REVISTA MANTOMAC 33° EDIÇÃO - 2022

Page 1


MANTOMAC NA LINHA DO TEMPO ÍNDICE Linha do tempo / Logomarcas Histórico da Mantomac Primeiros clientes / Atendimento Primeiras máquinas comercializadas Premiações e reconhecimento

Mantomac Comércio de Peças e Serviços Ltda

3 4/5 6/7 8/9 10

Trajetória com a Komatsu

11

História, pelos fundadores

12/15

Trajetória com a Dynapac

16/17

Trajetória com a Epiroc

18

Atuação com outras marcas / Rental

19

Participações em feiras/eventos Funcionários há mais tempo

20/21 22

PC130LC-10M0

23

Komatsu Showroom

24

PÁG. 2 | REVISTA MANTOMAC

www.mantomac.com.br @mantomac @mantomac CHAPECÓ-SC Rua Cristóvão Colombo 221-E, Bairro Bela Vista 89804-250 - Chapecó/SC Telefone: (49)3361-5399 mantomac@mantomac.com.br

BLUMENAU-SC Rua Alwin Rutzen 101, Bairro Itoupavazinha 89066-340 - Blumenau/SC Telefone: (47)3144-5399 mantomac.bnu@mantomac.com.br

FARROUPILHA-RS Rod. RS-122, Km 63, nº 1.693, Bairro Linha Julieta 95177-330 - Farroupilha/RS Telefone: (54)2109-5399 mantomac.far@mantomac.com.br

MANTOMAC RENTAL Rua Raimundo Zanela 160-D 89813-824 - Chapecó/SC Bairro Quedas do Palmital/Dist. Ind. Flávio Baldissera Telefone: (49)3700-6000 mantomac.rental@mantomac.com.br

1987

2005

Mudança para instalações próprias.

1995

Recebimento do Prêmio Santa Catarina de Incentivo à Qualidade e Produtividade, do Sistema Fiesc/Senai.

1996

2007

2008

Representação da Dynapac em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul.

1998

Abertura de filial em Blumenau. Autorização para representar a Komatsu em Santa Catarina.

2011

Distribuição de equipamentos Atlas Copco.

1999

Atuação como revenda Komatsu no Rio Grande do Sul.

2002

Prêmio da Komatsu International como o segundo melhor distribuidor no mundo e principal distribuidor no Brasil, pela participação de mercado. Sistema de Gestão da Qualidade.

Contratação de consultoria para estruturar a empresa e orientá-la em suas parcerias.

2012

Comemoração dos 25 anos.

Atuação como concessionária Randon em Santa Catarina e regiões do Rio Grande do Sul.

2020

Início da certificação de máquinas seminovas.

EM 35 ANOS, TRÊS LOGOMARCAS Nestas três décadas e meia, ao contrário de outras empresas que fazem trocas constantes, a Mantomac teve apenas três logomarcas para identificar a empresa. A primeira delas foi construída ainda no final da década de 1980, logo após a constituição da empresa em janeiro de 1987. Foi criada pelo pesquisador e escritor Alvírio Silvestrin.

Edição:

Produção: Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira/ editor (MTE4296RS); Scheila Franz (redação); Catia Regina Bertoti Dornelles (atendimento); Angélica Bergamin e Anna Luisa Schuck (design gráfico). Tiragem: 1.500 exemplares Impressão: Gráfica Arcus

Inauguradas instalações em Farroupilha.

1993

Revista (49)3312-2572 extra@extracomunica.com.br

2004

Fundação e instalação em barracão alugado.

Para formar a primeira logomarca, foram utilizados vários elementos visuais, em tons de azul. Era constituída por quatro “emes”, que foram pensados para identificar a letra inicial dos sobrenomes dos quatro fundadores: Mantovani (Aurino), Marchi (Pedro), Modesti (Vitor) e Moratelli (Valdir). Esses “emes” foram posicionados dentro de um circulo formado por engrenagens, sobre linhas horizontais em azul e branco, tendo ao lado a denominação “Mantomac Comércio de Peças e Serviços”.

Nova marca em 2021 No processo de evolução da identidade visual, a terceira logomarca foi implantada em novembro de 2021, mediante criação da agência Chaminé. Surgiu também para assinalar, por meio de selo representativo, os 35 anos da empresa. É formada de símbolo e logotipo. O símbolo é a representação da letra M, com traços que remetem a uma seta apontando para frente e para cima, juntamente

com a palavra Mantomac. A nova assinatura foi planejada em três versões para facilitar a aplicação da marca em diferentes situações: versão principal, com o símbolo sobre o nome da empresa; horizontal, com o símbolo antes do nome; e com os dois elementos na posição vertical. Tem como prioridade o uso da cor azul institucional da empresa, com possibilidade de

A segunda logomarca foi implementada em julho de 2004, com o sentido de modernizar a primeira e foi criada pela agência Extra Comunica para adequar a identidade visual à representatividade da empresa no mercado. Foram utilizados três elementos: um símbolo para valorizar o perfil da letra M, a palavra Mantomac e o complemento relativo às atividades da empresa: máquinas, peças e serviços. Três também foram as cores: azul del rey, amarelo e preto.

manual de identidade visual

uso na cor preta, sempre em versão monocromática, nas versões positiva e negativa. Além disso, ao conjunto pode ser associado o complemento “Soluções em máquinas pesadas”. PÁG. 3 | REVISTA MANTOMAC


DESDE 1987, UMA HISTÓRIA QUE CRESCE A intenção de constituir uma empresa para atuar em serviços e na venda de peças multimarcas foi a primeira ideia dos fundadores da Mantomac, no segundo semestre de 1986, intenção que foi concretizada no segundo dia do ano seguinte. Em 2 de janeiro de 1987 essa proposta de negócios foi formalizada através do contrato social da Mantomac Comércio de Peças e Serviços Ltda, iniciativa dos empreendedores Pedro Marchi, Valdir Moratelli, Vitor Antônio Modesti e Aurino Mantovani, que veio a falecer em 1989. As atividades começaram em barracão alugado, no Bairro Bela Vista, com atuação na assistência técnica e venda de peças de diversas marcas do segmento rodoviário. O quadro de funcionários era de 13, um deles no setor administrativo, outro no financeiro, cinco na área de peças e seis na assistência técnica. Em 1993 eram 20 colaboradores e em 1997 o número passou para 24. Depois, a elevação foi gradativa: 1998 – 39 colaboradores; 1999 – 47; 2002 – 69; 2004 – 88; 2006 – 89; e hoje o quadro é de 130 colaboradores. Em 1993 a Mantomac mudou para instalações próprias, no mesmo bairro, onde hoje permanece. Com a ampliação da atuação no mercado regional, as ações evoluíram para a venda de equipamentos rodoviários, ramo no qual a Mantomac atualmente é uma das principais concessionárias do Sul do Brasil. O trabalho sério desenvolvido desde o início levou a Mantomac a representar importantes fabricantes de equipamentos e peças. Com a expansão, também foram adotadas medidas para aprimorar os serviços, aperfeiçoar os recursos humanos, estreitar as relações com os clientes e buscar parcerias com marcas renomadas

