Issuu on Google+

Motivações e Aprendizagens Lifelong Learning Programme Multilateral Project RE-ACT:

REACTIVATING TEACHERS AND LEARNERS

Duração: Dois anos. De 01/01/2011 a 31/12/2012 Stakeholders: •

SERVEF Servicio Valenciano de Empleo y Formación, Valencia (Spain)

KEK KRONOS Ltd., Psachna (Greece)

Training 2000, Mondavio (Italy)

Tiroler Bildungsservice, Innsbruck (Austria)

BFI Tirol Bildungs GmbH, Innsbruck (Austria)

DELFT UNIVERSITY OF TECHNOLOGY, Delft (Netherlands)

Centro Novas Oportunidades D. Inês de Castro – Alcobaça (Portugal).

Abstract - REACT Project

1 AdSL Jan 2011


Porquê RE-ACT? A motivação sempre foi um dos principais desafios da educação. No século XXI, com todas as solicitações externas e estímulos de diversa ordem que cativam a atenção dos estudantes, este desafio torna-se cada vez mais importante. Num maior ou menor grau, todos os alunos/formandos são afectados pela dissonância entre o currículo oficial, que define o que deve ser ensinado em sala de aula, e as suas próprias percepções e expectativas quanto à relevância do que lhes é ensinado. As consequências são ainda maiores quando essa falta de motivação, juntamente com outros factores, afecta o desempenho dos estudantes/formandos na educação formal e a integração na sociedade, com o resultado infelizmente recorrente de não completarem a escolaridade obrigatória. Em muitos casos, o problema é ainda mais grave porque estes alunos/formandos não só não aprendem, como também se esqueceram de como aprender, e não gostam de nada que se relacione com a escola ou currículo formal. Há, actualmente, uma série de cursos e programas de formação que procuram resgatar esses alunos. Alguns destes programas incluem períodos de estágio em ambiente de trabalho, que pretendem estimular o desenvolvimento de competências positivas relacionadas com a aprendizagem de um ofício, como por exemplo, a disciplina, a eficácia em alcançar objectivos, a eficiência, o valor do trabalho em equipa, a pontualidade, a responsabilidade em relação a si mesmo e para com o seu trabalho. No entanto, a motivação intrínseca, o desejo de aprender, não é estimulada, de modo que o efeito benéfico do programa em causa não é tão sustentado ou duradouro quanto o esperado. Além disso, em alguns casos, a semelhança com os curricula da "escola" é desmotivadora e, portanto, contra-producente. Numerosos estudos têm mostrado que, para os alunos, a motivação intrínseca está associada a altos níveis de escolarização e ao prazer. A motivação está intimamente Abstract - REACT Project

2 AdSL Jan 2011


ligada à sensação de envolvimento pessoal e ao compromisso com a tarefa, com tarefas que o indivíduo ache relevantes e significativas e com a interacção com outras pessoas nessas mesmas tarefas. Assim, uma pessoa aprende melhor num ambiente social, fazendo algo que seja significativo para ele ou para ela. O prazer associado à criatividade também é uma questão fundamental. Um projecto será motivador se a actividade for principalmente dirigida de uma forma autónoma por parte do actor, como ser criativo que é, em ambiente que envolva a colaboração e a conectividade. Criatividade, Autonomia, Colaboração : a dinâmica da escola tradicional e da sala de aula ainda não reconhece sistematicamente estes três elementos. No entanto, através do aproveitamento do potencial das novas tecnologias pode ser possível trazer uma nova dinâmica ao processo educativo e integrar novos elementos que possam vir a ajudar a mudar a atitude e a motivação dos alunos em relação à aprendizagem. O projecto Re-Act pretende explorar essa possibilidade.

Quais são os objectivos do Projecto RE-ACT?

1. Uma mudança de atitude. Uma mudança de paradigma: de sujeitos passivos, comportamento resultante de uma atitude instilada pelo sistema educativo ao longo da sua infância e juventude, queremos que os alunos/formandos alcancem a mudança para sujeitos activos. Para efectuar esta alteração pretendemos propor que participem em actividades criativas, definidas e dirigidas pelos próprios, que sejam relevantes e que tenham significado nas suas vidas. 2. Despertar mentalidades. Abrindo horizontes e relativizando, deixando-os descobrir outras experiências e pontos de vista de pessoas que vivem noutros ambientes. Algumas iniciativas de mobilidade na Europa têm demonstrado os benefícios desse tipo de actividade. Sem ser limitado a um conhecimento distante abstracto, pretende-se, antes,

