Page 1


O JOGO MUDOU.

MAS VOCÊ ESCREVEU AS REGRAS.

Projetados a partir de sugestões de nossos clientes, a John Deere tem o orgulho de apresentar os mais resistentes e mais produtivos equipamentos que já oferecemos ao mercado: nossa nova Série M de Harvesters e Feller Bunchers de esteira. Só de olhar, você já percebe a diferença. Na verdade, nossos equipamentos só estão esperando para demonstrar sua força.


É muito bom poder opinar sobre os produtos, pois somos nós quem passamos nossa vida nesses equipamentos. Essas máquinas representam exatamente o que precisamos e pedimos para desenvolverem. Mark Maenpaa K&M Logging, Inc., Thunder Bay / Ontario - EUA


B. FOREST

2

EXPEDIENTE

Indíce 04

EDITORIAL - Sinal Vermelho

07

ENTREVISTA - Luis Antônio Künzel

14

INCÊNDIO - Apagando o Fogo!

28

COLHEITA - Tecnologia em Prol da Qualidade

42

BIOMASSA - Manutenção Necessária

52

FÓRUM - Fórum de Sustentabilidade e Governança

56

CONGRESSO - XIV World Forestry Congress

60

MERCADO - Análise Mercadológica

68

MOMENTO EMPRESARIAL - Scorpion Tour

72

NOTAS


EXPEDIENTE

78

FOTOS

79

VÍDEOS

3

B. FOREST

“O Brasil pode não estar bem, mas em níveis globais, o setor de celulose vive um período bastante favorável” Diretor geral da Lwarcel Celulose

81

AGENDA

Luis Antônio Künzel

Foto: Divulgação


B. FOREST

4

EXPEDIENTE EDITORIAL

Sinal Vermelho Em momentos de tempo seco e baixa umidade do ar, aumenta a incidência dos incêndios florestais, assim como a intensidade com que eles acontecem e a facilidade de propagação. Geralmente, no Brasil, isso acontece entre os meses julho e setembro. Já existem no mercado diversas tecnologias para combater e controlar as queimadas nas florestas, mas a empregabilidade delas varia de acordo com a região e a intensidade das chamas. Na matéria principal desta edição confira as principais causas e formas de detecção, combate e controle dos incêndios florestais. Outro assunto em destaque é a ergonomia. Empresários e fabricantes identificaram a importância de proporcionar conforto e qualidade para o trabalho do operador florestal. Conheça a opinião de profissionais sobre o assunto e as tecnologias disponíveis. Saiba também a importância de realizar a manutenção de picadores e trituradores de madeira e como essa operação tem sido feita. O entrevistado da edição é Luis Antônio Künzel, diretor geral da Lwarcel Celulose. Ele conta sobre a carreira, os novos investimentos de expansão da Lwarcel e avalia o mercado de celulose e papel. Não perca! Saudações florestais!


EXPEDIENTE

5

B. FOREST

Expediente: Diretor Geral: Dr. Jorge R. Malinovski Diretor de Negócios: Dr. Rafael A. Malinovski Editora: Giovana Massetto Jornalista: Amanda Scandelari Designer Responsável: Vinícius Vilela Financeiro: Jaqueline Mulik

Conselho Técnico: Aires Galhardo (Diretor Florestal da Fibria), Antonio Solano Junior (Gerente de vendas para América do Norte e do Sul da Caterpillar), César Augusto Graeser (Diretor de Operações Florestais da Suzano), Edson Tadeu Iede (Chefe Geral da Embrapa Florestas), Germano Aguiar (Diretor Florestal da Eldorado Brasil), José Totti (Diretor Florestal da Klabin), Lonard dos Santos (Diretor de Vendas da Komatsu Forest), Mário Sant’Anna Junior (Diretor Executivo Floretal da Gerdau), Rodrigo Junqueira (Gerente de Vendas da John Deere Florestal), Sergio da Silveira Borenstain (Diretor Florestal da Veracel), Teemu Raitis (Diretor da Ponsse Latin America).

B.Forest - A Revista 100% Eletrônica do Setor Florestal Edição 12 - Ano 02 - N° 09 - Setembro 2015 Foto de Capa: Caterpillar Malinovski Florestal +55 (41) 3049-7888 Rua Prefeito Angelo Lopes, 1860 - Hugo Lange - Curitiba (PR) – CEP:80040-252 www.malinovski.com.br / comunicacao@malinovski.com.br © 2015 Malinovski Florestal. Todos os Direitos Reservados.


B. FOREST

6

EXPEDIENTE


7

B. FOREST

Foto: Divulgação

ENTREVISTA


B. FOREST

8

ENTREVISTA

Crescimento Promissor Luis Antônio Künzel Diretor Geral da Lwarcel Celulose Luis Antônio Künzel iniciou a vida acadê-

inclusive, a trabalhar como projetista. Mas

mica na engenharia mecânica, mas quan-

depois de alguns colegas me apresentaram

do apresentado ao setor florestal percebeu

o setor florestal, me encantei e nem cheguei

que esse era o caminho que queria seguir.

a terminar engenharia mecânica. Antes

Apaixonado pela área, tem mais de 30 anos

mesmo de entrar na universidade comecei

de experiência em planejamento, logística e

a trabalhar em uma consultoria florestal, o

gerência florestal. Atualmente, Künzel é dire-

que influenciou ainda mais na mudança

tor geral da Lwarcel Celulose e está afrente

da minha carreira. Me formei engenheiro

da maior expansão anunciada pela empresa.

florestal pela UFPR (Universidade Federal do

Com um investimento de R$ 3,5 bilhões, a

Paraná) e trabalho há mais de 30 anos nessa

Lwarcel produzirá um milhão de toneladas

área.

de celulose por ano, ante as 250 mil toneladas produzidas atualmente. Confira a en-

Já trabalhou em várias áreas do setor

trevista exclusiva em que Künzel fala sobre

florestal e ocupou diversos cargos. Que

carreira, o setor de celulose e papel e os in-

experiências você adquiriu nessa trajetória?

vestimentos da Lwarcel.

A maior parte da minha carreira foi em planejamento e controle, mas atuei também

Como começou sua ligação com o setor

em áreas operacionais, de logística, gerência

florestal?

e atualmente sou diretor geral da Lwarcel

Minha vida profissional começou na

Celulose. Com isso, tive o privilégio de

engenharia, mas não na florestal. Comecei

conhecer a cadeia completa do negócio

a cursar mecânica, na UTFPR (Universidade

de celulose. A Lwarcel me proporcionou

Tecnológica Federal do Paraná), e cheguei,

a oportunidade de colocar em prática os


ENTREVISTA

9

B. FOREST

“Investiremos cerca de R$ 3,5 bilhões, sendo que R$ 3 bilhões serão na área industrial” Luis Antônio Künzel

Foto: Divulgação


B. FOREST 10

INCÊNDIO

“A instabilidade pontual que o Brasil vive pode influenciar, retardar e criar alguma dificuldade, mas nossos planos de investimento são maiores que a crise temporária” conhecimentos adquiridos durante a carreira.

uma estagnação e pausa nos investimentos.

Tive autonomia para implementar técnicas

No entanto, a Lwarcel Celulose anunciou

que otimizaram a produtividade e os recursos

em junho um grande investimento em

da região, que são interessantes e favoráveis

Lençóis Paulista. Como a empresa trabalha

ao cultivo de eucalipto. Essa oportunidade

para superar a instabilidade econômica do

fez com que pudéssemos conquistar uma

país?

das maiores produtividades de madeira por

A decisão de fazer investimentos é

hectare. Hoje, colhemos em média 55 m³

muito relevante, afinal estamos falando

por ha/ano. Alta produtividade aliada a boa

de um montante expressivo, e isso não é

infraestrutura da região, topografia suave

decidido da noite para o dia. Essa decisão foi

e estradas de qualidade faz com que nós

embasada em um processo de construção

tenhamos custos bastante competitivos.

e conceitos de projetos. Trabalhamos

Para resumir, acredito que a principal

em longo prazo e não é uma condição

experiência foi ter a chance de colocar em

momentânea que definirá a totalidade do

prática todo o meu conhecimento adquirido

investimento. A instabilidade pontual que o

ao longo da carreira.

Brasil vive pode influenciar, retardar e criar alguma dificuldade, mas nossos planos

Em momentos de instabilidade a tendência é

de investimento são maiores que a crise


ENTREVISTA

11 B. FOREST

temporária. O Brasil pode não estar bem,

o que nos permite fazer a encomenda dos

mas em níveis globais, o setor de celulose

equipamentos.

vive um período bastante favorável.