Primeiras instalações em Chapecó, na Rua Brusque

mundialmente. Com sua trajetória de 35 anos, a Mantomac atualmente é concessionária exclusiva para o Rio Grande do Sul e Santa Catarina da marca Komatsu, líder mundial em equipamentos de construção, incluindo escavadeiras hidráulicas, tratores de esteiras, pás carregadeiras e motoniveladoras. Para os dois Estados também é concessionária da linha de compactação e pavimentação Dynapac e da Epiroc em equipamentos para mineração. Em todas as marcas, é possível a customização dos equipamentos conforme a necessidade do cliente. Foco para concessionária Depois de atuar na primeira década com trabalho multimarcas em equipamentos para construção, com assistência técnica e venda de peças, os diretores traçaram o objetivo de estabelecer a Mantomac como concessionária de grandes fabricantes de equipamentos. Para tanto, em janeiro de 1996 foi contratada a consultoria Gimenez e Gimenez, com a finalidade de estruturar e orientar a empresa. Nesse

Instalações próprias construídas em 1993

passo, a primeira marca comercializada foi a Case, fabricante de retroescavadeiras e carregadeiras. Como resultado das novas estratégias, em dezembro de 1997 foi apresentada à Komatsu uma carta de intenções para fazer a prestação de serviços e a venda de peças. A concretização dessa demanda veio em 2 de janeiro de 1998 e incluía também a autorização para a venda de equipamentos. Com a intenção de ampliar as atividades, foram feitas prospecções para instalar

unidade em São José, na Grande Florianópolis, e a seguir foi recebida oferta para locação de imóvel em Blumenau, onde foi aberta filial em abril de 1998. Mais um passo em suas atividades foi dado em maio de 2008, ano em que a Mantomac começou a representar a Dynapac em Santa Catarina. Depois, em 2011, foi a vez dos equipamentos Epiroc. Na trajetória da Mantomac, também está a prestação de assistência técnica a equipamentos como tratores de esteiras e escavadeiras hidráulicas na construção do gasoduto Brasil/Bolívia (1997/99). Isso ocorreu através de convite da Komatsu, para atuação em maquinário da construtora Tenenge. Inicialmente foi no trecho do gasoduto no Sul de Santa Catarina e depois na região de Corumbá, no Mato Grosso. A atividade cresceu e em setembro de 1999 a Mantomac começou a atuar como revenda exclusiva da Komatsu no Rio Grande do Sul, com unidade em Porto Alegre, mantida até o final de 2005. Em outubro de 2004 foi aberta filial em Farroupilha. Estrutura e mercado A Mantomac possui uma eficiente equipe para a venda de equipamentos e peças e conta com profissionais qualificados para atuar no pós-vendas, que é um de seus diferenciais para atender todas as demandas apresentadas pelos clientes. Também dispõe de profissionais técnicos qualificados com a chancela dos fabricantes para o atendimento ágil, com frota de veículos de serviço e ferramental adequado. Em níveis estadual e interestadual, a política de vendas e serviços é direcionada para empresas privadas de variados seg-

Porto Alegre teve filial de 1999 a 2005

mentos, o setor público e produtores rurais. Assim, a clientela inclui prestadores de serviços na área de máquinas pesadas, locadoras, órgãos públicos, indústrias em geral, de papel e celulose, de mineração e da construção civil. Mantém estoque com grande disponibilidade de peças, o que contribui para a agilidade no atendimento aos clientes. Isso diante da importância do uso dos diversos tipos de peças genuínas e da respectiva garantia. Além disso, toda peça Komatsu aplicada por técnicos da Mantomac recebe garantia de um ano, independente do período de garantia do fabricante. Na área de remanufaturados de peças hidráulicas, pelo sistema à base de troca, a Mantomac tem o Reclass. Através dele o cliente recebe componente novo em troca do usado. Isso envolve, por exemplo, mo-

tores diesel, bombas e motores hidráulicos, além de itens de giro alto, como coxins de cabine, acoplamentos e bomba de ventilador. Outro diferencial está no Contrato de Manutenção. Através deles são elaborados planos de manutenção de máquinas Komatsu atrelados à garantia do trem de força em até 6 mil horas ou três anos. Isso permite um consistente programa de manutenção preventiva. As instalações apropriadas da empresa na matriz e nas filiais permitem atenção especial aos mercados catarinense e gaúcho. Para essa eficiência, também contribui o trabalho de seus colaboradores, que atuam com dedicação não somente no momento da venda, mas também no pós-vendas, sempre voltados em atender bem o cliente.

Em outubro de 2004 foi aberta filial em Farroupilha.

Segunda filial, instalada em Blumenau em 1998

PÁG. 4 | REVISTA MANTOMAC

PÁG. 5 | REVISTA MANTOMAC


NO PRIMEIRO MÊS, O PRIMEIRO CLIENTE Vinte e sete dias depois de constituída oficialmente, conforme seu contrato social de 2 de janeiro de 1987, a Mantomac fez a sua primeira venda. Esse primeiro uso do bloco de notas fiscais, com emissão em 29 de janeiro de 1987, foi para a Celulose Irani S.A., empresa que permanece no quadro de clientes até hoje. Localizada em Campina da Alegria, então município de Catanduvas, hoje município de Vargem Bonita, no Meio-Oeste de Santa Catarina, a empresa, fundada em 1941, hoje é a Irani Papel e Embalagem S.A. Pertence ao Grupo Habitasul, com sede em Porto Alegre e que também possui unidades em São Paulo e Minas Gerais. A nota de número 001 teve o valor total da venda em Cz$ 11.273,00 (11 mil 273 cruzados), para pagamento em 30 dias. Segundo datilografado na nota, foi uma comercialização de mangueiras, pino, capa, rolamento e gaxeta. O comprador geral da empresa naquela época era o funcionário Agostinho de Quadros, enquanto o responsável por suprimentos era Aristides Fuga. Outros clientes No período inicial de atuação da Mantomac, outros clientes também valorizaram a nova companhia que se dedicava à atuação com peças e serviços, como prefeituras municipais da região Oeste de Santa Catarina. Nesse caso, adquiriam peças diversas para equipamentos como tratores, escavadeiras, motoniveladoras e carregadeiras. Entre esses clientes iniciais, também estava a Sadia, unidade de Faxinal dos Guedes, que fazia a aquisição de peças para o trator de esteiras D-50, utilizado em terraplanagens de aviários, na limpeza de áreas e na abertura de estradas dentro de propriedades rurais integradas à empresa. Também foi cliente a Cidasc, companhia ligada à Secretaria da Agricultura de Santa Catarina, através das unidades de Chapecó, Concórdia, Caçador, Joaçaba e Videira, mediante compra de peças para tratores de esteiras utilizados em obras de aviários. O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) igualmente foi cliente, na compra de peças para máquinas utilizadas em serviços gerais, na abertura e manutenção de rodovias em vários municípios da região. Além desses, a então Secretaria dos Negócios do Oeste adquiria peças para tratores de esteiras D155 e D50 e escavadeira Poclain.