Abstract - REACT Project

3 AdSL Jan 2011


promover as estreitas relações entre pessoas de diferentes origens, através da cooperação colaborativa, no espírito do conectivismo. 3. Ensiná-los a aprender. Desenvolvendo competências cognitivas e habilidades de pensamento crítico que lhes permitam lidar de forma independente e autónoma com as exigências do mundo social e do mundo do trabalho. O que é o Projecto RE-ACT? O projecto vai integrar os três elementos-chave que já mencionei: a criatividade, a autonomia e a colaboração numa metodologia que visa aproveitar o potencial das novas tecnologias, a fim de: • realizar actividades criativas. • facilitar projectos de colaboração e conectividade, reduzindo distâncias geográficas e culturais que promovam a compreensão mútua e a capacidade de reflexão. • desenvolver competências meta-cognitivas e pensamento crítico. Esta metodologia é baseada em investigações e processos consolidados, extraídos de aprendizagem informal, em que os aprendentes/alunos/formandos "descobrem" fazendo o que os motiva, e se apropriam de uma série de habilidades cognitivas que lhes permitam agir de forma autónoma, resolver e compreender as situações de aprendizagem como novas oportunidades. O projecto visa integrar a recuperação da motivação na aprendizagem de iniciativas em curso. Pretende-se garantir que a formação é percebida como uma oportunidade pessoal e não como uma "última opção". O objectivo é criar uma série de actividades que serão realizadas no início do programa. As primeiras fases do programa serão diferentes da actividade normal de um programa de formação a fim de romper com as expectativas. Serão actividades que permitam aos alunos total autonomia para criar algo, e permitir-lhes ver que as coisas podem ser feitas Abstract - REACT Project

4 AdSL Jan 2011


de forma diferente, com o objectivo de motivá-los a redescobrir o prazer da aprendizagem. As etapas seguintes envolvem um regresso progressivo ao programa de formação, mas a ideia é que, após as actividades iniciais o professor será capaz de executar outras actividades (a importância do trabalho com os professores é fundamental neste aspecto). Pretende-se saber REAGIR à situação em que se encontram estes formandos, alterando o seu entendimento relativamente à aprendizagem e como ela pode e deve acontecer. Desta forma, esperamos conseguir reactivar a sua capacidade de apropriação do conhecimento, estimulando a sua criatividade, a sua autonomia e a sua capacidade de trabalhar em equipa, colaborando. Como concretizar estes objectivos? 1. ANÁLISE DAS NECESSIDADES: Haverá um estudo inicial de perfis de aprendentes/estudantes/formandos nas instituições que participam no projecto, a fim de adaptar as actividades e ferramentas que são propostos em cada ambiente às suas habilidades e necessidades. Este estudo inicial inclui entrevistas com os vários intervenientes em cada contexto, a fim de assegurar a relevância da acção. Este estudo será complementado com uma pesquisa on-line, tendo em vista uma amostra mais ampla de pessoas em contexto de educação, garantindo um pano de fundo útil para contrastar com o resultado das entrevistas. 2. CONCEPÇÃO DA METODOLOGIA: Serão consideradas a concepção da abordagem e as actividades específicas, com base na análise das necessidades e da experiência dos parceiros no contexto da aprendizagem e motivação. 3. FERRAMENTAS:

Abstract - REACT Project

5 AdSL Jan 2011


Depois do estudo efectuado, será elaborado um kit, incluindo uma colecção de ferramentas sociais (Web 2.0), baseado no conceito de Personal Learning Environment (PLE). O ambiente será semelhante ao das redes sociais como o Facebook. Refira-se que uma das ferramentas fundamentais desse ambiente será um aplicativo de tradução automática, como o Babelfish ou Google Translator Toolbar. Estas são ferramentas que permitem a tradução rápida e ágil do conteúdo de qualquer recurso da Web. Como o projecto propõe a colaboração entre aprendentes/estudantes/formandos de diferentes países e, supondo que não têm as competências linguísticas, a utilização de uma ferramenta de tradução automática irá facilitar grandemente a comunicação entre os participantes. Cada participante deve comunicar na sua própria língua, mas vai entender as mensagens dos participantes de outros países com os tradutores. FASE1:

a. CONTACTO INICIAL: Na primeira fase de utilização do ambiente (PLE), vamos propor uma série de actividades destinadas a promover a familiarização com o ambiente, tanto nos seus aspectos tecnológicos como sociais, e estimular a comunicação entre os aprendentes/estudantes/formandos das diferentes instituições que participam no projecto. b. PROJECTO DE CRIATIVIDADE COLABORATIVA: Nesta fase, os participantes formarão equipas. Realizam um projecto próprio, em conjunto com formandos de outras escolas, utilizando as ferramentas disponíveis. O objectivo é colaborar e criar algo único. Os próprios formandos irão definir o que eles querem fazer, com a única exigência de o fazer em colaboração com a pessoa ou pessoas de outro centro. Este processo de colaboração criativa será realizado utilizando as ferramentas seleccionadas pelos aprendentes com o apoio da Equipa de Projecto, quando o solicitem. c. MONITORIZAÇÃO: O apoio e a monitorização estarão assegurados durante todo o processo, assim como depois. A Equipa de Projecto vai intervir sempre Abstract - REACT Project

