Issuu on Google+


ANUNCIO ROCA

ANUNCIO ROCA


É

com muito orgulho que apresentamos a você, nosso leitor, a terceira edição da Revista Manhattan. E tudo isso acontece em um momento muito especial. Afinal, estamos completando dez anos de uma história marcada por desafios, conquistas e muitas realizações. Nesta edição, além de matérias sobre arte, história, turismo, culinária e decoração, dedicamos uma seção inteira para falar sobre como a Manhattan alcançou o sucesso e o reconhecimento que tem hoje. É muito importante para todos nós que fazemos parte da Manhattan participar de uma empresa com grande aceitação no mercado e enorme fidelização de clientes e parceiros. Continue sugerindo temas e tirando suas dúvidas através do e-mail canal@revistamanhattan.com.br. Boa leitura e até a próxima! Bernardo Barbosa Borges Superintendente da Manhattan • A atriz Paolla Oliveira, que nos mostrou um outro lado de sua vida: a luta pelas questões ambientais. • A publicitária Luciana Feingold, que nos convidou a conhecer uma Nova Iorque de gostos, sabores e muitas sensações. • O educador físico Walter Cortez, que nos apresentou os benefícios para o corpo e a mente da prática do Stand Up Paddle. • A chef Lia Quinderé, que nos mostrou que beleza, carinho e requinte são ingredientes essenciais na cozinha. • A publicitária e barista Danielly Gomes Soares, que permitiu com que revisitássemos a história do café de uma maneira leve e muito informativa. • Marise Cavalcanti, gerente da Marca Roca, que nos apresentou os últimos lançamentos do mundo do revestimento cerâmico. • A equipe de funcionários da Manhattan, que com trabalho e dedicação contribui para o sucesso da construtora. • O engenheiro civil Sérgio Otoch, que nos mostrou o que representa uma reação álcali-agregado. • O arquiteto Marcelo Franco, que nos falou sobre seu trabalho e sua parceria de sucesso com a Manhattan.

Agradecemos a todos que contribuíram para que a terceira edição da Revista Manhattan fosse produzida com tanto carinho e dedicação: • Pedro Felipe Borges, o Pedrinho, que desempenhou todo o seu trabalho com dedicação e contribuiu para o sucesso e o reconhecimento que a Manhattan tem hoje. • Pedro Felipe Borges Neto, Presidente da Manhattan, que nos falou sobre toda sua trajetória profissional de desafios, conquistas e sucessos. • Hélio Galliza, diretor técnico, que dividiu conosco esses dez anos de história da Construtora Manhattan. • O artista plástico e historiador Roberto Galvão, que compartilhou conosco seu amplo conhecimento sobre história da arte. • Larissa França, jogadora de vôlei, que conversou conosco sobre sua carreira e suas preferências.

Construtora Manhattan Superintendente Diretora de Comunicação Coordenadora de Comunicação Analista de Comunicação

Bernardo Barbosa Borges Keli Simões Melina Abu-Marrul Rômulo Cruz

revista manhattan Diretora Executiva Renata Nobre Coordenação da Publicação Marina Farias Jornalista Responsável Mirtila Facó MTb 2803/CE Revisão Fernando Filgueiras Fotografia Chico Gadelha Direção de Arte Wiron Teixeira Impressão Tecnograf Tiragem 5.000 exemplares

85 3261 5066

Para anunciar ou receber esta publicação: e-mail: marina@bookmaker.com.br Fones: (85) 3261.5066 / (85) 9673.1155


Sumário

12ODecoração e Tendência mundo do revestimento cerâmico 14 Luminária VOCÊ FAZENDO ARTE rústica feita com filtros de café 16Pedro Nossa Manhattan Felipe Borges Neto

43Manhattan ESPECIAL 10 anos 60 LiaCOZINHA COM AMOR Quinderé

Beleza, carinho e requinte na cozinha

Quando o impossível não é o limite

19MUNDO AFORA Biblioteca Pública de Kansas City, EUA 20Spring Mais Felicidade por M Live Park: Ousadia, requinte 2

e qualidade de vida: viva o novo!

25Stand VIVER BEM Up Paddle

63Dicas Manhattan RECOMENDA culturais 66 Fissuras em blocos de fundações Por Sérgio Otoch

70 OPaollaOUTRO LADO Oliveira: engajada em causas ambientais

Esporte e natureza: a perfeita relação

29 Brad DESIGN DE LUXO Pitt: ator e agora designer

72TURISMO Assim é Nova Iorque!

de móveis de luxo

32 ARTE E HISTÓRIA Aldemir Martins: memória feito arte

74GASTRONOMIA E HISTÓRIA Café: da Etiópia para o Ceará

34 Novo BRASIL NA COPA Mineirão

76 Jantar IN CASA japonês: Orientalidade lado a lado

38 Unicred Fortaleza e Manhattan Relação que proporciona benefícios

80 Processo ARQUITEURA E MANHATTAN criativo e parceria sólida

e garante resultados

40Larissa PERSPECTIVA França

A Revista Manhattan é uma publicação trimestral da Editora Bookmaker. A revista não se responsabiliza pelo conteúdo dos anúncios e seus conceitos emitidos.

11InEntrega Foco do San Francisco Condominium

com o romantismo

Por Marcelo Franco

@SeuElevador |

SeuElevador |

/ThyssenKruppElevadores | www.thyssenkruppelevadores.com.br/blog

84Cronograma de Obras Acompanhe seu imóvel ThyssenKrupp Elevadores

6


11

Entrega do San Francisco

Condominium

Cerca de 250 pessoas, entre proprietários, parceiros e fornecedores, participaram do coquetel de entrega do San Francisco Condominium. Fotos: Chico Gadelha

Uma trajetória que nos inspira. Um parceiro que nos engrandece. O Sinduscon-CE parabeniza a Construtora Manhattan pelos 10 anos de sua trajetória. A busca da qualidade e evolução constante da empresa nos inspira. A liderança dos seus diretores, atuantes na defesa do setor, fortalece-nos. A amizade de todos os que fazem a empresa é inestimável. A perda de Pedro Felipe Borges, irreparável. Sua vida, entretanto, inesquecível para todos que viram a Manhattan nascer e se tornar este parceiro que tanto nos orgulha. Uma homenagem da indústria da construção civil do Ceará.

O

evento ocorreu no próprio empreendimento, localizado na rua Batista de Oliveira, 668, no bairro do Cocó, um dos mais requintados e valorizados da capital cearense. Durante o coquetel, foi feita a entrega simbólica das chaves dos apartamentos ao cliente Carlos Eduardo Sain. Além disso, diversos profissionais envolvidos no sucesso da obra foram homenageados, entre eles João Jorge Pontes Vieira Neto, engenheiro supervisor; Ana Melo e Juliana Melo, interior designers; Francisco Vidal, arquiteto; Hélio Alves dos Santos, mestre de obras;

www.sinduscon-ce.org.br

Kepler Rocha Paschoal, diretor de obras; Antônio Neto da Silva, encarregado de setor, e Clodoaldo Paiva Oliveira, encarregado de obra. O San Francisco Condominium possui apartamentos com 120 m² e 156 m² privativos. Entre seus itens de lazer estão bar molhado, piscina com raia, quadra poliesportiva, home theater, fitness center, deck solarium e kids club. “A Manhattan está muito feliz e bastante orgulhosa por entregar mais esse empreendimento de sucesso”, ressalta Antônio Hélio Cacho Galliza, Diretor Técnico da Manhattan.

revista


13

O mundo do revestimento cerâmico Por Marise Cavalcanti gerente da marca Roca

Fotos: divulgação

Recentemente aconteceu a Revestir 2013 em São Paulo. Nesta feira, pudemos ter uma visão geral do que existe de mais avançado em tecnologia, assim como as mais recentes tendências em design de pisos e revestimentos. Devido à crise na Europa, além dos fabricantes nacionais, tivemos cerca de 30 fabricantes europeus, o que pôde nos oferecer um panorama mundial deste mercado.

O

que vimos, de modo geral, foi a consolidação dos grandes formatos tanto em paredes quanto em pisos. Os porcelanatos aplicados nas paredes também tiveram grande destaque. A diferença em relação aos outros anos foi o design, que veio muito mais sintonizado com o que existe de mais atual no mundo. Graças à técnica da impressão digital, a indústria cerâmica nacional evoluiu muito nos últimos anos.

12

A naturalidade das madeiras nos impressionou. Foi apresentada uma variedade imensa desse tipo de produto, em várias cores e acabamentos, marmorizados feitos com extrema precisão e peças com diferentes desenhos e relevos, reproduzindo com perfeição absoluta os mais sofisticados mármores naturais. Os cimentícios em tons urbanos continuam sendo a grande estrela neste segmento, todos muito bem reproduzidos e em grandes formatos. Mas a consolidação dessa feira foram os grandes formatos. O consumidor brasileiro admira não apenas os produtos em formatos como 80 x 80, 60 x 120,

50 x 100, entre outros, como a junta mínima, isto é, produtos retificados. Em termos de paredes foram apresentados produtos também em formatos maiores e com as mais diversas texturas e relevos. Reproduções de mármores, texturas têxteis, desenhos inspirados no movimento pop art e, claro, uma infinidade de brancos lisos e com diferentes relevos. Os tons nude vieram para substituir o antigo bege. Mais suave e atual, este tom oferece um toque de elegância aos ambientes. Agora, vamos aguardar a Cersaie 2013, que deve apresentar muitas novidades nesse setor.

revista


15

Luminária rústica feita com filtros de café

1

Nada mais agradável ao paladar do que o cheiro e o sabor de um café quentinho, não é mesmo? Melhor ainda é conseguir reutilizar materiais dessa verdadeira delícia brasileira para fabricar um objeto personalizado e embelezar a casa ou qualquer outro local que você deseje deixar com a sua cara. A seguir, ensinaremos o passo a passo da confecção rápida e simples de uma bonita luminária feita com filtros de café usados.

2

3

Fonte: http://www.artesanatonarede.com.br

Material • Uma cúpula de abajur sem o revestimento • Tinta Tingecor Guarany Amarelo-03 • Tinta Tingecor Guarany Cáqui-38 • Filtros de café usados • Cola branca • Água • Pincel médio • Verniz acrílico • Tesoura • Potinhos

Mergulhe o filtro lavado na mistura de Tingecor Caqui-38 e a outra metade na mistura de Tingecor Amarelo-03.

Deixe alguns minutos e retire todo o pó. Separe os filtros coloridos, e rasgue os papéis em tamanhos variados.

4

5 1

14

Dissolva em água quente metade do Tingecor Cáqui-38 e mexa bem. Repita a operação com o Tingecor Amarelo-03 e reserve.

Dilua a cola branca em água na proporção 1:1 e passe uma camada de cola na cúpula. Cole o papel ajustando-o com as mãos, para que não fique enrugado.

