Issuu on Google+

LUIZ FELIPE DO NASCIMENTO PORTFOLIO Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - 2016


LUIZ FELIPE DO NASCIMENTO São Paulo, Brasil +55 11 99152-4145 lfgeburt@hotmail.com

Nasci em Guarulhos, em 1994, e sempre tive como endereço fixo São Paulo, Brasil. Em 2011 conclui os estudos de Nível Médio na ETEC Parque da Juventude, com técnico em Design de Interiores, tendo me formado com mérito de melhor Trabalho de Conclusão de Curso daquele ano. Em 2012 ingressei na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde agora curso o quarto ano da graduação e em 2015 participei de um intercâmbio na Universidade de Lisboa, pelo período de um ano acadêmico. Formação Universidade de São Paulo Graduação em Arquitetura e Urbanismo, ingresso em 2012

Universidade de Lisboa Intercâmbio Acadêmico 2015/2016 ETEC de Artes Curso técnico em Design de Interiores, conclusão em 2011 ETEC Parque da Juventude Ensino médio, conclusão em 2011 Softwares Autocad, Google Sketchup, Kerkythea, Photoshop, Illustrator, Indesign, ArcGIS Idiomas Inglês - overall 8 no exame IELTS em outubro de 2014 Espanhol - intermediário Francês - básico Atividades Pesquisa em Iniciação Científica, 2013-2014 A habitação histórica no centro: passado e diretrizes, orientado pela prof. dout. Rosana Miranda Intercâmbio de trabalho 2013-2014 Disney International College Program, Walt Disney World Resort Pesquisa no laboratório QUAPA-SEL da FAUUSP 2012-2013 Elaboração de mapas e leituras físicas sobre tecidos urbanos na Cidade de São Paulo


CAMPUS UNIFESP EM EMBU DAS ARTES 2014 Débora Portugheis, Lucas Napolitano e Luiz Felipe do Nascimento. Projeto realizado durante a disciplina de Projeto IV, no sexto semestre do curso. Se resume na implantação de um Campus da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) em Embu das Artes, na região metropolitana de São Paulo. O projeto leva em consideração a vida local e a dinâmica deste lugar que guarda muito valor histórico e cultural. O campus deverá se tornar um novo ponto de atração para a região, levando todos os dias milhares de pessoas à universidade para estudar, pesquisar ou fazer valer de seus equipamentos de uso público, abertos à população de Embu das Artes. O campus foi planejado como uma série de edifícios separados, conectados por um sistema complexo de circulação que utiliza escadarias, elevadores, passarelas e praças em desnível para levar a vida que acontece no ponto mais baixo e próximo do centro histórico até o último nível dos edifícios de salas de aula da universidade.


A

>

Planta de Implantação. - escala 1:1250

>

Corte AA. - escala 1:1250


A


>

Corte transversal, passando pelo edifício do Teatro, da Música e do Cinema. escala 1:500

> Edifícios acadêmicos em primeiro plano e edifícios do teatro em segundo plano, vista leste.


>

Corte transversal, passando pelo edifício da Biblioteca e pelo Restaurante Universitário. escala 1:500

> Cobertura do Museu e passarela de ligação com o edifício das Artes Plásticas.


GENIUS LOCI 2013 Cláudia Ferrara, Francesca Daprà, Gabriela Lotuffo, Guilherme Formicki, Lucas Menezes e Luiz Felipe do Nascimento Projeto realizado durante a disciplina de Projeto II, no terceiro semestre do curso. A proposta era a de projetar em uma área vazia ou subutilizada do centro de São Paulo, implantando um equipamento cultural e unidades habitacionais para baixa renda, escassos na região. Um dos lugares mais memoráveis da cultura da Cidade de São Paulo, o cruzamento das Avenidas Ipiranga e São João foi escolhido para ser local de projeto. Com o intuito de resgatar a memória do local, associada à Cinelândia Paulista, à vida noturna e à convivência, propõe-se, nessa esquina, a construção de um cinema e o reestabelecimento do Bar Jeca Tatu. A presença de um antigo hotel sugere a ideia de habitação temporária, mantida com a proposta de um albergue, que atenda tanto a moradores de rua como viajantes. Um grande volume suspenso guarda o programa institucional, enquanto que o cinema fica no subolo da grande praça coberta do térreo.


