Page 1

^^^^^^^^^^^^^•^^^^^^^•^^^^•«••••^^^^

, s n nu, TU mini E, nua D i s t r i b u i ç ã o N a c i o n a l 626 - Publicação voltada a negócios, dirigida a empresários do segmento de som e acessórios ^^

Q

II

^

www.revistaautornotivo.com.br

A U T O S M O T I V O S PARA FAZER N EGOCI OS

Ligando os chicotes


Gestor/consultor técnico em serviços autorizados desde 1981 consultoresPrevistaautomotivo.com.br

LIGANDO CHICZOT SOM 6M IMRORTXOO

triagem dos fios do chicote original? Muitas dúvidas podem surgir para o instalador e as seguintes perguntas provavelmente passaram por sua cabeça: Usa-se lâmpada de teste, Led com diodo e resistor, retira-se um fusível de cada: Audi, Toyota, Citroen, Megane, Honda, Nissan, entre outros, até achar e chegar-se ao positivo? Pega-se uma pilha ou bateria de 9 volts e tenta ouvir barulho nos alto falantes? Ou apela-se para um colega da área que decorou os fios? -Resposta: Claro que não!!!! - Em situações assim deve-se valer de um bom multímetro ou osciloscópio automotivo para a triagem

sonora do aparelho colocado originalmente no veículo; interface não amigável de manuseio, player não Hi End instalado em um

correta dos fios. Jamais use em veículos que possuam Air Bag, módulos ECU, CAN BUS, Relês de estado sólido, outro instrumento que não seja o multímetro ou osciloscópio automotivo. Se não tiver domínio desses instrumentos de medição, em veículos mais complexos e importados, pode-se provocar vários problemas sérios em, até mesmo, instalações de aparelhos básicos. Imagine colocar uma bateria de g volts ou pilha em um terminal de Can Bus ou uma lâmpada de teste em circuito que suporta apenas alta impedância. Com certeza, irá gerar algum dano ou pane ao veículo e você ficará em maus lençóis com o cliente posteriormente. Na próxima edição da Revista AutoMOTIVO traremos, com exclusividade, uma explicação detalhada das normas técnicas que devem ser seguidas já que as montadoras, de uma forma em geral, não preparam os veículos para outros equipamentos de áudio que não sejam o original de série. Procuram sempre preservar a arquitetura e o projeto original do veículo, e não gostam que seja colocado outro equipamento que não o original. Adicionalmente, possuem sua própria padronização de cores, não havendo, entretanto, uma regra para isto a não ser entre veículos do mesmo modelo e marca. Mesmo assim, estes últimos podem variar a cada semestre ou ano, podendo o mesmo modelo, inclusive, ter a disposição dos pinos de forma diferente, em virtude de ter mudado o ano, utilizando-se o mesmo conector! Isto cria, muitas vezes, situações que dificultam a nova instalação e compele a utilização do original. Por exemplo: um conector original 16 vias de um veículo 2008 possui função dos pinos diferente do mesmo veiculo 2010, com o mesmo corrector 16.vias, e se você não confere ou não tem a informação e prossegue com a instalação do mesmo equipamento original retirado do veiculo de modelo anterior, da mesma marca, em um modelo 2010, julgando que é plug and play, este não irá funcionar! Portanto deve-se ter o máximo de cuidado, para não tratar instalações originais como instalações convencionais de carros populares, o que pode levar a danos elétricos sérios ao veículo e problemas com o cliente. Para trocar o produto original por outro equipamento, terá que ter domínio técnico para tornar o novo

veículo Top; dificuldade de pós-venda do fabricante do produto; dentre outras. Portanto, ao retirar um equipamento original e instalar outro com mais funções ou que melhor atenda ao usuário, como agir na

aparelho compatível com o chicote original do veículo e manter sua originalidade. Sair decorando fios e chicotes nem sempre resolve, a não ser para aumentar a velocidade da produção da instalação, pois há uma variedade grande e em constante mudança.

C

om a evolução da tecnologia aplicada em automóveis, alguns fatores dificultam muito o trabalho do profissional

que não tem domínio de instrumentos de medição como o multímetro ou osciloscópio automotivo, dentre eles estão a triagem e a separação dos cabos, na hora da instalação e, é disto que iremos tratar neste artigo. Visto que nem sempre tem-se acesso ao manual de serviço do veículo ou do player instalado, o qual oferece as informações detalhadas iguais às demonstradas na figura 1. Estes conectores são originais de fábrica, e iremos instalar um aparelho cuja fiação, disposição dos pinos e conector não coincidem com o chicote do veículo, ou seja não é um simples "16 vias macho e fêmea". Desta forma, não causaremos danos ao sistema elétrico do veículo e ao novo aparelho a ser instalado. Este novo equipamento pode ser um player mais completo ou uma central multimídia.

J

3

m £f

. —l

L M N

K

..

D E

=

\-

RRGND ACC FLFR-

A

-

ILL-

B/U J RL+ • RR+ L FL+ M FR+ LL+

11 12 O O O O 7 8 9 10

<-H

F G H S

C

S ? « fl

O

:~ir~ir~ir~i

L^JL!^

Descnption No. Descnption

- A-ANT ; RL-

1

E

[JLJLJLJ

F G H*

-

Descríp ion No. Desctipbon N.C. E GND

E

N.C.

: AUX-Ct < : S-GND

F ': N C.

G ! AUX-R H : AUX-L

.®n a®. Descripífon R-CH <-) SYS-ACC 10 BUS (-1 - L-CH (-) 12 ILLUMI : '. ' ,,— — —'

I -: : : : : . ' 2

-• : a<u

i •

N.C

L-CH j+)

5 N.C :

t

3USM R-C-1 -

:

.

Fig i- Arquitetura e disposição de um conector original - Cortesia acervo técnico Som Ambiente. Razões que levam a troca do aparelho original: Potência do sistema de som inferior à desejada pelo cliente; falta de recursos desejados como por exemplo: USB, Bluetooth, GPS, entrada Auxiliar, relógio, não leitura de MP3/DVD; qualidade

€ ÍToVB

m.br

LIGANDO CHICOTES DE SOM EM VEÍCULOS TOP FACILMENTE  

Metodologia para triagem de cabos de veículos importados e instalçoes de dispositivos de audio e multimídia.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you