Deixe 1 cm de papel para fora das bordas para que ele possa ser dobrado. Repita o processo para cobrir a cúpula. Finalize com uma demão de verniz. Deixe secar.

revista


17

Pedro Felipe Borges Neto

Quando o impossível não é o limite

16

Fotos: Chico Gadelha

F

ilho de José Maria de Morais Borges e Zely Jereissati Borges, casado com Maria Inês Barbosa Borges e pai de Pedro Felipe, Bruno e Bernardo, Pedro Felipe Borges Neto sempre pensou grande. Esforçado e bastante corajoso, foi responsável pela criação da Construtora Manhattan, empresa que, a cada dia, conquista o mercado pela qualidade dos projetos e dedicação com os clientes. Pedro Felipe é engenheiro mecânico, formado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), na turma de 1976. Iniciou sua carreira trabalhando com o Grupo Ângelo Figueiredo, sendo um dos responsáveis pela montagem da fábrica de móveis de aço, que era a maior da América Latina na época. Em seguida, ajudou na implantação de uma fábrica de beneficiamento de coco verticalizada, com produção própria, a marca Menina. Ao perceber o potencial e a dedicação com a qual Pedro Borges desempenhava seu trabalho, o Grupo Vicunha o convidou, em 1985, para implantar as suas fábricas no Nordeste. “Fizemos a primeira fábrica em Maracanaú com 350 mil m2 de área coberta. Foi a primeira fábrica de tecidos com essas dimensões na região Nordeste”, ressalta Pedro. Logo depois, participou da inserção da unidade na cidade de Pacajus. “Esse momento foi bastante especial, pois até aquele instante, a população vivia apenas da agricultura. Nós tivemos a ousadia de fazer essa

fábrica com 120 mil m2 de área coberta”, conta. Além disso, foi responsável pela implantação de uma fábrica de tecidos de 250 mil m2 em Extremoz-RN. Na mesma época, coordenou a implantação, em Maracanaú, das famosas calças Lee e a instalação da primeira fábrica de latas de aço do Brasil, cujo produto era fornecido pela CSN. “O Grupo Vicunha era o que mais empregava no Ceará. Nós tínhamos 20 mil funcionários, entre diretos e indiretos. Era o maior pagador de Imposto Sobre Circulação de Mercadoria (ICM) do Ceará e se tornou o maior fabricante de índigo do Brasil e o terceiro do mundo”, assevera Pedro Borges. Ao sair do Grupo Vicunha, passou quatro anos como vice-presidente e diretor-executivo da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Foi lá que deu início ao projeto da tão falada Transnordestina, que liga o Piauí aos portos de Pecém e Suape. Em 2003, Pedro Borges decidiu que estava na hora de o mercado cearense conhecer algo único e de total excelência. “Eu sempre achei que acreditar e trabalhar o impossível é mais fácil porque tem menos concorrente. Foi assim que nasceu a Construtora Manhattan”. De acordo com o empresário, a Manhattan mudou a maneira de comercializar. De forma audaciosa e aguerrida, projetos inovadores foram apresentados e, em pouco tempo, o público do estado percebeu que inovação, competência e qualidade eram as mais marcantes características da construtora. “O meu filho mais velho, Pedrinho, era muito ousado, criativo, irrequieto e, por isso, foi peça essencial para o começo do fortalecimento da marca Manhattan. Para se ter ideia, quando lançamos o primeiro empreendimento, ele saía com a pasta embaixo do braço para vender e foi ele que comercializou 70% da obra”, orgulha-se. Quando questionado sobre o futuro da empresa, Pedro Felipe vislumbra: “A filosofia da Manhattan é a de fazer o impossível e ela continua, até os dias atuais, com esse mesmo pensamento. O que eu sonho para a Manhattan é uma empresa cada vez mais capitalizada, cada dia mais vencedora, uma empresa que não seja só a maior, mas que seja a melhor”. revista


19

Biblioteca Pública

J

á pensou em uma grande biblioteca cuja fachada é composta por réplicas gigantes de 22 lombadas de livros? É exatamente assim que o prédio da Biblioteca Pública de Kansas City, no Estado norte-americano de Missouri, chama a atenção e conquista quem passa por lá. A biblioteca existe desde 1873, no entanto até hoje já passou por algumas mudanças de endereço, sempre objetivando garantir a maior comodidade da população. O prédio, tal qual observamos hoje, foi inaugurado em 2004 e custou cerca de US$ 50 milhões, montante arrecadado pela união dos governos municipal, estadual e federal. A escolha dos 22 livros (que medem 7,5 m de altura e 2,7 m de largura) representados na fachada aconteceu com a ajuda dos frequentadores do local, que escolheram títulos de diversas áreas. Atualmente, a Biblioteca Pública de Kansas City possui cinco andares, onde podem ser encontradas salas de conferência; café; espaço para pesquisas sobre a história local, denominado Missouri Valley Room; centro de serviços onde os visitantes recebem dicas para

18

alavancar a carreira profissional, o chamado H&R Block Business & Career Center e, claro, ambientes específicos para quem deseja viajar pelo fascinante mundo da leitura.

Livros representados na fachada da biblioteca Histórias da Cidade de Kansas, de vários autores; Ardil 22, de Joseph Heller; Histórias de Crianças, de vários autores; A Primavera Silenciosa, de Rachel Carson; O Pioneers!, de Willa Cather; Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez; Seus Olhos Viam Deus, de Zora Neale Hurston; Fahrenheit 451, de Ray Bradbury; A República, de Platão; As Aventuras de Huckleberry Finn, de Mark Twain; Tao Te Ching, de Lao Tzu; The Collected Poems of Langston Hughes, de Langston Hughes; Black Elk Speaks: Being the Life Story of a Holy Man of the Oglala Sioux, de Black Elk; Por Favor Não Matem a Cotovia, de Harper Lee; Homem Invisível, de Ralph Ellison; Journals of the Expedition, de Meriwheter Lewis e William Clark; Undaunted Courage, de Stephen Ambrose; O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien; A Tale of Two Cities, de Charles Dickens; Charlote’s Web, de E. B. White; Romeu e Julieta, de William Shakespeare; Truman, de David McCullough G.

revista

Foto: divulgação

de Kansas City, Estados Unidos


21

Spring Live Park

Ousadia, requinte e qualidade de vida: viva o novo! Foto: divulgação Foto: divulgação

C

riar empreendimentos que reúnam uma completa harmonia entre arquitetura inovadora, beleza e conforto. É exatamente com esse intuito que a Manhattan desenvolve todo o seu trabalho. Ao lançar o Spring Live Park, a construtora decidiu propor um novo conceito de viver bem. Localizado no bairro Guararapes (Rua Gontran Giffoni, 366), região em pleno desenvolvimento na capital cearense, a obra alia modernidade, comodidade e design. Com três torres (Violet, Tulip e Roses), apartamentos de 172,75 m2 (Violet e Tulip) e 216,39 m2 (Roses) de área privativa, área total do terreno de 9.807,64 m², disponibilidade de três (172,75 m2) ou quatro (216,39 m2) vagas na garagem e apartamentos (216,39 m2) com pé direito duplo na sala de estar/jantar), o Spring Live Park é a opção perfeita para quem deseja morar em um local que transmita bem-estar e represente um novo conceito em empreendimento residencial.

20

20

Quadra de tênis, quadra polivalente, playground, piscina com raias adulto e infantil, deck molhado, salão de festas, espaço gourmet, tenda de leitura, redário e tenda zen são alguns dos equipamentos encontrados na área externa do empreendimento. Cada uma das torres é dotada de salão de festas, copa/bar, monta carga e recepção social independente. Entre os diferenciais dos apartamentos estão o living ampliado (opção de planta), a varanda gourmet e a suíte spa.

O projeto do Spring Live Park aliou a tradição e a ousadia da construtora Manhattan e a experiência de profissionais gabaritados no mercado. O projeto de arquitetura é de Daniel Arruda Arquitetura, o projeto de interiores é de Ana Melo e Juliana Melo Interior Design e o projeto de paisagismo é de Sérgio Santana Planejamento e Desenho de Paisagem. A previsão de entrega da obra é setembro de 2016.

revista


ANA ELO

23

MANHATTAN Quando paixão e competência se encontram. Há 10 anos, a nossa paixão pelo design encontrava, na competência da Manhattan, um grande parceiro. A amizade se tornava também uma história de aprendizado e conquistas. Neste momento tão especial, em que a Construtora Manhattan completa 10 anos, registramos aqui o nosso agradecimento por apostarem no nosso trabalho. Uma história que começou com o inesquecível amigo Pedro Felipe Borges que muito cedo se foi e cuja a ausência nos deixou marcas irreparáveis. Essa amizade de imenso carinho, assim como a que temos por todos os que fazem a Manhattan, levaremos para sempre conosco.

revista


25

Stand Up Paddle

Esporte e natureza: a perfeita relação Uma prancha, um remo e a natureza inteira como cenário. É assim que definimos o Stand Up Paddle, modalidade de esporte a remo que vem ganhando, a cada dia, um número maior de adeptos. Walter Cortez é um dos principais nomes do esporte no Ceará e conversou conosco sobre essa modalidade. Foto: Chico Gadelha

Como e quando você conheceu o Stand Up Paddle? Como uma das minhas disciplinas da Unifor trata de esportes com a natureza, os esportes a remo sempre estiveram presentes. Em 2009, quis inserir o Stand Up Paddle, já que ele crescia muito no mundo e também no Brasil. Para isso, procurei alguém que me apresentasse a modalidade e, por supresa, reencontrei um amigo de infância, o Flávio Ramalho, que havia trazido o SUP para o Ceará um ano antes. Ele me ensinou o que sabia e juntos desenvolvemos o esporte no estado. Criamos a Associação de Stand Up Paddle do Ceará (ASUP-CE), que é considerada uma das mais ativas do Brasil segundo a ABSUP (órgão nacional ao

qual somos filiados). Atualmente, sou Diretor Técnico da ASUP-CE e também o proprietário da “SUP Fitness”, que é uma escola de formação no esporte e de treinamento físico de atletas dessa modalidade. Como a Educação Física surgiu na sua vida? A graduação foi um caminho “natural” a ser seguido. Desde os 3 anos de idade pratico esportes. Meu pai também foi atleta e isso me influenciou. Cheguei a ser atleta de natação em nível estadual até os 18 anos e no atletismo competi até a minha graduação, onde era atleta universitário. Paralelamente, costumava praticar outras modalidades, inclusive esportes de aventura. revista


Foto: divulgação

Sonhos não envelhecem. Sonhar alto, sonhar acordado, sonhar junto, sonhar e realizar. Sem sonhos, a vida não tem brilho. E sonhar é o que torna a vida mais interessante. Por isso, sonhe todos os dias com algo que lhe engrandeça, que lhe dê medo, que lhe faça feliz. Afinal, já dizia o poeta: o mundo está nas mãos daqueles que têm coragem de sonhar. E realizar.

Nesses 10 anos, nós que fazemos a Manhattan temos muito para comemorar. E muito para Em que áreas você já atuou? Um dos meus primeiros estágios foi em uma academia. Com o tempo, comecei a me aprofundar mais. Para isso, fiz duas especializações: “Fisiologia do Exercício”, pela Unifmu de SP e “Atividades Físicas para Grupos Especiais”, pela Unigranrio do RJ. Há muitos anos atuo como personal trainer e também preparo atletas de natação, corredores de rua, triatletas, praticantes de jiu jitsu e iatistas. Em 2001 entrei para o quadro de professores da Universidade de Fortaleza (Unifor), onde leciono até hoje, inclusive na Pós-Graduação em Fisiologia do Exercício. Quando surgiu o Stand Up Paddle? O que se sabe é que há centenas de anos era uma modalidade praticada por antigas tribos da Polinésia. Alguns achados históricos indicam que eles usavam canoas polinésias para o transporte entre as ilhas que compunham o chamado Triângulo Polinésio, área formada pelas Ilhas Havaianas, Ilha de Páscoa e a Nova Zelândia e, em muitos momentos, eles costumavam remar em pé sobre as canoas, o que originou posteriormente o SUP. Na verdade, a história do SUP se confunde com a história da canoa polinésia (ou canoa havaiana). Esse esporte ficou escondido na cultura local polinésia por muitos anos, até que há cerca de 15 a 20 anos, um norte-americano chamado Laird Hamilton, que mora no Havaí desde criança, resolveu mostrar ao mundo essa antiga prática de se “remar em pé”. Hoje, o SUP é um esporte competitivo normatizado e formalizado.

