947. Centro

Enquanto escrevo panfletos alerto para o fato de que não é órgão noticioso. O carujodiario.blogspot.com, por sua vez, não é um site de notícias, mas um web-blog. O tamanho da impressão no papel é este mesmo. Isto é o que lhe deu a marca da dinâmica que tem. Não vai mudar nunca. Muito desses escritos é ou foi objeto de denúncia. Não fabrico escândalos, mas estou à cata de fatos de interesse público. Basta-me ter gerado o escândalo que representa estas publicações, em cada número... É a mais bem dirigida das publicações: não se compra em jornaleiros nem nas bancas e só sai pelas mãos da Editora. Não tem publicidade nem matéria redacional paga. Quem financia é o leitor. Sou autor literário e panfletista, não alugo minha pena. Não aceito o crime, não sou conivente com o “sistema”, detesto “esquemas”. Não apoio qualquer forma de proselitismo, ou falsa moralidade – é o que mais aliena o homem. Sou contra a pirataria, a cópia ilegal: denunciei e processei contrafatores. Sou daqueles que acreditam no bem comum, um ideal que tem se transformado em discurso de políticos e de falsos religiosos. Enganados pelo jogo sujo, muitos não acreditam na força da solidariedade, convictos de que não passa de propaganda eleitoreira, de implante supersticioso. Creio que o verdadeiro bem comum vai além de um anelo idealista, de uma visão utopista. É uma tendência da humanidade, um projeto de vida realizável. A cidade de Castanhal atrasou, um pouco, na concretização deste projeto, por culpa dos maus que chegaram à frente. Mas, os bons não tardam a chegar!

Uma secretaria tem até piscina, com churrasqueira e tudo. A existência desses "elefantes brancos" onera os cofres públicos.

Na Câmara a oposição se reduziu a 4, apenas. Os outros já "colaram" a rabeira, definitivamente, à sombra da “frondosa” árvore do Executivo. PÁG. 3

Deveriam ser extintas ou revertidas para setores e "coordenadorias". A preguiça e a falta ação palpável prevalecem. Leia na pág. 2.

A corrupção avança. O que vamos fazer? Pág. 3.


A Jogada>

2

com Carlos Araujo Carujo

A preguiça e a falta ação palpável prevalecem. Uma secretaria tem até piscina, com churrasqueira e tudo. A existência desses "elefantes brancos" onera os cofres públicos. Deveriam ser extintas ou revertidas para setores e "coordenadorias". A SEMMA, como as outras secretarias denominadas SEPLAN e SEMICOS, são meia-secretarias, onde o marasmo e a falta ação palpável prevalecem. Deveriam ser extintas criando-se setores ou "coordenadorias". A existência

Para Normando Natureza, passado quase um ano não se tem notícia de qualquer atividade da Secretaria de Meio Ambiente – a SEMMA – que viesse dar solução aos inúmeros problemas. Desde o início desta administração municipal que os problemas só têm aumentado: multiplicou o lixo no centro da cidade, tornou-se insuportável a situação nas periferias, agigantou-se

O cidadão Waldez Pantoja Aventura disse que tem umas fotos de peças de carnes penduradas na feira, em via publica. Disse ser repugnante, a visão. Na Ceasa tem um ambiente nauseabundo, sanguinolento, que impede o cidadão de caminhar pelo calçamento. Trata-se de um abatedouro de aves em condições precaríssima, que atrai dezenas de urubus . Sobre essas imundícies já falei ao André Magnago, Secretário de Infraestrutura, responsável pela Feira. Ele disse que já notificou à Vigilância Sanitária, que não fez

desses "elefantes brancos" onera os cofres públicos. Mas, quando se trata de empreguismo... A visão desapegada me leva a observar que, nada menos do que três prédios, estão sendo ocupados para o ócio de apaniguados. Um

o desmatamento, proliferam animais mortos nas estradas vicinais, os igarapés agonizam, a poluição (atmosférica, sonora, visual) demonstra um desrespeito muito grande à população. Tudo fugiu do controle... SEM PLANO O que se tem notado é que a Secretaria de Meio Ambiente ainda não “decolou” porque não tem um plano de trabalho, nem uma agenda

nada até agora. Desde o início, é um "derrubando" o outro, nessa administração. Miguelzinho vereador, que anda "encangado" com a Regina Abreu em reuniões intermináveis com o Titan, já pediu a cabeça do André. Mas a vaga é do Milton Campos, dizem, que precisa da arrecadação semanal. Esta é feita por meio de "cobradores", que recolhem dinheiro em espécie dos "banqueiros", do jogo do bicho inclusive. Irregularidade. O certo seria pagar a licença via boleto a ser quitado em bancos ou na Secretaria de Finanças.

