Page 1

mais

acao

Boletim informativo das Associações de Moradores SABABV e SAJAPE

Rotatórias segurança no trânsito Depois de muitos meses de obras, que envolveram diversas alterações no projeto, as rotatórias da Marechal Deodoro foram finalmente concluídas, e a sinalização horizontal foi implantada. Falta ainda a sinalização vertical solicitada pelas associações, e prometida pela CET, até porque já deu para notar que muitos motoristas ainda não entenderam como proceder nessas esquinas. A consolidação do uso desse recurso, que se baseia em um conceito de segurança de trânsito já consagrado em muitas metrópoles, depende agora da conduta de cada um de nós. As orientações sobre como trafegar em uma rotatória estão no site das associações, mas podem ser resumidas em uma regra básica: a preferência da circulação é sempre do veículo que já está na rotatória, independentemente da via da qual ele chega. Ficou mais claro? Faça a sua parte, ajude a incorporar em seu dia-a-dia essa nova cultura de trânsito que ajudará a garantir a segurança e a tranqüilidade de todos nós.

ANO 2 – NÚMERO 6 – março DE 2009

Eleição da diretoria da SAJAPE No dia 11 de maio, às 20h, acontecerá a eleição da nova diretoria da SAJAPE. Os interessados devem apresentar sua chapa até o dia 27 de abril, por e-mail ou pessoalmente na sede da associação, onde será realizada a eleição. Os cargos eletivos são: u

diretor presidente,

u

diretor vice-presidente, e

u

diretor administrativo-financeiro.

Será eleito, também, o novo conselho fiscal composto por três membros. Outras informações pelo telefone: 3854-7372 ou por e-mail: secretaria@sajape.org.br.

Novo Acordo Ortográfico Como todos já sabem, o Novo Acordo Ortográfico passou a valer desde o dia 1º de janeiro, convivendo, entretanto, com a ortografia antiga até 2012. Cecília Carneiro de Oliveira

Entretanto, como muitas dúvidas ainda pairam sobre a grafia de algumas palavras – sobretudo naquelas com hífen –, o Conselho Editorial do Mais Ação optou por adotar a nova ortografia após a publicação do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) pela Academia Brasileira de Letras, depois que forem resolvidos todos os questionamentos a respeito. Rotatórias obrigam redução da velocidade (veja matéria na p. 10)

Sabesp reforma calçada para aumentar a permeabilidade do solo

Cecília Carneiro de Oliveira

Ao ser procurada por nossa reportagem, a Sabesp informou que se tratava do atendimento a uma solicitação da SABABV, o que nos deixou perplexos. A associação nunca procurou a Sabesp com tal pedido. Pensamos, portanto, que se trata de uma solicitação de um morador do bairro. Embora a SABABV incentive qualquer ação para melhorar a permeabilidade do solo, a associação expressa sua preocupação com a acessibilidade para carrinhos de crianças e para pessoas idosas ou com dificuldade locomotoras, pois aparentemente o piso vai ficar bastante irregular.

Chamadas Leia sobre a perda de poder das Subprefeituras

p. 3

Veja a bagunça que virou nosso Ecoponto

p. 4

Nada como um chá para adoçar as relações

p. 5

“Parque cercado. O copo está meio cheio ou meio vazio?”

p. 12


2 • Mais Ação

Paulo Eiró Paulo Francisco Emílio de Sales, o poeta Paulo Eiró, nasceu em 15 de abril de 1836, no então município de Santo Amaro. Dono de um talento privilegiado, não pôde ter uma vida feliz. Aos 11 anos apaixonou-se pela prima Cherubina Angélica de Salles que, embora tenha sido sua musa por toda a vida, era indiferente à voz do poeta. Depois de assistir ao casamento dela, surgiram os primeiros sintomas de uma melancolia profunda que o acompanhou até o fim de sua vida: durante dias, o poeta caminhava absorto e recusava-se a comer. Posteriormente, Paulo Eiró ingressou na Faculdade de Direito. Suas poesias, declamadas nas escadarias da São Francisco, não foram suficientes para impedir suas crises, que acabaram levando-o ao Hospício dos Alienados, onde faleceu de meningite em 1871, aos 36 anos de idade.

O teatro Localizado na Avenida Adolfo Pinheiro, 765, com 600 lugares, foi oficialmente inaugurado no dia 23 de março de 1957, com a encenação da peça “Sangue Limpo”. O Teatro é fruto de uma política cultural que buscava popularizar as artes cênicas, por meio da descentralização das casas de espetáculos. Em 1968, em uma homenagem ao poeta e dramaturgo brasileiro Paulo Eiró, foi instalado o mural em frente ao teatro, idealizado e construído pelo escultor Julio Guerra, descendente do homenageado. O mural foi inspirado na obra do poeta e levou cerca de três anos de trabalho, feito em mosaico de cimento armado, pedras e mármore.

Expediente Associação de Moradores dos Jardins Petrópolis e dos Estados – SAJAPE Associação de Moradores do Bairro Alto da Boa Vista – SABABV

Endereço para correspondência R. das Sempre-vivas, 77 – 04704-030 – São Paulo – SP

Contato SAJAPE: Fone/Fax: (11) 3854.7372 Endereço eletrônico: www.sajape.org.br e-mail: sajape@sajape.org.br SABABV Fone/Fax: (11) 5532.1367 Endereço eletrônico: www.altodaboavista.org.br e-mail: sababv@altodaboavista.org.br Redação Conselho editorial: Cristina Antunes, Cecília Carneiro de Oliveira, Olga Saias, Cida Teixeira e Mônica Hamada. Tiragem: 4.000 exemplares Jornalista responsável Cida Teixeira (MTb 12.571) e-mail: cida.teixeira@uol.com.br Projeto gráfico e diagramação Ampel Produções Editoriais Tel.: (11) 5535.2589 e-mail: ampel@ampel.com.br