Cada fase está sendo vencida a seu tempo e agora entramos em um momento

Com esse investimento a empresa passará a

chave: a estruturação financeira do projeto.

produzir 1 milhão de toneladas de celulose

Ela caminha em duas vertentes, uma é

por ano. Qual é o planejamento florestal

voltada para as dívidas, na qual os recursos

necessário para suprir a fábrica?

são adquiridos por empréstimos. A outra é

Investiremos cerca de R$ 3,5 bilhões,

por aporte de capital, que será proveniente

sendo que R$ 3 bilhões serão destinados à

tanto de acionistas já existentes como de

área industrial. Para suprir a fábrica também

novos. Enquanto esta etapa ainda não

teremos que ampliar a área florestal. Para

estiver concluída, não podemos começar

produzir um 1 de toneladas ao ano é preciso

efetivamente a construir a fábrica.

de 80 mil ha de florestas plantadas, desse

A expectativa é que até o segundo

total, até o final de 2015, já chegaremos

semestre do ano que vem a situação

próximos aos 60 mil ha. Nesta etapa, a maior

financeira já esteja bem estruturada para

parte do caminho já foi percorrido, mas

podermos começar a construção. Com a

ainda falta muita coisa.

Pedra Fundamental inaugurada em 2016, a fábrica deve entrar em funcionamento até

Quais foram os passos dados até o momento

2019.

e quais serão os próximos? A expansão foi anunciada este ano, no

A Lwarcel não é a única fábrica de celulose

entanto, já estamos trabalhando nela há mais

que anunciou investimentos e aumento na

de 6 anos com as etapas mais burocráticas.

produção. Quais fatores de competitividade

Em 2012, as licenças ambientais foram

diferenciam a Lwarcel das outras empresas

concluídas e em 2014 fizemos a engenharia

do setor?

básica e todo o detalhamento da fábrica,

O primeiro conceito é que a Lwarcel


B. FOREST

12

ENTREVISTA

está no lugar certo. Comparando aos

O Brasil é referência na produção de

concorrentes brasileiros, somos bastante

celulose e papel. No que o país avançou e o

competitivos.

que ainda precisa ser feito?

Nossas

tecnologias

são

semelhantes às grandes produtoras de

O Brasil é bastante desenvolvido quando

celulose, nosso produto é de qualidade e

o assunto é produção de celulose e papel. As

temos características que nos favorecem:

fábricas são modernas e com tecnologia de

nossa infraestrutura é boa; estamos no

ponta. Um quesito que pode ser melhorado

coração do Estado de São Paulo, uma

é a produtividade florestal. Mesmo ela sendo

região favorável ao plantio de eucalipto;

alta ou tendo alguns com pontos bastante

temos boas rodovias; fácil acesso ao porto

desenvolvidos, na média nem todos têm

de Santos, o que facilita a exportação (foco

boa produtividade.

da nossa expansão). Além disto, temos uma produtividade florestal excelente e uma

Além de diretor geral da Lwarcel, é

distância de transporte de madeira baixa. O

conselheiro da Ibá. De que forma acredita

projeto mostra que, em nossa expansão, o

que as associações contribuem para o

raio médio de transporte vai ficar abaixo de

desenvolvimento do setor florestal?

100 km, o que é uma distância pequena.

A criação da Ibá fortaleceu o setor de

O diferencial do nosso projeto, é que,

forma geral. Pudemos perceber que toda a

embora em uma escala menor, temos

indústria de base florestal passou a ser mais

o mesmo nível de competitividade das

ouvida pelo governo. A representatividade do

grandes empresas. As grandes fábricas têm

setor ficou mais evidente e relevante. Desde

vantagens no aspecto industrial. No entanto,

então, o segmento está mais presente em

o aumento da escala acaba aumentando

todas as instâncias do governo e também

também o custo. Por exemplo, áreas maiores

de forma internacional. A representatividade

de plantio apresentam distâncias maiores

aumenta a interface com outras associações

do projeto, o que aumenta o gasto com

internacionais e isso agrega valor nas áreas

transporte e o custo da madeira.

de desenvolvimento.


B. FOREST

14

INCÊNDIO COLHEITA

Apagando o fogo! Em certas épocas do ano, a incidência de incêndios florestais é maior, por esse motivo é importante saber as causas, formas de prevenir, identificar e combater o fogo. Tecnologias para todas estas etapas já existem, mas infelizmente, a maioria ainda é pouco utilizada no Brasil.


COLHEITA

15 B. FOREST

Foto: Divulgação / Working on Fire


B. FOREST

D

16

INCÊNDIO

e maneira geral, o inverno bra-

cos de incêndio o mais rápido possível

sileiro é a época mais seca do

para que eles não se alastrem e tenham

ano. Entre os meses de julho e

consequências catastróficas. Quatro mé-

setembro, o volume de precipitação e a

todos podem ser utilizados para detecção

umidade relativa do ar são baixos, o que

do início do fogo:

aumenta a ocorrência de incêndios, prin-

• Sistemas baseados em informações de

cipalmente, os florestais. Apontam-se

satélite que avaliam a alteração da tempe-

oito como as principais causas das quei-

ratura das áreas e imagens;

madas no Brasil: raios, incendiários, quei-

• Sistemas baseados sensoriamento re-

mas para limpeza, fumantes, operações

moto, no qual sensores terrestres fazem a

florestais, fogos de recreação, estradas de

detecção de calor, ruídos e técnicas espe-

ferro e outros diversos fatores. Alexandre

cíficas para identificar o fogo. Esses sen-

França Tetto, especialista em prevenção

sores ficam posicionados em pontos es-

e combate a incêndios florestais, mestre

tratégicos no meio ou entorno da floresta.

e doutor em conservação da natureza e

Mas essa tecnologia ainda é incipiente;

professor do curso de engenharia florestal

• Outras tecnologias, como infraverme-

da Universidade Federal do Paraná, expli-

lho, espectrômetro, radar, LIDAR (sigla

ca que essas causas variam bastante - es-

para sensoriamento remoto com laser),

pacial e temporalmente - de acordo com

etc;

as características da região e do relevo.

• Sistemas baseados em vídeo.

“Muito embora, os ‘incendiários’ tenham

O sistema de monitoramento basea-

se destacado como a principal causa em

do em vídeo é o mais utilizado no Brasil e

várias empresas florestais nos últimos

pode ser dividido em dois subgrupos:

anos”, destaca.

Sensores ópticos de propósito genérico

Tecnologia para monitoramento

– utiliza câmeras speed dome, que são

Como a prevenção não é completa-

câmeras comuns como as utilizadas em

mente efetiva é preciso identificar os fo-

monitoramento de cidades. Esse sistema


COLHEITA

17 B. FOREST

Líder Mundial em Manejo Integrado de Fogo Prevenção | Detecção | Despacho e Coordenação | Combate

Detecção: • Detecção automática de incêndios • Disponibilidade 24/7 • Detecção precisa • Geolocalização automática • Rápido combate • Relatórios gerenciais

WORKING ON FIRE DO BRASIL +55 19 3246 1534


B. FOREST

18

INCÊNDIO

envia o sinal captado pela câmera via on-

instantâneas (fotogramas).

das de rádio até uma central, na qual um

No interior da câmera, os fótons captados

operador acompanha o vídeo e procura

pelos sensores são convertidos em eletri-

por sinais de fumaça. “Como a densida-

cidade, digitalizados e transformados em

de da floresta é grande não é possível ver

arquivos de imagem/vídeo e enviados a

o fogo, que muitas vezes se propaga de

uma central para visualização e/ou aná-

forma rasteira e não permite que a chama

lise. Esta última é realizada por compu-

seja captada pela câmera. Então, a procu-

tadores por meio do emprego de algo-

ra por fumaça é a melhor forma de detec-

ritmos matemáticos desenvolvidos para

ção”, explica Luiz César Lemos, especialis-

identificar, por da imagem, a presença de

ta em tecnologias de visão computacional

sinas de fogo nas florestas.

e segurança eletrônica da Wimpex Import.

Luiz explica que, além da qualidade da

Sensores ópticos de propósito específi-

imagem, os sistemas de vídeo (convencio-

co – utiliza câmeras especiais, especifica-

nal e específico) variam na abrangência da

mente desenvolvidas para a identificação

captação. “Os sensores tradicionais abor-

de fumaça e focos de incêndios florestais.

dam 8 km de distância, já os específicos

Normalmente, esse sistema trabalha com

podem ultrapassar os 30 km, dependendo

sensores de imagem de alta definição. Eles

da tecnologia empregada”, detalha.

conseguem detectar a fumaça com maior

Além da rápida detecção do foco de in-

precisão e em maiores distâncias. Uma das

cêndio, Andy Bays, diretor da Working on

tecnologias disponíveis nesse sentido é o

Fire Brasil Ltda, ressalta que o primeiro

FireWatch, um sistema que faz a captação

combate deve ser ágil. Para isso é preciso

de imagens dentro do espectro visível da

que as informações do tamanho do foco

luz (olho humano – 400 a 700 nm) indo

e a localização exata sejam passadas para

até o infravermelho próximo (850/950

a equipe de brigadistas. Andy conta que

nm). Estes sistemas, por meio de câmeras,

a Central de Despacho & Coordenação,

captam imagens contínuas (streams) ou

serviço oferecido pela empresa, foi cria-


COLHEITA

19 B. FOREST

“As técnicas a serem aplicadas devem estar organizadas em um plano de proteção, que melhoram a eficiência da prevenção dos incêndios florestais”

