Issuu on Google+

Diretor Responsável: Claudio Antonio Machado - 03 de dezembro de 2010 - Caderno FR n° 4 - 04 páginas - Ano XVIII

ONU cita Bolsa Família entre ações que contribuem para Metas do Milênio Órgão diz que programa aumenta número de crianças na escola e ajuda a reduzir pobreza. Um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) destaca o programa Bolsa Família como sendo um programa que tem contribuído para que sejam alcançadas as chamadas Metas do Milênio. As Metas são oito objetivos determinados internacionalmente para reduzir pobreza, fome, mortes de mães e crianças, doenças, moradia inadequada, desigualdade entre os sexos e degradação ambiental até 2015. O documento da ONU, apresentado em Nova York na quinta-feira pelo Programa de Desenvolvimento da organização, traz uma agenda de ações concretas para se atingir as Metas do Milênio e apresenta exemplos de várias iniciativas que estão ajudando 50 países a se aproximar dos objetivos estipulados pela ONU. Ele foi preparado por um painel composto por representantes do Banco Mundial, do Fundo Monetário Internacional, da Comissão Europeia e dos seguintes governos: Bangladesh, Brasil, Canadá, Chile, República Dominicana, Egito, Etiópia, Noruega, República da Coreia, Ruanda, Espanha, Tunísia, Grã-Bretanha e Vietnã. “Em vez de ser vista como um escoamento do orçamento nacional, a proteção social deve ser vista como um investimento decisivo para formar o poder de recuperação para lidar com choques presentes e futuros e manter vitórias alcançadas com esforço”, afirmou a administradora do programa de desenvolvimento, Helen Clark, no discurso de apresentação do relatório ao se referir ao Bolsa Família e ao programa parecido existente no México, o Oportunidades. Pobreza O relatório afirma que nos últimos dez anos houve um desenvolvimento amplo da proteção social e transferência de dinheiro, principalmente da América Latina. “A popularidade destes programas também está relacionada ao custo relativamente baixo de cerca de 1% a 2% do PIB. Técnicas

de avaliação sofisticadas mostram que transferências de dinheiro têm um impacto positivo nos resultados de educação e saúde.” O texto ressalta ainda que tanto o BolsaFamília como o Oportunidades tiveram impacto também na redução da pobreza e tem sido associados a um declínio da desigualdade de renda de cerca de 2,7 pontos percentuais no Brasil e no México. O relatório afirma que a meta de reduzir a pobreza pela metade no mundo inteiro pode ser atingida em cinco anos, mas ressalta que é preciso se concentrar também na redução do número absoluto de pessoas pobres. Em 2005, o número de pessoas vivendo com menos de US$ 1,25 por dia caiu para 1,4 bilhão, comparado com 1,8 bilhão em 1990. No mesmo período, a taxa de pobreza caiu de 46% para 27%. “Na América Latina e no Caribe, o declínio na pobreza absoluta é atribuída principalmente ao Brasil.” Meio ambiente Em relação à sustentabilidade ambiental, o relatório não é tão otimista, aconselhando os países a reforçar a colaboração entre si para conservar e utilizar as florestas e recursos marinhos de forma sustentável. “Globalmente, o mundo fracassou em atingir suas metas de impedir a perda de biodiversidade em 2010. O deflorestamento continua inabalado em 13 milhões de hectares por ano.” O documento também afirma que as mudanças climáticas estão afetando a sustentabilidade ambiental. As emissões de gás carbônico chegaram a 21 bilhões de toneladas métricas em 2006 - um aumento de 31% em relação ao nível registrado em 1990. As emissões per capita são mais altas nas regiões em desenvolvimento, especialmente na África subsaariana e em economias em rápido crescimento como Índia e China. Favelas As conclusões em relação à melhoria das

condições de moradia também mostram que existe muito trabalho a ser feito até 2015. Apesar de a proporção da população urbana vivendo em favelas em países em desenvolvimento ter caído, o número total de habitantes em favelas deve chegar a 1,5 bilhão em 2020. De acordo com números de 2005, um terço de todos os moradores urbanos viviam em favelas. O documento destaca que o crescimento

das favelas vem causando vários danos ambientais em áreas delicadas, como nas bacias de água da cidade de São Paulo. O relatório do Programa de Desenvolvimento da ONU foi fornecido a todos os países integrantes da ONU para a preparação de um documento para a cúpula de líderes mundiais sobre as Metas de Desenvolvimento do Milênio que será realizada em setembro, em Nova York. (Matéria extraída da BBC Brasil)


