Page 1

PORTFOLIO ARQUITETURA Luiza Nadalutti


Este Portfolio apresenta uma selação dos trabalhos desenvolvidos ao longo da graduação, tanto em disciplinas da faculdade como também em cursos extracurriculares


ÍNDICE

Resumo Casa de Cultura Gravataí

fau usp

Passagem Solário Yayá

fau usp

Viviendas en Tucumán

cpc usp

Casarão 1919

fau usp

Anexo Dona Yayá

fau usp

El Borde en Movimiento

universidad de los andes

Bancada Culinária

vila itororó

pág. 04 pág. 06 pág. 10 pág.12 pág. 14 pág. 16 pág. 24


ESCOLARIDADE Ensino Superior FAUUSP | Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo Ensino Médio Colégio Anglo - Campinas

PESSOAL Luiza Nadalutti 03/12/1992, Campinas brasileira Avenida Paulista 2584 apto 12 Bela Vista - São Paulo SP luizadinadalutti@gmail.com 11 970974499

Formação Complementar CCG | Conservatório Carlos Gomes - Campinas (dança, artes plásticas, música e teatro)

2012 - presente término previsto: 2018 2008 - 2010 1997 - 2010

ESTÁGIOS MASP | Museu de Arte de São Paulo Elaboração do Plano de Conservação da Estrutura do MASP Arquiteto coordenador: Silvio Oksman Financiamento: Getty Foundation -Keeping it Modern NUPEC | Núcleo de Projetos de Equipamentos Culturais Secretaria Municipal de Cultura Arquiteto Supervisor: Marcos Cartum conservaFAU | laboratório da fauusp Elaboração do Plano de Conservação do Edifício da FAUUSP Arquitetos coordenadores: Beatriz M. Kühl e Silvio Oksman Financiamento: Getty Foundation -Keeping it Modern

outubro, 2017 - presente término previsto: setembro, 2018

fevereiro, 2017 - fevereiro 2018

setembro, 2016 - setembro 2017

PESQUISA ACADÊMICA Iniciação Científica Patrimônio Edificado no Brás Orientadora: Beatriz M. Kühl Bolsa FAPESP

outubro, 2014 - março, 2016

MONITORIA ACADÊMICA Disciplina da FAUUSP Projeto IV - Arquitetura de Equipamentos Públicos Docente supervisor: Alexandre Delijaicov Bolsa PEEG | Pró-Reitoria 4

agosto, 2016 - dezembro, 2016


EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS julho, 2017 | 80 horas Ferrara, Itália julho, 2016 | 240 horas Cartagena de Indias, Colombia

Contemporary Design in Historic Centres International Workshop | University of Ferrara 30º Taller Internacional de Arquitectura de Cartagena Bolsa Convênio Internacional | Universidad de los Andes

EXPERIÊNCIAS DIVERSAS fevereiro - setembro, 2016 abril, 2016 outubro, 2014

Trabalhos na área de design gráfico e comunicação na Escola Viva, instituição privada de ensino de São Paulo Elaboração de projeto de uma bancada de trabalho/mesa de refeições para a cozinha da Vila Itororó. Construção com os integrantes do curso Marcenaria Participação na Construção Agroecológica de um telhado para a Casa das Artes na Escola Nacional Florestan Fernandes.

CURSOS, SEMINÁRIOS E OFICINAS outubro, 2016 | Fau Maranhão

Oficina Habitar o Centro | Projeto em Pauta: arquitetura contemporânea

outubro, 2016 | CPC Usp

Oficina de Projeto: intervenções em bens culturais

março, 2016 | Vila Itororó

Curso de Marcenaria

outubro, 2015 | Vila Itororó maio, 2015 | CPC Usp

Metodologias de Levantamento Arquitetônico: do levantamento direto ao escaneamento laser 3D O Reconhecimento dos Bens Culturais: Método, Inventários e Repercussões Normativas

março, 2015 | CPC Usp

Outras Trajetórias do Patrimônio Edificado: arquiteturas e profissionais em São Paulo

outubro, 2014 | CPC Usp

Patrimônio Cultural e Urbanismo em São Paulo: constituição, conflitos e perspectivas

