Page 1

grupo

Marinados

Trimestral Nº20 JAN / FEV / MAR 2012

NOVO SABOR

Caril

A Lusiaves alargou mais uma vez a sua gama de preparados de carne de aves, desta vez um produto muito especial: uma marinada de aves com sabor a caril, exótica e inconfundível.

O sabor da Índia.

O sabor marcante do caril, um dos temperos mais antigos da história. Principal ingrediente da culinária indiana, o seu preparo leva mais de 20 especiarias, entre elas o cravo, a canela, o cominho, a noz-moscada, a pimenta e sementes, capazes de acentuarem ainda mais o sabor de cada prato.

Editorial A Lusiaves alargou a extensão do âmbito da certificação do Sistema de Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar, às actividades de produção: recria de reprodutoras e produção de ovos para incubação. É neste sector que toda a produção se inicia e por isso mesmo é importante que a Qualidade e a Segurança Alimentar seja assegurada logo à partida. A Lusiaves, reforça assim o seu compromisso com a segurança alimentar e a satisfação do cliente. Nestes primeiros meses do ano, os preços das matérias-primas como os cereais e também a energia, subiram substancialmente, acentuando os factores de pressão sobre os custos de produção, aumentando-os significativamente. Por outro lado, o desemprego e a quebra de rendimento das pessoas e famílias aumentaram a recessão, diminuindo a procura. Avelino Gaspar Presidente do Conselho de Administração

“temos de mobilizar as energias de todos, aumentando a motivação”

Neste cenário económico adverso em que se assiste a uma forte contracção da economia portuguesa, a perda do poder de compra arrasta consigo uma retracção do consumo e torna o ambiente competitivo mais intenso, com uma forte pressão sobre as margens de comercialização. Neste contexto, a Lusiaves tem obrigatoriamente de continuar a racionalizar e controlar os custos, com um grande rigor e disciplina na gestão, melhorando a produtividade, apostando na inovação e formação, diversificando os seus produtos e mercados, aumentando a eficiência na gestão do processo produtivo, tornando-se mais competitiva. Para isso temos de mobilizar as energias de todos, aumentando a motivação e o desempenho das equipas de colaboradores, optimizando os recursos disponíveis e promovendo uma melhoria contínua da eficiência e dos resultados.


grupo

Racentro / Lusiaves

Racentro

Actuação no mercado livre A Racentro – Fábrica de Rações do Centro, S.A. desempenha desde os primórdios da sua existência, um papel reconhecido no designado ‘mercado livre’. Com o prestígio cimentado de uma das maiores empresas do distrito de Leiria, a fábrica enquanto estrutura empresarial integrada no grupo Lusiaves é simultaneamente uma marca reconhecida no país. Dá cartas no panorama agro-alimentar nacional, assumindo-se como a unidade fabril com maior produção mensal.

Mas, nem só. A Racentro aparece também como interveniente de referência no chamado ‘mercado livre’. Assim é apelidado o segmento de actividade ou área de negócio que abrange todos os profissionais de pecuária basicamente não-integrados, de livre actuação no mercado. Falamos assim dum universo tão vasto quanto complexo, que inclui criadores de diverso tipo de gado, de estruturas familiares e domésticas a profissionalizadas. São considerados e mais usuais neste quadro de negócio entre outros: feirantes, revendedores ou lojas agro-alimentares, criadores, negociadores de gado, associações, escolas, centros hípicos domésticos ou pessoas individuais.

02 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO

Neste sector de actividade, a Racentro conta actualmente com clientes tão distintos quanto múltiplos revendedores e lojas, avicultores, suiniculturas, vacarias, explorações de engorda de bovinos, profissionais de equitação assim como consumidores finais. A aposta no mercado livre é clara e resultante da longa tradição que a fábrica herdou (tendo encetado a sua actividade dedicada a este mercado). Torna-se estratégica no aproveitamento de recursos humanos e logísticos e na comunicação da marca e da empresa para o exterior. Vender e divulgar as rações Racentro revela-se uma ferramenta essencial de promoção, com vista o reforço da credibilidade e prestígio do grupo, e, ao mesmo tempo, uma forma de potenciar e aproveitar novos negócios e sinergias no contexto da multiplicidade de serviços propostos pelo grupo de negócio Lusiaves. Com vista a satisfação dos nossos clientes, a fábrica propõe soluções para as necessidades específicas das mais diversas actividades pecuárias, dispondo de referências de aves, bovinos, ovinos, caprinos, equídeos, coelhos e láparos, suínos, bem como cereais.


/ Lusiaves

Racentro

Foco no cliente A satisfação dos clientes no referido segmento revela-se o objectivo máximo da estratégia da unidade fabril neste quadro. Constantemente aberta a sugestões e ao desenvolvimento de fórmulas customizadas adequadas aos propósitos dos clientes que encara como parceiros, a Racentro procura satisfazer as necessidades destes, adoptando uma postura de vigilância, sondagem mas sobretudo proactividade e iniciativa num mercado bastante competitivo e a sofrer ao longo dos anos constantes mutações resultantes de mudanças comportamentais.

Tendências do Mercado Livre A experiência e know-how da Racentro permite à empresa antecipar cenários e dirigir estratégias, assumindo ameaças identificadas no sector.

Estão assim envolvidos nesta actividade, todos os departamentos da empresa sediada em Aroeira. Fabrico, expedição e logística, qualidade, encomendas e comercial colaboram no sentido de assegurar a entrega de um produto de qualidade ao consumidor final. As rações comercializadas pela fábrica apresentam uma relação ímpar no mercado de preço e qualidade, a que se soma o acompanhamento no terreno de profissionais qualificados, empenhados na garantia da obtenção dos resultados pretendidos pelos clientes nos animais, garantindo uma proximidade efectiva com eles. A Racentro, tem sabido adoptar uma posição única de coerência e de referência no domínio da ética, junto dos seus revendedores, destacando-se também da concorrência neste campo. Procura seleccionar parceiros que se regem por valores similares aos seus, promovendo a exclusividade de distribuição dos seus produtos numa determinada área geográfica, tentando assim maximizar os seus recursos logísticos, proporcionando acompanhamento e proximidade aos lojistas e criadores numa atitude caracterizada pelo positivismo com vista ao incremento de vendas. Uma relação de parceria que a Racentro tenciona manter e estimular Esta atitude de transparência, exigência e rigor com que opera no mercado, posiciona a Racentro como uma empresa e marca de referência no mercado livre, com a ambição de conquista de novos mercados e clientes, num sector em constante mutação.