PÁG. 6 | REVISTA MANTOMAC

Primeira nota fiscal, e confraternização com representantes da Celulose Irani

Entre os clientes iniciais, a Sadia comprava peças para o D-50

Vendas iniciais também envolveram peças para diversos tipos de máquinas

QUEM ATENDE ONDE Através da matriz em Chapecó a Mantomac atende as regiões do Oeste Catarinense, Norte e Missões no Rio Grande do Sul. Já a unidade de Blumenau é ponto estratégico para atender aos clientes do Litoral, Vale do Itajaí, Alto Vale do Itajaí, Norte, Planalto e Sul de Santa Catarina. A filial de Farroupilha atende os clientes do mercado gaúcho, a exceção das regiões Norte e Missões, atendidas por Chapecó devido à proximidade.

PÁG. 7 | REVISTA MANTOMAC


ATUAÇÃO INICIAL E PRIMEIRAS MÁQUINAS COMERCIALIZADAS No início de suas atividades, a Mantomac teve como dedicação principal a atuação na comercialização de peças para máquinas pesadas, como tratores, motoniveladoras e escavadeiras, juntamente com os serviços de manutenção desses equipamentos. Nesse caso, essas peças eram destinadas para motores e às partes hidráulica e elétrica, além de comandos finais, embreagem e transmissão. Até o ano de 1998 a empresa seguiu nessa atuação, para o atendimento de máquinas pesadas de diversas marcas. Essas máquinas multimarcas participaram de um processo que foi fundamental para o desenvolvimento da região Oeste de Santa Catarina: o preparo da terra para a implantação de lavouras, chiqueirões e aviários. Além disso, foram bastante utilizadas na abertura de rodovias, especialmente intermunicipais e estradas no interior das localidades. Somente com o ingresso na atividade como concessionária da Komatsu, oficializada no início de 1998, foi iniciada também a venda de máquinas pesadas. São equipamentos utilizados na construção, mineração, indústria e agricultura. Juntamente com máquinas, foi expandida a comerciali-

zação de peças como mangueiras e filtros, baterias, óleos lubrificantes, material rodante, fluídos e remanufaturados. As primeiras máquinas comercializadas da marca Komatsu foram tratores de esteiras e escavadeiras hidráulicas. No caso de tratores, o primeiro modelo foi o D41. Depois vieram o D51 e o D61. Já entre as escavadeiras, as primeiras foram dos modelos PC150 e PC200, seguindo-se outras, como a PC160 e a PC240. Após, foi iniciada

a venda de carregadeiras de rodas, do modelo WA180, e depois os modelos WA200 e WA 320. Mais tarde, a Mantomac passou também a comercializar as motoniveladoras Komatsu. Em 2008 começou a comercialização da linha de compactação e pavimentação da Dynapac. Nesse caso, estão equipamentos como rolos compactadores de cilindros e rolos compactadores de pneus, e depois vieram também vibroacabadoras.

Rolos Dynapac para asfalto e solos

Primeira escavadeira, o modelo PC150

Vibroacabadora Dynapac

Primeira carregadeira, a Komatsu WA180

Primeiro modelo de trator Komatsu comercializado, o D41E PÁG. 8 | REVISTA MANTOMAC

PÁG. 9 | REVISTA MANTOMAC


PREMIAÇÕES: RECONHECIMENTO E MELHORIA PELA QUALIDADE A seriedade do trabalho desenvolvido pela Mantomac levou a empresa a ter o reconhecimento através de uma série de iniciativas que a contemplaram. Essas distinções compreendem ações voltadas para a qualidade da gestão e também decorrem do desempenho em suas atividades. Entre as distinções, estão o Prêmio Santa Catarina de Incentivo à Qualidade e Produtividade, recebido regionalmente em 1995 da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Sistema Fiesc/Senai). No mesmo ano, foi implementado o Programa 5´S e o Programa de Implantação de Melhorias (PIM), voltados para a qualidade no trabalho interno e o planejamento. Percebendo que a certificação da qualidade pelas normas internacionais contribui com a gestão da empresa, qualifica o quadro funcional e possibilita maior dinâmica e excelência de atuação no mercado, a Mantomac iniciou em novembro de 2007 a implantação de seu Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Há vários anos a Mantomac está situada entre as principais empresas do município de Chapecó, na categoria de prestação de serviços, na área de incidência do Imposto sobre Serviços (ISS), recebendo troféus – como foi o caso de 1994, com a primeira colocação, e em 2009 com a segunda –, e o certificado “O Desbravador”.

Reunião de implantação do sistema da qualidade

PÁG. 10 | REVISTA MANTOMAC

Um dos destaques no Troféu O Desbravador

VINTE E QUATRO ANOS COM A KOMATSU O relacionamento entre a Mantomac e a Komatsu tem uma história de 24 anos. Começou logo após a empresa definir novas estratégias de atuação no mercado, entre as quais estava a identificação da importância de atuação como concessionária de grandes máquinas, produzidas por marcas reconhecidas, para o setor de construção pesada. Diante do objetivo de atuar na representação como concessionária, em dezembro de 1997 foi apresentada à Komatsu, por parte da direção da Mantomac, uma carta de intenções. A intenção maior, no caso, estava em fazer a prestação de serviços e a venda de peças dessa marca japonesa num mercado que ia de São Miguel do Oeste até a BR-116 em Curitibanos. O documento com a proposta foi entregue em São Paulo num encontro com o então diretor gerente da Komatsu no Brasil, Valdemar Suguri, que pediu para os diretores retornarem no mês seguinte. Nesse novo contato, no dia 2 de janeiro de 1998, exatamente na data comemorativa aos 11 anos de formação da Mantomac, além da confirmação da prestação de serviços e da venda de peças, os diretores da empresa receberam com surpresa também a autorização para a venda de equipamentos nessa região. Assim, as atividades de representação da Komatsu no Oeste Catarinense iniciaram no começo de 1998. Já em outubro do mesmo ano, a Mantomac recebeu autorização para representar a Komatsu em todo o estado de Santa Catarina. Esses cuidados mereceram a distinção da Komatsu, para apresentações da experiência da empresa. Uma delas ocorreu em Miami, em 14 de junho de 2001, sobre atuação na assistência técnica de equipamentos utilizados na construção de rodovias. Outra foi na sede da Komatsu em Toquio, quanto ao trabalho de fidelização de clientes. Em 2005 a Mantomac recebeu da Komatsu International prêmio como o segundo melhor distribuidor no mundo, pela participação de mercado, atrás apenas da concessionária da cidade do Porto em Portugal. Isso também significou o posicionamento, nesse ano, como o principal distribuidor no Brasil.

