Issuu on Google+

  ESCOLA  SUPERIOR  DE  TECNOLOGIA  E  GESTÃO  DE  FELGUEIRAS      

 

 

Contos,  lendas  e  outros  que  tais               Textos  tradicionais    

2011              

                           

 

 


COMPOSIÇÃO:     ESCOLA  SUPERIOR  DE  TECNOLOGIA  E  GESTÃO  DE  FELGUEIRAS   Casa  do  Curral   Rua  do  Curral,  Margaride     Telef.  255  314  002  *  Fax  255  314  120     4610-­‐156  -­‐  FELGUEIRAS    


Contos, lendas e outros que tais

Textos tradicionais          

Textos  produzidos  pelos  formandos  na  Acção     ͞Z/EsEdZ>/dhZ^Z/d   NA  AULA  DO  1º  CEB     E     DO  PRÉ-­‐^K>Z͟   Organização:  José  Alves  Barrôco  e  José  Carvalho  de  Sousa    

2011  ESTG  de  Felgueiras  


TÍTULO:   CONTOS,  LENDAS  E  OUTROS  QUE  TAIS   Textos  tradicionais   ORIENTAÇÃO:   José  Alves  Barrôco  e  José  Carvalho  de  Sousa   TEXTOS:   &ŽƌŵĂŶĚŽƐĚĂĐĕĆŽ͞ZĞŝŶǀĞŶƚĂƌĂ>ĞŝƚƵƌĂĞĂƐĐƌŝƚĂŶĂƵůĂĚŽϭǑĞĚŽWƌĠ-­‐ escolar͟   ILUSTRAÇÕES:   Alunos  dos  formandos   SUPERVISÃO:   Gabinete  de  Formação  Contínua  da  ESTG  de  Felgueiras   ARRANJO  GRÁFICO:   Gabinete  de  Formação  Contínua  da  ESTG  de  Felgueiras   CAPA:    José  Alves  Barrôco                    

EDIÇÃO:   Escola  Superior  de  Tecnologia  e  Gestão  de  Felgueiras   Casa  do  Curral   Rua  do  Curral,  Margaride   4610-­‐156  FELGUEIRAS     Maio  de  2011  


PARTILHAR  PARA  APRENDERMOS  EM  CONJUNTO  

͞hŵůŝǀƌŽŶƵŶca  é  uma  obra-­‐prima:  torna-­‐ƐĞƵŵĂ͘͟   Jules  Goncourt  

ĐĕĆŽĚĞ&ŽƌŵĂĕĆŽĚĞWƌŽĨĞƐƐŽƌĞƐ͞ZĞŝŶǀĞŶƚĂƌĂ>ĞŝƚƵƌĂĞĂƐĐƌŝƚĂŶĂƵůĂĚŽ 1º  CEB  e  do  Pré-­‐ĞƐĐŽůĂƌ͟ǀŝƐŽƵƉƌŽŵŽǀĞƌĂƌĞĨůĞdžĆŽĞŵƚŽƌŶŽĚĂůĞŝƚƵƌĂĞĚĂĞƐĐƌŝƚĂ͕ nomeadamente   dos   textos   da   tradição   oral,   e   enriquecer   o   leque   de   materiais   e   recursos   conducentes   à   melhoria   do   processo   de   ensino-­‐aprendizagem   entre   as   crianças  mais  novas.     Não  foi  intenção  esmiuçar  o  conto,  enquanto  elemento  da  designada  Literatura   Tradicional   Oral,   mas   olhá-­‐lo   como   mais   um   recurso   de   que   os   professores   e   educadores   podem   socorrer-­‐se   na   tarefa   de   ensinar   a   ler   e   a   escrever,   numa   época   dominada   pela   evolução   constante   das   tecnologias.   Pretendemos   acima   de   tudo   agarrar  em  algo  nosso,  que  faz  parte  do  nosso  imaginário  colectivo,  que  não  morreu  e   trazê-­‐lo   para   a   sala   de   aula,   utilizando   as   ferramentas   que   a   evolução   tecnológica   permite,  convertendo-­‐se,  deste  modo,  os  alunos  nos  dinamizadores  activos  das  aulas   de  língua  materna  dedicadas  à  escrita  e  à  leitura.      


O  conto  permite  uma  maior  diversidade  de  trabalho  nas  aulas  de  Língua  Materna   que   outras   tipologias   textuais,   por   força   da   sua   natureza,   não   facultam.   Além   disto,   fomenta  a  interdisciplinaridade  entre  a  aula  de  Português  e  as  outras  áreas  do  saber.  O   fantástico   das   histórias   tradicionais   auxilia   o   professor   a   incutir   nos   alunos   o   espírito   crítico,  porque  nelas  reside  o  conjunto  de  valores  em  que  assenta  a  nossa  sociedade.   As  crianças  gostam  dos  contos.  Acreditam  nas  histórias,  nas  fadas  e  nas  princesas   que  existem  no  seu  imaginário.  Quando  deixam  de  acreditar,  dizem  simplesmente  que   a   história   é  bonita   e   são   transportadas  para  as   lembranças  da   infância.  Sendo   assim,   porque  não  aproveitar  e  renovar  este  recurso  nas  aulas?   Mais   uma   vez,   foi   neste   contexto   que   nasceu   a   ideia   de   se   construir   este   livro   que  reflecte  a  partilha  de  experiências  relativas  a  actividades  de  leitura  e  escrita  e  que   procura   criar   nos   alunos   o   gosto   pela   leitura   de   livros,   em   geral,   e   de   histórias,   em   particular.   Os   textos   aqui   apresentados   resultam   de   uma   recolha   levada   a   cabo   pelos   formandos,   cuja   adaptação,   recriação   e   ilustração   tiveram   a   participação   activa   dos   seus   alunos.   Dada   a   riqueza  dos   trabalhos   apresentados,   todos   entenderam   que   não   deviam   morrer   num   qualquer   arquivo   do   Centro   de   Formação.   Era   obrigatória   a   sua   partilha  com  toda  a  comunidade  educativa!     Foi   essa   constatação   e   a   necessidade   de   partilhar   o   que   de   bom   se   faz   nos   estabelecimentos   de   ensino   a   génese   deste   livro   que   procura   ser   mais   um   elemento   que   promove   a   leitura   e   a   escrita   através   do   que   mais   genuíno   existe   em   nós:   a   infância  e  as  suas  histórias  de  encantar.  

Os  formadores   José  Alves  Barrôco   José  Carvalho  de  Sousa    

 


        A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras, do Instituto PolitÊcnico do Porto (ESTGF.IPP), tem por missão proporcionar formação de nível superior, com especial relevo para o desenvolvimento socioeconómico da região onde estå inserida ¹ Vale do Sousa e Baixo Tâmega. Na prossecução desta missão foi criado o Gabinete de Formação Contínua, no âmbito do qual foram estabelecidos protocolos e parcerias com diversas instituiçþes de ensino da região. Pretende-se com estas parcerias o benefício mútuo das instituiçþes, quer ao serviço das populaçþes que em conjunto servem, quer dos profissionais que nelas trabalham. Temos a certeza que assim aconteceu, mais uma vez, com a UHDOL]DomRGRFXUVR³Reinventar a Leitura e a Escrita na Aula do 1.º CEB e do PrÊ-Escolar´QR&ROpJLRGH6mR*RQoDOR Aos professores e aos formandos do curso endereçamos os nossos parabÊns pelo trabalho realizado, cujo sucesso pode ser aferido pelo prazer da leitura desta singela publicação.

Luís da Costa Lima (Presidente ESTGF.IPP)            


Os  Formandos   Ana  Olívia  Baptista  Soares  de  Queirós  e  Naia   Ana  Paula  Faria  Vaz  Fontoura  de  Magalhães   Ana  Paula  Gonçalves  Branco   Carla  Isabel  Araújo  Graça  Medeiros   Carlos  Filipe  Lemos  Martins  de  Carvalho   Cristina  Manuela  Mendes  Pereira  Lopes   Liliana  Antília  Carvalho  de  Sousa   Luís  Filipe  Taveira  Pinto   Luísa  Maria  Alves  Ferreira  Mendes   Maria  Angelina  Nogueira  Pires  da  Silva  Pinto   Maria  Aurora  Ferreira  Ribeiro   Maria  das  Dores  Mendes  Amorim   Maria  Olívia  Castro  Lopes  Cerqueira   Maria  Teresa  Ferreira  Carneiro   Maria  Teresa  Pires  Mesquita   Marta  Isabel  Monteiro  Pinto   Rita  Maria  da  Silva  Soares  Pereira   Sandra  Amélia  da  Silva  Cerqueira  de  Magalhães   Senhorinha  das  Dores  de  Sousa  Teixeira   Verónica  Gabriela  Queirós  Pinheiro


Contos  e  Lendas       São  as  Lendas                                            ŽƐŽŶƚŽƐ͙                                                                                E  OutƌŽƐ͙   Contadas  pelas  lendas                                              dĂŝƐƋƵĂŝƐ͙                                                                                    Os  Ouvidos    Escrevem                                                                                    Os  Olhos  Pintam                                                                                                                      Com  as  Mãos  Lendárias                                                                                                                                                                                                Da  TRADIÇÃO.  