Cliente - OvoValente

A faixa etária dos protagonistas do mercado livre, maioritariamente elevada, associada a uma mudança de comportamentos de uma juventude pouco envolvida na actividade pecuária, constituem factores preocupantes para o sector. Parece estar a perder-se o hábito de criar frangos ou engordar o porco ou o boi nos currais do quintal, lá atrás de casa. Ou não. A crise poderá implicar novas tendências: seduzir as camadas mais novas para a actividade agrícola e para a dinamização do sector pecuário. Alguns vaticinam até um regresso ao passado face à actual conjuntura, uma saudável volta às práticas rudimentares, um retrocesso empenhado à enxada e à criação de gado doméstica. O encerramento de várias unidades fabris intervenientes outrora no mercado e o redesenhar do mapa ibérico de estruturas agroalimentares permitem antever dificuldades e oportunidades simultaneamente.

Cliente - João Frade

Cliente - Cris Zoo

Cenários futuros à parte, a Racentro reserva a sua leitura com a segurança e mestria que a experiência lhe permite, assumindo um papel preponderante na dinamização de comportamentos individuais que promovam a actividade pecuária. Um papel que assume na rua, no terreno mas igualmente no domínio interno, proporcionando inclusive a todos os colaboradores do grupo Lusiaves um desconto especial na compra das suas rações. 03 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO


grupo

Racentro / Lusiaves

racentro

Qualidade certificada A Racentro concluiu com êxito o processo de certificação das normas de conformidade NP EN ISO 9001:2008 no âmbito da qualidade e NP EN ISO 22000:2005 no campo da segurança alimentar.

Dr. David Francisco, Dep. Comercial Tal reconhecimento reforça o estatuto da unidade fabril como referência da indústria agro-alimentar em Portugal, resultando na garantia de uma proposta de produtos e serviços de qualidade superiores, controlados e certificados. A higiene, a segurança, a rastreabilidade, o controlo, o acompanhamento da legislação e estudos de vanguarda, a formação, as preocupações ambientais,

04 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO

Eng. Rui Soares, Director da Qualidade constituem apenas algumas das valências que permitem à Racentro colocar no mercado um produto sinónimo de confiança. A certificação obtida coroa o esforço dos diversos sectores envolvidos, sob a coordenação do técnico de controlo de qualidade, Engº Rui Soares, revelando-se mais um passo, uma clara mais-valia, num processo contínuo, exigente e perma-

nente em nome da garantia da máxima qualidade e satisfação dos parceiros. Mais do que um objectivo, a qualidade constitui uma matriz, uma conduta, uma atitude para a Racentro. A fábrica de rações assume assim, neste aspecto, um compromisso máximo, um compromisso para com os seus parceiros, fornecedores e clientes, agora autenticado pelas certificações obtidas.


Qualidade e Segurança Alimentar

/ Lusiaves

Eng. Carlos Caldeira, Administrador para a Qualidade

Melhoria Contínua da

Qualidade e Segurança Alimentar, Criação de Valor

Este ano foi consolidada a Certificação de Qualidade e Segurança Alimentar (QSA) pelas normas ISO 9001 e ISO 22000 em todos os sites e actividades da LUSIAVES.

e inseguro para o consumidor, considerado muitas vezes por desperdício. A maximização do valor dos serviços e produtos que comercializamos é outra âncora de esforço e criação de valor, tornando-os mais convenientes e diferenciadores no mercado. Estamos a trabalhar para antecipar as expectativas ou até superar as necessidades do cliente, sendo hoje, onde reforçamos o nosso foco e cada vez mais energias. Recentemente, a gama de preparados de carne (Picados, Panados e marinados), foram alvo de reconhecimento pela entidade de certificação, atestando que tanto os produtos, como o seu processo de fabrico, cumprem com os requisitos legais e as normativas de Qualidade e Segurança Alimentar. Foi mais um resultado do esforço, com criação de valor. Por fim, não podemos deixar de reforçar, que todo este valor criado, é fruto do trabalho de uma equipa jovem e dinâmica, formada em Qualidade e Segurança Alimentar e liderada pelos responsáveis de cada área. Aproveitamos esta edição, para apresentar os elementos dinamizadores da qualidade e segurança alimentar da LUSIAVES e também para comunicar, a nova versão da Política de Gestão.

QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR

Esta consolidação, foi levada a cabo com a extensão da certificação aos novos entrepostos frigoríficos e às actividades de produção avícola, cria, recria e produção de ovos para incubação. A melhoria contínua com a criação de valor, é porventura o objectivo principal da política de Gestão da QSA, visando todos os Stakeholders, clientes, colaboradores, accionistas e sociedade envolvente. Ao Longo destes últimos 10

anos, temos fortalecido a nossa cultura de QSA, com a criação de valor. Mas hoje estamos ainda mais empenhados, em cada actividade, serviço e produto acrescentar valor. O nosso compromisso com a melhoria continua, evidenciada no output de todas as actividades de verificação, têm incidido na identificação de tarefas e actividades, que muitas vezes por rotina, fazemos e não acrescentam valor. A minimização de tudo o que pode vir a gerar produto não conforme

Eng. Nuno Teodósio, Responsável Qualidade - Unidade Marinha das Ondas Ao longo destes anos, as instalações da Marinha das Ondas foram aumentando e os processos de abate, desmancha e embalagem de carne de aves, passaram por grandes transformações ao nível da inovação e desenvolvimento, permitindo o desenvolvimento de novos produtos. Aliado a este crescimento, não podemos esquecer, as inevitáveis e constantes adaptações e revisões periódicas ao nosso sistema QSA (Qualidade e Segurança Alimentar), tendo em vista a melhoria contínua.

Neste projecto, cabe-me enaltecer o importante e competente trabalho de toda a equipa HACCP (fica aqui a minha palavra de apreço e gratidão a esta equipa), que definiu todos os pré-requisitos de instalações, fluxogramas, layouts e boas práticas associadas à produção desta gama de produtos. Identificando também, todos os perigos associados a cada uma das suas pequenas actividades, estudando as suas probabilidades e severidades, delineando medidas de controlo e definindo o respectivo plano HACCP.

Neste processo de desenvolvimento e inovação, foi com muito entusiasmo que participei na equipa de concepção e desenvolvimento dos novos produtos “preparados de carne”: marinados (partes frango, temperadas com molhos de pimentão, alho, manteiga, caril, etc.), panados (os agradáveis bifinhos de frango, peru e cordon bleu) e os picados (carne picada, hambúrgueres e almôndegas).