Os diretores Vitor Modesti e Valdir Moratelli, o então presidente da Komatsu no Brasil, Valdemar Suguri, e o diretor Pedro Marchi, na inauguração da Mantomac em Farroupilha, em 2004

Apresentação em Chapecó do último lançamento da Komatsu, a escavadeira hidráulica modelo PC130LC-10M0

Fábrica da Komatsu em Suzano-SP, a primeira implantada no Brasil

PÁG. 11 | REVISTA MANTOMAC


A HISTÓRIA DE QUATRO “EMES” QUE FORMARAM UMA GRANDE EMPRESA São formados por três “emes” os sobrenomes dos diretores da Mantomac, mas eram quatro. Pedro Marchi é natural de Salete, no Alto Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Valdir Moratelli é de Benedito Novo, município também localizado na mesma região. O outro “eme” é Vitor Modesti, e não é catarinense, mas gaúcho de Guaporé. Os três se uniram em Chapecó há 35 anos para fundar a Mantomac, juntamente com mais um “eme”, Aurino Mantovani, que faleceu dois anos depois. Sobre o início da Mantomac, em 1987, e por que a empresa foi criada, os três fundadores dão explicações semelhantes. Pedro lembra que, juntamente com Vitor e Aurino, trabalhava em outra empresa do ramo de máquinas, a Formac, com sede em Blumenau e filial em Chapecó, e que fazia bom volume de entregas no Oeste Catarinense. Daí, surgiu a ideia de formarem, com mais um sócio, uma empresa para atuar no mesmo ramo, mas com maior atenção ao atendimento de pós-

-vendas. Para Vitor, a ideia de montar uma empresa, com oficina mecânica, peças e serviços, representava “naquela época a intenção de um dia ser dono de alguma coisa”. Valdir, por sua vez, rememora a amizade que reunia os quatro fundadores e o nicho de mercado que verificaram e nele resolveram investir “suas economias”. Na antiga empresa, Pedro era responsável por peças, Vitor pela oficina e Aurino pela venda de equipamentos. Então, para formarem a Mantomac, em 1986 convidaram um colega, Lauro Bollis, que analisou a proposta mas preferiu ficar fora. Daí veio o nome de Valdir Moratelli, que tinha uma oficina mecânica desde 1973. Para o início das operações, foi montada estrutura interna e externa para atuar com peças e assistência técnica, com Pedro responsável por peças, Vitor pela oficina e Aurino pelo administrativo e venda de equipamentos. E assim a empresa deus seus passos durante dois anos, quando Aurino faleceu vítima de acidente em um jogo de futebol.

Aurino Mantovani foi um dos mentores, mas viveu na empresa apenas dois anos PÁG. 12 | REVISTA MANTOMAC

Sobre as principais dificuldades no começo, Pedro, que começou a trabalhar em 1974 como notista na Formaq em Blumenau e em 1978 foi transferido para Chapecó, cita a decisão de sair da empresa onde estavam e que tinha destaque no País. “Era uma empresa muito forte, e isso pesou bastante para sair.” Valdir tem a lembrança dos compromissos que os três sócios tiveram no começo, com Pedro nas vendas, Vitor nos consertos de máquinas e Aurino em vendas e no administrativo. Já Vitor destaca que era acostumado dentro de uma representação e teve que montar oficina da própria empresa, com poucas ferramentas para atender os clientes. “Mas a gente ia indo”, rememora, ao enfatizar que a falta de ferramental para prestar os serviços era suprida por “bons amigos que emprestam algumas coisas”.

rias e dificuldades, com anos de bonança e estabilidade e depois podem despencar, mas a Mantomac foi preparada para tais desafios e cresceu. Para Vitor Modesti, não havia “outro jeito para fazer diferente através da Mantomac, era começar e jogar com o que se tinha, esperar que desse certo, como deu”. Os desafios foram vários, garante Pedro, um deles a busca da representação

Komatsu através da apresentação de uma carta de intenções para distribuir peças. Em contrapartida, com a resposta, que veio um mês depois do pedido, juntamente houve a liberação para vender peças, realizar o pós-vendas e, a surpresa, comercializar máquinas novas. Daí, um grande desafio: “Mostrar que éramos diferentes”. Na avaliação de Vitor, uma questão crucial foi ter começado sozinho na ofi-

cina e após com apenas dois mecânicos: “Ia para o campo e depois voltava para a oficina”. Outra situação diferenciada foi o desejo de comprar o terreno e construir o próprio barracão. Valdir considera que um desafio especial, após a evolução inicial da Mantomac, foi mudar a atuação como oficina multimarcas para o trabalho como concessionária e o processo de transição nisso tudo.

Vitor Modesti, Pedro Marchi e Valdir Moratelli conduzem os desafios da Mantomac

O que havia de bom À pergunta sobre o que havia de bom quando a empresa iniciou sua atuação, Vitor responde que foi a força de vontade para trabalhar e a empresa ir para frente. “Era difícil pensar negativo, tinha mercado aberto e fomos tomando conta do território na região Oeste e, com um Fusca velho, ia até para o Paraguai arrumar máquina.” Para Valdir, havia “uma união muito grande entre os sócios, esperança de crescimento e a visão de uma grande oficina de pós-vendas”. Acrescenta que paulatinamente ocorreu a estruturação da empresa e a compra do terreno para construir a sede própria, bem como começou a ser montada a frota de veículos, transmitindo assim credibilidade para os clientes. A decisão de montar a empresa, a organização da sociedade com os quatro sócios e a situação de outras empresas no ramo de máquinas é o que lembra Pedro. Conforme ele, foi a percepção sobre como estavam os prováveis concorrentes, como Figueiras e Link, que levou, ainda em 1986, à ideia de implantar um negócio alternativo para atuar com diferenciais em máquinas pesadas. Erros e desafios Valdir Moratelli avalia ter dado errado no início a fatalidade de perder o sócio Aurino, ao mesmo tempo em que os outros três sócios tiveram que absorver a respectiva parte. Já Pedro Marchi prefere o argumento de que todas as empresas têm glóPÁG. 13 | REVISTA MANTOMAC


