Page 1

NÚMERO 2 JUNHO DE 2013

REVISTA DA ASSOCIAÇÃO LUSO-BRASILEIRA DE CAMPO GRANDE - MS


OR

DE

M

E

PROGRESSO

ASSOCIAÇÃO LUSO-B RASILEIRA DE CA MPO GRANDE-MS

DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2011-2013

PRESIDENTE Antonio Manuel Cordeiro Leal VICE-PRESIDENTE Kátia Regina Tognini DIRETORES Adilson José Joaquim Esmeraldo Alves do Nascimento Feliciano Marcos de Brito José Luís Daibert Capiberibe José Reis Pouso Salas Luiz Alberto Ramalho Pedrosa Maria de Fátima Corado Gabriel Vandro Gimenez Pinto SUPLENTES Joaquim da Costa Camponêz Nauane Milan Leal Paulo Widal de Rodrigues Sérgio Bento Alves da Rocha REPORTAGEM E FOTOGRAFIA André Patroni PROJETO GRÁFICO Kleomar Carneiro IMPRESSÃO AG Gráfica TIRAGEM 3.000 exemplares PRODUÇÃO Magnéttico www.magnetti.co NÚMERO 2 JUNHO DE 2013


2011 _ 2013

Estoril 21

A REFORMA DO ESTATUTO

12 06

FUTEBOL É AQUI

NA PONTA DO LÁPIS

16 ELE ESTÁ DE VOLTA FAÇA CHUVA OU FAÇA SOL

10

26

UM PEDAÇO DE PORTUGAL

FORÇA POLÍTICA

22

04 EDITORIAL SUCESSO GARANTIDO

14

20 NA HISTÓRIA PASSANDO A FAIXA

22

29 ELE ESTÁ DE VOLTA OS ELEITOS 28 REVISTA ESTORIL 3


EDITORIAL

UMA GOTA DE SUOR Para fazer uma semente brotar

NOME ANTONIO MANUEL CORDEIRO LEAL • NASCIMENTO 24/03/1951 • LOCAL DE NASCIMENTO LAVOS, FINOME ANTONIO MANUEL CORDEIRO • NASCIMENTO • LOCAL•DE NASCIMENTO GUEIRA DA FOZ - PORTUGAL • FILIAÇÃOLEAL MANUEL DIAS LEAL E24/03/1951 BEATRIZ CORDEIRO ESPOSA SUZEL DE LAVOS, SOUZA FIGUEIRA DA FOZ - PORTUGAL FILIAÇÃO MANUEL DIAS LEAL E BEATRIZ CORDEIRO • ESPOSA SUZEL LEAL • FILHOS ALBERTO SOUZA •LEAL E EDUARDO SOUZA LEAL • FORMAÇÃO ACADÊMICA ENGENHEIRO DE SOUZA LEAL •PELA FILHOS ALBERTO SOUZA LEAL EDUARDO SOUZA LEAL DE • FORMAÇÃO ACADÊMICA CIVIL, FORMADO UNIVERSIDADE FEDERAL DOERIO DE JANEIRO, NO ANO 1.975 • TRABALHOS RELEENGENHEIRO CIVIL, FORMADO PELA UNIVERSIDADE FEDERALEDO RIO DE JANEIRO, NO ANO DE 1.975 • VANTES IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS CONSTRUÇÃO DE CONJUNTOS RESIDENTRABALHOS RELEVANTES IMPLANTAÇÃO DE EMPRESA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS E CONSTRUÇÃO DE CIAIS; CONSTRUÇÃO DE VÁRIOS PRÉDIOS PARA DE SEGURANÇA E DE TRANSPORTE DE VALORES; CONJUNTOS RESIDENCIAIS; CONSTRUÇÃO DE VÁRIOS PARAGRANDE EMPRESA DE SEGURANÇA E DE PROJETO E EXECUÇÃO DO MARCO ROTÁRIO DO ROTARY PRÉDIOS CLUB CAMPO UNIVERSIDADE NO ANO TRANSPORTE DE VALORES; PROJETO E EXECUÇÃO DODA MARCO ROTÁRIO DO ROTARY CAMPO GRANDE DE 1980; PROJETO PARA DECORAÇÃO DOS STANDS COLÔNIA PORTUGUESA EMCLUB TODAS AS FESTAS DAS UNIVERSIDADE NO ANO DE 1980; PROJETO PARA DECORAÇÃO DOS STANDS DA COLÔNIA PORTUGUESA NAÇÕES, BEM COMO A CONCEPÇÃO, DESENVOLVIMENTO E ACOMPANHAMENTO DAS DECORAÇÕES EM TODAS AS FESTAS DAS NAÇÕES DA ASSOCIAÇÃO LUSO-BRASILEIRA, DESDE A PRIMEIRA EDIÇÃO TEMÁTICAS PARA AS SARDINHADAS

E

ra manhã do dia dez de junho se dissipava na certeza do respaldo que Portugal no Brasil, que se encerra no dia de 2011, dia de festa em casa teria em uma equipe incrível, confiável dez de junho de 2013, como a noite da portuguesa. Acontecia o tra- e competente, que permaneceu inteira poesia e o fim de tarde no Arca. Outros dicional Ato Cívico e era reali- até o final dessa gestão ao meu lado. de relevância política, como a primeira zada a cerimônia de transição Diretoria executiva, Conselhos fiscal e permanência consular, que trouxe aude diretorias no salão social do Clube de sócios remidos, Comissões de ética, toridades como o Secretário de Estado Estoril. Comunidade reunida, fui à frente futebol e tênis, funcionários. Todos me das Comunidades Portuguesas, Dr. José para o meu discurso de posse. Encarei a deram a força de que precisava, e me au- Cezário, o Deputado da Assembleia da folha, o microfone e o público. Segurei a xiliaram na condução desse timão. Dois Republica Portuguesa, Dr. Carlos Pásfala até o final, mas não resisti. Os olhos anos se passaram. Foi um aprendizado. coa e o Cônsul Geral de Portugal em se encheram de lágrimas e a voz ficou Procurei ser fiel ao meu discurso de São Paulo Sr. Paulo Lourenço. Também embargada. Foi ali que eu senti: era pre- posse, quando disse que pretendia fazer promovemos o início do processo para sidente da Associação Luso-Brasileira de uma gestão que desse satisfações aos tornar Campo Grande cidade-irmã do Campo Grande-MS. associados, que continuasse difundindo concelho de Figueira da Foz, que abranAssumi uma responsabilidade que a cultura portuguesa e que mantivesse ge a freguesia de Lavos, minha terra nunca tinha imaginado, apesar de partici- o espírito de filantropia. Nesse perío- natal, após uma conversa que tive com par ativamente da gestão da Associação do, participamos e promovemos vários o vereador Paulo Siufi durante nossa 8ª há muitos anos. No começo, quando a eventos filantrópicos, não apenas para sardinhada e comentei com ele sobre a antiga presidente, Maria de Fátima Cora- entidades, como também para pessoas admiração que o povo da minha terra do Gabriel, me procurou para de nascimento tem para com sugerir que me candidatasse a nossa cidade de Campo ESPERO QUE, NO FUTURO, LEMBREM-SE DE NÓS ao cargo, eu hesitei. Mas Grande e ele respondeu: ”por COMO PESSOAS QUE SEMPRE BUSCARAM HONela sabe como convencer, e que não fazemos o processo RAR A RAÇA, E HOMENAGEARAM TODOS QUE para isso ela fez, inclusive, a de cidades-irmãs?”. A partir TRABALHARAM PELA COLÔNIA cabeça da minha esposa e dessa conversa, iniciou-se a companheira Suzel Leal, para tramitação entre as câmaras que também me incentivasse a aceitar que necessitavam de mão amiga. Tam- de Campo Grande e de Figueira da aquela ideia. Fui convencido. Aceitei bém vivemos momentos muito espe- Foz , com empenho do vereador Siufi, também porque qualquer insegurança ciais, alguns em decorrência do Ano de do consulado de Campo Grande e do 4  REVISTA ESTORIL


Deputado Carlos Páscoa, algo que deve ser realidade em breve e que me inunda de orgulho. Nosso respeito à memória se aperfeiçoou nesses últimos anos, e procuramos realizar o resgate histórico da Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS desde a sua origem como Centro Beneficente Português. Iniciamos este trabalho com a revista Estoril de 2011, onde publicamos a biografia de Manoel Secco Thomé, Antônio Ferreira Damião e Joaquim Gonçalves Curado. A continuidade está nesta edição, com um pouco da vida de Luiz Louzinha e Antônio da Silva Vendas. São patrícios que ergueram nossa Associação e que ajudaram a construir Campo Grande, dos quais sempre ouvimos falar, mas de cujas histórias, passados tantos anos, não temos muitos registros. É nosso dever preservar a epopeia de nossos antepassados, por isso, procuramos recolher mais dados desses personagens e familiares para termos um arquivo maior. Diante da grandeza que percebemos na história que nos trouxe até aqui, fica a reflexão: e o futuro? Estamos em uma época chave da vida da

Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS, que pode ser percebida simbolicamente nas homenagens realizadas pela Câmara Municipal anualmente. Enquanto nos primeiros anos portugueses natos recebiam as comendas, com o passar do tempo existe o predomínio de luso-descendentes entre os homenageados. A principal característica que levou a fundar o Centro Beneficente Português está se dissolvendo com o tempo, novos portugueses não chegam e os descendentes não participam ativamente como antes. Esse é um desafio diário para quem conduz a Associação, e é algo que acontece em outros Centros espalhados pelo país. Mas, é como diz Fernando Pessoa no poema Mar Português, que meu amigo João Daniel gosta de recitar: “Quem quiser passar além do Bojador, tem que passar além da dor”. Para seguir adiante, e manter viva a chama da nossa Associação, devemos superar os obstáculos, nos dedicando de corpo, alma e coração a este propósito, contribuindo como pudermos, com muito empenho e trabalho. Espero que, no futuro, lembrem-se

de nós como pessoas que sempre buscaram honrar a raça, e homenagearam todos que trabalharam pela colônia, pela cidade e pela Associação e que, desde pequenos, contribuíram para avançar no tempo com esta grande embarcação chamada Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS. Dei uma pequena colaboração, uma gota de suor. Espero que essa gota tenha ajudado a frutificar alguma semente nesta nova geração. Que levem em frente. Acredito que vencemos essa batalha com galhardia. Ao novo presidente e demais diretores e conselheiros, desejo que tenhamos uma gestão de pleno êxito para um enaltecimento cada vez maior da nossa Associação e que continuemos a ouvir os elogios, não só da nossa sociedade campo-grandense, como também das autoridades nacionais e de outros países, sobre a exuberância do nosso Clube e da nossa Associação. Vamos adiante, com o sopro de nossos antepassados a nos conduzir, lembrando-nos sempre de que tudo vale a pena se a alma não é pequena. Agradeço. ■ REVISTA ESTORIL 5


investimentos

NA PONTA DO LÁPIS

Gestão mantém o patrimônio, faz investimentos e supera imprevistos

Q

uando Antônio Leal assumiu a presidência da Diretoria Executiva da Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS, há dois anos, os planos para sua gestão incluíam algumas obras e reformas, tendo como prioridade a manutenção do clube. Nesse período, entretanto, imprevistos significativos aconteceram e novas demandas surgiram. Graças a uma situação financeira sólida, e a uma equipe coesa e competente, tais contratempos puderam ser contornados com tranquilidade e outros investimentos puderam ser realizados. Um exemplo de superação dos imprevistos foi atitude diante da cobrança de taxa de esgoto, conta mensal que antes não existia. O valor, que no primeiro mês esteve na casa dos 12 mil reais, foi controlado para um patamar abaixo da metade desse número, após ser feito um pente-fino para acabar com vazamentos, aliado a uma campanha de conscientização para evitar desperdício de água. Além da taxa de esgoto, elencam-se como gastos 6  REVISTA ESTORIL

inesperados as consequências de uma descarga elétrica na rede de energia do Clube, a necessidade de reparos na caixa d’água e a situação da queda no número de locações do salão social, provocada pela constante adequação às normas ambientais. Mesmo com os imprevistos, ainda foi possível realizar investimentos em segurança, tecnologia, cultura, lazer, esportes e patrimônio, buscando sempre mais conforto e qualidade para o associado. Tudo fruto do entrosamento e participação da equipe, que sempre buscou os melhores produtos e serviços pelo melhor preço. “Todas as vezes, precisamos fazer três orçamentos, no mínimo, como exige o Conselho Fiscal. Diante desses valores, analisamos o custo-benefício, porque nem sempre o menor preço significa o melhor para o Clube. Aí então, a gente negocia o valor, e procura baixá-lo o máximo. Além disso, é contínua nossa busca de recursos para realização de eventos, por exemplo, por meio de patrocínios” explica a diretora financeira da Associação, Maria de Fátima Corado Gabriel.

As contas passam pela análise do Conselho Fiscal, que trabalha compilando as informações, para que seja possível ter uma dimensão geral e, se necessário, detalhada, do movimento de recursos. Para o presidente do Conselho Fiscal, João Daniel Pacheco Leal, a gestão que se encerra em 2013 contribuiu para manter a saúde financeira da Associação. “Esta gestão seguiu os mesmos parâmetros da anterior. Foi cuidadosa, cautelosa e equilibrada” afirma. Na dianteira do Conselho, João Daniel tem realizado um trabalho permanente de registro dos gastos, desenvolvendo um material rico de informações que poderá ser utilizado pelas futuras diretorias como balizamento, para administrar e para gerenciar. O resultado da seriedade na condução dos trabalhos repercute nas assembleias que reúnem anualmente sócios remidos, fundadores e contribuintes, para analisar as contas da Associação. Nos últimos dois anos, os pareceres do Conselho Fiscal relativos à execução do orçamento pela Diretoria Executiva foram aprovados por unanimidade. ■


CAIXA D'ÁGUA E CORRIMÃOS Rachaduras começaram a aparecer na caixa d’água de 50 mil litros que abasteceu o Clube nos últimos 11 anos, implicando em vazamentos que fizeram a diretoria investir numa reforma completa de sua estrutura. Para evitar transtornos, antes de iniciar os reparos foi adquirida e instalada uma nova caixa com capacidade para 30 mil litros. Quem se envolveu ativamente com o assunto foi o diretor de obras e patrimônio, Vandro Gimenez. Hoje as duas estão interligadas, e foi feito uma saída do hidrante, que antes não havia, aperfeiçoando o sistema de combate a incêndio. Outra adequação às exigências do Corpo de Bombeiros, assunto em relação ao qual o diretor social José Reis presta assistência permanente, foi a aquisição e instalação de corrimãos, dentro das normas de acessibilidade, em todos os setores do Clube com escadas e rampas. O investimento é mais um item necessário para conseguir o alvará anual junto aos bombeiros, o qual atualmente necessita de renovação mensal.

MONITORAMENTO Foi refeito o sistema de monitoramento do Clube, com a aquisição de novas câmeras de segurança e a instalação de cabos blindados. Agora, quase a totalidade da extensão do Clube está ao alcance dos olhos de quem observa o monitor de vigilância.

LICENÇA AMBIENTAL Nestes dois anos, foi permanente a atenção às questões ambientais. O reconhecimento pelos esforços apareceu na imprensa, com o Clube Estoril citado no jornal Correio do Estado como o único clube com licenças para realização de shows e festas. O trabalho de diálogo junto ao Ministério Público contribuiu para que essa questão pudesse ser superada sem a necessidade de um Termo de Ajustamento de Conduta. Abdicando da locação do Salão para eventos com público mais agitado, fizeram-se as pazes com o meio ambiente, com a justiça e com os moradores próximos ao Clube.

REDE DE ENERGIA Em janeiro de 2012, uma descarga elétrica danificou a rede de alta tensão do Clube Estoril, o que tornou necessária a substituição parcial da cabine de alta tensão e a construção de uma nova rede. Além disso, foi realizado um sistema para abafar o som do motor do gerador de energia elétrica, que passou a ser utilizado diariamente nos horários de pico, como forma de reduzir os gastos com a conta de luz.

ACADEMIA Iniciada na gestão anterior, a modernização da academia teve continuidade. Além dos aparelhos adquiridos na época, como o Voador, a Remada Sentada, o Scott Máquina, o Leg Press 90°, entre outros, que permitiram um repertório maior de exercícios a serem desenvolvidos, foram comprados halteres, uma nova esteira elétrica, barras anilhas, uma televisão nova, e um novo revestimento foi colocado no chão, de borracha plurigoma, que, além de melhorar a limpeza e amenizar os impactos, ajuda nos exercícios evitando escorregões. Melhorias que, aliadas às vantagens de estar localizada dentro do Clube, tornaram a academia do Estoril uma boa opção e fizeram a bancária Pâmela Pinheiro trocar a corrida na Avenida Afonso Pena pelo treino no Estoril, há quatro meses. “Comecei a fazer academia por causa da segurança, é melhor do que correr à noite sozinha. Além disso, é caminho do serviço pra minha casa, eu paro aqui e já malho” explica Pinheiro, que já foi rainha da festa das nações defendendo a colônia portuguesa, no início dos anos 2000. REVISTA ESTORIL 7


LISTA DE INVESTIMENTOS ESPORTES E ATIVIDADES FÍSICAS Aquisição de capa térmica para piscina de hidroginástica; Reforma da lona da tenda da piscina de hidroginástica; Troca da lona da tenda da arquibancada; Compra de equipamentos de segurança e salvamento (colete salva-vidas, aparelho de respiração forçada, boias); Treinamento de funcionários com cursos de salvamento e primeiros socorros; Reforma dos filtros das piscinas com troca da areia; Aquisição de 25 mesas, 100 cadeiras e 20 espreguiçadeiras para área das piscinas; Instalação de barras inox para a piscina de hidroginástica; Aquisição de gerador vapor e um quadro comando analógico para sauna seca; Troca de todos os armários (escaninhos) da sauna; Compra de 3 mesas e 12 poltronas plásticas para utilização na sauna; Compra de TV LCD 32'' para área de convívio social do tênis; Troca do conjunto de iluminação da quadra de tênis; Reforma do piso da quadra nº 1 de tênis; Pintura das quadras nº2 e nº3 de tênis; Troca de lona nas quadras de tênis; Compra de novos equipamentos para a academia (halteres emborrachados, barras anilhas; esteira elétrica nova, equipamentos complementares); Compra de uma nova televisão de 32” para instalação na academia; Aquisição de churrasqueira rotativa Giragrill para área de convívio social do futebol; Execução de novos armários (escaninhos) para os atletas guardarem seus pertences na área do futebol. Compra de bolas. Manutenção e reforma dos campos de futebol. Troca de redes das quadras de tênis, dos campos de futebol e vôlei de areia.