OUTROS Programas

Idiomas

Autocad Sketchup Adobe (Indesign, Photoshop, Illustrator, Premiere) Office (Word, Excel, Powerpoint) Inglês (compreende bem, lê bem, escreve bem, fala bem) Espanhol (compreende bem, lê bem, escreve pouco, fala razoavelmente) Italiano (compreende bem, lê bem, escreve pouco, fala razoavelmente) 5


CASA DE CULTURA GRAVATAÍ aluna: Luiza Nadalutti orientador: Alexandre Delijaicov disciplina obrigatória: Projeto de Arquitetura Equipamentos Públicos

Nos foi dado 4 endereços possíveis na Rua Gravataí para o desenvolvimento desse projeto. A escolha de usar o terreno que está ao lado de um edifício do início do século XX (antigo ginásio e teatro da escola alemã) para a implantação da Casa de Cultura é pensada para integrar esse patrimônio às atividades do novo equipamento cultural. A proposta projetual se delimitou por diretrizes singelas, no sentido de revelar as potencialidades espaciais do edifício existente. Assim, são propostas demolições dos anexos acoplados à fachada que quebram a modulação das aberturas e bloqueiam a relação visual dos espaços internos com a rua. Também são necessárias demolições de paredes internas não estruturais de modo a recompor as duas naves centrais de grandes extensões e pédireito duplos, destinadas a dois dos quatro salões da Casa de Cultura. O acesso ao conjunto será feito pelo térreo do novo edifício, com o café, a lojinha e o espaço expositivo compondo o saguão de entrada. A marquise da entrada, que é também uma grande varanda para a rua, extrapola o mezanino do novo edifício e abraça o edifício antigo. Assim, o novo edifício se abstém de protagonismos, mas se impõe como elemento-chave na funcionalidade do conjunto. São essas algumas premissas que tem como objetivo mostrar que é viável, a partir do desenho, a reutilização de um edifício existente para abrigar o programa colocado, a partir da percepção sensível das suas potencialidades espaciais. 6


á rea d e i n ter ven çã o

ELEVAÇÃO SUDESTE

praça roosevelt

parque augusta

p rop osta

rua joão guimarães rosa

rua caio prado

7


os 6 verbos virtuosos da arquitetura, segundo orientação baseada na cultura de projeto da arquitetura pública

diagrama de articulação do programa

CORTE PARALELO À RUA GRAVATAÍ Demolições no edifício existente: em amarelo, anexos e “puxadinhos”. em azul, paredes internas não estruturais.

Scanned by CamScanner

CORTE PERPENDICULAR À RUA GRAVATAÍ 8

TÉRREO

1º PAVIMENTO


TERRÉO | SALÃO DE APRESENTAÇÕES E ENSAIOS - nível 0.00

MEZANINO | EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS - nível 3.40

SALÃO DAS OFICINAS | SALÃO DAS EXPOSIÇÕES - nível 6.80

SALÃO DA LEITURA - nível 11.60

ADMINISTRAÇÃO - nível 16.40

TERRAÇO DAS ARTES - nível 20.20

9


PASSAGEM SOLÁRIO YAYÁ um novo acesso, novos olhares participante: Luiza Nadalutti orientador: Silvio Oksman oficina de projeto: Intervenções em Bens Culturais

Esse projeto é um anexo que propõe um novo percurso através do lote da Casa da Dona Yayá, de modo a promover uma maior interação do patrimônio com o entorno próximo. O acesso ao anexo se dá pelo térreo do solário da casa, onde se localizam de forma inapropriada os sanitários, já que, por estarem no eixo do único acesso para a casa - são eles vistos primeiramente por quem adentra o lote. Assim, o projeto não só cria uma passagem interna e ambientes que suprem as demandas de expansão programática do CPC, como também ressignifica um dos espaços mais emblemáticos da casa.