26

Quais as principais modalidades do SUP? SUP Wave: praticado nas ondas, existindo circuitos estaduais, nacionais e internacionais. SUP Race: corridas de SUP (parecidas com regatas), possuindo diversas submodalidades de distâncias e localidades (lagos, mar com águas abrigadas e mar aberto). SUP Downwind: corrida de deslocamento onde os competidores fazem uma espécie de travessia, partindo de um ponto e chegando em outro local muito distante, quase sempre a favor do vento e das ondulações oceânicas. SUP Adventure: exploração com o SUP feita geralmente em rios e outros ambientes naturais. Esta última ainda não é uma modalidade competitiva, mas já aparece inserida em competições de multiesportes e corrida de aventura. Existem pré-requisitos para a prática do esporte? A princípio qualquer pessoa pode praticá-lo, já que não é uma modalidade que envolve muito esforço físico. Mas, como envolve esforço físico, pois o deslocamento é a remo (propulsão humana), a pessoa precisa estar apta a praticar, por isso, nada melhor do que uma avaliação médica. Quanto tempo, em média, dura cada aula? Cada aula dura uma hora, sendo a primeira aula individual (aluno e professor). As demais são feitas em gupos de até três pessoas, contanto que os alunos estejam no mesmo nível de aprendizado. Os praticantes fazem, em média, seis aulas para aprenderem o básico das remadas de Stand Up Paddle, inclusive aprendendo a lidar com ventos, marés e correntezas.

C

agradecer. Em especial a você, Pedrinho, nosso cofundador, que com sua garra, determinação,

M

Y

entusiasmo e amor pela Manhattan, nos inspira a cada vez mais contribuir com a construção de

CM

MY

uma empresa sempre melhor.

CY

CMY

K

Manhattan: Mais que construir, fabricamos sonhos.


Com a garra de seus jovens diretores Jefferson Bessa, Bruno Barros e Carlos David Rolim e contando com a orientação dos mais de 20 anos de experiência do eng. José Rolim Machado, a Estrutech Engenharia vem desde 2009 transmitindo a seus clientes alta credibilidade e confiança. A Rolim Machado Piauí se baseia nos mesmos princípios e começa assim a dar os primeiros passos rumo ao mesmo sucesso da Rolim Machado São Luís e Rolim Machado Natal. Sempre buscando melhoria contínua em seus trabalhos, a Estrutech Engenharia acredita que com planejamento, criatividade e esforço ineligente é possível alcançar resultados dentro do mais alto nível de excelência.

[

Jefferson Girão Bessa Bruno Barros Bezerra Carlos David Rolim

]

www.estrutechengenharia.com.br

29

Brad Pitt Ator e agora designer de móveis de luxo A

Fotos: divulgação

Trabalhar com ética e construir com qualidade

lém de ser uma das maiores estrelas do cinema mundial, Brad Pitt descobriu uma nova faceta: desenhar móveis com design moderno e arrojado. Tudo começou quando o ator, desejando escolher peças para decorar seu castelo no sul da França, recebeu o artista Frank Pollaro, que possui uma empresa em Nova Jersey conhecida por suas reproduções impecáveis de mobiliário Art déco. O contato entre os dois continuou, fazendo com que quatro anos após o primeiro encontro, o mercado de luxo conhecesse a linha Pitt & Pollaro. Muitos dos projetos apresentam a ideia de uma linha única, que pode ser tanto geométrica, como no caso de uma mesa de jantar com 17 metros de comprimento, com base de madeira e com denteados em zigue-zagues, ou algo mais sinuoso, como com uma mesa lateral que possui uma base de metal fino em espiral finalizado em ouro 24K.

Feito em metal polido, este móvel é denominado de mesa em arco. Foram produzidas apenas 23 peças.

A base de sustentação da mesa de vidro é toda confeccionada em metal folheado a ouro 24 quilates. São somente 23 peças numeradas e assinadas.

Como o próprio nome diz (High & Lows Unit), a peça é toda cheia de altos e baixos. Feita com madeira de canela acetinada, ébano de macassar e laca.

Esta mesa é toda trabalhada em madeira e apenas um exemplar foi finalizado.

revista


31

Com apenas 18 cm de altura, esta mesa de coquetel tem um tipo especial de metal patinado e é mais baixa do que a maioria dos móveis do gênero.

Com apenas 12 peças à venda, esta mesa é toda confeccionada em aço inoxidável do tipo 308, polido. Esta poltorona é um dos modelos com maior número de peças produzidas: 48. A poltrona branca estofada é feita com poliuretano.

Toda a estrutura dessa poltrona é de ébano de Macassar, com detalhes em bronze patinado.

A palavra de ordem deste painel de madeira é customização: ou seja, ele pode ser modificado ao gosto do cliente. Por essa razão, não existem peças prontas.

Também feita com metal patinado, a mesa foi desenhada de modo que seus arcos ficassem em zigue-zague.

Esta banheira é feita de mármore Venato e tem somente três peças à venda.

Para dar um ar de exclusividade, poucos exemplares das peças – que podem chegar a US$ 45 mil - são produzidos. Outro detalhe essencial é que o ator já protagonizou diversos protestos contra o uso de peles de animais. Por isso, suas peças utilizam couro sintético. Vale ressaltar que todas as produções vêm com selo de garantia e com as assinaturas do fabricante e do designer, no caso, Brad Pitt. A cama, confeccionada em bronze e madeira, tem cabeceira com mesa lateral embutida e pés diferenciados.

30

Onde encontrar: www.pitt-pollaro.com revista


33

memória feito arte

Fotos: divulgação

Aldemir Martins: Por Roberto Galvão artista plástico e historiador da arte

A

ldemir Martins nasceu em Ingazeiras-CE, no mesmo ano em que aconteceu a famosa Semana de Arte Moderna, em 1922. Caboclo esperto, no início dos anos 40 criou juntamente com Mário Barata, Barbosa Leite, Antônio Bandeira, Carmélio Cruz, João Maria Siqueira, Inimá de Paula e outros, a Sociedade Cearense de Artistas Plásticos (Scap), responsável pela renovação do ambiente artístico cearense. Pintor, desenhista, gravador, escultor, entre muitas outras coisas no mundo das artes, já havia ganhado o mundo quando foi premiado no Salão de Abril, em 1948. Participou de várias Bienais de São Paulo, obtendo, entre outros prêmios, o de Melhor Desenhista Nacional, em 1955. Em 1956, conquistou a láurea mais importante de sua carreira: o Prêmio Internacional de Desenho da Bienal de Veneza, que o consagrou definitivamente. Obteve também o Prêmio de Viagem ao Estrangeiro do Salão Nacional de Arte Moderna, em 1959 e, em 1972, o 1º Prêmio da Bienal dos Esportes, em Barcelona. Suas obras estão expostas em museus e coleções de vários países. Desenhos e pinturas de sua autoria foram reproduzidos em inú-

32

meros produtos industriais, tais como pratos, bandejas, xícaras, tecidos, embalagens e na abertura das novelas Gabriela, Cravo e Canela (1975) e Terras do Sem Fim (1981), o que o tornou um dos artistas plásticos mais conhecidos do Brasil. Isso foi escrito numa carta de Roma a um amigo do Ceará, em 1961. E continua: “Sobre tudo isso meto o meu tracejado, que aprendi das rendeiras, ponto de mosca, cruz e bico, e renda mesmo, trançado de palha de chapéu de catolé e de caçuá de banana. Bananas estão sempre cheias de desenho amadurecendo. E as nódoas da banana e do caju na roupa da gente, fazendo desenhos belíssimos, você já viu? Tudo isso é o meu desenho, disso não quero e não posso me desvencilhar. Menino contando histórias e riscando no chão, ao mesmo tempo com ingenuidade e malícia, a malícia e a ingenuidade de quem sabe pescar de mão, seguir rastro de boi e caçar de visgo e arapuca. Arapuca que a memória me empresta para fazer o quadrado do meu desenho e nele aprisionar as pessoas personagens que invento e crio”.

Na verdade, Aldemir nunca deixou o Ceará. Ele é o Ceará. Cada desenho que ele fez é um pedaço de si; é um pedaço do Ceará feito arte. Cada obra de Aldemir é uma memória do Ceará transmutada em Arte. Arte assim com letra maiúscula para que não se fale besteira, como é comum se ouvir falar nos últimos tempos sobre os artistas que trabalham com as técnicas mais tradicionais e com os universos poéticos que permitem ligações diretas com as realidades. Ele ensinou o Brasil a se ver nos seus cangaceiros, rendeiras, beatos, pescadores e mil pássaros de plumagens desconhecidas e já conhecidas recriadas em mil cores de sonho. Ele nos mostrou novos modos de ver os nossos bichos, nos ajudando a construir o País e a ser o que somos.

Aldemir jamais perdeu o contato com o Ceará e se gabava disso: Retorno sempre ao Ceará, aos seus bonecos de pano, suas figuras de carvão na parede, seus bichos de tijolo na calçada, no muro do Náutico da praia Formosa, os navios sumários e poderosos nas fachadas das bodegas de cachaça do Pirambu. Volto aos vaqueiros ‘assinando’ o gado, às louceiras fazendo formas de panela, bules, jarras e cacos de torrar café. E tudo isso que eu carrego comigo é o meu desenho. Mais de vinte anos atrás escrevi num catálogo da Galeria Ignez Fiuza que no trabalho de Aldemir “encontramos o cheiro das cajás, o perfume das goiabas maduras, os matizes da manga rosa, a cor dos sapotis e o sabor das ciriguelas vermelhas retiradas do pé. É também em Aldemir que encontramos o traço do mandacaru e o corte do seu espinho, as curvas das cerâmicas de Cascavel, as texturas dos barros de Iguatu e o emaranhado das linhas trançadas pelos bilros”. Hoje continuo olhando seus desenhos, gravuras e pinturas e, através delas, reconhecendo o meu país, o meu lugar, o Ceará, com suas formas, seus odores, perfumes e sabores. Aldemir transformou as suas memórias e as de todos os cearenses em Arte pura. Em 5 de fevereiro de 2006, aos 83 anos, Aldemir faleceu em São Paulo, onde residia, mas continua vivo. revista


35 Fotos: divulgação

NOVO MINEIRÃO

e 106 catracas de acesso rápido são alguns dos equipamentos que irão compor o novo Mineirão. Esplanada no entorno do Estádio Além disso, um importante diferencial agradará o público frequentador: a Esplanada no entorno do Estádio e seu Museu Brasileiro do Futebol. Com 80 mil m² e capacidade para 65 mil pessoas, a Esplanada fará do Novo Mineirão uma grande arena multiuso, com a possibilidade de ser usada para eventos ecumênicos, esportivos, culturais e de negócios. Com 15 metros de largura, terá ainda uma passarela ligando o Mineirão ao Mineirinho, que será um importante centro de apoio às atividades da Copa do Mundo. A via de integração terá formato em “Y” e dimensões que variam entre 100 e 300 metros de extensão, com altura variável de até 15 metros em relação à rua. O Museu Brasileiro do Futebol apresentará aspectos do universo do esporte, numa perspectiva histórica e cultural, com um olhar sobre as relações sociais

instituídas em torno de sua prática. Em dezembro de 2012, a Minas Arena entregou a primeira etapa de implantação, que se desdobrará ainda em três novas fases até a Copa de 2014. Para a próxima etapa, está planejada a abertura de novas áreas de visitação. Acessibilidade e sustentabilidade Bastante difundido na atualidade, o tema da acessibilidade foi pensado de forma dinâmica no novo Mineirão. A Esplanada se comunica com os estacionamentos através de elevadores estrategicamente posicionados; os acessos de pedestres são adequadamente dimensionados; 53 vagas de estacionamento estão reservadas para veículos que conduzam ou que sejam conduzidos por pessoas com algum tipo de necessidade especial e localizadas próximas aos acessos equipados com elevador; e 622 assentos são reservados para portadores de necessidades especiais, incluindo cadeirantes, obesos, usuários com mobilidade reduzida, deficiência auditiva e visual.

