Page 1

MOVIMENTO ESPIRITUALISTA LUSITANO

ALMA LUSITANA

Nº 4 Publicação do Movimento Espiritualista Lusitano | Junho 2010


Alma Lusitana

Nº. 4

Índice Ficha Técnica Editorial

3

Mensagens dos Mestres

4 Título: Alma Lusitana

Paixão Cristo – poema

5 Periodicidade: Trimestral

Bellum sine bello A Mensagem…

7

Auras

10

O Perispírito

13

Corpo Astral

18

O que se tem feito por cá…

23

Livros recomendados

26

Direcção: Patrícia Chaínho

Propriedade e Edição: Movimento Espiritualista Lusitano

Administração, redacção e composição: Rua Hermenegildo Gomes Pereira, nº12 A, loja 2500-833 Caldas da Rainha

Os conceitos emitidos nesta publicação são da responsabilidade integral da associação M.E.L.

2


Alma Lusitana

Salve todos os lusitanos que enfrentam neste momento a crise económica e de valores, que vivemos actualmente no nosso planeta. No entanto estou certa que a vossa fé e perseverança mantêm-se intocáveis, pois essas são as duas principais características do povo da luz, dos verdadeiros lusitanos que sentem no seu coração a energia de Cristo e respondem à sua luz, mesmo quando tudo parece desmoronar à vossa volta. Relembro-vos que estamos na passagem para 5ª dimensão e ao perdermos densidade e tornarmo-nos seres mais subtis e luminosos, estamos num processo moroso e doloroso aos nossos olhos humanos. É por isso necessário, nesta hora, união, fé, coragem e perseverança, para ultrapassar a barreira que nos separa do quinto império, o reino da luz, a 5ª dimensão, onde o amor incondicional será a lei primordial dessa nova humanidade que já começou a despertar … Um forte abraço lusitano.

BRISA DO MAR Patrícia Chaínho

3

Nº. 4


Alma Lusitana

Salve Brisa do Mar! As alterações climatéricas que ocorrem neste momento no vosso planeta, fazem parte da limpeza planetária que irá alterar geograficamente o mesmo, reagrupando o novo mundo. A nova humanidade irá estreitar o espaço entre as civilizações, com o intuito divino de criar o Homem da nova era, onde todos terão que partilhar responsabilidades de preservar o vosso planeta, como um ser vivo, digno do vosso respeito e gratidão, por vos acolher no seu seio. As mudanças bruscas que ocorrerão nos próximos dez anos terrenos, irão obrigarvos a alterar e repensar os vossos hábitos alimentares e posturas ambientais. Para começar deveriam reciclar mais os vossos materiais, evitando assim, o lixo terreno que o excesso de bens materiais por habitante tem provocado, sendo um dos principais factores para o desequilíbrio ambiental. Paz e luz Djwhal Khul

Mensagem canalizada por Patrícia Chaínho em 20 de Novembro de 2007

4

Nº. 4


Alma Lusitana

Paixão Cristo TU QUE AMAVAS A VIDA, JESUS, FEITO HOMEM COMO TEU DISCÍPULO, JOÃO NOS REVELOU... E PREGASTE POR TERRAS DE JERUSALÉM MULTIDÃO DE PALESTINOS TANTO TE AMOU!

E VIVESTE ACLAMADO COMO O MESSIAS LIBERTADOR DE UM POVO SUBJUGADO REI DE UM REINO CELESTIAL SEM IGNOMÍNIAS COMO DEPOIS DE TRAÍDO E JULGADO

SEMPRE OLHANDO OS CÉUS, PERANTE PILATOS DIZIAS QUE NÃO ERA ESTE O REINO HUMANO NO TEU REINAR NÃO TINHAS TAIS DESIDERATOS QUE O TEU IMPÉRIO NÃO ERA O ROMANO...