CONVIVÊNCIA SOCIAL E EVENTOS Compra de bandeiras estadual, municipal e nacional portuguesa pra ato cívico e eventos oficiais; Aquisição de imagem de Nossa Senhora de Fátima, vinda de Portugal; Compra de 120 mesas e 400 cadeiras para utilização na choperia; Compra de suporte pra freezer do clube; Compra de triturador industrial de alimentos; Compra de um novo forno a gás para salão social Compra de freezer vertical para salão social; Compra de 2 freezers horizontais e forno microondas para lanchonete; Aquisição de decibelímetro para medir sons emitidos em eventos do clube; Compra de banquetas altas para lanchonete em substituição às danificadas; Compra de bebedouros pra lanchonete, ponto de encontro, secretaria e academia; Recuperação de todos os dutos de ar condicionado do salão social com novo isolamento de isopor, calafetando pontos de fuga de ar; Compra de dois compressores novos para as máquinas de ar condicionado do salão social; Revisão completa das cinco máquinas de ar no salão social (unidades condensadora e evaporadora); Limpeza completa do forro do salão social com produtos químicos; Readequação da ventilação dos tetos da sauna; Compra de caixa de som para utilização nos eventos do Clube; Compra de 40 mesas e 160 cadeiras para utilização na lanchonete.

8  REVISTA ESTORIL


ESTORIL / 2011-2013 OBRAS E CONSERVAÇÃO PATRIMONIAL Aumento do muro do estacionamento da diretoria; Reforma da sala de triagem; Construção para barragem de som do motor do gerador; Reconstrução da cabine de força; Construção de rede nova de alta tensão; Pintura completa do bloco I, que inclui Salão social, camarim, banheiros, Choperia, hall, secretaria/ tesouraria, sala de reuniões, sala do presidente e espaço do consulado; Pintura da sala Operacional e da sauna; Aquisição e instalação de nova caixa d’água metálica com capacidade de 30.000 litros; Reforma completa da antiga caixa d’água; Ampliação da rede de iluminação no estacionamento; Reforma do revestimento do piso do estacionamento com pedra britada; manutenção do parquinho infantil; Instalação de cabeamento de lógica e rede de energia com circuito de emergência no consulado; Cobertura de 200m², em policarbonato, junto à lanchonete.

TECNOLOGIA E ELETRÔNICOS Investimento em Tecnologia da informação com a compra de novos computadores e um servidor; Investimento em equipamentos computacionais com upgrades de computadores, troca de computadores obsoletos, compra de impressoras multifuncionais a laser; Aquisição de no breacks para sala triagem, sala de compras, caixa da lanchonete e sauna; Compra de câmeras de segurança e monitoramento e instalação em todas as dependências do clube com cabos blindados; Compra de rádios de comunicação; Compra de relógio de ponto biométrico Para controle de entrada e saída dos funcionários; Compra de câmera digital fotográfica; Construção de rede elétrica no estacionamento; Implementação do sistema Hercules; Compra de aparelhos condicionadores de ar novos para diversas salas, como a sala do servidor, a sala do operacional, o camarim; Valorização dos funcionários com sorteio de cestas básicas; realização de convênios com Unimed, Uniodonto e gratuidade nos uniformes; Instalação de ventiladores na lanchonete e academia.

REVISTA ESTORIL 9


tênis

FAÇA CHUVA OU FAÇA SOL Tênis no Estoril tem calendário recheado de esporte e encontros

O

sócio do Estoril que gosta de tênis tem motivos para ser feliz. Além da estrutura física oferecida pelo Clube e do cuidado permanente com a sua manutenção, como foi o caso nesses dois últimos anos com a reforma do piso da quadra nº 1, pintura das quadras 2 e 3, e realinhamento e troca do conjunto dos holofotes, o associado tem acesso a um grupo de pessoas que é como coração de mãe, sempre está disposto a receber mais alguém. COMPETIÇÕES O ANO INTEIRO

O ano do tenista do Estoril começa no carnaval, com o torneio Rolando Garrafas, promovido em parceria com a Federação de Tênis de Mato Grosso do Sul. Além de ceder o uso do espaço para a FTMS, o Clube oferece pessoal de apoio, o bar, cozinha, louças, talheres, freezer, praticamente

10  REVISTA ESTORIL

a infraestrutura toda é colocada à disposição no Rolando Garrafas e nas etapas do circuito estadual que têm como sede as quadras do Clube. E a cada ano a importância dos tenistas do Estoril nas competições tem aumentado, com número crescente de finalistas. Além das atividades federadas, existem competições o ano inteiro, organizadas pela Comissão de Tênis do Estoril. Torneio simples por faixa etária, Torneio de duplas por ordem de chegada, Torneio de tênis infanto-juvenil interclubes, Torneio simples de classes livres e Torneio de duplas sorteadas são os que estavam previstos para 2013, em calendário definido desde o fim do ano passado, fora o Torneio de Fantasias que aconteceu espontaneamente. “Tênis aqui a gente tem de domingo a domingo. Faça chuva ou faça sol, inverno, outono, verão, primavera, o Tênis aqui não para” afirma o presidente da Comissão, Heraldo Stockler Bojikian.


a aniversariante, que também anima gostoso” explica Catatau. O Tênis não fica só entre as quatro o pessoal cantando em uma banda Além de aniversários o espaço tamlinhas. Ao lado das quadras, na área formada com Celso na bateria e Aldo bém serve para acompanhar atividade convivência, fica o principal motivo Oshiro, conhecido como Catatau, no des esportivas mundo afora, já que foi da atividade: a ‘família tênis’. Reuniões violão. “Não tem como negar, esse instalada TV a cabo recentemente. A frequentes, churrascos e cofinal do Paulistão 2013, por memorações criam laços de exemplo, o marido de Valéria, TÊNIS AQUI A GENTE TEM DE DOMINGO A DOMINamizade fortes. Foi o que fez Anderson Camargo, acomGO. FAÇA CHUVA OU FAÇA SOL, INVERNO, OUTOa tenista Valéria Mello copanhou ali. “Nós, como bons NO, VERÃO, PRIMAVERA, O TÊNIS AQUI NÃO PARA memorar seu aniversário no corintianos, tivemos a oporClube Estoril, em dia de final tunidade de, em mais um de campeonato. “Aqui é que estão os aqui é o cantinho em que a gente fica à desses dias maravilhosos, fantásticos, meus verdadeiros amigos. Eu vim para vontade, onde a gente pode desafinar estarmos reunidos aqui com os amigos. Campo Grande faz dois anos e meio e ninguém vai perceber, onde a gente A gente sente que apesar da nossa fae fui acolhida por eles, então, nada pode ficar tocando, rir à vontade, mília estar longe, hoje a nossa família é mais justo que comemorar aqui” disse cantando, não tem problema, é mais essa” conta Camargo. ■ LAÇOS DE AMIZADE

REVISTA ESTORIL 11


futebol

FUTEBOL É AQUI

Dentro e fora de campo, sócios amantes do futebol se empenham para o sucesso do esporte no Clube

S

e tem uma atividade que consegue lotar o estacionamento do Clube duas vezes por semana, durante o ano inteiro, é o futebol do Estoril. Para que se tenha ideia, três finais de copas foram realizadas quase simultaneamente no mês de junho: a Copa dos Veteranos, que este ano foi dividida em dois turnos, um em cada semestre, teve 109 inscritos e somou 429 gols; a Copa da Madrugada, que começou em março com 146 inscritos e, após 12 rodadas, chegou ao saldo de 329 gols no fim do campeonato; e a Copinha do Entardecer, que registrou 123 gols no total, e 47 inscritos. Além das três, o calendário, que também foi planejado com antecedência, traz o Torneio Intertorcidas, a 12  REVISTA ESTORIL

Copa dos Campeões e a Copinha da Madrugada. A organização dos sócios, aliada ao peso do nome do Clube Estoril, permite a busca por patrocínios que auxiliam na realização dos campeonatos, O QUE É MUITO LEGAL AQUI É A COMPANHIA, A FAMÍLIA. E A CASA ESTORIL É A NOSSA SEGUNDA CASA. AQUI É TUDO DE BOM e contribuem com prêmios aos melhores atletas da competição. “Quando a gente propõe para as empresas e diz que vai ser feito dentro do Estoril, que é um clube familiar, que a marca vai ser apresentada aos sócios e que eles terão um retorno,

eles sempre apoiam” explicou o membro da Comissão de Futebol, Ady Faria. BEM FAMÍLIA

