Page 1

ANO 09 | Nº 50 | MAI/JUN | 13

www.maisdestaque.com.br

50

Edição especial

SAÚDE TER UMA SAÚDE DE FERRO NÃO É TÃO DIFÍCIL QUANTO PARECE, BASTA COLOCAR EM PRÁTICA OS CONCEITOS BÁSICOS PARA SE TER UMA VIDA SAUDÁVEL E FELIZ

PODE SER DEPOIS? TODO MUNDO PROCRASTINA, MAS QUANDO FREQUENTE, ESSE COMPORTAMENTO PODE TRAZER MALEFÍCIOS

BOM INVESTIMENTO? PREVINA-SE DAS DÍVIDAS E VEJA O QUE É PRECISO AVALIAR NA HORA DE COMPRAR UM CARRO

alcançando

corações O Projeto CAM desenvolveu métodos estratégicos para moradores do morumbi, região em que A mensagem cristã enfrenta dificuldades para chegar ou ser aceita

CINQUENTA TONS DE CINZA A FEBRE CONTINUA. especialistas EXPLICAM QUE A LEITURA DESSA OBRA PODE causaR efeitos nocivos à saúde mental e espiritual

EVANGELISMO Mitos atacam a igreja cristã por meio de FALSAS interpretações

ESTILO DÚVIDAS SOBRE QUE ROUPA USAR PARA IR À IGREJA? SAIBA COMO MISTURAR PEÇAS E CORES


índice

78 CAPA

ALCANÇANDO CORAÇÕES A Comunidade Adventista do Morumbi (CAM) desenvolveu metodologias estratégicas para alcançar os moradores do Morumbi, região localizada no estado de São Paulo. O projeto faz parte do programa “Esperança para as Grandes Cidades”, desenvolvido mundialmente pela Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD), e trabalha a todo o vapor para atingir seus objetivos.

22

SAÚDE Alimentação saudável e exercícios físicos contribuem para o bom funcionamento do corpo humano. As clínicas especializadas em tratamentos naturais podem servir de auxílio neste assunto e ajudam a conscientizar sobre a importância de se viver bem

6

REVISTA MAIS DESTAQUE

168

164

Será que as pessoas inteligentes acreditam em Deus? De acordo com os neoateístas, Ele não existe, mas estudos mostram que a fé em um ser superior traz benefícios tanto para a vida física quanto mental e emocional

A igreja é um templo sagrado e por isso é de suma importância escolher a dedo o que vestir para ir à casa de Deus. Saiba como combinar peças para ter um look decente, elegante e agradável aos olhos de Cristo

EVIDÊNCIAS

ESTILO


30

ESPECIAL

16

Segundo especialistas, livro Cinquenta Tons de Cinza causa efeitos nocivos à saúde mental e espiritual dos leitores

COMPORTAMENTO Os malefícios da procrastinação na vida do brasileiro

156

CONTA CORRENTE

Previna-se das dívidas antes de comprar um veículo

Seções 8 22 30 38 42 52

EDITORIAL Saúde APS Profissão Pé na Estrada APSO

54 58 62 64 86 104

LOUVAI VISÃO MUNDIAL APLAC ULB FIQUE POR DENTRO CONTA CORRENTE

108 HINOS 110 INFANTIL 112 ESTILO 114 SEU DIREITO 120 EVIDÊNCIAS 126 aCONTECEU COMIGO 130 rEFLEXÃO

Diretor Executivo: Marcelo Inácio, Mtb 55.665/SP marcelo@seveneditora.com.br | Diretor Comercial: Rafael Sampaio comercial@ seveneditora.com.br | Editor de Conteúdo: Vanessa Moraes redacao@seveneditora.com.br | Direção de arte e capa: Rogério Viola Júnior arte@seveneditora.com.br | Colaboradores: Felipe Lemos, Leonino Santiago, Darleide Alves, Emanuelle Sales, Emanuelle Prette, Comunicação APLAC, APS, APSo, ULB, URJ. FALE COM A MAIS DESTAQUE

60

EVANGELISMO

Mitos atacam a igreja cristã por meio de interpretações errôneas

(11) 3852-6404 | site: www.maisdestaque.com.br | e-mail: contato@seveneditora.com.br twitter: @maisdestaque | facebook.com/maisdestaque Tiragem: 15.000 exemplares

A Revista Mais Destaque é uma publicação da Seven Editora. “Os textos e opiniões dos autores subscritores dos artigos publicados nesta edição, não refletem necessariamente a opiniões dos editores, sendo de integral responsabilidade dos autores eventuais violações de direito de terceiros.”

Av. Ipiranga, 1208 - 12º andar - Centro - São Paulo Cep: 01040-000

REVISTA MAIS DESTAQUE

7


editorial

Salvação à vista É só ligar a TV e ler os jornais para compreender que as palavras descritas em Mateus 24:12 estão se cumprindo: “E por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”. Quando ouvimos sobre um ato de coragem, honestidade e compaixão, pensamos que ainda pode haver esperança para este mundo. Mas quando comparamos o índice de assassinatos e tragédias que ocorrem todos os dias, podemos ter a certeza de que a situação desta terra piora a cada amanhecer. Entretanto, ainda podemos esboçar alegria em nossos lábios. Existe algo que nos faz perseverar e acreditar que toda a lágrima de tristeza e dor, enfim, cessará. Em Mateus 24:14 lemos que “... este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim”. Antes do retorno de Jesus é preciso anunciar as boas novas de salvação a todas as pessoas. Pensando nisso, a Comunidade Adventista do Morumbi (CAM) se envolveu em um projeto a fim de alcançar a população que mora no bairro Morumbi, em São Paulo. O exemplo dessa iniciativa é o assunto principal desta edição, e pode incentivar outras pessoas a fazerem o mesmo, dedicando tempo, recursos e talentos para a causa de Deus. É com este senso de missão que a Mais Destaque também se empenha para trazer a você, leitor, matérias e reportagens fundamentadas nos princípios bíblicos. Ao longo de quase dez anos, chegamos à edição 50. Estamos felizes em saber que também fazemos parte da missão de Cristo e temos o seu apoio para levar esse trabalho adiante. O crescimento deste veículo traz a oportunidade para que você conheça pessoas incríveis com a nova seção, Perfil, assinada pelo jornalista Siloé de Almeida. Além disso, cada página foi preparada especialmente em comemoração às 50 edições já publicadas. Entre elas estão as editorias Comportamento, Saúde, Pé na Estrada, Seu Direito e Aconteceu Comigo. Como cristãos, precisamos sair do nosso conforto e nos juntar aos amigos que já ergueram a bandeira e decidiram cumprir a sua parte na pregação do evangelho. A boa notícia é que muita gente está fazendo isso. Agora é sua vez. Boa leitura!

divulgação

Marcelo Inácio

8

REVISTA MAIS DESTAQUE

marcelo@seveneditora.com.br

destaque-se Quero parabenizar a Mais Destaque por suas matérias. As edições estão cada vez melhores! A revista está segurando os leitores com a abordagem de assuntos diferentes, curiosos e inteligentes. É uma forma de ter o mundo na palma das mãos. À equipe, parabéns pelo belo trabalho que desenvolve! Diego Lima, personal trainer

A edição 49 da Mais Destaque ficou intrigante e nos trouxe um alerta. Devemos estar por dentro de tudo o que acontece para distinguir e saber se esses fatos realmente antecedem a volta de Jesus. Foi maravilhoso ler essa edição e tirar dúvidas sobre o sistema papal e as profecias de Apocalipse. Luane Galdino, professora

A última edição (49) falou sobre os pensamentos impuros e tirou várias dúvidas que eu tinha a respeito disso. O pastor Leandro Quadros é incrível e sabe as palavras certas para discutir temas polêmicos. Eu já sabia que seríamos julgados por nossos pensamentos, mas a novidade foi saber que o inimigo de Deus não tem nenhum acesso à nossa mente. Luciano de Freitas, publicitário

A Mais Destaque está cada vez melhor! Os temas abordados são muito interessantes e cada edição traz uma nova surpresa. Sempre encontro algo muito importante e novo para mim. Em especial, na última edição, a reportagem “Ele não era rei?” foi muito completa. Gostei de tudo. Janaína Toledo, produtora de rádio

Participe da Revista Mais Destaque: Envie-nos seu comentário, sugestão ou crítica via email ou Twitter: redacao@seveneditora.com.br twitter.com/maisdestaque


entrevista Existem dezenas de centros de apoio à criança e ao adolescente que atendem diariamente mais de dois mil jovens em risco social ficada pelo governo brasileiro, ou seja, é uma entidade jurídica. A ASA não tem esse reconhecimento e está submetida à comissão da igreja local.

paulo lopes

Os desafios da ADRA

Com mais de 100 projetos em andamento no Brasil, agência quer expandir rede de voluntários e colaboradores, além de fortalecer a marca para os membros da Igreja Adventista Por Felipe Lemos

M

undialmente reconhecida, a Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA) trabalha para aumentar sua influência e relevância em todas as regiões do Brasil. Em sintonia com a missão adventista e de olho nas oportunidades, a agência também quer crescer em visibilidade. Os planos atuais e futuros são delineados nessa entrevista com o diretor da ADRA Brasil, Paulo Lopes, que já trabalhou com assistência social adventista em países como Angola, Moçambique, Armênia e Índia.

10

REVISTA MAIS DESTAQUE

Lopes é natural de Itapeva, Minas Gerais, e trabalha na obra há 27 anos, dos quais 18 foram dedicados ao campo missionário internacional. É formado em administração e teologia e desde agosto de 2010 assume o cargo de liderança na ADRA. O que é ADRA e ASA (Agência Solidária Adventista)? A ADRA é a agência humanitária da Igreja Adventista. A ASA é um serviço da igreja local. A ADRA funciona como uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) e está certi-

Quais são as principais diferenças entre essas duas agências? O foco do trabalho da ADRA é o desenvolvimento comunitário, com projetos voltados para o atendimento à criança e ao adolescente, desenvolvimento econômico (geração de emprego e renda), inclusão social e erradicação da pobreza extrema. Uma das áreas de forte atuação dessa agência é o preparo e resposta a situações de catástrofes, além da promoção do voluntariado. Já a ASA, como um serviço da igreja local, cuida das necessidades dos pobres da igreja e da comunidade ao seu redor. Tal serviço tem caráter mais assistencial. Há situações em que ADRA e ASA podem trabalhar em conjunto na implementação de projetos de desenvolvimento comunitário, principalmente quando acontecem catástrofes.

Quantos e quais projetos são mantidos hoje pela ADRA no Brasil? Atualmente a agência executa cerca de 100 projetos em todo o Brasil. Estamos presentes em praticamente todo o território nacional através de dez escritórios regionais. Nossos principais projetos em parceria com o governo estão no Espírito Santo, na região da grande Vitória, onde acabamos de inaugurar nossa sede própria no município de Cariacica. São 42 projetos, entre eles, a gestão de mais de 20 unidades do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), algumas unidades do Centro Especializado de Assistência Social (CREAS), abrigos noturnos para moradores de rua IMAGENS: ARQUIVO PESSOAL


entrevista

A ADRA coordena centros de apoio à criança e ao adolescente em seis estados brasileiros e atende mais de dois mil jovens diariamente

entre outros. Por meio desses projetos apoiamos o governo na implementação das políticas sociais na região. São 388 funcionários e R$15 milhões de orçamento anual somente no Espírito Santo.

Que outros lugares são beneficiados pelos projetos? Existem dezenas de centros de apoio à criança e ao adolescente localizados em São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Goiás, Espírito Santo e Bahia, que atendem diariamente mais de dois mil jovens em risco social. As principais atividades destes centros são o reforço escolar e nutricional, esportes, musicalização, inclusão digital e preparo para o mercado de trabalho, no caso dos adolescentes. No Amazonas temos o projeto Luzeiro. Trata-se de uma lancha equipada com consultório médico e dentário, e conta com quatro barcos menores de apoio. Anualmente, são mais de dez mil atendimentos às comunidades ribeirinhas do Amazonas. Podemos destacar 14

REVISTA MAIS DESTAQUE

o projeto “Apoio a Mães Adolescentes” (AMA), que atende a centenas de jovens grávidas da rede pública escolar em várias cidades do Pará.

Quais são os planos futuros da ADRA Brasil em termos de visibilidade e incremento de projetos? Uma de nossas prioridades para este ano e o que vem é exatamente o fortalecimento da marca ADRA Brasil, principalmente para nosso público interno, ou seja, a Igreja Adventista. Preparamos um vídeo institucional que está sendo veiculado na TV Novo Tempo, além de comerciais temáticos patrocinados pela agência que também serão divulgados na emissora e nas redes sociais. Estamos bastante ativos no twitter e contamos com quase nove mil seguidores. Temos o facebook, onde esperamos atingir dez mil curtidas nos próximos meses. Não poderia me esquecer de nossa página na internet, www.adra.org.br. Nesse endereço eletrônico as pessoas podem

conhecer quem somos, nossa história de serviço, projetos, e onde podem fazer também suas doações, outra grande prioridade. Queremos alcançar dez mil doadores regulares na categoria de pessoa física até 2015.

Como a ADRA espera colaborar em programas de prevenção de catástrofes climáticas como as que ocorreram nos últimos anos no Rio de Janeiro e Santa Catarina? Preparo e resposta a catástrofes compõem uma das áreas mais fortes de atuação da agência em todo o mundo e não é diferente no Brasil. Em termos de preparo para responder às catástrofes, nossa estratégia se divide em três aspectos. O primeiro se refere ao Plano Nacional de Preparo e Resposta a Emergências (PNPRE), que é um documento detalhado de nossa estratégia, com menus de ajuda pré-aprovados e um mecanismo de liberação de recursos automático quando 20 mil dólares são IMAGENS: ARQUIVO PESSOAL


Estamos em um processo de sistematização de nosso programa de voluntariado, criando um manual e um sistema nacional de cadastramento online para eles ”

disponibilizados imediatamente para a primeira resposta. São cinco menus de ajuda: alimentos secos, água potável, kits com materiais de higiene, colchões e cobertores. Por meio deste mecanismo, com base nas necessidades identificadas e em coordenação com a Defesa Civil e autoridades locais, a ADRA escolhe um dos cinco menus de ajuda. O segundo aspecto é o treinamento de voluntários da igreja para nos apoiar nessas ações. Cerca de mil voluntários foram treinados nos últimos dois anos e temos um alvo de cinco mil até 2015.

O próximo aspecto se refere aos materiais para higiene e limpeza? Sim, é o estoque de materiais não perecíveis, além de colchões e cobertores. Ou seja, os produtos são comprados e estocados em pontos estratégicos onde há maior incidência de desastres. Com isto, somos capazes de responder às catástrofes com mais rapidez e eficiência.

Quanto à prevenção, é um aspecto fundamental, mas o mais difícil também, pois envolve políticas públicas e mudança de atitudes das pessoas que vivem nas áreas de risco. Estamos desenvolvendo um projeto piloto na região serrana do Rio de Janeiro chamado “Pequenos Heróis”. A ideia é trabalhar com as crianças das escolas públicas e conscientizá-las sobre os riscos dos desastres e, a partir delas, fazer a mensagem da prevenção chegar até os pais. Quem trabalha com a ADRA? Existem voluntários? Qual a formação que eles recebem para isso? Atualmente são mais de 600 trabalhadores em todo o Brasil e centenas de voluntários. Entre eles, temos assistentes sociais, psicólogos, enfermeiros, administradores, contadores e motoristas. São todos profissionais formados em suas áreas e recrutados no mercado de trabalho. Quanto aos voluntários, es-

tamos em um processo de sistematização de nosso programa de voluntariado, criando um manual e um sistema nacional de cadastramento online para eles.

Como a ADRA tem colaborado com a missão bíblica de salvação? A ADRA é um ministério da Igreja Adventista e assim, é parte integrante do cumprimento da nossa missão. Não vejo esse trabalho como responsabilidade social, mas como espiritual, não somente da agência, mas de cada membro da igreja. O evangelho não é pregado somente através do púlpito. O serviço ao semelhante é a mensagem bíblica vivida na prática e um dos resultados do reavivamento e da reforma espiritual. Para saber mais sobre o trabalho que a ADRA tem realizado, acesse o site :

www.adra.org.br

REVISTA MAIS DESTAQUE

15


comportamento

Pode ser depois? Procrastinadores somam 97,4% da população brasileira. Falta de tempo e energia são alguns fatores desencadeantes desse comportamento Por Vanessa Moraes

16

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: CANSTOCKPHOTO | AMANDA FLORES


S

e você tem mania de deixar para amanhã o que pode ser feito hoje, saiba que não está sozinho. O brasileiro tem a fama de deixar tudo para a última hora, inclusive tarefas importantes. Mas, ao contrário do que muitos acreditam, essa atitude não é resultado da preguiça apenas, pois envolve outros fatores. A palavra procrastinação vem do latim procrastinare e significa adiar para depois, fazer mais tarde ou prorrogar para outro dia. Christian Barbosa escreveu o livro “Equilíbrio e resultado – Por que as pessoas não fazem o que deveriam fazer?”, onde divulgou uma pesquisa sobre o assunto, realizada em 2011. Barbosa descobriu que 97,4% dos brasileiros procrastinam atividades ao longo da rotina. “Somos propensos a deixar quase tudo para depois, mas eu diria que os assuntos pessoais acabam sendo os aspectos que mais adiamos em nossas vidas”, afirma. De acordo com a análise, ele indica que a leitura, prática de exercícios físicos, planejamento financeiro e cuidados com a saúde são os itens mais adiados. Em contrapartida, planejar férias e casamento, comprar casa ou carro e mudar de emprego, são situações resolvidas facilmente. A psicóloga Maria de Lourdes Fernandes acredita que a procrastinação nasce pela falta de coragem de partir para a ação. “O procrastinador não gosta de ir até o fim, talvez por imaginar que outras tarefas virão e ele terá que gastar mais energia para cumpri-las”. Já a psicóloga Adriana Gomes afirma que a frequência de escolhas adiadas e prazos perdidos culmina em decisões levianas e inadequadas, o que acarreta perdas financeiras dentro de uma empresa, por exemplo. “O que incomoda nesse cenário é a dificuldade dos gestores para decidirem coisas simples, que não se tornariam um problema se fossem sanadas no momento em que surgem”, explica. Segundo Adriana, a procrastinação não acontece apenas na empresa. “Como praga, costuma afetar e adiar projetos também na vida pessoal e acaba funcionando como uma excelente ‘âncora’ na sua carreira, no sentido se fincar seu barco em um determinado lugar e não permitir que ele continue navegando”, elucida. O site Psychology Today publicou um artigo do psiquiatra norte-americano Bill Knaus, em que são destacados pelo menos três perfis de pessoas que têm esse comportamento. O primeiro é o procrastinador por criação de problema, que

“O procrastinador não gosta de ir até o fim, talvez por imaginar que outras tarefas virão e ele terá que gastar mais energia para cumpri-las”

Isadora Stentzler teve um mês para desenvolver um trabalho da faculdade, mas deixou para fazer no dia anterior à entrega

adia as atividades com o pensamento de que terá mais tempo para executá-las. Já o procrastinador comportamental faz listas e planejamentos, mas não consegue seguir o que propôs a si mesmo. Por fim, o terceiro perfil trata-se de um procrastinador retardatário, que executa outras atividades antes da tarefa primariamente determinada. Adrenalina maléfica

A estudante Isadora Stentzler se encaixa no primeiro perfil. Quando uma tarefa lhe é imputada a médio ou longo prazo, só é realizada próximo ao limite de tempo. Na faculdade, Isadora e uma amiga precisaram desenvolver um trabalho de 100 slides de PowerPoint. Com um mês para deixar tudo pronto, a dupla procrastinou. “A gente sempre dizia ‘temos que fazer, né?!’, mas lembrávamos que tinha um pouco mais de tempo e deixávamos passar”, diz. Com essa atitude, as alunas só se deram conta de fazer a atividade um dia antes da apresentação. “Foi aí que percebemos que não era um textinho de dez linhas, mas 100 slides! Chamei minha colega e viramos a noite em casa. Começamos o trabalho por volta das 18 horas e terminamos às seis do dia seguinte”, descreve. Pelo menos a história teve um final feliz: a dupla recebeu elogios e tirou a nota máxima. “Mas é claro que o professor nunca soube que foi feito assim, em cima da hora”, brinca a aluna. Isadora conta que é viciada em adrenalina e confessa ter gosto pelo comportamento. “Deixar para a última hora sempre é uma correria, e, bem no fundo, eu gosto disso, dessa tensão de saber se vai dar certo ou não. E mesmo que eu tente adiantar, até faço, mas vira e mexe modifico e ajusto porque sei que tenho tempo”, relata. Atitude semelhante tem Douglas Pessoa, também estuREVISTA MAIS DESTAQUE

17


Douglas Pessoa quase reprovou em uma disciplina da faculdade por deixar os trabalhos acumularem e não entregá-los no prazo

comportamento

A busca pela perfeição também pode atrapalhar. Muitos preferem atividades desafiadoras e deixam as mais simples por último, e isso pode gerar transtornos dante. O rapaz adquiriu o problema quando precisou conciliar trabalho com estudos e quase reprovou em uma disciplina da faculdade. “O professor passava uma leitura de 20 páginas e eu não conseguia ler tudo. Na aula seguinte ele passava mais páginas e, assim, elas se acumulavam. Eu me prejudiquei muito. Faltou pouco para que eu ficasse de dependência em uma matéria por não ter enviado os trabalhos no dia marcado”, afirma Douglas. Fatores desencadeantes

Existem motivos para o comportamento de tais estudantes. Através de sua pesquisa, Christian Barbosa aponta alguns fatores que desencadeiam a procrastinação. Entre eles estão a falta de tempo e de energia, preguiça e falta de concentração, pois, muitas vezes a pessoa deixa algo de lado para executar outra tarefa e acaba perdendo o foco do que realmente precisa ser concluído. A busca pela perfeição também pode atrapalhar. Muitos preferem atividades desafiadoras e deixam as mais simples por último, e isso pode gerar transtornos. Adriana concorda com Barbosa e acrescenta que o medo de assumir responsabilidades, de se expor, assumir riscos, a insegurança e falta de competência também contribuem com a procrastinação, mas a solução não é tão difícil quanto parece. “As respostas estão na resolução dos fatores geradores pelo ato de procrastinar, como a seguinte questão, por exemplo: o que impede a ação e a tomada de decisão? Como podemos mudar isso?”, sugere a psicóloga. Mas quem nunca se comportou desta forma? Todas as pessoas passam ou já passaram pela procrastinação. Essa atitude é comum e não há nada de errado quando acontece vez ou outra. O problema surge quando se torna frequente no dia a dia do indivíduo. André Santos é fotógrafo e sentiu o peso de seu comportamento ao ser constrangido. “No trabalho eu tinha projetos para desenvolver, mas em vez disso inventei de assistir a um filme. Deixei as tarefas para o outro dia e atrasei tudo. Fiquei envergonhado por ser cobrado de uma atividade que já devia estar pronta. Isso atrapalha muito e se torna um círculo vicioso”, compartilha. Felizmente, há algo que Santos não deixa ser levado pela procrastinação. “O que acho mais grave é deixar 18

REVISTA MAIS DESTAQUE

Deus para o outro dia. Isso eu não faço”, garante o jovem. Guilherme Rego já trabalhou como gerente, diretor e presidente de empresas. A procrastinação, definida por ele como “adiamento ou deferimento de alguma ação”, já foi observada entre funcionários das firmas por onde passou. Para que o comportamento não prejudique o rendimento do colaborador, a empresa deve tomar uma atitude. O primeiro passo é ter uma conversa franca e aberta para entender o que acontece com o indivíduo. “Em muitos casos, a pessoa está passando por dificuldades pessoais. A partir da conscientização e entendimento do problema, é importante cobrar uma solução, seja terapia ou mudança de atitude. Caso o indivíduo não queira evoluir, pode ser demitido, mas é mais comum que ele se motive a melhorar”, esclarece Rego, que atualmente é diretor executivo da Elevartis, empresa que oferece serviços em apoio à busca pela qualidade de vida. Entre suas experiências, o empresário lembra que um executivo muito dedicado ao trabalho não deu atenção à saúde, mesmo quando percebeu que havia algo errado. Ao sentir fortes dores, finalmente procurou um médico. Seu diagnóstico apontou um câncer de próstata em estado muito avançado e as chances de tratamento eram muito pequenas. Ele não resistiu e morreu. Apesar do mal que esse problema causa, Rego acredita que existe o outro lado. Ele escreveu um artigo intitulado “Para que fazer hoje o que você pode deixar para amanhã?”, em que defende benefícios que a procrastinação pode trazer. “Acredito que quando a pessoa adia tarefas de forma consciente, priorizando uma lista de atividades de forma inteligente, não há nada de errado com isso”, opina. Como ser produtivo?

Assim como na vida do fotógrafo André, a procrastinação atrapalhada milhares de pessoas. Para evitar que isso ocorra, é necessário se policiar nos compromissos diários. Reservar um tempo na agenda, estabelecer prioridades, não ter medo de errar, saber dizer não quando for preciso e criar fatores de incentivo podem ser o pontapé para interromper a procrastinação e dar início a uma vida mais equilibrada. Segundo Rego, se o comportamento atrapalha o desempeIMAGENS: ADIANE XAVIER


comportamento nho, não há maneiras de ser bem visto a não ser que as mudanças ocorram, como trabalhar com o que a pessoa gosta ou passe a gostar do que faz, ou seja, dar um novo significado ao trabalho. “É a velha história dos dois pedreiros. Quando questionados sobre o que faziam, um respondeu: ‘eu sou pedreiro, faço muros e essas coisas’. Já o outro disse: ‘eu construo casas, apartamentos e castelos. Construo tetos para famílias felizes’. Construa castelos sempre. Assim, sua procrastinação desaparecerá”, ilustra o diretor. Maria de Lourdes ainda aconselha que o procrastinador

tenha sempre uma agenda. “Ele não deve fechar a manhã sem resoluções e nem deixar o dia terminar sem cumprir algo do que disse. Ele deve rabiscar da agenda tudo o que conseguiu fazer e se parabenizar por isso”. Para auxiliar a mudança de comportamento, Maria recomenda também a ajuda de pessoas próximas. “Minha dica é ter paciência e incentivar o procrastinador na resolução e nunca resolver os problemas para ele. É importante parabenizar sempre pelas boas atitudes, mesmo que isso seja difícil para quem está ao lado”, conclui a psicóloga.

Com que frequência você procrastina? O teste abaixo vai ajudar a saber o seu nível de procrastinação. Não o deixe para depois. Dê uma nota de um a três conforme a legenda indica: 1 – Nunca 2 – Às vezes 3 – Sempre Não cumpro minhas responsabilidades Meus planos não saem do papel Digo a mim mesmo que mais tarde é hora de começar Começo a tarefa, mas não consigo terminá-la Não sou pontual Procuro maneiras de estender meus prazos Tenho desculpas para justificar atrasos Deixo as decisões difíceis para depois Minhas emoções afetam o que faço Procuro evitar o que não gosto de fazer Realizo minhas obrigações de última hora Não consigo finalizar uma leitura

Some os pontos e veja os resultados:

De 1 a 15 pontos Normal = Parabéns! Sua procrastinação não prejudica sua rotina. Suas obrigações estão em dia. É normal adiar compromissos e atividades de vez em quando. Continue assim.

De 16 a 30 pontos Médio = Sua rotina sempre é marcada pela procrastinação. Adia boa parte de suas obrigações e não conclui algumas atividades. Repense suas atitudes para não passar para o próximo nível.

Digo “já faço”, “espere só mais um pouco” etc Gosto de deixar tudo para o último momento Perco o foco quando preciso fazer uma tarefa Total

20

REVISTA MAIS DESTAQUE

De 31 a 45 pontos Procrastinador de carteirinha = Seu dia a dia se resume em adiamentos. Você pode perder boas oportunidades por causa de suas atitudes. Reavalie sua vida e, se for preciso, busque ajuda.

IMAGENS: STOCK.XCHNG


saúde

Um

Brinde

à SAÚDE

Alimentação e exercícios físicos contribuem para o bom funcionamento do corpo humano, mas falta conscientização sobre os aspectos mais simples para se ter uma vida saudável. As clínicas especializadas em tratamentos naturais podem mudar esse quadro e apresentar uma maneira diferente para viver bem – e com saúde Por Vanessa Moraes

22

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: STOCK-XCHNG | Ilustração: Arte Seven


Q

ue a alimentação equilibrada e o exercício físico ajudam a manter uma vida saudável, todo mundo sabe. Entretanto, fazer com que isso se torne um hábito é penoso para a maioria das pessoas. Açúcares e alimentos gordurosos parecem ter muito mais sabor que uma salada. E é verdade. Entre um chocolate e uma maçã, é bem provável que a primeira opção seja escolhida. A lasanha de quatro queijos tem probabilidade muito maior de ser devorada primeiro, se estiver ao lado de um refogado de brócolis. Agradar ao paladar é quase uma tarefa cotidiana para quem busca o prazer momentâneo de sentir o gosto e o cheiro de alimentos calóricos, sem se preocupar com o estrago que eles podem causar no organismo. Como disse o monge budista Dalai Lama, “os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde”. Faz sentido, certo? A correria do dia a dia obriga milhares de brasileiros a consumirem cada vez mais produtos industrializados e abusar de fast-food. Além disso, dedicar apenas dez ou 15 minutos às refeições diárias não é tempo suficiente para uma boa alimentação, que deve ter a duração de pelo menos meia hora. Os jovens, principalmente, sentem os resultados das escolhas de hoje quando chegam à velhice. Aliás, atualmente, as doenças que antes eram características da idade avançada agora atingem até mesmo crianças, como o colesterol e as diabetes. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pelo menos 12,5% dos homens e 16,9% das mulheres sofrem de obesidade no Brasil, sendo que a metade da população apresenta excesso de peso. A matemática é simples: se você gasta menos calorias do que consome, vai engordar. O resultado se expande para o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, alguns tipos de neoplasias, entre outras. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo de 400 gramas de frutas, verduras e legumes por dia, mas o brasileiro só come a metade disso. Consciência

Para ter não somente uma alimentação, mas uma vida saudável, é preciso ter consciência do que se está ingerindo. O paladar não é o único que precisa ser agraciado, mas o organismo depende do que você come ou bebe para funcionar e tudo precisa ser equilibrado para que o corpo mantenha a harmonia. Gostar ou não de determinado alimento não é uma opção para consumi-lo. De acordo com a nutricionista Roberta Silva, é preciso acostumar o paladar para atingir esse resultado. “Se você não gosta de quiabo, por exemplo, tente comer uma pequena porção por dia e, aos poucos, você se habitua a consumi-lo sem reclamar. Esse vegetal é rico em vitamina A e ajuda a melhorar a visão”, indica. Quando os alimentos são consumidos de forma consciente, recusar um chocolate fica bem menos complicado. Além disso, há maior aceitação por pratos aparentemente não tão apetitosos, já que o consumo não acontece pelo produto ser gostoso e sim necessário. Para auxiliar esse processo, Roberta destaca que é impor-

Gostar ou não de determinado alimento não é uma opção para consumi-lo. De acordo com a nutricionista Roberta Silva, é preciso acostumar o paladar para atingir esse resultado tante saber aonde se quer chegar. A alimentação é utilizada por puro prazer ou pela necessidade que o organismo tem para trabalhar corretamente? Consumir menos alimentos com o objetivo de emagrecer ou porque é necessário cortar gorduras que fazem mal à saúde? Essas perguntas ajudam a definir metas e contribuem para alcançá-las. Segundo a nutricionista, muitas vezes é preciso chegar ao ponto de pensar em uma reeducação alimentar. “Se a pessoa faz dieta, fica sem comer doces e frituras por algum tempo. É uma luta, mas suponhamos que ela consiga vencer e emagreça. O alvo foi atingido. Até aí, nenhum problema. Mas, acontece que depois disso, volta a comer tudo de novo. Engordar outra vez é só uma consequência, caso não haja disciplina e força de vontade para continuar evitando o que não é saudável”, analisa Roberta. REVISTA MAIS DESTAQUE

23


saúde Para manter as funções vitais, o corpo também precisa de nutrientes no período noturno. Ao contrário do que muitos pensam, deixar de jantar não ajuda a emagrecer, ao contrário, pode engordar Refeições Três refeições por dia são suficientes para manter o corpo abastecido com nutrientes, proteínas e vitaminas. O café da manhã é a refeição mais importante. O consumo de frutas, sucos naturais, pães integrais e queijo branco são as maiores recomendações dos profissionais da saúde. O almoço deve ser bem preparado e rico em vegetais. Segundo Roberta, fica melhor sem a presença de líquidos, nem mesmo o suco natural. “Refrigerante então, nem pensar”, diz. Para a nutricionista, frutas como sobremesa são uma ótima pedida e podem até ajudar na digestão. Para manter suas funções vitais, o corpo humano também precisa de nutrientes no período noturno. Ao contrário do que muitos pensam, pular essa refeição não ajuda a emagrecer, ao contrário, pode engordar. Isso porque o organismo se acostuma com a falta de alimento à noite e passa a reservar gordura. “Por isso é importante comer no final do dia também. Aconselho alimentos leves, como sopas e saladas”, afirma Roberta. Exercícios físicos

A prática de atividades físicas é uma aliada no combate ao excesso de peso e auxilia também no sedentarismo, que é responsável, inclusive, por doenças do coração, como o infarto. Os exercícios devem ser praticados frequentemente e de forma equilibrada. Para quem não tem tempo de ir à academia, as caminhadas diárias de 30 minutos já valem. Os exercícios físicos aumentam a disposição para realizar qualquer tarefa e ajudam a espantar a depressão. A prática de esportes como natação, vôlei e futebol, por exemplo, também são agentes que ajudam não somente a perder peso, mas a manter uma vida saudável, inclusive mentalmente. Água

O corpo humano tem 70% de água em sua composição. Esse líquido é essencial para que o organismo funcione adequadamente. A nutricionista Roberta aconselha consumir dois litros de água por dia e deixa uma dica que ajuda a contabilizar a quantidade ingerida. “É importante andar sempre 24

REVISTA MAIS DESTAQUE

com uma garrafa de água. Se ela tem capacidade para meio litro, recomendo quatro garrafinhas por dia. Uma sugestão é tomar uma de manhã, duas pela tarde e mais uma à noite. Essa tática ajuda a saber a quantidade de água que você tomou durante o dia”. Além de ajudar na desintoxicação do organismo (a maioria das toxinas é eliminada pela urina e pelo suor), a água está presente na produção de saliva, suco gástrico e enzimas, que atuam no processo de digestão. Ela hidrata o corpo e melhora a aparência da pele, unhas e cabelo. Auxílio

Para quem não consegue, sozinho, ter uma vida saudável, existem clínicas especializadas que ajudam a alcançar o bem estar físico, mental e espiritual. Localizada em São Roque, São Paulo, a Clínica Adventista Vida Natural, por exemplo, foi criada em 1980 e acredita que a saúde é um meio de obter uma vida plena e feliz. Além de tratar doenças como hipertensão, diabetes, câncer, ansiedade e depressão através de acompanhamento médico, psicológico, fisioterapêutico, entre outros, também utiliza a nutrição como ferramenta de cura. Por meio da alimentação natural, a clínica busca colocar o organismo em uma situação privilegiada para sua recuperação. Com cardápio extremamente vegetariano, a alimentação oferecida é constituída de frutas, verduras – muitas delas cultivadas organicamente em sua própria horta – , alimentos integrais e fontes alternativas para proteínas de origem animal. Muitos não estão acostumados com esse tipo de menu, por isso a clínica dispõe de uma estratégia: apresentar pratos de forma atrativa. Para a nutricionista Roberta, alimentos não tão bem aceitos podem ganhar força se a apresentação deles IMAGENS: CANSTOCKPHOTO


chamar a atenção. “Montar um prato de salada bem bonito é capaz de fazer com que uma pessoa se sirva apenas pelo gosto de tê-lo visto”, conta. A orientação nutricional personalizada traz um diferencial para a clínica, que diz não seguir dietas da moda, mas sim repassar conhecimentos nutricionais adquiridos e testados ao longo de mais de 100 anos de experiência. Mudança de vida

Rosa Maria Oropallo é atriz de rádio e TV desde 1950 e ficou hospedada na clínica por 21 dias, devido à sua ansiedade. Ela reforça que desde a juventude se preocupa com a saúde, procura manter uma alimentação saudável e faz ginástica. A ansiedade de Rosa é atribuída à vida agitada da cidade grande. Moradora de São Paulo, ela conta que procurou a clínica por ser um lugar calmo e notou uma diferença no modo de viver. “As palestras que a gente assiste, o contato com as árvores, com os pássaros, você pode andar descalço, há placas dizendo para pisar na grama, enfim, é uma paz incrível estar aqui. Eu nunca havia visto uma castanheira. Aqui tem uma e ela é linda. E a alimentação é especial e deliciosa. Quero voltar para este lugar nos feriados prolongados”, comenta a atriz. Rosa nunca havia tido contato com os adventistas do sétimo dia, mas, através da clínica, conheceu uma maneira diferente de viver. “Percebi que os adventistas pensam e vivem de maneira mais tranquila. Eu quero frequentar uma igreja e ver

Controle seu

apetite

até onde esse processo de vida é diferente. Já estive em outras clínicas, mas nada deu certo em relação à minha ansiedade”, compartilha. Ela também diz que as pessoas precisam sair da vida normal e rotineira. “Vale a pena viver um momento diferente e ter uma nova escolha para acrescentar àquilo que a gente já conhece”. De acordo com a diretora da clínica, Elisa Biazzi, que também é especialista em culinária vegetariana e tratamentos naturais, o corpo humano foi criado por Deus para ser saudável. “Nossas células foram feitas para a saúde. Elas regeneram, constroem, reparam tecidos e órgãos. Tudo acontece da maneira que deve se você oferece condições para isso. E a resposta do seu corpo é a recuperação e a restauração. Nós acreditamos nisso e sabemos que Deus está na natureza. É através dEle que podemos ter esses recursos para cuidar da saúde e agregar valores à nossa felicidade”, salienta.