739.40

segundo subsolo

1:500

A

746,00

A

>

Planta do piso térreo. escala 1:500

térreo

1:500

>

Visão da arquibancada que desce ao subsolo

752.80

primeiro pavimento

1:500


>

Elevação da Rua São João. escala 1:500

>

Visão do conjunto desde a Avenida Ipiranga


>

Corte transversal AA. escala 1:250


> >>

Modelo do Projeto aberto, mostrando os pisos do volume suspenso. Esquina da Ipiranga com a São João - Localização do projeto.


TRANSPOSIÇÃO DO PINHEIROS | JAGUARÉ 2014 Fernanda Pitombo, Giovanna Albuquerque, Luiz Rampazio, Luiz Felipe do Nascimento, Mariana Caires. Projeto realizado na disciplina de Projeto III, no quinto semestre do curso. Entendendo a hidrografia de São Paulo como fator cotidiano na vida da cidade, a proposta da disciplina era estudar possíveis travessias de um lado para outro do Rio Pinheiros, que atualmente são escassas e não promovem a conexão entre os duas margens. Além disso, deveriam ser pensados nas cabeceiras de ponte unidades habitacionais, equipamentos culturais ou outros equipamentos públicos, criando um cais elevado, que fosse palco de vida na cidade, levando movimento para a beira deste rio tão esquecido. Duas plataformas sobre as pistas da marginal e a linha férrea são propostas, abrigando equipamentos públicos e ligações para as pontes de travessia do rio, além de acesso direto aos edifícios lindeiros. Junto da plataforma são propostos um Balneário Público Municipal, que deveria resgatar a presença da água limpa e dos esportes aquáticos na cidade, um Museu de memória da Bacia, uma nova estação da CPTM e torres habitacionais.


A

>

Planta de implantação da quadra habitacional. escala 1:1000

A


>

Corte AA, em perspectiva, da quadra habitacional tipo.


D

C

E

F

B

A

A

>

Tipo de apartamento básico - A dormitório B sala C cozinha D área de serviço E banheiro F vestíbulo

>

Tipo de loja térrea básica


>

Perspectiva da planta tipo dos apartamentos


>

Planta do BalneĂĄrio PĂşblico Municipal, primeiro piso. escala 1:1000


> >>

Modelo do complexo, mostrando as duas plataformas, as pontes, os edifícios habitacionais e os equipamentos. Edifícios habitacionais e o Balneário Público Municipal.


PÓLO TURISTICO-HOTELEIRO PARA A CIDADE DE SINES, PORTUGAL 2015/2016 Luiz Felipe do Nascimento

Projeto realizado durante a disciplina de Projeto IV, na Universidade de Lisboa durante Intercâmbio acadêmico. No âmbito de um concurso para a Trienal de Arquitectura de Lisboa, os alunos eram convidados a elaborar um plano que respondesse à algumas questões que a cidade de Sines, no Alentejo português, se deparava, como aumento do tursimo, mobilidade e conflito das atividades portuárias com o cotidiano da cidade. Sendo a primeira fase do projeto desenvolvida em grupo e a última individualmente, coube a esse projeto trabalhar com a vocação turística da cidade, oferecendo novas alternativas de hospedagem, lazer e desenvolvimento na região. Neste projeto apresentado foi projetado um “hotel de charme”, que pretendia se confundir com o tecido e as edificações pré-existentes na cidade. Além de pequenos quartos e unidades independentes que deveriam servir de hospedagem aos turistas, foram propostos espaços comerciais, de apoio ao hotel como recepção, lavanderia, danceteria e restaurantes além de generesos espaços livres, abertos ao público geral que deveriam servir à toda a população fixa e temporária da cidade.