Foto:: Divulgação / Wimpex


B. FOREST 20

INCÊNDIO

da justamente para essas situações. “Ela

incêndio, as brigadas devem atuar rapida-

exerce um papel fundamental para o al-

mente e com segurança. Nesse momento

cance dos melhores resultados no com-

são fundamentais estradas, carreadores e

bate e a máxima redução das perdas com

aceiros bem preparados e limpos. Além

ocorrências de incêndios. As centrais

disso, é imprescindível que os veículos de

controlam o dia a dia de todas as opera-

pronta resposta e os equipamentos este-

ções. Para isto, existem relatórios matinais

jam revisados e prontos para a interven-

diários com o status de todos os recur-

ção.

sos materiais e humanos disponíveis e

O professor Alexandre Tetto conta que,

em prontidão para resposta a uma ocor-

após o planejamento de combate, que

rência”, explica. A Central de Despacho

visa avaliar o comportamento do fogo e

& Coordenação pode ser organizada em

planejar a estratégia de combate, podem

diferentes níveis, por exemplo, em nível

ser utilizados um ou mais dos três méto-

distrital, estadual ou nacional.

dos descritos a seguir, em função da in-

Combate Uma vez detectado e comunicado um

tensidade do fogo: Direto - a linha de controle é cons-

Foto: Divulgação / Working on Fire


COLHEITA

21 B. FOREST


COLHEITA

“Estados como Minas Gerais e Mato Grosso tem uma maior atuação nesse estilo de combate, utilizando aviões agrícolas modificados para combate a incêndios”

Foto:: Divulgação / Working on Fire

B. FOREST 22


INCÊNDIO

23 B. FOREST

truída junto ao incêndio, atuando direta-

este fim. São utilizadas ferramentas ma-

mente sobre as chamas e o combustível

nuais, como enxada, machado, foice, pá-

junto ao fogo. É usado em focos iniciais

-cortadeira, ancinho, McLeod, abafador,

que permitem aproximação para comba-

extintor costal e lança-chamas; equipa-

ter diretamente as chamas;

mentos de bombeamento de água como

Paralelo - a linha de controle é cons-

motobomba portátil, carro-tanque, avião-

truída próxima do incêndio, utilizando

-tanque e helicóptero; e equipamentos

equipamento manual para retirar o com-

pesados como trator com lâmina e mo-

bustível, fazendo-se pequenos aceiros e

toniveladora. Tetto explica que, além dos

esperando que o fogo chegue até eles e

materiais combatentes, os brigadistas de-

diminua a intensidade, de tal modo que

vem utilizar equipamentos de proteção

permita a aproximação para o combate

individual, tais como: capacete, botas, lu-

direto.

vas, lanterna, cantil e caixa de primeiros

Indireto - o incêndio é muito intenso,

socorros.

não possibilitando a aproximação para o

O professor ainda destaca que a água

combate por meio dos métodos anterio-

é o agente mais usado na extinção dos

res. Deve-se estabelecer a linha de con-

incêndios, devido a sua alta capacidade

trole em uma distância segura, de prefe-

de absorção do calor. Além disso, ela é

rência a partir de um obstáculo natural

mais econômica quando disponível, sen-

(rio ou estrada), aumentando-se a largu-

do essencial na operação de rescaldo.

ra dessa linha por meio da construção de

“Sua aplicação deve ser feita na base das

aceiros com equipamento motorizado

chamas, resfriando o material combustí-

(trator ou patrola) e utilizando-se contra-

vel que não está queimando”, indica. Para

-fogo.

aumentar sua eficiência e reduzir a infla-

Entre as tecnologias para o combate

mabilidade da vegetação, podem ser adi-

efetivo aos incêndios florestais existem

cionados retardantes químicos de longa

equipamentos e produtos exclusivos para

duração (fosfato diamônico e sulfato de


B. FOREST 24

INCÊNDIO

amônia) ou de curta duração (LGE: líquido gerador de espuma). A escolha do equipamento para o combate está diretamente relacionada às condições encontradas no local, tais como: pontos de abastecimento de água, tanto para aeronaves, como para motobombas e extintor costal, por exemplo; topografia, que influencia no deslocamento de brigadas e transporte de ferramentas de combate; condições de acesso e distância até o incêndio; tipo de vegetação que está queimando e intensidade do fogo, que permitirá ou não a aproximação para o combate. Para os casos em que é necessária uma rápida resposta, Candido Martins Simões Coelho, gerente nacional de vendas da Guarany Indústria e Comércio Ltda., indica o uso de equipamentos leves para montagens em veículos tipo pick-up. “Eles são capazes de extinguir grandes frentes de fogo, atuando com sistemas para aplicação de água e espuma de baixa expansão, que acabam com o incêndio e inibem a reignição das chamas”, explica. No Brasil e no mundo Mesmo o Brasil sendo referência mundial em florestas plantadas, as estratégias de combate aos incêndios ainda caminham vagarosamente. Candido conta que as tecnologias de combate aéreo são pouco empregadas no Brasil. “Estados como Minas Gerais e Mato Grosso tem uma maior atuação nesse estilo de combate, utilizando aviões agrícolas modificados para combate a incêndios”, completa. Outra tecnologia bastante utilizada em combate, principalmente no exterior, é a adição de espumas e retardantes à água. Mas Andy Bays alerta que, aqui, a utilização destes agentes químicos ainda gera muitas opiniões controversas. Alguns dos países com os maiores problemas de incêndios são: África do Sul, Alemanha, Austrália, Canadá, Chile, Espanha, Estados Unidos e Portugal. Estes países também se destacam por já terem evoluído mais que o Brasil nas formas de combate. Andy conta que, devido ao desenvolvimento econômico e militar, os EUA foram um dos primeiros países a formatar brigadas de combate a incêndios florestais.


INCÊNDIO

25 B. FOREST

O país criou, por exemplo, entre outras organizações, o US Forest Service, uma agência governamental e uma associação de proteção nacional contra incêndios, a chamada NFPA (National Fire Protection Association), a qual possui atualmente uma série de normas utilizadas mundialmente.


B. FOREST 26

COLHEITA


EXPEDIENTE

27 B. FOREST


B. FOREST 28

COLHEITA EXPEDIENTE

Tecnologia em Prol da Qualidade A operação de máquinas florestais é uma atividade extremamente repetitiva. Os operadores executam o mesmo comando milhares de vezes durante a jornada de trabalho. Deslocam o joystick e pressionam o mesmo botão exaustivamente ao longo do turno. Por isso mesmo, os comandos principais das máquinas precisam ser meticulosamente projetados para atenderem essas solicitações. Reduzir a fadiga, minimizar os riscos de acidentes por trabalhos repetitivos e aumentar a produtividade, tem se tornado um dos principais objetivos das empresas e fabricantes de máquinas, que investem na qualidade de vida dos operadores.


EXPEDIENTE

29 B. FOREST

Foto: Divulgação / John Deere


B. FOREST 30

A

COLHEITA

ergonomia é uma ciência que tem

rias significativas.

se mostrado cada vez mais im-

Para José Eduardo Paccola, engenhei-

portante quando se trata do re-

ro mecânico com experiência em desen-

lacionamento entre homem e máquina.

volvimento operacional e qualidade, a im-

Assim como vários recursos que passa-

portância da ergonomia tem relação direta

ram por importantes evoluções ao longo

com a preservação da saúde do homem,

das últimas décadas - motores com maior

isso porque promove a melhor adequação

potência e menos poluentes, sistemas hi-

da máquina às atividades dos operadores.

dráulicos mais eficientes, computadores

“As máquinas atuais têm recursos que au-

que gerenciam e otimizam movimentos e

xiliam as atividades dos operadores e con-

energia visando maior eficiência -, os pos-

tribuem para que a jornada de trabalho

tos de trabalho também ganharam melho-

seja a menos cansativa possível” esclare-

Foto: Divulgação / Tigercat


EXPEDIENTE

31 B. FOREST


B. FOREST 32

COLHEITA

ce. Cansando menos, o operador pode ter

informação; área de visão do operador,

um desempenho mais uniforme ao longo

principalmente para o local predominan-

do turno de trabalho, com benefícios para

te objeto do trabalho (frente no caso de

a saúde e produtividade. “Com menor es-

Harvester e Feller Buncher, lateral no caso

forço físico, o operador adoece menos por

de Forwarder, traseira no caso de Skidder);

problemas ocupacionais e produz mais ao

conforto térmico, acústico, do banco e

longo de sua jornada”, constata.

suas regulagens para os diversos biotipos

Sendo assim, as empresas passaram a

existentes; e posição e altura dos pedais,

selecionar máquinas em que a composi-

quando existirem. Toru Sato, consultor flo-

ção se adequa melhor ao operador, por

restal sênior da Caterpillar Brasil, conta que

consequência as fabricantes precisaram

o desenvolvimento do cockpit precisa se-

se adaptar e proporcionar melhores ex-

guir as normas vigentes a nível global, mas

periências para os profissionais que traba-

também pode ter alterações pontuais para

lham nas máquinas. Para Valdecir Schoe-

atender as necessidades locais de opera-

der, coordenador de assistência técnica da

ção.