10  

 


UMA  MORTALHA  PESADA  A  OURO     Segundo   reza   a   lenda,   muitos   foram   os   milagres   realizados   por   S.   Gonçalo,   quando   resolveu   unir   as   duas   margens   do   rio   Tâmega,   com   a   construção   de   uma   ponte.   Na  altura,  esta  obra  era  considerada  tão  difícil,  quer  em  termos  humanos,  quer   financeiros,   que   todos   achavam   que   só   um   milagre   faria   com   que   fosse   possível   alcançar  tal  empreendimento.   Mas,   o   frade   devoto   em   Deus   não   desistiu   e   chegado   a   uma   localidade   chamada   Padrão   da   Teixeira   dirigiu-­‐se   a   um   nobre   considerado   o   mais   abastado   da   região,   para   que   este   o   ajudasse,   obtendo   como   resposta   uma   simples   gargalhada   e   uma   mortalha   que   dizia   que   a   sua   esposa   lhe   desse   como   esmola,   o   equivalente   ao   peso  da  mesma.   O   Santo   pediu   que   fossem   cumpridas   as   ordens   do   fidalgo   e   que   a   referida   mortalha  fosse  pesada.  Qual  o  espanto  de  ambos,  quando  depararam  que  a  mortalha   era  mais  pesada  que  um  grosso  anel,  uns  brincos  e  um  cordão  de  ouro.   O   frade   pegou   então   no   que   lhe   pertencia,   agradeceu   e   foi-­‐se   embora   feliz,   agradecendo  a  Deus  por  lhe  ter  concedido  mais  um  milagre.                                     Ilustração   Alunos  1ºC  ʹ  Colégio  de  S.  Gonçalo  

 

11  


AS  HISTÓRIAS  DO  SANTO  "SÃO  GONÇALO"        

   PRIMEIRA  HISTÓRIA  

                    São   Gonçalo   é   um   santo   português   com   culto   permitido   pelo   papa   Júlio   III,   em   24   de   Abril   de   1551.   Nascido   em   Tagilde   no  ano   de   1187,   estudou   rudimentos   com   um   devoto   sacerdote.   Depois,   frequentou   a   escola   arquiepiscopal   em   Braga.   Após   ordenado   sacerdote,   foi   nomeado   pároco   de   São   Paio   de   Vizela.   Foi   a   Roma   e   Jerusalém.                   No   regresso,   São   Gonçalo   passou  por  um   período   de   busca   interior   e   encontrou   na   experiência   popular   a   maneira   de   converter   pecadores.   Para   converter   as   prostitutas,  ele  vestia-­‐se  de  mulher,  tocava  viola  e  dançava   alegremente,  apesar  dos  pregos  no  sapato,  o  que  feria  os  seus  pés.  O  santo  zelava   pela   virtuosidade   das   mulheres;   organizava,   para   elas,   danças   aos   sábados   até   se   cansarem.   Ele   entendia   que   as   mulheres   que   participassem   nessas   danças   aos   sábados  não  cairiam  em  tentação  no  domingo.                  Quando  vigário  de  São  Paio  de  Vizela,  fez  vários  casamentos  de  mulheres  que   perderam   a   virgindade.   Pregou   e   operou   supostos   milagres   por   todo   o   norte   de   Portugal.  Sobre  o  rio  Tâmega  construiu  uma  ponte.  São  Gonçalo  morreu  no  dia  10   de  Janeiro  de  1259,  em  Amarante,  no  Douro,  à  margem  direita  do  rio  Tâmega.  Após   sua  morte,  passou  a  ser  protector  dos  violeiros,  remédio  contra  as  enchentes,  além   de  casamenteiro.                  Diz  a  lenda  que  a  mulher  que  tocar  com  alguma  parte  do  corpo  o  túmulo  do   santo,  terá  casamento  garantido  dentro  de,  no  máximo,  um  ano.  A  dança  inventada   por   ele   continuou   a   ser   realizada   por   diversos   grupos   que   além   de   festejarem   o   santo,  pagam  promessas.          

12  

 


SEGUNDA  HISTÓRIA                       Beato  Gonçalo  de  Amarante,  São  Gonçalo,  é  o  santo  português  que,  sobretudo   no  Norte  de  Portugal,  goza  da  maior  devoção,  logo  depois  de  Santo  António  de  Lisboa.   Na   sua   História   Eclesiástica   de   Portugal,   o   Padre   Miguel   de   Oliveira   diz   apenas   o   seguinte:  «S.  Gonçalo  de  Amarante  que  se  supõe  falecido  a  10  de  Janeiro  de  1259;  o   seu  culto  foi  permitido  pelo  Papa  Júlio  III  (24  de  Abril  de  1551)  e  confirmado  por  Pio  IV   (1561);  Clemente  X  estendeu  o  ofício  e  a  Missa  a  toda  a  Ordem   Dominicana  (1671)».                  Terá  sido  São  Gonçalo  uma  invenção  posta  ao  serviço  de  uma  qualquer  ideia  ou   propósito,  ou  podemos  perceber  o  percurso  da  sua  devoção  ou  do  seu  culto?  O  mais   antigo  documento  que  se  refere  a  São  Gonçalo,  é  um  testamento  de  18  de  Maio  de   1279   em   que   uma   tal   Maria   Johannis   lega   os   seus   bens   à   Igreja   de   São   Gonçalo   de   Amarante.  Quer  dizer,  uns  20  anos  depois  da  morte  de  São  Gonçalo  existia  uma  igreja   dita   «de   São   Gonçalo   de   Amarante».   E   há   outros   documentos...   e   escritos   sobre   a   figura  de  São  Gonçalo  e  o  seu  culto.   Na   biografia   oficial   de   São   Gonçalo,   apresentada   como   tal   a   partir   do   Flos   Sanctorum   de   1513,   não   há   dúvidas:   São   Gonçalo,   nasceu   em   Tagilde,   estudou   rudimentos  com  um  devoto  sacerdote  e  frequentou  depois  a  escola  arquiepiscopal  de   Braga.   Ordenado   sacerdote   foi   nomeado   pároco   de   São   Paio   de   Vizela.   Depois   foi   a   Roma   e   Jerusalém;   no   seu   regresso   vendo-­‐se   desapossado   do   seu   benefício   prosseguiu   um   caminho   de   busca   interior   já   anteriormente   encetado,   depois   foi   a   experiência   da   vida   eremítica,   a   pregação   popular...   e   logo   caiu   na   ambiência   mendicante  da  época,  após  o  que  se  faria  dominicano...   As   coisas   não   são   assim   tão   lineares.   De   qualquer   modo,   tenha   sido   padre   diocesano,  cónego  de  Santa  Maria  em  Guimarães,  beneditino  ou  dominicano,  tenha  -­‐   quase  por  certo  -­‐  passado  de  uma  a  outra  condição,  nenhuma  destas  hipóteses  esbate   a  riqueza  e  o  vigor  da  sua  figura.     cf.  MAGALHÃES,  Arlindo  (1995)  São  Gonçalo,  História  ou  lenda,     Ed.  Amarante  Magazine  -­‐  Paróquia  de  São  Gonçalo,  p.  62.                              

13  


TERCEIRA  HISTÓRIA                       Os   pesquisadores   relatam   que   São   Gonçalo   de   Amarante   viveu   e   morreu   durante   o   século   XII   d.   C.   no   Douro,   Portugal.   Ele   era   um   homem   comum,   trabalhador,   construiu   a   Igreja   de   Nossa   Senhora,   em   cima   de   um   rochedo,   e   diversas  pontes  sobre  rios.                  Em  toda  sua  vida  dedicou-­‐se  a  fazer  o  bem  e  transmitir  o  amor  a  Deus  e  a  paz   espiritual  ao  homem.  Nas  suas  peregrinações,  levava  consigo  uma  viola  de  cordas,   invocava  o  povo  através  de  suas  melodias,  tocadas  nas  rodas  de  danças  formadas   ao  ar  livre,  por  moças  e  rapazes.                   Além   das   mensagens   de   fé   e   carinho   que   transmitia,   ele   foi   exemplo   de   dignidade  e   santificação.   Existem   muitas   lendas  a   respeito  do   santo  protector   das   mulheres   e   dos   casais   apaixonados.   Contam   que   ele   transmite   tranquilidade   e   alegria  a  todos.  Protege  sempre  os  que  amam.                      Ajuda  as  pessoas  a  encontrar  a  pessoa  certa  para  amar  e  ser  feliz  por  toda  a   vida.  Para  alguns,  São  Gonçalo  possui  poderes  sobrenaturais  contra  o  mal  e  contra   as  adversidades.  Tanto  no  Brasil  como  em  Portugal  as  procissões  a  São  Gonçalo  são   acompanhadas   por   rapazes   e   moças   que   desejam   casar,   carregando   velas   acesas,   durante   todo   o   percurso.   Se   a   vela   não   apagar   até   o   final   da   procissão,   é   certeza   casarem-­‐se  no  mesmo  ano.    www.lucianoqueiroz.com  

               

14  

 


A  LENDA  DA  DONA  LOBA     O   Convento   de   São   Gonçalo   foi   construído   com   a   ajuda   de   muitos   trabalhadores.   As   pedras   eram   pesadas   e   vieram   da   Serra   do   Marão   para   a   vila   de   Amarante.   Era   um   trabalho   muito   pesado   e   por   isso   foram   pedir   ajuda   a   São   Gonçalo.   Após  ouvir  a  súplicas  dos  trabalhadores,  São  Gonçalo  dirigiu-­‐se  a  uma  senhora  a  quem   chamavam  Dona  Loba  e  que  vivia  na  aldeia  de  Gondar.  A  senhora  possuía  uma  junta   de   bois   e   São   Gonçalo   pediu-­‐lhos   emprestados.   Os   animais   eram   muito   bravos   segundo  referiu  a  dona.  São  Gonçalo  pediu  um  fio  de  linha  a  uma  idosa  que  estava  a   fiar  à  soleira  da  porta,  para  os  atar.  A  partir  daquele  momento  tornaram-­‐se  mansos.   Os   trabalhadores   conseguiram   trazer   toda   a   pedra   necessária   para   a   construção   do   Mosteiro.   No   final   do   trabalho,   São   Gonçalo   entregou,   como   tinha   prometido,   à   Dona   Loba   os   animais.   Ao   entregar   perguntou-­‐lhe   se   os   pretendia   mansos   ou   bravos.   Dona   Loba   respondeu   que   os   pretendia   mansos,   São   Gonçalo   largou-­‐os  e  estes  dirigiram-­‐se  mansamente  para  o  pasto.  