“Deus está na natureza. É através dEle que podemos ter recursos para cuidar da saúde e agregar valores à nossa felicidade”

Sal, açúcar e gordura são os três principais vilões que ajudam a perder o controle do apetite. O consumo desses malfeitores faz com que haja mais vontade de comer e pode causar a compulsão alimentar. Eles estimulam os neurônios e ajudam na liberação de dopamina, um neurotransmissor que aumenta o desejo de consumo. Além disso, grande parte dos produtos que estão nos supermercados é preparado com esses ingredientes. O cérebro humano não enjoa deles. O trio estimula o sistema cerebral de forma que quanto mais consumo houver, maior fica o desejo incontrolável de continuar comendo, como o chocolate, por exemplo. A seguir, veja oito dicas que ajudam a controlar o apetite e manter uma alimentação equilibrada:

REVISTA MAIS DESTAQUE

25


saúde

1

26

Reduza a quantidade de sal, açúcar e gordura. Se você costuma adoçar o chá ou o suco natural, aos poucos, diminua a quantia cada vez que consumir esses líquidos e, com o tempo, seu paladar os aprova sem necessidade de adoçante. Isso vale para qualquer alimento que utilize tais ingredientes.

2

Se você consegue não beliscar nada entre as três refeições por dia, parabéns. Caso contrário, opte por frutas entre os intervalos de alimentação para que aquele bolinho ou biscoitinho não tenha a chance de ser atacado por sua fome.

3

Não exclua o consumo de carboidratos à noite, mas reduza bem a quantidade ingerida, como os pães.

4

Não mude seus hábitos alimentares de forma radical. Cada mudança deve ocorrer aos poucos para que não haja impacto em seu cérebro e organismo, pois, desta forma, você não resistirá e voltará aos velhos costumes.

5

Evite levar travessas e/ou panelas com alimentos para a mesa. Deixe-as no fogão e sirva-se. Ao ver a comida na sua frente, é cômodo sentir vontade de colocar um pouco mais no prato, mas, se o alimento não estiver à mostra, as chances disso ocorrer são bem menores.

6

Não se desespere caso tenha exagerado na refeição anterior. Na próxima, prefira alimentos naturais e mais leves.

7

Evite guardar guloseimas em casa, seja no armário ou na geladeira. Organize seu estoque deixando em evidência os alimentos naturais. E, ao passar pelas gôndolas dos supermercados, finja que não viu as prateleiras de doces e salgadinhos.

8

Ande sempre com um garrafa de água. Se sentir fome, beba um pouco. Isso ajuda a “enganar o estômago”. Vale lembrar que é necessário tomar água meia hora antes de cada refeição e duas horas depois. Durante o dia, ingira dois litros de água.

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: STOCK-XCHNG


saúde

Saúde com

sabor

Ter consciência sobre o alimento que você está consumindo pode ajudar a reforçá-lo no cardápio diário, tendo em vista o bem que ele traz para o seu organismo. Saiba a sazonalidade e os benefícios de alguns alimentos. Assim fica mais fácil você adotar hábitos saudáveis. Sua saúde agradece. Confira: FRUTAS

Abacaxi

Consumo: pode ser consumido ao natural ou industrializado. Serve para fazer compota, doces cristalizados, passa, picles, suco, xarope, geleia, vinagre, entre outros. Com o suco pode-se preparar refrescos, sorvetes, cremes, balas e bolos. Usa-se mais a polpa, mas seu miolo e cascas podem ser aferventadas para produzir sucos

Sazonalidade: o abacaxizeiro frutifica o ano todo Alguns benefícios: fortalece os ossos, reduz níveis de colesterol, auxilia na digestão e acelera a cicatrização de tecidos

Consumo: fruta fresca. Pode ser industrializado em forma de passas, bolos, mousses, biscoitos ou vinagre

Caqui Sazonalidade: abril, maio e outubro

Alguns benefícios: regula o intestino, protege e estimula reparação em tecidos, auxilia no combate às rugas e melhora a circulação sanguínea

Alguns benefícios: combate a pressão arterial, previne problemas cardiovasculares, estimula a produção de colágeno e é anticancerígeno

Consumo: crua ou na produção de geleias, doces, sucos, xarope e vinagre

Jabuticaba Sazonalidade: de setembro a outubro

VERDURAS

Agrião Sazonalidade: de abril a junho Alguns benefícios: previne diabetes, tem propriedades antídotas contra os efeitos tóxicos da nicotina, combate bronquite, tosse e tuberculose pulmonar

28

REVISTA MAIS DESTAQUE

Uso: pode ser consumido cru ou cozido. Ótima opção para incrementar saladas, sanduíches ou sucos. Os talos cozidos adicionam sabor e nutrientes em sopas, arroz, tortas e omeletes

IMAGENS: STOCK-XCHNG/ DIVULGAÇÃO


Agrião Alguns benefícios: depura o sangue, melhora a gengivite, contribui com as funções orgânicas, combate a bronquite e o escorbuto e é diurética

Sazonalidade: pode ser encontrada durante todo o ano, mas a oferta cresce entre maio e outubro Uso: crua, em saladas ou refogada

Brócolis

Alguns benefícios: diminui riscos de câncer de pulmão, cólon e mama. Reduz o colesterol, regula a insulina e o açúcar no sangue e age contra o envelhecimento

Sazonalidade: de maio a outubro Uso: cru ou cozido

LEGUMES

Abobrinha Sazonalidade: de outubro a maio Consumo: é muito utilizada no preparo de saladas, refogados e sopas

Alguns benefícios: controla a hipertensão, fortalece os ossos, evita a fadiga mental, auxilia o funcionamento intestinal, melhora a pele e a visão

Batata Sazonalidade: de janeiro a junho Consumo: pode ser cozida ou frita. Usada também no preparo de purês, suflês, croquetes, nhoques, pães e sopas

Inhame Sazonalidade: abril, junho, julho, agosto, setembro

Alguns benefícios: controla a hipertensão, previne prisão de ventre, mantém níveis de açúcar equilibrados, auxilia o sistema nervoso e ajuda a saúde cardiovascular

Alguns benefícios: limpa o sangue, fortalece o sistema imunológico, previne a malária, febre amarela e dengue, ameniza cólicas menstruais e regula taxas de açúcar no sangue

Consumo: cozido e no preparo de caldos, sopas e outras receitas

REVISTA MAIS DESTAQUE

29


especial

por trás de

cinquenta tons de cinza A febre continua e o sucesso da trilogia de E. L. James despertou interesse nos cristãos. Especialistas alertam que essa leitura não é recomendável e explicam os efeitos nocivos que podem ser causados à saúde mental e espiritual Por Vanessa Moraes

M

ais de 70 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. Traduzido para 45 idiomas na versão digital. Lançado em abril de 2012 na Inglaterra e nos Estados Unidos, e em agosto do mesmo ano no Brasil, o best-seller Cinquenta Tons de Cinza ainda é o livro mais vendido em território brasileiro. A obra é a primeira da trilogia que reúne também Cinquenta Tons Mais Escuros e Cinquenta Tons de Liberdade. Apesar do sucesso, o conteúdo do livro, de forte teor erótico, gerou polêmicas e não é considerado boa literatura. Também não é recomendável para os cristãos, pois narra a história entre uma jovem universitária 30

REVISTA MAIS DESTAQUE

virgem e um empresário milionário que se envolvem em um relacionamento caracterizado por práticas sadomasoquistas. A autora descreve detalhadamente cada relação sexual entre o casal solteiro ao longo de 480 páginas (primeiro volume). A moda “todo mundo faz, eu faço” foi adaptada para “todo mundo lê, eu leio” e já mexeu com a cabeça de inúmeras mulheres cristãs – inclusive homens. Muitas se interessam pela leitura com a intenção de melhorar a vida sexual no matrimônio. Mas, a expressão “nem tudo é o que parece” ganha vida quando a obra é analisada apenas para confirmar que esse produto não deve ser consumido pelos cristãos. IMAGENS: ROGÉRIO VIOLA JR/ DIVULGAÇÃO | ILUSTRAÇÃO: ARTE SEVEN


Apesar do sucesso, a trilogia dos Cinquenta Tons é constituída por forte teor erótico, o que tem gerado polêmicas. Não é considerado boa literatura. Também não é recomendável para os cristãos

REVISTA MAIS DESTAQUE

31


especial As algemas do pecado podem estar presentes onde menos se imagina O dicionário Aurélio define a palavra cristão como “que ou aquele que professa a religião de Cristo. Que pertence a essa religião, que é próprio dela: as virtudes cristãs”. De modo geral, ser cristão é seguir o exemplo de Cristo. Quando o cristão tem dúvidas sobre determinada situação, uma simples pergunta ajuda a encontrar a resposta correta: Jesus faria isso? Assistiria a esse programa? Leria esse livro? A partir de tal questionamento é possível entender que o não surge quase que automaticamente quando a dúvida em questão é a leitura de Cinquenta Tons de Cinza. No entanto, essa resposta parece não ser suficiente para acalmar a curiosidade daqueles que insistem em ler o livro e não se dão conta de que as algemas do pecado podem estar presentes onde menos se imagina. Incoerência

Diante de tanta inquietação e rebuliço, a psicóloga Vanessa Oliveira leu o primeiro livro da trilogia para fazer uma avaliação e, em tons críticos, reuniu argumentos a fim de alertar homens e mulheres contra o consumo desse material. “No começo da história é tudo muito floreado, você é envolvido pelo romance porque quer saber o que vai acontecer. No início, o casal faz um sexo simples, sem extravagâncias. Mas, na metade do livro, quando você já está envolvido pelo enredo, a autora começa a introduzir o sadomasoquismo. O livro é bastante denso, pesado e perturbador. Eu não recomendo essa leitura para ninguém”, afirma a psicóloga. Por falar em recomendação, a revista Veja publicou uma entrevista com a autora da trilogia, a britânica Erika Mitchell, conhecida pelo nome artístico de E. L. James. Quando questionada sobre o interesse de seus filhos, que têm entre 15 e 17 anos, na leitura de Cinquenta Tons, ela responde: “Não, não, não. Meus meninos não leem nada, de jeito nenhum. Com a exceção de ameaçá-los com uma arma, já tentamos de tudo, mas parece que, para eles, não ler é uma questão de honra. Nesse caso em particular, acaba sendo um alívio. Não quero nem imaginar meus garotos lendo Cinquenta Tons”.

Para Darleide Alves, apresentadora dos programas Sem Tabus e Consultório de Família, ambos da TV Novo Tempo, há incoerência em uma mulher que não admite a leitura de sua obra por parte de seus filhos adolescentes, quando, ao mesmo tempo, a espalha pelo mundo. Darleide diz que se o conteúdo não é adequado para os herdeiros da autora, também não serve para seus filhos, para meninos e meninas da igreja e homens e mulheres, cristãos ou não. “E ela não tem nenhum interesse em fazer filtro para eles, porque afinal de contas, fica disponível na banca [o livro], vai lá, pega quem quer”, indigna-se a apresentadora. Fã da saga Crepúsculo, E. L. James inspirou sua trilogia nessa série de filmes que narra um triângulo amoroso entre uma mortal, um vampiro e um lobisomem. A intenção da escritora foi desenvolver uma história semelhante à saga, sem os personagens anormais, mas acrescentando cenas eróticas. Removido das prateleiras

No dia 11 de janeiro, o juiz Raphael Baddini Campos, da 2ª Vara de Família, da Infância, da Juventude e do Idoso de Macaé, Rio de Janeiro, expediu uma ordem de serviço que determinou a fiscalização em estabelecimentos que vendem livros como a trilogia Cinquenta Tons e outros da mesma espécie. São publicações caracterizadas como “aquelas de conteúdo erótico, com descrições de sexo explícito, bem como de outras práticas sexuais, salvo as de natureza estritamente didática”. A intenção foi identificar a forma de comercialização desse material para avaliar se estava acontecendo corretamente. A decisão foi baseada no artigo 78 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), lei n° 8.069 de 1990: “As revistas

Cinquenta maneiras para ser como Cristo Cristão é aquele que segue os exemplos de Jesus e procura ser semelhante a Ele. A MD preparou uma lista de 50 maneiras para te ajudar a desenvolver um caráter como o de Cristo. Veja:

32

REVISTA MAIS DESTAQUE

O que posso fazer?

1. Amar a Deus sobre todas as coisas 2. Amar ao próximo 3. Orar 4. Estudar a Bíblia IMAGENS: STOCK.XHCNG | =DIVULGAÇÃO


especial Embora tente misturar realidade ao enredo, o livro é surreal, isto é, fala de coisas que não existem e publicações contendo material impróprio ou inadequado a crianças e adolescentes deverão ser comercializadas em embalagem lacrada, com a advertência de seu conteúdo”. Para defender sua atitude, Campos alegou ter a intenção de proteger crianças e adolescentes do material. Dois dias depois, policiais militares e representantes da justiça recolheram 64 exemplares de duas livrarias. Onze eram da trilogia e os outros 19 pertenciam a títulos diferentes. Comerciantes e espectadores repudiaram a decisão do juiz e a atitude dos militares. Após essa ação, alguns comércios retiraram as obras da vitrine e as posicionaram em prateleiras mais altas. Chegaram até mesmo a embalar os livros com papel filme. O acontecimento chamou a atenção de dezenas de pessoas que resolveram comprar o livro para saber o que levou Campos a tomar tal decisão. O estudante de Comunicação Social, Rafael Brondani, acompanhou o aumento nas vendas da trilogia e acredita que as pessoas não se interessaram pelo livro, mas pela ação do juiz. “Se despertou curiosidades e vendeu mais, aí já é uma questão pessoal dos consumidores que não querem fazer um filtro do que assistem, leem ou ouvem. As pessoas compraram o livro para entender a decisão do juiz, mas acho que ninguém quis saber sobre o que significa a obra ou o título dela”, diz. Materiais eróticos e pornográficos sempre foram comercializados, mas em seções especiais. Com o sucesso da trilogia, esses livros passaram a ser folheados livremente na entrada das livrarias.

Anastasia, questiona o seu gosto por práticas sadomasoquistas, o jovem responde que é por causa das 50 sombras ruins que possui. “Existe alguma coisa espiritual envolvida nisso tudo. As pessoas estão lendo com uma ideia muito fantasiada”, aponta a psicóloga Vanessa. A relação com práticas sadomasoquistas entre o casal é acordada por meio de um contrato. Em uma das cláusulas a própria autora diz: “O dominador e a submissa reconhecem que o dominador pode fazer exigências à submissa que não podem ser satisfeitas sem que ocorram danos físicos, mentais, emocionais e espirituais”. Vanessa avalia que Anastasia aceita as exigências de Grey apenas porque o ama e quer salvá-lo de um transtorno psicológico, mas a garota não gosta desse tipo de relação. De acordo com Darleide, muitas mulheres não concordam com certas práticas sexuais, mas, mesmo assim, se submetem ao desejo do marido para satisfazê-lo ou por temor de que procure outra pessoa que corresponda às suas fantasias. Embora tente misturar essa realidade ao enredo, o livro é surreal, isto é, fala de coisas que não existem, como o fato de Anastasia ser uma donzela com características estereotipadas. No livro Mente, Caráter e Personalidade, a escritora Ellen White diz que a submissão sem o consentimento verdadeiro do casal não vem de Cristo. Ela refere-se às práticas aprovadas por Deus. “Por terem ingressado na relação matrimonial, muitos julgam poder concordar com ser controlados por paixões sensuais. São dirigidos por Satanás, que os engana e leva a perverterem essa sagrada instituição” (p. 224). Darleide Alves diz que “Cinquenta Tons” não deve ser lido por meninos e meninas da igreja

Enredo

O título do livro, Cinquenta Tons de Cinza, é a tradução de Fifty Shades of Gray, em inglês. Gray é o nome do personagem masculino principal do romance. A contracapa conta que o rapaz é perturbado por demônios do passado, informação reforçada no conteúdo. Quando a personagem feminina principal,

5. Cantar hinos 6. Testemunhar 7. Pregar 8. Honrar pai e mãe 9. Andar na luz 10. Afastar-se do mal 34

REVISTA MAIS DESTAQUE

11. Resistir às tentações 12. Ser contra o preconceito 13. Excluir rancor, raiva e ódio do coração 14. Não falar mal

das pessoas 15. Ter contato com a natureza 16. Cuidar do corpo 17. Manter a mente limpa 18. Manter-se puro

19. Abster-se de drogas, álcool e fumo 20. Praticar esportes 21. Caminhar O que posso ser?

22. Cortês IMAGENS: DIVULGAÇÃO


O contato com conteúdo impróprio pode, no primeiro momento, constranger o leitor ou telespectador, que se sente invadido e contrariado Nas telas do cinema e da mente Ao tratar-se de dominador e submissa, o livro retrata o corpo como um instrumento de prazer. Pode ser espancado e torturado para fins eróticos. A Bíblia repreende essa ideia e alerta, mais uma vez, que o corpo é sagrado. “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1 Coríntios 6:19). Os maus tratos a que é submetido o corpo humano ganhará vida nas telas do cinema. A Universal Pictures (estúdio de cinema americano) já confirmou a adaptação das páginas de Cinquenta Tons, que pretende retratar com exatidão as cenas descritas por E. L. James. O longa-metragem ainda não começou a ser gravado, mas tem previsão de lançamento para 2014. Por enquanto, está sem roteiro e a classificação indicativa não foi determinada. “Essa perversidade que destrói o corpo, instrumento que deveria ser usado para honrar e glorificar a Deus, estará também na televisão. Isso é ridículo. Vai perturbar ainda mais a mente de quem já leu o livro ou ficou com vontade de lê-lo”, revolta-se Brondani. O neurologista Leandro Teles lembra que a preocupação do estudante de Comunicação Social é válida. O contato com conteúdo impróprio pode, no primeiro momento, constranger o leitor ou telespectador, que se sente invadido e contrariado. “Isso pode gerar um bloqueio (afastamento) ou curiosidade (mais comum). Caso haja curiosidade, essa abertura pode levar a pessoa a um passeio em terras desconhecidas ou inicialmente incômodas. Com o tempo, o recrutamento emocional constante, o convívio individual e contínuo com conceitos ‘proibidos’ pode levar a um apego intenso com a história”, elucida Teles. Quando um conteúdo é incorporado à mente humana, não é possível esquecê-lo voluntariamente. Teles cita que a tentativa de esquecer algo fortalece ainda mais a lembrança,

23. Trabalhador 24. Observador 25. Motivador 26. Cuidadoso 27. Amigo 28. Humanitário

29. Perdoador Quais virtudes preciso ter?

30. Realista 31. Bondade 32. Honestidade

em uma resposta paradoxal do cérebro, uma vez que para esquecer é preciso antes lembrar. “O processo de esquecimento depende do tempo, do desapego à vivência, da falta de recordação e de utilidade, enfim, nada disso está a cargo da pessoa que fixou a informação”, complementa. Durante uma leitura, o cérebro decodifica a mensagem enviada e cria imagens, cheiros e sons do cenário. Como explica Leandro Teles, isso gera um grau de relevância e é memorizado de modo difuso no cérebro com auxílio do hipocampo (parte lateral do cérebro, estrutura cerebral localizada dentro do lobo temporal). Embora já traga cenas prontas ao telespectador, o filme também gera emoções e recebe seu grau de relevância. A fixação é novamente difusa e depende da ação do hipocampo. Transtornos psicológicos

Em Cinquenta Tons de Cinza, Grey tem o comportamento de um sádico enquanto Anastasia, embora não goste de ser tratada como submissa, possui comportamento masoquista ao aceitar as exigências do rapaz. Pela Classificação Internacional das Doenças (CID), sadismo e masoquismo são patologias, transtornos psicológicos. O sádico é aquele que sente excitação sexual causando sofrimento psicológico ou físico no parceiro. Está focado no controle e observa a dor da outra pessoa. O indivíduo amordaça, espanca, belisca, chicoteia, queima, bate e pratica outros atos que provocam dor. Segundo o psiquiatra e neurocientista Galeno Alvarenga, algumas pessoas que sofrem deste mal podem dedicar-se a atos sádicos por muitos anos, sem infringir danos graves à vítima, mas o pior vem depois. “A gravidade desses atos aumenta com o tempo. Quando o sadismo é severo, podem ocorrer ferimentos graves ou até assassinato”, explica o psiquiatra. Masoquista é a pessoa que sente excitação sexual ao ser humilhada e sujeita a qualquer tipo de dor e sofrimento, seja físico ou psicológico.

33. Fidelidade 34. Sinceridade 35. Mansidão 36. Obediência 37. Perseverança 38. Paciência

Para não correr o risco de comprometer valores e princípios, o cristão precisa se desvencilhar do que não agrada a Deus

39. Prudência 40. Prontidão 41. Compreensão 42. Compaixão 43. Servidão 44. Alegria

45. Responsabilidade 46. Compromisso 47. Respeito 48. Zelo 49. Justiça 50. Ter paz REVISTA MAIS DESTAQUE

35


especial “Quando alimentamos nossa mente com leituras impróprias, certamente nossas decisões não serão boas” De acordo com Alvarenga, o masoquismo pode ter início na idade infantil. “Existem diferentes teorias relacionadas ao fator desencadeador do masoquismo sexual, muitas decorrentes do campo psicanalítico. O mais comum é um trauma durante a infância, como abuso sexual”, afirma. Vanessa concorda com Alvarenga e esclarece que não existe tendência genética para o sadomasoquismo. Entretanto, desestrutura familiar, agressividade, bullyng e pais que demonstram comportamento agressivo, podem fazer com que uma criança desenvolva tais distúrbios. “Neste livro, não estamos falando de apimentar relação, estamos falando é de transtorno, de patologia. A gente precisa acordar para isso”, alerta a psicóloga. Valores comprometidos

Músicas sem sentido, filmes e jogos violentos, banalização do sexo, entre outros fatores, têm contribuído de forma negativa para o cristianismo. No entanto, a Bíblia deixa um conselho. “Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes” (1 Coríntios 15:33). Com base nas Sagradas Escrituras, Ellen G. White explana, no livro Mente, Caráter e Personalidade, que essa influência agrega efeitos nocivos para quem cai na armadilha do pecado e o pratica. “Pensamentos poluídos abrigados, tornam-se hábito, e a alma se polui e corrompe. Uma vez praticado um ato errado, faz-se uma mancha que coisa alguma pode apagar senão o sangue de Cristo; e se o hábito não é abandonado com firme resolução, corrompe-se a alma, e as torrentes que dimanam dessa fonte poluída, passam a corromper outros. Sua influência é uma desgraça” (p. 227). Para Amin Rodor, pastor e professor de Teologia, a cultura atual tenta extinguir os princípios bíblicos da vida cristã. “Eliminando valores, ética e a própria fonte dela, Deus, teremos que aprender a conviver com as anormalidades da cultura, atualmente manifestas de muitas formas”, destaca. Rodrigo Silva também é pastor e assume a mesma postura de Rodor. Ele comenta que as influências da cultura não conseguem satisfazer o que realmente importa. “Num mundo em que precisamos de certezas, num mundo em que precisamos de definições éticas, de certo ou errado, de bom ou ruim, de preto ou branco, alguns insistem em nos empurrar para tons de cinza. No final das contas não é nem uma coisa, nem outra, pretende ser as duas e termina não levando a lugar algum”, observa Silva. “Ficamos sem saber se é a ficção que imita a realidade ou a realidade que imita a ficção”, acrescenta Rodor. Para não correr o risco de comprometer valores e prin36

REVISTA MAIS DESTAQUE

Para Rodrigo Silva, as influências culturais não satisfazem as necessidades que realmente importam

cípios, o cristão precisa se desvencilhar do que não agrada a Deus. Segundo o pastor Neumoel Stina, só existe uma maneira para esse desapego: relacionamento correto, diário e individual com Jesus. “Em uma de suas advertências, o apóstolo Paulo diz que para apresentarmos um culto racional a Deus não devemos nos conformar com o mundo, mas passarmos por uma transformação de mente, a fim de que experimentemos a boa, perfeita e agradável vontade dEle. Você pode ler isso em Romanos 12:2”. Stina ainda salienta que o raciocínio influencia no momento das decisões por meio de mapas mentais. Esses mapas são informações plantadas no cérebro humano e, com base nelas, as decisões são tomadas. “Isso quer dizer que quando alimentamos a nossa mente com leituras impróprias, certamente nossas decisões não serão boas”, conclui. Ellen White ressalta os meios que o diabo planeja usar para corromper os filhos de Deus e desperta a busca por cuidados, a fim de que os cristãos fiquem longe de tais armadilhas. “Satanás e seus anjos estão ativos, criando uma espécie de paralisia dos sentidos, de modo a não serem ouvidas as admoestações, advertências e repreensões, ou, se ouvidas, não terem efeito sobre o coração, transformando a vida” (Testemunhos seletos, vol. 2, p. 195).

Ligado na TV Novo Tempo

Apresentação de Darleide Alves Sem Tabus - Sexta: à meia-noite Consultório de Família - Segunda: às 21h

IMAGENS: DIVULGAÇÃO


aps

INFORME PUBLICITÁRIO

Atitude espontânea que faz toda a diferença Equipe de recepção se prepara para atender pessoas e realiza atividades na igreja com eficiência e qualidade Por Danúbia França, jornalista e assessora de comunicação da APS

A primeira impressão é a que fica”. Quem já ouviu esse ditado sabe que uma palavra amável e um gesto educado fazem toda a diferença, principalmente para quem recebe a gentileza. Parece que não, mas essa atitude pode mudar o dia de uma pessoa. Ser cortês é uma virtude e também uma habilidade bastante procurada por empresas que trabalham com atendimento ao público. Hoje o mundo corporativo prioriza o quesito relacionamento e esse é um dos atributos de quem exerce a função de recepcionista. Além da aproximação e do bom atendimento, o que difere um profissional do outro é a dedicação, organização e disposição em ajudar de forma espontânea. “Ele também é responsável

40

REVISTA MAIS DESTAQUE

por toda a comunicação do mundo interno e externo da empresa. É necessário saber como funciona a organização para responder prontamente e com exatidão o que lhe for perguntado”, explica Joel Ricci, consultor de empresas. As áreas de atuação são diversas, tanto em setores privados quanto em públicos. Mas o desafio de recepcionar não é somente uma tarefa reservada às empresas. Na igreja adventista, esse trabalho é realizado por meio de um departamento, e tem um diferencial. Todo serviço prestado é completamente voluntário. “Esse é um trabalho social muito importante para o crescimento e desenvolvimento da igreja. Normalmente são mulheres, mas também existem homens que se candidatam para receber

Ser cortês é uma virtude e também uma habilidade bastante procurada por empresas que trabalham com atendimento ao público

IMAGENS: Carlos Pollheim


Voluntárias posam para foto após treinamento promovido pela Associação Paulista Sul, um dos órgãos administrativos da igreja adventista.

as pessoas nos cultos e programações da igreja”, afirma a psicóloga Márcia Caló, que já fez parte do ministério e trabalha no departamento de Recursos Humanos (RH). “Por se tratar de um trabalho voluntário é importante que as pessoas gostem de lidar com o público, gostem de sorrir, que se coloquem no lugar do outro”, afirma Márcia. Na região Sul de São Paulo são mais de 1,5 mil voluntários. E como todo profissional, a equipe de recepção das igrejas também precisa de preparo. A fim de capacitar esse grupo, programações com orientações, entrega de materiais e incentivo são promovidas. “Os treinamentos regulares procuram capacitar os integrantes da recepção para que eles realizem um bom trabalho junto à igreja. O objetivo é auxiliar em todos os aspectos, desde a montagem de uma equipe até a melhor forma de atender as pessoas”, explica Maria Teresa de Araújo, líder do departamento na região Sul da capital. A história de Elaine Bertazo é resultado de um trabalho realizado pela equipe. Ela estava procurando um templo para frequentar e foi tão bem recebida

na igreja adventista, que se sentiu acolhida. Pouco tempo depois, não somente Elaine, mas a família toda estava reunida, dando as boas-vindas e auxiliando os membros. “A cada sábado, meu esposo, minhas filhas e eu recepcionamos os membros e as visitas. Quero tratar as pessoas da mesma forma como fui recebida”, afirma. Camila tem apenas 14 anos de idade e atualmente coordena um dos grupos de recepção da igreja em que frequenta. “A diretora da recepção pediu para que eu fosse líder de um grupo. Aceitei e achei maravilhoso. Foi um meio de conversar com as pessoas, de me envolver mais na igreja”, comenta. A participação dos homens também é fundamental. Raimundo Nascimento faz parte do ministério de recepção na igreja do Capão Redondo, em São Paulo, há um ano. “Gosto muito do que faço. É necessário que também tenham homens na recepção”, diz. Ele ainda lança um convite ao sexo masculino. “O nosso grupo necessita de mais homens para fazer parte da recepção. Venha participar junto com a gente. Nós estamos carentes da sua ajuda”, apela.

Sorrisos por todos os lados Uma boa equipe de recepção deve ser composta por pessoas de diversas faixas etárias. Algumas devem ficar à porta, cumprimentando membros e visitantes e outras devem atender em locais como:

Mesa ou balcão de atendimento

À entrada, para encaminhar crianças e/ou jovens para as respectivas classes ou assentos

Na nave da igreja, isto é, dentro do templo, para auxiliar visitas

REVISTA MAIS DESTAQUE 41


educação

Musicalização estimula inteligência infantil Método de aprendizado é eficaz para desenvolver os sentidos e a coordenação motora da criança Por Vanessa Moraes

U

ma pesquisa realizada pela Universidade York e pelo Conservatório de Música Royal, ambos de Toronto, Canadá, comprovou que a musicalização infantil ajuda no desenvolvimento da criança tornando-a mais ágil e inteligente. Esse método educativo é capaz de estimular criatividade, raciocínio, concentração, coordenação motora, memória e socialização dos pequenos. O estudo, que envolveu 49 crianças entre quatro e seis anos de idade, apontou que 90% daquelas que receberam treinamento musical apresentaram melhora significativa na inteligência. Entre notas e timbres, a musicalização é uma das ferramentas mais eficazes para auxiliar no desenvolvimento da criança. A psicóloga Andrea Bellingall é especialista em educação infantil e explica que a música faz parte do ser humano mesmo antes de seu nascimento. “Ao escutar sua mãe cantarolar ou falar de forma calma e tranquila, o bebê tem uma sensação de segurança e prazer. À medida que cresce, 42

REVISTA MAIS DESTAQUE

desenvolve sua apreciação sensorial e aprende a gostar de determinados sons e estilos musicais. É muito enriquecedor apresentar à criança, desde muito cedo, os diversos tipos e estilos de sons, músicas e ritmos”, ressalta. A professora de música Débora Affonso compartilha de um pensamento semelhante ao de Andrea e acrescenta que o método não pretende formar músicos, mas desenvolver habilidades sociais, motoras, linguísticas e comunicativas. “Quanto mais cedo as crianças tiverem contato com a linguagem musical, maiores serão as chances de as habilidades serem trabalhadas e melhoradas. Ensino crianças a partir de um ano e meio de idade e vejo como é diferente o desenvolvimento daquelas que têm aula há quatro anos e as que entraram na escola há pouco tempo”, diz. Robson de Almeida também é professor de música e percebe, ao longo do tempo, melhoras na concentração de seus alunos. “Cerca de oito anos atrás eu tinha uma aluna que semIMAGENS: CANSTOCKPHOTO


“Quanto mais cedo as crianças tiverem contato com a linguagem musical, maiores serão as chances de as habilidades serem trabalhadas e melhoradas“ entanto, cada atividade tem a finalidade de trabalhar ritmo e propriedades do som, além dos objetivos já citados. Papel do professor

pre ficava de recuperação em matemática por ter dificuldade no raciocínio lógico. Ela estudou música comigo durante seis anos e passou a ter as melhores notas na área de exatas. Acredito que o estudo da música a ajudou a desenvolver tal conhecimento”, conta o professor. Dois anos é a idade ideal para a musicalização infantil, mas a partir dos seis meses de vida a criança já consegue sentar-se sozinha, o que possibilita a participação nas atividades propostas durante as aulas. Do sétimo mês de gestação em diante, o sistema auditivo do bebê já está formado. Ao nascer, ele dispõe de estruturas mentais que estão prontas para ser desenvolvidas. Entretanto, Almeida acredita que o quarto mês de gestação é o momento ideal para que o método seja inicializado. A mãe deve fazer estímulos musicais, como cantar para o bebê e ouvir músicas clássicas, por exemplo. A eficácia ocorre até os seis anos de idade, momento em que a criança pode entrar em uma fase mais elevada e já tem condições de aprender a tocar um instrumento. Para quem assiste de camarote, as aulas parecem simples. São músicas infantis, cantigas, brincadeiras de roda, gestos que movimentam o corpo, entre outros elementos. No

A consultora pedagógica Heloísa Baldo observa a importância do professor para por em prática as metas da musicalização infantil. O docente precisa integrar as crianças, brincar, imitar, inventar e reproduzir criações musicais, incentivar capacidades físicas envolvendo movimentos corporais, edificar a autoconfiança, desenvolver hábitos de leitura e a produção textual, tudo através da música. Com esta definição, o docente escolhe os compositores que utilizará em seu trabalho. “Desta forma, a criança entrará em contato com o mundo letrado e lúdico. Sua importância é inegável como instrumento pedagógico, o qual deverá ser trabalhado e estimulado, provocando nos alunos a possibilidade de criar, aprender e expor suas potencialidades”, explica Heloísa. Os benefícios da linguagem musical alcançam outras áreas do conhecimento, como matemática e educação física, segundo a consultora. “Há várias letras de música que nos ajudam a facilitar a aprendizagem de números, quantidade, classificação e seriação. Entretanto, toda essa gama de possibilidades deve ser utilizada de forma contextualizada, cuidando para que não se perca o trabalho da música com fins em si mesma”. No decorrer das aulas, Heloísa também aconselha oferecer informações sobre a história da música. Se o compositor escolhido for Mozart, o docente deve estimular a audição das crianças e falar sobre esse compositor austríaco, que desde os quatro anos fazia apresentações públicas de piano. “Depois, REVISTA MAIS DESTAQUE

43


educação e quando a professora conta uma história. Andrea também lembra que por meio desse método as crianças ampliam suas relações com o espaço natural ou construído, expressam-se a partir de seu esquema corporal, de forma segura e prazerosa. As experiências musicais favorecem o desenvolvimento dos sentidos da criança, já que ela participa de forma ativa quando ouve, vê, toca e canta. “Ao trabalhar com os sons, ela aumenta sua acuidade auditiva. Ao dançar, mover-se e fazer gestos, trabalha a coordenação motora ampla, atenção e concentração. Ao cantar ou imitar sons, amplia a fala e estabelece relações com o ambiente”, ilustra a psicóloga.

As experiências musicais favorecem o desenvolvimento dos sentidos da criança, já que ela participa de forma ativa quando ouve, vê, toca e canta

Desafios

é importante apresentar algumas de suas composições”, recomenda a consultora. Obrigatoriedade escolar

De acordo com Robson de Almeida, os professores precisam ser bem preparados para que a musicalização seja eficaz. A procura por esses profissionais aumentou com a lei 11.769 de 2008, que tornou a música um componente curricular obrigatório em todas as escolas do Brasil. As instituições tiveram até agosto de 2011 para se adaptar e incluir a disciplina na grade. Embora obrigatório, o conteúdo não deve ser exclusivo, isto é, pode ser incluído na disciplina de artes. A psicóloga Andrea Bellingall comenta que embora haja obrigatoriedade, a música sempre permeou a maioria das atividades nas escolas, pois está presente na rodinha de alunos, durante o lanche, no momento de organizar a sala de aula

Como o som chega ao nosso cérebro? 1

As ondas sonoras são captadas pelo ouvido externo e encaminhadas ao canal auditivo.

2

As ondas percorrem 2,5 cm do canal auditivo e se intensificam à medida que a passagem se estreita.

3

4

44

Segundo Almeida, existem escolas que ainda não se adequaram à lei por não acreditarem na importância da música. “Em certas instituições, os pais, e até mesmo educadores, olham para as aulas com certa desconfiança e muitos pensam que não passa de uma ‘dancinha’. Eles não imaginam o trabalho que deu para conceber todas aquelas atividades”, desabafa. O professor ainda comenta que os pais podem até desconfiar dos resultados, mas as crianças apresentam menos resistência às aulas e sentem prazer em realizar o que se pede, como fazer movimentos físicos. Almeida também reclama do espaço destinado às aulas. Quando a escola disponibiliza, é inadequado, seja pelo tamanho ou pelo barulho existente aos arredores. “Uma aula que tem como objetivo trabalhar a concentração não pode ter barulho externo que atrapalhe seu desenvolvimento”, justifica. O desafio de acreditar na eficácia da musicalização infantil pode ser cada vez menor, pois os adultos também podem entender o método através do aprendizado pessoal. “À medida que aprendemos a escutar, nossa experiência com a linguagem musical se torna cada vez mais rica e passamos a desenvolver o nosso próprio potencial criativo para nos expressar por meio da música”, finaliza Heloísa.

REVISTA MAIS DESTAQUE

A cóclea tem formato de caracol e transforma as vibrações sonoras em sinais elétricos. Lá existem os canais vestibular, timpânico e coclear. O som percorre a cóclea duas vezes, pelo canal vestibular e depois pelo timpânico. Na cóclea existem as células com cílios que captam as vibrações e enviam ao cérebro.

6

Finalmente a mensagem sonora é levada ao córtex auditivo do cérebro, onde são decodificadas.

6

No final do canal auditivo, o som se choca contra o tímpano, que vibra como um tambor. Do outro lado do tímpano há três ossos pequenos: o martelo, que diante da menor vibração batuca no osso vizinho, a bigorna, que transfere o movimento para o terceiro osso, o estribo, que está ligado ao interior da cóclea por uma janela oval.