MESMO ASSIM, INOCENTE FILHO DE DEUS PELA INVEJA ARMA DOS COBARDES, CONDENADO... À MORTE PARA GÁUDIO DOS FARISEUS, ATEUS COMO UM CRIMINOSO VULGAR FOSTE LEVADO!

SOB UMA CRUZ, A NOSSA CRUZ MEU JESUS NA CABEÇA OS ESPINHOS NOSSA DOR... OS TEUS OLHOS, NOSSOS OLHOS ERAM LUZ O TEU SANGUE, O NOSSO SANGUE, O TEU AMOR 5

Nº. 4


Alma Lusitana

E TRESPASSADO PELAS LANÇAS ASSASSINAS HEROI SUPREMO DO SUPREMO SOFRIMENTO REI DOS REIS DAS COISAS SANTAS E DIVINAS "PORQUE ME ABANDONASTE, PAI, AO SOFRIMENTO?"

PORQUE NOS ABANDONASTE, ENTÃO SENHOR? PORQUE BRUTAL SACRIFÍCIO SE JUSTIFICOU? TU, NOSSO HEROI QUE TANTO, TANTO AMOU? SIM, SABEMOS AGORA, JESUS, FOI POR ESSE AMOR!

OBRIGADO MEU HEROI, AGORA COMPREENDEMOS AO SABERMOS QUE A MORTE QUE SOFRESTE... REI, MEU REI, AGORA NÃO JÁ NÃO TEMEMOS PARA NOS SALVAR TU A MORTE VENCESTE!

João Silvestre 10-4-2009

6

Nº. 4


Alma Lusitana

Bellum sine bello A Mensagem… “A Mensagem” de Fernando Pessoa tem sido alvo de múltiplas interpretações

por

parte

de

diferentes tipos de estudiosos. Não pretendo aqui descobrir qual é essa mensagem e penso que o mais

importante

atentos

tentando

é

estarmos

descortiná-la,

porque decerto ela está lá! Inicialmente seria intenção de Fernando Pessoa chamar ao seu poema épico-lírico-esotérico “Portugal”. No entanto, ao tempo, pareceu-lhe algo banal. Acabou por (des) construir o título a partir de uma expressão tripartida (número que se repete em toda a estrutura da obra) Mens agit molem – “A mente move a matéria”. Poderemos questionar-nos se a mensagem não será o próprio título, na medida em que poderemos interpretar a expressão latina no sentido de percebermos que será a nossa mente, a nossa vontade, que poderá fazer algo pela Nação portuguesa…. Em todos os tipos de interpretação deste poema, parece-me comum a todas elas a mensagem de esperança em algo melhor, ainda que num futuro incerto. Ao longo da obra, Fernando Pessoa vai enumerando figuras e eventos ilustres da nossa história, que acaba por transformar em símbolos de um destino maior que aguarda Portugal. O poeta vai deixando indícios através de todo o poema, de que há algo importante que devemos desvendar. Muitos são os que, de facto, acreditam