Há   uma   outra   versão   da   lenda   que   diz   que   Dona   Loba   não   quis   os   bois   aleijados   e   magros,   mas   sim   como   eram   antes.   Então   São   Gonçalo   tê-­‐los-­‐á   soltado,   estes  fugiram  e  nunca  mais  ninguém  lhes  pôs  a  vista  em  cima.   Ilustração   Turma  do  4º  B  ʹ  Colégio  de  S.  Gonçalo   Fernandes,  Cidália  (2008).  As  Pegadinhas  de  São  Gonçalo.     Lisboa:  Plátano  Editora,  p.  31  a  37.    www.eb1-­‐sede-­‐amarante.rcts.pt/3ano_c_actividades.htm                          www.lendarium.org  

 

15  


AMADEO  DE  SOUZA  CARDOSO     Amadeo  de  Souza  Cardoso  foi  um  pintor  português,  precursor  da  arte  moderna,   nasceu  em  Amarante,  Manhufe  a  14  de  Novembro  de  1887  e  morreu  prematuramente   com   31   anos,   sem   ter   oportunidade   de   ver   o   seu   trabalho   reconhecido.   Foi   um   visionário,  vivia  fora  do  seu  tempo.   Embora  curta,  a  sua  obra  tornou-­‐se  imortal.   Frequentou  o  curso  de  Arquitectura,  mas  não  o  terminou.  Com  19  anos  mudou-­‐ se   para   Paris,   tendo   o   primeiro   contacto   com   o   Impressionismo,   Expressionismo   e   o   Cubismo.   Tornou-­‐se  muito  próximo  de  Amadeo  Modigliani,  repartindo  com  este  o  ateliê  e   realizando  exposições.   Em   1912  publicou   um   álbum   com   vinte  desenhos   e   copiou  o   conto   de   Gustave   Flaubert   «La   legende   de   Saint   JulieŶ ů͛,ŽƐƉŝƚĂůŝĞƌ͕ͩ ƚƌĂďĂůŚŽ ŝŐŶŽƌĂĚŽ ƉĞůŽƐ apreciadores  de  arte.   Este   último   trabalho,   depois   de   ficar   muitos   anos   nas   mãos   do   editor,   acabou   sendo  adquirido  pela  própria  viúva  do  pintor,  para  evitar  que  fosse  destruído.   Depois   de   expor   nos   Estados   Unidos   da   América   em   1913,   voltou   a   Portugal,   onde  realizou  duas  exposições,  no  Porto  e  em  Lisboa.   Em   1914,   em   Barcelona,   encontra-­‐se   com   Antoni   Gaudí   e   parte   para   Madrid   onde  é  surpreendido  pela  I  Guerra  Mundial.   Regressa   então   a   Portugal,   onde   iniciou   meteórica   carreira   na   experimentação   de   novas   formas   de   expressão,   tendo   pintado   com   grande   constância,   chegando   a   expor   no   Porto   114   obras   com   o   título   «Abstraccionismo».   As   suas   obras   foram   criticadas,   ridicularizadas   e,   em   momentos,   houve   confronto   físico   entre   críticos   e   defensores.   Em  1918,  Amadeo  de  Souza  Cardoso,  morre  prematuramente  em  Espinho,  vítima   de  «pneumónica»  que  grassava  em  Portugal.     Texto  adaptado  de      http://pt.wikipedia.org/wiki/Amadeo_de_Souza-­‐Cardoso  

 

16  

 


Trabalho  realizado  pelos  alunos  do  1º  ano  do  Colégio  de  S.  Gonçalo  no  ano  lectivo  de  2009/2010    

               

17  


POEMA  /  CANÇÃO  PARA  DIA  DO  PAI   Ele  é  grande  ouvinte     Ele  é  um  grande  amigo   Ele  é  um  grande  Pai   Está  sempre  lá  comigo.     Olha,  olha,  olha   E  não  para  de  pensar   ŵƚƵĚŽƉ͛ƌĂŵĞĂũƵĚĂƌ͊                                                                   Ele  é  um  bom  parceiro   Ele  é  muito  esperto   Ele  é  campeão   Está  sempre  ali  por  perto.     Se  eu  choro  ou  estou  a  rir   Sei  que  está  ali   W͛ƌĂůŽŐŽŵĞĂĐƵĚŝƌ͊     Eu  gosto  muito  dele   De  todo  o  seu  jeito   Vou  tê-­‐lo  sempre  guardado   Aqui  juntinho  ao  peito.     Abraços  e  beijinhos   Sempre  lhe  vou  dar   Sem  nunca  me  cansar!       Inspirado  na  música  ͞sĞŵYƵĞƵsŽƵ-­‐ƚĞĞŶƐŝŶĂƌ͟de  Panda  vai  à  escola.   Ilustração   Alunos  JI  de  Real  ʹ  Vila  Meã,  Amarante.  

 

18  

 


PAPOS  DE  ANJO  DE  AMARANTE     Doce  de  ovos  e  amêndoa  envolvidos  em  obreia  e  cobertos  com  calda  de  açúcar,   eis  os  papos  de  anjo  que  Alcino  dos  Reis  apresentou  como  sendo  um  dos  doces  mais   tradicionais  herdados  do  convento  amarantino.   Tempo  de  preparação:  1  hora   Tempo  de  cozedura:  40  minutos   Ingredientes   700g  de  açúcar   125g  de  miolo  de  amêndoa   12  gemas   2  folhas  de  obreia   1  dl  de  água   Ponha   450g   de   açúcar   ao   lume   com   cerca   de   2,5   dl   de   água;   ao   atingir   o   ponto   de   pérola,  junte  o  miolo  de  amêndoa,  pelado  e  passado  pela  máquina.  Deixe  ferver  5  a  6   minutos  e  retire  do  lume,  esperando  que  o  preparado  fique  morno  para  adicionar  as   gemas,   previamente   batidas   só   para   deslassar.   Deixe   repousar   até   ao   dia   seguinte.   Corte  a  folha  de  obreia  em  rodelas  de  7  ou  8  cm  de  diâmetro  e  molhe-­‐as  a  toda  a  volta   com  um  pincel  humedecido.  Coloque  no  centro  1  colher  de  chá  bem  cheia  de  recheio,   dobre  ao  meio  e  calque  para  os  bordos  colarem.  Faça  com  o  restante  açúcar  uma  calda   em  ponto  de  pasta  e  cubra  com  ela  os  papos  de  anjo.  Deixe  secar  antes  de  servir.       Livro:  Tesouros  da  Cozinha  Tradicional  Portuguesa   Ilustração    Leonor  4  anos

 

19  


LÉRIAS  DE  AMARANTE     As  lérias,  especialidade  de  Amarante,  fazem  parte  de  um  conjunto  de  doces  da   terra  cuja  autoria  se  deve  a  Alcino  dos  Reis,  vulgarmente  conhecido  como  Alcino  das   Lérias,  que  possuía  uma  pastelaria  cuja  fama  excedia  os  limites  da  vila.   Tempo  de  preparação:  45  minutos   Tempo  de  cozedura:  20  minutos   Ingredientes:   250g  de  amêndoa   250g  de  açúcar  refinado   50g  de  farinha   0,  5dl  de  água  tépida   250g  de  açúcar  pilé   Farinha  q.b.   Amasse  a  farinha,  o  açúcar  refinado  e  a  amêndoa  ralada  juntamente  com  a  água.   Uma  vez  o  preparado  bem  amassado,  tenda  rolos,  envolva-­‐os  em  farinha,  corte-­‐os  às   rodelas  e  espalme  estas  com  a  mão.  Leve-­‐as  ao  forno  brando  em  tabuleiro  polvilhado   de  farinha.  Entretanto,  leve  ao  lume  o  açúcar  pilé  com  1  dl  de  água  até  formar  ponto   de  espadana,  esmagando-­‐o  contra  as  paredes  da  caçarola  até  a  calda  se  tornar  opaca.   Passe  as  lérias  por  esta  calda  e  deixe-­‐as  secar.     Livro:  Tesouros  da  Cozinha  Tradicional  Portuguesa   Ilustração   Leonor  4  anos

20  

 


GONÇALO  E  AS  MOÇAS     Conta  a  lenda  que  numa  certa  aldeia  havia  um  rapaz  que  se  chamava  Gonçalo,  o   qual  gostava  de  pregar  muitas  partidas  às  pessoas  que  ali  viviam.   A  sua  brincadeira  preferida  era  partir  as  cantarinhas  às  moças  que  iam  à  fonte.   Todas   chorosas   iam   para   casa   acusando-­‐o   de   lhas   partir.   Os   pais   das   moças   ficavam  zangados  e  iam  ter  com  ele  o  qual  mostrava  as  cantarinhas  inteiras  o  que  fazia   com  que  os  pais  castigassem  as  filhas  por  serem  mentirosas.   Por  seu  lado  Gonçalo  livrava-­‐se  desta  partida  e  preparava-­‐se  para  arranjar  outra.                                  