Fotos: divulgação

Esplanada multiuso e Museu Brasileiro do Futebol: novidades para agradar o público

C

om o objetivo de receber os jogos da Copa das Confederações deste ano e da Copa do Mundo da Fifa de 2014 e ainda encantar os torcedores, os grandes estádios brasileiros estão passando por uma série de intervenções, entre as quais, reformas e ampliações. O Estádio Governador Magalhães Pinto, ou simplesmente Mineirão, é um deles. Para as obras, foi investido um total de R$ 665,3 milhões, sendo R$ 11,8 milhões do Governo de Minas Gerais e o restante (R$ 654,5 milhões) uma parceria público-privada entre o Governo de Minas e a empresa Minas Arena. O projeto de modernização do Mineirão foi dividido em três etapas. Na primeira, realizada entre os meses de janeiro e junho de 2010, foram executados reparos estruturais no estádio; na seguinte, ocorrida entre

34

junho e dezembro de 2010, foram feitos a demolição de parte das arquibancadas inferior e geral, bem como o rebaixamento do campo em 3,4 metros; na terceira e última, iniciada em dezembro de 2010 e finalizada em dezembro de 2012, aconteceram os reparos finais e necessários para adequar o Mineirão ao mais alto padrão de qualidade estabelecido pela Fifa. Tribuna para cerca de três mil jornalistas e 390 lugares para comentaristas; com 64 mil assentos; área de aproximadamente 10.765 m2 para abrigar 80 camarotes, totalizando 2.100 lugares, além de restaurante panorâmico, lounges e sanitários; 2.569 vagas de estacionamento para carros (1.530 cobertas e 1.039 descobertas), 52 vagas para deficientes, 71 para bicicletas, 41 para carga e descarga, 61 para motos e duas para os Bombeiros; revista


A OBRA

NOVO MINEIRÃO

NOVO MINEIRÃO EM NÚMEROS

Fonte: www.agenciaminas.mg.gov.br

Uma das grandes preocupações da arquitetura moderna também relaciona-se à elaboração de projetos sustentáveis. O Mineirão pretende conquistar o certificado “Nova Construção e Renovação Principal”, conferido a projetos de reconstrução. A avaliação da obra está baseada em critérios como localização sustentável, eficiência no uso da água, energia e atmosfera, materiais, recursos e, por último, qualidade do ambiente interno. Entre as medidas já adotadas no Mineirão para obtenção do certificado Leadership in Energy and Environmental Design (LEED) estão: reaproveitamento de 90% dos entulhos provenientes da obra; toda a terra retirada para rebaixamento do campo foi usada em obras de mobilidade e doada para preencher as cavas de mineradoras e o concreto usado para pavimentação de ruas; e as antigas cadeiras foram doadas a estádios e ginásios de Minas Gerais. Além de tudo isso, o gramado foi reutilizado no Plug Minas, projeto de inclusão social do Governo de Minas Gerais; a madeira foi reaproveitada por artesãos mineiros para produção de arte popular; foi desenvolvido todo um sistema de coleta seletiva de lixo e armazenamento de resíduos sólidos; a água da chuva será reaproveitada e armazenada em um reservatório de aproximadamente 6 milhões de litros; e toda a geração de energia elétrica será feita por meio da captação de energia solar. Assim como os outros estádios, o Mineirão está sendo pensado de forma a melhor atender aos milhares de torcedores que estarão no País, sejam eles brasileiros ou estrangeiros. Fonte: Assessoria de imprensa SECOPA - MG

36


Unicred Fortaleza e Manhattan

Relação que proporciona benefícios e garante resultados Foto: divulgação

Da esquerda para a direita: Dr. Hegel Nóbrega, diretor financeiro; Dr. Nazareno Sampaio, presidente e Dr. José Tomaz de Lima, diretor administrativo da Unicred

C

om 20 anos de mercado atuando como cooperativa de crédito, a Unicred Fortaleza conta com diversas linhas de financiamento, taxas reduzidas, distribuição de sobras, gestão com participação do cooperado, shopping virtual, programa de pontos, mobile bank, telesaldo, responsabilidade social, entre outros.

Vários são os benefícios dessa parceria. Os principais são: pré-lançamento exclusivo para cooperados com preços e condições diferenciadas, linhas personalizadas para financiamento dos balões e maior facilidade na hora de comprar seu imóvel, além de um corretor da Manhattan exclusivo para atendê-lo.

No momento em que a Manhattan comemora 10 anos de uma história vitoriosa, é um enorme orgulho para a Unicred Fortaleza estar, há 4 anos, fazendo parte dessa parceria. Para se ter ideia da força de venda e importância dessa relação, no pré-lançamento do Beverly Hills, no Porto das Dunas, mais de 50% das unidades foram vendidas para cooperados.

De acordo com Leandro Martins, superintendente da Unicred Fortaleza: “Na entrega do empreendimento o cooperado tem acesso a uma linha personalizada para quitação e reforma do imóvel. No momento da entrega, a condição de pagamento das parcelas junto à construtora muda para IGPM +1% e essa linha possibilita a redução dos custos financeiros para os cooperados Unicred Fortaleza. Aqui as taxas serão mais reduzidas e além desta redução, parte dos juros retorna para o cooperado com as sobras”.

Entre os nossos associados, temos: profissionais e estudantes da área de saúde e familiares diretos destes, bem como micro e pequenos empresários de Fortaleza, região metropolitana e do Vale do Jaguaribe. Para associar-se é simples: basta preencher a proposta de adesão no campo Abra sua Conta no site da Unicred Fortaleza.

38

Saiba mais sobre os benefícios de ser um cooperado Unicred Fortaleza em: www.unicredfortaleza.com.br ou entre em contato pelo 4012.1100.


41

Larissa

Além de atleta, Larissa, cliente da Construtora Manhattan, é ainda empresária - há três anos é sócia do Buffet La Li Boom - e bastante dedicada à família, considerada por ela peça fundamental para todo o seu sucesso. Por conta dos treinos, que acontecem muito cedo, Larissa sempre foi tranquila e acostumou-se a passatempos mais lights. Em seus momentos de lazer, adora cinema, é apaixonada por leitura, ama jogar frescobol e ainda arrisca-se na dança e no canto. “Com relação à música sou bem eclética. Quando quero dançar gosto de pagode

Fotos: divulgação

França

Nascida em Cachoeiro do Itapemirim (ES) e criada em Paragominas (PA), Larissa França é hoje uma fortalezense de alma e coração. Atleta determinada, conquistou diversos títulos fazendo o que mais ama: jogando vôlei de praia. principais conquistas: heptacampeã dos Circuitos Brasileiro e Mundial de Vôlei de Praia, Bicampeã Pan-Americana, Campeã Mundial de Vôlei de Praia e medalhista olímpica em Londres 2012.

D

esde criança, Larissa sempre foi encantada por esportes. Basquete, vôlei e handebol eram os seus preferidos. O tempo passou e ela percebeu que sua maior paixão era mesmo o vôlei. Tudo começou no Pará, onde defendeu a Cruz de Malta da Tuna Luso Brasileira e conquistou seu primeiro título brasileiro (participando da modalidade de quadra) em 2000. Um ano depois, a atleta decidiu que trocaria as quadras pelas areias das belas praias de Fortaleza. De lá para cá, venceu diversos obstáculos e é considerada uma das esportistas mais completas da sua geração.

40

e quando desejo me acalmar adoro ouvir clássicos da MPB ou mesmo um bom som sertanejo”, diz. Larissa está sempre buscando novos livros, mas quando questionada sobre seu preferido, é rápida na resposta: “A Arte da Guerra, de Sun Tzu, foi bastante marcante em minha vida, por isso, já li e reli dezenas de vezes”. Outra grande paixão da vida de Larissa é viajar. Em decorrência do esporte, a atleta já teve a oportunidade de conhecer diversos lugares do mundo. No entanto, conforme revela, um dos mais inesquecíveis foi Roma. “Minha mãe é muito religiosa, e tudo que eu via me lembrava ela. Este ano voltarei lá, e desta vez, minha mãe irá comigo. Tenho certeza de que será ainda mais especial”, ressalta. Por

conta da profissão, Larissa mantém uma alimentação saudável e equilibrada. Apesar disso, sempre que pode, não dispensa massas, churrascos e um bom sushi. “Soho e Vignoli são os restaurantes que mais frequento aqui em Fortaleza”, afirma. Quando questionada sobre seus produtos preferidos, a esportista aponta os óculos da Oakley, o protetor solar da Clinique, o pó compacto da Shiseido, o perfume J’adore e o hidratante Eau de Parfum. Honestidade e verdade, segundo ela, são as maiores virtudes do ser humano. “Ser meu amigo é muito fácil, basta aceitar as pessoas como elas são, com qualidades e defeitos, sem julgá-las”. Sobre os projetos para o futuro, Larissa é categórica: “Agora quero ser mãe. Desejo ter quatro filhos”, vislumbra.

revista


Trajetória • Empreendimentos • Depoimentos


Foto: arquivo

Construtora Manhattan Há dez anos supreendendo o mercado

U

ma história marcada por desafios, conquistas, vitórias e muita vontade de propor ao mercado algo completamente novo. Com esses ideais, no dia 29 de janeiro de 2003, foi criada a Construtora Manhattan. Para conseguir o fortalecimento da marca e seu consequente reconhecimento, a Manhattan apostou em inovação, ou seja, seus sócios não tiveram receio de investir em projetos modernos e desafiadores. Nas palavras do próprio Presidente da Manhattan, Pedro Felipe Borges Neto: “Sempre buscamos quebrar paradigmas, sonhar alto e fazer o impossível. Acredito que dessa forma teremos sempre poucos concorrentes”. 

44

Sempre buscamos quebrar paradigmas, sonhar alto e fazer o impossível. Acredito que dessa forma teremos sempre poucos concorrentes.  Pedro Felipe Borges Neto (Presidente da Manhattan)


47

Edifício Manhattan Center Empreendimento comercial O Edifício Manhattan Center surgiu em 2002. Um ano mais tarde nasceria a Construtora Manhattan. O conceito de inovação, aliado ao alto padrão do empreendimento, já estava presente servindo de inspiração para o sucesso da Manhattan. 1 Torre Salas a partir de 37,39 m² privativos Área do terreno: 2.951 m² Localização: Av. Santos Dumont, 2122, Aldeota, Fortaleza - CE Entregue em 2002

Edifício Liberty 1º empreendimento residencial da Construtora Manhattan A partir deste empreendimento, a construtora começa a construir a grife Manhattan. 1 Torre Apartamentos com 127,77 m² e 212,53 m² privativos Área do terreno: 1.925,00 m² Localização: Rua José Vilar com Costa Barros, 910, Aldeota, Fortaleza - CE Entregue em 2003

46

De acordo com Hélio Galliza, diretor técnico da Manhattan, para a empresa o objetivo é apresentar um empreendimento em que os clientes tenham vontade de morar, seja pelos diversos equipamentos instalados (infraestrutura, segurança, lazer, tipo de material e acabamentos selecionados ou pela localização privilegiada), fatores de muita importância nos estudos que antecedem o projeto. Em setembro de 2003, com o respaldo e a participação de competentes profissionais, a Manhattan lança seu primeiro empreendimento residencial, o edifício Liberty, no bairro da Aldeota. Para grande alegria dos envolvidos e para celebrar todo o esforço desde o primeiro instante em que foi pensado, em pouco tempo, 100% das unidades foram comercializadas.

revista


49

Edifício East Side Empreendimento residencial Foi com esse empreendimento que a Manhattan entrou no bairro de maior expansão da última década. 1 Torre Apartamentos com 125,00 m² privativos Área do terreno: 2.244,00 m² Localização: Dr. Gilberto Studart, 770, Cocó, Fortaleza - CE Entregue em 2008

Neste ponto, cabe um parêntese imprescindível. Um profissional foi de fundamental importância para que todo esse sucesso pudesse ser alcançado: Pedro Felipe Borges, filho de Pedro Felipe Borges Neto. Quando a Manhattan foi criada, Pedrinho, como era chamado pelos familiares e amigos, era recém-formado em Engenharia Civil e, como todo estudante recém-saído da Universidade, era apaixonado por desafios e sempre buscava vencer obstáculos. Assim sendo, ele decidiu comercializar os empreendimentos da Manhattan. Conforme as palavras do pai: “Pedro era muito ousado, criativo e, principalmente, determinado. E era justamente com essas características que ele apresentava os projetos nos quais tanto acreditava”, orgulha-se. Além do Liberty, Pedrinho dedicou-se ainda ao EastSide, Central Park Business, Celebration Residence, Palm Beach Residence, San Francisco Condominium, Beverly Hills Residence e Los Angeles Residence.