7

Nº. 4


Alma Lusitana

que jaz escondida uma mensagem secreta, mística até, por entre os herméticos versos de Pessoa. É importante vermos nestes versos uma interrogação e um apelo que nos mova a uma busca. Gostaria de salientar a elocução latina com que Pessoa inicia a sua obra e que contém significados herméticos, nomeadamente rosacrucianos: Benedictus Dominus Deus noster qui dedit nobis signum e que numa possível tradução poderá significar “Bendito seja Deus nosso Senhor, que nos deu o sinal”. Que sinal será esse? Será um aviso ou uma informação? É aqui dado o “sinal” de que esta será uma obra simbólica em que Jesus é apontado como a ligação entre o Criador e o Homem. A estrutura tripartida da obra representa um hipotético potencial de transformação da nação portuguesa. Seleccionei, portanto, três poemas para uma análise um pouco mais minuciosa por considerar que poderão ser alvo de uma reflexão mais aprofundada, nomeadamente “Horizonte”, “Prece” e “Calma”. No poema Horizonte Fernando Pessoa mostra-nos que os portugueses sempre manifestaram atrevimento e valentia que acabou sempre por ser recompensada e na última estrofe faz, o que considero ser, um apelo: “o sonho é ver as formas invisíveis”. Pede-nos, portanto, que tentemos ver para além das coisas materiais e comezinhas e consigamos ver com um olhar “divino”, pois só desse modo conseguiremos atingir a “verdade”, encontrarmos finalmente a revelação que nos vai permitir atingir o nosso Destino como Nação. Em Prece é-nos pedida a renovação de um sonho, ainda que este poema se inicie com um lamento considerando que fomos atingidos pela “noite” e que nada mais nos resta senão o “(…) silêncio hostil,/ O mar universal e a saudade.” No entanto, o poeta considera que o sopro da vida permanece em nós e que decerto conseguiremos reagir a esta inércia que nos colocou nas trevas. E então afirma que: “E outra vez conquistaremos a Distância/ Do mar, ou outra, mas que seja nossa!”. Assim, tal Fénix que renasce das cinzas de um Império sem volta, os portugueses cumprirão a sua missão como nação.

8

Nº. 4


Alma Lusitana

Finalmente o poema Nevoeiro, que está incluído na parte intitulada “Os Tempos”, sendo este o 5º tempo poderá simbolizar o 5º Império. O poeta continua lamentando a situação em que se encontra a nação portuguesa e, a título de chamada, dá um “grito” apelando a um espírito de missão portuguesa dizendo que: “É a Hora!”. Será, talvez, a hora de acordar do marasmo em que nos encontramos e avançarmos para a construção de um Império (o 5º!) divino e de luz, em que finalmente sairemos do “nevoeiro” que nos envolve e impede de vermos o nosso horizonte, a nossa missão, impelindo-nos para uma “Bellum sine bello” (guerra sem guerrear) na conquista da Luz e do Império do Espírito Santo! Filha do Mar Bibliografia consultada: Chevalier, Jean e Gheerbrant, Alain, Dicionário de Símbolos, Teorema Hipólito, Nuno, As Mensagens da Mensagem, Parceria A.M.Pereira Melville, Francis, O pequeno grande livro da Alquimia, Edições Asa Pessoa, Fernando, A Mensagem, Editorial Comunicação

9

Nº. 4


Alma Lusitana

Auras Astral, Etérea, Causal e Mental O que é uma Aura? Qual a influência da Aura no ser humano? A Aura e os corpos materiais. Hoje, está na moda falar em aura, e as conclusões não se podem dizer que sejam muito coincidentes entre si. Uma coisa é certa, ela existe e a sua influência desde que entendida é verdadeiramente benéfica e extraordinária. Cada ser humano, de acordo com a sua experiência, pode canalizar os fluidos em benefício próprio. Pode-se considerar a aura como uma extensão energética dos corpos: - Físico; - Astral; - Mental; - Alma. A aura é sensível à mente, à vontade e ao sentimento. Quando devidamente exercitada, obedece de uma forma bastante rigorosa às indicações da nossa mente, da nossa vontade e consciência. A aura é como se fosse o reflexo de nós próprios, é a nossa imagem num espelho. As energias formadas pela aura, desdobram-se em quatro campos designados por: - Aura Etérea – Processa a ligação com o corpo físico, ou a “Aura da saúde”;

