Page 1

Departamento A - Artes e Tecnologias Grupo 600, das Artes Visuais

Proposta Gestão do Desempenho Organizacional Reflexão sobre o Agrupamento de Escolas de Carcavelos, no sentido da melhoria contínua e das Boas Práticas, visando a gestão para a qualidade total e o desiderato da excelência dos serviços prestados. Autoria : luiz carvalho Julho de 2007

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

2

“ Faz tudo como se alguém te contemplasse “ Epicuro Filósofo grego

Introdução

O Ministério da Educação lançou, em regime experimental, uma avaliação externa de escolas que foram convidadas e publicou os resultados da experiência do primeiro ano, aprestando-se a divulgar os próximos 100 relatórios relativos a este ano lectivo. Manifestou já a intenção de alargar este procedimento a todos os estabelecimentos escolares da rede pública, para que num período de quatro anos, em ciclo contínuo, todas as escolas sejam objecto de uma avaliação externa. A presente proposta surge como resultado directo de uma introspecção relativa a formação recebida e relacionada com as organizações e os seus desempenhos, as metodologias de auto-avaliação, cruzando referências à Caf 1 (Common Assessment Framewok, também designada de Estrutura Comum de Avaliação) um modelo de auto-avaliação das organizações públicas patrocinada na União Europeia pela EIPA 2 (European Institut for Public Administration) e supervisionada em Portugal pela DGAEP 3 (Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público), sendo o INA 4 (Instituto Nacional de Administração) a entidade de enquadramento da formação, à EFQM 5 (European Foundation for Quality Management), aos modelos de excelência e níveis de certificação, ao TQM (Total Quality Management), à GDO 6 (Gestão do Desempenho Organizacional)e às normas da família ISO 9000, de gestão de sistemas de qualidade. No presente foi elaborada uma auto-avaliação da Assembleia de Escola segundo o modelo Caf, versão 2006, cujos resultados foram objecto do Relatório de Autoavaliação e Plano de Melhorias da Assembleia de Escola da Escola Secundária de Carcavelos (Abril de 2007), do conhecimento quer dos membros deste órgão quer dos Presidentes da Comissão Executiva Instaladora e do Conselho Pedagógico e de que fui relator. Não foram divulgados à comunidade por razões que se prendem com a situação criada à volta da aprovação do Projecto Educativo, que levaram à demissão em bloco dos representantes dos professores e colocaram este órgão em gestão corrente. É condição remota o facto de se ter realizado na escola, sob a égide do CFPLC 7 (Centro de Formação de Professores Lindley Cintra), uma acção de formação sobre a avaliação das escolas que produziu, no seu final, um estudo de análise e interpretação de dados estatísticos e um trabalho de pré-diagnóstico da organização desenvolvido pelos nossos formandos e que, apreciando o acontecimento à distância, não trouxe consequências de maior às práticas e consciencialização dos colaboradores para as problemáticas da gestão das organizações. A posteriori, no entanto, levou a que um grupo de professores viesse a realizar formação especializada em Administração e Gestão Escolar, o que é de louvar. Também essa a razão pela qual estou aqui a apresentar a presente proposta.

1

Referência ao manual Modelo CAF 2006, de Março de 2007, em edição portuguesa http://www.eipa.nl/en/home/ 3 http://www.dgap.gov.pt/0abert/dgapmf_site.htm 4 http://www.ina.pt/ 5 http://www.efqm.org/ com formação disponível na Associação Portuguesa para a Qualidade http://www.apq.pt/ 6 Formação disponível no INA 7 http://www.cfplc.net/ 2

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

3

Metodologia de apresentação e análise

O trabalho estrutura-se em torno das quatro dimensões da Gestão do Desempenho Organizacional, Performance, Inovação, Processos e Empenhamento (PIPE) que são cruzados, em termos de análise, com os critérios do modelo CAF. No caso vertente o cruzamento abrange apenas os cinco critérios de Meios do modelo, Liderança, Planeamento e Estratégia, Gestão das Pessoas, Parcerias e Recursos e Gestão dos Processos e Mudança. Pode perceber-se melhor esta abordagem observando o quadro seguinte:

Os cruzamentos referidos criam em cada intersecção um novo conceito que vai condicionar a análise a realizar, neste caso orientada por cada uma das Dimensões, portanto na horizontal. Assim, por cada Dimensão e por cada critério Caf é apresentada uma Ideia, que mais não é do que um conjunto de reflexões vocacionadas para corporizar uma ou mais acções a desenvolver na organização. Cada Ideia é enquadrada por uma questão que orienta a abordagem ao respectivo conceito. No final da apresentação do conjunto de Ideias desenham-se as Iniciativas susceptíveis de serem levadas à prática, podendo estas ser uma aglutinação simbiótica do conjunto de reflexões produzidas. Os critérios utilizados para descrever as Ideias e as Iniciativas foram ponderados em termos de prioridades, digamos de hierarquia intrínseca, de tempo e de oportunidade, não perdendo de vista que agora somos o Agrupamento de Escolas de Carcavelos e que vamos estar em instalação durante o ano lectivo de 2007-2008. Para uma maior percepção daquilo que se pensa sobre a organização, as Ideias e as Iniciativas foram classificadas de acordo com os critérios de Pertinência, Relevância e Aplicabilidade, recorrendo a uma tabela de classificação que abaixo se apresenta.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

4

Quadro de classificação das ideias e das iniciativas Critério

Qualidade

Pertinência Concordância das instâncias de gestão da escola ( 4 órgãos )

Critério

Qualidade

Relevância 1

Anuência fraca

3

Anuência forte

4

Anuência total

Qualidade

Aplicabilidade

Anuência nula

2

Critério

Impacto no desempenho da organização

1

Impacto nulo

2

Impacto fraco

3

Impacto forte

4

Impacto total

Controlo das instâncias de gestão da escola ( 4 órgãos )

1

Controlo nulo

2

Controlo fraco

3

Controlo forte

4

Controlo total

Podendo assim classificar-se as ideias e as iniciativas conforme se mostra a seguir: Pertinência

Relevância

Aplicabilidade

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Todo este trabalho arrancou com um diagnóstico prévio da organização, de acordo com um questionário pré-definido. Eis as respostas ao questionário:

1

Mais ou As agendas dos dirigentes estão mais preenchidas com a resolução de problemas de natureza menos estratégica do que com a resolução de problemas urgentes do dia-a-dia. crítico

Os dirigentes assumem os processos de mudança, dando o exemplo e determinando com 2 precisão qual a nova cultura a adoptar e o que se pretende em relação às práticas de trabalhoCrítico vigentes. Os dirigentes são responsáveis por criar as condições adequadas para se implementarem 3 processos de trabalho e sistemas de informação e de monitorização, de modo a produzirCrítico informação que suporte a tomada de decisão atempada. Os dirigentes procuram constantemente implementar uma gestão equilibrada, incentivando Mais ou mudanças produtivas e o “trabalho inteligente”, tentando proporcionar aos melhores 4 menos colaboradores as melhores oportunidades e procurando sempre constituir as equipas com as crítico pessoas certas. A gestão da organização traduz um processo de transformação cultural, orientado para aMais ou 5 obtenção de resultados e para o incremento da sua capacidade de adaptação às mudançasmenos externas e às novas exigências da sociedade. crítico As mudanças e as iniciativas que têm sido implementadas traduzem-se em melhoria de resultados ao nível de: (1) uma maior eficiência operacional (ênfase em tecnologia, processos de 6 trabalho e informação); (2) uma melhor eficácia de gestão (ênfase em métodos e instrumentosCrítico de gestão); (3) uma maior transparência e controlo social (ênfase nas pessoas); (4) uma melhor ética pública (ênfase em valores e princípios). O desempenho da organização assenta em processos de produção sistematizados e no uso e disponibilização da informação como instrumento fundamental do processo produtivo. As 7 Crítico tecnologias e os sistemas de informação utilizados estão ajustados ao plano estratégico, de modo a permitir estabelecer quais as informações necessárias e relevantes para a organização. A gestão de recursos humanos está directamente alinhada com o planeamento estratégico, no Mais ou sentido de que, quando se estabelecem objectivos, metas e prioridades, automaticamente são 8 menos definidos: (1) os conhecimentos e as competências necessárias; (2) os critérios de avaliação do crítico desempenho a adoptar; (3) as possibilidades de crescimento individual. 9

A gestão e a avaliação do desempenho estão apoiadas num sistema de resultados e de Crítico prestação de contas por desempenho.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

10

5

As mudanças implementadas são interpretadas pelos dirigentes como um processo de Crítico interiorização de uma nova cultura de resultados e como um processo de aprendizagem.

A avaliação do desempenho dos colaboradores é um processo público, sistematizado, com critérios objectivos de avaliação. Este processo é sustentado por um sistema de monitorização 11 que combina variáveis qualitativas e quantitativas. A avaliação pode implicar prémios ouCrítico penalizações e os responsáveis pela avaliação do desempenho prestam contas em relação à qualidade do processo de avaliação. Os gestores criam uma visão que unifica os interesses dos diversos actores dentro da organização e motivam os seus colaboradores para a obtenção de melhores resultados, dando12 Crítico lhes apoio e orientação sobre o que fazer em termos pessoais e profissionais a fim de manterem uma atitude de persistência face às adversidades e aos fracassos. O orçamento é concebido em função dos objectivos a atingir. Os recursos são afectados de 13 forma a viabilizar as actividades a realizar e atingir resultados concretos. Estes permitem fazerCrítico análises de eficiência e de eficácia da organização. A monitorização dos resultados alcançados permite aos dirigentes acompanharem a evolução da 14 situação, assim como avaliarem os resultados das acções e das iniciativas, de modo a poderemCrítico modificá-las em tempo útil. A afectação dos recursos para cada colaborador está bem definida e as suas responsabilidadesMais ou 15 estão bem demarcadas permitindo obter a informação adequada para desencadear as acçõesmenos correctivas. crítico A distribuição e partilha de recursos toma em consideração os interesses divergentes entre osMais ou 16 vários actores. São objecto de negociação, de modo a permitir atingir os objectivos damenos organização, num quadro de gestão participativa e de comunicação transparente. crítico 17

A gestão da organização é assegurada na base de compromissos com uma atenção especial no Crítico acompanhamento da execução do plano estratégico

18

O funcionamento da organização evidencia a existência de práticas de melhoria contínua, com Crítico particular relevância para as que visam a simplificação dos processos de trabalho.

Os colaboradores assumem o conceito de qualidade do serviço prestado e, consequentemente, 19 a qualidade dos processos de trabalho que lhe estão associados, valorizando os conceitos deCrítico cliente interno e externo. A organização projecta-se no futuro e empreende iniciativas que lhe permitem trabalhar emMais ou 20 equipa, com menos níveis hierárquicos, com responsabilidades partilhadas e com um equilíbriomenos de poder que varia em função das competências das pessoas. crítico

E os resultados obtidos, de acordo com os critérios Caf para cada Dimensão, correspondem aos que se indicam na tabela seguinte.

Resultados 1Liderança 1(P) Produtividade do Desempenho

3

1(I) Dinamismo e Empreendedorismo

4

1(P) Estruturação e Formalização Procedimentos e Normas

4

1(E) Partilha de Problemas Apoio e Compreensão Gestão das Emoções

3

2Planeamento e Estratégia 2(P) Concretização de Objectivos e Competitividade

4

2(I) Mudança e Desenvolvimento / Enfrentar Novos Desafios

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

4

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

2(P) Rigor e Clareza Uniformização de Processos

4

2(E) Participação Abertura Preocupação com o Clima de Trabalho

4

6

3Gestão das Pessoas 3(P) Direcção e Produção

4

3(I) Criatividade e Gestão do Conhecimento

3

3(P) Especialização Técnica Organização Coordenação

4

3(E) Facilitação Ajuda e Coaching Compromissos

4

4Parcerias e Recursos 4(P) Aumento da Capacidade de Produção

3

4(I) Iniciativas de Criação de Valor Autonomia

4

4(P) Especificação Redução de Incerteza Segurança

4

4(E) Consenso Relações Interpessoais Diálogo

4

5Gestão dos Processos e da Mudança 5(P) Resultados e Optimização dos Recursos

3

5(I) Criação de Novos Processos e Novas Práticas

4

5(P) Regras Detalhadas Comportamentos Definidos

3

5(E) Coesão Trabalho de Equipa Lealdade e Implicação

3 Pouco Crítico - A manter. +/- Crítico - Conveniente actuar Muito Crítico - Imperativo actuar.

Foi a partir destes dados que se orientou toda a reflexão, não sem que se deva deixar claro, que a mesma objectiva uma maneira pessoal de olhar a organização e aquilo que se considera como do interesse corporativo e institucional, para uma melhor governança. Para uma maior coerência formal e de apreensão do fio condutor dos conteúdos apresentam-se em primeiro lugar todas as Ideias estruturadas de acordo com as Dimensões PIPE e, de seguida todas as Iniciativas, também de acordo com o mesmo critério. Eis então a nossa base de trabalho.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

7

As Ideias

Dimensão 1 - Performance

Critério Caf_ Liderança Questão : Como proceder para implementar um estilo de gestão baseada em resultados, com o objectivo de aumentar a produtividade?