Minusa, representante da Logset no Brasil,

Os sistemas de controle, por exemplo,

a produtividade está intimamente associa-

precisam estar localizados de forma ade-

da ao nível de satisfação dos operadores

quada para não interferir na ergonomia.

e isso afeta diretamente a qualidade do

Valdecir explica que, para serem conside-

trabalho e, consequentemente, a produ-

rados bem localizados, os controles de-

tividade. “Interagindo e conhecendo as

vem estar posicionados dentro da área de

principais queixas dos operadores, torna-

alcance que é delimitada pelo semicírculo

-se possível a adoção de medidas ergonô-

de raio igual ao alcance da mão e os con-

micas, com propósito de melhorar a saúde

troles acionados esporadicamente devem

e segurança, bem como promover melhor

estar dentro da área de alcance do braço.

rendimento do trabalho”, afirma.

“Já o posicionamento vertical dos con-

No desenvolvimento do cockpit (posto

troles é definido também em função do

de trabalho) alguns fatores precisam ser

comprimento do braço, sendo que devem

levados em consideração, como o posi-

estar localizados de forma que o operador

cionamento dos comandos e sistemas de

consiga alcançá-los sem sair de sua posi-


Foto: Divulgação / Ponsse

COLHEITA

33 B. FOREST

“O posicionamento vertical dos controles é definido também em função do comprimento do braço, sendo que devem estar localizados de forma que o operador consiga alcançá-los sem sair de sua posição normal”


B. FOREST 34

COLHEITA

ção normal”, complementa.

sobre o joystick, não sendo necessário se-

Paccola completa dizendo que o ta-

gurá-lo pela lateral, isso evita tensões nos

manho da alavanca, a posição dos botões,

músculos e um controle bem mais sincro-

a força necessária para o deslocamento,

nizado das diferentes funções dos equipa-

tem que ser projetado para evitar a fadiga

mentos. Os solavancos, vibrações e movimentos

Essa é a mesma opinião de Elessandro Via-

bruscos que a máquina sofre ao andar em

na, engenheiro de marketing de produto

terrenos irregulares é outro ponto de estu-

da Ponsse Latin América. Para ele, a for-

do das fabricantes. Toru explica que, como

ma de agarre das manoplas de controle é

as máquinas são projetadas para determi-

muito importante, o formato esférico e o

nada função e objetivo, diferentes tecno-

descanso dos braços das máquinas Ponsse

logias são aplicadas e incorporadas para o

permitem que o operador apoie suas mãos

melhor conforto do operador.

Foto: Divulgação / Komatsu

muscular dos dedos e braços do operador.


B. FOREST 36

INCÊNDIO

“As máquinas atuais têm recursos que auxiliam as atividades dos operadores e contribuem para que a jornada de trabalho seja a menos cansativa possível”

Foto: Divulgação / Logset


COLHEITA

37 B. FOREST

Com base em pesquisas, Valdecir con-

ergonomia não é estática. “Ela faz parte

ta que a Logset desenvolveu cabines aco-

do processo de melhoria contínua. Sem-

pladas sobre o chassi e ligadas por coxins

pre teremos itens adicionais incorporados

de amortecimento que diminuem as vi-

acompanhando o desenvolvimento da

brações. “O pneu é outro fator importante

tecnologia disponível para este fim.”

para auxiliar nessa questão, assim como a

Essa também é uma preocupação da

aplicação das correntes flexíveis, quando

Logset. Para isso, foi desenvolvido o TO-

necessário. Outra ferramenta que a Minusa

C-MD, um software que contém disposi-

disponibiliza ao mercado é o treinamento

tivos para auxiliar na segurança do opera-

operacional, no qual o operador aprenderá

dor quando em operação ou manutenção.

técnicas de deslocamento, carregamento,

Ele possui sensor que identifica o estado

descarregamento, manutenção preventiva

da porta, se ela estiver aberta, impede que

para realizar a melhor operação possível,

o operador acione o sistema hidráulico da

aliando produtividade e segurança”, com-

máquina. Além disto, as máquinas contam

pleta.

com: luzes de acompanhamento; sistema

Já as máquinas Ponsse contam com o

de abastecimento; sistemas de câmeras;

Active Frame, sistema que mantém a ca-

banco com suspenção a ar; regulagem da

bine nivelada na vertical e evita os impac-

velocidade da grua; controle de velocida-

tos gerados pelas dificuldades do terreno,

de durante o deslocamento e operação da

como pedras e tocos.

máquina.

A segurança também é um quesito

Elessandro destaca que a linha 2015 da

fundamental para garantir a qualidade da

Ponsse também tem uma série de melho-

operação. Elessandro conta que as máqui-

rias com foco em ergonomia, não só na

nas Ponsse possuem sensores de seguran-

cabine, mas na máquina como um todo.

ça que garantem que a máquina e a grua

São exemplos desta melhoria o levanta-

só se movimentem depois de confirmada

mento automático do capo do motor, fa-

a presença do operador em seu assento,

cilidade de acesso aos pontos de inspeção

isto evita acidentes por movimentos inde-

do líquido refrigerante e nível do óleo, os

sejados na entrada e saída da máquina.

pontos de revisão dos óleos de engrena-

Toru Sato, destaca que a melhoria da

gens e óleo hidráulico estão ao alcance


B. FOREST 38

COLHEITA

das mãos.

do também melhorar os postos de traba-

Esse fácil acesso para serviços de ma-

lho para os mecânicos. Afinal, não basta

nutenção é um ponto importante que

melhorar a qualidade de vida somente do

José Paccola também destaca. Para ele,

operador se, quando estas máquinas ne-

o aumento da potência dos motores e da

cessitarem de reparos, o mecânico de-

capacidade das máquinas, além da pre-

mandar um longo período de tempo em

ocupação com o ajuste no tamanho fí-

seu serviço por trabalhar em espaços cada

sico e design das mesmas está levando

vez mais apertados”, alerta.

a construção de equipamentos cada vez

A tecnologia e as máquinas caminham

mais compactos, em que os espaços para

para um desenvolvimento que prioriza o

a execução dos trabalhos de manutenção

conforto do operador. Isso é importante

têm ficado cada vez mais restritos, dificul-

para que eles não tenham problemas de

tando para os profissionais de manuten-

saúde e aumentem a produtividade, no

ção. “Acredito que o mesmo movimento

entanto é importante não focar somente

iniciado há décadas, visando a melhoria

na operação, mas em tudo o que a envol-

da ergonomia para os operadores, tenha

ve, para que as modificações não prejudi-

que ser reforçado, a partir de agora, visan-

quem a manutenção, por exemplo.

Foto: Divulgação / Tigercat


INCÊNDIO

ESEMPENHO D E Z E T S U B O R MAIS LA PARA DAR AQUE O D U Ç ÃO R P A U S A N A Ç R FO

FELLER 870C

iras e apontados s à condições brasile Totalmente adaptado os equipamentos o segmento florestal, ra pa es çõ op res lho el. como as me r exclusivo - A Tracb eis em seu revendedo nív po dis o tã es at erc Tig ra um consultor e descub Fale hoje mesmo com pr a la su odução. entos podem fazer pe o que esses equipam

R AC B E L T A N É T A C R E IG T

39 B. FOREST


B. FOREST 40

INCÊNDIO

A VERDADEIRA FERA DA COLHEITA

FLORESTAL CHEGOU AO

Para dar as Boas vindas ao harvester Ponsse Scorpion ao país preparamos um tour pelas principais capitais da colheita florestal do Brasil para demonstrar a máquina que revolucionou o mercado com a sua tecnologia e inovação.

CABINE/ VISIBILIDADE A grua C50 se move sobre a cabine e não atrapalha a visibilidade do operador. A grua ainda possui um alcance entre 8,5 a 11 metros.

CONFORTO E ESTABILIDADE A cabine giratória e nivelante esta localizada no centro da máquina sobre um chassis independente. O operador gira sobre o próprio eixo, evitanto o efeito “carrossel”. A ergonomia é a palavara de ordem para o Scorpion, o que garante mais horas de trabalho produtivas.

NIVELAMENTO E ESTABILIZAÇÃO

INTERVALOS MAIORES DE MANUTENÇÃO

A estrutura tripla do chassi oferece baixo ponto de articulação, resultando no melhor conforto possível. todos os chassis oscilam acompanhando o contorno do solo e mantendo a cabine nivelada individualemente.