10

Nº. 4


Alma Lusitana

- Aura Astral – É a correspondência ao corpo astral ou emocional; - Aura Mental – É o corpo mental; - Aura Causal – É a correspondência com a alma. Esta aura é a que os Mestres de Luz podem ver. Todo o ente que aspira ao Caminho condutor de Luz, também Senda Oculta, depara-se com algumas dificuldades pela dimensão da sua própria aura que é bastante grande. Torna-se, por isso, necessário trabalhar muito para reduzir o tamanho da sua Aura Astral, e simultaneamente expandir a potência da sua Aura Mental. Para que os canais espirituais se abram, e as faculdades de ordem superior se manifestem terá de criar os seus próprios campos magnéticos de força e protecção, relativamente as forças negativas, cuja finalidade é dividir, submeter e não deixar que o estado de paz seja atingido e naturalmente se sinta a Luz e a liberdade espiritual. Pode-se considerar a aura como um reflexo de energias que são contidas e emitidas de dentro para fora de cada corpo, seja animal ou pessoa. Pode-se afirmar com toda razão que até as cidades possuem a sua aura, elas são constituídas por edifícios, vegetação, animais, veículos, pessoas, todo um universo gerador de auras. O local em que habitamos, também tem a sua aura que é criada pelas energias vibratórias de quem nele vive. Sofremos muitas vezes os efeitos das forças negativas dos grandes meios, que nos criam distúrbios de ordem emocional, física, astral, mental e psíquica. São ainda responsáveis e geradores de muitas doenças, falta de tolerância, bloqueando-nos inclusivamente uma visão de qual deverá ser o nosso caminho nesta vida. Ler as cores nas auras Pode-se afirmar que as energias das auras, são o reflexo da luz e da cor.

11

Nº. 4


Alma Lusitana

O auto-tratamento que se pode fazer passa por uma aprendizagem de como efectuar a leitura e o visionar das auras. Desenvolver e interpretar a visão da aura demora o seu tempo. Não é uma tarefa fácil, não é começar e obter resultados imediatos. Não, efectivamente não é assim. O primeiro mês é para se avaliar as nossas reais capacidades. Depois, um período de dois a seis meses para uma total evolução, finalmente, e com humildade estaremos aptos a começar. Nas auras podemos considerar as cores do arco-íris: - Amarelo; - Vermelho; - Laranja; - Verde; - Violeta e anil; - Azul; Existem outras cores que são: - Dourada; - Rosa; - Cinzento; - Castanho; - Branco; - Preto; - Prateado brilhante. Fátima Favas

12

Nº. 4


Alma Lusitana

INTRODUÇÃO

Por mais “misterioso” ou “sobrenatural” que algo nos possa parecer, sabemos sempre que esses atributos relativos

a

determinado

acontecimento

provêm

directamente, e apenas, da nossa ignorância. Muito do que intuímos carece de explicação plausível para podermos compreender o que sentimos. Torna-se compreensível, e assimilável, tudo o que possa ser racionalizado, explicado e experienciado a níveis mais básicos. Só degrau a degrau nos é permitido evoluir em segurança. Devemos a Allan Kardec, com o discernimento que lhe foi cedido, o “sacudir” do misticismo arreigado e obscuro de que se revestia a ideia de mundo espiritual no ocidente. À luz do racionalismo europeu, também, o mundo da espiritualidade teria de ser escrutinado pelo método do pensamento crítico. No caso, tratava-se, primeiramente, de fazer confluir muitos postulados existentes criando novos termos e conceitos que englobassem as diversas correntes, pois que nelas se encontravam muitos paralelos, apenas não sistematizados e desenvolvidos como um todo; posteriormente havia que confrontar eficazmente todos estes dados com as suas próprias “fontes”. A doutrina espírita que daí resultou tornou-se conhecimento descodificado clarificador. Não apenas um tema do interesse da fé, da clarividência ou da erudição pura, mas um assunto do interesse e ao alcance de todos.

13

Nº. 4


Alma Lusitana

Nº. 4

O PERISPÍRITO Conhecido pelos estudiosos desde a mais remota Antiguidade, o perispírito é identificado numa gama de rica nomenclatura (mais de uma centena de nomes atribuídos ao longo de várias centenas de anos e diversas culturas) conforme as funções que lhe foram sendo atribuídas nos diversos períodos que duravam as investigações. O termo perispírito (do grego “peri” que quer dizer: em torno, ao redor) foi criado por Allan Kardec – o codificador da doutrina espírita – que por seu talento,

