Page 1

Ano 10, Edição 116 - Outubro de 2012 Rua 19 nº 768, Bairro São Judas Tadeu, Jales-SP

“Nascer, Morrer, Renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei”

Allan Kardec

INFORMATIVO

GRUPO ESPÍRITA BENEFICENTE MARIA DOLORES 1.999 - 2012

208 anos

H

IPPOLYTE LÉONDENIZARD RIVAIL (ALLAN KARDEC) Allan Kardec nasceu Hippolyte Léon-Denizard Rivail, em 03 de Outubro de 1804 em Lyon, França, no seio de uma antiga família de magistrados e advogados. Educado na Escola de Pestalozzi, em Yverdum, Suíça, tornou-se um de seus discípulos mais eminentes. Foi membro de várias sociedades sábias, entre as quais a Academie Royale d'Arras. De

1835 à 1840, fundou em seu domicílio cursos gratuitos, onde ensinava química, física, anatomia comparada, astronomia, etc. Dentre suas inúmeras obras de educação, podemos citar: "Plano proposto para a melhoria da instrução pública" (1828); "Curso prático e teórico de aritmética (Segundo o método de Pestalozzi)", para uso dos professores primários e mães de família (1829); [...] Por volta de 1855, desde que duvidou das manifestações dos Espíritos, Allan Kardec entregou-se a observações perseverantes sobre esse fenômeno, e, se empenhou principalmente em deduzir-lhe as conseqüências filosóficas. Nele entreviu, desde o início, o princípio de novas leis naturais; as que regem as relações do mundo visível e do mundo

invisível; reconheceu na ação deste último uma das forças da Natureza, cujo conhecimento deveria lançar luz sobre uma multidão de problemas reputados insolúveis, e compreendeu -lhe a importância do ponto de vista religioso. As suas principais obras espíritas são: "O Livro dos Espíritos", para a parte filosófica, e cuja primeira edição surgiu em 18 de Abril de 1857; "O Livro dos Médiuns", para a parte experimental e científica (Janeiro de 1861); "O Evangelho Segundo o Espiritismo", para a parte moral (Abril de 1864); "O Céu e o Inferno", ou "A Justiça de Deus segundo o Espiritismo" (Agosto de 1865); "A Gênese, os Milagres e as Predições (Janeiro de 1868); "A Revista Espírita", jornal de estudos psicológicos. Allan Kardec fundou em Paris, a 1º de Abril de 1858, a primeira Sociedade Espírita regularmente constituída, sob o nome de "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas". Casado com Amélie Gabrielle Boudet, não teve filhos. Trabalhador infatigável, desencarnou no dia 31 de março de 1869, em Paris, da maneira como sempre viveu: trabalhando. ("Obras Póstumas", Biografia de Allan Kardec)

SALVE KARDEC - Cornélio Pires

s

obre a Terra de sombra e de amargura A treva espessa e triste se fizera. A Ciência e a Fé nas asas da quimera Mais se afundavam pela noite escura. A alma humana de então se desespera,

E eis que das luzes místicas da altura Desce outra luz confortadora e pura, De que o mundo infeliz se achava à espera. E KARDEC recebe-a, sobre o abismo Espalhando as lições do Espiritismo,

Em claridades de consolação. Emissário da Luz e da Verdade, Entrega ao coração da Humanidade A Doutrina de Amor e Redenção. Médium: Francisco Cândido Xavier


Página 02

Natureza

das penas e dos gozos espirituais [...]Os benfeitores do espaço ensinam também que a felicidade dos bons Espíritos é conquistada pelo merecimento, isto é, pelo estudo, sacrifício, renúncia, trabalho, abnegação, virtudes que gradualmente conduzem ao progresso moral. Por isso se diz que a felicidade é diretamente proporcional à elevação de cada um. [...] os sofrimentos dos Espíritos inferiores são tão variados quanto as causas que os produzem e proporcionais ao grau de inferioridade, assim como os gozos guardam relação direta com o grau de superioridade. Há inclusive, Espíritos que sofrem pelo de não pode-

rem mais gozar dos mesmos prazeres materiais que fruíram enquanto encarnados. Três princípios ensinados pelos espíritos superiores resumem as penas e gozos futuros: a) o sofrimento é inerente à imperfeição; b) toda imperfeição, assim como toda falta dela originada, traz consigo a punição respectiva, a se manifestar nas conseqüências naturais e inevitáveis dos atos praticados; c) o homem pode vencer as imperfeições por meio da vontade, neutralizando o mal feito ontem pela prática do bem realizado hoje, que lhe assegurará a verdadeira e perene felicidade 1