Considerações prévias A Escola Secundária de Carcavelos está desde há um mês sujeita a um processo de reestruturação que foi imposto pelo Ministério da Educação ao transformar uma escola isolada num agrupamento vertical de escolas, com as implicações organizacionais e de gestão que daí advêm . Neste momento há um processo eleitoral a decorrer para a Comissão Executiva Instaladora que, depois de tomar posse, irá dar abertura ao processo eleitoral para a Assembleia de Escola e abrir um processo de recomposição do Conselho Pedagógico. Não só estas acomodações implicam reformulações na maneira de pensar e agir face a uma nova realidade conjuntural, como vão obrigar a um novo desenho dos Instrumentos de Desenvolvimento da Autonomia da Escola, a saber – Regulamento Interno, Projecto Educativo, Projecto Curricular e Plano Anual de Actividades. Daí que as ideias que seriam possíveis explanar, numa situação normal, passem por colocar as acções num plano de enquadramento inicial, que por sua vez darão lugar a medidas objectivas visando a produtividade do desempenho organizacional. Nota Estas considerações prévias são para tomar em consideração em todas as actividades a desenvolver – ideias e iniciativas, pois são demasiado relevantes para não serem levadas em linha de conta neste próximo ano lectivo de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

ideia acções de enquadramento – Redimensionar a composição dos órgãos de gestão do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e definir as suas actuais competências, face à nova realidade organizacional; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Adequar o Regulamento Interno à realidade do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, actualizando os registos de acordo com recentes alterações legislativas e promover iniciativas próprias do desenvolvimento da autonomia pedagógica, educativa, formativa, social, cultural, financeira, … ( competência da Assembleia Constituinte ); Reformular e actualizar o Projecto Educativo do Agrupamento de Escolas de Carcavelos adequando-o à realidade das escolas que constituem o agrupamento; ( competência do Conselho Pedagógico ) Definir estratégias de estruturação e elaboração do Plano Anual de Actividades; ( competência da Assembleia Constituinte ) Reformular e adequar o Plano de Acção, a curto prazo, da organização em função do período de instalação; ( competência da Comissão Executiva Instaladora )

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

8

Neste contexto está implícito que estas acções compreendem a definição clara da Missão do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, o Quadro de Valores que propugna e a Visão que orienta(rá) e prospectiva(rá) a actividade e o desempenho da organização. O tempo necessário para o decurso destas acções de enquadramento é o do ano lectivo de 20072008.

Classificação das acções de enquadramento Pertinência

Relevância 3

Aplicabilidade 4

Anuência forte

3

Impacto total

Controlo forte

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Acções a desenvolver a médio prazo Identificar as partes interessadas/ clientes internos e os clientes externos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Identificar pontos críticos e pontos a melhorar na organização; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Definir um plano de acção estratégico para as relações entre os órgãos de gestão, em torno da política educativa, grandes opções de fundo e acções concertadas no âmbito formativo, pedagógico, cultural e social; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Definir metas organizacionais e objectivos operacionais; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Definir quais os indicadores de desempenho que permitem aferir do real estado da organização e promover a sua aplicação em todas as estruturas; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Desenvolver uma estratégia que permita implementar, no prazo de um ano, mecanismos de autoavaliação da organização segundo o modelo Caf, cruzado com o EFQM; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Note-se que estas poucas acções estão condicionadas ao ano lectivo de 2007-2008 de modo a ser possível, no Agrupamento de Escolas de Carcavelos e no futuro, criar uma cultura de corpo e de avaliação no seu seio, com base num plano estratégico, a delinear, que projecte a valorização das boas práticas e os resultados, em todas a suas estruturas.

Classificação das acções de médio prazo Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 3

Anuência fraca

Impacto forte

2

Controlo fraco

Critério Caf_Planeamento e Estratégia Questão: Quais as orientações a ter em conta para criar capacidade numa organização?

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

9

Ideia Delinear uma estratégia de monitorização, medição e avaliação de desempenho organizacional, promovendo a concertação entre os órgãos de gestão do Agrupamento de Escolas de Carcavelos no sentido de viabilizar o mesmo procedimento na organização e nas suas estruturas; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Desenhar, estruturar e formalizar os indicadores de desempenho que a organização deve passar a utilizar para medir e avaliar resultados; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e nãoexecutivos ) Identificar os factores críticos de sucesso no seio da organização e promover atitudes de antecipação face a problemas que restrinjam a sua acção em termos de saídas e dos efeitos expectáveis; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos) Promover a participação das partes interessadas nas acções de enquadramento necessárias à instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Delinear uma estratégia que permita estruturar uma intranet orientada para servir de plataforma de comunicação e informação às partes interessadas / clientes internos em tudo o que respeita à gestão para a qualidade total e aos desempenhos da organização, objectivando um canal de inputs e outro de outputs; ( competência da Comissão Executiva Instaladora e do Coordenador Informático ) Promover um estudo em torno da plataforma GPL – MOODLE por forma a definir as potencialidades de utilização da mesma como suporte de apoio às decisões dos órgãos de gestão do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos )

O horizonte temporal para o desenvolvimento destas acções é o do ano lectivo 2007-2008, portanto o que respeita ao período de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 3

Anuência fraca

Impacto forte

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Gestão das Pessoas Questão: O que fazer para criar capacidade ao nível da gestão das pessoas?

Ideia Promover uma meditação em torno da cultura da organização e do contexto organizacional, à luz da nova realidade que é o Agrupamento de Escolas de Carcavelos, formalizar um documento de síntese e difundi-lo junto das Comunidades Escolar e Educativa; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Definir as necessidades de formação dos colaboradores ( três vectores de recursos humanos diferenciados - os professores, o pessoal não-docente / auxiliares de acção educativa, técnicos e pessoal de restauração, e o pessoal técnico-administrativo ) tendo em consideração a especificidade Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

10

das carreiras e respectivas funções, portanto orientando a acção para o desempenho de competências funcionais que estarão alinhadas com os objectivos estratégicos, operacionais e de desempenho individual, mas devendo-se introduzir de forma faseada e sistemática uma orientação de e para a gestão para a qualidade total, no sentido da melhoria dos desempenhos e resultados, promovendo consensos e compromissos de formação, de desenvolvimento de competências e adesão aos processos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Definir e desenvolver uma política de reconhecimento do mérito, individual e/ou colectivo, para além dos mecanismos previstos na lei geral por forma a propiciar um clima de meritocracia no seio da Comunidade Escolar com reflexos, pelo menos, no registo biográfico dos mesmos e do conhecimento geral das Comunidades Escolar e Educativa; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Desenvolver parcerias, já existentes ou outras a definir, e orientá-las para a implementação do plano de formação, complementar à formação creditada e da responsabilidade dos centros de formação de professores e do pessoal não-docente; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e nãoexecutivos )

Estas acções devem desenvolver-se durante o ano lectivo 2007-2008.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 3

Aplicabilidade 3

Anuência forte

Impacto forte

3

Controlo forte

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Parcerias e Recursos Questão: Como se pode optimizar a gestão de recursos e promover a implementação de parcerias?

Ideia Rever e actualizar a parceria com a CM de Cascais relativa ao uso e usufruto do pavilhão gimnodesportivo, de acordo com as novas necessidades do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, dando continuidade à prestação de serviços à comunidade local no âmbito da actividade sóciodesportiva e recreativa; ( competência do Conselho Pedagógico e da Comissão Executiva Instaladora ) Estudar e propor parecerias novas que provejam as necessidades de actividade desportiva das escolas do 1º ciclo do ensino básico do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, no âmbito do programa Escola a Tempo Inteiro e com entidades, públicas ou privadas, que tenham instalações de proximidade e acessibilidade adequadas; ( competência do Conselho Pedagógico e da Comissão Executiva Instaladora ) Avaliar, rever e ajustar as parcerias existentes (- Univ. Atlântica – Faculdade de Ciências de Lisboa – Escola Superior de Hotelaria do Estoril – Faculdade de Motricidade Humana – Escolas envolvidas no Centro de Formação de Actividades Naúticas – Instituto Superior Técnico – Escola Profissional de Teatro de Cascais – Escola Primária Nova Apostólica ) à nova realidade do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos )

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

11

Nomear um grupo de trabalho com a missão de propor utilizações de espaços, da escola sede e das escolas agregadas, para acções de formação profissional, de carácter associativo, de prestação de serviços a terceiros e outras, de modo a ser possível gizar um plano de intervenção ( oferta por portflolio ) e rendibilizar a ocupação, nomeadamente de fim de tarde e noite, dos mesmos; ( competência da Comissão Executiva Instaladora )

O período de execução destas acções corresponde ao do ano lectivo de 2007-2008, podendo algumas delas ser efectivadas durante esse espaço de tempo com benefícios para a organização.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

3

Controlo forte

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Gestão dos Processos e da Mudança Questão: O que se pode fazer para implementar um sistema de melhoria contínua na gestão dos processos e da mudança?

Ideia Nomear um grupo de trabalho com a missão de, com base nos registos biográficos dos colaboradores, realizar um levantamento sistemático das formações relevantes – académicas, profissionais, especializadas, etc, das actividades de iniciativa individual na escola (coordenação de grupos de projecto, ...), hobbies, indiciação de competências relevantes para a organização, quer as indicadas para o desempenho funcional quer as que objectivem a realização de actividades enquadradas pelas áreas de formação definidas pelo Ministério da Educação, com vista a construir uma base de dados aberta que permita funcionamentos grupais para além dos interesses pessoais e de proximidade dos elementos de um determinado sector ou grupo de trabalho; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Definir o perfil de competências para cada cargo e/ou função existente nas várias estruturas e unidades da organização; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Identificar todos os processos fundamentais e estruturantes da organização, detectar os pontos fortes e críticos de cada um deles, quais as responsabilidades atribuídas e propor indicadores de avaliação de desempenho, desenhando-os e construindo-os; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos ) Rever e ajustar o desenho dos processos respeitantes ao Secretariado de Exames ( o único que teve na Escola Secundária de Carcavelos um processo devidamente documentado, até há poucos anos ) e ao do desempenho do cargo de Director de Turma (básico e/ou secundário) à realidade do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência indirecta do Conselho Pedagógico e da Comissão Executiva Instaladora, e directa dos respectivos coordenadores ) Desenhar e documentar todos os processos da organização com vista à criação de um manual público de serviço, vertical e transversal; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos, e de todos os coordenadores das várias unidades da organização )

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

12

Desenhar e documentar o processo de tratamento estatístico dos resultados internos e externos dos alunos, com suporte na aplicação informática de gestão dos processos dos alunos, propor os indicadores a utilizar na avaliação dos mesmos, sua estrutura e metodologia de recolha, análise e tratamento dos dados, assim como da sua apresentação pública às Comunidades Escolar e Educativa; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivos e não-executivos )

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Dimensão 2 - Inovação

Critério Caf_Liderança Questão: Como se deve proceder para implementar uma cultura de inovação com o objectivo de aumentar a produtividade e a qualidade do desempenho?

Considerações prévias Para além das que foram produzidas na Dimensão 1, convém chamar à atenção para o facto de o novel Agrupamento de Escolas de Carcavelos obrigar a repensar a maneira como se olha para a escola pois abrangemos, agora, desde a educação pré-escolar ao ensino secundário, quando ainda este ano lectivo só estávamos a trabalhar com o 3º ciclo e o ensino secundário. Esta mudança organizacional é profunda, imposta, mas temos que nos adaptar a ela durante o ano lectivo de instalação que vai ocorrer em 2007-2008. Assim a aplicação do conceito de inovação decorrerá das necessárias adequações a realizar, desde que assumidas pelas lideranças, objectivando uma estratégia e planeamento voltado para a mudança e melhoria das práticas, uma mais capaz afectação de recursos, uma eficiente comunicação vertical e um re-desenhar dos processos em prol da eficácia. É também fulcral que as lideranças assumam que as iniciativas e empreendedorismo individuais/grupais podem ser relevantes para a organização a ponto de elas mesmas se constituírem como os motores de mudanças, de posturas e comportamentos. Aqui a delegação de competências e a atribuição de responsabilidades é relevante na medida em que coloca os colaboradores perante a necessidade de reflectirem melhor sobre a organização e de se colocarem no papel de agilizadores de mudança, alinhando com as metas e objectivos organizacionais definidos. Nota-se sobejamente que há demasiado peso da burocracia e do controlo, directo ou indirecto, das acções que se desenvolvem, a mais das vezes por razões externas (tutela) e não de orientação interna (órgãos de gestão), que mais não sejam do que uma obrigação. A falta de uma cultura de avaliação não augura, antecipadamente, bons resultados nas acções a empreender, dada uma resiliência bastante acentuada na organização. Nota Estas considerações prévias são para tomar em consideração em todas as actividades a desenvolver – ideias e iniciativas, pois são demasiado relevantes para não serem levadas em linha de conta neste próximo ano lectivo de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

13

Ideia Gizar um plano de comunicação com o objectivo de dar a conhecer a Missão, a Visão e o Quadro de Valores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, no sentido de aproximar os colaboradores de um olhar mais clínico, prospectivo e sentido da organização (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos) Promover e implementar um plano de sensibilização da Comunidade Escolar para as problemáticas da gestão do desempenho organizacional com recurso a painéis, seminários e sessões de brainstorming. (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos, com recurso a parcerias dedicadas) Gizar um plano de comunicação com o objectivo de dar a conhecer, esclarecer e dinamizar uma nova abordagem às organizações no sentido da gestão para a qualidade total, à sua cultura que se pretende de antecipação e inovação, na avaliação do desempenho colectivo e individual coordenada com as metas definidas e os objectivos traçados, na mudança e na inovação no sentido da eficácia e eficiência organizacional, construído ele com base nos documentos resultantes do plano de sensibilização da Comunidade Escolar. (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos) Promover uma discussão junto dos colaboradores sobre temáticas conceptuais que enformam a acção e actividade do Agrupamento de Escolas de Carcavelos como instituição educativa e prestadora de serviços à comunidade, a saber – “o que é uma escola de qualidade e de referência?”; “o que significa rigor, equidade e transparência na avaliação dos alunos, através dos critérios gerais de avaliação definidos em sede própria?”; “ o que é um Projecto Educativo, como se constrói, qual o seu âmbito e qual deve ser a sua estrutura?”; “ como se adequa o Plano Anual de Actividades, em termos operativos, com os objectivos e metas traçados no Projecto Educativo?”; “ como se pode avaliar o desempenho da organização, quais os indicadores de referência a utilizar e como se monitorizam?” 8; “quais os critérios para promover o mérito e premiar resultados, para além do que está previsto e legislado?”. (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos) Gizar um plano de comunicação, vertical e transversal, de cada órgão de gestão com vista a dar corpo à fluidez de circulação da informação relevante para os colaboradores e para as Comunidades Escolar e Educativa. (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos)

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Planeamento e Estratégia Questão: Quais as orientações a seguir para criar capacidade de inovação numa organização?