5

4 2 1

3

5


profissão

Estradas pe O Brasil está abastecido com mais de 1,5 milhão de mas, nas transportadoras, ainda existem 40 mil

Por Vanessa Moraes

A

s estradas são suas companheiras e a saudade de casa pede carona todos os dias. Os “profissionais do volante” correm contra o tempo. Os caminhoneiros, especialmente, começam a labuta pela madrugada e não podem perder o prazo de entrega das mercadorias, pois qualquer atraso pode resultar em prejuízo. No entanto, a correria familiar que os homens da carga pesada enfrentam pode trazer problemas e riscos à saúde, por isso, a lei 12.619 foi criada e sancionada no dia 30 de abril de 2012 pela presidente Dilma Rousseff. A regulamentação da profissão trouxe regras para a jornada de trabalho do caminhoneiro, como fazer intervalo de 30 minutos a cada quatro horas de direção ininterruptas e descanso de no mínimo 11 horas entre as viagens. Quem não cumprir a lei comete infração grave, recebe multa de R$ 127,00 e perde cinco pontos na carteira. A lei provocou resistência em diversos setores. A comercialização da produção rural sofreu inviabilidade, segundo empresários do agronegócio. Caminhoneiros afirmaram que as rodovias não têm infraestrutura adequada para que a lei seja cumprida de forma segura. Diante das reclamações, uma comissão criada para revisar as regras

48

REVISTA MAIS DESTAQUE

promoveu audiência no dia 2 de abril de 2013. Apesar das reclamações, a lei foi criada na intenção de prever maior segurança à vida dos caminhoneiros. De acordo com a Confederação Nacional do Transporte (CNT), cerca de 30% dos acidentes são causados por motoristas que dormem ao volante. O índice é maior nas estradas com longas retas, onde a viagem é mais cansativa e monótona. Só em 2013 já foram registrados 32 acidentes que resultaram em quatro mortes e 30 feridos. Dificuldades

Dormir ao volante, principalmente durante o dia, é sinal de noites mal dormidas e pode trazer riscos à saúde. Um dos maiores desafios do caminhoneiro é a data de entrega da mercadoria, que precisa chegar ao destino antes do prazo final. Nesta empreitada, o tempo é inimigo e por isso o motorista deixa o sono de lado, muitas vezes, para ganhar tempo e chegar mais rápido onde precisa. Problemas respiratórios e distúrbios do ritmo circadiano (ciclo de 24 horas) são algumas consequências que a saúde desse profissional pode enfrentar se não houver sono saudável. Durante a noite o risco é ainda maior, pois

além do cansaço acumulado na viagem, há menos iluminação nas estradas. A distância da família é uma das maiores dificuldades. A quantidade de tempo fora de casa transfere a maior parte das responsabilidades do homem para sua esposa, caso seja casado. As mulheres precisam cuidar do orçamento doméstico e acompanhar a educação das crianças, além de outras decisões que um casal deve tomar em conjunto. “Já perdi três aniversários do meu filho por causa das viagens. Embora sinta muito a minha falta, minha esposa entende que esse é o nosso ‘ganha pão’ e não posso escolher datas ou local das entregas. Meu filho ainda reclama a ausência, mas espero que um dia ele também compreenda que preciso deste trabalho”, desabafa Cláudio Vieira, caminhoneiro há cinco anos. Outro aspecto que incomoda as famílias desses profissionais é o perigo nas estradas. Além dos acidentes, o risco de assalto é bem grande. Juvenal de Souza já foi, inclusive, sequestrado. Ele conta que bandidos o abordaram, juntamente com o ajudante, e os levaram para um local reservado. “Graças a Deus os ladrões só queriam a carga e nos mantiveram em cativeiro para descarregar o caminhão sem o risco de ter a polícia acionada. Isso durou mais IMAGENS: STOCK.CXHNG | JANE DE JESUS


esadas caminhoneiros autônomos e empregados, vagas que precisam ser preenchidas

de três horas”, relembra. Souza ainda diz que os sequestradores o trataram bem, perguntavam o tempo todo se as vítimas gostaria de beber ou comer alguma coisa. “Depois eles liberaram meu ajudante e eu em um lugar qualquer e prometeram que meu caminhão seria estacionado em um determinado local, longe, mas era só ir buscar que estaria lá”, acrescenta o motorista, que há oito anos exerce a profissão. Ao contrário de seu ajudante, Souza não entrou em pânico no momento do sequestro. A confiança em Deus lhe deu forças até mesmo para conversar com um dos ladrões e dar conselhos sobre o amor de Cristo, que pode alcançar e transformar qualquer coração. Enquanto isso, a família do motorista ficou preocupada. Ele deveria estar em casa naquela noite, mas ainda não havia chegado. Quando ligava para o celular, Souza não atendia, pois o celular estava com os bandidos. Após sair do cativeiro, as vítimas passaram a noite na delegacia, onde fizeram o Boletim de Ocorrência (BO). Felizmente Souza conseguiu resgatar seu caminhão, vazio, é claro. A maioria das abordagens criminosas acontece quando o veículo está estacionado ou no farol fechado. Quando conseguem param para descansar e ter uma boa noite de sono, os motoristas

dormem em pousadas ou no posto de gasolina, dentro do veículo mesmo. Alguns caminhões, inclusive, são equipados com fogão portátil, rede de balanço e outras ferramentas que auxiliam no dia a dia. As estradas ruins e os pedágios caros são as reclamações mais frequentes dos profissionais do volante, que também precisam ter uma “paciência de Jó”, como diz Souza, para suportar o trânsito das grandes cidades e a arrogância de muitas pessoas. O motorista Juvenal de Souza já foi sequestrado durante uma viagem, mas conseguiu sair ileso e recuperou o caminhão roubado.

O lado bom Os perigos da vida de caminhoneiro não são a única experiência que o motorista pode viver. O lado bom da profissão é a oportunidade de conhecer lugares novos em cada viagem. Mesmo que o lugar já tenha sido visitado, sempre existem elementos ou aspectos que ainda não foram vistos. Silvio Alexandre herdou de seu pai a vontade de ser caminhoneiro. Desde pequeno, seus brin-

REVISTA MAIS DESTAQUE

49


profissão quedos favoritos eram os caminhõezinhos. Para ele, a vida nas estradas é uma aventura, e com quase 20 anos de chão, afirma que fez uma boa escolha. “Não me vejo fazendo mais nada. Não gostaria de trabalhar em outra área. Sempre quis ser caminhoneiro”. Alexandre também comenta que o seu trabalho precisa ser reconhecido e valorizado. “Sem a gente, o Brasil para. O que você come e veste chegou aos supermercados e lojas através de um caminhão ou carreta”, salienta. A renda mensal é um item que chama a atenção. Alguns caminhoneiros têm salário fixo, mas os que são pagos por frete têm apenas uma média mensal do que irão receber no final do mês. No caso de renda variável, o valor total vai depender de cada viagem realizada. Nos meses em que há bastante serviço, os caminhoneiros chegam a tirar dez mil reais ou mais. Nos meses em que o trabalho diminui, podem receber entre 1,5 e 5 mil reais. Os valores podem variar muito, tanto para mais quanto para menos. Formação e mercado

A princípio, para exercer a profissão de caminhoneiro, é necessário apenas ter a carteira de motorista na categoria C, destinada à condutores de veículos de carga com mais de

3,5 mil quilos. Embora não seja preciso fazer cursos, quem deseja trabalhar com o transporte de cargas perigosas, como combustíveis, por exemplo, deve ter formação no curso de Movimentação e Operação de Produtos Perigosos (MOPP). Com a tecnologia em alta, algumas transportadoras instalaram computadores nos caminhões para auxiliar o trabalho dos motoristas. Neste caso, é necessária uma qualificação e o motorista precisa entender de tecnologia. O mercado está aquecido e em busca desses profissionais. No Brasil, existem cerca de 40 mil vagas nas transportadoras. Em algumas, o motorista precisa ter o seu próprio caminhão, mas são diversas as contratações em que basta ser bom de volante, pois a pessoa trabalha com o veículo da empresa. Na igreja

Quando ocorre um acampamento entre os membros da igreja, por exemplo, em que é necessário um caminhão para levar mantimentos, móveis, entre outros utensílios, o motorista pode colaborar e colocar no baú de seu veículo o material necessário para que o evento aconteça. Além disso, ele é quase um GPS humano. Se houver necessidade de localização rápida de determinado estabelecimento ou lugar, o caminhoneiro conhece bem as estradas e pode auxiliar.

Mudança de categoria na CNH Para ser caminhoneiro não é necessário ter curso superior. No entanto, é preciso ser bom de volante e possuir no mínimo a categoria C na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) . De acordo com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), o motorista que tem a categoria A e/ou B e quer mudar para as C, D ou E, não pode ter cometido nenhuma infração grave ou gravíssima ou ser reincidente em infrações médias durante os últimos 12 meses. É necessário que a CNH seja definitiva, esteja dentro da data de validade, ser cadastrada no seu estado de origem e em situação regular (não estar cassada ou suspensa). Consulte o Detran para conhecer as exigências específicas de cada categoria de habilitação.

CATEGORIA A

CATEGORIA D

Condutor de veículo motorizado com duas ou três rodas, com ou sem carro lateral, como motocicletas e triciclos.

CATEGORIA B Condutor de veículo motorizado cujo peso bruto total não ultrapasse a 3,5 mil quilos e cuja lotação não exceda a oito lugares, excluído o motorista, como carros de passeio.

Condutor de veículo motorizado utilizado no transporte de passageiros, como ônibus e van, cuja lotação exceda a oito lugares, excluído o do motorista. Deve ter no mínimo um ano na categoria C ou dois anos na categoria B.

CATEGORIA E CATEGORIA C Condutor de veículo motorizado utilizado em transporte de carga, como o caminhão, cujo peso bruto total exceda a 3,5 mil quilos. Deve estar habilitado por pelo menos um ano na categoria B.

50

REVISTA MAIS DESTAQUE

Condutor de combinação de veículos em que a unidade tratora se enquadre nas categorias B, C ou D. Permite dirigir trailers, reboque e semirreboque, de seis mil quilos ou mais, ou cuja lotação exceda a oito lugares. Deve estar habilitado na categoria C por pelo menos um ano.


Grupo Vemseg

Conheça nosso TRABALHO

segurança Vigilância & controles de acessos Mais de 15 anos de experiência no mercado de segurança preventiva e tecnologia, inclusive para a sua igreja

Sistema de limpeza para igrejas, salões e pós obras

Oferecemos o que há de melhor em segurança

Rede de monitoramento 24 horas

Acesse nosso site:

www.vemseg.com.br

Entre em contato:

11 2232-4557 | 11 2233-1497

Conforto e segurança para sua família

Nossos profissionais são capacitados para oferecer um plano de apoio personalizado, sob medida, para atender as necessidades de cada cliente


pé na estrada

África do Sul,

aí vamos nós! Congresso Mundial de Jovens Adventistas pretende reforçar a prioridade da missão cristã na vida dos jovens Por Vanessa Moraes

O

departamento de Jovens da Associação Geral (órgão administrativo) da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) visa Salvação e Discipulado para o ministério da juventude global. A cada cinco anos, a Conferência Mundial sobre Juventude e Serviços Comunitários da IASD realiza um congresso onde reúne jovens de todas as partes do mundo para, entre outros objetivos, restaurar a missão de Cristo como prioridade na vida da juventude. Essa missão inclui anunciar o evangelho a todas as pessoas. Este ano, o evento acontecerá em Pretória, capital executiva da África do Sul, entre os dias 1º e 13 de julho. O congresso contará com participantes entre 16 e 35 anos e será dividido em duas partes. Do dia 1º ao dia 5, os jovens realizarão projetos comunitários, como visitar orfanatos, promover conscientização sobre a prevenção da Aids, exposições de saúde, treinamento esportivo e reuniões evangelísticas. A segunda fase acontece entre os dias 8 e 13 para analisar o trabalho realizado nos primeiros dias e discutir o desenvolvi-

52

REVISTA MAIS DESTAQUE

mento da comunidade global por meio de pequenos grupos, incluindo missão e adoração a Deus. As três mil vagas disponíveis foram preenchidas até o dia 31 de março deste ano. A população da África do Sul gira em torno de 50 milhões de pessoas. Os afrodescendentes correspondem a 70% da população, enquanto brancos representam 12%, euroafricanos 13%, indianos 3% e outras etnias 2%. O solo agrega grande quantidade de minérios, como o carvão mineral, manganês, diamante e ouro, e outros elementos fundamentais para o desenvolvimento industrial. Em 2012, a estudante Deborah Calixto pode contemplar de perto as belezas deste país. Através do Serviço Voluntário Adventista (SVA), a jovem buscou uma experiência de intercâmbio entre janeiro e dezembro. “Essa vontade aumentou ainda mais quando vi que poderia juntar a vontade de ir para outro país com o desejo de servir e ajudar através de meus dons e talentos”, diz. A África do Sul é dona de muitas belezas naturais, mas o que mais encantou Deborah foi a diversidade cultural. IMAGENS: STOCK.CXHNG


pé na estrada

A vestimenta tradicional sul-africana é caracterizada por cores vivas. Além disso, cada grupo étnico possui respectivos adereços que os identifica. Deborah experimenta uma peça com essas características.

Antes de pisar em solo africano, a estudante pesquisou sobre o local e a cultura. Este conselho também serve para os jovens que participarão do congresso em Pretória. É possível aproveitar muito mais a viagem quando há pesquisas sobre o local. No caso de Deborah, livros e vídeos foram referências. “Eu sabia que ia encontrar muita coisa diferente, por isso já fui com a mente mais aberta para não ter choque. Conhecer novas culturas e costumes faz com que ampliemos nossa mente e até possamos compreender melhor as outras pessoas”, comenta. Deborah trabalhou no Helderberg College, um colégio interno da rede adventista em Somerset West, próximo à cidade do Cabo. Suas atividades consistiam em monitorar as meninas do ensino médio, ajudá-las com o dever de casa e auxiliar a inspetora ou preceptora no que fosse preciso, além de outras funções que desempenhou em conjunto. Os laços de amizade deixam marcas de saudade em Deborah, que pretende voltar à África do Sul algum dia. Os vínculos da estudante também podem ser experimentados por jovens de variadas culturas que participarão do congresso em julho, pois terão a oportunidade de conhecer novas pessoas. Para estes, Deborah deixa um conselho e mostra que cumpriu parte de sua missão. “Os desafios estão presentes em cada dia, mas sem eles é impossível obter crescimento. Estive na África do Sul atendendo ao chamado de Deus para ser uma voluntária e cumprindo aquilo que ele reservara para mim naquele lugar”, finaliza.

Zulu é o maior grupo étnico da África do Sul. Na foto, Deborah conhece mais sobre essa cultura no PheZulu Safari Park, um parque temático localizado na província de KwaZulu-Natal.

54

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: STOCK.CXHNG


comportamento

INFORME PUBLICITÁRIO

800 Pequenos Grupos são realizados em Semana Santa Culto nos lares auxilia evangelismo e aproxima pessoas de Cristo Por Dina Karla Miranda

E

ntre os dias 24 e 31 de abril, ocorreu a Semana Santa em todas as igrejas adventistas do Brasil, com o tema “Marcas de Esperança”. Na ocasião, mais de 800 famílias cariocas abriram a porta de seus lares para receber amigos e juntos adorar a Deus. As reuniões, que ocorreram semanalmente, tornaram-se efetivas e continuam acontecendo. Como resultado, muitas pessoas conheceram a Jesus e decidiram ser batizadas. Todos os anos, nos dias que antecedem a Páscoa, a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) realiza a Semana Santa ou Semana do Calvário, que consiste em cultos diários na própria igreja ou nas residências (Pequenos Grupos), havendo, inclusive, alternância. A programação acontece por ocasião da Páscoa Cristã, momento oportuno para refletir de maneira mais aprofundada sobre a morte de Jesus. No Rio de Janeiro não foi diferente. De acordo com o pastor Matheus Tavares, líder do Ministério Pessoal da Associação Rio de Janeiro (ARJ), um dos órgãos regionais administrativos da IASD, realizar o evangelismo aos moldes de Pequeno Grupo é um sucesso. Muitos convidados apresentam dificuldades para ir à igreja, mas nos lares, é crescente o número de visitantes interessados que participam frequentemente das reuniões. “Além disso, mais pessoas podem se envolver diretamente na programação como anfitriões, dirigindo o estudo, grupos de oração, sendo responsáveis pela música, pelo lanche, entre outros aspectos. Isso permite que o ministério de dons se torne efetivo nas igrejas locais”, destaca Matheus. A carioca Elionaide Oliveira recebeu amigos e visitas em seu lar e acredita que os encontros foram muito importantes. “Eu não esperava que minha casa ficasse tão cheia todas as noites. Orei por meus filhos e pelas dez pessoas que participaram e tive uma boa notícia: minha nora e meu filho aceitaram a Jesus. Eles foram batizados em abril”, emociona-se. Gustavo Oliveira é filho de Elionaide e marido de Angêlica Vidal. O casal ficou feliz com o batismo. “Com certeza participar da Semana do Calvário no lar da nossa família nos ajudou nessa decisão. Eu estava afastado, fiquei um bom tempo longe dos caminhos de Jesus, mas minha esposa e eu escolhemos aceitá-Lo novamente”, compartilha o jovem. 58

REVISTA MAIS DESTAQUE

“Foi a primeira vez que participei do programa e estou aprendendo mais sobre a Bíblia. Quero ter uma nova vida com Cristo e testemunhar do Seu amor”, conta Angêlica. “Geração Futura” é o nome do Pequeno Grupo infantil que há três anos Noeme Neves coordena na comunidade do Complexo do Alemão. Para ela, as bênçãos foram grandes esse ano. “Após a Semana do Calvário, três crianças que participaram da programação bateram na porta da minha casa às sete horas da manhã de sábado, querendo ir à igreja adventista. Com certeza foi a ação de Deus transformando os corações dos pequenos. Ao todo, tive nove crianças aprendendo mais de Cristo e vale a pena ensinar para eles”, afirma. Com o final da Semana Santa, os membros da igreja adventista continuam orando pelos participantes e seus pedidos de oração, crentes de que Deus fará maravilhas.


evangelismo

MITOS ATACAM A IGREJA CRISTÃ Entre verdade e mentira, cristãos sofrem influências de interpretações e leituras fora do contexto bíblico. Tais práticas precisam ser excluídas para o entendimento correto das escrituras Para ter a capacidade de discernir o que acontece à luz da Palavra de Deus, precisamos crescer, pois, somente assim poderemos nos afastar das especulações alarmistas Rafael Rossi é pastor e secretário Ministerial Associado da DSA

60

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: ARTE SEVEN/ STOCK.XCHNG


V

ocê já passou pela experiência de acreditar em determinada situação e depois descobrir que não era verdade? É uma sensação muito ruim, causada por mitos e mentiras. Mitos são crenças sem conexão com a realidade e sem base científica. Eles estão presentes na vida de muitas pessoas. Dentro do contexto da igreja cristã, não estamos isentos de interpretações ou leituras sociais inconsistentes que influenciam o pensamento. Para ter a capacidade de discernir o que acontece à luz da Palavra de Deus, precisamos crescer, pois, somente assim poderemos nos afastar das especulações alarmistas. Entre as forças do bem e do mal, o inimigo de Deus tem interesse em propagar mitos para confundir as pessoas sobre as escolhas que precisam fazer. Neste artigo, pretendo mostrar quatro mitos que atacam a igreja hoje. Você já pode estar ciente de alguns, mas de outros, talvez não. Nossos olhos precisam estar abertos. Desta forma não cairemos em tais enganos. 1 - A Palavra de Deus não é suficiente

As Sagradas Escrituras não têm todas as respostas para os problemas do homem do século 21. Além da mensagem de Deus, precisamos da psicologia, filosofia, antropologia e da sociologia para um estudo profundo da alma. Cristo já escreveu um livro sobre este assunto: a Bíblia Sagrada. Obviamente, as contribuições de outras áreas do conhecimento humano são importantes e podemos encaixá-las no que a Bíblia apresenta como “todas as coisas relativas à vida e à piedade” (ver II Pedro 1:3). O melhor a se fazer é alinhar os princípios e as ferramentas de todas as áreas do conhecimento com os princípios da revelação de Deus em Sua Palavra. Não há nenhum conflito entre a Palavra de Deus e a ciência, desde que se estabeleça a autoridade que a Bíblia tem como revelação de Cristo. Se você tem um problema, fardo ou luta, tenha certeza de que a resposta não será encontrada fugindo das Escrituras. Se a solução para o problema não te deixar mais perto de Deus, significa que essa não era a resposta dEle para você. Não estou julgando aqueles que não conhecem a Jesus e lutam para fazer o melhor que podem para encontrar o alívio ao longo da sua caminhada, mas refiro-me ao povo de Deus. A saída deve estar sempre nEle, em Sua Palavra e no poder do Espírito Santo. Corremos perigo quando tentamos, por nós mesmos, buscar soluções sem a ajuda de Deus. Isso não quer dizer que não é legítimo correr atrás, esforçar-se e lutar por algo. Mas significa que mesmo fazendo a nossa parte, todas as ações precisam estar alinhadas com o “Assim diz o Senhor”. Que Deus nos ajude a amar a verdade e buscar sempre em Sua Palavra as respostas para nossas dificuldades. 2 - O Livro Sagrado não é moderno

As pessoas que defendem este mito estão dizendo que se você quer realmente alcançar pessoas como os pós-modernos, precisará de algo mais sofisticado que a Bíblia.

O inimigo de Deus tem interesse em propagar mitos para confundir as pessoas sobre as escolhas que precisam fazer Na tentativa de alcançar pessoas, veja o que determinadas denominações postam em suas páginas na internet: “Nossa igreja está crescendo fortemente com uma ênfase sobre a importância de cada indivíduo”. “Nossa igreja não é apenas uma igreja, é uma aventura”. “Garantimos que o primeiro rosto que você vê em nossa igreja tem um sorriso”. “Vamos dar-lhe os recursos e a oportunidade de refletir sobre si mesmo, para desenvolver um estilo de vida equilibrado e descobrir a pessoa feliz que Deus lhe projetou para ser”. Perceba que o foco de cada um desses temas aponta para a vertical, ou seja, realça o próprio ser humano como o centro, a resposta para tudo. Assim, Cristo e a Bíblia acabam tendo um papel secundário. O equivoco desastroso está nas ferramentas. Quando elas falham, as pessoas sentem que o Senhor falhou, quando na verdade, isso não aconteceu, pois Deus é infalível. Ocorre que a abordagem usada é errada e a culpa cai sobre quem nada tem a ver com isso. REVISTA MAIS DESTAQUE

61


evangelismo O equivoco desastroso está nas ferramentas. Quando elas falham, as pessoas sentem que o Senhor falhou, quando na verdade, isso não aconteceu 3 - A Bíblia precisa ser reinterpretada sempre Esse mito sugere a frequente mudança das Sagradas Escrituras, e, consequentemente, também em suas interpretações. Em essência, existem especulações afirmando que a Bíblia nem sempre teve o mesmo significado através dos séculos. Existe a crença de que ela signifique coisas diferentes para pessoas diferentes em tempos diferentes. Séculos atrás, queria dar determinada mensagem, mas agora, com a cultura pós-moderna e mais sofisticada, o significado mudou. Essa crença confirma que as pessoas estão em pecado e lhes dá autoridade equivocada contra a sua própria consciência. Os perigos dessa abordagem estão em frases do tipo: “Temos que tomar as partes da Escritura que são uma afronta, e descartá-las, pois já não são relevantes em nossa cultura”. Com essa atitude de selecionar textos bíblicos, excluem verdades e princípios de acordo com o gosto pessoal, ou em visão mais comercial, adaptando-se à vontade do “cliente”. 4 - A Palavra não é absoluta

Atualmente, os jovens que passam pela formação universitária são alvos da teoria de que a verdade não é absoluta, mas sim relativa para cada pessoa. Tal argumento quer dizer que Cristo não é único e Sua mensagem deve ser rejeitada como único caminho de salvação em um mundo de pluralismo. A sociedade moderna afirma que as diferentes ideias devem ser aceitas. Não tenho dúvidas de que para cruzarmos a linha de chegada da vida e sermos salvos, ela exigirá mais do que já nos exigiu até aqui. Quando pregarmos a mensagem de Jesus, que no livro de João 14:6 diz: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”, soará como algo muito antiquado. Para aqueles que não têm o Espírito de Deus dentro de si, II Coríntios 2:16 diz que “são o cheiro de morte”. O conselho de Paulo para Timóteo aplica-se muito bem aos dias de hoje: “Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas. Tu, porém, sê sóbrio em todas as coisas, suporta as aflições, faze o trabalho de um evangelista, cumpre cabalmente o teu ministério” (2 Timóteo 4:3-5). Ore a Deus para que Ele te oriente no estudo da Bíblia. Desta forma, você encontrará respostas para os problemas e saberá fazer separação entre mito e verdade. 62

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: ARTE MD/ STOCK.XCHNG


INTA


apso

INFORME PUBLICITÁRIO

Discipulado e Evangelismo Metropolitano APSo escolhe a cidade de Piracicaba para impactar com o livro “A Grande Esperança” Por Eber Pola

O

slogan da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) mundial para o ano de 2013 é “Ano do Discipulado e Evangelismo Metropolitano”. A Associação Paulista Sudoeste (APSo) não mede esforços, recursos, treinamentos ou programas, e por isso está investindo no projeto. O discipulado é fundamental para a nutrição, crescimento e manutenção dos membros da igreja. O próprio Jesus

deixou Seu exemplo. Após discipular doze homens durante três anos e meio, preparou cada um deles para propagar a mensagem das boas novas de salvação. No território da APSo, as frentes de trabalho têm como objetivo ampliar para 1,7 mil o número de Pequenos Grupos (PGs) até o fim deste ano. O projeto de PGs nada mais é que a reunião de membros, durante determinado dia da semana, na casa de alguém que abre as

portas de seu lar para cultuar a Deus. Hoje, existem boas perspectivas e há uma reação em cadeia que já produz bons resultados. Para isso, são realizados novos ciclos do discipulado. Cada novo membro que faz parte do corpo da igreja precisa entender que é um discípulo. O batismo é fundamental em sua nova jornada. Mas, levar outras pessoas para que sejam salvas por Jesus, é o que dá vigor e sentido à vida espiritual.

Desde o lançamento do projeto, em março, 21 igrejas estão envolvidas no Evangelismo Metropolitano

64

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: APSo


Evangelismo chega à Piracicaba

Líderes de igrejas participam dos treinamentos do Ciclo do Discipulado

O projeto “Esperança para as Grandes Cidades” está sendo desenvolvido mundialmente pela Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD). Ele tem o objetivo de evangelizar grandes centros urbanos, onde a mensagem adventista enfrenta dificuldades para chegar ou ser aceita. Este ano, a APSo escolheu Piracicaba para implantar o evangelismo. Essa cidade tem 400 mil habitantes e é a segunda maior metrópole da região Sudoeste de São Paulo. Já foram adquiridas duas casas na região central da cidade, com uma área total de 1.146 metros. O plano é adaptar os imóveis. Um será transformado num salão com capacidade para 250 pessoas e o outro se tornará um estacionamento para 40 carros. Equipes de obreiros bíblicos e estudantes de teologia estarão, a partir de setembro, trabalhando na fase de preparação para o evangelismo. A Semana da Colheita vai acontecer entre os dias 12 e 19 de outubro em quatro pontos simultâneos da cidade e contará com a participação dos oradores Luís Gonçalves, Emílio Abdala, Ari Cidral e Genival Novaes. O objetivo é batizar 200 pessoas no último dia de programação. Passeata

Cerca de dois mil jovens saíram às ruas para divulgar os projetos sociais da igreja. O movimento que ocorreu no dia 6 de abril e reuniu jovens adventistas de 22 cidades da região, foi uma forma que a Igreja Adventista encontrou para poder demonstrar amor e cuidado pela sociedade. Na passeata foram distribuídos 20 mil folhetos do projeto “Quebrando o Silêncio”, além de revistas e orientações do combate à dengue, em parceria com a Secretária de Saúde do município de Piracicaba. Além da passeata, houve mais 35 pontos diferentes, marcados por ações sociais, como arrecadação de alimentos, abraço amigo, visita em asilos, cidade limpa e atendimento de saúde. “O projeto de Piracicaba é arrojado e os jovens já manifestaram o seu envolvimento no evangelismo. Queremos plantar três igrejas nos bairros e estamos animados no desafio de evangelizar a área metropolitana”, destaca o pastor Aurelino Ferreira, presidente da APSo. REVISTA MAIS DESTAQUE

65


louvai

Louvor manchado com sangue O ministério da música foi concebido por Deus e o “canto do Senhor” era apresentado quando havia sacrifício no altar

A cruz é onde o adorador se encontra com o único que deve ser adorado, Jesus

Társis Iraídes é pastor e Conselheiro Espiritual da Escola Bíblica da Rede Novo Tempo de Comunicação

66

REVISTA MAIS DESTAQUE

N

a edição passada, vimos que o louvor é um tipo de sacrifício que representa nossa resposta à grande salvação em Cristo, isto é, não se trata de música, arte ou estética. O que mais a Bíblia nos fala sobre este tema? Leia II Crônicas 29. Entre os versos 25 e 31 temos o seguinte texto: “E pôs os levitas na casa do Senhor com címbalos, com saltérios, e com harpas, conforme ao mandado de Davi e de Gade, o vidente do rei, e do profeta Natã; porque este mandado veio do Senhor, por intermédio de seus profetas... E Ezequias deu ordem que oferecessem o holocausto sobre o altar; e ao tempo em que começou o holocausto,

começou também o canto do Senhor… E a congregação trouxe sacrifícios e ofertas de louvor, e todos os dispostos de coração trouxeram holocaustos”. Esse texto possui muitos elementos que ajudam a compreender o sacrifício de louvores. Vamos destacar três deles: 1 - A revelação do louvor é progressiva na Bíblia: Em Gênesis, Deus revela que por meio de Abraão formaria uma nação espiritual incontável. O cumprimento da profecia iniciou na vida de José, quando se tornou governador do Egito e conduziu toda sua família até lá. Nesse lugar, o povo de Israel cresceu, tornou-se uma grande nação, mas foi escravizado IMAGENS: ARTE MD/ STOCK.XCHNG


por Faraó. No entanto, 400 anos depois, Moisés foi escolhido para libertá-lo e conduzi-lo à terra prometida. A peregrinação durou 40 anos e, no deserto, Deus ordenou a construção de um tabernáculo. Após a travessia do Mar Vermelho algo importante acontece. Moisés escreve uma canção sobre a libertação, relatada em Êxodo 15. Miriã, sua irmã, conduz o povo nessa primeira canção de adoração conhecida em toda a História (veja Patriarcas e Profetas, págs. 288 a 290). Até então, o povo de Deus não adorava com música. Esse cântico também é uma profecia sobre o grande conflito entre as forças do bem e do mal. Faraó representa Lúcifer com seu exército de anjos e homens rebeldes, e Moisés, o nosso libertador e salvador Jesus, suas hostes de anjos e santos redimidos. O importante é que o serviço de louvor e adoração estava apenas começando no tabernáculo Mosaico. Deus ainda não havia revelado em sua totalidade a adoração que lhe é prestada no tabernáculo celeste. Isso ocorre somente anos mais tarde, no tabernáculo Davídico. 2 - O ministério da Música, Louvor e Adoração no Tabernáculo é concebido pelo próprio Deus: Foi por inspiração e orientação divina que Davi estabeleceu o ministério musical dos Levitas dividindo-os em funções e turnos específicos. Essa revelação se deu por intermédio de Seus profetas. 3 - A partir de Salomão o povo comete várias apostasias: Na ação de purificar o templo, Ezequias ordena que sejam oferecidos holocaustos sobre o altar. Aqui temos duas ofertas diferentes. A primeira é o holocausto. Em hebraico olah significa sacrifício queimado, que produz fumaça, ou seja, um sacrifício com derramamento de sangue para expiação de pecados. O segundo é o sacrifício de louvores ou ações de graça. Nessa expressão temos zebac, sacrifício, e towdah, a raiz dessa palavra significa confissão, mas o segundo termo é uma manifestação de louvor e ações de graças coletiva, oferecida a Deus por alguma dádiva ainda não alcançada. Portanto, o sacrifício de louvor era um ato de fé que envolvia: (a) uma confissão, (b) a morte de um cordeiro, (c) uma oferta de louvor ou gratidão pela aceitação divina do sacrifício oferecido pelo pecado e (d) uma canção que representasse essa oferta de louvor.

Era parte do plano divino que Deus fosse adorado. Essa revelação se deu por intermédio de Seus profetas Paradoxo de louvor Em qualquer tipo de oferta, o adorador deveria oferecer um cordeiro. Esse animal não possui substituto. Na natureza, nada é capaz de fazê-lo, nem dinheiro, penitências, promessas ou santos. Meu próprio coração também não serve, pois somente o cordeiro pode ser ofertado. Quando ele morre, o incenso é gerado da gordura que é queimada sobre o altar. Meus oferecimentos são misturados a esse incenso que sobe a Deus. É exatamente assim que a adoração deve proceder. Ela só é possível por causa da morte do cordeiro, que ocorre apenas quando existe pecado. Que paradoxo, não? Como posso adorar sem que o cordeiro morra? Como posso oferecer algo, se não possuo pecados para confessar? Como posso agradecer sem o objeto do meu agradecimento? A cruz é onde o adorador se encontra com o único que deve ser adorado, Jesus. REVISTA MAIS DESTAQUE

67


louvai

Não existe oferta pura por parte do ser humano, pois a nossa natureza é impura e pecaminosa Visão do Espírito de Profecia “Cristo, nosso Mediador, e o Espírito Santo estão constantemente intercedendo em favor do homem, mas o Espírito não pleiteia por nós como faz Cristo, que apresenta Seu sangue, derramado desde 68

REVISTA MAIS DESTAQUE

a fundação do mundo; o Espírito opera em nosso coração, extraindo dele orações e penitência, louvor e ações de graças… Os cultos, as orações, o louvor, a penitente confissão do pecado, sobem dos crentes fiéis, qual incenso ao santuário celestial, mas passando através dos corruptos canais da humanidade, ficam tão maculados que, a menos que sejam purificados por sangue, jamais podem ser de valor perante Deus… Todo incenso dos tabernáculos terrestres têm de umedecer-se com as purificadoras gotas do sangue de Cristo… Então, perfumado com os méritos da propiciação de Cristo, o incenso ascende perante Deus completa e inteiramente aceitável. Voltam então graciosas respostas” (Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 340 a 344). Esse texto é fantástico. Primeiro, por possuir toda a verdade bíblica sobre o louvor, e segundo, por descortinar diante de nós um caminho excelente que vai além das discussões vigentes sobre adoração. Tal trecho confirma que o louvor não se origina no coração do homem, mas

em Deus. É Cristo que toma a iniciativa de restaurar a adoração, quebrada pelo pecado. Vemos também que não existe oferta pura por parte do ser humano, pois a nossa natureza é impura e pecaminosa. A intercessão dEle nos habilita ao louvor através das purificadoras gotas de Seu sangue derramado na cruz. Para finalizar, cito mais um texto precioso: “A forma e a cerimônia não constituem o reino de Deus… Aparelhamento faustoso, ótimo canto e música instrumental na igreja não convidam o coro angélico a cantar também. À vista de Deus, estas coisas são como os galhos da figueira infrutífera, que só mostrava folhas pretensiosas. Cristo espera fruto, princípios de bondade, simpatia e amor. Estes são os princípios do Céu... Pode uma congregação ser a mais pobre da Terra, sem música nem ostentação exterior, mas se possuir esses princípios, os membros poderão cantar, pois a alegria de Cristo está em sua alma, e esse canto podem eles dedicar como oferenda a Deus” (Evangelismo, págs 511 e 512). IMAGENS: DIVULGAÇÃO


visão global

UNIDADE NA DIVERSIDADE

Seguindo o modelo bíblico

Desde o início do movimento adventista, os membros da igreja têm descoberto a unidade ao se concentrar em Cristo e em Sua Palavra Ted Wilson é pastor e líder mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia

70

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: STOCK-XCNHG


“Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra; a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste” (João 17:20 e 21). Poucas horas antes de Seu sacrifício por um mundo culpado, Jesus suplicou ao Pai para que aqueles que nEle colocassem sua fé e compartilhassem as boas-novas da salvação tivessem uma característica. Jesus sabia que eles necessitavam de algo – muito mais que coragem, segurança, eloquência ou perseverança –, precisavam valorizar e preservar a unidade dada por Deus, que deve sempre caracterizar Sua igreja. A oração de Jesus se aplicava muito bem às necessidades de Seus seguidores. A igreja primitiva teve um período tanto de capacitação divina como de fraquezas humanas. Construindo sobre aquele fundamento, hoje podemos ver mais de perto a maneira como os discípulos abordavam as questões confrontadas pela igreja no Concílio de Jerusalém, registrado em Atos 15. As experiências pelas quais o Espírito Santo guiou aqueles primeiros crentes oferecem rica orientação para a igreja hoje. Podemos aprender muito, particularmente, com a discussão sobre como os gentios se tornaram membros da igreja. Fica claro pelo relato de Lucas que, durante anos, houve muito debate sobre o assunto. A questão finalmente chegou a tal ponto que, quando os cristãos da Judeia chegaram à Antioquia, afirmavam que os gentios só poderiam ser salvos se fossem

A atitude que usamos para examinar assuntos controversos terá um impacto dramático sobre o resultado da discussão

Espírito de interação As palavras utilizadas por Paulo em Atos 15:2 a 7 podem ser compreendidas tanto positivamente, no sentido de “estudo e pesquisa”, quanto negativamente, como uma disputa ou até um debate. A atitude que usamos para examinar assuntos controversos terá um impacto dramático sobre o resultado da discussão: estamos buscando um estudo sério ou apenas discutindo e debatendo? Estamos dispostos a realmente ouvir aqueles com os quais discordamos? Cremos que Deus pode nos ensinar algo que procuramos encontrar as respostas? “Devemos ter mais sabedoria do que ainda se manifesta em relação à maneira pela qual tratamos aqueles que, em alguns pontos de fé, honestamente diferem de nós”, escreveu Ellen White há mais de um século. Em 26 de maio de 1890, a revista Sinais dos Tempos publicou que “é inapropriado a qualquer um que afirma ser um seguidor de Cristo ser ríspido e denunciatório, expondo ao ridículo os pontos de vista do outro. O espírito crítico desqualifica os homens a receber a luz que Deus lhes enviaria, ou para ver o que é evidência da verdade”. Visões enviadas por Deus

circuncidados e se cumprissem a lei de Moisés, referindo-se especialmente aos seus aspectos cerimoniais (Atos 15:1 a 5). A disputa se tornou tão séria que muitos temiam que resultasse em divisão da igreja. Os crentes de Antioquia enviaram Paulo, Barnabé e outros líderes locais a Jerusalém, para levar a questão aos apóstolos e anciãos cuja reunião foi chamada de primeira “Assembleia da Associação Geral”, onde os delegados de várias igrejas se encontraram em concílio para pensar, discutir e orar juntos. Segundo a escritora Ellen G. White, parece que houve discussão calorosa. Devido à existência de diferentes ideias a respeito do que realmente aconteceu nessa reunião, é importante prestar mais atenção ao processo que os apóstolos e anciãos usaram para chegar a um consenso.