O Verdadeiro Riopedrense

Página 02

Dezembro/2010

Lula já recebeu outras premiações internacionais, como o de “Estadista Global” e o prêmio Pela Paz O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escolhido para receber o prêmio Indira Gandhi para a Paz, o Desarmamento e o Desenvolvimento de 2010 em uma decisão de um jurado internacional presidida pelo primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh. As informações são da Agência Ansa. O presidente, que deixará o cargo em 31 de dezembro de 2010, foi premiado porque trabalhou “pelo reforço das relações entre as nações em desenvolvimento, e em particular por seu importante apoio à cooperação” entre Índia e Brasil, explicou Singh. Ele também disse que o brasileiro se esforçou para adotar políticas com o objetivo de eliminar a fome e promover o crescimento do Bra-

sil. Lula já recebeu outras premiações internacionais, como o de “Estadista Global” em janeiro deste ano no Fórum Econômico Mundial, e o Prêmio Pela Paz 2008, da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), em maio do ano passado. Criado em 1986, o troféu indiano já foi concedido ao ex-presidente da União Soviética Mikhail Gorbachev, em 1987; o primeiro presidente da República Tcheca, Václav Havel, em 1993; o ex-presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter, em 1997; e o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, em 2008.

FOLHA REGIONAL EXPEDIENTE Tereza Marcilio Machado - ME - Edição de Jornal “MESCLA” CGC 68.339.571/0001-99 - Rua Antonio Pires, 401 - Centro - Capivari - SP. CEP: 13360-000 - Tel.: (19) 34913912 - Celulares: (19) 9644-1905/92962578 - E-mail: folhadecapivari@yahoo.com.br Claudio Antonio Machado Diretor responsável Não nos responsabilizamos por matérias assinadas, já que a opinião de cada um pode não ser a mesma do jornal.

NOVO GALÃ NA CIDADE VAI COMPLETAR SEU PRIMEIRO ANO DE VIDA O galã da foto chama-se Venâncio Giraldi Botinhon que completa seu primeiro ano de vida no dia 03 de dezembro (sexta-feira). Como não poderia faltar neste grandioso dia, uma BIG FESTA será realizada para recepcionar as primeiras fãs de Venâncio, que já são muitas, amigos e demais parentes. Os pais Rubinho / Cintia (PROPRIETÁRIOS DA TECNOCAP INFORMÁTICA CAPIVARI) + avós paternos Rubens / Maria Dorotéia + avós maternos Orlando / Maria do Carmo, já estão organizando o grande evento que marcará para sempre o primeiro ano de vida do garotão da foto. A todos desejamos muitas felicidades, principalmente a Venâncio, que o bom Deus continue abençoando nesta The Long and Winding Road. (A REDAÇÃO ALERTA: POR FAVOR NÃO ESQUEÇA DO PEDAÇO DO BOLO)

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DOS ANIMAIS Todos os animais têm o mesmo direito à vida. Todos os animais têm o direito ao respeito e à proteção do homem. Nenhum animal deve ser maltratado. Todos os animais selvagem têm o direito de viver livres no seu habitat. O animal que o homem escolher para companheiro não deve nunca ser abandonado. Nenhum animal deve ser usado em experiências que lhe causem dor. Todo ato que põe em risco a vida de um animal é um crime contra a vida. A poluição e a destruição do meio ambiente são considerados crimes contra os animais. Os direitos dos animais devem ser defendidos por Lei. O homem deve ser educado desde a infância para observar, respeitar e compreender os animais.