Os intervalos entre as manutenção programadas foram estendidas para 1.800h, inclusive para os demais modelos Ponsse 2015

PONSSE LATIN AMÉRICA LTDA. R. Joaquim Nabuco, 115 – Vila Nancy / CEP 08735-120 / Mogi das Cruzes / São Paulo


FIQUE LIGADO! Acompanhe e41 saiba detalhes sobre B.mais FOREST INCÊNDIO os eventos do Scorpion tour na página do Facebook da Ponsse Brasil

Facebook.com/ponssebrasil

BRASIL

Made in Vieremä, finland FACILIDADE DE MANUTENÇÃO A máquina foi desenhada para ter pontos de acesso simplificado para os próprios operadores. Eles podem, por exemplo, checar o nível do óleo facilmente, além de acessar outros pontos de manutenção e garantir que tudo está em perfeitas condições.

– Brasil / Tel: +55 11 4795-4600 / Fax: +55 11 4795-4605 / http://www.ponsse.com/pt


B. FOREST 42

INCÊNDIO


INCÊNDIO BIOMASSA

43 B. FOREST

Manutenção Necessária Assim como todas as máquinas, sejam elas de uso florestal ou não, os picadores e trituradores de madeira precisam de manutenção periódica. Essa atividade garante o funcio-

Foto: Divulgação / Morbak

namento e a qualidade do produto final.


B. FOREST 44

O

BIOMASSA

desenvolvimento do setor flo-

alizadas. A manutenção de emergência é

restal e o aumento nas tari-

a que mais deve ser evitada, pois é feita

fas energéticas fizeram com

quando há quebra ou redução na produ-

que picadores e trituradores de madeira

tividade.

passassem a ser utilizados por um maior

Para que as máquinas cheguem a ex-

número de empresas e com mais cons-

celência e durem mais que o esperado,

tância. Além disso, os cavacos continu-

o indicado é a realização de um plane-

am com suas finalidades tradicionais. O

jamento adequado, o que significa fazer

uso mais frequente desses equipamentos

mais manutenções de serviço e preventi-

faz com o desgaste de seus componen-

vas do que as de emergência.

tes seja maior também, nesse momento

Planejamento

a manutenção é essencial para manter o

O planejamento da manutenção nor-

bom funcionamento.

malmente é elaborado de acordo com

Assim como nas máquinas florestais,

a necessidade de cada empresa, tendo

os picadores e trituradores têm três níveis

como base as informações que constam

de manutenção: manutenção de serviço,

no manual de operação e manutenção de

manutenção preventiva e manutenção de

cada equipamento. Dependendo da polí-

emergência ou corretiva. Manutenção de

tica individual de cada empresa, eles re-

serviço, a qual deve ser realizada perio-

forçam alguns itens a serem observados

dicamente, consiste em verificar níveis de

ou incrementam mais itens no planeja-

fluidos, lubrificar e reapertar. Já a manu-

mento da manutenção. “Como reduzir ou

tenção preventiva deve ser realizada ba-

prolongar trocas de óleos de acordo com

seada no funcionamento das máquinas. A

acompanhamentos por meio de análi-

medida que elas são colocadas em ope-

ses, intervenção prematura em alguns

ração deve haver um registro e somatório

componentes que ainda possibilitem re-

das horas trabalhadas que, no momento

cuperação para prolongar vida útil dos

oportuno, é disparada essa informação

mesmos”, exemplifica o departamento de

para que determinadas tarefas constan-

vendas da Komatsu Forest, representante

tes nos planos de manutenção sejam re-

da Morbark no Brasil.


INCÊNDIO

45 B. FOREST


B. FOREST 46

BIOMASSA

“Há uma significativa diminuição da vida útil de componenteschave, como motores e bombas hidráulicas, motores à combustão e conjuntos de corte, que poderiam ser facilmente evitadas se as manutenções fossem seguidas corretamente”

Foto: Divulgação / Vermeer


BIOMASSA

47 B. FOREST

Lucas Zimmer, gerente de ciclo de vida

corretamente, tem grande durabilidade,

da Vermeer, explica que, como fabrican-

como o motor a diesel, bombas e mo-

tes, a empresa possui um programa de

tores hidráulicos, redutores, comandos

manutenções preventivas em intervalos

hidráulicos e partes móveis como articu-

regulares e previamente definidos. “Nor-

lações, rolamentos, cilindros, rolamentos,

malmente, a manutenção começa com

etc. Além destes componentes, Edinei Li-

uma inspeção visual seguida por limpeza,

pinski, técnico em manutenção de tritura-

lubrificação e abastecimento”, determina.

dores da Siebert, acrescenta que esteiras

Na sequência, são seguidas as orienta-

de descarga, quando bem reguladas, têm

ções do fabricante quanto à checagem de

longa duração e, normalmente, não ne-

torques, substituição de fluidos e acom-

cessitam de troca constante. “Eixos com

panhamento de itens de desgaste como

bom acompanhamento e manutenção

facas ou cortadores. “Para que o equipa-

em dia têm alta durabilidade, temos eixos

mento não tenha seu rendimento preju-

com 12 mil horas de funcionamento que

dicado, é imprescindível que estes proce-

ainda não necessitaram de troca”, acres-

dimentos sejam seguidos à risca”, alerta

centa.

Lucas.

Em contrapartida, existem peças que

Os manuais de instrução que acompa-

não podem ter a troca postergada porque

nham as máquinas indicam o momento

seu mau funcionamento danifica par-

em que a manutenção deve ser feita, no

te dos equipamentos, como os filtros de

entanto, como cada uma trabalha com

óleo. “Peças de desgaste contínuo como

materiais diferentes, em terrenos, ambien-

facas, contra facas, suporte das facas, bi-

tes e intensidades diferentes, cada caso

gorna, correntes da mesa de alimenta-

deve ser observado para constatar se os

ção, raspadores, martelos, insertos, etc.

serviços que as mantém funcionando não

precisam ser trocados periodicamente”,

precisam ser feitos antes do previsto.

acrescenta o departamento de vendas da

Como na maioria das máquinas flores-

Komatsu.

tais, os picadores e trituradores têm peças

Mesmo com uma boa manutenção,

que, com uma manutenção executada

Lucas Zimmer, da Vermeer, alerta que


B. FOREST 48

BIOMASSA

nenhum componente deve ser estendi-

Importância da Manutenção

do além do especificado pelo fabrican-

O planejamento da manutenção ade-

te. “Práticas que podem parecer uma

quada de picadores e trituradores tem

economia, como aumentar os intervalos

uma importância evidente. Quando eles

de trocas de óleos, acabam danifican-

não trabalham corretamente existe re-

do os equipamentos. O nível de impu-

dução da produtividade, a qualidade do

rezas cresce exponencialmente em um

cavaco fica prejudicada e acontecem pa-

óleo degradado”. Mas de acordo com ele,

radas indesejadas, o que resulta em pre-

como estes itens são diariamente obser-

juízo financeiro. “Normalmente, ocorrem

vados, há um tempo de percepção de sua

falhas prematuras em componentes vi-

substituição, o que permite que se tenha a

tais. Há uma significativa diminuição da

peça em tempo hábil no local, sem parar

vida útil de componentes-chave, como

o equipamento e prejudicar a operação.

motores e bombas hidráulicas, motores à

Foto: Malinovski Florestal / Gustavo Castro


BIOMASSA

49 B. FOREST

MINUSA com você da compra até a CAPACITAÇÃO dos OPERADORES NA FLORESTA!

maneira preocupa–se de es, A Minusa Forest dimento aos client en at o m co al ci as espe pacitados em su ca os ic cn té do nacional disponibilizan em todo território s da uí rib st di es 23 unidad áquina! próxima da sua m s ai m a us in M a Contate

www.minusa.com.br Entre em contato: Fone: (49) 3226 1000 | florestal@minusa.com.br

S I M P LY B E T T E R


B. FOREST 50

BIOMASSA

combustão e conjuntos de corte, que po-

instável prolongar a vida de picadores e

deriam ser facilmente evitadas se as ma-

trituradores é uma opção bastante ado-

nutenções fossem seguidas corretamen-

tada pelas empresas, mas é importante

te”, alerta Lucas Zimmer.

salientar que para que eles continuem em

A Komatsu acrescenta que quando

pleno funcionamento as operações de

as máquinas quebram é preciso realizar

manutenção devem ser feitas periodica-

a manutenção corretiva, que tem cus-

mente e de acordo com as orientações

to mais elevado que as periódicas. Além

dos fabricantes. Sempre lembrando que

disso, o equipamento fica completamen-

pequenos investimentos em peças no-

te fora de uso e a segurança operacional

vas precisam ser feitos para que não haja

fica comprometida.

prejuízo financeiro e de produção com a

Em épocas em que a economia fica

quebra dos equipamentos.

Foto: Malinovski Florestal / Amanda Scandelari


BIOMASSA

51 B. FOREST


B. FOREST 52

FÓRUM BIOMASSA

Fórum de Sustentabilidade e Governança Profissionais e empresários nacionais e internacionais se reuniram, em Curitiba, a fim de discutir estratégias corporativas inovadoras.

