Issuu on Google+

Ano 11, Edição 125 - julho de 2013 Rua 19 nº 768, Bairro São Judas Tadeu, Jales-SP

INFORMATIVO

GRUPO ESPÍRITA BENEFICENTE MARIA DOLORES 1.999 - 2013

O Evangelho Segundo o Espiritismo

E

ssa obra constitui a explicação das máximas morais do Cristo, segundo as luzes espíritas e suas aplicações às diversas circunstâncias da vida. Esta obra é um hífen de luz entre a filosofia e a ciência espíritas. Nele se encontra a verdadeira doutrina ensinada pelo Cristo. Esse livro tem considerável influência, não somente para o mundo religioso, que nele encontra as máximas que lhe são necessárias, como também a vida prática das nações pode nele haurir instruções excelentes. Com vinte e oito capítulos da mais excelsa moral, podemos dizer que feliz é o homem que, diante das dificuldades e peripécias da existência, tenha nas mãos e sob os olhos os luminosos textos dessa obra consoladora. Dando especial ênfase aos ditos e aos feitos do Senhor Jesus, o que quer dizer ao ensino moral, erige-se como regra de conduta, que abraça todas as circunstâncias da vida, particular ou pública, o princípio de todas as relações sociais, baseadas na mais rigorosa justiça. Enfim, é a rota infalível da felicidade futura. Essa obra é para uso de todos. Cada um pode aí colher os meios de conformar sua con-

duta à moral do Cristo, nosso Modelo e Guia. Os espíritas aí encontram as aplicações que mais especialmente lhes concernem. As instruções dos Espíritos, as vozes do céu, que vêm esclarecer os homens e os convidar à imitação do Evangelho. Nele encontram as almas aflitas o consolo e a explicação para as suas dores, o sermão das bem-aventuranças ganha um novo e especial colorido, sob a meridiana luz do esclarecimento espírita. Parece-nos ouvir de novo a voz do Suave Pastor: Vinde a mim vós que estais sobrecarregados e aflitos, e eu vos aliviarei... Os versos de rara poesia das aves do céu, dos lírios do campo que não semeiam, nem fiam... Toda a beleza das palavras de Jesus numa linguagem acessível, inteligível. Explicado de forma racional porque fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade. É nele também que se encontram explicadas as promessas do Cristo, na célebre noite da derradeira ceia com os Apóstolos, acerca do Consolador que viria empós. O Consolador Prometido, que viria quando o mundo estivesse maduro para o compreender,

Consolador que o Pai enviaria para ensinar todas as coisas e para relembrar o que o Cristo havia dito. E o Espiritismo vem, na época predita, cumprir a promessa do Cristo. Preside ao Seu advento o Espírito de Verdade. Ele chama os homens à observância da Lei: ensina todas as coisas, fazendo compreender o que Jesus só disse por parábolas. Vem abrir os olhos e os ouvidos, porquanto fala sem figuras, nem alegorias. Vem, enfim, trazer a consolação suprema aos deserdados da Terra e a todos os que sofrem, atribuindo causa justa e fim útil a todas as dores. Jesus, que nunca antes se apartara dos homens, aproxima-Se ainda mais e volta a falar como outrora, chamando e conduzindo. A Boa Nova é o roteiro e a mensagem espírita o consolo. O Evangelho segundo o Espiritismo corporifica no mundo a palavra imperecível de Jesus, o excelso enviado do Pai. É Ele mesmo de retorno, tomando os filhos e as filhas da dor nos Seus braços para os conduzir para a luz gloriosa da verdade. Redação do Momento Espírita


Página 02

Dinheiro e Vida O bom tesouro

Um casal herdou de um outro Uma rua linda e inteira; A mulher caiu no luxo E o homem na bebedeira. Cornélio Pires (psicografia de Chico Xavier)