          Ilustração   Margarida  

   

21  


HINO  AO  COLÉGIO     Amiguinho,  vem  daí   Vem  connosco  aprender   Vamos  juntos  descobrir   A  aventura  do  saber.     Nesta  escola  começámos   Há  algum  tempo  atrás   Os  dias  passam  depressa   Não  olhamos  para  trás.     Já  sabemos  muito  bem   Os  contos  de  fadas  ler   E  as  contas  de  somar   Muito  fáceis  de  fazer.     Dançar,  cantar  e  sorrir  

E  o  caminho  que  nos  falta  

É  ainda  bem  melhor  

 

Brincamos,  damos  as  mãos,  

Só  terminará  assim:  

Com  alegria  e  amor.  

 

 

Quando  formos  

Aos  professores  devemos  

Engenheiros  

O  apoio  que  nos  dão  

E  doutores  

Ao  colégio  agradecemos  

Enfermeiros,  

Porque  nos  deu  sempre  a  mão  

Polícias,  

 

Professores,  

Valeu  a  pena,  perguntam.  

Bombeiros...  

É  evidente  que  sim  

 

        Canção  interpretada  pela  turma  do     3ª  A  -­‐  Colégio  de  S.  Gonçalo.  

22  

 


23  


ANA,  IVO  E  O  RATO  RATINHO   Era   segunda-­‐feira,   o   céu   estava   azul   e   sol   bem   redondinho   e   sorridente  batia  mesmo  em  cima  do  girassol  amarelinho.     Na   casa   da   menina   Ana,   e   sem   ninguém   saber,  vivia  o  rato  Ratinho  que  gostava  muito  de   queijinho. Na  terça-­‐feira,  o  céu  estava  escuro  e  caíam   pingas  de  água  fresquinha.     O  menino  Ivo  resolveu  fazer  uma  visita  à  amiga  Ana.  Vestiu  a  camisa   verde,   o   casaco   preto   e   calçou   umas   botas   amarelas.   Ao  chegar  a  casa  viu  a  Ana  à  janela.   -­‐   Olá   Ana!   Que   bonito   girassol   tens   na   janela!   -­‐  Está  a  apanhar  sol  para  ficar  mais  quentinho.  Vou  buscar  a  chave   para  te  abrir  a  porta.  ʹ  disse  a  menina.   ĞƐĐĞƵ Ă ĞƐĐĂĚĂ Ğ ƚƌŽƉĞĕŽƵ ŶŽ ƐĂƉĂƚŽ͙ ŵĂƐ pôs-­‐se   de   pé   muito   depressa   porque   viu   o   rato   Ratinho.     -­‐  Vou  atirar-­‐te  com  o  sapato,  seu  rato  feio!   -­‐  Dá-­‐me  antes  uma  uva!  -­‐    pediu  o  Ratinho.   -­‐   hŝ͊ dƵ ĨĂůĂƐ͍͊ ͙ ŐŽƐƚĂƐ ĚĞ ƵǀĂƐ͍͊͊͊ ĞǀŽ ĞƐƚĂƌ Ă ƐŽŶŚĂƌ͙ sŽƵ chamar  o  Ivo.   Com  a  chave,  abriu  a  porta  da  casa  branca  de  telhado  vermelho.   -­‐   Ó   IIIIIIIvo!   Está   aqui   um   rato   que   fala   e   que   gosta   de   uvas!   Acreditas?   -­‐  Nãããããão!  Caíste  e  bateste  com  cabeça?  

24  

 


-­‐  ^ŝŵ͕ƚƌŽƉĞĐĞŝŶŽƐĂƉĂƚŽƋƵĂŶĚŽĚĞƐĐŝĂĂĞƐĐĂĚĂ͙   -­‐  Magoaste-­‐te?  ʹ  perguntou  o  Ratinho.   O  Ivo  ficou  de  boca  aberta.   -­‐  Estás  a  ver  como  eu  tinha  razão?  ʹ  disse  a  Ana.   Aaaaaahhhh!!!!!!  Um  rato!  E  desatou  a  correr  tanto  que  só  parou  à   beira   da   árvore   verde,   onde   estava   um   ninho   com  um  ovinho  e  a  galinha  da  vizinha.   A  Ana  desatou  a  rir  e  o  rato  também.   -­‐   Vamos   lá   comer   umas   uvinhas?   -­‐   perguntou  a  Ana.   -­‐  Sim,  uvinhas  redondinhas  e  docinhas!  ʹ   disse  o  Ratinho.   Passado   pouco   tempo,   e   sem   medo,   o   Ivo   apareceu   e   os   três   comeram  uvas.  Tantas  uvas  que  ficaram  com  uma  grande  dor  de  barriga,   mas  MUITO  AMIGOS.     História  inédita  construída  oralmente  pelos  alunos,  auxiliados  pela  professora.     Foi  baseada  no  método  das  28  palavras.              Ilustração  alunos  1º  A                        Colégio  de  S.  Gonçalo  -­‐  Amarante  

                     

25  


AS  FADAS  IRMÃS     A  fada  das  meninas,  a  fada  dos  meninos,  a  fada  das  dores  de   barriga,  a  fada  das  meias  e  a  fada  dos  sapatos  já  estavam  sentadas   na  mesa  redonda,  onde  uma  vez  por  ano  todas  as  fadas  do  reino  se   reúnem   para   falarem   de   tudo,   pois   para   quem   não   sabe,  as  fadas  são  muito  curiosas.   Para   variar,   faltavam   as   fadas   atrasadas:   a   fada  da  roupa,  a  fada  das  flores  coloridas,  a  fada  do   tempo,   a   fada   dos   livros,   a   fada   das   borboletas,   a   fada  do  rio  que  andava  sempre  molhada  e  a  fada  do  pó  mágico.   Passado   algum   tempo,   em   fila   indiana,   muito   bem   organizada,   entraram  as  fadas  atrasadas.   -­‐Irmãs,   estamos   todas.   -­‐disse   a   fada  das  meninas.   As   fadas   são   todas   irmãs,   nascem   no   primeiro   dia   de   Outono   quando   as   primeiras   gotas   de   orvalho   beijam  levemente  as  folhas  verdes  das   acácias.   A   cada   uma   delas   é   dada   uma   missão   e   uma   varinha   de   condão  que  protegem  e  guardam  como  o  maior  tesouro  do  mundo.   -­‐Tive   a   sensação   de   estarmos   a   ser   seguidas   quando  nos  dirigíamos  para  aqui  ʹ  disse  a  fada  do  rio.   Resolvemos  separar-­‐nos  ao  vir  para  aqui.  Foi  por  isso   que  chegamos  atrasadas.   -­‐Eu  acho  que  era  o  rei  Ricardo!   -­‐Não  repitas  o  nome  que  até  fico  com  pele  de   galinha!   ʹ   disse   a   fada   do   tempo   que   é   a   mais   pequenina.  

26  

 


Ouviu-­‐se  um  estrondo,  o  rei  tentava  entrar.  As  fadas  tentaram  esconder-­‐se  por   todo  o  lado  e,  mal  o  rei  colocou  um  pé  dentro  da  casa,  começaram  a  ser  disparados   raios  de  água,  corações  de  amor,  sapatos  velhos,  livros  enormes  e  pesados  e  trovões.   Mas   o   rei   continuava   a   entrar   devagarinho,   pois   nada   lhe   causava   mossa   alguma.   -­‐   Ahahahahah!   Não   me   podem   fazer   mal.  Eu  sou  o  rei  Ricardo,  senhor  das  trevas  e   imperador   do   mal!   Vou   raptar-­‐vos,   congelar-­‐ vos  e  colocar-­‐vos  no  meu  jardim.  Não  voltarão   a   ser   mais   poderosas   do   que   eu   e   serei   senhor   de   todo   o   vosso   reino!   E  começou  a  disparar  uma  luz  azul  forte  que  iluminou  toda   a  casa.   -­‐Estou  a  sentir  frio,  tenho  as  mãos  geladas,  não  sinto  os  pés!  ʹ  disse  a   fada  dos  meninos.   Uma   a   uma,   as   fadas   foram   caindo   duras   como   pedras,   congeladas!   O   rei   Ricardo  carregou-­‐as  sem  dar  conta  que  não  tinha  congelado  a  fada  do  tempo,   que  entretanto  se  tinha  escapado  para  o  jardim.   Seguiu  o  carro  do  rei  até  sua  casa.  Como  era  pequena,  conseguiu  entrar   através  do  buraco  da  fechadura  e,  com  a  sua  varinha  de  condão,  derrubou  o  rei   que,  atordoado,  caiu  ao  chão.     Vencido   o   rei,   era   urgente   libertar   as   queridas  irmãs!   Resolveu   acordar   o   Sol   quente   do   Verão   e   pedir-­‐lhe   que   brilhasse   com   toda   a   sua  força.  Ele  assim  fez  porque  gostava  dela.   Aos  poucos  o  gelo  foi  derretendo  e  as  fadas   lá  conseguiram  ver-­‐se  livres  da  sua  prisão.   Quando   o   rei   Ricardo   acordou,   as   fadas  deram-­‐lhe  uma  lição  e  ele  nunca  mais  se  meteu  com  elas.  Ilustração  Alunos  do  2.ºB       Colégio  de  S.  Gonçalo.  