Naturalmente, a experiência e know-how, adquiridos na elaboração de outros produtos, nomeadamente ao nível das exigências de higiene, boas práticas e controlo associados, foram sem dúvida uma ajuda importante na concepção deste projecto de preparados de carne. No entanto, faz parte integrante do nosso trabalho, o estudo da legislação aplicável e a pesquisa de aspectos fabris e relevantes, para a segurança alimentar e a sua sistematização e adaptação aos procedimentos actuais, revendo planos, instruções de trabalho, controlos e registos HACCP.

Foi um projecto encarado como um desafio extremamente interessante, pelos variadíssimos contornos que lhe são inerentes, como a adaptação das instalações, a compra de equipamentos, a utilização de novas matérias-primas e formulações, e as provas de sabor e textura, entre outros aspectos.

Conseguimos atingir mais um objectivo, só possível com muita formação, alguma da qual obtida externamente e depois administrada internamente. A nossa experiência diz-nos que

é necessário investir muito em formação de integração à empresa e ao posto de trabalho, em formação injob, insistindo nas questões de segurança alimentar, qualidade e apresentação do produto, com vista à satisfação do consumidor – sem dúvida o nosso maior objectivo. Mas porque manter é mais difícil que definir, fica aqui o desafio consciente, de que competência, formação, atenção, iniciativa, controlo, motivação e orientação para a melhoria, são palavraschave para a produção de produtos inteiramente seguros para o consumidor. Claro está, que tudo se faz com muito, muito trabalho, mas tem sido um gosto e uma realização pessoal, poder contribuir para uma estratégia de sucesso e fazer parte integrante duma equipa com responsabilidade no controlo directo de processos e produtos consumidos em larga escala, por consumidores a nível nacional e internacional. 05 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO


grupo

Qualidade e Segurança Alimentar / Lusiaves

Qualidade e Segurança Alimentar Eng.ª Dina Fernandes, Responsável pelo Sistema Gestão Integrado dos Entrepostos

Desde Maio de 2010, iniciou as suas funções no grupo Lusiaves na integração dos Sistemas da Qualidade (ISO NP EN 9001:2008) e Segurança Alimentar (ISO NP EN 22000:2005) da Unidade da Marinha das Ondas com os Entrepostos frigoríficos de armazenagem e distribuição local (Estremoz, Corroios, Santarém e Grijó). Sendo como principal objectivo da Lusiaves a melhoria continua, seria necessário, tornar os sistemas de qualidade e segurança alimentar mais eficazes. Pela integração dos princípios de Sistema de Gestão, com metodologias e aplicações de controlo de perigos (ISO 22000:2005).

Esta foi a oportunidade para atingir a harmonização dentro do Grupo Lusiaves no que diz respeito aos padrões de qualidade e segurança alimentar. Todos estes locais tinham implementado um sistema de Segurança Alimentar (HACCP), no entanto cada um trabalhava à sua “maneira”, sendo necessário um acompanhamento com auditorias internas a estes locais, para perceber o grau de cumprimento dos sistemas implementados, informação de extrema importância, para planear o trabalho a desenvolver e a formação a ministrar em cada um deles.

Não conhecendo a organização, teve que planear estratégias de trabalho, sendo o seu principal objectivo, alcançar a confiança e autonomia das equipas de trabalho que encontrou nos diferentes entrepostos frigoríficos, sendo que estando estes localizados em pontos estratégicos do país, tinham hábitos e costumes característicos das diferentes zonas do país.

A principal dificuldade incidiu novamente em alcançar a confiança e autonomia das equipas de trabalho, a partir daí tudo se tornou mais fácil. O Sistema de Gestão da Qualidade e Segurança Alimentar actualmente implementados e certificados, foram desenvolvidos para simplificar e uniformizar os métodos de trabalho das equipas e permitir o controlo facilitado pela gestão. No final deste desafio foi notória a evolução (melhoria), de todos os locais de entrepostagem frigorífica, bem como a satisfação de cada uma das equipas em fazer parte das exigências normalizadas e reconhecidas internacionalmente, assumindo o compromisso com a Segurança Alimentar e a satisfação do cliente, apoiando a Lusiaves na protecção da sua imagem e valorização da sua marca.

O espírito de equipa é elemento essencial para a união e força de uma equipa. É algo que se ganha quando cada elemento da equipa sente que faz parte de um grupo de pessoas que partilham dos mesmos objectivos, e quando sente vontade de fazer o seu melhor a favor do conjunto (equipa).

Entre outros desafios/objectivos, em 2011 foi proposto a extensão da Certificação pelos referenciais normativos ISO NP EN 9001:2008 e ISO NP EN 22000:2005 a outros Entrepostos do Grupo Lusiaves (Lisboa Norte – Frielas, Leiria, Loures e Mirandela).

Eng. Filipe Ribeiro Responsável Qualidade Produção de Aves

Extensão do âmbito da certificação do Sistema de Gestão de Qualidade e Segurança Alimentar (HACCP) ao sector de recria de reprodutoras e produção de ovos para incubação (Unidades de Reprodução).

A Lusiaves é certificada nas Normas Internacionais ISO 22000 (Segurança Alimentar) e ISO 9001 (Controlo de Qualidade). Como tal, todas as áreas de actividade da empresa necessitam de estar abrangidos por estas mesmas Normas e fazerem parte do âmbito da certificação. De forma a cumprir com este requisito, no último ano, alargou-se a certificação ao sector da produção de aves que ainda não abarcava tal rótulo: o sector de recria de reprodutoras e produção de ovos para incubação (Unidades de Reprodução). É neste sector que toda a produção se inicia e por isso mesmo, é importante que a Qualidade e Segurança Alimentar seja assegurada desde logo. Graças ao elevado controlo e rigor que já existia nos sectores de recria e de postura, a certificação tornou-se simples de implementar. Com equipas no sector, formadas em Controlo de Qualidade e HACCP, sensibilizadas para a importância de produzir alimentos seguros e de prestar um serviço de qualidade ao cliente e consumidor final, 06 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO

a introdução de alguns procedimentos normativos, não foi mais que uma mera formalidade. Por outro lado, esta certificação obriga a cumprir com vários requisitos, sobretudo a nível de procedimentos e registos que foi necessário colocar em prática, como por exemplo, as instruções de trabalho da selecção de ovos, higienização e desinfecção de pavilhões, entre outras. Assim como, os registos para assegurar e evidenciar o cumprimento de procedimentos, os planos de monitorização que ajudam a organizar as actividades no espaço e no tempo, etc. Acostumados a lidar com documentos e registos de grande importância para o seu trabalho diário, os trabalhadores compreendem os padrões de exigência a que as auditorias obrigam a nível de sistema documental. Nas Unidades de Reprodução, controla-se a qualidade e estado sanitário das galinhas desde a sua chegada, passando pela recria onde irão crescer e sob um apertado controlo por parte dos técnicos responsáveis, chegar à idade reprodutiva. Irão então produzir os ovos que, após incubados, darão origem aos pintos que chegam todos os dias às explorações de produção de frango.