Foto: Divulgação / STCP


FÓRUM

D

53 B. FOREST

iscutir tendências e trazer cases

como conceito na estrutura dos negócios.

de sucesso no âmbito da go-

Assim como em outras edições, quatro

vernança corporativa aplicada à

painéis estruturaram o fórum: Tendências

sustentabilidade nas grandes empresas

em Sustentabilidade e Governança, Sus-

foi a proposta da quarta edição do Fó-

tentabilidade no Agronegócio Brasileiro,

rum Sustentabilidade & Governança – O

Governança para Sustentabilidade e Ca-

Novo Paradigma do Desenvolvimento.

pital Natural. Essas foram as linhas abor-

Voltado a empresários, executivos, ONGs

dadas pelos palestrantes, em sua maioria

e entidades, o evento realizado pela STCP

líderes empresariais, financeiros, acadê-

Engenharia de Projetos e Milano Consul-

micos e do terceiro setor, de renome na-

toria e Planejamento, aconteceu nos dias

cional e internacional.

18 e 19 de agosto, na capital paranaense.

Entre as empresas de base florestal

O evento teve como objetivo provocar o

presentes, um bom exemplo de gover-

empresariado para adoção de novas po-

nança corporativa pautada pela transpa-

líticas ambientais no setor produtivo na-

rência no que tange à sustentabilidade

cional.

foi apresentado pela Fibria. Com claras

Rômulo Lisboa, diretor de desenvol-

definições de funções, independência da

vimento e qualidade da STCP, conta que

administração e prestação de contas, o

o evento atingiu as expectativas mesmo

Comitê de Sustentabilidade da empresa

em um momento econômico complica-

é parte essencial da estrutura organiza-

do. “Conseguimos reunir 200 profissio-

cional e assessora com êxito o Conselho

nais formadores de opinião. Os empresá-

de Administração, auxiliando na definição

rios entenderam que esse é o momento

das estratégias e seus desdobramentos.

de sair do escritório para ver o que está

Como representante da empresa, a

sendo feito no mercado e perceber no

diretora de sustentabilidade e relações

que se pode inovar”, constata. Ele destaca

corporativas, Maria Luiza Pinto e Paiva,

que a edição de 2015 teve representativa

ressaltou que o diálogo é um ponto im-

participação de cooperativas, que estão

prescindível para a sustentabilidade. Ela

começando a colocar a sustentabilidade

acredita que para não perder competitivi-


B. FOREST 54

FÓRUM

dade diante das mudanças mercadológi-

de Cornell. O profissional mantém nível

cas, entre outras estratégias, é necessário

de destaque no cenário econômico inter-

ter um bom relacionamento com a co-

nacional e é um dos expoentes dos mo-

munidade e estabelecer metas em longo

vimentos de empreendedorismo social,

prazo. “Como exemplo, estipulamos uma

sendo um dos fundadores da teoria da

estratégia social que resultou em uma re-

Base da Pirâmide. O evento também teve

dução de 90% do roubo de madeira em

a presença de representantes das empre-

nossa fábrica”, exemplificou Maria Luiza.

sas Raízen, Tetrapak, Granbio, Amaggi e

Além de empresas e palestrantes de re-

Cargill, assim como da ABAG (Associação

nome nacional, o Fórum também contou

Brasileira do Agronegócio), IBGC (Institu-

com a contribuição de nomes internacio-

to Brasileiro de Governança Corporativa),

nais, como Stuart Hart, da Universidade

Forest.

Foto: Divulgação / STCP


BIOMASSA

55 B. FOREST


B. FOREST 56

CONGRESSO BIOMASSA

XIV World Forestry Congress Congresso realizado na África do Sul, discutiu a importância do setor florestal e ações

Foto: Divulgação

para seu progresso.


CONGRESSO

C

57 B. FOREST

erca de 4 mil participantes de 142

congresso, a sustentabilidade das florestas

países se reuniram entre 07 e 11 de

plantadas vai aumentar a resiliência dos

setembro, em Durban (África do

ecossistemas e sociedades e otimizar o pa-

Sul), para o XIV World Forestry Congress.

pel das florestas e das árvores na absorção

Pela primeira vez realizado no continente

e armazenamento de carbono. Com essa

africano, o congresso teve como objetivo

percepção, os participantes afirmaram que

promover as florestas plantadas e a silvi-

será preciso uma parceria, principalmente,

cultura como forma de contribuir para o

entre os setores florestal, de agricultura e

desenvolvimento sustentável do continen-

energia, para que essas atividades cresçam

te. Palestrantes e participantes também ti-

juntas sem prejudicar uma a outra.

veram como meta compartilhar diversos

Brasil

pontos de vista, estipular ações de médio

O Brasil também enviou representantes

e longo prazo e transmitir novas perspecti-

para o World Forestry Congress. Represen-

vas sobre as atividades do setor.

tantes de 120 entidades, entre elas a ABAG

Entre os pontos mais discutidos esteve

(Associação Brasileira do Agronegócio),

a importância da floresta. Os debates con-

Amaggi, Eldorado Brasil e Eucatex, apre-

firmaram que elas são fundamentais para

sentaram a proposta da Coalizão Brasilei-

aumentar a resiliência das comunidades,

ra do Clima, um movimento multissetorial

fornecendo alimentos, energia de madeira,

formado por agentes relacionados ao uso

abrigo, forragem e fibras. Além de geração

da terra no Brasil. O objetivo do grupo é

de renda e emprego para permitir que as

criar uma agenda viável diante das mudan-

comunidades e as sociedades prosperem;

ças climáticas e desenvolver uma econo-

abrigando biodiversidade; e apoiando a

mia de baixo carbono que sirva de modelo.

agricultura sustentável por meio da estabi-

De acordo com o grupo, dois aspectos

lização dos solos e do clima e regulação

florestais característicos do país chamam

dos fluxos de água.

atenção: o desmatamento e a qualidade da

Outro destaque do evento foi a discus-

produção florestal. Para combater o pri-

são sobre a importância das florestas para a

meiro, a coalizão criou um compromisso:

adaptação de mitigação das mudanças cli-

acabar com o desmatamento ilegal.

máticas. Segundo conclusões debatidas no

Um dos principais problemas relaciona-


B. FOREST 58

CONGRESSO

dos ao desmatamento das florestas tropi-

selho deliberativo do Instituto Ethos. O movimento está trabalhando em um

para a degradação das florestas. “Temos

mecanismo de rastreabilidade para a ma-

que consolidar um mercado legal e rastre-

deira. “Ele já existe para o gado e a soja, te-

ável de madeira tropical. Praticamente 80%

mos que aplicá-lo para a madeira”, diz Wa-

do mercado é ilegal ou tem algum tipo de

ack, lembrando que as compras públicas

ilegalidade. O grupo tem o compromisso

de madeira precisam ser feitas na legalida-

de eliminar a madeira ilegal das suas ca-

de. “O governo não pode comprar madeira

deias de produção”, afirma Roberto Waack,

sem rastreamento. E isso tem a ver com a

fundador e presidente do conselho admi-

declaração da presidente Dilma de acabar

nistrativo da Amata S.A. e membro do con-

com o desmatamento ilegal até 2030”.

Foto: Divulgação

cais é o tráfico de madeira, que contribui


BIOMASSA

59 B. FOREST


B. FOREST 60

BIOMASSA MERCADO

Análise Mercadológica Análises da taxa de juros e de câmbio, indíces do preço da madeira em tora e o cenário econômico atual, com tendências para a exportação, são temas do Boletim Mercadológi-

Foto: Divulgação

co desenvolvido pelos profissionais da STCP.


MERCADO

61 B. FOREST

Indicadores Macroeconômicos • Perspectivas Econômicas: As projeções de PIB (Produto Interno Bruto) para 2015 foram revisadas em Set/2015, evidenciando queda ainda maior do que as relatadas nos meses anteriores. Estimativas do BCB (Banco Central do Brasil) indicam retração de -2,55% para o ano em curso. Se confirmado, será o pior resultado em 25 anos. Esta revisão aconteceu após confirmação de que a economia brasileira entrou em recessão técnica (queda do PIB por dois trimestres consecutivos) e o anúncio da perda, pelo país, do grau de investimento da agência de risco Standard & Poor’s. Em 2016, a expectativa do mercado é de retração de -0,6% no PIB. • Inflação: O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) apresentou variação positiva de 0,22% em Ago/2015, valor inferior ao índice do mês anterior (0,62%) e o menor índice para o mês de Agosto desde 2010, quando atingiu 0,04%. O IPCA acumulado entre Jan-Ago é de 7,06%, a maior taxa para o período acumulado desde 2003, quando atingiu 7,22%. Nos últimos 12 meses, o IPCA acumula alta de 9,53%, mais uma vez acima do teto da meta de inflação do BCB, que é 6,5%. Estimativas do BCB apontam para inflação de 9,28% para o ano de 2015. • Taxa de Juros: No início de Set/2015, o Copom (Comitê de Política Monetária) do BCB decidiu manter a taxa Selic em 14,25% ao ano, após sete aumentos consecutivos. No entanto, os juros continuam no maior patamar em nove anos. A aposta do BCB em manter a taxa Selic por um período prolongado em 14,25% ao ano é para tentar controlar o crédito e o consumo, além de trazer a inflação para o centro da meta de 4,5% até o final de 2016. • Taxa de Câmbio: Em Ago/2015 a taxa média cambial fechou em BRL 3,51/USD, resultando em alta de 9,0% em relação à média do mês anterior. Nas primeiras semanas de Set/2015, a taxa atingiu BRL 3,87/USD, fortemente pressionada por preocupações com a economia nacional após o país ter perdido o grau de investimento pela Standard & Poor’s. A desvalorização da moeda brasileira já chegou a cerca de 50% nos últimos 12 meses e de 33% desde o início de 2015. Porém, diante desta desvalorização do Real perante o Dólar Americano e outras moedas, o setor florestal tem ampliado sua participação na exportação de produtos, na tentativa de reduzir as perdas com a retração no mercado interno (ex: MDP, MDF, compensado, e chapa dura).