Como as competições de futebol envolvem jogadores de todas as idades, acontece com frequência de os filhos dos boleiros jogarem nas copinhas, e, com o passar do tempo, começarem a jogar com os pais nas copas dos adultos. É o caso da família de Jean Carlos de Oliveira, ex-jogador de futsal profissional. Enquanto o filho mais velho, Jean Flávio, hoje com 14 anos, passou da Copinha para a Copa da Madrugada, outros dois filhos do ex-atleta, João Rafael, de oito anos, e Ana Flávia, de 13 anos, disputaram as finais da Copinha do Entardecer, com direito a um gol de Joãozinho na


final, e os troféus de maior pontuador e atleta destaque da competição para o pequeno. "A emoção é muito grande, e para mim é muito gratificante ver minha esposa torcendo pelo pai, filhos, filha. Realmente faz parte da nossa família vir jogar todo final de semana” diz Jean. Outro boleiro que em breve vai poder trocar passes em campeonatos com o filho é o sócio Roberto Luiz, o Catarina, pai de Jhonatan, que também joga a Copinha. Conhecido por ser o churrasqueiro oficial do futebol, Catarina marcou quatro gols na semifinal da Copa da Madrugada. Nos dias de confraternização ele faz golaços na churrasqueira. “Porque eu gosto. Pra mim não é trabalho, é um prazer muito grande, você se sente realizado, vitorioso, independente

do sacrifício, do horário. O que é muito legal aqui é a companhia, a família. E a casa Estoril é a nossa segunda casa. Aqui é tudo de bom” afirma Catarina. Agora o boleiro tem mais tempo para confraternizar enquanto assa a carne, já que foi adquirido um aparelho Giragrill para a área de convivência do futebol, que faz boa parte do trabalho automaticamente. LUSO BRASILEIRO NO FUTSAL

Este ano a Associação Luso-brasileira esteve representada no futsal profissional por meio de uma parceria com uma escola. O patrocínio para o time do treinador Sérgio Pavão foi vital para sua participação em importantes campeonatos do calendário sul-mato-grossense. Quem articulou a união foi o sócio Jean,

ex-jogador que trabalhou com Pavão, e o presidente da Comissão de Futebol, Wellington Achucarro. “Para mim foi fundamental, porque para manter o time adulto você tem que ter uma estrutura, um apoio mensal. Quando a gente chegou ao Estoril me receberam na hora. Quero agradecer a confiança. Minha expectativa é a melhor possível” conta Pavão. Parceria boa para o treinador e para a Associação, já que divulga seu nome em competições televisionadas. Desde que começou o apoio o time disputou a Copa Funlec, chegou às quartas de final da Copa Guanandi e vai defender as cores da Associação na Copa Morena, a partir de junho. É só acompanhar pelo site http://www.copamorena.com. br/2013/. ■ REVISTA ESTORIL 13


EVENTOS

SUCESSO GARANTIDO Eventos aproximam associados e promovem a cultura

NO PALCO, ARTISTAS CONVIDADOS PARA EXPOR OBRAS NO 5º VERNISSAGE RECEBEM AGRADECIMENTOS DA ASSOCIAÇÃO LUSO-BRASILEIRA DE CAMPO GRANDE-MS

R

éveillon, almoço das mães, baile dos cravos, dia das crianças, festa dos funcionários, aniversariantes do mês, noites de arrocha, domingueiras, sextas super, flash backs, feijoadas, arraiás, cantatas, encontros da idade feliz, reuniões da confraria do uísque. Tantas festas fizeram do Clube Estoril a casa da alegria de muitos sócios durante o ano inteiro. LANCHONETE É O PONTO

As atividades acontecem espalhadas pelas dependências do Estoril, seja nos quiosques, na choperia ou no salão social. Mas nesses últimos anos quem tem brilhado é a lanchonete. Percebendo o fluxo recorrente, a diretoria executiva realizou investimentos marcantes: abriu espaço na parede atrás do palco, dando visibilidade para quem está na sala de jogos, aumentou a área onde ficam as mesas, realocando parte da grade que a separa das piscinas, e construiu uma cobertura alta, permanente, com acabamento em policarbonato verde. 14  REVISTA ESTORIL

O local abaixo da nova estrutura foi batizado de “Espaço Alternativo Antônio Manuel Cordeiro Leal”, uma homenagem da diretoria executiva e dos conselheiros ao presidente da Associação, que nem imaginava ver a placa com seu nome e ficou muito surpreso e emocionado ao descerrá-la na inauguração. O ambiente é palco de festas noturnas, mas também é um restaurante atrativo. Sob a luz esverdeada de uma tarde ensolarada de domingo que se difundia através da nova cobertura, uma família reunida para o almoço trouxe até um berço para o recém-nascido. “Ele vai fazer cinco meses de vida, mas nós já o trazemos aqui desde o primeiro mês. Aqui é gostoso, tranquilo, um ambiente familiar e tem esse contexto todo voltado para o sócio” disse Emerson Carlos dos Santos, que além do bebê João Pedro também trouxe a sogra, o filho Matheus e a esposa. Além do almoço, fariam uma sauna mais tarde. Nas noites agitadas, o convite para a folia também se estende para toda a família. No baile das Marchinhas realizado no carnaval 2013, Danilo Fernandes trouxe todo mundo. Desde


o filho Gael, de quatro anos, até a esposa Cristiane, que está grávida de oito meses. "Aqui é seguro, familiar, não tem violência, nunca teve. É um carnaval com músicas mais antigas, a gente gosta, são mais interessantes, é mais nosso carnaval" explicou o folião. VERNISSAGE

A exposição de arte da Associação Luso-Brasileira chegou à quinta edição, forrou o salão social com quadros de todos os estilos e encantou o público. “Eu sinto que é como criar um filho, um filho que está crescendo e passando na escola com notas boas” disse o diretor social Reis em relação ao amadurecimento do evento, de cuja concepção

participou cinco anos atrás. Em 2013, a organização criou uma agenda de apresentações que movimentou o Vernissage durante todos os dias, com a participação das colônias espanhola, paraguaia, japonesa, libanesa e, é claro, da anfitriã portuguesa. O que não muda é a vocação solidária da Associação, que mais uma vez tornou o evento um ato de filantropia, ao arrecadar 409 unidades de óleo de girassol para doação ao instituto Cotolengo, suficiente para suprir suas necessidades por mais de seis meses. Outras instituições que receberam apoio da Associação Luso-Brasileira em diversas promoções foram o Rotary Club, a Rede Feminina de Combate ao Câncer, o Hospital do

Câncer, a Apae, a Pestalozzi, algumas escolas públicas, a Igreja São Judas Tadeu, a Igreja do Sagrado Coração de Jesus. COMPETIÇÕES ESPORTIVAS

Como forma de ampliar a socialização entre os praticantes das diversas modalidades esportivas, há algum tempo, a diretoria executiva orienta as comissões a programarem um calendário de competições que coincidam suas datas de encerramento em dias próximos, para que a cerimônia de entrega de prêmios seja em conjunto. Assim acontece, como foi em 2012, um grande churrasco em família para celebrar as conquistas. ■

FOTO ESTÚDIO LOURENÇO FOTO ESTÚDIO LOURENÇO

FOTO ESTÚDIO LOURENÇO

REVISTA ESTORIL 15


EVENTOS

UM PEDAÇO DE PORTUGAL

Está no cheiro, no gosto, na música, na dança, na cultura, na fé, na palavra e na história

P

ortugal continua do outro lado do Oceano Atlântico, a mais de oito mil quilômetros de distância de Campo Grande, mas algumas vezes por ano esta pátria se aproxima por empenho da Associação Luso-Brasileira, que constrói ambientes com as características mais marcantes de além-mar. Seja em cerimônias religiosas, seja nos eventos gastronômicos, o Clube Estoril transforma-se em pedaços da história, provoca o imaginário, convida a viajar. Não podia ser diferente, especialmente neste último ano, quando, de sete de setembro de 2012 até 10 de junho de 2013, foi comemorado o Ano de Portugal no Brasil e o ano do Brasil em Portugal, uma ação entre os governos dos dois países para promover a troca e o intercâmbio de ideias, cultura e economia. MISSA DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

O cheiro da parafina queimando exala no ar, enquanto o carro de som conduz a procissão na rua em frente ao Clube Estoril com cânticos religiosos. O ambiente místico, iluminado com a luz das velas que simbolizam a chama da fé de cada um, acontece duas vezes ao ano, em maio e em outubro, como forma de homenagear Nossa Senhora de Fátima nas datas das suas primeira e última aparições aos três pastorinhos. A 16  REVISTA ESTORIL

celebração acontece dentro do Salão Social, após o retorno da procissão, e culmina com a coroação da imagem de Nossa Senhora de Fátima, geralmente por uma criança. Momentos de reflexão que se aliam ao objetivo de manter acesa a chama da cultura portuguesa. NOITE DA POESIA E FIM DE TARDE NO ARCA