[...] As penas e os gozos espirituais atuam sobre os Espíritos na exata correspondência de suas necessidades interiores, conforme tenham bem ou mal vivido. As penas têm por objetivo reconduzir a criatura recalcitrante ao caminho do bem por meio do arrependimento, da expiação e da reparação. Os gozos constituem fonte de bênçãos a premiar os esforços daqueles que perseveram no trabalho do bem: Dolorosa, cheia de angústias para uns, a morte não é, para outros, senão um sono agradá-

vel seguido de um despertar silencioso. O desprendimento é fácil para aquele que previamente se desligou das coisas deste mundo, para aquele que aspira aos bens espirituais e que cumpriu os seus deveres. Há, ao contrário, luta, agonia prolongada no Espírito preso à Terra, que só conheceu os gozos materiais e deixou de preparar-se para essa viagem.2

Em suma, a natureza das penas e dos gozos futuros está diretamente ligada à evolução dos Espíritos. Quanto mais materializado e vinculado às paixões terrenas, mais estará o Espírito sujeito a sofrimentos. No sentido inverso, quanto mais moralizado e sintonizado com o bem, maior será a ventura experimentada pelo Espírito. Encerrando estas reflexões, ocorre-nos a seguinte indagação: que bem estamos fazendo hoje que nos garantirá um futuro espiritual ditoso amanhã? Fonte: Reformador nº 2.203 1KARDEC, Allan. O céu e o infernoPt. 1, cap. 7, it. Código penal da vida futura, subit. 33, p. 109. 2DENIS,Léon.Depois da morte.2. reimp.Rio de Janeiro: FEB Editora, 2011. Pt. 4, cap. 30, p. 267-268.

A Reencarnação

José Reis Chaves

[...] Certa feita, os discípulos perguntaram a Jesus o que quer dizer que Elias virá primeiro. E o Mestre afirmou que Elias já veio e não o reconheceram. E o texto evangélico termina assim: “Então os discípulos entenderam que Jesus lhes falara a respeito de João Batista”. (Mateus 17, 9 a 13). Noutro texto, Jesus falando agora do próprio João Batista, diz: “E, se o quereis reconhecer, ele mesmo é Elias, que estava para vir. Quem tem ouvidos (para ouvir) ouça.” (Mateus 11, 7 a 15). Quem tenta negar que João Batista é reencarnação de Elias, não é um estudioso serio da Bíblia. E a misericórdia de Deus deixaria de ser infinita, se não houvesse a reencarnação. Numa parábola sobre a salvação, o Excelso Mestre ensina que é difícil passar pela porta estreita. Quem é que se julga já poder passar por ela? Sem a reencarnação, quem, pois, se salvaria? Sem ela, Deus teria fracassado no seu projeto de criação do homem!


Página 03

Ser amigo e ser Fraterno

O ser amigo movimenta em si o ser fraterno, na medida em que abre mão de si mesmo em razão do outro. Temos muitos amigos? Parece que temos muitos companheiros do poder, colegas de ambições, aliados nas ações costumeiras. Esses são fugidios e passageiros. [...] atendendo somente aos imperativos das conveniências. Não se dão, não compartilham porque só veem à frente os próprios interesses e necessidades. São pálidos na lealdade, econômicos no gostar e precários diante da ética da convivência. São co-

mo as sementes estéreis que, uma vez plantadas em campo bom, não conseguem germinar, tampouco dar flores e muito menos ofertar frutos, pois não saem de dentro de si mesmos. O ser amigo movimenta em si o ser fraterno, na medida em que abre mão de si mesmo em razão do outro. A fraternidade é o sentimento das quatro operações. Soma em função do bem comum; subtrai as diferenças, zerando os restos; multiplica os esforços no sentido da realização recíproca e divide entre todos as alegrias. A amizade fraterna é simbolizada pelo triângulo, por ter lados iguais: trabalho, lealdade e união. Unidas por ângulos simetricamente iguais, a fé, a esperança e a caridade tornam-se imbatíveis, soldam corações para funcionar como uma grande incubadora, numa perfeita geratriz do amor. A conquista da amizade deve ser o nosso esforço diário. [...]A amizade deve iniciar em nós mesmos, tendo como ponto de partida o comprometimento de sermos nossos próprios parceiros, aumentando em nós os níveis de participação afetiva, deflagrando, com isso, um amplo processo de admiração e camaradagem pessoal. A Fraternidade é amizade. [...] independentemente das possibilidades, pessoas, coisas ou circunstâncias. [...] a fraternidade é a

incubadora mais próxima do amor! [...]O amor exclusivamente ama, independe dos sentimentos que se encontram ou se manifestam à sua volta. [...]Num determinado momento, trabalhamos movimentados unicamente pela euforia despertadora. Atingimos o trabalhoresponsabilidade, avançamos para o trabalhoamizade. Assim, em outro instante, trabalhamos pela fraternidade até atingirmos de todo a mecânica redentora do trabalhoamor. Aí, sim, entenderemos a profundidade das relações propostas pelo Mestre Jesus. Coletânea de textos espíritas organizada por Nivaldo Scrivano, da União Fraternal)