10


rua

ma

jor

dio

go

• entrada da casa não condiz com o eixo principal de acesso ao terreno • eixo de acesso principal leva diretamente aos banheiros localizados no térreo do solário

• evitar volumes que quebram com a continuidade e o percurso ao redor da casa

• edifício subterâneo, abaixo da cota do acesso principal • não interfere no passeio pelo jardim da casa • circulação ver tical que vence o desnível do terreno

• resignificação do eixo principal de acesso ao terreno ru

a

ja

rd i

m

• novos acessos e continuidades com o entorno m

ar co s

• laje-mirant, espaço de fruição do jardim

11


CROQUIS DE ESTUDO

SITUAÇÃO

PLANTA NÍVEL INTERMEDIÁRIO - ACERVO CPC | - 3.40

12

PLANTA NÍVEL DO JARDIM DA CASA - ACESSO | O.OO

PLANTA NÍVEL DA RUA - ACESSO E SALAS MULTIUSO | - 6.80


13


VIVIENDAS EN TUCUMÁN proposta de integração entre habitação e terra urbana produtiva aluna: Luiza Nadalutti orientador: Francisco Spadoni disciplina optativa: Projeto II: Habitação em rede - estúdio internacional

LUGAR O terreno escolhido para o projeto se encontra ao sul da área central da capital San Miguel de Tucumán, no noroeste da Argentina. O entorno próximo, tipicamente residencial, está passando por um recente processo de transformação, e hoje vemos construções de um ou dois pavimentos e alguns edifícios recentes mais verticalizados que despontam nessa paisagem predominantemente horizontal. Outro dado importante é o clima subtropical de Tucumán, que possui um caráter misto, com verões quentes e úmidos e invernos rigorosos e secos. PARTIDO A partir dessa constatação de que a configuração espacial do entorno imediato não está consolidada, uma das estratégias de projeto foi trabalhar a implantação para garantir recuos e vazios internos ao lote. Com isso, somado ao controle da radiação solar direta e ventilação cruzada nos apartamentos, o conforto térmico não será prejudicado com as futuras transformações de volumetria e gabarito dos vizinhos. Em relação à orientação dos ambientes das unidades habitacionais, evitou-se colocar os quartos e salas para o sul, onde a entrada de radiação solar é prejudicada no inverno. Além disso, as varandas privativas e as varandas coletivas da circulação horizontal dos pavimentos auxiliam no sombreamento das aberturas no verão. 14


15


PROGRAMA A partir de uma revisão crítica do programa disponibilizado pela disciplina, é proposto uma área pública no térreo: espaços de comércio, convívio, e aprendizagem relacionados à alimentação. Pensando que o projeto pode ser exemplo para as futuras transformações da região, propõe-se um edifício de média altura, com térreo permeável e integrado à rua, que cria espaços públicos e comunitários buscando um entrelaçamento social, urbano e produtivo entre os moradores e a população do entorno. Para isso, há também uma horta comunitária no terraço, que é um elemento condutor dos espaços públicos do térreo, com usos que se relacionam à culinária (cozinhaescola, cafés, quiosque de produtos alimentícios). Além da possibilidade de geração de renda para os moradores que se engajarem no cultivo dos produtos, e da participação em eventos colaborativos que podem ser organizados na cozinha-escola, o terraço e o térreo oferecem um espaço de convívio e sensibilização para o tema atual da terra urbana produtiva, e a sua relação com outros impasses da vida contemporânea nas grandes cidades.

1

2

4 1 Calle Batalla de Chacabuco 2 Calle Gral Ruan Gallo 3 Paroquia Sagrado Corazòn de Jesus 4 PLaza San Martín 5 Paseo de los Libertadores de América SITUAÇÃO

16

3


17


A.1 A.2 A.2 A.2 A.2 A.2 A.2 A.1

acesso público

acesso privativo

ESPAÇO PÚBLICO E PRIVADO NO TÉRREO

DIAGRAMA ESTRUTURAL

DISTRIBUIÇÃO DAS UNIDADES HABITACIONAIS

TIPOLOGIA A.2 KITNET | 27 m2

TIPOLOGIA A.1 KITNET | 30 m2

18

TIPOLOGIA B 2 QUARTOS (DUPLEX) | 70 m2

C B B B B B B

TIPOLOGIA C 3 QUARTOS | 90 m2

C


Calle Batalla de Chacabuco

Calle Gral Juan Gallo

Plaza San Martin

19


20


21


CASARÃO 1919, AVENIDA PAULISTA uma proposta de integração entre patrimônio cultural e usos do cotidiano alunas: Luiza Nadalutti e Giulia Patitucci orientador: Antonio Carlos Barossi disciplina optativa: Atelier Livre