Outro elemento importante no processo usado no Concílio de Jerusalém foram as questões levantadas, considerando a direção das visões divinamente inspiradas que proporcionavam ímpeto para essa nova fase da compreensão da igreja e sua missão. O registro do primeiro discurso de Pedro no concílio relembra a escolha de Deus para que, por meio dele, os gentios pudessem ouvir e crer na mensagem do evangelho (Atos 15:7). Atos 10 descreve em detalhes como aconteceu: Deus, por três vezes, deu uma visão a Pedro como também uma a Cornélio, guiando-o à aceitação da mensagem do evangelho e ao derramamento do Espírito Santo sobre ele e sua família. A visão de Pedro é descrita e explicada duas vezes no capítulo 10, verso 28, bem como a visão de Cornélio, no capítulo 11, versos 13 e 14. REVISTA MAIS DESTAQUE

71


visão global No concílio também houve testemunhos comoventes de como Deus trabalhou para a salvação dos gentios por meio de Pedro, Paulo e Barnabé, confirmando o que já havia sido divinamente indicado por visões (Atos 15:8 a 12). O Espírito Santo tomou a iniciativa por meio do dom de profecia, guiando a igreja rumo à sua missão no mundo. Discussão e estudo

A julgar pelo breve relato que temos, aparentemente, levou algum tempo para que os delegados no Concílio chegassem a um acordo, com base bíblica, sobre a vontade de Deus em relação ao assunto (como ocorreu também antes do Pentecostes na escolha do décimo segundo apóstolo, de acordo com Atos 1:15 a 26). Depois de muita discussão de ambos os lados, Tiago reconheceu o cumprimento da profecia descrita pelos apóstolos e citou Amós 9:11 e 12 para confirmar que Deus estava tomando um povo dentre os gentios para se unir aos crentes judeus. Ao concluir que os crentes gentios não deviam ser obrigados a seguir as leis judaicas, mas apenas quatro requisitos fundamentais para ficar em harmonia e comunhão com os crentes judeus, Tiago estava simplesmente anunciando a decisão do concílio. Esses quatro requisitos representam os padrões mínimos que eram exigidos dos estrangeiros que desejavam viver em Israel durante o tempo de Moisés, e ainda são listados na mesma ordem (compare Atos 15:20 com Levíticos 18 a 20). As decisões tomadas no Concílio de Jerusalém não eram simplesmente soluções pragmáticas e arbitrárias, com base nas necessidades momentâneas, mas o resultado de cuidadoso estudo da Palavra, feito com oração, à luz do que foi descoberto ser a vontade de Deus divinamente revelada.

houve intensa discussão, onde todos puderam compartilhar suas crenças a respeito de questões controversas e reconhecer sinceramente suas diferenças. Quando a discordância se tornou muito controversa em Antioquia, todas as partes concordaram em levar a questão ao concílio geral de Jerusalém, onde os delegados de outras igrejas se reuniam. Nesse meio tempo, decidiu-se por suspender a discussão e esperar pacientemente pela decisão do concílio geral, que seria universalmente aceita pelas várias igrejas em todo o país. Certamente, não era fácil esperar, pois seria necessário abrir mão de suas convicções

que se referem aos órgãos administrativos da igreja), pediu um reexame do assunto da ordenação. Por levar muito a sério esse pedido, a administração mundial o submeteu a um estudo inclusivo, em todo o mundo, incluindo a adequação da ordenação de mulheres ao ministério pastoral. Indo juntos a Cristo

Desde o início do movimento adventista, os membros da Igreja têm descoberto a unidade ao se concentrar em Cristo e em Sua Palavra. Ao nos submetermos à Bíblia, pela direção do Espírito Santo, aprendemos a viver juntos como o corpo de Cristo, com as nossas diferenças e diversidades. É inevitável que haja opiniões divergentes até entre os cristãos mais comprometidos. Por essa razão, a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) sempre trabalhou por meio das assembleias da Associação Geral, realizadas a cada cinco anos, e por meio da Comissão Diretiva que se reúne entre esses eventos. Neles, os delegados e membros da comissão diretiva estabelecem a compreensão pela qual a Igreja afirma suas crenças fundamentais, organiza sua missão de divulgar as três mensagens angélicas e de nutrir espiritualmente seus membros no relacionamento com Cristo. Muitas vezes, a unidade foi expressa nessas e em outras reuniões, à medida que o Espírito Santo conduz a Igreja em meio a questões difíceis. Embora as diferenças de opiniões sejam francamente expressas, comprometemo-nos a trabalhar juntos como uma organização mundial, com crenças e práticas fundamentadas na Bíblia. Creio plenamente que o Senhor continua a liderar Sua igreja hoje como fez no passado, quando nos reunimos e, com humildade, compartilhamos nossas convicções, estudamos Sua palavra com fé e oração e permanecemos abertos à Sua direção.

Ao enfrentarmos problemas difíceis e desafiadores na igreja hoje, é vital que também sigamos o exemplo bíblico de trabalhar unidos para encontrar a solução

Processo bem sucedido

Podemos ver claramente que tanto em Antioquia quanto em Jerusalém 72

REVISTA MAIS DESTAQUE

sobre ação imediata, pela sabedoria de um grupo mais amplo. Em Jerusalém, após outra discussão, Pedro relatou a orientação do Senhor através das visões e as evidências de gentios (assim como judeus) recebendo o dom do Espírito Santo. Essas experiências foram confirmadas e houve consenso para exigir dos conversos gentios somente itens que haviam sido especificados para eles no livro de Levíticos. Ao enfrentarmos problemas difíceis e desafiadores na igreja hoje, é vital que também sigamos o exemplo bíblico de trabalhar unidos para encontrar a solução. Na assembleia da Associação Geral de 2010, em Atlanta, Estados Unidos, um dos delegados, presidente de associação (associação e divisão são nomes

Fonte: Texto extraído da revista Adventist World | Edição de outubro/2012 IMAGENS: SHUTTERSTOCK


aplac

INFORME PUBLICITÁRIO

Distrito Federal inclui o Dia dos Desbravadores no calendário oficial Jovens se destacam por ações beneficentes em prol da sociedade e são homenageados Por Liane Prestes

O

ano de 2013 começou de forma especial para os cinco mil desbravadores do Distrito Federal. O bom trabalho que esses jovens têm realizado sob a orientação de líderes e diretores foi reconhecido pela Câmara Legislativa Distrital. Por isso, no dia 11 de março, foi votado o projeto de lei que oficializa o Dia do Desbravador no calendário oficial. A data passa a ser comemorada sempre no último sábado do mês de abril de cada ano. Para homenagear e apresentar o projeto de lei à comunidade houve uma Sessão Solene no dia 18 de abril. Na ocasião, estiveram presentes os principais líderes dos Desbravadores da região Centro-Oeste do Brasil, assim como também diretores de clubes, regionais e coordenadores. Para o pastor Flávio Siqueira, líder de Desbravadores da Associação Planalto Central (APLaC), a criação de uma data como essa aumenta ainda mais a responsabilidade e a seriedade com que os projetos sociais são realizados. “O que muda daqui para frente é a parceria. O governo do Distrito Federal está percebendo que pode contar com os desbravadores para ações sociais e comunitárias, o que é justamente salvação e serviço”, afirmou. O deputado Wellington Silva, autor da proposta, parabenizou a todos pelo exemplo que transmitem à sociedade. “Fi-

74

REVISTA MAIS DESTAQUE

camos muito felizes em poder homenagear os desbravadores como forma de reconhecimento à importância que esse grupo tem em nossa sociedade. Queremos contar ainda mais com essa parceria e com os projetos que realizam em prol da comunidade”, destacou Silva. Ao final da sessão, o deputado recebeu um certificado de Desbravador Honorário, do qual se mostrou muito agradecido. Também foram entregues outros 36, com louvor, a desbravadores que se destacaram em suas atividades. Leandro Campos é desbravador e acompanhou toda a cerimônia. Segundo o jovem, a ocasião é motivo de orgulho e dedicação em dobro. “Essa é a nossa chance de mostrar à população brasiliense que existe verdadeiramente um Deus e que Ele pode mudar a vida das pessoas. Estamos aqui para provar que através dos clubes de desbravadores esses jovens podem ser melhores cidadãos”, comentou o rapaz. Dia do Jovem Adventista

Em outubro do ano passado, outro projeto de lei homenageou 13 mil jovens adventistas do Distrito Federal e entorno, quando incluiu no calendário o dia 15 de novembro como o dia do Jovem Adventista.


Adventistas levam esperança para moradores de Brasília Impacto Esperança alcança brasilienses por meio de livro, DVD, abraços e serviço à comunidade Por Liane Prestes

N

o dia 20 de abril, os adventistas do sétimo dia de Brasília saíram às ruas para distribuir livros, DVDs, abraços e prestar serviço à comunidade. Os 300 mil DVDs “A Última Esperança” alcançaram diferentes partes do território por meio dos projetos “Impacto Esperança” e “Esperança para as Grandes Cidades”. Na capital federal, cerca de dez mil livros e DVDs foram entregues em uma região nobre da cidade, incluindo um shopping e até o aeroporto. Para isso, a igreja adventista central de Brasília mobilizou equipes para distribuírem esperança no Lago Sul, bairro cuja renda per capita está entre as cinco maiores do Brasil. De acordo com o pastor Itaniel Silva, líder da igreja central, foi dedicada uma atenção especial àquela região, pois, lá nunca havia sido feito um trabalho como esse. Além disso, a campanha antecipa ações futuras. “A iniciativa tem o objetivo de estabelecer um contato com os moradores da região para convidá-los a conhecerem a igreja que futuramente será inaugurada no bairro”, afirma. Esperança no hospital

Na cidade satélite de Samambaia Norte (DF), cerca de 60 jovens da igreja adventista dedicaram parte do dia 6 de abril para visitar o hospital regional da cidade. Com o objetivo de distribuir esperança para as pessoas do local, músicas foram apresentadas enquanto o grupo estabelecia o primeiro contato com pacientes e seus familiares. O momento que mais chamou a atenção foi quando o grupo de jovens localizou uma senhora e um rapaz que acabavam de receber a notícia do falecimento de um familiar. Transtornados, foram amparados por voluntários adventistas que falaram da mensagem de conforto e fé contida na Bíblia e no livro “A Grande Esperança”, escrito por Ellen White. Em um segundo momento, cerca de dez voluntários se dirigiram à ala de internações e maternidade do hospital e compartilharam mensagens cantadas de amor e carinho aos pacientes e acompanhantes. Neste momento, livros e DVDs foram entregues. A vovó Geruza ficou emocionada com o presente e afirmou que a mensagem de esperança do livro certamente será boa, já que a família inicia uma nova fase com o nasci-

A igreja adventista central de Brasília mobilizou equipes para distribuírem esperança no Lago Sul, bairro cuja renda per capita está entre as cinco maiores do Brasil mento do neto. Para a dona de casa, o mundo em que o bebê irá crescer demonstra ser, muitas vezes, um lugar sem paz e sem amor. “Livros como esse podem oferecer bons direcionamentos”, aponta Geruza. A serviço da comunidade

Em Formosinha, Goiás, o livro “A Grande Esperança” já havia sido distribuído em todo o território no ano passado. Por isso, o grupo usou a criatividade para inovar no “Impacto Esperança 2013” e decidiu organizar uma ação social com a comunidade e distribuir DVD’s “A Última Esperança”. Massagem, corte de cabelo, aferição da pressão arterial e atendimento odontológico foram apenas alguns dos serviços oferecidos aos que passaram pelo local. Atividades recreativas para crianças e uma tenda especial de oração também atraíram os moradores. Os amigos atendidos foram cadastrados e serão, agora, assistidos pelos Pequenos Grupos e pelas Duplas Missionárias que trabalham nessa comunidade. REVISTA MAIS DESTAQUE

75


ULB

INFORME PUBLICITÁRIO

Entre a natureza e a história Caravana percorre lugares remotos para plantio de igrejas Por Heron Santana

Em Porto Seguro, Bahia, a pedra fundamental marca o início do nascimento de um novo templo.

IMAGENS: ULB

76

REVISTA MAIS DESTAQUE


A

Costa do Descobrimento, no sul da Bahia, é um território admirado por turistas do mundo inteiro. A diversidade de praias, rios e manguezais, devidamente conservados, fazem do lugar o segundo destino turístico do estado. Foi lá que aconteceu o primeiro encontro entre portugueses e índios, no dia 23 de abril de 1500. Esse cenário de riqueza natural e histórica recebeu uma comitiva de líderes para realizar o lançamento da pedra fundamental de cinco novas igrejas, construídas pela campanha “Santuários de Esperança”. A caravana aconteceu no domingo, 24 de março, nas cidades de Eunápolis, Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália. Em cinco anos, mil novas igrejas deverão ser construídas pelo projeto, nos estados da Bahia e Sergipe. A caravana percorreu comunidades carentes de serviços básicos, como saneamento e ruas asfaltadas. Um desses lugares foi a comunidade Boca do Rato, em Arraial d’Ajuda, distrito de Porto Seguro. Líderes adventistas para a Bahia e Sergipe e também educadores do Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia, da Faculdade Adventista da Bahia, visitaram o povoado para o lançamento da pedra fundamental da igreja. Moradores e fiéis se juntaram na comitiva para celebrar a chegada da Igreja na comunidade. “Nunca recebemos tanto apoio para construir igrejas como agora”, afirma o pastor Geovane Ferraz, líder adventista em Porto Seguro. Ele referiu-se à campanha “Santuários da Esperança”, que contempla apoio

Colabore você também!

A comunidade rural de Eunápolis, na Bahia, terá primeira igreja adventista construída nos próximos meses.

financeiro como contrapartida para a mobilização de fiéis na aquisição de terrenos e plantio da igreja. Além da expansão religiosa, o apelo social da chegada de uma congregação adventista em lugares tão remotos e carentes de políticas públicas também foi considerado durante a cerimônia. Nas reuniões em igrejas adventistas, fiéis são inseridos em reflexões sobre saúde preventiva, serviço solidário nas comunidades, educação infantil e ações de empreendedorismo. “A proposta é construir uma igreja que possa beneficiar a comunidade mesmo que esta seja remota”, diz o pastor Fernando Lopes, presidente da Associação Bahia Sul (ABS), sede adventista para a região sul do estado. Em Eunápolis, o destaque ficou por conta do lançamento da pedra fundamental em um lugar rural. “Esta é a primeira igreja adventista a ser construída nesta comunidade e nós ficamos muito felizes com isso”, compartilha o líder local, Josué Ferreira dos Santos. Empreendedores de Eunápolis se empenharam para a compra do terreno e construção da igreja. Para o pastor Geovani Queiroz, presidente da União Leste Brasileira (ULB), sede da igreja adventista para Bahia e Sergipe, a caravana foi um marco por iniciar uma série de mobilizações que ainda vão ocorrer nos dois estados. “Nos próximos 30 ou 40 dias, lançaremos a pedra fundamental de pelo menos 100 igrejas”, conta. Segundo ele, caravanas semelhantes deverão ocorrer em outras regiões dessa parte do Nordeste.

Você também pode colaborar com a campanha “Santuários de Esperança” e ajudar no plantio de mil igrejas através de depósito ou transferência para Banco Bradesco, agência 35661-1, conta corrente 360001-7, União Leste Brasileira (ULB).

REVISTA MAIS DESTAQUE

77


capa

78

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: CANSTOCKPHOTO | ILUSTRAÇÃO: ARTE SEVEN


ALCANÇANDO corações distantes O Projeto CAM desenvolveu métodos estratégicos para alcançar pessoas de regiões em que a mensagem cristã enfrenta dificuldades para chegar ou ser aceita e trabalha a todo o vapor para artingir seus objetivos Por Redação MD/ Imagens: Luiz Rios/Roca Oliveira

REVISTA MAIS DESTAQUE

79


capa

80

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: BANCO DE IMAGENS


E

xiste um propósito de vida para cada ser humano. Enquanto o deísmo prega a teoria de que Deus criou o mundo, mas o abandonou, a Bíblia informa o contrário e afirma que Deus planejou a existência do homem antes mesmo de seu nascimento (Salmo 139:16). Além disso, Ele deixa que as pessoas usem o livre arbítrio (poder de decidir) para fazer escolhas. Uma delas consiste em acreditar em Jesus, amá-lo e fazer a Sua vontade ou descartá-lo totalmente e viver da maneira que cada um achar melhor. No entanto, as Sagradas Escrituras mostram que existe um Deus de amor que se importa com cada indivíduo e faz de tudo para vê-lo feliz, mas não toma nenhuma atitude sem que a pessoa permita. Ele é justo e respeita as escolhas. Muitos acreditam em Deus, mas não O conhecem. O coração sincero busca por uma verdade e anseia saber realmente quem é Deus e o que Ele deseja de cada ser humano. Consciente dessa situação, Jesus deixou uma missão para Seus filhos aqui na Terra: compartilhar o Seu amor a todos os seres humanos, levando assim, esperança. Esperança para as Grandes Cidades

Para cumprir a missão de Deus, a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) tem-se empenhado e investido em programas e projetos voltados a pessoas que ainda não fazem parte da família cristã. O “Impacto Esperança”, por exemplo, é um projeto ativo desde março de 2012 e consiste na distribuição gratuita do livro “A Grande Esperança”, escrito por Ellen White, e os adventistas saem às ruas para espalhar a mensagem de Deus através dessa obra. Este ano, o dia 20 de abril fez um marco especial no projeto, que entregou mais de 50 milhões

O coração sincero busca por uma verdade e anseia saber realmente quem é Deus e o que Ele deseja de cada ser humano

de exemplares nos países sul-americanos. Além do livro, 2013 ganhou uma novidade: a distribuição conjunta do DVD “A última esperança”, apresentado pelo pastor Luís Gonçalves. Além de projetos grandes como esse, a IASD também se preocupa e investe em regiões locais. Um exemplo disso é a “Esperança para as Grandes Cidades”. Tal projeto tem o objetivo de evangelizar grandes centros urbanos, onde a mensagem cristã enfrenta dificuldades para chegar ou mesmo ser aceita. A iniciativa é da Associação Geral, órgão que administra a IASD mundialmente, cuja sede está nos Estados Unidos. A ideia é evangelizar pelo menos a metade da população mundial que vive em metrópoles com mais de 200 mil habitantes. O plano abrange pelo menos as 650 maiores cidades do mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, o projeto se concentra em Nova York, onde há quase 19,5 milhões de habitantes, sendo quase 38 mil adventistas, isto é, 513 habitantes por adventista. No Brasil, São Paulo foi escolhida, com uma população de 20 milhões, em que aproximadamente 119 mil pertencem à IASD, ou seja, 171 habitantes por adventista.

REVISTA MAIS DESTAQUE

81


capa A CAM nasceu em um Pequeno Grupo, com 70 pessoas dispostas a trabalhar para Deus.

Hoje, a CAM é considerada uma comunidade vibrante, cuja marca registrada é o modo caloroso com que recebe a todos Para auxiliar nessa conquista, a Comunidade Adventista do Morumbi (CAM) está desenvolvendo um projeto desde o ano passado, a fim de alcançar as mentes pós-modernas que vivem no bairro Morumbi, no estado de São Paulo. 82

REVISTA MAIS DESTAQUE

O que é CAM? O Pequeno Grupo (PG) é um projeto da IASD que tem o objetivo de adorar a Deus nos lares. São reuniões que acontecem semanalmente na casa de uma pessoa que abriu as portas de sua residência para receber irmãos em Cristo e, juntos, prestarem culto a Deus. Aline Cobra foi uma delas e em seu lar nasceu a CAM, um grupo de pessoas dispostas a trabalhar na causa de Deus. O espaço logo ficou pequeno e uma sala precisou ser alugada para dar continuidade às reuniões. Em junho de 2005, aproximadamente 70 pessoas faziam parte da CAM, conhecida na época como Comunidade do Amor. Com seis meses de funcionamento, o número de membros cresceu e o salão já não era capaz de abrigar a todos. Um novo lugar foi escolhido, uma sala no prédio ao lado do atual local. IMAGENS: DIVULGAÇÃO


Lá cabiam 160 pessoas. Após quatro meses, essa marca foi ultrapassada, o que trouxe a ideia de locar um espaço mais amplo, onde, atualmente, tem capacidade para 240 pessoas. Hoje, a CAM é considerada uma comunidade vibrante, cuja marca registrada é o modo caloroso com que recebe a todos. A maioria dos membros reside no bairro Morumbi ou nas proximidades. Eles participam do cotidiano dos moradores e conhecem as peculiaridades do lugar. O Morumbi é um distrito da subprefeitura do Butantã, na Zona Oeste de São Paulo. É composto por 17 bairros, sendo um deles o próprio nome, Morumbi (este é o alvo da CAM). As pessoas que residem nesses lugares fazem parte de variadas classes sociais, mas a maior parte dos habitantes é da classe alta. Não importa o poder aquisitivo da população. Existe a necessidade de levar esperança a todas as pessoas e Jesus deixou isso bem claro. “E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim” (Mateus 24:14). Para que esse mundo de dor e sofrimento acabe, Jesus precisa retornar à Terra e salvar os que creram nEle e O aceitaram como seu Salvador pessoal. Mas, para que esse evento ocorra, é preciso cumprir a missão deixada por Cristo, ou seja, fazer com que Sua palavra chegue a todos os habitantes deste planeta. Com a intenção de abreviar a volta de Jesus, a CAM decidiu por a ideia do “Esperança para as Grandes Cidades” em prática, sob a coordenação do pastor Cezar Camacho. Rodeados de pessoas, inclusive, que nunca ouviram falar de Deus, os membros anseiam levar a mensagem de Cristo a todos os moradores do bairro Morumbi.

Fases da preparação do projeto Em andamento deste março de 2012, o Projeto CAM já caminha para sua quarta fase. Com duração de oito meses, fazer o planejamento das ações foi a primeira etapa, concluída em novembro, e buscou definir estratégias, métodos e estrutura de atuação. No dia 17 de março de 2012, toda a liderança da CAM se reuniu em um retiro espiritual realizado em Bragança Paulista, São Paulo, para orar, meditar e pedir orientação divina a respeito dos planos para o Morumbi. Desde então, ocorreram reuniões semanais com os líderes. Nesse período, foram coletadas informações a partir de literatura, experiências pessoais dos membros e referências de igrejas adventistas e não-adventistas de São Paulo e de outras cidades do Brasil. O pastor Cezar Camacho visitou duas das igrejas que mais crescem nos Estados Unidos, Saddleback Church e Willow Creek, onde entrevistou a liderança e participou de programas para identificar as práticas efetivas que ajudam no crescimento da igreja. Todos os métodos utilizados por Camacho e sua liderança estão embasados nos princípios bíblicos e no Espírito de Profecia, de acordo com os escritos de Ellen White. Willow Creek Community Church, Illinois – EUA

Fundada em 1975, a igreja de Willow Creek possui três sessões de culto por fim de semana, com média de 24 mil adoradores. É a terceira maior igreja dos Estados Unidos em número

A igreja de Willow Creek é a terceira maior dos Estados Unidos, com uma média de 24 mil adoradores.

REVISTA MAIS DESTAQUE

83


capa Após 32 anos de história, a igreja de Saddleback atingiu a marca de 22,4 mil membros.

de membros e foi listada como a mais influente da América nos últimos anos, de acordo com uma pesquisa veiculada pelo Church Report (relatório de igreja). Dentre as práticas utilizadas, destacam-se: • Desenvolvimento de vínculos com não cristãos por meio de atividades relacionais e grupos familiares; • Compartilhamento de testemunhos verbais; • Programas especiais, voltados para atrair interessados; • Sistema de discipulado, começando com a pesquisa de dons (serve para descobrir que aptidão a pessoa tem e em que área possui mais facilidade para atuar); • Orientação para obedecer fielmente a Deus pelo discipulado e ministérios. Saddleback Church, Califórnia – EUA

O primeiro culto público da igreja de Saddleback aconteceu em 1980, para 200 pessoas, no auditório de uma escola local. Seus métodos de crescimento deram certo e em 32 anos de história, os membros já se reuniram em 80 prédios diferentes, ou seja, procuram locais cada vez maiores para cultuar a Deus. Após atingir a marca de 10 mil adoradores, a igreja construiu sua primeira sede permanente em Saddleback. Hoje, a média de membros está na casa dos 22,4 mil e há quatro sessões de culto por fim de semana. Suas referências são: • Fundamentação em propósitos; • Grupos familiares; 84

REVISTA MAIS DESTAQUE

• Estrutura baseada em Ministérios Funcionais; • Sistema estruturado de voluntariado; • Classes de discipulado. Nova Semente, São Paulo – BRA

Pioneira no meio adventista com um método de evangelismo diferenciado, a Nova Semente nasceu de maneira consistente e tem expandido o número de membros, sendo referência mundial neste quesito. Seu pastor sênior, Kleber Gonçalves, é também diretor do Centro de Estudos Seculares e Pós Modernos (CSPS) da Associação Geral da IASD. Entre os valores fundamentais das metodologias adotadas, estão: • Liderança baseada no serviço ao próximo; • Fidelidade aos princípios; • Sensibilidade à cultura; • Aceitação às pessoas como são; • Grupos familiares; • Honrar a Deus com o melhor (Excelência Ministerial).

Além de pesquisar as estratégias de crescimento dessas igrejas, os membros da CAM se prepararam para trabalhar no projeto e participaram de uma pesquisa de dons, enquanto a liderança averiguou o seu próprio perfil psicológico, que possibilitou identificar as oportunidades de desenvolvimento de cada indivíduo. O Plano Diretor marcou a finalização da primeira etapa, em que foram definidos os parâmetros gerais do projeto. IMAGENS: DIVULGAÇÃO


A Nova Semente é pioneira no meio adventista com um método de evangelismo diferenciado.

Para este ano, a CAM prevê um investimento de 150 mil reais no projeto. Em 2014, a previsão é de 200 mil Segunda fase Entre outubro de 2012 e maio de 2013, a CAM se concentrou na etapa dois do projeto, onde houve treinamentos e definição de líderes, que foram treinados nas novas funções e fizeram testes-piloto dos novos programas. Durante essa fase, foram definidos os coordenadores e líderes de ministério, eleitos levando em consideração a pesquisa de dons e a de perfil. Nessa ocasião, puderam elaborar propostas de trabalho para seus respectivos ministérios e coordenadorias. Todos os membros da CAM foram envolvidos em algum ministério e treinados por seus líderes para executar corretamente as atividades. Terceira e quarta fases

Em junho de 2013, a terceira etapa entra em vigor e o foco é a implantação de toda a teoria estudada até aqui. Uma das

metas é a conquista de 30 moradores não adventistas do Morumbi no período de um ano. Nessa fase, os ministérios e programas da CAM estão em plena atividade. As ferramentas de relacionamento são executadas com programas periódicos e especiais, grupos familiares, classes de discipulado e inclusão de novos visitantes. Com o apoio da Melhoria Contínua, as atividades são constantemente aperfeiçoadas e refinadas, adaptando o Plano Diretor, definido na primeira fase, conforme for necessário. Novos ministérios podem surgir de acordo com as necessidades identificadas, e serão incorporados à estrutura da CAM em harmonia com seus propósitos e pilares. A quarta etapa do projeto busca estabelecer um novo templo para a CAM e, depois disso, a busca pela construção de outros templos na região do Morumbi, para potencializar o trabalho. Para este ano, a CAM prevê um investimento de 150 mil reais no projeto estratégico. No ano que vem, a previsão é de 200 mil. Em 2012, foram aplicados 20 mil reais na primeira fase, e 30 mil na segunda. Embasamento teológico

A Bíblia oferece muita segurança em relação ao trabalho evangelístico e traz dezenas de versos sobre este assunto. Entretanto, deve haver atenção nas metodologias aplicadas, pois, ao utilizar um método adequado para cada tipo de pessoa, há REVISTA MAIS DESTAQUE

85


capa

De acordo com o IBGE, mais de 58% dos 70,5 mil moradores do Morumbi são classificados como classe A.

maior probabilidade de eficácia e de alcançar resultados. O próprio Jesus usou métodos variados quando conviveu com pessoas de classes sociais diferentes (veja Lucas 19:1-10 e João 3:1-7). Com esta convicção, a CAM utiliza métodos variados para alcançar pessoas pós-modernas e de classe social diferente dos bairros em que está acostumada a evangelizar. O projeto está fundamentado nas seguintes declarações bíblicas: • “(...) Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, se86

REVISTA MAIS DESTAQUE

melhante a este é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:37-39). • “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar as coisas que eu vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém” (Mateus 28:19 e 20). Morumbi

A região do bairro Morumbi é arborizada, tem amplas propriedades, diversos edifícios e concentra grande parte da elite

do estado de São Paulo. Planejado para ser uma zona residencial da alta sociedade, abriga também algumas instituições importantes, como o Palácio dos Bandeirantes, Sede do Governo Estadual e residência Oficial do Governador; Hospital Albert Einstein, considerado o melhor hospital da América Latina; Estádio do Morumbi Cícero Pompeu de Toledo; Sede da Rede Bandeirantes de Televisão (Band); Clube Paineiras do Morumbi e Shopping Cidade Jardim, um dos maiores centros de compras de luxo do Brasil. A região é nobre e abriga residências de alto padrão, onde vivem autoridades, IMAGENS: DIVULGAÇÃO


O alvo do projeto O Projeto CAM busca alcançar as mentes pós-modernas que moram no bairro Morumbi, em São Paulo. Confira os detalhes da área a ser trabalhada e onde está, exatamente, o seu público-alvo:

A1 (Mais de R$ 21.000,00) A2 (De R$ 6975,00 a R$ 13.950,00) B1 (De R$ 3.255.00 a R$6.975,00) B2 (De R$ 1.860,00 a R$ 3.255,00) C1 (De R$ 1.395 a R$ 1.860,00) C2 (De R$ 930,00 a R$ 1.395,00) DE (Até R$ 930,00)

celebridades e empresários da sociedade paulistana. Mais de 58% dos 70,5 mil moradores da região estão classificados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) como classe A, com renda média mensal de 21 mil reais. Por conta de suas elevadas posses, a população se preocupa com a segurança. A maioria das pessoas vive em condomínios fechados. Estima-se que 61% dos moradores do bairro Morumbi residam nos 15,5 mil apartamentos da região. É elevado o número de moradias que possui ampla estrutura de lazer com parque privativo, quadras, academia, piscinas, salas de jogos e facilidades para reduzir, ao mínimo possível, a necessidade

de sair de casa, garantindo segurança aos habitantes e tornando-os quase inacessíveis às pessoas fora do convívio. Grande parte das 9,7 mil casas térreas também segue uma configuração semelhante: amplas propriedades cercadas de muros altos, com porteiros, sistemas de segurança e difícil acesso. O bairro Morumbi possui, em média, 2,8 moradores por residência, e a maior parte da população está entre os 25 e 49 anos de idade. Com esses dados, pode-se julgar que o bairro é composto por pessoas independentes, com recursos e vitalidade para desfrutar de tudo o que desejam. Entretanto, isso não é capaz de trazer a paz e a esperança de que necessitam. Um estudo

realizado em 2010 pela Universidade de São Paulo (USP) aponta que o Morumbi é um dos bairros com maior índice de suicídios na cidade – um indício trágico das necessidades escondidas por trás dos altos muros. Projeções do censo 2010 indicam que a presença adventista ainda é incipiente na região, correspondendo a apenas 0,5% da população do bairro, quantidade 14 vezes menor que a de moradores que se declaram sem qualquer religião. Para o pastor Cezar Camacho, coordenador do Projeto CAM, o chamado de Deus para alcançar essas pessoas é evidente, e o alvo da comunidade adventista é o cumprimento desta missão.

Projeções do censo 2010 indicam que a presença adventista ainda é incipiente na região, correspondendo a apenas 0,5% da população do bairro Morumbi

REVISTA MAIS DESTAQUE

87


capa Imagens em três dimensões do novo templo da CAM, que será construído em breve.

Sede própria Ter uma sede própria é um sonho antigo da CAM. A construção de um novo local pretende torná-lo o centro de encontros, cultos e reuniões evangelísticas. Recentemente a comunidade conseguiu comprar um terreno na região do Morumbi e o desenho do novo templo já está pronto. O lugar prevê capacidade para 500 pessoas na nave principal, três subsolos de estacionamento, elevadores e rampas para prover acessibilidade a todos os andares, salas para classes de discipulado, salão para confraternizações com ampla cozinha, espaço projetado para o ministério infantil, espaço acusticamente isolado para mães com bebês de colo, centro de mídia, quadra poliesportiva e lanchonete para recreação social. Um fator que auxilia a missão de evangelizar é o perfil profissional dos membros da CAM, que é semelhante ao da população do Morumbi. Segundo o pastor Cezar Camacho, esse aspecto traz facilidade no estabelecimento de vínculos com as pessoas da região. Cerca de 45% dos membros possuem especialização com pós-graduação, mestrados e/ou doutorados. Além disso, 88

REVISTA MAIS DESTAQUE

assim como a maior parte dos moradores, a CAM também é composta por empresários, médicos, engenheiros, advogados, publicitários, psicólogos, arquitetos, enfermeiros, jornalistas, entre outros profissionais. O Morumbi possui habitantes de diversos países e funcionários de multinacionais que escolheram o bairro como local de moradia. A CAM também está preparada para acolher este grupo, já que 36% dos membros falam inglês fluentemente e 17% dominam o espanhol. Alguns membros também conseguem conversar livremente em francês e italiano. Em breve, a CAM terá uma classe de Escola Sabatina em inglês e não exclui a possibilidade de criar novas classes em outros idiomas. Tudo acontecerá conforme o surgimento de necessidades. De acordo com o pastor Camacho, o mais importante é o senso de missão que está presente na vida de cada membro da comunidade adventista. “Cientes do desafio, é unânime a vontade de colocar seus talentos a serviço de Cristo. A pesquisa de dons já foi amplamente realizada, e a igreja foi organizada em ministérios funcionais para que cada pessoa tenha um lugar de atuação”, afirma.


proclamação Os cultos regulares na CAM têm o objetivo de trabalhar com o propósito de melhorar o crescimento espiritual dos batizados, intensificar o relacionamento pessoal e estruturar o desenvolvimento dos dons de cada discípulo na CAM. Confira abaixo os horários dos cultos da CAM e seus propósitos:

Culto DE

ADORAÇÃO Culto

EVANGELÍSTICO

Culto Evangelístico

Jovem

Esses cultos estão em atividade e são direcionados para pessoas que já estão envolvidas no discipulado. “Aqui os participantes são fortalecidos nos propósitos, recebem mensagens de maior maturidade espiritual e são motivados para as ações de evangelismo”, explica o pastor Cezar Camacho.

O propósito desse encontro, que inicia em setembro, é evangelizar os não adventistas do Morumbi. Serão usados todos os métodos estratétigos já estabelecidos para atrair o público-alvo para esses programas. De acordo com o pastor Camacho, a abordagem dessas reuniões será a mais adequada para atrair mentes pós-modernas. “Serão usadas séries de palestras que sejam do interesse dos visitantes. As temáticas serão identificadas com base em pesquisas sobre cultura do bairro”.

Esse encontro terá início em julho e seu propósito é a conquista de novos jovens adventistas, crescimento espiritual dos participantes, relacionamento interpessoal, evangelização dos não adventistas e celebração jovem. Os cultos visam alcançar os não cristãos que moram no Morumbi e as redes sociais são ferramentas que servem para auxiliar nesse processo.

Os programas têm temas jovens e atuais, envolvidos por música e entrevistas com personalidades do esporte, da TV e do rádio. Ao final do culto, todos se reúnem para uma social com lanche. O plano é que os amigos adventistas convidem colegas que ainda não pertencem à igreja para participar dos Grupos Familiares, que ocorrem nos lares semanalmente.