DESTAQUES E RELACIONAMENTOS, PRESENTE E FUTURO Uma empresa que é criada para atuar num mercado competitivo como o de máquinas para a construção pesada normalmente surge com riscos diversos. Desde os técnicos até os financeiros, que podem afetar o cerne da gestão. Com a Mantomac essa possibilidade também seguiu seu rumo e crises foram enfrentadas. Para o Vitor Modesti, “a crise vem na venda”. É o que ele contextualiza ao lembrar, principalmente, dos efeitos gerados pelo Plano Collor, instituído em março de 1990 e que, a pretexto de controlar a hiperinflação e estabilizar a economia, congelou de depósitos em conta corrente e poupança, entre outras medidas. “Afetou a empresa, o dinheiro ficou bloqueado”, lamenta o fundador. É também em cima de um plano econômico que o fundador Valdir Moratelli rememora crises. Ele lembra que a Mantomac surgiu sob os efeitos do Plano Cruzado, instituído em 1986 para reduzir a inflação elevada mediante o controle de preços e outras medidas econômicas, mas que não se sustentou devido ao arrocho. “Tanto é que as principais empresas do ramo quebraram”, assinala Valdir, para quem a Mantomac, como estava começando, não teve tantos empecilhos e conseguiu até iniciar a construção da sede própria. Pedro Marchi avalia que para enfrentar crises é necessária atenção ao mercado. Especifica o fundador que a Mantomac enfrentou crises que recaíram especialmente sobre segmentos com os quais atua e também sofreu os efeitos. É o caso de percalços que recaíram sobre a agricultura, a agroindústria e a construção civil e levaram a dificuldades de produção e vendas e a esporádicos encolhimentos do mercado: “A compra não era igual às outras épocas”. Por que deu certo? Somente deu certo por causa de muito trabalho, muita dedicação, muita parceria, união, muita conversa entre os sócios. É assim que Valdir responde à pergunta sobre por que a empresa foi e vai bem. “Sociedade é igual ao casamento, cria desgaste, mas são situações do momento”, complementa. Pedro, por sua vez, considera que os bons resultados são fruto do desejo de progresso, de trabalhar sempre pensando no crescimento, e de pessoas envolvidas com o mesPÁG. 14 | REVISTA MANTOMAC

Pedro Marchi mo comprometimento. Para Vitor, um dos fatores para ter dado certo foi o fato dos donos trabalharem diretamente na empresa, muitas vezes mais do que os funcionários: “O que caía na empresa a gente fazia, e dava retorno de tudo”. Se uma empresa dá certo, é porque obtém destaques. Nesse caso, para Pedro Marchi a relevância da Mantomac no mercado em muito se deve aos cuidados com

o pós-vendas, “a preocupação com o que vem depois e a qualificação dos serviços de manutenção”. Nessa mesma linha, Vitor Modesti concorda com o nível do atendimento prestado e a capacidade dos funcionários em possibilitar que o cliente “seja muito bem assistido”. Valdir Moratelli acresce a essas opiniões a credibilidade da empresa conquistada com o pós-vendas compromissado, a equipe qualificada e o mix de ofertas para

o mercado catarinense e gaúcho. Com fábricas e clientes A relação com as fábricas representadas é “sempre muito próxima”, mesmo com mudanças que podem levar a relacionamento mais técnico, reduzindo o valor humano. Isso é o que avalia o fundador Valdir Moratelli. Por sua vez, Vitor Modesti assinala a relação estabelecida com marcas reconhecidas, enquanto Pedro Marchi entende que ocorre aprendizado relevante com as fábricas, diante da parceria e da confiança. Quanto ao relacionamento específico com os clientes, Modesti afirma ser “o que dá desempenho para empresa e se deve aceitar as críticas”. Marchi diz: “Cada dia que passa queremos mais clientes, as dificuldades ajudam a crescer, a encontrar alternativas”. Moratelli, por sua vez, garante que os clientes se tornam amigos da empresa, especialmente diante do trabalho dos gerentes e dos vendedores.

Vitor Modesti

O PRESENTE E AS PERSPECTIVAS NO MERCADO DE ATUAÇÃO: O QUE PENSAM OS FUNDADORES Avaliar o presente da empresa e seu futuro é uma provocação para quem há 35 anos criou a Mantomac. Nesse caso, os três fundadores lembram que o futuro está bem encaminhado com a atuação de um filho de cada um em gerências da empresa, inicialmente com a entrada de Ricardo Marchi em pós-vendas, seguindo-se Igor Modesti no administrativo e depois André Moratelli no comercial. Pedro Marchi opina que quando se começa uma empresa pensando sempre no que vem depois “sempre dá certo”. Sobre as perspectivas no mercado, ele argumenta com as grandes marcas representadas: “Hoje temos a Komatsu na linha amarela, a Dynapac na parte de compactação e a Epiroc com várias ferramentas, são três linhas, mas a intenção é buscar mais, pois temos estrutura muito bem montada e condições de crescer”. Valdir entende que a Mantomac amadureceu,

enfrentou e saiu de crises fortalecida e que a estruturação interna permite que os filhos aprendam e contribuam com a profissionalização. Em relação às perspectivas, afirma que serão quatro ou cinco anos bons, mesmo com altos e baixos. E alerta que “não se pode perder a essência da Mantomac, como empresa cumpridora de suas obrigações, por pior que fosse a crise, sem nunca atrasar a folha de pagamento e nunca deixar de pagar os fornecedores”. “O presente está tudo bem, está tudo ótimo e o futuro para a Mantomac eu vejo como bem promissor”. Essa é a opinião de Vitor Modesti, para quem essa confiança “inclusive se deve pela sucessão que virá”. Já as perspectivas, para ele, também são boas: “É um lado muito bom, tendem a crescer as vendas, e se tivéssemos mais máquinas, tem como vender mais”.