Metrô anuncia desapropriações em Santo Amaro Notícias nos jornais preocupam moradores Para eliminar as dúvidas suscitadas por uma série de reportagens inquietantes veiculadas nas últimas semanas, representantes da SAJAPE e da SABABV estiveram em reunião com técnicos do Metrô para receber, diretamente na fonte, informações precisas sobre a localização das estações da Linha 5 e sobre as áreas a serem desapropriadas. A Linha 5 terá cinco estações no trecho entre o Largo 13 e a Av. dos Bandeirantes: Adolfo Pinheiro, na área onde atualmente funciona a Galeria Borba Gato; u Fraternidade, na área entre as Ruas Granja Julieta e Madre Rita Amada de Jesus, no alinhamento da Av. Santo Amaro, sentido bairro; u Borba Gato, na área triangular onde hoje está o Banco Itaú, atrás da estátua do Borba Gato; u Brooklin, no alinhamento da Av. Santo Amaro, sentido bairro, na altura da Hobby Sports, chegando até a Rua Dr. José Marques da Cruz, junto ao lado par da Av. Roque Petroni Jr., que será ligada ao outro lado da avenida por meio de passarela elevada; e u Água Espraiada, que será executada nos baixos do viaduto que transporá essa avenida pela Av. Santo Amaro. u

Junto à Av. dos Bandeirantes, uma área de cerca de 10.000 m2 abrigará a subestação de força, que alimentará toda a extensão da Linha 5. Como em todas as linhas, o projeto da Linha 5 também prevê a execução de poços de ventilação e saídas de emergência a meia distância entre as estações, assim como alguns acessos subterrâneos a partir das calçadas opostas à calçada de cada estação. Com exceção da estação Água Espraiada, as demais terão bicicletário e estacionamento, e a laje superior será uma praça urbana para circulação e acesso às escadas rolantes, com paisagismo de árvores e canteiros. Três estações estarão em operação ao final de 2010: Adolfo Pinheiro, Borba Gato e Brooklin.

Informe-se sobre os procedimentos de desapropriação O Decreto nº 54.069, que traz as áreas a serem desapropriadas, foi publicado no Diário Oficial do Estado no dia 27 de fevereiro. Segundo os técnicos, os proprietários de imóveis declarados de utilidade pública já receberam a visita de representantes da empresa, que manterá um posto avançado de informações junto ao canteiro de obras da estação Adolfo Pinheiro. Os proprietários que optarem por discutir judicialmente a avaliação de seus imóveis poderão sacar até 80% do valor que será depositado antecipadamente pela Cia. do Metrô.

Aguarde a apresentação do projeto completo A Cia. do Metrô promete fazer uma apresentação do projeto para todos os interessados, com detalhes das plataformas e do paisagismo previsto para o entorno. Por solicitação das associações, a apresentação ocorrerá em nossa região, em data ainda a ser divulgada. Outras informações estão disponíveis no site da Cia. do Metrô: www.metro.sp.gov.br. No menu superior da página, clique em expansão. Na página que se abre, no menu lateral, escolha linha 5 e, depois, desapropriação.

Reuniões das associações As reuniões da SABABV e da SAJAPE ocorrem sempre nas segundas segundas-feiras do mês, na sede das associações. Para melhor aproveitamento do tempo, a pauta da reunião é distribuída sempre com uma semana de antecedência. Se quiser, solicite por e-mail que seu nome seja incluído na lista de distribuição da pauta: secretaria@sajape.org.br. Se desejar incluir um assunto, mande um e-mail com tal solicitação e não deixe de comparecer à reunião para expô-lo, pois as pessoas talvez não tenham conhecimento dele. Por uma questão de ordem, solicitamos aos moradores que sigam esses procedimentos. Sair da pauta atrasa a reunião e é contraproducente.


Março de 2009 • 3 Editorial:

Subprefeituras perdem poder Providências iniciais da nova gestão indicam retrocesso no processo de descentralização administrativa e ainda maior restrição à autonomia das Subprefeituras Na contramão dos processos de consolidação da democracia participativa, e contrariando o desejo da sociedade civil organizada, o prefeito Kassab anunciou, logo no início da nova gestão, providências que resultam no aumento do desmonte das Subprefeituras, acompanhado pela redução do poder e da já precária autonomia que lhes havia outorgado a descentralização iniciada em 2001. A história se repete e se agrava: logo no início da gestão Serra, as coordenadorias de Saúde e Educação foram retiradas das subprefeituras, voltando à gestão centralizada nas respectivas secretarias. O impacto negativo do distanciamento da administração e da falta de poder local para decidir questões de interesse das comunidades foi sentido ao longo dos quatro anos que se seguiram. Ao lado dessas providências administrativas indesejáveis, ações da administração municipal levaram, logo no início daquela gestão, ao questionamento dos Conselhos de Representantes – uma conquista histórica da sociedade civil organizada, que àquele momento, e depois de anos de luta e empenho, já tinha data marcada para eleger seus representantes. Posteriormente, o serviço de limpeza pública, que havia sido transferido para as Subprefeituras, foi devolvido ao controle de Limpurb – uma repartição cujos funcionários sequer atendem aos telefonemas das entidades, que são obrigadas a utilizar o precário sistema do 156. Até mesmo a fiscalização das caçambas que se espalham por toda a cidade, descumprindo regras e amontoando lixo indevidamente, cabe à Limpurb – que quando questionada, alega falta de capacidade operacional para dar conta da tarefa.

O Conselho de Representantes – uma conquista histórica da sociedade civil organizada – foi questionado logo no início da primeira gestão Na área ambiental, os agrônomos da Coordenadoria de Serviços e Obras das Subprefeituras perderam a prerrogativa de tomar decisões a respeito de diversas ações locais – muitas vezes necessárias e urgentes –, e agora são informados pelo Diário Oficial sobre projetos e incorporações

de grande impacto ambiental em sua própria área geográfica de atuação. Os parques municipais, que por algum tempo estiveram sob a responsabilidade das subprefeituras, também voltaram ao comando da Secretaria do Verde e Meio Ambiente.

A descentralização administrativa é o único instrumento eficaz para garantir a efetiva participação da sociedade civil Na área jurídica, logo no início da gestão Serra, o então secretário Marrey retirou das Subprefeituras os raros procuradores municipais que ajudavam a agilizar ações e processos localmente. Essa equipe fundamental passou a atuar na Secretaria, e nunca mais se ouviu falar na promessa de apoio jurídico às subprefeituras.