A

trova nos induz a refletir sobre o emfirmou o mestre veneprego que podemos rando e Senhor: “O e devemos destinar aos homem bom tira boas nossos bens materiais. coisas do bom tesouro do O dinheiro não é vilão, é seu coração, e o homem a oportunidade que temau do mau tesouro tira coisas más.” mos para fazer o Bem. Necessário, portanto, Traz benefícios em toformar este bom tesouro. dos os campos: social, Dar-se conta de que a científico, tecnológico vida não é uma viagem etc. de férias, mas sim de É necessário para a nosaprendizado; para prosa evolução. Cabe ao gredir e melhorar as suas homem utilizá-lo para o condições, necessitará o fim a que foi criado. Asespírito humano lançarsim como uma faca, que se com empenho e inteserve de ferramenta para resse em tudo que possa as mais diversas necesenobrecê-lo. Enquanto sidades, pode ser usada convive, promove a paz através das palavras e do para ferir, o homem comportamento; enquan- também pode usar, indevidamente, o dinheiro to trabalha responsavelpara futilidades, abusos mente, sem deixar de e desvios. cumprir o seu dever, Podemos, por nosso liabre sulcos na própria alma, onde as sementes vre-arbítrio, conduzirdo exemplo e da digninos ao desvario e à per dade plantadas e regadas com as lágrimas do sacrifício para não se corromper, motivarão outros a fazerem o mesmo, assim, enquanto ganha o “pão de cada dia”, colabora com o crescimento e engrandecimento dos seus irmãos em humanidade. Adelvair David

A

dição, ou empregar nossos bens materiais em coisas úteis, que trarão alívio, conforto e progresso a todos que margeiam a nossa estrada. Um empresário consciencioso pode multiplicar seus frutos financeiros, sem ganância, conferindo aos seus empregados um salário condizente e todos os benefícios que a lei confere. Com essa atitude, estará aumentando seus recursos patrimoniais, mas terá a chance e a responsabilidade sobre famílias que sobreviverão dos ganhos de sua empresa. Utilizar o dinheiro de forma desenfreada e desequilibrada pode nos levar a uma vida fútil e infeliz, aos vícios e à solidão, como este quadro penoso ocorrido em todos os tempos da Humanidade que nos relata, em poucas palavras, Cornélio Pires. Rosangela. Seareiros nº 116, Ano 13

Momento da Morte-fatalidade - acaso? Na Questão 872, de O Livro dos Espíritos, Allan Kardec enfatiza: “no que concerne à morte é que o homem se acha submetido, em absoluto, à inexorável lei da fatalidade, por isso que não pode escapar à sentença que lhe marca o termo da existência, nem ao gênero de morte que haja de cortar a esta o fio”.

[..] Que tenhamos a certeza de que o amor de Deus é incomensurável e aproveita o mal para resplandecer o amor na forma do resgate espiritual. Existe uma razão espiritual para as desencarnações trágicas que deixam aterrorizadas as criaturas terrenas. Com a chance da retificação expiatória na carne, retornamos pelo portal da morte como vítimas, sem mais a presença desagradável da culpa a nos consumir. O suplício cessou, conforme ensinamento de Jesus: “Em verdade te digo que não sairás da prisão enquanto não pagares o úlmo centavo” (Mateus 5:26). Tudo tem uma finalidade, a casualidade não existe. O Pai nos proporciona a todos nós, seus filhos, herdeiros e viajores do Cosmos, a sua Eterna Misericórdia. Revista Aurora, nº 119


Página 03

que logo se restabeleceu. Eurípedes agradeceu profundamente a Deus e pensava com toda a pureza de seu coração: “os homens podem enganar-se, porém, Deus não se engana”, explicando o incidente acontecido.

Pegadas de Eurípedes Barsanulfo

Um aviso do outro mundo.