Valdir Moratelli PÁG. 15 | REVISTA MANTOMAC


Diante disso, avalia que a Mantomac é uma empresa bem tradicional na região, respeitada por todos os stake holders, “característica que vai de encontro com os valores da Dynapac e facilita muito a distribuição dos nossos produtos”. Participação entre Dynapac e Mantomac Para Carlos Eduardo, a Mantomac é um player tradicional no mercado de máquinas em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. De acordo com ele, a Dynapac é uma empresa bem madura e longeva e tem consciência que devem ser sustentável no longo prazo. Diante disso, ele cita que a Dynapac acompanha seus distribuidores através de “duas lentes”. A primeira é uma lente mais panorâmica, aquela que tem uma abertura maior e consegue ver o passado e o futuro mais amplo. Diante dessa lente, ressalta que a Mantomac é um dis-

tribuidor com altos índices de market share na região. Quanto à outra lente, afirma que é mais fechada e observa o curto prazo, os últimos meses. Com essa lente observa que houve queda de participação e então agir na causa é fundamental: “Acreditamos que a causa dessa queda é devido a escassez de produtos que estamos sofrendo no momento atual, ou seja, perdemos algumas oportunidades de vendas por falta de produto”. Para 2022, Carlos destaca que a Dynapac acredita que com melhor programação de estoque e pedidos haverá oportunidade de retomar os altos índices de market share que a Mantomac historicamente está acostumada. Diferenciais da marca A Dynapac é uma empresa tradicional no mercado brasileiro, com destaque em produtos e no legado construído. O campeão de vendas é

o CA 25D, um símbolo nacional de rolos compactadores. De acordo com Carlos Eduardo, “todo cliente que visitamos tem uma boa memória com essa máquina”. Fabricado desde a década de 1970, de lá para cá o CA 25D sofreu algumas alterações tecnológicas, que melhoraram bastante o equipamento para seguir até hoje como um produto sucesso no mercado nacional. Além do CA 25D, a Dynapac tem outros equipamentos de sucesso longínquo, como o CA 15, os rolos de pneus CP 2700 e CP 2100. “Não podemos nos esquecer do CT 3000 e dos produtos mais recentes, o CP 1200 e o CC 4200”, pontua o dirigente de vendas do fabricante. Especifica que todos esses produtos possuem um legado de alta performance, qualidade e durabilidade, diferenciais que a Dynapac oferece aos seus clientes por mais de 60 décadas no Brasil.

DYNAPAC E MANTOMAC, LONGA PARCERIA Nos mercados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul, a Mantomac é concessionária da Dynapac desde maio de 2008. Nesse ano, a empresa começou a representar a marca nos dois Estados, na linha de compactação e pavimentação, com rolos compactadores e vibroacabadoras, setores nos quais a Dynapac possui liderança mundial. As discussões começaram em setembro de 2007. Isso ocorreu por meio de contatos entre os diretores da Mantomac e o presidente da Dynapac no Brasil e responsável pelos negócios na América do Sul e América Central, Paulo de Almeida Barros, o gerente de vendas de máquinas pesadas para a América Latina, Luiz Lemos, e o gerente de pós-venda, Henrique Lyra Porto. Já em setembro de 2008 foi iniciada a comercialização dos equipamentos da linha leve de compactação e concreto Dynapac. Essa linha era então representada por equipamentos complementares como soquetes, placas e rolos vibraPÁG. 16 | REVISTA MANTOMAC

tórios, réguas vibratórias, vibradoras para concreto, acionadores, alisadoras e cortadoras de piso e asfalto. O gerente de vendas da Dynapac, Carlos Eduardo dos Santos, lembra que de 2008 para cá foi possível construir um relacionamento sólido e próspero entre as duas empresas. Como um fato importante ele menciona as crises que ocorreram. “Durante os anos de 2015 e 2019, passamos por tremenda crise no setor de máquinas e equipamentos aqui no Brasil, no qual vimos algumas empresas do nosso setor sucumbirem à crise e ficarem para trás”. Assim sendo, acrescenta o executivo, “podemos dizer que o relacionamento honesto, direto e maduro entre as duas empresas foi crucial para passarmos por essa crise e nos deu a experiência para os desafios adiante e isso é muito importante”. Quanto à parceria entre a Dynapac e a Mantomac, Carlos Eduardo destaca que ela contribui para a estratégia de atendimento na região Sul do Brasil. PÁG. 17 | REVISTA MANTOMAC


NO COMEÇO, ATUAÇÃO COM OUTRAS MARCAS

EPIROC E MANTOMAC, UMA HISTÓRIA CONJUNTA

Antes de passar a atuar como concessionária de fabricantes internacionais, como a Komatsu e a Dynapac, a Mantomac trabalhou com outras marcas de presença regional ou nacional no Brasil. Entre elas estão Case, a Randon e a Müller. A primeira fabricante que passou a ser representada nesse sentido foi a Case, em parceria como sub-dealer – o primeiro da marca no Brasil –, para a venda de peças e a

prestação de serviços de assistência técnica em retroescavadeiras e carregadeiras. Essa possibilidade surgiu em contato com o gerente de uma concessionária Case em Santa Catarina, de quem a diretoria da Mantomac recebeu a indicação para discussões com o diretor comercial da Case em São Paulo, Jurandir Zanon. Depois vieram outras marcas, como Aeroquip, líder mundial em mangueiras e co-

nexões hidráulicas, e Irlemp-Racor, líder na fabricação de filtros. A Mantomac também foi distribuidora da Müller Indústria e Comércio, no segmento de rolos compactadores, no período de setembro de 1999 a dezembro de 2004. Ainda em sua trajetória, no período de dezembro de 2002 a outubro de 2008 foi concessionária Randon para o Estado de Santa Catarina e regiões do Rio Grande do Sul, para retroescavadeira da marca.

ATIVIDADES EM RENTAL

Outra marca representada pela Mantomac em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul é a Epiroc. Entre os equipamentos para mineração disponibilizados para os mercados catarinense e gaúcho, estão rompedores hidráulicos, placas vibratórias, fresadoras, tesouras e carretas perfuratrizes. Em 21 de fevereiro de 1873, a Epiroc (então chamada Atlas Diesel), foi fundada em Estocolmo, na Suécia, como fabricante de produtos para estradas de ferro. Mais de 140 anos depois, a divisão de mineração e escavação da Atlas Copco, agora com a denominação Epiroc, é uma referência da indústria e tem posições líderes mundiais em caminhões subterrâneos e carregadeiras, equipamentos para perfuração de superfície e rotativas, equipamentos de exploração, ferramentas de perfuração de rocha, bem como em outras áreas de produtos, inclusive quanto à automação. A relação da Mantomac com a Epiroc iniciou em 2011, data em que passou a atuar como distribuidora de equipamentos então com a marca Atlas Copco. Como a Epiroc é uma empresa que busca constantemente encontrar os melhores parceiros para seus negócios, a business development manager (gerente de desenvolvimento de negócios) Rosana Rodrigues destaca que são buscados parceiros que possuem valores éticos e responsáveis: “É desta maneira que enxergamos nossa parceria com a Mantomac, que possui os mesmos valores que a Epiroc tanto preza e pratica com seus parceiros de negócios”. Sobre o relacionamento, ela cita não ser tão duradouro como o tempo que PÁG. 18 |REVISTA MANTOMAC