Não a Eutanásia Felizes da Terra! Quando passardes ao pé dos leitos de quantos atravessam prolongada agonia, afastai do pensamento a idéia de lhes acelerardes a morte!... Ladeando esses corpos amarrotados e por trás dessas bocas mudas, benfeitores do plano espiritual articulam providências,

executam encargos nobilitantes, pronunciam orações ou estendem braços amigos! Ignorais, por agora, o valor de alguns minutos de reconsideração para o viajor que aspira a examinar os caminhos percorridos, antes do regresso ao aconchego do lar. Se não vos sentis capacitados a oferecer-lhes uma frase de consolação ou o socorro de uma prece, afastai-vos e deixai-os em paz!... As lágrimas que derramam são pérolas de esperança com que as luzes de outras auroras lhes rociam a face!. Esses gemidos que se arrastam do peito aos lábios, semelhando soluços encarcerados no coração, quase sempre traduzem cânticos de alegria, à frente da imortalidade que lhes fulgura do Além!... Companheiros do mundo, que ainda trazeis a visão limitada aos arcabouços da carne, por amor aos vossos sentimentos mais caros, dai consolo e silêncio, simpatia e veneração aos que se abeiram do túmulo! Eles não são as múmias torturadas que os vossos olhos contemplam, destinadas à lousa que a poeira carcome... São filhos do Céu, preparando o retorno à Pátria, prestes a transpor o rio da Verdade, a cujas margens, um dia, também vós chegareis!... (André Luiz)


Página 04

A busca da felicidade

[...] Quando o ser humano alcançar o entendimento de que é um Espírito imortal que, após a morte do veículo somático, continua a evoluir em outra realidade, a extrafísica, de onde sai temporariamente para renascer no plano físico, quantas vezes se fizerem necessárias, terá a cons-

Divaldo Responde.

ciência desperta, indispensável à busca da felicidade verdadeira. A Doutrina Espírita ensina, porém, que não basta nascer e renascer, pura e simplesmente. É importante que o Espírito imortal trabalhe, efetivamente, a sua transformação moral e intelectual, em cada etapa reencarnatória e nas vivências no plano espiritual. A propósito, aconselha Emmanuel: Vive oferecendo ao caminho o melhor de ti mesmo, plantando a bondade e a compreensão, o entendimento e o serviço na alma dos semelhantes, [...]

A busca da felicidade duradoura é processo evolutivo que, cedo ou tarde, o homem obterá, assim expresso nestas palavras do sábio Orientador espiritual: Já se disse que duas asas conduzirão o Espírito humano à presença de A violência que hoje assusta a população mundial, sobretudo no Brasil, é fruto de quê? Divaldo Franco: A Terra ainda é um planeta de provas e expiações, avançando para mundo de regeneração. Assim o é, porque aqueles que a habitamos ainda somos Espíritos atrasados, assinalados, na grande maioria, pelos impulsos do

Deus. Uma chama-se amor; a outra, sabedoria. Pelo amor, que, acima de tudo, é serviço aos semelhantes, a criatura se ilumina e aformoseia por dentro, emitindo, em favor dos outros, o reflexo de suas próprias virtudes; e pela sabedoria, que começa na aquisição do conhecimento, recolhe a influência dos vanguardeiros do progresso, que lhe comunicam os reflexos da própria grandeza, impelindo-a para o Alto. Através do amor valorizamo-nos para a vida. Através da sabedoria somos pela vida valorizados. Daí o imperativo de marcharem juntas a inteligência e a bondade. (Reformador - Edição 2.203)

primarismo de onde procedemos. Ao lado desse fato de natureza espiritual evolutiva, registramos aqueles de natureza socioeconômica, ociomoral, patológica, e, sobretudo, as injustiças sociais. A solução para a agressividade e a violência é o amor, trabalhando leis dignificadoras em favor do progresso geral e do engrandecimento moral dos indivíduos.

AGENDE-SE Outubro 2012 Palestras domingo 19h30min 7–IRENE GASPARINO (Jales) 14–PAULO GASPARINO(Jales 21–SUZETE BRUNELLI (Fernandópolis) 28–DAVID (Jales)

CURSOS: Quinta-Feira: O livro dos Espíritos-20 h Sexta-Feira: Obras de André Luiz - 20h Sábado: O Ser Consciente-9h PLANTÃO DE PASSE -2ª, 3ª, das 18h30min as 19h15min . -5ª as 17h30min -6º das 19h as 19h30min Veja no mural as atividades da casa e participe conosco!

PATROCÍNIO DESTE INFORMATIVO

PLANETA ÁGUA - Rua Um, nº 3073, fone: 17– 3632.7324

COLAVITE SEGUROS - AUSTACLINICAS - Rua 4, F:3632.8504 HOSPITAL DA BOCA - Fone: 17-3632.3874 e 3621.1254 CCAA - Av. Francisco Jalles FISIOTERAPIA - Ronaldo Beltran Av. João Amadeu, nº 2350 Fone: 17– 9717.0973

Visite: www.usejalessp.blogspot.com www.madoespirita.org.br www.addavid.blogspot.com

"Reconhece-se o verdadeiro Espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que faz para domar as suas más inclinações " .... Allan Kardec

Informativo Maria Dolores nº 116  

Informativo mensal

Advertisement