Os colaboradores que lidam com as reprodutoras estão conscientes de que, proporcionando as condições óptimas para que os animais possam produzir bem, tornam a certificação do seu sector bem mais simples de garantir, já que a qualidade e segurança alimentar e os bons índices produtivos e económicos estão positivamente relacionados. Porém, bem mais difícil do que implementar um Sistema de Gestão de Qualidade e Segurança Alimentar (HACCP), é mantê-lo operacional. E este é agora o grande desafio que temos pela frente.


Qualidade e Segurança Alimentar

/ Lusiaves

Política de Gestão Qualidade, Ambiente, HSST, Segurança Alimentar e Responsabilidade Social O Grupo Lusiaves, inserido no tecido empresarial nacional, entende como sua missão primária as actividades de produção de alimentos compostos para animais, a produção de ovos para incubação, a produção avícola e abate de aves, a transformação, o armazenamento e a comercialização de produtos alimentares.

Assume o compromisso de melhoria contínua dos seus processos de gestão, organizacionais e produtivos: Na focalização no cliente, indo ao encontro dos seus desejos e necessidades, antecipando tendências e proporcionando-lhe serviços de qualidade e produtos seguros;

Na redução da produção de resíduos, promovendo a sua eliminação, procurando soluções de valorização que contribuam para a cadeia de valor da actividade do grupo;

Na eficácia do seu Sistema de Gestão Integrado, nas suas áreas de actividade e processos de realização;

Na implantação de uma política de cidadania responsável, com valores de ética e transparência, que promova a integração, respeite os direitos humanos e esteja atenta à diversidade humana e cultural, não permitindo o trabalho infantil e a descriminação por raça, credo ou religião, e que contribua para a redução das desigualdades sociais;

Na monitorização dos seus processos, cumprindo com os requisitos regulamentares e legais aplicáveis aos produtos e serviços; Na produção a custo controlado, optimizando os seus processos e tornando-os mais eficientes; No estabelecimento e reforço de relações de parceria e confiança com os seus Stakeholders, numa base de transparência e de valores éticos; Na motivação e incentivo aos colaboradores, premiando os melhores e estimulando a inovação, reforçando os laços laborais; No prosseguimento de um desenvolvimento sustentável e socialmente responsável, optimizando e preservando os recursos naturais e integrando os impactos económicos, sociais e ambientais, nas suas actividades, estratégias e comportamentos: No desempenho ambiental, encontrando soluções para a minimização e eliminação do impacte ambiental das actividades;

Na avaliação e Gestão do Risco, no sentido de compatibilizar a actividade produtiva com a Segurança Alimentar e a Segurança das pessoas, com a Higiene e Saúde no Trabalho e com a Protecção do Meio Ambiente; Na formação e sensibilização dos colaboradores, assegurando que se mantenham não só profissionalmente preparados, como também conscientes das suas responsabilidades nas diversas áreas da sua actividade; Na criação de valor para os Stakeholders e accionistas; No fomento do emprego e de criação de riqueza para o país.

07 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO


grupo

Notícias

/ Lusiaves

Hilário Santos e Filhos

Investimento para o futuro

Após solicitação da Hilario Santos & Filhos S.A a C. M. Estarreja reconheceu o interesse e utilidade pública municipal à ampliação das instalações da H.S.F. comprometendo-se também a corrigir a definição de parte dos terrenos como RAN e REN na revisão do PDM. Foi obtida também a autorização da CCDRC para a construção da ETAR e ampliação em zona REN. Junto da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro foi obtido o Título de Exploração Industrial nº 30/2010 válido até 28 de Abril de 2015. A regularização de todas as obras efectuadas e obtenção do respectivo alvará foi conseguido em Fevereiro de 2012. A empresa Hilário Santos & filhos S.A. situada em Pardilhó, Estarreja foi fundada em 19 de maio de 1980, com a denominação de Hilário & Gomes, Lda e tinha como objecto a produção, abate e comercialização avícola e similares. Em 29 de Setembro de 1987, o pacto social da empresa foi parcialmente alterado, quer na denominação da firma, quantidade e valor das quotas, quer como no capital social e gerência da empresa. A sociedade adoptou a denominação de Hilário H. M. Santos & Filhos, Produção e abate de aves, Lda. Em 2 de Fevereiro de 2001, a sociedade então por quotas foi transformada em sociedade anónima, passando a usar a actual denominação Hilário Santos & Filhos, S. A. com o capital de um milhão e setenta e cinco mil euros. 08 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO

Em Novembro de 2006 foi adquirido 51% do capital social pela pelo Grupo Lusiaves sendo os restantes 49% adquiridos em Novembro de 2007, passando a ser detida pelo Grupo a 100%.

Assim foi já entregue na C. M. Estarreja o projecto de ampliação para aprovação de início das obras, as quais se iniciarão a qualquer momento.

A empresa, tendo subjacente a sua estratégia de expansão, procedeu à elaboração de um projecto, com vista a reformular e renovar o lay-out fabril, acompanhado por um aumento significativo de capacidade de transformação, de forma a garantir o seu crescimento futuro. Com a aprovação deste projecto a empresa Hilario Santos & Filhos S.A. constatou que muitos obstáculos estavam ainda por ultrapassar para que a sua implementação pudesse acontecer.

Renato Prata, Administrador


Notícias

/ Lusiaves

Entrega de Camiões Mercedes Começar um novo ano inspira mudanças e novidades. Entre elas, a chegada de três novos camiões da Mercedes Benz, que permitem renovar e actualizar alguma da frota da empresa. Muito nos honrou receber nas nossas instalações, no final de Março, para fazer a entrega de três novos camiões, Carsten Oder, o Presidente da Mercedes Benz Portugal que atendendo ao potencial do Grupo Lusiaves e à dimensão da encomenda, fez questão de vir pessoalmente entregar-nos os novos veículos. Para o efeito, veio acompanhado por Wolfgang Theissen, director de vendas e marketing para a Europa e por Ulrich Bastert, director de vendas de camiões para a Europa e América Latina que se deslocaram propositadamente da Alemanha para estarem presentes nesta entrega.

Com design inteligente, conforto e amplo campo de visão, os modelos recém-chegados trazem versatilidade e qualidade na medida certa para a actividade da empresa.