a Mantomac possui de experiência no mercado. “Temos trabalhado para conquistar cada vez mais um relacionamento transparente, que tenha ganhos em todos os aspectos para as duas empresas.” Participação e diferenciais Quanto à participação nos mercados onde a Mantomac atua, seja em Santa Catarina ou no Rio Grande do Sul, Rosana lembra que a Epiroc possui uma estrutura de distribuidores regionais e uma estrutura de Key Accout Manager para cobrir esse mercado. Para ela, “ter parceria com uma empresa que possui experiência e penetração no mercado, com estrutura competen-

te, soma esforços contribuindo com o maior crescimento dos negócios nessas regiões”. Expertise no atendimento ao mercado com credibilidade, comprometimento, transparência e ética em seus negócios são diferenciais da marca no Brasil. Para Rosana, mais do que um fabricante, a Epiroc é parte vital de uma sociedade sustentável e um parceiro de produtividade global responsável em cumprir suas promessas. Diante disso, ela reforça: “Oferecemos inovações e soluções que os nossos parceiros precisam para maximizar os resultados todos os dias, bem como a tecnologia necessária para estar preparados para competir no futuro”.

Em 2007, através da Mantomac Rental, foram iniciadas atividades de locação de máquinas e equipamentos, com maior presença em obras desenvolvidas no Sul do país. Entre as vantagens aos clientes para garantir maior produtividade, agilidade e pontualidade na execução de obras e serviços, está a disponibilidade de frota nova. São equipamentos produzidos pela Komatsu e Dynapac com a mais alta tecnologia. A rental atende clientes em diversos ti-

pos de operação no Brasil, como empresas da construção civil, de terraplanagem, do agronegócio, empresas da construção pesada, mineradoras, empresas de pavimentação e indústrias que utilizam equipamentos específicos para suas operações. Entre as vantagens da locação está a possibilidade da prevenção quanto às oscilações no volume de obras ou produções, em situações de trabalhos imprevistas, sem a necessidade do aumento da frota. Outra vantagem está na

produtividade e rendimento das obras sem a preocupação de depreciação dos equipamentos, bem como quanto às manutenções preventivas e corretivas, feitas diretamente pela locadora. Na locação, são incluídos o seguro e a manutenção preventiva e corretiva, o que assegura ao locatário o melhor custo benefício. Além disso, em algumas situações o valor investido em locações pode ser deduzido diretamente no Imposto de Renda.

PÁG. 19 | REVISTA MANTOMAC


EM EVENTOS, A APROXIMAÇÃO COM OS CLIENTES Itaipu Rural Show 2022

Na Efapi em Chapecó

A participação em feiras representa, para qualquer empresa, uma estratégia de aproximação com os clientes. De parte da Mantomac também essa tem sido a intenção ao longo dos anos, além da realização de eventos próprios. Um dos eventos mais tradicionais que a empresa tem participado ocorre em Chapecó. Trata-se da Exposição-feira Agropecuária, Industrial e Comercial (Efapi), uma das principais feiras multissetoriais da região Sul e que é realizado desde 1967. Outro evento é uma das maiores iniciativas que reúne setores produtivos no parque de exposições de Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre, a Expointer. Os serviços da Mantomac e produtos que representa foram mostrados ainda em feiras regionais, como a Expo Videira, a Feinacc (Feira Industrial, Agropecuária e Comercial de Caçador), o Congresso de Municípios do Rio Grande do Sul, a Festa Nacional do Colono e Expo-Feira Agroindustrial em Itajaí, a Expocever (Exposição de Máquinas e Equipamentos para Cerâmica Vermelha) em Rio do Sul, a Construir em Erechim-RS e a Feira Sul Metal & Mineração em Criciúma-SC. Neste ano, houve a participação com estande na Itaipu Rural Show 2022, realizada em Pinhalzinho-SC de 2 a 5 de fevereiro. Além de expor em feiras de interesse do mercado de construção pesada, dirigentes e funcionários da Mantomac normalmente participam em eventos nacionais. Um deles é a M&T Expo (Feira Internacional de Equipamentos para Construção e Mineração), em São Paulo. Outro, já neste ano, foi a Paving Expo 2022, a mais completa feira e congresso de infraestrutura e construção do Brasil, que ocorreu em São Paulo nos dias 8, 9 e 10 de junho. Da mesma forma, com a intenção de estar sempre integrada com seus clientes, a empresa realiza eventos em suas unidades, para apresentar lançamentos das fábricas.

Equipe da Mantomac na M&T Expo

Na Expointer, no parque de Esteio

Construir, em Erechim

Evento realizado na matriz PÁG. 21 | REVISTA MANTOMAC

PÁG. 20 | REVISTA MANTOMAC Na Expo Videira


FUNCIONÁRIOS MAIS ANTIGOS DESTACAM TRABALHO E RELACIONAMENTO NA EMPRESA Os funcionários mais antigos, além de terem precioso conhecimento e experiência no que fazem, conseguem dominar os serviços que prestam e, ao mesmo tempo, possuem afeto com o local de trabalho. Na Mantomac não é diferente e nesta trajetória de 35 anos os três colaboradores mais antigos, como espelho de todos os colegas, mostram o esforço e empenho nos resultados que apresentam nas suas diversas áreas de atuação, bem como o reconhecimento no relacionamento com a empresa. A trajetória de Marleni Pimentel Costa, natural de Porto dos Gaúchos, em Mato Grosso, é a mais antiga entre os funcionários da Mantomac: 24 anos. Ela iniciou seu trabalho como zeladora na matriz em Chapecó em 21 de setembro de 1998 e diz que se realiza, porque gosta do que faz e porque vive disso. Além de destacar o gosto pelo trabalho, Marleni fala das boas amizades que tem feito na Mantomac. “É bom ter amizades aqui dentro, com os colegas, e me sinto muito bem-vinda pela diretoria, gosto muito do seu Pedro, do Valdir e do Vitor, enfim, adoro todos os meus amigos da Mantomac”, afirma ela, contente em sua atividade em grande parte destes 35 anos.

