Page 1

Saúde & Bem Estar Entrevistas

Quem faz Portugal Psicologia

Inteligência Emocional

20 CONSELHOS para um inverno saudável

Bebé Saudável 6 receitas FÁCEIS E NUTRITIVAS

Moda Inverno Colorido


... porque a + saúde é + você! + Quem faz Portugal Entrevistas .............. p37

+ Saúde

Varizes dos Membros Inferiores ........................ p6 Estou grávida, passe a salada por favor! ......... p10 O tabaco reflecte-se no espelho ....................... p12 Anti-Aging .................... g16 20 conselhos para um inverno saudável ......... p20 Eye Care ...................... p22

+ Psicologia

+ Nutrição

Inteligência Emocional ................... p24 Semelhanças e Coincidências ............. p27 Chá de Saúde ............. p28 Bebé Saudável - 6 Receitas fáceis e nutritivas ........ p30

+ Moda

Inverno Colorido .......... p34

+ Ensino Ensino Saudável ...... p50

+ Saúde Animal O espectáculo mais triste do mundo ................ p52

+ Ambiente Produtos Ecologicamente Correctos ................. p56

+ Astrologia As características dos Signos ....................... p58

+ Teste Teste o seu nível de stress ........... p60

+ Receitas Saudáveis Peru recheado e Bolo de cenoura ........ p64


Estalagem Muchaxo HHHHH

Venha desfrutar do agradável piano de

Ema Lee e José Roberto Araújo aos fins de semana Praia do Guincho, 2750-642 CASCAIS Tels: (+351) 214 870 221 / 214 870 342 / 214 870 093 Email: info@muchaxo.com


Inês Serra Lopes Directora

A última curva

T

enho 45 anos. Estarei naquela fase da vida a que costumava chamar-se “meia idade”…?

E, se for verdade que a minha geração já entrou na meia idade (sem que tivéssemos sequer dado por isso - penso que falo por todos…), quando começará a terceira idade? E a quarta? Não há reconhecimento oficial de data, estatuto ou prérequisitos para entrar na quartaidade? Connosco ocupados a tratar de filhos e netos, quem tratará dos nossos bisavós? A Vera, do alto dos seus 16 anos, fez um trabalho para o liceu sobre isso mesmo, sobre a quarta idade. Com a devida vénia, roubei-lhe o magnífico título para este editorial: “a última curva”. Vivemos num mundo que continua despreparado para enfrentar a sua própria mutação. Estamos sempre demasiado atrás. Ou demasiado à frente - quando a lei se precipita e regula coisas que ainda não fazem parte dos nossos quotidianos. Relativamente à dita quarta idade,

é notório o nosso atraso. Como sociedade, não estamos organizados, em Portugal, para enfrentar uma realidade: os nossos familiares vão viver até aos 85 ou 90 anos. O que é, actualmente, o normal. Estaremos preparados para isso? O aumento generalizado da esperança de vida, sobretudo nas democracias ocidentais, é hoje um dado adquirido. Segundo as Nações Unidas, há vários países no Ocidente, onde se incluem a Espanha e Portugal onde a esperança média de vida é superior a 80 anos. Não por acaso, até a idade da reforma já foi “adiada”. Na prática, isto significa que vamos ter muito mais bisavós. E que talvez tenhamos que redistribuir papeis na sociedade. Os avós a trabalharem até mais tarde. Os bisavós a tomarem conta dos netos. E, quem, por sua vez, tratará dos bisavós…? A Rita dizia, pequenina, que só eram “velhinhas” as pessoas que tinham a cara cheia de “riscos”. Tem razão. A cara e o resto – que uma das coisas que levamos desta vida são os riscos que escolhemos correr. Estamos a ficar habituados a

aproveitar, cada vez até mais tarde, a experiência dos velhinhos, que há poucas décadas estariam “reformados”. Os nossos pais continuam a trabalhar, por vezes até aos setenta e muitos, oitenta anos. O problema não está aí. O problema está nos outros. Naquela camada de população que está de facto reformada e que não tem condições económicas e mesmo sociais para continuar a ter uma vida condigna por mais 15 ou 20 anos. Alguma coisa tem sido feita, sobretudo pela igreja e pela sociedade civil. Há umas quantas associações que promovem, ajudam e protegem a quarta idade. Porque nós, as suas famílias, não estamos preparados. Porque, despejando os parentes em lares ou hospitais, ainda nem sequer assumimos que a questão existe. Há um mínimo. E esse mínimo consiste em tentarmos fazer com que a última curva seja tão boa e tão bem vivida quanto todas as outras. Inês Serra Lopes


Edição Nogueira&Cagnin Lda Direcção Inês Serra Lopes Redacção Textos de: Inês Serra Lopes Manuel Sanches Silvia Souza Fernando Borba Gouveia Alexandra Lamas Fernando Arrobas e redacção + saúde Coordenação de Fotografia Tribo Talentosa Produção e Desenvolvimento Nogueira&Cagnin Tribo Talentosa A.C.S.N.L.C.C.

Distribuição Gratuíta

Marketing e Publicidade + saúde magazine maissaude.comercial@gmail.com Design all about it Tribo Talentosa EstudioLivre Capa Tribo Talentosa Consultor Jurídico Dr. António Novais Impressão e Acabamento Gazela Artes Gráficas Dep. Legal 250681/06 Periodicidade Mensal

Agradecimentos A todos os que colaboram para a saúde do nosso país. A todos os que colaboraram no desenvolvimento e na evolução deste projecto. Aos que nos acompanharam durante o ano de 2008 e aos que nos acompanharão em 2009! À Verónica Nogueira, pelo amor e inspiração. Toda a correspondência deve dirigir-se à + saúde magazine Avenida 25 de Abril, 672 - 4D 2750-511 Cascais maissaude.magazine@gmail.com © + saúde magazine - Os trabalhos literários e gráficos concebidos para esta revista são de propriedade da empresa editora, sendo proibida qualquer reprodução sem a sua autorização prévia.


Fernando Borba Gouveia Cirurgião Geral

Consultório Médico-Cirúrgico

A insuficiência venosa dos membros inferiores, mais conhecida por varizes, é um problema de saúde com uma elevada incidência na população em geral e com impacto na saúde pública, tanto pelo elevado número de pessoas afectadas como pelas repercussões que isso acarreta: elevados gastos em cuidados de saúde e em absentismo laboral.

A

s varizes são veias dilatadas que se vão estabelecendo como consequência de uma incompetência do sistema valvular venoso de uma forma progressiva e sem regressão possí possível. As veias mais susceptíveis a essa deterioração são as veias dos membros inferiores, principalmente pela nossa posição em ortostatismo e pela acção da gravidade. As veias têm como função tornar possível o retorno do sangue até ao coração. Essa é a circulação venosa, que nos membros inferiores se faz contra a força da gravidade. Para facilitar esse retorno venoso o organismo recorre ao sistema de válvulas venosas, que impede que o sangue reflua em sentido contrário; ao sistema de bomba plantar que bombeia o sangue através das veias de cada vez que pisamos o chão, e ao sistema de bomba muscular resultante da contracção muscular que ocorre quando caminhamos e que bombeia o sangue no seu trajecto de retorno ao coração. Apesar desses inteligentes sistemas que tentam impedir o refluxo de sangue pelas veias, quando um ou mais desses sistemas se torna incompetente, o sangue vai-se acumulando nas veias, tornando-as mais dilatadas e tortuosas. Surgem então as varizes, cuja evolução natural será o agravamento progressivo.

E quem são as pessoas mais susceptíveis de ter varizes? As varizes são mais frequentes à medida que a idade avança, sendo raras antes dos 30 anos. As mulheres são mais frequentemente afectadas por razões hormonais. A hereditariedade, com uma história familiar de varizes é um factor que aumenta muito o risco de adquirir a doença. A obesidade é outro factor importante, uma vez que há um aumento de pressão sobre as veias, dificultando assim o retorno venoso. A exposição prolongada a temperaturas elevadas favorece a dilatação das veias. O tabagismo tem influência na deterioração da parede das veias. Durante a gravidez a mulher fica também mais susceptível à formação de varizes. O sedentarismo pode ser um factor determinante no aparecimento das varizes, uma vez que falha o mecanismo de bomba muscular precipitado pela marcha. A anti-concepção oral (pílula), por alterar o ambiente hormonal, provou-se ser outro factor contribuinte para o aparecimento da insuficiência venosa. Para além do compromisso estético que constituem as varizes, muitas outras queixas e complicações levam os doentes ao consultório médico. As queixas mais frequentes são as pernas cansadas e a sensação de peso, o edema dos membros inferiores, o prurido, alteração da coloração da pele com lesões de

6

tonalidade mais escura na parte distal dos membros. As complicações mais frequentes são as flebites e as flebotromboses, que resultam da formação de um coágulo no interior da veia do sistema venoso superficial e profundo respectivamente, as embolias provenientes de flebotromboses, rotura de varizes com hemorragia, eczema, dermatite e as temíveis úlceras venosas crónicas que são feridas crónicas, de cicatrização difícil, mais comuns no terço distal dos membros inferiores. Todas estas queixas e complicações são responsáveis por uma diminuição da qualidade de vida das pessoas com elevados índices de absentismo laboral e consumo de cuidados de saúde como consultas e tratamentos.

E como é feito o diagnóstico de insuficiência venosa dos membros inferiores? Muitas vezes o diagnóstico é evidente com a observação de veias dilatadas e tortuosas nos membros, com ou sem lesões associadas da pele.


Mas, mesmo nesse casos não se deve dispensar o estudo complementar com angiodinografia venosa, mais conhecido como EcoDoppler venoso. Esse exame, parecido com uma ecografia, vai visualizar o sistema venoso superficial e o trajecto do sangue dentro das veias, detectando com elevada acuidade refluxos de sangue que traduzem o grau de insuficiência venosa. O sistema venoso superficial dos membros inferiores é constituído pelas veias safenas internas e exter externas, uma de cada em cada membro e são as principais veias acometidas pela insuficiência venosa e sobre as quais incide o tratamento cirúrgico. É importante salientar que não são raras as situações em que as varizes não são evidentes à observação clínica, mas em que são facilmente diagnosticadas quando se realiza o EcoDoppler venoso. Essa situação é vulgar e erradamente designada como “varizes internas”.

Que tratamentos existem para as varizes? Uma vez feito o diagnóstico de insuficiência venosa dos membros inferiores, e se não houver contraindicação, o tratamento deverá ser cirúrgico. Claro que devem ser ponderados inúmeros factores como a idade, comorbilidades e o risco anestésico ou cirúrgico. O tratamento cirúrgico impõem-se porque é o único tratamento eficaz na resolução das queixas e prevenção das complicações. Este consiste

na remoção das veias “doentes” sob anestesia geral ou loco-regional. Para além da cirurgia clássica, mais recentemente surgiu o tratamento por laser endovenoso que consiste na destruição pelo calor das veias comprometidas através da introdução de um cateter laser no interior dessas veias. Quando está contra-indicado o tratamento cirúrgico devem promover-se medidas que atrasem a evolução da doença como o uso de meias elásticas, dormir com os membros inferiores mais elevados, incentivar a marcha e evitar exposição prolongada ao calor. Outra situação que deve ser tratra tada à parte são as telangiectasias telangiectasias, vulgarmente conhecidas por “der “derrames”. São minúsculas ramificaramifica ções vasculares, de coloração aver avermelhada ou roxeada, localizadas na derme, e com um compromisso fundamentalmente estético. O tratamento dessas situações pode ser feito por escleroterapia química, comummente conhecido por “secagem”, e que consiste na injecção intravascular de um álcoálco ol que vai provocar uma irritação química e sua consequente destruidestrui ção; ou por laserterapia que tem o mesmo princípio mas através da utilização de laser mas que não se deve confundir com o tratamento endovenoso de varizes por laser. Estes tratamentos não são defidefi nitivos e exigem a repetição dos mesmos sempre que surjam mais “derrames” e a sua finalidade é funfun damentalmente estética.

Em conclusão: a insuficiência venosa é uma doença crónica, de evolução progressiva, que afecta um elevadíssimo número de pessoas, responsável por uma importante diminuição da qualidade de vida dos doentes e consumo de cuidados de saúde; pode levar a graves complicações e uma vez diagnosticado deve ser prontamente tratado, preferencialmente por via cirúrgica. O diagnóstico desta patologia deve estar ao alcance do médico assistente que, atento às queixas do doente e à sua observação deverá pedir e realização de uma angiodinografia venosa que confirmará o diagnóstico. Nessa altura, então, o doente deve ser encaminhado para uma consulta de especialidade, cirurgia vascular ou cirurgia geral, que ponderando os riscos determinará qual o tratamento indicado.

7

Varizes dos Membros Inferiores


Consultoria e Projectos de Golf, Lda - Rua de São Felix, 37 2ºesq, Lisboa - E-mail: geral@allforgolf.pt - Telefone: +351 968 497 184

Jogue Golfe em casa Pode-se ter uma piscina em casa, uma mesa de snooker, um pequeno ginásio ou até mesmo um court de ténis, mas… para um jogador de Golfe o ideal seria ter no seu jardim um excelente Putting Green para praticar e a all4golf pode concretizar esse seu desejo. Sendo parceiros exclusivos para Portugal da Southwest Greens, a empresa líder mundial em design, comércio e instalação de Greens Sintéticos, a all4golf pode desenhar um green que lhe possibilite qualquer tipo de pancada a qualquer distância. Podemos também controlar a velocidade da superfície, desde dos 10 no stimp meter dos melhores clubes de golfe até aos 14 no stimp meter que se observam nos greens do PGA Tour. Na all4golf elevamos o seu green a um nível superior com orlas naturais,áreas de chip, roughs, tees, bunkers de areia ou relva. O que nos coloca um passo à frente de todos, é o nosso conhecimento profundo do produto, capacidade de design e instalação de qualidade. Para além disso, usamos as melhores relvas existentes no mercado, as EnvyLawnTM, produzidas para simular a aparência e sensação de relva natural. Com manutenção mínima você, a sua família e amigos podem aproveitar o tempo apenas a desfrutar de uma partida de golfe no seu próprio jardim, num green com a dimensão que desejar, sendo que: * Não necessitam de rega, cortes, químicos ou fertilizantes; * Inexistência de água estagnada que atraía insectos; * Seguro para animais e crianças, sem alergias, comichões .e espirros; * Resistente à descoloração provocada pelo Sol, aguenta facilmente, condições extremas de secura, tempo húmido e precipitação. * Resistente ao intenso pisoteio; * Incorpora na sua composição materiais reciclados * Livre de metais pesados. * Tem uma garantia de 5 anos, prova de que a nossa relva foi feita para durar. Seja qual for o tamanho do green e modelação a efectuar, nós instalamo-lo. Consideramos as suas necessidades e trabalhamos consigo para criar o green perfeito e solução paisagística que melhor se adapta ao seu estilo. Mesmo depois de concluído o trabalho continuaremos presentes assumindo o compromisso de garantir a sua satisfação e ajudando na manutenção do seu investimento. E tudo pode começar nuns meros 4,900.00 € (IVA não incluído),chave na mão. Nós executamos a obra, saímos e você começa a jogar. www.allforgolf.pt


..estou grávida, passe a salada por favor!