Quando discutimos políticas de preservação de bens arquitetônicos, ainda sustentamos o pressuposto de que a valorização do patrimônio está diretamente relacionada ao uso cultural. A proposta projetual para esse atelier livre surge então do seguinte questionamento: por que patrimônio tem que virar museu? Isso ocorre pois sustentamos a ideia de que as antigas construções são incompatíveis às necessidades corriqueiras das cidades contemporâneas. Nosso objetivo é retrabalhar esse pressuposto e, a partir do desenho, ensaiar uma proposta que engloba o patrimônio à vida cotidiana das grandes cidades, a partir de usos ligados à moradia, ao trabalho e ao lazer. A escolha do lugar vai de encontro ao questionamento colocado acima. O Casarão 1919 é um dos últimos remanescentes dos antigos casarões da primeira fase de ocupação da Avenida Paulista, no final do século XIX. Construído em 1905, inteiramente recuado, em alvenaria de tijolos, possui um térreo elevado em relação à rua e um porão alto, e é um exemplo de arquitetura eclética. Em 2014, foi escolhido para compor o edital público de arquitetura, promovido pela Secretaria de Cultura, para ser a sede do Museu da Diversidade Sexual. O casarão está localizado em uma das mais importantes avenidas da cidade, onde os casarões que existiam antigamente foram sendo demolidos e hoje nos deparamos com uma paisagem composta por edifícios altísimos, em sua maioria de acesso restrito. Vemos nesse cenário uma incapacidade de articulação entre a conservação do patrimônio histórico e a necessidade de expansão e crescimento vertical das cidades. Como seria o cenário atual da Avenida Paulista se o patrimônio fosse pensado como parte integrante e ativa da vida urbana? 22


PROGRAMA O programa pensado para o conjunto do casarão existente e um novo edifício proposto, se divide em espaços de uso público de livre acesso, espaços públicos compartilhados (co-working), e espaços privados de uso exclusivo da habitação. No casarão se concentra os espaços compartilhados de trabalho e os espaços públicos de livre acesso (salas para estudos e reuniões casuais, espaços de descanso com redes, banheiros públicos). Já no novo edifício estão os espaços da habitação (apartamentos e espaços coletivos do condomínio com circulação vertical independe), e espaços públicos (padaria-lanchonete, pequeno auditório, banheiros e conexão acessível ao casarão).

23


PARTIDO Diante da constatação de que a maioria dos espaços públicos do entorno configuram-se como espaços de passagem e fluxo intenso, busca-se no interior do lote criar uma atmosfera mais acolhedora, de encontro e permanência. O muro de divisa que existe atualmente no perímetro do terreno é retirado, e os lotes vizinhos integrados ao conjunto, possibilitando o acesso direto à Alameda Santos. A entrada principal do casarão é deslocada para a sua lateral, que se configura como uma nova frente do conjunto edificado, que integra o pátio à frente, o novo edifício e o parque. A implantação assimétrica do casarão no terreno permite uma setorização dos usos: a fachada lateral que se abre para o parque é de acesso público e é marcada por uma passarela de conexão com o novo edifício proposto; já a outra lateral delimita um ambiente menor, que leva à entrada do núcleo habitacional. O novo edifício é implantado no fundo do lote como um plano de fundo do casarão, sendo que os três primeiros pavimentos possuem varandas e terraços que abrem vazios e visuais para o casarão. Já o núcleo habitacional, se inicia a partir do 3º pavimento, ao término da cobertura do casarão, já que esse trecho do edifício possui menos transparência.