 

27  


LENDA  DAS  SENHORINHAS  E  DOS  GERVÁZIOS     Há  muitos  anos  atrás   Lá  para  as  bandas  de  Barroso   Corria  o  rio  Rabagão   No  fundo  de  um  desfiladeiro  tortuoso.   Eis  que  um  dia  um  criminoso   Que  vadiava  pela  região   Apressado  na  sua  fuga   Queria  atravessar  o  Rabagão   Sem  ponte  para  atravessar   Iria  ser  preso  e  julgado   Não  esteve  com  meias  medidas   Vendeu  a  alma  ao  diabo   Estando  este  satisfeito   A  ponte  fez  aparecer   Chegando  o  criminosos  à  outra   margem   Ouviu-­‐se  um  barulho  de  ensurdecer   Algum  tempo  depois     Tratou  de  cobrar   A  alma  que  lhe  pertencia   Estava  na  hora  de  a  levar     Aflito  o  criminoso   O  padre  mandou  chamar   Queria  os  últimos  sacramentos   E  do  diabo  se  livrar   Lá  partiu  o  corajoso  padre   Mas  o  mesmo  problema  encontrou   Não  havia  ponte  para  atravessar  

28  

 


Ergueu  as  mãos  e  a  Deus  orou   A  noite  ia  chegando   E  cansado  de  esperar   Avista  o  padre  na  outra  margem   Um  bicho  negro  a  olhar!   Era  Satanás   Que  logo  uma  ponte  fez  aparecer   Tentando  o  zeloso  padre   Que  não  se  deixou  convencer   Em  direcção  ao  diabo   A  água  benta  atirou   Que  logo  desapareceu   E  um  cheiro  a  enxofre  deixou   Ponte  mágica  ou  ponte  do  diabo   Conhecida  assim  ficou   A  ponte  da  Misarela   Devido  ao  que  aqui  se  passou   Os  dois  santos  Gervázio  e  Senhorinha   Por  esta  ponte  passaram   Pensaram  em  benzer  estas  águas   E  ao  primo  e  bispo  S.  Rosendo  a  sua  intenção  confessaram   Espalhou-­‐se  então  a  fama   Das  águas  milagrosas  e  fecundas  do  rio  Rabagão   Que  aliviavam  todos  os  males   Das  gentes  da  região   Acontecia  que  nestes  tempos   A  muitos  jovens  casais   Morriam  muitos  filhos   Que  não  chegavam  a  conhecer  os  pais   Então  um  casal  barrosão   Com  medo  de  mais  um  filho  perder   Decidiram  ir  à  ponte  das  águas  santas.    

29  


O  seu  filho  na  barriga  benzer   Quando  lá  chegaram   Tiveram  de  esperar   Depois  da  meia-­‐noite  e  antes  de  o  nascer  do  sol   Quem  seria  o  primeiro  a  passar?   Já  cansados  de  esperar     Passos  ouviram  a  aproximar   Viram  então  um  barrosão   Que  com  eles  foi  falar   Pediu  o  casal  ao  passante   Se  o  baptizado  podia  fazer   Com  estas  águas  da  vida   Que  por  baixo  da  ponte  continuavam  a  correr   O  passante  assim  o  fez   Do  rio  o  caneco  cheio  puxou   Erguendo  a  saia  da  mulher   Na  barriga  a  água  derramou   ͞ƵƚĞďĂƉƚŝnjŽĐƌŝĂƚƵƌĂĚĞĞƵƐ   Se  fores  rapaz,   Serás  Gervás,   Se  fores  menina,   Serás  SĞŶŚŽƌŝŶŚĂ͘͟   E  assim  na  região  de  Barroso   Muitos  moços  e  mocinhas   Ainda  hoje  se  chamam   Gervázios  e  Senhorinhas!   A  ponte  da  Misarela   Em  toda  a  sua  magnitude   De  ponte  mágica  ou  do  diabo   Passou  a  ser  também  ponte  prenha  da  virtude!     Lenda  em  rima,  baseada  no  livro  do  padre  Fontes  

30  

 


LENDA  SENHORA  DA  APARECIDA               Nos   últimos   anos   do   século   XVIII,   pedia   esmola   por   esta   terra  um  pobre  ermitão,  contando-­‐se  ser  estrangeiro.             Todos   o   amavam   porque   era   muito   bondoso,   estimava   os   animais  e  respeitava  as  crianças.             Morava   num   subterrâneo,   numa   antiga   mina   seca,   que   existia  no  monte  da  Conceição,  lugar  onde  hoje  se  encontra  a   Ermida   de   Nossa   Senhora   Aparecida.   Trazia   consigo,   num   oratório,   uma   imagem   da   Virgem   Maria,   que   apresentava   quando  pedia  esmola.   Por  vezes  alargava  os  seus  passeios  e,  assim,  se  passavam  meses  sem  ser  visto  nestes   sítios.             Mas,   um   dia,   desapareceu   de   vez.   O   que   lhe   teria   acontecido?  Ninguém   sabia   responder.   E,   assim   passou   ao   esquecimento.  Passaram-­‐se   muitos   anos,   até   que   um  fenómeno  veio  chamar  a  atenção  do  povo  para  o  antigo  abrigo  do  ermitão.  Eram   estrelas   cadentes   que,   em   noites   seguidas,   ali   pareciam   ir   beijar   o   chão.   E   também   faíscas  eléctricas  que,  em  dias  de  tempestade,  ali  caíam  sem  perigo.  O  povo  e  o  vigário,   admirados  com  o  que  se  passava,  resolveram  ir  escavar  e  encontraram  sinais  de  uma   mina  aluída,   onde   apareceu  a   pequena   imagem   da   Virgem,   que   passou   a   tomar   o   nome  de  Senhora  Aparecida.            Perto  de  tal  imagem,  encontra-­‐se  uma  panela,  alguns  restos  e  carvão.  Era  ali  que  o   pobre  mendigo  descansava  e  foi  ali,  também,  a  sua  sepultura.  Foi,  por  certo,  um  novo   aluimento   que   soterrou,   mas   deixando   inteira   a   pequenina    imagem   que   o   acompanhou  em  vida.            Quando  isto  se  descobriu,  os  sinos  repicaram    e  lágrimas  de  alegria  cobriram  o  rosto   de  todos  quantos  assistiram  a  este  acontecimento.          A  notícia   correu  todo  o   norte   de   Portugal.   A  partir  daí,    começou  a  peregrinação  a   este   santo   lugar.   Assim   começou   a   festejar-­‐se   a   Romaria   de   Senhora   Aparecida,   nos   dias  13,  14  e  15  de  Agosto  de  cada  ano.     Foto  da  imagem  da  capela  de  Nossa  Senhora  Aparecida  

 

31  


NOTÍCIA  DO  JORNAL  DE  AMARANTE       23  DE  DEZEMBRO  DE  2010  -­‐  COLÉGIO  DE  S.  GONÇALO   No   passado   dia   16,   quinta-­‐feira,   teve   lugar   no   Colégio   de   S.   Gonçalo,   uma   festinha   com   os   pequeninos   do   Jardim-­‐de-­‐infância   e   Creche,   que   contou   com   a   presença  dos  pais  e  avós,  que  muito  se  divertiram  com  as  actuações  musicais  dos  mais   pequenos.   Participar   neste   encerramento   escolar,   preparando   as   férias   do   Natal,   contando   com   o   interesse   do   Director   do   Colégio,   Reverendo   Padre   Clemente,   e   da   Senhora   Professora   Rita   Pereira,   Responsável   pelo   Infantário,   Jardim-­‐de-­‐infância   e   Internato,   e   beneficiando   da   contribuição   monetária   dos   Pais   na   ajuda   aos   mais   vulneráveis,   revertendo   ƉĂƌĂ Ă ƐƐŽĐŝĂĕĆŽ ͞ dZZ K^ ,KDE^͕͟ ĨŽŝ Ƶŵ ĨƌƵŝƌ ĚĞ emoções  que  se  regista  e  agradece.    

