Issuu on Google+

Cultura na rede

DEZEMBRO /2006 Informativo 002

Gerencia de Tecnologia de Informações Educacionais e Administrativas

Criação: Luiz Napoleão

Revisão: Carlos Holbein

Tecnologia, Sociedade e Escola Na sociedade atual, são utilizados inúmeros termos para a identificação de características significativas deste momento social e, as tecnologias são utilizadas em suas relações. O alcance das tecnologias em todos os seguimentos sociais vem acelerando a troca de informações e influenciando o pensar e o agir de cada indivíduo. Essas tecnologias criam novas formas de linguagens, interferindo diretamente na relação dessas com a educação. Ignorar a influência das tecnologias no processo ensino aprendizagem é negar uma ferramenta pedagógica como meio de

Confira neste Informativo Tecnologia, Sociedade e Escola Jogos Eletrônicos: Um desafio do Milênio

GETEA concentra ações em Classe Hospitalar

realização das práticas educativas. No entanto, as transformações ocorridas nas práticas educacionais desafiam os educadores a repensar conceitos. Somos instigados ao compromisso ético da busca de alternativas para a formação de sujeitos críticos e criativos na comunidade e na sociedade. Aliás, a sociedade clama por cooperação e solidariedade, pelo resgate dos valores humanos, pela construção de uma nova relação com o conhecimento. A inclusão das tecnologias, se planejada, poderá auxiliar no resgate e autoestima dos educadores e

educandos aumentando a capacidade de recriação, incentivando a criatividade, rompendo com a educação e a cultura excludentes. Levanos também a gestão novas alternativas, com novos sistemas de valores, instrumentalizando as redes pedagógicas pautadas na cooperação e na solidariedade. TEXTO: José Eugênio Pereira

Hipertexto: Nova forma de escrita no contexto escolar Destaques: Produção audiovisual

3

Gincana do Milênio

3

Encontro Internacional

4

Educação Indígena

5

O hipertexto, nova forma de escrita e de comunicação da sociedade informática mediática, é também uma espécie de metáfora que vale para as outras dimensões da realidade. Possui forte conexão com o campo educacional. A internalização por parte do sujeito, considerando os aspectos formais do hipertexto, assim como o hipertexto em si como mediação para a produção, a recepção e a significação do conhecimento estão vinculadas com uma nova ecologia cognitiva de nossa sociedade, que implica novas formas de pensar e de aprender. Pode ter forte influência na maneira de organizarmos o pensamento.

Pode-se dizer que se trata de uma nova tecnologia intelectual que é mediadora, neste momento das relações com o conhecimento. Assim como pensamos em hipertexto, o que seria então o hipertexto? Como o próprio nome diz, é algo que está numa posição superior à do texto, que vai além dele. As partes de um hipertexto podem ser montadas e remontadas por um leitor. Segundo Ramal, (2002, pág. 87) “Se entende por hipertexto a apresentação de informações através de uma rede de nós interconectados por links que pode ser navegada livremente pelo leitor de um modo nãolinear”.

O hipertexto permite a participação de diversos autores na sua construção, facilitando o desenvolvimento do trabalho coletivamente e a aquisição de comunicação e informação de maneira cooperativa. Segundo RAMAL (2002), as novas práticas de leitura e escrita, as novas situações de comunicação, as mudanças na linguagem e as novas formas de pensar e aprender devem ser entendidas a partir de toda a rede sociotécnica que passa pelas tecnologias. Pode-se apostar no hipertexto como nova forma de escrita no contexto escolar. Texto: Wanderléa Damásio

Pereira


Cultura na rede

Página 2 Jogos Eletrônicos: um desafio do milênio A Gincana do Milênio foi um “Desafio Pedagógico” que aliou princípios de jogos educativos, histórias memoráveis e projetos de tecnologias sociais. Ela utilizou a web como canal de comunicação e interatividade para envolver os participantes de uma forma lúdica, natural e empolgante. A Gincana do Milênio foi uma grande e divertida oportunidade para os alunos e professores da rede pública estadual de Florianópolis poderem discutir e aprender sobre a importância do Desenvolvimento Sustentável e os Objetivos de desenvolvimento do Milênio, promovidos pela

ONU. Por intermédio de brincadeiras, jogos interativos, murais virtuais e um cuidadoso conteúdo pedagógico, os participantes dentro do sistema da Aliança Sapientia cumpriram a últimas etapas do projeto no Sapiens Parque em Canasvieiras durante o dia 16 de dezembro de 2006. Observou-se um envolvimento apaixonante entre todos os alunos participantes da etapa final. O projeto piloto provou que os jogos educativos são excelentes ferramentas no processo ensino-aprendizagem. A participação, não só dos alunos, mas dos professores e demais seg-

mentos da unidade escolar, oportunizou o espírito de equipe, a solidariedade, o respeito pelos demais concorrente e, principalmente, o desenvolvimento do raciocínio e da criatividade. Esta etapa, abriu um aspecto inovador na educação pública catarinense que é a utilização eficaz das tecnologias de ponta no conhecimento científico. Esperamos que para o ano de 2007 este projeto possa alcançar o maior número possível de alunos da rede pública estadual e esta Gerência, mais uma vez, estará dando suporte necessário para o sucesso do projeto.