As subprefeituras voltam a ser simples zeladorias De fato, os subprefeitos – que, pelo texto da lei, teriam status de secretário municipal – passaram os quatro anos desse primeiro mandato como subalternos, especialmente com relação à Secretaria de Coordenação das Subprefeituras – a qual, também por força de lei, deveria ter sido extinta tão logo as subprefeituras fossem criadas. Agora, logo no início desta gestão, novos golpes: as Coordenadorias de Assistência Social das Subprefeituras foram extintas, e as ações locais voltaram ao comando da secretaria municipal, sob a batuta da vice-prefeita, que acumula essa pasta. E duas novas Secretarias foram criadas: a Secretaria Especial de Controle Urbano, que passa a centralizar a fiscalização de usos e edificações irregulares; e a Secretaria de Desenvolvimento Urbano, que cuidará de questões relacionadas ao Plano Diretor e suas revisões. Com estas duas novas secretarias, o prefeito joga a “pá de cal” sobre duas supervisões fundamentais nas subprefeituras, que fazem parte da Coordenadoria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano (CPDU): a de Uso e Ocupação do Solo, encarregada da fiscalização, e a de Planejamento Urbano, à qual cabiam, até agora, as propostas relacionadas ao Plano Diretor.

Como agravante, já se anuncia que os novos secretários poderão dispor dos funcionários das subprefeituras para a consecução de suas próprias atividades. É extremamente preocupante a atitude do Prefeito Kassab. A descentralização de fato, com aumento efetivo do poder local, é um desejo antigo da sociedade e um processo necessário para a modernização administrativa. A retirada da ainda precária autonomia concedida às subprefeituras pelo decreto de descentralização representa um grave retrocesso no processo de consolidação da democracia participativa. O distanciamento administrativo em uma cidade com as dimensões de São Paulo reproduz, no nível municipal, a mesma chaga que já nos afeta com relação a nossos representantes no nível federal – afastados das realidades locais, nem mesmo bons administradores poderão compreender e enfrentar as mazelas e as demandas das comunidades. Em uma cidade de mais de 11 milhões de habitantes, a descentralização administrativa é o único instrumento eficaz para garantir a efetiva participação da sociedade civil e para inibir as pressões políticas e os interesses pessoais que por tantos anos interferiram na gestão pública e comprometeram o desempenho de bons administradores. Desde que bem implementada, a descentralização abre espaço para o aprimoramento das políticas públicas, a transparência das ações e a co-responsabilização de todos os segmentos da sociedade civil com relação à gestão municipal e ao futuro de nossa cidade. Vale lembrar que o aumento da autonomia das subprefeituras – inclusive com maior participação no orçamento, em função de suas características e necessidades específicas – esteve no centro das “sugestões” encaminhadas por diversas entidades da sociedade civil ao coordenador da campanha do prefeito Kassab, Afif Domingues, em diversos encontros promovidos por ele nos meses de setembro e outubro de 2008 – alegadamente, para ouvir os desejos da sociedade civil. Texto produzido para o Grupo de trabalho Democracia Participativa do Movimento Nossa SP (visite o site: www.nossasaopaulo.org.br)


4 • Mais Ação

Nosso EcoPonto: que bagunça é essa?

Cecília Carneiro de Oliveira

da área por tratar-se de iniciativa social e cultural, absolutamente sem nenhum fim lucrativo e por curto espaço de tempo. Achei que desta forma estaríamos colaborando com SPTuris que a cada ano se aprimora e nos oferece um carnaval com nível cada vez mais elevado”. A resposta do Subprefeito Geraldo Mantovani ignorou dois fatos fundamentais:

A Flor-de-Liz abandonou alegoria na Praça Fausto Camunha, que NÃO havia sido cedida pela Subprefeitura

No dia do aniversário de São Paulo, ao passar pelo EcoPonto da Av. Vicente Rao, moradores do bairro observaram que uma escola de samba havia instalado no local uma oficina para montar seus carros alegóricos. Informada de que a própria Subprefeitura de Santo Amaro havia autorizado o uso para esse fim, a SAJAPE enviou nota para a coluna São Paulo Reclama, do jornal O Estado de São Paulo, que questionou o Subprefeito. O Subprefeito de Santo Amaro, Geraldo Mantovani, respondeu, também pela coluna, explicando que a autorização para que a

escola de samba Flor de Liz, do Jabaquara, utilizasse a área pública anexa ao EcoPonto foi dada para que fossem feitos os últimos retoques nos carros alegóricos; desde que não existisse incômodo. Segundo o subprefeito, a permanência desses equipamentos e o comportamento de seus responsáveis seriam monitorados diariamente pela subprefeitura, o que obviamente não aconteceu. Na nota, Mantovani fez a seguinte afirmação: “inclusive tomei a liberdade de conversar com alguns moradores do entorno que me disseram que a permanência dos carros não os incomoda. Autorizei o uso

A comunidade se pronuncia Muitos moradores enviaram e-mails ao Subprefeito reclamando da cessão do EcoPonto. A SAJAPE encaminhou ofício ao Prefeito Gilberto Kassab, ao Secretário de Coordenação das Subprefeituras Andrea Matarazzo, ao Deputado Estadual Barros Munhoz (e ex-Subprefeito de Santo Amaro) e ao programa Amigos da Notícia, mantido pela Rede Globo para contatos de interesse das comunidades. Esses documentos estão disponíveis no site da associação.

1. A escola de samba instalou uma oficina no local para montar os carros alegóricos, não apenas para retoques. A lei 13.885/04 proíbe o funcionamento de oficina no local. Portanto, a cessão não poderia ter sido feita, por descumprir a lei de uso e ocupação do solo. 2. A cessão de área pública deve obedecer a um rito determinado pela própria legislação, para abrir a mesma oportunidade a outros interessados. Ainda que o uso fosse permitido, por que motivo essa escola seria beneficiada, e não outra escola ou outra entidade que também tivesse interesse no local? Mas os desmandos não pararam por aí. Após a retirada dos carros alegóricos e diante da pressão da associação, indignada com os estragos e a sujeira que a Flor-de-Liz deixou no local, a Subprefeitura mandou sua própria equipe para remover o lixo e reinstalar os portões que haviam sido removidos, além de fazer reparos na parte elétrica que havia sido danificada. Ou seja, depois de suportar todos os transtornos causados por essa ação desastrada da Subprefeitura, os custos para a recuperação de nosso EcoPonto ainda recaem sobre cada um de nós.