Ideia Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de uma estratégia e de um plano conducente à infra-estruturação de uma intranet baseada em suportes aplicacionais de rede e de servidor, com vista a agilizar os fluxos de informação interna, unívoca (dos órgãos de gestão, vertical e 8

Consulta de indicadores e estatísticas disponíveis em http://www.min-edu.pt/ Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

14

transversal), biunívoca (entre estruturas das organização), de modo a tornar eficaz o complexo de circuitos introduzidos para a Comunidade Escolar, quer em função das expectativas das partes interessadas (colaboradores) quer dos clientes internos (alunos); ( competência da Comissão Executiva Instaladora em concertação com os restantes órgãos de gestão e com o coordenador das Tic na organização ) Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de uma estratégia e de um plano conducente à infra-estruturação de um portal de comunicação externa, baseado na world wide web, universal para a Comunidade Educativa (cidadãos, comunidade local e regional, pais e encarregados de educação, alunos, clientes externos, parcerias) e restrita para a Comunidade Escolar (sectorialmente para os colaboradores – docentes e não-docentes, alunos); ( competência da Comissão Executiva Instaladora em concertação com os restantes órgãos de gestão e com o coordenador das Tic na organização ) Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de um plano de melhoria da infra-estrutura de quiosque multimédia baseado nas aplicações de gestão de alunos e de colaboradores e na gestão de serviços internos; ( competência da Comissão Executiva Instaladora em concertação com os restantes órgãos de gestão e com o coordenador das Tic na organização ) Editar e difundir junto dos colaboradores o resultado do estudo em torno da plataforma GPL – MOODLE por forma a caracterizar as potencialidades de utilização da mesma como suporte de apoio às decisões dos órgãos de gestão do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos )

O horizonte temporal para o desenvolvimento destas acções é o do ano lectivo 2007-2008, portanto o que respeita ao período de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Gestão das Pessoas Questão: Como gerir o conhecimento na organização?

Ideia Formalizar em documento a síntese do debate em torno da cultura da organização e do contexto organizacional face à nova realidade que é o Agrupamento de Escolas de Carcavelos e difundi-lo junto das Comunidades Escolar e Educativa; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos ) Promover a discussão em sessões de brainstorming, abertas aos colaboradores docentes, dos conceitos emanentes ao processo ensino-aprendizagem e ao acto educativo, nomeadamente no que à avaliação diz respeito, com vista a criar consensos de definição e de uso no meio escolar, visando concretizar um “dicionário de termos educativos”, com recurso à base de dados que o Ministério da Educação disponibiliza on-line e visando concretizar a definição de uma política educativa consensual na organização; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

15

Promover a discussão, junto dos colaboradores docentes, de como definir os critérios gerais de avaliação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos alinhados com os objectivos e as metas do Projecto Educativo, editar em documento a deliberação final do Conselho Pedagógico e difundi-lo junto das Comunidades Escolar e Educativa; ( competência da Comissão Executiva Instaladora ) Promover a discussão junto dos colaboradores docentes do resultado do estudo em torno da plataforma GPL – MOODLE por forma a caracterizar as potencialidades de utilização da mesma como suporte de apoio às actividades lectivas, ao apoio curricular, à avaliação, dentro do contexto das áreas disciplinares e no grupo-turma, visando a edição de um documento de síntese que oriente as decisões sobre a utilização da plataforma, o seu alojamento, a sua operacionalização e a sua entrada em funcionamento; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos )

O horizonte temporal para o desenvolvimento destas acções é o do ano lectivo 2007-2008, portanto o que respeita ao período de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Parcerias e Recursos Questão: Como implementar iniciativas de criação de valor?

Ideia Promover junto dos colaboradores docentes a discussão sobre que critérios, âmbito de aplicação e de utilização de “disciplinas”, a serem criadas na plataforma Moodle, que correspondam a uma unidade transversal do universo de turmas de cada ciclo de formação e da responsabilidade de cada Departamento Curricular, formalizar em documento as conclusões e elaborar um manual de orientações para a criação de “disciplinas”; ( competência do Conselho Pedagógico e dos Departamentos Curriculares ) Promover a criação de endereços de correio electrónico (de base institucional) para todos os colaboradores e para cada órgão de gestão, visando tornar os fluxos de informação mais expeditos e transparentes; ( competência da Comissão Executiva Instaladora ) Promover um estudo sobre as condições necessárias à criação, no centro de recursos da escola sede do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, de um acervo documental, em suportes variados (papel, publicações, cd-rom,…) sobre temas relacionados com a gestão organizacional, a avaliação das organizações, a carreira docente e não-docente, oferta curricular e enquadramento legal, o processo ensino-aprendizagem e a avaliação, Projecto Educativo, Projecto Curricular de escola e de turma, Plano Anual de Actividades, Regulamento Interno, memória descritiva dos processos-chave da organização, orçamentos, projectos especiais, parcerias, visando o acesso pleno a partir de uma estrutura simplificada; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Promover estudo similar para a colocação no portal do Agrupamento de Escolas de Carcavelos do máximo da informação constante no acervo do centro de recursos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos e do coordenador das Tic ) Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

16

O período de execução destas acções corresponde ao do ano lectivo de 2007-2008, podendo algumas delas ser efectivadas ao longo desse espaço de tempo com benefícios para a organização.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Gestâo dos Processos e da Mudança Questão: Como actuar para se criarem novos processos e novas práticas?

Considerações prévias A apresentação desta ideia prende-se com a necessidade de transformar as acções em vista num modelo de novas práticas, pois talvez assim se conquiste alguma audiência para as mudanças no sentido da melhoria, umas impostas e outras assumidas pelas lideranças. As acções em si mesmo são uma nova prática que se pretende sistematizar no espaço e no tempo, apesar de se depreender alguma dificuldade em enquadrá-las no Plano Anual de Actividades. Acresce a percepção de que este tipo de acções só terá arranque com a iniciativa individual ou de um grupo restrito de pessoas que se comprometem a fazer avançá-las, em tempo útil. Nota Estas considerações prévias são para tomar em consideração em todas as actividades, a desenvolver – ideias e iniciativa, desta dimensão.

Ideia Promover a realização de um conjunto de sessões de brainstorming sobre «Identificar todos os processos fundamentais e estruturantes da organização, detectar os pontos fortes e críticos de cada um deles, quais as responsabilidades atribuídas e propor indicadores de avaliação de desempenho, desenhando-os e construindo-os», visando a sua optimização, visando a agilização de procedimentos eliminando desperdícios e as suas causas e com o sentido de melhoria da qualidade do produto, de modo a produzir um documento síntese dos consensos que leve à elaboração dos respectivos manuais descritivos para o Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Promover a realização de um conjunto de sessões de brainstorming sobre a problemática dos projectos e sua gestão integrada nos objectivos do Projecto Educativo do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, considerando a necessidade de abordar quais as metodologias e suportes para a apresentação de um projecto, como se processa a sua avaliação/integração face ao Projecto Educativo, qual a metodologia e processo de avaliação de resultados e respectivo plano de comunicação, de modo a ser produzido um documento orientador sobre Projectos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) O período de execução destas acções corresponde ao do ano lectivo de 2007-2008, podendo algumas delas ser efectivadas durante esse espaço de tempo com benefícios para a organização.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

17

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Dimensão 3 - Processos

Critério Caf_Liderança Questão: Como se deve proceder para formalizar os processos de trabalho?

Considerações prévias Na linha das considerações tecidas para as Dimensões 1 e 2 e dos constrangimentos detectados no agora formalizado Agrupamento de Escolas de Carcavelos, a sofrer um processo de instalação que decorrerá no ano lectivo de 2007-2008, intuímos a necessidade de realizar uma abordagem aos novos processos que responsabilizam a organização, nomeadamente na escola sede, e no reajustamento daqueles que, já existindo, sofrerão um obrigatório processo de re-desenho. Como não vai sendo estabelecida uma hierarquia de acções/iniciativas que não a que se aplicou à estrutura da iniciativa, como se pode verificar nas iniciativas D1 e D2, num processo empírico de classificação, temos a considerar que a capacidade instalada de execução e os tempos disponíveis para a realização das mesmas não pode (deve) ultrapassar a do ano lectivo que respeita à instalação do agrupamento. É neste contexto que se desenvolvem as acções propostas. Nota Estas considerações prévias são para tomar em consideração em todas as actividades a desenvolver – ideias e iniciativas, pois são demasiado relevantes para não serem levadas em linha de conta neste próximo ano lectivo de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Ideia Identificar e descrever os novos processos que responsabilizam o Agrupamento de Escolas de Carcavelos na sequência da entrada em funcionamento do 2º ciclo do Ensino Básico na escola sede; (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos) Identificar e descrever os processos das 3 escolas do 1º ciclo do Ensino Básico, das quais uma com Jardim de Infância, do Ensino Pré-escolar; (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos e dos Coordenadores de cada estabelecimento de ensino) Promover um estudo que reflicta sobre a optimização dos processos-chave do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e proponha as adaptações que entenda necessárias; (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos) Promover um estudo que reflicta sobre a optimização dos processos de cada uma das estruturas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e proponha os necessários ajustamentos; (competência de cada um dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos e dos Coordenadores de cada uma das estruturas) Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

18

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

2

Impacto fraco

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Planeamento e Estratégia Questão: Quais as orientações a seguir para alinhar os processos de trabalho com a estratégia da organização?

Ideia Mapear os processos-chave do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, verificar as conformidade e desconformidades destes com a estratégia definida e elaborar um documento de síntese; (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos) Promover um conjunto de sessões de brainstorming destinadas a discutir e a ajustar o documento de síntese dos processos através de consensos orientados para a gestão de processos e uniformização de procedimentos e de suportes, junto dos colaboradores e elaborar o documento final que se constituirá como orientação ao re-desenho dos mesmos; (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos) Re-desenhar os processos-chave identificados no Agrupamento de Escolas de Carcavelos, decrevêlos e elaborar os respectivos manuais de procedimentos, tendo também o cuidado de definir e descrever os indicadores de avaliação de desempenho que deverão passar a ser utilizados e monitorizados; (competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos) Re-desenhar os processos identificados para cada uma das estruturas da organização, decrevê-los e elaborar os respectivos manuais de procedimentos, tendo também o cuidado de definir e descrever os indicadores de avaliação de desempenho que deverão passar a ser utilizados e monitorizados; ( competência dos Coordenadores de cada uma das estruturas ) Elaborar o documento final que documente todos os processos do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e divulgá-lo junto de todos os órgãos e estruturas; ( competência da Comissão Executiva Instaladora )

O horizonte temporal para o desenvolvimento destas acções é o do ano lectivo 2007-2008, portanto o que respeita ao período de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

19

Critério Caf_Gestão das Pessoas Questão: Como gerir o desempenho e a aprendizagem dos colaboradores?