cultura

e

desassombradamente,

por

repetidas

enfrentar

e

metódicas

concepções

experiências,

dogmáticas,

veio,

científicas

e

religiosas, provando a constituição ternária do ser humano, pela existência do mediador entre o corpo e a alma. “Há no homem três coisas: 1º, o corpo ou ser material análogo aos animais e animado pelo mesmo princípio vital; 2º, a alma ou ser imaterial, espírito encarnado no corpo; 3º, o laço (perispírito) que prende a alma ao corpo, princípio intermediário entre a matéria e o espírito. Tem assim o homem duas naturezas: pelo corpo, participa da natureza dos animais, cujos instintos lhe são comuns; pela alma, participa da natureza dos espíritos.”

Origem e Natureza O perispírito ou corpo fluídico dos espíritos é um dos mais importantes produtos do fluido cósmico universal; é uma condensação desse fluido em torno de um foco de inteligência – o espírito – que o congrega em si por um automatismo instintivo. O corpo carnal também tem o seu princípio de origem nesse mesmo fluido condensado e transformado em matéria tangível. Mas, no perispírito, a transformação molecular opera-se de modo diferente, porquanto o fluido conserva a sua imponderabilidade e qualidades etéreas – poder-se-ia dizer que é a quintessência da matéria. Um exemplo para compreendermos essas transformações é o facto de um único elemento químico, o carbono,

14


Alma Lusitana

transformar-se em diamante ou carvão conforme se estruturam as ligações moleculares entre os seus átomos. O corpo perispirítico e o corpo carnal têm, pois, origem no mesmo elemento primitivo; ambos são matéria, ainda que em dois estados diferentes. Pela sua natureza e no seu estado normal o perispírito é invisível, porém ele pode sofrer modificações que o tornem perceptível e até tangível.

Definição Perispírito é o envoltório semi-material do espírito desencarnado e o laço que une o espírito à matéria do corpo, quando encarnado.

Propriedades O perispírito transcende o corpo físico. Expandindo-se e irradiando para o exterior, forma em torno do corpo uma atmosfera, que o pensamento e a força de vontade podem dilatar com maior ou menor intensidade. É o que identificamos como aura. Emite diversos tipos de raios, inclusive curativos e restauradores, assim como absorve, por sua vez, diversos tipos de raios psíquicos. Revela a natureza inferior ou superior do espírito e vibra molecularmente de acordo com a sua grandeza moral. O perispírito é o intermediário pelo qual se processa a transferência dos fluidos, da energia, nos processos de curas e passes espirituais. Ao mesmo tempo, extremamente plástico e sensível ao pensamento, o perispírito modifica-se a cada encarnação, quando recebe o condicionamento das novas formas e todas as impressões boas ou ruins, resultantes das acções do espírito.

15

Nº. 4


Alma Lusitana

Pode desprender-se do corpo, quando este está em estado de transe, permanecendo ligado por cordões fluídicos. Representa, então, o duplo exacto do corpo, podendo ser visto por clarividentes. Funções Evolui e progride com o espírito, pois, a cada passo do progresso, o espírito vibra em ambientes mais subtis. Assim, tira daí a sua matéria tornando-se tanto mais subtil e menos material, quanto mais elevado e perfeito for o ser. O perispírito delimita a individualidade no plano espiritual e reflecte os progressos já realizados que caracterizam o adiantamento do ser. Uma segunda função não menos importante é ser um intermediário entre matéria e espírito, elo de união entre alma e corpo, a condição necessária às relações entre espiritual e físico. Por meio desse laço é que o espírito se manifesta no mundo físico actuando sobre a matéria e reciprocamente.

