Issuu on Google+

O FUTURO DOS SUPORTES DE ARMAZENAMENTO ÓPTICO Manuel Morgado | Multimédia 01


Com o passar do tempo é comum que novos formatos de áudio e vídeo surjam no mercado. Foi assim com os discos de vínil, com as cassetes, com o VHS e, mais recentemente, com os CDs e os DVDs que hoje dão lugar a dispositivos digitais e a tecnologias mais modernas como o Blu-ray.

Seguindo essa tendência de constante inovação, é possível que o próximo passo no armazenamento e distribuição de arquivos seja através de um novo disco portátil que está a ser desenvolvido pela Sony e pela Panasonic. As gigantes tecnológicas esperam oferecer uma solução capaz de armazenar até 1Terabyte (Tb) de arquivos. Uma nova tecnologia, por hora chamada de Archival Disc, é a novidade anunciada em meados do último ano como fruto de uma parceria entre a Sony e a Panasonic. De acordo com as informações, o novo formato de disco óptico será resistente à poeira, mudanças de temperatura e até mesmo à humidade. A previsão inicial é a de que o novo disco esteja já disponível no mercado em meados de 2015, numa versão que só deverá comportar cerca de 300 Gigabytes (Gb) de dados, enquanto que uma versão a ser lançada posteriormente deverá chegar aos 500 Gb. A terceira e última versão, ainda sem data de lançamento prevista, será a de 1 Tb de capacidade. Apesar das estimativas positivas, o assunto ainda gera cepticismo a muitos dos adeptos da tecnologia, isto porque a TDK havia anunciado em 2010 que lançaria um disco óptico de 1 Tb e, até o momento, nenhum modelo foi visto no mercado. Além disso, a FujiFilm também anunciou o lançamento de um disco com as mesmas características até 2015, e nada mais se ouviu a esse respeito desde então.


DISCO FLUORESCENTE MULTI-CAMADA Fluorescent Multilayer Disc Fluorescent Multilayer Disc (FMD) é um formato de disco óptico desenvolvido pela Constellation 3D que utiliza materiais fluorescentes, em vez de materiais reflectores para armazenar dados. OS Formatos de disco reflexivos (como Compact Disc e o DVD) têm uma limitação prática de cerca de duas camadas, principalmente devido à interferência, dispersão, e ao cruzamento do inter-layer. No entanto, a utilização da fluorescência permite aos FMDs operar de acordo com os princípios de armazenamento de dados óptico 3D e ter até 100 camadas de dados. Estas camadas suplementares permitem uma capacidade de armazenamento até 1 Terabyte, mantendo o mesmo tamanho físico dos discos ópticos tradicionais.

Princípios de funcionamento As fendas microscópicas do FMD são preenchidas com material fluorescente. Quando a luz coerente do laser atinge uma dessas fendas o material brilha, emitindo luz incoerente de um

comprimento de onda diferente. Como os FMDs são claros, esta luz é capaz de viajar sem impedimentos através de muitas camadas. Os discos claros, combinados com a capacidade de filtrar a luz do laser (com base no comprimento de onda e coerência), providenciam uma melhor relação sinal- ruído do que os formatos de armazenamento reflexivos. Isto é o que permite aos FMDs ter muitas camadas. A principal limitação quanto ao número de camadas que um FMD pode ter é a espessura total do disco.

Desenvolvimento Um protótipo de disco com 50 Gb foi revelado na Feira de Indústria COMDEX em novembro de 2000. A primeira geração de FMDs propõe usar 650 nm lasers vermelhos, para produzir cerca de 140 Gb de armazenamento por disco. Para os de segunda e terceira geração, 405 nm lasers azuis, dando capacidades de até um Terabyte. A empresa D Data, Inc. adquiriu a carteira de patentes da Constellation 3D em 2003, com planos para reintroduzir a tecnologia sob um novo nome de Digital Multilayer Disk (DMD).


ARMAZENAMENTO HOLOGRÁFICO Vivemos um período onde a informação está mais disponível do que nunca. Graças à internet e a notáveis mudanças nos dispositivos de armazenamento de informação, quantidades surpreendentes de informação estão imediatamente disponíveis com apenas um computador que tenha conexão à Internet. Esses avanços nos dispositivos de armazenamento tais como a rápida redução de custos associado a um grande aumento da capacidade de armazenamento em equipamentos semelhantes. Atualmente são utilizados dispositivos magnéticos e ópticos para atender a essa necessidade. No entanto, são necessários agora dispositivos que possam armazenar grandes quantidades de informação de forma exponencial assim como fazem os dispositivos ópticos e magnéticos.


Estes dispositivos do futuro usarão a tecnologia holográfica. Embora esse processo tenha sido concebido há décadas, a invenção de procedimentos e materiais de custo menos elevado têm permitido avanços significativos na tecnologia para que seja viável e acessível. Dispositivos de armazenamento óptico e magnéticos somente armazenam informações sobre a superfície do meio de armazenamento. Por outro lado, dispositivos de armazenamento holográfico armazenam dados em todo o volume do dispositivo. Isso significa que um chip holográfico com apenas alguns milímetros de espessura pode armazenar centenas de vezes mais informação do que um dispositivo de armazenamento magnético ou óptico ocupando o volume idêntico de

espaço. O limite teórico para a densidade de armazenamento desta técnica é de cerca de várias dezenas de Terabytes (1 Terabyte = 1024 Gigabytes) por centímetro cúbico. Outra vantagem do armazenamento de dados holográficos é que ele oferece às empresas um método para preservar e arquivar informações. O armazenamento holográfico permite que se escreva uma vez e seja lido diversas vezes (WORM). Isso significa que os dados armazenados não podem ser modificados. Os dados vão existir na sua forma atual, ou ser totalmente apagados. Outra vantagem é que a longevidade dos dados armazenados é superior a 50 anos.

FONTES: http://www.clickgratis.com.br/virtual/tecnologia/dispositivos-de-armazenamento-de-dados-portatil-do-futuro-contara-com-disco-optico-de-1tb/ http://en.wikipedia.org/wiki/Fluorescent_Multilayer_Disc https://secure.kl6.com/science_main_holographic-storage_po.html


O futuro dos suportes de armazenamento óptico