“O vento moderado soprava, o relógio girava na torre, a claridade era forte na praia quando meus avós vieram de Figueira da Foz”. A poesia “Figueira da Foz”, de Raquel Naveira, foi impressa em uma placa para a Noite da poesia que homenageou Portugal, em um evento realizado pela Fundação de Cultura de MS no terraço de sua sede. Lá do alto foram declamados outros versos do português Joaquim Longo, e o Rancho Folclórico Tradições Portuguesas se fez presente. O grupo também se apresentou no Fim de tarde no Arca, evento promovido no Arquivo Histórico de Campo Grande, que busca homenagear colônias de imigrantes que contribuíram para a formação da cidade. O projeto trouxe à sede do Arquivo uma exposição de fotos, jornais, revistas e documentos antigos das famílias portuguesas radicadas em Campo Grande, além de ferramentas originais do início do século passado utilizadas por esses imigrantes na atividade


FOTO ESTÚDIO LOURENÇO

da Associação, Antônio Leal, vem da época da Festa das Nações. Aprimorada após nove edições de sardinhadas, a iniciativa tornou-se mais específica. O responsável pelo tema e pelos desenhos é o próprio Leal, que esboça croquis, com seus traços de engenheiro, para que o pintor SEJA EM CERIMÔNIAS RELIGIOSAS, SEJA NOS os reproduza artisticamente. SARDINHADA EVENTOS GASTRONÔMICOS, O CLUBE ESTORIL O presidente realizou alguO cardápio gastronômiTRANSFORMA-SE EM PEDAÇOS DA HISTÓRIA mas viagens a Portugal nos co da Associação segue um últimos anos, e sempre esroteiro todo ano, mas pode mostrando que a generosidade é uma teve atento aos cenários e objetos que variar. Em 2011, por exemplo, foi procaracterística luso-brasileira. encontrou, preocupado em enriquecer movida uma bacalhoada na Igreja São O traço marcante das sardinhadas, a festa dentro da Associação. Foi assim Judas Tadeu, uma proposta fora do calendário habitual, mas que teve como entretanto, está fora do prato, fica no na última edição, quando, após passear objetivo a filantropia. Pelos cheiros e palco. A cada edição, painéis e pinturas por Guimarães com sua esposa Suzel, sabores a cultura portuguesa se afirma, retratam características arquitetônicas Leal decidiu fazê-la como tema, e ainda seja por meio do Arroz de Braga, que de cada região de Portugal, transfor- trouxe de Portugal um modelo de avenchegou à sexta edição em 2013, seja mando o evento gastronômico em aula tal inspirado na bandeira portuguesa com a Sardinhada, que reuniu mais de de geografia e história. Cada ano, uma comprado na Feira de Espinho, que foi mil pessoas em sua nona edição, em localidade é escolhida para ser repre- reproduzido para ser usado pelos funoutubro 2012, e que, no ano anterior, sentada. A ideia, segundo o presidente cionários no dia do evento. em que se destacaram: a construção civil. Parte do material exposto foi cedida pela Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS, como as ferramentas, que vieram do acervo dos herdeiros de Antônio Ferreira Damião e Joaquim Gonçalves Curado.

teve pela primeira vez a sua realização como almoço e não como janta, e se mostrou ainda mais oportuna dessa maneira. Em 2011, o grupo folclórico "Os Lusíadas" do Centro Português de Maringá, apresentou-se gratuitamente

REVISTA ESTORIL 17


Figueira da Foz (2010) Cidade portuguesa no distrito de Coimbra, inserida na região Centro e sub-região do Baixo Mondego e situada na desembocadura do rio Mondego com o Oceano Atlântico. É conhecida por ser considerada a "Rainha da Costa de Prata" pelas suas praias extensas. Tiveram destaque, na sétima Sardinhada, a praia da costa, com a arte xávega de pesca, com os barcos meia-lua, as salinas, e diversos pontos turísticos como a ponte do Rio Mondego, ponte dos Arcos, Forte de Santa Catarina, torre do relógio, coliseu, casino, Serra da Boa Viagem e Palácio Sotto Mayor.

ANTONIO E SUZEL LEAL, ACOMPANHADOS DE CARLOS FIDALGO NAS SALINAS DE LAVOS, DURANTE VIAGEM A PORTUGAL, NO ANO DE 2012

Algarve (2011) Localizada ao sul de Portugal. Foi representado por casas em cubo construídas sob influência dos mouros, sem a presença de telhado. Também foi desenhada a Igreja Matriz do Olhão, e as belezas naturais da região tiveram destaque, com uma pintura da praia da rocha, com minerais amarelados. Realce para as chaminés típicas da região.

CROQUI DESENHADO POR LEAL PARA A 8ª SARDINHADA, RETRATANDO O ALGARVE

Guimarães (2012) Conhecida como "O Berço da Nação Portuguesa", Guimarães teve no século XII alguns dos principais acontecimentos políticos e militares que levariam à independência e ao nascimento da nova nação. Foi representada a Rua Santa Maria, os Paços do Concelho, e os paços dos Duques de Bragança, tudo no estilo medieval. Fora do salão foi feita uma representação da muralha de Guimarães, com um desenho da estátua de D. Afonso Henriques.

ATÉ A ÁREA EXTERNA AO SALÃO FOI UTILIZADA PARA REPRESENTAR A MURALHA DE GUIMARÃES

18  REVISTA ESTORIL


M Rio

inho

Valenca

Benavente Verin

ima

Rio L

Viana do Castelo

Bragança

Chaves a

eg

Braga Guimarães

m Ta

Rio

Fafe

Zamora o ur

o

Ri

Vila Real

Do

Porto

OCEANO

Salamanca

Barca d'Alva

AT L Â N T I C O Vilar Formoso

Viseu

Aveiro

Ciudad Rodrigo

Guarda

o

eg

nd

o oM

Bejar

Ri

Covilha

Coimbra

Figueira da Foz

Plascencia

ere ez oZ

Ri

Castelo Branco

Tagus

Leiria Tomar Caceres

Abrantes Caldas da Rainha g Ta

Portalegre

Santarem

E

PORTUGAL Mora

Lisboa

S

P

A

N

H

A

Rio Guadiana

Merida

Estremoz

Badajoz

Vendas Novas

Barreiro

Setubal

Gua dia

na

Évora Rio

Alcacer R io Sa do Sal do Grandola

Moura

Beja

Serpa

Ch

an

ca

Sines

R io

Almada

Trujillo

Valencia De Alcantara

us

REGIÕES HOMENAGEADAS EM CADA SARDINHADA: 1ª PAISAGEM DE PORTUGAL Zafra 2ª CASA TÍPICA PORTUGUESA 3ª LISBOA 4ª AVEIRO 5ª AVEIRO / AZULEJARIA PORTUGUESA REPRESENTANDO LOCALIDADES DE CAMPO GRANDE 6ª COIMBRA 7ª FIGUEIRA DA FOZ 8ª ALGARVE ivir lqu da 9ª GUIMARÃES a Gu Rio

Sevilla

Portimão Lagos Sagres

Faro

Vila Real de Santo Antonio Tavira

Ayamonte

Huelva

Utrera

Golfo de Cadiz

REVISTA ESTORIL 19


MEMÓRIA

NA HISTÓRIA

Biografias de fundadores do Centro Beneficente Português

Nascido em 21 de junho de 1897, em Viana do Castelo, norte de Portugal, veio para o Brasil com treze anos clandestinamente no porão de uma embarcação, acompanhado de um irmão, e aportou no Rio de Janeiro. Na cidade carioca, passou inúmeras necessidades, trabalhou como garçom e morou em uma hospedaria na praça XV. Teve que engraxar sapatos de moradores em fins de semana e lavar e encher moringas de água diariamente para que pudesse ter onde dormir. Após entrar em uma firma do ramo da construção civil, seguiu para Bela Vista-MS, onde construiu, na década de 30, a Capela de São Geraldo, conhecida como a igreja de Pedra, e a Paróquia de Santo Afonso, da ordem dos padres redentoristas. Na mesma época construiu a casa para uso residencial eclesiástico que, em 1985 tornou-se o Paço Municipal. Na cidade, conheceu a sua esposa, Celeida Lino Louzinha, com quem teve a filha, Neyde Therezinha L. Razuck. Quando se mudou para Campo Grade estava em uma situação mais confortável, e, conhecido, assinou obras. Teve participação na fundação do Centro Beneficente Português, compondo o quadro de diretores seguidas vezes. Mudou-se para o Rio de Janeiro novamente, onde faleceu, em 12 de abril de 1963, com 65 anos. Seu corpo foi sepultado em Campo Grande, no cemitério Santo Antônio, cujo muro ele construiu. LUIZ GONÇALVES LOUZINHA