Confusão conceitual À Subprefeitura de Santo Amaro At.: Sr. Geraldo Mantovani Reitero os e-mails recebido dos moradores José Manuel e Marília Medeiros e quero acrescentar que acho que a Subprefeitura está fazendo uma confusão conceitual grave do que é EcoPonto. EcoPonto não é um lugar para colocar todo tipo de lixo e em qualquer quantidade. Espero que o leão seja retirado de lá, e que a reparação dos danos deixados pela escola de samba seja feita o mais rápido possível. Sr. Geraldo, a SPTuris deixa assim a cidade depois do carnaval? E quanto ao problema social que o senhor motivou com a abertura dos portões do EcoPonto? Há vários sem-teto lá dentro. Sei que o senhor não deixará esse descalabro, porque o que o motivou só foram boas intenções sociais e culturais que envolvem a escola de samba. E é desse coração tão generoso que esperamos que a ordem se restabeleça! Eliane Moll (moradora do pedaço!)

Associação Pedagógica Rudolf Steiner Rua Job Lane, 900 CEP 04639-001 Alto da Boa Vista – São Paulo Tel.: 11 5523.6655 Fax: 5686.9863 e-mail: escola@ewrs.com.br site: www.ewrs.com.br


Março de 2009 • 5

A herborista Quem não concorda que o chá adoça as relações?

Cecília Carneiro de Oliveira

Sylvia Rodrigues, que já trabalhou na Welleda, agora inaugurou um espaço especializado em chás no Alto da Boa Vista – o Teakettle

T

odo herborista tem em mente descobrir e criar a fórmula do elixir do amor, da juventude e da longevidade. Enquanto caminha nessa prazerosa missão, depara-se com a magia de infinitas misturas e infusões de plantas que o remetem a lugares distantes e culturas místicas, possibilitando a busca de uma medicina mais doce para a cura do espírito e do corpo. Sem a pretensão de consertar o mundo, essas infusões mexem com os sentidos e acalentam a alma. Participar de uma cerimônia do chá nos leva a dar uma volta ao mundo dentro de uma chaleira.

Na China, o chá é servido em copos de cerâmica; na Inglaterra o “Chá das cinco” é servido com leite e acompanhado de Scones; na França, as madeleines de Proust; na Turquia, em pequenos copos de vidro tulipa; na Rússia, o Samovar. O Masala Chai, na Índia, é bebido em todos os cantos, inclusive nas ruas. Em todos os lugares o chá é uma expressão de hospitalidade, harmonia e beleza. O mundo do chá é vasto e suficientemente grande para satisfazer todos os gostos. Pela manhã o chá tomado ao acordar, é simples e rápido de se preparar. Durante o almoço, estimulante e digestivo. O chá é rico em teína, taninos que facilitam a digestão. Por isso é aconselhável não consumi-lo com açúcar ou leite. Chás aromatizados, com notas de baunilha, especiarias e flores são recomendados para a tarde e para a noite, e podem ser acompanhados de açúcar e leite. Quando comecei a estudar e a apreciar os chás e as suas cerimônias, aprendi que existem quatro virtudes que devem ser lembradas pelos amantes e conhecedores do chá: u

u

u

Harmonia: implica um estado de pacificação interior. Respeito: exprime a atitude dos participantes, com detalhes da preparação do chá.

carolina gurgel

O chá pelo mundo

“É verdade, tenho maus hábitos! Tomo chá as três”. (Mick Jagger) u

Serenidade: difícil de ser explicada, tem uma explicação filosófica tipicamente oriental e, sobretudo Zen. Resulta da prática das outras três virtudes, completando-as.

Em tempos tão tumultuados, uma pausa para tomar um chá torna-se indispensável como um momento de prazer e de saudação. Cada povo, à sua maneira, independente do tipo de chá, faz de seu ritual um ponto de contemplação e expressão de sua cultura. Convido cada um a tomar seu chá preferido e a se reportar a esses deliciosos caminhos de culturas diversas. Seja qual for a origem, a procedência ou cultura, aprecie um chá. Namastê Sylvia Rodrigues

Pureza: remete à pureza de pensamento no momento de se beber o chá.

Igreja Matriz de Santo Amaro passa por restauração Em que pese o aspecto da fé católica, digo que a recuperação do teto da Igreja de Santo Amaro – teto que estava começando a desabar e cujo local é tombado pelo patrimônio histórico – embarca aspectos cultural e histórico daquela construção que, praticamente, começou na fundação do bairro de Santo Amaro. Há bem pouco tempo, identificou-se que estava havendo o risco de desabamento daquele monumento histórico. A sociedade civil, então, reuniu-se – pessoalmente, participei, desde o início, de todas as reuniões – com os setores da Igreja Católica: Dom Fernando Figueiredo, bispo da região de Santo

Amaro, e que dirige, em conjunto com o Padre Marcelo, o Santuário do Padre Marcelo. Enfim, foi feita uma Associação Amigos da Catedral de Santo Amaro – cujo presidente é Dom Fernando – que reuniu uma série de pessoas do poder público e, também, da sociedade civil, representantes santoamarenses históricos, e foi realizada uma coleta de dinheiro, sem nenhuma participação de dinheiro público. Esse dinheiro foi doado por comerciantes, industriais, população, amigos da região de Santo Amaro e na restauração do teto da Igreja. Esta mesma Associação está com um projeto para recuperação de toda a Igreja de Santo Amaro. Este

projeto será apresentado ao Ministério da Cultura, através da Lei Rouanet, um projeto mais complexo para a recuperação de todo o prédio que tem uma série de abalos pelo tempo, pela trepidação dos ônibus, enfim, pelo desgaste natural. Portanto, queremos entregar totalmente recuperada para a cidade de São Paulo e para a região de Santo Amaro a Igreja de Santo Amaro, assim como foi entregue a Capela de São Miguel Paulista – marco histórico por ter sido a primeira capela construída no Planalto de Piratininga. Extraído do discurso do vereador Gilberto Natalini, no Plenário da Câmara, no dia 10 de fevereiro