48

Central Park Business Empreendimento comercial Empreendimento que consolidou a imagem da construtora como uma empresa preparada em aplicar grandes diferenciais, como auditório panorâmico na cobertura e heliponto, nesse perfil de empreendimento. 1 Torre Salas a partir de 35,27 m² privativos Área do terreno: 2.383,61,00 m² Localização: Av. Eng. Santana Jr., 3000, Cocó, Fortaleza - CE Entregue em 2011

revista


51

Palm Beach Residence

Empreendimento residencial Entrada da construtora em empreendimentos de segunda residência. Próximo ao maior parque aquático da América Latina. 5 Torres Apartamentos com 63 m² e 113,06 m² privativos Área do terreno: 11.200,00 m² Localização: Av. Água Viva, 445, Porto das Dunas, Aquiraz - CE Entregue em 2011

Celebration Residence Empreendimento residencial Uma aposta assertiva da construtora em uma localização até então pouco vislumbrada e que se tornou um dos melhores investimentos. Próximo ao mais moderno Centro de Eventos da América Latina. 4 Torres Apartamentos com 80,85 m² e 160,82 m² privativos Área do terreno: 7.229,89,00 m² Localização: Av. Governador Manoel de Castro Filho, 100, Edson Queiroz, Fortaleza - CE Entregue em 2012

50

Em 2012, a Manhattan expandiu sua atuação para um novo mercado. O cenário escolhido foi a cidade de Teresina, no Piauí. Com o lançamento do Manhattan River Center, composto por duas torres comerciais equipadas com salas de convenções, open mall com 12 lojas, café com vista panorâmica, área de lazer, salas comerciais a partir de 33 m2 e 748 vagas, a construtora decidiu que cresceria juntamente com a cidade. O estudo para chegar a novos mercados, em outros estados brasileiros, é uma constante para os profissionais da Manhattan. Afinal, desde o instante em que novos clientes são conquistados, o slogan que inspira todo e qualquer projeto desenvolvido é ainda mais fortalecido: mais felicidade por m2.

revista


53

San Francisco Condominium Empreendimento residencial Buscando a constante inovação, trouxemos um apartamento duplex e com pé direito duplo para apartamentos com 156 m² privativos. 2 Torres Apartamentos com 120 m², 156 m² e 233 m² (cobertura privativa) Área do terreno: 5.360 m² Localização: Rua Batista de Oliveira, 668, Cocó, Fortaleza - CE Entregue em 2013

Sempre criei meus filhos com muita dureza. Lembro-me que no começo Pedrinho tocava a empresa, e eu dizia para ele que o exemplo tinha que vir de casa, tinha que chegar cedo, porque os funcionários começam a te respeitar, crachá não significa poder. Ele chegava sempre antes de todo mundo, por volta das 7 horas, e não tinha hora para sair. Era um cara determinado, muito parecido comigo nesse aspecto de acreditar no impossível, fazer o impossível. Ele sonhava muito alto, eu acho que sonhava tão alto que saiu dessa vida. Ele era impetuoso, forte, autêntico, sincero, carismático e isso não é um pai falando, é uma empresa que ele deixou começando mas que quando ele partiu essa empresa já tinha uma marca, já tinha uma credibilidade e um conceito de projeto. O Summer Park, o Central Park, o San Francisco, o Celebration, o Palm Beach, o Beverly Hills, todos esses empreendimentos tiveram o dedo dele, a mão dele, a impetuosidade dele. O que mais sinto falta dele na empresa eram as discussões que nós tínhamos, que eu acho que tanto era bom para mim, porque eu me sentia mais jovem, como para ele, porque crescia profissionalmente. Pedro Felipe Borges NETO Presidente da Construtora Manhattan

Beverly Hills Residence Empreendimento residencial A Manhattan consolidou-se nos empreendimentos de segunda residência trazendo, mais uma vez, inovação para a região com elevadores em todos os blocos e vagas de garagem todas no subsolo. 8 Torres Apartamentos com 68 m² e 136m² privativos Área do terreno: 16.498,44 m² Localização: Av. Estrela do Mar, Porto das Dunas, Aquiraz - CE Previsão de entrega para 2013

52

Celebrar os 10 anos da Manhattan, sem identificar como parte fundamental dessa comemoração, a pessoa do Pedrinho, é faltar com o principal da festa. Conheci o Pedro em 2005, quando comecei a prestar serviços jurídicos à Manhattan. Nesse período, a construtora dava os primeiros passos, com a execução da terceira obra. A parceria profissional foi evoluindo e em 2008 passei a integrar de forma direta o quadro de colaboradores com a criação da Diretoria Jurídica da empresa. A partir de então, convivendo diariamente, fui identificando características no Pedro que hoje me levam a compreender a razão do célere e vigoroso crescimento da construtora. Entusiasmo, obstinação, disciplina e amor pelo que fazia eram os ingredientes que ele colocava no dia a dia da sua atividade. Essa foi, sem dúvida, a receita do sucesso. Aliado a isso, outro lado também se mostrou marcante, junto à personalidade forte e por vezes teimosa, estavam a lealdade, a capacidade de ouvir, a amizade e o amor pela família, em especial pelos pais, bem como, a fé em Deus. Esse foi o Pedrinho com o qual convivi por rápidos seis anos e com quem aprendi que não é o tempo que conta, o que vale e o que fica são a qualidade das relações, do que somos e fazemos, e a capacidade que temos de edificar o outro pelo exemplo. Viana Neto Diretor Jurídico da Construtora Manhattan

revista


55 Durante esses oito anos que estou na Manhattan me sinto muito feliz, sempre mantendo um bom relacionamento com os operários e a diretoria. Meu primeiro empreendimento como mestre de obras na Manhattan foi o East Side, em 2005. Na oportunidade, trabalhei com o engenheiro João Jorge, com quem aprendi muito e ganhei experiência. Em seguida, fui para a obra Celebration e agora estou na obra do Summer. Procuro sempre fazer o meu melhor, trocando ideias com pessoas novas. Sinto-me lisonjeado em estar em uma grande empresa, com relacionamento de confiança e respeito mútuo. José Ernesto de Sousa Mestre de obras da Construtora Manhattan

Acompanhei um pouco a implantação da Construtora Manhattan, visto que, na ocasião, trabalhava com o Dr. Pedro Felipe há algum tempo. Achei tudo fantástico. Manhattan é um nome forte, com o seu imponente M dourado na logomarca, administrada por um jovem altamente determinado, cheio de garra e talento. Então, pensei: o sucesso está garantido. Hoje, prestando meus serviços há quatro anos aqui na empresa, confirmo este sucesso. Seus belos e ousados empreendimentos são um referencial no mercado imobiliário. Fico feliz em participar deste crescimento. Linda Menezes Secretária da Construtora Manhattan

Estou na Manhattan desde abril de 2004 e admiro o crescimento e a solidez da construtora. Ela preza muito pela qualidade e inovação dos seus produtos, com isso vem ganhando cada vez mais mercado e destaque perante as outras construtoras. Quando eu cheguei à Manhattan, eles estavam no início da obra do Liberty e o Pedrinho me propôs esse desafio. Tudo deu certo e estamos firmes no mercado até hoje. Vejo um futuro muito promissor e de muito sucesso para a Manhattan. Josimar Moraes  Comprador da Construtora Manhattan

Trabalho aqui há sete anos e nos últimos tempos vi muitas mudanças positivas. A empresa cresceu e está cada vez melhor, dando sempre oportunidade para quem quer crescer. Eu adoro trabalhar aqui, pois sou muito bem tratada por todos. Ivonice Morais de Lima (Nice) Copeira da Construtora Manhattan

Pedro Felipe, meu chefe e amigo, marcou a minha vida pela sua bondade e amizade, deixando muita saudade e uma lacuna muito grande nesta empresa. Fazer parte da Manhattan há oito anos é uma bênção de Deus, ela que é um orgulho para a nossa cidade.

Los Angeles Residence Empreendimento residencial Trouxemos a sofisticação para o alcance de pessoas que procuram apartamentos confortáveis, modernos e compactos através do duplex de 100 m² e de uma excelente planta para o apartamento de 80 m². 2 Torres Apartamentos com 80,34 m² e 100 m² privativos Área do terreno: 3.200 m² Localização: Rua Vilebaldo Aguiar, 2100, Cocó, Fortaleza - CE Previsão de entrega para 2013

Manhattan Beach Riviera Empreendimento residencial A busca constante do novo fez com que levássemos o requinte para a praia, em um local paradisíaco que é o Complexo Aquiraz Riviera. 7 blocos e 28 bangalôs Apartamentos e bangalôs com 81,50 m² a 203 m² privativos Área do terreno: 51.852 m² Localização: Complexo Aquiraz Riviera, Aquiraz - CE Previsão de entrega para 2014

Ingrid Galliza Tesoureira da Construtora Manhattan

54

revista


57

Square Garden Empreendimento comercial Empreendimento vendido em 48 h de lançamento comprovando a solidez e a credibilidade da Construtora Manhattan no mercado. 1 Torre Salas a partir de 32,75 m² privativos Área do terreno: 2323,20 m² Localização: Av. Santos Dumont, 1510, Aldeota, Fortaleza - CE Previsão de entrega para 2014

Manhattan River Center Empreendimento comercial Um marco para a Construtora Manhattan, sendo o primeiro empreendimento fora do Ceará, em Teresina - PI. 2 Torres Salas a partir de 33,14 m² privativos Área do terreno: 7852,80 m² Localização: Av. Senador Area Leão, 2185 – Jóquei Clube, Teresina - PI Previsão de entrega para 2015

Uma grande parceria não fica nos limites dos canteiros de obras, vai muito além dessas fronteiras, pois as conquistas das empresas que participam de uma obra atingem toda a sociedade. Reconhecer limites, enfrentar desafios, tomar decisões juntos, estar presente nas horas difíceis, participar das alegrias e tristezas, se sentir membro da empresa, ter o serviço valorizado e criticado na hora certa, essa é a parceria entre Rolim Machado, Estrutech e a Construtora Manhattan, a qual eu resumiria em uma frase: “nossa parceria não tem limites”. José Rolim Machado Engenheiro da Estrutech (parceiro da Construtora Manhattan)