A

A

gravidez

uma

de ter problemas durante a gestação.

fisiológica

Daí em diante, a rotina é bem

por

isso

semelhante: a cada consulta, verifica-

não se vai sentir doente, vai sentir-

se o peso e a pressão arterial da mãe,

se diferente, devido às mudanças,

o tamanho da barriga, a auscultação

não só do seu corpo, mas de

dos

toda a sua vida. A gravidez deve

feto (dependendo do tempo de

ser encarada como uma etapa de

gestação) e qualquer outra queixa

desenvolvimento e um fenómeno

que a mãe possa apresentar.

situação normal

e

é

batimentos

cardíacos

do

de interacção permanente entre pais e filhos. A primeira providência é procurar o obstetra e fazer um conjunto de exames para iniciar o seu prénatal. Se já tem um médico da sua confiança, óptimo, se não tem um, converse com as suas amigas que já tiveram filhos, que podem darlhe algumas indicações. É muito importante que se identifique, goste e, sobretudo, confie no obstetra que escolheu para cuidar de si e do seu futuro bebé. A construção de um vínculo positivo é fundamental para um bom acompanhamento prénatal. Na primeira consulta, o médico faz um um exame completo da gestante com um levantamento detalhado do histórico de saúde da mãe e da família, incluindo perguntas sobre o marido e antecedentes de doenças genéticas para saber se a mulher tem mais ou menos probabilidades

Não se assuste com a quantidade

Calendário básico de exames da rotina pré-natal: 1º consulta: repetir os exames préconcepcionais, acrescido do teste de Coombs indirecto (caso a mãe seja RH negativo) e da cultura de urina. Rotina do 2º trimestre: hemograma completo, VDRL (teste da sífilis), teste anti-HIV, hepatite B, toxoplasmose, rubéola e citomegalovírus (se a mãe não for imune). Entre as 24 e as 28 semanas, é solicitado o Teste Oral de Tolerância à Glicose Simplificado (TOTGS) que avalia se a mulher tem mais probabilidades de desenvolver o Diabetes Gestacional. Rotina do 3º trimestre: hemograma completo, VDRL, teste anti-HIV, hepatite B, toxoplasmose, rubéola e citomegalovírus (se a mãe não for imune), exames de urina incluindo a cultura. Com 34 semanas, é recomendada a colecta de material para testar a presença do Streptococcus β hemólitico do grupo A na secreção do colo do útero da mãe. Quando presente, essa bactéria pode aumentar as probabilidades de um parto prematuro e os riscos de graves infecções no bebé após o nascimento.

10

de exames solicitada na primeira consulta. De uma forma geral, a grávida faz uma bateria de exames de sangue de rotina para cada trimestre de gestação e outros exames

importantes,

buscando

rastrear doenças genéticas e outras que podem se desenvolver durante a

gravidez, como

o

Diabetes

Gestacional. A saúde do seu filho depende acima de tudo da sua saúde. A responsabilidade que tem com o seu organismo implica obrigatoriamente uma prevenção eficaz para o bemestar do seu bebé. Portanto, faça os exames médicos e analise com cuidado o diagnóstico que o médico lhe apresenta. Se achar necessário, peça uma segunda opinião. Os problemas ligados à concepção e à gestação nem sempre surgem, mas em algumas situações podem fazerse sentir inesperadamente.


O teste deu positivo. A primeira emoção é a alegria mas quando se cai na realidade e a ansiedade começa a aparecer, com ela vêm as dúvidas, a angústia e a confusão. A ambivalência entre sentir-se muito feliz e ao mesmo tempo perguntar-se se será capaz ou se será uma boa mãe, têm o peso da emoção e da responsabilidade de trazer ao mundo uma nova vida.

Cuidados durante a Gravidez * As alterações hormonais provocam

no ventre, nas nádegas e na parte

a desidratação geral da pele, e

superior das coxas, onde é mais

portanto deve-se aumentar o uso

frequente aparecerem estrias.

de creme hidratante no corpo e no rosto. Essas mudanças nem sempre

* Durante a gravidez deve ingerir

têm efeitos negativos. * Muitas mulheres com problemas de pele e cabelos oleosos, gozam pela primeira vez durante a gravidez de uma pele limpa e um cabelo saudável. A maioria das mulheres grávidas ficam mais bonitas durante os nove meses de espera, é um

mais água ou sumos (sem açúcar),

Futuros papá e mamã, isto não é motivo para alarmes! Pois estes pensamentos e sentimentos fazem parte do estado de espírito de qualquer casal que espera um filho.

período em que não se devem

máximo cuidado com o corpo, pelo bebé e pela mãe, para que passe o melhor possível os meses de gravidez e para que a recuperação depois do parto seja mais rápida. * O primeiro mandamento dos

hidratada durante toda a gravidez. O ventre e os seios, sobretudo, incham muito e é conveniente ajudar o estiramento da pele para que ela se mantenha saudável, evitar as estrias e colaborar no processo posterior ao parto para que a pele volte à tensão natural. Por isso, durante a gravidez, além do hidratante normal deve utilizar um creme específico anti-estrias e aplicá-lo nos seios,

pés, tornozelos e pulsos inchados.

Alimentação * É muito importante o controle rigoroso de peso durante a gravidez.

tabaco e as bebidas alcoólicas devem ser eliminados, pois interferem no

A ultra-sonografia Para uma gestante considerada de baixo risco, é recomendada a realização de, no mínimo, quatro exames de ultra-som durante a gravidez. O primeiro deve ser feito logo que se souber da gravidez, serve para confirmar a idade gestacional e saber se o embrião está dentro do útero ou fora dele (gravidez ectópica).

cuidados a ter com o corpo é a hidratação: manter a pele elástica e

consequências – pernas pesadas;

peso adequado para a sua altura. O

quilos a mais.

vida da mulher em que deve ter o

retenção de líquidos e as suas

A gestante deve engravidar com o

descuidar ou deprimir-se pelos

* A gravidez é uma das etapas da

para hidratar a pele e evitar a

A segunda deve ser feita entre as 11º e 14º semanas de gestação para avaliar o desenvolvimento do embrião e fazer a medição da nuca (translucência nucal) e do osso do nariz. Quando alteradas, essas medidas podem ser indicativas de problemas genéticos como a trissomia 21. Nesse caso, a amniocentese, análise de uma amostra do fluido amniótico, pode estar indicada para aprofundar a investigação, se a mulher ou o casal assim o quiserem. Na gravidez de mulheres acima dos 35, 37 anos, cada vez mais frequentes, a amniocentese é um dos mais importantes meios de diagnóstico de eventuais problemas genéticos do bebé.

11

estado de nutrição da grávida. * Há um aumento do gasto de energia durante a gravidez, assim a grávida necessita

de

aproximadamente

2000 a 2500 Kcalorias por dia. É mais importante a qualidade do alimento ingerido do que a quantidade. * Ingestão preferencial: carne, peixes, ovos, verduras, frutas, leite e derivados de leite, gelatinas dietéticas. * Evitar: massas, batatas, arroz, refrigerantes, gelados, açúcar, pães, chocolates,

licores,

álcool,

sal,

fritos e doces. Temperos: evitar o sal, podendo usar de preferência, pimenta, orégãos

vinagre, e

evitar

industrializados.

limão,

alho,

condimentos


O tabaco reflecte-se no espelho

Olhar-se ao espelho é o primeiro passo para pensar em deixar de fumar. Para além de todos os riscos que traz à saúde, o tabaco acelera o envelhecimento da pele, enfraquece os cabelos e mancha os dentes.

P

Pele acinzentada, rugas finas ao redor da boca, dentes escuros e dedos amarelados. O retrato falado de quem fuma revela que o tabaco e a vaidade definitivamente não combinam. A boa notícia é que esses e outros danos podem ser revertidos, pelo menos em parte, e dependendo do tempo que dura do vício.

O fumo tem efeitos cumulativos. Por isso, quem fuma desde os 15 e pára aos 50 anos consegue recuperar no máximo 30% do que a pele perdeu ao longo desse tempo. A cada vez que o fumo é ingerido, carrega-se mais de 4.700 substâncias tóxicas para dentro do organismo. O fumo segue para o pulmão e, a partir daí, se distribui por todo o corpo - chega ao cérebro em 10 segundos. A pior parte é que o fumo causa vasoconstrição, isto é, torna mais estreita a passagem dos vasos sanguíneos. Congestionados, esses caminhos vão transportar menos nutrientes para o corpo todo, inclusive para a pele e para o bulbo capilar. Como se isso não bastasse, há um bombardeio de radicais livres, moléculas desorganizadas que desencadeiam um processo de oxidação, leia-se, envelhecimento.

Já na primeira semana sem o tabaco, a pele volta a ficar rosada. Livre da agressão do fumo, a rede de vasos sanguíneos começa logo a refazer-se.

Nuvem de fumo A pele e os dentes são os pontos mais visíveis dos males que o tabaco provoca. Fica aqui, um Raio-X dos efeitos do vício:

NA PELE: Mal alimentada e desi-

dratada, já que não recebe a quantidade suficiente de sais minerais e nutrientes, a pele empalidece, perde o brilho e a capacidade de cicatrização - é por isso que os médicos recomendam que se evite o tabaco por 15 a 30 dias antes e depois de uma cirurgia plástica. ‘O déficit na irrigação de nutrientes faz com que o tabaco seja o segundo grande envelhecedor da pele. Só perde para o sol’, explica Denise Steiner. A dupla é fatal: quem fuma e expõe o rosto ao sol sem proteção está a dar corda extra no relógio do tempo. Além disso, o hábito de fumar reduz a imunidade do organismo, aumentando as hipóteses de aparecimento de herpes e de cancro de pele - esse último, em especial, pode surgir precocemente e revelar-se mais agressivo em fumadores. O efeito oxidante do tabaco também acelera a destruição das fibras de colágeno e de elastina. Esse processo é responsável por rugas que aparecem antes do tempo e em número maior. O próprio acto de fumar, que exige um franzir constante em torno dos lábios, produz as rugas finas nessa região.

12

NO DESEJO SEXUAL: Os odores exalados pelo corpo - os chamados feromônios- têm influência sobre a atração sexual e a excitação. Os fumadores têm o odor do tabaco impregnado na pele, roupas e cabelos, além do hálito. Para quem não é fumador, o cheiro do tabaco é desagradável e pouco atraente. Por isso, o hábito de fumar costuma ter um efeito desestimulante sobre o parceiro que não fuma. Há tempos atrás o tabaco estava associado a glamour e sensualidade. Mas, hoje, as pessoas encaram o vício como um problema para a aproximação sexual. Nesse caso, a solução é rápida: basta uma semana sem tabacos para eliminar todos os vestígios desse cheiro no corpo.

NA BOCA: Quem fuma tem 80% mais probabilidades de desenvolver algum problema nas gengivas e nos dentes, além de aumentar o risco de surgimento de cancro na boca. Os danos são directamente proporcionais ao tempo de vício. Da mesma forma que acontece com a pele, todas as substâncias tóxicas que entram na boca comprometem a cicatrização, afectam a resposta imunológica e aumentam a incidência de infecções locais. As doenças nas gengivas ocorrem até sete vezes mais entre os fumadores. Para além disso, a nicotina mancha os dentes e aqui há outro agravante: essas manchas ficam ainda piores com outro hábito comum em fumantes, o de tomar vários cafés durante o dia.


Estratégias de defesa Quem ainda não parou de fumar, precisa redobrar os cuidados com a beleza. Veja o que é possível e recomendável fazer:

UMA VEZ POR MÊS: vale a pena fazer um peeling associado ao laser (luz pulsada) para estimular constantemente a circulação e melhorar a irrigação da pele.

TODOS OS DIAS: Estimular o surgimento de novos vasinhos próximos à pele com o uso de ácido retinóico, com a aplicação de cosméticos formulados com DMAE (Dimethyl Amino Etanol) e derivados do chá verde. A acção desses ingredientes reduz a palidez, melhora o tônus e ajuda a conter o envelhecimento precoce. Os primeiros resultados são perceptíveis em média depois de seis meses de tratamento. Atenção: não é recomendável fazer aplicações de Botox na região próxima aos lábios para tentar suavizar as rugas finas que ali se instalam. A substância pode deformar o sorriso, mesmo que apenas por um tempo.

NAS REFEIÇÕES: a alimentação rica em vitamina C é fundamental para quem fuma - além da ação antioxidante, esse nutriente age na produção de colágeno. Boas fontes de vitamina C são o tomate, os vegetais de folhas verde-escuras e as frutas cítricas como o kiwi, a lima, a laranja e as clementinas. Para quem tem entre 35 e 40 anos é recomendável ainda o uso complementar de um suplemento de vitamina C. Também é essencial consumir alimentos ricos em zinco, igualmente antioxidante, para ajudar a controlar a superprodução de radicais livres. Boas fontes: ostras, lentilha, grãos de soja, beterraba, palmito, nozes, levedo de cerveja e ovos.

Depois do último cigarro Livre do vício, vale a pena investir em alguns tratamentos de efeito mais duradouro: GENGIVAS: a retracção é o problema mais comum nas gengivas dos fumadores. Isso acontece mesmo que a pessoa não tenha acúmulação de tártaro ou placa bacteriana. Dependendo do grau, essa retracção chega a expor a raiz dos dentes. A correção pode ser feita através de cirurgias plásticas ou da colocação como um enxerto - de retalhos da própria gengiva. É o calor do fumo aspirado que escurece as gengivas. Mas as manchas nessa região podem ser atenuadas com peeling ultra-sónico, um tratamento feito com um aparelho de alta rotação. É melhor não comer frutas cítricas no dia seguinte à aplicação para evitar ardores e irritação.

MANCHAS NOS DENTES: a nicotina é uma grande vilã, porque aumenta a porosidade na parede dos dentes, facilitando a penetração e a aderência de pigmentos - daí o aspecto amarelado. O clareamento dos dentes pode ser feito em casa, com moldes sob medida (no formato dos dentes da pessoa), recheados com um gel clareador. Esse molde deve ser usado à noite e não faz nenhum mal à saúde. Ainda é possível fazer o clareamento com laser, consulte o seu médico dentista. Dependendo do escurecimento dos dentes, são necessárias de duas a dez sessões. Mas, para quem abandonou o vício, o resultado do tratamento é permanente.

13

RUGAS: a circulação sanguínea se restabelece. Mas os vincos e as rugas formados são marcas que ficam e apenas podem ser minimizadas por tratamentos como o peeling. Entre as alternativas mais eficientes para reduzir as rugas superficiais está a intradermoterapia, uma injeção localizada de vitamina C e extracto de elastina, que reforça a formação de novos vasos e de colágeno.


Seis ideias para parar de fumar

1 S.O.S. TERAPIA O acompanhamento psicológico e a terapia voltada para o assunto podem ajudar a descobrir os motivos que levaram a pessoa a fumar, facilitando a decisão de deixar o vício. Com esse apoio, a pessoa pode tentar parar abruptamente, eliminando o tabaco imediatamente e de forma total, ou parar gradualmente, reduzindo a quantidade de tabaco diário ou adiar mais e mais o primeiro cigarro do dia.

2 EM TURMA Da mesma forma que os Alcoólicos Anónimos, a terapia em grupo para os fumadores funciona a partir da troca de experiências, contando com o incentivo e o apoio de quem passa pela mesma situação.

3 CONTAGEM REGRESSIVA Repor a nicotina é um dos tratamentos com maior índice de sucesso. Essa reposição pode ser feita com pastilhas elásticas ou com adesivos. Este método alivia os sintomas da abstinência, como dores de cabeça, insónias e mudanças de humor, pois o consumo de nicotina diminui gradualmente.

4 EM PÍLULAS As medicações formuladas com bupropiona, como o Zyban ou o Champix, cortam a sensibilidade dos receptores de nicotina no cérebro. Alteram também o sabor do tabaco, que fica desagradável na boca logo depois dos primeiros dias de uso da medicação. O tratamento costuma durar cerca de oito semanas e exige acompanhamento médico. O remédio é eficiente em muitos casos, mas há quem sinta efeitos colaterais incómodos, como a boca seca, dores de cabeça, insónias e taquicardias.

5 BOAS PALAVRAS Vvale a pena inspirar-se no livro ‘How to stop smoking and stay stopped’, do norte-americano Martin Raw (BBC 2000). Especialista em antitabagismo, Raw diz que não existe um tratamento 100 por cento eficiente, mas propõe um método prático com procedimentos para as várias fases - desde os primeiros momentos até o resto da vida sem fumar.