6 • Mais Ação

Março de 2009 • 7

Cecília Carneiro de Oliveira

Campanha Salve o Verde

Mensagem do Conselho Gestor do Parque do Cordeiro

Parque Municipal do Cordeiro: uma conquista árdua, hoje consolidada Este Parque, com a primeira fase em funcionamento e dispondo de diversos equipamentos de lazer para várias faixas etárias, é, na realidade, por sua pequena dimensão, um Parque de vocação contemplativa, como uma grande praça para a comunidade confraternizar-se e desfrutar de lazer tranqüilo. É um Parque de todos, porém não um local onde “TUDO PODE”, inclusive danificá-lo e sujar com dejetos. As orientações a respeito da utilização de equipamentos e dependências do Parque foram elaboradas por responsáveis técnicos municipais para garantir o conforto e segurança de todos os freqüentadores e o Regulamento Geral do Parque está afixado na entrada do mesmo. Respeite, valorize e preserve o bem público!

Lançado em outubro do ano passado por iniciativa do jornal Viva News, que circula nos bairros do Campo Belo e Brooklin e com apoio da Nova Associação Pró Campo Belo (NAPCB) e Associação de Empreendedores e Moradores do Brooklin (AEMB), a campanha Salve o Verde vem conquistando novos passos com a adesão das principais associações da região de Santo Amaro. O projeto incentiva moradores, comerciantes e trabalhadores da região a defender ações em prol da natureza, conscientizando a população sobre a importância de plantar nos espaços possíveis, como praças, parques, calçadas, quintais, logradouros públicos e estacionamentos, e orientando sobre crimes ambientais, como a poda ilegal e irregular de árvores. E para tratar destes temas e da manutenção das árvores da nossa região, representantes da SAJAPE e SABABV participaram, no início de fevereiro, de uma reunião realizada no Viveiro Manequinho Lopes, com a Engenheira Agrônoma da Secretaria do Verde e Meio Ambiente, Cyra Malta Olegário da Costa, do DEPAVE 2, e com o coordenador de biodiversidade, o biólogo Renier Marcos Rotermund, da NGD Sul. Cyra Malta esclareceu que as equipes de manutenção da SVMA não estão ainda realizando tratamento fitossanitário nas árvores da cidade de São Paulo, porque aguardam os resultados do trabalho do Instituto Biológico para terem base para uma normatização. Renier Marcos avaliará e programará serviços nas áreas de abrangência das associações, atendendo às demandas da Subprefeitura de Santo Amaro. Ele participou da reunião da campanha Salve o Verde para debater alguns dos temas relevantes do projeto, como uma das questões levantadas pelas associações sobre capacitação em poda de precisão. Cyra Malta indicou um contato das associações com Cristina Araujo, diretora da Escola de Jardinagem, que também será convidada para a próxima reunião do Salve o Verde.

Antes de plantar em áreas públicas, consulte a Prefeitura sobre as autorizações necessárias. SVMA: 3396-3000

Amigos da praça Os moradores das ruas José Morales Lopes, Luís Martins Araújo e Canumã, que no conjunto são conhecidas como “Bolsão da Canumã”, vêm há alguns meses se cotizando para cuidar da Praça Prof. Antonio Guariglia que interrompe a rua. Depois da primeira etapa, que constou da manutenção e limpeza com um jardineiro contratado, estes amigos da praça passam para a segunda fase, que, além da manutenção, trata também da reforma do playground, com a substituição de alguns dos brinquedos quebrados e outros perigosos por brinquedos ecológicos. A Subprefeitura deu também o seu apoio, transplantando árvores que estavam atrofiadas, retirando troncos caídos e árvores mortas e plantando grama. Como o grupo é pequeno e o fôlego é curto, estes dedicados moradores precisam de novas adesões.

arquivo sajape

Os interessados em ajudar podem enviar e-mail para: mari@santacomposicao.com.br, olga.saias@globo.com, ou secretaria@sajape.org.br. Se preferir, ligue para nossa sede: 3854-7372.

Respeite as árvores Ao realizar uma poda, é preciso ter em mente que estamos cometendo uma agressão a um organismo vivo, que possui estrutura e funções bem definidas e processos próprios de defesa contra seus inimigos naturais. Assim, a escolha do tipo de poda, a técnica de corte e a época da intervenção são decisões que contribuem para o bom desenvolvimento da árvore ou que podem condená-la a morte lenta. Fique atento às podas realizadas nas árvores em sua região. Só estão autorizados a fazer poda a Subprefeitura, a Eletropaulo e, em casos de emergência, os bombeiros e a defesa civil. Se alguém estiver podando uma árvore, é preciso que tenha em mãos o laudo técnico para poda ou remoção, emitido por agrônomo da Subprefeitura, acompanhado da respectiva autorização emitida pelo Subprefeito e do porte de motosserra, concedido pelo IBAMA. Exija esses dois documentos. Se o responsável não os apresentar, não tem autorização para realizar a poda.

Nesse caso, acione a Subprefeitura. Se esses dois documentos estão em dia, e mesmo assim você não concorda com a poda, fique atento aos critérios que estão valendo. A poda, na arborização urbana, visa basicamente: a) conferir à árvore uma forma adequada durante o seu desenvolvimento (poda de formação); b) eliminar ramos mortos, danificados, doentes ou praguejados (poda de limpeza); c) remover partes das árvores que colocam em risco a segurança das pessoas (poda de emergência); d) remover partes das árvores que interferem ou causam danos incontornáveis às edificações ou aos equipamentos urbanos (poda de adequação).