Estamos bastante lisonjeados em participar da alegre comemoração dos 10 anos da Manhattan. Optamos pelo Spring Live Park por entendemos tratar-se de um projeto arquitetônico moderno, inovador e ambientalmente sustentável, com destaque para a área verde reservada ao paisagismo e ao espaço dedicado à diversão e entretenimento, que embelezam a obra e garantem a segurança, o lazer e o bem-estar de nossa família. Registre-se, ainda, a localização do empreendimento e o layout dos ambientes internos do imóvel, que propiciam conforto, funcionalidade e harmonia entre os compartimentos, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida dos condôminos. Não poderíamos também deixar de registrar o excelente tratamento e atendimento da equipe de vendas, que soube apresentar o projeto e nos distinguir com simpatia e qualificação profissional durante o processo de negociação do apartamento. Parabéns e um forte abraço a todos que integram a equipe do Grupo Manhattan. Sucesso! Jeovah Linhares e Ana Lúcia Linhares Bancário e Turismóloga (clientes da Construtora Manhattan)

56

revista


Summer Park Empreendimento residencial A Manhattan chega inovando mais uma vez, com o conceito condomínio clube. 2 Torres Apartamentos com 82 m² e 104 m² privativos Área do terreno: 12363,00 m² Localização: Rua Gontran Giffoni, 100, Guararapes, Fortaleza - CE Previsão de entrega para 2015

Spring Live Park Empreendimento residencial Empreendimento ícone da região de alto padrão. Um empreendimento com ítens inovadores, pé direito duplo (apartamento 216 m2 privativos) recepção independente, monta carga, suíte spa. 2 Torres Apartamentos com 172,75 m² e 216,39 m² privativos Área do terreno: 9094,77 m² Localização: Rua Gontran Giffoni, 366, Guararapes, Fortaleza - CE Previsão de entrega para 2016

58


61

Lia Quinderé

Foto: Chico Gadelha

heirinho de bolo de fubá recém-saído do forno, balinha de café que derrete na boca e pão de queijo quentinho. Foram esses os principais sabores e gostos que permearam toda a infância da jovem chef Lia Quinderé. Nascida em Fortaleza, Lia herdou muito cedo o amor pela culinária. Quando pequena, por conta das viagens da mãe, a garotinha passava grande parte do tempo na casa de sua tia-avó, uma confeiteira muito habilidosa e talentosa. “Quando eu tinha onze anos, ganhei da minha mãe o livro Pequenos Cozinheiros. Juntando a leitura com todos os ensinamentos passados por minha tia-avó, aos doze anos já fazia pão francês e vários tipos de doces. Aprendi a me aventurar na cozinha”, conta.

60

Porém, segundo Lia a profissão de chef não foi encarada prontamente como uma possibilidade para sua vida. “Quando eu era mais nova acreditava que tudo isso era uma grande diversão, nunca encarei como profissão. Tanto é que fiz faculdade de Direito, cheguei a estagiar e tudo mais. Concluí o curso, no entanto, nesse meio tempo, fiz outra descoberta importante: a gastronomia”, revela. A descoberta sobre a qual Lia refere-se começou ainda durante a graduação de Direito, com a leitura de livros especializados no tema gastronômico e a oportunidade de trabalhar num bufê da família. “Cheguei ao bufê para fazer parte da administração, entretanto, o amor pela cozinha falou mais alto e, em pouco tempo, já estava lá dentro, inovando em minhas receitas”, relembra.

MENU DU JOUR

MACARONS

Produtos que você vai usar: Massa: 250 g de farinha de amêndoas 250 g de açúcar de confeiteiro impalpável 250 g de açúcar cristal 200 g de clara de ovo

Recheio: 1 litro de leite 2 ovos 8 gemas de ovos 280 g de açúcar 110 g de amido de milho

Prepare assim:

Massa

Comece peneirando a farinha de amêndoas com o açúcar de confeiteiro e reserve. Em outro recipiente, misture a clara de ovo com o açúcar refinado. Leve a tigela para o banho-maria e misture sem parar, até perder a viscosidade. Depois, bata essa mistura até ficar bem firme. Adicione corante rosa (ou a cor que você preferir). Com o auxílio de uma espátula junte a farinha de amêndoas e o açúcar de confeiteiro, já peneirados. Faça isso delicadamente, até que a massa fique brilhosa. Coloque essa mistura em um saco de confeiteiro e pingue sobre uma assadeira bem untada. Leve a assadeira para um forno pré-aquecido a 100 ºC por 20 minutos. Retire do forno e deixe esfriar. Desenforme.

Recheio

Ferva o leite, bata os ovos com as gemas, o açúcar e a maisena. Quando o leite subir, acrescente a mistura dos ovos. Mexa com o fouet (batedor de ovos de arame). Quando aparecerem bolhas na mistura, apague o fogo e bata até esfriar.

Montagem

Recheie os macarons com o creme de confeiteiro e morangos frescos. Feche as duas partes, unindo-as ao creme. Foto: divulgação

Beleza, carinho e requinte na cozinha C

Em certa altura, Lia conta que frequentava as aulas de Direito mas, ao mesmo tempo, sentia-se incompleta. Conforme ressalta, tudo começou a mudar a partir de uma conversa com seu pai. “Percebendo que eu estava em dúvida sobre que rumo seguir, ele chegou para mim e indagou: filha, que profissão te fará pular da cama feliz todos os dias?”, assevera. Ela conta que, a partir desse dia, viu que a gastronomia seria sua escolha. Desde então, começou uma intensa pesquisa para saber qual seria o melhor local para aprender tudo que precisava. Não demorou muito até chegar a Le Cordon Bleu, uma das mais tradicionais escolas de culinária do mundo, localizada em Paris. “Depois de achar o melhor lugar para me aperfeiçoar, fiz um ano de francês e decidi trancar a faculdade de Direito. Como já era casada e tinha minha vida toda aqui em Fortaleza, acabei fazendo o curso na Le Cordon Bleu aos poucos. Viajava, passava três meses lá e depois voltava. Fiz isso de 2004 até dezembro de 2012 quando, finalmente, concluí minha formação como chef ”, conta. Nesse intervalo de tempo, a vida de Lia Quinderé tomou rumos importantes e imprescindíveis para sua escolha profissional. No segundo ano, ao retornar de Paris, a jovem foi convidada a abrir um café dentro de uma loja badalada da capital cearense. Foi assim que, em julho de 2007, nasceu a Sucré Pâtisserie. No início, a produção era toda feita em sua residência. Com o tempo, porém, a demanda foi aumentando e a estrutura da cozinha teve de ser mudada algumas vezes de endereço. “Com a divulgação na loja, começamos a fazer muitos casamentos e percebemos que era hora de procurar um novo local”. E completa: “Foi aí que encontramos um lugar lindo e que iria suprir todas as nossas necessidades (Rua Nunes Valente, 1310 – Aldeota). Ou seja, teríamos no mesmo espaço uma cozinha completa, um escritório e uma loja bem ao gosto do público. Além de vender os produtos no atual endereço, Lia ressalta que alguns pontos (lojas, supermercados etc.) também os distribuem, incluindo estabelecimentos nos estados de São Paulo e Piauí. Entre os carros-chefes da Sucré estão: torta brownie, biscoito tuile, macarons, torta frasier e chocolates diversos, todos eles com sabor inigualável. Outro diferencial é o carinho com que os produtos são apresentados. “Temos uma equipe que desenvolve as embalagens, no entanto, tudo é pensado por mim, a partir de viagens que faço para me aperfeiçoar”. Quando questionada sobre como imagina sua empresa daqui a cinco anos, Lia é categórica: “Minha meta é expandir a Sucré para outras cidades do Brasil. Não planejo muitos anos à frente, meu planejamento é apenas anual. Um dia, se Deus quiser, chegaremos lá”.

revista


63

NÃO HÁ DIA FÁCIL O livro, de autoria de Mark Owen, ao mesmo tempo em que retrata a vida nas equipes do Seal, é o único relato interno sobre a Operação Lança de Netuno que, no dia 1º de maio de 2011, foi responsável pela morte do perigoso terrorista Osama bin Laden. O próprio autor, que era membro do Grupo para o Desenvolvimento de Operações Especiais da Marinha dos Estados Unidos, mais conhecido como Equipe Seis do Seal, conta a história. Editora Paralela Preço sugerido: R$ 23,90

CARCEREIROS Drauzio Varella, que durante vinte e três anos atuou em presídios brasileiros como médico voluntário, retrata a vida dos profissionais que trabalham na prisão, expondo, dessa forma, o funcionamento das cadeias no Brasil. Para conseguir os relatos descritos no livro, Drauzio passou a se reunir com um grupo de agentes penitenciários, depois das longas jornadas de trabalho, em um botequim na frente do Carandiru. Editora Companhia das Letras Preço sugerido: R$ 26,90

RON WOOD - A AUTOBIOGRAFIA DE UM ROLLING STONE Em 400 páginas, Ron Wood, membro da mais famosa banda de Rock and Roll do mundo, conta sua história e faz um delicioso e surpreendente passeio pelo fascinante universo do Rock. Além de contar passagens inesquecíveis com os Rolling Stones, o músico conta detalhes da sua vida, envolvimento com drogas, casos amorosos e sua relação, por vezes conturbada, com Mick Jagger e Keith Richards. Editora Generale Preço sugerido: R$ 43,90

62

revista


JESUTON – ENCONTROS Filha de pai nigeriano e mãe jamaicana, Rachel Jesuton nasceu em Londres. Na adolescência, era fã de reggae, soul e r&b, e foi, justamente com essas referências, que a cantora chegou ao Rio, em 2012. Apresentando-se nas ruas da cidade, a artista chamou a atenção do produtor musical Rodrigo Vidal e do apresentador Luciano Huck, que a convidou para apresentar-se em seu programa e assim, conquistar o Brasil inteiro. Gravadora: Som Livre - Preço sugerido: R$ 24,90

PEOPLE, HELL & ANGELS Metais, teclados, percussão e segunda guitarra são alguns dos elementos que podem ser encontrados em doze inesquecíveis gravações do genial Jimi Hendrix. People, Hell & Angels apresenta o lendário artista atuando fora do trio original Jimi Hendrix Experience. O baixista Billy Cox e o baterista Buddy Miles, que mais tarde, ao lado de Hendrix, formariam o Band of Gypsys, aparecem em boa parte do disco. Gravadora: Sony Music - Preço sugerido: R$ 26,90

ARGO Ganhador do Oscar de Melhor Filme em 2013, Argo, dirigido por Ben Affleck - que também atua no longa - retrata a conturbada revolução iraniana, em 1979. Quando a embaixada dos EUA em Teerã é invadida, seis diplomatas americanos conseguem escapar, indo se refugiar na casa do embaixador canadense. Lá, vivem durante meses, sob sigilo absoluto, enquanto a CIA busca um meio de retirá-los do país em segurança. Lançamento: Warner Home Video - Preço sugerido: R$ 69,90

007: OPERAÇÃO SKYFALL O roubo de um HD contendo informações valiosas sobre a identidade de diversos agentes infiltrados em células terroristas espalhadas ao redor do planeta, faz com que James Bond, o charmoso e inteligente agente secreto 007, interpretado pelo excelente Daniel Craig, parta atrás do ladrão. A perseguição segue pelas ruas de uma cidade na Turquia e acaba em cima de um trem. Atuando nas sombras, Bond é auxiliado pela agente de campo Eve (Naomie Harris) e tenta encontrar o misterioso e perigoso Silva (Javier Bardem). Lançamento: Century Fox Home Entertainment - Preço sugerido: R$ 59,90

64 64

ANUNCIO TECNOGRAF


67

1. DIAGNÓSTICO

2. EXTRAÇÃO DO TESTEMUNHO

Fotos: arquivo

Por Sérgio Otoch Engenheiro civil e Projetista estrutural 3. GRAVIDADE DO DIAGNÓSTICO