REVISTA MAIS DESTAQUE

89


capa

92

REVISTA MAIS DESTAQUE


A vontade de Deus “Quero fazer parte deste projeto e, junto a esta comunidade, cumprir o sonho de Deus para o Morumbi” Por Cezar Camacho

P

or meio da Bíblia, a vontade de Deus é revelada aos Seus filhos de uma forma muito clara. Através do Espírito de Profecia, Ele a amplia, a fim de que nunca tenhamos dúvidas sobre como servi-Lo corretamente. Nas Sagradas Escrituras encontramos uma bússola, um ponto de partida que nos orienta e nos ensina sobre os mandamentos de Cristo, cujo propósito para a vida de cada pessoa é apresentado abertamente. Existem duas passagens bíblicas que resumem o sonho de Cristo para o povo que O representa nesta Terra. Podemos lê-las nos capítulos 22 e 28 do livro de Mateus, onde aprendemos sobre o primeiro e grande mandamento, que nos ensina a amar a Deus acima de todas as coisas e amar também ao nosso próximo como a nós mesmos. Na “grande comissão” descobrimos que devemos ir ao mundo para contar aos outros sobre Jesus. Essa é a nossa missão. Em Atos 2:42-47, a compreensão sobre o plano de Deus é aprofundada. O texto traz relatos sobre como a igreja agia quando Cristo a fundou. Nessas passagens, podemos perceber cinco propósitos: reunir, edificar, celebrar, ministrar e evangelizar, e são considerados como a vontade de Deus para Sua igreja e todas as pessoas que ainda podem ser alcançadas por ela. Estou convicto de que esses propósitos fazem com que a vida de cada ser humano encontre sentido, levando-o a se tornar um discípulo saudável. Como coordenador do Projeto Comunidade Morumbi (CAM), tenho dois sonhos relacionados à missão que Deus nos deixou. São eles: 1. Que todas as pessoas que frequentam a CAM possam entender os propósitos de Deus para si e, a partir de então, coloquem em prática um novo estilo de vida; 2. Levar a todos os moradores do Morumbi a possibilidade de conhecer a Cristo, de modo a entregar-se a Ele e tornar-se um de Seus discípulos. Para alcançar esse objetivo, a luta será grande, mas a promessa bíblica de Josué 1:9, “Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares”, traz a convicção de que Deus fará uma grande obra. Essas metas me fazem regozijar e ter mais vontade de participar deste projeto. Nosso alvo é cumprir o sonho de Deus para o Morumbi. REVISTA MAIS DESTAQUE

93


capa

94

REVISTA MAIS DESTAQUE


Como ganhar almas para Cristo Projeto CAM utiliza programas especiais como ferramenta para despertar interesse na classe alta e baseia seus propósitos e pilares no Espírito de Profecia Por Redação MD

P

ara atrair os moradores do Morumbi para as programações, o Projeto CAM utiliza alguns métodos estratégicos que sejam interessantes ao público-alvo. Os temas são identificados com base em pesquisas sobre a cultura do bairro trabalhado. Salas de música (instrumentais e cantados)

Acontecem a cada três meses através de alta qualidade musical. Podem acontecer na própria Comunidade ou em auditórios alugados no Morumbi, com o objetivo de atrair pessoas da classe alta. A forte divulgação ajuda a alcançar essa meta. “Entre Amigos”

Com frequência mensal, esse programa busca fortalecer os relacionamentos por meio de encontros sociais por afinidades. Os profissionais que compõem a CAM convidam seus pares não adventistas para encontros de socialização em ambientes especiais para formar vínculos. Arena de Oração

Nesse programa, cada componente da CAM intercede por seis amigos não cristãos durante 30 dias, com orações no próprio lar, durante as madrugadas e nos encontros. As pessoas que recebem as orações são convidadas para assistir a um programa especial, onde há a oportunidade de integrá-las nas atividades da Comunidade Adventista. Casa de Amigos

Os membros são divididos em grupos de acordo com sua localização geográfica e perfil. O grupo tem duração de três meses e funciona para fortalecer o relacionamento entre os próprios participantes. Após esse tempo, seus componentes convidam quatro novas pessoas (do mesmo prédio ou das casas) para participar. A partir de então, o grupo passa a ter enfoque evangelístico, com o objetivo de expandir e alcançar cada vez mais moradores de sua vizinhança. REVISTA MAIS DESTAQUE

95


capa Em seus escritos, Ellen White mostra que deve-se utilizar uma metodologia diferente para lidar com cada tipo de pessoa.

96

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: DIVULGAÇÃO


Sexta Jovem Esse programa procura reunir jovens adventistas na Comunidade e atrair os que ainda não pertencem à família cristã. Os pontos fortes são o louvor e os debates sobre temas específicos, com aplicação espiritual. Adoção de praças e parques

A CAM pode firmar parcerias junto à subprefeitura do bairro para dar manutenção física nos parques e praças da região, como limpar, prezar pela conservação, entre outros aspectos. As ações podem acontecer por um período estipulado pela própria subprefeitura, com direito de exploração de imagem para fazer com que a presença dos adventistas seja percebida no local. Há hipóteses de realização de feiras de saúde, com profissionais especializados que prestarão atendimento e trarão informações sobre como promover a saúde dos moradores. Cafeteria da saúde

Dentro da CAM, há um espaço reservado para socialização entre adventistas e não cristãos e degustação de alimentos saudáveis com orientações para uma saúde equilibrada. Culto em inglês

Esse programa é voltado aos jovens e acontece uma vez por mês, sempre aos domingos. Em formato de bate-papo, amigos que falam a língua inglesa convidam colegas não cristãos que dominam o idioma, para conversar a respeito de temas específicos da Comunidade. Essas são algumas das estratégias da CAM. “Não é possível colocar todas aqui, pois dariam páginas e mais páginas”, diz o pastor Cezar Camacho. Embasamento em Ellen White para uso das estratégias com o objetivo de ganhar almas

Em seus escritos, Ellen White mostra, com muita propriedade, que deve-se utilizar uma metodologia diferente para lidar com cada tipo de pessoa. Elas precisam ser abordadas corretamente para que sejam alcançadas, do contrário, podem dar as costas à verdade. Desta forma, a CAM embasou suas estratégias no Espírito de Profecia, através dos seguintes textos: • “Muito se diz quanto ao nosso dever para com os pobres negligenciados; não se deveria dar alguma atenção aos negligenciados ricos? Muitos consideram essa classe um caso perdido, e pouco fazem para abrir os olhos daqueles que, cegos e ofuscados pelo falso brilho da glória terrena, perderam o cálculo da eternidade. Milhares de ricos têm baixado ao túmulo inadvertidos. Mas, por mais indiferentes que pareçam, muitos entre eles são almas oprimidas” (Ciência do Bom Viver, p. 210). • “... milhares de homens ricos têm ido para a sepultura sem advertência, porque têm sido julgados pela aparência, e passados

“Não é possível colocar aqui todas as estratégias que a CAM utiliza, pois dariam páginas e páginas”, diz o pastor Cezar Camacho, coordenador do projeto por alto como pacientes desenganados. O Senhor deseja que este estado de coisas seja mudado. Que homens judiciosos assumam a obra, homens que até agora nada fizeram neste sentido, porque lhes parecia inútil e sem esperança. Esta é uma obra grande e importante, e Deus dotará de sabedoria a homens que a assumam” (Medicina e Salvação, p. 245). • “Há uma obra que deve ser feita em prol dos ricos. Precisam ser despertados para reconhecer sua responsabilidade como a quem foram confiados dons do Céu. Devem ser lembrados de que precisam prestar contas Àquele que julgará os vivos e os mortos” (Parábolas de Jesus, p. 230). • “Devem os servos de Cristo trabalhar fielmente pelos ricos de nossas cidades, assim como pelos pobres e humildes. Há muitos homens abastados que são suscetíveis às influências e impressões da mensagem evangélica, e que, quando a Bíblia, e ela unicamente, lhes é apresentada como expositor da fé e prática cristãs, serão pelo Espírito de Deus levados a abrir portas para a propagação do evangelho. Revelarão uma fé viva na Palavra de Deus, e usarão os meios que lhes foram confiados para preparar o caminho do Senhor, para endireitar no ermo vereda a nosso Deus” (Obreiros Evangélicos, p. 348). • “Enquanto ajudava os pobres, Jesus estudava também os meios de atingir os ricos. Procurava travar relações com o rico e culto fariseu, o nobre judeu e a autoridade romana. Aceitava-lhes os convites, assistia a suas festas, tornava-Se familiar com os interesses e ocupações deles...” (Ciência do Bom Viver, p. 24). Para o pastor Cezar Camacho, coordenador do Projeto CAM, após esses escritos de Ellen, é difícil não perceber a real necessidade de evangelizar as classes altas. “A mensageira de Deus também traz palavras de inspiração e motivação para a execução dessa missão”, diz. Camacho se refere aos seguintes trechos: • “Muitos dos que são classificados para fazer um trabalho excelente obtêm pouco porque pouco empreendem” (Serviço Cristão, p. 238). • “Compete-nos amadurecer planos sábios, pondo em operação os meios pelos quais Deus há de produzir resultados certos” • “Igrejas crescem quando abandonam a visão acanhada e fazem planos mais amplos. Nunca poderemos ir além daquilo que sonhamos” (Ciência do Bom Viver, p. 498). • “Estar satisfeito com a pequenez de planos revela falta de fé e de visão” (Evangelismo, p. 63). REVISTA MAIS DESTAQUE

97


propósitos

e pilares

2

pilares

Os propósitos da CAM são colocados em prática por meio de sete pilares que norteiam todas as ações. Cada novo programa, projeto ou ministério, deve agir em consonância com esses pilares, buscando integrá-los ao máximo, pois são os meios escolhidos pela comunidade para cumprir os propósitos fundamentais da Igreja. Veja quais são:

1

propósitos

1

2

3

liderança

ministérios orientados pelos dons

discipulado

Os membros devem receber auxílio para descobrir seus dons e colocá-los em prática na missão de ministrar, e podem desenvolvê-los através de ministérios específicos.

Todos os membros devem estar em constante crescimento no conhecimento de Deus e de Sua palavra, a fim de alcançar a maturidade espiritual e cumprir o propósito de edificar.

capacitadora Por meio da ação nos ministérios e constante orientação, pessoas devem ser capacitadas para se tornarem líderes em suas áreas de atuação, ampliando as ações da CAM e cumprindo a missão de ministrar, edificar e evangelizar.

Em Atos 2:42-47 encontra-se cinco propósitos de Deus para Sua igreja na terra. Eles são evidentes nas ações dos cristãos do período apostólico, e percebe-se que foram extremamente eficazes devido ao grande crescimento da Igreja. Com base nisso, a CAM tem o desejo de seguir esses princípios como fundamentos para todas as atividades que desenvolve, crendo, então, que estará o mais perto possível da vontade de Deus. São eles:

98

REVISTA MAIS DESTAQUE

1 Reunir Aproximar cristãos de não cristãos para compartilhar o amor de Cristo. (verso 44);

2 edificar Ensinar a crescer em conhecimento e maturidade espiritual (verso 42)

INFOGRAFIA: ROGÉRIO VIOLA JUNIOR


4

5

6

7

culto inspirador

grupos familiares

evangelismo

relacionamentos

Todos os cultos da CAM devem ser reuniões de celebração ao amor de Deus, por meio do louvor e do estudo de Sua palavra, atendendo ao propósito de reunir, evangelizar e celebrar.

Cada membro da Comunidade deve participar de um grupo familiar a fim de crescer espiritualmente e no relacionamento com outros, cumprindo o propósito de edificar, celebrar e reunir.

As ações de proclamação devem ter em vista o atendimento das necessidades espirituais das pessoas, para que a mensagem tenha valor prático e possa cumprir a missão de evangelizar.

3 celebrar Levar à verdadeira adoração com objetivo de exaltar o nome de Deus (verso. 46 e 47);

marcados pelo amor franternal

orientado por

necessidade

4 ministrar Servir ao próximo de acordo com os dons de cada um (versos 42, 43, 45 e 46);

O amor de Cristo deve ser expresso em cada ação e no relacionamento com o outro, pois é um dom supremo e o mais importante meio de levar pessoas à Cristo, cumprindo o propósito de evangelizar e ministrar.

5

evangelizar

Preencher as necessidades das pessoas levando a palavra de Deus (verso 47).

REVISTA MAIS DESTAQUE

99


capa

estrutura organizacional Para funcionar de forma eficaz, toda empresa necessita de uma estrutura organizacional. Com a Igreja não é diferente. Os adventistas do sétimo dia utilizam uma metodologia de acesso simples e rápida, que foi agregada aos propósitos do projeto CAM. Com isso, espera-se quebrar possíveis preconceitos do público-alvo. A administração foi organizada em três grupos funcionais: pastorado, coordenadores e líderes de ministério.

1

pastorado O ministério pastoral tem o objetivo de mentoriar todos os líderes, treiná-los e ajudá-los a se tornarem verdadeiros discípulos de Cristo na CAM.

3

2

líderes

coordenadores

Já os líderes de ministério atuam de acordo com os objetivos definidos e têm adicionalmente as funções de planejar, organizar e executar as atividades com os voluntários.

100

REVISTA MAIS DESTAQUE

Os coordenadores têm a função de administrar o cumprimento dos propósitos, assessorar o pastorado e prover treinamentos nas áreas onde houver necessidade. São responsáveis por:


• Analisar mensalmente as propostas dos membros; • Detectar qualquer prática dissonante aos propósitos da Comunidade e trabalhar para corrigi-la, conversando amorosamente com as pessoas envolvidas;

• Analisar possíveis problemas eclesiásticos e buscar soluções;

• Assessorar o pastorado através de soluções e apoio; • Motivar e orientar pessoas; • Buscar perfeição em relação aos propósitos e pilares por meio de aconselhamento e orientação;

• ministrar treinamento aos líderes das áreas de atuação, caso haja necessidade.

treinamento Com dedicação, vontade e treinamento, qualquer pessoa pode realizar obras grandiosas na vida profissional e espiritual. Investir recursos e tempo para treinar é o primeiro passo para que o sucesso seja alcançado. Tudo isso está relacionado com o crescimento e faz parte do processo de cumprimento da missão. Os coordenadores do projeto CAM foram treinados para exercer funções na liderança de cada ministério. Os treinamentos foram imprescindíveis para que haja crescimento em cada atividade executada. Eles receberam treinamento por parte de pastores, que instruíram e orientaram sobre as atividades de cada frente de trabalho. Os coordenadores repassaram aprendizado, mais tarde, para os líderes de ministérios. Os assuntos abordados nos treinamentos foram os seguintes:

COMO

ser um líder inspirador? trabalhar em equipe? treinar pessoas? motivar pessoas sob seu mentoreamento? manter o foco no projeto estipulado? desenvolver um ministério? fazer discípulos? solucionar problemas? REVISTA MAIS DESTAQUE

101


capa

Por que

102

REVISTA MAIS DESTAQUE


trabalhar com ministérios? Dividir o projeto em departamentos auxilia o desenvolvimento de todas as áreas necessárias para semear o evangelho Por Redação MD

ministérios

D

P

Propósito

ons e talentos são aptidões dadas por Deus a fim de serem usados em Sua obra. Cada pessoa tem um ministério específico na vida, planejado por Cristo. No entanto, é preciso descobri-los e, se for da vontade do indivíduo, aplicá-los ao serviço do Senhor para cumprir o propósito de Deus, embora os talentos sejam evidentes em determinadas pessoas que não precisam se esforçar muito para encontrá-los. Os ministérios possuem três aspectos em comum: 1. Descobrir seu propósito único no Reino de Deus; 2. Comprometer-se a desenvolver e usar os dons para servir a Deus e aos outros; 3. Servir de maneira que seja evidente o que Deus o fez ser. Cristo molda e capacita os que desejam participar da missão através de um ministério e faz isso desde o nascimento humano. Ele criou cada pessoa como uma obra-prima exclusiva, e tem um propósito específico. Uma contribuição única que somente o capacitado, com sua singularidade, pode dar. Isso significa disposição em aceitar o plano de Deus para a vida e é o que torna o homem totalmente dependente dEle. Desta forma, o ser humano pode mostrar às outras pessoas, com autenticidade, o amor de Cristo. Por que Deus deu a cada pessoa um propósito único? Ele tem um objetivo ao dar dons e capacidades inatas aos Seus filhos. De fato, os talentos revelam uma chave importante para entender o formato e a intenção de Deus para a vida de cada pessoa. O coração foi feito por Deus, mas cada um decide usá-lo para o bem ou para o mal, para propósitos egoístas ou para servir e glorificar ao Senhor. Jesus quer que cada cristão compreenda verdadeiramente e aceite ser a pessoa que Ele o fez ser e isso acontece quando o indivíduo descobre seu ministério. Como cada pessoa pode fazer a vontade de Deus e servir Seu propósito? A resposta é simples. Basta deixar seus interesses o motivarem para o ministério, tornando-o específico e com identidade única. Viver sem saber exatamente o dom que Deus deu é não viver de verdade. O Senhor se entristece quando Seus filhos deixam de atingir o potencial que Ele colocou dentro deles. Os talentos são infinitos e Ele quer ajudar cada um a descobrir o seu. O que não

O

Objetivos

pode acontecer é a falta de envolvimento em algum ministério. Compreender os dons espirituais é a chave que permite entender a organização espiritual da igreja adventista. Nenhuma congregação local será o que deveria ser enquanto não compreender esse assunto. O Espírito de Profecia confirma a importância da descoberta de cada ministério individual nos seguintes textos: • “Deus deseja que cada membro da igreja trabalhe como se fosse Sua mão ajudadora, buscando, mediante ministério de amor, ganhar almas para Cristo” (Evangelismo, p. 111). • “Agentes humanos são as mãos de instrumentos celestiais, pois os anjos celestiais empregam mãos humanas no ministério prático” (Mente, Caráter e Personalidade, Vol. II, p. 756). • “(...) Cristo deu a todos a obra do ministério” (Mensagem aos Jovens, p. 211). • “Por intermédio de homens, Suas bênçãos devem ser transmitidas ao mundo. Através deles, Sua glória deve brilhar em meio às trevas do pecado. Em amorável ministério devem ir ao encontro dos necessitados” (Serviço Cristão, p. 7).

Dons e talentos são aptidões dadas por Deus a fim de serem usados em Sua obra

Ministérios essenciais O projeto CAM prevê o estabelecimento de 14 ministérios essenciais. Porém, compreendendo que as áreas de atuação conduzidas por Deus são infinitas, novos ministérios poderão ser criados conforme a identificação de novas necessidades e oportunidades. Existem ministérios básicos, com propósitos e objetivos. Veja: REVISTA MAIS DESTAQUE

103


capa

academia bíblica

P O

Desenvolver e transmitir a todas as pessoas o conhecimento bíblico de maneira eficaz, ensinando também os métodos para descobrir as orientações que a Bíblia Sagrada oferece. Ensinar as verdades bíblicas aos novos cristãos, sanar dúvidas doutrinárias dos membros (com base nas Sagradas Escrituras); conduzir os interessados à decisão para o batismo e trabalhar com pessoas a fim de que possam dar estudos bíblicos.

Fortalecimento espiritual

P

Dar apoio espiritual às pessoas da comunidade e buscar suprir necessidades materiais.

O

Identificar pessoas que faltam às reuniões constantemente e contatá-las para saber o motivo de sua ausência; promover visitas e dar motivação espiritual àquelas que estão desanimadas na fé; detectar possíveis necessidades materiais, emocionais e/ou espirituais nos participantes da Comunidade e buscar maneiras de prestar auxílio.

Comunicação

P O

104

Usar as áreas da comunicação e seus recursos técnicos para proclamar o evangelho aos moradores do Morumbi e disseminar os projetos de proclamação aos membros da comunidade. Coordenar a comunicação interna e externa das atividades propostas pelo projeto CAM; administrar a utilização das mídias e recursos técnicos audiovisuais; na internet, manter um site que evangelize e informe sobre tudo o que acontece na comunidade; desenvolver materiais que auxiliem os visitantes a compreender o que é a CAM e desenvolver plano de marketing.

REVISTA MAIS DESTAQUE

Apoio

P

Ajudar, de maneira prática, nos diversos aspectos das reuniões e do patrimônio da igreja.

O

Auxiliar no andamento dos cultos e reuniões, na manutenção da reverência e ordem; visitar os membros da CAM e cuidar e manter a propriedade da igreja.


Encontro com amigos

P

Orientar e motivar os participantes no estudo da Bíblia e no fortalecimento de seus relacionamentos.

O

Coordenar o momento de estudo da Bíblia relacionando-o com o assunto central; prover conteúdo aos instrutores de classes para aprofundar e expandir a discussão da Bíblia; motivar os relacionamentos espirituais nas classes e nos lares; incentivar o estudo bíblico diário e fortalecer os relacionamentos entre amigos.

Fidelidade

P

Desenvolver uma vida plena de fidelidade nos participantes da CAM.

O

Motivar os frequentadores da comunidade a dar a primeira hora de cada dia para Deus; mostrar testemunhos sobre fidelidade de forma contínua; promover o crescimento da fidelidade em pequenos grupos e prover demonstrativos sobre a aplicação dos recursos destinados à comunidade adventista.

Família

P

Aproximar as famílias de Jesus de forma íntima e fazer com que vivam unidas na comunidade.

O

Ministrar séries, sermões e palestras sobre família; promover encontros de grupos entre pais e filhos para tratar assuntos específicos; desenvolver projetos especiais para alcançar famílias não cristãs que moram no distrito do Morumbi e proporcionar atividades sociais, como encontros de casais, jantares e festas, onde os relacionamentos sejam fortalecidos.

casa de amigos

P O

Envolver cada membro da CAM em um grupo familiar, como a casa dos amigos. Envolver as pessoas da comunidade em grupos familiares; convidar e estimular os não cristãos que estiverem se relacionando com a Comunidade a participar de um grupo; desenvolver a proclamação do evangelho através deles, motivando-os a fazer contato com seus vizinhos. REVISTA MAIS DESTAQUE

105


capa Jovens

P O

Atrair jovens adventistas para a Comunidade e trabalhar com eles para que sintam vontade de evangelizar outras pessoas do Morumbi. Organizar projetos especiais para manter os jovens da Comunidade engajados nos ministérios e planejar estratégias para alcançar os não cristãos para Cristo.

Recepção

P O

106

REVISTA MAIS DESTAQUE

Fazer com que os visitantes se sintam em casa, e aqueles que não são adventistas sejam integrados totalmente na família da Comunidade. Receber, cadastrar e acompanhar os visitantes após a reunião até que sejam encaminhados a um grupo familiar e ao discipulado; inserir os não cristãos em uma situação confortável e de acolhimento e auxiliar os convidados para que façam amizades e construam relacionamentos na CAM.


Intercessão Infantil

P O

Ajudar as crianças da Comunidade Adventista a conhecerem a Jesus, apaixonar-se e ter o desejo de viver por Ele durante toda a sua vida.

Coordenar o projeto pedagógico da comunidade; planejar as atividades semanais do ministério infantil; desenvolver as tarefas de treinamento dos colaboradores; transmitir o conhecimento bíblico de maneira interessante às crianças, fazendo adaptações adequadas para cada faixa etária e dispor as atividades dos Clubes de Desbravadores e Aventureiros ao público adolescente e infantil do Morumbi.

Atividades especiais neste ministério

• Encontro de amigos até as 10h30; • Intervalo de 15 minutos, com lanche; • Retomada do encontro em diferentes salas, separadas por idades específicas. A seguir, são desenvolvidas atividades pedagógicas, com continuidade no salão, onde há apresentações de temas definidos para o crescimento espiritual, como miniteatro bíblico, brinquedos pedagógicos, encenações bíblicas, vídeos, musicais temáticos, entre outras; • Os pais podem acompanhar os filhos durante as atividades através de iPad e iPhone; • As atividades do Ministério Infantil terminam no mesmo momento em que o culto para os adultos é finalizado. Desenvolvimento das atividades

• O estudo de caso foi realizado no período de treinamento da CAM (outubro de 2012 a março de 2013); • As pessoas deste grupo são especialistas nas áreas de pedagogia, magistério e pastoral; • Os temas do Ministério Infantil têm foco no crescimento espiritual das crianças, formação de caráter e relacionamento familiar; • Há o Discipulado Kids, formato com moldes voltados para as idades específicas.

P O

Interceder diariamente com Cristo em favor da CAM e dos moradores do Morumbi. Ensinar continuamente a importância de uma vida de oração que se renova todos os dias; coordenar grupos de oração intercessória nos lares, na internet e em lugares em que houver necessidade; promover encontros para testemunhar os resultados das orações à comunidade; conduzir a temática das orações em grupo e manter uma corrente de oração permanente entre as pessoas da comunidade.

Música

P

Por meio do louvor, conduzir pessoas para adorar a Deus de todo o coração.

O

Coordenar todo o sistema de adoração relacionado à música da comunidade; ensinar a adorar de coração; cultivar o hábito de ir à igreja para adorar e motivar o desenvolvimento do lado musical.

Proclamação

P

Evangelizar os moradores do Morumbi.

O

Coordenar a proclamação do evangelho nos moldes propostos para a Comunidade; organizar e analisar todas as estratégias de evangelismo para o Morumbi; motivar continuamente os membros da CAM no processo de proclamação; desenvolver metas de evangelização; montar um planejamento anual de proclamação envolvendo todos os participantes da comunidade, onde cada um possa usar o seu dom e coordene programas evangelísticos. REVISTA MAIS DESTAQUE

107


capa

108

REVISTA MAIS DESTAQUE


Ministério integração Serão criados seis ministérios de integração que atenderão às necessidades da Igreja, atuarão apoiando os demais ministérios essenciais e terão enfoque na gestão das atividades da Comunidade Adventista do Morumbi.

Adoração

P

Gerenciar o andamento dos programas e garantir a harmonia de todos os momentos de adoração.

O

Garantir a participação harmônica dos ministérios envolvidos nos programas da CAM e validar a sequência de atividades de forma que se mantenham inspiradores, atendendo ao propósito de reunir, evangelizar e celebrar.

Melhoria contínua

P

Acompanhar as atividades visando promover a melhoria nos programas e projetos da CAM.

O

Desenvolver critérios quantitativos e qualitativos para avaliar cada atividade; orientar e prover feedbacks aos coordenadores e líderes para agregar melhorias contínuas nas atividades subsequentes e buscar referências e métodos em outras igrejas, estudando boas práticas e adaptando-as à filosofia de trabalho da CAM.

Pessoas

P O

Providenciar adequadamente os recursos humanos necessários para o bom desempenho de todos os projetos da CAM.

Manter registros e cadastros de participantes, membros e voluntários, respectivamente, sempre atualizados, junto à pesquisa de dons; apoiar os ministérios na identificação de novos recursos necessários para garantir suas atividades; auxiliar no direcionamento dos discípulos aos devidos ministérios após a pesquisa de dons.

Financeiro e patrimonial

P O

Relacionamentos

P O

Dar atenção especial aos visitantes antes, durante e depois dos cultos, sincronizando a ação dos ministérios responsáveis pelo acolhimento e integração de cristãos e não cristãos, além de garantir assistência para cada um deles até que sejam parte atuante da CAM.

Guardar informações sobre os convidados e atendê-los amorosamente, com o objetivo de integrá-los ao discipulado; acolhê-los muito bem dentro da comunidade; auxiliá-los para que façam amizades e construam relacionamentos; gerenciar informações de membros e visitantes, registradas também pelos ministérios de Recepção, Casa de amigos, Academia Bíblica, Discipulado e Encontro com Amigos; suprir ministérios que possuem contato com visitantes, abastecidos de informações que possibilitem o fortalecimento do relacionamento e interação com eles.

Manter rigorosamente em dia as orientações de gestão financeira dos dízimos e das ofertas das organizações superiores e da manutenção física da igreja.

Contabilizar e direcionar corretamente os dízimos e ofertas para as organizações superiores; administrar o orçamento da comunidade local; dar apoio à equipe de engenheiros e arquitetos da Associação Paulista Sul (APS) nas obras do novo templo; gerenciar a utilização de todas as dependências do prédio da CAM, bem como garantir as atividades de manutenção da igreja e a segurança física dos membros e do patrimônio e prover meios de crescimento neste quesito para a comunidade que está envolvida.

Projetos

P O

Participar dos novos projetos auxiliando estruturação e interação com todos os ministérios envolvidos e acompanhar as atividades da Comunidade visando promover a melhoria nos programas da CAM. Estruturar a demanda identificada por pastores envolvidos, coordenadores os ministérios, em atividades passíveis de serem acompanhadas através de um projeto; garantir prazos e envolvimento de todos os ministérios participantes, necessários para o andamento do programa; auxiliar na avaliação de impactos junto aos ministérios, devido aos projetos simultâneos. REVISTA MAIS DESTAQUE

109


capa

112

REVISTA MAIS DESTAQUE


Discipulado O crescimento espiritual deve ser o ponto-chave na vida dos seguidores de Cristo para que haja sucesso no cumprimento da missão Por Redação MD

A

palavra discípulo, em grego mathethes, significa pupilo, aluno, ou aquele que aprende caminhando ao lado do mestre. Se tratando de um discipulado cristão, o alvo é crescer na graça e no conhecimento de Cristo e no serviço ao próximo. A igreja deve ser a “agência” do Senhor, que capacita os cristãos a testemunharem no ambiente de trabalho, dentro da família, na vizinhança em que mora e em todas as áreas da existência humana. O discipulado é um estilo de vida que transforma pessoas. Tanto o discípulo quanto os que convivem com ele são chamados para mudar a maneira de viver. Quem opta por isso de coração, terá sempre o desejo de fazer novos discípulos. Classe de discipulado

No projeto Comunidade Adventista Morumbi (CAM), as classes de discipulado são contínuas e os professores, que já receberam treinamentos específicos, foram selecionados através de uma pesquisa de dons ou por indicação de pastor ou participante. A equipe do Ministério de Discipulado chamou membros e não membros da CAM para participarem dessa pesquisa e, a partir de então, os selecionados receberam um convite para serem membros das classes, que hoje, ocorrem semanalmente. Essa ocasião marcou o início do trabalho de incentivo para que as pessoas pudessem desenvolver seus dons por meio dos ministérios e aplicá-los na causa de Deus. As classes de discipulado têm o objetivo de agregar novos participantes, que já fazem parte do corpo da igreja, mas somente agora estão se envolvendo com as atividades. A frequência semanal é de 50 minutos. São ensinados os seguintes temas: • O que é a igreja? • Qual o propósito de uma igreja?

• Quais são os benefícios de ser discípulo? • O que é necessário para ser um discípulo? • Qual é a missão? • Aprendendo a discipular pessoas; • De que maneira eu posso me envolver em um ministério? • Paixão por aqueles que não conhecem a Jesus Cristo; • Metodologia de integração de pessoas. Também existem classes de discipulado somente para não crentes. O objetivo é apresentar Cristo e mostrar como conhecê-lo intimamente e se tornar um discípulo dEle. A frequência semanal é de 45 minutos e os assuntos abordados são: • Encontro de amigos; • Pesquisa de dons; • De que forma eu posso desenvolver os dons em ministérios? • Conhecendo a Bíblia; • Quem é Jesus? • Como se tornar íntimo de Cristo? • Conhecendo e vivendo a vontade de Cristo (estudo bíblico); • Quero me entregar; • Falando de Cristo aos amigos; • Fazendo discípulos. Discípulos Missionários

A classe especial de Discípulos Missionários foi criada para agregar pessoas que, pelo teste de dons, mostraram aptidão para o ensino. Elas foram treinadas para ministrar estudos bíblicos. O objetivo é que a CAM tenha uma base sólida de 50 pessoas fixas nesta área. Os temas desta classe são: • Como dar um estudo bíblico diferenciado? • Como responder questionamentos difíceis a respeito da Bíblia Sagrada? • Como fazer apelos decisivos? • Como treinar pessoas para que possam dar estudos bíblicos com qualidade?

O discipulado é um estilo de vida que transforma pessoas. Tanto o discípulo quanto os que convivem com ele são chamados para mudar a maneira de viver

REVISTA MAIS DESTAQUE

113


capa

ciclO de inclusão 1 visitantes não crentes Tudo foi preparado para que o visitante seja acolhido e se sinta à vontade ao chegar à CAM, pois esse tratamento pode causar interesse e fazer com que ele tenha o desejo de se envolver cada vez mais nas atividades. Com constante apoio por parte dos ministérios de Relacionamentos e Discipulado, o visitante recebe auxílio para fazer amizades, descobrir dons, crescer no conhecimento bíblico e envolver-se nos ministérios, sendo o batismo uma consequência natural do relacionamento construído com Deus e com a Igreja.

ciclo discipulado

em ação

Min. de integração de Pessoas

Programas para Visitates

participação nos ministérios

Pesquisa de dons

profetos especiais

Conversão ao Batismo

Devolutiva da pesquisa de dons Academia Bíblica Casa de amigos

114

REVISTA MAIS DESTAQUE

Discipulado para não Membros


Ninguém deve fazer parte de um grupo de socialização sem antes conhecer a fundo seus conceitos. Portanto, a CAM preparou um material para que as pessoas possam estudar as propostas da Comunidade e descobrir se possui o perfil para fazer parte dela. É uma oportunidade para conhecer dons, maneiras para desenvolvê-los e ser treinado para praticá-los. A CAM oferece o discipulado para quem quer ter um novo estilo de vida cristã. “Quando descobrimos o que realmente somos para Deus, passamos a ter uma vida mais feliz e produtiva, uma vida com propósitos”, afirma o pastor Cezar Camacho, coordenador do projeto.

2 membros adventistas Os membros adventistas que são batizados e vêm de outras igrejas também podem se unir ao projeto, caso haja desejo. Pensando especialmente neste grupo, a CAM desenvolveu um ciclo de inclusão para auxiliá-los em compreender os objetivos do projeto e a metodologia de trabalho. O membro descobre seus dons, envolve-se nos ministérios e nos grupos familiares e são treinados nos métodos específicos de evangelismo criados para alcançar os moradores do bairro Morumbi.

ciclo discipulado

em ação

Pesquisa de Dons

SOLICITAÇÃO DE CARTA (MEMBRO)

Min. Integração de Pessoas

CULTO PARA MEMBROS

Casa de amigos

Discipulado para Membros

Evangelismo como Discípulo

Participação nos Ministérios

REVISTA MAIS DESTAQUE

115


capa

Metodologia de integração de pessoas Dentro da classe de discipulado para membros, cada participante foi treinado na metodologia para conquistar novas pessoas para Cristo. O método foi embasado em seis ações. Para cada uma, a CAM provê ferramentas para apoiar e facilitar o trabalho do membro que convidou o novo participante. São elas:

1

2

3

ouvir

Motivar

importar-se

Ser receptivo, livre de julgamentos e preconceitos. Nesta fase o convidado é apoiado por uma equipe do Ministério da Recepção, responsável por receber o visitante e colocá-lo ao lado de pessoas preparadas para recebê-la.

116

REVISTA MAIS DESTAQUE

Mostrar que o visitante tem valor e é amado por Cristo. O contato vai além do momento do programa, através de ligações telefônicas ou e-mails. O convite se estende para que ele participe de outros encontros e ele recebe um material com informações sobre as próximas reuniões.

Ter empatia pelos conflitos e problemas da pessoa e oferecer auxílio. O convidado é apoiado também pelo Ministério da Conservação, que sempre está atento às necessidades da pessoa.


4

5

6

acolher

treinar

educar

Fazer com que o visitante se torne parte da comunidade e da família de Deus. O convidado recebe o suporte do Ministério de Grupos Familiares para identificar o grupo mais próximo de sua casa e mais adequado ao seu perfil.

Dar auxílio para que a pessoa descubra seus talentos e possa usá-los a favor de Cristo. Apoiado pelo o Ministério do Discipulado, o convidado faz a pesquisa de dons e é orientado a praticá-los, passando a servir a Cristo até antes mesmo de batizado.

Ensinar o evangelho, as verdades bíblicas e fazer toda a preparação para o batismo. As classes de discipulado dão suporte a esta fase, onde o novo converso cresce no conhecimento bíblico e recebe o convite para aceitar a Jesus como seu salvador em público.

REVISTA MAIS DESTAQUE

117


capa

118

REVISTA MAIS DESTAQUE


Missão Global Preparar discípulos é o ideal de Deus para todos Por Redação MD

N

o prospecto resultante da reunião da Divisão Sul-Americana (DSA) sobre Missão Global, ocorrida em julho de 2012 em Brasília, encontram-se instruções e princípios que devem nortear a ação do evangelismo adventista. O projeto CAM está em total alinhamento com esse manual. Veja a seguir algumas declarações do prospecto que reforçam a abordagem desta missão: “Preparar discípulos maduros é o ideal de Deus para todos os que fazem parte de seu povo. Afinal, Ele não deseja receber apenas membros batizados ou registrados em uma igreja, mas discípulos que desenvolvam uma vida plena e produtiva na terra e se tornem cidadãos do reino dos Céus” (p. 21).

Alcançar pessoas para Jesus não é tarefa fácil, mas a semente precisa, de alguma forma, ser plantada no coração de cada ser humano

“Resgatar o conceito e a filosofia do discipulado não é uma opção para a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) hoje. É uma necessidade! Igrejas saudáveis priorizam seu processo de discipulado e o fazem de maneira simples. Esse é um conceito simples e revolucionário. Se alguém entende de simplicidade, esse alguém é Jesus” (p. 21). “Retornar ao modelo radical de fazer discípulos é urgente! Precisamos deixar de gerar consumidores ou pessoas que entram na Igreja e permanecem deslocadas por nunca entenderem seu papel no corpo de Cristo” (p. 220). “Em 2013 queremos motivar a Igreja a avançar unida em seus grandes movimentos e especialmente junto às grandes cidades, mas precisamos enfatizar um processo discipulador simples, que leve cada adventista da América do Sul a buscar o discipulado como estilo de vida. Um processo que envolva a Igreja como um todo, levando suas áreas e ministérios a entender o discipulado como o princípio de nossas ações” (p. 22). “Essa é uma nova visão para a Igreja. Nova, não porque seja desconhecida, mas porque necessita ser priorizada e colocada em prática. (...) Junte-se a nós para explorar essa visão de Deus para a Igreja, fazendo discípulos maduros na caminhada rumo ao Céu, alcançando nossa grande esperança” (p. 22). Alcançar pessoas para Jesus não é tarefa fácil, mas a semente precisa, de alguma forma, ser plantada no coração de cada ser humano. Quando todos souberem que existe um Deus que está voltando para resgatar Seus filhos, Jesus descerá pelas nuvens do céu para cumprir essa promessa. REVISTA MAIS DESTAQUE

119


capa

perfil da cam A CAM preza por sua visão, missão e batalha para alcançar seus objetivos. Veja quais são eles:

Visão Ser uma comunidade em constante crescimento na intimidade com Deus, no relacionamento de amor com os semelhantes e na transformação de vidas.