GETEA PREVÊ PROJETO DE INCLUSAO DIGITAL NA CLASSE HOSPITALAR

Graciele Silva Belolli Analista Téc. em Gestão Educacional

A Classe Hospitalar do Hospital Joana de Gusmão de Florianópolis – SC é um trabalho educacional com objetivo de dar continuidade à escolaridade regular enquanto a criança/adolescente permanece hospitalizada, conforme prevê o artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente. É um espaço reservado para o trabalho educacional, onde as crianças encontram um ambiente ideal e todo o material adequado à realização das atividades. Na impossibilidade de se deslocar, o atendimento ocorre no leito. Tudo é planejado para que o aluno possa desenvolver, evitando desta forma, o seu completo afastamento do espaço escolar e até mesmo reprovações. Na

cidade que não tem esta classe específica são deslocadas ao Hospital Joana de Gusmão para o tratamento devido. As equipes GETEA e da Classe Hospitalar estão desenvolvendo um projeto para oportunizar aos alunos à apropriação e utilização dos meios tecnológicos, para que os mesmos desenvolvam uma produção áudio-visual e socializem na rede e viabilizar estratégias de ação para o desenvolvimento do projeto. O computador motiva, a criança apaixona-se facilitando a aprendizagem. É uma viagem ao mundo da aprendizagem. É uma necessidade para a vida.

aprendizagem com estas novas tecnologias. Farão parte da aprendizagem toda equipe pedagógica da Classe Hospitalar e os alunos internados na classe programada. E aqueles que não podem deslocar-se farão o processo no próprio leito.

TEXTO: Graciele Silva Belolli

A escola deve proporcionar

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Maria Gorete de Souza Lemonje Analista Téc. em Gestão Educacional

O Salto para o Futuro é um programa interativo, veiculado pela TV ESCOLA, que conjuga os recursos tecnológicos para a formação continuada de professores, permitindo um diálogo e intercâmbio de conhecimento e práticas pedagógicas entre os professores ao debater as diferentes tendências no campo da educação. O Salto para o Futuro, aliado ao aparato das novas tecno-

logias, tem – se constituído em uma forte estratégia para a formação docente, o qual pode realizar projetos de capacitação atingindo todas as escolas de sua região. Durante este ano de 2006 foram oferecidos 142 cursos por meio do programa salto para o futuro, nas regionais perfazendo um total de 3260 horas. Sendo que as regionais mais atuantes foram Chapecó, Xanxerê, Concórdia

Joinvile, Curitibanos e Araranguá. Isto ainda é muito pouco para o que se pode fazer usando este programa. Esperamos que todas as regionais se engajem neste programa permitindo um diálogo constante entre professores, possibilitando o intercâmbio de conhecimento, idéias e sugestões.


Cultura na rede

Página 3

GETEA presente no Encontro Internacional de Inovações Pedagógicas, Tecnologia e Cidadania A utilização de novas tecnologias, aliadas a práticas pedagógicas diferenciadas, pode estimular o desenvolvimento educacional do Brasil. A participação da sociedade neste processo é fundamental. Para Ronaldo Mota, secretário de Educação a Distância do MEC, é preciso criar uma consciência coletiva sobre a questão. “Esta é a nossa missão nesta década: trabalharmos por uma melhor educação. Acredito que se isso for um desejo coletivo, alcançaremos os resultados que queremos, assim como já fizemos com o processo democrático, no início da década de 80, e com a estabilização da moeda, na década de 90”, comentou em sua pales-

tra na abertura do “Encontro Internacional de Inovações Pedagógicas, Tecnologia e Cidadania” (EINIPTEC) no Centro de Convenções do Campus da Universidade Federal de Pernambuco. Representantes da Gerência de Tecnologia de Informações Educacionais e Administrativas (GETEA), a gerente Irene Cardoso Althof e a analista técnica em gestão educacional Graciele Silva Belolli participaram deste evento com Relato de Experiência intitulado de Tecnologia de Informação e Comunicação: Propostas de Inclusão Digital e do Festival de Áudio e Vídeo nomeado “O massacre na Serra da Garganta”. A apresentação do relato de

experiências abordou os seguintes projetos socializados nas escolas públicas, cuja concepção pedagógica baseia-se no Sóciointeracionismo, conforme a Proposta Curricular de SC. Além de apresentar propostas de inclusão digital utilizando as tecnologias como meio, propiciando novos ambientes de aprendizagem, foram divulgados através de: DVDs, Boletins Informativos, Banners e fotos, disponibilizados em dois estandes reservados para o estado de Santa Catarina.