RANCHO ATIVO O Rancho Folclórico Tradições Portuguesas continua apresentando os cantares e dançares tradicionais da pátria Portugal. Costuma integrar eventos como as Sardinhadas, Arroz de Braga, Vernissages, e também se apresenta anualmente nas homenagens aos luso-descendentes feitas pela Câmara Municipal, e de eventos filantrópicos. Um dos responsáveis pelo ressurgimento do grupo, há mais de dez anos, o diretor cultural Esmeraldo Alves do Nascimento é descendente distante de patrícios, bisneto de português, mas é casado com portuguesa nata. Seu envolvimento com as atividades do rancho são como uma bandeira. “Faço pela raça. Agreguei uma família portuguesa, me dediquei de coração a conhecer a cultura. Pra mim é uma coisa que está no sangue” explica. O Rancho ensaia atualmente nas tardes de sábado, e o convite fica aberto a todos os interessados, sejam, ou não, luso-descendentes. 20  REVISTA ESTORIL

Originário de família ANTÔNIO DA SILVA VENDAS tradicional portuguesa, Antônio da Silva Vendas nasceu em Vendas Novas, a poucos quilômetros de Lisboa. Veio ao Brasil acompanhado do primo-irmão, Manoel Vendas, e, em Campo Grande, trabalhou na Estrada de Ferro Noroeste do Brasil, coordenando grupos que abriam caminhos na mata. De acordo com a edição número 7 da revista Arca, depois de trabalhar na construção da Estrada de Ferro como empreiteiro no assentamento dos trilhos, Antônio Vendas adquiriu uma chácara no prolongamento da Rua Joaquim Murtinho. A crescente expansão no ramo imobiliário levou-o a instalar uma olaria para a produção de tijolos e telhas, visando o fornecimento para o mercado da construção civil. Casou-se com Fidelina da Silva Vendas, e teve seis filhos: Dário, Lycia, Perito, Maria de Lourdes, Maria do Carmo e Milton. O Bairro Vendas em Campo Grande tem origem em suas propriedades. Faz parte da história do Centro Beneficente Português, por ter sido o presidente em duas gestões, nos anos de 1934 e 1942. Faleceu em 08/09/1964, com 87 anos e está sepultado no cemitério Santo Antônio, em Campo Grande.


A REFORMA DO ESTATUTO

Após dez anos, regimento da ALB passa por revisão

E

stá em processo a reforma estatutária da Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS. O atual regimento, que dispõe sobre sua personalidade jurídica, patrimônio, departamentos, define os órgãos da sociedade e os direitos e deveres dos sócios, foi aprovado em assembleia em 30 de setembro de 2002, tendo sido registrado e publicado em 22 de outubro do mesmo ano. São noventa e sete artigos que estão sendo revisados e reformulados, mas o número deve crescer. Quem presidiu a Comissão de Reforma Estatutária até agora foi a vice-presidente da Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS, Kátia Regina Tognini. Segundo Kátia, a iniciativa se deu para por fim a algumas dúvidas que surgiram com o tempo desde a última reforma. “Questões relativas ao fundo do plano de saúde Unimed, e sobre o que fazer em casos extremos, não estavam escritas ou estavam muito vagas” explica a presidente da comissão. Desde o

dia 23 de junho de 2012, a atual gestão está debruçada sobre as regras fundamentais do projeto. A comissão formada para desenvolver o novo estatuto é composta por três membros da Diretoria Executiva, três do Conselho Fiscal e três do Conselho de Sócios Remidos, sendo que há ainda mais duas pessoas que se voluntariaram. Um dos voluntários é o presidente do Conselho Fiscal, João Daniel. Ele explica que o novo estatuto será baseado no anterior, mas com algumas adequações. “Estamos enriquecendo o texto, que atualmente é muito sucinto e, em certas atribuições, muito limitado. Existem propostas mais amplas” afirma. Um exemplo seria a nova determinação do Conselho Fiscal, que passaria a ser chamado de Conselho Consultivo e Fiscal, desempenhando um papel mais ativo junto à diretoria executiva. Além disso, estuda-se por fim aos cargos de suplentes no conselho, que passariam a atuar como efetivos. O presidente do Conselho de Sócios

Remidos, Osvaldo Cação, foi o presidente da comissão responsável pela reforma estatutária em 2002. Um ano e quatro meses foram necessários para elaborar o texto final. “Foi um trabalho árduo porque tem muitas sugestões que não tem como ser acatadas porque ou são inconstitucionais ou não são cabíveis, já que tem que obedecer além da Constituição Federal, o código de processo civil e uma série de imposições jurídicas que antecedem a criação de um estatuto” conta Cação. A reforma em andamento está sendo feita com base na vivência dos membros da comissão, que se reúnem ao menos uma vez ao mês e, quando há necessidade, orientam-se com um advogado. “A partir do momento em que isso tudo estiver sacramentado, o estatuto vai passar por outra análise, que é a assembleia, para depois ser aprovado” explica Joaquim Pedrosa, membro do Conselho Fiscal. A reforma ainda está em andamento, e não tem data para ser concluída. ■ REVISTA ESTORIL 21


SOCIAL

FORÇA POLÍTICA Eventos demonstram o peso representativo da ALB

“S

e a conquista dos mares foi a epopeia que imortalizou o Velho Reino Peninsular, feito menor não foi o da permanência do português no Brasil” o trecho da carta assinada de próprio punho pelo ex-presidente da República, Juscelino Kubitschek, faz parte de uma mensagem de natal enviada para o então presidente do Centro Beneficente Português de Campo Grande, Ernesto Rodrigues, em 17 de dezembro de 1963. Na carta, Kubitschek cita a importância dos portugueses na formação desta nação cristã, e como sua ousadia contribuiu para o progresso. Também destaca a união dos dois povos. “Portugueses e brasileiros, constituímos uma unidade definitiva, e ligam-nos um ao outro os laços mais fortes de uma consciência coletiva indestrutível. É difícil dizer-se onde acaba Portugal e o Brasil começa (...) A perfeita comunhão de ideias e de sentimentos entre esses dois povos constitui uma necessidade, que ninguém possa negar,

porque a civilização luso-brasileira tem um papel importante para desempenhar no mundo contemporâneo” diz o ex-presidente do Brasil. O reconhecimento de um político histórico demonstra a relevância da comunidade Luso-Brasileira de Campo Grande, que se estende até hoje, e que é experimentada a cada ato cívico, nas homenagens feitas pela Câmara Municipal e na vinda de autoridades portuguesas para Campo Grande. ATO CÍVICO

Realizado todo dia 10/06, quando se comemora o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, o Ato Cívico reúne membros da colônia portuguesa e autoridades políticas na sede da Associação, em uma solenidade em que são hasteadas as bandeiras portuguesa, brasileira, sul-mato-grossense e a do município de Campo Grande, sob a execução de hinos, geralmente feita pela banda da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul. Em 2012 e 2013,

REUNIÃO COM O SECRETÁRIO DE ESTADO DE MS NA GOVERNADORIA

22  REVISTA ESTORIL

houve o Projeto Memória Profissional, uma exposição de ferramentas manuais antigas utilizadas em serraria, carpintaria e marcenaria, pertencentes a portugueses que ajudaram a construir a história de Campo Grande, como foi o caso do "dono do baú", Antônio F. Damião, avô do presidente Antônio Leal. HOMENAGEM NA CÂMARA

Ainda em junho, em comemoração ao Dia da Comunidade Portuguesa, é realizada na Câmara Municipal de Campo Grande a homenagem aos portugueses e luso-descendentes. São entregues troféus a personalidades que desempenharam trabalhos relevantes em favor do desenvolvimento da cidade. A comemoração foi instituída no calendário de eventos do município pela Casa de Leis por meio da Resolução nº 1.115/10, de autoria do vereador Paulo Siufi. As autoridades políticas municipais também estão presentes nos eventos realizados pela Associação, e o contato proporciona iniciativas significativas. Durante a 8ª

REUNIÃO COM O VICE-PREFEITO ELEITO DE CAMPO GRANDE


ARQUIVO PESSOAL

FOTO ESTÚDIO LOURENÇO

ANTONIO LEAL GANHA O COFINHO (CESTO DE JUNCO) DO PRESIDENTE DA JUNTA DA FREGUESIA DE LAVOS, JOSÉ ELÍSIO FERREIRA DE OLIVEIRA (LAVOS, PORTUGAL, 07/2012)

LEAL AGORA COM O DEPUTADO DA ASSEMBLEIA REPÚBLICA PORTUGUESA, CARLOS PÁSCOA, DURANTE A PRIMEIRA PERMANÊNCIA (CAMPO GRANDE, 12/2012)