Considerações O espírito é o foco de inteligência, pensante e eterno, sede da memória e sensibilidade. Sem o espírito, o perispírito é matéria inerte privada de vida e sensações. O espírito é quem ama, sofre, pensa, é feliz, triste, ou seja, é nele que residem todas essas sensações ou faculdades. O perispírito é apenas o veículo de transmissão dessas sensações, portanto, é um instrumento ao serviço do espírito. É, também, o espírito que molda o seu envoltório e o apropria às suas necessidades,

aperfeiçoando-o

e

desenvolvendo-o

à

medida

da

sua

inteligência. Servindo-se do perispírito como princípio director da vida organizada, elemento de aglutinação/organização da matéria obediente às leis biológicas, o espírito molda e estabelece as directrizes, através desta ferramenta, a cada novo corpo que encarnará.

16

Nº. 4


Alma Lusitana

O perispírito, no momento da encarnação, recebe uma espécie de cola – o fluido (energia) vital, prendendo-se ao sistema biológico que se forma, consolidando ligações mais subtis a ponto de passar animação ao corpo físico. Unido ao corpo, molécula a molécula, assegura também a ordem e a manutenção dos tecidos e órgãos. “Quando o espírito tem de encarnar num corpo em vias de formação, um laço fluídico, que mais não é do que uma expansão do seu perispírito, o liga ao gérmen que o atrai por uma força irresistível desde o momento da concepção. Sob a influência do princípio vito-material do gérmen, o perispírito, que possui certas propriedades da matéria, se une, molécula a molécula, ao corpo em formação, donde o poder dizer-se que o espírito, por intermédio do seu perispírito se enraíza, de certa maneira, nesse gérmen, como uma planta na terra…”. No desencarne ocorre exactamente o contrário: o perispírito desprende-se molécula a molécula, conforme se unira e ao espírito é restituída a liberdade. Pintor de Almas

17

Nº. 4


Alma Lusitana

No corpo humano, existe matéria astral, constituindo o chamado corpo astral, que se molda exactamente ao corpo físico denso e ao duplo etérico, ultrapassando-o ligeiramente. O Homem é, assim, um trio de Corpo, Alma e Espírito. A alma é o mediador entre o espírito e o corpo, ou seja, entre o Homem terreno e a sua essência divina . A alma tem um corpo ultra-sensível e material com o qual viaja através do espaço. O corpo da alma é o corpo astral. Assim, o corpo astral tem algo de humano e algo de divino. Dentro do corpo astral está a mente, a vontade e a consciência. Ou seja, o corpo astral é o corpo de transição entre os corpos da "personalidade" e os corpos "celestes" superiores. É a porta entre os planos celestes e os planos terrestres. É aqui que são armazenadas as memórias cármicas, as recordações e as impressões das vidas passadas. Estas memórias vibram a partir deste corpo e influenciam-nos constantemente. É aquilo a que chamamos "Energias do carma”. Este corpo é ligado ao corpo físico pelo cordão de prata, também chamado de fio da vida ou ainda Antakarana. É um fio de energia que somente é rompido no momento da morte. O Corpo astral é o veículo com o qual nos expressamos no mundo astral ou mundo dos sonhos. Este veículo não está sujeito ao tempo, não morre e nem se desintegra quando ocorre a morte física. O corpo astral tem a sua ultra fisiologia e a sua ultra-patologia intimamente relacionadas com o sistema nervoso grande simpático e com as nossas glândulas de secreção interna. Está dotado de maravilhosos sentidos com os quais podemos investigar os grandes mistérios da vida e da morte.