4. LABORATÓRIO

5. TRATAMENTO

6. BLOCO RECUPERADO

de RAA acometendo blocos de fundações de edifícios, com idades variando entre 3 e 20 anos. Logo, em Fortaleza, surgiriam os primeiros casos. Como profissional projetista de estruturas, preocupa-me a inércia, por parte de alguns setores envolvidos na produção dos nossos edifícios, na adoção de medidas que visem prevenir a ocorrência da RAA. Com essa motivação, a seguir apresento o fenômeno, as condições propícias ao desenvolvimento da reação e as ações sugeridas para prevenção e inibição da RAA, tudo de modo bastante simples, sem aprofundar-se na complexidade do fenômeno, já brilhantemente descrito por outros autores. BREVE HISTÓRICO DO FENÔMENO

D

ata de 1940 a primeira publicação tratando da relação da expansão no concreto com a reação álcali-agregado. Desde então, o tema tem sido estudado, pesquisado e apresentado em vários simpósios e congressos em todo o mundo. No Brasil, os primeiros registros ocorreram em 1963 (GITAHY e RUIZ). Renomados profissionais dedicaram-se ao estudo da RAA, tendo sido produzida grande quantidade de trabalhos que foram apresentados em congressos e reuniões anuais, muitos deles específicos sobre o tema. Até poucos anos, o fenômeno da expansão do concreto devido à RAA era de ocorrência predominante em estruturas de grande porte: barragens e partes de usinas hidrelétricas. Mais recentemente, a partir do final de 2004 e durante o ano de 2005, na região metropolitana de Recife, foram identificados vários casos

66

O QUE É A REAÇÃO ÁLCALI-AGREGADO (RAA)? A RAA é um processo químico que ocorre no concreto endurecido, onde minerais reativos dos agregados reagem com hidróxilos alcalinos presentes nas soluções dos poros da pasta do concreto formando um gel expansivo (às vezes, não há formação de gel). Quando a RAA ocorre de forma deletéria (expansão do concreto) podem ocorrer fissuras, deslocamentos diferenciais, lascamentos, aumento da permeabilidade e diminuição da resistência química e mecânica do concreto. Atualmente, sabe-se que há três variedades da RAA: (1) Reação álcali-sílica, sendo a mais comum e a que mais rápido se desenvolve, (2) Reação álcali-silicato, sendo a de processo mais lento e (3) Reação álcali-carbonato: não forma gel e é a mais rara dos três tipos. Em situações extremas da RAA, é possível ocorrer pressões devido à expansão do concreto, da ordem de 13 MPa (1300 tf/m2) que, em muitos casos, é superior à resistência à tração do concreto!

CONDIÇÕES PROPÍCIAS AO DESENCADEAMENTO DA REAÇÃO Para que ocorra a reação, é necessária a presença simultânea de: • Agregado reativo ou potencialmente reativo. • Álcalis, principalmente da pasta de cimento, em teor suficiente. Pode vir de outras fontes: água de amassamento, aditivos, adições minerais, agregados. • Umidade suficiente, proveniente do contato direto com a água ou em ambientes com umidade relativa do ar acima de 80%. Outros fatores contribuem para

a variação da velocidade e magnitude da RAA: Temperatura: quanto mais elevada, mas intensa é a reação. Cimento: quanto maior o consumo, mais intensa é a reação, mesmo com baixo teor de álcali (< 0,6%). AÇÕES PREVENTIVAS E INIBIDORAS DA REAÇÃO • Se possível, não utilizar agregados potencialmente reativos ou reativos. Baixos teores de agregados reativos são permitidos se forem empregados neutralizadores da RAA no concreto. revista

Fotos: arquivo pessoal do autor

Fissuras em blocos de fundações devido à reação álcali-agregado (RAA)


69 • Limitar o teor de álcalis solúveis no concreto. A principal fonte de álcalis é o cimento, que deve apresentar teores abaixo de 0,4%. Entretanto, é preciso examinar a água de amassamento, os aditivos, as adições minerais e até mesmo os agregados, pois todos são fontes fornecedoras de álcalis. • Proteger do contato com o lençol freático: impermeabilizar. • Reduzir a relação a/c: o excesso de água, além do necessário para a hidratação do cimento, é fonte de umidade e aumenta a porosidade do concreto. • Reduzir o consumo de cimento: adições minerais podem ser usadas com critério. • Aditivos: contêm álcalis que se somarão aos outros. O uso deve ser feito com critério. • Usar cimento com baixo calor de hidratação, pois isso reduzirá a elevação da temperatura. • Forma: evitar usar forma lateral com alvenaria, pois ela dificulta a dissipação do calor e altera a relação a/c nas faces dos blocos. • Armaduras: adotar detalhe de armação na forma de gaiola.

68

E SE O PROBLEMA ESTIVER OCORRENDO EM MINHA OBRA? O estado do conhecimento atual ainda não é conclusivo sobre quais medidas adotar para estancar a reação. Para a recuperação do elemento (bloco) afetado, é necessário um estudo específico do caso, após a realização dos ensaios em testemunhos extraídos do concreto. Envolvimento com concreto, aplicação de protensão e impermeabilização são procedimentos frequentemente adotados para reduzir o processo reativo.

REFERÊNCIAS IBRACON. CONCRETO-Ensino, Pesquisa e Realização. Vol. 2, 2005. SINDUSCON/PE. REAÇÃO ÁLCALI-AGREGADO, 2006.

revista


71

O OUTRO LADO

Paolla Oliveira

Engajada em causas ambientais

Fotos: divulgação

C

70

onhecida por sua beleza angelical e pela forma natural de atuar, a paulista Paolla Oliveira nasceu no dia 14 de abril de 1982. Filha de um policial militar aposentado e de uma exauxiliar de enfermagem, antes de seguir a carreira artística, dedicou-se à faculdade de Fisioterapia. Devido à notável graciosidade e simpatia, aos dezessete anos começou a fazer comerciais de TV e, desde então, descobriu outra paixão: a atuação. Paolla já fez peças de teatro, novelas e participou de filmes no cinema, alcançando o posto de uma das atrizes brasileiras mais queridas e admiradas. Além de tudo isso, Paolla também é engajada em campanhas e ações que visam a preservação ambiental. É exatamente sobre isso que ela fala na entrevista a seguir.

Desde quando as questões ambientais fazem parte da sua vida? As questões ambientais fazem parte da vida moderna e sempre fizeram parte do meu cotidiano. Acredito que as pequenas ações podem, sim, ajudar a melhorar a vida de todos. Por exemplo, a preocupação com a água e com o que se joga no lixo (como se joga, recicla e reaproveita). Às vezes não prestamos atenção em nós mesmos! A educação é muito importante para que se preserve a vida de todas as formas.

Falta inteligência, sensibilidade e educação. É preciso ocorrer uma mudança de pensamento e de filosofia de vida. Isso em todas as áreas, das indústrias ao consumismo que chega até nós. Ou da educação dentro das escolas até programas para explicar a importância de sermos mais ativos nesse aspecto. Ou seja, devemos apreciar a grandiosidade e a perfeição do que nos é oferecido, principalmente em nosso País.

Que tipos de causas/campanhas você apoia? Sou a favor da conscientização e da mudança de hábitos. Mais especificamente apoio o movimento “Projeto Satisfeito”. Nele, você escolhe o prato que quiser na versão Satisfeito. Ele vem um 1/3 menor e custa o mesmo preço. A quantia que o restaurante economizar servindo a porção menor será revertida em dinheiro para alguma organização que ajuda crianças. Também apoio dois projetos: “Ampara Animal” e “OBA”, que acolhem animais abandonados, preparando-os para a adoção e, na maioria das vezes, castram esses animais para que não se reproduzam sem critério e aumentem a população na rua. Quando e por que surgiu esse engajamento? Não sei exatamente, acho que é uma questão de personalidade e, sem dúvida, de estar o mínimo antenada com os acontecimentos modernos. Porém, mais do que isso, é gostar, é sentir-se parte da natureza e ter sensibilidade para entender a importância do meio ambiente nas nossas vidas. É bom sabermos que morremos um pouco se não estivermos atentos a essas questões! Como conciliar a carreira de atriz bem-sucedida e de mulher engajada com a preservação do planeta? A mulher já tem essa virtude de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Ser mulher, namorada, cuidar de filhos, ser profissionalmente bem-sucedida etc. Quanto às questões ambientais, não acredito que deva ser mais uma função, na verdade, creio que tenha que fazer parte da vida e do dia a dia! Em sua opinião, o que falta para que as pessoas enxerguem esse tipo de causa como algo fundamental para o futuro próspero?

revista


73 Foto: arquivo pessoal

Assim é Nova Iorque! Por Luciana Feingold publicitária

Fotos: arquivo

“Nova Iorque é a cidade que nunca dorme!” Já ouviu isso? Bem, é realmente muito difícil dormir em um lugar onde existem tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo e o tempo todo. Seja dia ou noite, quarta-feira ou final de semana, a cidade tem a oferta certa para o que você deseja a qualquer época do ano.

C

heguei no inverno e ainda assim é possível notar, através dos passos rápidos das pessoas nas ruas, que não se tem tempo a perder. Almoçar ou digitar uma mensagem no telefone definitivamente não as tira do caminho do próximo compromisso. Parar para quê? Com calçadas lotadas e uma vida inteira passando em um minuto, nem a espera pelo sinal de pedestre para atravessar a rua vale a pena. Os tipos são muito diferentes. Em Nova Iorque, o cabelo verde

72

da adolescente, o chapéu dourado da senhora ou o rapaz que combina um terno com óculos de sol “laranja flúor” são os itens mais comuns que você vai observar. Temos pessoas do mundo inteiro numa mesma ilha, difícil mesmo é identificar alguém nativo do lugar. E nosso passeio, por onde começamos? Acho que o Grand Central Terminal é um belo ponto de partida! O corre-corre continua pelo saguão e pelos corredores

datados de 1913. Os lustres, o relógio Tiffany e os revestimentos em mármore nos transportam pelo tempo e pela história. Aproveite para conhecer a loja da Apple no Main Concourse, experimentar as novidades em tecnologia e desça para almoçar no subsolo. São tantas opções que fica até difícil de escolher. Eu fui de salada e salmão no Tri Tip Grill e depois, claro, uma torta da Magnolia Bakery para sobremesa. Para dizer “enfim, cheguei à Nova Iorque”, só contemplando a Estátua da Liberdade num passeio super agradável na barca que segue para Staten Island. A barca sai em intervalos curtos, mas que variam de acordo com o dia da semana e, por ser gratuita, vale a pena dar uma olhada no site oficial no dia da visita (www.siferry.com). Durante o passeio, ainda ganhamos de brinde uma vista linda de Manhattan, digna dos postais. Podemos nos valer de algumas facilidades. Os Starbucks em todas as esquinas com tomadas elétricas e internet nos salvam quando dependemos da tecnologia para mapas e planos de viagem. Durante o inverno, as temperaturas baixas fazem com que os cafés fiquem realmente lotados, mas basta o frio ceder por um momento para toda essa multidão ocupar praças e parques em busca de um lugar ao sol. Passear pelo Central Park é uma boa pedida a qualquer hora do dia. Sempre temos o prazer de ouvir alguns músicos mostrando seu trabalho, bancas com fotografias e