2

1

4

3 1 Avenida Paulista 2 Alameda Santos 3 Alameda Min. Rocha de Azevedo 4 Parque Mário Covas SITUAÇÃO

24

Avenida Paulista

Casarão 1919


Alameda Min. Rocha Azevedo

Parque Mรกrio Covas

25


26


27


28


29


ANEXO DONA YAYÁ um novo espaço de convívio entre as àrvores alunas: Luiza Nadalutti e Giulia Patitucci orientadores: Antonio Carlos Barossi, Beatriz Mugayar Kühl e Silvio Oksman Disciplina optativa: Subsídios Investigativos e Projetuais para a Preservação do Patrimônio Edificado

A partir de uma análise minuciosa dos espaços e ambientes, o projeto foi pensado para suprir a demanda do CPC USP (Centro de Preservação Cultural da Universidade de São Paulo) por novos espaços. O programa do edifício anexo iclui uma pequena biblioteca para o acervo do CPC (que está atualmente na diretoria, sem acesso público), uma sala multiuso, banheiros, e um terraço no nível dessa sala, que se abre para a visual da cidade. O edifício é elevado do solo por estar na cota mais baixa do terreno, onde há um acumulo de água das chuvas, e resolve o problema da acessibilidade entre a cota mais alta (de acesso à casa) e a mais baixa do jardim, a partir de uma passarela em nivel, e de elevador. A implantação do novo edifício também levou em consideração as árvores existentes, mantendo a maioria delas para não prejudicar a ambientação da casa. Esse projeto possibilita um maior aproveitamento dos espaços de convivência ao ar livre e uma melhoria na relação entre a casa e seu terreno. 30

COBERTURA

PAVIMENTO PRINCIPAL DA CASA

BIBLIOTECA E JARDIM DA CASA

FOTOS DA MAQUETE DE ESTUDOS

SALA MULTIUSO


CORTE PARALELO AO EIXO DE ACESSO DO TERRENO

CORTE PARALELO AO EIXO DE ACESSO DA CASA 31


El BORDE EN MOVIMIENTO entre el agua y la piedra participantes: Luiza Nadalutti e Carlos Arango orientadores: Daniel Bermúdez e Lorenzo Castro 30‘ Taller Internacional de Arquitectura de Cartagena Colombia

O projeto foi proposto como um exercício de mapeamento e problematização da cidade que estávamos em vivência temporária, e consistiu na ideia de valorizar e recuper o complexo de canais e lagunas de Cartagena para o transporte fluvial, como alternativa à rota da avenida perimetral que faz a conexão aeroporto - cidade histórica. Essa alternativa possibilita uma interação mais direta entre a cidade e o mar, transformando a antiga avenida em um parque linear, respeitando e recuperando as áreas de mangue, além de integrar as duas margens do canal, diminuindo a barreira social que existe em suas bordas.

ESTUDOS AO LONGO DA EXTENSÃO DO CANAL DO AEROPORTO À CIDADE HISTÓRICA 32


PAISAGENS IMAGINADAS PARA AS MARGENS DO RIO AO MAR 33


mobiliário para a Vila Itororó

Scanned by CamScanner

BANCADA CULINÁRIA

projeto: Luiza Nadalutti orientadores: Coletivo Gamb - Filipe Vaz, Pablo Lastra e Plínio Calil construção: coletiva, integrantes do curso Curso de marcenaria na Vila Itororó

CROQUIS DE ESTUDO

O projeto se estruturou a partir de uma demanda da Vila Itororó: equipar o espaço da cozinha que encontra-se atualmente subutilizado por falta de mobiliário adequado. A cozinha está localizada entre o galpão onde fica a marcenaria e o pátio da Vila, conformando um espaço de conexão interior-exterior do conjunto edificado. Esse espaço apresenta, portanto, um grande potencial enquanto suporte físico para a sociabilização. A bancada culinária foi pensada tanto para o uso cotidiano dos funcionários e frequentadores da Vila, como também para oficinas e eventos culinários que acontecem esporadicamente no local. Sua estrutura é desmontável, podendo separar o tampo dos apoios que estão fixos por parafusos borboletas, e também dobrá-la ao meio para realocá-la facilmente, liberando espaço quando necessário. Acreditamos que a flexibilidade de manuseio desse novo mobiliário possibilitará uma ocupação efetiva desse espaço que pode ser também de múltiplos usos.

34


FOTOS DO PROCESSO, DA CONCEPÇÃO À CONSTRUÇÃO

SISTEMA DE ABERTURA E FECHAMENTO PARA OTIMIZAÇÃO DO ESPAÇO

35


Luiza Nadalutti | portfolio 2017  
Luiza Nadalutti | portfolio 2017  
Advertisement