6 MANUAL DE SOBREVIVÊNCIA Depois da decisão, é recomendável adoptar alguns hábitos para dar mais suporte à força de vontade. Assim, beba muita água, faça caminhadas e, se possível, pratique exercícios físicos. Aumente ainda o consumo de rebuçados e pastilhas elásticas (de preferência sem açúcar), evite bebidas alcoólicas e lave sempre os dentes após as refeições.

14

Por Ana Holanda *Reportagem: Juliana Crem


Entrevista

Anti-Aging Medicina Anti-Envelhecimento

Dra. Pascale Cardoso Directora Clínica do Centro de Terapias do Estoril

+ s.m.: O que é o Anti-aging? Anti-aging ou anti-envelhecimento é um método preventivo e interventivo que reagrupa um conjunto de terapias com o objectivo de controlar o ritmo do envelhecimento, retardar e por vezes inverter tal processo. E chamado “envelhecimento activo”, como o definiu a OMS, um processo de optimização das condições de envelhecimento que promove saúde e qualidade de vida. Trata-se de envelhecer com saúde, autonomia e independência. Aumentar a longevidade e acabar assim com a ideia negativa que associa envelhecimento e doenças físicas e/ou mentalmente redutoras.

+ s.m.: Quais são os tratamentos que podemos fazer? O programa que o Centro de Terapias do Estoril concebeu é um programa global e personalizado, que, após um check-up multidisciplinar vai incluir: - Restauração e activação celular; - Regulação hormonal e energética; - Oxigenação; - Desintoxicação; - Controlo nutricional e equilibro metabólico; - Gestão de stress; - Actividade física.

+ s.m.: É um tratamento de saúde ou de estética? O tratamento tem forçosamente uma vertente estética. O paciente que se sente mais jovem vai também parecer mais jovem (rejuvenescimento da pele, atenuação das rugas, remodelagem física, fortalecimento dos cabelos e das unhas). É um tratamento clínico que promove a saúde, que tem efeitos a nível físico e psicológico, aumenta a longevidade, o dinamismo e o bem-estar. Estamos a falar de um tratamento de “dentro para a fora.” Mas parecer mais jovem não quer dizer sempre aparentar 20 anos. Com o tempo aprendemos que a beleza não tem nada a ver com a idade.

+ s.m.: Quanto tempo dura o tratamento? O processo de envelhecimento sendo, infelizmente, contínuo, o tratamento de facto nunca pára. Intercalam-se fases de tratamento mais intensivas com um tratamento básico de manutenção. As fases mais intensivas podem ser efectuadas em 15 dias ou num perí período de 3 meses. O tratamento vai depender da idade biológica do paciente, da bagagem genética, do ritmo de vida de cada um, assim como da higiene de vida (hábitos alimentares, actividades, ví vícios etc.)

16

+ s.m.: É necessário alguma intervenção cirúrgica? Não.


Os cabelos brancos, as rugas, a flacidez são sinais visíveis do envelhecimento que nos dias de hoje parecem inimigos mortais dos valores vigentes. A demanda pela juventude perdida é um tema recorrente na cultura popular e nas manifestações mais consumistas como é o caso da publicidade. Mas por muito que se incensem as virtudes cosméticas, a grande revolução passa, sim, pela estratégia de saúde.

+ s.m.: Existem contra-indicações? De facto não há contra-indicações. Só tem que se escolher o protocolo adequado. Tratam-se pessoas em boa saúde que querem ficar em boa saúde. Se o paciente apresenta qualquer tipo de patologia, essa patologia terá que ser tratada pelo médico da especialidade. Depois, o protocolo Anti-Aging será adaptado, caso a caso, com os cuidados necessários em acordo com o histórico do paciente.

+ s.m.: E efeitos colaterais? Não há, desde que existem os cuidados atrás citados. + s.m.: Qualquer pessoa pode fazer? Qualquer pessoa que começou um processo de envelhecimento, ou seja a partir dos 30 anos, pode beneficiar do tratamento. É recomendado nos casos de envelhecimento precoce. Pode começar-se a qualquer momento depois dos 30, mesmo tarde com 70 anos ou mais. Mas sendo uma medicina preventiva, o mais cedo é o melhor, respeitando sempre os cuidados citados nas duas questões anteriores.

+ s.m.: É necessário algum cuidado com a alimentação ou exercício físi físico? O equilíbrio alimentar e o controlo metabólico fazem parte essencial de uma vida saudável. São peças indispensáveis de um programa Antiaging. Nós somos o que comemos. Além disso muitos alimentos podem ser utilizados como “medicalimentos” para prevenção e cura de certas doenças. Aconselha-se também uma actividade física regular, adaptada a cada um, assim como todos os tipos de actividades cerebrais. Acrescentam-se também exercícios de relaxação e meditação. (o Yoga e o Tai-chi são exemplos privilegiados)

+ s.m.: É preciso suplementar a ali alimentação? Ninguém tem uma alimentação ideal. Os gastos do organismo não são iguais para todos nem para todas as idades. O check-up personalizado vai per permitir determinar quais são os suplementos necessários para cada paciente com os diferentes parâmetros de cada um, e verificar as intolerâncias alimentares.

+ s.m.: Quando tempo dura o resultado, é necessário alguma manutenção? O resultado, sempre positivo, é variável, depende do estado inicial do paciente, dos cuidados e do ritmo de vida. Qualquer pessoa em boa saúde, com bons hábitos de vida (alimentação, sono, actividade física e intelectual) vai ter resultados excelentes e os intervalos entre as fases de tratamento activo e as fases de manutenção serão maiores. Para ter resultados mais duradouros, o paciente tem que continuar ou adquirir uns cuidados básicos regulares e equilibrados. Vai ser necessário compensar os gastos do tempo com elementos nutraceuticos simples (vitaminas, antioxidantes, minerais, etc) que o organismo não produz mais, ou em quantidade insuficiente, e que não encontra na alimentação.

Centro de Terapias do Estoril Edifício Estoril Garden, Bl 2 nº 212 Rua Melo e Sousa 2765-253 Estoril Tel: 214 688 934 / Tlm: 934 686 729 ctestoril@hotmail.com

17


Rua de Belém nº 84 a 92 1300-085 LISBOA PORTUGAL Telefones : +351 21 363 74 23 +351 21 363 80 78 Web : www.pasteisdebelem.pt


Prazer Imagine a sua estadia em pleno Estoril, a poucos quilómetros dos melhores campos de golfe da Europa, da conhecida Praia do Tamariz e das Termas do Estoril, que ficam apenas a uns passos de distância. Portugal mostra-se no que tem de melhor, acolhedor e paradisíaco para o visitante em férias ou empresário em negócios.

Rua do Porto, 1. 2765-271 Estoril * tel (+351) 214684461 * fax +351 214 682 108 www.hotelinglaterra.com.pt * geral@hotelinglaterra.com.pt


As universidades de Harvard e Cambridge publicaram recentemente um compêndio com 20 conselhos saudáveis para melhorar a qualidade de vida de forma prática e habitual:

1- Beber um copo de sumo de laranja diariamente para aumentar o ferro e repor a vitamina C.

Uma vez incorporados, os conselhos, facilmente se tornam hábitos... É exatamente como disse Séneca: “Escolha a melhor forma de viver e o costume a tornará agradável”!

2- Salpicar canela no café mantém baixo o colesterol e estáveis os níveis de açúcar no sangue. 3- Trocar o pãozinho tradicional por pão integral, que tem quase quatro vezes mais fibra, três vezes mais zinco e quase duas vezes mais ferro do que o pão branco. 4- Mastigar os vegetais por mais tempo. Isto aumenta a quantidade de químicos anticancerígenos libertados no corpo. Mastigar liberta sinigrina e quanto menos se cozinham os vegetais, maior efeito preventivo estes têm. 5- Adoptar a regra dos 80 por cento: servir menos 20 por cento da comida que ia ingerir, evita transtornos gastrointestinais, prolonga a vida e reduz o risco de diabetes e ataques de coração. 6- O futuro está na laranja, que reduz em 30% o risco de cancro no pulmão. 7- Fazer refeições coloridas como o arco-íris. Comer uma variedade de vermelho, laranja, amarelo, verde, roxo e branco em frutas e vegetais, cria uma melhor mistura de antioxidantes, vitaminas e minerais.

8- Comer pizza. Mas escolha as de massa fina. O Licopene, um antioxidante dos tomates pode inibir e ainda reverter o crescimento dos tumores; e mais, é melhor absorvido pelo corpo quando os tomates estão em molhos para massas ou para pizza. 9- Limpar a sua escova de dentes e trocá-la regularmente. As escovas podem espalhar constipações, resfriados e outros germes. Assim, é recomendado laválas com água quente pelo menos quatro vezes por semana (aproveite o banho), sobretudo após doenças, quando devem ser mantidas separadas de outras escovas. 10- Realizar actividades que estimulem a mente e fortaleçam a sua memória. Faça alguns testes ou quebracabeças, palavras-cruzadas, sudoku, aprenda um idioma. Leia um livro e memorize parágrafos. 11- Usar fio dental e não mastigar pastilhas elásticas. Acreditem ou não, uma pesquisa deu como resultado que as pessoas que mastigam pastilhas elásticas têm mais possibilidades de sofrer de arteriosclerose, pois têm os vasos sanguíneos mais estreitos, o que pode preceder um ataque do coração. Usar fio dental pode acrescentar seis anos à sua idade biológica porque remove as bactérias que atacam aos dentes e o corpo.


20 conselhos para um inverno mais saudável

12- Rir. Uma boa gargalhada é um ‘mini-workout’, um pequeno exercício físico: 100 a 200 gargalhadas equivalem a 10 minutos de corrida. Baixa o stress e acorda as células naturais de defesa e os anticorpos. 13- Não tirar a casca dos legumes e frutas com antecipação. Os vegetais ou as frutas, sempre frescos, devem ser cortados e descascados na hora em que forem consumidos. Isso aumenta os níveis de nutrientes contra o cancro. 14- Telefonar para os seus parentes/pais de vez em quando. Um estudo da Faculdade de Medicina de Harvard concluíu que 91 por cento das pessoas que não mantêm um laço afectivo com os seus entes queridos, particularmente com a mãe, desenvolvem alta pressão arterial, alcoolismo ou doenças cardíacas em idade temporã. 15- Desfrutar de uma chávena de chá. Beber só uma chávena diária desta infusão diminui o risco de doenças coronárias. Cientistas israelitas também concluíram que beber chá aumenta a sobrevida depois de ataques ao coração.

16- Ter um animal de estimação. As pessoas que não têm animais domésticos sofrem mais de stress e visitam o médico regularmente, dizem os cientistas da Cambridge University. Os animais de estimação fazem-no sentirse optimista, relaxado e isso baixa a pressão do sangue. Os cães são os melhores, mas até um peixinho dourado pode causar um bom resultado. 17- Colocar tomates ou verduras frescas nas sandes. Um tomate por dia baixa o risco de doenças coronárias em 30 por cento, segundo os cientistas da Harvard Medical School. 18- Reorganizar o frigorífico. As verduras em qualquer lugar do seu frigorífico perdem substâncias nutritivas, porque a luz artificial do equipamento destrói os flavonóides, que todos os vegetais têm, e que combatem o cancro que. Por isso é melhor usar a área reservada às verduras, aquelas gavetas em baixo do frigorífico. 19- Comer como um passarinho. As sementes de girassol e as sementes de sésamo nas saladas e cereais são nutrientes e antioxidantes. E comer nozes entre as refeições reduz o risco de diabetes. 21

20- E, por último, um mix de pequenas dicas para alongar a vida: - Comer chocolate. Duas barras por semana estendem um ano a vida. O amargo é fonte de ferro, magnésio e potássio. Pensar positivamente. Pessoas optimistas podem viver até 12 anos mais que os pessimistas, que são mais susceptíveis a gripes e constipações. - Ser sociável. Pessoas com fortes laços sociais ou redes de amigos têm vidas mais saudáveis do que as pessoas solitárias ou que têm só contacto com a família. - Conhecer-se a si mesmo. Os verdadeiros crentes e aqueles que priorizam o ‘ser’ sobre o ‘ter’ têm 35 por cento de probabilidades de viver mais tempo.


Novo conceito de cuidados e maquilhagem chega a Portugal EYE CARE COSMETICS - A LINHA IDEAL PARA QUEM USA LENTES DE CONTACTO E TEM PELE SENSÍVEL

Eye Care Cosmetics é um novo conceito de cuidados e maquilhagem, especialmente concebido para quem usa lentes de contacto e tem pele sensível, que acaba de ser lançado em Portugal. A rigorosa selecção de componentes não alérgicos ou susceptíveis de causar intolerância, a elevada aceitação e o sucesso de aplicação desta linha de produtos junto de consumidores com peles sensíveis, fazem de Eye Care Cosmetics a marca de “elevada tolerância” reconhecida por dermatologistas, oftalmologistas e alergologistas.

Eye Care Cosmetics não possui componentes reconhecidos como agressivos para o organismo e que potencialmente possam estar associados a reacções alérgicas ou de intolerância, como o níquel, crómio ou os parabenos. Nesta gama de cuidado e maquilhagem são apenas utilizados ingredientes rigorosamente seleccionados pela sua total inocuidade e pela sua compatibilidade com os biomateriais das lentes de contacto. Criada pelos laboratórios franceses Contapharm e distribuída no mercado português pela Global

Máscara Oftálmica Máscara transparente, SEM PARABENOS, foi formulada para prevenir os riscos de irritação, intolerância e infecções das pestanas que, com muita frequência, são a origem de ardores peri-oculares. Fortalece, suaviza e purifica as pestanas e as suas raízes. 12.00 €

Verniz Os vernizes de Unhas de elevada tolerância aplicam-se com facilidade, secam rapidamente, resistem aos choques e oferecem uma longa permanência. 6.80 €

Sombra em Creme de Elevada Tolerância A sombra em creme de elevada tolerância, rica me vitamina E, sem PARABENOS, sem perfume,permite uma maquilhagem simples ou sofisticada segundo a combinação das cores. 13.30 €

Pó Compacto O pó compacto de elevada tolerância, ultramicronizado, rico em alfa tocopherol e gama orizanol, não tem efeito abrasivo sobre a pele, destacando-se a sua extrema suavidade na aplicação, para dar um aspecto mate e unificado à tez, durante todo o dia. 19.00 €

Baton para lábios Os batons para lábios, de elevada tolerância, ricos em alfa tocopherol e gama orizanol, reconstituem os lábios secos e asseguram um maior conforto e longa permanência. 15.40 € Sombra em Pó Duo A sombra em pó para as pálpebras,ultramicronizada, sem perfume, ilumina o olhar das mulheres com olhos sensíveis ou que utilizam lentes de contacto. Pode ser utilizada só, ou combinada. 17.30 € Máscara de Elevada Tolerância Esta máscara de elevada tolerância, com baixo conteúdo de cera, sem perfume, compatível com as lentes de contacto, alonga as pestanas, mesmo as mais delicadas. 14.50 €

22

Santé, a nova linha de produtos de elevada tolerância caracteriza-se pela sua bio-inocuidade ou seja, a selecção de matérias-primas que garantem o total respeito pelas características fisiológicas dos olhos e da pele, de modo a evitar ou minimizar reacções alérgicas e situações de intolerância. À venda em farmácias e parafarmácias, esta linha de referência no domínio da sensibilidade ocular e cutânea inclui produtos de limpeza, hidratação da pele e de maquilhagem para olhos, rosto, lábios e unhas.