Encontro Internacional de Inovações Pedagógicas, Tecnologia e Cidadania. PERNAMBUCO_PE

Produção áudio visual e a importância no processo ensino e aprendizagem Para atuar desta forma, o professor precisa estar preparado no sentido de compatibilizar no seu planejamento, os conteúdos curriculares e a incorporação das tecnologias, agregando-os à realidade da escola. Deve considerar que a integração com as mídias não acontece de forma espontânea, mas de um grande envolvimento coletivo. O professor precisa conhecer as especificidades e as implicações das tecnologias no contexto escolar para que possa orientar sobre o seu uso no processo de ensino e aprendizagem, de forma significativa e adequada. Permitir aos alunos a possibilidade de usá-las e produzilas, implica repensar a formação do professor e dos gestores, para que juntos possam efetivamente vivenciar uma aprendizagem com

sentido mobilizador e enriquecedor no seu potencial cognitivo, afetivo e criativo. Por esta razão, é preciso que o professor entenda da produção áudio visual, suas potencialidades e restrições para poder criar estratégias pedagógicas que contemplem o uso da tecnologia numa perspectiva que propicie, a autoria, pelos alunos. Para ser compreendido, o aluno precisa buscar caminhos, usar diferentes fontes de informações como livros, revistas, jornais, publicações na Internet, filmagens, fotos, imagens, contato por e-mail, software de referência e programas educativos de televisão. E para essa busca é preciso ter planejamento, clareza de objetivos, saber fazer escolhas com critérios e tomar decisões que possam representar o consenso de

um trabalho de grupo, avaliando e refletindo sobre as etapas do processo. As mudanças de concepção que orientam as novas formas de aprender e de ensinar, como os trabalhos de produção áudio visual remetem a uma perspectiva integradora de conteúdos e de diferentes mídias, e requer a formação do professor. O importante é que tanto a formação do professor quanto sua atuação com os alunos propiciem a vivência dos aprendizes nessa mesma perspectiva de aprendizagem, ou seja, desenvolvendo projetos que articulem conteúdos das diversas áreas de conhecimento com distintas mídias, de acordo com as características que lhes são inerentes.

Dóris Regina França Pedagoga – Esp. Metodologia de Ensino

“Projetos capazes de transformar a realidade”.


Cultura na rede

Página 4 TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO: O uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) na escola

Equipe NTE Grande Florianópolis

Projeto Ilha meu encanto: Um novo olhar sobre a cultura açoriana

Gincana do Milênio Visita EEB Getúlio Vargas

“Refletir as experiências escolares envolvendo um aparato tecnológico como instrumentos pedagógicos”.

A educação deve ter como princípio a formação de cidadãos críticos, que pensam e agem sobre o mundo, para o bem da humanidade. Nessa nova era tecnológica, um grande desafio das escolas, tem sido usar a tecnologia para a criação de redes de conhecimentos, desenvolvendo um trabalho com a finalidade não só de inserção do aluno no mundo tecnológico, mas sim de instrumentalizá-lo, para que inserido na realidade contemporânea e munido de toda e qualquer informação tenha condições de ler, interpretar, compreender e interagir para resolver os problemas do cotidiano, assim transformar o seu contexto e de fato ser um sujeito no mundo. O uso da TIC na criação de redes de conhecimentos através da internet possibilita a navegação livre pelos hipertextos, pode-se estabelecer múltiplas conexões e diálogos e assim ampliar o campo de conhecimento e ação. Quando bem aproveitada essa imensa variedade de possibilidades e inter-relações é possível desenvolver nossa capacidade participativa, comunicativa e criativa à medida que percebemos essa tecnologia como um instrumento de comunicação multidirecional, conectado a realidade do mundo, um canal entre o indivíduo que deseja conhecer e o conhecimento.