Considerações prévias No Agrupamento de Escolas de Carcavelos a gestão de recursos humanos tem duas vertentes distintas, a do pessoal docente e a do pessoal não docente (auxiliares de educação, técnicos, carreiras administrativas e serviços de restauração) pelo que as quatro etapas referenciadas à gestão dos processos sejam com elas alinhadas. Acresce que o SIADAP 9 é de aplicação exclusiva ao pessoal não docente, já que, quanto ao pessoal docente, a aplicação do Estatuto da Carreira Docente, na parte que respeita à avaliação do desempenho, é objecto de regulamentação específica. Isto levanta às lideranças problemas sobre os quais urge reflectir, até porque, no caso dos docentes, a envolvente não é exclusivamente executiva. Ideia Definir e implementar o plano de formação dos colaboradores ( três vectores de recursos humanos diferenciados - os professores, o pessoal não-docente / auxiliares de acção educativa, técnicos e pessoal de restauração, e o pessoal técnico-administrativo ) tendo em consideração a especificidade das carreiras e respectivas funções e delineado de acordo com as necessidades detectadas, prevendo uma abordagem formal de certificação da formação ou via profissional ou via Centro de Formação de Professores Lindley Cintra, e por uma abordagem informal via sessões programadas no Agrupamento de Escolas de Carcavelos orientadas por entidades ou individualidades de mérito reconhecido nas temáticas a abordar; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos ) Elaborar um documento de referência que descreva cada cargo e/ou função do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, com os respectivos conteúdos funcionais, as competências a desenvolver, os objectivos-chave do desempenho e os indicadores a monitorar; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos e dos Coordenadores de cada uma das estruturas ) Promover um conjunto de sessões de brainstorming abertas aos colaboradores destinadas a discutir a legislação que enquadra a aplicação do Siadap e do Estatuto da Carreira Docente e a possibilidade de estruturar um conjunto de critérios gerais que sejam assumidos pela organização no processo de gestão e de avaliação do desempenho, assim como quais os critérios para premiar e bonificar o mérito, para além do que está legislado; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos e dos Coordenadores de cada uma das estruturas )

O horizonte temporal para o desenvolvimento destas acções é o do ano lectivo 2007-2008, portanto o que respeita ao período de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos. Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

9

Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública, consultável em legislação e documentos de apoio http://www.dgap.gov.pt/0abert/dgapmf_site.htm Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

20

Critério Caf_Parcerias e Recursos Questão: Como optimizar os recursos na organização?

Ideia Definir, estruturar e orçamentar um plano que permita introduzir no Agrupamento de Escolas de Carcavelos um ponto de acesso de rede sem fios numa sala específica de cada um dos pavilhões da escola sede e numa sala específica de cada um das escolas do 1º ciclo do ensino básico de modo a que, simultaneamente com a aquisição de portáteis em rácio de 1 por cada dois alunos, se equipem as escolas com capacidade de intervenção em aula com interactividade pessoal e tecnológica; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Actualizar e reequipar as salas de conferência da escola sede do agrupamento, redigir o manual de utilização de cada sala e dos respectivos equipamentos, normas de requisição das salas e responsabilidade pelos usos inadequados; ( competência da Comissão Executiva Instaladora ) Definir critérios para, dentro das especificidades da carreira docente e normativos existentes, atribuição de horas de trabalho da componente não-lectiva de cada professor a tarefas dedicadas à implementação e gestão de processos de suporte e de gestão, orientados para a melhoria da qualidade e no sentido da avaliação do desempenho da organização; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Definir critérios para, dentro das especificidades da carreira não-docente e normativos existentes, atribuição de horas de trabalho a cada colaborador para tarefas dedicadas à implementação e gestão de processos de suporte e de apoio à gestão, orientados para a melhoria da qualidade dos serviços e no sentido da avaliação do desempenho da organização; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Implementar a execução do Portfolio de instalações e recursos de modo a financiar o orçamento privativo (de compensação em receita) do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência da Comissão Executiva Instaladora )

O horizonte temporal para o desenvolvimento destas acções é o do ano lectivo 2007-2008, portanto o que respeita ao período de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação das acções Pertinência

Relevância 3

Aplicabilidade 2

Anuência forte

Impacto fraco

3

Controlo forte

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Gestão dos Processos e da Mudança Questão: Como actuar para implementar um processo de melhoria contínua?

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

21

Considerações prévias Como vem sendo referido a instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos vai ocorrer durante o ano lectivo de 2007-2008 pelo que as várias ideias estão sincronizadas com esta realidade temporal e com uma necessária reorganização interna. Das ideias anteriormente propostas, que não sendo exaustivas são consideradas as adequadas, a sua operacionalização e implementação são, por si só, um processo de melhoria na organização e de boas práticas. A realidade de uma escola deixa pouca margem de manobra para calendarizações demasiado restritivas e para obrigatoriedades presenciais em sessões de “formação” não certificadas, pelo que a realização da maioria das acções dependerá da boa-vontade e disponibilidade dos colaboradores para uma efectiva adesão.

Ideia Realizar quinzenalmente uma sessão de brainstorming dedicada a um tema orientado pelas áreas da Gestão do Desempenho Organizacional, da qual será elaborado um documento de síntese que será agregado a um documento final que se constituirá como um manual de orientações para as boas práticas de gestão no Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Realizar acções de sensibilização e divulgação, em suporte físico e outros, de informações de enquadramento às áreas de Gestão do Desempenho Organizacional junto dos colaboradores e da Comunidade Escolar; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Divulgar, de forma periódica e sistemática, uma boa prática da organização que tenha impacto positivo no seu desempenho organizacional; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos ) Elaborar um manual de acolhimento na organização orientado para cada um dos sectores profissionais, contemplando informações que vão desde a apresentação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, a sua Missão, Visão e Quadro de Valores, às instalações, serviços e horários, organigramas geral e das várias estruturas, etc.; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Elaborar um manual de acolhimento na organização dos alunos orientado para a sua integração na Comunidade Escolar, contemplando informações que vão desde a apresentação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, a sua Missão, Visão e Quadro de Valores, às instalações, serviços e horários, organigramas geral e das várias estruturas, Regulamento Interno, Projecto Educativo, regras gerais de comportamento, critérios de avaliação, etc.; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos )

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

22

Dimensão 4 - Empenhamento

Critério Caf_Liderança Questão: Como se deve proceder para se conseguir elevados desempenhos?

Considerações prévias Tal como já foi referido anteriormente o novel Agrupamento de Escolas de Carcavelos, naturalmente liderado pela escola sede, tem agora uma oportunidade única de reflectir sobre a sua imagem, cultura e organização interna, na senda da gestão para a qualidade total. Não é despiciendo considerar que a perda desta oportunidade trará danos irrecuperáveis à organização e ao estado de espírito dos colaboradores, se considerarmos os efeitos nefastos acumulados das políticas não colaborativas da tutela na administração e gestão escolar, nas carreiras (agora, a nova categoria de professor titular é bem capaz de um aporte negativo no relacionamento interno junto dos colaboradores e das lideranças), …, etc. Alguma coisa é necessário fazer para recolocar as expectativas dos colaboradores num nível mediano, por assim dizer, já que a percepção que dele se tem é a de que ele é baixo e desanimador. Assim as ideias a apresentar reflectem a tentativa de sensibilizar os colaboradores para a realidade escola numa perspectiva abrangente e reconciliadora, atenta ao espírito de corpo/grupo que se pretende diferenciador, prospectivo e inovador no sentido da qualidade e excelência dos serviços que presta, mas também do bem-estar geral da Comunidade Escolar. É claro que este trabalho tem o horizonte temporal referenciado ao próximo ano lectivo de 20072008, em que decorre a instalação do agrupamento. Nota Estas considerações prévias são para tomar em consideração em todas as actividades a desenvolver – ideias e iniciativas, pois são demasiado relevantes para não serem levadas em linha de conta neste próximo ano lectivo de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Ideia Realizar um estudo conducente à proposta de um conjunto de nomes de personalidades da região de Carcavelos – Cascais que, pela sua projecção, possam ser objecto de escolha para patrono do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos ) Realizar um concurso interno destinado a escolher o logótipo, as cores e o lettering do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência da Assembleia Constituinte ) Promover um estudo que proponha a composição da nova imagem gráfica do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, ao nível de todos os documentos oficiais, internos e externos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Realizar um concurso interno destinado a fazer um upgrade de design ao logótipo e ao lettering da Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos; ( competência da Assembleia Constituinte ) Realizar um concurso interno destinado a escolher o logótipo e o lettering das escolas associadas; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos )

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

23

Realizar ao nível de cada estrutura interna uma campanha para que seja definida a imagem gráfica de cada uma delas, a partir da criação dum logótipo para uso interno; ( competência dos Coordenadores de Departamento e das estruturas intermédias educativas ) Fomentar o hábito de os colaboradores passarem a escrito as queixas, reclamações, propostas e outras, dirigidas ao responsável directo e ao nível de todas as estruturas, com a garantia de tratamento e resposta adequada, e passarem a escrito sugestões de melhoria, críticas e outras, de forma incógnita, a colocar num recipiente próprio e a que será dado o encaminhamento e tratamento necessários, quer de resposta da organização quer de tratamento de dados estatísticos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Realizar periodicamente (uma vez por mês) uma sessão aberta à Comunidade Escolar com vista a debater assuntos candentes da organização, em função dos interesses dos participantes e não de uma ordem de trabalhos definida previamente; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Dinamizar a criação do jornal do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, de periodicidade trimestral, aberto à colaboração dos membros das Comunidades Escolar e Educativa, cumprindo não só objectivos pedagógicos como também almejando sedimentar as boas práticas da organização, quer sob o prisma interno quer externo; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos ) Lançar um concurso interno de ideias destinado à melhoria da qualidade ambiental e de conforto físico e visual dos espaços interiores e exteriores, quer os de circulação quer os de actividade lectiva e de trabalho, visando a concretização de um portfolio que suporte a formalização de parcerias que operacionalizem as ideias; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Promover o reconhecimento do mérito e excelência dos desempenhos dos colaboradores, para além dos mecanismos previstos na lei, através da divulgação periódica (anual) de lista a afixar em Quadro próprio e a designar por consenso na organização; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Promover acções de formação e actualização dos colaboradores em temáticas que se prendam com o trabalho em equipa e gestão por objectivos, gestão de conflitos, gestão de projectos, avaliação de desempenho organizacional, …, conduzidas por entidades ou individualidades de reconhecida competência nas matérias, em sessões a realizar com uma periodicidade mensal; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Promover acções de formação e actualização para os Delegados e Subdelegados de turma em temáticas que se prendam com a responsabilidade de representação dos seus pares, liderança, gestão por objectivos, capacidade e limites de intervenção do cargo, …, conduzidas pelos Coordenadores dos Directores de Turma (ensinos básico e secundário), realizadas de forma mista, em regime presencial e com recurso a modalidade de formação à distância, via Moodle, durante o primeiro trimestre do ano lectivo; ( competência do Conselho Pedagógico)

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

24

Critério Caf_Planeamento e Estratégia Questão: Como comprometer os colaboradores para a estratégia da organização?

Ideia Utilizar a reunião geral de colaboradores (docentes e não docentes) de início do ano lectivo para colocar a tónica numa mensagem que poderia passar por ser o slogan da organização, o Agrupamento de Escolas de Carcavelos, e pela enunciação clara e objectiva das metas que se pretendem alcançar, traçados que estão os objectivos estratégicos e operacionais; ( competência dos Presidentes da Assembleia Constituinte, da Comissão Executiva Instaladora e do Conselho Pedagógico ) Promover a realização de reuniões informais, abertas aos colaboradores e às Comunidades Escolar e Educativa, de periodicidade regular (semestral), com os líderes dos órgãos de gestão de topo, sem agenda definida que não seja a de auscultar o sentir e pulsar da organização de modo a enquadrar as questões levantadas em termos da estratégia organizacional; ( competência dos Presidentes da Assembleia Constituinte, da Comissão Executiva Instaladora e do Conselho Pedagógico ) Praticar, de forma sistemática e regular, a delegação formal de competências em pessoas e/ou grupos de trabalho com vista agilizar a operatividade da estratégia delineada para o Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Requalificar a figura do Contrato Pedagógico do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, em moldes de maior comprometimento dos alunos e encarregados de educação, que o assinam aquando da respectiva matrícula, em prol dos sucessos escolar e educativo, do reconhecimento do valor e da excelência, face ao Projecto Educativo aprovado; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos )

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

3

Controlo forte

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Gestão das Pessoas Questão: Como motivar os colaboradores para contribuírem com elevados desempenhos?

Ideia Promover condições objectivas de trabalho aos colaboradores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, quanto ao conforto físico e ambiental, aos meios e tecnologias disponíveis, delineando um plano de investimento faseado, a iniciar nos órgãos de gestão até às estruturas intermédias; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Promover condições objectivas de trabalho aos alunos das escolas associadas, quanto ao conforto físico e ambiental, aos meios e tecnologias disponíveis, delineando um plano de investimento faseado que obrigue a tutela a acompanhar e a financiar as metas e objectivos delineados num Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

25

Plano de Desenvolvimento do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Criar condições para que as lideranças e a gestão intermédia promovam a interacção com os colaboradores de forma transparente, na eficácia dos canais de comunicação e informação, pela iniciativa, participação e responsabilização dos diversos intervenientes, no sentido da qualidade do serviço prestado e da qualidade do clima organizacional; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Realizar uma exposição anual dos melhores trabalhos dos alunos, nas várias disciplinas, aberta à Comunidade Educativa e repartida espacialmente pelas escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, a realizar antes do termo das actividades lectivas e promover a sua divulgação junto da comunidade local, com recurso a meios expeditos de comunicação; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Realizar uma sessão pública de acção de reconhecimento do mérito dos colaboradores e dos alunos, em termos a definir no Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e promover a sua divulgação junto da comunidade local, com recurso a meios expeditos de comunicação; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Promover uma maior abertura para o espírito de trabalho colaborativo inter pares e de tutoria para os novos colaboradores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, com sentido na agilização de processos e procedimentos, na racionalidade e respectiva adequabilidade, assim como proceder a uma mais correcta integração na cultura e no clima organizacional; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos e das Estruturas Intermédias Educativas)

Classificação das acções Pertinência

Relevância 3

Aplicabilidade 2

Anuência forte

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Parcerias e Recursos Questão: Como assegurar uma boa distribuição dos recursos aos colaboradores?