Nesta pequena cerimónia, foi efectuada a entrega dos três primeiros camiões de uma encomenda maior que o Grupo Lusiaves fez à Mercedes Benz, para reforçar e modernizar a sua frota e que vão ser entregues de uma forma faseada ao longo do ano.

É importante ressalvar que se tratou de um momento importante para a empresa. Recebemos em nossa casa veículos novos e em condições de garantirem a segurança rodoviária de todos aqueles que os utilizam, reduzindo a sinistralidade e os acidentes.

Os novos camiões aliam a facilidade e a agilidade operacional, com um baixo custo de operação, uma estrutura interna ampla, segura e confortável. São também os veículos ideais para garantir o bem-estar e a segurança dos colaboradores que, dia após dia, enfrentam a estrada para chegar aos clientes e consumidores.

09 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO


grupo

Artigo

/ Lusiaves

O traçar de objectivos para o “zero acidentes” No âmbito da política de Segurança e Saúde no Trabalho do Grupo Lusiaves a meta traçada é registar zero acidentes de trabalho. Para que esta meta seja possível é necessário abranger todos os ramos do ciclo produtivo, nomeadamente núcleos de recria, centro de incubação, núcleos produção de aves, centro de abate e fábrica de rações, convergindo sinergias que apostem na formação específica de cada posto trabalho, definição clara das responsabilidades de cada interveniente desde as chefias aos trabalhadores, acerca do processo de supervisão e aplicação dos procedimentos de segurança.

Protecções colectivas para trabalhos em silos - RACENTRO

Escadotes industriais para trabalhos de manutenção – Marinha das Ondas

Segurança na avicultura Como foi dito anteriormente a formação específica de cada posto trabalho constitui um papel fundamental no cumprimento do objectivo a que nos propomos, assim é necessário continuar a elaborar a formação e procedimentos de segurança para todos os núcleos de recria e produção de aves criando procedimentos uniformes em todos os locais, salvaguardando as especificidades do processo e aspectos estruturais de cada uma.

A ponte entre a formação e a prática Dar formação aos nossos colaboradores por si só não basta, é necessário que cada um se sinta envolvido neste processo como um todo, e que no seu dia-a-dia coloque em prática os conhecimentos transmitidos, não basta SABER é preciso APLICAR e aqui está o grande desafio.

10 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO

Eng. Pedro Freire Sector Higiene, Segurança e Saúde no Trabalho

Tapetes anti-fadiga, para trabalhos em pé

Os investimentos na área da segurança têm sido constantes, é exemplo disso a aquisição de tapetes anti-fadiga para os postos de trabalho em pé, escadotes indústrias para trabalhos de manutenção e protecções colectivas para trabalhos de limpeza de silos de matéria-prima e produto acabado. A segurança na manutenção e higienização de máquinas tem sido outra área em foco. Atendendo aos riscos próprios que estas duas áreas apresentam, procuramos soluções técnicas que nos dessem uma resposta fiável na resolução do perigo da exposição homem - máquina, prevenindo assim lesões graves que muitas vezes surgem desta interacção. Consignação de energia ou controlo de energia (lock-out tag-out), é um procedimento que está a ser elaborado para ser aplicado antes da intervenção dos técnicos de manutenção interna, prestadores de serviços externos e equipa de higienização, quando tem de intervir em máquinas. Este procedimento

Dispositivos para procedimento, de consignação de energia, lock-out tag-out

visa cortar a energia eléctrica da máquina, criando condições de segurança na intervenção de um só técnico, contempla ainda a possibilidade de intervirem duas equipas diferentes em simultâneo, manutenção interna e higiene, ou manutenção interna e externa, e ainda em casos excepcionais quando possam estar três equipas a trabalhar ao mesmo tempo numa dada linha de produção, garantido que nenhum dos intervenientes consegue ligar a energia eléctrica sem que antes seja garantido que estão todos fora das zonas de perigo.

A segurança é um processo contínuo e exigente que tem fundamentalmente como foco a criação de melhores condições de trabalho, salvaguardando a saúde e o bem-estar dos nossos trabalhadores, a colaboração e a partilha de informação de ambas as partes é uma máxima!


Receita / Protocolo

Segredos de cozinha Lusiaves

Tarte de Legu mes com Frango Ingredientes para 4 pessoas 250gr de farinha 100gr de manteiga amolecida

DentalCare – Grupo Lusiaves

Protocolo

DentalCare – Grupo Lusiaves

A Lusiaves celebrou um protocolo com a Dentalcare que vai facilitar o acesso aos seus trabalhadores e familiares nas clínicas Dentalcare de Leiria, Pombal, Solum - Coimbra, e Ponte Galante – Figueira da Foz.

200ml de molho bechamel 2 colheres (de sopa) de queijo mozarela 5 colheres (de sopa) de natas 1 curgete 2 tomates 1 dl de azeite 350gr de peito de frango 1 raminho de salsa Sal, pimenta e salada mista q.b.

Preparação: 1.Num

recipiente, misture a farinha com a manteiga. Adicione as natas e bata muito bem, até obter uma massa homogénea. Leve ao frigorífico durante 15 minutos. Ligue o forno a 170º C.

2.Entretanto, corte a curgete e o tomate às rodelas e frite-os

em metade do azeite. Tempere com sal e reserve. Forre uma tarteira com a massa e cubra-a com leguminosas secas. Leve-as ao forno, por cerca de dez minutos. Retira e reserve.

3.Salteie o frango e a salsa picada no azeite restante. Coloque-o

na tarteira e verta o molho bechamel. Disponha os legumes sobre o frango, polvilhe com o queijo e leve a meio do forno, cerca de 15 minutos. Sirva com uma salada mista.

A Lusiaves, consciente dos elevados custos da medicina dentária e querendo apoiar e facilitar o acesso dos seus colaboradores a tratamentos dentários, negociou uma parceria e um importante desconto com a Dentalcare. Entre outros benefícios, o cartão Dentalcare, vai permitir aos seus titulares, beneficiarem de um desconto de 10% em vários tratamentos, assim como a prioridade na marcação de consultas. Neste acordo, além do desconto negociado, na primeira deslocação às clínicas e como forma de facilitar a tomada de decisão dos colaboradores a fazerem um primeiro diagnóstico ao estado dos seus dentes, os primeiros 50,00€ serão pagos directamente pela Lusiaves à Dentalcare. É de salientar que o cartão Dentalcare é extensível a todo o agregado familiar, desde que o mesmo seja apresentado aquando da marcação de consulta e/ou tratamento. Os colaboradores da empresa Lusiaves beneficiarão ainda de um crédito de cinquenta euros nas clínicas Dentalcare já referidas, crédito que será pessoal e intransmissível. Este crédito é pago pela Lusiaves. Para saber mais informações relativas a este protocolo, deverá dirigir-se ao Departamento dos Recursos Humanos. Actualmente as clínicas de nova geração, Dentalcare, empregam cinquenta médicos dentistas nas mais diversas especialidades, e cerca de sessenta pessoas em trabalhos auxiliares.