desses funcionários "nunca está", o outro "tá pra Belém", além daquele que não faz absolutamente nada porque "monta" nas costas dos subalternos. Isto é mera observação, de quem frequenta os locais: eu!

de atividades. Ela está inoperante quanto à preservação e conservação dos recursos naturais e o controle dos resíduos sólidos. POLÍTICA DO MAL Segundo o próprio secretário, esta é a mais “política” das secretarias. Quer dizer: vai fazer “vista grossa” a muitos e perseguir outros. Depende do “lado” de quem estejam: “Aos amigos tudo e os inimigos que se “arranjem” com a Secretaria de Meio Ambiente”

A Secretaria de Indústria e Comércio, que funciona numa casa residencial alugada, não tem movimento algum a não ser de políticos. Chegam tarde e encerram cedo. O “dono do pedaço”, como tem sido observado, é Milton Campos – dublê de vice-prefeito e Secretário de Saúde. Quase sempre ele é quem tem ido ali, “despachar”. Nesta secretaria encontramos poucos móveis, ambientes vazios, gente lendo jornais, conversando amenidades entre si. Fora isso o marco de importância é o atendimento politico do vice-prefeito a vereadores. No quintal dessa repartição tem até piscina, com tudo "arrumadinho", como se estivesse sempre em uso: churrasqueira, guarda-sol de praia, tolhas limpas, louça arrumada nos armários... É o local ideal para tomar “uma”, "coçar o saco"...


A Jogada>

com Carlos Araujo Carujo

PÁGINA 3

A informação, nesta terra, parece não ter valor e até os meios de comunicação “vivem” de boatos. Tudo o que os meios de comunicação noticiaram, sobre a interdição da obra de construção da creche da Prefeitura, baseia-se, inicialmente, na leitura, na tribuna da Câmara, de uma suposta nota do Cartório do 2º Ofício por um vereador. Segundo a pretensa “nota” o cartório foi enganado pelo prefeito – é o destaque. O terreno em conflito, que fica por trás da Escola Inácio Koury, Bairro do Santa Lídia, teria sido invadido pela Prefeitura que mandou construir, ali, uma creche. A Justiça deu reintegração de posse, embargando a obra, dizem os cronistas.

OBSCURIDADES Ninguém sabe dizer quem são as partes no processo. O polo passivo seria a Prefeitura, o prefeito ou o Município? O requerente seria o Dr. Baia (ou Bahia? Como é mesmo seu primeiro nome?) ou a sua mulher? O documento que o vereador anunciou estar em seu poder e até “leu”, na Câmara, segundo ele mesmo foi extraviado. Pelo que informou parece ter se apropriado de uma peça extraída dos autos, no escritório de um advogado. No cartório a informação, sobre o caso é zero: ninguém sabe, ninguém

viu. Até o escrivão substituto deixou de frequentar o local. O prefeito não dá mais entrevista, só manda recado. Nenhum juiz falou para reportagem alguma, nem o suposto dono do terreno deu entrevista. O único fato que subsiste, até agora, é que as obras da creche municipal estão paralisadas. Até parece de propósito. A informação, nesta terra, parece não ter valor onde até os meios de comunicação vivem de boatos. Alguns, desses fofoqueiros, ainda se dizem “donos da verdade”.

A corrupção avança – o que vamos fazer? É sempre proveitoso ler, no feed de notícia do meu perfil no Facebook, as postagens de Priscilla Portela. A última delas – ”Castanhal precisa começar a traçar novos rumos” – nota-se a preocupação, por causa da evidente crise de cidadania. Ela diz que vê o avanço do desperdício dos recursos públicos e da corrupção com muita preocupação. A impunidade requer que as leis sejam revistas e as pessoas devem ir às ruas, “lutar pelos nossos direitos”. “Realmente nós vivemos uma crise de cidadania sem tamanho”, diz Priscilla. O castanhalense está cansado de tanta corrupção, de serviços públicos precários, de insegurança nas ruas, da ineficiência nos gastos públicos e do estilo autoritário e inflexível do

prefeito e seus abnegados. Parece exagero, mas não é. O atual gestor municipal tem radicalizado as ações irregulares. Em todos os setores. Até parece de propósito. O “zé povinho”, que

é sempre muito ignorantes e extremamente incauto, acredita que estes extremos são impossíveis de serem praticados por “um home tão bom. Coitadinho...”.