Lipgloss O lipgloss de elevada tolerância, sem lanolina, proporciona um óptimo conforto graças à sua textura leve e não pegajosa, permitindo várias aplicações. Num abrir e fechar de olhos, conseguem-se uns lábios brilhantes, resplandecentes e carnudos. Também se pode utilizar como complemento do baton para lábios, para realçar a cor. 13.40 € Lápis de Contorno de Olhos O lápis de elevada tolerância, SEM PARABENOS, sem perfume, de extrema suavidade, com manteiga de Karité e óleo de Jojoba, permite intensificar o olhar, mesmo o dos olhos mais sensíveis. Os lápis de cor verde e azeitona são concebidos excluindo Crómio, elemento frequentemente causador de situações de intolerância e habitualmente usado na obtenção dos tons de verde da maquilhagem. Eye Care conseguiu formular cosméticos de cor verde excluindo o Crómio, garantindo por um lado a diversidade de cores e, por outro, a segurança e qualidade dos seus produtos. 7.70 €


LABORATÓRIOS CONTAPHARM Criados em 1981, os laboratórios Contapharm foram fundados pelos farmacêuticos Danielle e Patrice Soyer, especialistas na criação e fabricação de produtos de manutenção de lentes de contacto. Graças à sua experiência e em colaboração com oftalmologistas e optometristas põem a claro um problema específico da mulher que usa lentes de contacto: a falta de tolerância ocular ou periocular aos produtos de cuidados e maquilhagem clássicos. A GLOBAL SANTÉ A Global Santé é uma empresa portuguesa da área da saúde que actua no canal farmacêutico. Criada em 2004, a Global Santé oferece várias soluções que contribuem para a melhoria da saúde e bem-estar dos consumidores, onde estão incluídos produtos nas áreas de dermocosmética, suplementos alimentares, ortopedia, higiene oral e nasal e cuidados dos olhos. Todas as novas gamas de produtos têm em comum a procura de ingredientes o mais natural, biológico e ecológico possível, que conduzam por um lado a uma melhor tolerância para o utilizador e, por outro, a uma poupança de recursos naturais escassos, contribuindo para uma melhor sustentabilidade do ambiente em que vivemos.

23


Dr. Manuel Sanches Psicólogo

H

Inteligência Emocional

oje, já é frequente encontrar livros sobre Inteligência Emocional. Em alguns se encontra a crítica aos testes que só tinham em conta o QI (Quoeficiente de Inteligência). De facto, numa avaliação escolar ou numa selecção para emprego, pouco contavam as emoções e os sentimentos: se o estudante ou candidato estava bloqueado com inibições, se o professor ou entrevistador o amedrontava, se tinha sofrido uma perda que o abalou, se tinha uma noite agitada e sem dormir... Que valor tinha ou tem o facto de tal pessoa ser lenta a responder perante uma situação que lhe causa stress emocional, mas que também atinge as metas, embora mais tarde, porque é persistente e lutadora? A eficácia não é exclusiva do género intelectual... Muitos sobredotados (com elevado QI) fracassaram, porque cresceram tortos, de forma desarmoniosa, com muitos boas capacidades de raciocínio e tempos de resposta curtos, mas muito fráeis do ponto de vista emocional, com séries de dificuldades de resistência à frustração e ao insucesso.

in Pedra no Charco

24


Hoje, as comunidades terapêuticas para adictos têm muitos internados que são bons exemplos do que acabo de afirmar. Também as clínicas “PSI...” têm um novo paciente: o Yuppi, o Jovem Gestor que, rapidamente, atingiu o cume empresarial e que, agora está em queda livre, a afundar-se no abismo da angústia e da depressão, incapaz de dar respostas óbvias a coisas simples, a desistir de tudo, inclusive a cuidar da sua imagem que, antes tanto cultivava. Como dizia Camões, ”Perdigão perdeu a pena, não há mal que não lhe venha”. Hoje, já se começa a valorizar o QE (Quoeficiente Emocional), já se ouve perguntar, a miúdas vezes, o que é que sentes? E causam simpatia, políticos como Xanana Gusmão, que não escondem as emoções e que, publicamente, choram de tristeza, de dor, de raiva, de medo, de alegria. As próprias sondagens sobre preferências, põem em confronto dirigentes ditos mais racionais ou afectivos.

O dualismo cartesiano é uma marca da cultura ocidental, com origens na Grécia Antiga. Também o é a desvalorização das sensações, das emoções, dos sentimentos, ou a prioridade ao racional, eu penso, logo existo. Pensadores vários levantaram-se contra o menodesprezo do eu sinto, contra a inversão de valores que nega às sensações, o primado ou contra a filosofia racionalista pura que teve como expoentes Sócrates, Descartes, Kant, entre outros. A grande descoberta de Sigmund Freud: o homen não ser só razão e depender de energias inconscientes. Henri Wallon escreve do acto ao pensamento, ou seja, que o cognitivo, o conhecimento se vai estruturando a partir da emoção, termo que vem do latim “emovere”, e significa o movimento de dentro para fora, expulsar de, abalar, sacudir. É pelas sensações resultantes do movimento de acção, como apalpar, levar à boca e mordiscar, que a criança vai conhecer e diferenciar umas coisas das outras. A emoção tem, por sua vez, um suporte material, o cérebro. António Damásio elaborou “o mapa da alegria e da tristeza” filmando, pela primeira vez na história da ciência, essas emoções no cérebro.

25

Inteligência Emocional ou EMOÇÃO INTELIGENTE? A primeira expressão, em meu entender, representa aparentemente, um avanço na nossa cultura, mas do ponto de vista cinentífico, acho que é um erro. E é o perpetuar do erro ao afirmar-se o primado da inteligência sobre a emoção. A práctica clínica da terapia emocional põe em destaques que os “porquês”, os Insights, a compreensão surgem de forma espontânea e mais clara após a expressão das emoções de sobrevivência (são zanga, medo, dor, amor, prazer). Ao inverso, o bloqueio emocional, resultante de situações traumáticas, tapa o conhecimento e os “porquês” paralizam.


SEMELHANÇAS E COINCIDÊNCIAS

O assunto é interessante. Será pura coincidência? A medicina chinesa trabalha com esses conceitos, assim como a homeopatia: semelhante cura semelhante...

Uma fatia de cenoura parece um olho humano. A pupila, íris e linhas raiadas são semelhantes ao olho humano... e SIM, a ciência agora mostra que a cenoura fortalece a circulação sanguínea e o funcionamento dos olhos.

Um tomate tem quatro câmaras e é vermelho. O coração é vermelho e têm quatro câmaras. Toda a investigação mostra que o tomate é de facto um puro alimento para o coração e circulação sanguínea.

As uvas crescem em cacho que tem a forma do coração. Cada uva assemelha-se a uma célula sanguínea e toda a investigação hoje em dia mostra que as uvas são também um alimento profundamente vitalizador para o coração e sangue.

Uma noz parece um pequeno cérebro, com hemisférios esquerdo e direito, cerebelos superiores e inferiores. Até as rugas e folhos de uma noz são semelhantes ao neocortex. Agora sabemos que as nozes ajudam a desenvolver mais de 3 dúzias de neurotransmissores para o funcionamento do cérebro. Os feijões realmente curam e ajudam a manter a função renal e sim, são exactamente idênticos aos rins humanos.

O aipo, bok choy, ruibarbo e outros são idênticos a ossos. Estes alimentos atingem especificamente a força dos ossos. Os ossos são compostos por 23% de sódio e estes alimentos têm 23% de sódio. Se não tiver sódio suficiente na sua dieta o organismo retira sódio aos ossos, deixando-os fracos. Estes alimentos reabastecem as necessidades do esqueleto.

Berinjelas, abacates e pêras ajudam à saúde e funcionamento do ventre e do cervix feminino - eles são parecidos com estes órgãos. Actualmente, a investigação mostra que quando uma mulher come um abacate por semana, equilibra as hormonas, não acumula gordura indesejada na gravidez e previne cancros cervicais. E que profundo é isto…? Demora exactamente nove meses para cultivar um abacate, da flor à fruta. Existem mais de 14 000 componentes químicos fotolíticos em cada um destes alimentos (a ciência moderna apenas estudou e nomeou cerca de 141).

Os figos estão cheios de sementes e muitas vezes estão pendurados aos pares quando crescem. Os figos aumentam a mobilidade e aumentam os números do esperma masculino, assim como ajudam a ultrapassar a esterilidade masculina. 27

As batatas doces são idênticas ao pâncreas e de facto equilibram o índice glicémico de diabéticos.

Azeitonas ajudam a saúde funcionamento dos ovários.

e

Toranjas, laranjas e outros citrinos assemelham-se a glândulas mamárias femininas e realmente ajudam à saúde das mamas e à circulação linfática, dentro e fora das mamas.

As cebolas parecem células do corpo. A investigação actual mostra que a cebola ajuda a limpar materiais excedentes de todas as células corporais. Até produzem lágrimas que lavam as camadas epiteliais dos olhos..


Chá de Saúde

O chá verde merece um prémio. Não bastasse rejuvenescer, proteger o coração e combater vários tipos de cancro, agora foi comprovado: também faz emagrecer! Se quiser tomar golos de beleza e saúde, vire a chávena!

N

ão é de hoje que o chá verde fascina o mundo científico. Só durante o ano de 2005 foram publicados, no mundo, cerca de 230 textos sobre a infusão, segundo a Biblioteca Nacional do Congresso Americano. Há três décadas, os estudiosos não se cansam de descobrir os seus poderes: desintoxicar o organismo, combater os radicais livres, proteger contra doenças cardíacas... Mas foi a última boa notícia que fez uma lista de mulheres “dar o bule a torcer” e render-se a esses golos amargos, mas fundamentais para a saúde e para a beleza: o chá verde ajuda a emagrecer. A + saúde magazine preparou-lhe uma visita guiada, uma espécie de bula do chá verde, para que não perca um benefício sequer:

28


Composição O elixir é extraído das folhas do arbusto Camellia sinensis (o mesmo do chá preto e do banchá). Rico em vitaminas K, C, B1, B2 e B6 e ácido fólico, contém ainda flúor e cafeína. Outro activo importante é o tanino, responsável por baixar os índices do mau colesterol. Mas a vedeta são os polifenóis, catequinas e flavonóides, que exercem uma função antioxidante semelhante à das vitaminas C e E. Indicações - EMAGRECER - Um estudo comprova que um grupo de homens e mulheres que ingeriram o chá regularmente passaram a gastar mais energia. Os autores do estudo explicam: os polifenóis, em conjunto com a cafeína, aceleram o metabolismo. Por estimular a queima calórica, facilitam a perda de peso. No entanto, para tirar proveito dessa dádiva, é preciso seguir uma dieta balanceada e praticar exercícios físicos regulares. - TORNAR A PELE MAIS BONITA - O chá verde protege-nos dos efeitos nocivos do sol. Estudos realizados no Japão indicam que a bebida diminui a inflamação da pele exposta aos raios ultravioleta, evitando a formação de células que podem gerar tumores. A acção antioxidante também funciona contra as rugas. “Os polifenóis do chá combatem a formação dos radicais livres e protegem as células do envelhecimento precoce. O chá é ainda anti-inflamatório e adstringente: peles oleosas e com acne são tratadas com chá verde. Os princípios activos também são empregados em cremes para exterminar a celulite. Como melhora a circulação sanguínea, ajuda a eliminar toxinas. - GARANTIR UM CORAÇÃO FORTE - Um estudo da Universidade de Tohoku, no Japão, comprovou que o consumo de chá verde reduz o risco de doenças cardiovasculares, controla a pressão arterial e diminui o nível do colesterol maligno do organismo. Além disso, a sua ação vasodilatadora fortalece e aumenta a capacidade dos vasos sanguíneos. - TER A MENTE SÃ - Já se sabe que quem consome chá verde está mais protegido contra doenças degenerativas, como o Parkinson e o Alzheimer, possivelmente pela acção antioxidante - que protege as células do sistema nervoso contra o envelhecimento precoce. - MANTER O CORPO “FECHADO” - O consumo tem se mostrado uma prática protectora contra cancro no estômago, pulmão, esófago, duodeno, pâncreas, fígado, mama e cólon. Sem falar da influência sobre o sistema imunológico: uma pesquisa realizada na Unicamp, em São Paulo, atestou que os ratos que ingeriram a bebida resistiram mais a uma dose lectal de bactérias do que aqueles que não tiveram contacto com a infusão. - PREVENIR CÁRIES E INFLAMAÇÃO NA GENGIVA - Como possui flúor, age na higiene bucal. Contra-indicações e precauções Algumas mulheres sentem dores de estômago e náuseas depois de tomar a bebida em jejum. A nutricionista Lucyanna Kalluf explica: “Quando estamos de estômago vazio, o pH do estômago fica mais ácido, o que deixa a mucosa sensível. O chá tende a intensificar essa situação. Por isso, se o ingerimos antes de comer, tendemos a sentir ardor ou desconforto.” Outro alerta: “A bebida pode causar falta de sono e agitação se tomado em excesso, devido à cafeína. A recomendação é que não seja consumido depois das 18 horas. Posologia A quantidade ideal de consumo é 1 litro por dia, e sempre uma hora depois das refeições. Como preparar Calcule 1 colher (sopa) rasa das folhas do chá verde para cada chávena de água fervendo. Deixe-o em infusão de quatro a oito minutos para os princípios activos passarem para a água. Pode beber-se frio, mas nada de aquecer novamente. Se o sabor for muito amargo, tente adoçá-lo com mel ou canela. Pode também misturá-lo com outras ervas, como cidreira ou hortelã. Evite apenas o açúcar – que retira as propriedades benéficas do chá. Caso não se habitue ao paladar, consulte o seu médico para saber se pode ingeri-lo em cápsulas – as cápsulas possuem alto teor do princípio activo e não devem ser ingeridas sem acompanhamento médico. Validade e armazenamento As folhas devem ser guardadas em local seco e escuro. Desta forma, duram até seis meses.

29


Bebé Saudável Encontre aqui receitas fáceis de preparar e ricas em nutrientes, que ajudarão no desenvolvimento do seu bebé, contribuindo para uma alimentação saudável e equilibrada. Aqui encontra receitas rápidas de prepaprepa rar, outras mais elaboradas, e até vegetarianas, todas favorecendo a boa nutrição de bebés e crianças.

Conhece outras receitas? Não hesite, contacte-nos.

4 meses

Puré de Cenoura Ingredientes/Quantidade:

5 meses

Cebola pequena - 1 Cenoura - 1 Batata - 1 Água - 1L Azeite

Maçã Assada Ingredientes/Quantidade:

Preparação: Descasque a cebola, a cenoura e a batata, leve-as a cozer em 1 litro de água. Depois de bem cozidas, passe-as na varinha mágica para fazer o puré, juntando azeite antes de servir. Pode ser congelado em recipientes individuais e descongelado à medida das refeições.

Maçã - 1 Preparação: Lave bem a maçã e retire o caroço. Coloque num pirex ou tabuleiro e leve ao forno ou ao micro-ondas até saltar a casca. Sirva fria.

6 meses

4 meses

Creme de Abóbora

Caldo de Cenoura e Tapioca

ngredientes/Quantidade: Abóbora - 500g

Ingredientes/Quantidade:

Alho francês - 2 Cebola - 1 Água - 0.5L Colheres de azeite - 4 Sal

Água - 300 ml Mandioca - 15 gr Sal Preparação: 10 minutos Cozedura: 1 hora

Corte os alhos franceses em rodelas finas depois de os lavar bem em água corrente. Descasque, lave e corte a abóbora, as batatas e a cebola em pedaços médios. Coloque sal na água e ponha-a a ferver numa panela. Quando estiver a ferver junta as hortaliças. Deixe cozer durante cerca de 20 minutos até as hortaliças ficarem macias. Triture e tempere com azeite. Sirva quente.

Lave e descasque as cenouras. Corteas em rodelas finas e coza durante 1 hora. A cerca de 45 minutos de cozedura, deite a mandioca, mexendo bem. Deixe arrefecer um pouco e passe tudo com a varinha mágica. Este caldo pode também ser usado como tratamento da diarreia do bebé. 30


6 meses 9 meses

Sobremesa de Pêra Sopinha Verde

Ingredientes/Quantidade: Pêra (madura) - 1 Leite de soja Flocos de cevada

Sopa Verdinha - 9 meses

Preparação: Esmague uma pêra bem madura e adicione leite de soja com um pouco de flocos de cevada.