18

Nº. 4


Alma Lusitana

Representa, também, o veículo dos nossos desejos, emoções e paixões, dos mais baixos aos mais elevados, de acordo com o nível de sua natureza psicoanímica. Geralmente visível aos clarividentes, é brilhante, mas a sua forma e as suas cores são variáveis nas pessoas comuns, cujos sentimentos e desejos estão constantemente mudando, ao influxo de influências externas. Todavia, nas pessoas espiritualmente evoluídas, a sua forma é mais estável, ordenada e áurica, e a sua cor perolizada assemelha-se à luz da Lua que se projecta sobre as águas e é susceptível de ser modificada tão somente por impulsos e vibrações projectadas do interior do indivíduo. Neste caso, é um veículo de consciência, que pode ser usado e movimentado no plano astral circundante, durante a noite ou dia enquanto o corpo físico dorme. A sua qualidade e sensibilidade superiores acentuam-se e desenvolvem-se na medida que o indivíduo se torna menos egoísta e mais altruísta, atento aos sofrimentos de outros e ao auxílio que lhes é devido. Torna-se então, o corpo astral, num canal pelo qual podem fluir o mais puro e intenso amor e as mais elevadas emoções, que caracterizam as almas mais adiantadas. Com o corpo astral podemos actuar conscientemente fora do corpo físico e visitar os diversos lugares do mundo astral ou mesmo do físico. É o que se conhece por desdobramento astral, projecção astral ou sonho lúcido. Estas projecções ou movimentos da nossa consciência no plano astral designam-se habitualmente por viagens astrais. A maioria das pessoas não se encontra ainda preparada para se projectar nesses planos, pois seriam vistas coisas que traumatizariam, uma vez que não há factor tempo e espaço nessas dimensões. Como existem coisas muito agradáveis de se ver, existem, também, outras muito desagradáveis, como conflitos terríveis, à semelhança do que existe no nosso actual mundo físico. O que difere do nosso plano de existência para outros é a vibração. Vivemos ainda num nível tão baixo de vibração que chegamos a ser tangíveis. Segundo Blavatsky, quanto mais evoluirmos, mais depressa passaremos para planos

19

Nº. 4


Alma Lusitana

mais e mais subtis ou elevados, de acordo com o nosso desenvolvimento, e aí trabalharemos com caridade misericórdia e todas as outras virtudes. Talvez alguém já tenha tido a sensação de acordar e por alguns instantes não conseguir mover-se, isso deve-se a um facto chamado “descoincidência”, que é quando o corpo astral desperta, mas o corpo físico não. Certamente também todos nós já nos projectamos astralmente durante o sono, e raramente nos lembramos. Quando começamos a recordar-nos dessas viagens e lugares significa que já estamos a dominar o nosso corpo astral. Um outro factor interessante é o facto de irmos a algum lugar, que nunca tínhamos visto fisicamente antes, e ter total familiaridade com ele, como numa espécie de deja vu, isso ocorre, provavelmente, porque já o visitámos astralmente. Como cuidar do Corpo Astral? Toda a matéria física possui uma contraparte astral, por isso, os alimentos que ingerimos possuem elementos que podem agregar energias benéficas ou não para o nosso corpo astral ALMA (ou perispírito). Um corpo astral impregnado de matéria astral grosseira atrai para si elementos afins e o mesmo se dá com um corpo envolvido em matéria mais subtil. A alimentação física é uma das fontes de energia para o corpo astral, já que na assimilação do alimento os elementos astrais acabam se agregando ao corpo astral. Vamos exemplificar com a ingestão de carne vermelha para melhor entendimento: O animal sabe que vai ser abatido, embora a sua consciência seja muito menor que a do ser humano, mesmo assim, a carga de adrenalina e outros elementos são descarregados no sangue. O sofrimento e angústia do animal também impregnam o "campo astral", ou seja, a matéria astral do animal. Quando ingerimos a carne estamos a alimentarmo-nos, também, dos elementos químicos, físicos e astrais.