11 /

Nº20 JAN / FEV / MARÇO


Aniversários 01/05 02/05

03/05 04/05

05/05 06/05 07/05

08/05 09/05

10/05 11/05

12/05 13/05 14/05

15/05 17/05 18/05

19/05 20/05 21/05 22/05

23/05 24/05 25/05 26/05 27/05

28/05

29/05 30/05 31/05 01/06

03/06 04/06

05/06 06/06 07/06 08/06 09/06

Cristina Maria dos Reis Rama Sérgio Manuel Marques Carvalheiro Luis Manuel Silva Pais Célia Maria D. Rodrigues Paralta David Manuel Montez Oliveira Serhiy Pylypets Fábio Emanuel Santos Sousa Leopoldina Pereira das Neves Luis Filipe Paixão Costa Uriel José Miudo Azenha Gotsanyr Yuriy Ana Cristina Raposo Ferreira Seco Maria Júlia dos Santos Neves Liliana Catarino Torres Caramalho Isabel Marques Cordeiro Isabel Maria Gomes Rodrigues Faria Ernesto de Almeida Tavares Hugo Filipe Montês Martins Nuritdin Nosirov Jorge Manuel Ferreira Pereira Firdays Djumaev António José Lopes dos Santos Manuel Filipe Rocha Luís Filipe Chainho Santos Yuriy Krayovyy Ricardo Manuel Marques Fernandes Carlos António Fernandes Trindade Joana Margarida da Cruz Pratas Denise Manuela Borges Gonçalves Luis Filipe da Silva Teixeira Dias Pedro José Marques Paz Vasyl Vasyliv André Gonçalo Rodrigues Sousa Carina Gaspar Alexandre Fabiana da Silva Duarte Maria de Fátima Carreira Soares Tânia Margarida Dias João Carlos Soares do Amaral Batista Hugo Rodrigues Martins Cajado Sergiy Duda Nuno Miguel Carreira Soares Maria Emilia da Silva Duarte Vitor Manuel Dias José Manuel Coelho Correia Dias Maria Aldina Cordeiro de Oliveira Hélder Miguel da Silva Medeiros Sérgio Paulo da Silva Ribeiro Maria Vilma da Silva Ramalho Vitor Manuel Pereira Mendes Carlos Manuel Marques Alexandre Maria helena Gonçalves Figueiredo Gonçalo Daniel Salgado Simão Dina Maria da Cruz Simões Márcio Rogério B. da Silva Fernandes Gonçalo José Fernandes Rodrigues Paiva Rafael Domingues Gonçalves Lúcia Daniela da Silva Duarte Judite da Silva Santos Maria de Lurdes Bento Pereira Isabel Maria Quinás Nunes Vânia Alexandra Lopes Gonçalves Maria da Conceição F. da Silva Coutinho Maria de Fátima Domingues Gonçalves Tiago José Bento Pedrosa Sérgio Nuno Carreira Agostinho António Lourenço Ramos Jorge Sofia Sandra Carreira Ramiro Paulo António Rodrigues Curado Nuno Ricardo V. Águedo Nunes Lélinho Maria do Carmo Barbosa Vieira Alberto Daniel Ribeiro Pinto Vinhais Maria Licínia Pereira das Neves João Filipe Gama da Conceição Silvia de Jesus Marques Madalena Soares Domingues Ligia Maria Silva Sarmento Jorge Miguel Gaspar Lemos Rui Luís Carreira Marques Maria do Rosário Neves D. Pedrosa Miguel Fernando Freitas de Pinho Cátia Filipa Caetano Laúdo Idalécio Gomes Mendonça David Martins Gomes Kostiantyn Iarvanchuk Rosária Maria Mendes Oliveira Lídia Maria Marques Capatão Sandra Cristina Fernandes Catarino Maria Moderno Capela Fonseca Paulo Jorge Dos Santos Cruz Rui Miguel dos Santos Marcelino Pereira Jorge Manuel Alves da Costa Pereira Cristiano Paulo Pascoal Ginja Iryna Pylypets Pedro Manuel Rodrigues Palos Emilia Dias Santos Pereira Andreia Gomes Rodrigues João Paulo Marques Serra Gilberto Antunes Silva Ana Cristina Costa Mendes Samuel Antunes Gaspar Silvio Carvalho Inácio Gukrum Gvepova Joana Raquel Carreira Marques Cátia Sofia Vieira Neves Sérgio Manuel de Oliveira Alexandre Alexandre dos Reis Ferreira Virginia Neves Sousa Maria do Carmo Quaresma de Oliveira Paulo Renato do Rosário Vieira Helena Maria Pereira Coelho Nadyia Shvets Silvia Marques Oliveira Helena Maria Dias Mendes Pedro Gonçalo Gomes Ladeiro Maria do Céu Ribeiro Rosário Santos Avelino Jesus da Ponte Vitor Manuel Simões Marques Ivan Lashkiba

12 /

/ Colaboradores 09/06 10/06 11/06 12/06 13/06 14/06 15/06 16/06 17/06 18/06 19/06 20/06 21/06 22/06 23/06 24/06 25/06 26/06 27/06 28/06 29/06 30/06 01/07