9 meses Sopa de Agrião Ingredientes/Quantidade: Batatas - 2 Cenouras - 8 Agrião - 200g Água - 1.5L Azeite Preparação: Lave bem os ingredientes e cortefacilitar a cozedura. Coza as batatas e as cenouras com a casca para preservar ps nutrientes. Pode cozer as cenouras, batatas e de 1,5 l de água, de preferência numa panela de pressão, durante 5 minutos após levantar fervura. Depois desligue o lume e deixe a tampa por mais algum tempo até perder a pressão. Para preservar os nutrientes do agrião, é preferível cozer as batatas e cenouras juntas e, só depois de No fim, passe a sopa com a varinha mágica e adicione o azeite. Pode, se preferir, substituir o agrião por rúcula ou espinafre.

Ingredientes/Quantidade: Feijão verde - 500g Couve-flor - 1 Couve coração - 1 Batata - 1 Cenoura - 2 Brócolos - 1 Água - 1 L Preparação: Lavar e cortar todos os ingredientes. batata e retirar os olhos, se os tiver, mantendo a casca. Colocar tudo numa panela de pressão de água, e deixar cozer entre 10 a 15 Passar com a varinha e está pronta a servir.


A Gente Vai Continuar Tira a mão do queixo, não penses mais nisso O que lá vai já deu o que tinha a dar Quem ganhou, ganhou e usou-se disso Quem perdeu há-de ter mais cartas para dar E enquanto alguns fazem figura Outros sucumbem à batota Chega aonde tu quiseres Mas goza bem a tua rota Enquanto houver estrada para andar A gente vai continuar Enquanto houver estrada para andar Enquanto houver ventos e mar A gente não vai parar Enquanto houver ventos e mar Todos nós pagamos por tudo o que usamos O sistema é antigo e não poupa ninguém, não Somos todos escravos do que precisamos Reduz as necessidades se queres passar bem Que a dependência é uma besta Que dá cabo do desejo E a liberdade é uma maluca Que sabe quanto vale um beijo Enquanto houver estrada para andar A gente vai continuar Enquanto houver estrada para andar Enquanto houver ventos e mar A gente não vai parar Enquanto houver ventos e mar Enquanto houver estrada para andar A gente vai continuar Enquanto houver estrada para andar Enquanto houver ventos e mar A gente não vai parar Enquanto houver ventos e mar Jorge Palma

32


Silvia Souza Estilista silviacsc@gmail.com

N

Inverno Colorido

em só de preto vive o

Acessórios coloridos também são

inverno!

uma óptima opção para um visual mais leve e feminino. É um inverno

A sobreposição de cores

mais chique. A mulher pode estar

alegra e reaviva a estação. As

com a silhueta mais marcada e vestir-

mulheres não podem ter medo de

se com mais elegância.

ousar.

Um dos diferenciais da moda deste

As cores mais vivas como o

inverno é uma onda retro que

amarelo, os tons de violeta, de

vai buscar velhas tendências que

mostarda e caramelo são fortes

conquistaram espaço no passado

tendências e podem muito bem ser

para incorporá-las às novas peças.

combinadas com as cores neutras,

Os estilos étnicos - folk - country

básicas de inverno. Não há regra

- equestre, o elegante xadrez

nesta combinação - mala-cinto-

tão usado nos anos 50, o tye-die

sapatos-pashmina. O que importa é

(manchado com degrade de cores

combinar a “família das cores”.

dos anos 60) voltam com tudo.

Não tenha medo de ousar. Misturar cores, texturas, padronagens e até estilos parece absurdo mas não é. Vimos nas passerelles e funciona. Use sua criatividade e seu próprio bom gosto. Sem medo de errar!

34


Uma tendência de côr apresentou-se bem marcante para esta estação de inverno. Os tons de camel e mostarda fizeram a cabeça dos grandes estilistas e estiveram presentes em várias peças na maioria dos desfiles das griffes internacionais em Paris. São tons que prometem iluminar o frio e sóbrio inverno europeu.

Marc Jacobs mostra campanha andrógina O irreverente estilista americano segue a inovar em sua nova campanha publicitária. Depois de trazer as polémicas imagens de Victoria Beckham a sair de uma imensa caixa de sapatos, o designer escolhe agora o modelo Cole Mohr para mostrar de forma andrógina as criações de sua segunda marca - a Marc by Marc Jacobs. A nova campanha foi clicada pelo fotógrafo Juergen Teller e apresenta a coleção de inverno de maneira inusitada, Cole Mohr posa com peças femininas e masculinas. Em destaque, na colecção, estão os acessórios. Especialmente as malas (big bags e clutches) e os óculos em modelos grandes.

35


E nt re vi st as

l a g u t r o P z a f Q uem

É

já um lugar comum, o facto de se considerar que vivemos numa época de turbulência e de mudança, cujo ritmo intenso ameaça a sobrevivência de praticamente todas as empresas que não forem capazes de transformar o seu estilo de gestão e métodos de trabalho. Fala-se de mudança, a propósito da concorrência acrescida pelas empresas, da desorganização dos grandes espaços económicos mundiais, da aceleração tecnológica, tudo factores que obrigam a repensar a definição da missão, actividades e mercados das empresas, a sua organização e processos de gestão, os sistemas de informação etc. O que é posto em causa não são simplesmente as mudanças no funcionamento, mas sim as mudanças estruturais e processuais. Porém, a propósito de mudança, logo se fala de resistência à mudança, de problemas que têm a ver com as atitudes das pessoas, tanto dos dirigentes das empresas como dos dirigidos. Impõe-se que estes modifiquem a sua linha de acção, num esforço de renovação e ajuste rápido. Devem estar conscientes de que apenas podem apoiar-se numa única certeza: a mudança será a constante a considerar. As empresas devem elaborar projectos com soluções concretas, definir critérios de prioridades, promover acções e iniciativas de desenvolvimento sócio-

económico mediante uma formação interdisciplinar e multifacetada, em vista a uma intervenção prática/ funcional e positiva na sociedade. Vivemos numa época em que ganha cada vez maior relevo a necessidade de reinventar a empresa, conjugamse neste sentido os novos valores emergentes e a necessidade económica. Estamos a entrar num período dinâmico em que o imperativo económico de uma força de trabalho mais competitiva e mais produtiva nos faz voltar aos valores humanistas, tais como a confiança, a liberdade e o respeito pelo indivíduo. Neste contexto, a Gestão de Recursos Humanos assume-se como uma preocupação estratégica prioritária. O avanço tecnológico e o desenvolvimento do conhecimento humano, por si só, não produzirão efeitos se a qualidade da administração efectuada sobre os grupos organizados de pessoas não permitir uma aplicação efectiva desses recursos. No entanto, é importante reter que uma organização acolhe e desenvolve no seu seio múltiplas variáveis (tarefas, estruturas, pessoas, tecnologia e ambiente) cujo comportamento é sistemático e complexo, de tal forma que a sua adequação resulta para o gestor numa tarefa difícil, exigindo dele um desempenho com crescente autonomia, capacidade de confiar em si mesmo, no referencial interno;

Paulo Jorge Nazaré Correia in Mudança organizacional no próximo milénio

capacidade de trocar e interagir com a assertividade para lidar, simultaneamente, com questões diversas como os problemas humanos, tecnológicos e políticos. Numa época de complexidade, mudanças e incertezas, a gestão tornou-se uma das mais importantes áreas de actividade humana. Não sem algum exagero, eventualmente, Peter Druker afirma que não existem países desenvolvidos e subdesenvolvidos, mas sim países que sabem administrar a tecnologia existente e os seus recursos disponíveis e potenciais e países que ainda não o sabem. A profunda alteração anunciada, e que já se faz sentir, ainda que frequentemente não lhe concedem a atenção devida, abre para a gestão um mundo de novos e sempre mais complexos desafios. O futuro já está à nossa volta ainda que poucos se tenham já questionado sobre o que isto significa para o seu próprio trabalho e para a sua própria empresa. Merecem admiração os que ontem e hoje começaram a sentir já o reinventar a empresa, criando uma nova estrutura que ainda não somos capazes de definir: a empresa de amanhã sobre a qual importa reflectir é eixo sobre o qual se vai desenvolver este trabalho, numa tentativa, modesta, de contribuir para a sua compreensão. O futuro que se antevê para a gestão justifica-o plenamente.


A Tranquilidade, em plena articulação com o Grupo Espírito Santo, constitui uma Empresa de raízes Nacionais, mas com ligações Internacionais, que se consolida e cresce a cada dia, reforçando a sua condição de marca líder no Mercado Segurador Nacional. Ao longo dos últimos anos, e não perdendo essa valiosa herança, tem vindo a tomar forma todo um significativo processo de mudança organizacional, materializando orientações estratégicas que têm conduzido a um desenvolvimento significativo, permitindo alcançar e manter uma posição de grande relevância.

Porém, todo o investimento realizado, quer em termos de infraestrutura tecnológica e de redesenho dos processos de negócio, quer ao nível da construção de uma imagem de constante inovação e agressividade comercial, dificilmente seria realizável se não existisse todo um potencial humano na Tranquilidade.

+s.m.: Sendo a Companhia de Seguros Tranquilidade uma instituição com mais de 135 anos de idade, com um património histórico tão fortemente alicerçado na economia portuguesa, como sente esta nova realidade? A.D.: A Tranquilidade tem vindo ao longo dos anos a reinventar a sua dinâmica de gestão, adaptando-a e ajustando-a às contingências do mercado nos conturbados períodos da economia que já atravessou e certamente, como demonstrou no passado, estará à altura de os ultrapassar. +s.m.: Acredita que o “sub prime”, esse fenómeno iniciado nos EUA, seja o responsável por esta nova realidade? A.D.: O sub prime é sem dúvida uma questão que pode explicar parte da situação económica em que vivemos mas terá sido talvez um acontecimento que veio por a descoberto muitas outras situações intrinsecas ao sector financeiro e que, face aos bons resultados recentes, não estavam completamente a “descoberto”.

Entrevista Artur Duarte Director de Marketing da Companhia de Seguros Tranquilkidade


+s.m.: Estando atento a todas as metamorfoses da actual economia internacional, qual a sua visão no que respeita às soluções apresentadas por Bruxelas?

+s.m.: Vê todo este acontecimento económico como um grave problema ou o nascer de uma nova era, onde as companhias de seguro irão ter o papel mais relevante da sua missão?

+s.m.: Na sua opinião, a Europa e consequentemente Portugal, irá caminhar para um sistema de saúde com um formato próximo ao Americano?

A.D.: Em concreto sobre o sector segurador, o estabelecimento de um conjunto harmonizado de regras aplicáveis ao sector a nível internacional é sem dúvida um importante contributo para o incremento da eficiência do processo de tomada de decisão económicofinanceira. Na medida em que até então, a existência de diferentes práticas e formas de avaliação dos activos, das responsabilidades e das interacções tornava o próprio sector mais vulnerável.

A.D.: Penso que, como em todas as situações críticas da economia nacional e europeia, após a recessão os países encontraram sempre medidas para garantir a estabilidade e consequentemente dinamizar os mercados e sectores em prol do crescimento sustentado. As seguradoras, como todas as empresas dos mais diversos sectores, terão certamente um papel fundamental neste processo.

A.D.: Não creio. A Europa tem dos melhores sistemas de saúde. Podemos, por exemplo, verificar no estudo recentemente apresentado em Bruxelas pela conceituada organização Health Consumer Powerhouse (HPC), que inclusive recomenda aos EUA adoptarem uma política de saúde semelhante à da Holanda, o país classificado com o melhor sistema de saúde europeu. Quanto a Portugal, com o problema de acesso aos cuidados de saúde, deverá ter como referência aquilo que é feito em países como a Holanda, Dinamarca e Áustria, com sistemas de saúde a funicionar em pleno respondendo às necessidades da sua população.

+s.m.: As vossas Soluções Saúde Sanos dão-nos uma perspectiva tranquilizadora de que os seus detentores enfrentam o futuro da saúde com mais segurança. Objectivamente, qual a diferenciação que os nossos leitores poderão encontrar nestes produtos? A.D.: O produto Sanos da Traquilidade disponibiliza uma cobertura completa das despesas de saúde, desde uma simples consulta até situações mais complicadas, como uma doença grave. Estes cuidados médicos são assegurados numa rede de prestadores criteriosamente escolhidos entre os melhores médicos e clínicas nacionais, numa rede completa de prestadores em Espanha e num conjunto de hospitais de referência internacional nos EUA. Além da garantia de cuidados médicos o Sanos proporciona vários serviços de apoio à saúde, como uma linha telefónica permanente, em que o cliente pode contactar directamente com um médico em caso de necessidade ou vários descontos em lojas e serviços relacionados com a saúde, como spas e termas, medicina alternativa e centros de estética.

39

+s.m.: Para terminar, já que estamos em época natalícia, que presentes mais irá receber Portugal da Tranquilidade no ano de 2009? A.D.: Qualidade dos serviços, produtos à medida das suas necessidades, acompanhamento personalizado através da nossa rede de agentes, disponibilidade para ajudar na solução de todas as questões relacionadas com os seus seguros e muitos outros. Aproveito para desejar a todos os leitores da + Saúde Magazine Votos de um Feliz Natal e um 2009 com muita Tranquilidade.


+s.m.: O que foi para vc o ano de 2008? J.B.: O ano de 2008 foi um ano diferente de todos os outros, que se teve que trabalhar mais , ir a procura de várias vertentes e novas oportunidades de negócio. +s.m.: O público que frequenta o seu restaurante é sempre um público de uma classe média alta? J.B.: No Via Graça o nosso público alvo sempre foi a classe média e cada vez mais o nosso público tem de ser a classe média alta. Nós temos que estar cada vez mais fortes no mercado. Eu penso nisso porque os restaurantes em Lisboa têm que começar a pensar mais no mercado turístico, o que se, não for assim, eu vejo muitas dificuldades. É verdade que esse mercado está difícil mesmo no estrangeiro, essa chamada crise está na Europa e no mundo inteiro e sente-se que mesmo os estrangeiros estão a recuar. Mas de qualquer maneira, o mercado turístico tem que ser muito mais aproveitado. A grande diferença que se nota é que o turista que anda com uma mochila às costas pela cidade, frequenta este género de restaurantes. Isso vêse com alguma frequência, o que realmente no nosso mercado é impossível.

+s.m.: 2009 apresenta-se como uma nova realidade. Já tem alguma estratégia? J.B.: Tenho, desmistificando o medo apresentado pelos nossos políticos e assim transformar o ano de 2009 num ano cheio de oportunidades. É um ano em que devemos ter alguma contenção mas também podemos progredir. Muito sinceramente, não é um ano que me assuste. +s.m.: Continua a acreditar que Portugal e principalmente Lisboa vai ser novamente um centro nevrálgico e um centro de decisões? J.B.: Vai, porque, uma coisa que temos que dar o braço a torcer por este governo, se goste ou não se goste, é um governo que está a fazer com que Portugal tenha alguma projecção na Europa e no mundo. Temos um presidente da comunidade português, o melhor jogador do mundo português e temos uma série de coisas que são fundamentais para dar a conhecer o País. Acredito que se faz coisas boas em Portugal, temos excelentes restaurantes, temos um clima magnífico, o que me faz muito optimista nos próximos anos. Temos que ter bastante força. Isso é aquilo que eu transmito a todos. Temos que trabalhar mais, nos 40

concentrar mais no trabalho e sermos positivos. E esse optimismo faz-nos muita falta. Todos os dias transmito aos meus colaboradores que se vai vencer, que vamos melhorar e seguir em frente. Portanto, eu tenho uma equipa de trabalho que pensa desta mesma forma - é muito mais simples fazermos as coisas todos juntos, mas com mais trabalho e muito mais contenção. Temos que apostar muito forte. +s.m.: Somos nós que vamos ter que nos adaptar à nova realidade ou, de alguma forma, podemos transmitir aqueles que colaboram connosco, aos que são nossos fornecedores e nossos clientes, que existe outra forma de estar, essa forma positiva? J.B.: Eu sempre achei que estavamos a viver uma realidade que não era a nossa e cada vez mais acho que Portugal está a ir no caminho certo, o caminho da contenção. Esta contenção a que a chamada crise obrigou vai ser benéfica e talvez consiga equilibrar as coisas e então sim, daqui a uma década talvez, seremos um país próspero, cheio de jovens a aparecer nos negócios, que têm uma excelente cultura e que sabem ir à procura de novas oportunidades, que a nossa economia precisa.