Marleni Costa PÁG. 22 | REVISTA MANTOMAC

Elonir Malheiro

Nas vendas Os outros dois colaboradores com mais tempo na empresa são da área de vendas de equipamentos. Um deles é Elonir Malheiro, que em 01 março de 1999 começou sua história como consultor de vendas de equipamentos na Mantomac. Com atuação na filial de Blumenau, Elonir ressalta que “vender é uma arte, mas temos sempre que estar preparados para sair prospectando novos negócios”. Acrescenta que a convivência na Mantomac representa a sua segunda casa. Para Elonir, viver os 23 anos dos 35 de existência da Mantomac dá a satisfação de poder ter colaborado pelo engrandecimento comercial e tecnológico da empresa: “Tenho muito orgulho de fazer parte de um grupo tão seleto de profissionais competentes e com uma diretoria participativa que nos maus momentos teve sabedoria para atravessar a crise, sempre mantendo os compromissos em dia para chegar aqui com muita saúde comercial e financeira”. Ao lembrar que a administração está passando a ser conduzida pela nova geração familiar, “preparada pelos seus pais com ensinamentos, humildade e perspicácia para dar continuidade”, ele salienta que há uma equipe onde todos têm liberdade e o objetivo é galgar a empresa sempre a um patamar mais elevado.

ESTÁ NO MERCADO A NOVA PC130LC-10M0

Entre os três funcionários mais antigos, Adélcio Moratelli entrou na Mantomac em 01 de setembro de 1999. Durante estes 23 anos como consultor de vendas de equipamentos na matriz, participou de vários treinamentos para melhorar o desempenho e, entre eles, destaca os que detalham o funcionamento individual de cada equipamento. Sobre o trabalho na Mantomac, ele lembra do início: “Eu atendia todo o Oeste Catarinense, além da região das Missões e o Norte do Rio Grande do Sul”. Também destaca o processo de atuação hoje: “Muita coisa mudou, tivemos que nos adaptar a novos desafios, com o crescimento exagerado de marcas de equipamentos, e nosso principal objetivo é aproximar e fidelizar os clientes, uma vez que temos o nosso produto como um dos melhores do mercado mundial”. Adélcio afirma que estar na empresa há 23 anos e comemorar junto os 35 é motivo de muito orgulho: “Satisfação porque acompanhei a cada passo o crescimento da Mantomac e a evolução dos equipamentos junto às fábricas e somos um só time, onde o envolvimento dos gestores, gerentes e supervisores está voltado a único objetivo, em que o bom atendimento gera bons clientes, com os quais formamos grandes amigos”.

A escavadeira hidráulica modelo PC130LC-10M0, lançada pela Komatsu, possui entre suas características o carro longo e o pacote tecnológico das versões “10M0” produzidas pela fábrica. Tem potência bruta de 97,3HPs, sapatas de 600mm, com a opção de 700mm, lança de 4.600mm, braço de 2.500mm, caçamba de 0,75m³ e peso operacional de 13.750kg. Para apresentar ao mercado esse modelo, a Mantomac realizou eventos para clientes na matriz em Chapecó e nas filiais de Blumenau e de Farroupilha. O modelo PC130LC-10M0 possui eficiência no consumo de combustível com redução de até 16%. Também apresenta maior confiabilidade e durabilidade, maior disponibilidade operacional e sistemas de tecnologia da informação, juntamente com o Komtrax, que permite o acesso via satélite de dados da máquina em operação. Quanto à tecnologia de alta eficiência, um dos fatores está na correspondência do sistema hidráulico e do motor diesel em baixa rotação, o que garante precisão nas operações e baixo consumo de combustível, mesmo com a elevação da potência do motor. Através do desenvolvimento interno e da produção dos principais componentes, a Komatsu alcançou avanços em tecnologia, proporcionando altos níveis de desempenho e eficiência em praticamente todas as aplicações.

Outras vantagens A nova PC130LC-10M0 também apresenta como vantagens o motor com baixa emissão de poluentes, a melhoria na eficiência de combustão mediante o controle de injeção, a maior eficiência hidráulica, facilidade de controle dos intervalos de manutenção e adequada sincronia entre motor diesel e bomba. Possui, ainda, o Indicador Ecológico (ECO), que dá suporte a operações de economia de energia em harmonia com o meio ambiente, alerta de marcha lenta e funções auxiliares de economia de combustível programadas para

ajuste em termos de produção e operacionalidade. Outros destaques são a bomba dupla para melhorar o desempenho de deslocamento, o amplo reservatório de combustível para aumentar o tempo de operação, a tração máxima elevada na barra de tração e a maior durabilidade da unidade de arrefecimento. Já a estrutura do material rodante é mais robusta, com elos reforçados, mais roletes e protetor central, o que possibilita operação nos mais variados tipos de terrenos, de alta inclinação ou pantanosos.

Adélcio Moratelli PÁG. 23 | REVISTA MANTOMAC


SHOWROOM DA KOMATSU APROXIMA PARCEIROS E CLIENTES DA MARCA

A Komatsu lançou no Brasil, como parte das celebrações do centenário mundial de suas atividades, assinalado em 2021, um showroom virtual para aproximar os parceiros e clientes da marca. Esse espaço de relacionamento digital com a fabricante de equipamentos para construção, mineração e florestal conta, entre outros recursos, com tour guiado 360° e completa exposição de sua linha de produtos no mercado brasileiro. Na linha de produtos, o usuário pode, mediante cadastro, se informar de maneira interativa e acessar livremente desde fichas técnicas dos equipamentos, que podem ser baixadas via totem, a pontos de interação com cada produto exposto virtualmente. O showroom da Komatsu disponibiliza, ainda, soluções de suporte, espaço sobre o centenário, auditório, salas de reunião, informações sobre o Banco Komatsu e a Komatsu Shop, que é um ambiente voltado à comercialização de itens da marca. Também é possível encontrar conceitos como a linha do tempo referente à trajetória de 100 anos da companhia, a réplica do primeiro trator desenvolvido pela Komatsu no Japão e a mensagem do presidente e CEO da Komatsu, Hiroyuki Ogawa. Para ter acesso a todo esse espaço é simples: basta realizar o cadastro através do próprio site do showroom - https://www. komatsushowroom.com.br/. Importância e eficiência De acordo com a marca, a inauguração

do espaço virtual reforça a importância da inovação tecnológica que sempre permeou a trajetória da Komatsu. Acrescenta que é um dos princípios fundamentais estabelecidos pelo fundador, Meitaro Takeuchi, em 1921, ano em que a companhia foi criada. Para a Mantomac como parceira da marca, o showroom da Komatsu contribui para auxiliar de forma eficiente toda

a equipe de vendas através do acesso facilitado às informações quanto às soluções desenvolvidas e que servem para a atuação nos mercados catarinense e gaúcho. Além disso, o novo espaço é destacado porque aproxima os clientes mediante a visualização fácil de informações e dados relativos aos produtos da Komatsu, inclusive como instrumento acelerador de vendas.