03/07

04/07

05/07 06/07 07/07

08/07 09/07 10/07 11/07

12/07 13/07

14/07

15/07

16/07

17/07 18/07 19/07 20/07

Hugo Miguel M. Rosa de Almeida Lima Paulo César Lucas Pereira Maria Alice mendes Cordeiro Aurélio Fernando da Silva Regina Maria Silva Simões Lélia Martins da Costa Maria Clara Simões das Neves Silva Carolina Ribeiro dos Santos José da Silva Pedro Tiago José Domingues Simão Sónia Patricia Santos Bernardes Ana Maria Barroso de Almeida António Manuel Gonçalves Carlos Manuel Rosa Lopes Carla Sofia Vieira Rodrigues Deolinda Lourenço Domingues Batista Miguel Candeias Dias da Silva Cláudia Sofia Caleço Vicente Cristina Isabel Santos Maia Sónia Margarida Lourenço Lapão Adélia da Costa Manta Trino Ulyana Chernivchan Iraci Alves Santos Catarina Sofia dos Santos Silva Maria Alice Pedrosa da Cunha Maria Licínia Silva Oliveira Yaroslava Korzhos Sofia Catarina Pereira Faustino Joel Martinho Camas Pimentel Inês Pereira dos Santos Élio da Silva Soares Tânia Alexandra de Jesus Marques José Mendes Anabela Godinho Neves Arlindo Gonçalves Santos Maria Irene Rocha Nunes Camila Vieira Monteiro Maria Licinia Caiano Filipe Carvalho Rosa Maria Lopes Pedrosa Caldeira Amilcar Jorge Curado Estevão José Enrique da Fonseca Alves Vasco Miguel Soares Fernandes Ana Patrícia Pedrosa Gonçalves António Marques Domingos Shahnoza Davronova Paula Maria Da Cruz Silva Gonçalves Marta Cristina Gonçalves Ribeiro Fábio Lino Merces Marques João Pedro da Silva Dâmaso Sandra Margarida Félix de Oliveira Marisa Alexandra Oliveira Gonçalves Olga Ogorodnyk Paula Aurora Moreira Pereira Cordeiro Jorge Miguel Ferreira Horta Zélia Maria Martins Nogueira Maria Manuela Gomes Joaquim Soares Artur Jorge de Sousa Vala Mónica Andreia Ferreira Campizes Cátia Maria Contente Luis Miguel Ourelo Pereira Fernando dos Santos Galhardo Viktor Skrypnyk Paulo Jorge de Oliveira Pinto Serra Maria Aldina Gomes Ferreira José António Pinto Duarte Everson das Chagas Gomes da Silva Manuel Ferreira Lopes Bruna Marina Maia Rodrigues Sérgio António Sousa Pinto João Manuel Santos Mendes José Carlos Pereira Rodrigues Ana Cristina Baptista Ferreira Cátia Sofia Nunes Ferreira Fedin Denys Joaquim da Cunha José António Santos Batista Ana Paula Oliveira André Maria Selene Jacinta Borges Cláudia Maria Cordeiro Dias Armando Ereira Ferreira Maria Fernanda Januário Caetano Estelle Capatão da Costa Magalhães Pedro Nuno de Sousa Cardoso Sandra das Neves Mineiro Bruna dos Santos Borges Elisabete de Jesus Marques Joana dos Santos Borges Sandra Moreira de Oliveira Ferreira André Filipe Henriques da Silva Ema Cristina Sousa Santos Isaura Maria dos Santos Silva Cordeiro Nélio Filipe dos Santos Sebastião Ana Cristina Da Silva Medeiros Francisco João Martins Correia António Alberto Conceição Augusto Sandra Isabel dos Santos Ferreira Maria Edite Ferreira Mendes Liliana da Mota Ferreira Rosa Maria Fernandes Costa Isabel Maria Marques Gomes Daniel Gonçalo Romão Capitão Rodrigo Simões de Mendonça Pinto Fernando Manuel Neves Santiago Ana Bárbara Ribeiro Antunes Menezes Dário Manuel Baião Lopes Farinha Marco António Moreira da Fonseca Emanuel Gonçalves Soares Maria da Conceição da Silva Rodrigues Pedro Rogério Ferreira Rodrigues Sandrine Marques Cabecinho Maria da Conceição R. Cordeiro Marques Jakhongir Nasritdinov Maria Zulmira Gomes Ferreira Mauro António Da Silva Pedrosa Ana Lúcia das Neves Coimbra Vânia Rodrigues Neves Patricia Isabel Caneira Serra Regina Maria Pedrosa Ferreira

Nº20 JAN / FEV / MARÇO

20/07 21/07

22/07

23/07

24/07 25/07

26/07

27/07

28/07 29/07 30/07

Eugénio Ribeiro da Silva Lopes Helena Maria de Jesus Camarinho Maria Alina Jordão Ferreira Ana Carina Rodrigues Moreira Vítor Emanuel Salvador Sousa Elisa Maria Batista Garrido Arménio Simões Rodrigues Paula Cristina Mendes Caiano Amêndola Nuno Manuel B. Mendes Bernardes Sandra Manuela Sousa Gaspar Ferreira Tiago Oliveira Coelho Márcio Micael Gomes Seabra Maria João da Graça Pereira Maria Cecilia Dias Ferreira Bernardes Luisa Maria dos Santos Carvalho Nélia Sofia Vieira Domingues Dina Maria Fernandes Santo Carlos Filipe Fernandes Simões Maria de Fátima Mendes Caiano Maria de Fátima da Silva C. Oliveira Benilde Cordeiro Dias Marques Jorge de Jesus Gomes Pedro Miguel Marques Ferreira Paulo Jorge Marques Marto Jonas Vinicius da Gama Elodie da Cruz Fernandes António José Pereira Fernandes Marco Alexandre Teixeira Gonçalves Volodymyr Zhylavy Hotam Usmanov Telma Sofia Rodrigues da Cruz João Miguel Rodrigues Pais Mónica Gonçalves Duarte Alexandre Alves Cruz Silva Rolo João Paulo Amaro Ferreira Hilário Marques Rodrigues Marto Ana Cristina Marques Gomes Milene Sofia Vieira Santos Anabela Beites Soares

Lusiaves

SGPS

06/07 14/07

Carlos Manuel Felicio Caldeira Jorge Manuel Moura Alves

03/05 04/05 05/05 09/05 10/05 11/05 12/05 13/05 14/05

28/07 29/07

Miguel Domingues Pires José Rocha Domingues Armando Melo Gomes Luis Padeiro Santos Anselmo Carlos Daniel Pereira da Silva Manuel da Cunha Sousa Lima Carlos Paulo Carreira Soares António José Mendes Mendonça Ricardo José Moreira Oliveira Ferreira Pedro Miguel Ramalho Catarino Fernando José Morais Tomás António Fernando Ventura F. da Rocha Nuno Gonçalo Santos Costa e Sousa Raúl Gonçalves da Silva Paulo José Botas da Costa Carlos Manuel Vieira Leal João Gabriel Morais Amaral Hugo Rafael Carreira Antunes Carlos Miguel da Cruz Moreno Nélson Dias Azenha Luís Filipe Serrão da Cruz Luís Ferreira Andrade Manuel Armando Valente Pereira António Carreira Brites Rui Pedro Matias Lopes Joaquim Polidoro Fernandes Silva António João Amador Martins Rui José Martins Pais António Paulo Gomes Pereira Cláudio Jorge Neves Domingues Gil Ferreira Rodrigues José Manuel Guerreiro Simões Calado Marta Catarina Pinto Loureiro Jorge Lourenço Ferreira Miguel José António Marques Leal Fernando Manuel de Pinho Ferreira Humberto Mendes Cardoso Manuel da Silva Simões

20/05 21/05 25/05 27/05 30/05 03/06 21/06 25/06 06/07 09/07 21/07 25/07

Cláudio Alexandre Gaspar Gil Santos Rui Filipe da Silva Marques Neves Vera Lúcia Luciano Afonso Sibila Volken Saruga José Carlos Sousa Baião Ana Isabel Mauricio Santos Rodrigues Luis Manuel Ferreira Francisco David da Piedade Ferreira Alexandra Cristina B. Agostinho Paulo Jorge Rosa Batista Simão Diogo Alexandre Teixeira Soares Luis Miguel dos Santos Guedes

20/05 29/05 03/06 05/06 08/06 10/06 11/06 14/06 17/06 20/06 21/06 23/06 01/07 03/07 04/07 06/07 13/07 14/07 16/07 17/07 21/07 22/07 25/07

CONSTRUÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE PROPRIEDADES, S.A.