E

ste relato foi mencionado pelo doutor Eduardo Dietrich Ribi, que residia em Rio Claro, SP, e grande amigo do médium Eurípedes Barsanulfo, da cidade de Sacramento, MG. O ano era de 1911. Naquela noite a chuva era intensa, com rajadas de fortes ventos. O professor Eurípedes continuava seu trabalho na pequena farmácia de sua propriedade, quan-do ouve batidas no portão de entrada. Rápido abriu a porta e, com alegria, recebe a visita de seu velho amigo, doutor Eduardo, que encharcado pela chuva, acabava de chegar de Rio Claro. Após os júbilos e abraços, Eurípedes, fazendo o amigo entrar em sua modesta sala, vai de imediato buscar uma toalha para que o amigo pudesse se secar. Enquanto a sim-plicidade do medianeiro e a descontraí-da conversação tinham efeito, o anfitrião preparava um delicioso chá, com aroma balsamizante, para que o amigo não adoecesse. O doutor Ribi dialogava com Eurípe-des em francês, pois tinha muita saudade de sua terra natal. Lembrava de sua in-

Bibliografia: NOVELINO, Corina. Lindos Casos da Mediunidade de Eurípedes. 1. ed. [s.l]: Editora Esperança e Caridade, 2007. [Adaptado]

fância e sua vinda para o Brasil com seus pais. Eurípedes correspondia e falava fluentemente a língua pátria do amigo, para ajudá-lo com as recordações, que, por vezes, o mantinha em depressão, por não ter podido rever a França ou voltar a habitá-la, sendo esse o seu maior dese-jo. De repente, ambos escutam uma voz pedindo socorro, meio ofegante. Rapidamente Eurípedes sai à porta e vê uma jovem aflita e, adiantandose, pergunta-lhe: — Você vem buscar remédio para sua mãezinha, não é? — Sim, tio Eurípedes, ela está muito mal. Quase não con-segue respirar e tem muitas dores de cabeça. Eurípedes pede licença e recolhe-se na farmácia, buscando a ajuda do doutor Bezerra de Menezes, seu orientador.

Após alguns minutos, começa a manipular o medicamento, sob a prescrição do doutor Bezerra. Quando a medicação estava pronta e ele ia entregar à menina, um forte barulho semelhante ao trovão foi ouvido e um frasco que estava na prateleira dos remédios agitou-se dando a impressão de ter caído ao chão. De imediato, Eurípedes voltou a sua atenção para o vidro de onde ele havia tirado a tintura para a manipulação e verificou que não era aquela base mãe que ele usava. O remédio que ele ia dar à doente estava errado, pois os funcionários da farmácia, ao fazerem a limpeza, havia trocado as tin-turas do lugar costumeiro. Para Eurípedes fora um terrível engano. Mas, graças ao Alto, sua atenção foi chamada com o barulho do frasco que parecia ter caído ao chão. Assim, o erro foi corrigido, a medi -cação prescrita pelo doutor Bezerra foi acertada e o remédio levou o alívio para a enferma,

Anotação em Caminho Sob os riscos da jornada Na vereda transformada Em sombra pedindo luz, Recorda que, em tuas mãos, No amparo aos próprios irmãos, Brilha o ideal de Jesus. Age, auxilia, perdoa... Na essência, em toda pessoa, O Amor plantado produz: Essa semente divina, Se cultivada germina Para servir com Jesus. Dores, mágoas, desenganos São instrumentos humanos Formando as bênçãos da cruz De vida, esperança e paz, Pela qual encontrarás A redenção com Jesus. Coração, não vais sozinho, Entre as pedras do caminho, A que o serviço faz jus; No trabalho e no perigo, Guarda esta nota contigo: - O companheiro é Jesus. (Maria Dolores)