Dezembro/2010

O Verdadeiro Riopedrense

Página 03

A presidente eleita Dilma Rousseff (PT) fez um breve discurso no diretório nacional do PT, em Brasília A presidente eleita Dilma Rousseff (PT) fez um breve discurso no diretório nacional do Partido dos Trabalhadores nesta sexta-feira, em Brasília. Ao lado de José Eduardo Dutra, da equipe de transição do governo, ela falou por aproximadamente 18 minutos e não entrou em detalhes a respeito de seus planos de governo para os próximos quatro anos. Comovida, Dilma agradeceu o apoio dos militantes do PT durante a campanha e teve que conter as lágrimas. “Temos a responsabilidade de transformar esse País numa referência histórica, numa das maiores democracia do Ocidente. Teremos uma justiça social que prima pela erradicação da miséria”, disse a presidente. Dilma Rousseff afirmou que o PT está maduro e pronto para governar para a situação e oposição. “Vou enfatizar a importância das alianças políticas, algo que fizemos de forma madura, com capacidade de conviver com a diferença,

de entender que é possível ter posicionamentos diferenciados sobre algumas questões e construir o consenso político que vai mudar o nosso País. O PT foi aprendendo e teve maturidade para entender que o país era complexo, que tinha que se coligar, fazer aliança. Numa democracia, é assim que se deve governar.” Sobre a responsabilidade de suceder o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que acumula recordes de aprovação popular, Dilma falou que o importante é não se repetir. “Minha vantagem, quando olho para 2002, é que temos uma herança bendita. Essa herança nos coloca um desafio: nossas conquistas não podem se repetir, sob pena de não honrarmos o que construímos. Isso nos coloca a imposição de ir em frente, de aprofundar o que conquistamos. Esse projeto começou com Lula e teve toda uma experiência pessoal dele como líder sindical.”

OS TRÊS PORQUINHOS: O discurso de Dilma foi marcado por momentos de emoção e descontração. Ao se referir à ausência do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, que deve ocupar um cargo importante no seu governo, a presidente disse que ele é um dos “três porquinhos”, sendo os outros dois José Eduardo Dutra e José Eduardo Cardozo, deputado federal pelo PT. “Os 3 porquinhos foram muito bem sucedidos na coordenação da minha campanha. Encontrei neles companheiros de todas as horas. Sem abrir mão da importância de outras lideranças aqui presentes, quero dirigi a eles meu agradecimento especial.” Comovida, a presidente falava sobre a solidariedade recebida por militantes do PT em diversos locais do Brasil e teve que parar para beber água e conter as lágrimas. “Eu vi o PT vivo e atuante de Norte a Sul, Leste a Oeste. É para esse partido que eu apresento o meu reconhe-

cimento, a minha gratidão e a certeza que eu dependo desse partido para bem governar o País. Dependo do esforço e da solidariedade de vocês, e da maturidade política para compreender os diversos desafios políticos”, afirmou. Dilma Rousseff encerrou o discurso homenageando a perseverança do presidente Lula, que foi eleito após três tentativas frustradas, pedindo que os petistas que não se elegeram não desistam. “Nós temos uma herança e a trajetória de que é preciso não desistir. Nós estamos iniciando uma nova etapa e outras etapas ainda virão. Nós, mulheres, chegamos aqui. Eu acho que eu represento a luta de cada uma das militantes aqui presentes. Todas nós representamos milhões de mulheres brasileiras que progressivamente colocarão sua cara, brigando por um Brasil melhor.” (Claudia Andrade - Brasília)

Dilma e equipe de transição discutem ampliar e reajustar Bolsa Família Famílias sem filhos e com renda entre R$ 70 e R$ 140 podem ser incluídas. Ministra do Desenvolvimento Social disse que há cenários para reajuste. A ampliação do número de beneficiários e o reajuste do valor pago pelo programa Bolsa Família foram alguns dos temas discutidos pela presidente eleita, Dilma Rousseff, com a equipe de transição, integrantes do governo federal e representantes da sociedade civil em reunião nesta quinta-feira (18) no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, onde trabalha a equipe de transição de governo. A ministra do Desenvolvimento Social, Márcia Lopes, foi uma das cerca de 30 pessoas presentes à reunião. Ela afirmou que já existem cenários de reajuste para o benefício do programa. “Seguir reajustando o Bolsa Família faz parte da própria lei que criou o benefício e também é uma questão de coerência. (...) Não temos esse dado (sobre o percentual). Temos alguns cenários e estudos que serão apresentados para a

presidente Dilma e a decisão será dela”, afirmou a ministra. Márcia Lopes afirmou que, em relação à ampliação dos beneficiários, a principal medida pode ser a extensão do benefício para famílias com renda per capita entre R$ 70 e R$ 140 e que não têm filhos. Presidente do PT diz que Dilma deve criar apenas mais um ministério Atualmente, nessa faixa de renda, o Bolsa Família é pago apenas para quem tem filhos. A estimativa é que 750 mil famílias possam ser beneficiadas com a mudança. A ministra disse que a “tendência” é que a presidente eleita adote a medida. Pobreza Na reunião, a presidente eleita disse que o debate da transição começou pelo tema da pobreza porque é um “compro-

misso fundamental” de seu futuro governo. No primeito discurso após ter sido eleita, Dilma afirmou que terá como meta “erradicar a miséria”.