Ideia Promover a realização de um levantamento de necessidades a curto e médio prazo, junto das estruturas intermédias das escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, na perspectiva das respectivas instalações e recursos, nomeadamente os técnicos, científicos e tecnológicos, visando dois vectores de abordagem, um de evolução natural e o outro de inovação e qualidade/excelência, de modo a formalizar cenários a integrar num Plano de Desenvolvimento do agrupamento; ( competência dos Coordenadores de Departamento e demais estruturas intermédias ) Identificar e definir cenários de desenvolvimento nas escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos de modo a construir um Plano de Desenvolvimento, de médio e longo prazo, que permita obrigar a tutela a acompanhar e financiar o programa ao abrigo de um contrato de autonomia, a celebrar entre o Ministério da Educação e o Agrupamento de Escolas de Carcavelos nos termos da lei; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos )

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

26

Elaborar um portfolio de apresentação dos vários cenários do Plano de Desenvolvimento do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos ) Promover uma campanha de marketing junto de organizações susceptíveis de colaborar com o Agrupamento de Escolas de Carcavelos na implementação do seu Plano de Desenvolvimento; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Celebrar protocolos de colaboração com as organizações que intervêm na implementação do Plano de Desenvolvimento do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, prevendo cobertura de publicidade, patrocínio, dação e/ou mecenato nas respectivas intervenções, a acordar entre as partes; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos )

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

Critério Caf_Gestão dos Processos e da Mudança Questão: Como actuar para melhorar o trabalho de equipa?

Ideia Motivar os colaboradores para a necessidade de o trabalho de equipa e/ou de iniciativa individual ser assumido como trabalho de autoria, portanto subscrito e assinado, no sentido de uma maior responsabilização directa e de participação nos objectivos traçados na organização, no caso o Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos ) Promover a divulgação sistemática e periódica da informação relevante sobre os produtos resultantes do trabalho de equipa dos colaboradores, em locais e formas a definir, quer na óptica de indicadores de desempenho quer na da identificação dos envolvidos, nas escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos e dos Coordenadores de Departamento e demais estruturas intermédias ) Promover a divulgação sistemática e periódica da informação relevante sobre os produtos resultantes do trabalho de equipa dos alunos, em locais e formas a definir, quer na óptica de uma avaliação excelente quer na da identificação dos envolvidos, nas escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos e dos Coordenadores de Departamento e demais estruturas intermédias ) Promover junto dos alunos do Agrupamento de Escolas de Carcavelos a ideia de que uma Associação de estudantes reforça o papel de interventor na formação pessoal dos mesmos, considerando a necessidade de esta ser presente e activa de forma sistemática, e facilita uma aproximação aos serviços de que usufruem e que são prestados pela organização, no sentido em que são os clientes da mesma; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos, dos Coordenadores de Departamento e demais estruturas intermédias e dos Directores de Turma )

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

27

Promover junto dos pais e encarregados de educação a ideia de que uma Associação de Pais e Encarregados de Educação presente e activa só vem reforçar o papel interventor dos mesmos na gestão do Agrupamento de Escolas de Carcavelos; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e não-executivos ) Fomentar a realização de um evento multidisciplinar comemorativo de um lustro, a planear dois anos lectivos antes da data prevista, a integrar nos objectivos do Projecto Educativo e no Plano de Actividades, extensivo às escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e aberto às Comunidades Escolar, Educativa e local; ( competência dos 4 órgãos de gestão, executivo e nãoexecutivos )

Classificação das acções Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Nota : as acções são classificadas no seu conjunto mas poderiam sê-lo individualmente, o que em situações futuras poderá acontecer, se este tipo de balanço for susceptível de ser presente à organização como um documento de estudo e trabalho.

As Iniciativas

Dimensão 1 – Performance

Questão prévia A Escola Secundária de Carcavelos, ora transformada em escola sede do novel Agrupamento de Escolas de Carcavelos, entrou num processo de instalação e tem desencadeado um acto eleitoral para a constituição de uma Comissão Executiva Instaladora (Maio 2007) que, tomando posse (Junho 2007), irá desencadear um processo eleitoral para a Assembleia Constituinte (Junho/Julho 2007), seguindo-se uma recomposição do Conselho Pedagógico (Julho/Setembro 2007) para o adequar à nova realidade organizacional. Esta situação foi-nos imposta pela tutela como um facto consumado, sem qualquer critério ou justificação mínima plausível, isto no entender das partes interessadas (constatação informal) e, pessoalmente, no entender do Presidente da Assembleia de Escola que é formando nesta acção de formação. O constrangimento é relevante para o tipo de ideias (acções) e de iniciativas (plano de acção) que pretendia desenvolver, se para isso houvera engenho e arte. É por demais evidente que as mesmas estão condicionadas às necessidades de revisão e ajustamento que a constituição de um agrupamento de escolas aporta para a organização isolada e para as lideranças que, agora em instalação, promoverão um plano de intervenção adequado para o ano lectivo de 2007-2008, espera-se vigilantemente.

Enquadramento O plano de acção que agora se apresenta resulta, então, da necessidade de adequar a quantidade e qualidade das acções propostas individualmente para cada cruzamento da dimensão Performance com os Critérios de Meios, com aquilo que ele deve representar de concreto e plausível para uma organização específica, o Agrupamento de Escolas de Carcavelos. Assim sendo, as acções a seguir discriminadas correspondem a uma lógica hierárquica de necessidade de acomodação à nova realidade que projecta um agrupamento de escolas, não relegando um legado de cultura e de vivência específicos, ao invés do pensamento e acção habitual duma comunidade “isolada”, como acontecia com a Escola Secundária de Carcavelos. Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

28

Esta é uma mudança radical. É neste contexto que surgem as ideias que são aglutinadas e integradas a partir daquelas que já foram enunciadas nas actividades anteriores, de cruzamento da dimensão com os critérios, enformando, por si só, um plano de iniciativa adequado à organização em apreço. Também é relevante apontar a notória falta de cultura de avaliação da organização, pelo que se torna evidente uma estratégia concertada de sensibilização junto dos colaboradores para as necessárias adaptações e mudanças que esta filosofia aporta aos comportamentos e atitudes, individuais e colectivas. Adequado em termos de tempo e previsibilidade de execução criteriosa. É preciso não perder de vista que uma escola está condicionada a um calendário escolar que é aprovado pela tutela, que o ano lectivo tem o seu início em Setembro e a sua conclusão em Julho e que mais de metade da organização não tem horário de trabalho definido, o que só acontecerá por meados de Agosto. Nestas condições é imperativo que a maior parte das acções a desenvolver devam estar programadas desde Junho/Julho por forma a serem enquadradas nos respectivos horários dos professores, já que é deles que se trata, e para que elas possam ser iniciadas em Setembro, de forma regular.

01

Designação da acção

Definir a Missão, a Visão e o Quadro de Valores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão que elabora proposta a discutir nas Comunidades Escolar e Educativa.

As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva.

Descrição da acção Elaborar uma proposta que defina a Missão, a Visão e o Quadro de Valores que, reportando à realidade das escolas que constituem o agrupamento e da sua história mais recente, reflicta uma actualização conceptual, dinâmica e inovadora destes vectores estruturantes para a organização, enquanto instituição educativa. Aprovar a proposta em sede de Assembleia Constituinte, sob parecer dos restantes órgãos de gestão. Promover a edição final do documento e difundi-lo junto das Comunidades Escolar e Educativa.

Resultados esperados Dotar a organização de um documento orientador para o desenvolvimento da estratégia e planeamento, de médio e longo prazo, das acções e processos próprios, em prol das boas práticas e da melhoria contínua, em torno da gestão para a qualidade total. Integração da respectiva filosofia e conteúdos nos Instrumentos de Desenvolvimento da Autonomia do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Constrangimentos

Período de execução

A selecção dos elementos que constituirão o grupo de trabalho. A falta de diálogo e articulação, possível, entre os vários órgãos de gestão no que concerne ao consenso sobre as problemáticas teóricas, de enquadramento formal e de conteúdo da proposta apresentada.

Início Setembro de 2007 Conclusão Dezembro de 2007

Revisão e avaliação da acção A avaliação é objectivada na aceitação consensual pelos órgãos de gestão da proposta apresentada à discussão, pelo grupo de trabalho.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Impacto fraco

3

Controlo forte

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

02

29

Designação da acção

Identificar os clientes do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável

Execução

Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Competência de cada um dos órgãos de gestão e das demais estruturas da organização.

Partes interessadas

A própria organização.

Descrição da acção Formalizar num documento único a identificação dos clientes internos e externos da organização a organizar de acordo com a hierarquia, dos órgãos de gestão às restantes estruturas, relacionando-os directamente com os respectivos processos e o desenvolvimento das competências próprias. Editar o documento final em forma de estrutura hierárquica. Difundi-lo junto dos colaboradores.

Resultados esperados Dotar a organização de um documento de síntese que identifique os clientes da organização e que esteja presente nas várias estruturas para apoio simultâneo à gestão e desenvolvimento das actividades próprias e se constitua como orientador no sentido da melhoria e do desempenho, de acordo com as metas e objectivos traçados para o Agrupamento de Escolas de Carcavelos .

Constrangimentos

Período de execução

A falta de uma cultura de avaliação na organização perspectiva a necessidade de sensibilizar os colaboradores quer para a problemática da gestão para a qualidade total quer para as relações entre resultados e o maior ou menor conhecimento da realidade de funcionamento e cultura da mesma.

Início Setembro de 2007-05-24 Conclusão Dezembro de 2007

Revisão e avaliação da acção Não há necessidade de revisão da acção e ela é avaliada na medida em que o documento final é editado e difundido.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

03

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

3

Controlo forte

Designação da acção

Construção dos Instrumentos de Desenvolvimento da Autonomia do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico

Execução

Partes interessadas

Deliberação da competência de cada um dos órgãos quanto à forma e metodologias a usar.

As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva.

Descrição da acção Adequar, actualizar e re-desenhar o Regulamento Interno, o Projecto Educativo, o Projecto Curricular e o Plano Anual de Actividades, promover a sua edição final e a divulgação, em suportes diferenciados, junto das Comunidades Escolar e Educativa.

Resultados esperados Dotar e capacitar os órgãos de gestão do Agrupamento de Escolas de Carcavelos com os Instrumentos de Desenvolvimento da Autonomia das Escolas com vista a servirem de bases orientadoras no delinear de estratégias e planos de acção da competência de cada um dos órgãos de gestão, assim como nas demais estruturas da organização. Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

Constrangimentos

30

Período de execução

A falta de diálogo e articulação, possível, entre os vários órgãos de gestão no que concerne ao desenvolvimento das acções necessárias à execução da acção. A não completa e clara integração da Missão, da Visão e do Quadro de Valores em cada um dos Instrumentos. A não observância das recomendações já elaboradas sobre cada um dos Instrumentos pelas instâncias próprias. A não observância do conteúdo do documento “Proposta geral de metodologias e critérios a aplicar na revisão do Regulamento Interno”.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção Competirá a cada órgão de gestão definir os mecanismos e frequência de monitorização e da avaliação da acção, mas seria desejável que houvesse uma avaliação intermédia por altura da interrupção lectiva do Carnaval.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 3

04

Aplicabilidade 3

Anuência forte

4

Impacto forte

Controlo total

Designação da acção

Identificar pontos fortes e pontos críticos do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável

Execução

Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Deliberação da competência de cada um dos órgãos quanto à forma e metodologias a usar.

Partes interessadas

A própria organização.

Descrição da acção Recorrer a sessões de brainstorming em cada um dos órgãos de gestão de modo a consensualizar aqueles que são considerados pontos fortes e aqueles que são críticos no desempenho da organização. Editar o documento final de síntese dos pontos fortes e pontos críticos. Difundir o documento junto dos órgãos de gestão e dos colaboradores.

Resultados esperados Dotar a organização, da gestão aos colaboradores, de um instrumento de reflexão sobre as necessidades de melhoria e orientação para as intervenções necessárias, no sentido do controlo de gestão e de resultados, tendo sempre em vista que a avaliação de desempenho é fulcral para a saúde organizacional.

Constrangimentos

Período de execução

A falta de uma cultura de avaliação na organização perspectiva a necessidade de sensibilizar os colaboradores quer para a problemática da gestão para a qualidade total quer para as relações entre resultados e o maior ou menor conhecimento da realidade de funcionamento e cultura da mesma, que passa por estes mecanismos de identificação prévia.

Início Setembro de 2007 Conclusão Dezembro de 2007

Revisão e avaliação da acção Esta acção não é objecto de revisão mas poderá ser aferida em sede de uma autoavaliação a realizar futuramente no Agrupamento de Escolas de Carcavelos e só é avaliada em termos da edição final do documento e da sua difusão.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Impacto fraco

3

Controlo forte

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

05

31

Designação da acção

Preparar um exercício de autoavaliação no Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nos órgãos de gestão.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Elaborar a proposta para a realização dum exercício de autoavaliação no Agrupamento de Escolas de Carcavelos, metodologia a seguir e as necessidades de recursos a afectar à sua execução. Fazer discutir e aprovar a proposta nos órgãos de gestão.