À   Educadora   Rita,   com   experiência   pelo   seu   papel   de   voluntariado,  

desempenhado   em   várias   Instituições,   naquele   desafio   de   que   gosta   de   partilhar,   agradecemos   muito   a   sua   alegria   e   motivação,   determinantes   para   a   canalização   do   valor  recolhido.     Às  alunas  do  Internato  que  também  contribuíram  com  as  suas  economias  e  quiseram   ĚĂƌ ŽƵƚƌĂ ĚŝŵĞŶƐĆŽ ŶĂƚĂůşĐŝĂ ĂŽƐ :ŽǀĞŶƐ ĚĂ ͞dĞƌƌĂ ĚŽƐ ,ŽŵĞŶƐ͕͟ Ă ŝƌĞĐĕĆŽ ĚĞƐƚĂ Instituição  agradece  a  maneira  fraterna  e  espontânea  do  gesto  recebido.   Mantém-­‐ƐĞ Ž ĐŽŶǀŝƚĞ ƉĂƌĂ ƵŵĂ ǀŝƐŝƚĂ ă ͞dĞƌƌĂ ĚŽƐ ,ŽŵĞŶƐ͟ Ğ ĂƐƐŝŵ ŝƌĆŽ entender,  localmente,  o  empenho  diário  das  profissionais  que  contribuem  para  dar  às   crianças   e   jovens   o   que   nunca   tiveram   até   cheŐĂƌ Ă ĞƐƚĂ ĐĂƐĂ͗ DKZ͘  ͞dĞƌƌĂ ĚŽƐ ,ŽŵĞŶƐ͟ Ġ ƵŵĂ /ŶƐƚŝƚƵŝĕĆŽ ĚĞ ^ŽůŝĚĂƌŝĞĚĂĚĞ ^ŽĐŝĂů͕ ƐĞŵ ĨŝŶƐ ůƵĐƌĂƚŝǀŽƐ͕ ƋƵĞ ĂĐŽůŚĞ crianças  e  jovens  em  risco.  Foi  fundada  em  1992,  acolhe  crianças  dos  0  aos  12  anos,  de   ambos   os   sexos,   que   se   encontram   em   risco,   estando   actualmente   25   no   Centro   de   Acolhimento  Temporário  e  5  em  Unidade  de  Emergência.     A  Direcção  da  Terra  dos  Homens   Ilustrações  da  notícia  do  Jornal  de  Amarante  ʹ  23/12/2010   Festa  de  Natal  da  Creche  e  do  Jardim-­‐de-­‐infância  do  Colégio  de  São  Gonçalo    

     

32  

 


COLÉGIO  DE  SÃO  GONÇALO   Festa  de  Natal              

                    ŶƚƌĞŐĂĚŽĐŽŶƚƌŝďƵƚŽĚĞEĂƚĂůĂŽZĞƉƌĞƐĞŶƚĂŶƚĞĚĂ͞dĞƌƌĂĚŽƐ,ŽŵĞŶƐ͟  

                                  Ilustração   Paulo  José  Pereira   Idade:  7  anos   Colégio  de  São  Gonçalo    

   

33  


O  CASAL  DE  DIABOS  DE  AMARANTE       No  período  das  Invasões  Francesas  em   1809,   no   séc.   XIX,   o   casal   de   diabos   que   existia   no   Mosteiro   de   São   Gonçalo   e   fazia   parte   do   culto   da   fertilidade,   não   passou   despercebido   e,   por   isso,   também   não   foi   poupado.   Os   soldados   de   Napoleão   pegaram   nos  diabos,  vestiram-­‐nos  com  roupas  de  frades  e  queimaram-­‐nos.   Depois,   organizaram   uma   procissão   pelas   ruas   da   vila,   mostrando   as   suas   habilidades  de  mau  gosto  e  o  pouco  respeito  que  tinham  pelos  frades  do  convento.            

Muito  depois  da  fuga  dos  franceses,  os  frades  do  convento  pediram  ao  mestre  

António   Ferreira   de   Carvalho   que   fizesse   um   casal   de   diabos   igual   ao   que   tinha   sido   queimado  na  altura  da  invasão.            

O  mestre  lá  fez  os  diabos,  mas  desta  vez  eles  ficaram  com  um  furo  de  cada  lado  

da  cabeça,  que  servia  para  colocar  uma  vela  ou  uma  cruz.  Depois  de  prontos,  lá  foram   fazer  companhia  aos  santos  do  altar.            

Mas,  a  história  de  tão  atribulado  casal  continuou.  

         

Por   volta   de   1870,   o   bispo   de   Braga   considerou   uma   vergonha   os   diabos  

partilharem  lugar  com  os  santos  e  ordenou  que  os  queimassem.  Tal  não  aconteceu,  no   entanto,  o  diabo  ficou  sem  os  órgãos  sexuais.            

Mais   tarde,   um   inglês  que   passou  por   Amarante   achou   os  diabos   engraçados,  

comprou-­‐os  e  levou-­‐os,  apesar  dos  protestos  da  população.  Em  1889  este  inglês  expôs   o  casal  na  Feira  Internacional  de  Paris.  O  casal  regressou  pouco  tempo  depois  face  a   várias   investidas   diplomáticas   exercidas   pelo   então   presidente   da   Câmara   Municipal,   António  do  Lago  Cerqueira,  e  nesse  dia  houve  festa.  O  dia  dos  diabos  passou  a  ser  a  24   de  Agosto  e  nesse  dia  não  se  trabalhava,  era  como  se  fosse  dia  santo.            

Os  diabos  estão  agora  no  Museu  Amadeo  de  Souza  Cardoso,  como  símbolo  de  

tradição.   www.wikipedia.org/wiki/   Procissão_dos_diabodiabosdeamarante2010.blogspot.com/   www.cm-­‐amarante.pt/  

 

34  

 


PRINCESA  DO  TÂMEGA     Amarantina   por   casamento   e   adopção,   aprendi,   com   o   decurso   dos   anos,   a   apreciar  as  belezas  desta  cidade  e  sobretudo  do  rio  que  a  atravessa.   Observando   meu   marido   a   descrever   aos   netos   como   se   vivia   em   Amarante   e   como  o  rio  era  importante  na  vida  dos  amarantinos.  Contava  assim:   «Da   vossa   idade,   ou   mais   novitos,   quatro   ou   cinco   anos,   aprendíamos   a   nadar.   ^ĂşĂŵƚŽĚĂƐĂƐŵĂŶŚĆƐĚŽŝƐŽƵƚƌġƐďĂƌĐŽƐ͕ƵŶƐĚŽ͞ƌƋƵŝŶŚŽ͕͟ŽƵƚƌŽƐĚŽ͞DĞƌĐĂĚŽ͟Ğ juntos   navegavam,   rio   acima,   impulsionados   por   vigorosas   remadas   dos   filhos   da   ^ĞŶŚŽƌĂ͞/ƐĂďĞůnjŝŶŚĂ͕͟ĐĂƌƌĞŐĂĚŽƐĚĞŵŝƷĚŽƐĞƵŵĂDĆĞĞŵĐĂĚĂďĂƌĐŽ͘   ŚĞŐĂĚŽƐ ăƐ ͞njĞŶŚĂƐ͕͟ ĞƌĂŵ-­‐nos   postas   debaixo   dos   braços   duas   cabaças,   unidas   por   uma   correia   e   assim   flutuávamos   aprendendo   alguns   movimentos   de   ŶĂƚĂĕĆŽ͘ YƵĂŶĚŽ Ă ^ĞŶŚŽƌĂ ͞/ƐĂďĞůnjŝŶŚĂ͟ ĞŶƚĞŶĚŝĂ ƋƵĞ ĞƐƚĄǀĂŵŽƐ ĂƉƚŽƐ͕ acompanhava-­‐nos  até  ao  meio  do  rio  e  largando-­‐ŶŽƐ͕ƐĞŵĐĂďĂĕĂƐ͕ŐƌŝƚĂǀĂ͗͞ŽŵĞŶŝŶŽ mexa   que   enquanto   mexer   não   vai   ao   ĨƵŶĚŽ͘͟ KůĄ ƐĞ ŵĞdžşĂŵŽƐ Ğ ƋƵĞ ƌĂƉŝĚĂŵĞŶƚĞ chegávamos   à   margem!   Ao   fim   da   manhã;   pão   com   aquelas   compotas   caseiras   ou   ĂƋƵĞůĂŵĂŶƚĞŝŐĂĂǀƵůƐŽĚĂ͞sŝƷǀĂĚŽdĞſĨŝůŽ͖͟ƐĞĐĂƌĂŽƐŽůĞƌĞŐƌĞƐƐĂƌĂĐĂƐĂ͘EŽĚŝĂ seguinte  voltaríamos.   Mais   tarde,   adolescentes   e   alunos   do   Colégio   de   São   Gonçalo,   situado   na   margem   do   rio,   era   este   que   com   as   suas   cheias   nos   dava   alguns   dias   sem   aulas.   Galgando   as   margens   inundava   o   ginásio   e   a   entrada   dos   rapazes,   (sim,   havia   uma   entrada   de   rapazes   e   outra   para   raparigas).   Anos   houve   em   que   a   destruição   foi   ŝŵĞŶƐĂ͕ĐŚĞŐƵĞŝĂĂŶĚĂƌĚĞďĂƌĐŽŶŽ͞ƌƋƵŝŶŚŽ͘͟ZĞƉĂƌĞŵƋƵĞĂƐŵĂƌĐĂĕƁĞƐĨĞŝƚĂƐŶŽ ͞ŽǀġůŽ͟ƐĆŽŵĂŝƐĂůƚĂƐƋƵĞǀſƐ͘   Anos   depois   era  ainda   este   rio   testemunha   de   tímidas   promessas   de   amor   que   fazíamos,   passeando   nas   suas   margens   e   atirando  pequenas   pedras   para   o   seu   leito.     Agora,   tal   como   eu,   está   mais   velho,   lento   e   poluído,   espero   que,   como  a  mim,  o  vosso  amor  o  mantenha   vivo.»       Foi  ouvindo  estas  e  muitas  outras   histórias   que   aprendi   a   observar   e   gostar   deste   rio   que   fez   de   Amarante   sua  princesa.                        