quadros da cidade. Leve com você o mapa do local, pois são muitas atrações espalhadas por ele, como a ponte de Tom Hanks e Meg Ryan em Mensagem para você e o memorial Imagine, em homenagem a John Lennon. Nova Iorque e seus museus. Certamente seria preciso morar na cidade para conhecer detalhadamente cada um, ou visitá-la diversas vezes (o que não seria ruim, não é?!), então escolhemos o Museu de Arte Moderna (MOMA) para uma visita e valeu muito a pena. Ver de perto obras renomadas como Les Demoiselles D’Avignon (Picasso), e O Grito (Munch), emociona qualquer viajante. Sem contar as obras de Mondrian, Kandinsky e Van Gogh que fazem parte de um acervo fantástico. O museu tem entrada gratuita às sextas-feiras. Se puder, confira também o Metropolitan Museum, o Museu Guggenheim e o Museu de História Natural. A Times Square com suas paredes vivas, tantas luzes e tanto movimento que num primeiro momento é difícil escolher para onde olhar, o que reparar. Retornar da viagem sem ter ido a um espetáculo na Brodway é realmente uma perda, então escolhi o mais tradicional. The Phantom of the Opera está em cartaz há 25 anos, no Teatro Majestic, e é indescritível o sentimento que se tem diante de tamanha produção. E então chega uma hora que bate a saudade da boa comidinha brasileira, aquele feijão e farofa que só as nossas mãos fazem, aí tem o Emporium Brasil. A Little Brazil é uma rua com alguns restaurantes brasileiros, fica no centro de Manhattan e porporciona a chance de sentar e fazer seu pedido em português, claro! Acredite, depois de algum tempo treinando os ouvidos para o inglês, é muito bom poder relaxar e matar a saudade do Brasil. Nova Iorque é uma cidade encantadora. A cada rua, uma nova descoberta. A cada estação nova do metrô, uma comunidade inteira vivendo. Se perder e se encontrar. Essas páginas não comportariam tudo o que oferecem Manhattan, Brooklyn, Queens e Bronx juntos. A experiência de conhecer Nova Iorque é pessoal e intransferível. E aí, está esperando o quê? Ela não espera por ninguém, lembra? Corra.

revista


da Etiópia para o Ceará Por Danielly Gomes Soares

proprietária da Amika Coffee House, publicitária e barista

M

74

Fotos: arquivo

uitas lendas cercam a origem do café, dentre elas a mais difundida é a de um pastor de ovelhas (Kaldi) que descobre o poder do café ao ver suas cabras bastante animadas após ingerirem um pequeno fruto. Daí até chegar as nossas xícaras, o café enfrentou muitas aventuras. Durante muitos anos o uso do café ficou restrito. O grão de café fértil era totalmente proibido de deixar o Porto de Mocha, no Iêmen. Mas foram os iemenitas que desenvolveram o hábito de torrar, moer e preparar o café com água quente. Uma vez que a bebida alcoólica é proibida pelo Alcorão, o café foi eleito o “vinho” negro. Tanto é que a palavra café vem de cahuah, um dos vários nomes que os árabes dão ao vinho. Foi em Constantinopla que surgiu a primeira casa especializada em café (Kiva Han). O café era tão importante para a sociedade que uma mulher poderia pedir o divórcio se o marido não fornecesse a quantidade de café necessária a ela.

Os europeus, já sabedores do potencial da bebida, queriam cultivar o grão em suas colônias. Foi nesse momento que o café enfrentou as suas maiores aventuras até chegar ao nosso território. Primeiro, com o oficial naval Gabriel-Mathieu de Clieu, encarregado de levar mudas de café até a Martinica, que chegou a dividir sua própria ração de água potável com uma pequena muda de café. Depois, a aventura ganha toque de romance com o oficial luso-brasileiro Francisco de Melo Palheta, que teria recebido a missão de trazer grãos de café da Guiana Francesa. Segundo a lenda, ele teria conseguido a façanha após um flerte com a esposa do governador da colônia francesa. Mitos e lendas à parte, foi a partir deste momento que o café iniciou sua jornada no Brasil, que é hoje o maior produtor mundial de café. O que pouca gente sabe, é que no Ceará encontramos alguns dos pés de café mais antigos do Brasil. O que outrora correspondia a 2% da produção de café nacional, hoje é um cultivo praticamente abandonado. O Ceará também teve locais e marcas tradicionais, como a empresa de café Wal-Can, que acompanharam o auge da cultura cafeeira cearense. Aos poucos, o amor do cearense pelo café, muito presente na nossa história, vem sendo resgatado.

Aos poucos, o amor do cearense pelo café, muito presente na nossa história, vem sendo resgatado.


Jantar japonês

Fotos: arquivo

Orientalidade lado a lado com o romantismo Quando o assunto é a escolha de um país tema para um jantar romântico, várias são as opções disponíveis. Uma, no entanto, vem atraindo um número cada vez maior de adeptos: o Japão. Grande parte dessa admiração deve-se, principalmente, ao tom intimista, minimalista e aconchegante com que ele pode ser organizado.

P

rimeiramente, é essencial saber que todo e qualquer ambiente pode ser transformado para o momento. Com pequenos detalhes, porém essenciais, é possível trazer um pouquinho da cultura oriental para dentro da sua casa. No Japão, é comum que as refeições ocorram em mesas baixinhas, bem rentes ao chão. No caso de você não possuir esse tipo específico de móvel, utilize sua mesa de centro, que por ser menor, ajuda no clima de proximidade e intimidade. Além disso, coloque almofadas ou mesmo um grande tapete ao redor para que o convidado possa sentar-se e aconchegar-se.

76


Outro detalhe importante é a arrumação da mesa, atentando-se para os tipos de objetos utilizados. Se o móvel tiver o tampo de vidro ou for de cor clara, opte por utensílios de cerâmica em tons mais fechados. O mesmo acontece com o inverso: mesa escura e objetos claros. Nada de usar jogos americanos tradicionais. Ao invés disso, opte por jogos americanos de bambu e copos de porcelana. Outra dica: esqueça os talheres e utilize os tradicionais hashis ou fachis, os conhecidos “pauzinhos”, também confeccionados com bambu. Para aumentar ainda mais o ar de romantismo, escolha pequenas velas e espalhe-as por toda a extensão da mesa ou, se preferir, coloque um castiçal ao centro. Explore ao máximo a iluminação e mantenha as luzes do ambiente em níveis reduzidos, fazendo com que, dessa forma, a luminosidade das velas ganhe maior destaque. C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Outro pequeno detalhe que acaba fazendo uma grande diferença é a decoração do lugar com orquídeas brancas e folhagens. Outra ideia é escolher vasos pretos de modelos e tamanhos diferentes e enfeitá-los com um único ramo de orquídea, bambu e folhagens. Para dar exclusividade ao momento e torná-lo único e especial para o casal, uma rosa pode ser colocada em cada prato e incensos (sempre com fragrâncias bem suaves) podem ser espalhados no local. Depois das dicas, é só aproveitar o agradável instante a dois.

78


81

Arquitetura e Manhattan

De acordo com o arquiteto, serão lançados dois importantes empreendimentos para a empresa: um resort à beira mar e outro apartamento de altíssimo padrão no bairro Guararapes. “Desde o início da parceria, a família Manhattan sempre me inspirou a realizar projetos diferenciados. Isso vem desde os tempos em que eu convivia bastante com meu querido amigo Pedrinho Borges, que tinha uma visão muito vencedora, sempre querendo realizar o melhor a cada empreendimento”.

Processo criativo e parceria sólida Por Marcelo Franco arquiteto

Marcelo Franco afirma que Pedrinho deixou um legado de muitos feitos nos âmbitos pessoal e profissional para todos aqueles que tiveram a oportunidade e o prazer de conviver com ele. O arquiteto afirma, ainda, que todos os projetos elaborados são uma homenagem especial a uma pessoa que também foi muito especial para todos. E ainda completa: “é como se ele tivesse plantado uma semente, que hoje é uma árvore bonita e sólida como a Manhattan. Ele deixou a lição de que uma

Fotos: divulgação

“Eu quero tudo diferente e perfeito”. Foram essas as palavras que Bernardo Barbosa Borges, superintendente da Manhattan, disse ao arquiteto Marcelo Franco ao contratá-lo. “São projetos únicos, inovadores e que estão sendo lapidados a quatro mãos com a diretoria com todo zelo e cuidado”, revelou Bernardo.

80

revista


equipe competente é aquela que sabe o que quer e é determinada a entregar aos seus clientes o melhor que puder”. Para Marcelo Franco, todos os projetos que realiza enquanto arquiteto são estimulados por um processo criativo que leva como ponto fundamental a convivência enquanto homem, pai, marido, amigo e viajante do mundo.

revista


85 Square Garden

FUNDAÇÃO

100,00%

100,00%

ESTRUTURA

ALVENARIA

LOUÇAS E METAIS

ESQUADRIAS

00,00% 9,00%

Manhattan Beach Riviera

00,00%

PINTURA

00,00% 00,00%

ACABAMENTO

00,00%

LIMPEZA

00,00%

100,00%

95,00% 71,38%

ALVENARIA

29,79%

IMPERMEABILIZAÇÃO

3,49%

REVESTIMENTOS

00,00%

ESQUADRIAS

00,00%

INSTALAÇÕES

4,00% 00,00% 11,00%

ACABAMENTO

00,00%

LIMPEZA

00,00%

FUNDAÇÃO

ALVENARIA

100,00% 95,60%

24,00% 2,50%

IMPERMEABILIZAÇÃO

00,00%

REVESTIMENTOS

00,00%

ESQUADRIAS

00,00%

INSTALAÇÕES

00,00%

LOUÇAS E METAIS

00,00%

PINTURA

00,00%

EQUIPAMENTOS ESPECIAIS

00,00%

EQUIPAMENTOS ESPECIAIS

PREPARAÇÃO DO TERRENO

ESTRUTURA

ESTRUTURA

PINTURA

5,00%

Manhattan River Center

5,00%

LIMPEZA

LOUÇAS E METAIS

00,00%

39,00%

ACABAMENTO

FUNDAÇÃO

9,34% 6,33%

8,33%

EQUIPAMENTOS ESPECIAIS

PREPARAÇÃO DO TERRENO

28,63%

LOUÇAS E METAIS

EQUIPAMENTOS ESPECIAIS

75,00%

PINTURA

REVESTIMENTOS

INSTALAÇÕES

20,00%

INSTALAÇÕES

82,00%

IMPERMEABILIZAÇÃO

100,00% 75,00%

ESQUADRIAS

98,00%

100,00% 90,00%

IMPERMEABILIZAÇÃO REVESTIMENTOS

100,00%

ALVENARIA

FUNDAÇÃO ESTRUTURA

Beverly Hills PREPARAÇÃO DO TERRENO

PREPARAÇÃO DO TERRENO

00,00%

ACABAMENTO

00,00%

LIMPEZA

00,00%

Summer Park Los Angeles Condominium PREPARAÇÃO DO TERRENO FUNDAÇÃO

ESTRUTURA

99,00%

ALVENARIA

00,00%

IMPERMEABILIZAÇÃO

00,00%

87,00% 30,00%

00,00% 9,00% 1,00%

INSTALAÇÕES

84

100,00%

REVESTIMENTOS

18,00%

LOUÇAS E METAIS

00,00%

PINTURA

00,00%

EQUIPAMENTOS ESPECIAIS

100,00%

100,00%

ALVENARIA

ESQUADRIAS

FUNDAÇÃO

ESTRUTURA IMPERMEABILIZAÇÃO

PREPARAÇÃO DO TERRENO

00,00%

REVESTIMENTOS

11,00%

00,00%%

ESQUADRIAS

00,00%

INSTALAÇÕES

00,00%%

LOUÇAS E METAIS

00,00%

PINTURA

00,00%

EQUIPAMENTOS ESPECIAIS

ACABAMENTO

00,00%

ACABAMENTO

LIMPEZA

00,00%

LIMPEZA

00,00% 00,00% 00,00%

revista



Revista Manhattan Nº3