6 AdSL Jan 2011


que parecer conveniente e oportuno, a fim de promover a reflexão em conjunto com os formandos, pretendendo-se desenvolver habilidades de pensamento crítico e metacognição. Como foi mencionado anteriormente, esse processo assenta em três vertentes: criação, colaboração, autonomia. d. INTEGRAÇÃO INICIAL DO PROJECTO: Esta fase pretende juntar o projecto criativo com a actividade principal de formação, num procedimento semelhante ao do projecto de criatividade colaborativa, mas desta vez, a exigência é de que o projecto se encaixe de alguma forma na área temática do programa de formação. Isso pode ser negociado entre formandos e formadores. Estes projectos serão realizados dentro de cada Centro, mas o produto final será apresentado aos outros Centros.

e. PROCESSO FINAL DE INTEGRAÇÃO: Nesta fase, a actividade regressa aos objectivos e ao currículo do programa de formação inicial. A ideia, porém, é de que os aprendentes trazem consigo a experiência de outras formas de aprendizagem e os professores/formadores reconheceram o valor dessa aprendizagem e integraram diferentes abordagens nos seus métodos de ensino, algumas sugeridas pela Equipa de Projecto. As novas abordagens são susceptíveis de implicar criatividade, actividades de colaboração e conectivismo e desenvolvimento de meta-habilidades cognitivas e de pensamento crítico.

FASE2: A segunda fase repete as estratégias da primeira mas enquanto a primeira se centra sobretudo nos efeitos desejados nos aprendentes, aqui a atenção dirigir-se-á especialmente aos formadores. a. CONTACTO INICIAL. Na primeira fase, vamos estimular a familiarização com o ambiente PLE, tanto nos seus aspectos tecnológicos como sociais, e Abstract - REACT Project

7 AdSL Jan 2011


estimular a comunicação entre os professores das diferentes instituições que participam no projecto, dando-lhes uma dimensão europeia. b. PROJECTO DE CRIATIVIDADE COLABORATIVA. Nesta fase, os participantes formarão equipas. Realizarão um projecto próprio, em conjunto com formadores de outras escolas, utilizando as ferramentas disponíveis, já referidas na FASE 1 do Projecto. O objectivo é colaborar e criar algo único, identificando aprendizagens em contextos não formais ou informais. Mas também é reconhecer a validade dos projectos de outros. À imagem do que sucedeu com os formandos, os formadores irão definir o que querem fazer, com a única exigência de o fazerem em colaboração com uma pessoa ou com pessoas de outro Centro. c. MONITORIZAÇÃO: O apoio e a monitorização estarão assegurados durante todo o processo, assim como depois. A Equipa de Projecto vai intervir sempre que parecer conveniente e oportuno, a fim de promover a reflexão conjunta, desenvolver habilidades de pensamento crítico e de metacognição. Como foi mencionado anteriormente, esse processo funciona

nas três

vertentes de criatividade, autonomía e colaboração (criação / capacitação, colaboração /conectivismo, conhecimento objetivo/pensamento), também para os formadores. d. INTEGRAÇÃO INICIAL DO PROJECTO Esta fase pretende juntar o projecto de criatividade colaborativa com a actividade principal de formação, num procedimento semelhante ao do projecto de criatividade colaborativa, mas desta vez, a exigência é que o projecto se encaixe de alguma forma na área temática do programa de formação. Isso pode implicar alguma negociação entre formandos e formadores. Os projectos serão realizados dentro de cada Centro, mas o produto final será apresentado aos outros Centros. e. PROCESSO FINAL DE INTEGRAÇÃO: Nesta fase, a actividade regressa aos objectivos e ao currículo do programa de formação. A ideia, porém, é de

Abstract - REACT Project

8 AdSL Jan 2011


que os professores contactaram com outras formas de aprendizagem, reconhecendo o seu valor e integraram diferentes abordagens nos seus métodos de ensino, algumas eventualmente sugeridas pela Equipa de Projecto. As novas abordagens são susceptíveis de implicar criatividade, actividades de colaboração e conectivismo e desenvolvimento de metahabilidades cognitivas e de pensamento crítico. ___________________________________________________________________

Observação:

Este Abstract ainda está em formato draft, uma vez que se anunciam alterações dinâmicas, ao longo da implementação do Projecto. Não passa ainda de um Road Book traçado para permitir dar início à viagem.

Alcobaça, 27 de Janeiro de 2011

Anabela dos Santos Luís luis.anabela@gmail.com Coordenadora do Centro Novas Oportunidades D. Inês de Castro Alcobaça

Abstract - REACT Project

9 AdSL Jan 2011


ReAct