apenas para transferência de renda, mas teriam de ser usados também em políticas públicas de áreas como saúde e educação.

Dilma valorizou as políticas do governo Lula, fez elogios ao Bolsa Família e destacou a necessidade de se adotar políticas específicas para combater a pobreza levando em conta a diversidade de cada região.

O presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, elogiou as políticas do governo Lula na área social e afirmou que o desafio é “sofisticar” e “aperfeiçoar” a ação nessa área para conseguir alcançar a erradicação da pobreza.

Segundo a ministra Márcia Lopes, é importante o fato de a primeira reunião da equipe de transição ter abordado o tema mostrar que será uma prioridade do governo Dilma. “Isso reafirma o compromisso de enfrentar esse desafio”. Marcelo Neri, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), destacou que são necessários mais R$ 21 bilhões por ano para erradicar efetivamente a pobreza no país. Esses recursos, segundo ele, não seriam

Segundo os participantes da reunião, ficou definida a criação de um fórum permanente para discutir as políticas voltadas ao desenvolvimento social. Esse fórum seria paralelo ao chamado “Conselhão” que reúne empresários e debate, principalmente, o desenvolvimento econômico. (Eduardo Bresciani do G1, em Brasília)


Página 04

O Verdadeiro Riopedrense

Dezembro/2010

Informativo Luz para Todos

Luz para Todos tira mais de 1 milhão de brasileiros da escuridão

Em maio de 2009, o Programa Luz para Todos, do Governo Federal, atingiu a meta de levar energia elétrica gratuitamente a 2 milhões de famílias em todo o Brasil. Cerca de 10 milhões de brasileiros saíram da escuridão. De lá para cá, o Programa, criado em 2003 pelo presidente Lula, continuou a beneficiar outras milhares de famílias do meio rural. Hoje já são mais de 11,1 milhões de sorridentes brasileiros com possibilidade de ter geladeira, televisão, bomba d’água, além de utilizar a energia para gerar renda, contribuindo para a redução da pobreza e da fome. O tempo das dificuldades e restrições impostas pela falta de energia elétrica, como salgar a carne de consumo para não estragar, tomar banho frio no inverno, utilizar lamparina para clarear a noite, entre outras situações, é coisa do passado. A energia vai chegando e a vida melhorando - “Eu pensei em sair da minha terra, na Praia do Sono, por não poder dar a menor condição de conforto para a minha família. Agora não! A energia chegou e eu posso ter tudo que o morador da cidade tem”, palavras de Rosenildo Albino, pescador, casado, pai de duas filhas e um dos felizes moradores de um paraíso, localizado em Paraty - RJ. “Antes era tudo muito difícil e caro! Vela é uma despesa cara, diesel muito mais e o pior é que conservar o peixe era praticamente impossível. Agora a vida melhorou e muito!”, diz Albino. De Norte a Sul as histórias são parecidas. Basta conversar um pouquinho com os beneficiados para eles contarem como a vida melhorou. O construtor de barcos, Cláudio Manoel Bastos, de Igarapé-Miri, no estado do Pará, diminuiu o tempo de trabalho para produzir embarcações. As ferramentas agora são elétricas. Já a mineira Suelen Chagas, de Coqueiral, saiu da lavoura de café e hoje costura e ganha mais.