Vereadores colocam-se à sombra do Executivo Por falar em corrupção e “blindagem”, digo que a impunidade só existe onde a autoridade é fraca. Se não denunciarmos, você e eu, ninguém vai agir. As questões ilegais devem ser comunicadas ao Ministério Público, ao Tribunal de Contas, à OAB, às entidades de

Direitos Humanos. O cidadão pode dar “tchau” à oposição, em Castanhal. Depois daquele movimento “mixuruca”, arremedo dos movimentos nacionais, houve “acomodações”, mudanças de lado, desinteresse “comprado”.

Na Câmara a oposição se reduziu a 4, apenas. Os outros já "colaram" a rabeira, definitivamente, à sombra da “frondosa” árvore do Executivo. Quase todo dia, na Prefeitura, tem tanto vereador, que até parece convocação de sessão.


A Jogada>

4

com Carlos Araujo Carujo

”Temos que tomar cuidado com as cobras e jacarés”. O jornalista Ivan Figueiredo, filho do empresário Raimundo Flor da Rocha, foi queixar-se ao delegado de Politica sobre estar sendo ameaçado de morte, via Facebook, pelo também jornalista Zenildo Taylor. “Hoje fiz uma pequena visita ao delegado de Policia, onde o mesmo me relatou que se tratava de uma ameaça evidente deste que fez declaração afirmando que poderia amanhecer com a boca cheia de formiga”, escreve Ivan Figueiredo. Não acredito que o jornalista Zenildo Taylor tenha se dirigido, ao Ivan, de forma afrontosa, mas se referia à truculência de membros da

O Projeto Cultural Origens completa 13 anos, dia 4 de dezembro. Umas pessoas me olharam com incredulidade quando, minha mulher e eu, começamos a esboçar as publicações alternativas. Alguns membros da comunicação não acreditavam que voluntários poderiam manter uma obra tão importante, para Castanhal, como o Projeto Cultural Origens. Por meio dele hoje está criado um notável acervo de conhecimentos sobre as origens de nosso município. Sem anúncios explícitos, sem lucro escorchante e sem

administração municipal e não teve a intensão de ameaçar, pessoalmente. MEDO DE MORRER Alguns já estão com medo de morrer, como a médica que denunciou o esquema de compra de votos, no processo político que elegeu o atual prefeito. Na ação criminosa e corrupta, por parte do vereador Miguelzinho e seus sequazes, outras testemunhas também depuseram no MP, menos o dono da Clínica Central, onde teria ocorrido o ilícito. Este empresário também manifesta preocupação quando à ser vítima de atentado conta a sua vida.

“Tudo que me acontecer, daqui pra frente, terá o nome deste (Zenildo Taylor) como principal suspeito”, conclui Ivan. COBRAS E JACARÉS Disse a Ivan que esta ameaça foi indireta, mas criminosa e a Justiça deve agir e punir. Só me assusta a dimensão, porque o Zenildo fala pelo "grupo", se é que entendi. Acredito que ele não teria nem condições físicas de executar o ato... Mas ele retruca, dizendo deu o Zenildo deu o recado “para pessoa errada. Temos que tomar cuidado com as cobras e jacarés que estão por trás dele”.

comprometimentos políticos. Cerca de 3.800 páginas de internet, mais de 15.200 páginas impressas, foram produzidas nestes 13 anos. É o único projeto cultural mantido por recursos particulares, enquanto que os projetos institucionais foram montados e são mantidos com o dispêndio de milhões de Reais gastos em material humano, bens e propaganda. Porém o Projeto Origens em nada se parece com instituição mantida por mandato eletivo, nem por meio dela pode se tirar votos. Nosso distanciamento dos políticos aumenta

na proporção em que cresce nossa liberdade em relação a eles. No entanto o Origens nasceu da comunidade, da qual você faz parte. Não seria demais pedir que nos ajude, mais uma vez, dando proteção e adquirindo nossos produtos, agora em livraria virtual. Com a sua participação vamos poder manter publicações abertas, gratuitas, que sempre marcou o nosso trabalho, há 13 anos. O compartilhamento de informações tem sido um dos móveis de nosso crescimento e também, motivo para que nos boicotem.

http://carujodiario.blogspot.com.br


A JOGADA 1