Nesse sentido aprender é um processo colaborativo e planejado, é desenvolver ações; receber, selecionar e enviar informações; estabelecer conexões; refletir. Numa relação na qual a contextualização da informação segundo as necessidades e interesses do aluno, torna esse processo ainda mais significativo, criando condições que favoreçam a compreensão da complexidade do mundo, do grupo, do ser humano e da própria identidade. O professor mais que ensinar faz aprender, orientando e estimulando os alunos a interação, colaboração, investigação e a problematização, segundo o projeto da turma ou da escola. A aprendizagem é um processo de construção do aluno, no qual o professor atua como mediador, facilitador, incentivador, desafiador e em parceria com o aluno são investigadores do conhecimento. Num movimento em que o pensar ultrapassa os limites da escola e a programação dos conteúdos, uma vez que ao incorporar a TIC na escola, ampliam-se as possibilidades e meios de acesso ao conhecimento, com ousadia, vencendo desafios, articulando saberes e tecendose continuamente a rede. Segundo Paulo Freire o grande mestre das classes populares a educação deve estar comprometida com a comunidade, como seus problemas, desejos

e necessidades, deve estar a favor da transformação social e contra os ideais de manipulação e exploração. O ensino deve partir de situações vividas para então ser significativo e internalizado. A verdadeira educação visa o diálogo, a pesquisa a problematização a fim de uma maior conscientização e ação social. Educar para transformar. Um “pensar crítico” capaz de promover durante um processo o “desvelamento da realidade”. Então, por que educar com tecnologia? Porque é a própria realidade, é o mundo a nossa volta, já é história, é cultura, é memória, é registro, é uma expansão da humanidade, faz parte das experiências do homem com a sociedade e com a natureza, e tem contribuído para o desenvolvimento do mundo, na medida em que especifica ou redimensiona aspectos da realidade, sem esquecer o seu passado. Texto colaborativo_NTE Grande Fpolis


Cultura na rede

Página 5

Educação escolar indígena, teatro e vídeo/DVD: O que essas coisas tem a ver?

A GETEA desenvolve uma política de disseminação do uso das tecnologias como instrumentos significativos no processo ensinoaprendizagem. Com isso, entende que toda ação que envolve a relação ensino aprendizagem/desenvolvimento é um solo fértil para implantar as novas tecnologias.

rado pelos Mbyas na floresta e foi prestigiado pelos membros da comunidade escolar e local.

Também estavam documentando o espetáculo a professora e doutoranda em antropologia Andrea e o professor Guarani Geraldo. Após o espetáculo conversamos sobre a documentação e combinaA convite da professora mos em fazer a produção Guarani Adriana Moreira, da em parceria. EIEF Whera Tupã Poty Dja – Biguaçu, fui convidado Então, em janeiro próxipara presenciar um espetá- mo, na SED, acontecerá a culo de teatro e levei uma produção e edição de um filmadora para documentar documentário sobre essa o evento. Todos foram mui- iniciativa em teatro escoto gentis e, inclusive, per- lar, suscitando uma relamitiram a realização da ção interdisciplinar em educação, teatro e linguafilmagem. gem midiática. Esta ação O teatro foi apresentado culminará em uma aprepelas crianças da escola e sentação para a comunipor jovens do EJA. Foram dade da terra indígena duas apresentações repre- Mbia Biguaçu que visualisentando os mitos Guarani. zará seu trabalho em víA apresentação aconteceu deo/DVD. num espaço cênico prepa-

Num outro projeto, a GETEA está desenvolvendo em parceria com a Diretoria de Educação Básica – DIEB, um documentário sobre o Programa de Formação de Professores Indígenas, narrando a trajetória da Formação de Professores das etnias Xokleng, Kaigang e Guarani realizado no período de 2000 – 2002 e de Programa recente de Formação de Professores, somente na etnia Guarani. Os depoimentos que vão compor o documentário foram colhidos na capacitação envolvendo educadores das três etnias nos dias 06 a 10/11/2006.

Ricardo Fernandes Braz Prof de Arte e Mestre em Educação


SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO HUMANO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÕES EDUCACIONAIS E ADMINISTRATIVAS

Existem alguns momentos onde todos os anjos descem do Céu e vêm festejar na Terra. Os anjos cantam e dançam uma música que só pode ser ouvida pelo coração. Há uma grande confraternização entre eles e isto sempre acontece no Natal. Se, na noite de Natal, uma lágrima de emoção insistir em rolar por sua face, nesse momento seu coração estará sendo invadido por estes anjos e sua pulsação entrará no ritmo daquela melodia. Saiba que, nessa hora, o amor de Deus se fará presente em sua alma e que tudo que você desejar e merecer será realizado. Que a paz, o amor e a luz de Deus iluminem todos. A GETEA deseja a todos Boas Festas e um ano de 2007 abençoado.

RUA ANTÔNIO LUZ, 111 – CENTRO. TELEFONE: (048) 2216315 CAIXA POSTAL 159 CEP: 88 010 410

EMAIL: geteatec@sed.sc.gov.br

Projeto Cultura Açoriana

AÇÕES GETEA

Visite-nos em:

Visite-nos em:

www.ilhameuencanto.nafoto.net

http://intranet.sed.rct-sc.br/


Cultura na Rede_Dezembro/2006