Missão Trazer pessoas a Cristo para que Ele as transforme através da inclusão e do discipulado, e assim, possam se desenvolver por meio dos ministérios, encontrando sua missão pessoal no mundo.

Objetivos • Desenvolver o discipulado como estilo de vida para os que já estão na Comunidade Adventista do Morumbi (CAM), e para os não adventistas que serão atraídos; • Alcançar pessoas da classe predominante no Morumbi; • Evangelizar os pós-modernos que moram no Morumbi; • Inicialmente, construir um novo templo na região e, conforme o avanço do projeto, construir outros.

120

REVISTA MAIS DESTAQUE


CONECTADO NA CAM!

camorumbi.org.br facebook.com/camorumbi | Fan Page vimeo.com/camorumbi | Transmissão ao Vivo twitter.com/camorumbi | Siga-nos no Twitter mailchimp.com/camorumbi | Receba novidades

VISITE-NOS! Av. Dr. Guilherme Dumont Vilares, 2352 - Vila Andrade Embasamento teológico Textos bíblicos usados como embasamento para o projeto CAM: Mateus 5:13-16; 9:35; 11:28-30; 18:19,20; 22:36-40 e 25:34-40 | Lucas 4:18,19 e 4:43,44 | João 10:14-18 e 13:34,35 | Atos 1:8; 4:32-35 e Atos 5:42 | Romanos 12:1-8 e 15:1-7 | II Coríntios 5:17 e 6:1 | Gálatas 5:13-15 | Efésios 1:22,23; 2:19-22 e 4:11-16 | Colossenses 1:24 e 3:15,16 | I Tessalonicenses 5:11 | Hebreus 10:24 REVISTA MAIS DESTAQUE

121


empresarial

PEC das Domésticas garante novos benefícios aos profissionais do lar e gera dúvidas em empregadores Por Vanessa Moraes

P

ara beneficiar os profissionais do lar, o Congresso Nacional promulgou, no dia 2 de abril, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) das Domésticas, que torna os direitos dos trabalhadores domésticos iguais aos dos trabalhadores de outras áreas. O texto foi assinado por Renan Calheiros, presidente do Congresso, e aprovado no dia 16 de março em segundo turno no Senado. A emenda acrescenta 16 direitos dos quais nove já são obrigatórios para babás, faxineiros, cozinheiros, cuidadores de idosos e deficientes, motoristas, entre outros. Desde o dia 3 de abril, a jornada de 44 horas de trabalho semanais está valendo, bem como o pagamento de horas extras e salário igual ou superior ao mínimo, hoje cotado em 678 reais. Seis direitos ainda serão regulamentados, como o seguro-desemprego, indenização por demissão sem justa causa, seguro contra acidente de trabalho, auxílio-creche, FGTS, adicional noturno e salário-família. A presidente Dilma Rousseff pediu agilidade para a efetivação desses benefícios. Embora ainda haja polêmicas sobre os novos direitos, é possível que o número de domésticas aumente, porém, há previsão de que patrões da classe média demitam seus funcionários por falta de condições em atender às novas exigências.

Perante tais mudanças, alguns empregadores têm a intenção de trocar o funcionário por uma diarista. Enquanto a empregada doméstica tem trabalho fixo e carteira assinada (com o PEC), a diarista recebe por dia, sem os direitos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), podendo realizar funções de uma a cinco vezes por semana, ou mais, em casas diferentes. A empregada doméstica recebe salário, décimo terceiro e férias. Já a diarista não tem direito aos dois últimos benefícios, pois não existe regulamentação para essa categoria de profissão. Mas, por ser autônoma, a diarista pode ganhar mais. Um dia de trabalho custa em média 100 reais, isto é, somados 22 dias úteis do mês, ela terá um rendimento de 2,2 mil reais. A escolha de uma empregada doméstica ou diarista pode ser definida pela necessidade dos serviços e pelas condições financeiras. A família pode conversar para avaliar se realmente precisa de um profissional do lar e, em caso negativo, uma dica é distribuir as funções domésticas entre os próprios membros. De acordo com o Ministério do Trabalho, o Brasil conta com sete milhões de profissionais domésticos, dos quais apenas um milhão possui carteira assinada. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o país é o primeiro na lista de maior número de empregados domésticos. IMAGEM: CANSTOCKPHOTO

124

REVISTA MAIS DESTAQUE


empresarial

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Estruturar e organizar o futuro da empresa são os primeiros passos para alcançar o sucesso Iniciar um negócio porque você ouviu dizer que essa atividade dá muito dinheiro não parece racional Douglas Perez Barros é contador da Perez Barros Contabilidade douglas@perezbarros.com.br

O

planejamento é uma das ferramentas gerenciais mais importantes tanto para quem já possui empresa quanto para o que sonha em ter o seu próprio negócio. Alguns imaginam que por ter uma estrutura pequena o planejamento não é necessário. Grande engano. Existe uma frase muito interessante de John Beckley, político inglês que dizia: “A maioria das pessoas não planeja fracassar, fracassa por não planejar”. Não que o planejamento seja garantia de sucesso nos negócios, mas é preciso preparar, estruturar e organizar o futuro da empresa. No planejamento estratégico definimos a visão, que determina aonde a empresa quer chegar, e a missão, que define a razão de ser, o papel que ela desempenha na sociedade e o que justifica a sua existência. Hoje, muitos negócios não dão certo porque a direção não sabe ao menos aonde quer chegar. Iniciar um negócio porque você ouviu dizer que essa atividade dá muito dinheiro não parece racional. É exatamente isso que acontece com muitos empreendedores, o que gera um dado negativo. De acordo com uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), quase a metade das empresas não chega ao terceiro ano de vida. O assunto é sério e por isso o planejamento estratégico é essencial. Ele serve para estabelecermos a estrutura de negócio. A contabilidade é usada como base para, no gerenciamento e planejamento estratégico, informar aos administradores a situação econômica e financeira da empresa, de modo a auxiliar na tomada de decisões. Ela vai muito além de simples controle dos números e comparações de resultados básicos como adequação à legislação e trâmites legais. Contabilidade gerencial é o processo de administrar um empreendimento através de utilização de registros e controles contábeis. Em nossa legislação, as empresas optantes pelo

126

REVISTA MAIS DESTAQUE

De acordo com uma pesquisa do IBGE, quase a metade das empresas não chega ao terceiro ano de vida Simples Nacional não estão obrigadas a apresentar o Balanço Patrimonial, porém, essa ferramenta é de suma importância para a gestão contábil da empresa. O empresário precisa mudar a imagem que tem da contabilidade. Muitos ainda a veem como um mal necessário, que existe só para trazer impostos e contas a pagar. No entanto, ela é um aliado para que o empresário administre o seu negócio. Produz informações para que o planejamento estratégico seja bem sucedido e poderá avaliar os resultados obtidos, satisfatórios ou não. Para que a empresa sobreviva e cresça dentro de um cenário global altamente competitivo e muitas vezes desleal, com uma carga tributária abusiva, deve-se planejar, pois, “se você não sabe para onde vai, todos os caminhos levarão a lugar algum”, como disse Henry Kissinger, diplomata americano. IMAGENS: STOCK.XCHNG


fique por dentro

Educação Adventista promove avaliação e comemora resultados

Notas da prova servirão como referência em planejamento pedagógico Por Márcia Ebinger

E

m março, o resultado da prova Programa Adventista de Avaliação da Educação Básica (PAAEB) foi divulgado. O departamento de Educação da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) para a América do Sul realizou a prova, que ocorreu no dia 21 de novembro de 2012. Para este exame foram envolvidos mais de 11,5 mil alunos do 5º ano do Ensino Fundamental I das escolas adventistas do Brasil e avaliou conhecimentos nas áreas de Português e Matemática. Após receber todo material enviado pelas escolas da rede, a correção foi feita. O resultado será um diagnóstico que servirá de referência para o planejamento pedagógico da Rede de Educação Adventista.

“Pela primeira vez temos um parâmetro de comparação. Os critérios que utilizamos são exatamente iguais aos do Ministério da Educação”

Vale salientar que a elaboração e os resultados do PAAEB seguem o mesmo rigor científico da Prova Brasil, organizada pelo Ministério da Educação (MEC), o que fideliza os resultados comparativos entre Prova Brasil e Prova PAAEB. Ao receber os resultados, as escolas adventistas podem verificar se os alunos do 5º ano demonstraram ter desenvolvido as habilidades requeridas para este referido ano e se existe alguma porcentagem de alunos abaixo do que é esperado. Além disso, cada unidade escolar foi orientada a compartilhar as informações com sua equipe de liderança, discutir os pontos

fortes e os que precisam ser melhorados, elaborar pelo menos três metas para o ano de 2013, estabelecer estratégias de ações para o cumprimento dos objetivos e divulgar e capacitar todos os envolvidos no plano de ação. Líderes da área educacional manifestaram sua apreciação pelo projeto. “Parabenizo pela qualidade e competência. O instrumento que temos em mãos para trabalhar com nossas escolas é simplesmente fantástico”, afirmou o pastor Douglas Menslin, líder da rede educacional adventista para o sul do Brasil. A professora Priscila Sibim, coordenadora pedagógica da rede em São Luís, Maranhão, e região, acrescenta que “os dados apontaram com profundidade o nível de conhecimento dos alunos”.

Comparativo

No comparativo feito entre a prova PAAEB, realizada junto à Rede de Educação Adventista e à rede federativa, ou seja, escolas públicas municipais, estaduais e escolas privadas, as médias ficaram na seguinte proporção:

Português

190,58

231,6

Matemática

209,63

230,2

O professor Edgard Luz, diretor da Rede de Educação Adventista para a América do Sul, comenta que o resultado foi extremamente positivo. “Esta não é apenas uma média numérica, mas um valor que mostra exatamente o que isso corresponde em termos de conhecimento (habilidades desenvolvidas). Pela primeira vez temos um parâmetro de comparação. Os critérios que utilizamos são exatamente iguais aos do Ministério da Educação”, destaca.

IMAGENS: APSo

128

REVISTA MAIS DESTAQUE


fique por dentro

Conhecimento e comunhão marcam Seminário de Gestão e Liderança da UCOB Mais de 300 pessoas se reuniram para discutir o desenvolvimento profissional dos colaboradores que atuam a favor da Igreja Adventista Por Liana Feitosa

S

ó nos primeiros meses deste ano, quase 100 mil obras sobre liderança e administração foram vendidas no Brasil, evidência de que o tema é objeto da atenção dos profissionais da atualidade. A Igreja Adventista também valoriza esse tipo de conhecimento. É por isso que congressos e treinamentos, com o objetivo de oferecer desenvolvimento humano e profissional aos funcionários da organização adventista, são constantes. Tudo para que o trabalho executado seja cada vez mais impecável. Pensando em tudo isso, o departamento de tesouraria da União Centro-Oeste Brasileira (Ucob), um dos órgãos administrativos da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD), sob o comando do pastor Jairo dos Anjos, reuniu cerca de 300 pessoas ligadas às áreas administrativa, financeira, hospitalar, educacional e de publicações no colégio Instituto Adventista Brasil Central (IABC), em Goiás, entre os dias 30 de abril a 4 de maio. Palestrantes renomados e líderes mundiais

Sob o nome de Seminário de Gestão e Liderança - Compromisso com a Missão, o evento contou com a participação de palestrantes renomados do mundo corporativo, como Josmar Arrais, da mundialmente conhecida Franklin Covey, empresa de consultoria e treinamento profissional. Além dele, o consultor Maurício Góis, que também é empresário e autor de mais de 20 livros, esteve presente. O pastor Almir Marroni, diretor do programa de liderança da Divisão Sul-Americana (DSA), participou do primeiro dia 130

REVISTA MAIS DESTAQUE

do evento. Marroni falou sobre o poder de influência de um líder na vida de seus liderados. Na mesma ocasião, também esteve presente o pastor Helder Silva, presidente da Igreja na região Centro-Oeste, que falou sobre o papel do líder na construção de uma igreja saudável e comprometida com a missão. Líderes mundiais da Igreja Adventista também ofereceram workshops e palestras, como os pastores Robert Lemon, tesoureiro da sede mundial da Igreja Adventista, e Juan Prestol, vice-tesoureiro. Ambos falaram sobre os desafios da liderança adventista mundial e apelaram para que servidores não percam o foco de oferecer o melhor desempenho profissional aos projetos e sonhos da Igreja. O mesmo pedido foi feito pelo líder sul-americano do departamento de tesouraria, pastor Marlon Lopes. Ele salientou a importância de profissionais dedicados integralmente à organização adventista. Para Lopes, empenho, zelo e consagração são qualidades indispensáveis aos funcionários da organização. Na manhã de sábado, 4 de maio, os diretores financeiros da Igreja no mundo e na América do Sul participaram de um Let’s Talk, programa em formato de bate-papo. Lemon, Prestol e Lopes responderam a perguntas da plateia sobre finanças pessoais e experiências profissionais na área em que atuam. O pastor Erton Köhler, presidente da IASD na América do Sul, também esteve presente no evento. Em sua palestra, deu 20 conselhos aos participantes, sempre lembrando a importância da consagração e a busca por excelência no trabalho desenvolvido. “Seja membro de igreja com a mesma paixão que você põe na profissão”, aconselhou aos participantes. IMAGENS: UCOB


Sobre o evento, o líder sul-americano afirmou que, para ele, encontros como o Seminário de Gestão e Liderança não apenas capacitam tecnicamente e reforçam a importância do profissionalismo. “Há um outro objetivo muito maior por trás de um evento como esse, que é resgatar neste grupo de servidores a visão da nossa missão, a razão porque existimos, o sentimento de que nós somos igreja, de que tudo que fazemos é simplesmente para apoiar a nossa missão de ver Cristo voltar em nossa geração”, destaca. Compromisso com a missão

Para o caixa Joanes Cardoso, que trabalha na sede administrativa da Igreja do Distrito Federal, na Associação Planalto Central (APlaC), foram exatamente os fatores apontados por Köhler que chamaram sua atenção. “As palestras que vi no Seminário nos ajudaram bastante na área profissional, mas, acima de tudo, reforçam nossa missão, nosso objetivo, que é conquistar pessoas para Cristo”, compartilha. Impressão parecida surgiu no coração de Rodolfo Araújo, administrador recém-formado que atua no departamento de finanças estudantis da sede goiana da Igreja. “Sou novo na Organização e, depois que ouvi as palestras e a importância da nossa missão, pude enxergar o porquê do nosso trabalho, o porquê do nosso empenho. Temos que abreviar a volta do Senhor Jesus e também, independente da função, devemos praticar o que fazemos hoje dando o nosso melhor, porque o resto Deus completa”. A necessidade de compromisso com Cristo também foi reforçada nas noites de terça, quarta e quinta-feira, que ganharam forte enfoque espiritual por meio das mensagens ministradas pelo pastor Manolo Damasio, líder de Pequenos Grupos e Comunicação da APlaC. De maneira firme e muito clara, ele apelou para que os gestores adventistas se dediquem ao trabalho de maneira incondicional. As reflexões apresentadas pelo pastor Itaniel Silva, líder da Igreja Adventista Central de Brasília (DF), também prenderam a atenção do público. Os líderes presentes puderam aprender com o experiente pastor a utilizar de maneira sábia a autoridade que possuem sobre seus liderados. Louvor e adoração

Todo aprendizado técnico, profissional e espiritual oferecido no evento foram potencializados por inspiradores momentos de louvor. Conduzido pelo cantor Jeferson Pilar, os participantes puderam unir vozes e mãos em atitude de entrega e adoração por diversas vezes. O cantor também compartilhou um pouco de sua história e contou como se tornou um membro adventista. Além disso, o saxofonista Josias Cardeal tocou canções como preparação para a reflexão espiritual apresentada ao final de cada dia de atividades. Grupos de aprendizado

De quarta à sexta-feira, no período da manhã, 11 workshops

Pastores Paulo Rabello, tradutor, Robert Lemon e Juan Prestol, tesoureiro e vice da sede mundial da Igreja, e Marlon Lopes, tesoureiro da sede sul-americana da Igreja.

aconteceram simultaneamente em salas de aula do IABC, auditórios e espaços para reuniões. Nesses momentos, os quase 300 participantes se dividiam em grupos para aprender com líderes, gestores e educadores caminhos mais eficazes para o desenvolvimento do trabalho. Entre os palestrantes, esteve o publicitário Martin Kuhn, doutor em Comunicação Social e coordenador dos cursos de jornalismo e publicidade do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho. Além dele, também contribuíram para a expansão de conhecimento durante a programação o diretor sul-americano do departamento jurídico da Igreja Adventista, Luigi Braga, assim como o pastor Paulo Martini, pedagogo e diretor geral do Unasp EC. Também participaram de maneira especial os apresentadores Tito Rocha e Leandro Quadros, do programa Na Mira da Verdade da TV Novo Tempo, assim como o diretor da rede de comunicação, pastor Antonio Tostes, que apresentou uma edição especial sobre finanças pessoais do programa Saldo Extra. O administrador Sérgio Reis palestrou sobre gestão de hospitais, juntamente com biomédico Joaquim Humberto, gerente do centro cirúrgico do Hospital Adventista de São Paulo (HASP). Outras instituições adventistas que marcaram presença foram a Superbom e a Casa Publicadora Brasileira (CPB), representada por seu diretor financeiro, Edson de Medeiros. Momento de consagração

Um dos momentos mais marcantes do seminário ocorreu na sexta-feira à noite, dia 3. O ginásio de esportes do IABC foi transformado por funcionários da sede da Igreja de Goiás (ABC) em um tabernáculo, como o construído pelo antigo povo de Israel sob a orientação divina. Ali, o pastor Walmir Rosa, presidente da Igreja naquela região, conduziu a cerimônia de Santa Ceia que teve direito a Arca da Aliança, sacerdotes, candelabros e uma pequena ovelha. No passado, o sacrifício de cordeiros perfeitos ensinava ao povo que o pecado custava a vida de um animal inocente. Naquele tempo, a cerimônia sacrifical também apontava para o dia em que Jesus, o cordeiro de Deus, como diz a Bíblia, pagaria o preço do pecado morrendo no lugar de cada ser humano. REVISTA MAIS DESTAQUE

131


fique por dentro

Universidade adventista do Peru comemora 94 anos de existência

O desfile de dez mil pessoas foi uma das atrações da festa de aniversário Por Redação MD

E

132

ntre os dias 28 de abril e 1º de maio, a Universidad Peruana Unión (UPeU) comemorou 94 anos de existência e 30 de faculdade. A instituição que começou com três cursos e quase 100 estudantes, conta hoje com 14 graduações, sete programas de mestrado, três de doutorado e cinco mil alunos. O vice-presidente da Divisão Sul-Americana (DSA), pastor Bruno Raso, esteve presente no evento e ficou feliz com o sucesso da universidade. “Temos que ser gratos a Deus com as pessoas que fizeram o caminho antes de nós e esse momento serve para celebrar com gratidão. Além disso, devemos olhar para o futuro com o objetivo de completar nossa tarefa e, em breve, ver a volta do nosso Jesus”, salienta. Walter Murillo, gerente geral da universidade, participou da programação e compartilha que os aniversários são diferentes, já que cada um possui sua particularidade. Ele observa que a igreja adventista respeita o lugar e é fortemente envolvida com as atividades. “Vemos que as pessoas não medem esforços para participar. Algumas vêm de longe, outras compram sua própria fantasia para desfilar na REVISTA MAIS DESTAQUE

passeata. Isso é muito gratificante, o fato de sentirmos esse carinho pela UPeU. Essa emoção faz com que trabalhemos melhor”, comenta o gerente. Elton Oliveira, diretor administrativo da Faculdade Adventista da Bahia (IAENE), também participou e concorda com Murillo. Para ele, a comemoração é muito ligada ao patriotismo, demonstrada pelo amor à escola. “Os alunos vibram! A igreja toda estava aqui, com sua família e liderança, bem como centenas de ex-alunos. Nós percebemos que existe uma interação muito forte entre a igreja e a escola. Eu ainda não havia presenciado isso na educação adventista. Foi um bonito programa, muito alegre, animado e valeu a pena ter vindo aqui”, reconhece. O estudante do terceiro ano de teologia, Gerson Roque, também festejou os 94 anos da instituição e aprovou tudo o que viu. “Gostei muito da comemoração, principalmente da abertura com fogos de artifícios e brinquedos para entretenimento, além de ver pessoas de vários lugares do Peru se reunindo para o desfile”, aponta. A festa contou com uma passeata que durou mais de duas horas e envolveu dez

Para a reitora Maximina Contreras, Deus lhe deu sabedoria para dirigir a faculdade.

IMAGENS: MARCELO INÁCIO


fique por dentro

Líderes da universidade oram e agradecem a Deus pelas conquistas alcançadas ao longo de quase um século de vida institucional

mil pessoas, como desbravadores, aventureiros, administradores da UPeU, representantes das associações e uniões do país, conservatório de música etc. Foi montado um parque de diversões para alegrar a moçada e na quarta-feira, 1º de maio, a instituição abriu as portas para receber os membros de todas as igrejas adventistas da região, que aproveitaram o momento para participar de jogos e gincanas. Também houve feiras, palestras e diversas inaugurações, entre elas, uma cascata que muda de cor à noite, um relógio que marca a passagem das pessoas que deram início à instituição, um prédio que auxiliará o curso de medicina e uma calçada especial, onde constam nomes de pessoas que fizeram doações para a construção do novo templo da academia, que deverá ter capacidade para 3,5 mil pessoas. A reitora do campus, Maximina Contreras, afirma que em breve receberá a documentação que autoriza o início das obras. “Ficamos muito felizes de ver como Jesus abençoa este lugar, e o templo é uma prioridade para nós”. Outro fator importante é a preocupação que a universidade tem com alunos sem recursos para estudar. De acordo com Maximina, a UPeU tem convênio com o governo do Peru, que oferece bolsas de estudo para pessoas que são de longe e não têm condi134

REVISTA MAIS DESTAQUE

ções de pagar as mensalidades. “Precisamos ter professores que possam apoiar e acompanhar esse grupo, pois o nível acadêmico dele é menor. Também queremos construir um prédio para o internato masculino e outro para o feminino”, diz a reitora, que lembra ter o projeto de mais dois programas de doutorado para apresentar: saúde pública e enfermagem, além de abrir dois novos cursos em 2015 ou 2016: fisioterapia e reabilitação física, que reforçará a faculdade de medicina. Sobre essa área, Maximina convida os jovens brasileiros a estudarem na instituição. “Aqui, medicina é um curso sólido. Temos os melhores professores e agora nos conveniamos com a faculdade de Loma Linda, dos Estados Unidos. Uma das coisas importantes é que essa instituição está nos ajudando com a implementação e capacitação dos professores. Será feito um intercâmbio de alunos entre ambos os lugares, o que gera grande oportunidade para eles”. O convite da reitora também se estende aos profissionais do Brasil, para que visitem e conheçam a UPeU com o objetivo de entrar nos programas de mestrado e doutorado nas áreas de fisioterapia, terapia familiar, enfermagem, educação, engenharia de sistemas, administração de empresas, teologia, entre outros. IMAGENS: MARCELO INÁCIO


fique por dentro

Hospital Adventista chega ao centésimo transplante de fígado

Número é alcançado em dois anos e meio de trabalho Por Marketing do Hospital Silvestre

P

ela primeira vez no Rio de Janeiro uma mesma equipe captou três órgãos e realizou três transplantes em um mesmo dia. A área de transplantes do Hospital Adventista Silvestre viveu um dia histórico no dia 10 de abril. Em 13 anos de atuação, a equipe do cirurgião Eduardo Fernandes realizou três captações e três transplantes hepáticos, no mesmo dia e no mesmo hospital. Com os transplantes de fígado de dois homens e uma mulher, todos na faixa dos 50 anos, o Hospital Adventista Silvestre contabilizou 100 transplantes de fígado realizados. Durante 36 horas, a equipe do hospital, composta por cinco cirurgiões e dois anestesistas, captou um fígado no Paraná e dois no Rio de Janeiro, além de concluir o procedimento em tempo recorde.

“O mais importante é que em apenas dois anos e meio, já realizamos 100 transplantes de fígado”, explica o cirurgião, hepatologista e especialista em transplantes de fígado do hospital, Eduardo Fernandes. Para ele, o grande problema que o Brasil enfrenta é a fila de espera, pois ela é muito maior do que o número de doadores e assim, os pacientes ficam cada vez mais doentes. Isso faz com que a equipe médica opere em condições clínicas não adequadas, aumentando a complexidade da cirurgia. “As pessoas precisam acreditar mais no sistema brasileiro de transplantes. Somos um dos países mais desenvolvidos nessa área e o Ministério da Saúde cumpre todos os procedimentos à risca. A doação aqui é muito segura. Todos os procedimento são feitos corretamente”, afirma Fernandes.

Ação contra a dengue e campanha missionária conscientizam mineiros

Uberlândia foi uma das cidades que recebeu a visita dos jovens Por Luzia Paula

N

a capital mineira, o dia 20 de abril foi uma data usada para estimular o hábito de leitura entre as pessoas, por meio da distribuição gratuita de livros, e, ao mesmo tempo, um momento para exercer a cidadania. Na grande Belo Horizonte, em Minas Gerais, um batalhão de jovens dos projetos Missão Calebe e Desbravadores se uniram a uma ação da prefeitura contra a infestação de dengue na cidade. No kit que a garotada distribuiu para a população havia livros e DVDs missionários, além de panfletos explicativos sobre a doença causada pela picada do mosquito Aedes Aegypti. Já em Uberlândia, no triângulo mineiro, as pessoas que passeavam ou se exercitavam no Parque Sabiazinho foram surpreendidas por um grupo de adolescentes que lhes ofereceu um abraço. Após o ato de carinho, a pessoa era presenteada com o livro e o DVD, cujo conteúdo fala sobre esperança. Em outro ponto da cidade, assim que o semáforo apresen-

136

REVISTA MAIS DESTAQUE

tava sinal vermelho, a criançada da Escola Adventista entregava os materiais missionários para os motoristas que, em troca, devolviam um sorriso e um “muito obrigado”. Quando o sol se pôs, adoradores de todo o triângulo mineiro lotaram o ginásio Sabiazinho para agradecer a Deus pelos futuros resultados das ações do “Impacto Esperança 2013”. Lá, o público orou e cantou juntamente com o músico Jeferson Pilar e com quarteto Cânticos Vocal. A noite de agradecimentos e testemunhos completou-se com o batismo de sete pessoas, sendo que quatro delas conheceram a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) por meio do projeto “Impacto Esperança 2012”. “Assim como o ano passado, nessa ação, todos os livros foram entregues com os contatos das igrejas e esperamos ter bons resultados em breve”, afirma o pastor da região central de Uberlândia, Laerte Lemos. No centro de Minas Gerais foram distribuídos 70 mil livros e 140 DVDs missionários. IMAGENS: PORTAL ASN


fique por dentro

Profissionais e instituições adventistas recebem prêmio especial

Projeto possibilita crescimento da Igreja Adventista e seus servidores Por Márcio Tonetti

U

m programa realizado pela Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) no Sul do Brasil, em parceria com o Banco HSBC, premiou servidores de instituições e escritórios administrativos adventistas do sul do país pela contribuição dada à organização da

“Prêmio HSBC” está em sua quinta edição. Projeto possibilita o crescimento profissional de servidores da IASD.

denominação. A iniciativa, conhecida por “Prêmio HSBC”, está em sua quinta edição. Entre os profissionais que concorrem ao troféu, estão os da área financeira, contábil, auditoria, recursos humanos, jurídica, patrimonial e de informática. A classificação é feita com base na avaliação anual realizada pela sede adventista para os estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Além da premiação individual, a iniciativa também inclui a modalidade que contempla o escritório administrativo com o melhor desempenho no período e a melhor instituição eleita entre internatos e clínicas adventistas. É a terceira vez que Ivan Batista de Souza, de Maringá, sobe ao palco para receber o troféu na categoria auditor interno. Para ele, “o prêmio é uma recompensa pelo trabalho que é feito com dedicação, paixão e entrega”.

Thiago Chiumento é um dos representantes do HSBC e acompanhou a cerimônia. Ele destaca o profissionalismo nos processos e serviços desenvolvidos pela Igreja Adventista. “A gente vê, a cada ano, essa qualidade sendo aprimorada e resultados cada vez mais efetivos sendo alcançados”, avalia o gerente de relacionamento do segmento Corporate da instituição financeira. Para Davi Contri, coordenador do projeto e diretor financeiro da União Sul Brasileira (USB), o “Prêmio HSBC” e a avaliação que deu origem ao projeto possibilita não somente o crescimento profissional dos servidores, mas também da igreja, com a melhoria na qualidade dos serviços prestados à sociedade. “Comparando os dados colhidos nos últimos anos, percebemos o crescimento, a pontualidade e, sobretudo, a padronização de procedimentos”, acrescenta o coordenador.

Projeto para leitura diária da Bíblia completa um ano

Com um capítulo por dia, a leitura torna-se mais reflexiva e motivadora Por Felipe Lemos

U

m hábito que impacta espiritualmente todos os dias seus participantes. Esse é o projeto “Reavivados por Sua Palavra” (RPSP), de âmbito mundial, que motiva adventistas a lerem diariamente um capítulo da Bíblia Sagrada. O #RPSP, como ficou conhecido o projeto principalmente no microblog Twitter, completou seu primeiro ano e não perde a força. A ideia da sede mundial adventista (idealizadora do projeto) é que até metade de 2015, milhões de pessoas tenham lido todo o livro sagrado do cristianismo. “Em 36 anos de ministério, já vi muitos programas para estimular 138

REVISTA MAIS DESTAQUE

a leitura da Bíblia, mas não com a força do ‘Reavivados por Sua Palavra’”, explica o pastor Bruno Raso, vice-presidente da Igreja Adventista e responsável pela coordenação do projeto em oito países sul-americanos. Raso afirmou o que ocorre na prática. O RPSP realmente tem feito a diferença na devoção pessoal de cada participante. O jornalista Michelson Borges está participando do projeto e resolveu entrevistar outros participantes, cujos relatos foram publicados em seu blog. O pastor Álvaro Martinho da Silva, de São Gabriel da Palha, no Espírito Santo, também lê um IMAGENS: PORTAL ASN


fique por dentro capítulo da Bíblia por dia e ainda posta tweets comentando cada trecho estudado. Sobre essa experiência de compartilhar o que leu, pouco depois de acordar, ele diz que a prática se transformou em um bom hábito de sua manhã de estudos e meditação. “Quando, por algum compromisso, não posso digitar logo cedo, anseio chegar de volta ao escritório para ler os comentários dos outros colegas e destacar alguns especiais”. Vantagens

Um dos segredos da longevidade do projeto pode ser atribuído ao fato de motivar as pessoas a estudarem apenas um capítulo e não vários, o que geralmente desmotiva em longo prazo. A psicóloga Karyne Correia, que mora em Joinville, Santa Catarina, ressalta essa vantagem. “Eu tenho por costume grifar e fazer anotações quando estudo qualquer tipo de conteúdo, e com a Bíblia não é diferente. A leitura de apenas um capítulo por dia proporciona maior reflexão e permite extrair mais lições de menos palavras. É praticamente a ex-

periência de aprender com cada versículo”. Eunice Herculano, de Alagoas, expressa bem o efeito espiritual provocado por esse hábito adquirido. “Eu sempre achei muito difícil ler a Bíblia pelo ano bíblico porque começava com um grande estímulo, incentivo, mas depois, todo esse ânimo ia diminuindo a ponto de parar. Com o Reavivados, sinto-me estimulada na leitura, pois temos comentários de pastores sobre o capítulo do dia, fazendo com que a nossa mente fique aberta para o entendimento. E o mais importante: mantenho minha comunhão diária com Deus”, explica. Desafio e tecnologia

O pastor Bruno Raso resolveu ir além da meditação diária nos escritos bíblicos. Ele tomou o desafio pessoal de fazer uma síntese, em vídeo, de cada capítulo. As gravações acontecem na Nue-

Pastor Bruno Raso acredita que RPSP fortalece espitirualidade.

vo Tiempo Bolívia e diariamente quem compreende o idioma espanhol tem acesso ao resumo feito por ele. “Cheguei a gravar 30 programas em um dia. Não é fácil, mas vejo os resultados dessa iniciativa e me alegro com o reavivamento espiritual que está acontecendo”, vibra. O #RPSP virou aplicativo para Facebook, IOS, Android e até game online. A sistemática de leitura diária de um capítulo da Bíblia está disponível em várias plataformas, o que provavelmente tem envolvido um número maior de jovens. No Twitter e no Facebook, participantes costumam compartilhar suas impressões sobre o conteúdo de cada dia e um verdadeiro debate virtual ocorre com opiniões de todos os tipos.

Projeto viaje lendo distribui

literatura cristã gratuitamente em rodoviária Idealizador repõe cerca de 50 livros por dia e uma média de 100 aos finais de semana Por Alana Souza

C

om o objetivo de oferecer aos passageiros uma oportunidade para aproveitar o tempo ocioso de uma viagem para desenvolver o hábito da leitura, foi inaugurado no dia 24 de abril, no terminal rodoviário de Itabuna, Bahia, o projeto “Viaje Lendo”. Um stand disponibiliza literatura cristã e cada passageiro pode escolher o exemplar que mais agrada para levar, gratuitamente. O idealizador do projeto, José Balbino dos Santos, conta que a ideia surgiu ao ver a estante de sua casa cheia de livros. “O que fazer para tornar estes livros 140

REVISTA MAIS DESTAQUE

úteis para o povo? Deus me deu a ideia de fazer um stand e colocar na rodoviária, um lugar onde passa muita gente”, diz. A administração do terminal rodoviário aprovou a iniciativa e permitiu a instalação do stand. Com a distribuição gratuita de livros e a divulgação da TV Novo tempo, o projeto “Viaje Lendo” foi imediatamente aceito pelo público. Para Balbino, que visita o local para fazer a reposição dos livros, o projeto já dá sinais de bons resultados. “De segunda a sexta-feira reponho em média 50 livros por dia. Nos finais de semana, a quantidade

praticamente dobra”, regozija-se Santos. Fernando Lopes, líder da Igreja Adventista no sul da Bahia, participou da cerimônia de inauguração e falou sobre a importância de ações como essa. “O projeto traz um benefício sociocultural porque é um incentivo à leitura e beneficia a família pelo conteúdo da leitura, caracterizado por um material que traz mensagens de saúde, fé e orientações para a vida. Nós reconhecemos e incentivamos iniciativas como essa, que promovem e estimulam a pregação do evangelho”, salienta o líder. IMAGENS: PORTAL ASN


fique por dentro

Adventistas ajudam vítimas do desastre em Bangladesh

Desabamento de prédio deixou centenas de feridos, entre eles, um adventista do sétimo dia Por Benjamin Raksham

O

s adventistas do sétimo dia foram alguns dos primeiros a ajudarem as vítimas da queda do edifício de uma fábrica comercial em Savar, Bangladesh, que atraiu a atenção da mídia internacional e provocou debates sobre normas de construção. As equipes de resgate trabalharam no sábado, 27 de abril, para resgatar os sobreviventes. Dez jovens adventistas treinados em preparação para terremotos e situações potenciais de colapso de edifícios foram os primeiros a comparecer no local após o desabamento, ocorrido em 24 de abril. Eles ajudaram a remover 30 vítimas, das quais quatro ainda estavam com vida. Outro grupo de 125 jovens adventistas foi para o local do desastre no sábado, 27 de abril, para ajudar as equipes de resgate. Eles ajudaram a recuperar três mulheres e vários corpos. Também forneceram água e comida para os sobreviventes. O prédio comercial de oito andares é conhecido como Rana Plaza e está localizado há aproximadamente 45 quilômetros

da capital nacional, Dhaka. O edifício abrigava cinco fábricas de confecções, linhas de produção, bancos e centenas de lojas. Estima-se que 3,5 mil pessoas estavam no prédio no momento do desastre, sendo a maioria trabalhadoras com idade inferior a 25 anos. Até o momento, cerca de 400 corpos foram recuperados e mais de 2,4 mil pessoas feridas receberam resgate, mas centenas ainda estão desaparecidas. A ADRA Bangladesh também respondeu prontamente, fornecendo tanques de oxigênio, máscaras, lanternas, martelos, pás e outras ferramentas como assistência preliminar. Segundo o diretor Serpa Santana Landerson, a ADRA Bangladesh está planejando doar dinheiro para o Fundo de Socorro do primeiro-ministro, após aprovação da comissão. Relatos confirmam que pelo menos um adventista, um rapaz chamado Bitu Baroi, que estava trabalhando numa das fábricas de vestuário, ainda está desaparecido. Sua mãe trabalha na Pollywog, uma indústria de artesanato com patrocínio adventista localizada nos terrenos da União Missão Bangladesh da Igreja Adventista. A área do sinistro fica há aproximadamente 20 quilômetros do escritório da União. A indústria de vestuário é importante fonte de moeda estrangeira em Bangladesh e a maior indústria do país. Bangladesh é a segunda maior nação exportadora de vestuário no mundo, depois da China.

Educação Adventista inaugura auditório para 800 pessoas

Local também será usado para treinamentos e programações culturais Por Jefferson Paradello

Esse é um projeto ousado”, define o professor Homero Bubna, diretor da Educação Adventista para a região central do Paraná, ao comemorar a inauguração do Auditório Nepomuceno de Abreu, instalado nas dependências do Colégio Adventista Portão, na capital do Estado. A cerimônia ocorreu às 17 horas de domingo, 14 de abril, e contou com a presença de autoridades municipais, eclesiásticas e demais convidados, que quase lotaram os 800 lugares do local.