O criador de bicho da seda, Ildo Teixeira da Silva, de Ponta Porã - MS, está vendo a produção crescer sem os ataques dos morcegos, já que a luz fica acesa a noite toda. Para as artesãs de Jeremoabo, na Bahia, a eletricidade abriu as portas para o mundo e as peças feitas no tear agora são exportadas para a Itália. O agricultor Vanderlei Perondi, de Sananduva RS, junto com outros agricultores do município, aproveitou a plantação de cana-de-açúcar para montar uma microdestilaria onde produzem álcool, além de fabricar melaço, cachaça e doces. Tudo após a chegada da energia. Benefícios no campo e na cidade - Mas não foi só no meio rural que as obras do Luz para Todos levaram progresso. Estima-se que elas geraram cerca de 335 mil empregos diretos e indiretos, utilizaram 824 mil transformadores, 1,1 milhão de km de cabos elétricos, o equivalente a mais de 26 voltas ao redor da Terra, e 5,6 milhões de postes. Beneficiou tanto o homem do campo, quanto as empresas e trabalhadores das grandes cidades. De acordo com uma pesquisa realizada pelo MME no início de 2009, 79,3% das famílias entrevistadas passaram a ter televisão e 73,3% adquiriram geladeira, o que equivale dizer que no universo de 2,2 milhões de famílias atendidas foram comercializados 1,7 milhão de televisores e 1,6 milhão de geladeiras. Sem falar nas que compraram liquidificadores, ventiladores, bomba d’ água etc. Fixação do homem no campo - Outra constatação que impressionou foi a quantidade de pessoas que passaram a morar no campo depois que a eletricidade chegou. São 4,8% das famílias atendidas pelo Programa, ou cerca de 540 mil pessoas desinchando os grandes centros. Comunidades Isoladas - Com o Programa avançando cada vez mais pelo Brasil, o foco agora

está sendo o atendimento às comunidades isoladas da Amazônia e as ilhas fluviais e marítimas onde moravam pessoas que nem sonhavam com a chegada da energia, em função das dificuldades de distância e de custo. Hoje, no estado do Maranhão, na Ilha de Lençóis, município de Cururupu, os 500 moradores já não têm mais as velas nem o velho motor a diesel como companhia noturna. Estão com energia 24h por dia, o ano inteiro. Graças ao sol e ao vento abundante que colocam para funcionar as placas de captação da luz do sol e as hélices dos geradores eólicos. O projeto, que faz parte de um convênio firmado entre o MME e a Universidade

Federal do Maranhão, está sendo utilizado como modelo e poderá ser replicado em outras ilhas do Brasil. Hoje, 6 anos após a criação do Programa Luz para Todos, a energia elétrica está servindo não só como geradora de renda, de mais conforto, de melhorias na saúde e na educação, mas também como meio de resgate da dignidade, do direito que os moradores do meio rural reivindicavam e não viam como realidade para as suas vidas. “Hoje eu tenho luz elétrica em casa. Sou gente! Me sinto igual a qualquer pessoa da cidade!”, declara a baiana Maria Ferreira de Santana, agricultora de Jeremoabo.

Causos

“Minha mãe chorou de emoção quando liguei as luzes da árvore de Natal” O Natal de 2009 teve um gostinho especial para a família Araújo, moradora do município de Capanema, estado do Pará. No começo de dezembro seu Raimundo e dona Maria Holanda, depois de 30 anos vivendo na escuridão, viram seu maior sonho ser realizado: eles receberam em sua casa a energia elétrica pelo Programa Luz para Todos. A alegria da família foi tanta que eles até registraram o dia da chegada. “Nós fizemos foto dos homens instalando a luz na nossa casa. Foi uma emoção”, disse a filha Simone Araújo. Como o Natal estava próximo, veio a oportunidade de realizar um outro sonho: ter uma árvore de natal iluminada! “Ela era linda! Minha mãe chorou de

emoção quando liguei as luzes da árvore”, contou Simone. Outro presente que chegou com a eletricidade foi a melhoria da qualidade de vida para a família. Com a geladeira em casa, a prática de salgar alimentos para conservação caiu em desuso. Bom para seu Raimundo, que sofre de pressão alta. Melhorou também para dona Maria Holanda, que tem uma deficiência na perna e não precisa mais carregar água retirada do poço. A luz trouxe novos sonhos para a família. Segundo eles, o próximo passo é montar uma casa de farinha com equipamentos eletricos para melhorar a renda. Feliz Natal, família Araújo, e um ano bem iluminado para vocês!

Assessoria de Comunicação do Luz para Todos - MME Tel: (61) 3319-5281 e 3319-5037 http://www.mme.gov.br/luzparatodos


O Verdadeiro Riopedrense