Resultados esperados Decisão favorável dos órgãos de gestão à realização do exercício de autoavaliação. Realizar uma autoavaliação no Agrupamento de Escolas de Carcavelos e, consequentemente, conseguir um aporte de informação diagnóstica da organização e de acções correctivas e de intervenção, a curto e médio prazo.

Constrangimentos

Período de execução

A falta de uma cultura de avaliação na organização perspectiva a necessidade de sensibilizar os colaboradores quer para a problemática da gestão para a qualidade total quer para as relações entre resultados e o maior ou menor conhecimento da realidade de funcionamento e cultura da mesma, que a presente proposta e a realização do exercício permitirá obviar.

Início Setembro de 2007 Conclusão Dezembro de 2007

Revisão e avaliação da acção Não é necessária a revisão da acção e ela é avaliada em termos da apresentação formal da proposta e consequente aprovação.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

06

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Elaborar uma proposta orientadora para os indicadores de avaliação do desempenho organizacional e da metodologia de monitorização dos resultados, no Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nos órgãos de gestão.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Desenhar, estruturar e formalizar os indicadores de desempenho que a organização deve passar a utilizar para medir os seus resultados, assim como delinear a estratégia de monitorização, medição e avaliação dos resultados. Formalizar a proposta. Fazê-la discutir e aprovar em sede dos órgãos de gestão.

Resultados esperados Dotar a organização de um instrumento que permita aos órgãos de gestão determinar os mecanismos e metodologias a seguir na avaliação do seu desempenho, como delinear a estratégia e planear a sua Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

32

execução.

Constrangimentos

Período de execução

A falta de uma cultura de avaliação na organização perspectiva a necessidade de sensibilizar os gestores e os colaboradores quer para a problemática da gestão para a qualidade total quer para as relações entre resultados e o maior ou menor conhecimento da realidade de funcionamento e cultura da mesma.

Início Janeiro de 2008 Conclusão Junho de 2008

Revisão e avaliação da acção Não é necessária a revisão da acção e ela é avaliada em termos da apresentação formal da proposta e consequente aprovação e/ou rectificação.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

07

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Elaborar o plano de formação dos colaboradores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável

Conselho Pedagógico

Execução

Secção de Formação do CP.

Partes interessadas A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Identificar as necessidades de formação dos colaboradores de acordo com as perspectivas do desenvolvimento das competências funcionais e operativas e de orientação para a gestão para a qualidade total. Delinear o plano de formação para cada um dos vectores dos recursos humanos (docentes e não-docentes), identificando as acções que comprometem o Centro de Formação de Professores Lyndley Cintra e aquelas que dependem exclusivamente da acção da própria organização, quer através da sua iniciativa quer através do recurso a parcerias dedicadas a propor. Discutir e aprovar o plano de formação. Difundi-lo junto da Comunidade Escolar.

Resultados esperados Dotar a gestão de recursos humanos de um instrumento de desenvolvimento das capacidades e competências dos colaboradores, à luz do alinhamento com os objectivos estratégicos, operacionais e de desempenho individual.

Constrangimentos

Período de execução

Alteração legislativa que obriga a que a formação se desenrole em horário exclusivamente pós-laboral ou nos períodos de interrupção lectiva, previstos no calendário escolar, sem a possibilidade de concessão de dispensas para formação. A fraca capacidade da organização realizar, por sua iniciativa, acções de formação relevantes mas que não estão a coberto da certificação do Conselho Científico e Pedagógico da Formação Contínua.

Início Janeiro de 2008 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A acção em si não necessita de revisão, no entanto o plano de formação produzido será objecto de reavaliação anual e a avaliação da acção faz-se nos termos da apresentação do plano de formação à Comunidade Escolar.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

33

Classificação da acção Pertinência

Relevância 3

08

Aplicabilidade 3

Anuência forte

3

Impacto forte

Controlo forte

Designação da acção

Implementar parcerias no Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nos órgãos de gestão.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Identificar e avaliar os resultados das parcerias existentes na Escola Secundária de Carcavelos (- Univ. Atlântica – Faculdade de Ciências de Lisboa – Escola Superior de Hotelaria do Estoril – Faculdade de Motricidade Humana – Escolas envolvidas no Centro de Formação de Actividades Naúticas – Instituto Superior Técnico – Escola Profissional de Teatro de Cascais – Escola Primária Nova Apostólica ). Rever e ajustar estas parcerias. Propor novas parcerias à luz das necessidades do novel Agrupamento de Escolas de Carcavelos. Difundir junto dos colaboradores um documento de síntese sobre as parcerias, objectivos e resultados expectáveis na organização.

Resultados esperados Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos dum conjunto de parcerias alinhadas com os objectivos estratégicos e operacionais, nomeadamente em termos de gestão e desenvolvimento de recursos humanos.

Constrangimentos

Período de execução

O claro desconhecimento da comunidade sobre as parcerias existentes e quais os seus objectivos, apesar de ser perceptível o alinhamento de algumas para com a execução de projectos específicos (Projecto “Este Mar” e o Centro de Formação de Actividades Náuticas, o curso profissional de Turismo e a Escola Superior de Hotelaria e Turismo).

Início Janeiro de 2008 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção Não é necessária a revisão da acção e ela é avaliada em termos da apresentação formal da proposta de parcerias e consequente aprovação e/ou rectificação.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

09

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Elaborar um Portfolio dedicado à apresentação das Instalações, recursos materiais e humanos do Agrupamento de Escolas de Carcavelos susceptíveis de serem colocados à disposição da Comunidade Educativa, a título gracioso ou onerado.

Responsável

Execução

Partes interessadas

Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nos órgãos de gestão.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

34

Por convite pessoal.

Descrição da acção Identificar as instalações do Agrupamento de Escolas de Carcavelos susceptíveis de serem afectas a actividades desenvolvidas pela Comunidade Educativa, no âmbito de apoio ao associativismo, à formação, à recreação, etc. Identificar as actividades susceptíveis de serem desenvolvidas nas instalações e a afectação de recursos materiais e humanos , na medida do exercício da autonomia dos órgãos de gestão, nomeadamente o executivo. Elaborar um Portfolio dedicado. Fazer discutir e aprovar o documento. Difundi-lo junto das Comunidades Escolar e Educativa, assim como junto de entidades com objectivos comerciais.

Resultados esperados Rendibilizar as instalações do Agrupamento de Escolas de Carcavelos em termos de ocupação racional e plena, desenvolvendo e exercendo o direito à autonomia, nomeadamente a financeira em prol das vertentes educativa, de formação, cultural, social e recreativa.

Constrangimentos

Período de execução

O exercício do desenvolvimento da autonomia das escolas é precário e a mais das vezes coarctado pela tutela, pelo seu centralismo e dirigismo, ao invés da necessária regulação e avaliação. Por esse motivo há uma falta de motivação endémica na organização para tudo o que ultrapasse o vector educacional e administrativo, condicionado às normas legais e à política educativa do governo.

Início Janeiro de 2008 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A acção em si não necessita de revisão, no entanto o portfolio produzido será objecto de reavaliação anual e a avaliação da acção faz-se nos termos da apresentação do mesmo às Comunidades Escolar e Educativa.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 3

10

Aplicabilidade 2

Anuência forte

2

Impacto fraco

Controlo fraco

Designação da acção

Identificar os processos-chave do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nos órgãos de gestão.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Identificar os processos-chave da organização e determinar os seus pontos fortes e críticos, as responsabilidades endossadas, tempos de execução e a sua descrição. Identificar novos processos que ocorrem em função da novel estrutura de agrupamento de escolas. Rever e ajustar processos que, apesar de não estarem documentados, estão devidamente estruturados e operativos. Criar indicadores de avaliação de desempenho. Elaborar um documento (manual) descritor do desenho dos processos da organização. Fazer discutir e aprovar o documento. Difundi-lo junto dos colaboradores.

Resultados esperados Dotar a organização de um instrumento de orientação e gestão dos processos e de um conjunto de indicadores de avaliação do desempenho, no sentido da promoção de uma nova cultura organizacional Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

35

voltada para as boas práticas e para a melhoria, enquadrada pela gestão para a qualidade total.

Constrangimentos

Período de execução

Apesar das metodologias de projecto serem intrínsecas à acção da Escola Secundária de Carcavelos, não há o hábito de documentar processos e procedimentos para além da informação directamente veiculada para os pares do cada projecto, perdendo-se assim um manancial de informação relevante para a organização e para cada colaborador que passe a estar adstrito a um projecto similar.

Início Setembro de 2007 Conclusão Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção Uma revisão intermédia (interrupção lectiva do Carnaval) impõe-se para verificar a adequação do trabalho desenvolvido às necessidades da organização e será efectuada pelos órgãos de gestão directamente responsáveis por cada processo e a avaliação final ocorrerá aquando da aprovação do documento (manual) em sede dos respectivos órgãos de gestão.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Dimensão 2 – Inovação

Questão prévia Os constrangimentos referidos para a iniciativa da Dimensão 1 enformam e conformam, de todo, a iniciativa que a seguir se propõe, dado que o Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem que proceder ajustes e reformulações na organização, de alto a baixo. Logo, foram tomados em linha de conta quanto aos tempos disponíveis e à capacidade de execução instalada.

Enquadramento A já referida falta de cultura de avaliação da organização leva-nos a idealizar um conjunto de acções que, por si só, representam a intenção de mudar este paradigma, anquilosante da mesma, desde que executadas objectivamente como uma boa prática. Promove-se, assim, na organização o elaborar de um conjunto de instrumentos de orientação estratégica, de planeamento e de acção que darão às lideranças o pulsar da mesma, desde que a colaboração das partes interessadas ultrapasse a iniciativa pessoal e empenhada de alguns colaboradores, como sempre acontece nestas situações. É fulcral que os colaboradores e as lideranças apreendam que a necessidade de levar a bom porto estas acções (ou outras similares que sejam entretanto propostas), que são facilitadoras de consensos, só beneficiam a organização como um todo, um sistema que se quer a funcionar no sentido da qualidade dos seus produtos, dos seus processos e da satisfação das partes interessadas e dos clientes/cidadãos. A partir destas condicionantes pode-se entrar num caminho de inovação se estes processos forem assimilados na cultura da organização. Temos que realçar que o prazo para a execução das iniciativas é o do ano de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, portanto 2007-2008.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

01

36

Designação da acção

Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos com um Plano de Comunicação.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nas Comunidades Escolar e Educativa.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Elaborar o Plano de Comunicação que contemple o conhecimento da Missão, da Visão, do Quadro de Valores da organização, assim como o conhecimento dos Instrumentos de Desenvolvimento da Autonomia das Escolas, o Regulamento Interno, o Projecto Educativo, o Projecto Curricular, o Plano Anual de Actividades, como também o conhecimento de planos estratégicos de desenvolvimento a médio e longo prazo. Elaborar um Plano de Informação para a Comunidade Escolar que contemple o conhecimento das informações relevantes para a sua actividade sócio-profissional, de formação, cultural, recreativa e outras a considerar, como por exemplo a sindical. Definir os fluxos e qualidade da informação por receptor, definir os suportes de divulgação, a qualidade e quantidade de informação por receptor, definir espaços informativos e definir circuitos de informação. Aprovar o Plano de Comunicação em sede dos órgãos de gestão não-executivos, como parecer vinculativo para a sua implementação pela Comissão Executiva Instaladora. Aprovar o Plano de Informação em sede da Comissão Executiva Instaladora, que o implementará. Divulgar os Planos de Comunicação e de Informação junto das Comunidades Escolar e Educativa. Dar execução aos Planos de Comunicação e de Informação, afectando os recursos humanos e materiais necessários.

Resultados esperados Criar espaços e formas de comunicação e de informação adequados ao espaço físico e mental dos colaboradores e dos utentes, não só apelando a novas concepções de design como funcionalizando e tornando transparente o próprio acto de comunicar, no Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Constrangimentos

Período de execução

A falta de facilidade ou vontade “política” organizacional de alocar recursos humanos à execução das tarefas emanentes a esta acção, situação ultrapassável com a fixação de horas na componente não-lectiva dos docentes, na distribuição de serviço a realizar pela Comissão Executiva Instaladora.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção Não é necessária a revisão da acção e ela é avaliada em termos da apresentação formal das propostas e consequente aprovação. No entanto, a partir do primeiro ano de aplicação e desenvolvimento da acção, esta deve passar a ser monitorizada em termos de resultados, de forma a ser revista e ajustada às necessidades e aos objectivos operacionais.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

02

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de um Plano Anual de sessões de brainstorming temático.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora

Execução Grupo de partir do órgãos de proposta a

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

trabalho, criado a consenso entre os gestão, que elabora discutir nas Comu-

Partes interessadas A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação ƒ ƒ

Conselho Pedagógico Conselho Administrativo

nidades Escolar e Educativa.

gestão. Por iniciativa individual colectiva. Por convite pessoal.

37

ou

Descrição da acção Elaborar o Plano Anual de sessões de brainstorming, orientado para dois vectores de acção, o da gestão para a qualidade total das organizações e o do processo ensino-aprendizagem, avaliação, sucessos escolar e educativo. Elaborar o cronograma de execução, com a afectação de meios e recursos, atribuição de responsabilidades de coordenação de cada sessão temática. Determinar a metodologia de elaboração da síntese de cada sessão temática, sua edição final e difusão junto das Comunidades Escolar e Educativa. Criar indicadores para a avaliação de desempenho da acção, como números de participantes por sessão, número médio de participantes na acção, número de propostas por sessão,… Fazer aprovar o Plano em sede dos órgãos não-executivos, como parecer vinculativo para a Comissão Executiva Instaladora, que o implementará. Elaborar o documento final orientando-o tanto para a função de instrumento de apoio à decisão como de informação aos colaboradores. Elaborar um glossário de termos específicos para cada um dos vectores.