Plantando e descartando árvores Estamos nos dando conta da importância de plantar árvores. Pela sombra, pelos frutos, pelo verde, pelo seqüestro de carbono, pela manutenção dos sistemas ecológicos, pela busca de um novo equilíbrio entre nós humanos e a natureza... Infelizmente, porém, plantios locais e eventuais representarão muito pouco no esforço de reflorestamento necessário à sustentabilidade da vida se, paralelamente, não mudarmos certos hábitos que causam, direta e indiretamente, desmatamento contínuo em todo o mundo. Considerando apenas alguns aspectos do nosso consumo e do nosso lixo, árvores (nativas ou exóticas) são derrubadas: 1. Para produzir papel, em parte subutilizado na escrita e impressão ou desperdiçado na forma de embrulhos e embalagens que viram lixo. Só de guardanapos de papel, o Brasil descarta milhares de toneladas por ano! 2. Para servir como combustível, muitas vezes para a produção de objetos e embalagens supérfluas e descartáveis... que também viram lixo. 3. Para construir usinas hidrelétricas cuja energia muitas vezes é usada na fabricação de produtos supérfluos e descartáveis que viram lixo: a lata de alumínio, por exemplo, é um produto que consome muita energia, exigindo instalações que causam grande impacto ambiental. 4. Para “limpar o terreno” para agricultura e pecuária; e olha que desperdiçamos muito alimento no país (!)... gerando mais lixo e 5. Para abrir espaço para aterros para receber... todo esse lixo.

Reflorestar a Terra é fundamental para revertermos o quadro de degradação global. Mas podemos e devemos, acima de tudo, refletir sobre nossas reais necessidades, racionalizar significativamente o consumo, combatendo o consumismo e o desperdício. Recusar embrulhos desnecessários, adquirir produtos em embalagens retornáveis, comprar a granel, reaproveitar papéis, compartilhar impressos (como jornais e revistas) e separar resíduos para reciclagem e compostagem já é um começo. (Além, claro, de todo a mudança na matriz energética e nos meios de transporte...) Portanto, caros leitores, plantem árvores, e sempre de acordo com as normas previstas na legislação ambiental. Mas também lembrem-se, todos os dias, de jogar menos árvores no lixo. Patricia Blauth é bióloga, educadora, e consultora em minimização de resíduos www.menoslixo.com.br

Cades Regional Sul Trabalhando com metas ambientais Na primeira reunião do Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz – Cades, em janeiro, foi feita a apresentação do Plano Diretor Regional de Santo Amaro pelo conselheiro Sr. Gilberto Ulanin. Estiveram presentes entidades da sociedade civil de Santo Amaro que contribuíram para o esclarecimento de alguns dos pontos complicados do projeto.

Na reunião de fevereiro foram discutidos temas como a situação da coleta de resíduos sólidos em Santo Amaro e a situação difícil em que se encontra a Cooperativa de Catadores da Granja Julieta. Foram fixados alguns objetivos para a abordagem deste tema junto aos Órgãos competentes e à população. Apóie o nosso conselho. Mande suas sugestões.


8 • Mais Ação

Conseg Santo Amaro Nossa segurança também depende de cada um de nós!

guilherme rodrigues alves

A primeira reunião do Conseg Santo Amaro deste ano, realizada no dia 28 de janeiro, foi conduzida pela diretoria provisória, eleita em novembro. A diretoria definitiva será eleita no próximo pleito, no mês de maio. Mas, para garantir quórum e eleger uma diretoria definitiva, cada eleitor deverá ter participado das próximas reuniões mensais até a data da eleição. O apelo é que todos participem das próximas reuniões. Este esforço é para que a próxima diretoria seja tão ativa, eficiente e eficaz como a do Conseg Campo Grande, liderada pelo Sérgio Berti, que tem produzido resultados concretos. Portanto, faça um esforço: convide vizinhos, filhos, amigos, conhecidos, e participe dessas reuniões. A partir da primeira reunião, a diretoria provisória iniciou um cadastro que servirá de controle para o dia da eleição. Participe do CONSEG – compareça às reuniões ou entre em contato pelo e-mail spsantoamaro@conseg.sp.gov.br; se preferir use o formulário de “Denúncias/Sugestões” (disponível nos sites das associações). Seus dados serão mantidos em sigilo.

Calendário das reuniões

Telefone úteis:

Datas: 24 de março; 28 de abril e 14 de maio, sempre às 19h30. Local: OAB de Santo Amaro: Rua Alexandre Dumas, 224

11ª Delegacia de Polícia: 3341-3843 1ª Cia da Polícia Militar: 5522-9479

Guarda Civil Metrop.: 5687-2258 Disque Denúncia: 181

Um pouco de atenção pode salvar sua vida! A dica não é nova, mas vale a pena repetir: Quando estiver próximo de sua casa, preste atenção no retrovisor. Se suspeitar que está sendo seguido, não siga para sua casa, dê uma volta por outro quarteirão ou, no caso de nossa região, siga para um lugar movimentado, como os supermercados ou a padaria. Se, na dúvida, preferiu seguir para casa, NÃO embique o carro na garagem e nem ative o controle remoto. Pare e observe se o carro que vinha atrás segue por outro caminho. Se o carro do qual você desconfia entrar em sua rua, preste atenção se ele pára mais adiante ou se continua seguindo. Se o carro suspeito

parar, engate rapidamente e siga para um lugar movimentado, alertando a polícia e solicitando uma viatura para averiguar o caso. Qualquer suspeita é caso para chamar a polícia. É a própria polícia militar que orienta o cidadão a tomar essa providência. Se, mesmo assim, acontecer o pior, não deixe de registrar o Boletim de Ocorrência. Nossos representantes no Conseg já tiveram de escutar que em nossos bairros não há problemas, pois não há registros de assaltos, roubos ou furtos. A polícia trabalha com dados estatísticos: se não houver registros de criminalidade nos bairros, as viaturas serão encaminhadas para outros bairros.


Março de 2009 • 9

Serviços que funcionam ILUME: atendimento exemplar Se você necessita de um conserto no poste de luz de sua rua, pode ficar tranqüilo, porque esse é um serviço que funciona. É só entrar em contato com o ILUME (Departamento de Iluminação Pública), órgão vinculado à Secretaria de Serviços, pelo telefone 0800-722 0156 – disponível 24 horas, todos os dias da semana – ou via internet, por meio do portal da Prefeitura da Cidade de São Paulo (www.capital.sp.gov. br/portalpmsp), opção SAC. Tanto pelo telefone quanto pela internet, é informado um número de protocolo para seu controle. O prazo dado pelo ILUME é de quatro dias úteis e uma moradora de nosso bairro garante: funciona!!!!!