Página 04

ASSIM É A HUMANIDADE

E

m uma das visitas a Uberaba, minha senhora confessou dar um trabalhão a ele, com tanta orientação solicitada. Queixava-se, desta feita, das ingratidões que sofre no cumprimento de sua missão, e disse-lhe estar na "fossa" pois, se age de um jeito, criticam-na; se faz de outro modo, a mesma coisa, ficando confusa e desiludida

quanto ao bom desempenho de sua missão mediúnica e evangelizadora. Pacientemente como sempre, com aquele jeitinho de mineiro desconfiado, disse-lhe, ao mesmo tempo que abraçava um nosso amigo ao lado, diretor de uma concessionária de automóveis: - "Se abraço o nosso amigo, carinhosamente, quem nos vê (sempre haverá alguém) dirá que estou querendo um carro. Se dou um beijo numa senhora amiga como você, dirão que estou querendo tirar "partido" da minha situação de médium. Se beijo uma criancinha, vão dizer que sou um tarado...” E concluiu: - "Assim é a humanidade. Aceite as provações e as críticas com resignação”. " Nosso Amigo Chico Xavier (50 anos de Mediunidade)"

20º

N

este ano o Departamento de Mocidades da USE Jales, comemora 20 anos de atividades. A Mocidade Espírita Ivan de Albuquerque, anteriormente sediada no Caminho da Esperança, hoje no Maria Dolores, tem muitas razões para comemorar, afinal, foi grande colaboradora para que este sonho se consolidasse. Durante anos, participou ativa-

ano de mente na organização e realização dos encontros, onde os jovens com muito emprenho e dedicação, junto com os idealizadores, trabalharam para que esta atividade pudesse ganhar o amor e o respeito dos dirigentes de nossa Região. Parabéns Mocidade Espírita Ivan de Albuquerque, do Grupo Madô, o esforço valeu apena! Que estas luzes se expandam motivando outros irmãos a também tra-

AGENDE-SE Junho de 2013 Palestras domingo 19h30min 7–MARCO ANTONIO (MadôJales)

14–SUZETE BRUNELLI (Fernandópolis)

21–ALÍRIO CERQUEIRA FILHO (Mato Grosso )

Divaldo responde – Para haver gravidez, independentemente do desejo dos pais e do reencarnante, existe necessidade de autorização das autoridades espirituais? Divaldo Franco: Certamente que sim, porquanto no mapa da reencarnação dos futuros pais já se encontram delineados os filhos que devem, que podem ou que queiram ter. Graças a isso, ocorrem as facilidades na concepção ou os grandes impedimentos que vêm sendo vencidos pela ciência, através dos tempos, facultando a ocorrência sempre sob supervisão espiritual. Entrevista publicada em maio de 2008 no jornal “O Imortal”.

balharem pela causa juvenil. O 20º EMERJ será no dia 14 de julho nas dependências do Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores de Jales-SP, à Rua 19, nº 768, Bairro São Judas Tadeu. Inscrições pelo site: http:// www.madoespirita.org.br/ departamentos/eventos/20emerj/

28-VINICIUS LARA (Bicas-MG) CURSOS: Quinta-Feira: O livro dos Espíritos-20 h Sexta-Feira: Obras de André Luiz - 20h Sábado-Joanna de Angelis: Autodescobrimento-9h PLANTÃO DE PASSE -2ª, 3ª, das 18h30min as 19h15min . -5ª as 17h30min -6º das 19h as 19h30min Veja no mural as atividades da casa e participe conosco!

"Lembrai-vos de que a cada pai e a cada mãe perguntará Deus: Que fizestes do filho confiado à vossa guarda?" O evangelho segundo o espiritismo

Se você deseja realizar o “Evangelho no Lar”, procure-nos, teremos imenso prazer em ir a sua casa para apresentarmos as diretrizes para este momento tão especial.

Fale conosco! Visite: www.madoespirita.org.br agora com vídeos diversos (palestras, cursos, seminários) em breve transmissão ao vivo de eventos. http://www.facebook.com/ GEBMariaDolores www.addavid.blogspot.com


Informativo nº 125 do Grupo Espírita Beneficente Maria Dolores