Resultados esperados Promover o desenvolvimento de competências dos colaboradores em trabalho colaborativo, em torno de objectivos pré-definidos. Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos com um instrumento de apoio à decisão, construído com base em consensos, nas vertentes da gestão organizacional e do desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem.

Constrangimentos

Período de execução

O horário disponível para a realização das sessões temáticas é restrito, normalmente das 16.30 às 18.30 horas de segunda a sexta, em que teremos que excluir as quartas-feiras que são dedicadas a reuniões das estruturas da organização. O trabalho desenvolvido pelos colaboradores, nomeadamente os docentes, não é de todo um exemplo da colaboração grupal, até por razões de ordem cultural e estrutural, em que as tarefas de índole formal e administrativa ocupam tempos demasiados.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho de 2008

Revisão e avaliação da acção O plano deve ser revisto após a realização de cada sessão temática para se proceder aos necessários ajustes. A edição final do documento de síntese constitui, por si só, avaliação bastante da acção. Esta acção poderá ser aferida em sede de uma autoavaliação a realizar futuramente no Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

03

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos com um Plano Integrado de Desenvolvimento das infraestruturas tecnológicas e aplicacionais no domínio das Tecnologias da Informação e Comunicação.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho coordenado pelo Coordenador das Tic e criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nas Comunidades Escolar e Educativa.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. O Coordenador das Tic. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

38

Descrição da acção Elaborar um documento informativo e uma memória descritiva sobre a plataforma Moodle, de licença GPL e difundi-los junto das Comunidades Escolar e Educativa, convidando-as a participar na criação de “disciplinas” dentro da “base – Agrupamento de Escolas de Carcavelos”, que se pretende instituir. Elaborar o Plano Integrado de Desenvolvimento orientado por dois vectores, o de uma intranet operacional, voltada para os processos internos da organização e o do portal da organização voltado para os colaboradores, alunos, pais e encarregados de educação cidadãos/clientes, parceiros e fornecedores, no sentido do acesso pleno à informação e à interacção. Definir opções de financiamento, interno e externo, da acção orientando-as para possíveis parcerias com empresas da áreas das Tic. Definir o cronograma de execução do Plano. Aprovar o Plano em sede dos órgãos de gestão, cabendo à Comissão Executiva Instaladora, ou a quem lhe suceda, dar o respectivo seguimento. Fazer ampla divulgação do Plano e do seu cronograma de execução junto das Comunidade Escolar e Educativa.

Resultados esperados Promover a utilização sistemática dos recursos e aplicações Tic. em contexto de sala de aula, nos processos da organização, no acesso à informação e na interacção do receptor com o emissor. Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de uma infra-estrutura tecnológica actualizada e operacional, no sentido de tornar a sua acção e actividade transparentes para os colaboradores e para as demais partes interessadas.

Constrangimentos

Período de execução

A necessidade de serem conseguidas parcerias “publicitárias” em torno das várias vertentes do Plano, dadas as limitações de financiamento próprio da organização, é fundamental para que os tempos de execução não se alonguem para além do que seria desejável.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A acção não necessita de revisão e será avaliada em função da aprovação e divulgação do Plano Integrado de Desenvolvimento, no entanto a sua execução obrigará a uma revisão, pelo menos, anual para se proceder aos ajustes necessários e será avaliado em função da taxa de execução do cronograma definido.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 3

Aplicabilidade 3

Anuência forte

Impacto forte

2

Controlo fraco

Dimensão 3 – Processos

Questão prévia Na actividade do pessoal docente ao nível das várias estruturas e serviços só conheço um processo devidamente documentado e operacionalizado que é o do Secretariado de Exames da Escola Secundária de Carcavelos (este já tem alguns anos e entretanto o serviço foi actualizado mas já não está documentado formalmente) e um outro que está operacionalizado e parcialmente documentado que é o da Direcção de Turma. Quanto aos restantes, e aqui incluem-se os processos-chave da organização e os das demais estruturas, podemos admitir a sua operacionalidade (boa ou má) mas a gestão do conhecimento dos mesmos faz-se informalmente com os riscos e perda de eficiência que isso comporta. Por exemplo na Assembleia de Escola (órgão de gestão não executivo) os processos internos estão todos documentados mas não existe descrição formal dos mesmos. Esta é a imagem da escola, que alia uma parca cultura de avaliação com uma deficiente e ineficaz gestão do conhecimento, no que aos processos diz respeito.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

39

Enquadramento O período de instalação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, que ocorrerá durante o ano lectivo de 2007-2008, é condicionalismo e constrangimento suficiente para a iniciativa que agora se apresenta. Pretende-se não só uma melhoria na gestão do conhecimento dos processos e respectiva avaliação como também uma maior eficiência nos processos de trabalho e dos fluxos de informação gerados.

01

Designação da acção

Identificar, descrever, ajustar, avaliar e monitorizar os processos-chave do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nas Comunidades Escolar e Educativa.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Realizar um conjunto de, pelo menos, três sessões de brainstorming orientadas para a discussão em torno da temática dos processos-chave da organização. Elaborar um documento de síntese das conclusões consensualizadas nas sessões. Elaborar um manual dos processos que os identifique e descreva, identificando circuitos, tarefas, responsabilidades e tempos expectáveis de trânsito e execução, após os ajustamentos propostos em sede do grupo de trabalho, definindo metodologias de avaliação do respectivo desempenho criando um conjunto de indicadores a monitorizar de forma sistemática. Fazer aprovar o documento em sede de cada um dos órgãos de gestão responsáveis pelos respectivos processos. Redigir o documento final. Difundir o documento junto dos órgãos de gestão e dos colaboradores.

Resultados esperados Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de um instrumento de apoio à gestão de processos que lhe permita aferir a sua constante adequabilidade às necessidades e expectativas das partes interessadas.

Constrangimentos

Período de execução

O défice de trabalho de “formiga” para com os processos (e não só) é o suficiente para poder travar esta acção, que passa sobretudo pela sensibilização das lideranças e dos colaboradores para a necessidade deste conhecimento.

Início Setembro de 2007 Conclusão Dezembro de 2007

Revisão e avaliação da acção A revisão informal da acção é promovida pelo grupo de trabalho como consequência da realização das sessões previstas e a avaliação reveste-se do facto de ser elaborado o documento final e aprovado em sede dos órgãos de gestão. As revisões futuras e ajustamentos a realizar vão sendo enquadradas pelas alterações legislativas e normativas internas, e devem assumir forma sistemática, pelo menos de dois em dois anos, a intercalar com a auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

02

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Identificar, descrever, ajustar, avaliar e monitorizar os processos de cada uma das estruturas e serviços do Agrupamento de Escolas de Carcavelos. Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

Responsável Coordenadores de : ƒ Estrutura ƒ Serviço

Execução Colaboradores de cada estrutura ou serviço.

40

Partes interessadas A própria organização. Os órgãos de gestão. Os colaboradores.

Descrição da acção Realizar um conjunto de, pelo menos, três sessões de brainstorming orientadas para a discussão em torno da temática dos processos da estrutura/serviço. Elaborar um documento de síntese das conclusões consensualizadas nas sessões. Elaborar um manual dos processos que os identifique e descreva, identificando circuitos, tarefas, responsabilidades e tempos expectáveis de trânsito e execução, após os ajustamentos propostos em sede do grupo de trabalho, definindo metodologias de avaliação do respectivo desempenho criando um conjunto de indicadores a monitorizar de forma sistemática. Fazer aprovar o documento em sede de cada uma das estruturas/serviços. Redigir o documento final. Difundir o documento junto dos órgãos de gestão e dos colaboradores.

Resultados esperados Dotar as estruturas/serviços e o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de um instrumento de apoio à gestão de processos que lhe permita aferir a sua constante adequabilidade às necessidades e expectativas das partes interessadas e dos órgãos de gestão.

Constrangimentos

Período de execução

O défice de trabalho de “formiga” para com os processos (e não só) é o suficiente para poder travar esta acção, que passa sobretudo pela sensibilização das lideranças e dos colaboradores para a necessidade deste conhecimento.

Início Setembro de 2007 Conclusão Dezembro de 2007

Revisão e avaliação da acção A revisão informal da acção é promovida pelos Coordenadores como consequência da realização das sessões previstas e a avaliação reveste-se do facto de ser elaborado o documento final e aprovado em sede das estruturas/serviços e pelos órgãos de gestão. As revisões futuras e ajustamentos a realizar vão sendo enquadradas pelas alterações legislativas e normativas internas, e devem assumir forma sistemática, pelo menos de dois em dois anos, a intercalar com a auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

03

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Elaborar o manual de acolhimento dos novos colaboradores e dos novos alunos do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nas Comunidades Escolar e Educativa.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Discutir a metodologia de criação do manual de acolhimento dos colaboradores e dos alunos, orientado para a difusão de informação integrada sobre a apresentação do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, a sua Missão, Visão e Quadro de Valores, instalações e serviços disponíveis, horários de funcionamento, organigramas geral e de estrutura/serviço, Projecto Educativo, Regulamento Interno, Projecto Curricular, Plano Global de Actividades e outras informações gerais. Redigir os documentos finais, orientados para cada um dos sectores de actividade (docente, pessoal técnico e auxiliar, técnicos administrativos e alunos. Fazer discutir a aprovar os documentos em sede de cada um dos órgãos de gestão não-executivos, como parecer vinculativo para a Comissão Executiva Instaladora. Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

41

Difundir os documentos junto da Comunidade Escolar.

Resultados esperados Promover uma integração plena na organização dos novos colaboradores e dos novos alunos.

Constrangimentos

Período de execução

O défice de trabalho de “formiga” para com os processos (e não só) é o suficiente para poder travar esta acção, que passa sobretudo pela sensibilização das lideranças e dos colaboradores para a necessidade da concretização formal desta informação-acção.

Início Janeiro de 2008 Conclusão Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A revisão da acção é anualizada em função dos ajustamentos legais e operacionais na organização e a sua avaliação é feita pela aprovação dos documentos finais em sede dos órgãos de gestão. No entanto pode-se realizar uma avaliação sistemática que passa pela maior ou menor conhecimento, aceitação e relação custo/benefício do manual de acolhimento pelos colaboradores e pelos alunos.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

04

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Implementar o Portofolio de serviços disponíveis para a Comunidade Educativa, do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável

Comissão Executiva Instaladora

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta a discutir nas Comunidades Escolar e Educativa.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Rever e ajustar o protocolo com a Câmara Municipal de Cascais relativo às instalações desportivas. Rever e ajustar protocolos de cedência de instalações anteriormente realizadas. Elaborar uma proposta de serviços a disponibilizar à Comunidade Educativa, afectando instalações e recursos materiais e humanos, custos directos e indirectos, calendário e horário e estabelecer um plano de divulgação junto das Comunidades Escolar e Educativa, nomeadamente junto de instituições prestadoras de serviços e associações. Fazer aprovar a proposta junto dos órgãos de gestão. Executar o plano de divulgação. Operacionalizar o Portfolio junto das entidades destinatárias.

Resultados esperados Rendibilizar o património do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, financiando o seu orçamento privativo (de compensação em receitas).

Constrangimentos

Período de execução

A necessidade de o Agrupamento de Escolas de Carcavelos arranjar fontes de financiamento externas deve levar a que este desiderato seja assumido pela organização como seu e que a adesão dos colaboradores seja efectiva.

Início Setembro de 2007 Conclusão Dezembro de 2007

Revisão e avaliação da acção A acção deve ser revista e ajustada anualmente.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

42

Classificação da acção Pertinência

Relevância 3

05

Aplicabilidade 3

Anuência forte

3

Impacto forte

Controlo forte

Designação da acção

Realizar sessões de brainstorming dedicadas às temáticas da Gestão do Desempenho Organizacional, abertas aos colaboradores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora proposta de acção.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Elaborar o programa das sessões temáticas, devendo cada uma delas corresponder a uma área específica. Elaborar a metodologia a aplicar no desenvolvimento das sessões. Convidar um painel de entidades com méritos firmados nas áreas em destaque. Definir o modo de elaboração do documento de síntese de cada uma das sessões. Definir o calendário das sessões, de princípio de modo quinzenal. Elaborar os documentos parcelares e de síntese final. Difundir o documento final junto dos órgãos de gestão e dos colaboradores.

Resultados esperados Promover no Agrupamento de Escolas de Carcavelos uma maior consciência para a problemática da gestão do desempenho organizacional, gestão para a qualidade total, resultados do desempenho, sua avaliação e consequências.