35  


BREVE  HISTÓRIA  DE  AMARANTE     Vamos  contar  uma  história   Que  fica  p´ra  cá  do  Marão   Da  cidade  de  Amarante   Que  temos  no  coração     É  uma  cidade  encantadora   Cheia  de  rara  beleza   Tem  aos  pés  o  Rio  Tâmega   De  extraordinária  grandeza     Amarante  é  um  jardim   Matizado  de  flores   As  telas  foram  pintadas   Por  grandes  e  ilustres  pintores     Esta  cidade  encantada   É  um  mundo  de  poesia   De  muitas  telas  pintadas   E  cheias  de  fantasia     A  alegria  das  fontes   São  lágrimas  de  Pascoaes   As  flores  são  o  poeta   Nos  arranjos  florais.     Mosteiro  de  S.  Gonçalo   Monumento  de  rara  beleza   É  o  nosso  património                                                                                                                                  E  uma  grande  riqueza.  

36  

 


A  igreja  de  S.  Gonçalo   Visitada  por  muitos  turistas   Actuam  grandes  orquestras   E  também  boas  fadistas.     Há  vestígios  romanos   E  igrejas  medievais   Solares  que  guardam  história   Recheados  de  canaviais.     Não  podemos  esquecer   O  nosso  S.  Gonçalinho   Casamenteiro  das  velhas   Quando  puxam  o  cordelinho.     Nesta  pequena  história   Não  esquecemos  a  gastronomia   O  nosso  cabrito  assado   E  a  deliciosa  doçaria.     Muito  mais  havia  a  contar   Da  cidade  de  Amarante   Convidamos  toda  a  gente   A  ver  o  Marão  deslumbrante.                         Ilustração   Alunos  do  4º  A  -­‐  Colégio  de  S.  Gonçalo  

 

37  


LENDA  DE  SÃO  GONÇALO  E  OS  PÁSSAROS       Em  data  não  precisa,  no  que  respeita  não  só  ao  dia  mas  também  ao  mês  e  ano,   os  pais  de  Gonçalo  Pereira,  menino  em  idade  de  brincar,  tiveram  necessidade  de  ir  a   uma  romaria  a  S.  Paio  de  Vizela,  aldeia  próxima  de  sua  residência,  não  só  para  fazerem   algumas   compras   mas   também   para   venerarem   o   santo   padroeiro.   Como,   logo   de   manhã   cedo,   tivessem   posto   o   milho-­‐alvo   na   eira   para   secar   visto   estar   um   dia   soalheiro,   chamaram   o  filho   Gonçalo  e   incumbiram-­‐no  de   vigiar   o   milho   para   que   os   pardais  e  os  outros  pássaros  não  o  comessem.     Gonçalo  prometeu  cumprir  com  as  recomendações  do  pai  mas  também  queria   ir  à  festa.  Deixou  que  os  pais  saíssem  e  começou  a  pensar  como  é  que  haveria  de  ir  à   romaria  sem  deixar  que  os  pardais  comessem  o  milho.    Pensou,   tornou   a   pensar   e   sem   demoras   descobriu   como   ir   à   festa.      Começou  a  chamar  todos  os  pássaros  que  havia  por  ali  e  meteu-­‐os  todos  no  alpendre   fechando  a  porta  com  todo  o  cuidado.   Guardados  os  pássaros  meteu  pés  ao  caminho  e  foi  à  festa.     Chegado   ao   rio,   Gonçalo   pediu   ao   barqueiro   que   o   atravessasse   para   a   outra   margem,  este  instruído  pelos  pais  dele  recusou.  Gonçalo  lançou  a  sua  capa  sobre  o  rio   e  atravessou-­‐o  em  cima  dela.   Já   na   festa,   seus   pais   encontraram-­‐no   e   ficaram   muito   zangados   por   ele   ter   abandonado  o  milho  na  eira  à  sorte  da  passarada,  apesar  de  Gonçalo  os  acalmar  e  lhes   contar  o  que  havia  feito.     Não   acreditaram   e   sem   grandes   demoras   voltaram   para   casa.     Ao   chegarem   à   eira   verificaram   que   o   milho   estava   muito   bem   espalhado,   muito   sequinho  e  nem  um  pardal  à  vista.  Estavam  todos  presos  no  alpendre.     Seu   pai   pensou   logo   em   apanhar   uns   quantos   para   fazer   uma   refeição   mas   Gonçalo  foi  a  correr  e  abriu-­‐lhes  a  porta  dizendo:      -­‐Fujam  passarinhos.      Não  ficou  um  que  fosse  e,  de  novo,  todos  gozaram  de  liberdade.   Ilustração:   Alunos  do  1º  B   Colégio  de  S.  Gonçalo  

38  

 


SÃO  GONÇALO  DE  AMARANTE      

 

 

S.  Gonçalo  de  Amarante  

 

És  um  Santo  Milagreiro  

O  Colégio  tem  teu  nome  

Deitas  perfume  nas  novas  

Teu  lugar  é  o  primeiro  

És  um  bom  casamenteiro.  

Todos  os  que  aqui  passam  

 

Sentem  orgulho  no  padroeiro.  

Esta  terra  de  Amarante  

 

Tem  muito  que  agradecer  

Minha  terra  é  Amarante  

Ao  Santo  que  lhe  dá  nome  

Terra  que  me  viu  nascer  

E  que  sempre  a  fez  crescer.  

S.  Gonçalo  o  padroeiro  

 

Para  sempre  o  vamos  ter.  

Deram-­‐te  o  nome  Gonçalo  

 

Quando  foste  baptizado  

 

Logo  que  olhaste  para  a  cruz  

 

Viste  o  teu  destino  traçado.  

 

 

 

Não  és  natural  de  Amarante  

 

Mas  aqui  vieste  parar  

 

Trazer  alegria  ao  povo  

 

Que  aqui  estava  a  morar.  

 

 

 

Teus  milagres  se  espalham  

 

Por  esse  Portugal  fora  

 

Não  há  ninguém  que  não  saiba  

 

Que  és  Santo  aqui,  e  agora.  

 

 

 

   

Ilustração   Helena  Beatriz,  4º  D     Colégio  de  S.  Gonçalo  

 

 

39  


TEIXEIRA  DE  PASCOAES                                                                                                                                                                               IIustração       Decalque  realizado  pelos  alunos  do  3º  ano  C  -­‐  Colégio  de  S.  Gonçalo  

  Biografia     ͞ŵEŽǀĞŵďƌŽŶĂƐĐŝ͕ƉŽƌƵŵĂƚĂƌĚĞƚƌŝƐƚĞ͕   Quando  os  sinos  soluçam  badaladas;   ͙   EĂƐĐŝŶŽĚŝĂĞůĞŝƚŽĚĂ^ĂƵĚĂĚĞ͕͟   ;͞ŵŝŶŚĂŚŝƐƚſƌŝĂ͟ŝŶTerra  Proibida)     Joaquim  Pereira  Teixeira  de  Vasconcelos  é  o  nome  completo  do  grande  poeta  e   prosador  amarantino  de  vasta  projecção  nacional  e  internacional.  Nasceu  na  freguesia   de   S.   Gonçalo,   mas   viveu   na   casa   de   Pascoaes,   em   Gatão,   propriedade   de   seus   pais,   conselheiro   João   Pereira   Teixeira   de   Vasconcelos   e   D.   Carlota   Guedes   Monteiro,   grande  casa  solarenga  que  depois  herdou.   Nasceu  a  2  de  Novembro  de  1877  e  morreu  na  sua  casa  de  São  João  de  Gatão   em  1952.   Estudou   no   liceu   de   Amarante,   e   licenciou-­‐se   em   Direito   na   Universidade   de   Coimbra,  em  1901,  tendo  exercido  advocacia  em  Amarante  e  no  Porto.  Foi  nomeado   juiz  substituto  em  Amarante,  em  1911,  cargo  que  exerceu  durante  2  anos,  dando  por   finda  a  sua  carreira  judicial  em  1913,  altura  em  que  se  refugia  na  sua  casa  de  Gatão,   dedicando-­‐se  à  gestão  das  propriedades  e  à  contemplação  nostálgica  da  natureza,  em   especial  da  sua  amada  Serra  do  Marão,  fonte  de  sua  inspiração,  à  leitura  e  sobretudo  à   escrita.   Era   desde   novo   um   ser   solitário   mas   Pascoaes   era   local   de   peregrinação   de   inúmeros  intelectuais  e  artistas  nacionais  e  estrangeiros.  

40  

 


Pascoaes,  segundo  palavras  de  Eugénio  de  Andrade,  que  privou  com  ele  já  este   tinha  70  anos,  «era  uma  pessoa  espontânea,  simples,  tímido  e  reservado,  apesar  de  a   sua  grandeza  ser  visível.  A  sua  presença  era  inquieta  e  feliz,  sendo  também  terrível  e   acusador  como  um  profeta  do  Velho  Testamento  não  deixando  nada  em  sossego,  em   nome  da  verdade.  A  mentira  era  para  ele  o  maior  dos  pecados.»        

