Issuu on Google+

PRESENTEANDO COM POESIAS O AMOR


Amo o amor que se reparte em beijos, leito e pĂŁo. Amor que se pode ser eterno mas pode ser fugaz. Amor que se quer liberar para seguir amando. Amor divinizado quem vem vindo. Amor divinizado que se vai. De CrepusculĂĄrio


Tenho fome de tua boca, de tua voz, teus cabelos e pelas ruas vou me nutrir, calado, não me sustenta o pão, a aurora me desconcerta, procuro o líquido som de teus pés pelo dia. Faminto estou de teu sorriso resvalado, de tuas mãos cor de furioso celeiro, tenho fome da pálida pedra de tuas unhas, quero comer tua pele como intacta amêndoa. De Cien sonetos de amor


Saberás que não te amo e que te amo porquanto de dois modos é a vida, a palavra é uma asa do silêncio, o fogo tem sua meta fria. Eu te amo para começar a te amar, para recomeçar o infinito e para não deixar de te amar nunca: por isso mesmo é que ainda não te amo.


Te amo e n達o te amo como se tivesse em minhas m達os a chave da ventura e um incerto destino desditado. Meu amor tem duas vidas para amar-te. Por isso te amo quando n達o te amo e por isso te amo quando te amo De Cien sonetos de amor


O dia, hoje, foi uma taça plena, o dia, hoje, foi a imensa onda, hoje, foi toda terra. Hoje o mar tempestuoso nos levantou num beijo tão alto que estremecemos à luz de um relâmpago e, atados, descemos para submergir se nos desabraçar.


Hoje nossos corpos se fizeram extensos, cresceram até o limite do mundo e rolaram fundindo-se numa só gota de cera ou meteoro. Entre nós dois se abriu uma nova porta e alguém, sem rosto ainda, ali nos esperava. De Los versos del Capitán


Já não se encantarão meus olhos em teu olhos, já não se achará doce minha dor a teu lado. Mas por onde eu caminhe levarei teu olhar e para onde tu fores levarás minha dor. Fui teu, foste minha. Que mais? Juntos fizemos um desvio na rota por onde amor passou.


Fui teu, foste minha. Tu serás de quem te ame, do que corte em teu horto aquilo que eu plantei. Eu me vou. Estou triste: mas eu sempre estou triste. Eu venho dos teus braços. Não sei para onde vou. ...Desde teu coração diz adeus um menino. E eu lhe digo adeus. De Crepusculario


Bibliografia: Neruda, Pablo. (1904 – 19730), Poeta chileno. Presente de um Poeta. Ilustrações: Foram copiadas do Google / Imagens. Este livro tem objetivo de atender a tarefa do Curso PROUCA / S.B. do Campo / 2013.

Luciane Bitu - Curso 4


Presenteando com Poesia