142

REVISTA MAIS DESTAQUE

A frase de Bubna não se refere apenas ao tamanho da construção, de 2.768 metros quadrados, ou ao prazo em que foi erguida, cerca de um ano, mas ao todo, percebido no resultado final. “Quando iniciamos o projeto, o pensamento do que faríamos e a necessidade do auditório não tinha esse volume a que chegou. Deus nos abençoou e é uma grande conquista para nós”, justifica ele, que ao lado dos administradores da Igreja Adventista desatou a fita inaugural do edifício. IMAGENS: PORTAL ASN


fique por dentro Durante a cerimônia, um dos homenageados foi o homem que dedicou 42 anos de sua vida à Educação Adventista. Nepomuceno de Abreu, o professor de 84 anos que tem seu nome estampado na fachada do auditório e em uma placa de reconhecimento aos serviços prestados em toda a região Sul do País, ajudou a fortalecer a rede educacional durante os anos em que serviu como preceptor, professor de Ciências, Matemática e Língua Portuguesa; ainda atuou como diretor de colégio, assistente do departamento de Educação da Associação Paranaense e, posteriormente, como seu diretor. E, antes de se aposentar, em 1995, dirigiu o departamento de Educação para os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. “Espero que as gerações futuras, quando lerem esse nome, se lembrem que alguém lutou pela Educação Adventista, que preparou muitos jovens para que, além do vestibular, estivessem prontos para a vida”, discursa o educador ao ser indagado sobre o significado da homenagem que recebeu. Ele ainda foi presenteado com a comenda “Guilherme Stein Jr”, primeiro educador adventista brasileiro, destinada àqueles que serviram a Educação Adventista por mais de 35 anos. “Trabalhamos com tudo o que é necessário para realizar diversas programações da igreja e do colégio. Temos barras cênicas, iluminação própria, um som de excelente qualidade, um ambiente climatizado, poltronas rebatíveis, todo um aspecto favorecendo bastante cada evento desenvolvido nesse espaço”, explica o gerente de projetos Íris dos Santos, que esteve à frente da construção, que contou com o trabalho de mais

de 100 profissionais. A inovação também está na estrutura, já que a quadra de esportes fica em cima do auditório. De acordo com ele, o espaço será uma referência tanto para a Igreja quanto para a Educação Adventista. “Não temos no Sul do Brasil nenhum auditório nesse formato, com essa capacidade de 800 lugares e de equipamentos aqui instalados. Em Curitiba, os que conhecem os auditórios falam que esse fica entre o quarto e o quinto melhor da cidade”, pontua Santos, que afirma existir no município, entre 20 e 25 locais com a mesma proposta. Para o diretor da rede educacional adventista para os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, Douglas Menslin, a construção serve mais do que um modelo. É uma propaganda, estímulo e incentivo para outras instituições de porte parecido que também necessitam de espaços para agregar estudantes e celebrar momentos especiais. Ele espera que, a partir deste, projetos semelhantes, ou até melhores, surjam nos próximos anos nas regiões que administra. Mas, além de atender os 1.300 alunos do Colégio Adventista Portão durante as capelas escolares, o local também será utilizado para treinamentos eclesiásticos, programações culturais, formaturas, lançamentos de projetos e para o uso da comunidade. “Nós já estamos sendo procurados por muitas empresas e por outras redes educacionais”, afirma o professor Homero Bubna, ansioso que as demais unidades, um dia, também tenham seu próprio auditório. “Talvez não nesta proporção”, sorri.

Brasil exporta missionários e leva evangelho além das fronteiras

Cerca de 20 mil estudos bíblicos estão sendo enviados para a África Por Márcio Tonetti

Da esquerda para a direita: Moraes Lucas e Manoel Pacheco, líderes da Igreja Adventista na região Sudoeste da África.

144

REVISTA MAIS DESTAQUE

N

os últimos anos, o continente africano tem atraído a atenção de investidores externos, principalmente dos chamados Brics (formados por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Mas enquanto alguns divisam apenas oportunidades de negócios, outros têm percebido um terreno fértil para a pregação do evangelho. E nesse sentido o Brasil é visto como um país que pode dar grande contribuição aos habitantes desta região do planeta. Foi a busca por parcerias que trouxe os pastores Manoel Pacheco e Moraes Lucas para o Brasil. Eles atuam como líderes da Igreja Adventista para o Sudoeste da África e nas últimas semanas visitam sedes administrativas da organização nas regiões Sul e Sudeste. Neste ano, Luanda é uma das cidades africanas que participam de um projeto da Igreja Adventista voltado mais para a evangelização dos grandes IMAGENS: MÁRCIO TONETTI


centros urbanos. A capital de Angola é a maior cidade do país, e já conta com uma população de cinco milhões de pessoas, quase um terço do total de habitantes. A cultura e a história de Brasil e Angola têm vários aspectos em comum. Ambos foram colonizados pelos portugueses e falam a mesma língua. Os dois permaneceram sob o jugo do colonizador durante séculos (mais de 300 e 400 anos, respectivamente). Entretanto, a independência de Angola só foi proclamada mais de 150 anos depois da proclamação brasileira, país que seria o primeiro a reconhecer a ex-colônia como nação independente, em 1975. “O Brasil é nosso irmão mais velho”, define Moraes Lucas, diretor-financeiro assistente do escritório administrativo nessa região da África. Na condição de colônia por tanto tempo, muitas marcas profundas foram deixadas na sociedade angolana, tal como no Brasil. Mas outros acontecimentos, posteriores à independência, também imprimiriam grandes cicatrizes. Depois de 1975, a eclosão de uma guerra civil que durou quase três décadas levou o país à ruína. “A guerra destruiu não só a infra-estrutura e a economia, mas também pessoas, física e espiritualmente. E agora nós estamos em processo de reconstrução, em todas as áreas”, conta Moraes Lucas. Desde 2002, a nação vem trabalhando por essa reconstrução. Na visão dos dois missionários angolanos, a religião cumprirá um grande papel nesse processo, levando esperança e paz para milhões de pessoas fragilizadas econômica, emocional e espiritualmente pelo clima de conflitos atuais. Compartilhar esperança

Em meio a esse cenário, o evangelho tem se propagado rapidamente e ocupado espaço cada vez maior no coração das pessoas que vivem em Angola e outros países da região. O Brasil tem sido um parceiro nessa missão de compartilhar esperança. Não apenas enviando recursos financeiros, mas também materiais evangelísticos, ideias e projetos como o de distribuição em massa de livros e DVDs com mensagens bíblicas. Semelhante ao que está sendo feito no Brasil e em outros países, Angola também trabalha para entregar o livro “A Grande Esperança” e o DVD “A Última Esperança”, produzidos em território brasileiro. “O Brasil tem pensado grande e possui muita experiência para compartilhar com outros países. Creio

que, pelo esforço dos irmãos daqui, muita gente vai mudar de vida em Angola”, acredita o pastor Manoel Pacheco. Exportando missionários

Se no passado o Brasil recebia missionários, principalmente norte-americanos, hoje ele exporta não só para a África, mas para o mundo todo. O paulistano Gilberto Carlos Araújo, de 54 anos, abraçou essa missão em terras estrangeiras há 26 anos. Hoje, ele administra o escritório da Igreja Adventista que engloba países do Sul do continente africano e das ilhas do Oceano Índico (Divisão da África Austral). Segundo ele, as igrejas cristãs, de forma geral, vêm registrando um crescimento explosivo nos últimos anos. “Trinta e sete por cento dos membros da Igreja Adventista no mundo, por exemplo, estão na África. Esse crescimento também se verifica nas demais igrejas cristãs”, acrescenta. Uma das causas desse fenômeno, segundo ele, foi o envio de missionários no passado. “A vinda deles provocou um impacto positivo muito importante na vida desses povos. Então, nós cremos que um dos segredos para o cumprimento da missão de evangelizar é continuarmos enviando missionários não só para a África, mas para outras partes do mundo”, enfatizou Araújo, que trouxe para o Brasil os líderes de Angola. Alinhada com essa ideia, há alguns anos a sede administrativa adventista para o Sul do Brasil está dando a sua contribuição também para o evangelismo além de suas fronteiras. “Temos apoiado a África enviando pastores para realizarem evangelismo. No ano passado um pastor distrital de um de nossos escritórios no Paraná esteve em Guiné-Bissau. Este ano, cerca de dez pastores apoiarão a grande campanha evangelística em Luanda”, informa o presidente da União Sul Brasileira (USB), pastor Marlinton Lopes. A ajuda envolve também a doação de materiais evangelísticos. No momento, 20 mil cursos bíblicos estão sendo enviados para essa região da África. Lopes ainda comenta que a região tem potencial para aumentar o número de adventistas. “Estamos interessados em ver a igreja crescer ainda mais no continente africano. Temos muito em comum e percebemos que a motivação e apoio ao evangelismo em outras terras fortalecem o senso de missão e a bênção de Deus em nossa própria pátria”, conclui. REVISTA MAIS DESTAQUE

145


fique por dentro

Angus T. Jones não participará da

da próxima temporada de “Two and a half men” Ator considera a série imprópria e pediu, no ano passado, para telespectadores deixarem de assisti-la Por Redação MD

A

CBS, canal exibidor do seriado “Two and a half man” nos Estados Unidos, ainda não confirmou a participação de Angus T. Jones no elenco. Ashton Kutcher e Jon Cryer já assinaram contrato para a décima primeira temporada. Em novembro de 2012, Jones surpreendeu os produtores do programa ao gravar um vídeo em que apelou aos telespectadores que

parassem de assisti-lo para não poluir a mente. “Você não pode ser uma pessoa temente a Deus e fazer uma série como essa. Eu sei que eu não posso. Eu não estou bem com o que a Bíblia diz sobre estar nesse show de TV”, disse. Embora não esteja mais fixo no elenco, Jones pode aparecer nas telinhas da TV como ator convidado, enquanto Jake, personagem que interpreta, estiver na faculdade.

Ministério dos surdos adventistas faz a diferença na vida de nove pessoas

Público-alvo sente necessidade de intérpretes que traduzam as mensagens pregadas na igreja Por Leonardo Torres

D

os 190 milhões de habitantes que vivem no Brasil, aproximadamente 15 milhões são portadores de necessidade especial auditiva. Pensando nesse grupo da população, a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) da América do Sul implantou o Ministério dos Surdos Adventistas. Ele tem sido difundido a cada dia e alcança mais adeptos. Não são apenas surdos, mas pessoas que estão ligadas diretamente com quem possui essa necessidade especial: são intérpretes e corais de Libras se formando e, assim, através da música, alcançam esse público. Na Amazônia Ocidental esse ministério tem crescido muito. Sendo isso observado, Douglas Domingos, estudante de teologia da Faculdade Adventista da Amazônia (FAAMA), que também é surdo, foi convidado para aconselhar os pastores sobre como dirigir e se comunicar com esse público especial. Os líderes religiosos sentiram essa necessidade e ficaram satisfeitos com as dicas.

146

REVISTA MAIS DESTAQUE

Um encontro especial foi realizado em Porto Velho, Rondônia, e outro em Rio Branco, Acre, envolvendo pastores, surdos, intérpretes, corais de libras e pessoas interessadas nesse ministério. Entre os convidados estavam, além do estudante Domingos, o pastor Jim Galvão, líder Ministerial para a região Noroeste Brasileira. Provavelmente, Domingos será o primeiro pastor adventista surdo no Brasil e ele se diz ansioso em poder realizar o projeto. “Esse ministério tem várias pessoas para alcançar e me emocio em saber que estou me preparando para levar a mensagem escrita em Apocalipse à essas pessoas que ainda não foram alcançadas pelas formas tradicionais”. Já no Acre, um trabalho especial foi desenvolvido no município Senador Guiomard, cidade localizada a 30 quilômetros de Rio Branco. O pastor Giovane Melo, representante local, descobriu que alguns surdos tinham se afastado da igreja por não terem intérpretes para traduzir as mensagens que eram transmitidas no púlpito da igreja. Durante três semanas, Melo IMAGENS: DIVULGAÇÃO


fique por dentro realizou um estudo da bíblia direcionado a esse público e, com a ajuda de uma intérprete, alcançou nove pessoas que se decidiram pelo batismo. O pastor Abdoval Cavalcanti, líder desse ministério para Amazônia Ocidental, foi convidado para participar da programação. “Com o Ministério dos Surdos fortalecido depois das reuniões realizadas, queremos alcançar ainda

mais pessoas. Os surdos que estão sendo batizados são exemplos de um público carente de atenção, e nós vamos alcançá-los”, comenta o pastor, que também lembra que materiais estão sendo desenvolvidos para que essas pessoas sejam bem atendidas. O objetivo é que esse ministério seja bem implantado em várias igrejas do país.

Lei que cria Dia Municipal da Liberdade Religiosa é aprovada Ato será comemorado anualmente no dia 25 de maio Por Equipe ASN

A

criação do Dia da Liberdade Religiosa foi aprovada no dia 17 de abril deste ano pela Câmara Municipal de São Paulo. O autor do projeto foi o vereador Paulo Frange. Entre as pessoas presentes estavam a advogada Damaris Dias Moura Kuo, presidente da Comissão de Direito e Liberdade Religiosa da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP); pastor Edson Rosa, diretor de Relações Públicas e Liberdade Religiosa da Igreja Adventista na América do Sul; Gregory Clark, assessor legal da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons); o advogado Alcides Coimbra,

diretor de Liberdade Religiosa da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) para o estado de São Paulo; e Samuel Luz, presidente da Associação Brasileira de Liberdade Religiosa e Cidadania (ABLIRC). O grupo esteve na sede do Legislativo Paulistano para acompanhar a votação. A aprovação tem relação com o Festival Mundial de Liberdade Religiosa que ocorrerá anualmente no dia 25 de maio, em comemoração à lei. O evento é caracterizado por uma grande celebração de gratidão pela liberdade de crença proporcionada pelos governos brasileiros.

Loja de produtos naturais é inaugurada em São Paulo

Mel é o alimento que se destaca nas produções naturais da Wax Green Por Redação MD | Foto: Marcelo Inácio

D

e acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o mel possui mais de 70 substâncias essenciais ao organismo, como água, frutose, sacarose, vitaminas A, B, C e E, entre outras. Os benefícios desse alimento podem ser observados, por exemplo, na ação imunológica, analgésica, anti-inflamatória e antibactericida. De olho na alta qualidade desse benfeitor ao corpo humano, a Wax Green produz, desde o ano 2000, produtos naturais com esse ingrediente e distribui para diversos pontos do Brasil. Desta vez, a marca decidiu abrir sua própria loja, inaugurada no dia 19 de março, na rua Florêncio de Abreu, número 590, em São Paulo, capital.

148

REVISTA MAIS DESTAQUE

Na ocasião, o pastor Cezar Camacho esteve presente e fez uma explanação sobre a importância de se dedicar os negócios à Deus e orou para que o estabelecimento seja abençoado e frutifique. “É um bom começo para a loja Wax Green. Tudo o que se torna grande tem que começar de baixo. A diferença é que quando começamos pequeno, fazendo a vontade de Deus, temos a garantia de que nos tornaremos grandes por causa de Seus feitos em nossos empreendimentos”, afirma. Ao falar sobre o local escolhido para vender os produtos, Marcos Giron, dono do comércio, diz que a região abriga centenas de fregueses. “Tive a ideia de montar essa loja para dar mais opções

de compra aos meus clientes”. A inauguração também teve outro motivo para festejar. “É muito difícil ver minha família reunida e lá eu tive a alegria de vê-los juntos”, comenta Giron. Além dos produtos naturais, a loja vende livros de receitas que utilizam o mel como principal ingrediente. IMAGENS: PORTAL ASN/ MARCELO INÁCIO


fique por dentro

Reunião sul-americana adventista começa com batismo e inauguração IABC festeja a conclusão da reforma de sua igreja e garante a finalização de outros projetos nos próximos meses Por Felipe Lemos e Marcelo Inácio

A 150

Comissão Diretiva Plenária da Divisão Sul-Americana (DSA), instância máxima de decisões da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) em oito países sul-americanos, começou suas reuniões em forte ambiente de espiritualidade. Na sexta-feira, 17 de maio, a inspiração veio por meio do batismo de Haidee de Oliveira Davanzo, de Varginha, Minas Gerais. Ela foi batizada pelo pastor Luís Gonçalves, evangelista da IASD na América do Sul. Haidee disse que chega a andar 15 quilômetros a pé em estrada de chão para chegar à congregação adventista mais próxima. Conheceu a Deus sob influência de programas da TV Novo REVISTA MAIS DESTAQUE

Tempo, sintonizada por antena parabólica em sua casa, e literalmente saiu a procurar a igreja mencionada por Gonçalves. “Quero fazer a vontade de Deus e continuar levando a mensagem dEle para meus vizinhos e amigos. Em nosso lar, temos uma classe regular de estudos da Bíblia”, comenta a recém-batizada. Inauguração

No sábado, 18, os mesários da Comissão Diretiva se dirigiram até a cidade de Abadiânia, em Goiás, a cerca de duas horas de Brasília, para uma importante inauguração. Houve a dedicação da reformulada igreja do Instituto Adventista

Brasil Central (IABC), internato adventista administrado pela sede da Região Centro-Oeste do Brasil. “A inauguração da igreja do IABC é a realização de um sonho acalentado há quase 30 anos. Essa igreja é um marco do crescimento espiritual e com esse projeto sentimos que somos parte da Igreja Adventista mundial, porque aqui, nas paredes desta igreja, existem contribuições de todas as partes do planeta, por meio de oferta que foi levantada no final do ano passado, no décimo terceiro sábado”, disse o pastor Wesley Zukowski, diretor geral da instituição. Para o pastor da igreja do IABC, Paulo Rabello, a inauguração do templo IMAGENS: MARCELO INÁCIO


Erton Köhler comentou que o IABC ficou mais bonito e que a presença de Deus vai ser sentida de maneira mais clara na igreja.

foi um grande desafio, mas graças a Deus e ao comprometimento da equipe, o sonho foi alcançado. Ele conta que houve momentos em que, pelas circunstâncias, chegou a duvidar da realização, mas algo lhe deu esperança. As pombas brancas que fizeram ninho no telhado da igreja voavam perto da equipe exatamente nos momentos em que houve fraqueza e falta de fé. “Para mim, é como se Deus estivesse falando ‘fique tranquilo, estou no controle’. A pomba branca era o símbolo do Espírito Santo. Deus estava querendo trazer uma mensagem muito clara: ‘essa é a minha igreja, minha casa, tudo vai dar tudo certo’. Assim nós caminhamos e, para a honra e glória de Deus, estamos aqui”, regozijou. A programação contou com a apresentação de um coral com cerca de 120 estudantes. Logo após, o pastor Erton Köhler, líder sul-americano adventista, comentou que entre todas as reformas na instituição, a que ficou pronta primeiro foi a igreja com capacidade para uma média de 600 pessoas. “Quando elas passam pela rodovia, a primeira edificação que veem nessa propriedade é a igreja”, ressaltou Köhler. O internato, com 28 anos de existência, está ampliando sua estrutura de dormitórios e outros prédios administrativos. A instituição está construindo residenciais, uma praça com jardim, estacionamento, pavimentação com asfalto, portaria, entre outros. “Todas essas obras ficarão prontas para o aniversário do IABC,

em outubro. Nenhum deles será atropelado, pois temos tempo suficiente até lá. E vamos comemorar essas conquistas”, garantiu Zukowski. Na sequência, o orador do programa foi o pastor Artur Stele, russo-alemão que ocupa atualmente uma das vice-presidências da Igreja Adventista no mundo e preside o Instituto de Pesquisa Bíblia (Biblical Research Institute). Stele fez questão de falar aos jovens participantes do coral do IABC e os advertiu sobre os riscos de descerem espiritualmente tal como fez Sansão, personagem bíblico retratado no livro de Juízes. Wilmar Gomes Arantes, prefeito da cidade de Abadiânia, onde está o IABC, disse que apoia fortemente o internato e já vislumbra o futuro. “Quando criarem os cursos de faculdade, a prefeitura vai se comprometer com o transporte dos estudantes universitários de outros municípios até aqui”, ressaltou. O colégio é apoiado e auxiliado pela União Centro-Oeste Brasileira (UCOB), que tem o pastor Helder Roger como presidente. Ele afirmou que a União se envolve nos projetos da instituição através de auxílio, como a busca de doadores, por exemplo. O fruto do trabalho parcial já pode ser vislumbrado. “Agora temos um ambiente maravilhoso para que os alunos louvem a Deus. É como sempre pensamos: a igreja é o melhor lugar, deve ser o centro da nossa vida e precisa ser o lugar mais bonito do colégio”, finalizou. REVISTA MAIS DESTAQUE

151


fique por dentro

Crianças arrecadam roupas para vítimas de enchente

Aunos da Escola Adventista também reuniram calçados e móveis Por Gustavo Cidral

N

o mês de abril, a cidade de Barra Velha, no Litoral Norte de Santa Catarina, sofreu a pior catástrofe de sua história. Um temporal alagou toda a região e atingiu a metade da população, cerca de 12 mil pessoas. Mais de três mil casas foram invadidas pelas águas, desalojando aproximadamente 400 famílias. A região mais afetada foi a comunidade de Itajuba. Comovida com a tragédia, a direção da Escola Adventista do Costa e Silva, em Joinville, decidiu antecipar a Campanha do Agasalho, que é promovida todos os anos no inverno, para ajudar as vítimas. “Por ser uma comunidade tão próxima (50 Km), mexeu com o nosso coração para anteciparmos a campanha que ocorreria no meio do ano”, conta a diretora Odete Garcia Pasold. A ação envolveu os 200 alunos do Ensino Infantil (Pré I ao 5º Ano) e funcionários. Em três semanas de campanha conseguiram arrecadar quase dez mil peças de roupa, mais de 2,7 mil calçados, 75 edredons e seis colchões, além de eletrodomésticos, móveis e utensílios domésticos. A escola promoveu uma competição saudável entre as dez turmas. A sala que conseguiu levar mais itens, de acordo com o número de alunos, foi a vencedora e, como prêmio, ganhou um rodízio de pizza. A classe do Pré II ficou na primeira colocação, mas a disputa foi o que menos importou. A criançada vibrou muito na divulgação de todas as pontuações, uma festa motivada pela solidariedade. “Foi muito bom ajudar. Eu trouxe bastante roupa”, conta entusiasmada a aluna do 4º ano, Isabel Wolter. O mesmo sentimento dividia o colega de classe, Caio Cesar Gonçalves. “Achei legal ajudar. Eu trouxe várias sacolas

Escola Adventista antecipou a Campanha do Agasalho e reuniu cobertores, colchões, móveis e eletrodoméstico. 152

REVISTA MAIS DESTAQUE

A tragédia aconteceu no dia 24 de abril e atraiu a atenção da mídia internacional.

cheias. Todo dia eu abria o meu armário e sempre pedia para a minha mãe trazer roupas”. Para a diretora Odete, além de ser uma oportunidade de auxiliar pessoas necessitadas, a campanha é um aprendizado para os alunos. “A criança que abre o coração se torna mais receptiva e mais perceptiva do mundo. Quando ela consegue se preocupar com o que está acontecendo ao seu redor, amplia o seu horizonte”, destaca. O material arrecadado teve que ser levado em duas viagens. A primeira, com móveis e objetos mais pesados, foi carregada na segunda-feira, dia 6 de maio, por um caminhão. A segunda parte foi colocada no veículo pelas próprias crianças, no dia 8. Elas formaram uma corrente e passaram de mão em mão os itens que conseguiram reunir. A solidariedade dos alunos e pais alegrou Eurides Boeira, membro da igreja de Itajuba que trabalha para ajudar os que perderam seus bens na enchente. “A nossa igreja precisa ser conhecida não só pela pregação do evangelho, mas também pela parte social. Essas crianças estão dando o exemplo de que não são apenas os adultos que devem trabalhar. O tamanho delas me surpreendeu. Elas vão crescer com essa vontade de ajudar os outros”. A equipe da Ação Solidária Adventista (ASA) e o Clube de Desbravadores de Barra Velha distribuíram material aos moradores no dia 12. IMAGENS: PORTAL ASN/ DIVULGAÇÃO


perfil

dedicação

ao serviço

de cristo

Siloé Almeida já desenvolveu centenas de projetos para o crescimento da Igreja Adventista e agora traz sua experiência para as edições da Mais Destaque Por Redação MD

154

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: DIVULGAÇÃO


O

pastor e jornalista Siloé Almeida tem uma história de vida e tanto. É um homem de fé e dedica a maior parte de seu tempo trabalhando para a Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) e para o seu país. Aos dois anos de idade, seus pais o dedicaram a Deus para ser um missionário. No início de sua vida profissional, trabalhou como administrador de laboratório de medicamentos, diretor de empresa de publicidade e diretor nacional de um banco. Depois, foi diretor do Colégio Adventista do Brooklin, em São Paulo, e dirigiu quatro hospitais adventistas, sendo o Hospital Silvestre o último. Fundou e dirigiu o Programa Adventista de Saúde (Proasa), foi diretor Sul-Americano de Comunicação e durante 23 anos serviu à Divisão Sul-Americana (DSA), órgão administrativo da IASD. Encerrou sua atuação na organização adventista como secretário ministerial da Associação Paulista Central (Apac). A excelência em sua vida profissional é resultado das bênçãos de Deus e de seus esforços nos estudos, que não foram poucos. Almeida cursou as faculdades de teologia, pedagogia, administração hospitalar e jornalismo. É descendente de judeus convertidos ao cristianismo e casou-se com a professora Marisa Almeida, com quem teve três filhos: Karina, Neto e Siloé João. Ele também já é vovô, e seus netos João Guilherme, Nicholas, Isadora e Manuela são sétima geração na IASD. Prazer no trabalho de Cristo

Ao longo de sua vida, promoveu congressos, simpósios, jornadas e seminários nas áreas de saúde, educação, comunicação, eclesiástica e liberdade religiosa. Organizou dezenas de solenidades nos congressos nacionais e em assembleias legislativas de vários países e foi assessor de imprensa em centenas de eventos. Deu aulas de marketing e comunicação em universidades do Brasil e do exterior e realizou séries de conferências e semanas especiais.

Seu vasto currículo também agrega uma campanha de imagem coorporativa que desenvolveu em 1978 para os colégios e escolas adventistas, a fim de que tivessem um uniforme de padrão nacional. Um ano depois, o plano deu certo. Além disso, também é autor da ideia de que as eleições no Brasil sejam realizadas sempre aos domingos. Há mais de 30 anos, Almeida atua em gerenciamento de crise com a opinião pública. No jornalismo, participou da produção de matérias para o Jornal Nacional e o Fantástico, programas da TV Globo, bem como para outras redes de TV e rádio. Também colaborou como correspondente internacional da rádio CBN. As funções desempenhadas pelo jornalista não param por aí. Ele é um dos fundadores da Rede Novo Tempo e implantou o padrão Novo Tempo de rádio e TV, em português e espanhol. Criou o slogan: “Rádio Novo Tempo - A Voz da Esperança” e “TV Novo Tempo - O Canal da Esperança”. Promoveu o estabelecimento de três cursos de comunicação social na América do Sul, como Argentina, Peru e Brasil. Também fundou a Agência Sul-Americana de Notícias (ASN), que agrega informações sobre tudo o que acontece na Igreja Adventista e em suas sedes administrativas regionais. Almeida na Mais Destaque

Hoje, Almeida vive uma nova fase de sua vida, como consultor de administração e comunicação. Até o seu site, www. consulsiloe.com, é um serviço de consultoria. Incansável em trabalhar a favor de Deus, ele encontra energia e motivação para continuar sua caminhada agora na revista Mais Destaque. “Em cada edição, irei entrevistar um convidado vip que falará sobre temas atuais de sua profissão. O conteúdo das entrevistas e a presença desses grandes profissionais deverão acrescentar qualidade a uma revista respeitada e que já é especialista nisso”, adianta o jornalista.

A excelência em sua vida profissional é resultado das bênçãos de Deus e de seus esforços nos estudos, que não foram poucos REVISTA REVISTA MAIS MAIS DESTAQUE DESTAQUE 155


conta corrente

Gastos

com Carros Adquirir um veículo nem sempre é bom, pois os cuidados com a compra e a manutenção são de suma importância para evitar as dívidas

É difícil desfazer-se da comodidade de ter um automóvel, mas em certas circunstâncias, talvez seja melhor ficar sem ele, pelo menos até recuperar o fôlego financeiro. Antonio Tostes é diretor geral da Rede Novo Tempo de Comunicação

O

automóvel é o sonho de quase todo brasileiro. A sensação de independência, prosperidade e status social ligada à posse de um carro não encontra rival ou paralelo em nenhum lugar do mundo. Em muitos casos, se tornou uma verdadeira obsessão e os fabricantes, concessionários, intermediários e financiadores, que têm perfeito conhecimento dessa situação, a incentivam de todas as maneiras. Vale ressaltar que o automóvel se

156

REVISTA MAIS DESTAQUE

tornou necessário, um bem de família e também uma ferramenta de trabalho. Esses são motivos para dedicarmos tempo e avaliar este assunto com muita atenção. Os homens normalmente não resistem a um belo e potente carro, mas, com a vida corrida, onde tempo é dinheiro, ter um bem como esse passou a ser necessidade e não luxo. É bom saber quanto custa um carro antes de efetuar a compra. Quanto você irá desembolsar para manter esse sonho ou necessidade? Optando ou não por um parcelamento, lembre-se de que além das prestações existem outras despesas, por isso, se a compra não for muito bem planejada, pode trazer sérios problemas. É possível classificar os usuários de automóveis em dois grupos: os que usam o carro primariamente para trabalhar e se locomover e os que o usam para o lazer. Você sabia que sustentar um automóvel custa muito mais que criar um filho? Quando um carro é utilizado somente para viagens de lazer e passeios com a família, as despesas não são o único ponto a ser analisado, afinal, promover o prazer e a confraternização familiar são igualmente importantes para nossa saúde mental. Acontece que, para muitas famílias, o automóvel é considerado um peso excessivo no orçamento financeiro. Se você está muito endividado, leve seriamente em consideração a opção de vendê-lo. Tanto as prestações mensais como os custos de manutenção podem ser a diferença entre viver dentro do orçamento ou fazer sacrifícios e acumular dívidas. É difícil desfazer-se da comodidaIMAGENS: CANSTOCKPHOTO


Os homens normalmente não resistem a um belo e potente carro, mas, com a vida corrida, onde tempo é dinheiro, ter um bem como esse passou a ser necessidade e não luxo de de ter um automóvel, mas em certas circunstâncias, talvez seja melhor ficar sem ele, pelo menos até recuperar o fôlego financeiro. De qualquer maneira, a aquisição, manutenção, depreciação e todos os demais custos correlatos, exigem reflexão e bom senso, pois a soma desses itens pode comprometer seriamente o seu orçamento doméstico. Aqueles que utilizam o carro como ferramenta de trabalho e por isso não podem abrir mão do veículo, devem encarar sua aquisição de modo ainda mais cuidadoso. São poucas as pessoas que se preocupam em calcular quanto lhes custa adquirir e manter um carro. Em alguns casos, utilizar moto, transporte público, como ônibus e metrô, táxi ou mesmo a bicicleta, é bem mais racional. Será que o automóvel é um investimento? No período da elevada inflação, quando a moeda valia cada dia menos, muita gente passou a adotar o conceito de que adquirir o carro do ano era um excelente investimento. Com a divulgação desse conceito, os profissionais do ramo lucraram muito. A maioria dessas pessoas, entretanto, foi iludida pelo aumento de valor do carro, pois a moeda se desvalorizava desde o momento da aquisição até a venda. Hoje em dia, com maior estabilidade da moeda, a facilidade para adquirir um carro e a imensa quantidade de opções de marcas e modelos existentes, a compra deve ser considerada estritamente um bem de consumo e jamais

uma forma de obtenção de lucro, como um investimento no mercado financeiro. Você sabe quanto gasta com o automóvel? É bom tentar saber quanto do seu salário é usado para manter o carro. Para que seu bolso não leve um susto, é importante fazer esse cálculo simples. Basta dividir o gasto médio mensal com ele pelo salário líquido e você terá o percentual. Nesse momento, reflita se não pode ser melhor utilizar algum transporte público, pelo menos enquanto você estiver lutando para eliminar dívidas. Para algumas pessoas o gasto com o carro pode chegar a mais de 50% dos ganhos mensais. Imagine as famílias que possuem dois ou mais automóveis. Este é um assunto que deve ser avaliado de maneira pessoal. A situação de um conhecido, parente ou colega de trabalho pode ser bem diferente da sua, para melhor ou pior. Quero te desafiar a colocar no papel, com toda a honestidade, quanto tem de gastos anuais com o seu carrinho. Não vale enganar a si mesmo. Você vai aprender a maneira de fazer o cálculo de uma forma muito simples. Depois, vamos ver quais despesas podem ocorrer para quem possui automóvel. Algumas só acontecem uma vez por ano, outras, com pouca frequência, e ainda outras, todos os dias. Levante os dados totais para um ano e depois divida por 12 meses. Você pode se surpreender com o resultado da soma desses custos. REVISTA MAIS DESTAQUE

157


conta corrente Lista de despesas Veja quais são as despesas e gastos normais com o carro. De fato, você não deve considerá-lo como investimento, mas um bem de consumo como qualquer outro. A lista de despesas fixas e variáveis envolvidas no uso do carro é grande. Confira: 1 2 3 4

5 6

17

Seguro obrigatório

Seguro contra roubo, acidentes, fogo e terceiros

16

Troca de óleo lubrificante e filtro

15

IPVA

Pagamento extra por uma vaga de garagem para guardar o carro durante a noite, se não possui vaga em sua residência

Prestações mensais de financiamentos ou consórcios, incluindo juros e taxas correspondentes Multas de trânsito (mesmo que você seja extremamente cuidadoso, os radares, por exemplo, são traiçoeiros, colocados em situações imprevisíveis)

13

Funilaria e retoques na pintura

Revisão (para viajar, por exemplo)

12 8

Caixinha para guardadores de carro e vigias de rua

11 10

9

Oficina para ajustes e consertos esporádicos

Balanceamento de pneus Borracharia

Combustível (gasolina, gás, diesel ou álcool)

Fez as contas certinhas para um ano e depois dividiu por 12, para não excluir nada? Se você fez isso, já conhece o resultado. Levou aquele susto? Divida agora seu gasto mensal com o automóvel pela sua renda líquida e obterá o percentual do seu salário gasto exclusivamente com o carro. Se o comprometimento for excessivo em relação ao seu orçamento, trate de alterar de alguma forma a influência do automóvel em sua vida financeira. Financiamento ou consórcio?

Para quem costuma adquirir carros com financiamento e não à vista, é preciso escolher cuidadosamente a financeira que dará o crédito. Muitas vezes ela pertence à montadora e possui as melhores taxas, pois obtém lucro na venda do veículo e também no financiamento dele. Essa constatação é especialmente válida em períodos de poucos negócios, quando há grande interesse na venda de um estoque encalhado. A taxa de juros aplicada ao financiamento também pode mudar. Ao contrário do que se possa imaginar, dependendo da taxa de juros utilizada, pode ser mais interessante efetuar o financiamento por intermédio da financeira em vez do consórcio. REVISTA MAIS DESTAQUE

Pedágios

14

Valor de estacionamentos

7

158

Lavagem completa ou parcial

Mas, será que o consórcio é para você mesmo? Em certas circunstâncias essa forma de aquisição de veículos novos pode ser mais vantajosa do que pagar os juros que acompanham os financiamentos tradicionais. Entretanto, você não pode esquecer de que existem custos envolvidos na aquisição pelo consórcio, cobrados antes e depois de você ser sorteado ou de receber seu carro por meio de lance. Esses custos, ao contrário do que se pensa, podem ser bem salgados. Por isso, antes de aderir a um grupo de consórcio, pense: tenho como cumprir os vários meses de pagamento das prestações? Esse valor cabe no meu orçamento mensal? Uma vez sorteado, terei condições financeiras para continuar pagando as mensalidades pelos meses restantes, além de enfrentar as despesas de manutenção do carro? Antes de tomar a decisão de adquirir um automóvel pelo consórcio, compare as despesas com os custos de financiamento de uma instituição financeira ou de uma revendedora diretamente envolvida com a mesma marca do carro que você quer. Em casos de eventuais abusos dos administradores de consórcios, lembre-se de acionar o Procon. Adquirir carro em consórcio significa também que não há descontos especiais quando a própria montadora ou algum concessionário IMAGENS: FREEPIK | CANSTOCKPHOTO


Mesmo que seu carro não saia da garagem, ele tem uma alta desvalorização, que pode ser ainda maior se o modelo sair de linha ou se surgir um design mais moderno

resolve fazer campanhas promocionais de venda. O consorciado está fora dessas oportunidades. Isso pode representar uma diferença bastante significativa. Enquanto você não terminar de pagar as mensalidades conveniadas, o veículo fica alienado a favor da administradora do consórcio. Por tanto, você não poderá dispor livremente do bem em aquisição. Vale lembrar também a importância de fazer um bom seguro do carro, pois as estatísticas apontam que a quantidade de roubos e batidas é cada vez maior. Pessoas com pouco capital devem possuir uma apólice de seguros confiável, pois assim, ficam protegidas dos imprevistos que podem ocorrer. Imagine a seguinte situação: ter seu carro roubado ou acidentado (com perda total) sem estar segurado. Agora, imagine uma situação ainda pior: ter o carro roubado ou acidentado, com perda total, sendo que você pagou apenas duas prestações de um financiamento de 24 meses. Você fica sem seu carro e ainda terá de pagar mais 22 prestações mensais por um veículo que não existe mais. É melhor pagar a apólice do seguro do que as prestações de dois carros, isto é, o perdido por roubo ou acidente e a aquisição de outro novo. Por último, quero chamar sua atenção para aquela que é a maior despesa de um veículo: a depreciação pelo ano de fabricação. Mesmo que seu carro não saia da garagem, ele tem uma alta desvalorização, que pode ser ainda maior se o modelo de seu veículo sair de linha ou se surgir um modelo com um design mais moderno. Quanto mais novo for o veículo, maior ainda será essa depreciação. Tal despesa passa despercebida durante um bom tempo e vamos nos dar conta dela no momento da troca. Avalie se a aquisição de um veículo é boa ideia e lembre-se de tomar o cuidado necessário para viver feliz... e de carro novo.