STCP Engenharia de Projetos Ltda. – Copyright © 2015. Endereço: Rua Euzébio da Motta, 450 - Juvevê - CEP: 80.530-260 - Curitiba/PR Fone: (41) 3252-5861 - www.stcp.com.br – info@stcp.com.br


B. FOREST 62

MERCADO

Índice de preços de madeira em tora no Brasil Índice de Preço Nominal de Toras de Eucalipto e Pinus no Brasil (Base Abr/14 = 100)

Tora de Eucalipto:

Tora de Pinus:

Nota de Sortimentos de Tora: Energia: < 8 cm; Celulose: 8-15 cm; Serraria: 15-25 cm; Laminação: 25-35 cm; e Laminação Especial: > 35 cm. Preços de madeira em tora R$/m³ em pé. Fonte: Banco de Dados STCP e Banco Central do Brasil (IPCA).

STCP Engenharia de Projetos Ltda. – Copyright © 2015. Endereço: Rua Euzébio da Motta, 450 - Juvevê - CEP: 80.530-260 - Curitiba/PR Fone: (41) 3252-5861 - www.stcp.com.br – info@stcp.com.br


BIOMASSA

63 B. FOREST

“Apesar de o setor florestal apostar no mercado externo para manter a competitividade, o compensado brasileiro ainda enfrenta impasse no mercado norte-americano devido ao sistema de restrições dos Estados Unidos”

Foto: Divulgação / www.estivadoresaveiro.blogspot.com.br


B. FOREST 64

MERCADO

Índice de preços de madeira em tora no Brasil Índice de Preço Real de Toras de Eucalipto e Pinus no Brasil (Base Abr/14 = 100)

Tora de Eucalipto:

Tora de Pinus:

Nota de Sortimentos de Tora: Energia: < 8 cm; Celulose: 8-15 cm; Serraria: 16-25 cm; Laminação: 25-35 cm; e Laminação Especial: > 35 cm. Preços de madeira em tora R$/m³ em pé. Fonte: Banco de Dados STCP (atualização bimestral).

STCP Engenharia de Projetos Ltda. – Copyright © 2015. Endereço: Rua Euzébio da Motta, 450 - Juvevê - CEP: 80.530-260 - Curitiba/PR Fone: (41) 3252-5861 - www.stcp.com.br – info@stcp.com.br


MERCADO

65 B. FOREST

• Comentários - Tora de Eucalipto: O atual cenário macroeconômico, que reflete em período de recessão e queda significativa nos índices de consumo das famílias, tem afetado também o nível de produção de produtos madeireiros no país. Consequentemente, há baixo consumo de madeira em tora. Com o aumento de custos de produção (combustível, energia elétrica, mão de obra, etc.), empresas buscam repassar estes custos aos preços de madeira em tora. No entanto, para alguns sortimentos, tal repasse pode não ter sido integral em função da menor atividade econômica em algumas regiões. Este cenário econômico tem levado algumas serrarias não integradas a saírem do mercado ou negociar preço mais baixo com fornecedores de tora visando reduzir custos. Algumas empresas preveem tendência de estabilidade nos preços nos próximos dois anos com possível redução no curto prazo. Ou seja, possibilidade de negociar descontos para alguns sortimentos visando mitigar seus custos elevados. Adicionalmente, observa-se excesso de oferta de madeira fina em algumas regiões, com pressão negativa sobre os preços. O segmento de painéis reconstituídos é tradicionalmente voltado ao mercado interno, com pequena parcela da produção de MDF e MDP exportada. Esta tendência tem se alterado nos últimos oito meses (Jan-Ago/2015) com maior embarque destes produtos. No mesmo período, o Brasil exportou 43,6 mil m³ de MDP e 219,9 mil m³ de MDF, com crescimento respectivo de 55 e 46% em relação ao mesmo período de 2014. Isto evidencia que empresas brasileiras sem tradição nas exportações, têm direcionado parte da sua produção ao comércio internacional, visto que a taxa cambial está mais atrativa a este mercado, além do mercado interno passar por retração e queda no consumo. Com essa reorientação de parte da produção de painéis para o comércio internacional, indústria essa consumidora de tora fina, tem-se auxílio, no

STCP Engenharia de Projetos Ltda. – Copyright © 2015. Endereço: Rua Euzébio da Motta, 450 - Juvevê - CEP: 80.530-260 - Curitiba/PR Fone: (41) 3252-5861 - www.stcp.com.br – info@stcp.com.br


B. FOREST 66

MERCADO

curto-médio prazo, do equilíbrio de oferta e demanda por esse tipo de madeira no mercado. • Comentários - Tora de Pinus: Com a crise, a redução da demanda por madeira em tora atingiu praticamente todos os sortimentos. Devido ao excedente na oferta de tora fina no mercado, o preço praticado pode até inviabilizar a extração em algumas regiões mais afastadas do mercado consumidor. Algumas empresas estão colhendo e transportando apenas toras com diâmetro acima de 14 cm. Estão sendo realizados desbastes em plantios de pinus com manejo para celulose para aumentar o diâmetro no médio prazo, comercializando-se pequena parte destes desbastes. Apesar de o setor florestal apostar no mercado externo para manter a competitividade, o compensado brasileiro ainda enfrenta impasse no mercado norte-americano devido ao sistema de restrições dos Estados Unidos (o principal destino das exportações de compensado de pinus do Brasil). O compensado nacional, produto que está fora do SGP (Sistema Geral de Preferências) dos Estados Unidos, recebe taxa de importação de 8% que os importadores americanos pagam ao governo norte-americano desde 2005, quando o Brasil exportou além da cota até então permitida pelos EUA. Recentemente, a ABIMCI e MDIC uniram esforços para pleitear e submeter ao Governo dos EUA a avaliação de inclusão de produtos dentro do SGP norte-americano, inclusive do compensado brasileiro, para que esse produto possa ser beneficiado com a isenção desta taxa de importação. A liberação desta taxa ao produto nacional poderá estimular sua maior produção e exportação àquele mercado, aumentando ainda mais a demanda por tora grossa.

STCP Engenharia de Projetos Ltda. – Copyright © 2015. Endereço: Rua Euzébio da Motta, 450 - Juvevê - CEP: 80.530-260 - Curitiba/PR Fone: (41) 3252-5861 - www.stcp.com.br – info@stcp.com.br


MERCADO

67 B. FOREST


B. FOREST 68

MOMENTO EMPRESARIAL

Scorpion Tour Nova máquina da Ponsse chega ao Brasil e promete potencializar as operações de desbaste e colheita.

Foto: Divulgação / Ponsse


MOMENTO EMPRESARIAL

69 B. FOREST

Em setembro, o setor florestal brasileiro pôde enfim conhecer o Scorpion. A Ponsse escolheu a fazenda Monte Alegre, localizada em Telêmaco Borba (PR) e pertencente à Klabin, para dar início ao Scoprion Tour. Cerca de 50 profissionais do setor florestal, desde operadores até a imprensa, e funcionários da Klabin estiveram presentes para ver a máquina em funcionamento na operação de desbaste em pinus. O evento começou com uma breve introdução sobre a máquina e as técnicas de manutenção, seguida pela tão esperada demonstração. A operação foi realizada por Arto Kämäräinen, user trainer da Ponsse, que esteve presente no desenvolvimento do Scorpion desde sua concepção, na Finlândia. E como a grande expectativa do setor é ver a máquina em operação, a Revista B.Forest, acompanhou o lançamento e captou imagens exclusivas do Scorpion.