Rua Damasceno Monteiro, 9B. 1170-108 Lisboa Telf: (+351) 21 887 08 30 geral@restauranteviagraca.com

João Bandeira Autor

+s.m.: Hoje a informação é repentina e está muito próxima de nós. Acredita que isto está a transformar um povo e todo o mundo? J.B.: A era da informação é importantíssima, a era tecnológica. Lembro-me, quando o nosso primeiro ministro ainda era candidato, disse claramente que ia fazer uma grande aposta tecnológica. A aposta podia ainda ter sido maior.

Sou adepto às grandes apostas, sou a favor dos TGV’s, dos aeroportos. O país precisa de alguma progressão sim, mas com contenção. Fui muito menos adepto às construções de estádios de futebol. Mas sou realmente adepto a tudo que faça com que Portugal progrida. +s.m.: O que poderia deixar a esses jovens que tanto elogia, o que vamos fazer em termos de futuro? J.B.: Há um slogan que gosto de dizer a todos os jovens: “Não tenham medo, apostem e acreditem”. Isso é essencial. Há uns anos quando me meti nos negócios, tive alguns

receios e algumas noites sem dormir. Mas temos que acreditar que, todos os dias quando nós acordamos é um risco e os negócios também são um risco - mas tem que ser um risco calculado e que não se tenha medo, porque só assim conseguimos fazer alguma coisa da nossa vida. Eu acho que os jovens empresário ou quem quer ser ainda empresário, tem que acreditar que Portugal vai ser e já é, um país próspero onde se consegue realmente vencer e que tenham confiança em Portugal. Foi bom falar consigo. Com mais jovens como você, vamos fazer Portugal.


Afonso Coruche Assistant Manager

+s.m.: O Hotel Baía faz parte do imaginário mais longínquo de Cascais. O que significa isso para si na actual conjuntura? A.C.: O Hotel Baía é uma empresa familiar com 46 anos de actividade. Foi construído pelo meu avô João Soares e tem sido sempre gerido pela família. Antes da construção do hotel neste mesmo local existia o Café Tavares, do meu bisavô materno. Já nessa altura era habitual a reunião das pessoas de Cascais no Café para debater assuntos do quotidiano e tertúlias sobre temas da actualidade. Com o desaparecimento do Café Tavares, o meu avô deu inicio a construção do hotel, inicialmente com 3 andares e um formato muito diferente do que é hoje em dia. Podemos dizer que o Hotel Baía constitui pela sua localização em pleno coração da vila de Cascais como que um ex-líbris ou um ponto de encontro obrigatório. Hoje em dia, e na actual conjuntura, tivemos de transformar o hotel de forma a servir as necessidades destes tempos e adaptarnos aos novos conceitos de hotelaria, mas mantendo o mesmo conceito de tradição e qualidade que já temos vindo a habituar os nossos clientes. O nosso slogan é Personal & Friendly Service, Quality & Tradition. (Serviço Amigável & Personalizado, Qualidade & Tradição)

+s.m.: Como vê esta situação económica global, esta nova realidade? A.C.: A actual situação económica global vem, de certa forma, abalar todos os sectores da economia portuguesa (e internacional) e o sector do turismo também não escapa à crise. Temos sentido que um dos maiores mercados emissores, o Reino Unido, tem diminuído em afluência. Com a actual situação da Libra face ao Euro, temos verificado que há um menor poder de compra e isso reflecte-se inevitavelmente nas nossas vendas. O mercado do Reino Unido representa 20% para o HB. Temos dirigido o nosso negócio para outros mercados emergentes como os países do leste, a Rússia, Hungria, Polónia, Republica Checa e outros como o Brasil, países estes que agora que foram criadas novas rotas para Lisboa tornam-se num segmento alvo a atingir. Temos de trabalhar mais para ir buscar esses novos mercados, até na forma como nos anunciamos (através das novas tecnologias – site traduzido para outras línguas, Russo, etc). Não somos pessimistas pois temos um bom produto que foi todo ele recentemente renovado, e oferecemos uma boa relação preço/ qualidade. Vemos esta nova realidade como uma oportunidade visto que podemos cativar novos clientes, e ainda aqueles que procuram agora (devido ao menor poder de compra) um destino mais próximo e mais em conta.

+s.m.: E daqui para frente, qual a filosofia que, na sua opinião, devemos adoptar? A.C.: Gerir implica prever, renovar, ajustar a novas situações. Vamos continuar a trabalhar para consolidar os mercados actuais e manter os nossos clientes de “sempre”, procurar novos mercados ou novos nichos de mercado. Seremos cautelosos mas recusamos filosofias pessimistas ou derrotistas. Acreditamos no nosso produto, no nosso trabalho e no desenvolvimento das nossas capacidades. Temos de identificar as oportunidades e aproveita-las. +s.m.: Em relação ao público com que trabalham, em que se diferenciam, hoje, os clientes, colaboradores e fornecedores? A.C.: Relativamente aos nossos clientes, verificamos que hoje em dia a faixa etária diminuiu um pouco a média. Ou seja, é um mercado mais jovem que está mais informado e é muito mais exigente. Utilizam as novas tecnologias como ferramentas para escolheram e marcaram as suas férias.Temos verificado uma pequena diminuição no mercado de terceira idade e estamos a cativar cada vez mais o mercado business. Aliás, uma das nossas reformulações passou pela criação de 4 novas salas para reuniões e eventos, com capacidade até 150 pessoas (http://www.hotelbaia. com/reunioes.htm), equipadas com todas as novas tecnologias, desde Internet Wireless Gratuita em todas as áreas sociais, etc. O perfil do nosso cliente é hoje em dia o casal de 40 anos de classe económico-social media alta, que viaja em família com uma media de estadia de 3 a 4 noites, e que viaja mais vezes mas pernoitas mais curtas. Quanto aos nossos colaboradores, temos estado em constante formação adaptando o


Personal & Friendly Service, Quality & Tradition.

nosso tecido empresarial aos novos conceitos e exigências da hotelaria moderna. Desde novos requisitos que as entidades nos obrigam, à implementação de novas metodologias. Não basta só reformular a unidade em si, há que renovar as mentalidades e formar o pessoal pois eles são a força motriz da nossa empresa. No que diz respeito aos nossos fornecedores, procuramos uma política mais rigorosa de selecção tendo como objectivo principal uma melhor qualidade ao melhor preço através de centrais de compras.

+s.m.: O vosso restaurante é o mais bem situado de Cascais e vemos um grande critério na escolha dos materiais. Quais são as expectativas para o Baía Grill? A.C.: O nosso Restaurante Baía Grill tem sido, ano após ano, premiado com o Prémio da Qualidade Gastronómica, atribuído pela Junta de Turismo da Costa do Estoril. O Restaurante está a funcionar bem, contudo existe lugar para crescimento. A decoração é simples mas de bom gosto. Temos feito um esforço enorme para quebrar o estigma existente no que toca a restaurantes de

diferentes todos os dias. O nosso serviço já é conhecido por ser personalizado e com altos níveis de qualidade. Temos muitos clientes habituais e estamos a conseguir captar um novo mercado. Julgamos estar no bom caminho e com uma mesa em frente ao mar, numa localização tão privilegiada como esta, só pode ser a receita para uma boa refeição.

+s.m.: Como será este ano para o Hotel Baía? A.C.: 2009 será um ano difícil, uma vez que fizemos grandes investimentos que teremos de rentabilizar a curto prazo. Estes investimentos passaram pela remodelação dos nossos 113 quartos e suites, áreas sociais, 4 salas de reunião e um novo restaurante e esplanada. Acreditamos no nosso produto e esperamos que 2009 nao seja inferior a 2008 no que diz respeito a ocupação. Contudo há que ter em mente que os custos aumentaram significativamente.

hotel. Enquanto no Rio de Janeiro por exemplo é chique ir a um restaurante de hotel, em Portugal continua a haver muito o conceito de que é somente para os seus hóspedes. Nós apostamos numa reformulação do restaurante com um brand próprio e aberto ao público. Não apostamos na “cozinha de autor” mas sim na qualidade dos produtos nacionais e da região.Temos que apostar no que é nosso e que é bom! Temos uma excelente carta de vinhos em constante renovação e para alem da ementa temos 5 ou 6 pratos do dia, também eles

Queremos manter a nossa certificação de PME Líder e o nosso prémio de qualidade gastronómica atribuído pela JTCE. Estamos a trabalhar para requalificar o hotel com mais 1 estrela e estamos diariamente a trabalhar para melhorar os nossos serviços. No futuro queremos candidatar-nos para a certificação ambiental, que julgamos ser muito importante nos dias de hoje e manter os nossos altos standards de segurança e higiene alimentar.

+s.m.: O que as pessoas podem aguardar em relação a oferta do Hotel Baía em 2009? A.C.: Em 2009 queremos manter e melhorar a qualidade dos nossos serviços.

Visite-nos em www.hotelbaia.com


Av. Marginal 2754-509 Cascais Telf.: (+351) 21 4831033 Fax.: (+351) 21 4831095 Reservas: reservas@hotelbaia.com Atendimento Geral: geral@hotelbaia.com www.hotelbaia.com


O restaurante Lucullus Jappa Sushi está situado na zona histórica de Cascais, desde 1978. Expandindo a sua tradição de excelência na cozinha Italiana, há dez anos foi criada a parte Japonesa e chefes altamente especializados foram trazidos do exterior. Desde a sua inauguração há constantemente novidades no sushi de fusão do Lucullus e mantendo sempre o sushi tradicional. Aberto 7 dias por semana. Aos almoços das 12h30 às 15h00 e jantares das 19h30 às 23h30. Tem capacidade para 180 lugares em quatro ambientes diferentes: Sala Japonesa, Italiana, Jardim de Inverno e Lounge. O Buffet Japonês são 25€ pax às sextas e sábados / 15,90€ pax de quinta a domingo. Também oferece os Combinados do Chefe para uma pessoa ou quatro, que são criações sempre únicas. O Lounge Bar está aberto às sextas e sábados até às 2am com dj’s. Almoços e jantares para grupos com menus próprios e Serviço de Catering. Dignas de uma experiência única e inesquecível!

R. Palmeira 6-A, Cascais Tel: 214 844 709 Web: lucullusrestaurante.com Email: lucullus.jappasushi@gmail.com


Dragomir Tomic Empresário

+s.m.: A conjuntura actual e os murmúrios de crise interferiram na actividade da empresa? D.T.: Sim, com a diminuição da quantidade de clientes +s.m.: E hoje qual é o factor que faz com que a sua empresa marque a diferença? D.T.: Novas idéias, inocações de gastronomia, investimento em ambientação, qualificação da mãode-obra, promoções e trabalho de fifelização do cliente +s.m.: O que o fez decidir-se em dar continuidade a este negócio? D.T.: O sucesso proficional e financeiro +s.m.: É uma figura sempre presente no dia-a-dia da empresa? D.T.: Sim, diariamente, em diurno e noturno pois, abrimos tb para almoço +s.m.: Sabe delegar ou é o único decisor na sua empresa? D.T.: Sou único decisor na empresa

+s.m.: Como nasceu o seu negócio? D.T.: Baseado em experiências adquiridas em viajens em torno do mundo. +s.m.: Sempre foi esta a área de negócio ou em alguma altura diversificou-se? D.T.: Sendo engenheiro textil, antes trabalhei com a criação de moda e, depois disso, enveredamos pelo ramo de pizzaria e depois pelo ramo artístico abrindo uma galeria de arte que chamava-se Escada Quadro +s.m.: Qual foi o factor que o fez marcar a diferença em sua área? D.T.: Inovação e criatividade +s.m.: Qual foi o segredo do sucesso? D.T.: Idéias novas e trabalho árduo +s.m.: Que desafios a empresa enfrentou em seu percurso? D.T.: Disvalorização de moedas, aumento de encargos sociais, crise financeira e mão de obra qualificada


+s.m.: Como vê os colaboradores? D.T.: Como parceiros e clientes internos +s.m.: Como vê os seus clientes? D.T.: Juntamente com o cliente interno, o que temos de maior valor na empresa +s.m.: Como vê os seus fornecedores? D.T.: Entendem-nos quanto às nossas necessidades e bons de negociação. +s.m.: Fazer o mercado entender ou oferecer o que precisa o mercado? D.T.: Uma constante tentativa de se vender um Conceito (de qualidade e sofisticação) +s.m.: Quantidade ou Criatividade? D.T.: Quantidade com criatividade e Qualidade +s.m.: Prevenir ou Remediar? D.T.: Prevenir, sempre que possível e remediar quando necessário

+s.m.: Publicidade ou Relações Públicas? D.T.: Ambos +s.m.: Descontos ou Promoções? D.T.: Ambos +s.m.: Clássico ou inovação? D.T.: A mistura dos dois é fundamental para sobrevivência +s.m.: Prazo ou Preço? D.T.: Prazo, preço e controle

47


Novo Hospital a caminho, três novos centros de saúde a funcionar e múltiplos projectos e estruturas com apoio municipal

À beira-mar plantado, o Concelho de Cascais cedo foi reconhecido como beneficiando de um clima propício ao restabelecimento da saúde. Assim o atesta a instalação desde o século XIX de verdadeiros hospitais como o Sanatório Marítimo de Carcavelos, hoje Hospital Ortopédico Dr. José de Almeida, ou o Hospital de Sant’Ana, ambos já centenários. A preferência pelo tratamento em Cascais motivou, também no dealbar do século XX,

uma subscrição pública com vista à construção do Hospital Condes de Castro Guimarães, hoje peça central do Centro Hospitalar de Cascais e que em breve será desactivado para dar lugar a uma nova infraestrutura dotada das mais modernas condições para a prestação de cuidados de saúde. Fruto de uma Parceria Público-Privada entre Ministério da Saúde e a HPP-Saúde (Hospitais Privados de Portugal/

Grupo CGD/Teixeira Duarte), o novo Hospital de Cascais irá servir uma população de mais de 285 mil habitantes dos concelhos de Cascais e a zona Oriental de Sintra (na área Materno-Infantil). As obras estão no terreno em pleno desenvolvimento e a abertura ao público está prevista para o início de 2010, significando um investimento de 387 milhões de euros, dos quais 100 milhões de euros serão canalizados para a construção. Novos Centros de Saúde Mas não é apenas ao nível dos cuidados hospitalares que se faz a história recente da saúde em Cascais. Nos últimos anos o concelho assistiu também à construção de três novas extensões de saúde, numa parceria entre a Câmara Municipal de Cascais e a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. Perante as dificuldades da Administração Central em avançar com as obras, o município celebrou contratos-programa para pôr de pé, no mais curto espaço de tempo possível, os edifícios das extensões de Saúde de S. Domingos de Rana, Alcabideche e S. João do Estoril. Com as novas instalações, tanto a população como médicos, enfermeiros e demais trabalhadores destes espaços passaram a dispor de condições dignas para aceder e praticar a saúde no concelho. CAIXA1: Acessibilidades | A Câmara Municipal de Cascais investiu cerca de 8 milhões de euros na criação de acessibilidades ao novo hospital, obra que incluiu acessos viários e redes de infra-estruturas dedicadas de água, electricidade, gás, saneamento e telecomunicações. CAIXA2: Investimento | O novo Hospital de Cascais irá servir uma população de mais de 285 mil habitantes dos concelhos de CASCAIS e a zona Oriental de Sintra (na área Materno-Infantil. A abertura ao público está prevista para o início de 2010, com um investimento de 387 milhões de euros, dos quais 100 milhões de euros para a construção.