Lixo reciclável Procure saber quando o caminhão de recicláveis passa em sua casa. Muita gente coloca o lixo reciclável na rua em qualquer dia e ai os carroceiros pegam e descartam o que não interessa no primeiro terreno baldio ou o caminhão normal de lixo recolhe tudo junto. Consulte a EcoUrbis para saber o dia da coleta de lixo e de recicláveis na sua rua: 0800 772 7979 www.limpurb.sp.gov.br

Reciclar para construir um mundo melhor O Banco Real diponibiliza, em todas as suas agências, o Papa-pilhas, que recolhe para reciclagem tanto pilhas quanto baterias, que contaminam o solo e os lençóis freáticos porque contêm cádmio, mercúrio, níquel e chumbo, materiais que provocam danos aos rins, ao fígado e aos pulmões.

O que fazer com o óleo usado Depois que o óleo usado esfriar, armazene em uma garrafa PET de 2 litros, se possível transparente. Tampe bem a garrafa e deposite-a no coletor de lixo de cor marrom da loja Extra, indicado para esta finalidade. Todo óleo de cozinha coletado será encaminhado pela cooperativa às empresas recicladoras, que o utilizarão como matéria-prima para a produção de biocombustível. Se o Extra mais perto de sua casa ainda não tem o coletor apropriado, ligue para o SAC da empresa: 0800-7732732, e peça para que seja providenciado. Independentemente disso, pare imediatamente de jogar óleo pelo esgoto. Armazene em garrafas e jogue no lixo reciclável, e não no esgoto.

Sacolas plásticas: 18 bilhões de sacolas plásticas foram produzidas no Brasil em 2008 880 por ano é a média brasileira de consumo desse tipo de sacola u 500 anos é o tempo médio previsto para a decomposição de uma sacola plástica u 80% por cento das sacolas distribuídas pelos supermercados viram saco de lixo doméstico e tem como principal destino os aterros. u u

Pense nisso!!!!! Fonte: jornal Estado de São Paulo 27/02/09

Aquecimento global, chuva, inundações... Alguém tem dúvida de que as chuvas que continuam causando tanto estrago nas metrópoles brasileiras são decorrentes do aquecimento global? Bem, sabemos também que diante das intensas tempestades, não temos infra-estrutura de captação para tanta água! Mas podemos, sim, promover ações que possam pelo menos minimizar os prejuízos destes dilúvios, como, por exemplo, obedecer à legislação e manter uma área permeável em nossos terrenos e quintais; estimular o plantio de árvores nas cidades para que a temperatura na cidade diminua; manter a cidade limpa, desentupindo sempre as bocas-de-lobo; transformar calçadas de concreto em calçadas verdes e permeáveis; sugerir que ruas menos movimentadas sejam calçadas com material que permita a absorção da água (novo tipo de asfalto ou o velho paralelepípedo), e ficar de olho na fiscalização de obras que dirigem seus esgotos para as galerias de águas pluviais. Estas são apenas algumas idéias que podem somar a uma campanha para encontrar soluções que possam ser implantadas desde já e com um custo relativamente baixo.


10 • Mais Ação

Cartas do morador Este espaço de cartas está aberto às diversas manifestações dos moradores. Ajude sua associação a conhecer melhor os problemas de interesse de todos. Se tiver um assunto que você deseja que seja conhecido da comunidade, algum alerta, uma reclamação específica que ainda não teve solução ou problemas imediatos que a associação pode ajudar a resolver, escreva para nós: • cartas@sajape.org.br • cartas@altodaboavista.org.br Este espaço é seu, utilize-o bem! Trânsito na Ministro José Cardoso e Nove de Julho Prezados amigos Espero que todos tenham aproveitado bem esse descanso de final de ano e janeiro e estejam de bateria recarregada. Afinal, nossa luta é contínua. Sabemos que, juntos, temos força e, sozinhos, nem sempre somos ouvidos. Gostaria de chamar a atenção para o trânsito de nossas duas ruas: a Ministro Roberto Cardoso Alves e a Nove de Julho. Todas as outras transversais importantes, como a Marechal Deodoro, a Conde de Itu, que

possuíam o trânsito muito forte, foram beneficiadas com alguma melhoria (lombadas, ilhas de desvio, mãos invertidas, etc.) enquanto essas duas outras vias se sobrecarregavam recebendo, durante todos os momentos de intervenção nas outras ruas, mais fluxo... O que aconteceu? Ficaram como a opção de tráfego. Praticamente, os carros foram levados para elas. Fico muito triste em verificar que essas ruas não recebem nenhum tipo de atenção especial. E sabemos que a SABABV é poderosa, pois no momento que precisou tirar os ônibus e congêneres, que estavam desviando todos por essas ruas, foi a única entidade capaz de impedi-los. Bem, agora é necessário que tentemos algo para ajudar essas nossas sobres ruas assoberbadas de tráfego. Morador do Alto da Boa Vista Resposta da SABABV: A solução para esse e outros problemas semelhantes que assolam nossos bairros é o projeto Comunidade Protegida, cuja explicação encontra-se abaixo. Legislação de zoneamento Há algum tempo fiz um questionamento a respeito da legislação de zoneamento do bairro e fui muito bem atendida e por isso mesmo volto