Sardinhada, realizada em 2011, por exem- houve a Instalação da 1ª Permanência Grosso do Sul. plo, o presidente Antônio Leal comentou Consular em Campo Grande, que presAlém do cônsul geral de Portugal com o então presidente da Câmara Muni- tou auxílio a portugueses e descenden- em São Paulo, Paulo Lourenço, vieram cipal de Vereadores, Paulo Siufi, sobre a tes em diversas questões, como a emis- o secretário de Estado das comunidades admiração que o povo de sua terra natal são de cartões de cidadão, passaportes, portuguesas, José Cezário, o vice-presi(Freguesia de Lavos do Conselho da Fi- recenseamento eleitoral, dupla cidada- dente da seção do Partido Social Demogueira da Foz), tinha com a cidade de nia, e com outras informações. crata de Portugal em São Paulo, João CalCampo Grande, e o vereador disse: “Por Junto da permanência, autoridades das Fernandes, e o deputado português que não fazemos o processo de Cidades políticas portuguesas também desem- Carlos Páscoa, que, acompanhados do Irmãs?”. A partir dessa conversa iniciou- barcaram em Campo Grande, e, com presidente da Associação Luso-brasileira -se a tramitação entre as Câmaras de toda a assistência da Associação Luso- de Campo Grande-MS, Antônio Manuel Campo Grande e da cidade da Figueira -brasileira de Campo Grande-MS, que Cordeiro Leal, do Cônsul Honorário de da Foz, que, com o empenho de Siufi, realizou uma solenidade e um jantar e Portugal em Campo Grande-MS, Ferdo Consulado de Portugal em nando Santos Gonçalves, e Campo Grande e do deputado de outros membros da Asportuguês Carlos Páscoa, está sociação, reuniram-se com O RECONHECIMENTO DE UM POLÍTICO HISTÓRICO DEMONSTRA A RELEVÂNCIA DA COMUNIDADE perto de se concretizar. A paro vice-prefeito de Campo LUSO-BRASILEIRA DE CAMPO GRANDE, QUE SE ceria firmada entre o Legislativo Grande, Gilmar Olarte, com ESTENDE ATÉ HOJE campo-grandense e português o secretário de Estado, Carpermitirá a troca de experiências los Alberto Negreiros, que entre as duas cidades. Campo representou o governador Grande já é cidade-irmã de Ramallah na ainda ajudou o consulado a articular reu- André Puccinelli, com representantes Palestina, e Turim na Itália, por exemplo. niões com autoridades locais, puderam do Sebrae-MS, da Fiems e da Famasul. dialogar e promover o intercâmbio de A comitiva ainda recebeu condecoraPERMANÊNCIA CONSULAR ideias e de interesses nas esferas políti- ções da Câmara Municipal de Campo Nos dias 4 e 5 de dezembro de 2012, ca e econômica com o estado de Mato Grande, em uma sessão solene. ■ FOTO ESTÚDIO LOURENÇO

PRESIDENTE DA ALB EM EXPOSIÇÃO DO PROJETO MEMÓRIA PROFISSIONAL

CÔNSUL GERAL PAULO LOURENÇO E CÔNSUL FERNANDO GONÇALVES

REVISTA ESTORIL 23


SOCIAL

PASSANDO A FAIXA

Ato cívico é marcado por posse dos novos gestores

A

Antônio Leal e foi aprovado em reunião da diretoria. Outro homenageado foi Geraldo Duarte Ferreira, ex-conselheiro e diretor, que anos atrás foi o responsável pelo reflorestamento do Clube Estoril, com o plantio de milhares de mudas nativas que realizou na coordenação do projeto "Cerrado Vivo". O bosque, plantado por ele, leva agora seu nome "Espaço Ecológico Geraldo Duarte Ferreira". Durante o ato cívico, o vereador Paulo Siufi foi convidado a discursar, e falou sobre a iniciativa que deu início ao processo de tornar Figueira da Foz cidade-irmã de Campo Grande, ideia que, segundo o presidente Antônio Leal, teria nascido em uma conversa dos dois durante a oitava sardinhada realizada no Clube Estoril. "Nós vamos em busca de tudo o que para uma cidade tem importância e eles vão vir aqui em busca disso

também, vamos buscar participações dos dois lados para que a gente possa melhorar cada vez mais essa forma de interagir" explicou o parlamentar, que deve ir a Portugal no mês de julho para resolver essa questão com as autoridades portuguesas e firmar o convênio. Tanto Antônio Leal em seu discurso de despedida, quanto o presidente eleito, Fernando Gonçalves, em seu discurso de posse, foram enfáticos quanto à necessidade de participação da nova geração de luso-descendentes, para manter viva a chama da Associação Luso-Brasileira. Um dos eleitos para o Conselho Fiscal como suplente, Ricardo Ledesma, faz parte dessa nova safra, e promete ser assíduo. "Aqui é como minha segunda casa, venho desde as primeiras sardinhadas. Vou frequentar todas as reuniões" garantiu. ■

FOTO ESTÚDIO LOURENÇO

nualmente a Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS celebra em ato cívico o dia de Portugal, de Camões e das comunidades portuguesas, que acontece em 10 de junho. A data também é a escolhida para cerimônia de posse dos gestores eleitos a cada biênio. Em 2013, o ato reuniu no Clube Estoril autoridades políticas e vários membros da colônia. Além das atividades patrióticas, algumas homenagens foram feitas. A jornalista Ester Figueiredo Gameiro recebeu o título de sócia honorária como reconhecimento por sua divulgação espontânea das atividades da Associação e por ser luso-descendente. Filha do português João Figueiredo, Ester é diretora presidente do jornal de maior circulação em MS, o Correio do Estado. A indicação partiu do próprio presidente

EM 2012, PAULO SIUFI RECEBEU O TÍTULO DE SÓCIO HONORÁRIO

24  REVISTA ESTORIL

EM 2013, FOI A VEZ DE ESTER FIGUEIREDO SER HOMENAGEADA


CHEGANDO SAINDO Diretores do Estoril comentam suas experiências e expectativas

N

as eleições de 2013 da Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS, foi registrada uma expressiva votação para definir quem ocuparia o cargo de diretor do Clube Estoril. Pela primeira vez, três candidatos concorreram, o que refletiu no envolvimento maior dos sócios patrimoniais no pleito. No ano de 2007, por exemplo, foram contabilizados 42 votos totais para escolha de diretor do Clube. Em 2009, 53; em 2011, 44 e, neste ano, 114 pessoas compareceram para manifestar sua vontade. Eleito pela segunda vez há dois anos, José Luís Capiberibe termina seu mandato acreditando no dever cumprido. “Nesses últimos seis anos, sendo quatro como diretor do Estoril e dois como gestor de marketing, fui atuante, frequentei o clube em pelo menos cinco dos sete dias da semana, e isso contribuiu para que o cargo fosse visto e valorizado” considera. Capiberibe também enfatiza sua participação ativa na organização das promoções da Associação. “Ajudei

nos eventos do clube, profissionalizamos buscando patrocínio para os eventos, que antes fechavam no vermelho e agora são lucrativos” afirma. O ex-diretor também costumou ser o porta-voz da Associação em dias de entregas de medalhas aos esportistas e homenagens a apoiadores. “Eu acho muito legal quando vamos ao palco agradecer aos sócios que vieram ao evento prestigiar e também agradecer aos patrocinadores que ajudaram a ser um sucesso, isso é a função de uma pessoa de marketing do clube. Estou à disposição para ajudar, dentro do meu tempo daqui pra frente” promete Zé, que espera como reconhecimento apenas o olhar de aprovação a quem se dedicou a um propósito. “Que possam olhar e dizer: olha aquele rapaz colaborou, eu me lembro de que ele estava lá todo dia, foi um cara atuante, fez coisas boas” deseja. O novo diretor, Antônio Alderete, pretende dar continuidade ao trabalho, e tem pela frente o desafio de manter o espírito participativo do sócio, a começar pelos que votaram em sua

candidatura. “Só tem aumentado a responsabilidade. Eu disse que ia precisar de apoio e não tem faltado, todos dizem que estão à disposição dentro daquilo que a gente combinou” afirma. Entre os planos para a nova gestão está a criação de um grupo específico para cuidar do marketing do Clube. “Acredito que o Estoril tem que passar por outra etapa, temos que buscar mais parcerias na iniciativa privada, pensar mais alto e buscar patrocínios. Na área de esporte existem muitas possibilidades de incentivo para vários tipos de modalidade, e como diretor vou correr atrás disso, conhecer esses meios de financiamento” afirma Alderete. Cirurgião dentista há 25 anos, o novo diretor é sensível aos anseios de cada área do clube, do pessoal do tênis, do futebol, da sauna, das piscinas, mas avisa que tem um foco. “Acho que tudo na vida tem como priorizar, e eu priorizo muito o ser humano. Falando de ser humano, você tem que falar de família, e isso passa por esse grupo, que se transforma em uma família, e isso é tudo” diz, emocionado. ■ REVISTA ESTORIL 25


ENTREVISTA

ELE ESTÁ DE VOLTA Fernando Gonçalves assume pela terceira vez a presidência da ALB, agora quer renovação

N

ascido em 04 de setembro de 1945, em Campos, do Centro Beneficente Português, Antônio Veríssimo, com a que faz parte do Concelho de Vieira do Minho, qual teve dois filhos, Fábio e Luciana. Foi presidente por duas no Distrito de Braga, em Portugal, Fernando vezes da Associação Luso-Brasileira de Campo Grande-MS, Santos Gonçalcomo passou a se chamar o ves veio para o ex-Centro Beneficente PortuBrasil na adolescência, aos 15 guês. Na primeira gestão, de FERNANDO GONÇALVES FOI PRESIDENTE DA ASanos, onde aportou em São 1988 a 1992, foi construído o SOCIAÇÃO LUSO-BRASILEIRA DE CAMPO GRANDE EM DUAS OPORTUNIDADES: DE 1988 A 1992 E DE Paulo. Por lá, teve participação Clube Estoril. Na segunda, de 2001 A 2003 ativa junto à colônia e foi um 2001 a 2003, foi publicado o dos fundadores do Rancho estatuto da Associação, que Folclórico Aldeias de Portugal. agora passa por reforma. Em Doze anos depois, seguiu em direção a Campo Grande, onde seu terceiro mandato, que será de 2013 a 2015, tem o desafio permaneceu. Casou-se com Maria Licínia, filha do ex-presidente de trazer mais associados e rejuvenescer o quadro de gestores. 26  REVISTA ESTORIL


O QUE A ASSOCIAÇÃO LUSO-BRASILEIRA DE CAMPO GRANDE-MS É PARA VOCÊ?