48


SAÚDE MEXE MUITO EM CASCAIS

Para além dos hospitais e centros de saúde e, na esfera privada, de várias unidades hospitalares de relevo (Clínica CUF, Hospital de Alcoitão e Hospital de Sant’Ana), de diversas clínicas privadas de prestígio e unidades de diagnóstico e análises, Cascais mantém activos muitos serviços de apoio nesta área,com vista a proporcionar respostas específicas às necessidades da população. Destes poderiam destacar-se os projectos relacionados com a promoção da saúde e bem-estar na Terceira Idade, como é o caso do programa “Seniores em Movimento” que visa a promoção do acesso dos munícipes idosos à actividade física regular e enquadrada, e procura promover a confiança pessoal e a independência funcional, contribuindo assim para uma melhoria da qualidade de vida. Outro exemplo é o Programa das “Sessões de Educação para a Saúde” que pretende educar os mais idosos para uma alimentação mais saudável.

Resposta a patologias específicas No que respeita a patologias mais específicas, também existem no concelho de Cascais diversas infra-estruturas, como é o caso da sede da Associação Nacional de Espondilite Anquilosante, em Rana, Sede do Grupo de Apoio e Desafio à Sida, em Cascais, estando em curso o processo para construção da futura sede e unidade residencial da Associação Nacional de Familiares e Amigos dos Doentes de Alzheimer. Aposta na prevenção Quando o tema é saúde, nunca

Terapia Familiar e Saúde Mental Ao mesmo tempo, o município dinamiza protocolos no âmbito da Terapia Familiar, para prestar apoio às famílias ajudando-as a enfrentar distúrbios relacionados com factores de crise como a morte, separação, conflitos intergeracionais. Paralelamente, com uma periodicidade anual, realizamse em Cascais encontros anuais sobre Saúde Mental, destinados a perspectivar a abordagem familiar na compreensão da doença mental, envolvendo equipas Comunitárias de Cascais e da Parede do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital S. Francisco Xavier e a ARIA - Associação para a Reabilitação, Integração e Ajuda. 49

é demais apostar na prevenção e Cascais não foge à regra. Durante o ano são diversas as acções de rastreio e sensibilização que pontuam nas seis freguesias, em parceria com diversas entidades e cujo expoente máximo será, talvez, dado pelas comemorações do Dia Mundial do Coração. Neste dia, além dos habituais testes ao colesterol, glicemia, tensão arterial e índices de massa corporal, os participantes são convidados a formar um coração, assumindo pessoalmente o compromisso de lutar por uma vida mais saudável.


Fernando Arrobas da Silva Estudante de Medicina Dentária, Universidade de Lisboa Fernando.Arrobas@gmail.com

Ensino Saudável

D

O desejo de um País melhor e mais desenvolvido a todos os níveis passa necessariamente pela sua Educação de Qualidade.

esde o século XIX, quando se inventou a moder modernidade escolar e pedagógica, mais de cem anos se passaram e, embora admitamos que a escola de hoje é infinitamente melhor do que a escola de ontem, em muitos aspectos a escola ainda vive com retraimento nas fronteiras da modernidade.

Acompanhar a Europa é fundamental, mas aprender e ensinar. Imitamos sempre, mas também temos de nos consciencializar que podemos ensinar e aproveitar ocasiões como esta para mostrar originalidade e carácter para criar um feitio próprio.

Com o Processo de Bolonha e construção do espaço europeu de Ensino Superior, a duração dos cur cursos e os planos de estudo foram adequados, discutiu-se a estrutura das Instituições, o seu financiamento, as carreiras docentes e esqueceu-se verdadeiramente o que Bolonha tinha de melhor para oferecer, nomeadamente, as reformas de pedagogia e a oportunidade de rever e orientar metodologias e objectivos de ensino e aprendizagem.

Contudo, as conclusões demonstram que esta implementação não passou de um processo burocrático de operação cosmética dos cursos, tendo-se passado ao lado de mais uma oportunidade. Inclusivamente, em muitas Instituições por esse país fora, das insuficiências nor normativas dos documentos “Regras de Transição de Bolonha” criaram-se problemas reais, concretos, pungentes e prementes aos quais foi necessário dar respostas, do ponto de vista pedagógico, científico e jurí jurídico simultaneamente.

Não há segredos na constituição de uma boa escola, não há mistérios indecifráveis. E a manifesta incapaciincapaci dade que o País tem revelado em concretizar políticas desenhadas num papel de boas intenções, acreacre dito que se devam simplesmente às condições históricas, políticas e soso ciais reinantes, não mais que o nosso estágio de desenvolvimento a ver-se ao espelho. Enquanto processo multilateral, porque envolve variados países e parceiros sociais, a realidade de Bolonha tinha como objectivo alterar profundamente o panorama de Ensino Superior, tendo em vista uma maior competitividade internacional, melhoria da empregabilidade e mobilidade dos cidadãos.

Sem dúvida que este “passar ao lado” de reformas é também culpa dos alunos que vêem cada vez mais as Faculdades no seu sentido mais imediato de “ciência professada na Universidade”, 50


Acredito que a sociedade urbana portuguesa, toda em conjunto, é que tem vindo a criar uma geração propro tegida que dificilmente assume comcom promissos e sem grandes opções de escolhas de futuro e, talvez por isso mesmo, se sinta permanentemente insatisfeita. A situação sobrante desta situação é a criação das Faculdades como um tempo da vida transitório, por vezes associado, por diversas razões, ao desagrado e frustração dos seus discentes. Ao invés, o tempo que se passa nas Faculdades devia ser antes encarado como um modelo circunstancial de uma parte de nós mesmos, enquanenquan to etapa de crescimento e porção orgânica do que somos. Tempo em que, do princípio ao fim, se procura decifrar um mundo de experiências, esforço e autonomia. Apelidada como o “ tempo das nosnos sas vidas ”, a Faculdade molda-se na aprendizagem: da profissão que vamos exercer, do que é a vida, de conhecer outros e outras formas de pensar e de conhecermo-nos a nós próprios. Como tal, a primeira responsabilidaresponsabilida de de uma instituição universitária deve de ser o acolhimento e a inteinte gração dos seus estudantes e a quaqua lidade da formação que lhes presta. Impõe-se por isso fornecer a todos os estudantes uma formação huhu manística e científica de base (no plano internacional, é esta “liberal education” que distingue as melhomelho res universidades e que está na oriori gem da sua reputação e prestígio), implementando uma flexibilidade

curricular desde o primeiro ano, repensando o papel das disciplinas de base das Letras, das Ciências e das Artes na formação universitária e igualmente aprofundar a vivência dos campus universitários, consolidando iniciativas culturais, artísticas e desportivas (a título de exemplo, não deveria existir nenhum curso que não contemplasse a actividade física – ex.: natação - uma vez por semana). De inúmeras formas se podem relacionar as palavras saúde e ensino. Ainda assim, a questão de hoje é quanto tempo mais será preciso para recuperar a “saúde” dos sistemas educativos? A resposta que procurei dar não é uma conclusão, é apenas uma exor exortação para reflectir sobre os aspectos da docência e dos processos de ensino e aprendizagem quando o tema é ensino “saudável”.

Toda a mudança vem sempre associada a ambição e a resistência. Ambiciosa porque exige sempre uma séria e exigente avaliação da situação actual, bem como coragem e vontade política para concretizar os projectos e resistente porque se luta muito para que tudo mude ficando tudo igual, característica tão querida das atávicas instituições públicas nacionais.

51

E, assim, para já, ainda seguimos prisioneiros de um sistema de ensino pensado para formar cada um à medida do lugar profissional que lhe está destinado, em vez de afecto a um conceito de valorização pessoal e de qualificação escolar para todos. Por cumprir, ainda há um universo de (ir)realizações! E é aqui que devemos encontrar a nossa motivação.

“eu tlim ciências tu tlim matemáticas ele tlim trabalhos manuais nós tlim recreio vós tlim senhora eles tlim castigo” Mário Cesariny


Q

uando vemos um documentário da BBC News ou do National Geographic, não vemos ursos a andar de bicicleta, nem babuínos a montar póneis, os tigres e leões nunca passariam por entre arcos em chamas e os elefantes nunca se manteriam apenas em duas patas no seu meio natural e de acordo com as suas características fisiológicas e psicológicas As actuações de animais em circos apresentam uma visão distorcida da vida selvagem e de como aqueles animais são, mostrando sempre animais como caricaturas de humanos ou ridicularizados, em situações que lhes impõem uma vida condicionada, de encarceramento, em condições miseráveis, sem contar com os treinos que são de grande violência.


O espectáculo mais triste do mundo

Falta de higiene e mal-estar Alegria de uns, tristeza de outros A maioria dos animais utilizados nos espectáculos de circo são violentamente capturados no meio selvagem - sendo separados das suas famílias e tendo as suas famílias sido mortas - ou comprados a jardins zoológicos. Em qualquer um dos casos, os animais de circo têm sempre passados traumáticos e, fruto da maneira como são mantidos e tratados enquanto protagonistas dos espectáculos de circo, estão condenados a uma vida de permanente angústia e depressão.

Treino ou tortura? Nos circos, a lição mais importante que os animais aprendem desde bebés, é que, se desobedecerem, serão castigados violentamente. Durante toda a vida, tigres, leões, elefantes, ursos, chimpanzés, babuínos, zebras, camelos, girafas, póneis, cavalos, cães e outros animais, vêem os seus momentos de tédio marcados pela apatia que resulta do encarceramento permanente em jaulas pouco maiores do que os próprios animais. Esses momentos são apenas interrompidos por sessões de treino cruéis, em que o espancamento, o uso de barras de metal, de aguilhões-gancho e de chicotes e a electrocussão são os meios de treino; ou pelos espectáculos, onde há também violência, mesmo que menos visível aos olhos dos espectadores. A violência e o medo fazem parte do dia-a-dia destes animais e são os ingredientes fundamentais para que a actuação aconteça.

O stress e os distúrbios comportamentais. Fora dos seus habitats naturais, a ansiedade e o stress resultantes da clausura, do tédio, das horríveis condições em que são mantidos, da violência da condução, do maneio e dos treinos a que são submetidos, fazem com que os animais de circo fiquem com distúrbios comportamentais graves, nomeadamente a repetição permanente dos mesmos movimentos sem sentido, que indicam que estão já alheados do mundo, perturbados pela escravidão no circo. Outros comportamentos estereotipados, como a auto-mutilação, a coprofagia (comem as próprias fezes), o constante abanar da cabeça, o caminharem incessantemente para a frente e para trás ou de um lado para o outro, tomam conta dos animais, que necessariamente cedem à pressão e entram num autêntico estado de loucura.

53

Quanto mais exóticos e especiais são os animais, mais fechados estão nos circos. O lar de qualquer animal num circo é, normalmente, uma jaula pouco maior do que o próprio animal, que também serve como o vagão em que vão ser transportados, e onde o animal passa fechado a maior parte da sua vida. Como se não bastassem as más e inadequadas condições nas dimensões mínimas a que são submetidos, frequentemente as jaulas estão sobrelotadas, fazendo com que os animais mal se possam movimentar. Animais que, no meio selvagem, correriam dezenas de quilómetros por dia, são forçados a passar quase todas as horas dos seus dias em jaulas exíguas, vivendo sobre as próprias fezes e urina, sem se poderem exercitar, ficando aborrecidos e deprimidos pelo tédio e muito desconfortáveis com a total falta de higiene. Durante o transporte, os animais viajam em condições igualmente pobres, sujeitos a todas as condições climatéricas, expostos ao frio e ao calor, mesmo quando as suas características biológicas colidem com estas condições. Acresce ainda o facto de muitos animais ficarem feridos e com deficiências físicas crónicas em resultado do uso das correntes com que são presos durante muito do seu tempo de reclusão. Outros animais exibem ferimentos que nunca são tratados. Mesmo para os animais que têm direito a ser mantidos em espaços pequenos de recreio, como acontece por vezes com os cães, póneis, lamas e camelos, é muito comum nas viagens do circo de uma localidade para outra que demoram apenas uma hora, os animais estarem fechados nos vagões durante mais de dezasseis horas.


O circo sem animais Os circos desafiam os mais elementares princípios da conservação das espécies. Na verdade, os circos com animais estão frequentemente envolvidos no tráfico de animais exóticos – e revelam-se um entretenimento mórbido, conseguido a partir da miséria dos animais usados. Os circos com animais são também espectáculos anti-pedagógicos, onde animais complexos e sensíveis são apresentados como caricaturas de humanos e ridicularizados, levando as crianças – principal público dos circos – a ficarem com ideias completamente erradas acerca da forma como os animais são. A ANIMAL é uma organização não-governamental de defesa dos direitos fundamentais dos animais não-humanos (www.animal.org.pt). A organização defende que a utilização de animais em circos, por ser cruel e impor-lhes um grande sofrimento físico e psíquico, não é aceitável e deve ter um fim. Também acredita que, enquanto o circo com animais é o pior espectáculo do mundo, já o circo sem animais tem todas as condições para ser o “melhor espectáculo do mundo”.

O que se tem vindo a assistir por todo o mundo são as companhias de circo tradicional abandonaram o uso de animais e apostaram a sua energia nas actuações de artistas humanos – essas sim, admiráveis. Na corrente do “Novo Circo” – que tem como opção ar artística apenas a participação de humanos – como o “Cirque du Soleil”, o “Cirque Plume”, o “No Fit State” e outras grandes companhias do New Circus que maravilham o público em todo o mundo, com os seus trapezistas, malabaristas, actores, palhaços, contorcionistas e outros artistas, que escolheram fazer parte de um espectáculo admirável onde os animais não devem estar e onde só podem estar se forem violentamente forçados a isso.

A ANIMAL está a desenvolver a Campanha “Manifesto ANIMAL, Pelo Fim dos Crimes Sem Castigo”, em defesa da aprovação e implementação em Portugal de uma nova lei de protecção dos animais, que assuma a forma de um Código de Protecção dos Animais, para tornar a protecção legislativa dos animais em Portugal mais moderna, eficaz, progressista e justa. Visite o site www.manifestoanimal. org e dê o seu contributo para que os objectivos desta campanha sejam conseguidos.

O apelo da ANIMAL é claro: NÃO CONTRIBUA PARA A MISÉRIA E SOFRIMENTO DOS ANIMAIS DE CIRCO. Não ajude a que continuem a ser cruelmente explorados. A solução é simples: não visite circos com animais. O sofrimento, o medo e a angústia deles não são espectáculo. Aconselhe todos os seus familiares, amigos e conhecidos a fazerem o mesmo.

A Acção Animal (www.accaoanimal.com), é outra associação que, em colaboração com a LPDA, iniciou uma campanha contra a exploração de animais nos circos através de uma campanha publicitária que foi colocada na rua e na imprensa. Veja estes anúncios e junte-se à esta causa:

54


55


Preocupa-se com o meio ambiente? Caso se preocupe com o meio ambiente em que vive e caso goste que seus filhos e netos possam desfrutar do mesmo no futuro, então você é uma pessoa responsável em questões ambientais. Mas não basta apenas preocupar-se, é preciso agir.Porque o meio ambiente tem pressa, e degrada-se a cada minuto que passa.