>

Implantação geral do projeto


>

unidade tipo I - tĂŠrreo, sem escala

>

unidade tipo I - 1o pavimento, sem escala


clube de dança

recepção/ serviços/ bar refeitório/ restaurante

>

Esquemas de uso

>

Perspectiva do clube de dança e da praça rebaixada

loja loja/ restaurante


PARQUE GLOBAL 2015 Laura Castellari, Luiz Felipe do Nascimento e Luiz Filipe Rampazio Projeto realizado durante a disciplina de Projeto da Paisagem, no sétimo semestre do curso. A proposta consistia em reavaliar o projeto em andamento do Parque Global, um empreendimento de grande porte na Marginal Pinheiros, que modificará drasticamente a dinâmica na região. Os alunos deveriam analisar o projeto original e propor novas maneiras de ocupação e distribuição das construções de modo que o projeto constituisse um bairro na cidade, acessível e aberto, ao contrário da proposta original. Para isso foram analisados aspectos legislativos e construtivos, estudados diversos ocupamentos e bairros de construção contemporânea no Brasil e no exterior, além de dialogar com o Plano Diretor Estratégico. O resultado foi o projeto de um bairro dotado de áreas verdes, referências urbanas e sistemas de espaços livres que pretende ser um grande centro de convivência e ponto de encontro para a cidade de São Paulo.


arborização

3

estacionamento ao longo da via

espaços de permanência

>

Princípios adotados para o desenho das calçadas

>

Visão da totalidade do conjunto proposto

4

1

2

acessibilidade universal

permeabilidade do solo

5


>

VisĂŁo de uma das travessias


>

Visão de um dos cruzamentos propostos

>

Visão de uma das calçadas - espaços de permanência, lombofaixas e arborização


> >

Visão da praça da estação


PAVILHÃO TEMPORÁRIO PARA A FAU-USP 2014 Ana Mulky, Denise Cordeiro, Diego Silveira, Lucas Menezes, Luiz Felipe do Nascimento, Marina Frúgoli Projeto realizado durante a disciplina de Arquitetura e Indústria, no sexto semestre do curso. Em meio à reforma do edifício da FAU e o fechamento gradual dos espaços de permanência dos estudantes, surge a necessidade de criar novas áreas para execução dos trabalhos, aulas e também atividades ligadas à vida universitária, como almoços, reuniões dos coletivos e festas. Sendo assim, os professores da disciplina sugeriram a criação de um pavilhão de até 100m2 que servisse de apoio às atividades da FAU. O grupo optou por criar um pavilhão que sirva de apoio à eventos realizados pelos alundos da FAU, desempenhando função de bar e local para vivência, servindo ainda como espaço para a realização de refeições de pessoas da comunidade FAU. Para o projeto estima-se que o local de implantação seja servido de água e energia, além do terreno que deve ser o mais plano possível, para que a estrutura não sofra deformações. A estrutura do pavilhão é, por requisito da disciplina, desmontável, e por escolha dos integrantes do grupo foi pensada em peças metálicas, fibra de vidro, tecidos e alum nio. O layout é disposto a fim de incentivar o percurso por todo o perímetro do pavilhão, deslocando o pilar central do centro geométrico e colocando a área de atividades em um dos seus vértices. As aberturas alinhadas facilitam a circulação do ar, ao mesmo tempo que a utilização de tela aço inox para as vedações verticais permitem a circulação do ar por todo o espaço.


1

2 anel metálico superior placa superior

tubo superior Ø 154mm

placa do meio

parafuso de travamento

tubo inferior Ø 164mm

m

m 1430

base Ø 300mm anéis de conexão

grelha

barras estruturais

3 placas

pontalete

4

5

pilar

barra horizontal parafuso articulação móvel

articulação móvel

junção central inferior

junção pontalete e pilar anel de apoio ao piso anel metálico superior tubo superior - pontalete

tubo inferior base

junção central superior

pilar


>

Pavilhão Montado.

>

Implantação do Pavilhão no gramado da FAUUSP.



Portfolio 2015