Para mim é minha igreja. Eu amo a Associação, eu vivo a Associação. É a instituição que está no grau mais elevado em relação a qualquer outra. COMO É VOLTAR À PRESIDÊNCIA PELA TERCEIRA VEZ?

É um caminho, até certo ponto, natural. Estou aqui pra somar mais uma vez e preparar o terreno pra ver se conseguimos, na próxima gestão, colocar alguém mais jovem do que nós na presidência, que, com a orientação dos mais experientes, consiga levar isso aqui adiante. QUAIS SEUS OBJETIVOS PRINCIPAIS? PODE ADIANTAR ALGO?

O principal objetivo de toda a diretoria é o bem estar do sócio, procurar melhorar alguma coisa que venha a contribuir para a sua alegria e satisfação. Uma iniciativa que estamos planejando é que seja feita uma carteira nos próximos dois anos para os próximos quatro anos, para que o próximo presidente que vier já tenha uma carteira para poder trabalhar. Queremos trazer a sociedade para dentro do clube novamente, fazer grandes festas, porque é em cima de

eventos que a associação vive. Estamos em busca de uma pessoa de marketing e vamos trabalhar em cima disso para o fortalecimento da Associação.

COMO PRETENDE MANTER CULTURALMENTE VIVA A ALB?

Nossa situação financeira é estável, não temos débitos com impostos, tributos, funcionários, com fornecedores, nunca devemos nada. É nosso hábito gastar apenas aquilo que nós já temos. Então um grande desafio é continuar fazendo o que tem que ser feito sem dever nada a ninguém.

A cultura portuguesa está associada ao Rancho Folclórico Tradições Portuguesas. O que pretendemos é trazer mais elementos na área de cultura de Portugal para dentro da associação. Dar ao associado, ao sócio remido e ao luso-descendente, principalmente, condições e vontade de seguir esse caminho, de ir à terra dos pais, avós, bisavós. A parte cultural da Associação, para mim, é uma das mais importantes dentro do contexto geral.

QUAL O PERFIL DO IMIGRANTE PORTUGUÊS QUE CHEGA AO BRASIL?

O QUE FARIA DIFERENTE DO QUE JÁ FEZ?

E OS PRINCIPAIS DESAFIOS?

Antigamente vinham aqueles que saiam das suas terras sem muitas condições, e, longe de suas famílias, procuravam trabalho por aqui. Quando conseguiam dinheiro suficiente, traziam seus parentes e, para isso, muitas vezes, deixavam até de comer ou de se vestir. Hoje, o perfil dos imigrantes é diferente. São senhores doutores, médicos, engenheiros, arquitetos, advogados que continuam vindo, mas agora formados, porque Portugal, apesar de ter uma capacidade muito grande de educar, infelizmente, não absorve essa mão-de-obra por excesso.

Nada diferente. A Associação tem a sua diretriz, a sua meta, e não pode sair disso. Vamos seguir em frente, as últimas gestões foram muito boas, muito sólidas, muito sérias e queremos continuar dessa forma. QUE MARCA QUER DEIXAR?

Não sei se queria deixar uma marca. Eu gostaria que, ao final da nossa gestão, alguém dissesse “parabéns diretoria”, e não “parabéns Fernando”. “Parabéns diretoria, que tão bem levou esse clube por esse tempo”. ■

REVISTA ESTORIL 27


ADMINISTRAÇÃO

OS ELEITOS Confira quem assume a gestão da Associação Luso-Brasileira de Campo Grande no biênio 2013-2015

A

pós eleições realizadas em 19 de maio de 2013, tomaram posse, em 10 de junho de 2013, a nova Diretoria Executiva e os membros que renovaram um terço dos Conselhos Fiscal e de Sócios Remidos, ambos compostos por doze membros cada um. Enquanto o Conselho de Sócios

Remidos orienta, disciplina, inclui e exclui de acordo com as normas estatutárias, o Conselho Fiscal analisa trimestralmente a situação econômico-financeira, emite pareceres e examina os balanços apresentados pela Diretoria Executiva, a qual dirige, administra e orienta as atividades da Associação, entre outras atribuições. ■

Fernando Santos Gonçalves

Diretoria Executiva chapa

União e Força II PRESIDENTE

Joaquim Manuel Ramalho Pedrosa

VICE-PRESIDENTE 28  REVISTA ESTORIL

Antônio Alderete

DIRETOR DO ESTORIL


Maria de Fátima Corado Gabriel

Antonio Manuel Cordeiro Leal

DIRETORA FINANCEIRA

DIRETOR FINANCEIRO ADJUNTO

Elton Leal Loureiro

DIRETOR DE COMUNICAÇÃO

Feliciano Marcos de Brito

DIR. DE COMUNICAÇÃO ADJUNTO

José Reis Pouso Salas

DIRETOR SOCIAL

Esmeraldo Alves do Nascimento

DIRETOR CULTURAL

Eder Pereira Mendes

DIR. DE OBRAS E PATRIMÔNIO REVISTA ESTORIL 29


Diretores Suplentes

Joaquim da C. Camponez

Kátia Regina Tognini

Nauane Milan Leal

Armindo Manoel C. Cardoso

Conselho de sócios Remidos Luiz Alberto Ramalho Pedrosa

Paulo Widal de Rodrigues

Maria de Fátima Leal Loureiro

José Maurício Caetano Fonseca

Conselho Fiscal José Paulo de Faria Pedrosa

Elisa Helena Loureiro Camponez

TITULAR

Thiago Rodrigues Ferreira SUPLENTE 30  REVISTA ESTORIL

TITULAR

Ricardo Ledesma Fonseca SUPLENTE


OR

DE

M

E

Clube

PROGRESSO

ASSOCIAÇÃO LUSO-B RASILEIRA DE CA MPO GRANDE-MS

www.clubeestoril.com.br

(67) 3321 0400 / clubeestoril@terra.com.br Endereço: Rua Silvina Tomé Veríssimo, 20. Jardim Autonomista Campo Grande/MS, Brasil - CEP 79002-490 Coordenadas: -20° 26' 36", -54° 35' 6"

BIÊNIO 2013/2015 DIRETORIA EXECUTIVA Fernando Santos Gonçalves Presidente Joaquim Manuel Ramalho Pedrosa Vice Presidente Maria de Fatima Corado Gabriel Diretora Financeira Antonio Manuel Cordeiro Leal Diretor Financeiro Adjunto Elton Leal Loureiro Diretor de Comunicação Feliciano Marcos de Brito Diretor de Comunicação Adjunto José Reis Pouso Salas Diretor Social Esmeraldo Alves do Nascimento Diretor Cultural Eder Pereira Mendes Diretor de Obras e Patrimônio Antônio Alderete Diretor do Clube Estoril Suplentes Joaquim da Costa Camponez Kátia Tognini Nauane Milan Leal Armindo Manoel Costa Cardoso

CONSELHO DE SÓCIOS REMIDOS Ailton Cabral Duarte Antonio Rodrigues Filho Canuto Ferreira Cação Fernando Augusto da C. Martins Fernando Manuel Garcia Cruz Jose Maurício Caetano Fonseca Justino Mendes de Aquino Luiz Alberto Ramalho Pedrosa Maria de Fátima Leal Loureiro Osvaldo Cação Paulo Widal de Rodrigues Regina Loureiro Camponez CONSELHO FISCAL Titulares João Daniel Pacheco Leal Horácio Pereira Andrino Maria Licínia T. Verissimo Gonçalves José Paulo de F. Pedrosa Elisa Helena L. Camponez Anderson Mara Cação Suplentes Victor M. Lopes Figueiras Luis Humberto Fernandes Eduardo Souza Leal Thiago Rodrigues Ferreira Ricardo Ledesma Fonseca Guilherme Silva Cruz


Revista estoril número 2  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you