20

Nº. 4


Alma Lusitana

Com isso, as cargas energéticas tóxicas impregnam o nosso corpo astral, tornando-o mais denso, mais pesado. Um corpo astral mais pesado facilita o contacto com a parte mais animal e bruta do Homem, dificultando o acesso à consciência superior e às influências benéficas dos amigos espirituais. Também fica mais fácil a influência e aproximação de obsessores, já que as nossas vibrações se tornam mais afins com esses irmãos, ainda apegados às sensações materiais, além de serem também atraídos pelas emanações da carne. Os vícios, seja o fumo, o álcool ou o uso de drogas alucinogénicas têm o mesmo impacto, sendo que as consequências são bem piores que a ingestão de carne. Por sua vez, os cereais e as frutas são saudáveis e constroem corpos físicos robustos e sensíveis às vibrações espirituais. Quando um ser, através do conhecimento e da vontade, decide desenvolver a sua consciência superior e não se preocupa em proceder a uma alimentação sadia, ao consegui-lo sofrerá no corpo físico transtornos de saúde, pois ele não é adequado a esse desenvolvimento superior. Para quem não consegue desvincular-se da carne a melhor opção é o peixe, que possui uma consciência menor que os outros animais dos quais ingerimos carne. O Frango, que é criado com hormonas e em espaços minúsculos, gera um animal em stress e nefasto para a nossa saúde. A falta de higiene pessoal também atrai uma espécie muito baixa de espíritos da natureza, sendo mais nociva aos veículos superiores do que ao físico. Devemos ser muito rigorosos em questão de limpeza, dando atenção especial aos pés, mãos e unhas, porque as emanações fluem em maior quantidade por essas extremidades. A frequência de lugares barulhentos, cheios, onde muitos buscam saciar os prazeres físicos, é desaconselhável para os que intencionam harmonizar-se. Esses lugares, além de estimularem demasiadamente os nervos, também são 21

Nº. 4


Alma Lusitana

impregnados de energias nocivas, que aderem ao corpo astral e possuem grande quantidade de espíritos de baixo padrão vibratório, candidatos a obsessores. Viagens para as montanhas ou para lugares onde existe Natureza abundante e pura, banhos de mar, caminhadas ao ar livre, são actividades que acalmam e possibilitam o regenerar dos corpos físico, astral e mental. O próprio banho de mar é conhecido como poderoso revitalizador dos corpos mais subtis, assim como as actividades físicas, principalmente as realizadas ao ar livre, que trazem bem-estar ao corpo físico, além de acalmar os nervos e diminuir o cansaço e o stress. Tudo o que contribui para a saúde do corpo físico atinge favoravelmente os veículos superiores, e tudo que prejudica o corpo físico prejudica também esses veículos.

Pérola Lusitana

Fonte: http://www.iipc.com.br/fotos/1.jpg

22

Nº. 4


Alma Lusitana

O que se tem feito por cรก

23

Nยบ. 4


Alma Lusitana

O que se tem feito por cรก Mira Daire

Fรกtima

Regaleira

24

Nยบ. 4


Alma Lusitana

O que se tem feito por cรก Sagres

25

Nยบ. 4


Alma Lusitana

Livros recomendados Titulo Original “A Mitologia Portuguesa” Autor Sérgio Franclim Ano 2009 Editora Ministério dos Livros Número de Páginas 240 “Portugal é um país criado com um propósito divino. Os portugueses, desde a aurora da pátria, consideraram-se sempre como parte de um povo eleito para propósitos superiores. Ser português no universo da pátria simbólica é ser um daqueles que espera pelo despertar de D. Sebastião — o histórico e o metafísico." in Prefácio

Titulo Original “O Navegador da Passagem” Autor Deana Barroqueiro Ano 2008 Editora Porto Editora Número de Páginas 448

Sinopse Quando a Armada de Pedro Álvares Cabral, depois de ter descoberto as Terras da Santa Cruz (Brasil), prosseguia a sua viagem para a Índia um grande cometa surgiu nos céus... Naquele tempo, os cometas eram tomados como um prenúncio agoirento de desastres e Bartolomeu Dias, capitão de uma caravela dessa armada de treze navios, tem o pressentimento da morte e recorda a sua vida feita de viagens e aventuras. (…) Bartolomeu Dias recorda igualmente os acontecimentos, as intrigas, crimes e jogos de poder dos seus senhores, dos quais foi testemunha nos breves momentos que passou em terra e na Corte.

26

Nº. 4


Alma Lusitana

“Deus quer, o Homem sonha, a obra nasce” Fernando Pessoa

27

Nº. 4

Alma Lusitana Junho 2010  

Alma Lusitana Junho 2010

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you