TV NOVO TEMPO | SKY CANAL 14 SEGUNDA, ÀS 22H30 REPRISES: TERÇA ÀS 17H, QUARTA ÀS 20H, QUINTA ÀS 8H E DOMINGO ÀS 18H30 www.novotempo.com/saldoextra


hinos

“Canção da Vida” foi escrito e musicado no início da década de 90. Procure ver como este hino se relaciona com sua própria vida... e confiança em Deus

Canção da Vida (477) “Cantarei para sempre as Tuas misericórdias, ó Senhor; os meus lábios proclamarão a todas as gerações a Tua fidelidade” (Salmo 89:1)

E

ste primoroso hino foi escrito e musicado por três professores do Instituto Adventista de São Paulo, de Hortolândia, no início da década de 90. Urias Chagas e Edson Romero trabalharam na letra e Lineu Soares na música. O professor Lineu, hoje regente do Coral Unasp, em Engenheiro Coelho, descreve o surgimento do hino: “‘Canção da Vida’ foi composto enquanto eu trabalhava no Iasp, em Hortolândia, pelo ano de 1991. Até aquele tempo, a lição da Escola Sabatina para os jovens não tinha tradução para o português. Urias Chagas, então pastor do campus, trouxe a ideia de traduzir do inglês e publicar a lição para um trimestre. Seria uma excelente oportunidade para que os alunos do colégio tivessem um material de estudo da Bíblia adequado à sua linguagem. Urias, Edson Romero e eu, conversamos sobre o assunto e então surgiu a ideia de criar uma música que fosse tema para o trimestre e inserir a partitura no verso da lição. Juntos trabalhamos na letra e na música. De lá para cá, esse hino tornou-se bem conhecido, cantado e apreciado. A gravação

Conselho

por alguns grupos musicais e a inclusão no Hinário Adventista, (HA) contribuíram expressivamente na sua divulgação. Já ouvi muitas belas histórias de pessoas abençoadas por este hino. Destaco o testemunho de uma senhora, esposa de pastor, que há algum tempo passou por extrema dificuldade de saúde. Logicamente, nessa hora é muito comum termos momentos de angústia. Ela revelou que seu único remédio eficaz era cantar hinos, crendo que essa atitude foi decisiva na sua recuperação e cura. E ela conta que ‘Canção da Vida’ era um dos hinos mais cantados por ela, naquele período de sofrimento. É uma simples história, mas que indica o poder dos hinos. Como Deus é misericordioso ao permitir que, a despeito de nossas limitações e imperfeições, usemos os dons por Ele concedidos para trazer bênçãos aos que necessitam. Louvado seja o nome do Senhor por tudo!” Ao cantar este hino agora, procure ver como ele se relaciona com sua própria vida, seus planos, seus sonhos e sua confiança em Deus.

Ellen White recomenda: “Cada manhã consagrai-vos a Deus para esse dia. Submetei-Lhe todos os vossos planos, para que se executem ou deixem de se executar, conforme o indique a Sua providência. Assim, dia a dia podereis entregar às mãos de Deus a vossa vida, e então ela se moldará mais e mais segundo a vida de Cristo” (Caminho a Cristo, p. 60).

160

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: STOCK.XCNHG

Pr. Tercio Sarli

1ª Estrofe Pai querido obrigado pelos planos; Grandes sonhos, especiais pra mim. Tu me guias nos caminhos desta vida. Ao Teu lado, nada faltará. Eu Te amo mais que tudo; Quando forte, quando fraco, Ao meu lado estás. Agradeço, Pai querido, Por ligar a nossa vida Num só coração. 2ª Estrofe Pai querido, obrigado pelos planos; Grandes sonhos, especiais pra mim. Tu me guias nos caminhos desta vida. Ao Teu lado, nada faltará. Eu Te amo mais que tudo; Quando fraco, Tua força Nunca falhará. Por Tua graça, Pai, imploro Transformar a minha vida Em uma canção.

Posso Crer no Amanhã Histórias inspiradoras dos grandes hinos da fé cristã


infantil

A Bíblia emparedada Autor desconhecido | Adaptação: Bárbara Kopitar

U

ma senhora gostava muito de dar Bíblias de presente. Certo dia, ela encontrou um pedreiro trabalhando e disse: - Bom dia, senhor, tudo bem? Qual é o seu nome? - Luís de Souza. - Luís, você tem uma Bíblia? - Não senhora. Não tenho e nunca tive. - Então eu vou dar esta de presente para você. A senhora abriu a capa da livro sagrado e escreveu o nome dele na primeira folha. Aquele pedreiro não se importava com assuntos religiosos. Não gostava de ir à igreja, nem de orar ou ler a Bíblia, mas ficou sem jeito de rejeitar o presente daquela senhora. Ele pegou, mas, assim que ela foi embora, pensou: “Eu nunca vou ler este livro e quero ter certeza de que ninguém jamais o lerá também”. Luís pegou a Bíblia e a colocou entre os tijolos do muro que estava construindo. Depois, passou reboco por cima e a deixou presa no meio dos tijolos. Ele tinha certeza de que ela estaria escondida para sempre. O tempo passou. Alguns anos depois, um grande terremoto atingiu a região em que o muro foi construído. Para conferir os danos causados, um homem do governo foi inspecionar o lugar. Ao chegar, viu um muro rachado. Aquele inspetor foi observar o tamanho do racho e qual não foi a surpresa dele quando encontrou a Bíblia ali! Cuidadosamente a tirou de lá, folheou suas páginas e decidiu levá-la para casa. Naquela noite estudou o livro e sentiu que estava lendo a Palavra de Deus. Ele entregou o coração a Jesus e o aceitou como seu Salvador pessoal. Deixou de ser inspetor do governo e se tornou um vendedor de Bíblias.

Um dia o vendedor se aproximou de um pedreiro para oferecer-lhe uma Bíblia. O pedreiro disse que não tinha interesse e contou ao vendedor que há muito tempo havia ganhado uma Bíblia de presente e como não queria saber de Deus, emparedou o livro, deixando-o escondido no meio de tijolos. Ao ouvir isto, o vendedor não acreditou. Pegou a Bíblia que havia encontrado e leu o nome que estava na primeira página. “O seu nome é Luís de Souza?”, perguntou. Surpreso e sem acreditar no que ouvia, o pedreiro respondeu: “Sim, esse é o meu nome”. Então o vendedor contou ao pedreiro a história de como havia achado a Bíblia emparedada. O pedreiro não podia acreditar no que havia acontecido. Ele jamais imaginou que encontraria aquele livro novamente. Entendeu que se tratava de algo especial e que Deus havia salvo aquela obra emparedada para que chegasse em suas mãos outra vez. O vendedor a entregou ao pedreiro e, desta vez, ele aceitou o presente. Levou-a para casa, leu as verdades escritas ali e entregou o coração a Jesus. As Sagradas Escrituras são o livro do Deus vivo. Por isso suas palavras são poderosas, capazes de fazer milagres, como essa história mostrou. Leia sua Bíblia. Ali você vai conhecer esse Deus maravilhoso que te ama tanto. Essa e outras histórias você encontra no site: www.tiahelenita.com.br

ILUSTRAÇÃO: PAULO GODOY

162

REVISTA MAIS DESTAQUE


estilo

O que vestir para

ir à igreja? Por Emanuelle Sales, criadora do blog Bonita Adventista Produção de fotografia: Emanuelle Prette, criadora do blog Noivando Casando Amando

Q

uantas vezes você se olhou no espelho antes de ir à igreja e questionou: “Será que Deus vai gostar desta roupa?” Já percebeu que algumas igrejas tornaram-se passarelas quando o quesito é vestuário? Há quem diga que a moda também está entrando na igreja, independente da denominação. “Mesmo o dia de culto e os próprios serviços religiosos não estão isentos do domínio da moda. Pelo contrário, oferecem oportunidade para maior exibição de seu poder. A igreja torna-se um lugar de ostentação, e as modas são estudadas mais do que o sermão”, como diz Ellen White em seu livro Educação, p. 247. Aí está um sábio pensamento. Mas, então, como devemos nos vestir para ir à casa de Deus? Vamos ver mais dicas dadas por Ellen White, que sempre escreveu de acordo com os preceitos bíblicos. “Evitarão, no vestuário, a superfluidade e a ostentação. Mas suas roupas serão asseadas, não luxuosas, discretas, e arranjadas com correção e bom gosto. Especial cuidado será exercido para vestir de maneira que revele sagrada consideração para com o santo sábado e o culto de Deus” (Mensagem aos Jovens, p. 349). Ellen White também diz que “é desonra que usem no dia de culto a mesma roupa que usaram durante a semana, quando podem obter outra” (Mensagens Escolhidas, Vol. 2, p. 474). Forte, não é?! A igreja é um templo sagrado e por isso é de suma importância escolher a dedo o que vestir para ir à casa do Senhor. O foco na igreja é Deus e não devemos nem pensar em ser o centro das atenções. Nunca se esqueça de que somos representantes de Cristo dentro ou fora da igreja. Se para andar pelas ruas devemos tomar cuidado com o que vestimos, imagine então para ir ao palácio do Rei do Universo. Para selecionar os looks corretos, a Mais Destaque vai ajudar você, mulher, a se vestir da melhor forma para ir à igreja. Confira:

A saia longa preta combina com uma blusinha estampada e um blazer branco básico. O salto fica de lado e dá lugar a uma bela sapatilha branca e preta. A bolsa de mão pequena e discreta finaliza o look.

Para dar alegria ao visual, escolha uma peça mais viva. A estampa floral, por exemplo, nunca sai de moda e combina perfeitamente com o marrom, bege e outras cores neutras, que são sempre uma ótima opção.

Nada mais decente do que um vestido na altura do joelho, sem decotes e com mangas. A fita cor-de-rosa dá destaque ao look, que somado ao sapato preto com laço em cima, fica perfeito para ir ao culto.

IMAGENS: STOCK.XCHNG/Cleiton Tibúrcio e Eduardo Valiante | Cabelo e maquiagem: Magnolia Noivas

164

REVISTA MAIS DESTAQUE


seu direito

Dirigir e falar ao telefone simultaneamente é perigoso e pode Dirigir e falar ao telefone simultaneamente configurar delito

celular + direção = crime é perigoso e pode configurar delito

Quem não se conscientizar sobre os riscos, terá, no mínimo, que preparar o bolso para pagar multas maiores

Ricardo Abrusio é a advogado Tributário e Empresarial ricardo@abrusio.com.br

166 REVISTA REVISTA MAIS MAIS DESTAQUE DESTAQUE

Q

uem já não dirigiu e ao mesmo tempo falou ao celular? Na verdade, é difícil encontrar alguém que nunca cometeu essa infração. Tal conduta pode, a partir da decisão da Justiça Federal, que ocorreu em janeiro, ser considerada como crime doloso, ou seja, intencional, inclusive em casos de morte. Um homem atingiu e matou um policial federal enquanto dirigia e falava ao celular. Culpado por homicídio doloso (quando há intenção de matar), os advogados do réu pediram a alteração do crime para homicídio

culposo (quando não há intenção de matar), mas a 3ª turma do Tribunal Regional Federal da 1ª região negou o pedido. Os advogados alegaram que a tragédia não tem conotação dolosa e sim culposa, já que o acusado estava desatento e dirigindo dentro da velocidade permitida, 60 km/h. Também disseram que não havia alteração em seu estado psíquico e o exame toxicológico só não foi realizado por falta de médicos. O desembargador federal Tourinho Neto, relator do recurso, entendeu que em relação ao dolo ou culpa, “as provas produzidas até o IMAGENS: ARTE SEVEN/ STOCK.XCHNG


Uma pesquisa recente, realizada em Brasília, mostrou que pelo menos uma vez por dia, aproximadamente 800 mil pessoas falam ao celular enquanto dirigem momento sugerem que o réu assumiu o risco de produzir o resultado morte”. Para Neto, o fato de o acusado falar ao telefone celular no momento do acidente, demonstra o risco assumido de causar a morte. Na Inglaterra, desde 2007, falar ao celular e dirigir ao mesmo tempo pode dar cadeia. A regra anterior era similar à brasileira, mas as autoridades perceberam que as punições eram insuficientes para desencorajar os motoristas a abandonarem essa prática. Quem insistir pode ser condenado a pelo menos dois anos de prisão. E em caso de acidente que resulte morte, o infrator pode pegar prisão perpétua.

DE OLHO NA LEI No Brasil, a combinação simultânea de celular e direção caracteriza uma infração de trânsito prevista no Código Brasileiro de Trânsito. Veja:

Lei nº 9.503 de 23 de Setembro de 1997 Artigo 252: Dirigir veículo Inciso VI: utilizando-se de fones nos ouvidos conectados a aparelhagem sonora ou de telefone celular; Infração: médio Penalidade: multa O texto desse artigo tem gerado dúvidas e questionamentos. Partindo de uma análise legal, o inciso apresenta duas condutas. A primeira é dirigir com fones nos ouvidos conectados a aparelhagem sonora, ou seja, CD player, rádios, gravadores ou qualquer outra fonte de emissão que se converta em ondas sonoras reproduzidas em fones. A segunda conduta é mais específica, ou seja, fala sobre dirigir utilizando-se de telefone celular. A abrangência do texto é clara quando diz “utilizando-se”, ou seja, não importa a forma de uso, o que inclui os dispositivos chamados hands free (mãos livres) e aí são inclusos também os dispositivos de viva-voz. Muitas pessoas sugerem que se falar no viva-voz é proibido, então conversar dentro do carro com os passageiros

também deveria ser. Em contrapartida, o vice-presidente do CETRAN de Goiás, Carlos Antonio Borges, disse que tal afirmativa apresenta-se como um sofisma, pois esses dois comportamentos são diferentes. Conversar ao celular, mesmo no viva-voz, pede a atenção do motorista, enquanto a conversa com os passageiros do carro não necessita da atenção assídua dele, já que há diferença de nitidez e clareza de comunicação em conversas pessoais e virtuais ou realizadas por dispositivos de alto-falante, influenciado pelas interferências de comunicação, timbres e volume. Isso exige outro nível de concentração para o entendimento da mensagem. A partir daí, ocorre a desatenção e, consequentemente, o aumento da possibilidade de envolvimento em acidentes. Uma pesquisa recente, realizada em Brasília, mostrou que pelo menos uma vez por dia, aproximadamente 800 mil pessoas falam ao celular enquanto dirigem, o que corresponde a aproximadamente 60% do total de motoristas. Outras pesquisas ainda revelam que falar ao celular enquanto dirige aumenta em 400% o risco de acidentes fatais. Atualmente, outro questionamento gira em torno da infração ser considerada média, mesmo quando provoca grande quantidade de ocorrências. Essa situação não deve durar muito tempo, pois em janeiro deste ano a Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que eleva de infração média para grave, a punição de quem fala ao celular dirigindo. O projeto está em trâmite na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados e deve ser promulgado em breve, alterando o texto da lei. Quem não se conscientizar sobre os riscos, terá, no mínimo, que preparar o bolso para pagar multas maiores. Com o intuito de se provar o perigoso desta conduta, a revista Human Factors apresentou um estudo envolvendo 40 voluntários que utilizaram simuladores de direção falando ao celular. Os pesquisadores chegaram à conclusão de que esta ação equivale a dirigir bêbado. A revista afirmou que o comportamento de quem bebe e dirige é igual ao de quem fala ao celular e está ao volante: ambos dizem que não se consideram alterados a ponto de não poder dirigir. A realidade é clara e ninguém pode contestar: dirigir e utilizar celular ao mesmo tempo é perigoso e agora pode ser considerado crime doloso, com pena de pelo menos 12 anos de prisão. Por isso, mude seus hábitos. Não ligue nem atenda ligações enquanto dirige. Se cada um fizer a sua parte, vamos garantir segurança à vida de todos. REVISTA MAIS DESTAQUE

167


evidências

Pessoas

inteligentes

acreditam em Deus? Neoateístas pregam a não existência de Deus, mas estudos mostram que a fé em um ser superior traz benefícios parte 1

É surpreendente como a religião permanece firme na suposta era pós-fé ou pós-cristã Rodrigo Silva é doutor em Teologia Bíblica

168

REVISTA MAIS DESTAQUE

IMAGENS: CANSTOCKPHOTO


As religiões podem estar repletas de pessoas que dizem acreditar em Deus, mas levam sua vida como se Ele não estivesse no céu

A

o longo da história houve muitas maneiras de demonstrar uma descrença em Deus. Alguns se tornaram ateus, isto é, negaram a existência de qualquer divindade. Outros optaram pelo deísmo, ou seja, acreditam que existe um Deus, mas ele abandonou o nosso planeta, não está por aqui. Voltaire foi um famoso pioneiro desse tipo de raciocínio, que tem seus seguidores até hoje. Outros ainda preferiram optar pelo agnosticismo, isto é, a dúvida absoluta ou a afirmação de que é impossível saber com certeza se Deus existe ou não. Alguns pensam que filósofos céticos, como David Hume, não seriam na verdade ateus, mas agnósticos. Eles não tinham certeza sobre Deus, embora apostassem de maneira mais forte em sua não existência. Além disso, existem os ateus práticos, pessoas que dizem crer em Deus, mas vivem como se Ele não existisse. Sem querer julgar, seria possível ima-

ginar que as igrejas estejam cheias de ateus práticos? Sim. As religiões podem estar repletas de pessoas que dizem acreditar em Deus, mas levam sua vida como se Ele não estivesse no céu. Recentemente surgiu uma corrente de questionadores de Deus, o neoateísmo. Esse movimento envolve cada vez mais jovens, especialmente em países como Inglaterra, Alemanha, França, e Estados Unidos, e já possui representantes em território brasileiro. O neoateísmo é uma corrente ateia e cética que nasceu na Europa e ultimamente tem ganhado força, com o objetivo de pregar para o mundo que Deus não existe. O principal divulgador é o biólogo inglês Richard Dawkins, autor do livro “Deus, um delírio”. O escritor americano Sam Harris e o jornalista britânico Christopher Hitchens, morto em dezembro de 2011, também fazem parte deste time. Os neoateístas costumam ser bem agressivos em sua mídia antirreligião e antideus. Eles organizam fóruns, passe-

atas, folhetos, livros, programas de rádio e TV, documentários e outros materiais. Se assemelham a religiosos querendo pregar uma doutrina. Há pouco tempo, descendentes de irlandeses que moram no estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, promoveram uma espécie de “parada do orgulho ateu”em Nova Iorque, com direito a banda, uniformes e panfletagem. Eles queriam protestar contra a lei antiblasfêmia existente na Irlanda. Ainda assim, nada supera a criatividade dos outdoors que promovem. Veja alguns exemplos: “Não acredita em Deus? Junte-se ao clube”, “Dúvidas sobre religião? Você é um entre muitos”, “Meus ancestrais foram libertos da escravidão, e eu sou liberto da escravidão da religião” e “Você é bom sem Deus? Milhões são”. O que você acharia de entrar em um ônibus em Londres, na Inglaterra, que contém placas com os dizeres: “provavelmente Deus não existe. Então pare de se preocupar e curta a sua vida”. É claro REVISTA REVISTA MAIS MAIS DESTAQUE DESTAQUE 169


evidências

Estatísticas feitas por diferentes entidades apontam que a fatia populacional que ainda crê em algum tipo de divindade gira entre 95 e 97% que há propagandas que mesmo alguns ateus mais intelectualizados não levam a sério, como por exemplo, a declaração de guerra contra a celebração oficial do natal promovida por uma ONG americana, ou o diploma de doutor em ateísmo, promovido por uma universidade que não crê em Deus. Existe um slogan de teor filosófico e arrogante promovido através de bandeiras, camisetas, outdoors e internet, que diz o seguinte: “Adultos com amigos imaginários são estúpidos”. Os “amigos imaginários” seriam Deus, os anjos, Jesus, e todos os seres espirituais que não vemos, mas cremos que existem. Por crermos nisso, falamos com Cristo em oração, meditação e leitura da Bíblia. A paródia é clara: Deus não passa de um amigo imaginário, como aqueles que criamos na infância, ou seja, é até normal para uma criança, mas inadequado para quem já é crescido. Adultos que insistem em acreditar nesse “amigo imaginário” seriam estúpidos. Será? 170

REVISTA MAIS DESTAQUE

Se levarmos a sério o conteúdo desse slogan, devo entender que também sou estúpido, já que acredito em Deus. Isso também se aplica a você, leitor, caso também acredite em Deus. Aliás, o qualitativo de estupidez se aplicaria quase à totalidade da população mundial, afinal, estatísticas feitas por diferentes entidades apontam que a fatia populacional que ainda crê em algum tipo de divindade gira entre 95 e 97%. Seríamos, então, todos estúpidos? Em 12 de abril de 1961, Yuri Gagarin, um jovem piloto de 27 anos, ficou famoso por ser o primeiro cosmonauta a orbitar em torno da terra. Foi considerado o “orgulho da nação soviética” e sua fama ficou ainda maior por causa da competição espacial entre Estados Unidos e Rússia. Ao voltar, Gagarin disse uma frase que marcou muitas pessoas. Ele afirmou: “Eu fui ao céu e não vi Deus lá”. Você já ouviu falar em Tomé, ver para crer? Muitos Tomés modernos continuam apresentando as suas dúvidas e repetem as citações de Gagarin. Há pouco tempo, um grupo de professores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), um dos mais respeitados do mundo, apresentou um protesto contra a apresentação de um evento acadêmico, porém religioso, que seria realizado no campus. Eles diziam: “Não queremos esse tipo de gente aqui. No MIT, a ciência e a tecnologia são os únicos deuses a quem servimos”. Forte, não? Devemos ser bastantes científicos em nossa análise dos fatos. Dizer que não há espaço para Deus no mundo acadêmico, ou religião e espiritualidade são coisas para serem exercidas fora da universidade são afirmações gratuitas até que sejam amparados por um método científico que as valide. Pelo menos aprendemos que uma declaração científica funciona desta forma, em contraste com as afirmações populares formadas pelo senso comum. Dizer que Deus não cabe IMAGENS: STOCK.XCHNG


evidências A frequência religiosa, ainda que mensal, reduz em mais de 50% as chances de uma pessoa adquirir doenças como enfisema, cirrose, depressão, tentativa de suicídio e alguns tipos de câncer

na universidade sem uma pesquisa é apenas um preconceito significativamente leigo. Vamos sistematizar a tese inicial dos céticos nas palavras do doutor Rodney Stark, que lecionou sociologia na universidade de Washington por mais de 30 anos. Ele afirmou: “Na época do Iluminismo, muitos intelectuais do ocidente anteciparam com ardor a morte da religião, do mesmo modo que os judeus esperavam a vinda de um messias. Os mais notórios nomes da sociologia, antropologia e psicologia tinham quase unanimemente expressado sua confiança de que senão seus filhos, certamente seus netos, viveriam para ver o despertar de uma nova era na qual, parafraseando Freud, as ilusões infantis da religião teriam desaparecido”. As evidências de campo não condizem com esta previsão. Pelo contrário, é surpreendente como a religião permanece firme na suposta era pós-fé ou pós-cristã. Mesmo teólogos liberais como Harvey Cox, John Rick e outros, se surpreenderam pela maneira como a religião tem sobrevivido à oposição e opressão criada por diferentes formas de antirreligiosidade moderna, que vão desde a secularização, passam pelo cientificismo, e vão ao materialismo e comunismo ateístas. 172

REVISTA MAIS DESTAQUE

O doutor Herbert Benson está há mais de 35 anos à frente do instituto Mente e Corpo, da faculdade de medicina de Harvard, Estados Unidos. Ali mesmo, por décadas, ele tem se dedicado a pesquisas que mostram como a meditação e a fé em Deus melhoram a saúde. Até doenças crônicas e tratamentos químicos fortes, como os de câncer, podem ter seus efeitos aliviados. Estaria o professor de Harvard falando uma besteira ou errado em propor um estudo laboratorial sobre a fé da humanidade? Ele é específico ao dizer “fé em Deus” e não fé em uma potencialidade interna ou no exercício do poder do pensamento positivo. Seu assunto é espiritualidade e não otimismo mental. Pesquisadores de medicina da universidade de Johns Hopkins, liderados pelo doutor Jeffrey Levine, concluíram que a frequência religiosa, ainda que mensal, reduz em mais de 50% as chances de uma pessoa adquirir doenças como enfisema, cirrose, depressão, tentativa de suicídio e alguns tipos de câncer. Partindo desta premissa, será que é realmente estupidez acreditar em “amigos imaginários”, como disse Dawkins? E em caso positivo, que estupidez é essa que traz tantos benefícios? Essas respostas você vai descobrir na próxima edição da Mais Destaque, aqui na seção Evidências. Até lá! IMAGENS: STOCK.XCHNG


aconteceu comigo

“Não sinto falta

de andar” Por Vanessa Moraes

Leandro ficou paraplégico por causa de um acidente, mas, diante de tantos desafios, buscou a liberdade e a independência que a cadeira de rodas pode dar

E

ra um dia normal. Leandro Xavier Lisboa, 31 anos, acordou atrasado para o trabalho. Com pressa, decidiu usar sua moto para chegar mais rápido ao hospital e cumprir o expediente. As horas passaram tranquilamente. Às 17 horas do dia 14 de outubro de 2009, Leandro saiu do trabalho, subiu na moto e se pôs a caminho de casa. Em um piscar de olhos estava num hospital, não para trabalhar, mas porque havia acabado de sofrer um acidente que o deixou paraplégico. Natural de São Paulo, Leandro é solteiro, mora com a mãe e tem três irmãos casados. Conheceu a Igreja Adventista, praticamente, desde que nasceu. Além de trabalhar no hospital, o rapaz organizava eventos góspeis em parceria com seu amigo Edmilson. Um deles era o AdventoPlay, dia anual de descontração no parque de diversões Playcenter, em São

Paulo, que reunia adventistas de várias regiões para assistir às apresentações musicais de cantores adventistas, como o quarteto Communion, Alessandra Samadello, entre outros. Para facilitar o trabalho, a dupla de organizadores resolveu comprar uma moto para vender ingressos e abastecer postos de venda. Leandro não gostava de utilizar a moto para chegar ao trabalho, no hospital, pois o trajeto era perigoso para motoqueiros. Mas no dia em que acordou atrasado, decidiu usá-la para não perder tempo. Mal sabia que essa escolha traria consequências para a vida toda. “Não sei como o acidente ocorreu, só sei que colidi com um caminhão e voei de cabeça em um poste. Inclusive um cinegrafista amador filmou algumas cenas do resgate”, conta o jovem, que sofreu uma lesão medular. O acidente atingiu sua nona vértebra e foi IMAGENS: ARQUIVO PESSOAL

174

REVISTA MAIS DESTAQUE


Adoro esportes radicais, inclusive já saltei de paraquedas. Sou totalmente independente, graças a Deus preciso fazer uma cirurgia para colocar hastes e parafusos a fim de fixá-a. Caído no chão, o rapaz perguntou aos bombeiros se o acidente havia realmente ocorrido. Ele só percebeu a gravidade depois de passar uma noite no hospital, onde amigos e familiares temiam sua reação, pois ainda não sabia que havia perdido o movimento das pernas e ficaria sem andar. “Fui percebendo por mim mesmo. Ninguém me falou absolutamente nada. No início achei que seria ‘curado’, mas ninguém, nem médicos ou enfermeiros sabem explicar como é a lesão medular e como funciona o corpo pós-lesão. Aprendi tudo depois que fiquei internado por 45 dias na rede de reabilitação Lucy Montoro, em São Paulo. Mas aceitei numa boa. As pessoas oraram por mim e creio que isso fez toda a diferença. Sou eternamente grato por isso”, expõe. Tratamento

Vida de cadeirante não é fácil, ainda mais para quem não está acostumado. No início, há dificuldades para executar qualquer atividade, como conta Leandro. “É estranho não sentir a metade do corpo. Ter que segurar a perna e movê-la com as mãos para cruzá-las a fim de conseguir se virar na cama para dormir melhor era muito complicado e tudo era novo no começo. Através da internet conheci pessoas que estavam na mesma condição que eu e já eram independentes. Então pensei: ‘se elas podem, eu também posso, também consigo’. E a gente descobre que a cadeira não prende ninguém, ao contrário, liberta”. No início, até as tarefas mais simples tornaram-se complicadas, como calçar uma meia ou um tênis. Para aprender a ser independente, o jovem contou com o apoio da fisioterapia ou Terapia Ocupacional (TO). “Hoje não faço mais tratamento, mas sempre que posso, pego meu carro, que é adaptado, e desço para uma represa. Lá pratico remo, faço Cooper e o famoso ‘bater cadeira’ em parques e ciclovias. Adoro esportes radicais, inclusive já saltei de paraquedas. Sou totalmente independente, graças a Deus”, comenta. Ninguém sabe se Leandro poderá voltar a andar algum dia. Depende da regeneração de sua medula. Enquanto isso, leva a vida normalmente, mesmo na cadeira de rodas. “Faço de tudo, mas de uma maneira diferente. Não sinto falta de andar”, assume.

“O excesso de cuidado é meio chato. (...) as pessoas têm boa vontade, mas só porque estou na cadeira de rodas não significa que preciso ser ajudado em tudo”

Dificuldades A lesão medular também trouxe outros problemas, como a falta de sensibilidade, por exemplo. “O cuidado precisa ser redobrado, pois qualquer machucado leva um tempo maior para cicatrizar por causa da má circulação”, explica Leandro. Entre outras dificuldades, as pernas e os pés incham por ficarem muito tempo na mesma posição, por isso, é precisa movê-los frequentemente para estimular a circulação. Ele REVISTA MAIS DESTAQUE

175


aconteceu comigo auxílio. “Acessibilidade é eu poder ir e vir sem precisar de ajuda. O excesso de cuidado é meio chato. Eu sei que as pessoas têm boa vontade, mas só porque estou na cadeira de rodas não significa que preciso ser ajudado em tudo”, desabafa. Desafios

também faz um acompanhamento anual de ultrassom de rins e vias urinárias. Os problemas se estendem aos transportes públicos. A falta de acessibilidade nas ruas, comércios e banheiros dificultam a vida dos cadeirantes. Leandro reclama que a cidade não foi pensada para quem tem deficiência física e que as estruturas deviam ganhar mais atenção, já que a maioria dos comércios possui degraus, as calçadas têm buracos e não são todos os lugares que possuem rampa. O que mais incomoda o rapaz são as pessoas confundirem acesso com

Leandro ainda acrescenta que se uma pessoa limitada precisar de ajuda, pedirá. Se alguém oferecer e houver recusa, é porque consegue fazer sozinha. “Às vezes, quando chego à igreja, antes de sair do carro costumo pedir para algum dos líderes ou até mesmo o pastor, que se sente em minha cadeira e se locomova sozinho até a igreja e o banheiro sem pedir nenhuma ajuda. Isso serve para eu saber se terei dificuldades e para que eles consigam entender minha situação, a fim de procurar por melhoras”, explica. Mesmo com tantas dificuldades, Leandro mostra humor e alegria. Certo dia estava a caminho do trabalho e ao chegar à estação de metrô preferiu subir as escadas rolantes a esperar o elevador, para ganhar tempo. Encaixou a roda dianteira da cadeira no degrau e apoiou as duas mãos no corrimão, uma de cada lado. A estação estava muito movimentada, era o famoso “horário de pico”. A escada parou de funcionar quando ele estava no meio. “Todo mundo ficou atrás de mim esperando eu sair. Olhei para trás com dificuldade e falei: ‘É, gente, não tem o que fazer. Gostaria de sair andando, mas não posso’. Todos tiveram que voltar e subir pela escada convencional, ao lado, enquanto eu aguardava um funcionário. O pessoal passava olhando para mim, sem saber o que fazer, e eu com um sorriso desejava bom dia a todos eles”, lembra. Leandro nunca passou por situações de discriminação, mas já ouviu conselhos que abomina, como a seguinte frase: “arrume uma mulher para cuidar de você”. Ele diz que um dia pretende casar e construir uma família, mas não com a intenção de que alguém cozinhe ou lave suas roupas. “Se eu quisesse uma mulher para fazer isso arrumaria uma empregada. Moro com minha mãe e posso assegurar que não dou nenhum trabalho, muito pelo contrário, se pre-

cisar fazer uma comidinha ou varrer a casa, eu faço. Não fica perfeito, mas dá para sobreviver”, brinca. O rapaz ainda é questionado sobre sua vida amorosa. Antes do acidente, namorou por cinco anos e fazia planos para casar. Como o relacionamento não viu futuro, muitos pensam que foi devido à cadeira de rodas, mas Leandro comenta que não foi assim, pois, no momento mais difícil de sua vida, a namorada, na época, ajudou a cuidar dele. “Após a lesão ficamos mais um ano juntos, mas não deu certo e decidimos terminar. O que ela fez por mim foi simplesmente espetacular. Sacrificou-se e perdeu noites de sono por minha causa. Hoje, falo com ela normalmente e sempre que posso visito seus pais, que também me deram a maior força”, revela. Vida espiritual

Apesar de já ter sofrido com diversas surpresas desagradáveis ao longo da vida, Leandro afirma que nunca amaldiçoou ou culpou a Deus por nada. O verso bíblico que o conforta está no livro de João 16:33: “... no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”. Ele sabe que Jesus sofreu insultos, perseguições e humilhações quando viveu neste mundo. “Se até Cristo passou por isso, quem somos nós para reclamar da vida? Devemos olhar para o exemplo dEle e confiar na sua promessa de um dia viver no Céu, onde não haverá morte, tristeza, choro nem dor”, acredita. Atualmente, Leandro trabalha com palestras motivacionais em empresas e eventos. Dizer que as pessoas devem aproveitar as oportunidades, mas recusar regalias é um dos seus maiores conselhos. “Tudo o que é suado é mais valorizado”, aponta. Para quem vive em cadeira de rodas, o jovem incentiva a buscar a realização dos sonhos, pedir ajuda se necessário e recusá-la quando não precisar. “Nunca deixe ninguém dizer que você não pode isso ou aquilo porque tem uma limitação. Costumo dizer que não existem pessoas deficientes, pois elas estão por aí, na luta do dia a dia. Deficientes são os locais que não têm acessibilidade. Você pode tudo, basta dar o primeiro passo, ou a primeira tocada de rodas”, conclui. IMAGENS: ARQUIVO PESSOAL

176

REVISTA MAIS DESTAQUE


reflexão

Uso estratégico do tempo

“Tudo tem seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu” (Eclesiastes 3:1) Leonino Santiago é presidente da União Norte Brasileira (UNB)

Aproveite o tempo que Deus te dá para priorizar tudo o que é importante na sua vida

Q

uando esteve na terra, Jesus trouxe majestade, deixou um exemplo de vida e demonstrou que para trilhar um determinado caminho é necessário fazer uma escolha cuidadosa. Às multidões que O seguiam, nunca deu a impressão de que havia algo mais importante do que Seus interesses pessoais, que eram, por exemplo, disseminar o evangelho e salvar pessoas. Para isso, Jesus usou o tempo. Tempo para orar, curar, servir, falar e ouvir. Tudo em seu devido momento. Calendários e relógios são instrumentos que usamos para medir o tempo, mas não são o tempo em si. Eles mostram apenas a duração, o momento em que as coisas acontecem. Para nós, talvez, o mais interessante seja levar em conta a importância da duração das situações que vivemos e não o tempo em que elas ocorrem. Veja três ocasiões em que o tempo precisa ser usado estrategicamente para melhor proveito: Lembre-se dos minutos

178

Não considere o dia como um “pacote” de 24 horas. Dê importância aos minutos, como por exemplo, meia hora. Se cuidarmos deles, as horas serão melhores aproveitadas. REVISTA MAIS DESTAQUE

Avalie as prioridades Gastamos muito tempo em atividades secundárias e procrastinamos as principais. Muitos de nós temos a infeliz tendência de nos apegar tanto às tarefas secundárias que não nos sobra nenhum tempo para as primárias e aí ficamos enrolados. Precisamos avaliar o que realmente importa e criar objetivos para não perder o foco. Comece a planejar

Sem uma idealização apropriada, nossa tendência é ficar à deriva. Se nossa vida é um plano de Deus, há atividades adequadas para cada momento e Deus vai nos orientar conforme oramos e planejamos. É bom reconhecer que mesmo dando tudo de nós para executarmos determinadas atividades, ainda haverá uma enorme carência, pois não podemos atender todas as necessidades e, por melhor que façamos as coisas, sempre haverá algo a ser melhorado. Não podemos fazer tudo ao mesmo tempo. Se diante de Deus planejamos o nosso dia, seguindo as sugestões aqui apresentadas e procurando pedir a direção de Cristo, Ele vai nos ajudar e o

nosso tempo será estrategicamente usado, tanto para o nosso bem, como para cumprir a missão que Ele nos deixou: disseminar o evangelho. Desta forma, não precisamos sentir culpa quando um dos itens planejados não for cumprido. Se alguma prioridade da lista diária não pode ser feita, Deus o ajudará a conseguir mais tempo para finalizá-la de maneira bem feita e com muito sucesso. Lembre-se de que até Jesus não fez tudo o que podia. Não porque não quis, mas porque outros não quiseram. Ele poderia ter curado todos os enfermos, mas não foram todos os doentes que o procuraram ou quiseram ser curados. Ele poderia ter realizado infinitos milagres para satisfazer as pessoas, de acordo com os princípios sagrados, mas poucos acreditaram em Seu poder. Ele poderia alcançar a todos, mas nem todo mundo quis ser alcançado. Mesmo assim, Jesus fez tudo dentro do seu tempo. Deixe Cristo guiar a sua vida e você verá como o tempo será melhor aproveitado. Na correria do dia a dia, o tempo é precioso e não deve ser desperdiçado. Ore. Deus o ajudará a utilizar o tempo de forma organizada, estratégica e inteligente. Só assim você poderá aproveitar cada segundo de vida que lhe é dado e saberá o valor que tem. IMAGEM: FREEPIK


Alcançando Corações  
Alcançando Corações  

A Comunidade Adventista do Morumbi (CAM) desenvolveu metodologias estratégicas para alcançar os moradores do Morumbi, região localizada no e...

Advertisement