O

s produtos ecologicamente

Como a sua participação pode ser importante para o meio

correctos, ou ecoprodutos,

ambiente? A selecção e a reciclagem permitem:

são aqueles produzidos com

* A geração de empregos directos e indirectos;

materiais reciclados ou recicláveis,

* A diminuição da quantidade de lixo a ser aterrada;

através de técnicas utilizadas para

* A preservação do meio-ambiente;

a redução de consumo de matéria

* Economia de energia;

- prima e, principalmente, visando

* Melhor qualidade de vida da população;

reduzir a poluicão causada pelos

* Poupar matéria-prima da natureza.

mesmos através da sua reutilização.. Entre os ecoprodutos, podemos citar os materiais obtidos através da reciclagem, como vassouras, tintas, roupas, telhas, que podem ser feitas de pet reciclado. Mas há ainda os produtos que são produzidos e que, apesar de não poderem ser reprocessados ou reciclados, têm um destino adequado. Existem, por exemplo, os produtos biodegradáveis. ou seja, aqueles que se degradam naturalmente em contato com a natureza. O sabão biodegradável, por exemplo, degrada-se

ao

fim

de

algum

tempo em contacto com a água. É parecido com os detergentes biodegradáveis, porém o sabão não apresenta substâncias que fazem peixes e microorganismos aquáticos morrerem, o que pode acontecer no caso de alguns detergentes. É importante que os consumidores

A adopção de práticas como estas

colaborem, optando por produtos

contribuem em muito para a redução

Deixe que três “R”s passem a

que contenham menos embalagens,

dos resíduos gerados em nossas casas

fazer parte da sua vida: o “r” de

ou por aqueles cujas embalagens

e sem dúvida alguma irão fazer com

reduzir, o de reutilizar e o de

possam ser reutilizadas por ele

que as indústrias fiquem atentas às

reciclar. Reduza o lixo produzido;

próprio, na sua casa, ou encaminhadas

novas mudanças, criando produtos mais

reutilize o que for possível e

para reciclagem.

adequados e correctamente ecológicos.

recicle ou facilite a reciclagem.


Produtos Ecologicamente Correctos

Ecoprodutos de qualidade

seja devidamente informado das

que a Sony é a fabricante da consola

É

características do produto que vai,

PlayStation e das centenas de jogos

que

amplamente nosso

reconhecido

planeta

necessita

ou não, adquirir.

com que esta se alimenta.

urgentemente de uma campanha

Um dos grandes males no quesito

Várias marcas de renome estão a

mundial de preservação do meio-

degradação ambiental é actualmente

promover vários programas que

ambiente, e da restauração de

o telemóvel. A caixa, ou a “carcaça”,

visam como melhorar o valor e a

meios já degradados pelo homem

do telefone e, principalmente, a

co-eficiência dos seus produtos e

– se, claro, ainda puderem ser

sua bateria duram anos, levando

processos de negócios.

restaurados.

décadas a degradar-se, e contêm

Essas tecnologias e ecomateriais

Um dos caminhos que podemos

chumbo, mercúrio e outros metais

reduzem os consumos de energia,

seguir é a adequação e a implantação

e elementos nocivos à saúde e ao

aumentam a vida útil e autonomias

dos chamados ecoprodutos, de uma

meio.

dos

forma mais enfática no mercado mundial, para que o pensamento

CO2.

também nas futuras gerações. Os ecoprodutos, como o próprio sugere,

são

produtos

desenvolvidos a partir de matériaGreenpeace,

prima natural, ou não nociva para

A

o meio ambiente, em nenhum

mundialmente reconhecida, elabora

dos momentos da sua fabricação,

uma lista conhecida pelo público em

utilização e até mesmo no pós-uso.

geral como “lista verde”, que traz

Quando o consumo destes produtos

informações sobre as empresas que

se tornar habitual na sociedade, a

adequam da melhor forma, a sua

tendência é que o sector cresça,

produção com o desenvolvimento

proporcionando

sustentável.

a

fabricantes,

organização

fornecedores de matéria-prima e,

A Nintendo e a Microsoft são

obviamente, à própria sociedade um

consideradas, na lista, como as

retorno em forma de investimentos

empresas menos preocupadas com

e sustentabilidade.

o ambiente. É notório que ambas

Os ecoprodutos – mais que qualquer

fabricam com frequência jogos de

outro produto – atravessam uma

vídeo com produtos químicos que

árdua batalha até à sua chegada

são tóxicos.

efectiva ao mercado. Testes de

Mas, planos e consciencialização

qualidade, durabilidade e resistência

são sempre bem vindos, afinal a

são apenas uma parte dos exames

Sony é uma das empresas que tem

a que são submetidos. Depois, é

maior preocupação com o meio

preciso fornecer os respectivos

ambiente - também segundo a lista

dados para que o consumidor

do Greenpeace -, e vale lembrar 57

e

diminuem

significativamente as emissões de

Eco-simens s670

“Salve o planeta” esteja presente

nome

produtos


Astrologia As características dos Signos

TOURO 21/04 a 20/05 O Resistente

CARNEIRO 21/03 a 20/04 O Desafio Enérgico Confiante e entusiástico. Divertido. Ama um desafio. Extremamente impaciente. Às vezes egoísta. Fusível curto (enfurece facilmente). Vivido, inteligência apaixonada e afiada. Gosta de sair. Perde interesse depressa - facilmente entediado. Egoístico. Corajoso e afirmativo. Tende a ser físico e atlético.

Que encanta mas agressivo. Pode parecer enfadonho, mas não é. Trabalhador duro. Amável. Forte, tem resistência. Seres sólidos e estáveis e seguros dos modos deles/delas. Não procuram atalhos. Orgulhosos da beleza deles/delas. Pacientes e seguros. Fazem grandes amigos e dão bons conselhos. Bom coração. Amam profundamente - apaixonados. Expressam-se emocionalmente. Propenso a temperamento - acessos de raiva ferozes. Determinado. Cedem aos seus desejos frequentemente. Muito generoso.

GÉMEOS 21/05 a 20/06 O Tagarela Inteligente e engenhoso. Parece estar sempre de saída, muito falador. Vivo, enérgico. Adaptável mas com necessidade de se expressar. Argumentativo e franco. Gosta de mudança. Versátil. Ocupado, mas às vezes nervoso e tenso. Fofoqueiro. Pode parecer superficial ou incoerente. Só e sujeito a mudança. Bonito fisicamente e mentalmente.

SAGITÁRIO 22/11 a 21/12 O Optimista ESCORPIÃO 23/10 a 22/11 O Intenso BALANÇA 23/09 a 22/10 O Harmonizador Agradável a todos os que se encontram com ele. Indeciso. Tem uma atracção própria sem igual. Criativo, enérgico e muito social.. Odeia estar só. Calmo, generoso. Muito amoroso e bonito. Gosta de flirtar. Cede muito facilmente. Tende a deixar para depois. Muito crédulo.

Muito enérgico. Inteligente. Pode ser ciumento e/ou possessivo. Trabalhador. Grande beijador. Pode ficar obsessivo ou reservado. Guarda rancor. Atraente. Determinado. Amores que estão em relações longas. Falador. Romântico. Pode ser às vezes egocêntrico. Apaixonado e emocional.

Irrefletido. Não quer crescer (síndroma Peter Pan). Favorece o ego. Orgulhoso. Gosta de luxos e jogar. Social e gosta de sair. Não gosta de responsabilidades. Frequentemente fantasia. Impaciente. Divertido estar ao seu redor. Tem muitos amigos. Coquete e gosta de flirtar. Não gosta de regras.. Às vezes hipócrita. Antipatiza com espaços apertados e roupas apertadas. Não gosta que duvidem dele. Bonito por dentro e por fora.


LEÃO 23/07 a 22/08 O Chefe

CARANGUEJO 21/06 a 22/07 O Protector Emocional. Pode ser tímido. Muito amoroso e gentil. Bonito. Sócios excelentes para vida.. Protector. Inventivo e imaginativo. Cauteloso. Tipo de pessoa sensível. Necessidade de ser amado pelos outros. Magoa-se facilmente, mas simpático.

CAPRICÓRNIO 22/12 a 20/01 O Paciente Pessoa agressiva e sábio. Prático e rígido. Ambicioso. Tende a estar bonito. Humorístico e engraçado. Pode ser um pouco tímido e reservado. Frequentemente pessimistas. Tendem a agir antes de pensar e podem ser às vezes pouco amigáveis. Guarda rancor. Gosta de competição. Obtêm o que eles querem.

Muito organizado. Precisa de ordem nas vidas deles/delas - como estar em controle. Gosta de limites. Tende a assumir tudo. Mandão.. Gosta de ajudar os outros. Social e gosta de sair.. Extrovertido. Generoso, amável. Sensível. Energia criativa. Confiantes neles próprios. Bons amantes. Fazer a coisa certa é importante para Leão. Atraente.

VIRGEM 23/08 a 22/09 O Perfeccionista Dominante em relações. Conservador. Quer ter sempre a última palavra. Argumentativo. Preocupado. Muito inteligente. Antipatiza com barulho e caos. Ansioso. Trabalhador. Leal. Bonito. Fácil de falar. Difícil de agradar. Severo. Prático e muito exigente. Frequentemente tímido. Pessimista.

AQUÁRIO 21/01 a 29/02 O Amado

PEIXES 20/02 a 20/03 O Sonhador

Optimista e honesto. Doce personalidade. Muito independente. Inventivo e inteligente. Amigável e leal. Pode parecer não emotivo. Pode ser um pouco rebelde. Muito teimoso, mas original e sem igual. Atraente no lado de dentro e fora. Personalidade excêntrica.

Bom coração e pensativo. Muito criativo e imaginativo. Pode ficar reservado e vago. Sensível. Não gosta de detalhes. Sonhador e irreal. Simpático e amoroso. Desinteressado. Bom beijador. Bonito.

59


O Stress e os seus diferentes tipos de intensidade Hoje em dia, é cada vez mais comum ouvirmos as pessoas queixarem-se de serem vítimas de stress. Na maioria dos casos, entretanto, o que vemos são apenas indivíduos fadigados e desgastados fisicamente pela agitada rotina da vida moderna.

A palavra stress caracteriza outro tipo de processo, mais complexo, ligado à tentativa do nosso corpo em defender-se contra ameaças externas. Exactamente como acontecia no passado quando, ao deparar-se com algum perigo, os nossos ancestrais entravam em estado de alerta: os seus organismos passavam a liberar mediadores químicos na corrente sanguínea, melhorando a sua capacidade de reação.

O stress moderno é resultado do mesmo mecanismo, com o diferencial de não ser causado por uma grande ameaça, mas sim, por pequenos problemas que se repetem todos os dias. A manutenção desse estado por períodos de tempo prolongados traz enormes prejuízos ao organismo, que, de acordo com a gravidade, vão desde insónias, taquicardia e até dfoenças sérias.

Com base neste conhecimento, o stress foi dividido em quatro estágios: 1º estágio - corresponde à resposta normal ao stress, com sintomas que vão da sudorese à taquicardia, passando por leve diarréia, palidez e tensão muscular. 2º estágio - há uma fixação do stress do organismo, que continua a luta para defender-se. Como consequência, os indivíduos passam a sofrer esquecimentos, ansiedade, queda de imunidade e palpitações. 3º estágio - o corpo luta para equilibrar o estado de stress permanente. O paciente passa a sentir dificuldades em dormir, fadiga intensa e piora na memória. Para além disso, começam a surgir os primeiro sintomas de doenças, resultados da sobrecarga de alguns órgãos. 4º estágio - o organismo sofre esgotamento total que originam sérios quadros patológicos, que incluem infartos, derrames, cancro e diabetes.

Teste agora o seu nível de stress! >>>


Responda Sim ou Não às seguintes questões:

A - Avaliação Física

B - Avaliação Emocional

Sintomas:

13. Tenho frequentemente vontade de fugir dos problemas?

1. Sinto dores ou tensão musculares?

14. Tenho encarado a vida com apatia e sinto que nada mais vale a pena? 15. Tenho tido pensamentos negativos com frequência?

2. Tenho dores de cabeça ou na nuca? 3. Sofro com azia ou má digestão após as refeições?

16. Apresento desinteresse e tédio pela vida? 17. Sinto-me frequentemente com sentimento de raiva? 18. Irrito-me com facilidade?

4. A minha pressão arterial e frequência cardíacas são alteradas?

19. A minha líbido diminuiu? 20. Percebi uma diminuição da minha produtividade no trabalho?

5. Desenvolvo facilmente aftas, alergias dermatológicas (de pele) ou herpes?

21. Esqueço-me de factos corriqueiros? 22. Penso e falo em um só assunto repetidamente?

6. Ao acordar sinto-me cansado? 23. Apresento baixa auto-estima? 7. Tenho dificuldades em adormecer ou sono interrompido?

24. Tento fazer várias coisas ao mesmo tempo? 25. Falo rápido e com respostas curtas?

8. Contraio constipações com frequência? 9. Apresento problemas na relação sexual (ereção ou ejaculação precoce, secura vaginal ou frigidez)?

26. Procuro separar um tempo do meu dia para encontrar e fazer novas amizades? 27. Sou hostil em situações que me levam a perder tempo? 28. Estou desiludido em relação a minha vida e a outras pessoas a minha volta? 29. Reservo tempo para o lazer?

10. Estou satisfeito com a minha aparência? 11. Sinto-me exausto após a prática de actividade física?

30. Sinto dificuldades em tomar decisões? 31. Estou satisfeito com meu companheiro(a) no meu relacionamento afetivo? 32. Sou ansioso e nervoso?

12. Ao dormir mais de 8 horas por dia, sinto que é suficiente?

* De 1 a 5 itens assinalados como SIM

Fase 1: Reação Normal As chances de adoecer são de 15%. A vida pode estar um pouco stressante mas ainda em um nível em que você consegue lidar.

* De 6 a 12 itens assinalados como SIM

Fase 2: Resistência As chances de adoecer são de 36%. O seu nível de stress está elevando, porém é uma fase adaptativa do organismo.

* De 13 a 25 itens assinalados como SIM

Fase 3: Manutenção As chances de adoecer são de 75%. O seu nível de stress está alto, algo está a exigir demais do seu organismo.

61


62


63


Receitas Saudáveis

Neste ano, ofereça uma ceia confeccionada por si. Fica mais barato e sabe melhor.

Peru recheado Nº doses: 5 a 6 Igredientes * 1 peru de tamanho médio (±3kg) * 1 cebola * 3 dentes de alho * 100 g de bacon picado * 1 colher sopa de azeite * 250 g de carne de porco picada * 250 g de espinafres cozidos e escorridos * 100 g de pão ralado * 1 limão * 50 g de manteiga derretida Preparação Comece por limpar o peru e separar os miúdos. Se não quiser ter esse trabalho, peça que o façam no talho. Coloque-o num recipiente grande e cubra-o com água, à qual deve adicionar três limões e uma laranja cortados às rodelas, duas cabeças de alho esmagadas, sal e 50 gramas de pimenta em grão. Deixe assim de um dia para o outro. Pique a cebola, os alhos e o bacon e refogue tudo no azeite. Retire do lume e acrescente a carne picada, os espinafres, o pão ralado, o sumo e a raspa de um limão. Misture tudo muito bem e recheie o peru com o preparado obtido. Prenda as pontas do peru com fio de cozinha e coloque-o num tabuleiro. Pincele com a manteiga derretida e leve ao forno a assar durante aproximadamente três horas (o tempo de assar um peru com cerca de 3kg.) Para verificar se está assado espete um garfo na coxa.

O mais saudável dentro do reino dos bolos. As cenouras enriquecem-no em vitaminas e fibras.

Bolo de cenoura Nº doses: 16 Igredientes * 6 cenouras médias (aprox. 600 g) * 4 ovos inteiros * 2 claras * ½ copo de óleo de girassol * 2 copos de açúcar * 1 copo de farinha de trigo * 1 copo de farinha de milho * 1 copo de maisena1 colher de sopa de fermento em pó * 1 colher de sopa de canela em pó * 1 pitada de sal * Margarina para untar a forma e farinha para polvilhar Preparação

1º Bata no liquidificador: as cenouras cortadas, os ovos e claras, o óleo e o açúcar. 2º Misture os três tipos de farinha, o fermento, a canela e o sal. 3º Junte a mistura líquida que bateu no liquidificador à farinha, e mexa muito bem, até obter uma mistura homogénea. 4º Unte a forma com margarina, polvilhe com farinha, e adicione a massa do bolo. Polvilhe a superfície com canela. 5º Introduza o bolo no forno previamente aquecido, e deixe em forno brando cerca de 30 minutos (ou até estar cozido).

64


www. egasmoniz.pt

geral@egasmoniz.pt


+ Saúde Magazine  

Revista de saúde

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you