Scorpion no Brasil No mundo, mais de 100 Scorpions já estão em operação, enquanto a máquina em exibição na Klabin é a primeira da América Latina. “O mercado brasileiro é muito importante para a Ponsse e as empresas estão nos descobrindo. Esse processo


B. FOREST 70

MOMENTO EMPRESARIAL

já ocorreu em outros países e agora é a

cas técnicas, mudará a forma de realizar

vez do Brasil, que se consolidou como

o desbaste. Durante a demonstração foi

uma potência florestal”, salientou Te-

possível perceber que as oito rodas faci-

emu Raitis, diretor geral da Ponsse Latin

litam o movimento e equilibram a distri-

América.

buição de peso da máquina, o que dimi-

O Scorpion é uma máquina florestal

nui a pressão no solo. A grua C50 com

projetada para potencializar operações

lança do garfo exclusiva tem geometria

de corte raso e desbaste, além de ter

diferenciada e alcance de até 11 metros,

fácil manutenção e elevar a produtivi-

o que facilita a operação de desbaste.

dade nas operações. Por suas caracte-

Outro ponto perceptível no Harvester

rísticas, Temu acredita que o Scorpion é

é a preocupação com a ergonomia. O

uma grande oportunidade para ampliar

chassi é equipado com duas juntas ro-

a atuação da Ponsse no mercado flores-

tativas que seguem os desníveis do ter-

tal brasileiro.

reno, além de ter um sistema de estabi-

Dia de Campo

lização que monitora a posição da grua

Diego Pires Guio, funcionário da

e pressiona continuamente o chassi tra-

Klabin, também esteve presente no

seiro na direção do peso, proporcionan-

dia de campo e nos contou que ficou

do estabilidade.

impressionado ao ver a máquina em

Quando posta em operação por um

funcionamento. “Pelo que pude ver,

profissional capacitado, o Scorpion exe-

o Scorpion tem um potencial imenso

cuta atividades em períodos menores

para as operações florestais em termos

e eleva a produtividade das empresas.

de tecnologia, ergonomia e produção”,

Além disso, segundo Teemu, a visibili-

destacou.

dade que o operador possui dentro do

Wagner Pires Cavalcanti, gerente de

Harvester facilita a execução dos traba-

serviços da Ponsse Latin América, en-

lhos, tanto em áreas planas quanto em

tende que a demonstração realizada foi

declives.

interessante para todos os presentes que

De acordo com a Ponsse, o Scorpion

puderam aprender mais sobre o setor e

fará um tour pelo Brasil nos próximos

as operações de colheita e desbaste.

seis meses e na sequência segue rumo

Produtividade A Ponsse afirma que o Scorpion é uma máquina que, por suas característi-

ao Uruguai para mais demonstrações. Para mais informações acesse: www.ponsse.com


MOMENTO EMPRESARIAL

71 B. FOREST

“O Scorpion tem um potencial imenso para as operações florestais em termos de tecnologia, ergonomia e produção” Foto: Malinovski Florestal / Amanda Scandelari


B. FOREST 72

NOTAS

3° Encontro Painel Florestal de Executivos De uma muda de 50 centavos a um equipamento de 2 milhões de reais. Como o momento político-econômico atual impacta na cadeia produtiva do setor florestal e quais são os entraves que precisam ser vencidos? A situação atual de consumo de madeira, a falta de estatísticas e a elaboração do Plano Nacional de Florestas Plantadas pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) serão temas debatidos no 3° Encontro Painel Florestal de Executivos, que acontecerá na sede da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, em Brasília, no próximo dia 28 de outubro. O evento, coordenado e promovido pela Painel Florestal, terá a presença da Frente Parlamentar de Apoio a Silvcultura, presidida pelo deputado federal Newton Cardoso Junior (PMDB-MG) que está articulando com a ministra Kátia Abreu, titular do MAPA, a palestra de encerramento. A programação completa está disponível no site oficial do evento, onde também é possível fazer a inscrição. Mais informações: www.executivosflorestais.com.br


NOTAS

73 B. FOREST


B. FOREST 74

FÓRUM

Software para manejo Interessados em plantios florestais com fins econômicos agora podem ter acesso gratuito aos softwares de manejo de precisão e análise econômica de florestas plantadas, com modelagem de crescimento e produção. Desenvolvidos desde a década de 1980 pela Embrapa Florestas (PR), e em uso por mais de 300 empresas, as versões básicas da Família SIS estão disponíveis para acesso no Portal da Embrapa. Os softwares da Família SIS são simuladores para manejo, análise econômica, modelagem e de crescimento e produção de florestas plantadas utilizados para auxiliar no planejamento dos desbastes. Para operacionalizar os simuladores, o usuário fornece os dados de inventário da floresta e os programas preveem o crescimento das árvores e a produção, indicando a quantidade de madeira que a floresta produz, em qualquer idade, além de também simular desbastes e testar qualquer regime de manejo que se deseja aplicar nos povoamentos. Para ter acesso aos softwares acesse: www.embrapa.br/softwares-florestais


NOTAS

75 B. FOREST

BiomassaWorld O setor de biomassa conta com um novo portal. O BiomassaWorld, laçado recentemente, apresenta as mais recentes notícias do segmento, calendário completo dos próximos eventos, vídeos, guia de compras, artigos técnicos, vagas de emprego e o contato de consultores especialistas nas áreas que envolvem a biomassa. Para conhecer mais acesse: www.biomassaworld.com.br


B. FOREST 76

NOTAS

Trajeto seguro A MAN lançou um novo sistema de trava de emergência para melhorar a segurança dos caminhões na estrada. O sistema utiliza sensores de radar no para-choque e câmeras no para-brisa para analisar a estrada à frente. Esta fusão de sensores permite que o sistema consiga interpretar diversas situações na estrada. Veículos andando à frente e obstruções podem ser identificados mais rapidamente e com maior precisão. Assim, o sistema ganha tempo para iniciar a travagem de emergência se necessário. O sistema de travagem de emergência segue o princípio de que o motorista deve estar sempre no controle. Isso permite ao motorista anular o sistema de travagem de emergência quando há um aviso ou mesmo quando a frenagem de emergência já está em andamento. O motorista pode usar o acelerador ou freio ou operar o indicador para começar a mudar de faixa e, desta forma cancelar o aviso ou abortar frenagem automática. Ainda não foi divulgado quando essa tecnologia chegará ao Brasil. Mais informações: www.corporate.man.eu


NOTAS

77 B. FOREST

Monitoramento contra fadiga Danos materiais, o aumento da queima de combustível e o desgaste dos pneus têm sido creditados a operadores cansados ou distraídos. Por isso, a CAT lançou um serviço de monitoramento de operador para ajudar a gerenciar o fator humano na operação. As tecnologias de segurança In-Cab e Wearable proporcionam aos clientes visibilidade tanto informações da máquina quanto do operador. Para completar, o centro de monitoramento 24 horas da Caterpillar contém analistas que correlacionam dados sobre a saúde e a produtividade dos operadores florestais para revelar se o operador apresenta fadiga e distração e os impactos sobre as operações. Ainda não foi divulgado quando essa tecnologia chegará ao Brasil. Para mais informações: www.cat.com

Foto: Divulgação / Caterpillar


FOTOS

78 B. FOREST


B. FOREST 79

Vテ好EOS

Vテ好EOS

79 B. FOREST


B. FOREST 80

Vテ好EOS

Vテ好EOS

80 B. FOREST


AGENDA

81 B. FOREST

2015

SET

23

SETEMBRO Florestar 2015 Quando: 23 e 24 de setembro de 2015 Onde: Cuiabá (MT) Informações: https://eventioz.com.br/e/florestar-2015-11-encontro-de-reflorestadores-no-e

2015

OUT

04

OUTUBRO 48th International Symposium on Forestry Mechanization Quando: 04 a 08 de Outubro de 2015 Onde: Linz (Áustria). Informações: www.formec.org

2015

OUT

OUTUBRO Austrofoma

06

Quando: 06 a 08 de Outubro de 2015 Onde: Hochficht (Áustria). Informações: www.austrofoma.at

2015

OUT

06 2015

OUT

22

OUTUBRO V Congresso Florestal Paranaense Quando: 06 a 08 de Outubro de 2015 Onde: Curitiba (PR). Informações: www.apreflorestas.com.br

OUTUBRO 5° Curso de Aperfeiçoamento Técnico em Gestão de Manutenção de Máquinas Florestais Quando: 22 e 23 de Outubro de 2015 Onde: Curitiba (PR). Informações: www.malinovski.com.br


B. FOREST 82 2015

NOV

AGENDA

OUTUBRO 3° Encontro Painel Florestal de Executivos

06 2015

NOV

Quando: 28 de Outubro de 2015 Onde: Brasília (DF). Informações: www.executivosflorestais.com.br

NOVEMBRO Expocorma 2015

18 2016

NOV

Quando: 18 a 20 de Novembro de 2015 Onde: Concepción (Chile). Informações: www.expocorma.cl

MARÇO Encontro Brasileiro de Energia da Madeira

06 2016

MAR

09

Quando: 07 e 08 de Março de 2016 Onde: Curitiba (PR). Informações: www.energiadamadeira.com.br

MARÇO Lignum Brasil e 2° Expomadeira & Construção. Feiras do Setor Madeireiro. Quando: 09 a 11 de Março de 2016 Onde: Curitiba (PR). Informações: www.lignumbrasil.com.br


AGENDA

83 B. FOREST


B. FOREST 84

AGENDA

B.Forest A Revista Eletrônica do Setor Florestal - Edição 12 - Ano 02 - n° 09 - 2015  

B.Forest - Edição 12 / Ergonomia - Garantia de Conforto Operacional e Alta Produtividade.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you