27/05 24/06

Jaime Rodrigues da Costa Bruno Manuel da Mota Câmara

13/05 14/05 25/05 29/05 30/05

Jorge Cruz Ferreira do Senhor Pedro Nuno C. Louro dos Santos Marta dos Santos Figueiredo João Paulo Gonçalves Gomes Micael dos Santos Caetano Manuel Ferreira Gomes Nuno Miguel Fernandes Augusto Rui Bregieiro Soares Teresa Mota Duarte Agostinho Albertina Martins Pereira Jorge da Silva

01/06 03/06 07/06 12/06

12/07 16/07 26/07 30/07

Miguel José Pinto Loureiro João Pedrosa Capitão Ivo Emanuel Inácio Gonçalves Daniel Rosa Moita

08/07

Sandra Pereira Bom

03/05 10/05 22/05 10/06 20/06 24/06 27/06 02/07 03/07 21/07 22/07 24/07 26/07 29/07

Maria Leonor Leitão J. da Silva Agostinho Maria Armandina Horta Simões Cruz Carlos Alberto Loureiro Braz Maria Adília Ferreira Rodrigues Maria Manuela da Silva Maria Natividade Pacheco Sousa Santos Paula Cristina Matos Almeida Paulo Jorge Oliveira Marques Maria Irene Dias Pereira Prazeres Zita Maria Cardoso Amaral Pais Maria de Lurdes Marques dos Santos Maria Alice Pereira Rodrigues Marcela Jaime Julio Matos Lopes Teixeira José Pereira Santos

02/05 03/05 08/05

Bruno Manuel dos Anjos Madeira Ana Delfina Teles F. Morais Pereira Carina Almeida F. Azevedo Simões Yuri Voncha Olga Isabel V. Silva Sousa Ana Filipa Venancio Fonseca Armindo Monteiro Costa Maria Manuela Tavares Santos Carminda S. Moreira Fonseca José Carlos Pereira Rodrigues José Pedro Fernandes Moreira Joaquim Viana Araújo Hugo Rafael de Matos e Silva Maria Miquelina Ramos Valente Renato Miguel Prata Santos Vitor Hugo Castro Saramago Bruno Domingos Ramos Tavares António Manuel Barbosa Silva Maria Alcina Silva Fonseca Carla Maria Silva Fonseca

10/05 18/05 16/05 19/05 25/05 29/05 02/06 07/06 12/06 19/06 23/06 26/06 01/07 06/07 06/07 08/07

01/05 03/05 08/05 15/05 16/05 22/05 23/05 25/05 29/05 31/05

16/07 22/07 24/07 25/07 26/07 28/07 30/07

Fernando Jorge da Silva Almeida Yuriy Mahyrevych Maria Custódio Fecha Pereira Cristina das Dores Duarte Maria Manuela Cardoso Simões Ana Teresa Gonçalves Martins Anabela Gomes Pereira Maria Celeste dos Santos Silva Igor Kulyk António Manuel Almeida Gonçalves Elisabeth Cristina Naldo Roque Silva Carla Cristina dos Santos Sequeira Vito Manuel Madeira José Luís ferreira da Silva Ana Maria Pereira Branco Soares Aurora Maria Duarte Pereira Lopes Maria Lúcia Ferreira Almeida Ramos Maria Fátima Marques Gonçalves António Oliveira João Manuel Ferreira da Silva Maria Albertina Almeida Tavares Soares Paulo Jorge Almeida Grilo José Alberto da Silva Pinto José Pinto Laranjeira Ferraz Jacinta Maria Jesus Carvalho Teresa Paula Tavares dos Santos Ana Lúcia de Almeida Marques Francisco José Tavares Gurgo Carlos Manuel da Silva Almeida Maria Helena Martins Linhas Carlos Jorge Correia Codeço José Manuel Martins Pereira Albano Rosa Maria Ferreira Fernandes Maria Alice Gonçalves da Silva Alexandre Anabela Dias Almeida Nuno Miguel Figueiredo Lopes Maria Noémia Ferreira Ramalho Jorge Miguel Ferreira Marques Pedro Filipe Ferreira Silva Lúcia Ferreira Gonçalves

02/06 29/06

Telma Margarida Canelas Pina Teresa Alexandra Silva Badarra Tavares

02/06 04/06 05/06 06/06 07/06 09/06 11/06 13/06 15/06 23/06 26/06 28/06 29/06 08/07 09/07 10/07 13/07 15/07

PAPÁS E MAMÃS Campoaves Lusiaves (Centro Inc.) Lusiaves (Corroios) Lusiaves (Leiria) Lusiaves (Qta da Cruz) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusiaves (Sede) Lusifrota (Grijó) Meigal (Leiria) Hilário S. Filhos UTS

Lúcia Maria G.Leite Pinho Nuno Miguel Jordão dos Reis Sandro Pereira Mendes Varela Liliana da Mota Ferreira Sérgio de Freitas N. Guardado Carla Cláudia dos Santos Grilo Iryna Matsiievska Lúcia Daniela da Silva Duarte Luciana Quintino N. da Gama Maria Benilde Guessa Ferrão Paulo Jorge de Oliveira Serra Sérgio Nuno C. Agostinho Vânia Alexandra L. Gonçalves Volodymyr Matsiyevskyy Carlos Manuel de S. Teixeira Rodrigo Neves Anastácio António Manuel B. da Silva Cristiano Miguel M. Barroca

grupo

Serviços Administrativos: Zona Industrial da ZICOFA - lote 4 | Cova das Faias | 2415-314 Marrazes - Leiria | Tel. 244 843 250 | Fax. 244 825 262

LusiNews n. 20  

LusiNews n. 20

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you