Constrangimentos

Período de execução

O défice de cultura introspectiva e projectiva na organização é o seu maior handicap.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A avaliação da acção pode ser feita por indicadores que espelhem a taxa de participação dos colaboradores, por sessão e globalmente, o número de horas de “autoformação” por colaborador,… A revisão da acção é feita sistematicamente na medida da realização de cada sessão para ser possível proceder aos necessários ajustes.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Dimensão 4 – Empenhamento

Questão prévia A constituição do novel Agrupamento de Escolas de Carcavelos altera a estrutura da organização, em instalação no próximo ano lectivo de 2007-2008, e aporta novas responsabilidades para a escola sede, a Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos, na medida em que é necessário gerir e compartilhar expectativas com um universo maior e mais heterogéneo em termos de colaboradores e mais extensivo, vertical, em termos de clientes-alunos.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

43

O processo de instalação obriga à constituição de novos órgãos, recompostos e redesenhados para o período referido, com uma Missão definida e metas traçadas. As alterações legislativas ora formalizadas no Estatuto da Carreira Docente e nas carreiras da função pública, na avaliação de desempenho (vulgo SIADAP) acarretaram uma dose de insatisfação generalizada que se reflecte negativamente no clima organizacional, quer se queira ou não. Assim a intervenção possível passa por fazer passar a mensagem de que o processo e a nova realidade organizacional estão plenamente controlados, votando esforços no sentido de melhorar a qualidade do ambiente e clima institucional. Enquadramento O plano de acção reflecte a necessidade de recolocar equilíbrios nas relações interpessoais ao nível dos colaboradores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos. Como também é reflexo da necessidade de dinamizar as relações, escassas e ténues, ao nível dos diversos actores da Comunidade Escolar, em primeiro lugar, e da Comunidade Educativa, a seguir. Dinamizar a participação activa dos colaboradores, delegar competências e responsabilidades são atributos para uma maior co-responsabilização e empenho dos diversos actores. O tempo de acção corresponde necessariamente ao do ano lectivo de 2007-2008, o da instalação deste agrupamento de escolas associadas.

01

Designação da acção

Conceber, propor e aprovar a imagem corporativa do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável

Execução

Partes interessadas

Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Grupos de trabalho, criados a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elaboram propostas a discutir e a votar nas Comunidades Escolar e Educativa.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Investigar, identificar e propor uma lista de nomes de personalidades, relevantes do ponto de vista local, para serem escrutinados através do voto da Comunidade Escolar no sentido de dotar a organização de um patrono que a identifique e com o qual se identifique. Regulamentar o concurso para a concepção do logótipo, cores e lettering do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e de cada uma das escolas associadas e promover a sua selecção através do voto da Comunidade Escolar. Identificar e propor a actualização e/ou o redesign do logótipo e do lettering da Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos, com base na cor azul, os brancos e os negros, e a seleccionar por votação na Comunidade Escolar. Promover um estudo que proponha a composição da nova imagem gráfica do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, ao nível de todos os documentos oficiais, internos e externos para todas as escolas associadas, e internos para cada uma das escolas associadas, até ao nível de cada estrutura intermédia e/ou serviço, a decidir em sede dos órgãos de gestão, cumulativamente. Conceber e realizar um manual de procedimentos para a criação de documentos novos, no Agrupamento de Escolas de Carcavelos, com os normativos gráficos a que devem obedecer.

Resultados esperados Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos e cada uma das escolas associadas de uma imagem corporativa e gráfica moderna e unificadora. Promover uma identidade própria que seja agregadora das Comunidades Escolar e Educativa face à organização.

Constrangimentos

Período de execução

Aqueles que se prendem com a inúmera papelada que é criada por iniciativa individual, nomeadamente da parte dos colaboradores docentes, que normalmente não têm um fio condutor gráfico.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

44

Revisão e avaliação da acção A acção é objecto de avaliação nos termos em que se concretizam ou não as actividades previstas e é revista e ajustada à medida que se vão concebendo e realizando os vários concursos .

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

02

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Designação da acção

Conceber, propor e aprovar um Plano de Desenvolvimento, com base na requalificação ambiental e visual dos espaços exteriores e interiores do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupos de trabalho, criados a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elaboram propostas a discutir e a votar nas Comunidades Escolar e Educativa.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Realizar os suportes de desenho de arquitectura de todas as escolas associadas e fazer o levantamento de função/actividade por espaço de cada uma delas. Elaborar propostas de requalificação dos espaços exteriores, no sentido da melhoria da qualidade ambiental, conforto físico e visual. Realizar um levantamento de necessidades a curto e médio prazo, junto das estruturas intermédias das escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, na perspectiva das respectivas instalações e recursos, nomeadamente os técnicos, científicos e tecnológicos, visando dois vectores de abordagem, um de evolução natural e o outro de inovação e qualidade/excelência, de modo a formalizar cenários a integrar num Plano de Desenvolvimento do agrupamento. Identificar e definir cenários de desenvolvimento nas escolas associadas do Agrupamento de Escolas de Carcavelos de modo a construir um Plano de Desenvolvimento, de médio e longo prazo, que permita obrigar a tutela a acompanhar e financiar o programa ao abrigo de um contrato de autonomia, a celebrar entre o Ministério da Educação e o Agrupamento de Escolas de Carcavelos nos termos da lei. Elaborar e fazer aprovar o Plano de Desenvolvimento do Agrupamento de Escolas de Carcavelos. Conceber e elaborar um portfolio com base no Plano de Desenvolvimento e nos seus vários cenários. Conceber e elaborar um plano de marketing que promova o Plano de Desenvolvimento junto de potenciais parceiros da organização.

Resultados esperados Dotar a organização de um Plano de Desenvolvimento, a médio e longo prazo, estruturado em cenários de evolução expectável e/ou de evolução prospectivante. Promover o trabalho colaborativo e a participação dos colaboradores em objectivos organizacionais, directamente relacionados com a qualidade dos meios e ambiente de trabalho.

Constrangimentos

Período de execução

A parca autonomia orçamental e restrita capacidade de autofinanciamento da organização são entraves de relevo, que obrigam a prospectar parcerias comerciais.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A revisão da acção promove-se aquando da elaboração do Plano de Desenvolvimento, com consultas de esclarecimento às estruturas intermédias e/ou serviços autónomos, de modo a ser possível integrar e ajustar propostas alternativas. A avaliação da acção efectiva-se aquando da aprovação do Plano de Desenvolvimento e será acompanhada na execução dos protocolos que se vão firmando com base no mesmo.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

45

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

03

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

2

Impacto fraco

Controlo fraco

Designação da acção

Identificar, seleccionar, conceber e realizar acções de formação informais para os colaboradores e para os clientes/cidadãos do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Secção de Formação do Conselho Pedagógico.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Concretizar o plano de formação interno para colaboradores e para clientes/cidadãos, com recurso a formas de seminário, painel, sessões de brainstorming, prelecção e outras consideradas adequadas ao contexto, nomeadamente as que permitam formação mista, presencial e à distância, baseada em plataformas LMS, Moodle ou outra. Realizar as acções planeadas, de formação e actualização dos colaboradores em temáticas que se prendam com o trabalho em equipa e gestão por objectivos, gestão de conflitos, gestão de projectos, avaliação de desempenho organizacional, …, e outras afins. Realizar as acções planeadas, de formação e actualização para os Delegados e Subdelegados de turma em temáticas que se prendam com a responsabilidade de representação dos seus pares, liderança, gestão por objectivos, capacidade e limites de intervenção do cargo, …, conduzidas pelos Coordenadores dos Directores de Turma (ensinos básico e secundário).

Resultados esperados Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de um Plano de Formação voltado para as temáticas do desenvolvimento e desempenhos organizacional e funcional. Promover uma maior adesão ao espírito da Missão, Visão e Quadro de Valores da organização, quer por parte dos colaboradores quer dos cidadãos/clientes, em prol da qualidade dos seus desempenhos e de uma participação mais pró activa no seu seio.

Constrangimentos

Período de execução

Aqueles que respeitam à necessidade de programar as acções em períodos mortos de cada escola, ou seja após as actividades lectivas e, normalmente enquadrado no período das 16.30 às 18.30 horas dos dias úteis da semana. A eventualidade de os sábados poderem tornar-se num dia de actividade normal na organização.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho de 2008

Revisão e avaliação da acção A revisão e ajustes a introduzir na acção são efectuados após a realização de cada sessão de formação. A avaliação será feita tendo em conta a realização das acções propostas e taxas de participação efectiva.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Impacto fraco

2

Controlo fraco

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

04

46

Designação da acção

Conceber, editar e publicar o Jornal do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável

Director do Jornal Chefe de redacção

Execução

Partes interessadas

Equipa redactorial do jornal, com o apoio dos Clube dos Áudiovisuais e das Artes.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Descrição da acção Escolher o Director do jornal e a equipa redactorial. Definir o Livro de Estilo e o Estatuto Editorial. Fazer aprovar o Livro de Estilo e o Estatuto Editorial junto dos órgãos de gestão, cumulativamente. Definir os planos editoriais para o período de um ano lectivo, periodicidade, necessidades e orçamentos previsíveis e obter a anuência da Comissão Executiva Instaladora. Editar, publicar e distribuir o jornal em devido tempo. Fazer uso dos recursos tecnológicos para disponibilizar uma edição electrónica do jornal no portal do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Resultados esperados Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de um instrumento privilegiado de comunicação e informação interna e externa, na medida da sua promoção junto da Comunidade Educativa. Promover o trabalho colaborativo e a participação dos colaboradores em objectivos organizacionais, directamente relacionados com as estratégias de comunicação. Promover o trabalho colaborativo e a participação dos clientes/cidadãos em objectivos organizacionais, directamente relacionados com a comunicação e a formação para o uso, domínio e manipulação de informação dos media, no sentido de uma cidadania activa e participada.

Constrangimentos

Período de execução

A parca autonomia orçamental e restrita capacidade de autofinanciamento da organização são entraves de relevo, que obrigam a prospectar parcerias comerciais que através da publicidade inserida suportem os custos de edição. Esta acção é, basicamente, uma iniciativa individual e não corporativa, ao contrário do que devia suceder.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A revisão será efectuada após cada edição do jornal, à qual serão feitos os ajustes necessários. A avaliação é feita através de inquéritos de opinião junto dos leitores para verificar da aceitabilidade dos conteúdos, da relevância dos mesmos, do aspecto gráfico e paginação, do lettering, da publicidade inserida e sua aceitação.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

05

Aplicabilidade 2

Anuência fraca

2

Impacto fraco

Controlo fraco

Designação da acção

Formalizar o “Quadro de Honra” do Agrupamento de Escolas de Carcavelos.

Responsável Presidentes dos seguintes órgãos: ƒ Assembleia Constituinte ƒ Comissão Executiva Instaladora ƒ Conselho Pedagógico ƒ Conselho Administrativo

Execução

Partes interessadas

Grupo de trabalho, criado a partir do consenso entre os órgãos de gestão, que elabora propostas a discutir e a votar nos órgãos de gestão.

A própria organização. As Comunidades Escolar e Educativa, através dos respectivos representantes nos órgãos de gestão. Por iniciativa individual ou colectiva. Por convite pessoal.

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos


continuação

47

Descrição da acção Conceber, redigir e propor o regulamento e designação do “Quadro de Honra”, destinado aos colaboradores e alunos do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e respectivas estratégias de comunicação e divulgação pública da sessão de homenagem e dos homenageados. Requalificar a figura do Contrato Pedagógico do Agrupamento de Escolas de Carcavelos, em moldes de maior comprometimento dos alunos e encarregados de educação, que o assinam aquando da respectiva matrícula, em prol dos sucessos escolar e educativo, do reconhecimento do valor e da excelência. Fazer aprovar o regulamento do “Quadro de Honra” e do Contrato Pedagógico junto dos órgãos de gestão, cumulativamente. Conceber e propor uma forma material, para além do reconhecimento formal dos colaboradores e dos alunos com desempenhos de mérito, de simbolizar o acto público (diploma, medalha, peça artística, azulejo, …, outras). Realizar um concurso para a concepção e escolha do suporte material do reconhecimento público dos desempenhos. Produzir o número de peças necessário para a sessão pública. Realizar uma sessão pública de acção de reconhecimento do mérito dos colaboradores e dos alunos, em termos a definir no Regulamento Interno do Agrupamento de Escolas de Carcavelos e promover a sua divulgação junto da comunidade local, com recurso a meios expeditos de comunicação. Anualizar esta sessão pública.

Resultados esperados Dotar o Agrupamento de Escolas de Carcavelos de um instrumento de reconhecimento do mérito e excelência dos colaboradores e dos alunos. Promover a cultura do mérito dos desempenhos, profissionais e escolares, na organização.

Constrangimentos

Período de execução

A parca autonomia orçamental e restrita capacidade de autofinanciamento da organização são entraves de relevo, que obrigam a prospectar parcerias de patrocínio. A manufactura própria versus produto externo acabado.

Início Setembro de 2007 Conclusão Junho/Julho de 2008

Revisão e avaliação da acção A revisão será ajustada aquando de uma reformulação do Regulamento Interno e na medida de alterações legislativas que condicionem as opções então tomadas. A avaliação da acção concretiza-se numa sondagem junto dos colaboradores e alunos homenageados sobre a qualidade e pertinência do objecto que simboliza o reconhecimento público e o acto em si mesmo.

Classificação da acção Pertinência

Relevância 2

Aplicabilidade 3

Anuência fraca

Agrupamento de Escolas de Carcavelos

-

Impacto forte

2

Controlo fraco

Escola Secundária com 2º e 3º ciclo de Carcavelos

proposta_gestão de desempenho organizacional  

proposta de trabalho destinada a ser discutida e implementada no agrupamento de escolas de carcavelos