Integrado  no  movimento  cívico  e  cultural  portuense,  em  1911  juntamente  com  

Leonardo   Coimbra   e   Jaime   Cortesão   funda   o   grupo,   «RENASCENÇA   PORTUGUESA,   e   entre  1912  e  1916  dirige  a  parte  literária  da  revista  a  «Águia»  tornada  então  no  órgão   daquele   movimento.   Nesta   publicação   Pascoaes   pretende   inculcar   a   saudade   como   «expressão   superior   da   alma   portuguesa   nas   suas   duas   vertentes   de   lembrança   e   desejo,  afirmando-­‐se  como  o  grande  teorizador  do  Saudosismo,  movimento  religioso  e   filosófico   de   auto-­‐conhecimento   e   reconstrução   nacional   desencadeado   pela   convulsão   política   de   1910   (advento   da   República).   Pretende   «restituir   Portugal   aos   seus  valores  espirituais  próprios»   No  liceu  de  Amarante  ensaia  os  seus  primeiros  versos,  poesias  líricas  e  satíricas,   sendo  publicadas  em  antigos  números  da  «Flor  do  Tâmega»,  jornal  local.    A   sua   obra   está   traduzida   em   várias   línguas.   O   seu   primeiro   livro   intitulava-­‐se   Embriões  (1895)  e  foi  seguido  de  uma  série  de  publicações.         A  sua  obra  literária  mais  significativa   Poesia:     Sempre  -­‐1898;   À  Minha  Alma  -­‐1898;   Terra  Proibida  -­‐1899;   Vida  Etérea  -­‐1906;   As  Sombras  -­‐1907;   Marânus  -­‐1911;   Regresso  ao  Paraíso  -­‐1912;   Elegias  -­‐1912;   O  Doido  e  a  Morte  -­‐1913;   Contos  Indecisos  -­‐1921;   Sonetos  -­‐1925;   Cânticos  -­‐1925.        

41  


Prosa   O  Espírito  Lusitano  ou  o  Saudosismo  -­‐  1912;   O  Génio  Português  na  sua  Expressão  Filosófica,  Política  e  Religiosa  -­‐1913;   A  Era  Lusíada  -­‐  1914;   O  Penitente  -­‐  1942     Dos  seus  poemas  escolhi     Canção  Duma  Sombra   Ai,  se  não  fosse  a  névoa  da  manhã   E  a  velhinha  janela  onde  me  vou   Debruçar  para  ouvir  a  voz  das  causas,   Eu  não  era  o  que  sou.   Se  não  fosse  esta  fonte  que  chorava   ĐŽŵŽŶſƐ͕ĐĂŶƚĂǀĂĞƋƵĞƐĞĐŽƵ͙   E  este  sol  que  eu  comungo,  de  joelhos,   Eu  não  era  o  que  sou.   Ai,  se  não  fosse  este  luar  que  chama   Os  aspectos  à  Vida,  e  se  infiltrou,   Como  fluido  mágico,  em  meu  ser,   Eu  não  era  o  que  sou.   E  se  a  estrela  da  tarde  não  brilhasse;   E  se  não  fosse  o  vento  que  embalou   Meu  coração  e  as  nuvens  nos  seus  braços   Eu  não  era  o  que  sou.   Ai,  se  não  fosse  a  noite  misteriosa   Que  meus  olhos  de  sombras  povoou   E  de  vozes  sombrias  meus  ouvidos,   Eu  não  era  o  que  sou.   Sem  esta  terra  funda  e  fundo  rio   Que  ergue  as  asas  e  sobe  em  claro  voo;   Sem  estes  ermos  montes  e  arvoredos   Eu  não  era  o  que  sou.        

42  

 


A  DEFESA  DA  PONTE  DE  AMARANTE     A   época   das   Invasões   na   minha   região   é   um   grande   ponto   de   encontro   de   Amarante  com  a  História.   A   defesa   da   ponte   de   Amarante   é   um   dos   actos   heróicos   preconizados   pelo   militar  General  Silveira.   Foi   durante   14   dias   que   este   General   ajudado   pelos   nossos   soldados   resistiu   à   luta   travada   pelo   General   Soult   que   trazia   consigo   forças   superiores   em   número   e   disciplina.   Soult,   inquieto   com   as   notícias   de   que   as   tropas   portuguesas   e   inglesas   sob   o   comando   de   Beresford   vinham   ao   seu   encontro,   tinha   enviado   uma   coluna   do   seu   exército   para   o   vale   do   Tâmega,   para   preparar   uma   eventual   retirada   para   além   -­‐   fronteiras.   A   coluna,   comandada   por   Loison   e   Delaborde,   veio   por   entre   pilhagens,   escaramuça  e  tentativas,  frustrada  de  atravessar  o  rio,  instalar-­‐se  em  Amarante,  onde   entra  em  18  de  Abril  de  1809,  não  sem  antes  ter  saqueado  e  incendiado  as  povoações   de   Vila   Meã   e   Manhufe.   Na   vila   de   Amarante   prosseguiram   as   pilhagens   e   o   fogo   posto.  Ainda  hoje  as  telas  furadas  por  baioneta  em  busca  de  hipotéticos  tesouros  que   tivessem   por   trás,   na   sacristia   da   igreja   de   São   Gonçalo,   falam   de   vorazes   rapinas   francesas.  E  dos  incêndios  que  provocaram  na  sequência  das  pilhagens  fala  ainda  hoje   o   solar   dos   Magalhães.   O   convento  de   Santa   Clara   (onde   por   precaução,   já   não   havia   monjas)   ardeu   a   seguir.   E   praticamente   toda   a   vila,   com   excepção  das  casas  necessárias   a   quartel-­‐general   e   o   hospital   dos  Franceses.   Porém   a   ponte   por   que   contavam  atravessar  o  Tâmega   estava  defendida  pelos  soldados  do  General  Silveira.  

 

43  


E   por   isso  os   Franceses  tiveram  que  estacionar  mais   tempo   do   que   contavam   -­‐   tempo   esse   dedicado   à   destruição   sistemática   da   Vila,   com   tentativas   de   romper   passagem.  14  Dias  durou  a  defesa  da  ponte,  e  só  graças  a  uma  manobra  de  diversão,   aliás  engenhosa,  puderam  os  Franceses  passar,  simulando  uma  tentativa  de  passagem   do  rio  vau  no  açude  dos  Moreleiros  na  noite  de  2  de  Maio  de  1809.  Colocaram  do  lado   do  entrincheiramento  português  cargas  explosivas  que  às  3  da  manhã  rebentaram  com   estrépito,  causando  feridos  e  o  pânico  entre  os  defensores.   As  tropas  francesas  fizeram  a  retirada  com  o  que  restava  do  poderoso  exército  e   deste   modo   chegava   ao   fim   a   invasão   francesa   determinada   por   Napoleão   com   a   derrota  dos  mais  prestigiados  generais.   Pelo   seu   comportamento,   o   General   Silveira   recebeu   o   título   de   Conde   de   Amarante,  mas  a  nossa  Vila  ficou  destruída.                         Ilustração   Inês  Gonçalves   Luís  Van  Zeler   Macedo,   Pequena   História  de   Amarante    

                 

44  

 


ÍNDICE     ŽŶƚŽƐĞ>ĞŶĚĂƐ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘ϭϬ   Uma  mortalha  pesada  a  ouro  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙ϭϭ   ƐŚŝƐƚſƌŝĂƐĚŽƐĂŶƚŽ͞^ĆŽ'onçalo"          ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙ϭϮ                  Primeira  história      ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘ϭϮ                  Segunda  história    ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘ϭϯ                  Terceira  história    ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘ϭϰ   A  lenda  da  dona  loba  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘͘͘ϭϱ   Amadeo  de  Souza  Cardoso  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘͘͘ϭϲ   Poema  /  canção  para  dia  do  pai  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘͘͘ϭϴ   Papos  de  anjo  de  Amarante  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘ϭϵ   Lérias  de  Amarante  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙..͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘ϮϬ   Gonçalo  e  as  moças  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘Ϯϭ   Hino  ao  colégio  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘͘ϮϮ   Hino  Colégio  São  Gonçalo  ʹ  pauta  musical  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘Ϯϯ   Ana,  Ivo  e  o  rato  ratinho  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘Ϯϰ   As  fadas  irmãs  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘Ϯϲ   Lenda  das  Senhorinhas  e  dos  Gervázios  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙.͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘Ϯϴ   Lenda  Senhora  da  Aparecida  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙.͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙ϯϭ   Notícia  do  Jornal  de  Amarante  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘32   Colégio  de  S.  Gonçalo  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙.͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙ϯϯ   O  casal  de  diabos  de  Amarante  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘͘ϯϰ   Princesa  do  Tâmega  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙.͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙ϯϱ   Breve  história  de  Amarante  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙ϯϲ   Lenda  de  são  Gonçalo  e  os  pássaros  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙ϯϴ   São  Gonçalo  de  Amarante  ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙.͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͘ϯϵ   Teixeira  de  Pascoaes  ʹ  biografia  e  poema  seleccionado  -­‐  canção  duma  sombra  ͙͙͙ϰϬ   A  defesa  da  ponte  de  Amarante    ͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙͙...  43    

 

45  


ESCOLA  SUPERIOR  DE  TECNOLOGIA  E   GESTÃO  DE   Reinventar   a   FELGUEIRAS   Leitura   ESCOLA  SUPERIOR  DE  TECNOLOGIA  E   GESTÃO  DE   e   FELGUEIRAS   a   Escrita   na   Aula   do   1º  CEB   e   do   Pré-­escolar  

   

 

46  

 

 


Contos, lendas e outros que tais