Issuu on Google+

DOMINGO

11 de março de 2012

plano de

carreira

Superação Aprenda a usar a timidez a seu favor

Profissionais tímidos executam tarefas com atenção redobrada e pensam mais antes de tomar qualquer decisão ■ NILDO JÚNIOR

FABIANO DO AMARAL

nildo@correiodopovo.com.br

S

egundo especialistas em Recursos Humanos, grandes personagens da história mundial eram tímidos, como Albert Einstein, Jorge Luis Borges, Abraham Lincoln, Bob Dylan, Woody Allen, entre outros. Para ter sucesso, eles não deixaram de ser tímidos, apenas aprenderam a conviver com as próprias dificuldades. São pessoas assim que podem servir de exemplo para alguns profissionais virarem o jogo e passarem a conviver com essa característica. Principalmente porque suas consequências são danosas para a vida profissional, ao menos, nos cargos que exigem contato com o público, habilidade de comunicação e trabalho em equipe. Conforme o coach Roberto Recinella, a timidez pode ser usada a favor do profissional quando a habilidade de escutar muito e falar pouco serve para avaliar melhor as situações do dia a dia. “Isso faz com que ele tome decisões mais embasadas, sensatas e planejadas”, salienta. Essas pessoas ganham vantagem também quando não agem por impulso, preocupam-se com sua imagem e são prudentes. “Elas se envolvem menos em acidentes”, comenta Simoni Missel, diretora da Missel Capacitação Empresarial. Dependendo do tipo de trabalho, o tímido pode ser, inclusive, mais produtivo do que as pessoas expansivas, basta que atue numa função condizente com seu perfil. Pode-se tomar como exemplo quem trabalha em laboratórios, em centros de pesquisas, no setor de Tecnologia da Informação, em controladoria ou contabilidade. “Basta ficar anônimo que o tímido pode render mais”, frisa a diretora de Gestão da Qualidade da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Rio Grande do Sul (ABRH/RS), Maria da Graça Costi. De acordo com Simoni, o primeiro passo para conviver com a timidez é reconhecer que ela existe. Podem auxiliar exercícios de respiração e relaxamento no momento do incômodo. Também se pode pensar antecipadamente num “Plano B” caso as situações previstas não ocorram. “Levante a cabeça, caminhe ereto, fale com firmeza e determinação, mantenha o olho firme no rosto das pessoas”, indica.

Rene Jacques superou o medo de se expor em público, mas ainda se sente inseguro quando se vê entre muitas pessoas

Coragem e perseverança Superar a timidez não foi uma tarefa fácil para Rene Walter Cobelli Jacques, de 38 anos. Empresário do ramos de comunicação digital, ele teve que se superar para conseguir colocar seu trabalho no mercado. “Desde criança, tive dificuldade na escola. Eu fugia da sala quando a professora me mandava ler

um texto. Minhas notas eram baixas porque não conseguia comunicar minhas dificuldades. Cheguei a rodar de ano”, conta. No primeiro emprego, o chefe notou a dificuldade e sugeriu que ele tentasse superar o problema. “Quando eu criei a empresa, consegui superar meus pânicos”, relata. Uma das ve-

zes em que mais passou dificuldade foi quando apresentou o trabalho da própria empresa para gerentes de uma associação. “Quando vi eles sentados me olhando, tive um branco. Fechei os olhos e, quando abri novamente, pude ver todo mundo e toquei em frente. Eu suava, tremia, estava tomado de me-

Prejuízos interferem na carreira

Os tímidos carregam uma sensação de despreparo a cada momento que são chamados a participar de alguma situação na qual tenham de sobressair. E precisam estar atentos para não serem vítimas de problemas decorrentes dessa característica, especialmente na vida profissional. “Os tímidos demoram a evoluir na carreira, ganham em média 10% menos que a média dos profissionais, perdem oportunidades e o relacionamento é mais penoso”, afirma Simoni Missel.

Quando o tímido está na posição de liderança, os problemas aumentam. Um deles é a barreira para dar e receber feedback. Outro é a possibilidade de transmitir uma imagem de arrogância, pois evita o contato direto com as pessoas. O profissional também tem receio de se posicionar, fala pouco e, quando se exalta, pode ficar agressivo. “As pessoas perdem oportunidades por não conseguirem aprender ou defender suas ideias. Muitas vezes, não conseguem nem cumprir

suas obrigações”, lembra o coach Roberto Recinella. Segundo ele, a timidez prejudica quando a pessoa deixa de fazer algo por excesso de preocupação com relação ao que os outros vão pensar. Além disso, lembra, há o desconforto em ser observado, julgado e criticado. “Chega ao ponto de a pessoa ser oprimida por esses sentimentos que podem causar um mal-estar físico como taquicardia, sudorese, vermelhidão, tremedeira, gagueira, etc”, comenta.

do, mas continuei. Consegui fazer a venda e eles são meus fregueses até hoje”, comemora. Jacques explica que não está “curado”. Sempre que se vê em meio a muitas pessoas, sente-se inseguro. “Eu tinha uma grande sensação de inferioridade e, hoje, acho que não existe ninguém superior a mim”, diz.

O que mais inibe ■ Pessoas • Encontro com estranhos, esquiva-se dos vizinhos; • Conversar com pessoas do sexo oposto; • Abordar pessoas famosas; • Lidar com autoridades; • Encontrar parentes. ■ Situações • Ser o centro das atenções; • Contato com grupo grande; • Encontros e eventos sociais; • Ser avaliado ou analisado; • Pedir ajuda. Fonte: Simoni Missel


Matéria sobre plano de carreira e a timidez - parte 1