Entenda o projeto Comunidade Protegida A SABABV e SAJAPE vêm estudando, junto com a CET, um projeto de traffic calming para os nossos bairros há pelo menos quatro anos. As principais medidas deste projeto, que teria que ser aprovado pelos órgãos públicos e financiado pelos moradores ou por algum outro tipo de patrocínio, contemplavam, por exemplo, não abrir o sinal da Ver. José Diniz para a Mal. Deodoro, além de mudanças de mão, rotatórias, alargamento de calçadas e esquinas e, acima de tudo, a implantação de medidas para facilitar o trânsito nas grandes avenidas, incentivando o motorista a usá-las, e desestimulando a entrada de carros nos nossos bairros. Antes de começarem as obras do corredor da Ver. José Diniz, prevenimos a Subprefeitura, a SPTrans e a CET de que medidas urgentes deveriam ser tomadas para que o trânsito não fosse desviado para dentro do bairro. Não fomos ouvidos e o bairro se transformou num verdadeiro

caos. Por todo esse transtorno, quando o Prefeito Gilberto Kassab veio inaugurar o corredor, há um ano, foi prometido que a Prefeitura financiaria as obras da Mal. Deodoro para dar início ao resto das obras. Nesse momento, alertamos a CET do perigo de diminuir a velocidade na Mal. Deodoro e não tomar nenhuma medida na Nove de Julho, já que boa parte do trânsito seria desviada para lá. Quanto às obras da Mal. Deodoro, depois de várias manobras mal-sucedidas, uma parte delas foi concluída. A rotatória no entroncamento com Regina Badra está em estudo. Uma solução mais rápida para agilizar as rotatórias na Nove de Julho é marcar uma reunião dos moradores desta região com técnicos da CET. Mas, para isso, precisamos que os mora dores se juntem a nós. Estamos sem fôlego e queremos pessoas que possam assumir algumas frentes de trabalho na associação.

a solicitar uma informação. Estou comprando um imóvel e me informaram que a Rua São Benedito na altura da Rua Versailles também é zoneamento 1 apesar de um grande estacionamento na Rua São Benedito com a Graham Bell, isso procede? Houve alguma mudança de zoneamento? Porque a Rua São Benedito é uma rua de comércio a algumas quadras deste ponto. A Rua Versailles é Zona 1? A feira da Elias Zarzur acontece em que dia de semana? E em qual trecho? Muito obrigada pela atenção. Moradora do Alto da Boa Vista Mais dúvidas... Olá a todos Caso possam me auxiliar desejo saber qual o zoneamento da Rua Irineu Marinho nas proximidades da Rua Senador Vergueiro e Rua Conde D’eu. Me auxiliaria também saber se existe algum plano de mudança desse zoneamento em andamento na Prefeitura de SP. Morador do Alto da Boa Vista Resposta da SABABV: Leia matéria sobre o assunto na página ao lado.

Congraf e SAJAPE: um caso de empatia e generosidade Prezadas Cristina Antunes e Cida Teixeira: O período em que estivemos envolvidos na elaboração do informativo SAJAPE em Ação foi gratificante por estarmos ao lado de amigos de conduta ilibada e com sonhos de criar algo com objetivos nobres, algo que pudesse, entre outras coisas, colaborar com os moradores da região. Ficamos, eu e a Cida, felizes em testemunhar que o sonho de vocês tornouse realidade. Por isso, quando lemos a reportagem no informativo Mais ação, de dezembro de 2008 ficamos extremamente felizes e agradecidoa pelas referências contidas. Recebam todos um grande abraço. Sidney e Cida


Março de 2009 • 11

Zoneamento na São Benedito levanta muitas dúvidas Para conhecer o zoneamento com mais detalhes, consulte a página da Subprefeitura de Santo Amaro: http://ww2.prefeitura.sp.gov.br//arquivos/ secretarias/planejamento/zoneamento/0001/ parte_II/sto_amaro/14-MAPA-SA-04.jpg

Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz O Comitê Paulista para a Década da Cultura de Paz, uma parceria entre UNESCO e Palas Athena, vem organizando mensalmente fóruns temáticos no grande auditório do MASP – Museu de Arte de São Paulo. O 70º Fórum, realizado no início de março, teve como tema Terapia Comunitária: uma prática a serviço da saúde e dignidade da pessoa. "A Terapia Comunitária tem como um de seus principais pressupostos que toda pessoa tem suas competências e que a comunidade organizada pela escuta aberta e acolhimento caloroso promove mudanças produtivas para a saúde, bem-estar e trocas colaborativas", declarou, na ocasião, a Profa. Marilene Grandesso, doutora em Psicologia Clínica e coordenadora do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Terapia. www.comitepaz.org.br

O Alto da Boa Vista é classificado como Zona Estritamente Residencial (ZER) em quase toda sua extensão. Os limites da ZER nesse bairro são Rua São José, Avenida Washington Luís, Rua Marechal Deodoro e Avenida Vereador José Diniz/Adolfo Pinheiro. Portanto, a Rua Irineu Marinho está incluída na ZER. A extensão da Rua São Benedito que vai da Américo Brasiliense até a Conde de Itu também é ZER. A característica dessa rua é que, do lado ímpar, o mais próximo às Avenidas Adolfo Pinheiro e Vereador José Diniz, o zoneamento permite prédios residenciais até oito andares, como os que estão sendo construídos entre as ruas Marechal Deodoro e Fraternidade. Mas só para usos residenciais, nunca para atividades comerciais. Essa região sobre a qual são solicitadas as informações é zona estritamente residencial. Essa restrição existe desde 1972, e foi mantida pelo Plano Diretor Regional aprovado em 2004. Apesar da insistência de vários comerciantes que estão instalados no trecho residencial, não há plano de mudanças nessa restrição, e a Subprefeitura tem várias ações administrativas para fechamento dos usos irregulares. Tal restrição é fundamental para manter as condições especiais de nossa região.


12 • Mais Ação

Parque Alto da Boa Vista

Cecília Carneiro de Oliveira

Obras paradas até quando?

Os portões fechados são emblemáticos do mau uso que se faz do Judiciário com a repetição de uma pendência que já foi julgada. É surpreendente que um pleito já indeferido volte a ocupar espaço no Judiciário e que atrase ainda mais a execução de um projeto há tantos anos aguardado ansiosamente por toda a comunidade.

O maior absurdo será perdermos a oportunidade de aplicar um Termo de Compensação Ambiental – cuja implementação já havia começado – devido, em grande parte, à falta de maior empenho por parte da Prefeitura.

Mais Ação 6  

Mais Ação n. 6

Mais Ação 6  

Mais Ação n. 6

Advertisement